Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Uma iconografia popular em azulejos 1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 3.° (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 58 (...)

Les azulejos constituent en partie la physionomie du Portugal.
RACZYNSKI, Les arts en Portugal, 24.ème lettre.

1Depois que o azulejo figurado da Holanda, com o encanto e o eco da sua factura, chegou até nós, os velhos padrões de arabescos e mosaicos, fundamente ligados à indústria têxtil pelo sentimento inspirador da decoração e ornamento, cederam o lugar, em parte, à novidade radiosa que surgia.

2Florões e estrelas, rosetas e laçarias que formavam apenas alisares ou cobriam paredes inteiras num brilhante, e fresco, e colorido revestimento de faiança, procediam directamente da indústria que legara o árabe, como em legado o semita a recebera do ceramista olvidado e distante da Mesopotâmia.

3Então, numa era de memória perdida, fora inventado o esmalte que eternizaria as grandes pinturas murais nos tijolos construtivos ; a graça e o esplendor dos templos e dos palácios reais sobressairiam com as suas representações históricas e míticas, com a exuberância ornamental dos frisos, ombreiras e fachadas, agora indestrutível ou no perene deslumbramento do sol ou sob as escassas mas impetuosas inundações de chuvas e torrentes.

4Babilónia primeiro, depois Ninive, às cores amarela e branca que empregavam sobre um fundo azul, juntavam, para toques complementares, outras cores aplicadas em sulcos cavados no barro ; e a figuração explicava-se em epígrafes de grandes caracteres para remo-merarem, mesmo ao longe, os atributos divinos, as façanhas dos tiranos e a imponência estridente das vitórias!

5Ora foi dos contornos elegantes do alfabeto cúfico, em que as inscrições proclamavam as glórias da Assíria e da Caldeia, que o árabe se aproveitou, nesta mesma região e logo em outras, para o seu estilo decorativo inconfundível ; e foi ainda, porque já com saliências avultavam os detalhes, que, do caldaico e do assírio, herdou o exemplo e o êxito do tijolo relevado.

6As vicissitudes da guerra e os contágios generalizaram, por todo o Oriente, o barro esmaltado e decoral ; lá sobrevive na Pérsia ; transmitira-se ao Egipto desde o reinado longínquo dum Ramsés ; em toda a costa da África, até ao estreito, se estendeu e ficou ; e como o árabe, às regiões vencidas, o submetesse com outra indústria e lavoura, na península o introduziu também e radicou.

  • 2 ÉDOUARD GARNIER, Histoire de la céramique, pág. 344. Mame & Fils eds. Tour, 1882.
  • 3 RAMALHO ORTIGÃO, A fabrica das Caldas da Rainha, pág. 11. Tip. Ocidental ed. Porto, 1891.

7A ornamentação geometral do tijolo mouro, persistindo ulteriormente no azulejo hispano-mourisco, modificou-se naturalmente mas não profundamente ; a placa mantinha-se, numa conexão com os desenhos e as combinações das manufacturas têxteis, exclusivamente decorativa, apenas utilizando, como fizera o árabe já a exemplo do precursor, um ou outro elemento flórico. Até que os produtos de Delft, que por assim dizer resumem o fabrico holandês, começam a inundar os mercados, pelo século XVII ; e a nós chegam essas maravilhosas placas de faiança figurando, em violeta ou azul, cenas bíblicas, guerreiros e paisagens, enquadradas num só azulejo. As quermesses que representam, as caçadas, os combates, as deliciosas marinhas, toda a bucólica flamenga é inspirada nas composições de Wouvermans, de Berghem, de Van Goyen (2) procedendo pois « dos mais comovidos artistas e dos mais eminentes mestres que ainda teve a arte da pintura(3).

8Esta afluência de deliciosos quadrinhos que, com as loiças, avul- taram a produção da Holanda e o seu comércio por toda a Europa, fora precedida, um século antes, pelos padrões orlados de grinaldas e festões, com brutescos e serafins, que nos exportava Talavera. A interferência do ceramista italiano por igual acudia então ao evolver do ornato do azulejo para o assunto historiado. De sorte que nessa época, por estas determinantes conjugadas, as composições em placas de faiança iniciam-se entre nós para assumirem, um século mais tarde, a extensão, o carácter e o fausto em que se exibem ainda nos palácios e nos templos.

  • 4 A. A. GONÇALVES, Breve noção sobre a historia da ceramica em Coimbra, nota da pág. 299. Anexo ao Es (...)

