Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Estudos Etnografia De

A tatuagem em portugal1

Texte intégral

  • 1 Trabalho publicado na Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. II, n.os 7 e 8 (Porto, 1892-189 (...)

1Para esta notícia acerca da tatuagem em Portugal dispus, pròximamente, de duas centenas de materiais coligidos quer directamente, quer por intermédio de alguns colaboradores que, com uma solícita obsequiosidade, quiseram satisfazer às perguntas exaradas num questionário que distribuí. Na nossa literatura médica escasseiam, como se sabe, referências a esta e a outras ordens de mutilações, encontrando-se apenas nos trabalhos do sr. A. A. Castelo Branco alguns elementos de valor e préstimo ; são pois novos, na quase generalidade, os documentos apresentados. A ordem deste estudo é a adoptada pelos antropologistas que, sobre o assunto, escreveram excelentes monografias e de tal sorte que, na categoria especial que nos ocupa – tatuagem por picadas – a deixaram quase esgotada. É especialmente nos trabalhos de Berchon, Lacassagne e Lombroso onde se encontram os mais completos subsídios sobre a interessante mutilação a que esta nota se reporta, não só quanto à parte descritiva mas ainda à sua interpretação antropológica.

2O esboço histórico do primeiro capítulo, talvez dispensável se este escrito fosse apenas destinado aos familiarizados com semelhantes estudos, pouco mais é do que a reprodução duma insignificante parcela dos factos numerosos em que abundam os trabalhos dos médicos referidos ; na parte exclusivamente comparativa insiste-se, naturalmente, sobre as fundas analogias da nossa tatuagem com a de outras populações ; por último, uma nota bibliográfica final dispensa as chamadas frequentes e instrui todo o que, desconhecendo esta parte da literatura antropológica, a queira estudar ou consultar.

3Cumpre deixar assinalado um grato reconhecimento aos srs. Eduardo Moura, Fonseca Cardoso, João Barreira, Nunes de Oliveira, Pinto Rola e Santos Rocha, que especialmente me forneceram os materiais mais úteis, bem como ao sr. Eduardo Fernandes Pinto a quem devo magníficos serviços pelo desvelo que pôs na execução e exactidão das gravuras.

I Antiguidade, perpetuidade e universalidade da tatuagem

4Definição da tatuagem e seu lugar no quadro das mutilações étnicas. Os primeiros vestígios na pré e na proto-história : Bélgica, França e Portugal. Fins da tatuagem; sua significação como característica de raças, de religiões, de seitas, de castas e de instituições. A tatuagem e a medicina legal. Expansão geográfica.

5No quadro das mutilações étnicas – cefálicas, faciais, dentárias, genitais e cutâneas – estas últimas, pela variedade dos seus processos, generalização e persistência, ocupam talvez o lugar de maior evidência. Tal prática, que consiste em imprimir na pele desenhos ou sinais traduzindo toda a sorte de ideias ou sentimentos, é acusada provàvelmente desde os tempos pré-históricos e atestada das épocas proto-históricas até hoje. Nas estações solutrianas e especialmente nas grutas madalenea-nas de Chaleux (Bélgica) e Mongodier e Eyzies (França) encontraram-se, juntos a fragmentos de limonite, peróxido de ferro hidratado e outras substâncias capazes de produzirem cor, objectos cuja forma inculca esse uso, corroborado ainda mais tarde com a similitude de outros que, para iguais intenções, possuíam e possuem várias tribos americanas. A existência de vários minérios de ferro (hematite e limonite), que foram utilizados pelo troglodita da nossa gruta da Furninha em colorir alguns dos vasos encontrados nesta estação quaternária, pode fazer suspeitar, na opinião do sr. Nery Delgado e em virtude da sua associação com objectos característicos, que esses homens também cobriam a pele com desenhos. As mais antigas sepulturas egípcias encerram punções e agulhas de ferro finíssimas juntas à plombagina, então adoptada como substância corante.

6Entre os povos da antiguidade, de que existem notícias escritas, a tatuagem assinalava não só os homens da mesma origem, mas até seitas, castas, escravos, soldados e vencidos. Os árias, segundo a afirmativa de Tácito reproduzida por Lacassagne, adoptaram a coração negra da pele para denunciar maior ferocidade ; os pictos tiram o nome do uso de pinturas no corpo, distintivas de raça. De entre os povos que adoptavam desenhos característicos de seitas citam-se os assírios que prestavam culto à mesma deusa ; os fenícios com o sinal da sua divindade gravada na testa ; as antigas mulheres da Bretanha ; os judeus convertidos à religião de Baco ; os primeiros cristãos que desenhavam a cruz ou o monograma de Cristo e que, a despeito de numerosas proibições desde Moisés no Levítico até às decisões ulteriores dos padres e dos concílios, que condenavam tais sinais como vestígios de iniciações pagãs, continuaram a tatuar-se, vigorando ainda hoje o costume em Jerusalém e vários lugares da Itália ; certas tribos semíticas, algumas das quais, ao diante, se converteram ao maometismo.

7Nos trácios a tatuagem indicava uma ascendência nobre, facto excepcional pois que em quase todos os outros povos era indício de escravidão ou origem plebeia. Os atenienses, vencidos pelos habitantes de Samos, foram marcados por estes com ferro em brasa ; mais tarde, já vencedores os soldados de Atenas, impuseram aos adversários uma tatuagem indicativa da sua vitória. As mulheres trácias procuravam disfarçar as marcas infamantes que lhes haviam imposto as citas, modificando-as sob um pretexto de beleza ; nas guerras da Pérsia e da Grécia os exércitos às ordens de Alexandre e de Xerxes tatuavam os prisioneiros.

8Velhos monarcas adoptaram sinais especiais com que distinguiam os escravos ; igualmente e por vingança, como nota indelével e humilhante, uma certa tatuagem denunciava o que caíra no desagrado dum rei. A dois monges que haviam censurado o furor iconoclasta do imperador Teófilo mandara este imprimir na testa onze versos jâmbicos ; Filipe de Macedónia, a quem um soldado havia solicitado a propriedade de um homem que salvara de um naufrágio, ordenou que lhe desenhassem na fronte os sinais indicativos desta avidez torpe ; Calígula, sem motivo, mandava tatuar os romanos nobres.

