Version classiqueVersion mobile

Etnográfia portuguesa

 | 
Rocha Peixoto

Prefácio

Flávio Gonçalves

Texte intégral

  • 1 Sobre o conceito, na escola etnológica portuguesa, dos diversos capítulos da Etnografia,consultar p (...)

1Na história da Etnografia nacional Rocha Peixoto é uma figura específica e de recorte nítido, como arado brilhante que rasgou novos e fecundos sulcos. Apaixonado pelas formas da cultura material do povo, ele foi, se não o fundador, pelo menos o mais activo pioneiro, e o primeiro cultor acabado, dos nossos estudos de ergologia (e de tecnologia). Por outro lado, o seu interesse pela organização comunitária das populações serranas, sobre a qual recolheu grande soma de elementos, coloca-o na origem dos intérpretes de um dos mais típicos aspectos da etnossociologia portuguesa (1). Hoje, no âmbito da Antropologia Cultural, estas duas atitudes científicas avultam num largo significado.

  • 2 Vide : Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Var (...)
  • 3 No verso do anterrosto do opúsculo O Museu Municipal do Porto (História Natural), de Rocha Peixoto, (...)
  • 4 Vide: Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vo (...)
  • 5 Vide: Sociedade Carlos Ribeiro – Estatutos approvados pelo Governo Civil (2 de Agosto de 1888) (Por (...)
  • 6 Arruda Furtado – « Notas psychologicas e ethnologicas sobre o povo portuguez – I – Nomes vulgares d (...)
  • 7 Rocha Peixoto – « Contribuições para a Ethnographia Portugueza. Notas sobre malacologia popular », (...)
  • 8 Vide o índice do vol. II da Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes (Porto, 1893), p. V.
  • 9 Rocha Peixoto – «A Tatuagem em Portugal», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. II, n.os(...)

2Não começou Rocha Peixoto a sua carreira literária versando logo os temas que o haviam de notabilizar. Os mais válidos escritos da sua fase inicial, publicados quando já frequentava a Academia Politécnica do Porto, ligam-se às ciências naturais e à arqueologia, ou encerram críticas às nossas instituições de cultura e ao ensino oficial da época (2). Mas aos vinte e um, anos, em 1887, ao lançai o seu opúsculo acerca d’0 Museu Municipal do Porto (História Natural), anuncia como tendo « em preparação » um estudo etnográfico e antropológico sobre os pescadores da sua terra natal, a Póvoa de Varzim (3), o que demonstra que desde cedo a sua curiosidade pela etnografia se desenvolveu a par de outras predilecções intelectuais. Em 1887 desempenhou também Rocha Peixoto um papel fundamental na criação da « Sociedade Carlos Ribeiro» (4), em cujos propósitos cabia o da publicação de memórias « etnológicas » e « etnográficas » (5). Precisamente na Revista de Ciências Naturais e Sociais, órgão da « Sociedade Carlos Ribeiro», inseriu Rocha Peixoto, em 1889, as sintomáticas Notas sobre malacologia popular, onde, na esteira de Arruda Furtado (6), combinou os seus conhecimentos de naturalista com o resultado de uma série de investigações folclóricas a que, no respeitante às conchas e aos moluscos marinhos, procedera no litoral nortenho (7). Três anos mais tarde aparece o seu excelente e bem ilustrado estudo acerca de A Tatuagem em Portugal, que embora incluído na secção de « Antropologia » da Revista de Ciências Naturais e Sociais (8), constitui um marco importante no evoluir do etnógrafo. Pelo assunto escolhido – a análise de uma das expressões da iconografia popular e da respectiva técnica –, pelos métodos de pesquisa e de interpretação utilizados, ainda pelo enquadramento sociológico em que a matéria é considerada, preludia este estudo futuras monografias do homem da Portugália (9).

  • 10 Rocha Peixoto – « As Maias», in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 1 de Maio de 1894, p. 1.
  • 11 Rocha Peixoto – « O S. João », in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 23 de Junho de 1894, p. 1.
  • 12 Rocha Peixoto – « O Natal », in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 25 de Dezembro de 1894, p. 1.
  • 13 Vide: Consiglieri Pedroso – « Contribuições para uma mythologia popular portugueza.III – Algumas su (...)
  • 14 Rocha Peixoto – « Os Ciganos em Portugal», in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 17 de Agosto de 1 (...)
  • 15 Adolfo Coelho – Os Ciganos de Portugal (Lisboa, 1892).

3No entanto os etnógrafos portugueses da época continuavam a interessar-se essencialmente pela cultura espiritual do povo – tradições orais de toda a ordem, crenças e superstições, costumes –, numa exploração entusiástica dos domínios do que entre nós, e em certos outros países, se entende por folclore. Com trabalhos de natureza folclórica, Adolfo Coelho, Teófilo Braga, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos e Tomás Pires sobressaíam então no panorama da nossa incipiente ciência etnográfica. E as revistas nacionais consagradas, ao tempo, à Etnografia – a Revista do Minho, nascida em Barcelos em 1885, e a Revista Lusitana, fundada no Porto em 1887 –, navegavam nas mesmas águas. Eocha Peixoto Sentiu, na juventude, o efeito dos exemplos que o rodeavam. Se nas Notas sobre malacologia popular, primeiro ensaio etnográfico que publicou, o contributo de teor folclórico preenche quase todo o texto, outro tanto sucede nos três artigos que pelos vinte e oito anos remeteu, em 1894, para o jornal portuense O Primeiro de Janeiro, impressos num período em que o seu labor de publicista se repartia pelos mais variados sectores. Esses artigos, de carácter divulgativo e de temática sugerida pelo calendário, evocam as práticas tradicionais das Maias (10), do S. João (11) e do Natal (12), que são explicadas como sobrevivências de cultos pagãos – numa visão mitográfica que os nossos positivistas, anos antes, haviam espalhado (13). Também o seu artigo acerca dos costumes e da história dos ciganos, saído n’0 Primeiro de Janeiro em 1893 (14), reflecte de perto o livro que Adolfo Coelho acabara de dedicar ao assunto (15).

  • 16 F. Adolfo Coelho – « Esboço d’um programma de estudos d’ethnologia peninsular», in Revista d’Ethnol (...)
  • 17 Teófilo Braga – O Povo Portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, vol. I (Lisboa,1885), pp. (...)
  • 18 José Leite Vasconcelos – « Materiaes para o estudo das Bellas-Artes Populares Portuguesas. Instrume (...)
  • 19 J. Leite Vasconcelos – A proposito da ornamentação dos jugos e cangas dos bois nas provindas portug (...)
  • 20 J. Leite Vasconcelos – Tradições Populares de Portugal (Porto, 1882), pp. 191-194.

4Foi justamente Adolfo Coelho, conhecedor do conceito alemão do Volkslcunde, quem entre nós preconizou a necessidade do estudo das manifestações materiais (tecnológicas e plásticas) da herança social. Em 1880, no seu lúcido Esboço de um programa de estudos de etnologia peninsular, defendeu que ao lado das investigações antropológicas, filológicas e folclóricas era preciso examinar os barcos e os aparelhos de pesca, os carros de lavoura e as alfaias, a habitação e o traje, a cerâmica e a ourivesaria, as armas e as obras de arte, etc. (16) Poucos anos decorridos outro pioneiro, Teófilo Braga, não deixou de referir-se, nos dois volumes de O Povo Português (1885), a diversas manifestações etnográficas de tipo ergológico ; todavia os exemplos a que alude, se bem que inclusos no contexto das actividades económicas, derivam menos da observação que de buscas feitas em antigos documentosliterários e em relatórios oficiais (17). José Leite de Vasconcelos, entretanto, no meio de notícias de fonte oral, ia transmitindo uma que outra nota relativa a objectos saídos da mão do povo : na revista portuense 0 Panteão publicou o pequeno artigo acerca dos instrumentos musicais populares e infantis, que se desdobra sob a epígrafe «Materiais para o estudo das Belas Artes populares portuguesas » (18) ; a seguir, em 1881, editou o volumezinho A propósito da ornamentação dos jugos e cangas dos bois nas províncias portuguesas do Douro e Minho, o qual, apesar do título, contém muitas informações de cunho folclórico e simbológico, havendo apenas, nas quarenta e seis páginas do texto, três consagradas às formas, decorações e área de distribuição dos jugos, e mais duas sobre a possível raiz histórica das peças (peças reproduzidas, aliás, em doze gravuras) (19); no ano imediato, nas Tradições Populares de Portugal, surgiu a sua inesperada descrição das armadilhas para apanhar pássaros e peixes (20).

  • 21 Joaquim de Vasconcelos – « Da architectura manuelina», in Exposição Distrital de Coimbra em 1884 (C (...)
  • 22 – «Exposição de Trabalhos Mechanicos e das Industrias Caseiras», in Revista da Sociedade de Instruç (...)
  • 23 – «Exposição de Ceramica em Outubro de 1882 », in Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. (...)
  • 24 – « Relatorio e Programma da Exposição de Ourivesaria e Joialheria Nacional», in Revista da Socieda (...)
  • 25 A. A. Baldaque da Silva – Estado Actual das Pescas em Portugal (Lisboa, 1982), pp. 187-359, 361-369 (...)
  • 26 Eurico Gama – Cartas de Leite de Vasconcelos a António Tomás Pires (Lisboa, 1964), pp. 147 (nota 32 (...)
  • 27 José da Silva Picão – A través dos Campos. Usos e Costumes Agrícolo-Alentejanos (Concelho de Eivas)(...)
  • 28 José Germano da Cunha – Apontamentos para a história do Fundão (Lisboa, 1892), pp. 72-78.
  • 29 A. Mesquita de Figueiredo – «Etnografia Portuguesa. 1 – Habitações da Beira-Mar », in Terra Portugu (...)
  • 30 – « Casa Portugueza », in Arte Portugueza, vol. I (Lisboa, 1895), pp. 21-22 e 141- -142 ; Henrique (...)
  • 31 Exposição de Alfaia Agricola. Na Real Tapada da Ajuda. Em 1898. Documentos. Introdução, programma, (...)

5As exigências económicas do país conduziram, por seu turno, à propaganda do artesanato nacional e à realização de inquéritos às indústrias populares – o que permitiu, naturalmente, a descoberta de alguns aspectos tecnológicos da nossa cultura tradicional. Lembrem-se, além de outras de menor projecção, as Exposições que a « Sociedade de Instrução do Porto», sob a influência de Joaquim de Vasconcelos (21), promoveu e levou a cabo no Palácio de Cristal. Delas, a Exposição de Trabalhos Mecânicos e das Indústrias Caseiras, aberta em 29 de Abril de 1882, patenteou obras de cestaria, alfaias, mobiliário, trajes regionais, rendas, etc. (22) Meses após, em 22 de Outubro, a « Sociedade » inaugurava a famosa Exposição de Cerâmica, com um mostruário notável da olaria popular do norte ao sul de Portugal, incluindo a dúplice representação das louças e da imaginária (23). Posteriormente teve lugar a Exposição de Ourivesaria e Joalharia, inaugurada em 16 de Setembro de 1883, em que ao lado dos objectos de factura antiga se exibiram os dos artífices de núcleos industriais localizados (24). E ainda na esfera deste movimento, que pretendeu apontar rumos na revitalização da nossa economia, recordo, de 1892, o detalhado inquérito de Baldaque da Silva ao Estado actual das pescas em Portugal, cheio de indicações, e de estampas, sobre os aparelhos e os processos da pesca, os aparelhos da apanha do sargaço, os modelos das embarcações dos pescadores (25). Em contrapartida, nos estudos de etnografia rural as referências ao mundo ergológico só episòdicamente afloram, na época. Merece por isso destaque o facto de Silva Picão, no seu belo e singular trabalho Através dos Campos – impresso primeiro num jornal de Eivas, de 1891 a 1899, sob o pseudónimo de João Chaparro (26) – ter dado grande atenção às actividades dos camponeses alentejanos e às suas habitações e mobiliário, utensílios e alfaias, vestuário, etc.27 José Germano da Cunha, em 1892, nos Apontamentos para a história do Fundão, descreveu também as indústrias locais, as azenhas, lagares, fornos, a caça e a pesca (28). Por último, em 1895 e 1896, a casa popular despertou a intervenção de alguns, falando Consiglieri Pedroso dos palheiros da beira-mar (29) e divulgando os colaboradores da Arte Portuguesa e do Ocidente vários aspectos das moradias rústicas e arcaicas (30). Em 1898, durante as comemorações do quarto centenário da chegada de Vásco da Gama à Índia, realizou-se em Lisboa, na Tapada da Ajuda, a primeira Exposição de Alfaia Agrícola, que incluiu um conjunto de espécimes regionais (31).

  • 32 J. Leite de Vasconcelos – « Museu Ethnographico Português», in Revista Lusitana, vol. III (Porto, 1 (...)
  • 33 F. Adolfo Coelho – Exposição Ethnographica Portugueza. Portugal e Ilhas Adjacentes (Lisboa, 1896), (...)
  • 34 F. Adolfo Coelho, ob. cit., pp. 12-46.

6Todos estes elementos, acidentais, órfãos de um método de recolha, nem por sombras poderiam competir, em volume, com a amplidão das colheitas folclóricas que pela mesma altura se publicavam no país. Mas em breve a cultura popular de carácter material entrou, por via teórica, na sistemática da nossa Etnografia. Criado, por decreto de 20 de Dezembro de 1893, o Museu Etnográfico Português (depois Museu Etnológico Português), José Leite de Vasconcelos, director da instituição, inseriu na Revista Lusitana um elucidativo artigo revelando o que na secção de « arqueologia» e na secção « moderna» tencionava expor no estabelecimento. Tal artigo legou-nos o primeiro catálogo das manifestações da ergologia nacional, pois Leite de Vasconcelos queria transportar para o Museu, e através de objectos, desenhos e fotografias – como veio a acontecer – uma amostra das actividades tecnológicas, económicas, domésticas e artísticas do povo português, actividades que em vários casos o autor do artigo comentou (32). Logo a seguir, no sou histórico « Programa» da Exposição Etnográfica Portuguesa, de 1896, Adolfo Coelho inventariou, metódica e minuciosamente, o campo das tradições materiais. Reconhecendo que até ali os nossos etnógrafos se haviam debruçado em particular sobre a face do folclore, insistiu na urgência de, dentro de moldes científicos, se estudarem a habitação, o vostuário, as formas e os instrumentos de trabalho, os meios de transporte, as belas-artes populares, etc. (33) E ao esquematizar, então, um « Programa » de investigações etnográficas, colocou em evidência os diversos capítulos da ergologia, elaborando a lista exaustiva dos objectos que a cada capítulo diziam respeito (34).

  • 35 O fascículo n.° 1 da revista Portugália acabou de se imprimir, no Porto, em 31 de Março de 1899 (Ve (...)
  • 36 Vide: Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industri (...)
  • 37 Vide: M. Vieira Natividade – « Rocha Peixoto», in Illustração Transmontana, 2.° ano(Porto, 1909), p (...)

7Talhado o caminho, faltava alguém começar a percorrê-lo a sério. A esta tarefa se entregou persistentemente Rocha Peixoto, servindo-lhe a Portugália de órgão literário próprio. O « Prospecto» que acompanhou o primeiro fascículo da magnífica revista – distribuído em Abril de 1899 (35) – previa já a publicação de « monografias gerais e parcelares»sobre : As tradições populares. Habitação do povo português. Alimentação ; recursos naturais do solo. Vestuário. Mobiliário doméstico. 0 trabalho. A vida, a economia e a alfaia agrícolas. A caça. A pesca. As indústrias populares no presente e no passado. Estética popular : a arquitectura, a escultura, a pintura, a literatura, a música e a dança. Formas sociais. Formas da vida religiosa. Formas da vida especulativa. Compendiava o programa etnográfico da Portugália, assim, todas as aquisições feitas pelos nossos cientistas, ao mesmo tempo que exprimia, de modo iniludível, a sua tendência inovadora de conceder um importante lugar à matéria ergológica, mormente nas implicações técnicas, económicas e estéticas. Conhecidos os temas dos trabalhos que Rocha Peixoto publicou na Portugália, e dado que o ilustre ensaísta colaborou na fundação da revista (36), é-se levado a acreditar que a orientação etnográfica defendida no « Prospecto» do órgão portuense se deve sobretudo a Rocha Peixoto – como a Ricardo Severo e a Fonseca Cardoso pertencem, por certo e respectivamente, os princípios basilares defendidos no âmbito da Arqueologia e da Antropologia (37).

  • 38 Vide: Augusto Nobre – « Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único, Póvoa de (...)
  • 39 Augusto César [Rocha Peixoto] – « Do Porto», in A Independencia, da Póvoa de Varzim, de 25 de Outub (...)
  • 40 Vide: Augusto César [Rocha Peixoto] – «Do Porto», in jornal A Independencia, da Póvoa de Varzim, de (...)
  • 41 Vide: A. A. da Rocha Peixoto – «O Museu municipal de Historia Natural do Porto», in A Provincia, do(...)
  • 42 João Pimentel – «Collegio do Padre Francisco», in O Tripeiro, 3.a série, n.° 22 (Porto, 1926), p. 3 (...)
  • 43 Vide : Joaquim de Vasconcelos – «Industrias Portuguesas», in O Commercio do Porto de 15, 21, 22, 26 (...)
  • 44 J. B. [João Barreira] – « Os Mortos. Xavier Pinheiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, (...)
  • 45 Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro. Notula Historica », in Revista de Sciencias Naturaes (...)
  • 46 Rocha Peixoto – A Terra Portugueza (Chronicas Scientificas) (Porto, 1897), pp. 11-20, 75-86, 109-12 (...)
  • 47 No que resta do espólio de Rocha Peixoto encontram-se muitos apontamentos etnográficos colhidos pel (...)
  • 48 Numa carta enviada dois dias antes a Tomás Pires, Rocha Peixoto considera o opúsculo de Adolfo Coel (...)
  • 49 Eurico Gama, ob. cit., p. 97.
  • 50 Eurico Gama, ob. ci., p. 100.