9Imitando ao diante assuntos de tapeçarias em grandes quadros, é muito plausível que nesse mesmo século XVII, sob a inspiração da placa flamenga, se desenhassem os primeiros azulejos avulsos, (4) embora depois os repetissem e variassem, renovando o fabrico. Excluídos o brilho e transparência do duplo esmalte, a espessura diminuta da placa e principalmente a graciosidade ingénua e a finura do debuxo, o azulejo português de pintura solta adstringe-se também ao assunto nacional. Bárbaro, sem tradição nem escola de arte local inspiradora, limitado em faculdades imaginativas, o pintor apenas copia os objectos envolventes ou traça na faiança, primitivo quase e simplista, o devaneio ou a fantasia baseadas nas superstições e fábulas em que acredita e o embalam. Factura péssima, vidrado péssimo, este azulejo grosseiro e rude, considerado num conjunto, tem entanto alguma significação etnográfica: porque nele se estampam costumes, personagens e objectos que resumem popularmente uma iconografia do tempo através de humildes oleiros que assim legaram o seu impressivo comentário e relato da vida de então.

10O azulejo holandês dispersou-se mais ou menos no país ; o nosso, porém, mais compreensivo, mais fútil, mau e barato, obteve colocação mais ampla : numa zona estreita reveste igrejas várias – S. Bento, nos Arcos de Valdevez, convento de Santo António, em Viana, uma dependência do convento da mesma invocação, em Ponte do Lima, outra do convento de Cabanas, certa igreja de Ponte da Barca.

11De execução e épocas várias, como se infere da comparação entre os de alguns dos templos aludidos, basta observar os duma só procedência e fabrico (S. Bento, nos Arcos) para se formar juízo acerca da fantasia e dos motivos que frequentemente o oleiro fixou nas placas. Primeiro ressaltam as flores (fig. 1) e os frutos, na variedade restrita dos produtos conhecidos, ou então imitadas aquelas da flora estampada nas loiças que nos vieram do Oriente. As aves (fig. 2), por igual surgem-nos frequentemente dum exotismo próprio dos países quentes, em múltipla variedade que a ornitologia regional não comporta ; o cágado (fig. 3), os peixes, os caranguejos e os moluscos completam, por fim, uma fauna que é dúplice por imaginosa e local.

  • 5 ROCHA PEIXOTO, As olarias de Prado, in Portvgalia, I, pág. 255 e segs. Porto, 1900;
  • 6 GABRIEL PEREIRA, Estudos eborenses, págs. 17-8, fasc. 6. Évora, 1886.

12Como figurantes temos as damas, as freiras, os guerreiros, os duelistas, os caçadores e o alfenim (fig. 4). Reproduzidos a sério, a verve ingénua não deixa contudo de acentuar os ridículos em caricaturas monstruosas, um pouco na índole da sátira de certos escultores cerâmicos ; (5) são indeterminadas, todavia, e não com o intuito que parece depreender-se dos azulejos de S. Bento de Castris, em Évora : Cupido a sair do diabo, uma ratoeira na cabeleira duma dama, outras travessuras ainda, (6) mais ou menos desenvoltas.

13Exibem-se ainda os objectos de uso caseiro, a jarra, o gomil, vários cabazes, as navalhas, as tesouras ; vêm depois os variados tipos de casas, reais e fantasiosos, em alguns dos quais, para o arvoredo e como nas loiças, o pintor empregou o pincel e a esponja (fig. 5); os mirantes campestres, as torres orientais (fig. 6), o poço de carretel ou de roldaina (fig. 7), o chafariz e até bustos e estátuas para jardins ; as embarcações (figs. 8 e 9), enfim, onde parece descortinarem-se o calão algarvio, a lancha poveira, a antiga rasca, o barco da pescada de Buarcos, o caíque e o barco de vela de pendão.

  • 7 ROCHA PEIXOTO, A tatuagem em Portugal, in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, II, pág. 146. Po (...)

14O símbolo amoroso (fig. 10) não deixaria de ostentar-se ; ornamenta os jugos e as rocas, as loiças e os tecidos ; é amuleto e é joia ; figura capitalmente, com os emblemas religiosos, no corpo dos tatuados : corações simples, subpostos a uma cruz, a um signo-saimão, a uma coroa real, a ramos e flores ; corações ardentes e corações trespassados ; corações com as cinco chagas de Jesus ; corações sangrentos, corações unidos ! (7)

15Os anjos e os diabos, o sol, a lua, as estrelas, a caveira, por último, encerram esta iconografia tradutora do sentir, da observação e das preocupações que o oleiro confiou à sua imaginária breve e bárbara.