9No período da decadência de Roma a tatuagem teve uma grande expansão. Leis regulamentares prescreviam os sinais adoptados cuja existência provava a inscrição definitiva nas fileiras e sobre as quais se fazia o juramento militar. O intento desta ordenança, que vigorou ainda por bastante tempo, era análogo ao que justificava os desenhos nos escravos visto que, já degenerado o espírito cívico do povo, o exército se constituía então de homens mercenários os quais, se fugissem, deveriam portanto ser reconhecidos, perseguidos e presos. Ainda recentemente esta prática, mas como indício de virilidade, adoptavam os soldados do exército piemontês.

10A tatuagem distinguiu pois, em todos os lugares e em todas as épocas, os membros da mesma raça ou religião, de castas, de instituições e de sociedades ; os cativos e os condenados, os sacrílegos e os delatores ; tatuava-se para exprimir a vaidade, a humilhação, o luto e o martírio ; como astúcia de guerra e como meio de transmissão de correspondência e de segredos ; símbolo de paixões e representação literal ou ideográfica dos mais diversos sentimentos humanos. Obedeça esta prática a uma influência atávica ou apenas documente as tendências feticistas do espírito do homem, a tatuagem, com os seus processos operatórios múltiplos e as intenções mais distintas e opostas prevaleceu, em todos os povos e através do tempo, com a desigual frequência naturalmente derivada do grau de civilização. É fácil encontrar, na história moderna das populações europeias, referências a este hábito realizado em todas as épocas ; o estigma dos condenados em vários códigos europeus, as marcas das sociedades franco-maçónicas e de outras instituições secretas, os emblemas profissionais, isoladamente ou distinguindo os membros de várias associações de ofícios, os soldados da marinha e do exército, enfim, contribuíram intensamente para a perpetuidade da mutilação.

11Mais, porém, que todos estes, os criminosos, pela necessidade instintiva de manifestarem as suas paixões, os estados de espírito e os acontecimentos mais célebres da sua existência, concorreram para a persistência e multiplicidade da tatuagem, factos, de resto, favorecidos ainda com a quase insensibilidade que os delinquentes têm para a dor. Do seu número, natureza e sede colige actualmente a antropologia criminal subsídios de valor além de representarem, em medicina legal, um meio quase sempre seguro e eficaz de constatação da identidade individual.

12Outrora a tatuagem serviu já como sinal de reconhecimento ; na tradição figura o caso de Habis, um dos primeiros reis da Ibéria, que, votado a perigos fabulosos por um seu avô, foi destarte e mais tarde reconhecido. Anàlogamente nos hospícios dos expostos se marcavam estes para, de futuro, poderem ser reclamados pelos pais.

13A actual expansão geográfica da tatuagem, no caso restrito da sua execução por agulhas, é resumida por Magitot do modo seguinte :

14Polinésia, excepção da Nova Zelândia ; ilhas Marquesas, fora Rapa ; ilhas das Páscoas ; Micronésia ; Nova Guiné. ; os daiaques de Borneo.

15Na América meridional : os charruas e as tribos do Grande Chaco ; os guaranis do Brasil ; os pampeanos e os patagões.

16Os peles vermelhas na América do Norte.

17Na África os cabilas, os árabes, os egípcios, os niam-niam, os senegambianos e as povoações das margens do Senegal.

18Na Ásia : os seng-li da ilha Hainão ; os chin-ham, antigos povos da Coreia ; os baitos e os uen-chin do Japão, das Curilhas e das Aleutianas ; os antigos anamitas ; os habitantes da Formosa ; os uen-mien-po, povo bárbaro do sudoeste do império chinês.

19Por último todos os da Europa, ou simples ou mistas.

20Pode-se afirmar a universalidade da tatuagem sabendo-se que, sob outros métodos operatórios, é praticada nas restantes partes do globo. De sorte que, se a circuncisão atingiu, pelos motivos conhecidos, um número de indivíduos que hoje quase seria impossível calcular, a mutilação que nos ocupa é incontroversamente a mais espalhada e sê-lo-á por muito tempo apesar do decréscimento que dia a dia se vai registando.

II Anatomia, fisiologia e patologia da tatuagem

O processo operatório; instrumentos e substâncias corantes. Sede anatómica. Consequências patológicas da mutilação ; sua terapêutica popular. A tatuagem como transmissora de vírus. A indelebilidade da tatuagem ou dos seus vestígios provada pelas consequências fisiológicas da operação. Tópicos em uso para a destruição dos desenhos e sua ineficácia.

21O processo operatório ordinàriamente seguido entre nós não difere do adoptado em todos os outros países europeus, no caso da tatuagem executada com agulhas, única que nos importa. A operação é realizada ou por curiosos ou operadores que geralmente existem nas cadeias, nos quartéis e nas populações marítimas. Com três agulhas sòlidamente fixas a um pequeno cabo de madeira ou simplesmente ligadas e unidas por um fio, e tinta da China, de escrever ou carvão triturado e em suspensão na água, tem o operador com que levar a efeito a prática. A figura, cuja sede é extremamente variável – mãos, antebraço, braço, peito, costas, abdómen, verga, nádegas, pernas e pés – ou se desenha prèviamente ou é praticada directamente com as agulhas na região escolhida. Num e noutro caso a aplicação do instrumento faz-se por picadas dirigidas oblíqua ou perpendicularmente e precedidas de uma imersão no líquido corante. As partes mais escuras ou os traços mais duros obtêm-se repicando os contornos primitivos.

22Este método, que é o mais geral, diferiu todavia para alguns tatuados ; o contacto com os operadores de fora, e nomeadamente do Brasil, modificou a aplicação do processo ou a adopção da substância corante. Naquele país encontra o nosso marinheiro padrões já desenhados em pranchetas de madeira onde os contornos das figuras são cobertos de pontas de aço, dando assim lugar a executar-se a operação de uma vez só ; as substâncias corantes apontadas são também substituídas frequentemente pela pólvora triturada ou pelo azul de brunideira. O operado pode escolher a cor e o ornato desejado, sobretudo entre aqueles que têm já figurados num álbum os desenhos que podem realizar.

23A viveza e duração da tatuagem promanam de circunstâncias múltiplas de entre as quais convém enumerar a grossura das agulhas, o sentido da sua introdução, a multiplicidade das picadas, a profundidade que alcançam no tecido tegumentar, a finura cutânea e a natureza da substância. Geralmente as agulhas penetram nas camadas mais profundas da derme visto que uma tatuagem simplesmente sob-epidémica seria de pequena duração. E tão convencidos deste facto estão, de resto, certos operadores que, para que o desenho seja inapagável, fazem penetrar as agulhas perpendicularmente até, muitas vezes, aos gânglios linfáticos.

