Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Do emprego ainda recente duma mó manual 1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 4.° (Porto, 24 de Outubro de 1903), pp. 828 (...)

1Certas pedras encontradas em várias estações neolíticas denunciam, pela depressão mediana que um prolongado atrito originou, o seu uso como utensílio rudimentar de moedura. O pilão ou triturador complementar, ordinariamente associado, os despojos ou vestígios de cereais em alguns casos menos frequentes, o mesmo pão grosseiro inicial, tudo converge para se assinalar a esse aparelho primitivo o destino em que o investiriam para a realização dum alimento pouco superior, aliás, ao grão assado ou cozido.

  • 2 MORTILLET, Le Musée préhistorique, fig. 587 da pl. LXI. Reinwald ed. Paris, 1881.
  • 3 H. SCHLIEMANN, Ilios, págs. 292-3. F.-Didot ed. Paris, 1885.
  • 4 ENRIQUE Y LUIS SIRET, Las primeras edades del metal en el sudeste de España, trad. de S. Thós y Cod (...)

2Entanto um processo desta arte simplista foi o que ocorreu aos povos mais diversos nos tempos e nos lugares mais distantes, mercê daquele acerto indefectível, em que hoje todos a sentimos, de que uma mesma necessidade promove, de ordinário, a ideação dum só utensílio. As duas pedras para a trituração do grão estão ainda em uso nalgumas populações arredadas na civilização e no espaço ; foi ainda mais vasto o seu emprego em épocas históricas não remotas que o descobridor surpreendeu e revelou ; surgiram das ruínas mais longínquas da Caldeia e do Egipto ; exumaram-se de entre os escombros de Tróia e de Micenas, das terramares de Emília e das habitações lacustres da Suíça. E o instrumento limitava-se, imutavelmente, à pedra maior, fixa ou dormente, e à mais pequena, arredondada, destinada ao movimento : (2) as troianas, de traquite ou basalto, ovaladas, de dois decímetros de comprimento até seis, quando muito ; (3) as de Ifre, entre outras estações do sudeste de Espanha, de pudingue e outras substâncias, as mesmas dimensões das precedentes, sendo as fixas acentuadamente bem cavadas e as móveis semi-elipsoidais e mais pequenas ; (4) estoutra, do Outeiro das Giestas, em Valongo, hoje no Museu do Porto, de rocha quartzosa, oblonga, trinta e seis centímetros no maior diâmetro e a depressão acusada fortemente.

1 — Mó manual (Castro de Guifões)

1 — Mó manual (Castro de Guifões)

2 — Corte da mó de Guifões

2 — Corte da mó de Guifões

3Ao que parece envolveu-se ulteriormente para as mós discóides, emparelhadas, a inferior bombeando conicamente para o alto, e a superior adaptando-se-lhe, com ou sem rebordo, e um orifício central que a atravessa, dando com um mais diminuto da inferior, que logo morre. São assim frequentemente as que se encontram nos castros, mais ou menos espessas, com a superfície cónica pouco ou acentuadamente relevada, de granito, de conglomerado ou pudingue ferruginosos (Guifões) e doutras substâncias, em alguns casos mesmo com uma depressão na face superior da mó girante, como para acumular algum do grão que vai moer. (Figs. 1 e 2).

  • 5 L. LINDET, Les origines du moulin à grains, in Revue Archéologique, pág. 31, n.° 1 da flg. 18, tom. (...)
  • 6 LINDET, Ob. cit., págs. 29-30 e fig. 17.

4É este o tipo precisamente igual ao da mó galo-romana (5) e que o professor Lindet julga não anterior mas derivando das latinas. Assim o romano se encontrasse na Gália a mó discóide, leve e portátil, não construiria a sua, pesada e maciça. Talvez pela necessidade de os exércitos em campanha transportarem as suas moendas, é que, nessa opinião peregrina e singular, a transformação lento e lento se efectua : o catillus, duplamente infundibuliforme, amesquinha-se ; extingue-se o tronco de cone superior ; o inferior deprime-se e encurta como a meta em que assenta e se adapta ; em breve aparece a mó galo-romana de que um tipo figurado do museu de Insbriick (6) é quase a que representamos, de Guifões !

5Desta sorte e em tal ideia o gaulês, ao tempo da invasão, ainda mantinha o método primordial do pilão ou percutor ; o aparelho relativamente aperfeiçoado do romano simplifica-se, não para se obter, ao menos, igual produto, mas outro inferiormente panificável ; os recursos que à sua máquina permitiam a pulverização da farinha em vário grau são dispensados ; e um aparelho grosseiro que do triturador inicial se não distancia grandemente, substitui um outro mais perfeito só porque é mais fácil, à legião, o transportá-lo!

