Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

Etnografia portuguesa: Habitacão os palheiros do litoral1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fase. 1.° (Porto, 31 de Março de 1899), pp. 79-96 (...)

I

1Como em várias formas culturais, no vestuário, em certo mobiliário doméstico, numa parte da alfaia agrícola e marítima e em muitas outras manifestações tradicionais do génio popular, observa-se na habitação um elemento de apreciável valor para o conhecimento das faculdades elaboradoras do povo, da sua energia na apropriação dos recursos naturais em cujo meio se agita, dos seus hábitos, ocupações e tendências. Apagam-se, porém, num crescente sentido de uniformização ou de incaracterística arquitectura cosmopolita, os tipos tradicionais criados sob a imposição da geologia e do clima, do espírito ou do costume, dos traços conjuntos que imprimiam destaque aos aspectos gerais das formas de habitação erectas por uma mesma família etnográfica.

  • 1 GABRIEL PEREIRA. Casa portuguesa, in Arte portuguesa (Revista illustrada de archeologia e arte mode (...)
  • 2 MARTINS SARMENTO. Relatório da Secção Archeologica. (Expedição scientifica á Serra da Estrella em 1 (...)
  • 3 FILIPE SIMÕES, ap. HENRIQUE DAS NEVES. Casa portuguesa, in Occidente, XIX, pág. 102. Lisboa, 1896.
  • 4 D. ANTÓNIO DA COSTA. No Minho, pág. 81. Lisboa, 1874.

2A casa urbana é aquela em que essa transformação se realiza acentuadamente progressiva e rápida. Só em esquecidas povoações do interior a sobrevivência, como em vários ritos e práticas consuetudinárias, aviva a imagem de localidades de outrora : Constantino de Panóias, em Trás-os-Montes (1), por exemplo, Bobadela (2), Trancoso e Celorico (3), na Beira, outros trechos, rareando sempre, noutras vilas. Do carácter que um detalhe exterior, a gelosia, marcava à casa de algumas localidades minhotas e que à Braga conventual e mística dava uma negra impressão de cárcere (4) pouco resta depois das breves modificações de há trinta anos. E com a exteriorização vai-se a disposição interior, os anexos, a decoração, os traços acessórios infinitamente variados mas estreitamente lógicos que exprimiam a intimidade da existência passada.

3Entanto a desnacionalização da moradia mal invade e se generaliza por muitos centros rurais, ou seja em virtude de uma obstrução tenaz ao seu ingresso por tradição e hábito, ou ainda por circunstâncias locais que determinam a persistência duma arquitectura regional. É então que o estudo deste elemento da vida popular reveste, sob múltiplices aspectos, uma considerável significação.

  • 5 PAUL CHOFFAT. Poços artesianos, pág. 5. Lisboa, 1898.

4A geologia, prirneiramente, dita subordinações que logo se traduzem no aspecto geral dum burgo e pormenores. Num solo graníticoonde a água surge de nascentes com afluência restrita, as casas dispersam-se ; no calcário em que aquelas são mais raras mas copiosas, aglomeram-se (5). É o caso estremenho, é o caso minhoto, por exemplo. Se a cal abunda, a povoação emerge alva e vivaz, como no Algarve ; se falta, dilui-se, confusa e esparsa, por entre a vegetação sombria (Trás-os-Montes, Beira).

5As ondulações do solo granítico, nas regiões serranas principalmente, aproveitam-se muitas vezes numa parte da parede ou mantêm-se no pavimento tortuoso ; e os blocos com que o prédio se ultima, em harmonia com a natureza que o cerca, dispõem-se quase sem aparelho, sem preocupações de fiadas, nem rebocos. Se a rocha não sobeja, só a parte térrea a utiliza ; se escasseia deveras, fabrica-se uma, o adobe, com materiais da região, areia e cal (Aveiro, Mealhada, Figueira, etc.).

  • 6 Inquérito industrial de 1890, I, pág. 258. Lisboa, 1891.

6À natureza do solo está naturalmente ligada a vegetação de alto fuste apropriável como elemento construtivo. Do castanheiro, sobro e pinho todos conhecem o papel ; mas como as madeiras de construção rareiem no Algarve, os forros obtêm-se com ripados de cana que cordas de palma prendem e reunem (6).

  • 7 HENRIQUE DAS NEVES. Ob. cit., pág. 110.
  • 8 ALFREDO CAMPOS. Jornadas em Portugal. Castro Laboreiro. In Jornal de viagens e aventuras de terra e (...)

7A adaptação ao clima obriga a providências e previsões que se exibem em escala variável no exterior do edifício. O telhado de beiral alongado e balcão avançado atenua, em algumas regiões (7), os efeitos das ardências e nevadas (Bragança Guarda, etc.); para que os gelos se não demorem tem a cobertura um rápido declive (Marão) ; e os ventos desabridos da montanha, a despeito da escolha em recantos de encosta abrigada, demandam as fiadas de pedras fixando a telha (Baião, etc.), as grossas placas de xisto cobrindo o telhado igualmente xistoso (Póvoa, Telhada, Montes, no Marão) ou os barrotes e grossas vigas fixando os colmos (Campeã). Nevando ou ventando muitos dias nem os raros postigos se abrem (Gralheira, Marão), embora haja que suportar penosamente os produtos da fogueira. Se a ventania, porém, é violenta e com ela o abaixamento de temperatura constituem um flagelo (Castro Laboreiro) mudam-se as residências para as inverneiras, outras habitações situadas num vale profundo e abrigado da torfnenta (8).

  • 9 HERMENEGILDO CAPELO e LEONARDO TORRES. Viagens á Serra do Gerez e suas caldas em setembro de 1882, (...)
  • 10 MARTINS SARMENTO. Ob. cit., pág. 25.
  • 11 MARTINS SARMENTO. Ob. cit., págs. 13-4.

8Mais que a adaptação ao meio cósmico os estilos da habitação testemunham materialmente o génio do povo e até, pela persistência de alguns tipos, representam o espelho fiel da vida noutras eras. Os «fornos» do Gerez, abrigos de pastores onde só muito baixado se penetra (9) e as barracas de «sochão» abertas na rocha das escarpas (trajecto dos Arcos para o Soajo e Peneda) sugerem breve alguns aspectos da vida troglodítica. E das habitações lusitanas de alguns castros vêem-se no vale do Mondego, como despojos evocantes, casas circulares colmadas, à mistura com outras quadradas em que a cobertura, boleando pouco a pouco, acaba nitidamente cónica (10). Ainda num recanto da Beira, em Bobadela, a povoação viva, junta à cidade extinta, renascendo uma das ruínas da outra, deixam perceber, das civilizações pré-romana, romana e pós-romana, os elos dum encadeamento sucessivo11.