  • 8 Depois de organizada esta nota o A. teve ensejo de examinar vários azulejos de figura avulsa proced (...)
  • 9 ADOLFO CEULENEER, Notes archéologiques sur le Portugal, in Bulletin de l’Académie d’archéologie de (...)
  • 10 JOAQUIM DE VASCONCELOS, A exposição de arte ornamental em Vianna, in Commercio do Porto, n.° 288. 1 (...)

16Esta ilustração pictural ou plástica da natureza ambiente e do sentimento dos homens e das coisas, ou ingénua ou culta, embebeu e interessou, de longe, pintores, gravadores e barristas. (8) Depois das composições orientais vêm as cenas e os personagens dos mosaicos romanos, a exuberância da flora e fauna que, dos séculos IV ao VI formavam, dos pavimentos italianos, tratados de zoologia e de botânica. (9) Invadiu ainda a tapeçaria : certa colcha do século XVI figurando batalhas navais, assaltos de fortalezas, caçadas, cenas de corte, assuntos mitológicos e episódios da Escritura .(10)

  • 11 RAMALHO ORTIGÃO, Exposição de arte Sacra ornamental. Catalogo da sala de Sua Magestade El-Rei, pág. (...)

17Nos calendários que precediam os missais iluminados debuxavam-se alegorias dos diversos meses com passagens tiradas da vida nacional. E um lavrante português, numa salva de prata, como que resumira toda a alma da Renascença peninsular : brutescos, quimeras, dragões, figuras de santos, de guerreiros, de navegadores ; alegorias de vícios e de virtudes ; cenas de montaria e navegação ; castelos roqueiros, bergantins de gala, fustas ligeiras, galeões de pano cheio. (11) Os barristas do século XVIII, os coroplastas de Gaia e os oleiros de Prado, com valores vários esculpiram inspirados nas lendas religiosas, nas tradições míticas, nos usos e costumes regionais. E até mesmo o tatuador, tão afim esteticamente do pintor de azulejo solto, estampa e propaga em emblemas profissionais, amorosos, eróticos, religiosos, metafóricos e fantasistas o saber e o sentir populares.

  • 12 ROCHA PEIXOTO, A tatuagem cit., pág. 150 e fig. 10 da pl. III.

18O azulejo figurado avulso forneceu pois numa bisonha humildade estética o seu depoimento ideográfico que se pode interpretar parcelarmente à semelhança de muitos símbolos dos tatuados – Cristo, por exemplo, com os emblemas que o acompanham : o cálice que empunhava o anjo que lhe apareceu no monte Olivete ; os cilícios com que lhe aplicaram os açoites ; os dados para lhe jogarem a túnica ; a lança com que Longuinhos o varou ; a esponja que lhe chegaram à sagrada boca para beber o fel amargoso ; a escada a que subiram para o desligarem da cruz ; as tenazes com que lhe arrancaram os cravos ; o Sol e a Lua, enfim, que representam a passagem da claridade para as trevas, logo que Jesus expirou, e as pedras se partiram e o mundo tremeu. (12)

  • 13 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Os pannos de raz em Portugal, in Revista de Guimarães, XVII, pág. 120. Port (...)
  • 14 SOUSA VITERBO, Artes e artistas em Portugal, pág. 84 e segs. Ferreira ed. Lisboa, 1892. – VASCONCEL (...)

19Breve, porém, as grandes composições se generalizaram subalternizando-se a produção do azulejo de figura avulsa. Os panos que nos vinham de Arras, na Flandres, magníficos elementos decorativos para a improvisação do cenário duma festa, (13) eram caros e o oiro principiara já a faltar-nos. Substituimo-los pois, lento e lento, pelo grande quadro mural, e faiança, no espírito e na imitação da tapeçaria que violentamente rejeitávamos. Nos rás exibiam-se as grandes composições sacras inspiradas no Velho e Novo Testamento, as mitológicas, as alegóricas, as históricas – Alexandre, Dario, Aníbal, César – até as nacionais : a vida do conde D. Nuno, as proezas de Afonso V e a História da Índia, mandada tecer e ilustrar pelo Venturoso. (14)

  • 15 J. DA CAMARA MANUEL, Representantes da familia de Santo Antonio, in Nova Alvorada, VII, n.° 4. Fama (...)
  • 16 GABRIEL PEREIRA, Estudos cit., pág. 13, fase. 4.
  • 17 Catalogo do importante espolio do architecto José Maria Nepomuceno, pág. 13. Lisboa, 1897.
  • 18 Boletim da Associação dos Architectos e Archeologos portugueses, pág. 141, n.° 9 da 3.a série. Lisb (...)
  • 19 VISCONDE DE JUROMENHA, Azulejos, in RACZYNSKI, Les arts en Portugal, págs. 431-2. Paris, 1846.