6Nesse critério como explicar ainda o mesmo tipo de moenda em populações escandinavas e eslavas, berberes e orientais, bárbaras de outrora e ainda de hoje ?

  • 7 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, Tom. 1, La Grèce, pág. 266. Rothschild ed. Paris, 1884.

7A mó manual, que no mobiliário doméstico dos castros se exibe sempre em número, foi, naturalmente, a que sucedeu ao primitivo jogo neolítico. Já na Grécia antiga o moinho de mão se compunha de duas pedras com dois pés de diâmetro, mais ou menos ; a superior punha-se em rotação por uma manivela adaptada ; e assim se pulverizava o trigo introduzido por uma abertura praticada nesse disco – precisamente como ainda hoje nas ilhas do mar Egeu. (7)

  • 8 BLUTEAU, Vocab., voc. , pág. 521, tom. V. Coimbra, 1713.
  • 9 VITERBO, Elucid., voc. Azena, pág. 156 e voc. Camba, pág. 231, tom. I. Lisboa, 1798.

8Passou de vez quando aos animais e à água se buscou a força motriz e pelas correntes se dilatou a expansão da azenha e do moinho ? Em vocabulários não remotos a alusão ao movimento circular da « mó de mão» por braço de homem traduz o seu emprego, sequer ainda não de todo obliterado ou esquecido. (8) E já mais tarde se assinalava que tais moinhos, também cambas, picarnéis ou molinheiras, não poderiam cair em esquecimento nos casos de irregularidade dos ventos, dos excessivos calores secarem as águas ou de os inimigos assediarem os povos. (9)

9Ora foi esta mesma razão da estiagem que se aduzia, em algumas localidades do norte do país, para explicar o uso ainda não olvidado das moendas de mão. Muitos adultos accionaram-nas em crianças ; e a despeito da adaptação de grande número a acessórios construtivos, bastantes subsistem ainda nas casas de lavoura, ou decididamente inúteis, ou ainda apropriadas à trituração do milho mais destinado às aves juvenes e às denominadas papas de milharo ou painço no banquete tradicional do sarrabulho.

  • 10 O A. fez transportar para o Museu municipal do Porto, com destino à secção etnográfica nacional, o (...)

10Escolhendo um exemplar que facilmente possa ser observado (10) temos, em primeiro lugar, um banco com cerca de 0,7 m. de alto (fig. 3, C). É sobre esta trempe que assenta um disco de granito (B) com 0,7 m. de diâmetro e 0,235 m. de espessura, mais vulgarmente chamado e ainda pia (Terroso) e que constitui, afinal, a mó dormente. A depressão para alojar a andadeira (A) origina o rebordo vertical cuja altura mede 0,085 m. e a largura não vai além de 0,1 m. Ao centro o pé é atravessado pela bucha (fig. 4, C), toro de madeira com um decímetro de diâmetro, se tanto, e no meio do qual passa verticalmente o veio de ferro (fig. 4, D) procedente da travessa perpendicular à face anterior do banco. Na extremidade superior desse espigão uma verga também de ferro, a segurelha (fig. 4), encontra, na andadeira, a ranhura onde encaixa, apêndice esse cujo movimento é o mesmo da volante. O rasgo, por fim, é a caleira por onde a farinha sairá.

11A andadeira, com diâmetro e espessura mais restritos, 0,47 m. e 0,085 m. para um e outra, tem lateralmente um orifício donde emerge o tufo (E) para o alto e ao qual se adapta a vara ou o cambão (D) com que se imprimirá o movimento rotatório. Pelo orifício que vasa a mó girante ao centro, com 0,095 m. de diâmetro, entra o milho destinado a triturar ; e como da aproximação das mós dependa a finura da farinha a obter é com uma cunha, mais ou menos penetrada entre o pé e a travessa, que o veio sobe ou desce e as mós ficam mais ou menos soltas. Assim se tempera, pela maior ou menor junção dos discos, o aparelho ; assim se apura, como convém, a moedura.