8Sabe-se que Oliveira Martins exerceu uma grande influência na formação intelectual de Rocha Peixoto. Em 1884, contava Rocha Peixoto dezoito anos, já o escritor da Teoria do Socialismo oferecia um dos seus livros ao jovem poveiro (a estudar na capital do Norte) e o aconselhava a retirar-se de uma polémica, contra os jesuítas, em que se envolvera (38); em Outubro-Dezembro do mesmo ano, no jornal A Independência, da Póvoa de Varzim, publicava Rocha Peixoto uma crítica ao volume que Oliveira Martins lhe oferecera – as Tábuas de Cronologia e Geografia Histórica (Lisboa, 1884) (39); ainda em fins de 1884 Hamilton de Araújo, António Nobre, Rocha Peixoto, João Barreira, Ricardo Severo, Fonseca Cardoso e outros, alunos da Escola Académica do Porto, organizavam neste colégio o chamado « Grémio Oliveira Martins», de intenções literárias e científicas, que com a presença do homenageado se inaugurou em Fevereiro de 1885 (40) ; tempos volvidos, em 1887, foi nas colunas do jornal A Provínda, à época dirigido por Oliveira Martins, que Rocha Peixoto se acolheu para lançar a campanha em prol do Museu Municipal do Porto (41). Posto em contacto com as obras do autor da «Biblioteca das Ciências Sociais», cedo o futuro etnógrafo da Portugália se habituou a organizar os dados da cultura popular na perspectiva tecnológica, e sócio-económica, que Oliveira Martins traçara, por exemplo, em 1883, no Quadro das Instituições Primitivas e n’O Regime das Riquezas. As Exposições da « Sociedade de Instrução do Porto» também deviam ter impressionado o moço Rocha Peixoto. Se não possuímos a garantia documental de que ele as visitou, apesar de nos anos anteriores a 1884 estar já no Porto a estudar (42), ninguém duvida, pelo menos, que conheceu o Museu Industrial e Comercial – com peças do artesanato, trajes e alfaias –, que em 1886 a referida « Sociedade » instalara no Palácio de Cristal (43). Ora importa frisar que no estudo prometido por Rocha Peixoto, a partir de 1887, sobre os pescadores da Póvoa de Varzim (estudo que afinal jamais chegou a publicar), entravam, ao lado das tradições religiosas e da superstição, « a forma das suas indústrias», « os aparelhos variadíssimos da vida do mar », os «processos de salgar o peixe, e todas essas mil manifestações da sua vida colectiva, que representam os documentos mais seguros para a ciência etnográfica (44)». Nas viagens que efectuou na juventude, mais os companheiros da « Sociedade Carlos Ribeiro », do mesmo modo quis (e conseguiu) levar a cabo, para além, de pesquisas geológicas e arqueológicas, excursões ao Suajo e à Beira (por causa dos costumes dos montanheses) e visitas às feiras de Barcelos, Penafiel, Arcos de Valdevez e Ponte de Lima (para analisar os objectos das indústrias populares) (45). Vincada, de início, a sua linha de etnógrafo andarilho e inclinado ao exame dos documentos da ergologia, não admira que nas tendências, mentalidade e experiência do ensaísta de A Tatuagem em Portugal tivesse a lição do Adolfo Coelho encontrado o melhor terreno. Desde 1894, quando escreveu para O Primeiro de Janeiro os artigos de feição folclórica já atrás citados, até 1899, ano do aparecimento da Portugália, não publicou Rocha Peixoto, é certo, nenhum trabalho etnográfico – limitando-se a incluir no seu volume A Terra Portuguesa, em 1897, os artigos que escrevera para o jornal portuense (46). Contudo, durante este intervalo o cientista voltara-se, decidida e definitivamente, para o campo da Etnografia, e em particular para o da cultura material do povo (47). Que, ao nascer a Portugália, as suas inclinações e método se lhe impunham com força e clareza prova-o uma carta que na altura escreveu a Tomás Pires, datada de 13 de Abril de 1899. Explicando ao estudioso alentejano como deveria realizar os inquéritos etnográficos, Rocha Peixoto aponta-lhe e envia-lhe o « Programa» publicado em 1896 por Adolfo Coelho (48) e sugere-lhe investigações de-tipo exelusivamonte ergológico ! Eu faria assim – escreve –, na esplêndida região que habita V.a Ex.a Examinando várias casas rurais procurava encontrar uma que resumisse os traços característicos fundamentais, ou duas, se dois fossem os tipos, ou mais, etc. Descrevia-a com toda a individuação e minúcia, para o que serve excelentemente o Guia do Coelho. E se houvesse conveniênciae quase sempre a háde distinguir a casa do lavrador remediado, da do operário rural, extremaria-as devidamente.Na alimentação estudava-a, por igual, com todo o detalhe ; natureza e quantidade conforme a espécie de trabalho, a época do ano, os recursos regionais, a prosperidade ou pobreza, etc., anotando o número de refeições, as que são de uso diário, as de conserva (porco, azeitona, queijo, etc.), descrevendo os processos de preparo e os trabalhos rurais, a alfaia, com toda a minúcia por mais pueril que pareça. Seguia depois as indústrias rurais que mais ligam com a agricultura: cestaria, espartaria, olaria, carvoaria, carpintaria, serralharia, etc., etc. Obra para tempo, mas obra séria, definitiva e benemérita. Na casa tinha ainda a juntar muitos anexos: os poços, os moinhos, as azenhas, os lagares de vinho e azeite, etc. (49) Quinze dias depois, noutra carta a Tomás Pires, repete Rocha Peixoto os ideais revolucionários da Portugália, pelos quais se batia: Apesar do inquérito rural estar feito tem V.a Ex.a e as suas notáveis aptidões um vasto campo de trabalho etnográfico, sem sair de Eivas. Escuso-me de lho lembrar pois V.a Ex.a bem o sabe. Permito-me apenas chamar-lhe a atenção para algumas indústrias populares locais : olaria (loiças populares de barro), espartaria, cordoaria, cestaria, cera, ferraria, funilaria, albardas e outros arreios de cavalos, etc. A descrição minuciosa destas indústrias é um dos grandes capítulos do nosso programa. Isto está quase tudo por fazer, não é verdade ? O aprendizado, as matérias primas, os produtos, os salários, as condições de vida e comerciais, a organização do trabalho, etc., etc., tudo isto completado com croquis ou fotografias dos produtos confeccionados, dos utensílios das profissões, dos operários no trabalho, etc., eis um dos traços populares importantíssimos a registar. Há aí lindas coisas. Ainda agora vi, trazido por um meu amigo de Lisboa, umas cabeçadas polícromas de cavalos que são um encanto etnográfico (50). Nas páginas da Portugália se concretizariam, de facto, os planos de Rocha Peixoto. Os temas da ergologia emergem do limbo e passam a ser tratados, monogràficamente, com um lúcido carinho.

  • 51 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Habitação. Os Palheiros do Littoral», in Portugalia, tomo (...)
  • 52 Idem, p. 96 [Ibidem, p. 88].
  • 53 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Industrias Populares. As Olarias de Prado», in Portugalia(...)
  • 54 Rocha Peixoto – « Uma Iconographia Popular em Azulejos », in Portugalia, tomo I, n.° 3 (Porto, 30 d (...)
  • 55 Esta moradia ainda existe, na antiga Rua do Conde, hoje Rua de Ricardo Severo. Trata-se de um exemp (...)
  • 56 Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza (A proposito do novo prédio da Rua do Conde)», in O Primeiro de (...)
  • 57 Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza », in Serões, 2.a série, vol. I (Lisboa, 1905), pp. 106-110, 20 (...)
  • 58 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Illuminação Popular », in Portugalia, tomo II, n.° 1 (Por (...)
  • 59 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Tabulae Votivae (Excerpto)», in Portugalia, tomo II, n.° (...)
  • 60 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. O Traje Serrano (Norte de Portugal )», in Portugalia, tom (...)
  • 61 Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. (...)
  • 62 Rocha Peixoto – « Ethnographia Portuguesa. As Filigranas», in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 7 (...)
  • 63 Rocha Peixoto – « Do emprego ainda recente d’uma mó manual», in Portugalia, tomo I, n.° 4 (Porto, 2 (...)
  • 64 Rocha Peixoto – « Uma ornamentação ceramica actual de caracter archaico», in Portugalia, tomo II, n (...)
  • 65 Rocha Peixoto – « Sobrevivencia da primitiva roda de oleiro em Portugal», in Portugalia, tomo II, n (...)
  • 66 R. P. [Rocha Peixoto] – « Os Pucareiros de Ossella », in Portugália, tomo II, n. ° 4 (Porto, 7 de S (...)

9O primeiro fascículo da Portugália contém o conhecido artigo de Rocha Peixoto sobre Os Palheiros do Litoral, onde ao estudo das casas de madeira dos pescadores se alia, precedendo-o, um capítulo dedicado aos tipos gerais da habitação popular do país (51). Trabalho escrito aos 32 anos, em 1898 (52), documenta, sem sofismas, a ampla extensão geográfica das investigações à época já efectuadas pelo cientista e a orientação original que ele lhes imprimira. Sucederam-se, e na mesma revista, outros estudos de Rocha Peixoto : em 1900 publicou as Olarias de Prado, preciosa monografia acerca da técnica, formas e ornamentação das vasilhas e louças dos ceramistas dos arredores de Barcelos, como da sua pitoresca imaginária (53) ; e de 1901 data Uma inonografia popular em azulejos, a evocar os temas de inspiração etnográfica visíveis nos azulejos de figura avulsa da primeira metado do século XVIII (54). Em 1904, a propósito da edificação, no Porto, da casa de Ricardo Severo – que num gosto muito discutível reunia pormenores de estilos diversos da nossa tradição artística (55) –, apareceu em três números de O Primeiro de Janeiro o ensaio de Rocha Peixoto intitulado A Casa Portuguesa, que desenvolvia a introdução feita anos antes ao artigo de Os Palheiros do Litoral (56); reproduzido, no ano seguinte, na revista Serões – acompanhado de numerosas gravuras (57) – ocupa-se este ensaio das características das habitações populares, e construções anexas, de todo o nosso país, com especial relevo para as casas situadas ao- norte do rio Douro. A revista Portugalia, depois, recebeu os novos trabalhos do mestre do As Olarias de Prado, todos capazes de proporcionarem, pelo conteúdo, surpresa e respeito. A Iluminação Popular surgiu em 1905, descrevendo e comentando as velhas candeias de barro e de ferro, e os candeeiros amarelos de latão – que marcaram uma época ! –, e as lanternas recortadas das .festividades religiosas (58); seguiu-se, em, 1906, o estudo das tabuinhas pintadas e legendadas – « Tabuloe Votivce » – postas como ex-votos nas paredes das igrejas (59); em 1907 saiu O Traje Serrano, investigação aturada do vestuário masculino e feminino dos montanheses de Entre-Douro-e-Minho e de Trás-os-Montes (60); do mesmo ano é o ensaio acerca d’Os Cataventos, cheio de elementos curiosíssimos (61) ; em 1908 imprimiu-se a extensa monografia d’As Filigranas, consagrada às produções, técnicas e linguagem estética dos artífices de ouro das zonas de Gondomar e da Póvoa de Lanhoso (62). Paralelamente, em artigos mais curtos, Rocha Peixoto publicara, ainda na Portugália, notícias sobre o uso, no norte do país, das remotas mós manuais (63), ou sobre as formas e ornatos das vasilhas dos ceramistas de Guimarães (64), ou sobre os processos de trabalho dos oleiros de Amarante e de Baião (65), e de Ossela (Oliveira de Azeméis)66. Páginas, sempre, densas e reveladoras, que se estendem por mais de dez anos de esforço intenso.

  • 67 Rocha Peixoto – «As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 261-266 ; Rocha Peixoto – « As Fi (...)
  • 68 O trabalho de Rocha Peixoto sobre « As Olarias de Prado» está subordinado à rubrica: Etnografia Por (...)
  • 69 Rocha Peixoto – « Faianças das Caldas », in Boletim do Atheneu Commercial do Porto, vol. I (Porto, (...)
  • 70 Rocha Peixoto – « Louças Nacionaes », in Primeiro de Janeiro de 2 de Junho de 1900, p. 1.
  • 71 Rocha Peixoto – «A Casa Portugueza », in Serões, 2.° série, vol. I (Lisboa, 1905), p. 214.
  • 72 Vide: Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 249, 250, 257, 258, 259, 2 (...)
  • 73 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, p. 268.

10Denuncia a temática destes trabalhos um acentuado interesse de Rocha Peixoto pelos aspectos tecnológicos e artísticos das produções populares, observados pelo cientista ora no campo do artesanato e da construção habitacional, ora através das soluções da indumentária e das expressões decorativa e iconográfica. Os espécimes do artesanato mereceram-lhe, todavia, a melhor atenção e os estudos mais numerosos. Sem dúvida porque ao depoimento de índole etnográfica pretendeu juntar indicações úteis à nossa economia. Por isso n’As Olarias de Prado e n’As Filigranas inseriu capítulos evidenciando o valor económico representado por aquelas duas indústrias (67). E nos seus conselhos endereçados a Tomás Pires não lhe escapou a solicitação de um inquérito às « indústrias populares» , o que igualmente constava do programa da Portugália (68). Colaborador da campanha em defesa do artesanato – da qual o Porto havia sido pioneiro – preocupou-se Rocha Peixoto sobretudo com os problemas e a produção dos ceramistas, chegando a publicar, fora dos domínios da Etnografia, alguns ensaios acerca da qualidade e da importância económica da cerâmica nacional (69). Compreende-se portanto a sua atracção pela actividade dos oleiros, que mostrou conhecer perfeitamente de norte a sul de Portugal. Em 1900 teceu mesmo um verdadeiro elogio à pureza, se bem que ingénua, da nossa olaria (70)! De resto, as peças da cerâmica regional forneceram-lhe múltiplas notas sobre a arte popular, cujo estudo também o seduziu. Pessimista em relação à capacidade artística, imaginativa, do povo português, « povo absolutamente carecido de faculdades artísticas (71) », ainda assim Rocha Peixoto escreveu a respeito das formas da tatuagem e dos cataventos, da ornamentação das peças do vestuário e da olaria, pintura das tábuas votivas e decorações das filigranas, figuras dos azulejos e imaginária dos barristas ! Queixando-se da repetição sucessiva dos modelos, da mediocridade da execução, da incultura dos artífices (72), manifestou porém a esperança de « melhores sucessos»... « na ourivesaria, na ferraria, na tecelagem, na ornamentação dos jugos, na estucaria, na obra em pedra (73) ». O exigente etnógrafo – como adiante se verá – pensou até editar dois volumes sob o título Arte Popular.

  • 74 Após a retirada de Ricardo Severo para o Brasil e de Fonseca Cardoso para Timor, Rocha Peixoto ague (...)
  • 75 Vide: Tude M. de Sousa – « Rocha Peixoto e o Gerez », in RECORDAÇÃO. Homenagemdos alumnos da Escola (...)
  • 76 Pedro Fernandes Tomás – « Notas Ethnographicas do Concelho de Figueira. A Pesca em Buarcos », in Po (...)
  • 77 B. D. Coelho – «Industria caseira de fiação, tecelagem e tingidura de substancias textis no Distric (...)
  • 78 F. Adolfo Coelho – « Alfaia agricola portuguesa», in Portugalia, tomo I, pp. 398-416 e 633-649.
  • 79 Teófilo Braga – «Sobre as estampas ou gravuras dos livros populares portuguezes », in Portugália, t (...)
  • 80 Armando da Silva – « Ethonographia Açoriana. A Alfaia Maritima da Ilha de S. Miguel», in Portugalia(...)
  • 81 Luís de Magalhães – « Os Barcos da Ria de Aveiro», in Portugalia, tomo II, pp. 49-62.
  • 82 Mello de Matos – « As Chaminés Alemtejanas », in Portugalia, tomo II, pp. 79-84.
  • 83 José Pinho – « Ethnografia Amarantina. I – A Caça. II – A Pesca», in Portugalia, tomo II, pp. 84-10 (...)
  • 84 Manuel Monteiro – «A Loiça de Miranda do Corvo», in Portugalia, tomo II, pp. 431- -438.
  • 85 M. Vieira Natividade – « Alcobaça Ethnographica. I – As rocas da minha terra», in Portugalia, tomo (...)

11Mas a acção de Rocha Peixoto na Portugália atingiu um plano que está muito acima da simples publicação de artigos. Alma e nervo da revista, embora oficialmente apenas nela desempenhasse as funções de « redactor-em-chefe » (74), conseguiu o estudioso de Os Palheiros do Litoral que os seus intentos lançassem braços e se multiplicassem. Na verdade, ou a pedido de Rocha Peixoto – a quem competia angariar colaboração para a revista (75) – ou por influência do seu exemplo inovador, outros investigadores enviaram para a Portugália trabalhos versando assuntos ergológicos. Fernandes Tomás descreveu os barcos, as redes e os aparelhos de pesca de Buarcos e a cerâmica negra das zonas de Coimbra e de Aveiro (76); B. D. Coelho falou dos processos e instrumentos da indústria caseira de fiação, tecelagem e tingidura do distrito de Viana do Castelo (77) ; Adolfo Coelho estudou as alfaias agrícolas portuguesas (78); Teófilo Braga debruçou-se sobre as xilogravuras dos livros populares (79); Armando da Silva examinou as embarcações e os aprestos dos pescadores miguelenses (80) ; Luís de Magalhães tratou dos barcos da ria de Aveiro (81); Melo de Matos comentou a forma das chaminés alentejanas (82) ; José Pinho difundiu os instrumentos de caça e de pesca usados no concelho de Amarante (83); Manuel Monteiro escreveu acerca da olaria de Miranda do Corvo (84) ; M. Vieira Natividade revelou a arte das rocas de Alcobaça (85); etc. Às investigações folclóricas de que a Revista Lusitana, de José Leite de Vasconcelos, dava ao tempo elevado testemunho, acrescentava a gente da Portugália uma visão etnográfica complementar, rendida ao vestígio concreto, palpável, da herança social. Principiara entre nós o estudo metódico da cultura material do povo (ergologia e tecnologia), trabalho a que em breve adeririam Virgílio Correia, o próprio Leite de Vasconcelos e o grupo da revista Terra Portuguesa (1916-1927). Substancial diferença separa, não obstante, os ensaios de Rocha Peixoto dos deos restantes etnógrafos da Portugália. Os últimos limitam-se, de ordinário, ao texto descritivo e, quando muito, à classificação dos tipos ou ao comentário filológico. No autor de As Filigranas o fruto da análise jamais se ofereceu sem a respectiva contribuição interpretativa e som a sua integração numa panorâmica geral – geográfica, social e histórica ; e sente-se, na sua obra, a obediência a uma constante metodologia científica.