9Na montanha a habitação, traduzindo a simpleza dos misteres e ocupações do habitante, mantêm se numa elementar rudeza construtiva. Colocam-se os blocos sem cimentos ou dispõe-se o xisto em assentadas, deixando fendas por onde o fumo se esvai ou a luz entra. Três, dois, mesmo um só compartimento aloja animais e pessoas, coabitação esta que, de resto, existe quase sempre : galinhas sobre os catres, ovelhas estorvando a mulher na sua ocupação com o sarilho ou dobadoura (Soutelo, no Marão). Outras vezes, quando sob o pavimento o rebanho se aglomera recolhido, as emanações evolam-se pelas largas fendas do sobrado (Tibo, alturas da Peneda, Gavieira) e um ou outro desmando da oviária é corrigido falando-lhe ou castigando-o através das juntas mal vedadas da madeira ; numa canastra a criança e o cão dormitam juntos.

  • 12 OLIVEIRA MARTINS. Historia da Republica romana, I, págs. 9-10. Pereira ed. Lisboa, 1885.
  • 13 CHOISY. L’art de bâtir cliez les Romains, ap. E. GUHL et W. KONER. La vie antique. II, Rome. Nota d (...)

10Na ribeira, por vezes, a casa térrea é ainda pouco mais que uma cabana, em roda da qual ou anexadas estão as cortes de ovelhas e de bois, o coberto e o celeiro ; não raro um, dois aposentos, para cozinha, para comer, para dormir. A mesma simplicidade da montanha se vê ainda na disposição da pedra bruta, na cobertura a telha vã, nas janelas desguarnecidas e com o desagasalho da ausência de vidraças. Esta habitação minhota com os seus anexos dá a impressão da casa rural romana nas primeiras épocas (12). Então também a vivenda era de madeira ou de maciços blocos sem lavor, edificada certamente ao gosto e por artífices vindos da Etrúria (13).

  • 14 ALBERTO SAMPAIO. A propriedade e cultura do Minho, pág. 126. Porto, 1888.

11«Absorvido pela terra que o alimenta a si e à sua família, o cultivador do Minho pede à casa só um abrigo, sem luxo nem conforto. (14)» Mas a amplitude da lavoura e a prosperidade dos casais, desenvolvendo necessidades mais instantes e um paralelo desafogo, origina a acentuação mais viva dos caracteres que o prédio então assume.

12Erguendo um andar, a casa exteriormente nem sempre denuncia o que aumentou em proporções. A fachada mostra-se com duas, três, quatro janelas, sob as quais se abrem óculos ou frestas que vão iluminar e arejar os estábulos ou os armazéns de provisões. O ingresso, vindo de fora, faz-se muitas vezes pela porta intermediária do prédio e do muro que veda o quinteiro enramado (Maia, Bouças). Lateralmente ao edifício, ou ainda na face oposta à frontaria, uma escada de pedra sobe junta à parede até ao nível do sobrado. Outras vezes a escada mostra-se na fachada, partindo dum alpendre superior e a um dos lados, seguindo para baixo com guarda às vezes lavrada e de cujo remate se eleva, para o beiral, uma coluna jónica de fuste esguio e longo.

  • 15 GEORGES PERROT et CHARLES CHIPIEZ. Histoire de l’art dans l’antiquité. VI, La Grece primitive, págs (...)

13Em volta deste tipo arquitectónico em que os baixos arrecadam e armazenam e no andar existem os aposentos de viver, com a escada exterior encostada à fachada ou lateral, solheira, guardada ou não, grupam-se várias modalidades que a fortuna e a região explicam quase sempre. No seu aspecto mais rudimentar esta casa faz pensar nas ruínas das construções exumadas em Micenas, onde os muros, que a princípio se julgavam fundações, circunscreviam os anexos de reservas e de arrumo. Acima erguer-se-ia o andar para onde dava a escada exterior e encostada, no topo superior da qual era a entrada ; ao lado, e fora do prédio, outra porta comunicava por via dum quinteiro – como ainda hoje, na Argólida, se vêem as casas das aldeias (15).

14A habitação rural toma outro aspecto com as longas varandas ao correr (Famalicão, Barcelos, Braga, etc.). A comunicação faz-se por fora, com escada perpendicular ou encostada ; nos baixos recolhe-se uma parte da alfaia e está a adega, às vezes celeiros e até cortes. Em roda a eira, as medas ou moreias, o poço, as cortes, os telheiros com as barras onde se guardam os empalhos de inverno para os gados (Ancede) ou se livram das chuvadas os pães que secam no eirado.

15No Minho a varanda salienta-se geralmente da fachada ; em Trás-os-Montes este anexo subsiste e, como além, não raro se firma em esteios da rocha regional, granito ou lousa (Sanhoane). Mas também sucede que o andar recolhe dentro (Fontes, Medrões) e a balaustrada se nivela com a frente.

  • 16 GABRIEL PEREIRA. Ob. cit., in Arte cit., n.° 6, pág. 142. E ainda Occidente cit.,pág.132.

16Na Beira a varanda tem igualmente apoio na parede mestra, grossa no pavimento inferior e reintrante no segundo ; não variando a parede, todavia, de prumada, a varanda subsiste firmada em esteios ou pilastras (16). Neste caso e muito prolongada para a frente abriga, no sul, dos ardores dum sol faiscante de verão ; no outro, e muito ampla para trás (Algarve), é um terraço de frescura e repouso para as noites de calma, no estio.

17Vê-se, por este sumário, como a disposição dos balcões e das escadas imprime já caracteres diversos no exterior ; pois se descermos a outros pormenores, a variedade das minudências mais diversifica os tipos e os aspectos.

  • 17 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA. O Minho pittoresco, I, pág. 19. Pereira ed. Lisboa, 1886.

18Há as coberturas de palha centeia nas chamadas casas-palhoças (Amarante, Marco, etc.), de feno seco (Cabana Maior), de giesta (17) (Castro Laboreiro), de xisto (Serra de Arga, Marão), de telha vã, abrigos estes que só nas casas mais remediadas são interiormente revestidos pelos tectos de forro ou de masseira (Minho).

  • 18 LEITE DE VASCONCELOS. Museu ethnographico portuguez, in Revista Lusitana, III, pág. 226. Lopes ed. (...)

19Dos telhados, ressaltando à frente sobre cachorros de madeira recortada e ligados ao frechai (Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Guimarães) sobem chaminés de tipos vários, como a bombaça (Minho e Douro) ou as que semelham túmulos (Alentejo), minaretes e zimbórios18 (Algarve) ; noutros nem existem : é na serra, onde as paredes parecem uniformemente vestidas de fuligem.

  • 19 Inquérito cit., pág. 259.
  • 20 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA. Oh. cit., pág. 19.

20O pavimento é térreo no norte ou ladrilhado a tijolo no Alentejo ; os peitoris salientam-se um decímetro para fora (Guimarães) ; as padieiras e ombreiras são lavradas (Ponte do Lima, Viana, etc.), ou só lisas, se é que, em muitos casos, estas guarnições nem se destacam ; o forno é um anexo indispensável na cozinha ou um acessório independente (19) no exterior (Algarve) ; a lareira ou é a grande lage usada na ribeira ou a cova funda (20) adoptada na montanha (Castro Laboreiro).

