Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

As maias1

Texte intégral

  • 1 Artigo publicado no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, em 1 de Maio de 1894 (p. 1). Anos depoi (...)

1A sobrevivência das lendas, tradições e práticas populares, não raro persistentes na sua forma emocional primitiva ou pelo menos conservando o seu fundo mítico ao diante penetrado nos rituais do cristianismo, fornece à demopsicologia os vestígios das mais afastadas instituições e costumes. As festas populares de hoje têm, de ordinário, a origem nos cultos naturalistas de outrora ; os vários politeísmos que a igreja cristã a princípio combatera, legaram a esta muitos dos seus elementos ; os santos, como as igrejas, substituíram as divindades e os templos pagãos ; os mitos transformaram-se em dogmas ; e assim a religião, obrigando-se a utilizar grande parte das superstições com que deparou, transmitiu-nos, mais ou menos obliteradas, as concepções e os ritos do mundo antigo. Aí está, entre muitos, o simbolismo litúrgico da vinha e do trigo, alimentos principais do homem, passando do mistério eleusiniano ao sacrifício cristão ; o Natal, que é a solenidade do solstício do inverno ; as Maias, no mês em que triunfa o verão, estação procriadora e fecundante, do inverno, parado e estéril.

2Em toda a ficção popular a epopeia celeste e a epopeia vegetal são as mais interessantes, as mais vastas e as de maior ensinamento para o estudo das concepções primitivas. No princípio o homem, em exclusivo instinto vegetativo e única necessidade multiplicadora, identificou com a sua a vida das plantas, dando-lhes consciência e vontade, espírito e linguagem. Para o budismo, acima da dignidade humana estava a dignidade da árvore ; sob uma, Buda, o deus dos deuses, se entregara, durante seis anos, às suas meditações ; e numa floresta densa e velada ensinara aos homens as quatro grandes verdades. A árvore, pois, na religião indiana ficara o símbolo da sabedoria divina.

3A cosmogonia árica dá o homem como descendente da planta e dela herdando a maioria dos seus atributos. Outra lenda condensa nela personagens ; se a árvore seca, morre o herói que simbolisa, como modernamente, plantando-se a árvore quando o filho nasce : para os pais os dois destinos ficam indissoluvelmente ligados.

4Conta uma tradição de Bisâncio que, no princípio do mundo, houve uma árvore de ferro cuja raiz era a força de Deus ; na cabeça sustentava três mundos, o céu com o oceano do ar, a terra e o inferno com o enxofre e o ferro candente. Daqui a explicação do respeito sagrado da árvore, a um tempo cosmogónica e antaopogónica.

5As árvores falam : alto, se a ventania as sacode, às rajadas ; num murmúrio, apenas, se uma brisa passa. Se as abatem, suspiram, no adeus eterno ; se as decepam, pranteiam, como numa grande dor humana :

A ponta da vide chora Lágrimas a seis e seis;

na crença veneta, as folhas tremem ao passar a sexta-feira santa, que foi quando morreu Jesus.

6A floresta, como é sagrada, escuta sempre e encerra e oculta o segredo dos mistérios. Os germânicos tinham pelo arvoredo um culto supersticioso, estranho e estático ; os druidas faziam, entre ele, os seus templos. A imaginação greco-latina povoou os bosques de faunos, de sátiros, de ninfas e de dríades, os génios silvestres presidindo, a lua, no céu, assistindo e velando. Sob o concerto vegetal, propício ou sinistro, era nas florestas que se consultavam os oráculos, como debaixo de uma árvore frondosa e veneranda se erguiam os tribunais eslavos, porque ela, personificando a mais alta sabedoria, inspirava à justiça a verdade inelutável da sentença. Só a árvore é justa, como só é sábio o herói que compreende a voz das aves, reveladora de todos os mistérios.

7As árvores distinguiram-se em divinas, que são luminosas e propícias e em diabólicas, que são sinistras e funerárias: uma é benfazeja, porque ou se sacrifica pelas outras ou agasalha as humildes, protectora e amiga ; outra, é maléfica e plantada pela natureza em cólera, num ermo avaro e estéril: o seu veneno, a fera o evita e ao vento empesta.

8Na tradição helénica a árvore é o refúgio de um herói, de uma ninfa ou de um fauno ; para a arrasar o latino tinha de pedir-lhe, antes, perdão : que talvez o sacrilégio despertasse, na personalidade divina ou mística que o vegetal ocultava dos homens, um castigo e uma vingança cruéis e horríveis.

