Version classiqueVersion mobile

Através dos campos

 | 
José da Silva Picão

Searas

Texte intégral

VIII

  • 1 Sobre o alargamento das culturas cerealíferas, eis o que escreve o Sr. Anselmo de Andrade, na p. 25 (...)

1Na agricultura alentejana as searas ocupam lugar culminante, a região elvense é das que mais se distingue e avantaja neste importantíssimo ramo agrícola. Aqui, como em toda a província, as searas constam de trigo, centeio, cevada e aveia. De cultura extensiva nas herdades, em folhas de dois a dez ou doze moios de semeadura, e quase intensiva nas tapadas, ferregiais e courelas dos arredores das povoações. A cultura do trigo vai num crescendo manifesto, embora inferior ao que se observa noutras zonas, onde pouco se semeava ainda há doze anos. Em Arronches e no Crato, por exemplo, havia terras e terras incultas, ou cultivadas de longe em longe e mal, que de 1892 para cá estão a ser arroteadas com incremento febril, aplicando-se a cereais. Onde, em tempos que não vão longe, só vicejavam estevas, carrascos e saragaços, hoje desenvolvem-se e criam-se extensas searas, que aumentam de ano para ano nos terrenos que se conquistam à charneca (1). Ora, o recente alargamento da cultura cerealífera no termo de Elvas não pode equiparar-se ao do das terras que ainda ontem estavam bravias. Não pode equiparar-se pela simples razão de que as herdades elvenses, limpas de matagais desde tempos remotos, são por isso mesmo aplicadas a searas desde então, não havendo, portanto, margem para expansões, como as que se efectuam nas zonas que estavam ocultas. Todavia, a impossibilidade de conquistar terras para alargar as sementeiras remedeia-se, até certo ponto, com a melhoria de processos culturais e com a alteração dos afolhamentos, que antes eram quinquenais ou quadrienais, ao passo que hoje são trienais, alguns; bienais, muitos, e quadrienais poucos. Acresce a circunstância que todas essas folhas, no ano em que se alqueivam, recebem estrumes e adubos que antigamente não recebiam ou recebiam menos, e assim, e por esse benefício, são em parte semeadas dois anos consecutivos, abragendo campos consideráveis, outrora reduzidíssimos – campos que englobam duas e mais tornas, e que na segunda sementeira –chamada de rastolhice ou de relvas – avolumam bastante a área da seara.

  • 2 Por invernadouros entende-se as pastagens de pousio, guardadas desde Abril até Setembro ou Outubro, (...)

2Por outras palavras: a cultura cerealífera no concelho de Elvas aumenta, é certo, mas aumenta cerceando as pastagens dos invernadouros e coutadas (2). Alargam-se as searas, mas diminuem-se os pousios, o que obriga a reduzir a criação do gado vacum, limitando também o regime manadio das boiadas. Não digo que isto seja um mal, que não é, decerto, mas é um facto notável que merece consignar-se.

3Nas herdades desbravadas nos últimos tempos, o caso muda de figura. Aí, as terras que noutros tempos só serviam para míseros roedouros dos gados, agora, depois de limpas, se nem todas, ou poucas mesmo, se prestam para demorado e proveitoso sustento de bovinos, dão pelo menos alguma erva, que todos os rebanhos aproveitam com vantagem.

  • 3 Toda a gente que acompanha de perto o progresso e a expansão de cultura cerealifera no Alentejo, es (...)
  • 4 Os preços convidativos que a tabela oficial garante ao lavrador, devem-se, em grande parte, à poder (...)

4Para bem do País, a avaliar pelo desenvolvimento que se está operando na lavoura do Alentejo, é de presumir que num futuro próximo a mesma lavoura produza trigo bastante para o consumo da Nação (3). A certeza de preços convidativos, que a tabela oficial garante ao lavrador (4), o aproveitamento cuidadoso dos estrumes, tão descurado antigamente, e o recurso milagroso dos adubos químicos, ao alcance de todos, são incentivos que impelem o lavrador moderno a semear o máximo que pode. Com as rendas e contribuições subidas que está pagando, o lavrador sabe por experiência que só apura receita remuneradora agricultando bem e muito, lavrando e semeando a tempo, sem se esquivar a despesas, como de facto se não esquiva. Já não tem o acanhamento rotineiro de outrora, subordinado à orientação de agricultar pouco e gastar pouco. Agora, arroteia terras, dilata os afolhamentos, estruma e aduba quanto pode, lavra melhor, monda com escrúpulo e em grande escala, e amanha a tempo, não sacrificando a perfeição e a oportunidade dos serviços a economias negativas. Tudo isto conjugado, produz o espantoso acréscimo de cultura e produção que se está dando. Semeia-se e colhe-se o triplo dos cereais que se semeava e colhia há vinte anos. Ninguém ignora este progresso, mas não será ocioso registá-lo.

  • 5 Os monturos, como se usa dizer nas escrituras de arrendamento.
  • 6 A teoria, aliás velhíssima, de que a queima das rastolhices fertiliza o solo é aceite por todos os (...)

5A seara de cada lavoura, de uma ou mais herdades, semeia-se na folha ou folhas, preparadas de alqueive, nos ferregiais dos montes (5) e nas terras de rastolhice, que, por terem sido estrumadas no ano anterior, ou que, pela sua notória fertilidade, se julgam aptas para segunda seara. Estas terras de rastolhice, «encorporadas» às de alqueive, para efeito de nova sementeira, são queimadas em Agosto, precedendo a desmoíta dos rebentos de piorno, se os há. A queima do rastolho fertiliza o solo (6) e facilita a lavoura. Cada folha, tanto pode receber uma única espécie de semente como duas ou três. Depende isso da natureza do terreno, da força das circunstâncias, ou do critério do lavrador.

6Como já foi dito, as searas de trigo predominam por toda a região, se exceptuarmos a zona granítica de Santa Eulália, em que se avantajam as do centeio. À parte esta excepção, a cultura do trigo prepondera na maioria das herdades, sobretudo nas terras campas, delgadas e nos barros.

  • 7 Como se vê, alternam-se as culturas variando as espécies de sementes. É uso antiquíssimo, cujas van (...)

7Em escala imediatamente inferior, temos a da cevada e logo depois a do centeio. A aveia fica em último lugar, tanto pela terra que a produz como pela quantidade que se semeia. Para ela destinam-se as terras piores de alqueive, ou as de rastolhice, já depauperadas por recentes produções de outras sementes (7).

  • 8 O lavrador sabe de há muito pelas lições da experiência que a cultura dos legumes tem a vantagem de (...)

8Restam-nos os legumes: favas, grão-de-bico, chícharos e feijão-frade, culturas relativamente insignificantes comparadas com as dos cereais. Em regra, os legumes são produzidos nas terras de alqueive, a pretexto de se beneficiarem essas mesmas terras para as sementeiras cerealíferas do Outono seguinte (8). Representam por assim dizer uma cultura secundária, subsidiária da dos cereais. Esta sim, que atinge altíssima importância. De trigos, centeio, cevada e aveia, colhem-se anualmente centenas e milhares de moios, que pela maior parte vão abastecer os grandes centros consumidores.

9Desde o Verão até pelo Inverno fora, as estações ferroviárias de Elvas e Santa Eulália estão abarrotadas de trigo e outros géneros, que todos os dias saem em dezenas de vagões para Lisboa, Porto, Coimbra, etc. Porções enormes que na sua quase totalidade provêm das lavouras extensivas que se exploram nas herdades circunvizinhas. Consequentemente, os múltiplos serviços que demandam as searas ocupam todo o ano numerosas parelhas de muares e de juntas de bois, assim como o pessoal referido num dos anteriores capítulos. O que são todas essas fainas rurais, que empregam tantas pessoas e gados, vai ver-se em seguida.

10Serviços culturais – Constam dos seguintes: lavouras propriamente ditas, gradagem, desmoita, adubação, sementeira, monda, ceifa, acarretos e debulha. Para os trigos e cevada praticam-se escrupulosamente todos estes serviços e em certos casos outros mais como arroteadas, abrição de sanjas ou valas de esgoto, restilhagens, etc. Para o centeio dispensa-se um ou outro «ferro» de lavoura e a monda rigorosa. A aveia prescinde também de benefícios que não pode compensar. Como modesta e humilde que é, satisfaz-se com uma ou duas lavradas, sem mais cerimónias de preparos.

Lavouras

  • 9 A charrua emprega-se quase exclusivamente no primeiro «ferro» ou lavrada do alqueive. Chama-se alqu (...)

11Animais e instrumentos que se empregam – As lavouras executam-se com charrua ligeira, de aiveca móvel ou com o arado romano. Com charrua nos «ferros» do alqueive (9). Somente com o arado, por ocasião da sementeira. Charruas ou arados, cada qual é puxado por uma junta de bois ou por uma parelha de muares. As juntas dirigem-nas os ganhões, o boieiro e o abegão, com o auxílio da aguilhada. Das parelhas cuidam os almocreves, guiando-as com as arreatas e um pequeno chicote – a bengaleta – no cabo da arrilhada.

  • 10 Nas lavouras importantes só por excepção muito rara se empregam outros animais, como vacas, cavalos (...)

12Em geral, as juntas de bois figuram em número superior ao das parelhas de muares, se bem que estas já foram menos, e é de supor que ainda aumentem (10). Em todo o caso, e por enquanto, se uma lavoura deita vinte arados, quatorze ou quinze são movidos a bois, e os restantes a muares. Este é o costume corrente, embora haja quem só lavre com muares, e outros, mais excepcionalmente, com bois apenas.

13Também se encontra quem agriculte com bois e muares em número aproximadamente igual, ou igual, mas isto também se não vê muito.

14Singelos e revezos – Chamam-se lavouras de singelo aquelas em que se lavra com os mesmos bois dias inteiros, desde a «agarra» da manhã, até à solta, ao sol posto, excepto nos intervalos da merenda e das aguadas.

  • 11 Os novilhos que estão a receber ensino no trabalho do arado. Cada um costuma trabalhar com um boi v (...)

15Denominam-se lavouras de revezo as que empregam uns determinados bois, de manhã desde a madrugada até às onze ou onze e meia, e outros de tarde, do meio-dia em diante até ao pôr-do-sol. Os que lavram de manhã, escolhidos entre os melhores, são revezados (substituídos) pelos da tarde – em regra bois fracos e velhos, emparceirados com novilhos da amansia (11). Há também o sistema misto de, na mesma lavoura, figurarem juntas de revezo e juntas de singelo, prática excepcional, só justificada por circunstâncias imperiosas.

16De forma que uma lavoura que «deita» exclusivamente arados de revezo, precisa do dobro dos bois que precisaria se apenas «deitasse» singelo. Portanto, empata em bois o dobro do capital. Mas este ónus é de certo modo atenuado pelo custo da alimentação do gado, menos gravosa no de revezo que no de singelo. Para o sustento destes últimos, puxa-se mais pela bolsa, por serem tratados à mão, ao meio-dia jungidos à canga, e de noite presos às manjedouras, ao passo que os de revezo ainda que por acaso se alimentem presos, comem rações diminutas por trabalharem menos tempo e pascigarem a prado. Isto na pior das hipóteses, pois despendem ainda menos, quando só passam com o que apanham a dente em pleno regime manadio.

17Quanto a despacho, é manifesta a superioridade do sistema de revezo, cujos bois, em igualdade de circunstâncias, lavram mais, relativamente, por terem melhor passo que os de singelo.

18Noutros tempos só se usava singelo nas lavouras das herdades de terras impróprias para invernadouros e coutadas. O uso do revezo vogava em toda a parte em que se podia sustentar o regime manadio das boiadas, que era bastante económico, atento o insignificante preço que, então, custavam as pastagens. Hoje, pela carestia dos pastos e redução dos pousios, vão-se limitando os revezos e generalizando os singelos. Mesmo nas «casas» onde o revezo prevalece, interrompe-se no todo ou em parte da sementeira outonal, para se substituir temporariamente pelo singelo, a fim de se deitarem mais juntas, tantas quantas seja possível. Nesta época «arrima-se» à lavoura toda a força disponível. Há que aproveitar o tempo e a boa «maré», factores essenciais para o bom êxito da seara.

*

19As muares lavram todo o dia, como se fossem bois de singelo. Mas a sua lavoura não se lhe chama de singelo nem de revezo. É a lavoura das parelhas, e nada mais..

  • 12 As juntas do abegão, boeiros e sota diferençam-se por serem as melhores e mais emparceiradas. Em ge (...)

20Distribuição das juntas (Quem, as distribui) – Como ficou observado em Pessoal de uma lavoura, o abegão escolhe para si a melhor junta de bois, ou as duas melhores juntas, conforme o caso de a lavoura ser de singelo ou de revezo. Imediatamente escolhem os boieiros: primeiro o maioral e depois o ajuda e, após estes, o sota, escolhendo a seu capricho ou sujeitando-se à indicação dos boieiros, segundo o costume estatuído na «casa» ou na freguesia (12).

  • 13 Excepto para os ganhões apeireiros, de carácter permanente, que têm também o direito de escolher ju (...)

21A escolha das juntas dos governos costumam fixar-se no princípio da época e uma vez escolhidas persistem compostas com os mesmos bois por tempo ilimitado. As juntas dos ganhões são organizadas a capricho do boieiro do respectivo revezo (13). Ele é que indica aos ganhões os bois que hão-de agarrar, distribuindo-os e emparceirando-os segundo o seu critério, mas tendo em vista a índole das reses e as aptidões dos homens. Para os velhos e rapazes principiantes, bois pacatos. Para os adultos no vigor da vida, quaisquer, desde os matreiros e manhosos, até aos azedos e ariscos. Para estes, ganhões com unhas e tacto, que os adomem e entendam.

22A distribuição do revezo de manhã cabe ao ajuda, por ser o boieiro que de madrugada apresenta os bois nos arados e também por ele lavrar durante esse meio-dia. A do da tarde compete ao maioral, por razões análogas.

23No caso da lavoura decorrer com juntas de singelo, pertence ao maioral dos bois distribuir e emparceirar todas as juntas dos ganhões.

24Horas de «agarra» (Dias amenos e dias de chuva) – Desde que se começa o alqueive em Dezembro ou Janeiro, «agarra-se» e principia-se a lavrar ao nascer do sol ou antes um pouco. Do princípio de Março em diante enrega-se com o sol nascido, e tanto mais alto quanto maiores vão sendo os dias.

25Pela sementeira outonal, como o gado possa e o tempo convide, começa-se ao raiar da aurora, ou, pelo menos, ao aclarar do dia. Se, porém, a sementeira está de resto, se «vai de cabeça abaixo», como se costuma dizer, agarra-se cedo, mas não se começa logo. A ganharia entretém-se a fumar uma cigarrada, aguardando dia claro para ir lavrar.

26Na hipótese contrária, isto é, quando o serviço está atrasado e a época vai decorrida, o abegão agarra e começa muito cedo, sobretudo havendo luar e bom tempo. Ordinariamente, a família conforma-se com a antecipação, atentas as causas que a motivam. Por acaso, algum que chia não é por mal; é por falar, para dizer anedotas. Se falam, dirigem-se ao abegão nos seguintes termos ou outros parecidos:

27«Olhe que a claridade é da lua... Inda a manhem não rompe...» – diz um.

28«Nem daqui a uma hora» – observa outro. E vários acrescentam:

29«Nada, o melhor é uma pessoa “agarrar” à meia-noite!...»

30«Tá visto... À meia-noite é que deve ser, para a açorda esmoer bem...»

31Remoques facetos, à boa paz, com uma pontinha de ironia, de que o abegão se ri e os próprios que os proferem.

32Mas se a ganharia anda escabreada e a forçam a «pegar» de noite, mal principiam a lavrar desatam aos gritos, simulando o regougo das raposas. Pretendem significar, que se as raposas regougam é por que a noite subsiste. O abegão finge não ouvir, mas toma a gritaria como um ataque irrespeitoso, de que se vingará oportunamente. Em lhe calhando, pagam-lhas pela certa, pondo ao fresco os badios que lhe não têm suprema... que lhe não guardam decoro...

33Nas madrugadas escuras, por efeito de nublados e falta de luar, a aproximação do crepúsculo matinal não se lobriga, é claro, e, nestas circunstâncias, o abegão agarra e começa o trabalho, dizendo:

34«Hoje alguém fica enganado... Nós, ou o amo...»

35A isto respondem-lhe os ganhões:

36«Os enganados, semos nós... vocemecê vai pelo seguro...»

  • 14 Estes comentários sobre incerteza de horas eram frequentes ainda há poucos anos, mas hoje já são ra (...)

37Querem dizer que, na incerteza das horas, o abegão não se descuida e principia mais cedo do que principiaria estando a atmosfera limpa de nuvens – céu esgaseado, como se diz em linguagem rústica (14).

38O chefe da lavoura ouve as observações do pessoal e não responde. Em lhe parecendo, acende o cigarro, pega na aguilhada, segura o rabanejo, endireita a junta e grita:

39«Vá fora!...»

40E os ganhões vendo-o e ouvindo-o, resolvem-se a imitá-lo, seguindo-lhe os movimentos, de melhor ou pior vontade.

41Desta maneira, à hora convencionada, com rigorosa ou elástica pontualidade, a lavoura principia sem preocupações pelo aspecto do dia. O dia, está sabido, tanto pode apresentar-se de uma amenidade deliciosa como brusco ou tempestuoso. Em que chova mesmo, enrega-se como se não chovesse. «El-rei não manda chover... manda caminhar...» Portanto caminha-se, que por bagatelas não se detém a faina. O mais que o pessoal faz é defender-se da molhadela, enroupando-se o melhor que pode. Cada qual veste o pelico, o tapa-cu, os safões, a jaqueta e o capote aguadeiro, envergando tudo isso, para assim ensamarrados, suportarem e defenderem-se do temporal.