21Por fim as grimpas ou veletas figuradas (Azurara, Vila do Conde), as pombas (Douro, Trás-os-Montes), as quimeras, os leões e as aves em olaria para os ângulos dos beirais (Eixo, Aveiro), as cabeças de sáurios, ao alto, nas paredes (Póvoa, Vila do Conde), as portas com ornatos em relevo e policromos (Maia), os galeões, de velas pandas, lavrados em calcáreo, nos cunhais (Lisboa), os escudetes recortados para os fechos, os retábulos de azulejos, os nichos e a cruzes de pedra embutidas nas fachadas, as ferraduras (Porto) como impedimento ao mau olhado e outros amuletos, tudo isto contribuirá para, estudando sistematicamente as casas portuguesas, mais íntima e seguramente se apreciar a vida do povo que as habita.

II

  • 21 OLIVEIRA MARTINS. Ob. cit., I, págs. 19-20. – BATISSIER. Art monumental, ap. GUHL et KONER, ob. cit(...)

22Através dos povos mais etnicamente diferenciados e nas regiões da terra mais distantes é frequente ainda a habitação em que o material construtivo procede exclusivamente das florestas regionais. Dos tempos neolíticos, da idade do bronze, como em breve lembraremos, deparam-se-nos vestígios de análogas construções nas aldeias lacustres ; de épocas históricas já remotas sabe-se que em cabanas de madeira se iniciaram povoações, mais tarde investidas, como Londres, num destino proeminente ; na Roma antiga, na dos primeiros tempos, as casas eram de madeira e cobertas de ripas ou de colmo, distribuindo-se sem ordem pelas encostas das colinas da cidade (21).

  • 22 PINHO LEAL. Portugal antigo e moderno, II, pág. 7, voc. Cabanas de Torres. Lisboa, 1874.

23Cabanas, no onomástico locativo português, é ainda denominação de algumas freguesias e aldeias que, na tradição popular e erudita, tiveram a sua origem em barracas e tabuado. Cabanelas, cabaninhas e cabanões formam uma toponímia de similar procedência e contam-se em número superior a uma dezena. O exemplo de Cabanas de Torres, na Estremadura, confirma talvez a interferência do elemento tradicional na explicação denominativa. No século XIII uma peste assolou Torres Novas e Vila Verde dos Francos, levando as populações a emigrarem para Montejunto onde um bispo mandou construir cabanas para abrigo do povo. Aí ficou o núcleo da povoação futura, cuja denominação herdou das iniciais construções de asilo (22).

24Mas históricos que sejam a origem toponímica da freguesia e o facto que a explica, para outras localidades de cuja designação se não há obtido esclarecimento autêntico, semelhante tradição existe, sendo para notar, principalmente, as que se referem a povoações do interior.

25Quanto ao litoral nem a tradição carece de ser corrente, tão ilustrativos e numerosos se apresentam ainda os exemplos de habitação de madeira que, em tempos pouco remotos, constituía a única espécie de casa da beira-mar.

  • 23 PINHO LEAL. Ob. cit., II, pág. 98, voc. Caparica.
  • 24 PINHO LEAL. Ob. cit., III, pág. 62, voc. Espinho.
  • 25 P. ANTÓNIO CARVALHO DA COSTA. Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso Reyno de Por (...)

26Sabe-se que no lugar da Costa, na Caparica, ainda em 1823 ou 24 o monarca se hospedou na única casa de cantaria que se destacava em toda uma povoação de cabanas de pescadores (23). Pelos meados deste século Espinho era uma aglomeração de palheiros (24) de que ainda hoje os exemplos são bem patentes e em número. Um corógrafo estimado decalca mesmo uma imaginosa etimologia nesse tipo de habitação : diz que Buarcos era uma povoação de galegos, os quais, achando naquela costa boas pescarias, fundaram cabanas de « brunhos e arcos», em que viviam, e, corrompidas estas palavras com os vícios do tempo, se denominou depois assim a localidade aludida. (25)

27Ora independentemente destas referências e de muitas outras que existem esparsas por vários ensaios corográficos e memórias locais, frequentemente obtidas nos arquivos das câmaras, dos cartórios e das confrarias, restam ainda, vivazes, povoações completa e exclusivamente formadas de palheiros.

28No litoral minhoto os grupos de barracás ou telheiros que mesclam a praia constituem, as mais das vezes, abrigos para os utensílios destinados à colheita das algas e propositadamente edificados sob esse intento, mercê do papel atribuído àquela espécie de adubo agrícola. São principalmente as que vemos na Ponta do Cabedelo, Moledo e Caíde (sul da foz do Minho), Moinho do Bispo, Fão e Gramadoura. De ordinário constituem dependências de casas de lavoura, só utilizadas, fora do abrigo referido, nas épocas de procura do sargaço e em vista da arrecadação volante deste ou como residência temporária do sargaceiro.

29Mas em outros lugares da costa estabeleceram residência permanente, – e, em muitos casos, desde tempos imemoráveis – várias populações para as quais a apanha dos moliços, salva uma ou outra excepção conhecida, é uma subsidiária ocupação lucrativa apenas apreciável. Cortegaça, Furadouro, Torreira, S. Jacinto, Tocha e outras praias do litoral estremenho e algarvio são povoações em que o labor quase exclusivo dos habitantes é a pesca. Nestas predomina o palheiro de tabuado, excluindo-se quase toda a habitação erguida com qualquer outra natureza de materiais. E em variada proporção se encontra, quase numa imutável traça, em Sedovém, Vila Chã, Granja, Espinho, Cortegaça, Maceda, Quiaios, Buarcos, Lavos, Leirosa, Pedrógão, Ericeira, no Algarve, por fim. Naturalmente a invasão da casa de cantaria, de adobe, de tijolo e mista, substituindo o palheiro barato e fácil, corresponde a um desenvolvimento material das localidades a que são estranhas, quase sempre, as populações de pescadores.

  • 26 PINHO LEAL. Ob. cit., IX, pág. 618, voc. Torreira.

30Furadouro, onde em 1881 um incêndio destruiu para cima de trezentas cabanas (26), poderia ser escolhida como tipo de povoação exclusivamente formada de palheiros. Buarcos e principalmente a região compreendida entre o sul da freguesia e o limite norte da Figueira, apresenta um aspecto misto onde as habitações de tábua alternam com as de alvenaria, ou ainda as primeiras, com os seus enchimentos exteriores, estabelecem já uma passagem para a substituição de materiais. Na Póvoa de Varzim, por último, o prédio de tabuado desaparece rapidamente, mal se encontrando já um ou outro disperso e até, as mais das vezes, adaptado a armazéns de sal e de pescado.

31Sob qualquer destes três aspectos se encontram bastantes povoações marítimas ou ribeirinhas, dominando entanto aquelas que se denunciam, costa fora, pelos seus arraiais de palheiros aglomerados nos cômoros ou nas depressões das praias. Por vezes o pescador vive em lugares afastados da beira-mar e aqui possui apenas, como vimos para alguns lavradores do noroeste, barracas de habitação temporária, de armazenagem e retém ; é o que se observa, principalmente, na Apúlia, na Aguçadoira, em Averomar e em outras localidades onde o mister rural se alterna com o da piscicaptura. Mais raro e efemeramente acodem a alguns lugares da costa, em certas épocas, grupos de pescadores que residem a bordo nesses curtos períodos de safra.

