Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

O Natal1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, em 25 de Dezembrode 1894 (p. 1). Anos d (...)

1Em todas as religiões é fácil encontrar vestígios dos velhos cultos astrais, adaptados a outras intenções, certo, mas cujo disfarce a hierologia, não raro, explica e desvenda. A adoração dos corpos celestes foi universal : originou crenças, formulou ideias e estabeleceu práticas tão fortemente enraizadas depois que, ao diante, penetraram nas várias doutrinas religiosas, ou aceites como necessárias, ou à força, como irresistíveis. Compreende-se o domínio da astrolatria nas mitologias de quase todos os povos, pensando que, à anuviada imaginação primitiva, os fenómenos celestes cumpriam-se ou surgiam como manifestações de um poder misterioso e oculto. Lento e lento a curiosidade apreensiva e tímida foi verificando a concordância de certos movimentos planetários com épocas várias do tempo sob cuja influência se praticavam as sementeiras ou realizavam as colheitas. Os meses e as estações, relacionados com a marcha e aspectos dos dois astros mais observados, acusavam, com máxima acentuação, a força ignorada e dominadora. E com o tempo, na obscura mentalidade primitiva, os acontecimentos siderais, – marchas, aspectos e encontros, – iam sendo interpretados com a fantasia receosa e ingénua que nos vem denunciando, através da história e das religiões, prognósticos, presságios e outros despojos legados pelos antigos cultos.

2Não é só na epigrafia, cujos documentos da época luso-romana dão, entre nós, suficiente notícia da superstição astrolátrica, que há a buscar os elementos para a reconstituição das velhas crenças : mais do que nas inscrições lapidares se encontram em documentos escritos e em costumes populares de sentido inicial olvidado ou perdido.

3De como radicaram os mitos siderais se vê em várias constituições dos prelados, exortando os súbditos a absterem-se de práticas demoníacas, como então lhes chamavam, e ameaçando-os até com as penas maiores. Nas Constituições sinodais do bispado da Guarda, nientemente desfiguradas, as comemorações que os recém-adeptos persistiam em efectuar.

4A solenidade do Natal, de facto, não é referida nas notícias mais remotas que, nos seus primeiros escritos, nos legou o cristianismo ; provou-se que não foram os apóstolos que a introduziram ; as investigações relativas ao dia preciso da natividade do Salvador não resolveram uma data justa. De sorte que os chefes da igreja do Ocidente, em face da grande e funda solenidade anual celebrada em Roma e chamada a festa do nascimento do sol invencível, decidiram fazer coincidir com ele o nascimento de Cristo. Esta inteligente deliberação da igreja no século IV, modificou pouco a pouco a intenção primitiva da homenagem ao renascimento do astro, mas não expurgou inteiramente, dos costumes, certos usos e superstições que mais ou menos sobreviveram até hoje.

5É de ver, por exemplo, os festins que quase toda a humanidade realiza por este tempo. Há iguarias especiais características : os mexidos ou formigos, as filhozes ou coscoréis, o vinho quente com mel, as rabanadas, certas broas e bolos. Estas comidas, como averiguaram os mitologistas, são os vestígios dos antigos sacrifícios em homenagem aos deuses ; a princípio, mesmo, os bolos tinham a forma dos animais abatidos no momento em que se desejava tornar propícias as divindades. O intuito cultural está perdido ; mas vagamente, gradativamente, se alcançou explicar a celebração da festa com jantares ou ceias fartas. A matança do porco que em muitas terras se efectua só em Dezembro, a cabeça de javali, obrigatória em dia de Natal, nas mesas alemãs, o lugar do mel, sagrado em numerosas mitologias, na confecção de certos doces, vários outros elementos, enfim, são sobrevivências aconsiderar. E, de resto, costumes houve, já extintos, dos quais, entretanto, nos ficou a indicação histórica.

6Quase todo o mês era ocupado, nos tempos idos, em merendas e jantares. Nos sete dias que precediam o do Natal, havia, nas colegiadas e mosteiros, as pitanças, servindo-se aos convidados, vinhos e frutas secas ; mas, ano a ano, foi decaindo o costume até findar de vez, pois, segundo um cronista, « se juntava muita gente de desvairadas maneiras, entre as quais eram vis pessoas, que depois de beberem diziam e faziam muitas enormidades e alevantavam arruídos e contendas ».

7Depois da festa prosseguiam os beberetes e comidas, pretex-tando-as certas funções de igreja, terminadas sempre pela reunião dos membros das confrarias em repastos lautos. Até que, pelos Reis, cessavam as festas, as consoadas, as ofertas, estas últimas ainda vestígios persistentes das strenas dos romanos, que o cristianismo tanto combateu sem conseguir impedi-las.

8Na véspera do Natal, armam-se, nas casas e nas igrejas, as lapinhas ou presepes, representando o nascimento de Jesus, sob um telhado miserável

Tal era a sua pobreza
Que nem paninhos tenia.

9e com toda uma decoração pastoril. Era diante deles que se representavam outrora colóquios, entremeses e vilancicos ou se entoavam as loas do Natal :

Filhos d’homem rico
Em bons cobertores,
Só vós, meu menino,
Coberto de dores.
Filhos d’homem rico
Em bons lençóis finos,
Só vós, meu menino,
Coroado de espinhos.
Filhos d’homem rico
Em berço dourado,
Só vós, meu menino,
Em palhas deitado.
Em palhas deitado,
Em palhas nascido,
Filho d’uma rosa,
Cravo escolhido.

10A árvore do Natal, representante da árvore do Sol que renasce todos os anos passado o solstício do inverno, não está entre nós vulgarizada como o presépio ; é antes um divertimento de imitação, introduzido há poucos anos, sem carácter algum popular. Entretanto o enfeite do pinheiro com fitas, brincos e doces, adornado de flores e iluminado, coexiste, nos países do norte, com outro costume também praticado e ainda em terras portuguesas : é a queima do cepo ou do trafogueiro. Em alguns lugares vai-se buscar, na tarde da véspera do Natal, um dos mais grossos troncos do arredor e conduz-se para casa, para um largo ou para o adro da igreja, dançando e em descantes. Lança-se-lhe o fogo e baila-se em torno até à hora da missa do galo, começando a debandada depois de cada um adquirir e guardar um fragmento que, em casa, afasta a peste, dá a fecundidade aos campos e, com um ramo de oliveira benta, afugenta, para o maninho, as trovoadas.

11A queima do cepo, que se faz na Itália (ceppo), na França (tréfoir), na Inglaterra (yule clog), na Alemanha, talvez entre os eslavos, obedece naturalmente ao mesmo intuito que explica as fogueiras do S. João, isto é, simboliza o fogo solar renascente, como na outra festa, o Sol criador e triunfante. O carácter sagrado desta solenidade obliterou-se, ou melhor, transformou-se nas formas supersticiosas de protecção e abundância indicadas. O certo é, porém, que semelhante prática cultural, como várias outras que se lhe associam na festa de hoje, persistiu através dos tempos e das religiões, universalmente e ainda com o vigor que bem se compreende em face da vetusta e radicada solenidade pagã.

Notes de fin

1 Artigo publicado no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, em 25 de Dezembrode 1894 (p. 1). Anos depois Rocha Peixoto incluiu-o no seu livro A Terra Portugueza/(Chronicas Scientificas)/Porto/Livraria Chardron/de Lei lo & Irmão, Editores/1897 (pp. 239-247).

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search