Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Etnografia portuguesa: Indústrias populares as olarias de prado 1

Texte intégral

Preliminar

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 2.° (Porto, 25 de Agosto de 1900), pp. 227- (...)

1O estudo das olarias limita a indagação da vida antiga nos monumentos onde outros despojos se extinguiram através duma existência milenária. Armas e tecidos, adornos e amuletos, mobiliário de têxteis, madeiras e metais inutilizaram-se, por vezes, alterados, desapareceram pela cupidez do roubo ou destruiram-se pela natureza da substância e do jazigo ; a obra de argila, porém, resistiu à acção dos factores que restringiram a fragmentos cerâmicos toda a documentação dum passado obscuro e longínquo.

2Pelos vasos abandonados em estações habitadas outrora, e principalmente nos que os ritos de muitos povos obrigaram a incluir nas necrópoles, se reconstituem algumas formas da idealidade e crença antigas, traços ignorados do viver doméstico, aspectos das vicissitudes sociais que o mutismo de então deixara olvidar e perder. Nos oitenta mil vasos legados pelos gregos, os mitos religiosos, a ideia e os atributos dos deuses, as lendas pré-homéricas, a vida íntima e guerreira, o mobiliário, o vestido, as armas e a infinidade de minúcias acessórias têm uma representação mais vasta do que em todos os outros monumentos, mais clara, não raro, do que as adensadas narrativas dos textos.

3E como semelhantemente sucedera em outras civilizações antigas e distantes, assim as pinturas, as inscrições, a variedade dos empregos, extensivas às práticas religiosas, aos usos domésticos e ao ornamento – em objectos frágeis mas duráveis, de fabricação simples e infinita multiplicidade formal – encerram materiais consideráveis para a história dos povos primitivos e extintos.

  • 2 ALEX. BRONGNIART, Traité des arts céramiques ou des poteries, I. 3.a ed. Assellin ed. Paris, 1877.
  • 3 A. SALVÉTAT, Leçons de céramique, I., pág. 3. Mallet-Bachelier ed. Paris, 1857.

4A arte do oleiro nasceu provavelmente logo que o homem surgiu provido contra o inimigo e o clima, isto é, armado e vestido. (2) Fabricados os sílex e tecido grosseiramente o vestuário, uma outra necessidade fundamental o levou a submeter a matéria plástica que porventura observara nos limos depostos pelas águas, (3) fácil de modelar, soldando-se naturalmente, endurecendo pela dessecação e podendo encerrar, em reserva, água e provisões.

  • 4 GABRIEL et ADRIEN DE MORTILLET, Musée préhistorique. Reinwald ed. Paris, 1881.
  • 5 N. JOLY, L’homme avant les métaux, pág. 280. Baillière ed. Paris, 1879.
  • 6 CARLOS RIBEIRO, Monumentos magalithicos das visinhanças de Bellas, págs. 48-50. Lisboa, 1880. – EST (...)
  • 7 EDOUARD GARNIER, Histoire de la céramique, pág. 3. Mame & Fils eds. Tours, 1882.

5As primeiras formas inspirar-se-iam nos modelos fornecidos pelas curcubitáceas, pelos ovos, (4) pelas conchas e pelos bambus, (5) efectuando-se a moldagem directa sobre os frutos, como se observa nos vestígios do pericarpo de alguns e nas formas ovadas de certas olarias pré-históricas,6 no emprego actual das conchas entre povos bárbaros, na adaptação dos orifícios das árvores a recipientes. (7)

  • 8 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica portuguesa. Série II, nota da pág. 94. Porto, 1884.
  • 9 PHILIPPE SALMON, Dictionnaire des Sciences anthropologiques, pág. 922, voc. Poterie. Doin et Marpon (...)

6A modelação realizar-se-ia ainda sobre formas tecidas com juncos mais ou menos finos que deixaram a impressão no barro húmido ; (8) e de resto, mesmo cavando com a mão um punhado de argila deposto na outra, apareceria assim uma vasilha primitiva. (9)

  • 10 E. GUIGNET et EDOUARD GARNIER, La céramique ancienne et moderne, pág. 124. Alcan ed. Paris, 1889.
  • 11 A. DE QUATREFAGES, Introduction à l’étude des races humaines, pág. 74. Hennuyer ed. Paris, 1889.–JO (...)
  • 12 G. et A. DE MORTILLET, Ob. cit.

7Estes inícios conjecturais imaginam-se extensos a populações sem afinidade étnica, distantemente separadas, ignoradas umas das outras e apenas aplicando destreza e transformando pelo trabalho um recurso natural de utilidade genérica. Em toda a parte onde o homem deixou vestígios de existência remota as olarias, se as há, apresentam o mesmo carácter de fabricação, (10) dominando a satisfação duma mesma necessidade, servida por uma só ideia, uma aptidão restrita, similares recursos e processos rudimentares análogos. Como nas outras indústrias primitivas a cerâmica denuncia a identidade do trabalho humano, tanto mais estreita quanto menos avançados em civilização se encontram os povos comparados. A utilização dos barros, pois, para o fabrico da loiça, além de proceder de populações que isoladamente a descobriram, vem de longe, talvez do primeiro período lítico, (11) mas definitivamente da época robenhauseana (12) e em todo o caso duma era remotíssima que legitima a afirmação da sua vetustez entre os primeiros ensaios industriais do homem.

  • 13 CARLOS RIBEIRO, Noticia da estação humana de Liceia, págs. 36-7. Lisboa 1878.
  • 14 NERY DELGADO. Ob. cit., pág. 228. – Noticia ácerca das grutas de Cesareda, págs. 61-2. Lisboa, 1867
  • 15 SANTOS ROCHA, Antiguidades prehistoricas do concelho da Figueira, I. Coimbra, 1888.

8Obtida e apropriada a matéria prima, a pasta não é despojada a princípio dos detritos que a acompanham ; imperfeitamente amassada, sem crivagem, com fragmentos de alguns milímetros de diâmetro na espessura dos vasos, (13) ou grãos de areia, (14) e de espato calcáreo, palhetas de mica, (15) palhas e vegetais dos pântanos, a textura das peças de olaria primitiva é quase sempre grosseiramente idêntica.

9Por vezes, e enquanto ignoradas as vantagens da cocção, os detritos impediriam limitadamente as fendas ocasionadas pela secagem ; mas ainda depois, e descoberto este primeiro progresso que suprimia o inconveniente da desintegração da massa, destruindo-lhe a plasticidade do mesmo passo que lhe aumentava a resistência, as pastas só tardiamente aparecem mais finas e escolhidas.

  • 16 GEORGES PERROT et CHARLES CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité. II, Chaldée et Assyrie, pág. (...)
  • 17 CARLOS RIBEIRO, Noticia, cit., pág. 41.
  • 18 NERY DELGADO, Noticia, cit., págs. 61-2.

10Ainda a cozedura, triunfo a notar, se efectuou imperfeitamente por toda a parte. As pastas não cozidas, que precederam as submetidas mais tarde ao calor do sol e principalmente do fogo, eram impróprias para encerrarem a água e duma fragilidade que lhes diminuia extremamente o emprego como recipientes de sólidos. Sob um céu como o da Ásia Menor o calor solar, incidindo durante semanas nos verões tórridos da região, bastaria para se conseguir uma consistência já prestante em alguns limites. (16) Mas nem o sol coze nem os seus efeitos são os mesmos em toda a terra ; a acção do fogo, ao ar livre ou em covas, alimentado por madeira, e mesmo com aplicação diminuta de tempo, já fornece uma dureza à pasta que lhe multiplica os usos. Todos os barros primitivos são mal cozidos ; nuns o calor brando não penetra na espessura do vaso ; (17) noutros apenas se denuncia fracamente, por vezes em uma só das superfícies. (18)

  • 19 CARLOS RIBEIRO, Noticia, cit., pág. 39. – ESTÁCIO DA VEIGA, Ob. cit., págs. 231-2.
  • 20 NERY DELGADO, La grotte, cit., pág. 228.
  • 21 CARLOS RIBEIRO, Noticia cit., pág. 39. – NERY DELGADO, Noticia cit., págs. 61-2.
  • 22 ÉMILE CARTAILHAC, Les âges préhistoriques de l’Espagne et du Portugal, págs. 61-2 e 116. Reinwald e (...)

11Manufacturados os primeiros vasos sob a inspiração floral ou dos frutos, ápodes, sem aselhas e cabos (19) ou apenas munidos de orifícios e mamilos para serem suspensos,20 uma primeira decoração aparece, sumária nos meios e aspectos. Os motivos são geométricos, consistindo em linhas interrompidas, cheias e onduladas, ângulos, losangos e curvas combinadas, entrecortadas, opostas e invertidas. Incisas na pasta ainda mole por meio dum punção ou estilete de sílex, de pau ou de osso, (21) estes ornamentos marcam já progressos sobre as primeiras tentativas efectuadas com as unhas ou limitadas a zonas e a séries de impressões digitais. (22)

  • 23 CARLOS RIBEIRO, Monumentos cit., págs. 48-50. – Noticia cit., págs. 38-9. – NERY DELGADO, Noticia c (...)

12Com estes aperfeiçoamentos já na idade do bronze as formas são mais regulares e mais cuidadas, melhor escolhidas as pastas, mais ousadas as dimensões, mais sólidos os fundos, que de ovóides passarão a planos, mais cómodo e portátil um vasilhame provido já de asas, pegas ou orelhas. Entretanto a espessura das paredes, irregular ou excessiva, denota a factura à mão ou então levantada sobre forma e molde, processos estes que explicam a assimetria da curva e certas deformações, não obstante um acabamento que alivia e desempena a peças ainda frescas. (23)

  • 24 BRONGNIART, Ob. cit., nota da pág. 20.
  • 25 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., I, L’Egypte, nota da pág. 819. Paris, 1882.
  • 26 GARNIER, Histoire cit., pág. 8.
  • 27 SALVÉTAT, Ob. cit., pág. 82.

13Até que surge a roda do oleiro. De origem antiquíssima e inaveriguável, o singelo prato de madeira que precedeu certamente o torno(24) aparece figurado pela primeira vez numa pintura de Beni-Hassan (25) trazido plausivelmente ao Egipto do Extremo-Oriente e passando sucessivamente para as colónias fenícias, para a Ásia Menor e para a Grécia. (26) Estava assim resolvido o meio que permitia obter as superfícies de revolução com a maior celeridade e êxito certo (27) e ainda no simples aparelho a origem da variedade inesgotável de formas subsequentemente obtidas, cuja maravilha se afere pelas dezenas de milhares de vasos helénicos conservados e onde não se separam dois verdadeiramente semelhantes.

14Munidos da roda e depois do torno vertical, os povos, segundo as faculdades imaginativas que os dotavam, ou variaram infinitamente as formas ou limitaram os tipos no grau vário da sua força criadora. Alguns destes eternizaram-se e mais ou menos se expandiram, tão inteligente fora a adaptação aos usos a que os destinaram. Entretanto, por mais restrita que se manifestasse a espontânea originalidade conceptiva na arquitectura das olarias antigas, a cerâmica atingiu progressos gerais na variação das formas, na sua ondulação rítmica e até nos processos da técnica. A própria estabilidade, tão precária nos vasos em calote, ganha com a exclusão definitiva dos tipos ápodes e a generalização das bases planas e dos suportes trípodes.

  • 28 SANTOS ROCHA, Ob. cit., III.
  • 29 SANTOS ROCHA, A arte nas estações neolithicas do concelho da Figueira, in Revista de Sciencias Natu (...)
  • 30 CARLOS RIBEIRO, Noticia cit., pág. 40.

15A escolha, a lavagem e os preparos finais da pasta, melhorados como natural consequência da adopção duma máquina mais remuneradora mas por igual exigente, não completam, todavia, as vantagens necessárias. Anteriormente à aquisição da roda de oleiro, ou -como ornamentação ou primeiro ensaio de eixo, já alguns produtos cerâmicos primitivos são brunidos, (28) alisados por um polidor e lustrados em uma ou nas duas faces, (29) revestidos mesmo por um induto provavelmente destinado a diminuir a avidez do barro pela água. (30) Só mais tarde, porém, talvez muito mais tarde e partindo dos povos orientais, é que a vitrificação exterior ou interna vem corrigir a permeabilidade das olarias, até então absorventes e penetráveis pelos líquidos e pelos corpos gordos. A textura porosa das massas, nuns casos, a insuficiência da cocção, em outros, originam as infiltrações que os indutos cristalinos, uma vez descobertos, vêm então interceptar.

16A carreira evolutiva destas bases iniciais e humildes em que se funda a olaria e que ulteriormente, na antiguidade clássica, primeiro, e muito mais perto de nós, ao diante, originou uma indústria tão complexa como maravilhosa, é evidentemente teórica. Na própria Hélade se regressou e a contiguidade e o domínio não concedeu aos oleiros de Roma as faculdades que avultaram, numa especial originalidade, os artistas da Campânia e da Etrúria.

  • 31 CARLOS RIBEIRO, Les kioekkenmoeddings de la vallée du Taje, in Compte-rendu cit., pág. 287.

17Enquanto em algumas regiões os primeiros esboços duma arte geométrica já adiantavam a manufactura de certas populações neolíticas, outras contemporâneas ignoravam os mais grosseiros processos, não obstante terem à vista os barros e até os efeitos do fogo sobre as propriedades da substância. (31) Alguns povos de hoje ignoram ainda a arte do oleiro. E nos países em que a indústria atingiu progressos diferenciais e inconfundíveis, encontram-se estádios da arte primitiva que memoram nitidamente os passos da sua extensíssima jornada.

  • 32 CARLOS RIBEIRO, Noticia cit., pág. 378.

18Em algumas das nossas olarias rústicas actuais ainda se observa o preparo grosseiro das pastas onde frequentemente os grãos de quartzo mesclam o barto. A mica distribui-se pela pasta luzente em certas loiças negras transmontanas e do distrito de Aveiro ; na vermelha de Guimarães aplica-se na decoração em relevo como ornamento, semelhantemente a processos análogos de épocas pré e proto-históricas. Os oleiros actuais das proximidades de Nisa introduzem na pasta fragmentos angulares de quartzo branco, precisamente como os antigos homens de Liceia juntavam ao barro os fragmentos de espato que davam à sua loiça negra o aspecto das rochas porfiróides. (32)

  • 33 SANTOS ROCHA, Noticia de algumas estações romanas e arabes do Algarve, in Memórias cit., pág. 167.

19Submetidos ao domínio de Roma e quando para a península expediam as tão conhecidas olarias vermelhas de pasta fina e homogénea, lustre-coral e a linda ornamentação de vegetais e medalhões emoldurando gladiadores, madonas e divindades, algumas populações (Marim, no Algarve) desconheciam certamente o torno. (33)

20Os actuais paneleiros de Gove (Baião) adoptam ainda hoje a roda primitiva ; a ornamentação é digital, por pressão, e a cozedura, a monte, faz-se ao ar livre, poucas horas e uma noite de rescaldo. A insuficiente cocção, junta à inferior natureza dos barros, determina, nas loiças negras, uma porosidade que é necessário corrigir antes do uso doméstico. Para adoptar a de Bisalhães (Vila Real) cumpre introduzi-la prèviamente no forno, deixando-a aquecer até ao rubro ; seguida e sùbitamente, tirada para fora, enche-se de farelo e água, mexendo logo, a fim de se alcançar a vedação indispensável.