32Mas no caso mais frequente do isolamento à beira da água, os contactos com as povoações do interior limitam-se às simples transacções mercantis., excluídas raras necessidades instantes, uma romaria ou um voto. O pescador, e nomeadamente o das pequenas circunscrições que ele próprio erigiu em estâncias de residência e labor, mantém-se sistematicamente afastado e indiferente aos aspectos da vida das populações vizinhas. Não lhe conhece e, consequentemente, não apetece o que, para o observador, traduziria progressos já sensíveis de conforto e regalo. A sua casa, pois, o seu palheiro, é a imagem do seu viver, sóbrio, estritamente limitado às necessidades que, em quota ínfima, carece de satisfazer para a manutenção duma existência quase bárbara.

33A sala, à qual dá ingresso imediato a porta externa, com um postigo, ou uma janela, ou mesmo duas laterais, armazena redes, utensílios, material para o encasque, caixas do vestuário e a barra do casal, não raro duas. Taipais de forro e ripa isolam este de um ou dois compartimentos que alojam frequente e promiscuamente a descendência. Uma cozinha, que ainda arrecada alfaias profissionais de mistura com a olaria e outro mobiliário doméstico, remata a habitação, ampliada por vezes com uma pequena área de serventia para a ruela conjunta e onde a couve ou a sardinheira medram.

34Quando melhora, o palheiro aumenta em mais duas ou três as dependências, suprime da saleta anterior o leito ou leitos, alarga a cozinha e cobre de cal os tapamentos. A traça mantém-se simples, alinhando-se as saletas da frente ao fundo, bipartindo-se uma ou outra do interior, comunicando-se por vezes mùtuamente e dando todas, dum lado, ao corredor comum, de fora a fora (fig. 1). O vermelhão vela exteriormente a cor do pinho ; e quando, ladeando postigos e janelas, uma guarnição de madeira as emoldura, destaca-se pelas cores azul ou branca. Ao alto o número camarário, para o vexame dum imposto exorbitante. Duma cobertura de duas águas, telhada, raro colmo, irrompe, para escoante do fumo da cozinha, uma bombaça, quando não é uma simples abertura ou mesmo nada. E lateralmente, em direcções verticais ou horizontais, conforme o tabuado se dispõe, a vedação faz-se por talas. Nem ornatos, nem enfeites.

1 – Planta de um palheiro. Buarcos

1 – Planta de um palheiro. Buarcos

35Evolucionando ainda, a construção assenta sobre alicerces de rocha regional e por sobre o primeiro pavimento ergue-se outro, com duas janelas de sacada, uma varanda, madeira tudo. Então é maior o desafogo, mantendo-se todavia o desalinho. Este proprietário já tem barcos e domínio ou é um pequeno mercador que aflora, imagem subalterna do alto traficante citadino prosperando sob o regime do empréstimo, do fiado, da usura, mercê de paralisações violentas e forçadas no trabalho e até da imprevidência da classe se os lucros de tal faina dessem para arrecadar mealhas e sobejos.

36Mas quando, por circunstâncias várias, a localidade se desenvolve e começa a infiltração de estranhos, edificando com adobe, tijolo ou cantaria, os palheiros de mais vulto encobrem-se sob rebocos externos que progressivamente invadem o interior até se substituírem lento e lento por material mais duradouro. Só aqui ou além restam os despojos do arraial primevo.

37Motivos de ordem meteorológica, entre outros, não darão ensejo a transformarem-se muitas das paragens litorais onde se estabeleceram colónias piscatórias. Elas conservarão, em toda a sua exemplificação e ensinamento, o quadro duma existência atrasada de séculos com vários dos aspectos que assinalam modos de viver remotos. Ainda na Costa Nova do Prado é frequente destelharem-se os palheiros para os conduzirem a distância sobre toros, fugindo ao ímpeto das marés. Acalmada, porém, a vaga, deslocam-se de novo para mais perto. E com a violência hercúlea deste esforço assim evitam o trabalho mais assíduo de manejo, ao sair ou aportar.

38Noutras é a duna que detém os invasores. Só o pescador resiste assentando a habitação sobre estacas altas para vasante das areias e marcando assim, no povoado, um novo aspecto da sua adaptação e engenho.

III

  • 27 JONN LUBBOCK. L’homme préhistorique, I, pág. 175. Alcan ed. Paris, 1888.

39Datam dos tempos neolíticos habitações semelhantes sobre estacaria. Pelos meados do século, em Meilen, no lago Zurique, foram descobertos os despojos duma povoação que deveria, como se averiguou em breve, assentar sobre suportes de madeira – troncos de árvores dispostos verticalmente e altos de sorte a isolarem os pavimentos das casas da toalha de água lacustre. O grupo de habitações que teriam formado a aldeia comunicava com a terra firme por uma ou mais pontes estreitas. E nessas cabanas, circulares ou quadradas (27), colmadas provavelmente, rematando em cone ou em cobertura de dois pendores, encerrava-se todo um mobiliário de civilização relativamente avançada, como o denunciam as armas, os artefactos e principalmente os vestígios duma vida já activa e periódica de lavoura.

  • 28 LUBBOCK. Ob. cit., I, pág. 174.
  • 29 ALEXANDRE BERTRAND. La Gaule avant les gaulois d’aprés les monuments et les textes, págs. 172-3, Le (...)

40As duzentas aldeias (28) que se contam no país clássico das palafitas oferecem uma variada e extensa série de documentos com os quais se reconstrui facilmente o estado social das populações que as habitaram : facas e pontas de lança, harpões e anzóis, alfinetes e espátulas, olaria grosseira mas bastante ornamentada, pentes para linho, cordas, estofos de linho e cânhamo, vestuários de peles, cereais, frutos e um ossuário tão rico como elucidante acerca dos animais que o homem então conseguira domesticar. (29)

  • 30 GABRIEL DE MORTILLET. Origines de la chasse, de la pêche et de l’agiiculture. I, Chasse, pêche. Dom (...)
  • 31 MARQUIS DE NADAILLAC. Moeurs et monuments des peuples préhistoriques, pág. 130. Masson ed. Paris, 1 (...)
  • 32 MORTILLET. Les boissons fermentés. Ext. in Boletins de la Société d’Anthropologie de Paris, VIII, f (...)
  • 33 ZABOROWSKI. L’homme préhistorique, pág. 137, 3.a ed., Baillière ed. Paris.