  • 86 Sobre Rocha Peixoto naturalista, vide: Augusto Nobre – « Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (H (...)
  • 87 Vide: José Pinho – « Recordação », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infant (...)
  • 88 Ernesto Veiga de Oliveira – « Rocha Peixoto e a Etnologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vo (...)
  • 89 Manuel Monteiro – « Rocha Peixoto», in Arte, Archivo de Obras de Arte, ano V, n.0 54(Porto, 1909), (...)
  • 90 Vide: [Correia Pacheco] – « Noticiario. Camara Municipal do Porto», in O Commercio do Porto de 7 de (...)
  • 91 Vide: A.A. da Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal», in Annaes Scienti (...)
  • 92 Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires ea António José To (...)
  • 93 F. Adolfo Coelho – « Esboço d’um programma de estudos d’etnologia peninsular», in Revista d’Etnolog (...)
  • 94 D. Sebastião Pessanha – « No Lindoso», in Revista de Turismo, ano IV, n.0 76 (Lisboa, 20 de Agosto (...)
  • 95 P.e Mário César Marques – « No Centenário do Nascimento de Rocha Peixoto», in Escola Remoçada, n.° (...)

12Da leitura das monografias escritas por Rocha Peixoto logo se depreende que o seu autor se apoiou sempre na observação directa dos objectos e dos factos. Tal processo, que lhe adveio porventura da sua formação de naturalista (86), obrigou-o a calcorrear todo o norte do país, com particular predilecção pelos humildes e ignotos povoados das regiões montanhosas. Acompanharam-no, por vezes, o grande amigo e parente Manuel Monteiro – o futuro historiador de arte – o o jovem e entusiasta José Pinho, seu discípulo na Academia Politécnica do Porto (87). Apesar de falecer aos quarenta e três anos incompletos, Rocha Peixoto percorreu, em busca de elementos etnográficos, uma área que pela amplitude nos surpreende. Como Ernesto Veiga de Oliveira já recordou, « vêmo-lo palmilhar o litoral, visitando Aveiro e a Figueira, auscultando a duna, deixando entrever o seu sereno encantamento de erudito perante a visão palafítica dos palheiros, parando em Óbidos, na Batalha, nas Caldas, em Mafra, até Lisboa ; o estudo das indústrias ou outros aspectos locais leva-o a terras de Barcelos, Amarante, Ancede, Baião, a Osscela, às olarias, a Gondomar,e a Travassos, às filigranas, às feiras de Penafiel, Arcos, Ponte, Mirandela. Sem falar das terras da sua mais longa permanência, os arredores do Porto, Entre-Douro-e-Minho, e, acima de tudo, a sua querida Póvoa (que, em pequenas notas discretas, mostra conhecer profundamente), são-lhe familiares a ribeira e a serra minhota, desde as Argas a Melgaço e Castro Laboreiro, o Soajo, a Peneda – donde dá notícias das verandas e inverneiras –, e as aldeias da Amarela e da Cabreira, Castelo da Nóbrega e o Bouro, o Gerês, o Barroso e as Alturas, a chã de S. Vicente ; o Larouco, Montalegre, Pitões e Tourém ; as terras de Basto, o Alvão, uma e outra vertente do Marão, a Campeã e o rio Ovelha ; Freixo, Moncorvo, Miranda, Bragança, Montezinho e Nogueira, terras de Coa, Montemuro e Gralheira (88)». Com uma coragem e uma paixão sem limites sujeitou-se o cientista às dificuldades, fadigas e contratempos que na sua época as viagens implicavam, sobretudo quando realizadas aos recessos serranos que o atraíam. « Não se avalia os sacrifícios de toda a ordem que lhe custou essa tarefa» – afirmou Manuel Monteiro (89). Era nos meses do verão, durante as férias escolares, que Rocha Peixoto podia dispor de tempo para as suas pesquisas, em geralsob o sol ardente das terras do interior (90). Imaginem-se, simultaneamente, os incómodos provocados pela falta de vias de comunicação, pelas deslocações feitas de burro, pelos problemas da alimentação e do alojamento. Em 1901, no Barroso, chegou a pernoitar num forno do povo, onde se costumavam recolher, de passagem, almocreves e mendigos (91)! Do que suportou nas sucessivas jornadas a lugarejos perdidos ressentiu-se afinal o seu frágil organismo, vitimado em curto espaço pela doença (92). O esforço do homem da Portugália, cobrindo com investigações in loco uma zona prèviamente delimitada, constituiu, no entanto, exemplo da maior importância. Ele teve em alto grau aquela « abnegação científica» de que falava o seu mestre Adolfo Coelho, « sem a qual não há verdadeiro progresso, e que consiste em estudar paciente e metòdicamento os factos primeiro que tudo (93) ». Anos após a morte de Rocha Peixoto, ainda a imagem do infatigável etnógrafo perdurava na lembrança dos camponeses do Lindoso (94), que visitara em Agosto de 1902 (95).

  • 96 J. B. [João Barreira] – « Os Mortos. Xavier Pinheiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, (...)
  • 97 Rocha Peixoto – «A Tatuagem em Portugal», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol II, n.° 8 (...)
  • 98 Vide: F. Adolfo Coelho – « Alfaia agrícola portuguesa», in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 25 de (...)
  • 99 Tude M. de Sousa – «Serra do Gerês. Tradições e Usos Religiosos. Cêrcos e Clamores», in revista Ter (...)
  • 100 Rocha Peixoto – « Supplemento à secção bibliographica do fascículo 3 do Tomo II da Portugalia », in (...)
  • 101 Idem, ibidem, p. 492-H.
  • 102 Vide: Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industri (...)
  • 103 Vide: tomo I da Portugalia (Porto, 1899-1903), pp. 882-883 e 885-886; Serões, 2.a série, vol. I (Li (...)
  • 104 Na parte do espólio de Rocha Peixoto que actualmente está na posse do Rev.o P.e Mário César Marques (...)
  • 105 Vide: tomo I da Portugalia (Porto, 1899-1903), p. 879; tomo II da Portugalia (Porto, 1905-1908), p. (...)
  • 106 Vide: Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano – Palheiros de Litoral Central Português (Lisboa (...)

13No decurso das suas pesquisas de campo o autor da Iluminação Popular e de O Traje Serrano registava o maior número possível de informações, o que lhe consentia, depois, traçar com segurança os vectores tipológicos de cada tema e descer, também, a pormenores elucidativos. A forma e a decoração das peças observadas, o seu funcionamento, o vocabulário que lhes correspondia, as técnicas da sua manufactuta, a organização do trabalho dos artífices, os materiais utilizados, as variantes locais, os costumes ligados ao emprego de certos objectos, etc., tudo era – como aconselhara a Tomás Pires – minuciosamente apontado, em obediência a um bem elaborado inquérito. E isto sem ser esquecida a recolha de fotografias e de desenhos de muitas das espécies encontradas. Aliás, no capítulo da aplicação do método visual a fins didácticos, ninguém negará a Rocha Peixoto o lugar destacado que lhe pertence. Rapaz de vinte e poucos anos – antes de aparecer o livro de Baldaque da Silva sobre o Estado actual das pescas em Portugal –, pensava já ilustrar com desenhos do pintor Xavier Pinheiro os seus projectados Materiais para o estudo etnográfico e antropológico dos povos do litoral (96). Em 1891 o moço poveiro escreve o ensaio A Tatuagem em Portugal (97), acompanhando-o de vinte e três estampas ; entre os etnógrafos, apenas Leite de Vasconcelos o precedera, dez anos atrás, com os doze desenhos do pequeno volume A propósito da ornamentação dos jugos e cangas. Através da Portugália se havia de impor, contudo, o critério da reprodução gráfica dos documentos ergológicos. Embora não isenta de erros (98), a revista portuense também aqui foi inovadora. Nas cartas publicadas de Rocha Peixoto em que este solicita para a Portugália artigos de natureza etnográfica, pede-se sempre o envio das complementares « photographias e croquis » – fotografias que deviam ser « bem nítidas... para melhor êxito da gravura», « com rigoroso carácter científico», e desenhos que podiam até ser « grosseiros», pois um artista se encarregaria da necessária correcção (99). Em 1907, na resposta de Rocha Peixoto às críticas que Leite de Vasconcelos lhe endereçara, e à Portugália, não deixou o bravo polemista de renovar os « constantes pedidos» dirigidos aos colaboradores da revista « no sentido de fazerem acompanhar os seus trabalhos com o material icónico mais copioso possível», de modo a tornarem a obra da Portugália « màximamente instrutiva (100) ». No mesmo texto sublinha o cientista que do próprio bolso custeava as suas viagens de estudo, as « centenas de clichés» que possuia e « a maioria dos desenhos» do seu arquivo (101). Realmente Rocha Peixoto abalava para as suas digressões munido de máquina fotográfica e de cadernos de papel para desenhar (102). Em bom número | dos seus artigos reproduziu fotografias da sua autoria (103). E dos desenhos que igualmente ilustram esses artigos, muitos fizeram-se a partir das fotografias de Rocha Peixoto, ou de esboços devidos ao lápis do desembaraçado estudioso104. Encarregaram-se da execução da tais desenhos – e da execução de outros em que os objectos populares se copiaram directamente do original – ou artistas como Acácio Lino e Aurélia e Sofia de Sousa, ou Clotilde da Rocha Peixoto (sobrinha do etnógrafo), ou os amigos arquitecto Artur Cruz e professor José Pinho, etc. (105). Aproveitando os testemunhos iconográficos assim obtidos, Rocha Peixoto incluiu muitas gravuras nos escritos que publicou, chamando para elas, com frequência, a atenção do leitor. Os seus artigos são dos mais ilustrados da Portugália, atingindo-se n’As Olarias de Prado as noventa e quatro estampas, e as cinquenta e cinco n’0 Traje Serrano. Infelizmente já desapareceram numerosas das peças reproduzidas nalguns dos seus trabalhos – em particular das que se estadeiam n’Os Palheiros do Litoral, n’0 Traje Serrano e n’Os Cataventos –, o que confere alto valor documental às respectivas gravuras. Rocha Peixoto legou-nos, por transmissão literária e iconográfica, notável soma de elementos que, sem o seu interesse de pioneiro, se teriam perdido para a ciência. Esta riqueza de informações, e o seu inteligente aproveitamento, justificam que os estudos do redactor da Portugália continuem a ser, sessenta anos decorridos sobre a sua publicação, de consulta indispensável. De modo nenhum os diminuem qualquer registo mais precipitado (106).

  • 107 Vide: Ernesto Veiga de Oliveira – Princípios Basilares das Ciências Etnológicas (Barcelos, 1965), p (...)
  • 108 Rocha Peixoto – «Os Palheiros do Littoral », in Portugalia, tomo I, n.° 1 (Porto, 31 de Março de 18 (...)
  • 109 Portugalia, tomo II, n.° 1 (Porto, 15 de Julho de 1905), p. 74.
  • 110 Portugalia, tomo II, n.° 2 (Porto, 12 de Maio de 1906), p. 187.
  • 111 Portugalia, tomo II, n.° 2, p. 270.
  • 112 Jorge Dias – « Alguns problemas dos Museus etnológicos », in Boletim APOM, n.° 1 (Lisboa, 1967), p. (...)
  • 113 J. Leite de Vasconcelos – « Advertencia Preliminar», in Boletim de Etnografia, n.° 1 (Lisboa, 1920) (...)
  • 114 Vide: J. Leite de Vasconcelos – Religiões de Lusitania, vol. I (Lisboa, 1897), pp. 6-11; A. A. Mend (...)
  • 115 Sociedade Carlos Ribeiro – Estatutos approvadospelo Governo Civil (Porto, 1988), p. 6, n.° 11; Roch (...)
  • 116 Vide: Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varz (...)
  • 117 Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varzim, 19 (...)
  • 118 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 243-249 ; Rocha Peixoto – « Uma (...)
  • 119 Rocha Peixoto – « As Filigranas», in Portugalia, tomo II, pp. 541-546 e 552-565.
  • 120 Rocha Peixoto – « Do emprego ainda recente duma mó manual», in Portugalia, tomo I, pp. 828-831.
  • 121 Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, pp. 441-443.
  • 122 Rocha Peixoto – « Tabulae Votivae », in Portugalia, tomo II, pp. 187-189.
  • 123 Rocha Peixoto – « Illuminação Popular », in Portugalia, tomo II, pp. 36-48.
  • 124 R. P. [Rocha Peixoto] – « Bibliographia », in Portugalia, tomo II, p. 298.
  • 125 Rocha Peixoto – « A interpretação do primeiro ensaio artístico», in O Intermezzo, 2." série, n.° 3 (...)
  • 126 R. P. – « O homem da maça», in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 676-6 (...)
  • 127 R. P. – « O Penedo de Santa Comba », in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 25 de Agosto de 1900), p. (...)
  • 128 Rocha Peixoto – « A Pedra dos Namorados», in Portugalia, tomo I, n.° 4 (Porto, 24 de Outubro de 190 (...)
  • 129 R. P. – « A cividade de Riodouro », in Portugalia, tomo II, n.° 2 (Porto, 12 de Maio de 1906), p. 2 (...)
  • 130 Rocha Peixoto – «Arqueografia local. As Siglas da Ponte », in Almanaque Illustrado de «O Commercio (...)
  • 131 Com frequência se procedia assim no tempo de Rocha Peixoto. Veja-se, por exemplo, o vol. I das Reli (...)
  • 132 Portugalia, tomo I, p. 874, e tomo II, p. 691.Vide também : Ernesto Veiga de Oliveira – « Rocha Pei (...)

14Descobrir as origens remotas das formas e das técnicas das obras populares foi outra das preocupações de Rocha Peixoto. Os etnógrafos do seu tempo, presos ao conceito evolucionista das « sobrevivências », viam nas tradições mantidas pelo povo os vestígios de costumes e de criaçõos ancostrais (107). Quando Rocha Peixoto partia para as aldeias da montanha buscava, no fundo, a lição dos centros arcaizantes, mais próxima das fontos primitivas. O ilustro cientista o declarou, indirectamonto, ao oscrovor que « um isolamento rolativo» prolongara « até agora», nos moios « serranos », « estádios de civilizações idas (108) ». Mesmo nos títulos do alguns dos sous ensaios se manifesta a vontade do patentear a antiga origem dos espécimes da ergologia: Sobrevivência da primitivaroda de oleiro em Portugal (109), Tabulce Votivoe (110), Uma ornamentação cerâmica actual de carácter arcaico (111). Daqui o seu contínuo recurso aos testomunhos dos primitivos actuais e aos dados da arqueologia, que lho serviram de elementos de comparação. Os trabalhos de Rocha Peixoto, sob todos os aspectos, já valem como verdadeiras sínteses ! Ainda recentemente Jorge Dias repetia que « não existe uma barreira nítida entre a arqueologia e a etnologia», uma vez que « tudo o que hoje se recolhe de um povo, será amanhã arqueológico (112)». Leite de Vasconcelos asseverava, em 1920, « que a Arqueologia é em muitos casos Etnografia do passado, e a Etnografia, no que toca ao estudo (Ergografia, Ergologia) dos objectos materiais que provêm da tradição, é, por assim dizer, Arqueologia do presente (113) ». Também o autor d’As Filigranas nunca esteve à margem dos temas da Arqueologia. No período da sua mocidade esses temas andavam muito associados à Geologia e à Antropologia, ciências que – não o esqueçamos – pertenciam aos domínios da formação académica de Rocha Peixoto ; e na Antropologia e na Arqueologia se infiltrara já, pouco a pouco, a problemática etnológica (114). O jovem grupo da « Sociedade Carlos Ribeiro» entusiasmou-se precisamente pelo conjunto destas disciplinas, que na altura propiciava apaixonantes descobertas, teorias o dúvidas (115). Por isso a Revista de Ciências Naturais e Sociais (1889-1898) e a Portugália (1899-1908) ligaram, numa unidade intencional, a Etnografia à Arqueologia e à Antropologia. À frente do Museu Municipal portuense Rocha Peixoto determinou-se outrossim ampliar, em paralelo, as colecções arqueológicas e etnográficas do estabelecimento (116). Na obra escrita do cientista os dados da arqueologia representaram, porém e sobretudo, o erudito subsídio que lhe permitiu explicar a génese de múltiplos aspectos da cultura popular (117). Do primeiro ao último dos seus trabalhos etnográficos adoptou Rocha Peixoto tal processo. E são notórios os seus conhecimentos de história da arte antiga e de arqueologia (pré e proto-histórica, clássica e medieval), a demonstrarem um contacto sério com uma vasta, e então a mais recente, bibliografia da especialidade. Releiam-se, por exemplo, as suas páginas sobre os velhos protótipos das vasilhas e ornatos da nossa olaria (118), ou sobre as raízes dos artefactos dos filigraneiros (119), ou sobre o arcaísmo das mós manuais dos camponeses do Norte (120), ou sobre a origom das veletas (121), tábuas de milagres (122), instrumontos de iluminação (123), etc. Podem considerar-se talvez aprossadas diversas das identificações feitas, e dispensáveis algumas das citaçõos bibliográficas insoridas. De momento, contudo, só importa definir a linha metodológica do etnógrafo – tão veemonte, neste ponto, que incorroram na sua crítica os autores que ao estudarem produções ergológicas portuguesas lhes não procuraram os longínquos modelos formais (124). Entretanto, na meia dúzia de nótulas que consagrou a assuntos de arquoologia, socorrou-se Rocha Peixoto, por seu turno, do indicaçõos de natureza etnográfica: o carácter mágico de determinadas superstições evocou-o em A interpretação do primeiro ensaio artístico (125) e em 0 Homem da Maça (126); as tradições referentes às rochas insculpidas, às pesadas lajes ou às ruínas « dos mouros » mencionaram-se nos poquenos artigos sobre O penedo de Santa Comba (127), A Pedra dos Namorados (128) e A Civiãaãe de Riodouro (129) ; a arguta relacionação das siglas poveiras com as siglas dos monumentos, e com. as marcas de gado das regiões montanhosas, aparocou em As Siglas da Ponte (130). Esclareça-se, todavia, que o aproveitamento das informações etnológicas na solução dos problemas da pré-história não significa um rumo específico de Eocha Peixoto (131). Um veio mais original do investigador corre, ao inverso, no cuidado que pôs em encontrar, nos estratos da arqueologia, a procedência dos artefactos populares. E como já os índices da Portugália não incluíram no ramo da Etnografia os artigos de Eocha Peixoto do tomas arqueológicos (132), por igual razão se publicam agora os referidos artigos, a par do outros de género afim,, numa secção à parto deste volume.