21O alisado e o polido pré-históricos subsistiram, mais ou menos alterados, como se observa em olarias de Estremoz, de Ossela (Oliveira de Azeméis) e de Molelos (Viseu). E obtida a vitrificação plombífera, justamente condenada, encerrou-se na indústria popular a aplicação dos vernizes. A ornamentação por último, como as formas do vasilhame, permaneceu ante uma fidelidade quase imutável pelos tipos tradicionalmente legados.

  • 34 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica cit., págs. 70 e 74.

22Este é o aspecto genérico da cerâmica rústica portuguesa, o que confirma a afirmação proclamada das estreitas ligações entre o passado e o presente numa arte cujos produtos, sendo os mais populares, os mais baratos, os que todos os dias se vendem, se servem e se quebram, ininterruptamente ressuscitam. (34)

I A técnica

23Sumário macroscópico das peças. – Área geográfica de fabrico, geologia da zona e análise química dos barros. –Instalação geral da olaria. – O telheiro e acessórios; preparação e dosagem das pastas. – O torno; a manufactura das grandes peças. –Ornamentação. – A mistura vitrificante. – O forno e o combustível: a cocção. – Identidade operatória fundamental nas três categorias cerâmicas: vitrificada e decorada, fosca e monocroma e negra e luzente. – Extensão dos preceitos simplistas de fabrico à loiça rústica de Prado. – Tentativas singulares de imitação de terra-cotas; invasão consequente de formas alheias aos tipos tradicionais.

24Sob a denominação genérica de loiça de Prado encontra-se em vários mercados do norte do país o vasilhame popular fabricado nos três concelhos de Barcelos, Braga e Vila Verde. É uma cerâmica rústica de tom laranja-tostado, passando ao vermelho, vitrificada interna, externamente ou em parte com o emprego da galena e à qual juntam algumas vezes uma diminuta quantidade de óxido de cobre ou de ferro. Estas substâncias determinam em escala diversa a variação crómica do barro cozido, ou seja em toda a superfície que recebeu o induto cristalino ou acessoriamente na ornamentação geométrica que decora a loiça e que, ordinariamente, se apresenta amarela.

25Com esta olaria, destinada aos usos domésticos mais comuns e abrangendo uma série de tipos correspondentes às necessidades familiares em que semelhante mobiliário pode ter emprego, associam-se vários outros objectos sem aplicação na cozinha e na reserva e ainda dois outros grupos cerâmicos constituídos por loiça mate e negra, respectivamente do uso mais restrito, e sobretudo a última. À excepção desta, com o aspecto do xisto ardosífero luzente e fabricada em vários lugares de Parada de Gatim (Vila Verde), a cerâmica mate e a envernizada produzem-se indiferentemente em lugares vários dos concelhos aludidos, tomam a denominação duma freguesia em que o fabrico é diminuto e só excepcionalmente, em mercados distantes, recebem o nome de loiça de Braga ou de Barcelos.

26Este centro de fabricação cerâmica, que dá lugar a uma expansão comercial do produto extenso, no norte, até à Galiza, no sul, até à Figueira e para leste até Trás-os-Montes e às Beiras, independentemente doutras modestas infiltrações para além Mondego, origina-se nos jazigos de barros em que o lugar abunda.

27A região onde assentam estas olarias populares compreende-se em parte e em parte trasborda da faixa de terreno câmbrico, profundamente alterado sob o aspecto semi-cristalino, que se destaca entre o domínio granítico de leste e que se estende quase paralelamente à linha de costa. Centrando esta zona paleozóica por alturas e intermediária às freguesias de Cervães e Cabanelas, ambas do concelho de Vila Verde, uma mancha de pliocénico emerge. É aqui que buscam, principalmente, os barros apropriados à cerâmica rústica. O pliocénico estende-se ainda até Barcelos, à beira Cávado, prolongando-se, no sul até à Apúlia e talvez a Estela, já no concelho da Póvoa de Varzim, e para norte até Viana e mais além. É sempre terreno apaúlado, por vezes extremamente alagadiço, como sucede em Alvarães, nas proximidades de Viana. Daqui procede até a argila particularmente destinada às aplicações ornamentais ; da Tijosa (Prado) extrai-se o barro procurado pelos oleiros de Gatim. De modo que estas duas localidades referidas e Cabanelas, na mancha citada já, fornecem, com pequenas excepções, as matérias primas das denominadas loiças de Prado.

  • 35 As análises dos barros utilizados no fabrico das olarias populares que estudamos foram obsequiosame (...)

28A natureza dos barros empregados resulta das análises (35) inscritas no quadro que segue, acrescentado apenas com o ensaio duma argila de aplicação muito limitada a «loiça fina».

I. Loiça vidrada

1.– Argila da freguesia de cabanelas (Pasta fundamental)

Cor primitiva Cinzento-clara.

Cor depois de calcinada Tijolo-clara.

Não contém carbonatos.

Resíduo obtido por levigação 5 %

Conclusão: argila ferruginosa, plástica, pura.

1-A. – Argila do lugar do coruto (freguesia de CABANELAS) (Experimentada pelos oleiros locais mas não adoptada)

Cor primitiva ,. Lousa, quase negra.

Cor depois de calcinada Cinzento-clara, quase branca nas partes mais aquecidas.

Não contém carbonatos.

Resíduo por levigação (negro) 16 %

Conclusão: argila negra, pouco ferruginosa, com matérias orgânicas; bastante pura.

2. – ARGILA DE CABANELAS (Para diluir em água e seguidamente imergir no líquido a loiça destinada a ser vidrada)

Cor primitiva Amarelo-clara.

Cor depois de calcinada Tijolo-escura.

Não contém carbonatos.

Resíduo 9,4 %

Conclusão: ocre amarelo, bastante puro.

3. – ARGILA DE ALVARÃES (proximidades de VIANA) (Para diluir em água efectuar com este líquido os ornamentos que, depois da cocção, ficam amarelos)

Cor primitiva Branca.

Cor depois de calcinada Branca.

Não contém carbonatos.

Resíduo por levigação, constituído por mica

branca (moscovite) 19 %

Conclusão: argila branca finíssima, um pouco micácea. Muito plástica.

(O elemento K introduzido pela mica branca [6 Si 02. 3 Al2 03. K20. 2H20] actua como fundente).

H. LOIÇA FOSCA

4. – ARGILA DE CABANELAS (Para loiça não vidrada)

Cor primitiva Amar.-esverdeada (laivos avermelhados).

Cor depois de calcinada Atijolada.

Não contém carbonatos.

Resíduo por levigação (ferruginoso) 46 %

Conclusão: argila ferruginosa, relativamente pouco plástica.

5. – ARGILA DE CABANELAS (Para dosear com a precedente n.° 4)

Cor primitiva

{ao rubro sombrio.
ao rubro vivo

Cinzento-esverdeada.
.. Avermelhada.
Cinzento-escura.

Não contém carbonatos.

Resíduo por levigação (esverdeado) 56 %

Conclusão: argila ferruginosa, impura, arenosa, que introduz o elemento desengordurante na argila n.° 4.

III. Loiça negra

6. – ARGILA DE TIJOSA (PRADO) (Empregada só ou misturada com a seguinte)

Cor primitiva Pardo-esverdeada.

Cor depois de calcinada Cinzento-avermelhada.

Resíduo por levigação 39,6.

Conclusão: barro ferruginoso, bastante puro.

7. – ARGILA DE TIJOSA (Usada só ou adicionada à precedente)

Cor primitiva Esverdeada.

Cor depois de calcinada Castanha.

Resíduo por levigação 35,2.

Conclusão: barro ferruginoso e manganésico.

IV. Loiça fina (terra-cota)

8. – ARGILA DO LUGAR DA COVA (freguesia de CERVÃES)

Cor primitiva Alaranjado-clara.

Cor depois de calcinada Cinzenta, ligeir.te avermelhada.

Não contém carbonatos.

Resíduo por levigação (amarelado) 17 %

Conclusão: argila ferruginosa, muito plástica.

29São estas as matérias primas de que têm dispostos os oleiros distribuídos por uma superfície relativamente vasta e os processos de fabrico, por igual, os mesmos, descontando pormenores insignificantes e adstritos à diferenciação de categoria ceramista. Tomando, pois, para tipo uma localidade da região onde se fabrique cada um dos grupos de loiça mencionados, teremos elementos completos para a apreciação desta indústria popular extensiva a muitas freguesias dos três concelhos referidos.

30A cerâmica vitrificada, à qual cabe mais particularmente a denominação vulgar que a distingue no comércio, embora se lhe associe frequentemente a do grupo fosco, é provavelmente a de exploração mais intensa e ainda a que oferece maior variedade de produtos.

31Compreende a instalação duma olaria onde se fabrica loiça vidrada – S. Tiago de Francelos, por exemplo – o telheiro, o torno e o forno além do material elementar que sucessivamente passaremos em revista, (fig. 1). Adquirida a argila necessária nas barreiras de Cabanelas (n.° 1) é ela disposta num eirado de granito, de contorno mais ou menos circular, e oportunamente triturada pela pisa de bois, como sucede em alguns lugares na malha de cereais. Efectuada esta fragmentação ainda grosseira, o barro passa para um tronco ou raiz de árvore cavada e denominada o masseirão; e neste utensílio humilde e simples se procede depois à preparação da pasta, reduzindo os fragmentos, primeiro com o mascôto, que é um maço de madeira, depois à mão e vertida a água necessária para a obtenção do barro plástico. A massa está então pronta para ser aplicada no fabrico.

32O torno, onde a uns punhados de massa se vai dar uma forma tradicional e definida, consiste inferiormente numa roda de madeira, com cerca dum metro de diâmetro, junta ao solo, nesse lugar pavimentado com uma lage de granito. Dela parte um eixo que atravessa superiormente uma viga de madeira horizontal, o jugo, e finda com o rodalho, que é o disco onde as peças se modelam. Dum lado o oleiro sentado fabrica o vasilhame auxiliando-se com as mãos e produzindo o movimento com um dos pés na roda inferior ; do oposto o jugo firma-se na extremidade sobre um espeque e suporta alguma massa, uma peça recém-acabada, a bilha de água.

33Estamos pois em face dum aparelho já mais perfeito que a roda primitiva, a tournette ainda usada em algumas aldeias bretãs, e na qual, enquanto a mão direita guia a curva, com a esquerda se dá o impulso necessário. Em Gove (Baião) é esta a roda ainda empregada.

  • 36 SALVETAT, Ob. cit., II, págs. 81-2.

34No aparelho descrito obtêm-se as vasilhas de dimensões médias ; as grandes talhas de previsões são fabricadas, até ao meio do bojo, com o auxílio duma forma de madeira, em tronco de cone de base invertida : seca esta primeira parte fabricam-se sucessivamente as restantes nos dias seguintes, isto é, depois duma secagem suficiente que garanta a estabilidade das partes inferiores. O processo é, pois, o dos colombins (36) adoptado geralmente para as vasilhas de grandes dimensões.

  • 37 FIGUEIREDO DA GUERRA, A fabrica de loiça de Vianna em Darque, in Archivo Viannense, I, págs. 78-9. (...)

35Organizadas as peças separam-se a cordel e dispõem-se depois em estadas ou palanques, ou sejam os tabuleiros situados fora ou dentro do coberto ; assim secam durante alguns dias, depois do que se mergulham numa massa bastante fluida em que entra um dos barros precedentemente indicados, (n.° 2) obtendo-se ulteriormente à cozedura, na parte assim coberta, uma cor vermelha mais tostada. Procede-se seguidamente à ornamentação empregando-se agora o gesso de Alvarães, (n.° 3) barro adoptado na loiça de faiança que usara a fábrica de Darque, criada em 1774, à mistura com o barro e areias de procedência inglesa ou de Lisboa. (37)

36Com esta substância diluída e antecipadamente peneirada traçam-se os ornatos por via de grosseiros estiletes de madeira ou folha de ferro, estampam-se circunferências com canas, ou, sendo curvas em todo o bojo, emprega-se então a roda do oleiro. Obtida a secagem resta, para enfornar, a aplicação do verniz.

37Para isso o oleiro mistura a uma arroba de sulfureto de chumbo, obtido na Galiza ou no Porto, oito arráteis de areia do mato. Vai isto ao moinho e dissolve-se em seguida em água, mergulhando-se depois os vasos interior, exteriormente ou em parte no fluido assim obtido. As olarias tomam a cor da ardósia, vão a secar e esperam o momento de irem para o forno.

  • 38 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, II, Rome, pág. 382. Rothschild ed. Paris, 1885.

38Este acessório, (fig. 2) anexo ao coberto ou independente, é de alvenaria, forrado a tijolo e cal e rematado superiormente em abóbada. A base, denominada grade, é de barro e atravessada de orifícios pelos quais subirá a chama que envolverá a olaria. A fornalha, inferior e cavada no solo, abre-se lateralmente. É a imagem dos fornos romanos encontrados em Pompeia, Rheinzabern, etc., com a fornalha igualmente no subsolo, o pavimento penetrado de orifícios e ao alto o tecto abobadado. (38)

39Cheio de loiça o forno, quase completamente, é barrada a porta com telhas e argila deixando-se superiormente uma pequena abertura de tiragem. Na fornalha lançam-se então as canhotas (troncos grossos) e o capacho (varas delgadas), combustível de pinho local, único adoptado.

40A fornada em regra comporta três carros de loiça, para os quais são necessários três carros de lenha e oito arrobas da mistura de chumbo e de areia. Seis horas deve durar a cocção cujo fim, de resto, se observa através de duas aberturas laterais que há no forno, os miradores, inspeccionando o estado do verniz. Esta fraca cozedura, em tão curto espaço e com um combustível inferior, determina e justifica o emprego da galena como substância vitrificável, uma das poucas fusíveis a tão baixas temperaturas, embora depois alterável facilmente pelos ácidos fracos e ainda com os outros inconvenientes que reune a loiça rústica.

41A estatuária, cujo centro principal de fabricação é em Galegos, no concelho de Barcelos, modela-se à mão, só rato ajudada com estiletes grosseiros de madeira ; e uma ou outra vez, quando nas peças se vêem ornatos geométricos em relevo, empregam-se formas de gesso e as conteiras de ferro que imprimem as cercaduras regulares. As flautas, aqui fabricadas, em Lama e noutras aldeias,, obtêm-se penetrando um cilindro da, pasta preparada com uma vara delgada de pinheiro, executando-se seguidamente os orifícios e aplicando depois a substância que as cora. Mesma pasta, mesmo processo de cozedura, mesmo material, e como para as loiças, o uso da limalha de cobre obtida em Guimarães ou das escórias de ferreiro quando ao verniz se quer dar a cor verde ou de castanha.