20Nos azulejos, que vêm ocupar os lugares dos têxteis, traçam-se por igual as cenas bíblicas, a vida dos santos : a de S. Bento, por numerosos conventos e capelas ; a de S.to António, nas propriedades que pertenceram aos senhores de Cunha e Tábua, (15) exibindo os seus milagres mais tocantes ; a de S. Lourenço, nos Lóios, em Évora ; a de S. Pedro de Rates, na Sé de Braga ; a de S. Francisco, em Guimarães ; a de S. Domingos, em Almada ; a de S. Teotónio, em Viseu. Os assuntos alegóricos, mitológicos e de história antiga são ainda imitados, quase cópias: a história do filho pródigo, em S. Tiago, de Évora ; (16) as batalhas de Alexandre, na quinta do Monteiro-mor, em Sacavém. (17) À história nacional consagram-se outros : os de campanha, na torre dos Azevedos, na Lama, em que entraram ascendentes da casa ; os do Palácio da Fronteira, em Benfica, representando as batalhas em que tomaram parte os membros da família e numa das quais, a de Ameixial, o fundador do palácio luta corpo a corpo com D. João de Áustria ; (18) os do palácio do conde de Almada, representando os principais factos da revolução de 1640 ; e talvez ainda os do antigo convento da Trindade, em Lisboa, figurando a tomada de Arzila. (19)

  • 20 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Exposição de ceramica, (Separata da Revista da Sociedade de Instrucção do P (...)
  • 21 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica portuguesa, (Separata da Revista cit.), págs. 6-7. Porto, 1884.

21Por toda esta vasta galeria, além ainda das touradas, das cenas de caça e pesca, das merendas, das éclogas, de episódios galantes, ditirâmbicos uns, outros elegíacos, não raro se destacam os elementos etnográficos. Num grande quadro representativo duma das Obras de Misericórdia as figuras bebem por vasos semelhantes aos que ainda se fazem hoje em Estremoz ; num outro vê-se o conhecido bufete, em ébano, de pés torneados ; noutro ainda, em Beja, que figura o nascimento de Cristo, há um fogareiro como os de uso actual no Alentejo (20). E os da ermida de Nossa Senhora do Cabo, em Sesimbra, constituem a mais adorável representação imagética da lenda, tão frequente em Portugal, do aparecimento da Virgem : os dois venturosos velhos sonhando que aparecia a Senhora neste lugar ; esta com o menino, numa jumentinha, e um anjo guiando ; várias romeiras, com seus alforges, vindo de longe e em adoração, a admirarem o prodígio ; a edificação dum templo de majestosa fábrica e o mestre de obras e operários trabalhando ; a perspectiva da igreja e do arraial na mesma ocasião em que entra um círio, trazendo adiante música de clarim e de timbales ! (21)

  • 22 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Conferencias sobre a Exposição de Arte ornamental, in Arte Portuguesa (publ (...)
  • 23 ÉMILE LHOEST, Note sur diverses pièces de céramique belge exposées lors de la séance du 4 janvier 1 (...)

22Se muitos foram cópias e imitações de rás e de gravuras, se outros procedem de artistas estrangeiros, e alguns ilustres, como certos da Madre de Deus cujos cartões se atribuem a Rubens ou à sua escola, (22) verdade é que bem frequentemente o pintor cerâmico português como que nacionaliza essas grandes composições de inspiração alheia. Em originais a sua inferioridade é patente : também na que é a Bélgica actual pintaram azulejo solto que mais parece cópia do nosso que do fabricado nos Países-Baixos ! (23) Mas esta larga decoração mural ensejou um esplendente e profuso labor artístico que, em última análise, pela confinação e pelo número, como só nos pertence.

23A despeito das sucessivas e frequentes delapidações que têm restringido o número dos azulejos figurados esparsos pelo país, a abundância foi tal que, duma época e dessa arte da pintura em faiança, sobejarão os despojos que fixam e esclarecem uma e outra. Assim também dos esplendores de Babilónia e de Ninive os seus tijolos esmaltados acusam ainda hoje um aspecto da magnificência augusta dos palácios e templos, outrora soberanos nesse planturoso vale do Tigre e do Eufrates – não obstante a assolação que transmudou num deserto calcinado e fulvo essa necrópole imensa da civilização, gloriosa e magnífica, que imperou na Mesopotâmia !