41Efectivamente todos estes rebotalhos lançados à água, dando margem a conhecerem-se com suficiente individuação os mamíferos selvagens e domésticos que constituem a fauna mamalógica da Europa central (30) esclarecem-nos sobre a duração e ocupação de semelhantes povoações, considerado o tempo decorrido e necessário para uma domesticação progressiva mas lenta, e, ainda mais, a formação de rebanhos (31) de cuja existência a autenticidade é irrecusável. Por outro lado a cultura de cereais determinando a fixação ao solo duma parte sequer das populações, despertando-lhes o hábito do trabalho periódico, embora num período mais ou menos restrito do ano e induzindo-os derivativa e previdentemente a acumularem, desenvolve costumes sedentários em substituição dos hábitos nómadas peculiares a tribos inicial e essencialmente entregues à caça e ao pastoreio. As árvores de fruto, por fim, a vinha mesmo (32) já para a época do bronze, mais radicarão ao lugar os grupos primitivamente pastorais. Ver-se-á pois e assim substituída a tribo pelo município agrícola ; a cidade será possível– a cidade donde sairá a nação (33).

  • 34 JOLY. Ob. cit., pág. 108. – LUBBOCK. Ob. cit., pág. 213.

42Agricultores, industriais, comerciantes, (34) revelando pela riqueza dos seus legados toda a civilização neolítica em boa parte inédita, mantendo-se em desenvolvimentos graduais e crescentes, até a idade do bronze, até épocas históricas conhecidas, quem eram esses homens, donde procediam, que motivos determinavam essas formas estranhas de construção, a escolha proposital de lugares arredados do solo por massas de água mais ou menos volumosas e distantes ?

  • 35 BERTRAND. Ob. cit., pág. 178. Encontram-se ainda referências ou transcrições do mesmo texto em : JO (...)

43Bertrand, consignando que as palafitas poderiam ser uma inovação local motivada pelo clima, prefere explicar por uma tradição estranha, a edificação das povoações sobre lagos. Um texto de Heródoto, que reproduz (35), refere que, ao tempo da expedição de Megabyze, na Trácia, certos povos, não inteiramente subjugados, viviam em casas construídas sobre estacas muito altas, enterradas nos lagos ; em certos lugares da Frigia encontram-se vestígios de habitações semelhantes ; doutros velhos textos se infere a existência, para lá, de povoações lacustres. Duas correntes de emigração concebe, pois, que se realizassem na época da pedra polida : uma, hiperbólica ; a outra na direcção de leste, seguindo a via do Danúbio, dum lado, a do Dnieper do outro. E a esta se ligariam as cidades lacustres.

  • 36 BERTRAND. Ob. cit., págs. 163-6, 178-81.

44Tendo sido sempre o vale do Danúbio a grande artéria de comunicação entre o Oriente e Ocidente, são para notar, do mesmo passo, as várias povoações lacustres neste percurso e, entre elas, a do lago de Laibach, na Carníola, uma das estações lendárias dos argonautas. Aliando estes factos com a distribuição das terramares, concluir-se-ia uma migração do Cáucaso, terminando na Gália, pelo vale do Danúbio, com derivação muito variável sobre a Itália (36).

  • 37 R. VERNEAU. Un nouveau crâne humain d’une cité lacustre, in L’Anthropologie, V, pág. 54. Masson ed. (...)
  • 38 DÉSOR. Le bel âge du bronze en Suisse, ap. BERTRAND, ob. cit., págs. 209-10, nota. Vid. ainda LUBBO (...)

45A esta interessante explicação, efémera e limitadamente aceite, cumpre acrescentar a de Worsaë, Keller, Virchow e outros que atribuíram a aborígenes do norte e oeste da Europa a construção de povoações sobre lagos, não tanto em face de dados antropológicos, mas por induções sobre o mobiliário, a dispersão geográfica e outras. A erecção das sepulturas próximas mas fora, naturalmente, do âmbito das aldeias lacustres e a raridade dos despojos humanos (37) explicam o mutismo da antropometria na determinação da origem e caracteres das populações que elevaram casas acima da água. Imaginaram-se ainda estas estações como sendo estabelecimentos de pesca, semelhantemente ao que sucede hoje com as construções, para análogo destino, à beira-mar ; supuseram-se ou lugares de reuniões temporárias, ou templos consagrados ao culto das águas. Mas a profusão do mobiliário e a sua vária multiplicidade e evidentes destinos, assinalavam manifestamente uma estabilidade prolongada e ainda, cotejando os despojos, uma identidade de costumes tais que as afinidades das populações construtoras das estações pré-históricas helvéticas e outras de semelhante tipo pareciam incontestáveis. Talvez mais tarde é que as palafitas da época do bronze se destinassem a armazéns de comerciantes que, procedentes dos estados escandinavos, negociavam com os indígenas, hipótese esta presumível ante os numerosos utensílios de bronze que se encontraram sem vestígios de emprego (38).

  • 39 LUBBOCK. Ob. cit., págs. 170-1.
  • 40 ÉMILE CARTAJLHAC. La France préhistorique, pág. 136, Alcan ed. Paris, 1889. – NADAILLAC, Moeurs cit (...)
  • 41 LUBBOCK. Ob. cit., págs. 170-1.
  • 42 JOLY. Ob. cit., pág. 106.
  • 43 LUBBOCK. Ob. cit., págs. 172-3.
  • 44 PHILIPPE SALMON. Dictionnaire des Sciences anthropologiques, pág. 845, voc. Palafites. Doin ed. Par (...)
  • 45 NADAILLAC. Les prémiers hommes, pág. 251.
  • 46 M. BAULE. Les anciennes habitations lacustres de Lignières (Cher), in L’Anthropologie, VIII, pág. 5 (...)
  • 47 JOLY. Ob. cit., pág. 115.
  • 48 LUBBOCK. Ob .cit., pág. 171.
  • 49 SALMON. Ob. cit., pág. 845.
  • 50 LUCIEN FOURNEREAU. Le Siam ancien. 1.ère partie. In tom. XXVII dos Annales du Musée Guimet, pág. 20 (...)
  • 51 JOLY. Ob. cit., pág. 115.

46Seria pois uma mesma raça – a da migração de Bertrand, a de Keller, outras ainda – que edificou semelhantes habitações em todos ou quase todos os lagos da Suíça, no Mecklemburgo e na Escócia (39), em várias regiões da França (40), na Itália do norte (41), na Áustria, na Hungria, na Pomerânia (42) ? E à raça a que se atribuam as aldeias lacustres, ainda se refeririam os habitantes das estações que persistiram até à idade do ferro, mesmo à época romana, às da Irlanda já mencionadas em documentos da sua história antiga (43), às dos tempos cariovíngios (44), às da Alemanha, no século XIII da nossa era (45), mesmo às actuais em certo rio da França (46) ? A similitude construtiva, os lugares eleitos para a residência permanente e a simultaneidade de progressos nas artes, nas indústrias, na lavoura permitem acariciar desvanecidamente a ideia duma unidade étnica. Outros factores, porém, entram com o seu peso – os mesmos que explicam construções análogas nos lugares mais distantes : as casas sobre estacas da Nova Guiné, as de Cambodja, na Indochina (47), as das Celebes, Mindanau, Bornéu e Carolinas (48), as da Cochinchina (49), as de Sião (50), as da América (51).

  • 52 SALMON. Ob. cit., págs. 1043-6, voc. Terramares.