  • 133 Rocha Peixoto – «A Casa Portugueza », in Serões, 2.a série, vol. I (Lisboa, 1905), p. 106.
  • 134 Rocha Peixoto – « Os Palheiros do Littoral », in Portugalia, tomo I, pp. 80-82.
  • 135 Rocha Peixoto – « Os Palheiros do Littoral », in Portugalia, tomo I, pp. 92-93.
  • 136 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, p. 233.
  • 137 Rocha Peixoto – « O Traje Serrano», in Portugalia, tomo II, pp. 367-368, 373-374, 376- -377 e 380-3 (...)
  • 138 Rocha Peixoto – « Illuminação Popular », in Portugalia, tomo II, pp. 43 e 46.
  • 139 Rocha Peixoto – « A Tatuagem em Portugal», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes,vol. II, n.0 (...)
  • 140 Rocha Peixoto – «As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 265-267 ; Rocha Peixoto – « Sobre (...)
  • 141 Vide: Pedro Cervantes de Carvalho Figueira – « Noticia e informação ácerca do estado actual da indu (...)
  • 142 Vide: Pedro Fernandes Tomás – « Notas Ethnographicas do Concelho da Figueira. A Pesca em Buarcos », (...)

15Claro que a descoberta das fontes não bastou às protonsõos interpretativas do mestre da nossa ergologia. Rocha Peixoto quis entender as peças portuguesas adentro dos condicionalismos om que os homens as haviam realizado e as usavam, comparando-as então, numa súmula etnológica, a casos análogos de outras populações. Detectar a influência dos factores de ordem geográfica, social ou económica antolhou-se-lhe, por conseguinte, obrigação insubstituível. No começo do seu trabalho acerca d’A Casa Portuguesa escreveu, efectivamente : « A habitação é a expressão final da convergência de motivos interdependentes, como sejam a paisagem, a cuja influêncianaturalmente se adapta, os recursos geológicos, os acidentes topográficos, as imposições climáticas e as necessidades e circunstâncias sociais e domésticas, à uma e parcelarmente imperativas (133) ». Ao longo doensaio se comprovam, estas afirmações, em parte já enunciadas n’Os Palheiros do Litoral (134). Na geologia, no clima, etc., repetidamente o etnógrafo alicerçou as suas explicações : atendeu ao avanço das dunas para compreender a construção, pelos pescadores, das casas de madeira sobre estacas (135); mostrou que os oleiros da zona de Barcelos têm muito perto os jazigos do barro de que precisam (136); conferiu os agasalhos da gente serrana com a agressividade do frio e das chuvas do planalto (137); percebeu as modificações operadas nas candeias e lanternas pela « propagação mercantil do óleo mineral » e pelo mau piso dos caminhos rústicos (138). Mas interessou-lhe, em especial, enquadrar os factos etnográficos no contexto sociológico e económico da vida popular. Em, vários dos seus estudos – nomeadamente n’ A Tatuagem em Portugal, de 1891, e nos Apodos Tópicos, de 1908 – reconstituem-se costumes sociais de determinadas classes, de grupos profissionais ou mesmo de povoações (139). À indigência económica dos nossos operários atribuiu, por sua vez, a causa principal da mediocridade artística das indústrias populares, motivo porque analisou o ambiente ou « conspecto social » dos artífices – ambiento de miséria... –, insurgindo-se contra os abusos dos negociantes rolativa-mente aos barristas e aos filigraneiros (140). Não sendo inédita, nos órgãos culturais da cidade do Porto, a pesquisa às condições económicas dos artesãos (141), sabemos que Rocha Peixoto a achou muito necessária, a ponto de a recomendar, como vimos, a Tomás Pires. Sem dúvida a lembrou a mais estudiosos, e não julgo descabido presumir-se que de interferências suas resultou a consideração dada ao problema por outros colaboradores da Portugália (142).

  • 143 Rocha Peixoto – «Formas da Vida Communalista em Portugal. Summario de uma monographia imedita », in (...)
  • 144 Rocha Peixoto – «Survivances du Régime Communautaire en Portugal (Abrégé d’une monographie inédite) (...)
  • 145 Vide: – « Rocha Peixoto», in jornal O Liberal, da Póvoa de Varzim, de 15 de Setembro de 1901, p. 1; (...)
  • 146 Rocha Peixoto – « A Pedra dos Namorados», in Portugalia, tomo I, n.° 4 (Porto 24 de Outubro de 1903 (...)
  • 147 Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza », in O Primeiro de Janeiro de 12 de Agosto de 1904, p. 1.
    Vide (...)
  • 148 R. P. [Rocha Peixoto] – «Bibliographia», in Portugalia, vol. II, n.0 1 (Porto, 1905), p. 135.
  • 149 Vide: Tude M. de Sousa – « Costumes e Tradições Agrícolas do Minho. I – Regimen pastoril dos povos (...)
  • 150 Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal (Abrégé d’une monographie inédite (...)
  • 151 Vide: Teófilo Braga – O Povo Portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, vol. I (Lisboa, 1885 (...)
  • 152 Vide: – « Discurso proferido pelo ex.mo sr. dr. Eduardo Pimenta», in jornal A « Propaganda », da Pó (...)
  • 153 Sobre o comunitarismo na época castreja, veja-se, entre outros : Joaquim de Carvalho – «A Cultura C (...)
  • 154 António Sardinha – O Valor da Raça (Lisboa, 1915), pp. 158-159 ; Jaime Cortesão – « O Sentido da Cu (...)
  • 155 Émile de Laveleye – La Proprieté du Sol et ses formes primitives (1847).
    Vide: Rocha Peixoto – « For (...)
  • 156 G. Santa Ritta – « No centenário de Rocha Peixoto», in Gazeta das Aldeias, n.° 2577 (Porto, 16 de O (...)
  • 157 Alberto Dinis da Fonseca – « Do forno commum n’algumas aldeias da Beira Baixa», in Boletim da Socie (...)
  • 158 O facto de Rocha Peixoto ter divulgado através de O Primeiro de Janeiro – jornal onde não colaborav (...)
  • 159 Vide: Rocha Peixoto – « Formas de vida Communalista em Portugal. Summario de umamonographia inédita (...)
  • 160 C. M. [Cardoso Martha ?] – «Epistolario. Carta de Rocha Peixoto a João de Menezes onde se fala do m (...)
  • 161 A. Santos Graça – O Poveiro (Póvoa de Varzim, 1932), pp. 7-10.
  • 162 Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cul (...)
  • 163 A. D. [Avelino Dantas ?] – «Rocha Peixoto», in jornal Estrella Povoense, da Póvoa de Varzim, de 23 (...)
  • 164 Vide: P.e Francisco Manuel Alves – « Vestigios do regimen agrario communal », in Illustração Transm (...)
  • 165 Tude M. de Sousa – «Rocha Peixoto e o Gerez », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Indus (...)
  • 166 Ernesto Veiga de Oliveira – Princípios Basilares da Ciências Etnológicas (Barcelos, 1965), p. 25.
  • 167 J. Leite de Vasconcelos – Ensaios Ethnographicos , vol. IV (Lisboa, 1910), p. 450.
  • 168 Manuel Monteiro – « Rocha Peixoto», in Arte. Archivo de Obras de Arte, ano V, n.° 54(Porto, 1909), (...)

16Nesta visão sócio-económica de Rocha Peixoto entronca o seu ensaio acerca do regime comunitário das populações serranas do norte do país, ensaio que em virtude do falecimento inesperado o prematuro do cientista ficou a rematar a sua bibliografia etnográfica. As Formas da Vida Comunalista em Portugal sairam inicialmente no volume I das Notas sobre Portugal, editado em 1908 por ocasião da Exposição Nacional do Rio de Janeiro (143); no mesmo ano se publicou esse trabalho, em francês e com acréscimos, nos Anais Científicos da Academia Politécnica do Porto, reaparecendo a seguir, na nossa língua, no jornal O Primeiro de Janeiro (144). De vários anos atrás datavam, no entanto, as suas investigações sobre o assunto, conforme se deduz de apontamentos manuscritos que o activo etnógrafo deixou e agora se guardam na Biblioteca Municipal da Póvoa de Varzim. Em 1901 colhera informações nas serras da Cabreira e do Barroso ; em 1902 em Castro Laboreiro e nas serras do Extremo, do Suajo, do Lindoso, da Amarela e do Gerês ; em 1903 nas serras do Marão, Bornes, Nogueira, Montezinho e em terras de Miranda do Douro ; em 1904 nas Serras do Montemuro e da Grálheira (145). Do acervo das notas acumuladas se fez eco Rocha Peixoto no artigo sobre A Pedra dos Namorados, de 1903, no qual evocou as práticas comunitárias das aldeias das serras da Amarela, do Barroso e do Gerês (146). B no ano seguinte, no seu estudo acerca d’A Casa Portuguesa, lembrou os fornos comunais das aldeias do Barroso (147). Em 1905, ao comentar um dos volumes dos Ensaios Etnográficos de Leite de Vasconcelos, de novo o etnógrafo aludiu ao « regime pastoril e comunalista de algumas localidades do planalto barrosão e das faldas do Larouco (148)». Poucos meses depois, avisado por Tomás Pires de que Tude de Sousa estava em circunstâncias de obter notícias dos usos comunitários dos povos do Gerês, Rocha Peixoto – apesar de possuir apontamentos colhidos na região – logo togou ao escritor de Elvas que entusiasmasse Tude de Sousa no granjeio daqueles dados, para os aproveitar já, como aproveitou, no estudo que preparava ; por intervenção de Tomás Pires, os excelentes elementos do regente florestal do Gerês começaram a vir a lume, na Portugália, em 1907 (149). No seu trabalho, posteriormente, Roeha Peixoto desdobrou, num quadro de exemplar equilíbrio e de viva beleza literária, todo o comunitarismo agro-pastoril dos montanheses de ao norte do Douro, com a sua exploração colectiva de terrenos e de gados, assembleias dos vizinhos, construções comunais para a moagem e a cozedura do pão, etc. Encarando tais praxes como reminiscências, ou «vestígios», de instituições arcaicas – e o vocábulo sobrevivências entrou até no título de uma das três versões do seu estudo (150) –, o fundador da nossa etnossociologia seguiu na rota de Teófilo Braga, de Oliveira Martins e de Alberto Sampaio, que já haviam destacado a persistência secular dos costumes sociais e o papel do comunitarismo na evolução das sociedades (151). No que concerne às suas convicções políticas, as fórmulas comunitárias dos minhotos e dos trasmontanos deram a Eocha Peixoto a satisfação de lhe confirmarem, segundo declarou a amigos (152), a ancestralidade das tradições democráticas da nação, conhecidas desde o período castrense (153). A realidade etnográfica aceitou-a pois o investigador, antes de António Sardinha e de Jaime Cortesão (154), numa perspectiva testemunhal–em atitude semelhante à do belga Émile de Laveleye, cuja obra, de resto, consultara (155). Seduzido pelas consequências do sistema económico das povoações serranas, o autor das Formas da Vida Comunalista em Portugal apresentou-se, neste seu ensaio, com uma confiança na solidariedade humana que contrasta com a posição tomada, quase pela mesma altura, no artigo dos Apodos Tópicos ; na verdade, as soluções de agricultura de grupo que gostosamente analisou e revelou continuam a ser defendidas e propostas pelos técnicos dos nossos dias (156). As ideias socialistas da época afinaram, por certo, a aptidão receptiva de Rocha Peixoto, como estimularam a de Tude de Sousa a propósito dos regulamentos das vezeiras do Gerês e a de Alberto Dinis da Fonseca em torno dos fornos comunitários da Beira-Baixa (157). Nenhuma doutrina, porém, afastou o redactor da Portugália do critério científico que os seus trabalhos superiormente perseguem. No estudo relativo ao comunitarismo serviu-se, mais uma vez, da descrição objectiva e detalhada, de um fio interpretativo de carácter ecológico, e do confronto dos nossos exemplos com os de diversos países (158). Lamente-se que a morte não lhe tivesse permitido a realização do amplo trabalho que ao regime comunitário em Portugal tencionava consagrar. Nos textos que sobre a matéria ainda publicou, Rocha Peixoto sempre repetiu que se tratavam de um « sumário de uma monografia inédita», de um « resumo » (159). E numa carta enviada a João de Meneses prometera, meses antes do falecimento, desenvolver dentro em breve, e com largueza, essa « nótula » já impressa (160). A fim de se documentar o melhor possível acerca do assunto, inclusive nos povoados da beira-mar e das planícies do Sul, o etnógrafo procurara indicações de múltipla feição e batera a diversas portas : ao comerciante Santos Graça, da Póvoa de Varzim, pedira em 1901 apontamentos sobre os preceitos da comunidade local de pescadores, pedido que foi a longínqua origem de O Poveiro, o precioso livro editado por Santos Graça em 1932 (161); de uma sua irmã, D. Jesuína Amélia da Rocha Peixoto, obtivera notícias do regime de propriedade e de pastorícia da zona de Ancede (Baião), onde ela vivia, casada (162); em Agosto de 1908, passando uma pequena temporada na estância termal de Peso (Melgaço), aproveitara a ocasião para conseguir mais «materiais» respeitantes ao comunitarismo (acaso ligados aos montanheses de Castro Laboreiro) (163) ; ao Abade de Baçal solicitara, para a Portugália, um artigo dedicado às tradições comunitárias dos habitantes de Rio de Onor (Bragança), artigo que em Abril de 1909 o P.e Francisco Manuel Alves chegou a enviar a Eocha Peixoto, mas que, devido à morte deste, em 2 de Maio, e à consequente extinção da Portugália, veio afinal a aparecer, no ano seguinte, na Ilustração Trasmontana164; e a Tude de Sousa, depois de lhe publicar o ensaio acerca dos costumes do Gerês, pedira-lhe « notas sobre celeiros comuns e outras sobrevivências do regime comunal do Alentejo», as quais Tude de Sousa, ignorando o drama de Matosinhos, lhe mandou pelo correio no dia seguinte ao da morte do cientista... (165). Só o desconhecimento do estudo de Eocha Peixoto sobre o nosso comunitarismo nortenho, como o desconhecimento dos artigos que por sugestão daquele etnógrafo outros investigadores haviam lançado no início do século, explicam o espanto que « no mundo científico» produziram, pelo tema, os notáveis volumes de Jorge Dias acerca de Vilarinho da Furna. Uma aldeia comunitária (Porto, 1948) e de Rio de Onor. Comunitarismo Agro-Pastoril (Porto, 1953) (166). Em fins de 1910 já as típicas formas sócio-económicas de Vilarinho da Furna, no Gerês, e de Rio de Onor, em Trás-os-Montes, tinham sido expressamente citadas (e bem assim as de muitas mais povoações de idêntica organização colectivista). José Leite de Vasconcelos, em 1909, chamara « valioso estudo etnográfico» ao ensaio de Rocha Peixoto (167), enquanto Manuel Monteiro, no mesmo ano, escrevera que tal estudo – então bastante difundido – causara « uma real surpresa, não só em Portugal, mas também lá fora (168) ».

  • 169 José Pinho«Recordação», in RECORDAÇÃO cit., p. 18.
  • 170 Cândido Landolt –Folk-Lore Varzino (Póvoa de Varzim, 1915), pp. 10-12.
  • 171 Tude M. de Sousa – « Rocha Peixoto e o Gerez», in Terra Portuguesa, n.° 35-36 (Lisboa, 1922), p. 16 (...)
  • 172 Rocha Peixoto – « Supplemento à secção bibliographica do fascículo 3 do tomo II da Portugalia », in (...)
  • 173 José Pinho – «Recordação», in RECORDAÇÃO cit., p. 18.

17Não menos esquecida anda a lição moral do monografista de O Traje Serrano. Livre do espírito de monopólio intelectual, ou da estreiteza individualista, ele insistiu junto dos camaradas para que explorassem as mesmas matérias que o apaixonavam (na ergologia e na etnossociologia), desejando acima de tudo o progresso da ciência. Esforçou-se por trazer novos adeptos ao campo da etnografia e animou-os ao trabalho, « dando conselhos, ensinando, emprestando livros, indicando assuntos a tratar (169) ». Aos seus incitamentos devemos o livro Folk-Lore Varzino, de Cândido Landolt, publicado em 1915 (170), e a valiosa obra de Tude de Sousa sobre os aspectos etnográficos e históricos da Serra do Gerês, datada de 1927 (171) – além de artigos do vários autores que, como referi, sairam na Portugália e fora desta ! « Todos cabemos, não há dúvida, mesmo centuplicados» –• retorquiu a José Leite de Vasconcelos, em 1907, no fecho de fragorosa polémica (172). E, à distância, ganha um cunho simbólico a frase que frequentemente pfoferia : H á muito que estudar e poucos são os que trabalham; mas embora fossem muitos, Portugal chega para todos (173)!

  • 174 R. P.– « Os Cercos», in Portugalia, tomo I, n.° 3 (Porto, 30 de Stembro de 1901), p. 624.
  • 175 Rocha Peixoto – « O Traje Serrano», in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), p. (...)
  • 176 Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal», in AnnaesScientificos da Academ (...)
  • 177 Rocha Peixoto – As Piligranas (Porto, 1908) (separata da revista Portugalia, tomo II, n.° 4) [no ve (...)
  • 178 José de Leite Vasconcelos – Etnografia Portuguesa. Tentame de Sistematização, vol. I (Lisboa, 1933) (...)
  • 179 Vide: – «Rocha Peixoto», in jornal O Liberal, da Póvoa de Varzim, de 15 de Setembro de 1901, p. 1.
  • 180 Vide: – « Rocha Peixoto», in jornal Estrella Povoense, da Póvoa de Varzim, de 7 deAbril de 1907, p. (...)
  • 181 Vide: [João Grave ? ] – «Morte de Rocha Peixoto», in Diário da Tarde, do Porto, de 3 de Maio de 190 (...)