24A introdução das agulhas é seguida de uma irritação mais ou menos incómoda a que sucedem tumefacções que se prolongam diversamente segundo o grau de sensibilidade do tatuado. Uma pequena serosidade sanguínea surge e a absorção das partículas corantes completa-se então. Para impedir a inflamação e a febre, mesmo quando aquela é irritante, o operado adopta como tópico a saliva ou a urina, sendo manifesto que nada remedeia com tal terapêutica. Quinze dias passados, quando muito, estão extintos os vestígios da irritação passageira que a operação provocou e a nitidez do desenho é então definitiva e provàvelmente indelével.

25Nos registros colhidos para o estudo da tatuagem em Portugal não há indicação de consequências graves consecutivas da operação, talvez pela não adopção do vermelhão que origina sempre pruridos demasiado irritantes. Abundam contudo nas memórias que se ocupam da tatuagem realizada como entre nós ; e é realmente a tal ponto perigosa a irritação produzida na derme pela introdução repetida das agulhas, a natureza química do líquido ou a inoportunidade e ineficácia da aplicação do tópico que, além de úlceras, erisipelas, flegmãos e gangrenas consequentes, a amputação dum membro é às vezes reclamada e a morte, mesmo, inevitável em alguns casos.

26A adopção da saliva como obstáculo aos acidentes enunciados ocasionou já a inoculação do vírus sifilítico; o caso seguinte, entre muitos descritos, é clássico. Um militar ainda virgem foi tatuado por um outro atacado de cancros na boca ; a tinta da China com que o operador se servia diluía-a numa concha com saliva ; tanto bastou para em breve o operado apresentar todos os sintomas da doença e quase ser necessário amputar-lhe o braço. A transmissão da sífilis tem-se feito mesmo quando é já secundária e em virtude do tatuado, estando afectado de placas mucosas, se servir na operação da própria saliva.

27A indelebilidade da tatuagem está averiguada, isto é, os vestígios da prática prevalecem de qualquer modo. É manifesto que as circunstâncias já mencionadas que influem na nitidez do desenho favorecem ou prejudicam-lhe a duração, excluindo evidentemente o caso duma tatuagem muito superficial. A riqueza do sangue e a actividade circulatória, além de outras qualidades particulares do meio em que as matérias corantes são depostas bem como os conflitos qúe surjam entre um e outras e ainda o grau de resistência das substâncias às alterações permanentes que se dão em toda a economia, podem concorrer para o desaparecimento parcial e mesmo total da tatuagem. Admite-se até que a simples transpiração cutânea pode, de per si, eliminar o desenho por completo ; mas pelo modo como a operação é geralmente efectuada deve-se concluir a persistência, pelo menos, dos seus vestígios. Efectivamente é um facto adquirido o transporte das substâncias através dos linfáticos ; estão observados casos vários em que a matéria corante emigrara do antebraço para os gânglios axilares – caso vulgar – e o de uma mulher que, tatuada nas coxas, tinha invadidos todos os gânglios linfáticos da região crural. A aquisição destes factos é deveras importante no domínio da medicina legal, dando assim margem a estender-se a inquirição da identidade nas investigações post-mortem, e comprovando a persistência dos indícios dado o caso pouco comum do apagamento total dos desenhos. A inalterabilidade destes na forma e no tempo é uma convicção dos nossos tatuados ; aqueles para quem mais tarde a presença da tatuagem é odiosa, procuram vários meios pe a eliminar, entre os quais avulta o de repicar os contornos com leite ou ácido acético na persuasão de que o líquido corante é dissolvido ; a tentativa, aqui como em outros lugares onde existe a mesma crença, nunca dá satisfatòriamente o resultado apetecido ; se o desenho se extingue prevalece a cicatriz denunciativa.

III Classificação da tatuagem

28Limite mínimo de idade nos tatuados. Classe social. Grau de frequência nos dois sexos. Sede mais comum. Coração. A moralidade dos tatuados deduzida da natureza dos desenhos e da sua multiplicidade. Lista descritiva e comparada dos emblemas, símbolos e inscrições entre tatuados portugueses, italianos e franceses.

29Nos registros que servem de base para estas notas acerca da tatuagem em Portugal a precocidade na operação é acusada apenas num indivíduo que se sujeitou à prática aos 12 anos. Entre os criminosos o desejo de ser tatuado revela-se muito cedo como o documenta Lombroso ; Lacassagne, para quem a influência do atelier é manifesta, encontrou tatuados de 6 anos. Os adultos, depois de inscritos na armada e no exército e, em maior proporção, seguidamente à permanência nas cadeias, é que se entregam à prática com mais frequência. Nas mulheres a tatuagem aparece raramente e, quando tal acontece, é devido à convivência com tatuados ou violentadas por eles ; está neste último caso uma mulher que habitava à Ribeira (Porto) à qual haviam desenhado a agulha, nas coxas e no ventre, enormes barcos de vela. Os símbolos amorosos e as iniciais do nome dos amantes são a tatuagem comum no número diminuto de mulheres das quais pôde haver notícia.

30Lá fora os inquéritos no sexo feminino têm dado o mesmo resultado. A frequência é mínima comparada com a averiguada nos homens e, a significação dos desenhos, amorosa e raramente erótica : em França, as iniciais P. L. V. (pour la vie) entre dois corações entrelaçados ; as inscrições à la vie, à la mort ; os nomes dos amantes acima do púbis, etc.; na Itália, emblemas e letras com as significações precedentes e, como caso excepcional, uma cruz no braço de certas montanhesas do Trentino, etc.