47A massa da água mais ou menos considerável defende, em regra, estas aldeias das incursões dos povos vizinhos e impede os ataques dos animais selvagens : agora, como então, considerados o estado social e a fauna perigosa existente. O abrigo permanente é um asilo ; o asilo é uma defesa de animais, de homens, até das águas nas grandes inundações (52).

48E tal opinião, universalmente partilhada já, com intervenção ou exclusão de raças que imprimissem às suas povoações uma certa arquitectura adaptada a meios especiais, explica suficientemente a identidade das faculdades humanas nas diferentes manifestações do seu proceder, nos processos de defesa, por exemplo, em face de obstáculos semelhantes, mesmo quando é um azteca que se defende do inimigo, o helvético dum mamífero feroz, o habitante da terramara da Alta Itália das inundações do pântano e o pescador do litoral português, como vamos ver, das areias da duna.

  • 53 CHARLES GARNIER et A. AMMANN. L’habitation humaine, pág. 57. Hachette ed. Paris, 1892.

49Que as habitações sobre estacarias não são devidas ao génio próprio dum povo vê-se facilmente quando se atende à distribuição delas pelas paragens mais afastadas onde residem homens das mais diversas raças. Mas imaginá-las (53) formas universais da casa e correspondentes a fases que atravessou a humanidade, desconhecendo ou negando a influência das circunstâncias locais, eis uma deplorável leviandade.

50Esta divagação vai legitimar-se como esclarecimento subsidiário do que segue.

IV

51No litoral português a área dos terrenos cobertos pela areia era, nos meados do século, de 72.000 hectares. Entre Ovar e Quiaios e na região limitada pelas fozes do Mondego e Liz a duna avança, desde muito, seis metros por ano, em média, contando-se lugares onde a invasão das areias chegou a conquistar 40 metros de terra habitada ou arável. Lavos já hoje não existe na sua antiga situação mercê da duna que invadiu o lugar onde assentava a povoação primitiva ; Quiaios teria o mesmo destino sem um pinhal de defesa plantado a tempo.

  • 54 ROCHA PEIXOTO. A Terra Portugueza, Chardron ed. Porto, 1897. No capítulo As dunas (págs. 167-177) é (...)

52Impedir essa formação crescente de medões para o interior e evitar o seu natural cortejo de prejuízos tem sido, desde o princípio do século – para só aludir às provisões e trabalhos mais modernos – uma ocupação intermitente e diminuta da administração florestal do país (54).

53O pescador, porém, como o manejo da sua pesada alfaia o obrigue a não se distanciar muito da costa quando, caso mais frequente, a pesca é a sua exclusiva ocupação, adaptou o palheiro à instabilidade do solo em que habita. Vencer ou atenuar esta acção da dinâmica terrestre e principalmente na região onde ela se acentua com mais intensidade foi o que conseguiu com as habitações sobre estacaria. Mira, na extremidade do braço da ria de Aveiro que se prolonga para o sul, Cova de Lavos ao sul da foz do Mondego e distante desta uns dois quilómetros, Vieira, nas proximidades de Leiria, são as três povoações onde dominam os palheiros construídos desta sorte. Na Costa Nova, em Quiaios e em Buarcos encontram-se ainda alguns ; na Figueira resta a lembrança de construções semelhantes ; noutros lugares é possível ainda o seu encontro, dada a extensão da zona em que são os mesmos os efeitos dos ventos mareiros.

54Tais cabanas não diferem das já descritas, tirante os suportes em que se firmam. Em Mira a habitação compreende três a seis compartimentos e na disposição que conhecemos ; a frente mede seis a dose metros, a altura limita-se entre três e quase cinco, o fundo vai de quatro a nove ou seja, proximamente, o que se observa nos outros palheiros litorais. Se descêssemos a minúcias veríamos, nas portas e janelas, estas fixas, de par ou de correr, na pintura exterior e no abrigo, a mesma conformidade.

55Na Cova de Lavos contam-se 500 destas habitações, segundo uma informação local, número este em desacordo manifesto com a população dada pelas estatísticas e da qual se destacam apenas duas centenas de homens que formam as companhas de artes de arrastar e tripulam as embarcações de pesca costeira.

56Não obstante, e como em Mira, encontram-se na Cova habitações sem estacas, principalmente na região mais distante do mar e já sob o abrigo das que se dispõem em frente ; mas aqui o número de palheiros que a estacaria suporta é bem maior embora não atinja, ao que parece, o número dito.

57Disseminados (fig. 2), às vezes em arruamentos (fig. 3), abrangendo entanto uma área vasta, os que mais perto ficam da água, firmam-se sob pilares, que, à vista, medem três metros e até mais (fig. 4). De ordinário, porém, a altura, como em Mira, oscila entre um metro e dois, e nunca atinge, como em Vieira, cinco e além.

58Sem excepção a forma é rectangular e o acesso faz-se por escadas que dão para uma ou duas portas do edifício (fig. 5). A cobertura, primitivamente de colmo, conforme a tradição, está toda substituída, e num ou noutro caso raro que ainda havia (fig. 6) realizou-se vai em pouco. Em Mira o palheiro é, uma ou outra vez, pintado exteriormente ; na Cova quase todos – a vermelhão no corpo geral do prédio, a cores claras nas guarnições.

59Como geralmente em todas as povoações costeiras, ter casa própria, na Cova de Lavos, é uma aspiração suprema e quase sempre realizada, ou ela seja modesta e custe vinte libras, ou vasta e folgada e vá até às cem. Depois há os reparos e a substituição frequente das estacas, e, se a prosperidade ajuda, tingem-se de cal interiormente.

60Dentro o aceio, de que a bilha de água sempre coberta com um pano alvo de linho é um traço já proverbial nas imediações, manifesta-se no aspecto de soalhos e paredes, na disposição dos móveis e na exclusão dos petrechos de pesca menos limpos. Para estes destinam-se velhos barcos já inúteis, como em Buarcos ; e por fim, como subsídio previdente a uma indústria de natureza essencialmente aleatória, o pescador da Cova cultiva terrenos areentos próximos que aluga ou de que se apossa e donde obtém alguns legumes, cereal, tubérculo, a vinha mesmo.

  • 55 Das aldeias lacustres pré-históricas e das habitações actuais construídas sobre estacaria encontram (...)
  • 56 LEITE DE VASCONCELOS. Religiões da Lusitania, pág. 59. Lisboa, 1897; Museu cit., de onde o A. extra (...)

61Ora o aspecto desta povoação, com o solo incessantemente revolvido, mas instalada como numa depressão, dá a imagem, talvez aproximada, duma aldeia lacustre (55). Esta sugestão foi já até exarada em livro (56). E vários observadores têm suspeitado mesmo que na região e em outras do litoral recortadas por estuários e baías, existiriam, em eras longínquas, verdadeiras habitações lacustres. Das localidades referidas só na Costa Nova os palheiros se encontram em situação tão próxima da água que, nas marés vivas, esta avança e passa sob as casas. De resto nem na tradição sequer se lograria encontrar indícios de semelhantes construções à beira da água, nas fozes dos rios ou nos lagos e pântanos litorais.