18Ao lado do volume que consagraria ao sistema comunitário, projoctava Rocha Peixoto, antes de falecer, a publicação de mais ensaios etnográficos. Nos seus escritos pôde anunciar : uma monografia acerca da « significação e latitude » dos clamores ou rondas votivas (174); artigos sobre «as artes e indústrias que interessam ao vestuário (175) » ; e o estudo dos moinhos de água, « engenhosas máquinas de hidráulica agrícola popular (176) ». No entanto, parte destes assuntos – e dos que versou na sua bibliografia impressa – deveria entrar nas grandes obras que o cientista prometeu em 1908. Seriam elas: a Etnografia Portuguesa, em três volumes (que respectivamente se denominariam A Serra, A Ribeira e O Mar); dois volumes sobre a Arte Popular; outro intitulado A Religião; e outro contendo uma História do Povo Português (Esboço) (177). Atingida a idade dos quarenta anos, o homem da Portugália pensava na elaboração de ambiciosas sínteses, que abrangeriam não só capítulos do seu particular agrado como – e pela primeira vez em Portugal – a vida do nosso povo em toda a sua extensão e fisionomia ! O plano que acalentou de uma tripartida Etnografia Portuguesa, completada pelo esboço da História do Povo Português, apenas bastante mais tarde o reempreendeu Leite de Vasconcelos na monumental obra com que finalizou a sua carreira (trabalho que, começado a redigir em 1928, infelizmente não concluiu) (178). Em 1901, todavia, já Rocha Peixoto falava aos amigos dos volumes da sua delineada Etnografia, Portuguesa (179) ; e a partir de 1907 ao mesmo projecto aludiram, com maior ou menor precisão, diversos indivíduos do seu círculo de convivência social (180). Perante a dimensão e o significado daquilo que esperava fazer, compreende-se o desespero do cientista quando, ao sentir que morria, constatou a impossibilidade de deixar concretizado o fruto de tanto labor. Da sua angústia durante a doença a que sucumbiu ficaram-nos os depoimentos de alguns íntimos e a página dramática de Raul Brandão (181).

  • 182 F. Adolfo Coelho – Exposição Ethnographica Portugueza. Portugal e Ilhas Adjacentes (Lisboa, 1896), (...)
  • 183 Rocha Peixoto – «Ethnographia Transmontana. Apódos Tópicos », in Illustração Transmontana, vol. I ( (...)
  • 184 R. P. (Colector) – «Folk-Lore. Contos Populares de Animaes », in Portugalia, tomo II, n. °4 (Porto, (...)
  • 185 Vide: Tude M. de Sousa – «Serra do Gerêz. Tradições e Usos Religiosos. Cêrcos e Clamores», in Terra (...)

19Tudo leva a crer que os volumes que Rocha Peixoto tinha em mente obedeceriam ao seu habitual critério geo-económico – A Serra, A Ribeira, 0 Mar... – e ainda a um sentido antropológico e de etnografia global. No rasto do esquema de Adolfo Coelho, de 1896, a reconstituição do passado do povo português estribar-se-ia, possivelmente, nas « origens étnicas» das populações e em « factos históricos reveladores», tomando-se os aspectos etnográficos, também, na sua dupla acepção ergológica e folclórica (182). Com os anos alargara-se o campo das colheitas etnográficas do ensaísta d’A Casa Portuguesa e, assim, os temas do folclore haviam voltado a requerer-lhe mais interesse. A publicação, em 1908, do artigo referente aos Apodos Tópicos (183), e de uma pequena colectânea de contos trasmontanos – cuja publicação tencionava prosseguir (184) –, deixam-nos julgar que nos seus trabalhos futuros a cultura espiritual do povo ocuparia um lugar próprio, aliada às expressões ergológicas e etnossociológicas (estas da sua preferência). E é na realidade esclarecedor o programa de pesquisas que Rocha Peixoto, numa carta de Dezembro de 1907, enviou a Tude do Sousa, no Gerês : « Não esqueça, por exemplo, o que diz respeito à habitação, com todos os detalhes e pormenores, ao vestuário, à alimentação, ao mobiliário caseiro, à alfaia agrícola e pastoril, aos costumes (casamentos, baptizados, enterros), à religiosidade (romarias, devoções, clamores, cercos, amuletos, promessas), às superstições, às trovas populares... a tudo, enfim, que traduza o viver familial, social, económico e especulativo da população serrana »… « Não esquecer as indústrias locais : cestaria, carvão, socos, teares e tecelagem, etc., etc. » (185) O inquérito às produções materiais o actividades tecnológicas, embora presente, já não preenche todo o programa – contràriamente ao que sucedera, em 1899, nas indicações fornecidas a Tomás Pires. Dominava o cientista, agora, uma visão mais geral, profunda e complexa, do mundo etnográfico.

  • 186 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 1900), p. 252.
  • 187 Rocha Peixoto – « Illuminaçao Popular », in Portugalia, tomo II, n.° 1 (Porto, 1905), pp. 35 e 43.
  • 188 Rocha Peixoto – « O Traje Serrano», in Portugalia, tomo II, n.0 3 (Porto, 1907), pp. 383-384.
  • 189 Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, n.0 3 (Porto, 1907), pp. 439- -441.
  • 190 Rocha Peixoto – «As Filigranas», in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 1908), pp. 566- -568.
  • 191 R. P. – « Os Cercos», in Portugalia, tomo I, n. ° 3 (Porto, 1901), pp. 623-624 ; R. P. – «A origem (...)
  • 192 Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cul (...)
  • 193 Ernesto Veiga de Oliveira – « Rocha Peixoto e a Etnologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vo (...)
  • 194 Rocha Peixoto – « Contribuições para a Ethnographia Portugueza. Notas sobre malacologia popular », (...)
  • 195 R. P. [Rocha Peixoto] – « Bibliographia », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. II, n.° (...)
  • 196 R. P. – « Bibliographia », in Portugalia, tomo I, n.° 4, p. 866 ; R. P. – « Os Mortos. Manuel Dias (...)
  • 197 Vide a bibliografia citada na nota 1 da pág. XI deste Prefácio.

20Convém sublinhar, contudo, que em momento algum Rocha Peixoto pusera de parte os documentos de tipo folclórico. Nos trabalhos da sua plena fase de ergólogo afloram, aqui e além, notas da literatura, do pensamento e dos usos populares : cantigas e superstições acerca do galo (em As Olarias de Prado) (186) ; ditos proverbiais e uma adivinha (na Iluminação Popular) (187) ; quadras bordadas nos lenços dos namorados ou respeitantes a peças do vestuário (em 0 Traje Serrano) (188); adágios, uma cantilena e processos de prever o tempo e de saber as horas (em Os Cataventos) (189) ; costumes relacionados com a ostentação das jóias e o cumprimento de promessas (em As Filigranas) (190) ; etc. Ainda na época dos seus estudos de ergologia publicou, na Portugália, dois comentários a trabalhos de Adolfo Coelho e de F. Haverfield – sobre cortejos rogativos e sobre uma fórmula de magia (191). A isto se devem juntar, por um lado, os elementos de carácter folclórico que aparecem nos seus artigos de arqueologia, e por outro, a missão que atribuíra a uma das suas irmãs, de lhe « colher e seleccionar adivinhas, quadras, adágios, anedotas, lendas, etc. (192) ». Aliás, e de acordo com os melhores espíritos do seu tempo, sempre o esclarecido investigador incluiu o folclore no quadro científico da Etnografia (193). O primeiro e o último dos artigos etnográficos que escreveu comprovam, por coincidência, este seu critério, verificável se confrontarmos o conteúdo de ambos os artigos com o título das rubricas que os encabeçam (194). Igual ilação se tira da leitura de outros trechos de Rocha Peixoto (195). Ao mesmo tempo, porém, o autor de As Olarias de Prado sentiu a necessidade metodológica de, na Etnografia, separar o ramo folclórico do da cultura material (196) – no que entre nós se antecipou aos demais etnógrafos ; não conseguindo um termo específico para designar o conjunto das manifestações populares de ordem material (ao qual chamou, stricto sensu, « etnografia »), caberia a Leite de Vasconcelos a solução filológica do problema (197).

  • 198 Manuel Silva – « Caracteristicas scientificas da obra de Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (H (...)
  • 199 [Joaquim de Araújo] – «A. A. da Rocha Peixoto», in Archivo de « Ex-Libris » Portugueses, vol. VII, (...)
  • 200 Vide a bibliografia citada na nota da pág. XLVIII deste Prefácio.
  • 201 Ao mesmo tempo que suportou as responsabilidades da revista Portugalia e escreveu os principais dos (...)
  • 202 Vide, entre outros : Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento(...)
  • 203 Vide: Ricardo Severo – « Prospecto », in começo do fase. 1 do tomo I da Portugalia (Porto, 31 de Ma (...)
  • 204 Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Inf (...)

21Razão de sobra tinha Rocha Peixoto ao pretender que nos jornais o considerassem etnógrafo. Chamam-me um naturalista e até arqueólogo ; eu, porém, sou um etnógrafo – afirmava aos amigos (198). E em 1908, ao imprimir uma folha bibliográfica que reputou « definitiva » (199), não inseriu nela as produções polémicas da juventude e deu antes relevo aos seus ensaios etnográficos (que registou quase na íntegra) (200). Distribuindo-se apenas por vinte anos, essa bibliografia impressiona pela quantidade e pela qualidade, em especial se não nos esquercermos das múltiplas e absorventes ocupações profissionais de Rocha Peixoto (201). Mas o ambiente intelectual em que no Porto decorrera a sua mocidade, penetrara-o fundamente. Inconformados com o atrazo do país e a apatia oficial, os nossos escritores de então souberam reagir e, pela crítica de intenções pedagógicas, pelos exemplos da História e pela descoberta das origens e das características do povo, procuraram despertar a consciência da nação. Cedo alinhando neste surto patriótico (202), o incansável animador da Portugália patenteou, através do estudo e da acção, uma admirável, modelar coerência entre a vida e os seus ideais. Rocha Peixoto e a revista Portugália, ao angariarem « materiais para o estudo do povo português», pelos caminhos da ciência exprimiram vigorosos anseios nacionalistas, acreditando generosamente numa « Renascença » da pátria (203). Do etnógrafo d’A Casa Portuguesa legou-nos Luís de Magalhães, que bem o conheceu, o exacto retrato intelectual : « a sua alma viveu sobretudo destas duas paixões : a paixão da ciência e a paixão da sua nacionalidade. E como sinceramente acreditava que a regeneração desta só por aquela se podia fazer, toda a sua actividade científica a empregou em dar à sua pátria, segundo o preceito filosófico do nosce te ipsum, a consciência de si mesma (204)».

  • 205 As ilustrações foram reproduziadas directamente das estampas que acompanham a primeira edição dos t (...)

22Dono de um método científico de nível europeu, e iniciador, no nosso meio, de um género de investigações que criou discípulos e se articulou num destacado movimento mental, Rocha Peixoto avulta, sem favor, no panorama da cultura portuguesa do período da transição para o actual século. Impunha-se, deste modo, a reedição da sua obra escrita, já que a dispersão da mesma, e a crescente raridade das publicações onde surgiu, a tornaram de consulta difícil. Em. virtude da importância que lhes assiste, publicam-se em primeiro lugar os textos de temas etnográficos e arqueológicos – reimpressos pela ordem cronológica por que originàriamente apareceram e acompanhados das primitivas ilustrações e das suas legendas (205). Num outro volume das OBRAS de Rocha Peixoto ter-se-ão, sem dúvida, mais notícias de Etnografia e de Arqueologia, disseminadas por recensões bibliográficas, comentários à vida cultural e económica, polémicas, biografias, etc. Todavia, no volume que agora sai a público pretendeu-se tão-só reunir os estudos ou artigos que o ensaísta dedicou exclusivamente àquelas duas ciências (nos quais foi actualizada a ortografia). O sincero e grande desejo do organizador deste volume é que o seu esforço venha a ser útil a todos os trabalhadores da imensa seara.

23Porto, Março de 1967.

24Todas as notas precedidas de um ou, mais asteriscos são da autoria do organizador deste volume.

Notes

1 Sobre o conceito, na escola etnológica portuguesa, dos diversos capítulos da Etnografia,consultar principalmente : José Leite Vasconcelos – « Etnologia », in Revista Lusitana, vol. XVI (Lisboa, 1913), pp. 330-337 [artigo reimpresso nos Opúsculos de José Leite de Vasconcelos, vol. V (Lisboa, 1938), pp. 3-17] ; José Leite de Vasconcelos –Etnografia Portuguesa, vol. I (Lisboa, 1933), pp.5-6 e 11-16; Jorge Dias – «Etnologia, Etnografia, Volkskunde e Folclore», in Douro-Litoral, 8.a série, I-II (Porto, 1957), pp. 61-77 ; Carlos Lopes Cardoso – « Volkerkunde, Volkskunde e a Escola Etnográfica Portuguesa», in Douro-Litoral, 8.a série, V-VI (Porto, 1957), pp. 521-525; Jorge Dias – « O que se entende por Antropologia Cultural», in Estudos Ultramarinos, n.°3 (Lisboa, 1959), pp. 9--29 [os dois mencionados ensaios de Jorge Dias foram reimpressos nos seus Ensaios Etnológicos (Lisboa, 1961), pp. 1-38] ; Jorge Dias – «A Etnografia como ciência», in Revista de Etnografia, n.° 1 (Porto, 1963), pp. 7-13 ; Ernesto Veiga de Oliveira – Princípios Basilares das Ciências Etnológicas (Barcelos, 1965).

2 Vide : Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varzim, 1965), pp. 12-17.

3 No verso do anterrosto do opúsculo O Museu Municipal do Porto (História Natural), de Rocha Peixoto, lê-se: « Do mesmo auctor/(em preparação)/Materiaes para o estudo ethnographico e anthropologico dos povos do littoral. /I/ POVOA DE VARZIM ». A capa e o rosto do referido opúsculo têm a data de Porto1888. A obra foi impressa, todavia, em 1887, e distribuída em Novembro deste ano [Rocha Peixoto – «A Sociedade Carlos Ribeiro. Notula Historica », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. V, n.° 20 (Porto, 1898), p. 206].
Em 1889 Rocha Peixoto escreveu que o seu estudo sobre os pescadores poveiros já estava « encetado» [Rocha Peixoto – « Contribuições para a Ethnographia Portugueza. Notas sobre malacologia popular », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.°2(Porto, 1889) p. 85].

4 Vide: Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.° 4 (Porto, 1890), p. 190 ; Rocha Peixoto – « A Sociedade de Carlos Ribeiro. Notula Historica », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. V, n.° 20 (Porto, 1898), pp. 179 e 205 ; [Joaquim Araújo] – «A. A. da Rocha Peixoto», in Archivo de «Ex-Libris» Portugueses, vol. VII, n.° 83 (Génova, 1908), p. 156; Vasco Ortigão Sampaio – « O Rocha Peixoto», in jornal O Primeirode Janeiro, do Porto, de 16 de Maio de 1909, p. 1; António dos Santos Rocha – « A. A. da Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique aoinolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 30; Augusto Nobre – «Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único, Póvoa do Varzim, 17 de Junho de 1923, p. 3 ; João Barreira – « Um alfôbre de poetas», in O Primeiro de Janeiro de 23 de Junho de1943, p. 1 [trecho reimpreso in Boletim A utores, n.° 34 (Lisboa, 1966), p. 29]; Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), pp. 130-131 [neste últimovolume encontram-se também reimpressos os testemunhos atrás citados de Joaquim de Araújo, Augusto Nobre, Vasco Ortigão de Sampaio e de António dos Santos Rocha (pp. 26, 33, 44 e 76)].

5 Vide: Sociedade Carlos Ribeiro – Estatutos approvados pelo Governo Civil (2 de Agosto de 1888) (Porto, 1888), art.os 3 e 11 (pp. 5 e 6); Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.°4 (Porto, 1890), p. 189.

6 Arruda Furtado – « Notas psychologicas e ethnologicas sobre o povo portuguez – I – Nomes vulgares de peixes», in Jornal de Sciencias Mathematicas, Phisicas e Naturaes, tomo XI, fase. XLII (Lisboa, 1886), pp. 49-64.

7 Rocha Peixoto – « Contribuições para a Ethnographia Portugueza. Notas sobre malacologia popular », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.0 2 (Porto, 1889), pp. 75-90.

8 Vide o índice do vol. II da Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes (Porto, 1893), p. V.

9 Rocha Peixoto – «A Tatuagem em Portugal», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. II, n.os 7 e 8 (Porto, 1892-1893), pp. 97-111 e 145-157.

10 Rocha Peixoto – « As Maias», in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 1 de Maio de 1894, p. 1.

11 Rocha Peixoto – « O S. João », in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 23 de Junho de 1894, p. 1.

12 Rocha Peixoto – « O Natal », in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 25 de Dezembro de 1894, p. 1.

13 Vide: Consiglieri Pedroso – « Contribuições para uma mythologia popular portugueza.III – Algumas superstições e crenças populares relativas à noite e ao dia de San João», in O Positivismo, vol. II (Porto, 1880), pp. 325-347 [reeditado por Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1988]; F. Adolfo Coelho – « Materiaes para o estudo das festas, crenças e costumes populares portugezes », in Revista d’Ethnologia e de Glottologia, vol. I (Lisboa, 1880), pp. 6-34; J. Leite Vasconcelos – « Tradições dos corpos celestes», in A Vanguarda, vol. I (Lisboa, 1880), pp. 17, 19 e20 [reimpresso nos Ensaios Ethnographicos de J. Leite Vasconcelos, vol. III (Lisboa, 1906), pp. 129-137]; J. Leite Vasconcelos – As Maias (Barcelos), 1882 [op. reimpresso nos Opúsculos de J. Leite Vasconcelos, vol. V (Lisboa, 1938), pp. 509-515] ; Teófilo Braga – « Formação das Lendas Christãs », in O Positivismo, vol. IV (Porto, 1882), pp. 443 e 451 ; Teófilo Braga – O Povo Portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, vol. I (Lisboa, 1885), pp. 3-9 e 20-26, e vol. II (Lisboa, 1885), pp. 279-280, 300-301 e 326- -327 [reeditado por Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1985 e 1986] ; etc.

14 Rocha Peixoto – « Os Ciganos em Portugal», in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 17 de Agosto de 1893, p. 1.

15 Adolfo Coelho – Os Ciganos de Portugal (Lisboa, 1892).

16 F. Adolfo Coelho – « Esboço d’um programma de estudos d’ethnologia peninsular», in Revista d’Ethnologia e de Glottologia, vol. I (Lisboa, 1880), pp. 3-4.