12Exaradas as dimensões duma mó de mão procedente de Beiriz, convém anotar que outras se exibem, nomeadamente nos diâmetros, mais pequenas quase metade da descrita ; e outras houve tão avantajadas que na girante se anexavam dois tufos para, aos cambões correspondentes, andarem dois moendeiros. Em qualquer dos casos o esforço empregado para o funcionamento do moente não era tão considerável que reclamasse, as mais das vezes, a energia superior à duma mulher e à duma criança de doze anos, destacada, para tal serviço, num coberto onde a mó se instalava com outros utensílios de lavoura (fig. 5).

13Sobre as mós dos castros são evidentes os progressos. As denominações de andadeira e , a inovação da bucha, veio e segurelha, o regulamento ou tempero pela cunha, constituem, como acessórios e onomástico, elementos e terminologia bem conhecidos nos moinhos. Foram imitados destes, adoptando posteriormente os benefícios alcançados pela experiência do moleiro da azenha e do moente accionado a gado ou à vela, ou esses pequenos progressos sucessivamente passaram da mó manual para as mais complexas ? É grato supor os aperfeiçoamentos envolvendo no moinho de mão e passando seguidamente, em grande, para os de bois e para os de água. Mas também poderiam ter subsistido paralelamente com os que foram imaginados para funcionarem com gado e depois aperfeiçoados pela observação e pelo tempo. A mó manual manter-se-ia como recurso tradicional e extremo nos Agostos de calma e de secura ; mas sendo grosseiro de mais o seu produto adaptavam-se à máquina rudimentar os acessórios compatíveis que, nos instrumentos mais perfeitos, realizavam uma farinha também mais fina e suportável.

14Tanto isto é presumível que, em alguns casos, as adaptações vão até à adição, na mó volante, da moega (Beiriz), da moega e do guelho (Rates), de outras modificações arquitecturais de mais relevo. É o caso de Terroso (fig. 6) em que um homem de lavoura – como as crianças

3 – Mó de mão actual (Beiriz).

3 – Mó de mão actual (Beiriz).

4 – Corte da mó de Beiriz.

4 – Corte da mó de Beiriz.

5 – Mó de mão actual (Nabais).

5 – Mó de mão actual (Nabais).

6 – Mó de mão actual (Terroso)

6 – Mó de mão actual (Terroso)

Em Castro Laboreiro.

Cliché de Rocha Peixoto

Em Castro Laboreiro.

Na Gralheira.

Clichés de Rocha Peixoto

Em Gondar, faldas do Marão.

Clichés de Rocha Peixoto

Em Moreira de Lima, faldas da Serra de Arga.

No Suajo.

Clichés de Rocha Peixoto

15Cliché de Rocha Peixoto procedendo por imitação hábil e cândida – encostou ao ângulo das paredes dum telheiro uma mó manual que uma travessa inferior ainda ajudava a suportar. Acima ficava o tronco de pirâmide invertido e aberto, a adelha, onde era lançado o grão que uma calha vertia ao meio da corredoura. Como nos moinhos um taramelo ou chamadoiro mantinha ininterrupta a oscilação do quelho; e inferiormente trabalhava o cambão anexado a um ferro curvo, o qual, atravessando as duas mós, punha só a superior em movimento.

Em Ancede (Baião).
Em Argivai (Póvoa de Varzim).

Clichés deRocha Peixoto

16Por indagações efectuadas num intento de certeza incontrastável pode-se assegurar o emprego desta mola manuaria – ainda há cerca de 30 anos e quando menos expansão tinham os moinhos de água e os de vento – nas seguintes freguesias de quatro concelhos confinantes :Gondifelos, Fradelos e Cavalões (Famalicão) ; Santa Maria e S. Martinho de Galegos, S. Paio do Carvalhal, Grimancelos e Macieira de Rates (Barcelos) ; Balasar, Terroso, S. Pedro de Rates, Laundos, Beiriz, Amorim, Argivai, Póvoa de Varzim (vila), Nabais e Estela (Póvoa de Varzim) ; Touguinha, Arcos e S. Cristóvão de Rio Mau (Vila do Conde). É de crer que outras freguesias a adoptassem, encontrando-se ainda nelas a memória do seu uso. E que a generalização foi de grande amplitude presume-se ao considerar as notícias colhidas ocasionalmente em outras localidades mais distantes : Geraz do Lima (Viana) ; Cete (Paredes) ; Travanca e Mancelos (Amarante) ; Murtosa (Aveiro), até em Lindoso onde, aliás, parece que a usara um soldado do concelho de Barcelos.