  • 15 Parando e encostando a aguilhada ao rabanejo com a ponta inclinada para cima.
  • 16 Ao arado ou ao trabalho.

42De manhã, ou pelo dia adiante, a chuva só interrompe a lavoura quando cai a cântaros, alagando o solo, inundando os regos. Então, sim. O abegão reconhecendo a impossibilidade de continuar, dá o sinal de paragem (15), os subordinados imitam-no, e, a seguir, todos abandonam o posto, deixando as juntas agarradas aos arados. Bois e muares, quedam-se cabisbaixos e impassíveis, suportando sem um queixume as bátegas de água que lhes escorrem sobre o pêlo. Não tugem nem mugem, mas no seu olhar de inequívoca melancolia lêem-se expressões de mágoa pelo tom lutoso do meio que os cerca... E a chuva fustiga-os impiedosamente, ao passo que os homens fogem a escape para os abrigos das pedras e das árvores, onde se assolapam e ajeitam até passar a tormenta... Mal escampa, abegão, ganhões e carreiros, voltam a agarrar-se ao tango (16), e a labuta prossegue como antes da chuvada, a não ser que a terra atasque e não aguente. Atascando, é forçoso deitar fora – levantar para outra folha ou torna menos fabricada, ou mais enchutia, que permita lavrar-se em termos. Não a havendo em tais condições, solta-se e interrompe-se a faina por alguns dias, para a terra orear, de modo que enxugue em condições de se lhe meterem de novo os arados. Tem de se ir com o tempo. E mal vai ao lavrador que arrostar com os entraves do tempo.

43Nas merendas ao meio-dia – Lavrando-se de singelo, solta-se às onze ou onze e meia da manhã, merendando os homens, os bois e as muares no próprio local da lavoura, durante hora e meia a duas horas. Os ganhões merendam o costumado pão e queijo, como ficou consignado no artigo Alimentação.

  • 17 A ração varia em quantidade e qualidade por razões de ordem económica e outras que seria prolixo es (...)

44Os bois comem palha de trigo, em alcofas ou gamelas, misturando-se-lhe farinha, farelos, etc. (17). Também se usa a aveia em rama, em vez da palha de trigo com mistura. A ração dos bois, se não consta de aveia em rama, é distribuída pelo abegão, em quatro a cinco costuras, de um punhado cheio por cada vez e boi. Antes da postura, os ganhões aviam de palha as alcofas ou gamelas, e cada um por si apresenta a correspondente vasilha ao abegão, para receber a ração respectiva. O abegão avia e despacha de pronto, alargando as mãos para os bois grandes ou magros, e encolhendo-as para os pequenos. Para os da sua junta abre-as quanto pode, e, se lhe parece, deita-lhe dose dobrada. Dá-lhe força dupla, para ficarem quentes e de pé ligeiro.

45Se a merenda do gado consta de aveia em rama, distribui-se a aveia aos molhos e em golpelhas, uma para cada grupo de duas juntas. Por um ou outro sistema, cada ganhão passa a arraçoar os bois a seu cargo, dando-lhes a aveia em pequeninas gavelas. Dá-lha com jeito e pachorra, metendo-lha na boca para a comerem sem desperdícios de vulto. E entretanto, o ganhão, vai-se alimentando a si próprio com falcas de pão e queijo.

46No dizer do pessoal campónio, a aveia em rama é a melhor coisa que o gado come. Não há bois que a masquem, desdenhosos. Pelo contrário, todos a aceitam com avidez. «A aveia é muito gulosa», dizem os ganhões.

*

47Os carreiros sobre a fiscalização do maioral tratam das parelhas, pondo-lhes bornais com palha e cevada.

  • 18 Neste caso, a água é previamente conduzida para o local da merenda numa barrica grande, montada em (...)

48À solta do gado para ir merendar, e mais tarde, antes da merenda concluir, bois e muares bebem água em maceirões e caldeiros (18) no sítio onde comem, ou vão bebê-la aos poços e ribeiros das proximidades. Prefere-se que bebam junto da comida, para se não perder tempo em caminhadas.

49Carreiros e ganhões, limpam e renovam a palha tantas vezes quantas se torna preciso. Não obstante, os homens concluem a refeição muito antes do gado. Enquanto os bois e as muares não acabam de merendar, anima-se e avoluma-se a palestra dos da malta, por entre as fumadas de cigarros que a maioria saboreia. Isto sem prejuízo do tratamento das juntas, que a todos compete reparar. É pelo menos o seu dever. Se há quem o esqueça, o abegão corrige-lhe o descuido com frases de censura.

*

50Nas lavouras de revezo pára-se de merendar quase à mesma hora que nas de singelo, para o pessoal e as parelhas comerem, e se revezarem os bois. Mas não se pára sem que chegue o revezo da tarde, que vem substituir o da manhã. Em aquele chegando, solta-se e agarra-se em menos de dez minutos, salvo se surgem enredos e embaraços com os novilhos de amansia. Se os novilhos enredam, dificultando a agarra e a prisão, a demora é bem maior.

51Agarrado o revezo, a família merenda e, ao cabo de quarenta minutos, volta a lavrar, mas com outros bois – os de revezo da tarde, é claro. Os do da manhã marcham nesta altura para a pastagem, tocados pelo boieiro ajuda. Os carreiros e as parelhas continuam comendo e, em terminando, enregam com as juntas de singelo.

  • 19 Nas lavouras de poucos arados, a água para consumo da ganharia é conduzida às costas, em barrica, p (...)

52Aguadas – Chamam-se aguadas aos intervalos em que a lavoura suspende para o gado descansar e o pessoal beber (19). Quem quer come também a sua falca de pão ou mesmo um marrocate. O abegão dá o sinal da aguada, parando e gritando:

53– «Água!...»

54À voz de – Água!... – tudo pára. É costume parar em terreno plano, de ladeira acima. De ladeira abaixo, os bois ficam em posição forçada, que os impede de descansarem convenientemente.

55Em regra, há quatro aguadas: duas de manhã e duas de tarde, quer se lavre de revezo ou de singelo. Mas nos dias pequenos, e, sobretudo nas lavouras de singelo, como os bois estejam bons (vigorosos), acontece suprimir-se a última aguada da manhã e a última da tarde. Esta, principalmente.

56A primeira, de manhã, a maior das quatro, dura trinta a quarenta minutos e dá-se das oito horas em diante. A segunda, no caso de haver, tem lugar cerca das dez e meia demorando oito a dez minutos. Aí pelas três horas, decorre a primeira da tarde, que entretém quinze a vinte minutos. E meia hora antes do sol-posto, realiza-se a última – a mais pequena – que dura coisa de seis minutos. « É só uma mijada», como se usa dizer para lhe justificar a pequenez.

57Sendo necessário adiantar serviço, ou havendo demoras por incidentes ocorridos, o abegão esquece-se de dar a segunda aguada da manhã ou a segunda da tarde, à semelhança do que pratica na maior parte dos dias de Dezembro e Janeiro. Os ganhões comentam a partida, observando: «Hoje a raposa abalou com ela...»

58Nas épocas de escassez de pastos, os bois comem «à mão» um penso ligeiro, durante a primeira aguada da manhã ou na primeira da tarde, senão em ambas, para de certo modo se indemnizarem da mesquinhez da pastagem.

59Em muitos dias, também se aprdveitam os aludidos intervalos, para se mudarem os ferros dos arados.

60Durante as aguadas, é da praxe não defecar ninguém da ganharia, incluindo carreiros. Quando muito, só o abegão toma essa liberdade, sem ouvir reparos. Outro que transgrida, abaixando-se, apanha surriada e sujeita-se a pagar vinho à malta.

61Mas a não ser por motivos imperiosos, inadiáveis, o preceito observa-se à risca e da melhor vontade. Todos sabem que lhes convém cumpri-lo a rigor, porque lhes fica ensejo para depois, isoladamente, nas horas de trabalho, botarem fora e folgarem de novo uns instantes, a pretexto de «dar de corpo». Calcule-se se haverá ou não capricho na observância da praxe.

*

  • 20 Pachouchadas. Palavrões algo obscenos.

62Também por ocasião de aguadas não se admitem baias às mulheres que se avistam de passagem. Como vai de descanso, entendem que se deve disfrutar em sossego. E as mulherzinhas transeuntes, vendo as juntas paradas, exultam do caso e aceleram o passo, para se escaparem aos apupos. As mulheres recatadas, compreende-se. As folionas e voluntárias, que não têm papas na língua, prefeririam ouvir e responder pachóvadas (20).

63A solta – É invariavelmente ao sol-posto, seja em que época for, tanto pelo sistema de revezo como pelo de singelo. E no acto de soltar, o abegão tira o chapéu e diz: «Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!...» Antigamente dizia-se que os bois deviam ver o pôr-do-sol já fora da canga.

*

64A agarra de manhã cedo, as aguadas, a merenda, a solta e a própria faina aratória subordinam-se a muitas outras praxes e regras, que vão mencionadas nos parágrafos seguintes, e em outros, compreendidos em anteriores capítulos.

65Alquexves. Lavradas de alqueive e lavradas de sementeira – Em geral, a folha ou folhas de pousio que se pretende agricultar para sementeira de cereais são lavradas a charrua ou arado, com a necessária e possível antecedência, tantas vezes quantas o costume preceitua, a terra precisa e a semente exige. Cada lavrada ou «ferros» tem nome próprio, segundo a ordem cronológica e propósito que a motiva.

66Dão-se «ferros» de alqueive e «ferros» de sementeira. Os de alqueive representam a cultura preparatória, e tanto podem ser dois como três, ou um apenas, se causas extraordinárias impedirem outros. Como quer que seja, alqueiva-se nos meses de Janeiro a Junho, adiantando-se ou retardando-se o serviço conforme o decorrer do tempo e a falta ou abundância de ervas. Não escasseando os pastos, pode-se lavrar cedo sem receio de cercear os pousios. Faltando as pastagens, tem de se aguardar a aproximação da Primavera para se lavrar sem preocupação de que as ervas faltem para os rebanhos.

  • 21 Na região agrícola de que trata esta obra, o termo relva tem duas significações. Primeira : para de (...)

67Ao primeiro «ferro» ou lavrada, chama-se-lhe relva (21), ainda que muita gente lhe dá o nome de alqueive. Mas este termo, como creio que já disse, emprega-se geralmente num sentido mais genérico. Em rigor, a palavra alqueive significa o conjunto das lavradas preparatórias, a que se procede no Inverno e na Primavera.

68O segundo «ferro», subsequente ao da relva, conhece-se por atalho, e se porventura ainda outro se lhe segue, durante a quadra primaveril, o que não é vulgar, denomina-se terceiro. Portanto, a relva e o atalho são os serviços de arado ou de charrua que exige o amanho de um alqueive bem acabado. A sua boa ou má execução influi poderosamente no preparo das lavradas seguintes – as da sementeira – e muitas vezes até no bom êxito da seara. Convém, sem dúvida, lavrar sempre com perfeição, mas no «ferro» de relvas e no da sementeira, mais que nos intermediários. O primeiro é a base e o último o fecho de toda a labuta aratória.

69Na maioria dos casos, o alqueive, depois de pronto na Primavera, fica em branco, até à próxima sementeira outonal, principal, senão único objectivo do seu preparo. Se, porém, o terreno se presta à cultura dos legumes, aproveita-se logo, semeando-se-lhe grão de bico e chícharos. Mas quer fique em branco, ou se lhe semeiem legumes, a terra alqueivada lavra-se de novo mais tarde, desde as «águas novas» de Setembro ou Outubro até Novembro, para se lhe semear a seara por excelência: trigo, centeio, cevada ou aveia. Neste segundo período de lavoura, a terra cultiva-se com dois «ferros» mais, ou um apenas. Recebendo dois, ao primeiro chama-se-lhe revolta, ao seguinte, ou para melhor dizer, o definitivo, quer seja o segundo da época ou o único, por se ter prescindido do da revolta, chama-se-lhe apenas o da sementeira. Este último «ferro» serve para cobrir a semente. De forma que as terras para searas de trigo e cevada, nas herdades, preparam-se em regra com duas lavras de alqueive e duas de sementeira. Em regra, repito. Excepcionalmente, podem receber mais ou menos, por efeitos de causas múltiplas e acidentais, que se torna prolixo descrever.

70Para o centeio, as lavradas reduzem-se, em geral, a duas ou três, posto que nas terras óptimas para este cereal também se use lavrá-las tantas vezes, e com tanto apuro, como se procede para com os trigos. Para a aveia, são mais que suficientes os dois «ferros» do alqueive e um de sementeira. Que até se semeia de um único «ferro», lavrando-se «à face», de pousio, para cobrir a sementeira. É preparo reles, mas nem por isso deixa de ser vulgar.

*

71O que fica exarado sobre «ferros» ou lavradas, refere-se às searas de sementeira outonal, que são as que predominam por toda a parte, numa extensão e importância incomparavelmente superior às outras de Primavera. As de relva e de atalho, de Dezembro a Março, para após o. atalho receberem a semente, e, logo em seguida, a lavoura final que as vai cobrir. Três «ferros» ao todo, quando muito, intercalados e beneficiados com uma ou duas gradagens de grades de rojão ou de outras melhores. Muitas terras preparadas e semeadas de trigo ribeiro na Primavera, são simultaneamente consideradas alqueives para searas de sementeira outonal e como tais se semeiam de novo no Outono, com trigo, centeio, cevada ou aveia, beneficiando-se antes com a lavrada de revolta e a definitiva da sementeira.

72t ornas, cantos, boquilhões e lobas – Toda e qualquer folha subdivide-se em tornas – porções de terreno limitadas por regatos, estradas, arrifes, vales, vertentes, etc. Chamam-se-lhes tornas, por cada qual constituir um campo distinto, que se lavra em separado, de harmonia com a sua configuração geométrica. Por outras palavras: as píscolas dos arados tornam de uma a outra ponta, lavrando em voltas ou caminhadas, de vaivéns sucessivos, crescendo ou recolhendo a lavoura, segundo as «caídas do terreno», e sem ultrapassarem os limites convencionados.

73As tornas prestam-se a ser lavradas com um importante número de juntas, e ordinariamente assim acontece, sobretudo nos terrenos planos e desembaraçados de pedras, como são os barros de Elvas e os de Campo Maior. Em planícies e encostas como estas, é vulgar ver em movimento uma ucharia de vinte, trinta e mais arados, todos pertencentes ao mesmo lavrador.

*

74Em muitas folhas, principalmente nas zonas acidentadas e pedregosas, a cada torna estão adstritos pedaços de terreno conhecidos por cantos, uns, e por boquilhões, outros.

75Por cantos, designam-se os prolongamentos da torna, estreitos e muito pronunciados, que dificultam a «direitura» da lavoura, executada com bastantes juntas. Para remediar o inconveniente, esses prolongamentos lavram-se à parte com uma ou duas juntas, sendo «cortados» (demarcados) pelo rego do arado que manobra o abegão, ou pelo de outro dirigente, a quem calhou «endireitar» a terra em fabrico.

76Os boquilhões reduzem-se a campos mínimos, separados da torna por meio de vales, regatos, etc. Lavram-se também à parte com uma ou duas juntas.

77Chamam-se lobas aos espaços que escapam à píscola na sua passagem junto dos penedos e das árvores. As juntas e as parelhas não podem aí lavrar em virtude do desvio que forçosamente têm de descrever para não esbarrarem nesses obstáculos. «Passam-lhe à roda», segundo a frase do estilo.

78À semelhança dos cantos e dos boquilhões, as lobas lavram-se com um ou dois arados de ganhões ou carreiros sabedores, que as «cortam» transversalmente, em sentido oposto à lavoura da torna. Para o caso, preferem-se parelhas de muares, por se dirigirem e voltarem melhor que os bois, despachando mais.

79Armação das tornas – Diz-se «armar» ou «agarrar» a terra, dos primeiros regos que se abrem numa torna. De começo, «arma-se» com poucos arados e, sendo preciso, «endireita-se» a armação, cortando os cantos e as curvas que fazem estorvo ao prosseguimento regular da lavoura. Depois, o governo vai guiando a lavoura, para dar ingresso às juntas da sua píscola e ainda para cortar terra às outras píscolas.

80Desta maneira, a lavoura cresce, «enche» e avança, segundo a direcção que lhe imprime o abegão. Em regra, avança na ponta guiada ou dianteira, e morre ou recua na outra oposta – na ponta morta. Mas em certas ocasiões vão guiadas as duas pontas e, então, a lavrada cresce em ambas.

81Píscolas – Denominam-se píscolas, os turnos de juntas ou de parelhas em que se dividem, o conjunto de arados que lavram numa determinada folha ou torna.

82As lavouras pequenas costumam «deitar» uma píscola de seis a dez arados de bois e outra de duas a três parelhas de muares, o máximo.

83Nas lavouras grandes figuram duas a três píscolas de bois, de oito a dez juntas cada, e bem assim a das muares, com todas as parelhas disponíveis, como não excedam oito ou dez. Indo além desta quantidade, chegam a compor duas píscolas.

84A ordem das juntas e das parelhas na composição das píscolas obedece a praxes estatuídas e acatadas.