9Como o lotus fora a flor sagrada para os índios e egípcios, a pérola da criação à qual os deuses comunicaram os seus segredos – flor da vida, flor da luz – outros vegetais, na simbólica popular, foram sagrados nas nações e nas aldeias, uns adoptados pelos génios, outros da vida, outros da morte, alguns da sabedoria, certos da imortalidade. Toda a flor simbolisa fecundidade, todo o fruto a abundância ; umas a vitória ou a prisão ; outras a castidade ou a graça. Para o ciúme havia a erva mágica com que, no hino védico, a esposa cerca a cabeça do companheiro, a fim de afastar a concubina, « ínfima das ínfimas ». Nas cerimónias nupciais da Índia o sacerdote enlaçava uma grinalda nas mãos dos noivos : emancipando-se da autoridade paterna, esta grinalda simbolisava a liberdade.

10Precisando mais, os diferentes povos ou as diversas raças atribuíram a determinadas plantas as mais várias qualidades e sentimentos, saber ou predomínio. Na Europa a grande árvore mítica foi o carvalho : a crença helénica dizia que Deus anunciava aos homens, pelo rumor das folhas, a sua vontade sagrada e infinita ; e como o carvalho fosse ainda a árvore divina dos oráculos, Sócrates jurava por ele. Adoraram-no o celta e o druida ; escolhiam-no, para se reunirem em volta, os germânicos nas suas deliberações supremas. E apagado pouco e pouco o culto, subsistiu a simpatia do povo que nele pendura ou enquadra as madonas predilectas, ou ainda, como numa cidade portuguesa, venera um certo porque, à hora da sesta, S. Francisco de Assis repousara à sua sombra acolhedora e fresca.

11Nas simbólicas alemã e dinamarquesa a árvore sinistra é a cerejeira: suspendem-se os ramos dela nas casas das impúdicas. Em outras superstições esse papel cabe à figueira: não lhe procures a sombra, nem subas a ela na hora aberta !

12O cedro e o cipreste, que no tempo dos omanos se plantavam às portas das casas dos patrícios enlutados, simbolizam a imortalidade. Certos povos explicam que o cipreste funerário rebentado ao pé de um sepulcro traduz a dor dos parentes pela crueza indizível da morte. É mais, uma recordação a uma esperança : como recordação, perpetua a mágoa ; como esperança inspira a quase certeza da eternização da vida pela metempsicose. E porque o cedro fosse imortal é que, na lenda china, os dois esposos se transformam em cedros a fim de prolongarem o seu imenso amor por toda a eternidade.

13O loureiro representa a luz : luz que espalha a vitória e a fama, planta com que se entretecem a coroa dos sábios e a coroa dos heróis. O trigo, que Íris introduziu no Egipto e, na Grécia, Ceres, é a abundância e um dom das duas divindades. A oliveira, que significa a paz, foi outra dádiva preciosa de Minerva à Ática ; as leis atenienses puniam severamente quem ousasse fazer mal às oliveiras.

14Entre os hebreus a amendoeira, por ser a primeira árvore a florir, exprime a vigilância ; noutros a mangerona é considerada a erva da honra que afasta os sedutores.

15Porque há os vegetais eróticos que atraem as mulheres. Proibiamas Ordenações manuelinas a posse de mandráculas, pois que, interrogadas, pensava o povo que revelavam os segredos, e, entre outros malefícios, atraíam as mulheres : já Lia empregara a mandrágora para conseguir, uma noite, o lugar de Raquel no leito do marido. Mas a grande árvore fálica é a romeira : a sua flor traduz o desespero de uma paixão sensual e ardente ; nos grãos rubros da romã está o símbolo da geração e da fecundidade.

16Às ervas sedutoras opõem-se as castas ; não é só a hera que seca a árvore a que se prende, como o amor puro o coração que o sente ; é mais que ela o agnocasto com que as raparigas de Atenas, engrinaldando a fronte, conservam a pureza, afastam os pensamentos impúdicos e evitam, nos sonhos, a lubricidade.

17Certas plantas servem ainda, na superstição popular, para pressagiarem a desventura ou anunciarem a felicidade ; o azevinho, a moliana e a erva da fortuna dizem se uma pessoa é ditosa ou se a desgraça a punge. Em outras encontram-se específicos maravilhosos contra os elementos ou os seres fatídicos ; o alecrim livra do raio, o zimbro é bom contra o ar mau, a arruda afugenta o demónio. Noutras, ainda, reside um poder mágico invencível: verbena e mentastro, não há melhor contra o bruxedo. Por fim, em certas, Deus pôs, com a simplicidade eloquente da sua divina graça, a explicação do que a estreiteza do entendimento humano não logrou atingir, nem pela compreensão, nem pela fé. O mistério da Trindade ! Então não vedes no trevo três folhas em uma só haste ?