17 Teófilo Braga – O Povo Portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, vol. I (Lisboa,1885), pp. 69-83, 110-119, 127-128, 150-155, 361-382 e 403-409 [reeditado por Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1885],

18 José Leite Vasconcelos – « Materiaes para o estudo das Bellas-Artes Populares Portuguesas. Instrumentos musicos populares e infantis», in O Pantheon, vol. I (Porto, 1880-1881), pp. 197- -200 [artigo reimpresso nos Ensaios Ethnographicos de J. Leite Vasconcelos, vol. IV (Lisboa, 1910), pp. 297-304],

19 J. Leite Vasconcelos – A proposito da ornamentação dos jugos e cangas dos bois nas provindas portuguezas do Douro e Minho (Porto, 1881) [op. reimpresso nos Opúsculos de J. Leite Vasconcelos, vol. V (Lisboa, 1938), pp. 397-435].

20 J. Leite Vasconcelos – Tradições Populares de Portugal (Porto, 1882), pp. 191-194.

21 Joaquim de Vasconcelos – « Da architectura manuelina», in Exposição Distrital de Coimbra em 1884 (Coimbra, 1884), p. 137.
Vide, também, a bibliografia apresentada nas três notas seguintes deste Prefácio.

22 – «Exposição de Trabalhos Mechanicos e das Industrias Caseiras», in Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. II (Porto, 1882), pp. 132-137 ; A. de la Rocque – « Discurso Inaugural da Exposição caseiras e trabalhos mechanicos», in rev. cit,. vol. cit., pp. 299-301; – «Exposição das Industrias caseiras», in rev. cit., vol. cit., pp. 343-345.

23 – «Exposição de Ceramica em Outubro de 1882 », in Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. II (Porto, 1882), pp. 345-350; J.F. Ayres de Gouveia Osório – « Discurso de Inauguração da Exposição de Ceramica», in rev. cit., vol. cit., pp. 535-538; – «Exposição de Ceramica», in rev. cit., vol. cit., p. 683; Joaquim de Vasconcelos – « A Exposição Ceramica. A louça das aldeias», in O Commercio do Porto de 6 a 9 de Dezembro de 1882 (p. 1) [artigo reproduzido na Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. III (Porto, 1884), pp. 471-475 e 537],

24 – « Relatorio e Programma da Exposição de Ourivesaria e Joialheria Nacional», in Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. III (Porto, 1884), pp. 485-488.

25 A. A. Baldaque da Silva – Estado Actual das Pescas em Portugal (Lisboa, 1982), pp. 187-359, 361-369, 373-416.

26 Eurico Gama – Cartas de Leite de Vasconcelos a António Tomás Pires (Lisboa, 1964), pp. 147 (nota 323) e 276 (nota 621).

27 José da Silva Picão – A través dos Campos. Usos e Costumes Agrícolo-Alentejanos (Concelho de Eivas), 2.a edição (Lisboa, 1947), pp. 11-24, 126-132, 142, 162-167, 199-200, 211-243, etc. [reeditado por Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1983].

28 José Germano da Cunha – Apontamentos para a história do Fundão (Lisboa, 1892), pp. 72-78.

29 A. Mesquita de Figueiredo – «Etnografia Portuguesa. 1 – Habitações da Beira-Mar », in Terra Portuguesa, vol. III (Lisboa, 1917), p. 4; António Mesquita de Figueiredo – Há Quarenta e Seis Anos... « O sangue de preto no Povo Português» (Lisboa, 1947), p. 16.

30 – « Casa Portugueza », in Arte Portugueza, vol. I (Lisboa, 1895), pp. 21-22 e 141- -142 ; Henrique das Neves–«Casa Portugueza », in Occidente, vol. XIX (Lisboa, 1896), pp. 102 e 109-110 ; Gabriel Pereira – « Casa Portugueza», in Occidente, vol. XIX, p. 132.

31 Exposição de Alfaia Agricola. Na Real Tapada da Ajuda. Em 1898. Documentos. Introdução, programma, regulamento, jurys, catalogo illustrado, lista dos premiados e opinião da imprensa (Lisboa, 1898); F. Adolfo Coelho – « Alfaia agrícola portuguesa», in Portugalia, tomo I (Porto, 1899 e 1900), pp. 398-416 e 633-649.

32 J. Leite de Vasconcelos – « Museu Ethnographico Português», in Revista Lusitana, vol. III (Porto, 1894-1895), pp. 226-241.

33 F. Adolfo Coelho – Exposição Ethnographica Portugueza. Portugal e Ilhas Adjacentes (Lisboa, 1896), pp. 7-8.

34 F. Adolfo Coelho, ob. cit., pp. 12-46.

35 O fascículo n.° 1 da revista Portugália acabou de se imprimir, no Porto, em 31 de Março de 1899 (Veja-se o interior da capa do referido fascículo).

36 Vide: Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), pp. 19-20 [texto reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), pp. 79-80] ; Manuel Monteiro – « Portugalia », in O Tripeiro, 5.a série, ano V, n.° 7 (Porto, 1949), p. 151.

37 Vide: M. Vieira Natividade – « Rocha Peixoto», in Illustração Transmontana, 2.° ano(Porto, 1909), p. 79 [texto reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), p. 68],

38 Vide: Augusto Nobre – « Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único, Póvoa de Varzim, 17 de Junho de 1923, p. 3; Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), notas das pp. 18 e 31-33.

39 Augusto César [Rocha Peixoto] – « Do Porto», in A Independencia, da Póvoa de Varzim, de 25 de Outubro, 29 de Novembro e 6 de Dezembro de 1884, pp. 1-2.

40 Vide: Augusto César [Rocha Peixoto] – «Do Porto», in jornal A Independencia, da Póvoa de Varzim, de 13 de Dezembro (pp. 1-2) e de 20 de Dezembro de 1884 (p. 2); – « Club Oliveira Martins», in A Independencia, da Póvoa de Varzim, de 21 de Fevereiro de 1885, p. 1; Augusto César [Rocha Peixoto] – « Do Porto», in A Independencia, da Póvoa de Varzim, de 7 de Março de 1885,p. 1; Augusto Nobre – « Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único, Póvoa de Varzim, 17 de Junho de 1923, p. 3 ; João Barreira – « Era uma vez...», in O Tripeiro, 5.a série, ano V, n.° 12 (Porto, 1950), p. 269 [os textos dos dois últimos artigos foram reimpressos in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), pp. 30-31 e 17-18]

41 Vide: A. A. da Rocha Peixoto – «O Museu municipal de Historia Natural do Porto», in A Provincia, do Porto, de 13 de Janeiro (p. 3), 17 de Janeiro (pp. 2-3), 19 de Janeiro (p. 3), 24 de Janeiro (p. 3), 28 de Janeiro (p. 3), 4 de Fevereiro (p. 3), 18 de Fevereiro (p. 3), 2 de Março (p. 3), 17 de Março (p. 3), 22 de Abril (p. 3) e 25 de Maio de 1887 (pp. 2-3) ; Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO cit., p. 19.

42 João Pimentel – «Collegio do Padre Francisco», in O Tripeiro, 3.a série, n.° 22 (Porto, 1926), p. 350 ; Roff – « O Collegio de Nossa Senhora do Rozario, mais conhecido pelo Collegio do Padre Francisco», in O Tripeiro, 3.a série, n.° 23 (Porto, 1926), p. 356.

43 Vide : Joaquim de Vasconcelos – «Industrias Portuguesas», in O Commercio do Porto de 15, 21, 22, 26, 27 e 28 de Agosto, 3, 5, 9, 12, 25 e 30 de Setembro, 7, 15 e 20 ae Outubro, 3 e 13 de Novembro, 4, 18, 23 e 29 de Dezembro de 1886, e de 19 de Fevereiro, 7 e 26 de Março, 2 de Abril, 1 de Maio, 11 de Setembro e 6 de Novembro de 1887, (p. 1); José Augusto Vieira – O Minho Pittoresco, vol. II (Lisboa, 1887), p. 699; Adolfo Coelho – Exposição Ethnographica Portugueza. Portugal e Ilhas Adjacentes (Lisboa, 1896), p. 7; Pedro Vitorino – « Um Mestre», in Illustração Moderna, ano IV, n.° 30 (Porto, 1929), p. 282 ; J. Leite Vasconcelos –Etnografia Portuguesa, vol. I (Lisboa, 1933), p. 39; Alfredo de Magalhães – « Joaquim de Vasconcelos», in O Tripeiro, 5.a série, ano IV, n.° 10 (Porto, 1949), pp. 218-219 ; Augusto César Pires de Lima – « Prof. Joaquim de Vasconcelos», in O Tripeiro cit., p. 222.

44 J. B. [João Barreira] – « Os Mortos. Xavier Pinheiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.° 2 (Porto, 1889-1890), p. 95.

45 Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro. Notula Historica », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. V, n.a 20 (Porto, 1898), pp. 194-195.

46 Rocha Peixoto – A Terra Portugueza (Chronicas Scientificas) (Porto, 1897), pp. 11-20, 75-86, 109-121, 155-166 e 239-247.

47 No que resta do espólio de Rocha Peixoto encontram-se muitos apontamentos etnográficos colhidos pelo cientista entre 1895 e 1899. Desse espólio o Rev.° P.e Mário César Marques (S. Julião de Paços – Braga) possui dois cadernos de bolso com « Notas e desenhos de Ethnographia» que Rocha Peixoto tomou durante digressões de estudo. Um dos cadernos encerra apontamentos de 1896- -1897 e outro de 1897-1898. Também na parte do espólio de Rocha Peixoto que está guardada na Bibioteca Municipal de Póvoa de Varzim há apontamentos seus, etnográficos, datados de 1895 e 1898.
Sobre a dispersão do espólio de Rocha Peixoto e alguns dos elementos dele, vide: José Pinho – « Recordação », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alunnos da Escola Industrial InfanteD. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 17; P.e Mário César Marques – « No centenário do nascimento de Rocha Peixoto», in Escola Remoçada, n.° 517 (Braga, 15 de Maio de 1966), pp. 3-4 ; Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), pp. 72 e 73 ; Mário César Marques – « Para a história de parte do espólio de Rocha Peixoto», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 289-292 e 294 (nota 1).

48 Numa carta enviada dois dias antes a Tomás Pires, Rocha Peixoto considera o opúsculo de Adolfo Coelho « um questionário quasi excellente » [Eurico Gama – « Cartas de António Augustoda Rocha Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho (1899-1907), in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), p. 96].

49 Eurico Gama, ob. cit., p. 97.

50 Eurico Gama, ob. ci., p. 100.

51 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Habitação. Os Palheiros do Littoral», in Portugalia, tomo 1, n.0 1 (Porto, 31 de Março de 1899), pp. 79-96.

52 Idem, p. 96 [Ibidem, p. 88].

53 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Industrias Populares. As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 25 de Agosto c.e 1900), pp. 227-270.
A quase totalidade dos centros de olaria dos arredores de Barcelos pertenceu, até 1855, a um extinto concelho cuja sede era a vila de Prado. Através desta vila devia também fazer-se a exportaçãodas peças manufacturadas pelos barristas. Daí a designado de Olarias de Prado dada, durante séculos, aos núcleos cerâmicos da zona barcelense [vide : E. Lapa Carneiro – Donde vem a confusão entre Louças do Prado e Louças de Barcelos (Barcelos, 1962) (separata do Jornal de Barcelos de 26 de Julho de 1962)].

54 Rocha Peixoto – « Uma Iconographia Popular em Azulejos », in Portugalia, tomo I, n.° 3 (Porto, 30 de Setembro de 1901), pp. 585-590.

55 Esta moradia ainda existe, na antiga Rua do Conde, hoje Rua de Ricardo Severo. Trata-se de um exemplo pretensioso da corrente de carácter nacionalista que a arquitectura residencial portuguesa conheceu a partir de 1900 [Vide : Raul Lino – A Nossa Casa (Lisboa, s.d.) (1918), pp. 55-56 ;Raul Lino – « Vicissitudes da casa portuguesa nos últimos cinquenta anos», in Ver e Crer, n.° 8 (Lisboa, 1945), p. 35],
Com a partida de Ricardo Severo para o Brasil, a casa do director da Portugalia entrou na posse do advogado portuense Dr. António Pinto de Mesqu ta. Então, com alguém já recordou, de lugarde reunião de eruditos vultos do nacionalismo republicano (Ricardo Severo, Basílio Teles, Rocha Peixoto, Santos Rocha, Duarte Leite, Manuel Monteiro, etc.) passou o prédio a servir de ocasional centro de encontro de destacados defensores do nacionalismo monárquico (António Sardinha, Hipólito Raposo, Alberto Monsaraz, Luís de Almeida Braga, etc.). (Vide : Cláudio e António Corrêa d’Oliveira Guimarães – « Miradoiro da Sé. Biografia de Três Ruas», in O Comércio do Porto de 12 de Julho de 1937, p. 2).

56 Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza (A proposito do novo prédio da Rua do Conde)», in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 10 de Agosto (p. 1), 12 de Agosto (p. 1) e 13 de Agosto (p. 1) de 1904.

57 Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza », in Serões, 2.a série, vol. I (Lisboa, 1905), pp. 106-110, 209-214 e 318-322.

58 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Illuminação Popular », in Portugalia, tomo II, n.° 1 (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 35-48.

59 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. Tabulae Votivae (Excerpto)», in Portugalia, tomo II, n.° 2 (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 187-212.

60 Rocha Peixoto – «Ethnographia Portuguesa. O Traje Serrano (Norte de Portugal )», in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. 360-389.

61 Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), pp. 439-448.

62 Rocha Peixoto – « Ethnographia Portuguesa. As Filigranas», in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 540-579.

63 Rocha Peixoto – « Do emprego ainda recente d’uma mó manual», in Portugalia, tomo I, n.° 4 (Porto, 24 de Outubro de 1903), pp. 828-831.

64 Rocha Peixoto – « Uma ornamentação ceramica actual de caracter archaico», in Portugalia, tomo II, n.o 2 (Porto, 12 de Maio de 1906), pp. 270-272.

65 Rocha Peixoto – « Sobrevivencia da primitiva roda de oleiro em Portugal», in Portugalia, tomo II, n. ° 1 (Porto, 15 de Julho de 1905), pp. 74-78.

66 R. P. [Rocha Peixoto] – « Os Pucareiros de Ossella », in Portugália, tomo II, n. ° 4 (Porto, 7 de Setembro de 1908), p. 653.

67 Rocha Peixoto – «As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 261-266 ; Rocha Peixoto – « As Filigranas», in Portugalia, tomo II, pp. 570-571 e 574-576.

68 O trabalho de Rocha Peixoto sobre « As Olarias de Prado» está subordinado à rubrica: Etnografia Portuguesa. Indústrias Populares. (Vide p. 227 do tomo I da Portugalia).

69 Rocha Peixoto – « Faianças das Caldas », in Boletim do Atheneu Commercial do Porto, vol. I (Porto, 1891), pp. 45-50 ; Rocha Peixoto – « Louças Nacionais», in Primeiro de Janeiro de 2 de Junho de 1900, p. 1; Rocha Peixoto – Prefácio ao Catalogo da Exposiçáo Ceramica promovida pelo Instituto Portuense de Estudos e Conferencias efectuada na Palácio de Christal a 19 de Março de 1901 (Porto, 1901).

70 Rocha Peixoto – « Louças Nacionaes », in Primeiro de Janeiro de 2 de Junho de 1900, p. 1.

71 Rocha Peixoto – «A Casa Portugueza », in Serões, 2.° série, vol. I (Lisboa, 1905), p. 214.

72 Vide: Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 249, 250, 257, 258, 259, 261 e 268-270; Rocha Peixoto – « Tabulae Votivae », in Portugalia, tomo II, p. 190; Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, pp. 443 e 446 ; Rocha Peixoto – « As Filigranas», in Portugalia, tomo II, p. 578.

73 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, p. 268.

74 Após a retirada de Ricardo Severo para o Brasil e de Fonseca Cardoso para Timor, Rocha Peixoto aguentou corajosamente a manutenção da Portugália, auxiliado por José Fortes. Vide, entre outros: João Barreira – « Rocha Peixoto», in O Primeiro de Janeiro, de 18 de Setembro de 1944, p. 1; Manuel Monteiro – « Portugália », in O Tripeiro, 5.a série, ano V, n.° 7 (Porto, 1949), p. 154. O nome de José Fortes aparece pela primeira vez, como um dos secretários da revista, na capa do fascículo 3 do tomo II da Portugália (Porto, 16 de Julho de 1907).

75 Vide: Tude M. de Sousa – « Rocha Peixoto e o Gerez », in RECORDAÇÃO. Homenagemdos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 28; Abade Sousa Maia – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO cit.,p. 35; P.e Francisco Manuel Alves – «Vestigios do regimen agrario communal», in Illustração Transmontana, vol. III (Porto, 1910), p. 137; Manuel Monteiro – « Correspondencia inédita de Alberto Sampaio (Alberto Sampaio e Rocha Peixoto)», in Revista de Guimarães, vol. 51, n.° 4 (Guimarães, 1941), p. 269 ; Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho (1899-1907)», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2(Póvoa de Varzim, 1966), pp. 95-116; Mário Areias – « Cartas de Rocha Peixoto para António Augusto Gonçalves», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, n.° cit., pp. 273, 276 e 280 ; Mário César Marques – « Para a história de parte do espólio de Rocha Peixoto», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.0 2 (Póvoa de Varzim, 1966), p. 296.

76 Pedro Fernandes Tomás – « Notas Ethnographicas do Concelho de Figueira. A Pesca em Buarcos », in Portugalia, tomo I, pp. 147-154 e 379-384; Pedro Fernandes Tomás « Ceramica Negra nos districtos de Coimbra e Aveiro», in Portugalia, tomo I, pp. 821-823.

77 B. D. Coelho – «Industria caseira de fiação, tecelagem e tingidura de substancias textis no Districto de Vianna do Castello », in Portugalia, tomo I, pp. 369-378.

78 F. Adolfo Coelho – « Alfaia agricola portuguesa», in Portugalia, tomo I, pp. 398-416 e 633-649.

79 Teófilo Braga – «Sobre as estampas ou gravuras dos livros populares portuguezes », in Portugália, tomo I, pp. 497-512.

80 Armando da Silva – « Ethonographia Açoriana. A Alfaia Maritima da Ilha de S. Miguel», in Portugalia, tomo I, pp. 834-846.