2 – Um aspecto da Cova de Lavos.

2 – Um aspecto da Cova de Lavos.

3 – Uma rua na Cova de Lavos.

3 – Uma rua na Cova de Lavos.

4 – Palheiro junto à linha das altas marés.

4 – Palheiro junto à linha das altas marés.

5 – Palheiro isolado com dois acessos.

5 – Palheiro isolado com dois acessos.

6 – Palheiro onde se iniciava a substituição da cobertura de colmo pela de telha.

6 – Palheiro onde se iniciava a substituição da cobertura de colmo pela de telha.

7 – Tabula votiva da capela da Encarnação de Buarcos, representando um naufrágio em frente da Cova de Lavos.

7 – Tabula votiva da capela da Encarnação de Buarcos, representando um naufrágio em frente da Cova de Lavos.
  • 57 LEITE DE VASCONCELOS. Portugal pré-histórico (Bibl. do povo e das escolas) pág. 60. Lisboa, 1885.
  • 58 ÉMILE CARTAILHAC. Les ãges préhistoriques de l’Espagne et du Portugal, págs. 71-2. Reinwald ed. Par (...)
  • 59 MANUEL MURGUIA. Galicia (España. Sus monumentos y artes. Su naturaleza e historia), págs. 29-44. Co (...)
  • 60 MURGUIA. Ob. cit., pág. 39.
  • 61 TEÓFILO BRAGA. O povo portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, I, pág. 44. Ferreira ed. Li (...)

62Lendas de cidades da península subvertidas encontram-se no interior do país (57), e principalmente em toda a Galiza (58) onde porventura, em Santa Cristina, se teriam obtido outrora, dos fundos dum lago, olarias, pedras trabalhadas e objectos de ferro denunciando uma povoação extinta. A tradição das cidades submersas em castigo da má colheita a várias figuras religiosas generaliza-se por numerosas localidades da província espanhola (59). Ainda mulheres encantadas habitam palácios debaixo das ondas (60); e nos nossos contos populares é frequente surgirem os lagos por sobre os castelos e palácios em ruína61.

63Documentação autêntica, porém, a assegurar a existência das palafitas ex-históricas na península não existe. As nossas habitações sobre estacaria, à beira-mar, com o seu aspecto semelhante às povoações lacustres reconstituídas nas memórias especiais, têm, como já vimos, outra explicação. Pela similitude de aparência, este facto, entre muitos, nos denota, e como indicamos já, a similaridade de proceder em face de perigos cuja defesa pode investir-se numa mesma expressão. E certo é que por todas as condições de existência em que se mantêm as populações ribeirinhas, não só as cabanas litorais traduzem situações de vida bastante remotas : os processos de indústria, a alfaia, as formas de vida social e religiosa afastam-nos, ao estudá-las, para estádios de civilizações idas que um isolamento relativo, como nos serranos, prolongou até agora.

64Porto, Setembro, 1898.

Notes

1 GABRIEL PEREIRA. Casa portuguesa, in Arte portuguesa (Revista illustrada de archeologia e arte moderna), n.° 1, págs. 21-2. Lisboa, 1895. Estudo reproduzido no Occidente, XIX, pág. 132. Lisboa, 1896.

2 MARTINS SARMENTO. Relatório da Secção Archeologica. (Expedição scientifica á Serra da Estrella em 1881), pág. 13. Lisboa, 1883.

3 FILIPE SIMÕES, ap. HENRIQUE DAS NEVES. Casa portuguesa, in Occidente, XIX, pág. 102. Lisboa, 1896.

4 D. ANTÓNIO DA COSTA. No Minho, pág. 81. Lisboa, 1874.

5 PAUL CHOFFAT. Poços artesianos, pág. 5. Lisboa, 1898.

6 Inquérito industrial de 1890, I, pág. 258. Lisboa, 1891.

7 HENRIQUE DAS NEVES. Ob. cit., pág. 110.

8 ALFREDO CAMPOS. Jornadas em Portugal. Castro Laboreiro. In Jornal de viagens e aventuras de terra e mar, IV, pág. 53. Ferreira Brito ed. Porto, 1881.

9 HERMENEGILDO CAPELO e LEONARDO TORRES. Viagens á Serra do Gerez e suas caldas em setembro de 1882, in Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa, pág. 533, n.° 11, 4.a série. Lisboa, 1883.

10 MARTINS SARMENTO. Ob. cit., pág. 25.

11 MARTINS SARMENTO. Ob. cit., págs. 13-4.

12 OLIVEIRA MARTINS. Historia da Republica romana, I, págs. 9-10. Pereira ed. Lisboa, 1885.

13 CHOISY. L’art de bâtir cliez les Romains, ap. E. GUHL et W. KONER. La vie antique. II, Rome. Nota da pág. 96. Rothschild ed. Paris, 1885.

14 ALBERTO SAMPAIO. A propriedade e cultura do Minho, pág. 126. Porto, 1888.

15 GEORGES PERROT et CHARLES CHIPIEZ. Histoire de l’art dans l’antiquité. VI, La Grece primitive, págs. 353 e 682. Hachette ed. Paris, 1894.

16 GABRIEL PEREIRA. Ob. cit., in Arte cit., n.° 6, pág. 142. E ainda Occidente cit.,pág.132.

17 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA. O Minho pittoresco, I, pág. 19. Pereira ed. Lisboa, 1886.

18 LEITE DE VASCONCELOS. Museu ethnographico portuguez, in Revista Lusitana, III, pág. 226. Lopes ed. Porto, 1895.

19 Inquérito cit., pág. 259.

20 JOSÉ AUGUSTO VIEIRA. Oh. cit., pág. 19.

21 OLIVEIRA MARTINS. Ob. cit., I, págs. 19-20. – BATISSIER. Art monumental, ap. GUHL et KONER, ob. cit., nota de pág. 96.

22 PINHO LEAL. Portugal antigo e moderno, II, pág. 7, voc. Cabanas de Torres. Lisboa, 1874.

23 PINHO LEAL. Ob. cit., II, pág. 98, voc. Caparica.

24 PINHO LEAL. Ob. cit., III, pág. 62, voc. Espinho.

25 P. ANTÓNIO CARVALHO DA COSTA. Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso Reyno de Portugal, II, pág. 66. Lisboa, 1708.

26 PINHO LEAL. Ob. cit., IX, pág. 618, voc. Torreira.

27 JONN LUBBOCK. L’homme préhistorique, I, pág. 175. Alcan ed. Paris, 1888.

28 LUBBOCK. Ob. cit., I, pág. 174.

29 ALEXANDRE BERTRAND. La Gaule avant les gaulois d’aprés les monuments et les textes, págs. 172-3, Leroux ed. Paris, 1891. – N. JOLY, L’homme avant les métaux, págs. 108-9, Baillière ed. Paris, 1879.

30 GABRIEL DE MORTILLET. Origines de la chasse, de la pêche et de l’agiiculture. I, Chasse, pêche. Domestication, págs. 98-100, Lecrosnier et Babé eds. Paris, 1890.