31A sede mais vulgar e, a bem dizer, geral é em qualquer dos antebraços. Nos delinquentes encontra-se frequentemente uma série de desenhos em todo o braço ou em ambos, executados em épocas diversas e que correspondem de ordinário a cada permanência nas cadeias ; as figuras que exigem mais espaço são desenhadas no peito. É fácil, todavia, encontrar tatuados com figuras em partes várias do corpo ; um ex-soldado da armada possuía no antebraço esquerdo uma mulher nua, um coração atravessado por uma flecha e uma âncora ; no direito, um homem nu em atitude extremamente obscena ; no peito, emblemas de marinha ; na glande, o número da companhia ; num dedo do pé direito o signo-saimão. Um preso da Penitenciária de Lisboa deixóu gravar nos braços, peito, ventre e pernas, vários emblemas simbólicos, corações, nomes de amantes, na perna esquerda um homem nu, uma mulher nua na direita, uma serpente num dos braços, um lagarto no outro, etc. (A. A. Castelo Branco). A seguinte, encontrada num mendigo e provàvelmente desertor, foi noticiada pelos jornais do seguinte modo : no braço esquerdo um peixe e um coração trespassado por uma seta ; ao lado, uma cruz e as iniciais A. C. F. Q. (António Cipriano Ferreira Querido, nome do tatuado) ; depois M. F. Q. e E. C. Q., iniciais dos nomes do pai e mãe ; abaixo, uma âncora e uma pedra de dominó ; junto, um signo-saimão e lateralmente a medalha da Torre e Espada (como em alguns soldados franceses a da Legião de Honra e em alguns criminosos italianos as armas da casa de Saboia) ; abaixo do signo o hábito de Cristo e a data 3 6 88, morte do pai ; no peito, lado direito, a figura da República ; esquerdo, a bandeira francesa ; nas costas da mão esquerda uma estrela e as cinco chagas.

32Berchon assinala factos interessantíssimos de multiplicidade e extensão das tatuagens : um marinheiro, além de numerosos desenhos em quase todo o corpo, fizera tatuar nas costas, com extraordinária minúcia, uma esquadra navegando num mar estranhamente revolto. Lombroso apresenta no seu atlas tatuados com desenhos numerosos de que um – e dos menos dotados – servirá de exemplo : no pé direito o nome de um amigo ; na perna esquerda a inscrição Piglia il questore di Napoli, ameaça ao prefeito de polícia que o havia detido ; na direita, uma flor; no peito e braço esquerdo – Amero fino alla tomba N. P. – declaração de amor a N. P. ; a lua e um diabo ainda neste braço ; lado direito do peito, um vaso com flores; no braço direito uma âncora, as iniciais N. P., R. S., M. A., D. M., de amantes e cinco cruzes representando outros tantos juramentos de assassinato. Um criminoso célebre de Itália estava de tal sorte desenhado que, excepção feita da face e dos rins, não havia a superfície de um escudo que não possuísse tatuagem. Lacassagne figura na sua memória o desenho representativo do acidente do duque de Orleães, na estrada de Neuilly, que ocupa duas páginas ; refere-se a outras que cobriam todo o corpo de certos tatuados e representavam uniformes de generais e de almirantes ; menciona um Jean Bart com 0,37 m. de altura e 0,33 m. de largura e uma Jeanne d’Arc de 0,41 m. de alto por 0,31 m. de largo, etc.

33A coração dos desenhos nos tatuados portugueses é azul escura ; nem recolhi nem há notícia entre nós da operação praticada com vermelhão a qual tem dado lugar, como observou Hutin, a figurar corações a vermelho com chamas azuis ou trespassados por uma flecha azul, soldados com a face e mãos vermelhas e o corpo azul, etc. Este uso de um duplo líquido corante sugeriu talvez a lembrança de aproveitar certas manchas da pele na execução do desenho. Os exemplos são, lá fora, numerosos, e o seguinte dos mais interessantes: um marinheiro tinha no peito uma placa de um vermelho vivo ; o tatuador aproveitou-a de modo a não se suspeitar da existência anterior da marca congénita, desenhando uma Liberdade cujo barrete frígio, pregas do vestido e bandeira eram naturalmente produzidas pela cor preexistente. Do que precede e do que vai seguir-se poder-se-á inferir a moralidade do maior número dos tatuados. A multiplicidade, a sede, de ordinário escolhida nas regiões do corpo vulgarmente ocultas, a intenção pornográfica de uma grande percentagem de desenhos, denunciam a insensibilidade à dor, o impudor e a obliteração, ou melhor, a ausência de elevação moral da maior parte dos tatuados.

34A sistematização das tatuagens em categorias é dificultosa visto que muitas vezes há lugar de distribuir o mesmo desenho em mais do que uma. Provisòriamente poder-se-ão adoptar as seguintes:

1.a – Emblemas profissionais
2.a – amorosos e eróticos
3.a – religiosos
4.a – metáforas e fantasistas
5.
a – Inscrições.

1.a – Emblemas profissionais

35Raros os que se referem a ofícios ; comuns, as âncoras nos marinheiros, simples ou ornadas. Instrumentos de música – violas, guitarras (fig. 1), etc. – nos tocadores. Lacassagne dá uma lista extensa das tatuagens adoptadas por membros de grande número de profissões – esquadro e fio de prumo, nos pedreiros ; parafusos, nos serralheiros ; pincéis, nos pintores ; violino e arco, nos músicos ; compasso, nos carpinteiros ; cabeças de boi, nos magarefes ; pistolas, nos armeiros ; âncoras, nos marinheiros ; botas, nos sapateiros, etc. – acusando a sua importância como sinal de identidade, que realmente é valiosa.

36Os emblemas militares são pouco comuns, mas em maior número do que os precedentes : datas da inscrição nas fileiras ; números de matrícula, de companhia, de bateria e de regimento ; um tambor e duas baquetas cruzadas ; espadas, peças de artilharia. Estes sinais aparecem em soldados dos exércitos italiano e francês e há-os mesmo especiais para distinguir os membros de diversas armas : cavalos e clarins, na cavalaria ; espingardas, na infantaria ; canhões e granadas, na artilharia, etc. Tanto basta para incluir os emblemas militares na categoria dos profissionais.

2.a – Emblemas amorosos e eróticos

37Os emblemas amorosos e eróticos são dos que mais predominam nos nossos tatuados. Umas vezes apenas as iniciais da mulher estimada ; outras, seguidas das iniciais dos operados ; outras ainda, fundidas, ex.: A. J. N. (Ana e José das Neves, mulher e marido) ; frequentemente a data da iniciação no amor. Corações simples encimados por uma cruz (fig. 2), um triângulo (fig. 3), um signo-saimão, uma coroa real, um desenho ornamental (fig. 4) ; corações inflamados, trespassados por setas (fig. 5), ou com as cinco chagas no interior do contorno ; corações duplos (fig. 6 e fig. 7), unidos, com ou sem iniciais. Estas letras, inscrições ou símbolos são precisamente análogos aos descritos por Lombroso e, nomeadamente, aos das populações da Lombardia e do Piemonte.