17Nos quatro concelhos onde foi possível, com mais individuação, fixar o emprego ainda lembrado da moenda manual não sobrevivem, tão vivazes, os vestígios da atafona. Recorda-se que em Minhotães (Barcelos) uma grande mó, sob um coberto, era movida por um boi ; por dois uma outra em Santa Maria de Galegos e ainda em mais freguesias do concelho ; outra ainda funcionava, raramente, em Louro (Famalicão). Examinada esta, os seus elementos construtivos eram os mesmos do moinho de água e de vento, com a diferença, relativamente ao último, da inversão da entrosa que, no de bois, ficava sob o pé. Ao lado e debaixo do mesmo telheiro que abrigava a atafona, com o seu pé e andadeira, o tremonhado, o quelho, o chamadoiro, o tempero e o masseirão, dispunha-se uma roda de azenha que ou transmitia o movimento ao tambor dum engenho de linho, ou, de outra banda, à moenda. Para tal os dentes da roda engrenavam nos fuséis dum carrinho cujo eixo horizontal ligava e era eixo da entrosa. Esta, dentada como é sabido, por seu turno engrenava num carrete vertical de ferro cujo eixo, prolongado superiormente, findava,, com a segurelha, na andadeira. A passo uma junta de bois moía uma rasa de milho numa hora.

  • 11 BLUTEAU, Vocab. cit., voc. Atafona, tom. I, pág. 624.–VITERBO, Eluc. cit., voc. Azena, tom. I, pág. (...)

18É para anotar que nestas regiões se não estendia a denominação de atafona (tafona, em Galegos, Esposende, etc.) aos moinhos de mão, o que parece ter sucedido noutros lugares como se infere de certas narrações verbais e de algumas passagens literárias já distantes. (11) Mas o que resulta, em última análise, é podermo-nos afirmar contemporâneos do uso de toda a espécie de força motriz aplicada, até agora, à moagem : mão de homem, animais, água, vento e vapor – quase desde a doméstica mó castreja até ao triturador de cilindros!

19Porto, Março de 1903

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 4.° (Porto, 24 de Outubro de 1903), pp. 828-831.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata : ROCHA PEIXOTO/OO EMPREGO AINDA RECENTE D’UMA MÓ MANUAL/Com 6 illustrações no texto/Porto/Imprensa Moderna/1903/4 págs., 206x130 mm.

2 MORTILLET, Le Musée préhistorique, fig. 587 da pl. LXI. Reinwald ed. Paris, 1881.

3 H. SCHLIEMANN, Ilios, págs. 292-3. F.-Didot ed. Paris, 1885.

4 ENRIQUE Y LUIS SIRET, Las primeras edades del metal en el sudeste de España, trad. de S. Thós y Codina, pág. 113 e pl. XI em face de pág. 114. Barcelona, 1890.

5 L. LINDET, Les origines du moulin à grains, in Revue Archéologique, pág. 31, n.° 1 da flg. 18, tom. XXXV. Leroux ed. Paris, 1899.

6 LINDET, Ob. cit., págs. 29-30 e fig. 17.

7 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, Tom. 1, La Grèce, pág. 266. Rothschild ed. Paris, 1884.

8 BLUTEAU, Vocab., voc. , pág. 521, tom. V. Coimbra, 1713.

9 VITERBO, Elucid., voc. Azena, pág. 156 e voc. Camba, pág. 231, tom. I. Lisboa, 1798.

10 O A. fez transportar para o Museu municipal do Porto, com destino à secção etnográfica nacional, o exemplar sobre que incide a descrição e que está completo. Procede de Beiriz, concelho da Póvoa de Varzim.

11 BLUTEAU, Vocab. cit., voc. Atafona, tom. I, pág. 624.–VITERBO, Eluc. cit., voc. Azena, tom. I, pág. 156.

Table des illustrations

Titre 1 — Mó manual (Castro de Guifões)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 2 — Corte da mó de Guifões
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 3 – Mó de mão actual (Beiriz).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 4 – Corte da mó de Beiriz.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 5 – Mó de mão actual (Nabais).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 6 – Mó de mão actual (Terroso)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Légende Em Castro Laboreiro.
Crédits Cliché de Rocha Peixoto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Em Castro Laboreiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Na Gralheira.
Crédits Clichés de Rocha Peixoto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende Em Campeã.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Em Gondar, faldas do Marão.
Crédits Clichés de Rocha Peixoto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Em Moreira de Lima, faldas da Serra de Arga.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende No Suajo.
Crédits Clichés de Rocha Peixoto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Em Melgaço,
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende Em Ancede (Baião).Em Argivai (Póvoa de Varzim).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4285/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 121k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search