42Observando em Cabanelas uma olaria de loiça fosca depara-se-nos o mesmo material de fabrico. As duas argilas que empregam (n.os 4 e 5) são pulverizadas e passam pela peneira separadamente, depois do que se doseiam numa proporção de palpite. O torno é o mesmo, a secagem efectua-se à sombra ou ao sol e o forno reproduz o tipo já descrito. Em S. Vicente de Areias cozia-se uma fornada que duraria dez horas e cujo combustível indispensável orçava por dez carros da lenha aludida.

43Nesta loiça, de paredes menos espessas, e, consequentemente, mais frágil, é frequente verem-se as manchas negras produzidas pelo contacto directo das chamas.

44Os cântaros, que são as peças mais ousadas deste tipo, fabricam-se em duas partes, adicionando-se-lhes seguidamente as asas, por leve pressão ; do rodalho separa-se cada uma facilmente, tendo antes deposto no disco uma camada de areia ferruginosa, obtida em Santo André, que evita a aderência da pasta.

45São ainda estes mesmos barros que se empregam para as cornetas, organizando-as com quatro peças separadas. A exclusão de ornatos pintados e de vitrificação simplifica naturalmente a manufactura da loiça mate ; e a sua maior leveza é permitida uma vez que, dispensando o verniz plombífero usado na loiça vidrada, basta uma temperatura mais inferior ou menos demorada para se efectuar a cocção.

46Semelhantes processos e mesmas formas de vasilhame se encontram nos oleiros de Parada de Gatim que fabricam, com um ou dois barros, (n.os 6 e 7) a loiça negra, de uso mais restrito. Qualquer decoração ligeira é, como na loiça mate, obtida com impressões digitais. E a abertura deixada, ao alto, no forno, quando se cozem os dois tipos de loiça precedente, é aqui reduzidíssima, senão nula.

1 – Olaria em S. Tiago de Francelos (Prado).

1 – Olaria em S. Tiago de Francelos (Prado).

2 – Olaria e forno em Francelos.

2 – Olaria e forno em Francelos.

47Os processos técnicos adoptados nos três tipos de olaria fabricados nesta vasta região cerâmica reduzem-se, pois, a preceitos modestos e simplistas, desde o preparo das pastas até ao verniz adoptado e ao fraco grau de cocção capaz de garantir a resistência necessária. Destinado à cozedura de alimentos e a provisões o vasilhame de Prado, posto que não deformado, bem soante e com textura regularmente homogénea, suporta mal a brusca diferença de temperaturas, a vária distribuição de calorico à superfície, a continuidade do uso ao fogo e a presença frequente dos corpos ou acidificados. São estes, de resto, os caracteres de toda a loiça rústica assim obtida.

48A circunstância de existir no lugar da Cova, freguesia de Cervães, uma argila muito plástica (n.° 8) cujas propriedades e aplicações não passaram despercebidas a alguns oleiros, originou o fabrico da denominada loiça fina de Prado, espécie de terra-cota que aparece já nos mercados sob as formas generalizadas e antigas de vasos de jardim e de suspensão, jarras, moringues e brinquedos. O barro empregado passa muitas vezes pelas peneiras que, para o fim, já são de seda ; todo o outro material é ainda o mesmo ; o forno, porém, acusa, sobre os outros, progressos a anotar. Do pavimento, não em grade mas contínuo, parte uma chaminé em tubo que finda a meia altura ; da abóbada parte outra para o exterior. Uma parede circular de telhas, bem vedada, dispõe-se interiormente ; e é entre ela e a chaminé que fica a loiça não recebendo, pois, o contacto directo do fogo cujos produtos se evolam pelo tubo e pelo espaço compreendido entre as telhas e a parede externa deste forno (lugar de Cervaínhos, freguesia de Cervães).

49Os produtos inspirados em artigos de Sacavém, da Vista Alegre e em gravuras, são obtidos no torno comum, alisados depois, e decorados com flores, armas, grupos, cabeças de animais, tudo obtido com as formas de gesso conhecidas. Não têm, pois, o carácter popular, e ou denunciam um aprendizado numa fábrica exterior, ou, no local, a imitação servil pelo contacto.

50A introdução recente destas formas cultas e o seu fabrico extensivo recentemente a outras localidades da região, mercê dum êxito mercantil convidativo, não diminui certamente a produção do artefacto tradicional, mas nem, tão pouco, determina influências progressivas na arquitectura e ornamentação da baixela rústica. Os modelos de cópia, já inicialmente mal reproduzidos, obliteram-se sob uma fantasia indisciplinada e estreitamente restrita em limites que, ao diante, teremos ocasião de apreciar.

II As formas

51As ascendências das olarias populares firmam-se ordinariamente em dados precários e insubsistentes. – Dificuldades na discriminação dos parentescos; formas procedentes do romano, assimiladas por ele e abastardadas no tempo e nos lugares. – Tipos universais: a apropriação a destinos comuns gestou e fixou galbas esquemáticas gerais. – A mesma ondulação linear e a identidade ornamental traduzem frequentemente influências e não origens. – Ceramoscopia de Prado; similitudes morfológicas com olarias larnaudianas, micénicas, etruscas e orientais; a romanização. – Peças antropomórficas. – Penúria inspiradora e inamovível dependência das formas herdadas. – Sobrevivência ou regressão aos tipos primitivos.

  • 39 RAMALHO ORTIGÃO, A fabrica das Caldas da Rainha, pág. 7. Tipografia Ocidental ed. Porto, 1891.

52A identidade de algumas formas da olaria popular com outras de procedência estranha já antiga tem dado lugar a que se estabeleçam filiações nem sempre confirmadas nas descobertas ulteriores de cerâmica mais remota. Atribuiu-se o moringue a uma importação da Índia e americana, aos árabes o alguidar, a aljofaina e a almotolia, a gregos e romanos outros tipos comuns e generalizados. (39) E afinal, em laços fundos e mal apercebidos, muitos desses produtos descendem duma arte ancestral depois conhecida e mais longínqua.

53A acção lenta da romanização introduziria, além das formas que seriam próprias do romano as que, nas suas assimilações frequentes, este adoptara e propagara mercantilmente ; mas nem por isso se deve assentar nesta ascendência predominante ou única, excluindo a anterioridade de alguns modelos criados ou transmitidos pelas civilizações que precederam a latina. Em alguns vasos é fácil descriminar, pela decoração e pela galba, as origens bem afastadas das que denunciam o artigo com que o mercador romano seguia as legiões.

54As fontes, todavia, encontram-se por vezes : são as mesmas, buscadas por modo e em tempo vário ; as transacções comerciais, por outro lado, vulgarizaram, em todas as épocas, olarias mais ou menos abastardadas e já de ascendência. perdida. De sorte que as aproximações nem sempre decidem, com justeza e rigor, um parentesco indagado sob base geralmente tão insubsistente e precária.

55Ainda muitas vezes a similitude formal, atingidas certas soluções de geral conveniência, exibir-se-á, necessariamente, com um mesmo carácter de universalidade ; concebe-se como na calote primitiva se adoptasse o suporte plano e estável ; como estendendo superiormente a pasta e estreitando o bojo a exposição se restringia ; como anexando aselhas, ficasse simplificado o manejo e o transporte.

56A apropriação a destinos comuns generalizou assim alguns tipos cujas raízes múltiplas e distantes a nossa averiguação não desvenda ; são formas fundamentais, iríamos dizer esquemáticas, onde os inícios se perdem entre quase todos os povos que praticaram a olaria.

57Pondo em presença vasos de igual ondulação linear e ornamentação com o mesmo ar familial, extremam-se mais provavelmente as influências do que as fontes primordiais, tal a multiplicidade de veículos, tão obscura a certeza indubitável das origens. Mas nem outra via, com menor número se percalços, pode conduzir, porventura, às filiações presumíveis que mais se aproximem da verdade.

58A malga, primeiro vaso que o oleiro de Prado consegue fabricar, é a calote de todos os povos primitivos, apenas modificada vantajosamente na substituição do fundo ovóide pela base plana. Seguem-se-lhe outras formas simples, entre as quais certo alguidar em tronco de cone invertido, com o rebordo mais ou menos distendido para fora e, quando para o forno, amolgado dos dois lados (fig. 3).

  • 40 GABRIEL et ADRIEN DE MORTILLET, Ob. cit., figs. 1086 e 1084, pl. XC.

59A curva da calote, subindo sempre, quase fecha (fig. 4), finda toda (fig. 5), ou bruscamente se interrompe rematando o vaso com uma cinta (fig. 6). Esta forma tem similar larnaudiano nas palafitas de Grésine e bem assim a seguinte, já asada (fig. 7), em estações da mesma época. (40)

  • 41 G. PATRONI, La civilisation primitive dans la Sicile orientale, in L’Antropologie, fig. 31, pág. 30 (...)
  • 42 ED. POTTIER, La peinture industrielle chez les grecs, fig. I, pág. 63. May ed. Paris. – GUHL et KON (...)
  • 43 GUHL et KONER, Ob. cit., II, Rome, figs. de pág. 242.
  • 44 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldée et Assyrie, fig. 363, pág. 711.
  • 45 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 468, pág. 917.
  • 46 JULES MARTHA, L’art étrusque, fig. 64 e pág. 59. Firmin Didot ed. Paris, 1889.
  • 47 A. JACQUEMART, Les merveilles de la céramique, I, págs. 15 e 190. Hachette ed. Paris, 1883.
  • 48 JOAQUIM DE VASCONCELOS, A fabrica de faianças das Caldas da Rainha,pág. 2. Tip. Ocidental ed. Porto (...)

60As infusas, de bojo mais ou menos dilatado e colo estreitando em vário grau, afectam formas muito antigas. Há a caldaica e a proto-helénica (fig. 8), que depois os gregos mantiveram ; (41) outra, (fig. 9) com a asa menos ousada, recorda o oenochoé ; (42) desta se passa a outro tipo (fig. 10) que lembra o aribale, já na forma romanizada. (43) O cantil (fig. 11) aparece-nos, asado ou não, na olaria caldaica, (44) menos deprimido lateralmente e com maiores dimensões em Chipre, (45) de bronze na alfaia etrusca (46) e por fim atribuído aos árabes da Ásia Menor, (47) onde é tido em grande veneração e a lenda diz que fora bebendo por ele que Noé tomara a bebedeira memorável. Na olaria popular este vasilhame tem uma importância primária ; infusas e púcaros são de uso tradicional e merecem uma estima que nem D. Sebastião desdenhara, preferindo, num banquete a um cardeal-legado, o púcaro de Estremoz à peça correspondente da sua baixela de oiro ! (48)

  • 49 GUHL et KONER, Ob. cit., II, Rome, figs. de pág. 242.

61As formas cilíndricas são comuns (figs. 12 e 13) e em algumas (fig. 14) reconhece-se ainda a galba romana. (49) Por último as infusas assumem, ou o carácter misto das formas esféricas e cilíndricas (fig. 15), ou então um mais belo modelado, sem fuga dos tipos caldaico e proto--helénico, os mais antigos, agora conhecidos, em que se podem filiar (fig. 38).

  • 50 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 466, pág. 915. (10) GARNIER, Ob. cit., fi (...)
  • 51 GUHL et KONER, Ob. cit., II, Rome, pág. 249.

62Os suportes acentuados e distintos do corpo do vaso (figs. 16 e 17) são menos frequentes e mesmo dispensáveis. O corte brusco na curva garante suficientemente a estabilidade e ainda mesmo no vasilhame de grandes dimensões. Este destina-se (fig. 18) para as provisões de água e de azeite, salgas e conservas. Grosseiramente, com menor abertura e maior estreitamento basilar, aproxima-se a talha minhota de certas ânforas da Grécia primitiva (50) que, de resto, cotejadas segundo as procedências e os tempos, (10) davam lugar à intercalação da vasilha portuguesa. Os dolia, as amphorœ e os cadi, grosseiramente trabalhados, sem asas ou com duas muito pequenas e de pança bombeada, (51) tinham idênticos destinos e sem dúvida enraízavam já em formas mais distantes.

  • 52 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 168, pág. 454.

63Para mais efémera provisão de água fabrica-se ainda o moringue (figs. 19 e 40), forma generalizada em toda a nossa olaria popular e ordinariamente atribuída a uma origem americana. Cumpre, todavia, compará-la com o tipo, fundamentalmente o mesmo, que aparece entre a cerâmica micénica e já foi mesmo exumado num túmulo de Creta. (52)

64Passando desta cerâmica vidrada à loiça fosca, vemos derivar-se duma só forma esférica inicial o número restrito de tipos que comporta. A galba elementar, bombeada e rotunda, rompe bruscamente num rebordo que logo curva para fora (fig. 20) ; a base é chata ou trípode (fig. 21) e bem assim nas formas descendentes, menos dilatadas, e com uma separação mais sensível e distinta do bojo para a cinta superior (figs. 22 e 23). Noutra forma (fig. 24) o gargalo adelgaça para o alto em curva mais suave. Em todas, pegas cilíndricas por asas.

  • 53 MARTA, Ob. cit., figs. 18-9, pág. 49.
  • 54 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 66, pág. 252.
  • 55 HENRI SCHELIEMANN, zzí<m, numerosas gravs. entre págs. 432-44. Firmin Didot ed. Paris, 1885. – NADA (...)

65Destaca-se nestas formas a persistência da remota base trípode, já adoptada na cerâmica etrusca, (53) na de Hissarlik (54) e na que Schliemann exumou em Troia, (55) em quantidade considerável.

66Ovalado e asado este contorno fundamental dá as vasilhas (figs. 25 e 26) que gradativamente, pela distinção mais nítida das golas (figs. 27 e 28), passam à infusa do tipo já descrito. O cântaro (fig. 29) é ainda uma delas, mais amplo, mais alto, munido da aselha adjuvante para o transporte e, no rebordo circular, com a ornamentação digital bem conhecida. Por fim, dobrando simetricamente a asa (figs. 30 e 31) reproduzem-se formas anteriores que recordam – anote-se de passagem – as olarias bretãs e actuais da Finisterra.

  • 56 G. et A. DE MORTILLET, Ob. cit., fig. 529 da pl. LV.

67Esta limitação formal, cuja estreita variedade dimana duma breve alteração nos acessórios, acentua-se por igual na loiça preta. Reproduzem-se os mesmos tipos (fig. 32) ou simplificam-se mais ainda (fig. 33) ; multiplicam-se as bases trípodes ; modelam-se certas (fig. 34) que, aproximadamente, reeditam formas pré-históricas ;56 outras derivam facilmente do esquema imutável que explica toda a série (figs. 35 e 36).

  • 57 GARNIER, Ob. cit., págs. 320-1.

68Pouco frequentemente no vasilhame de Prado, de ondulação tão restrita, algumas peças de raridade afectam aspectos antropomórficos. Data de longe a ideia natural de comparar ao vaso o homem e a mulher principalmente ; no Egipto modelaram-nos sob formas humanas e de animais ; o mesmo sucedeu na Fenícia, em Tróia, em Chipre, indicando-se, sequer, olhos, nariz, boca e seios ; a indústria moderna também fabricou e fabrica vasos antropóides : jacquelines em França, outras peças semelhantemente pitorescas na Flandres e na Holanda, bêbados na Inglaterra, (57) na Espanha e entre nós o homem sentado de tricórnio e rabicho, a mulher rotunda, outras vasilhas figurando aves, peixes e répteis.