85Cada píscola, formada em coluna, tem à frente a junta do governo respectivo, e na retaguarda a do imediato subalterno, ou a de quem o represente. Os dois ficam nos extremos: o primeiro, na ponta dianteira ou guiada; o segundo, na da traseira ou morta. E entre os arados extremos das duas pontas, manuseados pelos dirigentes, enfileiram os dos dirigidos – os dos ganhões rasos – tendo lugares certos ou não, conforme o uso local, que neste assunto diverge de zona para zona. Assim dispostos, são tantos os arados quantos os regos que se abrem no decurso de cada volta.

86Quando as juntas de bois formam duas ou três píscolas, vai lavrando na avançada a do comando exclusivo do abegão, para este dirigir daí toda a faina e, simultaneamente, ir cortando as pegas necessárias ao andamento de outras píscolas. As quais lavram paralelamente, a certa distância nas terras cortadas pelo abegão. Por seu turno, o governo da píscola mais próxima da do abegão, recorta terreno à outra que lhe fica da parte de baixo. E assim sucessivamente, ficando em último lugar a píscola ou píscolas das parelhas. Estas obedecem também a preceitos análogos, sendo respectivamente governadas e dirigidas pelo maioral das mulas e ajuda.

*

87Como já disse, sempre que se torna necessário, saem das píscolas as juntas ou parelhas precisas para lavrarem à parte os cantos ou boquilhões e as lobas.

88De águas fora e de águas tomadas – A lavoura do arado antigo, fica de «águas fora» ou de «águas tomadas», segundo a direcção que toma em relação à «caída» do terreno. De «águas fora», quer dizer regos a favor da corrente para que as águas das chuvas escoem à vontade para os regatos e vales próximos. De «águas tomadas» significa lavoura ao inverso da outra, que sustenha ou demore as águas.

89Em certos sítios, para evitar diferentes armações, lavram-se de «águas tomadas», terrenos baixos que reclamam lavoura de «águas fora». Mas neste caso remedeia-se o inconveniente por meio de margens – regos fundos e largos, abertos em sentido oposto à lavrada da torna.

  • 22 Regos largos e fundos, como já disse.

90Lavoura miúda, larga e enfiada – A miúda, consiste em deixar a terra com os regos bastante unidos e de pequeno cume. É a melhor lavoura, sobretudo no primeiro «ferro» do alqueive. Usada no da sementeira, carece de margens (22) abertas nas covas ou baixios pouco ou nada escoantes.

  • 23 Prolóquio antigo, a significar que a lavoura de revolta é sempre vantajosa, mesmo sendo mal feita. (...)

91A lavoura larga ou aberta – regos de gumes espaçosos e distanciados – usa-se de preferência no atalho e na revolta. Lá diz o ditado : Atalho, em que seja com um ramalho... Revolta, até com uma arreigotar (23)... A lavoura larga e profunda no atalho, tem a vantagem de pôr a terra em melhores condições de ser calada com os raios do sol, no Verão, que muito e muito a beneficiam.

92Nas sementeiras de terrenos arenosos, já preparados com um bom alqueive também se adopta a lavoura aberta. Adianta o serviço e não prejudica, antes convém, excepto nas encostas íngremes, com terrenos de fácil desagregamento.

93Por lavoura enfiada, classifica-se a de transição ou meio termo entre as duas já aludidas, ou seja a que não fica muito fechada, nem muito aberta.

94De qualquer modo, e em todas as épocas, os regos devem ficar fundos, se a camada arável o permite. Mas nas terras de pouco chão, com menos de cinco centímetros de espessura, não se pode obter essa vantagem. Aí, as lavradas têm de ser superficialíssimas, de fundura inferior à que se pode obter com o velho arado romano, único que as pode lavrar. Sem embargo, chegam a produzir regularmente nos anos de boas colheitas.

95Preceitos diversos – As juntas devem caminhar perto umas das outras, em coluna cerrada, para na píscola não haver intervalos espaçosos, o que parece mal e atrasa o despacho. Sempre que o abegão nota essa irregularidade, censura-a gritando: «Oh! rapazes: cheguem-se uns para os outros. Isto para serem juntas, devem ir juntas...»

96Mas nas terras de penedios vastos, nunca as píscolas andam completas, nem as juntas unidas. Os pedregulhos e arrifes que as embaraçam e pejam, obrigam ao desvio e dispersão. Cada um fura por onde pode, com tanto que revolva terra.

*

97Seja como for, desde que na lavoura figurem muitos arados, há quase sempre juntas paradas, fora das píscolas, por mais que se arrelie o abegão e principalmente o lavrador. Mas tem de ser assim por causa dos reparos nas enteichaduras e para satisfação de necessidades urgentes por parte do pessoal. Antigamente, nas lavouras de menos de dez arados, enquanto um ganhão botava fora com a junta para se agachar, não saía outro por análogo motivo. O que tal pretendesse tinha de esperar pelo regresso do companheiro... Hoje não se olha para semelhantes ninharias. Persiste, porém, o costume de ninguém sair para beber ou fumar. Quem apeteça água ou pretenda fazer o cigarro, tem de aguardar pelas aguadas. Só pode deixar o arado, se por acaso lhe aparece um chegadiço, que o queira substituir. E às vezes aparecem: gente que procura trabalho, convalescentes em passeio, ou transeuntes que saem do caminho para conversarem com os parceiros da ganharia. Adventícios de ocasião, que não desdenham dar meia dúzia de regos com o arado do amigo predilecto. Chega a ser da cortesia uma ajudazinha de semelhante natureza. O ajudado recompensa-a, puxando da petaca e fazendo um cigarro para o amigo e outro para si. Cigarros graúdos, sem vislumbres de sovinice, que os dois acendem e chupam como guloseima deliciosa. E de tocha acesa, ambos caminham atrás da junta, em cavaqueira íntima, regalada com baforadas de fumo que atiram ao vento.

*

98Na lavoura com o arado antigo o ganhão caminha e guia de dentro da terra recém-lavrada, segurando o rabanejo com a mão que lhe fica de fora e a aguilhada com a outra. Na de charrueca segue-se sistema oposto: o homem agarra e governa a rabiça, caminhando da parte de fora.

*

99As juntas e parelhas estacam nas pontas da lavrada, para voltarem e lavrarem em marcha inversa à que vinham trazendo. Cada junta pára à voz de «Oh!... aí...» do respectivo ganhão, que a seguir alivia e puxa o arado para si, segurando a mãozeira com certa pressão. Ao mesmo tempo, toca no boi, que vai ao rego e «ampara-o» com a aguilhada. Pelo estímulo, pelo hábito e pela resistência que encontra no rabanejo, o boi do rego principia a voltar e o companheiro a recuar. Enquanto um boi volta e o outro recua, o homem coadjuva a manobra, inclinando e arrastando o arado, até que a volta se efectua. Consecutivamente, o ganhão põe tudo em tiro, mudando de mãos o rabanejo e a aguilhada. E antes ou logo depois, limpa o arado de terra e raízes que se lhe acumularam entre as aivecas.

100A volta das parelhas realiza-se quase pela mesma forma, mas com maior rapidez, devido à ligeireza do gado e ao recurso das arreatas.

101Voltados os arados, cada homem segue abrindo o seu rego, encostando-o aos outros já feitos. Vão lavrando miúdo ou largo, fundo ou superficial, segundo o estado da terra e as ordens do abegão. Este ou quem o representa, manda lavrar, conforme a sazão da terra, a época, o tempo que vai, e o motivo da lavrada.

102Se uma junta se afasta do rumo devido, o rego em vez de fazer aresta com o que lhe fica paralelo, como é de preceito, deixa pelo contrário um certo espaço inculto, de permeio, a que se chama camalhão. Assim, quando acontece esse precalço, o ganhão faz vir a junta ao rego, para o defeito não prosseguir, e, imediatamente, brada ao companheiro de atrás: «Lavra bem...» Ou: «Mete para dentro...» O companheiro, ouvindo-o, repara no «mal lavrado», e, desde logo, encaminha a sua junta em sentido de abrir o camalhão pelo centro, com que o defeito desaparega.

*

103Indo o arado bastante fundo diz-se aberto. E se ultrapassar os limites do preciso, caminhando «de estaca», com traegáo dificultosa, considera-se destemperado. Se pelo contràrio vai à superficie, riscando ou arrembando, julga-se cerrado. Em qualquer das hipóteses, trabalha mal e carece de tempero, mudando-se de furo a chavelha do timão.

104Se o arado peca por aberto, o ganhão diz alto para o imediato da frente: «Deita lá um furo atrás...» E indo cerrado: «Bota lá um furo adiante...» O camarada volta-se e satisfaz-lhe o pedido conforme a recomendagáo.

105Se algum da ganharia conserva o arado cerrado para ter menos traballio, sem se importar com o péssimo servigo que faz – o abegão, como repare, ou obriga o madrago a lavrar em termos, ou vai ele em pessoa corrigir o abuso. Quando o chefe da lavoura «poe furos» adiante no arado de outrem é na mente de que o tipo abale, vexado e sacudido pelo ataque que lhe infligiram.

106As vezes o destempero de uma enteichadura é táo exagerado, que se não emenda com a mudança de chavelha, mas somente por meio de pequeninas cunhas que se encravam junto da teiró, principal regulador. Então, para se corrigir o defeito, a junta sai da piscola e mete para dentro da lavoura. O ganhào deixa-a ai parada, reune as ferramentas, e vai ter com o abegão, participando-lhe o inconveniente. O abegão ouve-o, entrega-lhe o posto, e segue a endireitar o arado de harmonía com as seguintes regras. Para abrir, a firn de o timão alcangar ponte e o ferro agarrar bem, introduz uma cunha no buraco da garganta e a teiró, no lado da traseira, ou em baixo no dente, na face que arrasta sobre a terra e na retaguarda do orificio por onde se mete a teiró.

107Para cerrar, poe apenas uma cunha adiante da teiró, no buraco do arado, face inferior.

108Com a introdugáo e reperto das cunhas por meio do escopro e do martelo, o abegão depressa regula a enteichadura. Mas só se convence depois de a experimentar. Como a prova o satisfaga, dá a missão por acabada e regressa á piscóla a assumir o seu posto. O ganháo que o substituía volta ao lugar que lhe pertence.

  • 24 Aguço, como fácilmente se percebe, limita-se a um reparo simplicíssimo no bico do ferro. Anvwnho, t (...)

109Mudança de ferros – Sempre que se poem incapazes de servir, por rombos ou muito gastos, os ferros dos arados sao substituidos por outros consertados de aguços, amanhos ou remontes(24), senão novos, o que é raro. E é raro, porque os ferros forjados duram anos e anos, à custa de consertos frequentes.

110Uma ferragem faz boa lavoura durante quatro a seis dias, se a terra está branda ou fagulheira. Estando rezia ou encruada, chega-se a enferrar duas vezes por dia, ou uma pelo menos, como sucede nos períodos de estiagem, em terrenos endurecidos. Os ferros gastam-se, segundo o estado e a quantidade de solo que rompem. As terras arenosas arrombam e inutilizam muito mais que as outras.

111O lavrador que capricha em trazer os seus arados bem enferrados, possui três ferragens : uma a lavrar, outra de prevenção, pronta a substituir a que está funcionando, e a terceira na loja do ferreiro, para de lá regressar consertada quando entrar a receber amanho qualquer das outras duas.

*

112Enferra-se a toda a hora que seja preciso, ainda que se suspenda a lavoura por instantes. Mas como não haja urgencia maior, aproveitam-se as paragens das aguadas, ou as da merenda, senão a solta à noite, ou a agarra de manhã. Na ocasião oportuna, o governo diz em voz alta: «Vá de enferrar...» E todos da ganharia, obedecendo, tratam de substituir o ferro gasto da sua enteichadura por outro amanhado. A seguir, transportam os incapazes para um dos carros das muías, ou para sitio indicado pelo governo. Entretanto, comentam a perfeicáo ou imperfeigáo artística do mestre ferreiro.

*

113Mudanza de relhas – A substituigáo das que se gastam ou partem nas charruecas por outras novas, está a cargo exclusivo do abegão que as vai renovando isoladamente, á medida que se deterioram. E para este efeito, procede como quando tempera e conserta os arados e as charruas. Quero dizer, enquanto poe a relha com a chave e mais ferramentas, substitui-se na piscóla pelo ganháo da charrua a que tem de atender.

114As relhas das charruecas, uma vez gastas ou quebradas, não mais servem na lavoura. Por serem de ferro fundido não vale a pena consertá-las. Depois de arrombadas, juntam-se em grandes porgoes, para se venderem como sucata.

  • 25 As ferramentas encontra-as num dado sítio, a poucos passos, onde o abegão as colocou ou mandou colo (...)
  • 26 Do amanho, é modo de dizer. Porque, afinal, o abegão limita-se a substituir as peças partidas por o (...)

115madeira partida – Quando se quebra o timão, o arado, ou as aivecas, de qualquer enteichadura, o ganhão respectivo mete logo para dentro da lavoura com o arado e a junta, parando à distância de poucos passos. Aí deixa a junta e vai buscar as ferramentas e a madeira a empregar (25). Depois, tendo tudo reunido, chega-se ao abegão, ouve-o de melhor ou pior catadura, entrega-lhe a junta e dispõe-se a ir tratar do amanho (26). Mas primeiro orienta o subordinado na direcção que deve seguir a lavoura. Se julga necessário, também inquire do facto para que é chamado. E se do que apura encontra motivo para ferroada no ganhão, arrima-lhe sem rebuço para que sirva de emenda. Em regra não serve, mas é como se servisse, na mente do «governo», está claro.

116O repreendido, ou aguenta em seco sem dar cavaco, ou retroca da mesma moeda, com desculpas de cabo de esquadra. Como seja torto e azedo, respinga e mosca, voltando as costas e abalando. Também acontece ser o abegão que manda embora o ganhão, na hipótese de reincidência manifestamente abusiva. Farto de o ver estragar sem tom nem som, põe-no a andar, indicando-lhe a estrada. E vai-lhe dizendo que procure outra vida. Com aquela «não faz filhoses», à míngua de sentido, ou à falta de opinião...

117Com o auxílio da enxó, do escopro, da verruma e do martelo, o abegão efectua o conserto, substituindo a peça ou peças inutilizadas por outras novas ou reparadas. Imediatamente mira e remira a enteichadura, engata, faz experiências lavrando um pouco, e afinal, certificado de que tudo ficou bem, recolhe as ferramentas na alcofa e encaminha a junta para a «boca» da torna, onde a deixa pronta a encorporar-se na píscola. Em contínuo vai ocupar o seu posto na lavoura para que o ganhão siga a lavrar com o arado que lhe consertou. Antes de se separarem, abegão e ganhão comentam o amanho e as condições da madeira empregada. O carpinteiro também é objecto de referências, boas ou más, segundo o conceito que lhes merece. Em regra, apodam-no de trapalhão ou empreiteiro.

*

118As peças e acessórios de madeira que compõem os arados e charruas, gastam-se e partem-se com o uso e o embate de contingências mais ou menos inevitáveis. Causas frequentes, a escabrosidade dos terrenos, os descuidos do pessoal, e, por vezes, a impaciência do gado, quando na Primavera está gordo e a mosca o apoquenta.

119O arado (dente), além de se quebrar por gasto, desdenta-se e parte-se com os impulsos que sofre, sobretudo quando o ferro anda largo na parte traseira dos polegares.

120O timão, ou, melhor explicando, a garganta, quebra-se nos topes das moitas e das pedras, quase sempre pelo buraco da «teiró», se o tope for direito. Sendo de torcilhão, o pau estala e fragmenta-se na ligação com a ponta, quando não sucede partir-se a própria ponta também, junto da viela que ampara e empalma com a garganta.

121A ponta quebra-se pela causa já aludida, ou em resultado de um dos bois lhe cair em cima, empurrado pelo companheiro, ao passarem por um estreito acanhado e dificultoso.

122Quanto ao rabanejo, é o que está menos sujeito a azares, sendo também o que menos se gasta. Só se parte ao impulso de pancada forte ou tope brusco, se a mãozeira se escapa ao ganhão, ou se este é forçado a abandoná-la na passagem por algum entalão de difícil acesso.

123Restam as aivecas, que se deterioram e inutilizam em quantidade muito maior que tudo mais. Daqui que dali, o abegão é chamado a pôr aivecas, no que se não repara muito por serem apêndices de pouco valor, que se gastam e partem com facilidade.

*

124A cautela ou negligência do pessoal influi bastante na conservação e duração da madeira, especialmente dos arados e dos timões. Por isso, alguns lavradores usam pagar mais dez réis por dia a cada homem que não faça lenha da sua respectiva enteichadura. Estimulam-no assim a maiores cuidados, e obtêm-nos em parte, com as equivalentes vantagens, mas não tantas como realmente se podia conseguir. Há ganhões que em não lhes agradando o arado ou o timão, partem-no de propósito, com fingido descuido, no primeiro ensejo que se lhes depare. Mais : nos dias em que se partem muitos arados, mofam do caso, e sorridentes dizem uns para os outros: «Grande esnoca fizemos hoje!... Baia uma esgarnacha!... Tamém, se não fosse o gasto, sobravam os carpinteiros...»

*

125É uma despesa importante esta da madeira consumida na lavoura. E nas terras de areia sobe consideravelmente, por limarem como nenhumas, apesar de se lhes aplicarem arados, timões e aivecas dos mais grossos que se alcançam.