38As tatuagens que se referem ao amor filial ou a amizade são mais raras : letras, nomes e datas. Entre as primeiras exemplificarei com a seguinte, levantada no antebraço esquerdo de um soldado : A. M. L., iniciais do nome do tatuado ; em seguida M. C., iniciais do nome da mãe ; depois a palavra AMOR que o tatuado dizia referir-se ao profundo sentimento maternal ; por último, duas mãos entrelaçadas, a da mãe e a do rapaz (fig. 8). Das segundas é curiosa a seguinte, relatada pelo sr. Castelo Branco : num delinquente de existência desregradíssima, viciosa e turbulenta deparou-se-lhe o desenho de um túmulo como recordação do seu único amigo, lastimando o tatuado não poder ter-lhe erguido um mausoléu de mármore. Convém aproximar deste caso o figurado no Atlas de Lombroso em que um tatuado fez desenhar no braço esquerdo o túmulo do pai.

39As eróticas são numerosas e encontram-se quase exclusivamente nos que habitam assiduamente as prisões ; algumas não poderiam ser descritas, como diz Lacassagne algures, nem em latim. As mais vulgares são os falos, ornamentados por vezes, outras pretendendo acusar uma erecção burlescamente exagerada. As tatuagens de alguns encarcerados da Penitenciária de Lisboa – um homem nu com um erotismo de sátiro na perna esquerda e uma mulher nua na direita – são comuns nestas ou em outras regiões do corpo. As mulheres são ordinàriamente desenhadas sob formas rotundas ; num tatuado que examinei recentemente havia no antebraço esquerdo a figura de uma mulher em que a preocupação dominante fora a amplitude dos seios, do ventre e das nádegas ; no antebraço direito um homem igualmente nu com o órgão sexual característico de dimensões quase iguais às de todo o desenho. O distinto médico-alienista dr. Júlio de Matos informou-me que tivera notícia de um tatuado que fizera desenhar no braço um Cristo com um falos em erecção de dimensões desproporcionadas.

40Um tatuado, autóctone de Lisboa, tinha no lado direito do peito duas figuras em atitude e nudez que faziam lembrar os conhecidos vícios de Sodoma ; referências a esta depravação do instinto genésico aparecem mais, embora com pequena percentagem. Das desta natureza enumeradas por Lombroso bastará referir a de um cão sodomizando um gendarme, conforme as palavras do próprio tatuado : un chien qui emmanche un gendarme.

41De safistas e pederastas, nos quais alusões literais ou simbólicas a essas preversões torpes são vulgares, nada observei nem sequer recebi notícia. As mãos entrelaçadas em que Lacassagne julga ver a marca denunciativa dos pederastas, significam, nos desenhos que examinei, ou amizade, ou amor absolutamente naturais. É presumível todavia que, dada a analogia das tatuagens portuguesas com as das populações que nos servem de comparação, se encontrem desenhos ou inscrições com os intuitos das seguintes : mãos entrelaçadas e a frase – L’amitié unit les cœurs, a simples inscrição flagrantemente significativa – Ami du contraire, etc.

42A existência de tatuagens nos lugares mais sensíveis da pele e sobre a qual Berchon, Lacassagne e Lombroso acumularam excelentes materiais, foi verificada tão pouco entre alguns tatuados portugueses. O eminente antropologista francês refere, entre muitas que é desnecessário enumerar, as inscrições desenhadas logo acima do púbis : Plaisir des dames, Venez, mesdames, au robinet d’amour, etc. ; ou numa nádega : um zuavo com a baioneta cruzada e sustentando uma bandeira onde se lê – On nentre pas. Lombroso narra, entre outros, o facto de um tatuado que fizera desenhar na glande a cara de uma mulher e, de modo tal, que a boca correspondia ao meato urinário ; ainda outro tinha escrito ao longo da verga : Entra tutto.

43Três tatuados portugueses tinham no pénis: um, o número da companhia a que pertencera quando era militar ; outro, um falos grosseiramente desenhado ; o terceiro, as iniciais do nome da amante.

3.a – Emblemas religiosos

44Os símbolos de religião, especialmente nos indivíduos não criminosos, são os mais vulgares e variadíssimos na forma, na extensão e na sede. Já se aludiu à antiguidade desta forma da tatuagem em grande número de povos e principalmente entre os cristãos, os quais viram tal prática condenada desde Moisés até às afastadas deliberações proibitivas dos concílios ; a despeito de tudo, o emblema religioso persistiu nas populações profundamente devotas, como diz o antropologista de Turim quando se refere ao povo de Itália e todos nós relativamente aos portugueses, uma vez conhecida a proporção avultada dos símbolos católicos. Essa persistência que é explicada satisfatòriamente e a um tempo pelo atavismo e, mais ainda, pela vitalidade que a religião conserva nas tradições, teve períodos, certo, de desigual generalização. Por tempos do Desejado, antes de Alcácer Quibir, raro era o popular que não marcasse no peito o Cristo ou as inscrições e emblemas figurativos da sua tragédia neste mundo ; e mesmo porque a guerra vinha próxima, se ficassem em terras de moiros, restasse ao menos o vestígio de que haviam morrido abraçados na inabalável fé do seu Deus. É este sentimento ainda o que domina em alguns tatuados franceses fazendo desenhar Cristos, anjos e santos da sua devoção ; certos marinheiros de Itália, a fim de que os reconheçam se morrerem no mar alto ; os peregrinos de Loreto, para que lhes fique inolvidável a data de sua piedosa romagem ; os visitantes dos Lugares Santos ; muito português que emigra antes ou durante a primeira viagem aos países longínquos ; e até várias tribos bárbaras tatuando-se com ferro em brasa para que, antes de entrarem no paraíso, tenham sofrido a purificação do fogo que limpa todas as impurezas terrenas.