69O oleiro de Prado também modela cântaros que representam a cabeça e busto de alguém alegre que tange viola. Mas fora da estatuária a sua imaginativa finda aqui.

70Circuncritas, no número e nas galbas, as peças de olaria que bastam ao viver das populações para as quais fabricam esses ceramistas rústicos, emerge deste quadro pobre uma impressão de estreiteza inspiradora e de inamovível dependência ante as formas tradicionalmente herdadas. Encontramo-las imutàvelmente pré-históricas ; deparam-se-nos, em maior número, as que lembram outras pré-helénicas ; exibem-se várias que Roma introduziu generalizando-as. Mas, conquanto os ares familiais permitam razoavelmente vislumbrar fontes presumíveis, muitas formas certamente se degradaram perante a miséria inspiradora através da qual sobreviveram, fixos e universais, alguns dos tipos mais grosseiros das olarias primitivas.

III A ornamentação

71Fundamento da decoração linear. – Limitação ou multiplicidade das combinações. – Ornatos por pressão digital, por incisão e pintados. – Padrões ornamentais de Prado ; as combinações elementares; a decoração em SS; a cruz gamada ; outras composições. – Confrontos com a decoração neolítica, grega, etrusca e gaulesa; similaridade de alguns motivos de Prado e da Citânia de Briteiros. – Estreiteza dos recursos decorativos nos louceiros minhotos e inferioridade ante os de outras populações consideradas bárbaras. –As faculdades ornamentais dos oleiros de Prado medem-se pelas que se exibem nos produtos médios da idade do bronze.

72Na decoração linear que ornamenta o vasilhame de Prado, a combinação das linhas é reduzida a motivos muito simples que se repetem em séries horizontais no mesmo vaso, com alternações frequentes de iguais ornatos e onde raramente se suspeita a penosa imitação e busca dos assuntos florais.

  • 58 FELIX REGNAULT, Essai sur les débuts de l’art ornamental géométrique chez es peuples primitifs, in (...)

73O ornamento geométrico foi obtido por todos os povos ; a diferenciação procede apenas do engenho com que restringiram ou multiplicaram as combinações, frustes ou complexas, limitadas a ângulos, paralelas, losangos e círculos, ampliadas ao xadrez, às espiras, às volutas, aos meandros e às gregas, e elevadas à sua máxima expressão pela ciência possível que os árabes alcançaram das linhas. Dos esboços artísticos mais simples e que constituem os elementos duma arte na infância, o fundamento é o ponto, a recta e a curva. Cortando-se duas rectas dão o ângulo, três, o tríscelo ; ângulos em série produzem o ziguezague ; opostos, simétricos, alternados e em zonas paralelas são outros tantos motivos deduzidos dum mesmo elemento inicial; e combinando-os com curvas em disposições similares, os elementos crescem para com elas se variar infinitamente uma decoração que assim repousa nesta modesta essência. (58)

  • 59 CARTAILHAC, Ob. cit., págs. 61-2.
  • 60 G. et A. DE MORTILLET, Ob. cit., fig. 535 da pl. LVI.

74Na sua grande maioria as populações ex-históricas, ornamentaram as olarias a punção, penetrado na pasta fresca, e ainda, em não poucos casos, pela incisão das unhas e pelas pressões digitais. Destes processos temos ainda o exemplo vivo na curva sinuosa, a estilete de madeira, gravada ao alto, no bojo das loiças de Gatim. E como sucedera já nos tempos neolíticos, (59) os rebordos da loiça mate e monocroma apenas se enfeitam com uma simples impressão dos dedos, regular e simétrica (fig. 29) ; precisamente na época robenhauseana existira esta decoração, ou nos bordos, (60) ou logo abaixo, em festões.

  • 61 VICTOR GROSS, Les protohelvètes, pág. 5 e fig. 8 da pl. I; pág. 94 e vars. figs. das pl. XXXII e XX (...)
  • 62 PAUL DU CHATELLIER, La poterie aux époques préhistorique et gauloise en Armorique, pis. III, IV e I (...)
  • 63 Excursion dans le nord du pays. Braga et Citania de Briteiros, in Compte-rendu cit., fig. 20, pl. I (...)

75Mas excluídos estes casos, a ornamentação é pintada, embora reproduza motivos alcançados pelos processos da incisão e da pressão. Buscando os mais elementares temos, em primeiro lugar, as filas de pontos e as linhas paralelas, que ou se distribuem em séries horizontais ou obliquam num sentido, ou ainda em sentidos opostos, originando ziguezagues, ângulos e (fig. 37 a e b) por fim o vulgaríssimo Chevron (c). É a decoração das loiças neolíticas, de várias olarias lacustres e dolménicas,61 da cerâmica gaulesa (62) e da nossa de Briteiros. (63)

  • 64 Excursion cit., figs. 16 e 19, pl. II.

76Em segundo lugar podemos considerar as curvas, originàriamente como que reproduzindo uma impressão anteriormente obtida com a unha (d), depois formando séries com pontos (e), com rectas (f) e entre paralelas (g)–, ou, mudando de sentido, reproduzindo os mesmos motivos (h, i), associando-se com rectas (j), cortando-se (k), imbricando-se, alternando-se com pontos (l) e por último dando a curva ondulada (m) que engrinalda comummente ainda hoje os bojos e gargalos e que já afestoava as olarias dolménicas e as loiças da Citânia de Briteiros. (64)

  • 65 CATAILHAC, Ob. cit., figs. 159 e 160, págs. 124-5.
  • 66 ALEXANDRE BERTRAND, Nos origines. III, La réligion des gaulois, págs. 242-3. Leroux ed. Paris, 1897 (...)

77Obtido o circulo (n), crescem as associações com os outros elementos (o, p) e produzem-se as figuras inclusas (q), uma das quais (r) representa essencialmente um motivo encontrado nas olarias de Palmela. (65) Vem seguidamente os S S em todo um bordo ou em grupos, e que têm sido considerados como símbolos helíacos ; é uma ornamentação de data pré-histórica, frequente nos gregos e gauleses e que, alternando com suásticas, forma espécies de grinaldas em alguns vasos funerários da Etrúria. (66) (s)

  • 67 Excursion cit., fig. 15, pl. II.
  • 68 BERTRAND, Ob. cit., pis. VI, XIII e XV.
  • 69 BERTRAND, Ob. cit., págs. 143-5.
  • 70 MARTINS SARMENTO, A arte mycenica no noroeste de Hispanha, in Portvgalia, I, pág. 2. Porto, 1899.

78A orla (t), já mais complexa, aparece duplicada nas loiças de Briteiros. (67) E em banda, alternando com chevrons, encontramos a figura (u) que se identifica com a suástica, assim traçada numa estela irlandesa, em loiças de Hissarlik e de Micenas, noutras mais. (68) Este sinal, simbólico ou ornamental, de origem e significação tão discutidas, já aparece em argilas duma estação do fim da idade do bronze, em cipos anepígrafos, talvez galo-romanos, erectos provavelmente a uma divindade solar (69) e entre nós, frequentemente, nas pedras da Citânia, ou sob a forma vulgar da cruz gamada, ou afectando a de tríscelos e tetráscelos. (70)

79Associando estes elementos, que podemos considerar rudimentares para as combinações que há-de gestar, o oleiro cobre os bojos com faixas, ora simples, ora duplas (v, x, y, z), repetindo os mesmos tipos ou alternando-os nos limites das suas estreitas criações. Os ensaios de decoração floral reduzem-se à mais tímida expressão (aa) ; as composições mais complexas (bb, cc, dd), nitidamente revelam a indigência proclamada, pois essas ornamentam as peças que lhe resumem todo o engenho (flgs. 38, 39 e 40).

  • 71 BRONGNIART, Ob. cit., pág. 424. – CH. DAREMBERG et EDM. SAGLIO, Dictionnaire des antiquités grecque (...)

80Por último as decorações em relevo, isoladas ou unidas, como as praticaram frequentemente os romanos (71) e semelhantemente realizadas com punções ou moldes, representam cercaduras várias, as armas reais, às vezes uma cabeça animal por imitação, estrelas e rosáceas.

  • 72 REGNAULT, Ob. cit., pág. 542.
  • 73 VIRCHOW, Excursion cit., pág. 661. – SALOMON REINACH, Le mirage oriental, in L’Anthropologie, IV, p (...)

81Deste exame, teoricamente sistematizado, infere-se que a decoração das olarias de Prado dispõe de recursos incomparavelmente inferiores aos de muitas populações consideradas bárbaras. O estádio pode considerar-se paralelo aos alvores da idade do bronze e pouco mais ; já nesta época se dispõem as figuras segundo um plano duplo de simetria, aparece a grega (72) e ainda outros motivos por igual mais complexos. Embora, porém, os elementos observados sejam, em grande parte, comuns aos primeiros passos do ornamento geométrico em muitos povos de civilização atrazada, é para anotar a frequência, a persistência e a espécie de simpatia pelos motivos que encontram similares nas olarias da Citânia de Briteiros. O parentesco destas com outras da Gália e da Irlanda, a sua afinidade com as da arte egeana, antes de evolver resoluta para a característica e desenvolta ornamentação acentuadamente curvilínea, a lembrança que sugeriu de que os antigos oppida lusitanos cedo receberam, segundo as ideias correntes, uma suposta influência do Oriente (73) – pois que na própria Europa radica plausivelmente a civilização pré-homérica–são para considerar em documentos que, embora de significação um pouco frívola, convém não desdenhar completamente.

IV A estatuária

Evolução do ornato geométrico para a decoração floral e zoomórfica. – Debute da faculdade plástica; inícios similares e divergências ulteriores. –Motivos de preferência nos coroplastas de Prado : a fauna local ; o mobiliário; icónica rural, doméstica e religiosa; o Rei ; a sátira rústica ; caricaturas e monstruosidades; as miniaturas da loiça e os instrumentos músicos. – Símiles pré e proto-históricos : Laugerie, Hallstat, La Tène, Grécia primitiva, Etrúria e Oriente. – Indigência plástica concordante com a penúria eurítmica e ornamental. – Outros progressos na estatuária cerâmica do país; os barristas do século XVIII esculpindo uma interessante hagiografia e iconografia populares. – Influência nula nos estatuetistas de Prado; sua permanência no estádio inicial.

82A indigência já revelada nos meios de expressão ornamental deveria naturalmente acentuar-se quando de louceiro o ceramista de Prado passa a coroplasta ; e entretanto, da imitação da natureza que o cerca, ao manifestar-se-lhe o instinto plástico, obtém mais recursos, embora num âmbito estreito de assuntos e aspectos, do que nos tímidos ensaios da decoração floral.

83Gravar e esculpir, como primeiros passos de cópia ou interpretação das formas vivas datam de épocas remotíssimas. A evolução dos motivos ornamentais levou naturalmente à imitação flórica e das formas animais, de inicial execução sumária, rígida pela ascendência geométrica, inexperiente e rude, limitadíssima aos aspectos mais singelos da natureza envolvente. As primeiras gravuras e depois, nas épocas do bronze, as figurinhas de olaria são principalmente zoomórficas, – como ainda hoje nas populações serranas, certos pastores esculpem, em madeira, cabeças dos animais que os cercam, trechos de impressões simplistas recebidas e repetidas na sua ocupação contemplativa.

  • 74 MAXIME COLLIGNON, Histoire de la sculpture grecque, I, págs. 52 e 108-9. Firmin Didot ed. Paris, 18 (...)
  • 75 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, págs. 734-8.

84Estudando-se a evolução da faculdade plástica, averigua-se que um mesmo debute ingénuo e humilde caracteriza os princípios em todos os povos. Esboçando o corpo humano, a arte rústica primeiro modela a cabeça e o tronco ; risca os olhos ; encobre os membros no vestuário cujas ondulações acusa a traços ; destaca-os em pequenos apêndices laterais ; separa os membros inferiores em modelado hirto ; particulariza, enfim, por linhas, os cabelos e as pregas dos vestidos. Assim começou, sob estas formas elementarmente sumárias, a arte plástica em Tirinto, em Ialisos, em. Melos, em Tanagra, em Atenas, (74) carecida de arranjo de vestuário, de ligação de membros, de proporções anatómicas, sem articulações indicadas, sem dedos distintos, ausente o sentimento da forma e do movimento, muda, a bem dizer, de valores expressivo e narrativo. (75)

85Mas depois, adquiridas e vencidas, pelas mesmas vias e com iguais expedientes, as dificuldades de início que nivelam as obras plásticas de todos os povos, cada um concebe, realiza e evoluciona variamente, conforme as aptidões, o meio social e numerosas circunstâncias fatais ou fortuitas contrariam ou desenvolvem a marcha encetada.

86Das formas rígidas e quadradas que exprimem os primeiros e gerais esboços plásticos chega-se na Grécia à arte divina-, mas também sucede que pouco mais se avança e a arte figulina nos surge ainda hoje, exactamente como as lendas e ritos, sob o aspecto de sobrevivências passadas imunemente através das influências e dos progressos dos tempos.

87A pequena estatuária dos oleiros de Prado, modelada à mão e com um grosseiro estilete de madeira, ou radica numa arte plástica já tradicional e longínqua, ou, se relativamente moderna, exibe-se, por todos os aspectos, primitiva e bárbara, isto é, em estreita unidade com as qualidades eurítmicas das formas e os meios expressivos da decoração.

  • 76 NADAILLAC, Ob. cit., I, pág. 129.

88Como o troglodita, (76) procurando os assuntos das suas primícias artísticas nas faunas locais, o oleiro minhoto modela principalmente os animais que conhece de sempre e cujos serviços e influência, benfazeja ou nefasta, aprende e transmite.

89Nessa região onde mais esplendem certas superstições condenadas e punidas em constituições de prelados, se a fauna é a mais copiada, também ela é objecto, como veremos adiante, das divagações que a fantasia empreende ou sugere.

90A cabra-loira (fig. 41) e o sapo (figs. 42 e 43) são menos frequentes ; o sardão (fig. 44), que persegue as mulheres e avisa dos perigos os homens incautos, já é mais comum. O galo, porém, (fig. 45) excede em número e em variedade todas as espécies da fauna. É a melhor tratada em nobreza de porte, em insistência de detalhes, em apuro final de modelado. Na impressão que as aves exercem destaca-se a que produz esta, visivelmente pelos costumes dominadores e másculos. Altivo e majestoso, vigilante e cúpido, todo o povo o celebra, em contos, em superstições, em cantares :

  • 77 LEITE DE VASCONCELOS, Tradições populares de Portugal, pág. 149. Clavel ed. Porto, 1882.

Este galo é malvado,
Desonrador das galinhas; Inda bem não amanhece, Já anda pelas curtinhas. (77)

91Foi ele quem afirmou a divindade de Jesus quando os apóstolos, à mesa, duvidavam ; é ele quem se antecipa a anunciar as alvoradas :

Canta o galo, abre a luz.

  • 78 TEÓFILO BRAGA, Ob. cit., II, pág. 153.
  • 79 ANGELO DE GUBERNATIS, Mythologie zoologique, II, pág. 297. Durand et Lauriel eds. Paris, 1879.