126Nos terrenos de moitais de piorno e de carrasco, também se quebra madeira em percentagem grande, máxime se o raizame é basto e pouco visível, como quando as moitas estão cortadas de fresco, que não mostram rebentões. Aí, como falte a cautela, o arado prende de vez em quando nas raízes que encontra, sendo facílimo partir-se com a força que o gado faz para o libertar. O ganhão cumpridor evita o embaraço, levantando o arado ligeiramente ao passar pela moita, mas de modo que o rego não fique interrompido. O preguiçoso, em vez de aliviar no momento preciso, inclina o rabanejo para o lado de menor resistência, de maneira que o ferro e o dente resvalem, saindo incólumes. É artimanha cómoda, posto que inaceitável. Com a inclinação da enteichadura, interrompe-se o rego e faz-se camalhão, coisa feia e imprópria. Mas quer se levante ou incline o arado, este nem sempre se move a tempo de evitar que se prenda e parta, ou que pelo menos fique preso, estacando a junta. E também se observa o contrário: não parar a junta e a cepa estoirar e arrancar-se, prosseguindo a lavoura sem prejuízo, graças ao potente esforço dos animais e à resistência da enteichadura.

127O estoiro e arranque da cepa por semelhante forma, considera-se um feito notório, que o ganhão celebra jubiloso, exclamando: «Eh bois valentes!...»

  • 27 A igual castigo fica sujeito se, enquanto trata de soltar o arado, deixa cair a aguilhada ou a aban (...)

128Na hipótese de o arado prender sem quebrar madeira nem levantar raízes, o ganhão, acudindo a tempo, sossega a junta e ameiga-a assim: «Oh! aí... oh!... Atrás boi... atrás...» E bate-lhe as palmas, atirando-lhe para a frente com uma pedrita ou torrão. Se estas artimanhas falham, intervém o ganhão da junta imediata, que voltando-se acena aos bois desobedientes, obrigando-os a recuar. Em os bois recuando, o arado solta-se com pequeno esforço. Mas se por excepção, persiste encravado, com o ferro espetado até aos polegares – o ganhão respectivo pede o auxílio dos camaradas, que em tal altura acodem, mas chasqueando-o pelo insucesso. O insucesso e a troça põem-no corrido, porque a intervenção dos companheiros constitui vexame e inépcia, prevista e punida com a perda da boia (27) a benefício da ganharia, na primeira ceia de carne. Não obstante, o chasqueado resigna-se para que a enteichadura se desobstrua de vez, como realmente se desobstrui a poder de esforços.

*

129Pelo que fica dito, e por outras razões, que seria ocioso relatar, convém entregarem-se as juntas a ganhões jeitosos, com tacto e habilidade. Nas terras de penedios e arrifes, mais se impõe a escolha do pessoal, pelos obstáculos que se deparam a cada passo: arrifões e pedregulhos a pejarem o terreno, formando labirintos estonteantes, espaços reduzidos, que, por muito férteis, convém lavrar, embora à custa de pachorra, de jeito e de tempo.

  • 28 A arrilhada.

130Ao entrar uma junta por qualquer desses gargantões apertados, o ganhão sabedor fala aos bois, ameiga-os, ajeitiva-lhe o arado, de modo que lavre e saia incólume do escolho. Para isto, os melhores bois e os melhores ganhões, encontram-se na freguesia de Santa Eulália, habituados uns e outros a lavrarem em terras embaraçadas. Tornas extensas, retalhadas em curralórios e nesgas sinuosas, onde só cabe uma ou duas juntas. Nestas circunstâncias as píscolas desmantelam-se e esbandalham-se para cada arado lavrar por onde possa. E onde o ferro não consiga penetrar, o ganhão remedeia a falta por ocasião das voltas, revolvendo o solo com a pá da aguilhada (28).

131Sempre que se lavra por entre brenhas penhascosas, interessa ver como os bois de uma junta se colocam nas difíceis e incómodas posições que o caso exige, ora trepando, ora descendo, galgando ambos num sítio para noutro imediato avançar um só boi, a fim de os dois, por sua vez, transporem a saída – saída tão estreita e escabrosa, que a miúde os animais resvalam e caem, ferindo os curvilhões. O ganhão vai sempre animando os bois tocando-lhes de leve com a aguilhada, e afagando-os de mansinho com as frases habituais: «Vamos lá, Brazido!... Oh rego... Cerejo!... Eh boi!... À roda... aí... à roda... oh!... oh!...» E os bois obedecem, vão ao rego, e se por acaso se afastam e negam, um oh!... oh!... mais alto e intimativo, com maior pressão de rabanejo, fá-los vir às aivecas e caminharem em termos. O ganhão jeitoso consegue este resultado sem grande esforço; mas o áspero ou desastrado malogram-se-lhe as tentativas. Na maioria dos casos só consegue quebrar madeira – fazer esgarnacha, como eles dizem.

132Golpes nos boisCorta-se um ou outro boi nas unhas das patas traseiras por serem atingidos pelo ferro do arado, quando a junta foge sem governo ou a lavrar, se o arado escapa ao ganhão, sacudido por tope violento. Em geral, só acontece esse precalço quando a junta lavra com enteichadura de timão curto. O timão comprido desvia os bois do ferro, e portanto preserva-os de serem golpeados.

133Em muitos casos, o golpe nas unhas faz coxear o boi, posto que sem gravidade. No entanto, pode produzir consequências piores, como inutilizar a rês por muito tempo ou para sempre.

134Jeiras – Por jeira, considera-se a porção de terra que lavra por dia o arado de uma junta de bois ou o de uma parelha de muares. Esta é a definição comum da palavra, mas no campo varia um pouco de significação, aplicando-se, principalmente, para aquilatar o trabalho de lavoura que demanda ou demandou determinado terreno. Exemplo: se uma torna se lavrou num dia com vinte arados, diz-se que essa torna levou vinte jeiras, e não se diz que as representa ou mede.

135Como se sabe, a jeira era uma medida agrária antiga, equivalente a meio hectare, pouco mais ou menos.

A lavoura no Outono

  • 29 Os dias feriados.

136Não há época de maior intensidade de lavoura do que a desses lindos dias do Outono, que decorrem desde o S. Miguel até princípios de Dezembro. É a época das sementeiras dos cereais e, simultaneamente, das lavradas definitivas que as antecedem. É, enfim, o preparo das searas nos alqueives e queimadas das herdades e ferregiais. Grande lida, não há dúvida. Lida afanosa que emprega todo o gentio de jeito e todo o gado que sirva. Quem tem forças na chavelha aproveita-as a valer, pondo em tiro o máximo número de arados. Mas não basta ser muita a ucharia. Para o trabalho luzir, cerceiam-se as horas de descanso, reduzem-se as folgas (29) e aviva-se o passo do gado. Tudo se conjuga para se fabricarem as terras a tempo, ao impulso de esforços tenacíssimos que tomam a atenção de toda a gente interessada, desde o lavrador de gravata até ao charepe de saragoça, desde o abegão de «mãos grandes» até ao ganhão «de manta às costas». Só se cuida de lavrar, de lavrar muito e semear muito. A seara é tudo. Por ela deixa-se tudo.

137Neste propósito o lavrador alheia-se dos outros ramos da sua profissão, para atender principalmente ao andamento das píscolas. Como possa, não larga os arados, a observar-lhes o despacho, a vê-los «despejar» terra e enterrar semente – a «encherem» cantos e tornas, prosseguindo impávidos para um dia acabarem. Quando chegará esse dia ? – interroga para consigo o lavrador. E como não saiba responder de improviso, faz cálculos, estabelece confrontos e tira conclusões. Conclusões várias, que por falíveis e opostas que sejam, não o desviam do fim almejado – concluir as lavradas e as sementeiras a tempo ável e não «à noite», por assim dizer, já quando as chuvas do Natal lhe têm alagado os terrenos. A ideia de acabar cedo, sem faltar à terra com os serviços que lhe são dados, domina-lhe o cérebro. E empenha-se neste desideratum com singular afinco. Se o consegue, impa de satisfação. Como seja vaidoso, cresce-lhe o regozijo se reparar no que vai por casa dos vizinhos e notar que eles ainda estão atrasados.

138Na hipótese contrária, isto é, quando o lavrador chega a convencer-se que será o último ou um dos últimos a concluir a refrega, rala-se e amofina-se, por fleumático que seja. Mas aparentemente, para que o não disfrutem, mostra cara alegre e justifica o atraso com toda a lógica de que dispõe. Nem todos podem acabar cedo e ao mesmo tempo, é certo; mas todos pretendem não ser dos últimos, por interesse próprio e para lustre de brios. Ninguém quer ficar com a «chave», que assim se diz do lavrador que na freguesia foi último a terminar. É lisonjeiro ser-se o primeiro e desagradável o último, sem dúvida. Mas, melhor ou pior, tudo se explica e justifica, com encómios ou censuras para os visados, segundo o conceito em que estão para os críticos que os apreciam, colegas e não colegas. Os criados fazem coro com os patrões. Na presença, está claro. Na ausência variam de tom, conforme sopram os ventos.

*

139Se como fica dito e é inegável, o lavrador, no Outono, em pouco mais se ocupa do que no amanho e sementeira das terras, os criados e todos que vivem do campo dedicam também os seus pensamentos e comentários a essa labuta intensa. É a ordem do dia e da noite, que entretém todo o cidadão, incluindo os próprios ignorantes de lavoura. Estes, absorvidos pelo meio, julgam-se no dever de também discretiarem sobre a matéria, proferindo a sua sentença, fundada nas teorias de entendedores ou pseudo-entendedores, que citam a cada momento, como oráculos veneráveis e infalíveis...

140Assim, quase se não fala noutra coisa, com uma prodigalidade de detalhes que preenchem os serões e as horas de ócio, nas lojas, nas boticas, nas tabernas, nas casinhas dos ganhões e nas praças públicas. Nas povoações e no campo, inquere-se do número de arados que «deitam» os diferentes lavradores e o que semeiam; apreciam-se os serviços de cada «casa», tanto na execução como no adiantamento e atraso que denotam; comentam-se os salários e as causas da alta ou baixa; citam-se os nomes e as qualidades dos ganhões que servem este e aquele; discutem-se os abegões, sotas, boieiros e semeadores; vaticina-se sobre o futuro das searas e o calibre do ano; há, enfim, carradas de considerações e prognósticos sobre o tempo, não esquecendo referências vastas a respeito do bom ou mau gado das lavouras em foco.

141Se a audiência é entre criados, nunca fica por discutir onde se agarra mais cedo e onde se solta mais tarde; quais os abegões que dão merendas e aguadas grandes, e quais os que as dão pequenas. Com maior calor, comentam e parlam sobre o trato da família nos montes das circunvizinhanças, concluindo por descomporem ou elogiarem os amos. O cozinheiro e o amassador apanham por tabela.

142Isto é a súmula das palestras a que o assunto obriga, fora do verdadeiro campo de acção.

143Nas herdades, no próprio teatro da lida, onde o movimento de arados se patenteia nítido e real, como um formigueiro tenaz e incansável, ninguém o presenceia de perto ou afastado, que o não observe atentamente. É um quadro de grande relevo, que nunca se olha com indiferença. À luz do sol outonal e em planuras desembaraçadas, agrada ver o desfilar das juntas a passo certeiro, de cabeça erguida, a puxarem o arado e a voltarem terra, sempre obedientes aos ganhões que as governam e guiam.

144Fantasiemos que nos transportamos a um monte, sede de lavoura, aí ao romper da manhã de um belo dia de Outubro, precisamente à hora da ganharia sair do monte, depois do almoço, em atitude de caminhar para os arados. Suponhamos que chegamos lá e que, a seguir, acompanhamos o pessoal e as parelhas na sua marcha para a lavoura e aí permanecemos depois em observação durante o dia. Imaginemos isso e vejamos o que se passa.

  • 30 Sobre o almoço e pormenores correlativos, veja-se o artigo Alimentação, na pág. 136.

145Ganharia e seus dirigentes estão almoçados com a tradicional açorda, antes do amanhecer (30).

  • 31 O toque dos búzios de madrugada, ao sol posto e à noite, antes e depois da ceia, é um costume que s (...)

146Logo que saem do almoço, um ganhão qualquer toca o búzio no terreiro do monte, fazendo ecoar sons agudíssimos e intensos, sinal de preparativo de marcha, próprio da época e da hora (31). É o segundo sinal, que o primeiro reboou forte e cheio, quando os ganhões se ergueram das tarimbas para irem almoçar. Antes e depois do almoço o búzio da ganharia vibra sonoro e retumbante por diferentes vezes, correspondendo a outros que se ouvem das herdades próximas. É um despertar à vida, quebrando o silêncio da manhã, ainda envolta em trevas.

  • 32 A copa consta de jaqueta, capote, safões, pelico e tapa-cu. Os apeiros representam o correame com q (...)

147Entrementes, as parelhas saem e engatam, e os homens procuram munir-se da copa e dos apeiros (32). Uns minutos mais, entrecortados por ditos e parolas com a cigarrada da praxe, e tudo se vê em acção de sair. Dão o exemplo o abegão e o maioral das mulas, pondo-se em marcha para o local do trabalho.

148Se a lavoura fica perto, todos caminham a pé; se, pelo contrário, dista um pouco, seguem nos carros. A pé ou de carro – a pé quase sempre – a malta caminha sem preocupações visíveis, antes salientando-se pela loquacidade faceta com que abordam vários assuntos, à medida que vai caminhando. A princípio, os idosos tomam a vanguarda e vão narrando as suas proezas de «algum dia», que é como quem diz as suas façanhas da mocidade – algumas fantasistas, muito exageradas. Eis uma amostra:

149«Isso é que eram tempos!... Haviam homens e faziam-se acções!... A mocidade de agora sabe lá o que é trabalhar!... Uns fandangos... não prestam para nada e ganham dois dobros do que a gente ganhava quando era como eles... e que trabalhava dez vezes mais. Homens como os da nossa camada já não torna a haver... E então os bois ?!... Eram como muralhas... Hoje são chibos... que não podem com os atimbaldes...»

150«Ó Domingos, alembras-te daquele boi Bamdarra, que eu amansei ós três anos, em casa do avô do nosso amo, além no Seixo?... Era um alimal mais alto que a torre da igreja!...»

151«Inda dizes se m’alembro!... Foi da minha junta numa sementeira que lá fiz... Por sinal que tive de lhe tirar as manhas... Com ele e com o camarada – o Esbandalhaesnoquei mais raízes de azinheira do que cabelos tenho na cabeça...»

152«E tu não t’acordas do Soldado, um boi joeiro, retinto, que lá nas Barrocas aventou com toda a malta ao ar ? A mim não sei como não me arrebentou!... Ferrei um estoiro tão valente que me caiu a espinhela, por sinal que andei em curativo com o tio Paulo, que foi quem me pôs bom...»

153«Não me fales no Soldado... A ele e ao Medronho – um boi como um alifante, que pdia com uma almiara – pus-lhe uma carrada de lenha para a vila, tão grande que afundiu as pedras das calçadas. Tamém o ferrador, para quem era a lenha, meteu-me nas unhas doze vinténs, dois pães e uma morcela rosqueira, que parecia um paio... Bem os ganhei... Que eu não carregaria tanta lenha, se não soubesse a coragem dos bois e não contasse com a molhadura do mestre...»

154« visto... Uma pessoa, quando os amos mandam carregar presentes para qualquera, logo vê se a criatura afrouxa. Se afrouxa, bom é o presente... se não arreia, ou arreia pouco... que se amole... Leva-se-lhe pouco e ruim... Que saibam onde caem as coisas...»

155«Isso de sorte com molhaduras, já lá vai... Dantes, sim, que se arrecebiam boas e muntas. Agora, os amos não querem saber de franquezas... Mandam menos presentes... estão sovinas que nem galegos.»

156«E dos poucos que a gente vai levar, os almas do diabo que os apanham escorregam uma recularia...»

157«Quanto mais ricos, menos se descosem... E os nossos amos, vão-lhes na piugada... cada vez mais sumitigos. Nos nossos tempos corria pouco dinheiro mas havia mais olhamentos... Coisas de que eu m’alembro!...»

158E com recordações e comentários desta ordem, os pobres homens continuam andando e cavaqueando sobre os seus bons tempos, afirmando factos estupendos, que se não vêem hoje, no seu entender.

159Entretanto, os rapazes que vinham atrás, aproximam-se dos parladores mastaços e passam-lhe adiante, como mais lestos que são. Sem lhes ligarem importância, os novos seguem o seu caminho, trocando confidências sobre derriços e coisas concomitantes. Aventuras da mocidade, que lhes sucederam ou presenciaram nas últimas noites, ou nessa mesmo, há poucas horas ainda, quando arruaram pela aldeia.

160Afinal, todos chegam aos arados, mal começam a enxergar-se os primeiros arrebois da aurora. Se não há luar, as enteichaduras distinguem-se vagamente à beira da torna, erguidas como ficaram de véspera, ou em terra, derrubadas pelo vento. Os bois também já lá estão ou vêm chegando. Estão próximos ou chegados com certeza, porque lhes soam os chocalhos.

*

161Homens e gado, tudo está a postos, aguardando a agarra. Os bois, deitados uns, outros em pé. As parelhas, umas engatadas aos carros, para irem espalhar a semente; outras, com as cangas apenas. O pessoal, de cigarro aceso, vê-se disperso ou reunido em volta de aprazível fogueira, previamente preparada para livrar do frio. O passatempo é agradável, mas dura pouco. Não tarda que o abegão não diga abruptamente: «Vá de agarrar...»