45A percentagem da figura religiosa é, pois, a mais elevada. Os dois traços da cruz ou cinco pontos representando as cinco chagas de Cristo, as letras I. N. R. I. sobrepostas aos dois cravos cruzados com que pregaram as mãos do Senhor no madeiro, são as mais simples e ingénuas. Vêm seguidamente as cruzes ornamentadas, com a coroa de espinhos ao través, a legenda que diz de que povo Jesus era rei, pedestais onde o crânio e dois fémures significam a inelutável certeza do fim derradeiro (fig. 9). Os Cristos, numerosíssimos, são de ordinário acompanhados dos emblemas que contam pitorescamente toda essa adorável história de resignação no martírio : o cálice com que lhe apareceu o anjo no monte Olivete ; os cilícios com que lhe aplicaram os açoites ; os dados com que lhe jogaram a túnica ; a lança com que Longuinhos o varou ; a esponja que lhe chegaram à boca para beber o fel amargoso ; a escada, a que subiram para o desligarem da cruz ; as tenazes com que lhe arrancaram os cravos ; o Sol e a Lua, enfim, que representam a passagem da claridade para as trevas, logo que Jesus expirou, e as pedras se partiram e o mundo tremeu (fig. 10).

46Outras vezes ainda tem o Cristo desenhado lateralmente as imagens de S. João e de Nossa Senhora, ou, em vez destes, as figuras de pessoas de família do tatuado em postura de oração ; os sudários ou o rosto de Jesus inscrito na coroa de espinhos e com algum dos emblemas referidos, embora mais ou menos modificados, são igualmente comuns (fig. 11). Outros desenhos alusivos a fastos da igreja apresentam-se com uma frequência e variedade dependente da vontade do tatuado ou do seu operador : santos de particular devoção (fig. 12), os braços de S. Francisco na atitude tradicional (fig. 13), o anjo da guarda dominando Satanás sob os pés e numa das mãos a balança que pesa as culpas e as boas acções (fig. 14).

47Contrapõe-se a esta multiplicidade de desenhos com o carácter religioso a carência de figuras patrióticas, abundantes nos italianos, sobretudo nos militares que serviram na guerra contra a Áustria, e ainda entre os franceses que, além de reproduzirem os retratos dos homens mais proeminentes do seu país, imprimem na pele bustos da República, imagens de alsacianos, as armas de Estrasburgo, cabeças de prussianos, etc. Este facto explica-se talvez pela falta de acontecimentos de vulto que, até há pouco, tenham sobressaltado deveras o país e ainda pela noção dé amor pátrio, tão geralmente obliterado.

4.a – Emblemas-metáforas e fantasistas

  • 1 O meu amigo e ilustre etnógrafo J. Leite de Vasconcelos mostrou-me um trabalho em preparação destin (...)
  • 2 Esse trabalho de José Leite de Vasconcelos só veio a ser publicado em 1918, nas páginas de O Archeo (...)

48De todos os sinais encontrados entre os nossos tatuados o mais espalhado é o signo-samão, saimão ou sanselimão (fig. 15), destinado, na crença popular, a defender dos maus olhados ou a afugentar as coisas ruins. Esta marca, cuja interpretação etnográfica está por fazer (1), aparece em todos os objectos da arte e da indústria populares : na cerâmica, na ourivesaria, nos utensílios de pesca, nas cangas dos bois. As formas são modificadas como se vê na fig. 16 por exemplo, e, porventura, formas estranhas identifica-as o povo com o seu amuleto. A aliança da cruz com a marca clássica merece reparo visto ser desnecessária a figuração de dois símbolos destinados provàvelmente aos mesmos efeitos, facto já observado por Leite de Vasconcelos no seu estudo sobre a ornamentação dos jugos. Esta é, de resto, a nossa tatuagem clássica, que convém portanto assinalar e tanto mais quanto nos trabalhos que nos têm servido de comparação não é acusada uma só vez.2

49Em todos os povos que se tatuam a adopção dum determinado desenho representativo duma ideia mais geralmente dominante é um facto verificado ; no francês o amor perfeito, « flor da recordação e da esperança », apresenta-se com uma singular profusão acompanhado de legendas que dizem bem o intuito do tatuado – à elle, à Rosalic, à Constance – ou até o retrato da amante traçado numa das pétalas. Os emblemas dos camorristas, dos franco-maçãos, de outras sociedades secretas, de seitas e de castas, restringem o sentido quase universal que se observa no grande número de tatuagens já descritas e comparadas aos grupos que as adoptam ; e quando, como no nosso caso, o sinal é, a bem dizer, privativo dum povo, existe algum facto de ordem social, psicológica ou etnográfica a concluir. Feita a interpretação do signo estará tão pouco explicada a razão da sua abundância e persistência.

50Na categoria dos emblemas-metáforas há motivos para incluir os corações trespassados simples ou unidos (fig. 17), com iniciais ou datas, alguns desenhos obscenos mesmo, visto aludirem a aspectos vários da paixão amorosa ; estão ainda neste caso as mãos que se apertam.

51A tatuagem exclusivamente fantasista é entre nós o peixe, o lagarto, a serpente e a ave (figs. 18 e 19) ; os vasos de flores (fig. 20) e o sol (fig. 21) ; o anel ; todos os desenhos, enfim, modificados na simplicidade primitiva pela preocupação ornamental (fig. 22) grácil ou de simetria.

5.a – Inscrições

52Este capítulo quase poderia ser suprimido do quadro pois que as iniciais e as datas já enumeradas nas linhas que precedem constituem a grande parte das inscrições dos nossos tatuados. A existência, porém, duma certa, com que o nosso amigo e ilustre arqueólogo, dr. Santos Eocha, deparou num tatuado da Figueira da Foz levam-me a abrir especialmente este parágrafo. Trata-se da fórmula mágica da fig. 23 que aqui reproduzo

  • 3 A propósito da origem e significado desta fórmula tatuada, Rocha Peixoto voltou a escrever algumas (...)

a qual, como se vê, poderá ser igualmente lida nas quatro direcções indicadas pelos traços. Da sua interpretação ocuparam-se Eeinhold Koehler, que fez sobre ela uma comunicação à Sociedade antropológica de Berlim, e Webster, que a comentou e ampliou no jornal inglês The Academy ; este último trabalho foi trasladado para português na Revista do Minho, pelo sr. J. Leite de Vasconcelos. É, conforme a afirmação dos dois sábios estrangeiros referidos, um remédio mágico contra a febre dos homens e dos animais e a sua antiguidade vai até à época romana, existindo ainda hoje em vários países da Europa e no Brasil. A origem remonta provavelmente a algum estribilho de ritual da Roma pagã, apropriada mais tarde, como muitas superstições antigas, pelo cristianismo. As antigas nóminas e ainda as orações impressas sob uma imagem gravada e cuja leitura e posse livra de epidemias e febres, aproximam-se, no intuito, da fórmula transcrita. A possibilidade de ser lida horizontal e perpendicularmente da direita para a esquerda ou vice-versa é característica nesta espécie de amuletos ; se se lê num sentido satisfaz e torna propícios os bons deuses, atraindo-os para a cura ; contrário o resultado se é lida às vessas. (3)

53Infelizmente quem apresentava esta singular tatuagem não deu o motivo que levou o operador a imprimir-lha ; seria interessante conhecer a intenção e explicação popular da sua presença.