92E grande ainda é o seu poder sobre as entidades maléficas das trevas, já celebrado nos hinos da Igreja e nos cantos populares, (78) antigo e extenso, na simbólica grega, por exemplo, no Avesta em que o canto do galo obriga os demónios a fugir, desperta a aurora e faz erguer os homens. (79)

93Vêm depois, sós ou associados, a toupeira (fig. 46), onde nitidamente se indica a cegueira ilusória, o carneiro (fig. 47), o porco, o boi, o cavalo, o ouriço carregado com as maçãs que, alegremente chiando, buscou nos pomares, o cão (fig. 48) e o gato. E a esta cópia singela dos seres mais conhecidos associa-se a dos objectos mais comuns ou sejam acessórios de vestuário (figs. 49, 50, 51, 52) ou de mobília, como as cestas, o ferro de brunir, a cadeira, o berço, a cómoda, o santuário.

94A vida entre populações agrárias, de cujo mister frequentemente comparticipa, faz brotar da sua arte toda uma iconografia doméstica e rural : o fabrico do pão, detalhado em grupos ou em passagens singelas (fig. 53) ; a exaustão da água (fig. 54) ; a lavagem do bragal (fig. 55) ; a alimentação dos cevados (fig. 56) ; a fragmentação das lenhas (fig. 57). Certas ícones, entanto, aparecem mais pormenorizadas, quando traduzem sobretudo alfaia ou operações nas quais, pela sua significação e valor, mais incidem a estima e a consideração da lavoura. Por vezes o tradicional carro de bois (fig. 58) exibe-se em rara particularização de minudências. No chadeiro e a vincos limitam-se as chedas do resto do leito e da cabeçalha ; esta obliqua naturalmente até encontrar o tamoeiro ; os fueiros ornam as chedas ; nos lugares respectivos indicam-se as cantadouras ; no rodeio acentua-se o miul ; nas cambas, às vezes, aparecem as meias-luas. Dos jugos destaca-se breve a decoração profusa que os caracteriza na região, os arcos, ensogaduras e tendilhas, a chavelha e o pigarro na cabeçalha, a soga por fim.

95Semelhantemente e representando uma bessada (fig. 59) a composição, por mais sumária, sempre mostra os elementos fundamentais : rabiça e pegadouras, o temão e o ateiró, alguém guiando, outrém tangendo ; mas em exemplares de mais minúcia, vê-se a relha e a seita e as aivecas ressaltam, sulco alargado, virada a leiva.

96Numa região onde dois rios correm, mediocremente interessam o oleiro os veículos de água ; raro modela um barco (fig. 60) que entretanto ornamenta com um florão (fig. 61) à popa, o mesmo motivo, obtido por molde, aplicado no vasilhame e noutras peças. E por igual pouco comuns são os assuntos religiosos, numa população que em festividades de igreja encontra os pretextos das suas efémeras alegrias colectivas : esboços sumários de alminhas, dos andores tradicionais (fig 62), grande armação, santo ao alto, fitas voejando, palhão e espelhos faíscando e aureolando o orago.

97Outras figuras secundárias e de mais breve anatomia aparecem, por isso mesmo, em grande número, como os músicos (fig. 63), de que há séries representando a maioria das figuras duma banda, o devoto (fig. 64), o mendigo característico das romarias do Minho, hediondamente deformado, rastejando, mão em súplica e na evidência exagerada dos aleijões ante a piedade que passa.

  • 80 SALOMON REINACH, La sculpture en Europe avant les influences greco-romaines, in L’Anthropologie, VI (...)
  • 81 PAUL SÉBILLOT, Les travaux publics et les mines dans les traditions et les superstitions de tous le (...)

98Afora estes assuntos locais, outros de acaso ou já exteriores à vida rural dão ensejo a novas composições, umas limitadas a cópias, certas já com algum propósito burlesco : a madama num burrico, a madama e o marido, ou a madama somente (fig. 65), ainda inferiores de factura, esta última, principalmente, numa atitude que a arte primitiva criou perpetuando-a – os dois braços afastados do corpo, arredondando em seguida e por fim aproximando-se na cinta.80 Reproduções da diligência qua várias vezes ao dia percorre as estradas de rodagem, do « americano », que o oleiro viu em Braga, e da bicicleta (fig. 66) são ainda frequentes ; e o que sucede com os biciclos, por exemplo, tem lugar, geralmente, quando algumas inovações surgem, ou, pela sua difícil explicação popular, intrigam e maravilham ; é o caso francês dos pequenos assobios em olaria representando uma locomotiva, (81) outros mais.

99O viajante (fig. 67), inglês geralmente, figura, antipática e exótica, que dava rios de dinheiro por certa antigualha da matriz, é objecto de reproduções acentuadamente vigorosas, como a força, a riqueza e a omnipotência que traduz ; assim o cavalaria (fig. 68) que domina os tumultos nos arraiais, dispersa as multidões desavindas e defende as maroteiras do senhor administrador nas eleições.

100Estes motivos já dão lugar à exibição da verve rústica que, confinada nos assuntos locais, se limita a exageros, a um ou outro facto natural (fig. 69) ou, ainda que rara, a qualquer grosseira cena pornográfica.

  • 82 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, pág. 831, fig. 4. – REINACH, Ob. cit., VII, pá (...)
  • 83 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., I. L’Egypte, figs. 535-6, pág. 805; fig. 549, pág. 821.

101O engenheiro das estradas (fig. 70), odioso pelo poderio de quem procede com as ordens e aquiescência do governo, é um dos alvos da ingénua troça em barro. Como o « instrumento » é difícil e difícil a posição em que inquire, basta-lhe um óculo e, para a estabilidade, adiciona-se-lhe outra perna. Este o recurso frequente do oleiro e sobretudo quando esculpe em fantasia ; então, aliviado da subordinação às formas naturais, a sua imaginação mais não dá que tipos compósitos e geralmente monstruosos. Assim sucedeu aos barristas primitivos, aos de Troia, por exemplo, modelando animais de seis patas (82) depois de terem exaurido a sua inicial escultura bárbara copiando a natureza. Aumentando membros e exagerando feições, (fig. 71) eis a graça ; e esta caricatura, na sua concepção fundamental, recorda, entre outras, o deus Bes da verve egípcia, anão ventrudo de riso bestial, olhos grandes, beiços grossos, pernas curtas e nádegas salientes. (83).

  • 84 COLLIGNON, Ob. cit., I, pág. 106; figs. 52-5 de págs. 108-9.
  • 85 REINACH, Ob. cit., VII, pág. 173.
  • 86 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 250, pág.574;figs.de págs. 742-5-8 ; fig. (...)

102Cumpre, todavia, reconhecer que a necessidade de equilíbrio explica o expediente. Já na fig. 63 e agora em outra (fig. 72), se observa que, executado o busto, o resto do corpo fica como que numa bainha rígida, solução comum na arte primitiva (84) que assim simplifica a tarefa (85) e garante a estabilidade da peça, como semelhantemente procedera e procede suprimindo outras minúcias anatómicas (figs. 67, 68, etc.). A arte micénica oferece a tal respeito (86) exemplos numerosos.

  • 87 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldèe et Assyrie, págs. 61-5.
  • 88 GUHL et KONER, Ob. cit., I, La Grèce, pág. 200.

103A intenção da graça mostra-se ainda no romeiro de chapéu braguês, cavalgando e tangendo viola (fig. 73), no casal que prossegue no leito a estúrdia da tarde (fig. 74), no médico grotesco à cabeceira dum enfermo monstruoso, noutros passos que assim resumem a sátira rústica ; mais dicaz dá os tipos híbridos, como o violoncelista das solenidades litúrgicas (fig. 75) ou o sineiro do campanário rural (fig. 76). Esta associação da forma humana com a cabeça animal é frequentíssima e ainda uma expressão que reveste a escultura bárbara, perpetuada, entretanto, nas civilizações orientais. No Egipto assim sucedera ; no panteão caldaico o artista punha num corpo humano uma cabeça de touro, de leão ou de águia para desta arte atribuir à divindade em vista a qualidade que distinguia o animal figurado ; (87) alegorias semelhantes foram ainda as da Grécia antiga nas suas figuras metade humanas, metade animais e pertencentes a um ciclo restrito de heróis.(88) Legada e degradada nuns povos, espontânea noutros, esta maneira arbitrária de modelar seres heterogéneos veio também a exprimir as mais vivas manifestações de motejo de que são capazes as tribos selvagens, aludindo, em escultura, aos europeus, ou os coroplastas de Prado às figuras e aos misteres que lhes provocam a graça ingénua.

104A fantasia caricatural pára ante a imagem dum rei (fig. 77) ; é ainda um guerreiro e um herói, mais sabido pelas passagens dos rimances ou do hagiológio dos presépios do que pela democrática realidade actual ; assim o barrista coroa-o, ajaeza o cavalo com florões, arma-o de alfange, presentes na alma as tradições sempre vivazes dos mouros que habitaram os castros, confusos, em detalhe, com as dos três do Oriente vindos a adorar o Deus-menino, como se figura e canta, em loas, no Natal.

105Ao adquirir o exemplar reproduzido objectou-se o exagero do custo. – Caro, meu senhor ? Um rei por oito vinténs ? !

94 – Feira da loiça em Arcos de Valdevez.

94 – Feira da loiça em Arcos de Valdevez.

106Efectivamente era um preço vil para um monarca. Comprou-se o soberano. Mas o argumento mais íntimo para o oleiro não fora tanto a altura da ’estatueta, – quatro decímetros, se tanto – como a majestade que figurava.

  • 89 REINACH, Ob. cit., VI, págs. 665-6, 670-1; figs. 324, 328 e 329 de pág. 671.
  • 90 VICTOR GROSS, La Tène, un oppidum helvète, pág. 23 e pls. Fetscherin et Chuit eds. Paris, 1886. – R (...)

107Os produtos desta imaginativa bárbara atingem o maior relevo nas formas e combinações animais, esgotando-se, com os tipos que restam, a capacidade fantasista dos oleiros minhotos ; é também nessas singulares e rudes concepções que as semelhanças com as esculturas primitivas sobretudo avultam. Uma das composições mais vulgares (fig. 78) tem símiles pré-históricos, em Laugerie-Basse, por exemplo ; os dois animais simetricamente opostos e num corpo único, como as duas aves, dois touros, touro e carneiro são extremamente comuns nas estações ex-históricas e Reinach lùcidamente os explica pelo gosto primitivo ante a simetria, ou seja uma simples aplicação da tendência geométrica a elementos que o não são. (89) Nos barros de Prado as composições aviárias, muito comuns, apresentam-se isoladamente, geminadas ou em pinha (figs. 79 e 80) ; e esta categoria de decoração zoomórfica, além da sua frequência nos tempos já aludidos, foi principalmente representada na civilização de La Téne e mais ainda na de Hallstatt.(90)

  • 91 GUSTAVE LE BON, Les prémières civilisations, fig. 8, pág. 20. Marpon et Flammarion eds. Paris, 1889
  • 92 MARTA, Ob. cit., fig. 208, pág. 310.
  • 93 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldée et Assyrie, figs. 267-8-9 de págs. 567- -8-9 ; fig. 273, p (...)

108O touro (fig. 81), com o colar de chocalhos e a armação ornamentada, tem um pronunciado ar oriental ; é ver, entre muitos, a vaca Hathor, do museu de Bombaim. (91) E o leão (fig. 82), que o oleiro só conhece, porventura, de o haver visto figurado na imaginária, em obras de talha, nas igrejas, ou nos quatro ângulos de alguns túmulos, apresenta uma estilização da juba que importa acentuar por virtude da identidade com a bela quimera etrusca, em bronze, do museu de Florença (92) e principalmente com a dos leões babilónicos, (93) tratada, de resto e sempre, como as asas das aves e dos monstros.

  • 94 LE BON, Ob. cit., fig. 196, pág. 336.
  • 95 REINACH, Ob. cit., VI, págs. 299 e 300-2.
  • 96 GARNIER, Ob. cit., fig. 60, pág. 105.
  • 97 REINACH, Ob. cit., VII, fig. 406, págs. 181-2.

109Um animal alheio a toda a fauna (fig. 83) é ainda outra fantasia intencionalmente burlesca no céptico gesto popular, misto de quadrúpede e bípede, com expressões humanas o « que sucedia no princípio do mundo, quando os bichos falavam». Tal maneira de graça, já antiga, já no caricaturista egípcio, (94) estende-se ao sáurio montado (fig. 84) em que o barrista distendeu suficientemente os membros anteriores com o mesmo vulgar expediente primitivo que alongava as mãos por motivos idênticos. (95) Esta pequena escultura e a seguinte (fig. 85) aproximam-se, sob vários aspectos, duma estatueta do antigo estilo cipriota, (96) composta, no entender de alguns arqueógrafos, como brinquedo de criança. O sauriano que alguém cavalga integra-se afinal na mesma espécie de fantasia que concebeu os cavalos alados da Etrúria e do Oriente ; mas a reunião do equídeo com outra cabeça animal, lembrando, é certo, os cavalos associados a aves, na Itália e nas moedas gaulesas (97) é, todavia, singularmente aberrante, como por igual, na escultura seguinte, (fig. 86) a barbárie não pode ser excedida.

  • 98 GROSS, Les Protohelvètes, cit., pág. 92. – GARNIER, Ob. cit., pág. 109.

110Ora toda esta estatuária, em que as figuras de mais vulto atingem apenas alguns decímetros, apresenta sempre estes dois inamovíveis acessórios : um assobio e orifícios para palitos. Dão-lhe assim ingenuamente este préstimo para adultos ; as crianças, porém, determinam a acorrência de clientes e para elas fabricam ainda os oleiros todos os tipos de vasilhame em miniatura, outros estranhos às formas lá comummente fabricadas (figs. 87 e 88), mealheiros, castiçais, armadilhas para toupeiras, flautas (figs. 89 e 90), assobios de água (fig. 91), espécies de ocarinas imitando o cuco, cornetas (figs. 92 e 93) enfim. A fabricação com destinos infantis, é, de resto, bem antiga ; já verosimilmente nas palafitas da idade do bronze, já nos túmulos das crianças de todas as regiões helénicas se encontram objectos próprios para elas. (98)

  • 99 BRONGNIART, Ob. cit., pág. 489. – GARNIER, Ob. cit., pág. 517.
  • 100 F. FERRAZ DE MACEDO, Ceramica popular portuguesa-. Assobios de agoa, in Revista Lusitana, III, págs (...)

111E os instrumentos músicos em olaria – trombetas, flautas, chocalhos, campainhas – tiveram e têm um fabrico, a bem dizer, universal, (99) deparando-se-nos ainda na olaria portuguesa as campainhas de Ovar, os assobios de Estremoz e os rouxinóis que aparecem em Lisboa nas festas de Junho, cujo som é modulado e variado, como sucede nos de Prado, por meio da água agitada com o sopro do tocador (100).

  • 101 ALBERTO SAMPAIO, A propriedade e a cultura no Minho, pág. 129. Porto, 1888.