  • 33 Apeirar significa pôr na canga e cangalhos o apeiro, as corneiras e as brochas, isto é, todo o corr (...)
  • 34 Em determinadas zonas, a prisão dos bois à canga obedece a praxe de cada boi alternar de lugar em c (...)

162A esta intimação correspondem os ganhões dirigindo-se às enteichaduras e cada qual apeirando (33) a que lhe pertence, se à chegada não tinham apeirado. Em seguida, cada ganhão trata de agarrar os bois da sua junta, para os pôr em tiro como de facto põe, sem grande esforço. No acto de se agarrar, o boieiro dá diferentes indicações e ordens sobre o paradeiro dos bois e a composição das juntas. Os ganhões redarguem, trocam apartes, formulam perguntas, até que prendem o gado à canga e ao arado (34). Por sua vez, simultaneamente, os carreiros engatam as parelhas às enteichaduras. Entretanto, um ou dois vai primeiro com as muares e carros, distribuir os sacos de semente pela terra que se calcula semear durante o dia. Acompanha-o o semeador.

  • 35 Começa, se entende que são horas de começar. Sendo cedo, não enrega em seguida à agarra, mas passad (...)
  • 36 A este respeito veja-se o conteúdo do parágrafo Horas de agarra, na pág. 290.

163Distribuição de semente e agarra de gado ocasionam animação de parola. Mas como sejam horas de enregar, o abegão atalha as falácias, iniciando a faina (35). Arrimado à junta, com uma das mãos no rabanejo e a outra na aguilhada, o chefe da lavoura põe a andar os bois, e grita: «Vá fora!...» Como quem diz : «Basta de paleio... vamos a isto...» E vão todos, de melhor ou pior catadura, embora façam caramunha contra a pressa do abegão (36).

*

164A lavoura principia e o dia amanhece. Bandos de alvéloas, chiando famélicas, caem sobre a lavoura de fresco, saltitando e debicando nos vermes que o arado desenterrou. Os bois e as muares quase as pisam, mas as avezinhas mal se desviam para voltarem prestes à sua tarefa utilíssima. Nada as detém, nem a geada intensa, nem o passo dos animais. Uma ou outra paga as custas, vitimada pela brutalidade dos homens, mas a grande maioria persiste desbichando, sem se importar com ingratidões.

165Neste meio tempo o sol interrompe majestoso, lá ao largo, em terras de Espanha, e à sua aparição o quadro ilumina-se com ridente fulgor, insuflando vida ao cenário que se desenrola. Os pássaros surgem de toda a banda, em pequenos voos, denunciados por meigos cantares; as juntas apressam o andamento avolumando o som dos chocalhos e esquilões, e os moços da lavoura, invade-os uma satisfação inequívoca, que revelam cantando modinhas amorosas, das que lhes evocam recordações... E os bois, os próprios bois que sulcam a terra, ouvindo esse bulício sugestivo, e quiçá descobrindo os seus semelhantes nas pastagens próximas, soltam lânguidos berros, que são a nota grave deste concerto matutino. A mesma terra, lavrada de há pouco, aparenta associar-se aos esplendores da natureza. Ao vê-la saturada de humidade, a evaporar em abundância, como ela evapora sempre nesta hora, talvez alguém diga que os vapores da terra, confundindo-se com o bafo que exalam os bois, formam como que nuvens de incenso, que se erguem no espaço, em homenagem ao Criador.

*

166A manhã prossegue amena, permitindo que a lavoura siga sem incidente estranho. O sol principia a aquecer e os ganhões tratam de despir as jaquetas para, em mangas de camisa, lavrarem à vontade. Muitos arregaçam-se, exibindo braços atléticos de invulgar musculatura.

167Enquanto eles vão lavrando com ou sem jaqueta, na estrada próxima, no cume do outeiro, aparecem algumas mulheres vindas da vizinha aldeia, de caminho para a ribeira, com cestos de roupa à cabeça.

168«Lá vêm elas!...», diz o ganhão que primeiro as bispou. E acrescenta: «Vá, rapazes, arrimem-lha a valer... que se não gabem que passaram sem a apanhar...» E os instigados, solteiros pela maior parte, notando a aproximação das mulherzinhas, saudam-nas com a vaia da praxe, em vozearia doida e gestos truanescos. Uns rincham como cavalos, outros espinoteiam e zurram como burros, diversos assobiam e muitos soltam apóstrofes rudes, que seriam ofensivas se as não tomassem por chalaça. Mas tomam.

  • 37 Sobre as baias das mulheres aos homens, leia-se o artigo Mulheres, na pág. 111. Os homens só dão ba (...)

169De entre as atingidas pelos apupos, há matronas sisudas e raparigas circunspectas que nada respondem escudando-se no aforismo de que «mulher honrada não tem ouvidos». Mas as outras, as que gostam de «falar mal» e ouvir pior, voltam o troco na mesma espécie de moeda. Simulando indignação, param-se, defrontam-se com os provocadores e, em voz esganiçada, acoimam-nos de quantos apodos lhes lembram: «Oh! cambada de chibos relaxados!... Filhos de púcara... vão rinchar às zorras das mães!... Nós não semos éguas... Lá o viço que têm... Fora brutos!... Súcia de piolhosos... Alimais!... Ponham cabrestos... Comam palha!...» É isto o que os da malta querem ouvir. Ainda as mulheres guincham toda a casta de impropérios, já lhes redarguem assim: «Fora gulosas!... Quantas chávenas de café boeram hoje?!... Bruxos!... Badias!... Tabacosas!... Voluntárias!... Feias!...» E homens e mulheres prosseguem neste coro de amabilidades, até que elas se calam, afastando-se. Eles continuam gritando-lhes, enquanto as não perdem de vista. Depois, riem-se da brincadeira. Elas também a vão comentando com prazer, posto aparentassem ir à serra. Há por acaso uma ou outra que encordoa. Mas a maioria, gosta. No íntimo, encontram imensa graça àqueles dichotes frescos, em que dizem e ouvem o que lhes vem à bola. Demais, sabem que tirarão a desforra a seu tempo, quando trabalharem nas mondas e noutros serviços (37).

*

170O dia cresce e a lavoura prossegue. Mais de um ganhão tem olhado para o sol, a observar-lhe a altura, como que a interrogá-lo se já serão horas de paragem: «Devem ser... não pode tardar...», monologam para consigo.

  • 38 Para os bois descansarem.

171Efectivamente, daí a pouco, o abegão faz parar a junta, levanta o arado (38), empurra-o, larga a aguilhada, deixa os bois em paz e grita: «Ãgua!...»

  • 39 Falcas de pão com sobejos da ceia ou da merenda, como queijo, toucinho, etc.

172As demais juntas, vendo parar a do abegão, instintivamente aceleram o passo e estacam, unindo fileiras. Os que as guiam, procedem como o abegão, deixando os arados e chegando-se à barrica da água para beberem e folgar. Vai de aguada e de descanso para homens, bois e muares. Os homens comem a cunha (39), as parelhas aquietam-se, reparando as forças, e os bois fazem outro tanto, ruminando tranquilamente. Conhece-se-lhes pelo olhar que lhes agrada a quietude.

173Voltando aos homens, o tempo voa-lhes nos trinta minutos que o intervalo dura. Aquilo, para eles, é uma delícia. De pé ou sentados, em pequenos grupos, ou em um só, vemo-los galhofeiros, a comerem a brincarem e a parlarem. Abordam assuntos diversos, vindo sempre à baralha o fabrico do marrocate e a carestia do tabaco. Do tabaco, fala-se e pragueja-se, quando vai de cigarrada, aí pelo fim da aguada. Não obstante, quase todos gastam, entregando-se ao vício. O abegão é o primeiro a puxar da petaca, seguindo-se-lhe os ganhões e outros. Os ganhões fazem o cigarro a preceito, devagarinho, com os matadores do estilo, na manha de protelarem a folga. No picar da cigarrilha de dez réis, no machucar do tabaco, no enrolar da mortalha e no fusilar dos petiscos, para acenderem a isca e por fim a tocha, que de antemão saboreiam, buscam pretexto para demoras maliciosas. Todavia, de pouco lhes vale o estratagema, que por sabido não pega. O abegão, em lhe parecendo, bota fumo, caminha para a píscola e reata o serviço, sem se importar que os cigarros dos outros estejam ou não acesos.

174Um minuto depois, toda a gente está a postos, a paragem termina, e a lavoura movimenta-se como antes da aguada.

*

175Das dez horas em diante aparecem dos lados da aldeia grupos de garotos, de cordas a tiracolo ou enroladas à cintura. Caminham descalços e rotos, às carreirinhas, como que atraídos para os arados. Os pobrezitos vêm à lenha, às raízes das cepas, para as transportarem à cabeça. Pequenotes mas prestadios. Tão novitos e já andam ao «feixe», para alimentarem a lareira do casebre onde habitam com os pais. Pobrezitos...

176Em boa verdade, a lenha não é o único motivo que os atrai à lavoura. Para os mais deles, o que os impele a estas caminhadas, é a fome que sentem e que decerto saciarão ali entre a ganharia, onde lhes darão à merenda quantos marrocates queiram comer. E o pão de centeio sabe tão bem aos pobres que não alcançam outro! Quem lhes dera a eles terem-no sempre em abundância!...

177O bando dos rapazelhos espalha-se por entre as píscolas. Cada garoto procura, lépido, um ganhão parente ou afeiçoado, de quem espera obter arreigotas. É pretensão justa, facílima de obter, que todos conseguem. Qualquer dos da ganharia, vendo acercar-se-lhe o rapazinho preferido, chama-o e diz-lhe: «Anda cá Chico... dá aqui um rego, enquanto faço o cigarro... Segura-te com ele, que é levezinho... Logo dou-te um arado partido, que escondi além nas pedras... E arranco-te cepas... Verás...»

178À voz de «dar», o Chico luz-lhe o olho e aceita a proposta. Muito ancho, segura o rabanejo, toca na junta, e lá se mete a lavrar, todo ufano por fazer de homem. Não acerta o passo, cambaleia, maneja mal a aguilhada, mas lá se aguenta, provocando observações e reparos que mais o embaraçam.

179Enquanto vai de lavoura, o rapaz vence as dificuldades, sacrificando a estética e os preceitos da regra. Mas às voltas, vê-se grego, por não poder virar o arado e a junta. Sem embargo, insiste nas tentativas, para mostrar jeito e vontade. O ganhão quer auxiliá-lo, mas ele opõe-se, observando-lhe: «Espere... deixe ver se posso sozinho...» E insiste, fazendo força. Num arranco de energia puxa tanto, que as mãozitas escapam-se-lhe do rabanejo e zás, desequilibra-se e vai com os costados ao chão. Toda a ganharia ri, chacoteando o rapaz, que desiste do intento, aceitando a intervenção do ganhão.

*

180Num vaivém constante, os arados prosseguem no seu trabalho cultural, lavrando baixas e encostas. O dia convida, os bois podem e o abegão «puxa». Não faltam elementos para o serviço luzir, e mais luziria se não houvesse os enredos de costume – as inevitáveis paragens de juntas, por efeito de madeira partida, umas; para satisfação de impreteríveis necessidades pessoais, outras, e o entretém de arados por fora das píscolas, a cortar as lobas e a encher cantos.

  • 40 Trouxe para o caso o sistema da lavoura de revezo e não o de singelo, porque o uso do revezo é esse (...)

181A despeito de tudo, despacha-se a valer. A maré não pode ser melhor, a terra assopra e o gado mexe-se. Mas as horas passam, e aí às dez e meia, o abegão pára de aguada. É a segunda da manhã, e dura só o suficiente para se beber e cigarrear de fugida. Em decorrendo uns dez minutos, o abegão diz: «Vamos a ela... o revezo está a chegar...» E a seguir, voltam ao tango sem mais preâmbulos. De resto, ainda não têm dado meia dúzia de voltas, e já os bois mugem por sentirem aproximar-se os que vêm substituí-los. Um minuto mais, e eis que chega o revezo da tarde. Chega sem grande ruído, ouvindo-se os chocalhinhos dos novilhos e alguns poucos esquilões das juntas pimponas (40).

*

182Abegão e ganhões, mal o revezo se espalha por entre as píscolas, como que a entregar-se à canga e ao trabalho, param e soltam os animais que trazem, passando a agarrar os recém-chegados.

183Os almocreves também soltam as parelhas, não para revezarem, mas para irem merendar. Só o maioral dos bois se conserva na expectativa, de cacheiro às costas, de pé, atrás do gado, observando-o cuidadoso, para que não fuja à prisão. Nesta atitude gesticula, impertiga-se e dá indicações sobre os bois e novilhos que se hão-de prender.

184«Oh! mano Zé! então qual agarro hoje?...», pergunta-lhe um ganhão desastrado, que bota abaixo os bois que lhe confiam.

185«Hoje – responde o boieiro – já que deste cabo do Foloza e do Pintassilgo, entrego-te o Traidor, que não acua p’ra’í assim. Se o botares a terra, como ós outros, prégunta vida nova... Noss’amo, paga-me para olhar pelo seu remédio...» E volta-se para diferentes que aguardavam instruções e diz-lhes: «Tu, Camoezas, agarras o Maranhaque, que é jeitoso para o novilho... E tu, Assorda, deixas hoje o Vinagre, que anda estio, e bota a fateixa ó Capitão, que está de boa vida há uma semana...»

186Os da lavoura aceitam as indicações do boieiro, e este, prosseguindo, exclama sentencioso:

187«Inda estão quatro novilhos para amansar. Vamos lá a ver a quem tocam...» E chega-se ao abegão, ou o abegão a ele, conferenciando ambos, baixinho, sobre o assunto anunciado. Pronto se entendem os dois, e, a seguir, ou nesse entretanto, oferecem-se ganhões para amansar os bichos. Se não há oferecimentos voluntários, o boieiro alvitra, até o encargo ser aceite por tantos ganhões quantos os precisos para as amansias...

188Distribuídos os novilhos, o maioral faz-lhes a apologia nos seguintes termos:

  • 41 O boieiro chama seu ao novilho que traz de amansia, não porque seja propriedade dele, mas por perte (...)

189«O Torradinho, com que fica o Murcela, há-de sair letra asseada. É grande e tem muita pele... Aquele amarelo, carapito, que vai pr’ó Cantista, é leve como um pássaro... anda sempre encabritado... Não tem muito corpo, mas rijo como canelos... O barrigana, borquilho, que escolheu o Filhozes, é curto mas sobra-lhe madeira... Grosso e atochado... Se sair zorro, arrima-se-lhe graxa de aguilhão e verão como ele esperta... O irmão, o masco, também tinha doaire de badana e depois foi o que se viu... fino como um coral!... Agora o barateiro é este risso, retinto, bem armado de corna... Este é que é o rei da baralha... Vem da raça do Poeta, aquele boi maior da junta do abegão... Se sair bom, hei-de ajuntá-lo com o meu... Verão vocês a junta faia que deles se faz... Olha lá, oh Cupido, tu que o agarras, põe-lhe Brilhante, para calhar com Diamante, nome do meu (41)... E agora, rapazes, tenham sentido e astúcia com todos... haja cuidado, se querem sair-se bem da acção... Bonda que no ano passado ficassem dois rendidos... Mal empregados!... Sempre futurei que encascassem... mas qual história!...»

190Os exortados respondem:

191«Isto é uma sorte... Os novilhos são como as belancias: só se lhes conhece o vidonho, depois de se abrirem.»

192Certo ganhão brioso, que estava de parte, dirige-se ao boieiro, observando-lhe :

193«Ora, mano Zé, se vocemecê quisesse, ajuntava o meu novilho com o do Guelas... Emparceiram bem... dão uma junta real... verá...»

194«Não metem mal, não... Pois ajunta-os... Toma tacto com eles...»

195Ainda o maioral não tinha concluído, já outro ganhão lhe falava assim:

196«Se me deixassem, tamém eu fazia uma ajuntada: o meu com o do Manteigas!...»

197«Nada, nada... deixemo-nos de mais ajuntadas...» E a meia voz, monologa em tom de censura:

198«Não têm astúcia para um e jé querem dois... Nunca vêem lobos pequenos... Baia uns impostores!...»

199O pretendente embucha e não insiste, renunciando a educador de juntas.

*

  • 42 No capitulo Gados e na parte respeitante ao gado vacum.

200Demora a agarra dos bois e dos novilhos, porque a dos últimos demanda trabalho e arteirices, que só surtem efeito à custa de manha e de paciência. Mas com jeito e pachorra tudo se consegue, embora haja trambolhões e correrias, intercaladas por incidantes e peripécias que não vêm para o caso, por terem cabida noutro lugar (42).

201As juntas, uma vez agarradas, conservam-se de pé, aguardando submissas pelo labutar da tarde, que pouco demorará. Só revelam indisciplina as dos novilhos da amansia, não quebrados de forças, nem domados pelo ensino.

202Novos e indóceis, refilam e barafustam contra a prisão, posto que não consigam libertar-se, o que os exaspera, explodindo-lhes a raiva em pulos de corça e berros espumantes. Pulam, berram e correm, arrastando a enteichadura e o camarada – o boi madrinha – que lhes modera os ímpetos e naturaliza as forças. Por fim, a pressão do arado aquieta-os como os adultos e mansos, mas sempre desconfiados e cabisbaixos.

203Entretanto, nas proximidades das enteichaduras, permanecem as reses que sobejam e os bois que saíram da canga. Estes vão-se deitando sobre o alqueive, em descanso irresistível.

  • 43 Sobre a merenda ou refeição do meio-dia, vejam-se os pormenores insertos no capítulo Alimentação, n (...)