IV Estudo antropológico da tatuagem

Similitude da mutilação, no processo e na índole, entre povos sem laço algum etnogénico ; sua explicação pelas viagens, emigrações, imposição pela conquista e analogia do espírito humano (Darwin). Factores : a religião, a imitação, a ociosidade, a paixão amorosa e o instinto erótico ; a necessidade de exprimir ideias por símbolos, nos analfabetos (Lacassagne); a vitalidade da tradição (Lombroso).

54A difusão da tatuagem executada por um mesmo processo e sob moldes inteiramente similares, em populações cujos laços etnogénicos são nulos ou por enquanto desconhecidos, põe de parte, consequentemente e desde o princípio, a ideia dum parentesco estreito entre muitos dos povos que a adoptam. Em países verdadeiramente distintos sob o ponto de vista antropológico há práticas comuns cuja explicação está nas viagens dos membros de famílias tão diversas, nas emigrações, na imposição pelas conquistas e ainda mais na similitude do instinto do homem. Não se compreende de outro modo a coexistência duma mesma mutilação cefálica entre certos povos europeus e os habitantes da Patagónia, uma dada amputação digital em tribos das costas da África ocidental e do Paraguai, a tatuagem por picadas, enfim, em povos sem relação alguma conhecida nos tempos históricos. A hipótese da junção, em períodos geológicos anteriores, de continentes actualmente separados, seria ainda precoce e, em muitos casos, improvável.

55A prática da tatuagem pelo modo como está quase universalizada e por certas leis gerais a que se subordina em todos os tempos e em todos os lugares, explica-se satisfatoriamente para todos os povos que a usam com determinantes absolutamente as mesmas. As causas apresentadas pelo eminente antropologista de Turim e que explicam a persistência e a índole dos desenhos são, na quase totalidade, as mesmas que satisfazem aos que estudam a tatuagem em Portugal. Ora é de ver – principalmente se estendermos a pesquisa a todas as categorias da mutilação – que entre povos de origens diversíssimas a interpretação do costume tem igualmente o mesmo cabimento. Tal facto demonstra que, neste como em outros hábitos, o homem procede por um instinto comum, sem intervenção, muitas vezes, de pressupostas relações de qualquer ordem.

56Seguindo as causas que Lombroso refere para explicar a perpetuidade da mutilação temos, em primeiro lugar, a religião. É manifesta, entre nós, a importância deste motivo ; a existência e a multiplicidade de qualquer símbolo religioso é, no grande número de casos, justificada pelos operados como sinais evidentes da sua fé cristã, uma marca que os denuncie católicos se morrerem no mar ou nos lugares distantes. O Cristo é, de ordinário, a imagem preferida ; mas o santo de particular simpatia, mais que qualquer outro, demonstra a preocupação religiosa do intento. Do mesmo modo justificam a natureza destas tatuagens não só as populações a que precedentemente nos referimos, mas ainda povos como os birmãs e os zelandeses, entre os quais os próprios sacerdotes exercem a arte.

57A imitação tem igualmente valor como causa de propagação da tatuagem. Um tatuado de Cascais que, nas suas viagens pela costa, continuava a espalhar o costume, dizia que, em rapaz, era moda semelhante uso. É interessante aproximar desta explicação a que foi dada a Lacassagne por um dos vários encarcerados de certa prisão, tatuados todos no braço com a frase Pas de chance : adoptava-a tão pouco parce que tous les prisonniers étaient ainsi.

58A permanência nas prisões, nos navios e nos quartéis, dando lugar a períodos de grande ociosidade, origina tão pouco a persistência fecunda do costume. Um pescador de Sesimbra, operador emérito, nos intervalos dos trabalhos marítimos desenhava os braços dos companheiros sem propósito de lucro mas apenas para matar o tempo. O sr. Queirós Veloso relata o facto observado numa clínica, duma mulher tatuada pelo marido nas horas vagas e por não ter que fazer. Um outro operado afirmava-me que se sujeitava à prática por brincadeira ; alguns frequentadores da Relação do Porto não explicavam de modo nenhum a existência do desenho nem a sua significação.

59As paixões humanas mais elevadas explicam ainda entre nós algumas tatuagens representativas da amizade filial, de várias recordações gratas, de amor, até, em alguns casos: certos operados em que se encontram simples corações escolhiam este desenho com um sentido oculto e honesto dirigido à mulher estimada. Mas geralmente o instinto erótico é o motivo fundamental das figuras amorosas e, naturalmente, das pornográficas.

60Acima, porém, de todas estas causas é necessário reconhecer, com Lacassagne, a necessidade das pessoas analfabetas em exprimirem por figuras ou símbolos as ideias que não podiam representar de outra arte, facto tão remoto que, como geralmente se sabe, antes da invenção da escrita já o pensamento era transmitido pelo hieróglifo. Na presença duma tatuagem representativa do martirológio de Cristo o operado conta uma história que nunca saberia reproduzir literalmente ; as figuras amorosas ou obscenas envolvem muitas vezes pensamentos relativamente complexos ; os astros, as flores, os animais, a âncora, o navio, o tambor e todas as marcas profissionais enfim são representações objectivas de ideias cuja transmissão mal fariam por outro modo. Em apoio desta hipótese, cuja verosimilhança é atestada por muitos factos anteriormente indicados, o distinto médico francês assinala outros porventura mais decisivos. Interessa sobremodo atender às tatuagens simultâneamente figurativas e fonéticas quase exclusivas dos indivíduos cuja cultura é demasiadamente rudimentar ; um coração em chamas acima do qual estava escrita a palavra mon e sobreposta a frase à toi significava, no dizer do tatuado, mon coeur brúle pour toi ; as iniciais V. L. E. B. V. juntas a dois copos e uma garrafa queriam dizer vive l’amour et le bon vin ; o número 20 (vingt), um coração (cœur) e a inscrição d belles, traduzir-se-ia pelas palavras vainqueur des belles.