112Todos estes produtos de modelação rústica, no seu naturalismo ingénuo, nas suas formas humanas reduzidas às indicações essenciais, no apertado âmbito de atitudes e gestos, na concepção dos seres fictícios e das monstruosidades, confirma a penúria anteriormente denunciada e estabelece uma indubitável coerência estética com as faculdades decorativas e a oprimida variedade formal. O oleiro realizou quase todas as composições que o escultor cerâmico empreende sob a inspiração das festividades e dos tipos populares, dos costumes, das tradições, da fauna local, exceptuando, todavia, as imagens de devoção, facto para registro entre a população de uma província onde « a religião constitui o fundo de toda a sua vida moral».101 Procedendo, contudo, semelhantemente aos oleiros modeladores que, para os mesmos elementos, usos e sucessos, buscam a tradução em barro, ficaram no estádio inicial, como impedidos de evolver, como sequestrados do exame e convivência com os produtos similares que o país fabricou.

113E entanto uma produtividade considerável de estatuetas cerâmicas, em faiança e em barro vermelho, inundou as habitações.

  • 102 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Exposição de arte religiosa em Aveiro, anexo ao Catalogo da Exposição de ar (...)
  • 103 RAMALHO ORTIGÃO, Exposição de arte sacra ornamental. Catalogo da sala de Sua Magestade El-Rei, pág. (...)
  • 104 JOAQUIM DE VASCONCELOS E MARQUES GOMES, Exposição districtal de Aveiro em 1882. Relíquias da arte n (...)

114Darque, com as suas faianças, distribuiu as conhecidas figuras cómicas e outras de costumes ; Devezas e Afurada multiplicaram os seus tipos populares, episódios de romaria e cenas rústicas ; Aveiro modelou os lindos brutescos para os beirais ; Vista Alegre reproduziu os costumes de Aveiro e Ílhavo ; as Caldas dispersaram abundantemente as suas formas tradicionalmente herdadas e mantidas. Com méritos desiguais, é certo, sob influências diversas, ora cultas, ora pendentes de aptidões individuais, ora subordinadas a modelos legados, essa estatuária não excede contudo os limites duma arte acentuadamente popular. E popular foi ainda a escultura em barro do século XVIII que produziu os retábulos, as imagens, os ex-votos e todas as deliciosas figurinhas de presépio que encheram os conventos e os oratórios particulares. Radicando em origens cultas, ou seja nos artistas que realizaram as grandiosas composições de Alcobaça, pelos meados do século XVI (102) ou na escola de Mafra, (103) os estatuetistas procedentes, no sul e em Aveiro, (104) absorveram-se numa hagiografia popular e numa iconografia de costumes que, através do convencionalismo geral da época, marcam inconfundivelmente a alma portuguesa.

  • 105 JOÃO BARREIRA, Os barristas do século XVIII, in Jornal do Commercio de 2 de Dezembro de 1898. Lisbo (...)

115Nos barros que sobejam da antiga fabricação de Aveiro está representada toda a família pastoril dos presépios, o martiriológio de Jesus, certas passagens do evangeliário e dos santorais populares sob a impressão ingenuamente naturalista que no povo bebeu as fontes inspiradoras. E nos despojos do museu das Janelas Verdes se exibe ainda, mutilada, a representação de presépios e lapinhas, « com a graça festeira duma romaria minhota, pobres de estradas, zagais, almocreves, cenas rurais ou urbanas, como a matança do porco, os galanteios junto do chafariz. É uma página imagética de folclore e de religião, ao mesmo tempo psicológica e decorativa, dando o maneirismo artístico do século passado que modelou em preciosos requebros de sala o mais humilde gesto plebeu e fixou em figurinhas de presépio o cristianismo paganizado que ressuma do antiquíssimo elemento helénico». (105)

116Imutáveis nos primeiros ensaios, embora timidamente busquem os mesmos motivos que serviram a olaria dum século distante, desprovidos de influências cultas e porventura dotados estruturalmente de faculdades plásticas muito restritas, o meio social acaba de nos explicar porque os oleiros de Prado, à hora que é, exprimem nos seus produtos uma fase artística proto-histórica.

V Conspecto social

117Centros de produção cerâmica no norte de Portugal; sua multiplicação por virtude da abundância de argilas. – Categorias filiadas na expansão mercantil. – As olarias de Prado representam a indústria cerâmica popular mais ampla do país. – Incoerência e caos dos documentos oficiais. Recurso da averiguação individual e interessada. – Comércio directo e por intermediários ; os mercados; as feiras. – O lucro do mercador é uma iniquidade. – Situação do oleiro; a casa; o mobiliário; a horta. – Como aprendeu. – Regime do trabalho: por conta própria, de jornaleiro e tarefeiro. – Especialização no fabrico. – O meio: indigência pessoal, paisagem mesquinha, arte religiosa, única que conhece, dissolvente e nefasta. – Conclusões: decadência artística e industrial; paralelismo estético com uma civilização proto-histórica.

118A despeito da insuficiência considerável de dados em que se nos exibem os inquéritos às indústrias do país, gerais ou parcelares, sobejam os elementos dispersos, coibidos nas indagações locais, para se afirmar que as olarias compreendidas na denominação genérica de Prado constituem a indústria cerâmica popular mais ampla de Portugal, não obstante uma decadência acentuadamente manifesta. Os artefactos de barro produzem-se no país, ou em aldeias isoladas comportando um número restrito de profissionais e irradiando comercialmente em zonas muito limitadas, ou então em regiões cuja ocupação essencial é a do fabrico da loiça, extenso a áreas relativamente mais vastas e com horizontes mercantis mais dilatados. A abundância da argila explica a soma considerável de olarias que, desde tempos mais ou menos remotos, se mantêm no país com melhor ou pior êxito ; o acesso comercial dos produtos de determinados focos provém naturalmente da qualidade das loiças, filiada, por sua vez, na natureza mais apreciável da matéria prima.

  • 106 Catalogo da Exposição de Aveiro, promovida pelo Gremio moderno, em 1882, pág. 75. Porto, 1883.
  • 107 Relatório da Exposição industrial de Guimarães em 1884, promovida pela Sociedade Martins Sarmento, (...)

119Neste último grupo incluem-se, no Minho, as olarias de Prado, – no Douro as de Ovar, Aveiro e Miranda do Corvo, na Beira as de Tondela. Esta última, mais justa e frequentemente denominada de Molelos, tem uma expansão mercantil cujos limites são a raia do país ao norte e a Figueira para o sul ; a de Miranda do Corvo abastece uma larga zona beirã e regiões estremenhas litorais adjacentes ; as do distrito de Aveiro, além da população muito densa a que utilizam, invadem alguns mercados do interior do país e, no norte, chegam até ao Porto. Simultaneamente concorrem os artigos dos pequenos focos. São, em Aveiro, a olaria de Ossela (Oliveira de Azeméis), a de Aradas, antiquíssima, à qual já se referem documentos do século XVI, (106) a de Angeja, a de Vagos, a da Feira ; na Beira e em Trás-os-Montes as de Resende, Bisalhães, Vila Pouca, Alijó, Moncorvo, Chaves, Mirandela e Bragança ; no Entre-Douro-e-Minho, Amarante, já na serra, Baião, Guimarães, com a sua produção reduzida a metade, (107) Amares, Caminha e Viana.

120Na separação em dois grupos, segundo a latitude mercantil e consideradas apenas as oficinas situadas àquem Mondego, há uma escala gradativa de importância cujos termos limites são a sede das loiças de Prado, duma banda, e na outra o oleiro de Soalhães (Marco de Canavezes), único produtor aqui existente (Maio de 1898) e destacado das olarias de Lordelo (Baião). Estabelecê-la não é possível em virtude das lacunas acusadas ; mas pressente-se que as olarias de Mirandela e de Vila Real, por exemplo, numa província onde não existe um grande centro produtor, têm outra significação industrial que as de Caminha e de Viana, mercê, neste caso, da absorção exercida pela próxima manufactura do Baixo Minho. As mesmas considerações cabem às oficinas do distrito de Aveiro onde os produtos da cidade e de Ovar excedem, em valor e número, os das restantes olarias rústicas da mesma circunscrição administrativa.

121Categorizadas, portanto, em dois grupos, num a grande produção com a amplitude mercantil correlativa, no outro uma fabricação diminuída em vário grau, a loiça de Prado assume o alto da escala, não só àquem Mondego, por onde restringiremos estas nótulas, mas em todo o resto do país. Administrativamente a olaria de Prado pertence aos três concelhos de Barcelos, Vila Verde e Braga ; mas realmente é toda uma como matéria prima e formas, o que já não sucede no distrito de Aveiro onde as loiças de Ovar se distinguem das da cidade, muito mais das de Aradas, ainda mais das de Ossela.

122E sobre tudo isto, enquanto os oleiros da bacia do Vouga não mantêm laços realmente desnecessários em face da « individualidade industrial» de cada grupo, os dos três concelhos minhotos constituem uma grande corporação solidária na tradição formal e decorativa, na apropriação da argila dum mesmo e grande jazigo – o da mancha pliocénica já aludida – na técnica, por fim. O sentimento do facto determinou vulgarmente a generalização dum só nome à loiça fabricada numa área relativamente vasta, quando afinal em Prado a manufactura é muito restrita e hoje quase limitada aos produtos das telheiras.

  • 108 Inquérito industrial de 1890, III, págs. 137-252. Lisboa, 1891.
  • 109 Inquerito cit., III, págs. 373 e segs.; V, págs. 201-96.

123Poderão os números oficiais corroborar as afirmações procedentes dum inquérito privado ? Efectivamente o valor atribuído aos artefactos cerâmicos de Barcelos e Braga, excluindo o de Vila Verde em que os documentos são mudos, atinge uns 40 contos anuais, números redondos ; (108) vem seguidamente Miranda do Corvo com cerca de 12 contos, 8 para Tondela, 8 para Ovar, 4 para Aveiro, menos sucessivamente para outros centros produtores. (109)

  • 110 Inquérito cit., III, mesmas págs.

124Grosseiramente estes algarismos traduzem um aspecto bastante imperfeito dos factos, embora a proporção seja aproximada por, em todos os inquéritos locais, as lacunas manterem, por igual, similar proporcionalidade : carência de respostas aos quesitos, por exemplo, encobrimento da verdade por desconfiança de tributação. Mas importa reparos o tumulto e a incoerência dos documentos arquivados pelos concelhos e seguidamente dados à luz pela administração central, ainda que por esta depurados de fraudes e erros manifestos. Assim, enquanto no concelho de Braga o valor dos artefactos é computado em cerca de 20 contos, atribuindo-sé ao barro empregado pouco mais de 4, no de Barcelos a importância dos produtos não atinge 21 e não obstante o barro custára mais de 7! (110) Ora o barro é sempre o mesmo, por assim dizer, e invariável o preço do carro.

  • 111 Inquerito cit., mesmo tom. e págs.

125Ainda : para fabricar artigo no valor pouco excedente a 20 contos há no concelho de Barcelos 101 oficinas ; para manufacturar a mesma mercadoria com. um próximo cômputo dos mesmos 20 contos há no de Braga só 19. (111) O critério firmado sobre tais bases conduziria a inferências inteiramente alheias à realidade, quando é certo que pelos mesmos processos, regime de trabalho, material e barros procedem os oleiros de toda a região.

  • 112 Relatorio cit., pág. 22.
  • 113 Inquérito cit., id. id.
  • 114 Relatorio apresentado... ao presidente da Commissão districtal do inquerito ás industrias pela sub- (...)

126Organizar quadros comparativos é impraticável, como se disse, ante a caótica anarquia das cifras. O inquérito local efectuado por uma entidade particular de toda a competência atribui à olaria de Guimarães uma importância de cerca de dez contos anuais (112) e o inquérito oficial limita-a a setecentos e cinquenta mil réis. (113) Esta disparidade inexoravelmente impede o jogo com tais números ; e o que sucede em documentos de conjunto encontra-se por vezes em outros mais reduzidos : no inquérito industrial do distrito do Porto, documento interessante por muitos títulos, indica-se a soma de fornos de cerâmica para Baião e ignora-se o de operários – o que ainda se compreende –, do mesmo passo que se regista o algarismo representativo dos oleiros de Gaia, à beira Porto, e desconhece-se a quantidade de fornos – o que mal se explica. (114)

127Cingindo-nos, pois, à averiguação individual no foco produtor e nos centros de consumo, resulta que o fabrico se efectua em muitos lugares de mais de duas dezenas de freguesias dos concelhos apontados, avultando nomeadamente a produção nas duas freguesias de Galegos, nas de Oliveira, Lama, Areias e Pousa, (Barcelos) e nas de Cabanelas, Prado, Oleiros, Cervães e Parada de Gatim (Vila Verde) ; Palmeira, S. Pedro e S. Paio de Merelim (Braga), Manhente (Barcelos), Soutelo e Moure (Vila Verde), têm hoje a sua produção cerâmica limitada a telha, exclusivamente. Os produtos de algumas destas freguesias destinam-se a um consumo certo e fixo: Pousa, por exemplo, fabrica principalmente para o Porto. Mas não se adstringe a um só mercado a produção dum local ; bastante se manufactura para aparecer nas feiras e romarias, embora certas correntes estabelecidas de há muito determinem, naturalmente, a afluência permanente, num mesmo mercado – Braga, Barcelos, Famalicão, Viana, etc. – do artigo da mesma origem.

128Nas feiras, independentemente dos produtos de outra sede, o vasilhame de Prado, ou domina, ou, como em Coura, Monção, Melgaço, ainda avulta, não obstante a concorrência das olarias de Viana e de Caminha. Invadindo todos os mercados do interior, desde as feiras quinzenais de Ponte, da Barca e dos Arcos (fig. 94) até às alturas da Peneda, na romaria de Setembro, penetrando na Galiza, acudindo a Lamego e Viseu, mantendo uma procura constante no Porto, ainda para o sul do Douro surge a par com o de outras procedências.

129Nas feiras da Oliveirinha (Aveiro) a loiça de Prado, vidrada e fosca, aparece (Outubro de 1898) junta com a vermelha mate de Albergaria e a negra de Quintãs ; no mercado da Figueira, amplamente fornecido pelas vasilhas de Miranda do Corvo, pela cerâmica vidrada de Amieiro (Cantanhede) e de Alfarelos (Soure), pela negra de Molelos (Tondela) e ainda pela de Estremoz, também está representada a de Prado (Julho de 1898) em pequena quantidade, é certo, e como procedente de Braga.

130O consumo nas feiras representa um dos mais consideráveis recursos de venda, mesmo nos lugares em que se mantém um comércio permanente ; nas proximidades do Porto (Matosinhos) uma romaria anual pretexta numerosas transacções durante mais de duas semanas, renovando-se frequentemente o mostruário que se exibe no local e onde acodem, mesmo para fornecimentos de ano, populações dos concelhos de Bouças e da Maia.

131Em feiras grandes o oleiro ou a família vendem directamente o artigo ; por vezes entre o fabricante e o público há um intermediário local, também oleiro, mas, por mais traficante e aventuroso, tendo prèviamente encomendado, a tarefas, uma certa quantidade de vasilhas que depois vende distante. Este e o mercador de profissão colhem um lucro de 300 a 600 por cento, o que constituiria uma monstruosa iniquidade se esta mercância, como todas, na moral vigente, não fosse um comércio honrado !