204Nesta altura, os homens passam a merendar, a pequena distância dos arados, em volta de quaisquer pedras ou arrifes. Os garotos da lenha já lá estão empoleirados, com o feixe em preparo, aguardando a falca do pão, que se não fará esperar e repetir, até mais não quererem. Próximo, vê-se a barrica da água, o saco dos marrocates e o taleigo dos queijos. São os comestíveis que constituem a merenda para o pessoal, a esta hora do meio-dia (43).

*

205Toda a gente come no espaço de quarenta minutos, decorridos desapercebidamente, como é de prever. Aí pelo final, o abegão chama os rapazitos da lenha e dá-lhes marrocate pela última vez, observando-lhes:

206«Agora, em acabando de comer, toca de arranjarem os feixes... E depois, zunam caminho da aldeia... Nada de caraiba, que se faz tarde... Se se demoram, a raposa branca sai-lhes ó caminho... Não se acautelem...»

207Os garotos sorriem e respondem:

208«A gente não tem medo das raposas...»

209Enquanto se come, e depois mesmo, na cena final da cigarrada, bisbilhoteia-se em todos os tons e géneros, esfuziando as graçolas tarimbeiras, ganhoais, acolhidas com aplauso de muitos, reprovação de poucos e indiferentismo de alguns. Os tagarelas falam pelos cotovelos, como se costuma dizer, e os fumadores chupam cigarros como vagens, ou pontas enegrecidas – carochas de cigarros anteriores. Os que falam, falam sem conta nem medida, e os que fumam, fumam de espaço, devagarinho, para economizarem tabaco e entreterem tempo, se os deixarem. Que não deixam, está claro. Em sendo horas de enregar, o abegão ata o saco dos marrocates, recolhe o taleigo dos queijos e dispõe-se a lavrar. Os ganhões, em que lhes custe, seguem o exemplo do mandante, e daí a segundos, todos estão a postos, de rabanejo na mão e juntas em tiro, a lavrarem com o revezo da tarde.

210Neste meio tempo o boieiro ajuda toca os bois soltos, assobia-lhes de modo significativo e fá-los seguir para a pastoria do invernadouro, deixando o maioral a substituí-lo na lavoura. Só os carreiros e o embelgador continuam em descanso, aguardando que merendem as parelhas e a besta da belga. Depois, lá vão também lavrar, como fizeram de manhã.

*

211De tarde, a lavoura segue o seu curso ordinário, posto que mais vagarosamente que de manhã. As muares lavram com o mesmo despacho, é certo, mas não os bois que, em regra, têm menos poder que os outros da manhã. Os bois, como velhos, são demorados no passo, e os novilhos, por inexperientes e ariscos, nada adiantam nas primeiras voltas. Ao princípio só pulam e berram, dando água pela barba aos homens, que os amansam. E pela tarde fora, também fazem pouco de jeito, salvo se já têm dias de trabalho e de ensino. Mas nem assim despacham como o gado sabido e possante. Bois madraços e novilhos de amansia põem à prova o jeito e as unhas dos ganhões. Destes, encontram-se alguns com pachorra e habilidade bastante; mas outros, não reúnem esses requisitos, sendo pelo contrário irascíveis e impacientes. Desta falta de aptidões, resulta a frequência com que certos brutamontes invetivam os pobres animais, procurando amedrontá-los com exclamações iracundas, de palavrões estúpidos e obscenos. Os seguintes, muito usados, dão uma ideia pálida de tais meiguices: «Raios te partam, zorro de um cão!... Oh boi de aquele filho de curta...» Se no momento o amo aparece de improviso, o criado procura emendar, acrescentando: «... que o vendeu...» O amo, se ouve, faz que não ouve, ou observa: «Essa venda já veio tarde...» Quando não responde por esta outra forma: «Vê lá de quem são...» E afasta-se, por saber que a grosseria proferida pelo criado provém de hábitos velhos, destituídos de intenção ofensiva. Estava servido o lavrador se ligasse importância a essas bagatelas. Ele não vai aos arados para se abespinhar com o calão dos que o servem. Vai para ver lavrar muito e a preceito. A pé ou a cavalo, caminha ao lado do abegão, trocando impressões, transmitindo ordens. De vez em quando, desvia-se e estaciona em qualquer ponto culminante, a observar o passo das juntas, o jeito dos ganhões e o tempero dos arados. Querendo certificar-se de tudo, dá também umas assomadas pelas juntas e parelhas entretidas a cortar lobas e encher cantos. Entretidas, é o termo apropriado. Aquilo de cortar lobas por entre pedregulhos, constitui serviço de enredo, muito de molde para se fazer cera. Assim, o lavrador não lhe falta que fiscalizar nos arados em acção, onde passa o melhor do dia, com prefeito manifesto. Bem se diz que «a cavalgadura em que o lavrador monta, quando assiste à lavoura, tanto ou mais que uma ou duas juntas.»

*

212Lavra-se com o possível despacho e semeia-se na proporção que a lavrada cresce. O semeador, de sementeiro ao ombro, vê-se a distância, semeando a lanço, pelas belgas que o norteiam. Adiante, o embelgador manobra a jangada, traçando as belgas que norteiam o semeador. Todos, enfim, laboram na cultura e sementeira da seara.

213A tarde declina, e o abegão, observando o sol, pára de aguada. É a primeira da tarde e a terceira do dia. Decorre como a primeira da manhã, demorando vinte a vinte e cinco minutos.

214Durante a paragem, os novilhos mostram-se fatigados, a arfarem com violência, escorrendo-lhes o suor sobre a pelagem espessa e fulfa. Nos fracos, o cansaço é enorme e angustioso. Dá pena vê-los a escancararem a boca, de língua fora, espumantes. Alguns deitam-se rendidos e extenuados. Outros, recebem carícias dos homens que os amansam, carícias nem sempre aceites, antes repelidas com assopros e marradas, que suscitam risotas. Uma pândega.

*

215A aguada conclui e as píscolas voltam a manobrar animadas pelas cantigas dos ganhões, sempre despreocupados e infatigáveis. Por entre as cantorias dos rapazes e a faina que se desenvolve, surgem os incidentes habituais, como partir-se madeira, sairem juntas, repararem-se enteichaduras, etc. São entraves que nunca falham; cenas infalíveis, próprias do cenário.

216Aí às quatro horas ou quatro e meia, tem lugar a última aguada, que decorre de fugida, nuns escassos dez minutos. O pessoal quase não arreda do rabanejo por saber que a paragem é curta. Vê-se que o dia está por pouco e que o descanso tem de ser breve. O sol vai baixo, prestes a esconder-se, de modo que as juntas e os homens já projectam sombras gigantescas, que vão crescendo à medida que a tarde avança.

217Depois da aguada, a lavoura move-se como anteriormente, mas a animação fraqueja, posto se ouçam as vaias dos ganhões às mulheres que por acaso se avistam em regresso da ribeira ou de outra procedência. Mas são assuadas frouxas e fugazes, quase constrangidas, sem a espontaneidade e entusiasmo que caracterizam as de manhã. A. hora do sol posto, mais predispõe ao sossego e à concentração do espírito, do que a bulícios de troças e retoiças. Tem de se entrar em pacatice ordeira, e entra-se, evidentemente.

  • 44 Por loiça, neste caso, entende-se os chocalhos, esquilões e esquilas.

218Duas voltas mais e o sol esconde-se por completo, deixando apenas a luz purpurina do crepúsculo. As alvéloas e outros passarinhos vão rareando, prestes a desaparecerem; os ganhões emudecem e aquele meio, em que mourejam dezenas de homens e de quadrúpedes, entra num período de mutismo, que seria absoluto se o não quebrasse a loiça (44) dos bois e das muares.

219De súbito, o abegão pára a sua junta, entra na lavrada, crava a aguilhada no solo e brada forte: «Ferra!...» Corresponde a dizer: «Vá de soltar... acabou-se por hoje...»

220Ao brado do abegão, as juntas todas, compreendendo-lhe o alcance, aceleram a marcha e, num momento, unem fileiras, fazendo alto. Os ganhões largam desde logo os rabanejos e as aguilhadas, como quem se alivia de fardos importunos. A seguir, cada junta é desacorneirada pelo homem que a trás, mas nenhum larga os bois sem que o abegão dê o exemplo. Os apressados esperam pelos retardatários, e o abegão aguarda por todos. A solta tem de ser geral e uniforme. Todos procuram desacorneirar com presteza, e todos concluem por tomar a atitude de solta, cada qual agarrado ao boi que primeiro tem de largar. O abegão faz outro tanto, e os subordinados passam a fitá-lo atentamente, para obedecerem de pronto ao sinal que dele aguardam. Nesta ocasião o silêncio é notório e impressionante. Os bovinos e as muares, parados e quietos como estátuas, não agitam os chocalhos nem esquilas ; os homens, mal se mexem, sem proferir uma palavra. Perturbar a cena, seria espaçar-lhe o desfecho.

221Alfim, o chefe da lavoura relanceia o olhar, certifica-se que nada falta, e imediatamente, descobrindo-se, diz respeitoso: «Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!...»

222Acto contínuo, abegão e ganhões, como se a electricidade os movesse, desabrocham o boi que tinham seguro pelo chavelho, largam-no e desabrocham e levantam a canga ao da parte oposta, soltando-o também. Todos ficam soltos num abrir e fechar de olhos, espalhando-se por entre as enteichaduras e arredores, a intentarem comer nos arrifes e vales. De ordinário, procuram em vão, mas em que encontrassem, não os deixariam lambujar. O boieiro depressa lhes assobia em tom de marcha, e, sendo necessário, o cajado reforça a ordem, pondo-os a caminho da pastagem, no seu passo vagaroso e cadenciado.

223As parelhas saem ao mesmo tempo dos arados, indo algumas engatar nos carros que trouxeram de manhã. Engatadas ou não, seguem para o monte de canga no cachaço, com os almocreves no dorso ou na taleira dos carros.

*

  • 45 Sobre apeireiros, veja a nota da pág. 249.

224Efectuada a solta, acaba o silêncio e ressurge a animação. Entre o pessoal da ganharia cruzam-se os ditos, as ordens e os reparos, em voz alta, abafando o tinir dos esquilões. Um contraste frisante com o sossego da hora e a solidão do meio. Entretanto, os ganhões encostam as cangas aos arados e cada um enrola à pressa o seu apeiro. O abegão, enrolando o que lhe pertence, mostra-o e diz: «Quem o quer?» Aquele a quem por escala incumbe o encargo de apeireiro (45) responde: «Eu... hoje toca-me...»

  • 46 Os ganhões só vão em carros, da lavoura para o monte e vice-versa, quando a distância é grande. E a (...)

225Por forma análoga à do abegão, procede o maioral dos bois, entregando o apeiro a outro ganhão, que lhe compete levá-lo. E pronto, nada mais entretém a ganharia, a não ser munirem-se dos capotes e das jaquetas que largaram de manhã. Depressa tomam isso tudo, e a seguir marcham para o monte, a pé ou nos carros, conforme a longitude, as instruções do amo ou a vontade do maioral das parelhas (46).

226Ao iniciar-se a marcha, ou à solta, um dos da malta assopra o búzio, tirando sons agudos, que se ouvem ao largo, nas lavouras vizinhas. De lá correspondem igualmente e, deste modo, os sons dos búzios, cruzando-se no espaço, anunciam a solta do trabalho e significam a saudação de despedida de umas para outras ganharias. Exactamente o mesmo que fizeram de madrugada à hora do almoço, e como farão dentro em pouco, à entrada e à saída da ceia. São cumprimentos e sinais exclusivos da época, que se observam a rigor, havendo buzina e quem a saiba tocar.

*

227A luz do crepúsculo – «o ar do dia» – vai-se extinguindo, e a noite avizinha-se, bonançosa e linda, como é frequente na quadra outonal. Brilham no infinito algumas estrelas, que os ganhões contemplam e apreciam na sua caminhada para o monte, em regresso da lavoura. O brilho das estrelas e a limpidez da atmosfera, sugere-lhes raciocínios singulares, que dão origem a comentários e tiradas filosóficas, algo estapafúrdias. De argumento em argumento, concluem que nada percebem porque nada lhe ensinaram e pouco tiram do «sentido». De resto – acrescentam – aquilo das estrelas, do céu, da lua e do sol, são «coisas de fundamento», obra de Deus, que nem os homens de letras sabem explicar. Um ou outro nega esta pretendida ignorância dos homens de letras, mas a maioria afirma que sim, que a gente de saber, tanto lê que treslê, nada pescando do que vai lá por riba. O que dizem a esse respeito são contos da carochinha, para embarrilarem os lambaruços que não têm letras nem tretas. E nisto concordam quase todos. Os que discordam, têm de meter a língua na caixa, para não os acoimarem de parvos e impostores. Passam, pois, todos a outros assuntos mais consoantes com os seus parcos conhecimentos. E assim prosseguem na marcha, inteiramente alheados dos problemas complexos em que antes se envolveram.

228Das proximidades circunvizinhas, soam os balidos das ovelhas que recolhem ao bardo; a chocalhada das vacas e bois, a pastarem no invernadouro ; o grunhir dos porcos, a entrarem para as curraladas e o coaxar das rãs nos charcos e ribeiros. De espaço a espaço, das azinheiras nudosas e seculares, as aves nocturnas piam os seus queixumes agourentos, e, lá no alto, no monte, de onde as luzes se distinguem, frouxas e amortecidas, os cães fazem ouvir os seus latidos de alarme, como bons vigias que pressentem a aproximação de alguém.

229De facto, minutos depois, a ganharia e os carros pisam o terreiro do monte, animando-o com sussurros e vozeiras. Os rafeiros emudecem então, agitam a cauda e correm cabisbaixos a afagar os recém-chegados, como que a pedirem-lhes perdão de os não terem conhecido.

  • 47 Veja-se a pág. 40, do artigo A vida nos montes e o parágrafo Ceia, nas págs. 140 e 141.
  • 48 A casinha dos ganhões, nas noites do Outono e do Inverno, torna-se o ponto de reunião da criadagem (...)
  • 49 Os carreiros dormem na cavalariça das mulas para tratarem as parelhas. Antes de recolherem definiti (...)
  • 50 A casinha chamada do abegão é exclusiva deste e do sota. Veja-se a pág. 35.

230Daí a um quarto de hora, se tanto, o abegão grita: «Ã ceia!...» A esta chamada, ninguém deixa de acudir. Ganhões, carreiros e outros, que porventura trabalham sob o comando do abegão, ou de seus delegados, todos comparecem a cear, como estejam presentes (47). Ceiam sem fastio, é claro, e a seguir saem. Os ganhões vão para a casinha, a parolar e pernoitar (48), e os carreiros para a cavalariça das mulas (49). O abegão e o sota só recolhem ao seu alojo (50) depois de levantarem a mesa, de entregarem a ceia aos malteses e de ouvirem as instruções do amo, para o trabalho do dia seguinte, se o amo reside no monte. Neste entretanto, soa de novo a buzina, assoprada por qualquer que saiba. Dos ganhões – cumpre acrescentar – os moços solteiros nem sempre recolhem à casinha, após a ceia. Os mais deles põem-se na pireza, a caminho da aldeia, calcorreando a pé e de pau na mão, por veredas e atalhos, com o fim de passarem o melhor da noite pela terra: primeiro, a arruarem e cantarem de súcia com os «parceiros» amigos; depois, a falarem com os namoros pelo postigo das habitações. Vão gozar, dizem eles. E gozam realmente, se lhe acreditarmos o que afirmam.

Serviços preliminares e complementares da lavoura

231Gradagens – Efectuam-se sobre as lavradas que precedem as sementeiras de trigos de Primavera e de grãos-de-bico, e ainda depois, na definitiva que tapa a semente. Para as searas outonais, as gradagens usam-se nas terras muito enterroadas, antes da sementeira, sobre o ferro «de revolta», ou seja, o penúltimo. O último «ferro», logo subsequente à sementeira, nunca se grada. Fica sempre de sulcos abertos, para escoarem melhor as águas das chuvas.

232A maioria dos lavradores persiste em usar a grade antiga, rústica, de madeira, provida de «facas». Que também já se empregam as grades modernas articuladas. Ultimamente vai-se adoptando a do sistema Osborne, que dá bons resultados. Nas «terras soltas», bem enserviçadas de alqueive, uma gradagem com a Osborne, aplicada pelas «águas novas», depois da terra abrolhar, dispensa a lavrada de revolta.

Limpeza das terras

  • 51 As terras próprias para grãos-de-bico e chícharos, na grande maioria dos caso’s têm apenas algumas (...)

233Desmoitas – Antes ou depois de se prepararem os alqueives, as terras respectivas, com excepção das que se destinam a grãos-de-bico ou chícharos, são desmoitadas, a enxadão ou alvião, do mato que as suja e «embaraça» (51). Igual benefício se dispensa às rastolhices a queimar, para segunda seara e aos pousios que se tencionam semear «à face», e que só se lavram uma vez, por ocasião da sementeira.

234Do mato em questão, predomina o piorno, na maioria das zonas; noutras poucas, o sargaço; e ainda em outras, o piorno, a giesta e diversos, numa miscelânea avassaladora de pastos e chaparros.

  • 52 Vai à meia cabeça, como também se diz.