81 Luís de Magalhães – « Os Barcos da Ria de Aveiro», in Portugalia, tomo II, pp. 49-62.

82 Mello de Matos – « As Chaminés Alemtejanas », in Portugalia, tomo II, pp. 79-84.

83 José Pinho – « Ethnografia Amarantina. I – A Caça. II – A Pesca», in Portugalia, tomo II, pp. 84-100 e 448-459.

84 Manuel Monteiro – «A Loiça de Miranda do Corvo», in Portugalia, tomo II, pp. 431- -438.

85 M. Vieira Natividade – « Alcobaça Ethnographica. I – As rocas da minha terra», in Portugalia, tomo II, pp. 638-646.

86 Sobre Rocha Peixoto naturalista, vide: Augusto Nobre – « Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único (Póvoa de Varzim, 17 de Junho de 1923), pp. 3-4; Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varzim, 1965), pp. 15-16 ; Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), pp. 138-143 ; M.J. Lemos de Sousa – « Rocha Peixoto. Aspectos da sua actividade como naturalista», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.°2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 132- -148.

87 Vide: José Pinho – « Recordação », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 17; Júlio Brandão – Galeria das Sombras [Porto, s.d. (1935)], p. 164 [estes dois testemunhos encontram-se transcritos, respectivamente, in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos) cit., pp. 72 e 89] ; Manuel Monteiro – «Prefácio» ao livro Gerez (NotasEtnográficas, Arqueológicase Históricas), de Tude M. de Sousa (Coimbra, 1927), p. X ; P.e Mário César Marques – « No centenário do nascimento de Rocha Peixoto», in Escola Remoçada, n.° 517 (Braga, 15 de Maio de 1966),p. 4 ; Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), p: 129.

88 Ernesto Veiga de Oliveira – « Rocha Peixoto e a Etnologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2, pp. 209 e 211.

89 Manuel Monteiro – « Rocha Peixoto», in Arte, Archivo de Obras de Arte, ano V, n.0 54(Porto, 1909), p. 46 [texto reimpresso in Rocha Peixoto. (Depoimentos e Manuscritos), selecção enotas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), p. 62].

90 Vide: [Correia Pacheco] – « Noticiario. Camara Municipal do Porto», in O Commercio do Porto de 7 de Maio de 1909, p. 1 [texto reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos)cit., p. 110] ; P.e Mário César Marques – « No centenário do Nascimento de Rocha Peixoto», in Escola Remoçada, n.° 517 (Braga, 15 de Maio de 1966), p. 3 ; Eurico Gama – « Cartas de António Augusto Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim), pp. 103 e 104.

91 Vide: A.A. da Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal», in Annaes Scientificos da Academia Polytecnhica do Porto, vol. III, n.° 4 (Coimbra, 1908), p. 218 ; P.e Mário César Marques – « No Centenário do Nascimento de Rocha Peixoto», in loc. cit., p. 3.
Noticiando a chegada de Rocha Peixoto à Póvoa de Varzim, após esta sua digressão por Trás-os-Montes, um jornal poveiro escrevia que o etnógrafo regressava de « uma demorada e penosa excursão científica por terras de Barroso» (Vide : – « Rocha Peixoto», in O Liberal, da Póvoa de Varzim, de 15 de Setembro de 1901, p. 1).

92 Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires ea António José Torres de Carvalho», in loc. cit., pp. 108 e 109; Coronel J. da Rocha Peixoto – «Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in loc. cit., p. 130.

93 F. Adolfo Coelho – « Esboço d’um programma de estudos d’etnologia peninsular», in Revista d’Etnologia e de Glottologia, n. ° 1 (Lisboa, 1880), p. 1.

94 D. Sebastião Pessanha – « No Lindoso», in Revista de Turismo, ano IV, n.0 76 (Lisboa, 20 de Agosto de 1919), p. 29.

95 P.e Mário César Marques – « No Centenário do Nascimento de Rocha Peixoto», in Escola Remoçada, n.° 517 (Braga, 15 de Maio de 1966), p. 3.

96 J. B. [João Barreira] – « Os Mortos. Xavier Pinheiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.° 2 (Porto, 1889-1890), p. 95.

97 Rocha Peixoto – «A Tatuagem em Portugal», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol II, n.° 8 (Porto, 1893), p. 157.

98 Vide: F. Adolfo Coelho – « Alfaia agrícola portuguesa», in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 25 de Agosto de 1900), pp. 398-399.

99 Tude M. de Sousa – «Serra do Gerês. Tradições e Usos Religiosos. Cêrcos e Clamores», in revista Terra Portuguesa, n. ° 35-36 (Lisboa, 1922), p. 166, nota 1 (carta de Rocha Peixoto); Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966),pp. 96, 98, 99, 100, 103 e 104 ; Mário Areias – « Cartas de Rocha Peixoto para António Augusto Gonçalves», in Boletim cit., n.° cit., p. 273.

100 Rocha Peixoto – « Supplemento à secção bibliographica do fascículo 3 do Tomo II da Portugalia », in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), p. 492-A.

101 Idem, ibidem, p. 492-H.

102 Vide: Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 20 [testemunho reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), p. 82] ; Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 204, 210 (e 300).

103 Vide: tomo I da Portugalia (Porto, 1899-1903), pp. 882-883 e 885-886; Serões, 2.a série, vol. I (Lisboa, 1905), pp. 106-109, 209-213 e 318-322; e tomo II da Portugalia (Porto, 1905-1908), pp. 696-698.

104 Na parte do espólio de Rocha Peixoto que actualmente está na posse do Rev.o P.e Mário César Marques, e do autor deste prefácio, e da Biblioteca Municipal da Póvoa de Varzim, há desenhos da autoria de Rocha Peixoto representando obras ergológicas. Os desenhos que se encontram em meu poder forma, ainda em vida de Rocha Peixoto, passados a limpo e aperfeiçoados, por artistas, afim de serem publicados; esses desenhos corrigidos, e inéditos, acham-se hoje na posse do Ex.mo Senhor Coronel José Monteiro da Rocha Peixoto (Ancede – Baião), vindos da casa de Manuel Monteiro. Também o Ex.mo Senhor Coronel José Monteiro da Rocha Peixoto, sobrinho do etnógrafo, possui diversas fotografias de temas populares, tiradas por seu Tio, que serviram de modelo para desenhos que aparcem em trabalhos impressos de Rocha Peixoto.
Acerca da dispersão do espólio de Rocha Peixoto veja-se a bibliografia citada na nota 3 da pág. XXIII deste Prefácio.

105 Vide: tomo I da Portugalia (Porto, 1899-1903), p. 879; tomo II da Portugalia (Porto, 1905-1908), p. 694; José Pinho – « Recordação », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos cit., p. 17 [reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos) cit., p. 72]; Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade », in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), p. 127.

106 Vide: Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano – Palheiros de Litoral Central Português (Lisboa, 1964), p. 89 (nota 3); Eugénio Lapa Carneiro – «Materiais para o estudo das olarias de Barcelos. A propósito de uns «paliteiros» oferecidos a Ramalho Ortigão em 1896», in Boletim Informativo do Museu Regional de Cerâmica, n.° 2 (Barcelos, 1967), p. 20.

107 Vide: Ernesto Veiga de Oliveira – Princípios Basilares das Ciências Etnológicas (Barcelos, 1965), pp. 12-14 ; Ernesto Veiga de Oliveira – «Rocha Peixoto e a Etnologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 181-183 e 198-200.

108 Rocha Peixoto – «Os Palheiros do Littoral », in Portugalia, tomo I, n.° 1 (Porto, 31 de Março de 1899), p. 96.

109 Portugalia, tomo II, n.° 1 (Porto, 15 de Julho de 1905), p. 74.

110 Portugalia, tomo II, n.° 2 (Porto, 12 de Maio de 1906), p. 187.

111 Portugalia, tomo II, n.° 2, p. 270.

112 Jorge Dias – « Alguns problemas dos Museus etnológicos », in Boletim APOM, n.° 1 (Lisboa, 1967), p. 6.

113 J. Leite de Vasconcelos – « Advertencia Preliminar», in Boletim de Etnografia, n.° 1 (Lisboa, 1920), p. 5.

114 Vide: J. Leite de Vasconcelos – Religiões de Lusitania, vol. I (Lisboa, 1897), pp. 6-11; A. A. Mendes Correia – Geologia e Antropologia em Portugal (Lisboa, 1929), pp. 21-24.

115 Sociedade Carlos Ribeiro – Estatutos approvadospelo Governo Civil (Porto, 1988), p. 6, n.° 11; Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.° 4 (Porto, 1890), p. 189 ; Rocha Peixoto – « A Sociedade Carlos Ribeiro. Nótula Histórica », in Revista cit., vol. V, n.° 20 (Porto, 1898), pp. 194-195.

116 Vide: Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varzim, 1965), pp. 114-115, e nota 102. Além da bibliografia citada na referida nota 102, consultar: Rocha Peixoto – « Um guerreiro lusitano», in jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, de14 de Maio de 1903, p. 2; Bento Carqueja – « O crasto de Ossela», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único (Póvoa de Varzim, 17 de Junho de 1923), p. 2 ; Monsenhor J. Augusto Ferreira– « In Memoriam », in jornal Rocha Peixoto cit., p. 4 [texto reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), p. 117] ; C. M. [Cardoso Martha ?] – « Epistolario. Carta de Rocha Peixoto agradecendo a Santos Rocha um presente feito ao museu do Porto», in jornal Diário de Lisboa de 13 de Maio de 1924, p. 6 ; Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 114-115 e 119-120 ; Mário Areias – « Cartas de Rocha Peixoto para António Augusto Gonçalves », in Boletim cit.,pp. 270-272, 276-278 e 279-280; Mário César Marques – « Para a história de parte do espólio de Rocha Peixoto», in Boletim cit., p. 294-295.

117 Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varzim, 1965), p. 24 ; D. de Pinho Brandão – «Rocha Peixoto e a Arqueologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), p. 160.

118 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 243-249 ; Rocha Peixoto – « Uma ornamentação ceramica actual de caracter archaico », in Portugalia, tomo II, pp. 271- -272.

119 Rocha Peixoto – « As Filigranas», in Portugalia, tomo II, pp. 541-546 e 552-565.

120 Rocha Peixoto – « Do emprego ainda recente duma mó manual», in Portugalia, tomo I, pp. 828-831.

121 Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, pp. 441-443.

122 Rocha Peixoto – « Tabulae Votivae », in Portugalia, tomo II, pp. 187-189.

123 Rocha Peixoto – « Illuminação Popular », in Portugalia, tomo II, pp. 36-48.

124 R. P. [Rocha Peixoto] – « Bibliographia », in Portugalia, tomo II, p. 298.

125 Rocha Peixoto – « A interpretação do primeiro ensaio artístico», in O Intermezzo, 2." série, n.° 3 (Porto, 13 de Dezembro de 1890), pp. 1-2.

126 R. P. – « O homem da maça», in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 676-677.

127 R. P. – « O Penedo de Santa Comba », in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 25 de Agosto de 1900), p. 332.

128 Rocha Peixoto – « A Pedra dos Namorados», in Portugalia, tomo I, n.° 4 (Porto, 24 de Outubro de 1903), p. 808.

129 R. P. – « A cividade de Riodouro », in Portugalia, tomo II, n.° 2 (Porto, 12 de Maio de 1906), p. 284.

130 Rocha Peixoto – «Arqueografia local. As Siglas da Ponte », in Almanaque Illustrado de «O Commercio do Lima», ano III (Ponte de Lima, 1990), p. 222.
É de notar que Rocha Peixoto precedeu bastante os autores que modernamente voltaram a relacionar as siglas dos poveiros com as siglas dos monumentos e com as marcas de gado [José Saraiva – Leiria (Porto, 1929), pp. 66-69 ; A. Santos Graça – Inscrições Tumulares por Siglas (Póvoa de Varzim, 1942), pp. 50-55; Jaime Cortesão – « A Póvoa e o Poveiro », in O Primeiro de Janeiro de 26 de Julho de 1956, p. 1 (trecho transcrito no Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. I, n.01, Póvoa de Varzim 1958, p. 101, e em Portugal. A Terra e o Homem, de Jaime Cortesão, Lisboa, 1966, p. 52); Octávio Lixa Filgueiras – « Acerca das Siglas Poveiras », in Lucerna, vol. V (Porto, 1966), pp. 678- -686 e mapa entre pp. 688-689]. Os quatro autores citados não deviam ter lido o trabalho de Rocha Peixoto publicado em 1909. Dos estudiosos das siglas usadas pelos pescadores da Póvoa de Varzim parece que só Carlos de Passos conheceu o artigo de Rocha Peixoto [Carlos de Passos – « Barcos de Pesca», in Terra Portuguesa, vol. IV, n.os 35-36 (Lisboa, 1922), p. 201].
Rocha Peixoto foi, de resto, o primeiro etnógrafo a mencionar, e a desejar interpretar, as siglas dos poveiros [Rocha Peixoto – « Notas sobre malacologia popular », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.° 2 (Porto, 1889), p. 85.

131 Com frequência se procedia assim no tempo de Rocha Peixoto. Veja-se, por exemplo, o vol. I das Religiões da Lusitana de J. Leite de Vasconcelos (Lisboa, 1897).

132 Portugalia, tomo I, p. 874, e tomo II, p. 691.Vide também : Ernesto Veiga de Oliveira – « Rocha Peixoto e a Etnologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 166 e 167.

133 Rocha Peixoto – «A Casa Portugueza », in Serões, 2.a série, vol. I (Lisboa, 1905), p. 106.

134 Rocha Peixoto – « Os Palheiros do Littoral », in Portugalia, tomo I, pp. 80-82.

135 Rocha Peixoto – « Os Palheiros do Littoral », in Portugalia, tomo I, pp. 92-93.

136 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, p. 233.

137 Rocha Peixoto – « O Traje Serrano», in Portugalia, tomo II, pp. 367-368, 373-374, 376- -377 e 380-382.

138 Rocha Peixoto – « Illuminação Popular », in Portugalia, tomo II, pp. 43 e 46.

139 Rocha Peixoto – « A Tatuagem em Portugal», in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes,vol. II, n.0 7 (Porto, 1892), pp. 107-110; Rocha Peixoto – « Etnografia Trasmontana. Apódos Tópicos», in Illustração Trasmontana, vol. I (Porto, 1908), pp. 75-80.

140 Rocha Peixoto – «As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, pp. 265-267 ; Rocha Peixoto – « Sobrevivencia da primitiva roda de oleiro em Portugal», in Portugalia, tomo II, pp. 77-78; Rocha Peixoto – « Uma ornamentação ceramica actual de caracter archaicò », in Portugalia, tomo II, p. 270 ; Rocha Peixoto – «As Filigranas», in Portugalia, tomo II, pp. 576-579.

141 Vide: Pedro Cervantes de Carvalho Figueira – « Noticia e informação ácerca do estado actual da industria das rendas de Peniche», in Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. II (Porto, 1882), pp. 304-305; Joaquim de Vasconcelos – « A Exposição Ceramica », in O Commercio do Porto de 9 de Dezembro de 1882, p. 1 [texto reproduzido na Revista da Sociedade de Instrução do Porto, vol. III (Porto, 1884), p. 473] ; Joaquim de Vasconcelos – « Industrias Portuguezas », in O Commercio do Porto de 22 de Agosto de 1886, p. 1 ; etc.

142 Vide: Pedro Fernandes Tomás – « Notas Ethnographicas do Concelho da Figueira. A Pesca em Buarcos », in Portugalia, tomo I, n.° 1 (Porto, 31 de Março de 1899), p. 154 ; Manuel Monteiro – « A loiça de Miranda do Corvo», in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), p. 438.
O último dos artigos citados revela nitidamente a influência do método de Rocha Peixoto. Aliás Manuel Monteiro patenteia, nalguns dos seus primeiros trabalhos, a profunda admiração que nutria pelo ardoroso obreiro da Portugália. [Vide : Manuel Monteiro – « O Museu Archeologico do Instituto », in Portugal Artistico, 1.a série (Porto, 1905), pp. 516, 522, 524 e 526; Manuel Monteiro – « Azulejos de figura avulsa», in Serões, 2.a série, vol. III (Lisboa, 1907), p. 15].

143 Rocha Peixoto – «Formas da Vida Communalista em Portugal. Summario de uma monographia imedita », in Exposição Nacional do Rio de Janeiro em 1908. Secção Portuguesa. Notas sobre Portugal, vol. I (Lisboa, 1908), pp. 73-83.

144 Rocha Peixoto – «Survivances du Régime Communautaire en Portugal (Abrégé d’une monographie inédite)», in Annaes Scientificos da Academia Polytechnica do Porto, vol. III, n.° 4(Coimbra, 1908), pp. 205-221 ; Rocha Peixoto – « O Communismo em Portugal», no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 25 de Dezembro de 1908 (p. 1), de 1 de Janeiro de 1909 (pp. 1-2) e de 6 de Janeiro de 1909 (pp. 1-2).

145 Vide: – « Rocha Peixoto», in jornal O Liberal, da Póvoa de Varzim, de 15 de Setembro de 1901, p. 1; P.e Mário César Marques – «No Centenário do Nascimento de Rocha Peixoto», in jornal Escola Remoçada, n.° 517 (Braga, 15 de Maio de 1960), p. 3; Coronel J. da Rocha Peixoto – «Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 129 e 130.

146 Rocha Peixoto – « A Pedra dos Namorados», in Portugalia, tomo I, n.° 4 (Porto 24 de Outubro de 1903), p. 807.

147 Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza », in O Primeiro de Janeiro de 12 de Agosto de 1904, p. 1.
Vide também : Rocha Peixoto – « A Casa Portugueza », in Serões, 2.a série, vol. I (Lisboa, 1905), p. 211.

148 R. P. [Rocha Peixoto] – «Bibliographia», in Portugalia, vol. II, n.0 1 (Porto, 1905), p. 135.

149 Vide: Tude M. de Sousa – « Costumes e Tradições Agrícolas do Minho. I – Regimen pastoril dos povos da Serra do Gerez », in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907),pp. 459-472 e tomo II, n.° 4 (Porto, 7 de Setembro de 1908), pp. 646-652 ; Tude M. de Sousa – «Rocha Peixoto e o Gerez », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 28 ; Tude M. de Sousa – « Serra do Gerêz. Tradições e Usos Religiosos. Cêrcos e Clamores», in revista Terra Portuguesa n.os 35-36 (Lisboa, 1922), p. 166 e nota 1; Tude M. de Sousa – Gerez (Notas Etnográficas, Arqueológicas e Históricas) (Coimbra, 1927), pp. XXI e XXII-XXIV ; Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 105-106, 106-108, 109, 109-110 e 114, e notas 34, 36 e 47.

150 Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal (Abrégé d’une monographie inédite)», in Annaes Scientificos da Academia Polytechnica do Porto, vol. III, n.° 4 (Coimbra, 1908), p. 205.