  • 115 JOAQUIM VASCONCELOS, Ceramica cit., pág. 97.

132O eufemismo que vela uma descaroável espoliação, da mesma sorte encobre, em todo o país, a míngua que assim explica a ruína impune das olarias rurais. A propósito da loiça de Estremoz, hoje em indefectível decadência, já se observou que as vendas se efectuavam, tão pouco, com 600 por cento de usura, e ainda com 200 as das Caldas da Rainha. (115)

  • 116 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, I, pág. 408. Pereira ed. Lisboa, 1886.

133O mercador, que afinal é quem, de ordinário, vende ao público, a concorrência de outras loiças, porventura a funilaria em mínima parte, determinam a ruína progressiva da indústria que, ainda apesar dos seus consideráveis mercados, vem sendo proclamada já de longe. « A sua telha (de Prado) cobriu, por assim dizer, todos os telhados do Minho ; a sua loiça invadiu todos os mercados da província ; hoje, porém, essa florescência decaiu...» (116)

134Penetrando na habitação dum oleiro o quadro denuncia breve toda a sua existência miseranda. No hortejo que cerca a casa um telheiro diminuto, a pedra solta, encerra o torno, abriga o barro, reserva as peças já prontas para o forno. Rente ou próximo, o prédio de viver é térreo, com suas barras de pau, roupas em desalinho, pobre e rude mobiliário onde mais lugar ocupam algumas caixas que guardam loiça, para feirar. Fumo e barro como que tudo envolvem – mulheres, crianças, onde se reflecte a dupla miséria social e orgânica, o pavimento térreo, o solo da horta onde medram apenas uns pés de vinha, uma árvore de pomar e a estiolada flora hortense que o rebotalho duma argila sáfara permite aquele solo avaro. Ao de cima um ar desolado da amarga vida, remuneração exígua, intercadências no trabalho, espoliação sabida e irreparável !

135– Damos aos de Braga por um vintém o que eles lá vendem por quatro e seis!

136Os de Braga são os honrados mercadores da cidade augusta !

137Em volta deste rústico miserável e resignado os filhos crescem e, pouco a pouco, vão fazendo espontâneamente o aprendizado, sem indicações nem estímulos paternais, na hora vaga em que o oleiro não tem obra nem tarefa, ou trabalha fora por jornal. Adiante reproduzirá inalterável a mesma vida, manufacturando algumas fornadas por conta própria, mas ocupando-se principalmente, em jornaleiro, nas olarias de mais venda, ou em casa fabricando por tarefas.

138Estas dá-lhas o oleiro que vende longe ou o que, anexa à lavoura, tem uma oficina onde, com os filhos, mantém subsidiàriamente a pequena indústria. São os mais desafogados ; a terra sustenta-os em parte ; as relações abrem-lhes a colocação fácil do produto ; e assim, lavrador e barrista, carece frequentemente do jornaleiro aos dias, ou incumbe-o do fabrico em sua casa. Para a obra de encomenda escolhe os feitores – porque os há especialistas: uns que só fazem certas infusas, outros certos alguidares, outros, até, que exclusivamente são forneiros.

  • 117 Para a realização duma fornada o oleiro carece, além do barro que compra a 400 ou 500 réis o carro, (...)
  • 118 O No lugar de Cervaínhos, freguesia de Cervães, concelho de Vila Verde, um oleiro fabricava a espéc (...)

139Por sobre a exiguidade dos benefícios desta indústria (117) vêm ainda os períodos de actividade violentamente inocupada ; já o telheiro, em penúria de labor, vende cevados no inverno até ao entrudo ou é « taxinha» no arredor de Braga ; ao oleiro, porém, a existência agrava-se-lhe se o trabalho é escasso. De sorte que nesta vida miserável, enquadrada numa paisagem mesquinha e curta e sobre uma terra que a água por vezes converte em brejos, a imaginação mais fértil tombaria, como acontece, no automatismo dum fabrico herdado, sem fugas, sem criações, sem devaneios, submetida à interdependência desses factores nefastos. Uma ou outra tentativa de melhoria de artefactos malogra-se ao nascer, por imitações e por cópias, estas mesmo em breve obliteradas. (118) E o « meio artístico» acaba por sufocar irredutivelmente qualquer aptidão embrionária.

  • 119 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica cit., págs. 64 e 70.

140« Basta lembrar as romarias e alguns santuários célebres do país, como o Bom Jesus em Braga... Que arte a destes templos, dessas capelas atulhadas de figuras horrendas ! As cenas da Paixão e as dores da Virgem, interpretadas da maneira mais grotesca, uma caricatura ignóbil das cenas mais sublimes da escritura ! ... E pensar a gente que essa farsa dos Passos do Bom Jesus, traçada na pedra num século de profunda decadência moral, literária e artística, é admirada todos os anos por dezenas de milhares de romeiros populares, que são esses os únicos modelos da figura humana que ele contempla e fixa na memória ! ... O homem do povo faz um museu de péssimo gosto em casa, uma galeria horrível ; vai à igreja e encontra exemplares da arte mais bastarda ; segue para a romaria e dá de frente com santuários, como os já citados de Braga e Lamego ; volta para casa e acha o caminho coalhado de leprosos e aleijados, com chagas fingidas ou verdadeiras, com pernas e braços próprios de teatro anatómico. Que quereis que ele pense ? Que quereis que ele faça ? » (119)

141Os mesmos homens denominados cultos que. ministram e administram semelhante arte são, estèticamente, os que têm determinado as famosas deturpações nos estilos dos templos e, num igual sentimento lógico, os que promovem as festividades locais de análoga influência dissolvente. A dança do rei David, o carro dos pastores e a cascata em S. João da Ponte, por exemplo, constituem uma inverosímil torpeza artística.

142Nem a graça espontânea, nem a originalidade populares intervêm ; dita apenas semelhante burla um indouto e amoral propósito interesseiro com que a cidade maravilha e deslumbra as populações rurais que a visitam então. O ensinamento generaliza-se na província pela imitação e concorrência, erguendo-se santuários e reproduzindo-se festejos sob a norma funesta com que Braga interfere na desolante miséria estética regional.

143Semelhante perversão, inconsciente em vário limite – pois que a incultura geral excede a mais provável indigência – assim concorre para que uma arte popular tão generalizada avilte o gosto numa população que, na ourivesaria, na ferraria, na tecelagem, na ornamentação dos jugos, na estucaria, na obra em pedra, exprime faculdades latentes capazes de melhores sucessos.

144Na habitação popular da província as imagens de romaria em quadros, nas paredes, e as estatuetas de Prado resumem afinal, com um indumento humilde, os seus únicos objectos de arte. A imaginária que as confrarias fornecem não pode ser mais fruste ; e a cerâmica, ou é como a escultura que vimos, ou de quadro formal opresso e restrito.

145Ora sendo a olaria a nossa arte mais popular e de maior acesso por virtude do seu emprego doméstico imprescritível e comparticipando implicitamente de grande número de funções caseiras, outro poderia ter sido o aproveitamento das disposições tradicionais dos ceramistas rústicos, desdobrando, com os mínimos recursos exigidos, as formas ou inamovivelmente mantidas ou visivelmente deturpadas.

146Escola de desenho e modelação, ensinamento de dosagens e vernizes, cooperação na defesa contra um tráfico cruel e exaustivo e ainda várias soluções enfeixam-se, como outros tantos devaneios, numa só quimera, ingénua e grata.

147Pobríssimo, rude, exilado e espoliado, a existência do oleiro dá-lhe travos de martírio e apenas, em lampejos breves, a mágoa se dilui tenuemente nas romagens – únicos ensejos da sua lastimável formação educativa !

  • 120 Passam dois ou três anos que os oleiros começaram a apresentar nas feiras alguns espécimes da sua e (...)

148A conjugação destes múltiplos factores explica porque não envolveram os ensaios plásticos dos oleiros de Prado, e antes uma decadência recente, porventura irremissível, degrada mais essa arte bárbara. (120) Data ela de longe ? Conforme a tradição, aludindo Bartolomeu dos Mártires, no concílio de Trento, à venalidade carnal dos padres da sua diocese, dissera:

  • 121 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, Ob. cit., I, pág. 408.

149– Só em Prado conheço os que não pecam, mas esses são de barro e, se Vossa Santidade quer, para cá lhe mando alguns assim formados. (121)

150A alusão transparente à estatuária rústica, se em alguma certeza assenta a frase atribuída ao arcebispo, recua já até ao século XVI a modelação em barro na província. É presumível, contudo, a sua longevidade, embora as referências antigas incidam apenas sobre as loiças ; mas, ou relativamente moderna, ou sobrevivência de formas arcaicas através de todas as influências e progressos, o seu carácter é estreitamente lógico com o estádio parado e primevo da morfologia dos vasos e da decoração que os ornamenta. A indigência plástica vai de passo com a penúria eurítmica e com o ornato geométrico ou timidamente fitomórfico.

151Não esquecendo a similitude de proceder nas raças mais diferenciadas, nomeadamente quando iguais necessidades determinam um mesmo pensamento, e excluídas em consequência as formas geradas porventura e independentemente de imitações e influências, a reunião e convergência dos documentos ceramográficos de Prado exprime uma fase de civilização que quase se integra em tempos anti-históricos.

152As identificações estabelecidas por analogia, a despeito dum ou outro antagonismo de ordem étnica nas procedências dos motivos comparados, aparente às vezes, explicável noutras, induziriam a derivar ilações de parentesco, já emergentes na descrição e comparação transcorridas. É prudente, no entanto, esperar por mais factos, obtidos em outras manifestações das faculdades e do trabalho popular.

153Da sistemática interpretação dos documentos, mesmo inclusos os que, denunciando influências actuais, não se afastam do mesmo grau de sentimento e faculdade técnica, indiferentes os mínimos avanços de fabrico, como por igual as insignificantes sobrevivências neolíticas indicadas, um acerto resulta : é que as actuais olarias de Prado representam estèticamente uma civilização proto-histórica, bem enlaçada sobretudo a alguns aspectos que nos exibe a arte de várias estações da idade do bronze.

154Porto, Outubro, 1899.

Notes

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fasc. 2.° (Porto, 25 de Agosto de 1900), pp. 227-270.
Deste trabalho tirou-se, na altura, a seguinte separata : ETHNOGRAPHIA PORTUGUESA/AS OLARIAS DE PRADO/Com 94 illustrações no texto,/desenhos de D. Aurelia e D. Sophia de Souza/por/A. A. da ROCHA PEIXOTO/Porto/Imprensa Moderna/1900/48 págs., 208 x 130 mm.
Recentemente apareceu uma nova edição deste estudo de Rocha Peixoto, editada pelo Museu Regional de Cerâmica de Barcelos e precedida de uma nota preambular da autoria de L. C. (Eugénio Lapa Carneiro) : MUSEU REGIONAL DE CERÂMICA. BARCELOS 1966/AS OLARIAS DE RRADO/por/ROCHA PEIXOTO/Segunda Edição/CADERNOS DE ETNOGRAFIA 7/Número especial e comemorativo do/I Centenário do nascimento de Rocha Peixoto/Subsidiado pela Fundação Calouste Gulbenkian/60 págs., 187 X 99 mm., e 94 ilustrações.

2 ALEX. BRONGNIART, Traité des arts céramiques ou des poteries, I. 3.a ed. Assellin ed. Paris, 1877.

3 A. SALVÉTAT, Leçons de céramique, I., pág. 3. Mallet-Bachelier ed. Paris, 1857.

4 GABRIEL et ADRIEN DE MORTILLET, Musée préhistorique. Reinwald ed. Paris, 1881.

5 N. JOLY, L’homme avant les métaux, pág. 280. Baillière ed. Paris, 1879.

6 CARLOS RIBEIRO, Monumentos magalithicos das visinhanças de Bellas, págs. 48-50. Lisboa, 1880. – ESTACIO DA VEIGA, Antiguidades monumentaes do Algarve, III, págs. 231-2, pl. XVI. Lisboa, 1889. – NERY DELGADO, La grotte de Furninha à Peniche, in Compte-rendu do Congrès International d’anthropologie et d’archéologie préhistoriques, pág. 228. Lisbonne, 1884; etc.

7 EDOUARD GARNIER, Histoire de la céramique, pág. 3. Mame & Fils eds. Tours, 1882.

8 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica portuguesa. Série II, nota da pág. 94. Porto, 1884.

9 PHILIPPE SALMON, Dictionnaire des Sciences anthropologiques, pág. 922, voc. Poterie. Doin et Marpon eds. Paris.

10 E. GUIGNET et EDOUARD GARNIER, La céramique ancienne et moderne, pág. 124. Alcan ed. Paris, 1889.

11 A. DE QUATREFAGES, Introduction à l’étude des races humaines, pág. 74. Hennuyer ed. Paris, 1889.–JOLY, Ob. cit., pág. 282.

12 G. et A. DE MORTILLET, Ob. cit.

13 CARLOS RIBEIRO, Noticia da estação humana de Liceia, págs. 36-7. Lisboa 1878.

14 NERY DELGADO. Ob. cit., pág. 228. – Noticia ácerca das grutas de Cesareda, págs. 61-2. Lisboa, 1867.

15 SANTOS ROCHA, Antiguidades prehistoricas do concelho da Figueira, I. Coimbra, 1888.

16 GEORGES PERROT et CHARLES CHIPIEZ, Histoire de l’art dans l’antiquité. II, Chaldée et Assyrie, pág. 114. Hachette ed. Paris, 1884.

17 CARLOS RIBEIRO, Noticia, cit., pág. 41.

18 NERY DELGADO, Noticia, cit., págs. 61-2.

19 CARLOS RIBEIRO, Noticia, cit., pág. 39. – ESTÁCIO DA VEIGA, Ob. cit., págs. 231-2.

20 NERY DELGADO, La grotte, cit., pág. 228.

21 CARLOS RIBEIRO, Noticia cit., pág. 39. – NERY DELGADO, Noticia cit., págs. 61-2.

22 ÉMILE CARTAILHAC, Les âges préhistoriques de l’Espagne et du Portugal, págs. 61-2 e 116. Reinwald ed. Paris, 1886.

23 CARLOS RIBEIRO, Monumentos cit., págs. 48-50. – Noticia cit., págs. 38-9. – NERY DELGADO, Noticia cit., págs. 61-2.–SANTOS ROCHA, Ob. cit., I, pág. 15 e III, pág. 179.

24 BRONGNIART, Ob. cit., nota da pág. 20.

25 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., I, L’Egypte, nota da pág. 819. Paris, 1882.

26 GARNIER, Histoire cit., pág. 8.

27 SALVÉTAT, Ob. cit., pág. 82.

28 SANTOS ROCHA, Ob. cit., III.

29 SANTOS ROCHA, A arte nas estações neolithicas do concelho da Figueira, in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, IV, pág. 22. Porto, 1896. –Este trabalho foi reproduzido posteriormente nas Memorias sobre a antiguidade, pág. 57. Figueira da Foz, 1897.