18Deste esboço de fitomitologia universal se depreendem os dois grandes grupos de plantas : as boas e as ruins ; ora do primeiro fazem parte as giestas. Segundo a lenda, certo rei ouvindo que tinha nascido em Belém um menino a quem o povo chamava o rei dos judeus, mandou que degolassem, na cidade, todas as crianças de menos de dois anos. Marcaram a casa onde afinal souberam que se encontrava o monarca de Israel : o ramo de giestas indicaria aos legionários, manhã cedo, a residência do infante. Mas ao alvorecer a madrugada de Maio, por encanto e por milagre, em todas as casas floresciam as maias. Esta lenda e as suas variantes, sempre deturpadas, alcançaram a simpatia popular para as giestas, remota e esquecida já a tradição de que os génios célticos, entre elas, seduziam as donzelas, e localizada apenas na Sicília a crença da maldição que baixara sobre essas plantas por estalarem quando, no horto de Getsemani, orava Cristo.

19As giestas são associadas ainda aos enfeites das Maias e do Maio moço. Em várias terras de Portugal, como na Provença, como em outras partes, costumava-se adornar uma criança com flores, sentá-la numa mesa e rodeá-la de raparigas que cantam, dançam e tocam adufes ; quem passa é perseguido até que deixe uma lembrança ou presente à Maia. Noutras os grupos dançam pelas ruas e pedem esmola ; noutras ainda é um homem a cavalo ou um rapaz todo vestido de giesta florida e acompanhado de outros rapazes e de raparigas, cantando :

Este Maio, moças,
Era boticário,
Vendeu a botica
P’ra comprar um saio. O saio era roto,
Botica perdida;
Agora, meu Maio,
Procura tua vida.

dando vivas ao Maio e dizendo ainda outras quadras semelhantes.

20No Algarve faz-se uma grande boneca de palha, a Maia, coberta de flores, e em volta da qual, à noite, as raparigas bailam e cantam :

O meu Maio-moço
Ele lá vem,
Vestido de verde
Que parece bem.
O meu Maio-moço
Chama-se João,
Faz-me guarda à casa Como um capitão.
Etc.

21Em Lagos fazia-se uma procissão, no dia de hoje, em que ia um rapaz a cavalo, adornado de flores e jóias de empréstimo ; como certo ano um fugisse é ofensivo perguntar a muita gente se já voltou o Maio.

22Noutras províncias, e no Algarve principalmente, vai-se armar a Maia celebrando um banquete no campo, brincado-se e folgando-se até que, ao escurecer, a Maia desça do seu trono tapetado de verduras. É no mês de Maio que se cumprem as promessas no Algarve ; é no dia 1 que se implora a protecção da Virgem para as sementeiras ; é ainda hoje o dia do enramalhamento dos currais para que não dê o quebranto ou não falte o alimento aos gados.

23Destas festas realizadas ao entrar o mês de Maio perdeu o povo a significação, não vendo nelas, naturalmente, os vestígios do velho mito solar em que o verão, entrando em luta com o inverno, acabava por vencê-lo. Para as antigas sociedades pastorais o Maio anunciava, nas palavras de Gubernatis, que mais uma vez a terra ia ser fecundada, que a vida prosseguia e que o amor e a luz inundariam outra vez o mundo. Evidentemente fálica a origem primitiva desta festa, as suas manifestações mais ou menos orgiásticas e hetairistas disfarçaram-se lento e lento. Numa postura da câmara de Lisboa, datada de 1385, lê-se : « Outro sim estabellecem que daqui em diante em esta Cidade e em seu termo nom se cantem Janeiras nem May as, nem a outro nenhum mez do anno... Estabellecem que qualquer que para Mayas ou Janeiras emprestar bestas, vestires, joyas ou quaisquer apostamentos perca tudo que assim emprestar e hajão todo os acuzadores e Concelho de per meio». De sorte que, das antigas arruaças que é natural inferir, resta uma celebração inocente e alegre.

24Com o Maio iniciavam-se, em outros tempos, cavalgadas e torneios ; nesta época ainda, rompiam as hostilidades dos reis cristãos da Ibéria contra os mouros. Acordava a virilidade nos homens, como nas plantas ; naqueles traduzia-se pelos desafios e guerras ; nestas a observação popular, grosseira e justa, assentava assim, do grande mês, a influência vital e fecunda :

Quanto maio acha nado Tudo deixa espigado.

25Em todas as religiões, pois, desde a concepção mais rudimentar primitiva até aos profundos e complexos dogmas actuais, nunca os criadores puderam autonomizar o rito do facto astronómico. Fantasiaram-se os disfarces, mas, instintivamente, prevalece o culto natural. E como a acção humana se lhe subordina inteiramente – ao culto e ao fatalismo – aí está o 1.° de Maio, dia escolhido pelo obreiro de todo o mundo, como hostilidade e como prenúncio, para a grande e inevitável campanha de uma emancipação e de uma vindita : conta a saldar com os que mais têm sentido a dureza da Injustiça e o amargor do Sofrimento.

Notes de fin

1 Artigo publicado no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, em 1 de Maio de 1894 (p. 1). Anos depois Rocha Peixoto incluiu-o no seu livro A Terra Portugueza/ (Chronicas Scientificas) /Porto/Livraria Chardron/de Lello & Irmão, Editores/1897 (pp. 75-86).

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search