Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

A origem duma fórmula mágica 1

Texte intégral

  • 1 Nota publicada na revista Portugalia, tomo I, fasc. 3.° (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 628-62 (...)

1Em The Journal of the Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, n.os 3-4 do tom. XXIX, o sr. F. Haverfield, na comunicação intitulada Notes on the Roman Origin of a Meãiaeval Charm, págs. 306-7, estampa uma conhecida fórmula mágica, reproduzindo a placa encontrada em Cirencester junta a vários despojos romanos. Por este motivo e outros cue adita permite-se atribuir-lhe uma origem romana, a modo de novidade, ao contrário de outros estudiosos que a consideravam mediévica. Diz mais o escritor inglês que essa espécie de nómina lhe parece ainda empregada em algumas partes do mundo. Dum tatuado português a revelámos nós sob a forma n.° 1, que afinal é, invertida, a mesma que o sr. Haverfield figura (n.° 2):

2E já então aludíamos (1891) à interpretação de Koehler, ante a Sociedade Antropológica de Berlim a que se refere o sr. Leite de Vasconcelos na Revista do Minho, tom. I, o qual, e a propósito, ainda transcreve e comenta um artigo de Webster inserto na revista inglesa The Acaãemy (R. P., A tatuagem em Portugal, in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, tom. II, págs. 152-4 e fig. 23 da pl. VIII).

3Remédio mágico e espécie de amuleto, atribuiram-lhe uma origem romana, supondo-a um estribilho de ritual da Roma pagã, ao diante cristianizada. E mais tarde o eminente criminalista C. Lombroso, referindo-se à tatuagem portuguesa, escreve : « ... é uma destas fórmulas mágicas, como diz Koehler, do tempo de Roma, remontando talvez até Catão e destinada a extinguir as febres...» (L’homme criminel, tom. I, pág. 300 da 2.a ed. francesa sobre a 5.a ed. italiana).

4Não oferece pois novidade a ideia e proposta do sr. Haverfield, o qual, citando alguns trabalhos referentes ao assunto, desconhece outros e nomeadamente o escrito na sua língua.

5A propósito desta fórmula, que pode ser lida horizontal ou verticalmente e da direita para a esquerda ou vice-versa, tornando ou não propícios os deuses, reproduzimos o extracto duma carta de Lombroso (1892) ao A. da memória sobre a tatuagem em Portugal, ao tempo inserto na Revista Jurídica, tom. I, pág. 520 : « A última tatuagem-inscrição que reproduz afigura-se-me sobretudo duma importância extrema, pois vem provar como a tatuagem se prende aos tempos mais remotos em que a escrita era coisa tão extraordinária para o público iletrado que assumia o quer que fosse de sagrado ou de diabólico, origem primordial de muitos amuletos escritos. Ainda hoje entre os selvagens se dá a comer ao doente uns bocados de papel com um verso do Alcorão».

Notes

1 Nota publicada na revista Portugalia, tomo I, fasc. 3.° (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 628-629.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4282/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 10k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search