151 Vide: Teófilo Braga – O Povo Portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, vol. I (Lisboa, 1885), pp. 3-9, 20-26 e 50 ; [reeditado por Publicações Dom Quixote, Lisboa, Lisboa, 1985] ;J. P. Oliveira Martins – Quadro das Instituições Primitivas (Lisboa, 1883), pp. 77-136 ; Alberto Sampaio – « As villas do norte de Portugal», in Portugalia, tomo I, n.° 1 (Porto, 31 de Março de 1899), pp. 116-119 [texto reimpresso nos Estudos históricos e económicos de Alberto Sampaio, vol. I (Porto, 1923), pp. 32-36],

152 Vide: – « Discurso proferido pelo ex.mo sr. dr. Eduardo Pimenta», in jornal A « Propaganda », da Póvoa de Varzim, de 20 de Maio de 1909, p. 2 ; [Cardoso Martha ? ] – «Epistolario. Carta de Rocha Peixoto a João de Menezes onde se fala do monarquismo do povo portuguez...», in Diário de Lisboa de 16 de Setembro de 1925, p. 3.

153 Sobre o comunitarismo na época castreja, veja-se, entre outros : Joaquim de Carvalho – «A Cultura Castreja. Sua Interpretação Sociológica », in revista Ocidente, vol. 50 (Lisboa, 1956), pp. 15-17 (e respectiva bibliografia).

154 António Sardinha – O Valor da Raça (Lisboa, 1915), pp. 158-159 ; Jaime Cortesão – « O Sentido da Cultura em Portugal no século XIV », in Seara Nova, ano 35, n.os 1311-1314 (Lisboa, 1956), p. 8 [texto reimpresso in Obras Completas de Jaime Cortesão, vol. I, Osfactores democráticos na formação de Portugal (Lisboa, 1966), pp. 172-173].

155 Émile de Laveleye – La Proprieté du Sol et ses formes primitives (1847).
Vide: Rocha Peixoto – « Formas da Vida Communalista em Portugal. Summario de uma monographia inedita», in Notas sobre Portugal, vol. I (Lisboa, 1908), pp. 76, 79, 81 e 82 ; RochaPeixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal (Abrégé d’une monographie inédite) », in Annaes Scientificos da Academia Polytechnica do Porto, vol. III, n.° 4 (Coimbra, 1908), pp. 208, 212, 215, 218 e 220; Rocha Peixoto – « O communismo em Portugal», in O Primeiro de Janeiro de 25 de Dezembro de 1908 (p. 1), de 1 de Janeiro de 1909 (p. 1) e de 6 de Janeiro de 1909 (pp. 1-2).

156 G. Santa Ritta – « No centenário de Rocha Peixoto», in Gazeta das Aldeias, n.° 2577 (Porto, 16 de Outubro de 1966), pp. 763-764.

157 Alberto Dinis da Fonseca – « Do forno commum n’algumas aldeias da Beira Baixa», in Boletim da Sociedade Archeologica Santos Rocha, tomo I, n.° 9 (Figueira da Foz, 1909), pp. 260-263.

158 O facto de Rocha Peixoto ter divulgado através de O Primeiro de Janeiro – jornal onde não colaborava havia anos – a versão completa do seu estudo acerca do comunitarismo, com um título e remate significativos [vide a nota (*) da pág. 330 e a nota (**) da pág. 347 deste volume, abre a hipótese de que intenções de ordem ideológica pesaram sobre o escritor ao resolver transmitir ao grande público as suas conclusões científicas. Do interesse que despertou aquele trabalho inserto n’O Primeiro de Janeiro falam, ao tempo : M. S. [Manuel Silva] – « Regimen comunitário em Portugal», in jornal Estrella Povoense, da Póvoa de Varzim, de 28 de Fevereiro (p. 2) e de 21 de Março de 1909 (p. 2); A. D. [Avelino Dantas ? ] – « Rocha Peixoto», in Estrella Povoense de 23 de Maio de 1909 (p. 2) [testemunho reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), p. 50].

159 Vide: Rocha Peixoto – « Formas de vida Communalista em Portugal. Summario de umamonographia inédita », in Notas sobre Portugal, vol. I (Lisboa, 1908), pp. 73, 74, 78 e 82 ; Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal (Abregé, d’une monographie inédite)» in, Annaes Scientificos da Academia Polytechnica do Porto, vol. III, n.° 4 (Coimbra, 1908), pp. 205, 206, 212, 218 e 219; Rocha Peixoto – « O communismo em Portugal», in O Primeiro de Janeiro de 25 de Dezembro de 1908 (p. 1) e de 6 de Janeiro de 1909 (p. 1).

160 C. M. [Cardoso Martha ?] – «Epistolario. Carta de Rocha Peixoto a João de Menezes onde se fala do monarquismo do povo portuguez...», in jornal Diário de Lisboa de 16 de Setembro de 1925, p. 3.
Quando Rocha Peixoto faleceu, o jornal portuense Diário da Tarde – de que era secretário da redacção um seu amigo, João Grave – informava que um dos projectos ardentes do cientista consistia na redacção de um « estudo pormenorizado e documentado do regime da propriedade comunista em Portugal » [Vide : – «Morte de Rocha Peixoto», in Diário da Tarde, do Porto, de 3 de Maio de 1909, p. 1],

161 A. Santos Graça – O Poveiro (Póvoa de Varzim, 1932), pp. 7-10.

162 Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), p. 127.

163 A. D. [Avelino Dantas ?] – «Rocha Peixoto», in jornal Estrella Povoense, da Póvoa de Varzim, de 23 de Maio de 1909, p. 2.

164 Vide: P.e Francisco Manuel Alves – « Vestigios do regimen agrario communal », in Illustração Transmontana, vol. III (Porto, 1910), p. 137 ; Mário César – « O Abade de Baçal e a Portugalia », in Escola Remoçada, n.° 492 (Braga, 1 de Maio de 1965), p. 4; Mário César Marques – « Para a história de parte do espólio de Rocha Peixoto», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa Varzim, 1966), pp. 296-298.
O Abade de Baçal, num dos volumes das suas Memórias, de novo publicou o seu trabalho sobre as práticas communitárias da população de Rio de Onor [Francisco Manuel Alves – Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança, tomo IX (Porto, 1934), pp. 348-352].

165 Tude M. de Sousa – «Rocha Peixoto e o Gerez », in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto (Porto, 1909), p. 28.

166 Ernesto Veiga de Oliveira – Princípios Basilares da Ciências Etnológicas (Barcelos, 1965), p. 25.

167 J. Leite de Vasconcelos – Ensaios Ethnographicos , vol. IV (Lisboa, 1910), p. 450.

168 Manuel Monteiro – « Rocha Peixoto», in Arte. Archivo de Obras de Arte, ano V, n.° 54(Porto, 1909), p. 46 [texto reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), p. 62]. Vide também : Manuel Monteiro – « Rocha Peixoto e a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim», in O Primeiro de Janeiro de 11 de Agosto de 1944, p. 1.

169 José Pinho«Recordação», in RECORDAÇÃO cit., p. 18.

170 Cândido Landolt –Folk-Lore Varzino (Póvoa de Varzim, 1915), pp. 10-12.

171 Tude M. de Sousa – « Rocha Peixoto e o Gerez», in Terra Portuguesa, n.° 35-36 (Lisboa, 1922), p. 166 e nota 1; Tude M. de SousaGerez (Notas Etnográficas, Arqueológicas e Históricas) (Coimbra, 1927), pp. XXI-XXV.

172 Rocha Peixoto – « Supplemento à secção bibliographica do fascículo 3 do tomo II da Portugalia », in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 1907), p. 492-F.

173 José Pinho – «Recordação», in RECORDAÇÃO cit., p. 18.

174 R. P.– « Os Cercos», in Portugalia, tomo I, n.° 3 (Porto, 30 de Stembro de 1901), p. 624.

175 Rocha Peixoto – « O Traje Serrano», in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), p. 369, nota 3.

176 Rocha Peixoto – « Survivances du Régime Communautaire en Portugal», in AnnaesScientificos da Academia Polytechnica do Porto, vol. III, n.°4 (Coimbra, 1908), p. 217; Rocha Peixoto – « O communismo em Portugal», in O Primeiro de Janeiro de 6 de Janeiro de 1909, p. 1.

177 Rocha Peixoto – As Piligranas (Porto, 1908) (separata da revista Portugalia, tomo II, n.° 4) [no verso do anterrosto desta separata, ver a lista das obras do Autor « em preparação ») ; Rocha Peixoto – Notícia ácerca das explorações archeologicas da Cividade de Terroso e do Castro de Laundos (Porto, 1908) (separata da Portugalia, tomo II, n.° 4) [no interior da capa desta separata, ver a lista das obras do Autor « em preparação »].

178 José de Leite Vasconcelos – Etnografia Portuguesa. Tentame de Sistematização, vol. I (Lisboa, 1933), vol. II (Lisboa, 1936), vol. III (Lisboa, 1942), p. V ; vol. IV (Lisboa, 1958).

179 Vide: – «Rocha Peixoto», in jornal O Liberal, da Póvoa de Varzim, de 15 de Setembro de 1901, p. 1.

180 Vide: – « Rocha Peixoto», in jornal Estrella Povoense, da Póvoa de Varzim, de 7 deAbril de 1907, p. 1; M. S. [Manuel Silva] – « Regimen communitario em Portugal » in Estrella Povoense, de 28 de Fevereiro de 1909, p. 2 ; [João Grave?] – «Morte de Rocha Peixoto», in Diário da Tarde, do Porto, de 3 de Maio de 1909, p. 1 ; [Correia Pacheco] – « Noticiario. Camara Municipal do Porto», in O Commercio do Porto de 7 de Maio de 1909, p. 1 ; João Grave – « Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único, Póvoa de Varzim, 17 de Junho de 1923, p. 1; Raul Brandão – Memórias, vol. I (Lisboa, 1925), p. 225 ; Manuel Monteiro – « Prefácio» ao livro Gerez (Notas Etnográficas, Arqueológicas e Históricas), de Tude M. de Sousa (Coimbra, 1927), p. X ; Júlio Brandão – Galeria das Sombras [Porto, s.d. (1935)], p. 162 [os testemunhos de Júlio Brandão,de Correia Pacheco e de Raul Brandão foram reimpressos in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), pp. 87, 112 e 123-124] ; Manuel Monteiro – « Rocha Peixoto e a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim», in O Primeiro de Janeiro de 11 de Agosto de 1944, p. 1 ; João Barreira – « Rocha Peixoto», in O Primeiro de Janeiro de 18 de Setembro de 1944, p. 1.

181 Vide: [João Grave ? ] – «Morte de Rocha Peixoto», in Diário da Tarde, do Porto, de 3 de Maio de 1909, p. 2 ; [Correia Pacheco] – « Noticiario. Camara Municipal do Porto», in O Commercio do Porto de 7 de Maio de 1909, p. 1; « Rocha Peixoto», in Estrella Povoense, da Póvoa de Varzim, de9 de Maio de 1909, p. 1; Eduardo Pimenta – « As ultimas palavras» in O Liberal, da Póvoa de Varzim, de 9 de Maio de 1909, p. 1; – « Rocha Peixoto», in Estrella Povoense de 23 de Maio de 1909, p. 2 ; João Barros – « Rocha Peixoto», in O Primeiro de Janeiro, do Porto, de 27 de Maio de 1909, p. 1; Raul Brandão – Memórias, vol. II (Lisboa, 1925), pp. 225-226 [os testemunhos de João de Barros, Correia Pacheco e Raul Brandão foram reimpressos in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos)cit., pp. 55-56, 112 e 123-124]; Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 130-131.

182 F. Adolfo Coelho – Exposição Ethnographica Portugueza. Portugal e Ilhas Adjacentes (Lisboa, 1896), pp. 12-14.

183 Rocha Peixoto – «Ethnographia Transmontana. Apódos Tópicos », in Illustração Transmontana, vol. I (Porto, 1908), pp. 75-80.

184 R. P. (Colector) – «Folk-Lore. Contos Populares de Animaes », in Portugalia, tomo II, n. °4 (Porto, 1908), p. 660.

185 Vide: Tude M. de Sousa – «Serra do Gerêz. Tradições e Usos Religiosos. Cêrcos e Clamores», in Terra Portuguesa, n.° 35-36 (Lisboa, 1922), p. 166, nota 1; Tude M. de Sousa – Gerez (Notas Etnográficas, Arqueológicas e Históricas) (Coimbra, 1927), pp. XXI-XXII.

186 Rocha Peixoto – « As Olarias de Prado», in Portugalia, tomo I, n.° 2 (Porto, 1900), p. 252.

187 Rocha Peixoto – « Illuminaçao Popular », in Portugalia, tomo II, n.° 1 (Porto, 1905), pp. 35 e 43.

188 Rocha Peixoto – « O Traje Serrano», in Portugalia, tomo II, n.0 3 (Porto, 1907), pp. 383-384.

189 Rocha Peixoto – « Os Cataventos », in Portugalia, tomo II, n.0 3 (Porto, 1907), pp. 439- -441.

190 Rocha Peixoto – «As Filigranas», in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 1908), pp. 566- -568.

191 R. P. – « Os Cercos», in Portugalia, tomo I, n. ° 3 (Porto, 1901), pp. 623-624 ; R. P. – «A origem duma fórmula mágica», in Portugalia, tomo I, n.° 3, pp. 628-629.

192 Coronel J. da Rocha Peixoto – « Algumas notícias sobre Rocha Peixoto na intimidade», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.°2 (Póvoa de Varzim, 1966), p. 127.

193 Ernesto Veiga de Oliveira – « Rocha Peixoto e a Etnologia», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2, p. 207.

194 Rocha Peixoto – « Contribuições para a Ethnographia Portugueza. Notas sobre malacologia popular », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. I, n.0 2 (Porto, 1889), p. 75; Rocha Peixoto – «Ethnographia Transmontana. Apódos Tópicos», in Illustração Transmontana, vol. I (Porto, 1908), p. 75.

195 R. P. [Rocha Peixoto] – « Bibliographia », in Revista de Sciencias Naturaes e Sociaes, vol. II, n.° 7 (Porto, 1892), p. 135; R. P. – «Bibliographia», in Revista cit., vol. V, n.° 17 (Porto, 1897), pp. 55-56 ; R. P. – « Os Mortos. Augusto Carlos Teixeira de Aragão », in Portugalia, tomo I,n.° 4 (Porto, 24 de Outubro de 1903), p. 863 ; R. P. – «Os Mortos. Manuel Dias Nunes », in Portugalia, tomo II, n.° 3 (Porto, 16 de Julho de 1907), p. 483 (primeiro parágrafo).

196 R. P. – « Bibliographia », in Portugalia, tomo I, n.° 4, p. 866 ; R. P. – « Os Mortos. Manuel Dias Nunes », in Portugalia, tomo II, n.° 3, p. 483 (segundo parágrafo); R. P. – «Bibliographia », in Portugalia, tomo II, n.° 3, p. 490 ; R. P. – « Bibliographia », in Portugalia, tomo II, n.° 4 (Porto, 7 de Setembro de 1908), p. 684 ; Eurico Gama – « Cartas de António Augusto da Rocha Peixoto a António Tomás Pires e a António José Torres de Carvalho» in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.° 2, pp. 98, 99, 101, 103, 104 e 114.

197 Vide a bibliografia citada na nota 1 da pág. XI deste Prefácio.

198 Manuel Silva – « Caracteristicas scientificas da obra de Rocha Peixoto», in jornal Rocha Peixoto (Homenagem), número único (Póvoa de Varzim, 17 de Junho de 1923), p. 3.

199 [Joaquim de Araújo] – «A. A. da Rocha Peixoto», in Archivo de « Ex-Libris » Portugueses, vol. VII, n.° 83 (Génova, Outubro de 1908), p. 157 [texto reimpresso in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos) cit., p. 27],

200 Vide a bibliografia citada na nota da pág. XLVIII deste Prefácio.

201 Ao mesmo tempo que suportou as responsabilidades da revista Portugalia e escreveu os principais dos seus estudos etnográficos, Rocha Peixoto desempenhou os seguintes cargos : Professor de Geografia e de Ciências Físico-Naturais da Escola Industrial Infante D. Henrique (Porto) (1891 ?– -1909) ; Naturalista-Adjunto do Gabinete de Mineralogia e Geologia da Academia Politécnica do Porto (1894-1909) ; Director da Biblioteca Pública Municipal do Porto (1900-1909) ; e Conservador [director] do Museu Municipal do Porto.

202 Vide, entre outros : Flávio Gonçalves – Rocha Peixoto. Nas vésperas do centenário do seu nascimento (Póvoa de Varzim, 1965), pp. 12-19 ; Luís de Pina – « Rocha Peixoto, na revitalização cultural do Porto», in Boletim Cultural Póvoa de Varzim, vol. V, n.0 2 (Póvoa de Varzim, 1966), pp. 40-49.

203 Vide: Ricardo Severo – « Prospecto », in começo do fase. 1 do tomo I da Portugalia (Porto, 31 de Março de 1899); Ricardo Severo – Origens da Nacionalidade Portugueza (Lisboa, 1912), p. 51.

204 Luís de Magalhães – « Rocha Peixoto», in RECORDAÇÃO. Homenagem dos alumnos da Escola Industrial Infante D. Henrique ao inolvidavel archeologo que foi A. A. da Rocha Peixoto(Porto, 1909), p. 21 [artigo transcrito in Rocha Peixoto (Depoimentos e Manuscritos), selecção e notas de Flávio Gonçalves (Porto, 1966), pp. 82-83],

205 As ilustrações foram reproduziadas directamente das estampas que acompanham a primeira edição dos trabalhos de Rocha Peixoto e respeitam-lhes rigorosamente as dimensões. Exceptuam-se:
a) a estampa LXXV, que apresenta maiores dimensões que as da ilustração da Portugália (tomo I, n.°4, p. 808) e se reproduziu de uma nova fotografia da peça (devido ao facto da estampa da Portugália, pela sua impressão deficiente, não permitir hoje uma boa reprodução);
b) ea estampa XXXV, que, pelas mesmas razões apontadas na alínea anterior, se fez a partir de uma nova fotografia da peça, mantendo porém a ilustração as mesmas dimensões da fotogravura usada no tempo de Rocha Peixoto (Portugália, tomo II, n.° 2, p. 189).
Sobre as ilustrações que em 1908 acompanharam o artigo «Apodos Tópicos », saído na Illustração Transmontana, veja-se a nota da p. 329 deste volume.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search