  • 4 Em 1903, num jornal portuense, Rocha Peixoto acusou Álvaro Teixeira Bastos de, numa tese que acabar (...)

61Por último – e esta é a determinante principal para Lombroso – a tradição influi poderosamente na perpetuidade do costume, causa deveras importante e que não carece de justificação depois de, conhecido o esboço histórico já exposto, considerarmos que muitas superstições dos povos primitivos se vêm transmitindo até hoje, com tanta mais tenacidade e semelhança com os tipos primordiais, quanto os povos que a conservam estão mais atrasados em cultura. (4)

62Porto, Maio, 1891.

Bibliographie

A. A. CASTELO BRANCO. –Estudos penitenciarios e criminaes, Lisboa, 1888.

A. LAGASSAGNE. – Les tatouages (Étude anthropologique et médicolegale), Paris, 1881.

CHARLES DAR WIN.– La descendance de l’homme, Paris, 1881.

CÉSARE LOMBROSO. – L’homme criminei, Paris, 1887.

E. MAGITOT. –Essais sur les mutilations ethniques, in Compte-rendu du Congrès international d’anthropologie et d’archéologie pré-historiques (9ème session), Lisbonne, 1884.

ERNEST BERCHON. – Histoire médicale du tatouage, Paris, 1869.

GABRIEL DE MORTILLET.–Le préhistorique, Paris, 1885.

LEITE DE VASCONCELOS. – Formulas magicas, in Revista do Minho, I vol., Barcelos, 1886.

NERY DELGADO. – La grotte de Furninha à Peniche, in Compte-rendu do congresso de Lisboa, Lisbonne, 1884.

QUEIRÓS VELOSO. – A tatuagem nos delinquentes, in Revista do foro portuguez, vol. IV, Porto, 1889.

Notes

1 O meu amigo e ilustre etnógrafo J. Leite de Vasconcelos mostrou-me um trabalho em preparação destinado à Revista da Sociedade Carlos Ribeiro e relativo ao famoso sinal,o qual, sem dúvida, reunirá a maior soma de documentos sobre o assunto e me dispensa, consequentemente, de alguma consideração insignificante que poderia aqui representar a tal respeito. (*)

2 Esse trabalho de José Leite de Vasconcelos só veio a ser publicado em 1918, nas páginas de O Archeologo Português [José Leite de Vasconcelos – « Signum Salomonis (Estudo de Etnografia comparativa)», in O Archeologo Português, vol. 23 (Lisboa, 1918), pp. 203-316 (há separata)].
Leite de Vasconcelos refere-se, no seu estudo, a este trabalho de Rocha Peixoto sobre A Tatuagem em Portugal [pp. 235 (notas 1 e 5), 241 e 251 do vol. cit. de O Archeologo Português].
A Revista da Sociedade Carlos Ribeiro a que Rocha Peixoto, acima, se refere, era a Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, órgão da « Sociedade Carlos Ribeiro». Rocha Peixoto, secretário da «Sociedade», dirigia então, com Ricardo Severo, a mencionada Revista.

3 A propósito da origem e significado desta fórmula tatuada, Rocha Peixoto voltou a escrever algumas linhas, em 1901, numa nota publicada na revista Portugalia [R. P. – « A origem d’uma formula magica», in Portugalia, tomo I, n.° 3 (Porto, 30 de Setembro de 1901, pp. 628-629)].
Adiante se publicará, neste vol. I das OBRAS de Rocha Peixoto, a referida nota.

4 Em 1903, num jornal portuense, Rocha Peixoto acusou Álvaro Teixeira Bastos de, numa tese que acabara de defender e de publicar, haver plagiado não só o estudo que ele, Rocha Peixoto, escrevera sobre A Tatuagem em Portugal, mas ainda outros trabalhos, de autores diversos, que versavam a mesma matéria (Rocha Peixoto – « A burla d’uma these. A Tatuagem nos criminosos, por Álvaro Teixeira Bastos – Porto, 1903», in jornal O Norte, do Porto, de 7 de Novembro de 1903, p. 1). Álvaro Teixeira Bastos defendeu-se da acusação num outro jornal portuense, onde, numa linguagem grosseira, procurou minimizar a probidade e os méritos de Rocha Peixoto (Álvaro Teixeira Bastos – « A minha burla», in jornal A Voz Publica, do Porto, de II de Novembro de 1903, p. 1). Com dignidade lhe respondeu Rocha Peixoto, dizendo que, perante os « factos evidentes» apontados no seu artigo anterior nada tinha a acrescentar (Rocha Peixoto – « A burla d’uma these » in O Norte de 12 de Novembro de 1903, p. 1). Voltou à carga o antagonista, no dia seguinte, apenas para lançar novos insultos sobre Rocha Peixoto (Álvaro Teixeira Bastos – « A minha burla», in A Voz Publica de 13 de Novembro de 1903, p. 1).
Os textos de Rocha Peixoto referentes a esta polémica serão publicados no vol. II das suas OBRAS.

Notes de fin

1 Trabalho publicado na Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. II, n.os 7 e 8 (Porto, 1892-1893), pp. 97-111 e 145-157.
Um resumo deste trabalho foi publicado por Rocha Peixoto, com o mesmo título, no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, em 16 de Fevereiro de 1893 (p. 1) – resumo que o cientista inseriu, depois, no seu livro A Terra Portugueza (Chronicas Scientificas) (Porto, 1897), pp. 11-20. O jornal O Século, de Lisboa, de 7 de Março de 1897, transcreveu, por sua vez (p. 1), o texto inserto em A Terra Portugueza, mas acompanhado das 23 gravuras que, com maiores dimensões, tinham saído no trabalho do vol. II da Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes.
Quando, na citada Revista, foi publicado o estudo de Rocha Peixoto, dele se tirou a seguinte separata: A Tatuagem em Portugal/por/ROCHA PEIXOTO/com 23 figuras em VIII planchas/Porto/Typographia Occidental/80– Rua da Fabrica – 80/1892/ 32 págs., 171 x x 97,5 mm.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search