30 CARLOS RIBEIRO, Noticia cit., pág. 40.

31 CARLOS RIBEIRO, Les kioekkenmoeddings de la vallée du Taje, in Compte-rendu cit., pág. 287.

32 CARLOS RIBEIRO, Noticia cit., pág. 378.

33 SANTOS ROCHA, Noticia de algumas estações romanas e arabes do Algarve, in Memórias cit., pág. 167.

34 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica cit., págs. 70 e 74.

35 As análises dos barros utilizados no fabrico das olarias populares que estudamos foram obsequiosamente efectuadas pelo ilustre químico e professor, Sr. Charles Lepierre, para quem são familiares estes trabalhos, mercê duma alta competência assinalada e dos seus largos estudos sobre as argilas portuguesas. Com muita satisfação lhe renovo públicamente os meus agradecimentos.

36 SALVETAT, Ob. cit., II, págs. 81-2.

37 FIGUEIREDO DA GUERRA, A fabrica de loiça de Vianna em Darque, in Archivo Viannense, I, págs. 78-9. Viana do Castelo, 1895. – Vianna, in Exposição de arte ornamental do districto de Vianna em Agosto-Setembro de 1896, pág. 7, Porto, 1898.

38 E. GUHL et W. KONER, La vie antique, II, Rome, pág. 382. Rothschild ed. Paris, 1885.

39 RAMALHO ORTIGÃO, A fabrica das Caldas da Rainha, pág. 7. Tipografia Ocidental ed. Porto, 1891.

40 GABRIEL et ADRIEN DE MORTILLET, Ob. cit., figs. 1086 e 1084, pl. XC.

41 G. PATRONI, La civilisation primitive dans la Sicile orientale, in L’Antropologie, fig. 31, pág. 303, tom. VIII. Masson ed. Paris, 1897. – GUHL et KONER, Ob. cit., I, La Grèce, estampa da pág. 208. – PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldée et Assyrie, fig. 356, pág. 711.

42 ED. POTTIER, La peinture industrielle chez les grecs, fig. I, pág. 63. May ed. Paris. – GUHL et KONER, Ob. cit., I, La Grèce, estampa da pág. 208.

43 GUHL et KONER, Ob. cit., II, Rome, figs. de pág. 242.

44 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldée et Assyrie, fig. 363, pág. 711.

45 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 468, pág. 917.

46 JULES MARTHA, L’art étrusque, fig. 64 e pág. 59. Firmin Didot ed. Paris, 1889.

47 A. JACQUEMART, Les merveilles de la céramique, I, págs. 15 e 190. Hachette ed. Paris, 1883.

48 JOAQUIM DE VASCONCELOS, A fabrica de faianças das Caldas da Rainha,pág. 2. Tip. Ocidental ed. Porto, 1891. –TEÓFILO BRAGA, O povo portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, I, pág. 161. Ferreira ed. Lisboa, 1885.

49 GUHL et KONER, Ob. cit., II, Rome, figs. de pág. 242.

50 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 466, pág. 915. (10) GARNIER, Ob. cit., fig. 6, pág. 12. –MARQUIS DE NADAILLAC, Les prémiers hommes et les temps préhistoriques, I, fig. 117 esq., pág. 42. Masson ed. Paris. 1881.

51 GUHL et KONER, Ob. cit., II, Rome, pág. 249.

52 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 168, pág. 454.

53 MARTA, Ob. cit., figs. 18-9, pág. 49.

54 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 66, pág. 252.

55 HENRI SCHELIEMANN, zzí<m, numerosas gravs. entre págs. 432-44. Firmin Didot ed. Paris, 1885. – NADAILLAC, Ob. cit., I, fig. 114, pág. 425 e fig. 117, pág. 427.

56 G. et A. DE MORTILLET, Ob. cit., fig. 529 da pl. LV.

57 GARNIER, Ob. cit., págs. 320-1.

58 FELIX REGNAULT, Essai sur les débuts de l’art ornamental géométrique chez es peuples primitifs, in Bulletins de la Société d’ Anthropologie de Paris, VII, págs. 533-5. Masson ed. Paris, 1896.

59 CARTAILHAC, Ob. cit., págs. 61-2.

60 G. et A. DE MORTILLET, Ob. cit., fig. 535 da pl. LVI.

61 VICTOR GROSS, Les protohelvètes, pág. 5 e fig. 8 da pl. I; pág. 94 e vars. figs. das pl. XXXII e XXXIII. Asher et C.ie eds. Berlim, 1883. – CARLOS RIBEIRO, Monumentos cit., figs. de pág. 77. – DELGADO, La grotte cit., fig. 97, pl. XII; fig. 118, pl. XIII. – SANTOS ROCHA, Ob. cit., III, pág. 180.

62 PAUL DU CHATELLIER, La poterie aux époques préhistorique et gauloise en Armorique, pis. III, IV e IX. Pilhon et Hervé eds. Paris, 1897. – PONTNAU et CABIÉ, Un cimetière gaulois à Saint-Sulpice (Tarn), in L’Anthropologie, V, fig. 5, pág. 651 ; etc.

63 Excursion dans le nord du pays. Braga et Citania de Briteiros, in Compte-rendu cit., fig. 20, pl. II.

64 Excursion cit., figs. 16 e 19, pl. II.

65 CATAILHAC, Ob. cit., figs. 159 e 160, págs. 124-5.

66 ALEXANDRE BERTRAND, Nos origines. III, La réligion des gaulois, págs. 242-3. Leroux ed. Paris, 1897. – Excursion cit., fig. 17, pl. II.

67 Excursion cit., fig. 15, pl. II.

68 BERTRAND, Ob. cit., pis. VI, XIII e XV.

69 BERTRAND, Ob. cit., págs. 143-5.

70 MARTINS SARMENTO, A arte mycenica no noroeste de Hispanha, in Portvgalia, I, pág. 2. Porto, 1899.

71 BRONGNIART, Ob. cit., pág. 424. – CH. DAREMBERG et EDM. SAGLIO, Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, voc. Forma, págs. 1245-6. Hachette ed. Paris, 1894.

72 REGNAULT, Ob. cit., pág. 542.

73 VIRCHOW, Excursion cit., pág. 661. – SALOMON REINACH, Le mirage oriental, in L’Anthropologie, IV, principalmente págs. 699-732. Paris, 1893.

74 MAXIME COLLIGNON, Histoire de la sculpture grecque, I, págs. 52 e 108-9. Firmin Didot ed. Paris, 1892.–CH. LETOURNEAU, Dictionnaire cit., voc. Sculptura, pág. 983. – GARNIER, Ob. cit., págs. 95-6 e 100. – PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, págs. 738-9.

75 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, págs. 734-8.

76 NADAILLAC, Ob. cit., I, pág. 129.

77 LEITE DE VASCONCELOS, Tradições populares de Portugal, pág. 149. Clavel ed. Porto, 1882.

78 TEÓFILO BRAGA, Ob. cit., II, pág. 153.

79 ANGELO DE GUBERNATIS, Mythologie zoologique, II, pág. 297. Durand et Lauriel eds. Paris, 1879.

80 SALOMON REINACH, La sculpture en Europe avant les influences greco-romaines, in L’Anthropologie, VI, pág. 305. Paris, 1895.

81 PAUL SÉBILLOT, Les travaux publics et les mines dans les traditions et les superstitions de tous les pays, págs. 305-6, fig. 174. Rothschild ed. Paris, 1894.

82 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, pág. 831, fig. 4. – REINACH, Ob. cit., VII, pág. 171.

83 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., I. L’Egypte, figs. 535-6, pág. 805; fig. 549, pág. 821.

84 COLLIGNON, Ob. cit., I, pág. 106; figs. 52-5 de págs. 108-9.

85 REINACH, Ob. cit., VII, pág. 173.

86 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., VI, La Grèce primitive, fig. 250, pág.574;figs.de págs. 742-5-8 ; fig. 396, pág. 820.

87 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldèe et Assyrie, págs. 61-5.

88 GUHL et KONER, Ob. cit., I, La Grèce, pág. 200.

89 REINACH, Ob. cit., VI, págs. 665-6, 670-1; figs. 324, 328 e 329 de pág. 671.

90 VICTOR GROSS, La Tène, un oppidum helvète, pág. 23 e pls. Fetscherin et Chuit eds. Paris, 1886. – REINACH, Ob. cit., VII, pág. 172.

91 GUSTAVE LE BON, Les prémières civilisations, fig. 8, pág. 20. Marpon et Flammarion eds. Paris, 1889.

92 MARTA, Ob. cit., fig. 208, pág. 310.

93 PERROT et CHIPIEZ, Ob. cit., II, Chaldée et Assyrie, figs. 267-8-9 de págs. 567- -8-9 ; fig. 273, pág. 578, etc.

94 LE BON, Ob. cit., fig. 196, pág. 336.

95 REINACH, Ob. cit., VI, págs. 299 e 300-2.

96 GARNIER, Ob. cit., fig. 60, pág. 105.

97 REINACH, Ob. cit., VII, fig. 406, págs. 181-2.

98 GROSS, Les Protohelvètes, cit., pág. 92. – GARNIER, Ob. cit., pág. 109.

99 BRONGNIART, Ob. cit., pág. 489. – GARNIER, Ob. cit., pág. 517.

100 F. FERRAZ DE MACEDO, Ceramica popular portuguesa-. Assobios de agoa, in Revista Lusitana, III, págs. 82-4. Lopes ed. Porto, 1893.

101 ALBERTO SAMPAIO, A propriedade e a cultura no Minho, pág. 129. Porto, 1888.

102 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Exposição de arte religiosa em Aveiro, anexo ao Catalogo da Exposição de arte religiosa em Aveiro, pág. 138. Aveiro, 1895.

103 RAMALHO ORTIGÃO, Exposição de arte sacra ornamental. Catalogo da sala de Sua Magestade El-Rei, pág. 13. Lisboa, 1895.

104 JOAQUIM DE VASCONCELOS E MARQUES GOMES, Exposição districtal de Aveiro em 1882. Relíquias da arte nacional, pág. 40. Aveiro, 1883. – VASCONCELOS Ob. cit., pág. 138.

105 JOÃO BARREIRA, Os barristas do século XVIII, in Jornal do Commercio de 2 de Dezembro de 1898. Lisboa.

106 Catalogo da Exposição de Aveiro, promovida pelo Gremio moderno, em 1882, pág. 75. Porto, 1883.

107 Relatório da Exposição industrial de Guimarães em 1884, promovida pela Sociedade Martins Sarmento, pág. 22. Porto, 1884.

108 Inquérito industrial de 1890, III, págs. 137-252. Lisboa, 1891.

109 Inquerito cit., III, págs. 373 e segs.; V, págs. 201-96.

110 Inquérito cit., III, mesmas págs.

111 Inquerito cit., mesmo tom. e págs.

112 Relatorio cit., pág. 22.

113 Inquérito cit., id. id.

114 Relatorio apresentado... ao presidente da Commissão districtal do inquerito ás industrias pela sub-commissão encarregada das visitas aos estabelecimentos industriais, págs. 8-9. Porto, 1881.

115 JOAQUIM VASCONCELOS, Ceramica cit., pág. 97.

116 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, O Minho pittoresco, I, pág. 408. Pereira ed. Lisboa, 1886.

117 Para a realização duma fornada o oleiro carece, além do barro que compra a 400 ou 500 réis o carro, de 8 arrobas de mistura de galena de chumbo e areia e três carros de lenha; cada um destes obtém-no a 800 ou 1$000 réis; o chumbo, que mistura na proporção duma arroba de minério para 8 arráteis de areia do mato, adquire-o, no Porto ou na Galiza, à razão de 4$200 réis cada 50 kgs. Pela moagem de cada arroba paga 100 réis; pela argila de Alvarães, empregada nos ornatos, paga a 3 $000 réis o carro. Ora sem entrar em conta com dois factores primordiais, – a quantidade de barro gasto e a mão de obra, caseira ou de jornal, que neste caso oscila entre 140 e 240 réis diários, com mantimento – sem incluir a parcela referente à quantidade de barro utilizado na decoração e bem assim dos óxidos de cobre e de ferro frequentemente empregados, com maior motivo excluindo os valores representativos das peças inutilizadas e da argila perdida por causas fortuitas, só o chumbo, a moagem deste e a lenha para uma fornada custam 13$280 réis. Esta fornada representa 3 carros de loiça que o oleiro venderá a 12$000 réis cada. De sorte que, deduzindo dos 36$000 réis os 13$280 indicados, restam 22$720, que pagarão o trabalho ou jornais e a matéria prima! E, em regra, só pode efectuar 12 fornadas anuais – quando é o lavrador-oleiro remediado !

118 O No lugar de Cervaínhos, freguesia de Cervães, concelho de Vila Verde, um oleiro fabricava a espécie de loiça em terra-cota a que se aludiu anteriormente. Este homem, o Carapanta, que estivera em Sacavém, na Vista Alegre e no Brasil, manufacturava com o barro de Cova (n.° 8) a chamada loiça fina de Prado, reproduzindo as formas conhecidas e vulgarizadas pelas fábricas de faianças e outras e marcando-as com as suas iniciais – F. C. A matéria prima empregada pagava-a a 1$800 réis o carro, o forno, como se viu, marcava já influências progressivas e o preparo da pasta e o acabamento das peças obrigavam a uma mão de obra muito mais cuidada e lenta. Vivo, idoso, educando um filho já casado, seu único cooperador, lastimava-se da falta de cultura, que reconhecia, da carência de livros e saber. Tinha outras curiosidades; e como se desmontasse um aparelho fotográfico para a obtenção de alguns clichés da sua oficina, pediu explicações, que lhe foram dadas, e examinou atentamente a máquina e o seu jogo. Afirmou nunca ter produzido peça que o satisfizesse, bem perfeita, lamentando entanto a inanidade dos seus esforços ante a mesquinhez da recompensa. Ao empreendimento deste oleiro não são estranhas, é claro, as influências das viagens e da sua passagem pelas fábricas de loiças. Mas outros há, em Lama, por exemplo, que rivalizam com ele em semelhante produção, embora alheios às influências referidas. Tais artigos denunciam a possibilidade de alguns progressos sob um domínio educativo.

119 JOAQUIM DE VASCONCELOS, Ceramica cit., págs. 64 e 70.

120 Passam dois ou três anos que os oleiros começaram a apresentar nas feiras alguns espécimes da sua estatuária, simplesmente cozidos, sem vidro, e pintados depois a verde, azul e vermelho. É irreprimível o espanto em presença dessa verdadeira arte de preto. Entretanto logrou uma compensadora acolheita. Perto do Porto, em Matosinhos, não só o povo adquiriu logo as primeiras remessas: a «gente fina» brindou profusamente as crianças com «a novidade». Cumpre fixar, todavia, que esta clientela desafogada é da mais pobre origem, procedendo directamente dos humildes – moços de lavoura e moços de bordo, – que, em vários tráficos, alcançaram dinheiros. Estèticamente confundem-se; distanceia-os apenas a afectação e o regalo da fortuna.

121 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA, Ob. cit., I, pág. 408.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search