31 MARQUIS DE NADAILLAC. Moeurs et monuments des peuples préhistoriques, pág. 130. Masson ed. Paris, 1888.

32 MORTILLET. Les boissons fermentés. Ext. in Boletins de la Société d’Anthropologie de Paris, VIII, fase. 5, pág. 430. Masson ed. Paris, 1897.

33 ZABOROWSKI. L’homme préhistorique, pág. 137, 3.a ed., Baillière ed. Paris.

34 JOLY. Ob. cit., pág. 108. – LUBBOCK. Ob. cit., pág. 213.

35 BERTRAND. Ob. cit., pág. 178. Encontram-se ainda referências ou transcrições do mesmo texto em : JOLY, ob. cit., págs. 113-4; NADAILLAC, Les prémiers hommes et les temps préhistoriques, I, pág. 242. Masson ed. Paris, 1881.

36 BERTRAND. Ob. cit., págs. 163-6, 178-81.

37 R. VERNEAU. Un nouveau crâne humain d’une cité lacustre, in L’Anthropologie, V, pág. 54. Masson ed. Paris, 1894.

38 DÉSOR. Le bel âge du bronze en Suisse, ap. BERTRAND, ob. cit., págs. 209-10, nota. Vid. ainda LUBBOCK, ob. cit., págs. 108-9.

39 LUBBOCK. Ob. cit., págs. 170-1.

40 ÉMILE CARTAJLHAC. La France préhistorique, pág. 136, Alcan ed. Paris, 1889. – NADAILLAC, Moeurs cit., pág. 129.

41 LUBBOCK. Ob. cit., págs. 170-1.

42 JOLY. Ob. cit., pág. 106.

43 LUBBOCK. Ob. cit., págs. 172-3.

44 PHILIPPE SALMON. Dictionnaire des Sciences anthropologiques, pág. 845, voc. Palafites. Doin ed. Paris.

45 NADAILLAC. Les prémiers hommes, pág. 251.

46 M. BAULE. Les anciennes habitations lacustres de Lignières (Cher), in L’Anthropologie, VIII, pág. 52. Paris, 1897.

47 JOLY. Ob. cit., pág. 115.

48 LUBBOCK. Ob .cit., pág. 171.

49 SALMON. Ob. cit., pág. 845.

50 LUCIEN FOURNEREAU. Le Siam ancien. 1.ère partie. In tom. XXVII dos Annales du Musée Guimet, pág. 205, Leroux ed. Paris, 1895.

51 JOLY. Ob. cit., pág. 115.

52 SALMON. Ob. cit., págs. 1043-6, voc. Terramares.

53 CHARLES GARNIER et A. AMMANN. L’habitation humaine, pág. 57. Hachette ed. Paris, 1892.

54 ROCHA PEIXOTO. A Terra Portugueza, Chardron ed. Porto, 1897. No capítulo As dunas (págs. 167-177) é este assunto tratado resumidamente nos seus vários aspectos. Para maiores explanações contamos, na nossa literatura silvícola, vários trabalhos de valor e alguns mesmo notáveis: Relatorio ácerca da arborisação geral do paiz (págs. 37-69), Lisboa, 1868, de Carlos Ribeiro e Delgado ; Relatorio da administração geral das mattas relativo ao ano económico de 1879-80 (págs. 6 e segs. e 29 e segs.), Lisboa, 1881 ; Pinhaes, soutos e montados, 1.a parte : Pinhaes, (págs. 59-89), Lisboa, 1882, de Sousa Pimentel ; Curso de silvicultura (págs. 280- -87 do tomo I), Lisboa, 1886, de Pereira Coutinho, etc.

55 Das aldeias lacustres pré-históricas e das habitações actuais construídas sobre estacaria encontram-se reproduções nos seguintes trabalhos de fácil encontro: BERTRAND, ob. cit., figs. 152-3 de págs. 176-7; FOURNEREAU, ob. cit., pis. LIX-LXI e LXX ; GARNIER et AMMANN, ob. cit., figs. de págs. 55, 59, 66 e 849; JOLY, ob. cit., pág. 99 e fig. 38, pág. 115;MODIGLIANI (E.). Un viaggio a Nias, ap. comentário bibliográfico de J. Deniker, in L’Anthropologie, I, figs. 7, 8 e 9, págs. 349-51; MORTILLET (G.). Le Préhistorique, fig. 51, pág- 486. Reinwald ed. Paris, 1885; MORTILLET (G. e A.), Musée préhistorique, fig. 752, pl. LXXII, Reinwald ed. Paris, 1881; RAFFRAY (A.). Viagem á Nova Guiné, in A volta do Mundo, figs. vars. nos toms. II e III. Sousa Pinto ed. Lisboa, 1882-3; SALMON (PH.), ob. cit., figs. 261, 263 e 266, págs. 1043, 1045-6. Etc.
Num livro de vulgarização (HENRI DU CLEUZIOU. La création de l’homme et les prémiers âges, Marpon ed. Paris, 1887), só recomendável com restrições, encontram-se algumas estampas boas, outras medíocres. Vid. págs. 13, 41, 297 (em frente), 300-1, 304 e 517.

56 LEITE DE VASCONCELOS. Religiões da Lusitania, pág. 59. Lisboa, 1897; Museu cit., de onde o A. extracta, para o livro precedente, o que se refere a este assunto.

57 LEITE DE VASCONCELOS. Portugal pré-histórico (Bibl. do povo e das escolas) pág. 60. Lisboa, 1885.

58 ÉMILE CARTAILHAC. Les ãges préhistoriques de l’Espagne et du Portugal, págs. 71-2. Reinwald ed. Paris, 1885.

59 MANUEL MURGUIA. Galicia (España. Sus monumentos y artes. Su naturaleza e historia), págs. 29-44. Cortezo y C.ia eds. Barcelona, 1888.

60 MURGUIA. Ob. cit., pág. 39.

61 TEÓFILO BRAGA. O povo portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, I, pág. 44. Ferreira ed. Lisboa, 1885.

Notes de fin

1 Trabalho publicado na revista Portugalia, tomo I, fase. 1.° (Porto, 31 de Março de 1899), pp. 79-96.
Deste trabalho tirou-se a seguinte separata: ROCHA PEIXOTO/ETHNOGRAPHIA PORTUGUESA/HABITAÇÃO/OS PALHEIROS DO LITTORAL/Com 7 illustrações, desenhos de C. Villares e F. Gil/Porto/Imprensa Moderna/1899/20 págs., 208 x 130 mm.

Table des illustrations

Titre 1 – Planta de um palheiro. Buarcos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 2 – Um aspecto da Cova de Lavos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 3 – Uma rua na Cova de Lavos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 4 – Palheiro junto à linha das altas marés.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-4.png
Fichier image/png, 97k
Titre 5 – Palheiro isolado com dois acessos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 6 – Palheiro onde se iniciava a substituição da cobertura de colmo pela de telha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-6.png
Fichier image/png, 138k
Titre 7 – Tabula votiva da capela da Encarnação de Buarcos, representando um naufrágio em frente da Cova de Lavos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4270/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 36k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search