24Porto, Outubro, 1900.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 3.° (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 585-590.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata : ETHNOGRAPHIA PORTUGVES/UMA ICONOGRAPHIA POPULAR/EM/AZULEJOS/ Com 10 illustrações no texto/por/A. A. da ROCHA PEIXOTO/Porto/Imprensa Moderna/1901/ 8 págs., 208x130 mm.
Em 1902, no jornal O Primeiro de Janeiro, inseriu Rocha Peixoto o mesmo estudo, mas com outro título, diversas modificações formais (que não de conteúdo), ausência de notas e com alguns cortes no texto (Rocha Peixoto – « Azulejos », in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 20 de Março de 1902, p. 2 ).
Reproduz-se, neste volume das OBRAS, o trabalho saído primeiramente na Portugalia, pois o seu texto está mais completo e acompanhado de notas.

2 ÉDOUARD GARNIER, Histoire de la céramique, pág. 344. Mame & Fils eds. Tour, 1882.

3 RAMALHO ORTIGÃO, A fabrica das Caldas da Rainha, pág. 11. Tip. Ocidental ed. Porto, 1891.

4 A. A. GONÇALVES, Breve noção sobre a historia da ceramica em Coimbra, nota da pág. 299. Anexo ao Estudo chimico e technologico sobre a ceramica portuguesa moderna, de CHARLES LEPIERRE, Lisboa, 1899.

5 ROCHA PEIXOTO, As olarias de Prado, in Portvgalia, I, pág. 255 e segs. Porto, 1900;

6 GABRIEL PEREIRA, Estudos eborenses, págs. 17-8, fasc. 6. Évora, 1886.

7 ROCHA PEIXOTO, A tatuagem em Portugal, in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, II, pág. 146. Porto, 1893.

8 Depois de organizada esta nota o A. teve ensejo de examinar vários azulejos de figura avulsa procedentes dos extintos conventos da Avé-Maria e de Santa Clara, do Porto. Destes últimos possui o Museu municipal alguns exemplares, uns de figura simples e esmaltelácteo, outros de esmalte transparente e composição mais pormenorizada. São obra, manifestamente, de pintores cerâmicos diversos.

9 ADOLFO CEULENEER, Notes archéologiques sur le Portugal, in Bulletin de l’Académie d’archéologie de Belgique, pág. 364, fasc. XIII. Anvres, 1882.

10 JOAQUIM DE VASCONCELOS, A exposição de arte ornamental em Vianna, in Commercio do Porto, n.° 288. 1896.

11 RAMALHO ORTIGÃO, Exposição de arte Sacra ornamental. Catalogo da sala de Sua Magestade El-Rei, pág. 31. Lisboa, 1895.

12 ROCHA PEIXOTO, A tatuagem cit., pág. 150 e fig. 10 da pl. III.

13 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Os pannos de raz em Portugal, in Revista de Guimarães, XVII, pág. 120. Porto, 1900.

14 SOUSA VITERBO, Artes e artistas em Portugal, pág. 84 e segs. Ferreira ed. Lisboa, 1892. – VASCONCELOS, Os pannos de raz cit., pág. 122 e segs.

15 J. DA CAMARA MANUEL, Representantes da familia de Santo Antonio, in Nova Alvorada, VII, n.° 4. Famalicão, 1897.

16 GABRIEL PEREIRA, Estudos cit., pág. 13, fase. 4.

17 Catalogo do importante espolio do architecto José Maria Nepomuceno, pág. 13. Lisboa, 1897.

18 Boletim da Associação dos Architectos e Archeologos portugueses, pág. 141, n.° 9 da 3.a série. Lisboa, 1897.

19 VISCONDE DE JUROMENHA, Azulejos, in RACZYNSKI, Les arts en Portugal, págs. 431-2. Paris, 1846.

20 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Exposição de ceramica, (Separata da Revista da Sociedade de Instrucção do Porto), págs. 88 e 91. Porto, 1883.

21 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica portuguesa, (Separata da Revista cit.), págs. 6-7. Porto, 1884.

22 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Conferencias sobre a Exposição de Arte ornamental, in Arte Portuguesa (publicação do Centro artistico portuense), I, pág. 71. Porto, 1882.

23 ÉMILE LHOEST, Note sur diverses pièces de céramique belge exposées lors de la séance du 4 janvier 1897, in Annales de la Société d’Archéologie de Bruxelles, XII, págs. 113-18. Bruxelles, 1898.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search