Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Os cercos 1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 3.° (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 623- (...)

1Num dos últimos números da Revue Hispanique (tom. VII, Paris, 1900) o nosso eminente colaborador e ilustre etnologista, sr. Adolfo Coelho, sob o título De algumas tradições da Hispanha e Portugal a proposito de « Estantigua », ocupa-se, em um dos capítulos desta interessante monografia, da solenidade pela qual, de data longínqua, se procurava desviar dos campos os espíritos maus que se opunham ao êxito das colheitas.

2O esconjuro dos animais daninhos na Espanha, em França e na Escócia, a carreira das crianças, no departamento da Mancha, através dos campos, com tochas e exorcismando os bichos, a festa dos brandões na Champanhe e no Berry, a marcha com archotes pelo campo na Alemanha, outros costumes similares ainda, embora de origem vária, mas atinentes a repelirem os inimigos da fertilidade da natureza, enlaça-os o autor com certas festas romanas: – os Lupercalia, os Ambarvalia, várias mais da antiguidade pagã.

3Como vestígios obliterados da festa dos brandões recorda as procissões dos fogaréus em Braga e Coimbra, já extintas ; subsistem entretanto, e por igual em quinta-feira de Endoenças, na Póvoa de Varzim, conduzindo lanternas fantasiosamente ornamentadas a grande maioria dos rapazes da vila. Não falta a matraca e o gáudio, prolongando-se este até às duas horas da madrugada.

4Muito lùcidamente o ilustre publicista vê ainda nas rogações a substituição eclesiástica da festa dos fachos. Com efeito os clamores, rondas e ladários realizam-se ainda hoje às centenas nas províncias do Norte, em voto ou em prece, por motivo de epidemias, de chuvas, de secas e de bichos no milhão ou em outras plantas de cultura. Aludindo à prática já remota, Viterbo diz (Eluc., II, 1799, voc. Ladairo): « Esperavam eles (os nossos maiores) por este modo serem livres dos animais daninhos e destemperança dos ares, que lhes destruíam as searas, matavam os gados e afligiam os povos ». A consagração oficial desta daptação de solenidade pagã observa-se na associação geral dos párocos, na encorporação das câmaras, como a de Amares no clamor a S. Pedro Fins, freguesia de Caires, e ainda na colaboração de cónegos, como na ronda da Lapinha, de S. Lourenço de Calvos à colegiada de Guimarães. Uma monografia nossa, ainda em esboço, esclarecerá e desenvolverá oportunamente a significação e latitude destes votos.

5Mais do que os clamores, cramóis ou caramóis acusam os cercos, ao parecer, vestígios menos distantes da solenidade que o eminente publicista tão eruditamente estuda e interpreta. Foram proibidos no Minho, pelo prelado, há algumas dezenas de anos ; muitas pessoas, entretanto, se recordam, inclusivamente de neles colaborarem. E consistiam nisto. Por motivo de voto antigo e depois da Páscoa a maioria das pessoas duma freguesia, com pendões, cruzes e andores, começava pela manhã a percorrer os limites da paróquia. À frente um grupo de atiradores armados com bacamartes disparava frequentemente, em regra ao desafio, presumindo cada qual em ocasionar maior estrondo. O excesso das cargas originava desastres, bem graves por vezes, e ao cabo da volta, depois de cercada a freguesia, o tiroteio representava o dispêndio de algumas arrobas de munições. Nas freguesias do Vale, do Couto e de S. Jorge, concelho dos Arcos de Valdevez e em outras do de Ponte do Lima ainda se faziam os cercos há 40 anos. E como lembrança deste costume proibido resta hoje a facécia popular, quando algum homem passa de espingarda : « Vais para o cerco ? » Ou então : « Podias ir para o cerco ! »

6Nas freguesias de Amorim, Terroso e Nabais, concelho da Póvoa de Vafzim, efectuavam-se os cercos também depois da Páscoa. A volta à freguesia durava, como em geral em todo o Minho, o dia inteiro. Homens à frente deitavam foguetes constantemente. E entre os andores o S. Sebastião era indispensável. O cerco exprimia uma rogativa para que não houvesse peste e abundassem os frutos.

7O divertimento, os banquetes finais, os galanteios demasiado expressivos durante toda a solenidade, « com as consequências ao cabo de nove meses», como me diziam em Terroso, as rixas, os ciúmes e os tumultos provocaram a proibição desta festa verdadeiramente orgiástica. Mas no intuito e formas que revestiam os cercos não avulta a similitude com o Ambarvalium sacrum, ou procissão em volta das searas verdes ? Os tifos não sefão um vestígio duma forma de defesa do ser daninho, de purificação ? E os frangos oferecidos pelo clamor a S. Pedro Fins não serão o eco dos animais sacrificados nos Ambarvalia ? (A. COELHO, nota da pág. 27 do ext. e DAREMBERG et SAGLIO, Dict., I, voc. Amb. sacrum).

8Clamores e cercos exprimem porventura manifestações levemente diversas duma mesma intenção visto ser-lhes comum a maioria dos elementos. E ocorre-nos ainda pôr em presença de Luperco, provável repulsor de todo o bicho daninho das searas, ou talvez melhor do Caçador infernal, com atributos opostos, o macacão das domínicas, figura monstruosa subposta ao órgão da igreja de Santa Rosa, em Guimarães, e ao qual o vento dos foles faz agitar os braços, abrir a boca e roncar. A ronda da Lapinha tem como uma espécie de posse a exibição desta farsa ao passar na igreja aludida. Também na matriz de Santo Tirso outra caraça, em igual situação, ronca e distende monstruosamente a língua ; por igual sucede noutra igreja de Braga, na Sé, se bem nos ocorre. Será acaso ou uma correlação olvidada, quase perdida ?

9Mas, alheando-nos deste incidente, o que se nos afigura legítimo é incluir os cercos entre as numerosas formas propiciatórias ou esconjuratórias « com que se chamava a fecundidade para a natureza que ressurgia do letargo invernal».

Notes

1 Artigo publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 3.° (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 623-624.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search