235Há desmoita superficial e desmoita radical. A primeira, posto que destrua pela raiz os arbustos pequenos, como giesta, sargaço e rosmaninho, corta de leve outros maiores – piorno, carrasco, carapeteiro, etc., derrubando-lhes as hastes e descabeçando-lhes a cepa, quando muito (52). O raizame maior, arreigado e profundo, continua intacto na terra, apto a renovar, como de facto renova em poucas semanas, apresentando rebentões vicejantes. De modo que a moita ostenta a mesma altura e vigor quando, passados anos, volta a ser cortada, para preparo de outra seara.

236A desmoita radical, chamada arranque, consiste em extrair a cepa totalmente, a não rebentar mais, ou só tarde e sem viço.

237Antigamente, pouco se desmoitava por este processo decisivo, óptimo, evidentemente, mas caríssimo. Hoje, em virtude do desenvolvimento das culturas cerealíferas, a desmoita pela raiz está sendo bastante usada, mormente pelos agricultores que lavram terras suas. Faz-se sobretudo nas herdades de arvoredo. Nestas, a extinção dos moitais e carrascais tem a dupla vantagem de beneficiar as árvores e searas.

238Nas herdades escassas de arvoredo, que não produzem lenha para o consumo da casa, e onde pelo contrário abunda o piorno, julga-se inconveniente o arranque total e radical deste arbusto, que, sendo desenvolvido, supre a falta de lenha. Além disso, tanto nas herdades de montado, como nas campas, despidas de arvoredo, o piorno, provido de rama, também serve para revestimento de almenaras, malhadas, choças e chiqueiros. Para este fim é superior a tudo mais semelhante, a ponto de se ir cortar longe, para se aplicar onde o não há.

239Consequentemente, pelo que respeita ao piorno, é de crer que subsista o uso da desmoita superficial, em parte do moital, pelo menos, embora se arranque o que for tido por desnecessário e nocivo.

240Com o carrasco e carapeteiro, procede-se por sistema semelhante. Cortam-se a enxadão, em desmoita superficial, ou de arranque total, se não se olha a despesas.

241A giesta destrói-se pela raiz, sem grande custo, dada a fragilidade do seu raizame. Posto que renove depressa, reduz-se e extermina-se quando as lavradas se repetem de dois em dois anos ou de três em três.

242Em muito maior quantidade, vegeta o sargaço, que em certos sítios abrange folhas inteiras. Arranca-se a enxadão e à mão, quando a terra está húmida. Apresentando-se rasteiro e pouco crescido, destrói-se com a lavoura da charrueca, se a terra é desembaraçada e «de chão». Pois, apesar de não oferecer resistência de arranque, dificilmente se extingue. Com a facilidade que se destrói assim renova, em intensidade igual ou aproximada. Para se reduzir o sargaço e não crescer, há que arrancá-lo anualmente, persistindo nas pelas anuais, durante muitos anos sucessivos, até rarear bastante. De contrário, vegetando à vontade nos três ou quatro anos que as folhas ficam de pousio, cobre o terreno todo, atinge considerável altura e impede o crescimento das ervas.

243A desmoita de um sargaçal espesso e vasto torna-se muito dispendiosa, por barato que esteja o pessoal. A terra o que produz é, em geral, inferior, não pagando a limpeza, se o adubo ou esterco não beneficiaram a seara.

  • 53 Em todo o Alto Alentejo, a esteva é mais conhecida pelo nome de xara. Diz-se mais xara e xaral, do (...)

244Da esteva, quase não vale a pena falar, tão pouca existe na região elvense, onde se pode classificar de planta exótica por assim dizer. Apenas uns pés por aqui e acolá, e isso mesmo numa única zona bastante limitada. Mas vinga em tal ou qual quantidade no vizinho concelho de Arronches e redondezas, posto que muitíssimo menos do que em tempos passados, não muito remotos, quando compunha manchas extensas de respeitável altura e densidade. E aí, no termo de Arronches, a xara (53) desmoita-se hoje «por baixo», de arranque radical, estando quase abandonado o uso da roça.

245Da roça e arranque na esteva e carrasco, escuso de pormenorizar mais, porque teria de repetir o que já disse no capítulo Montados, a páginas 47 e 52.

246Temos por último as sarças de silvas, nos terrenos de penedios, arrifes e regatos, e ainda o rosmaninho, em terras delgadas e arenosas. As silvas costumam-se cortar à roçadoura, para depois se lhes arrancarem as raízes. O rosmaninho, sendo vasto e crescido, destrói-se a enxadão. Mas, geralmente, está ralo. Nestas condições sai fora com o arado, dispensando desmoita.

247Embora se desmoite desde o fim da sementeira outonal até «cabo de Maio», é sabido que o período intenso da desmoita decorre na época do Verão, e, sobretudo, depois de se recolherem as palhas, avançando pelo «S. Miguel» fora.

248Em regra faz-se a desmoita com a ganharia. Mas se o serviço é muito e o tempo aperta, mete-se pessoal estranho, ajustando-se por empreitadas «a homens». Quer dizer, se a limpeza de uma folha for avaliada em cem dias de trabalho a um homem, contrata-se a empreitada por cem homens, ou sejam cem jornais, à razão de cento e vinte a cento e sessenta réis cada jornal e as competentes comedorias.

249O trabalho da desmoita é dos mais violentos do campo, principalmente nos dias grandes, calmosos, em que o trabalhador maneja o enxadão, escorrendo em suor, acurvado e coberto de poeira, desde manhã cedo até pela noite fora, descansando apenas à sesta e às horas de comida. Não obstante, paga-se por salário baixo – cento e vinte a cento e sessenta réis e comida, é claro. Não há dinheiro mais bem ganho.

*

250Enquanto a ganharia ou camarada vai desmoitando, um ou dois homens, de forcados em punho, seguem atrás, juntando o mato cortado, para secar e arder em pequenos montões, que se denominam caminheiros ou moiteiras. Nas desmoitas de rastolhices e pousios para queimados, com destino a searas de relvas – «à face» – o mato cortado, não se junta, antes se espalha, de mistura com o rastolho e pasto, para melhor secar e arder. Nesta hipótese, os terrenos guardam-se do gado, para que o pasto facilite a queima.

  • 54 Antes de se queimarem as rastolhices, aceiram-se os extremos confinantes com pastagens em perigo, e (...)

251Queimadas – Moitas cortadas no Verão, assim como roças e rastolhices, só se queimam depois do dia 15 de Agosto (54). Está assim preceituado, como precaução contra incêndios em searas nos rastolhos e nas eiras. De 15 de Agosto em diante, as searas estão recolhidas ou presume-se que estejam. E então vêem-se fogos por toda a parte. São as queimadas do tempo – fogos que de noite projectam clarões enormes, iluminando fantasticamente os campos circunvizinhos.

Estrumes e adubos

252Entre os preparos culturais, nenhum se pantenteia mais vantajoso e eficaz do que o da estrumação e adubação das terras. A sua utilidade revela-se a cada passo; é tão conhecida, que não carece de demonstrações.

253Há meio século, estrumava-se um terço dos terrenos que se estrumam na actualidade, donde se infere que também neste ponto a agricultura tem adiantado e progredido.

254Nos tempos antigos e nas populações campónias, era corrente dizer-se que os estrumes escaldavam as terras, e gafavam de erva as searas. Fosse por isso ou por desleixo, as estrumeiras acumulavam-se e estragavam-se nos arrabaldes dos povoados, e até em alguns montes, durante anos, como coisa inútil ou de insignificante valor. Nas povoações ninguém vendia estercos, à falta de compradores. E quem tinha onde os aplicar, descuidava disso ou aplicava-os sem critério nem confiança, à parte excepções honrosas.

255Preconceito semelhante havia também a respeito dos estrumes de ovelhas no pino do Verão. Embora os antigos lhes reconhecessem a sua benéfica eficácia nas outras estações do ano, negavam-lha redondamente no período estival. De Julho a fins de Agosto, entrando por Setembro, o gado lanígero nunca recolhia aos bardos, dormindo à solta onde calhava nas voltas, malbaratando estercos e urinas.

256Agora já se pratica de modo diverso. Os rebanhos lanares, no estio, recolhem aos bardos nas poucas horas que repousam de noite. Claro está que a produção de estrume nestas horas, é pouco também. Mas por pequena que seja, repetindo-se em setenta a oitenta dias seguidos, represnta uma quantidade considerável, que se não deve desprezar. E já não se despreza, para honra e proveito do lavrador.

257Nas aldeias, despertou igualmente o interesse e zelo pelo aproveitamento do esterco. A maioria dos moradores faz a sua estrumeira, boa ou reles, grande ou pequena, para a empregar por conta própria, ou para a vender a quem quer que seja.

258Nas herdades observa-se zelo semelhante, muito maior que o de outros tempos, se bem que ainda se deparem desperdícios. A contrastar, há muitos lavradores que, além de aproveitarem rigorosamente os estrumes de sua lavoura, compram nas povoações próximas todo o que podem alcançar, a quinhentos, seiscentos e setecentos réis a carrada de muares. Nunca chega para as encomendas.

259Os estrumes provêm das montureiras feitas com dejectos, desperdícios e detritos de toda a ordem, e dos excrementos e urinas dos rebanhos em bardos, apriscos, rociadas e malhadios.

260Estrumeiras – Preparo bastante rudimentar. Umas voltas de vez em quando, revolvendo o estrume de cima para baixo, e eis tudo. Alguns lavradores tapam as estrumeiras com terra, preservando-as assim dos raios do sol e da chuva. Mas a maioria não se importa com isso.

261Descobertas ou tapadas, em chegando o tempo próprio, o estrume remove-se para a terra a estercar, onde se distribui aos montões mais ou menos distanciados. Em seguida é espalhado à forquilha, nem sempre com acerto e igualdade, antes um pouco à toa, à míngua de critério de quem o distribui. Para evitar esse contra, há quem prefira espalhar à mão, a lanço, com mulheres, dirigidas por homem experiente. É melhor processo, posto que mais caro e moroso. Na hipótese de se usar, convém que os montículos fiquem maiores. As mulheres enchem neles os coxos, cestos ou gamelas que trazem consigo, e, depois, com o provimento à ilharga, seguem a espalhá-lo pela terra, como se andassem a semear.

262Esterco de gado manadio – De entre os melhores, destacam-se, pela quantidade e apreço, os das ovelhas, carneiros e borregos, nos bardos e apriscos e um pouco nos acarros, à sombra das árvores, de Verão. Em quantidade muito inferior, contam-se os das cabras, no bardo e malhadios circunvizinhos; os dos porcos, nas malhadas e redondezas, e, por último, os das reses bovinas, nas «camas» onde assossegam à noite, e junto dos manjedorais onde comem, presos.

263Os estrumes de éguas de manada, quase que não merecem menção. As éguas mudam tanto de pastoria que os seus dejectos ficam dispersos por toda a parte, sem proveito visível.

  • 55 Na época do Verão há quem adopte o sistema de mudar os bardos das ovelhas de dois em dois dias. O g (...)
  • 56 O gado lanígero, na Primavera, sai do bardo depois das nove horas da manhã, não só por ter comida e (...)

264Nisto de gados, como produtores de estrumes, cabe a primazia às ovelhas e carneiros, cujos estercos são aproveitados como nenhuns, pela circunstância de os lanígeros pernoitarem e estacionarem em bardos móveis sobre o terreno a cultivar. Compostos de cancelas ou de redes de alfirme, os bardos encerram os rebanhos, durante a noite e de manhã, até saírem a pastar. Para aproveitamento e ampliação da estrumada, as cancelas ou as redes mudam-se de sítio uma vez por dia no Outono, Inverno e Verão, e duas na Primavera (55). Duas vezes diariamente na Primavera, porque neste tempo, o gado, durante o encerro, esterca em excesso para a capacidade de um bardo, já por se lhe retardar a solta até às nove ou dez horas da manhã, já por ter um passadio abundante de ervas frescas e tenras (56). Ovelhas, carneiros e borregos, comem à farta na quadra primaveril, estercando e urinando muitíssimo mais que nas outras épocas.

265Seja em que tempo for, a mudança das cancelas efectua-se metodicamente «correndo-se» o terreno às fiadas ou eitos, para que não fiquem intervalos por estrumar. Estercam-se por este meio as tornas extremas da folha alqueivada, ou a alqueivar, as baixas e vales para melanciais e meloais, e outras que se tencionem semear dois anos consecutivos, sem estorvar a traita dos rebanhos, nem retalhar os afolhamentos. É axiomático que uma terra passada a bardos dá bem duas searas consecutivas.

*

266Um rebanho de quatrocentas ovelhas, acomoda-se, para dormida e encerro, num bardo de vinte e quatro cancelas de 3,75 m de comprimento cada, e seis cancelas por banda, ou seja num recinto de 500 m2, aproximadamente. Para um rebanho de carneiros em número igual, o bardo tem de compor-se com vinte e oito cancelas. Os carneiros são maiores que as ovelhas, comem mais, e portanto, maior tem de ser o recinto de encerro. Nos dos borregos, em quantidade igual, atribuída às ovelhas e carneiros, a superfície do redil costuma ser menor, bastando vinte cancelas. Quatrocentos borregos estrumarão tanta terra como duzentas e cinquenta a trezentas ovelhas. Isto enquanto novos, até ao ano. Depois, em malatos, do ano aos dois anos, podem equiparar-se às mães, para o emprego de cancelas.

267Mas pondo de parte sexos e idades, tomemos para cálculos, sobre estrumações, o animal típico, a ovelha, rês predominante nos nossos rebanhos lanares. Assim, tendo em vista que quatrocentas ovelhas estrumam coisa de 500 m2 por bardo, e sendo certo que um moio de trigo em semeadura ocupa a terra de nove hectares, aproximadamente, é claro que essa terra fica estrumada com cento e oitenta bardos no período de cento e oitenta dias. Se a estrumação entrar pela Primavera, está sabido que se obtém em menos tempo, visto que um dia de então proporciona dois bardos.

268Estas bases, embora verdadeiras, podem falhar. O valor das estrumadas, a superfície que abrangem e o tempo que demandam, dependem de causas diversas, eventuais e imperiosas, que surgem frequentemente, entravando propósitos, gorando previsões. Em primeiro lugar há que atender ao passadio dos animais. Sendo medíocre ou deficiente, os estrumes escasseiam e a terra fica mal estrumada, tendo que se reduzir as cancelas, ou retardar-lhes a mudança, passando a ser de dois em dois dias, em lugar de todos os dias, ou uma somente, se o costume da época for de duas vezes por dia. Com passadio abundante dá-se o inverso: ou os bardos se alargam, adicionando-se-lhes cancelas, ou mudam-se com mais frequência. O tempo também influi para o caso. Se vai ameno ou quente, deixa-se o redil espaçoso, para os animais ficarem à larga e à fresca. Se, pelo contrário, o frio aperta e o temporal fustiga, encurta-se o cercado, tirando-lhe cancelas. A frialdade e a chuva, impele os animais a conchegarem-se, de forma que, se o recinto for amplo, fica em parte devoluto e por estrumar, consequentemente.

269Como os bardos, e para análogo aproveitamento de estrumes, os apriscos onde se ordenham os alavões, assentam-se sobre os terrenos a lavrar, se isso se concilia com a situação das pastagens que as ovelhas correm. Não se conciliando, ficam onde calha melhor às voltas do gado. Os apriscos apenas se mudam duas e três vezes por semana, atendendo ao pouco tempo que as ovelhas permanecem neles. É, portanto, pouca a terra que estrumam. Mas era, sem dúvida, menos aqui há trinta anos, quando os apriscos não se mudavam, ou mudavam pouco, permanecendo no mesmo sítio em toda a época do ordenho.

*

270Tendo em conta os detalhes consignados, e considerando que todo o lavrador de importância dispõe, pelo menos, de um rebanho lanar, havendo muitos com dois, três e quatro, reunindo mil a duas mil ovelhas, facilmente se concebe a alta importância dos estrumes ovinos e a quantidade de terra que fertilizam anualmente. Não obstante, toda essa terra abrange aí um terço da folha ou folhas em preparo.

271Os estercos dos outros gados, beneficiam quando muito uma quarta ou quinta parte dos dois terços que as ovelhas não estrumam. Torna-se pois intuitivo que a maior porção de alqueive não se beneficia, ou beneficia-se com adubos químicos, cujo custo nem sempre é compensado. Enfim, estrumação mais barata e remuneradora que a das ovelhas e carneiros, não a há por certo. É de uma economia e vantagem que se impõe aos olhos dos menos entendidos. Basta frisar que não ocasiona despesas de transporte nem de espalhação. Os próprios animais que produzem os estrumes, são eles precisamente que os vão depor na terra a que se destinam, e na proporção que se pretende. É certo que o gado embardado sofre um tanto no encerro, com o rigor das estações, sobretudo de Inverno. Mas esse dano, representa pouco ou nada, comparativamente com os lucros que o lavrador aufere na melhoria da seara. A seara estrumada por ovelhas, produz o triplo do que produziria sem estrumação ou adubo. Mais : o solo estrumado fica apto para segunda seara boa, produzindo, de futuro, melhores e mais abundantes pastagens. Quanto valem, portanto, em réis, os estrumes dos lanígeros, por cabeça e ano ? – perguntará naturalmente o leitor curioso. Resposta: o valor real, indiscutível, é difícil sabê-lo com acerto. O que se lhe atribui varia de região para região. Ao passo que em algumas zonas reputam os das ovelhas a quatrocentos réis, os dos carneiros a quinhentos e os dos borregos a duzentos réis por cabeça e anuidade, mais vintém menos vintém, noutras cotam-se por preços maiores ou menores, conforme o apreço que se lhes liga e a precisão que há.

272Os criadores de gado ovino que compram pastagens nos olivais e esplanadas de Elvas, para aí pastarem os seus rebanhos, costumam vender-lhes os estercos aos donos dos olivais a cento e vinte e cento e quarenta réis por noite e grupo de cem cabeças adultas. Tratando-se de borregos, o preço baixa por via de regra, mas pouco.

273A terra estercada pelas cabras limita-se ao recinto do bardo e redondezas – as camas e malhadios – num raio de 50 a 60 m. É uma área pequena, pelo motivo de que o bardo permanece num dado sítio, desde que principia a servir no Outono até Março, pelo menos, servindo somente nas horas dos ordenhos e da afilhação. Em algumas herdades, logo que entra a Primavera, substitui-se o bardo permanente das cabras, por outro ligeiro em lugar próximo, que se muda todas as semanas ou de quinze em quinze dias. Desta maneira, estruma-se mais terra com visível vantagem.

274Das limpezas dos bardos e dos chiqueiros dos chibos, obtêm-se alguns estrumes que se amontoam nas proximidades para se transportarem e aplicarem oportunamente.

275Dos porcos também se aproveitam os estrumes que produzem nas malhadas e rociadas em que dormem e param. Cada herdade susceptível de sustentar suínos, dispõe geralmente de duas a três malhadas, cada qual em folha diversa, a fim de o gado ocupar a que fica no terreno do alqueive, ou a alqueivar em breve tempo. A comida dos bácoros na malhada, a sua saída e entrada diárias, durante meses, e o estacionamento, por horas, de manhã e à noite, na rociada em volta, produz uma boa estrumada que se utiliza na seara em preparo, sempre que é possível. E quando se não pode utilizar imediatamente, por a malhada ficar fora do alqueive, aproveita-se no ano seguinte ou no outro subsequente. Das limpezas dos pocilgões, pocilgas, curraladas, rebolins e comedouros, que compõem as malhadas dos porcos, formam-se estrumeiras que a seu tempo se transportam para a terra. Não é coisa de grande importância, mas nem por isso se abandona.

  • 57 Costume da freguesia de Santa Eulália.

276Das boiadas e vacadas poucos estrumes se reúnem, devido ao regime manadio em que vivem, principalmente as vacas, que passam o ano à solta e a prado. Dos bois, aproveitam-se os estercos que deixam nos manjedourais onde comem, por horas, em todos os dias de parte do Outono e do Inverno. Mas perdem-se os do restante tempo dessa época, quando os bois comem no invernadouro, e os que produzem de Primavera e Verão, a pastarem pelas coutadas e rastolhices. Quem percorre os pousios e os rastolhos, lá encontra a cada passo as bostas das reses vácuas, para ali abandonadas a esmo, em maior ou menor decomposição, até às secas e mirradas, aptas para combustível. Já não sucede assim às que ficam nas «chegadas» à palha de centeio, comida das próprias almenaras, em certas horas do dia e da noite, nos meses de Novembro a Fevereiro (57). Os dejectos das reses, misturados com os desperdícios das palhas, removem-se para fora das almenaras, compondo estrumeiras grandes, de valor apreciável. Estas estrumeiras e as outras similares, que se reúnem nos manjedourais, em que os bois comem, presos, representam os únicos estrumes de bovinos que se aproveitam.

277Adubos químicos – Empregam-se os superfosfatos de cal a 12% solúveis em água, na razão de cinquenta quilos por alqueire de trigo em semeadura, ou sejam trezentos a trezentos e cinquenta quilos por hectare, pouco mais ou menos, segundo a composição das terras e as preocupações económicas do lavrador.

278A espalhação do adubo efectua-se a lanço, por homens e mulheres, ou com distribuidor mecânico puxado a muares. Este último sistema, indubitavelmente mais perfeito, é apenas usado nas grandes lavouras e nas terras limpas onde se pode aplicar com vantagem.

279Por qualquer forma, a espalhação vai a efeito antes da sementeira, e procura-se fazê-la em dias de pouco ou nenhum vento, que permitam distribuição metódica e equitativa.

280Os adubos aplicam-se com reconhecidíssima vantagem em terras delgadas e arenosas de alqueive. Nas queimadas de rastolhice – relvas para segunda seara – nunca dão resultado, e outro tanto acontece nas de trigo ribeiro, de Primavera. Pelo menos é o que a experiência demonstra.

281A introdução dos superfosfatos na cultura cerealífera do concelho de Elvas, data aí de 1884 em diante, empregando-os somente os lavradores mais empreendedores, e estes mesmo em campos reduzidíssimos. A princípio, e por alguns anos, não se passou de experiências ligeiras de melhores ou piores resultados. Mas afinal, de há uns dez anos para cá, as adubações generalizaram-se, mercê de uma tenaz e activíssima propaganda, de resultados bastante lisonjeiros. Hoje empregam-se adubos químicos em quantidades espantosas – centenas de vagões, que anualmente se descarregam em Setembro e Outubro nas estações de Elvas e Santa Eulália. Então há uma febre de adubos que nem por sonhos se conceberia há coisa de meio século.

*

Sementeiras outonais

282São as de maior importância, nas grandes e pequenas lavouras. Qualquer dos cereais semeados no Outono, atinge quantidade igual ou maior que todo o trigo ribeiro e legumes semeados de Primavera.

283O que se semeia – Como ficou registado no começo do capítulo, semeiam-se trigos, centeio, cevada, aveia e favas. Os trigos em muito maior porção e, a seguir, a cevada, o centeio, a aveia e as favas.

284Trigos – Semeiam-se nas terras do alqueive, nas rastolhices de cevada e em outras de trigo que, por serem de superioridade excepcional, ainda se julgam aptas para segunda seara. Nas chamadas terras centeeiras, de melhor aspecto (terrenos arenosos e azotados), já hoje se cultivam trigos, coisa que antes se não fazia. Dão regularmente, criando muita palha se o tempo lhe decorre propício. Mas exigem mondas cuidadosas, dispendiosíssimas como nenhumas.

  • 58 O ribeiro semeia-se geralmente na Primavera e só excepcionalmente no Inverno.
  • 59 O trigo branco, posto que seja mole, no mercado é pago como rijo e assim está sendo classificado ge (...)

285Os trigos moles estão mais em voga que os rijos, acentuando-se de ano para ano a sua preferência e as correspondentes vantagens na procura, rendimento e produção. Dentro em pouco, se não já, os trigos rijos cultivar-se-ão apenas nos barros absolutamente impróprios para os moles. De uns e outros semeiam-se as variedades seguintes: moles – de Coruche, galego, barbela, ribeiro (58), branco(59), Noé, de Rieti, focense e precoce; rijos – lobeiro, candial, anafil e de Santa Marta. Nenhum se semeia tanto como o de Coruche, por ser o que melhor está provando, em condições de resistência e produção. O Noé, o de Rieti e o focense, foram introduzidos há poucos anos, como variedades prolíficas de primeira ordem, mas o resultado, posto confirma esta fama, demonstra igualmente que esses trigos têm o peco de desbagoarem à ceifa, muito mais que outro qualquer. O precoce, é de introdução recentíssima, e como tal ainda se não pode apreciar devidamente.

286Os trigos moles da região elvense, são dos mais apreciados nos mercados do País, sobretudo os das zonas servidas pela estação do caminho de ferro de Santa Eulália. Já se têm despachado trigos de outras estações adiante, para recuarem a Santa Eulália, e daqui serem reexpedidos a Lisboa e Porto, como oriundos e procedentes das aludidas e afamadas zonas. Uma esperteza...

287Centeio – Dá-se optimamente nos alqueives das terras arenosas e nas rastolhices estrumadas no ano de alqueive. Na freguesia de Santa Eulália semeia-se grande quantidade deste género, e mais se semeava antes quando nas areias daquela zona se não cultivava trigo mole, como hoje se cultiva. O centeio de Santa Eulália é dos mais apreciados do Alentejo. As searas de centeio estão sujeitas às contingências das outras e mais à cresta das espigas por efeito das geadas. As geadas de Março chegam a estragar folhas inteiras.

288Cevada – Reclama terra boa, bastante estrumada. Sem estrumes produz mal, não compensando. Semeia-se quase exclusivamente nas várzeas e malhadios dos alqueives e nos ferragiais que constituem os bafos dos montes. Diz-se que a sua cultura não escalda a terra, antes a deixa em óptimas condições para a segunda seara, de semente diversa, é claro, seara que pode ser tão boa ou melhor que a primeira.

289Aveia – Como vale pouco, fica nas terras piores do alqueive e nas rastolhices de solo ordinário ou muito depauperado. Estas circunstâncias e o pouco esmero com que se cultiva, concorrem para que a sua produção seja fraca, geralmente. Semeiam-se grandes aveiais, mas não se colhe na proporção que se semeia. No concelho de Elvas, entenda-se. Nos vizinhos, de Borba e de Vila Viçosa, é importante a cultura e produção deste cereal. Da aveia diz-se que até Abril está a dormir.

290Favas – Cultivam-se nos ferragiais dos montes e dos arredores das povoações, desde o princípio de Outubro até princípio de Novembro, o mais tardar, e sempre em terra com estrume, a pretexto de ficar um bom alqueive para cereais, se não pegar de favas, como, com fundados receios, se admite. O ditado antigo, de que pelos favais vereis o mais, não tem foros de Evangelho neste canto do Alentejo.

291Os subúrbios de Elvas são os sítios do concelho onde a cultura das favas vinga melhor e onde tem uma certa importância, inferior, no entanto, à cultura dos cereais. Nas herdades, os favais nem sequer produzem o suficiente para o consumo das lavouras respectivas, tão pequenos costumam ser e tão pouco dão. Seja como for, semeiam-se «à casa» e ao rego, ou a granel, a lanço, à semelhança do que se pratica com os cereais. Este último sistema é inovação recente no sítio. O outro, antigo, «à casa» e ao rego, ainda é preferido pela maioria dos lavradores. Um arado vai abrindo o rego; atrás segue o semeador respectivo, de cesto à ilharga ou saco ao ombro, donde tira, por cada vez, quatro a seis favas que deita juntas, no fundo do rego para nascerem «à casa», ou «à moita», deixando de moita a moita o espaço que julga suficiente. Atrás deste semeador vem segundo arado, cobrindo a semente e, logo depois, um terceiro, sulcando novo rego de encosto, imediatamente semeado por segundo semeador, que semeia e caminha como o primeiro. Segue-se outro arado, o quarto, a tapar a semente, pela forma do segundo. E assim sucessivamente, de modo que os arados constam de dois para cada semeador.

292Selecção das sementes – Os lavradores meticulosos só lançam à terra sementes finas e apuradas, livres de ferrugem, que, de entre as de sua colheita ou por compra, escolhem e joeiram por meio de crivos e arneiros aperfeiçoados, como o Marot e outros. Esta selecção impõe-se: aparta as sementes estranhas e nocivas, como o joio, o cizirão e a negrita, e, conjuntamente, separa o cereal miúdo e mirrado, do cheio e são, próprio para a sementeira.

293Sulfatagens – Como precaução contra o mal da ferrugem, que ataca os trigos e aveia, usa-se, desde 1874 ou 1875, sulfatar as respectivas sementes com uma solução de sulfato de cobre a 2 ou 3%, preparada e aplicada dias ou horas antes de se efectuar a sementeira.

294Sulfata-se por aspersão ou por imersão. Da primeira forma reúne-se um pequeno monte de semente sobre o piso de qualquer casa, e aí salpica-se com uma vassoura embebida na água do sulfato, dando-se-lhe volta para a semente humedecer melhor. E repetem-se as molhas e as voltas, enquanto aparecem bagos enxutos. Em seguida ensaca-se o grão sulfatado e prepara-se outra quantidade, sendo precisa.

295Por imersão, processo melhor e mais radical, a semente sulfata-se dentro de uma alcofa que se imerge num tino ou alguidar de água sulfatada. Assim que a alcofa se cobre de água, retira-se do banho e escorre-se, vasando-se-lhe a semente para o chão ou vasilha. Depois enche-se de novo a alcofa e procede-se como anteriormente, tantas vezes quantas for preciso.

296Esta precaução de sulfatar o trigo e a aveia, como preservativo da ferrugem a que estão propensos, dá óptimos resultados. Não obstante, quando no Outono se semeia trigo sulfatado em terra enxuta, esse trigo arrisca-se a nascer mal, se as chuvas vierem muito depois da sementeira. Conhecem-se exemplos que justificam este reparo. Também não é prudente sulfatar o grão muitos dias antes de o lançar à terra.

  • 60 Antigamente, até há coisa de sessenta anos, a sementeira começava sempre ao sábado, por ser dia de (...)

297Quando se semeia. Tempo seco e tempo chuvoso – Da primeira à segunda quinzena de Outubro, depois de um empurrão valente à lavrada de revolta, entra-se com a sementeira, tomando à conta as terras frias e as rastolhices (60). Da sementeira das rastolhices e baixas de «menos corpo», passa-se à conclusão da revolta, e, finda a revolta, reata-se a sementeira, de que já se não larga mão até se acabar de vez, como o tempo consinta. Estas são as praxes. Entretanto, há que distinguir. Assim, começa-se em princípio de Outubro, se as terras têm rebentado por efeito das «águas novas», próprias do «S. Mateus» e do «S. Miguel». Se adrega a não chover neste período, aguarda-se que chova, mas não se espera indefinidamente. Aí por 20 de Outubro, chova ou não, dê por onde der, vai a semente à terra, que o futuro não se adivinha e o tempo voa. Antes semear a tempo e em seco, a arranharem os arados, do que tarde e a más horas, a atascarem-se os bois nas terras empapadas pelas chuvas de Dezembro. Lá diz o rifão: Não tenhas dó de semear pão em pó... Talvez que o rifão se não deva acatar em absoluto. É, porém, sabido, que para se semear tarde, em atoleiros, sob o influxo de uma temperatura frigidíssima, mais vale adiantar em Outubro, quer seja semeando em pó, quer em lamas de chuvadas passageiras, que enxuguem de pronto. As tais lamas quentes, que a ninguém assustam, que oream depressa, mercê da amenidade da temperatura e da relativa grandeza dos dias. Chover ou não chover, eis a grande incógnita. Se o futuro se adivinhasse?! Se de antemão se soubesse qual a melhor maré de sementeiras?! Mas não se sabe, ninguém desvenda esse mistério. Ainda há bandarras labregos que arrotam profecias tolas, fundamentadas no aspecto da lua e várias baboseiras, de crédito aqui há cem anos. Mas hoje, entre campónios mesmo, os bordas-d’água e saragoçanos estão muito desacreditados. Por conseguinte, na incerteza do que há-de vir, o lavrador amolda-se às circunstâncias. Norteia-se pela experiência – a mestra da vida, de que o bom agricultor não prescinde, nem deve prescindir.

  • 61 Como preceito de economia rural, é ponto assente que «levantes» de arados, de um sítio para outro d (...)

298O que se semeia primeiro. O que se semeia em último – Começa-se pelas aveias, cevada e favas. Depois, passa-se aos trigos e ao centeio. Estas são as normas correntes, que nem sempre se observam à risca. A vantagem de semear de seguida, e por completo, uma folha afastada do centro da lavoura, impõe a sementeira rápida e quase simultânea de todos os géneros que se lhe destinam. Para alguns, a época pode não ser a melhor, mas tem de se aproveitar como é. De contrário, há que voltar lá outra vez, o que demanda caminhadas que enredam e atrasam (61). Mais: uma estiagem prolongada, ou uma invernia persistente obriga, em certos casos, a deixar-se determinada terra e ir-se para outra, alterando-se o programa que se traçara de antemão. Em agricultura tem de se ir com o tempo, e ai daquele que não reconhece esta grande verdade.

299semeadores – As lavouras de oito a quinze arados empregam um, que semeia e embelga. As de maior movimento ocupam um semeador e um embelgador, senão dois em cada serviço.

  • 62 Chamam-se belgas, às faixas de terreno, de seis a sete metros de largura, em que se reparte a torna (...)
  • 63 Nos dias de ventaneiras, o semeador caminha paralelamente com o rego de onde o vento sopra, desviad (...)
  • 64 Deitando mais ou menos semente, segundo a terra «pede».
    é princípio aceite que a terra, seja como fo (...)

300como se semeia. A formiga, os pássaros e o vento comprometem os semeadores – A passo cadenciado e de sementeiro ao ombro, caminhando pelas belgas (62) que o guiam, o semeador espalha a semente a lanço, despedindo-a com força, para se repartir melhor. A mão esvazia-se-lhe, ele enche-a de novo no sementeiro e de novo espalha, caindo a semente na terra como se fosse chuva de granizo (63). E assim vai andando e semeando, pelas belgas fora, «carregando» ou «levantando» a mão, segundo o caso e as circunstâncias (64).

  • 65 Os ganhões motejam do semeador que se deixa alcançar pelos arados. Trocam-no impiedosamente.

301O sementeiro despeja-se; o semeador interrompe a tarefa, põe o chapéu no chão para sinal, e a seguir sai da belga, a encher nova taleigada ali próximo, a um dos sacos. Volta depressa, de sementeiro cheio às costas, e imediatamente, reata a faina, com ou sem chapéu, para que os arados lhe não cheguem aos calcanhares, a adverti-lo de que lhe estão em cima, com semente apurada, e que mais precisam na terra, para darem saída à lavoura. Manobra, pois, com persistência, pelo seguro, a salvo de apertões que o entalem. Prefere descansar menos, fugindo a «fumadas» e cavaqueiras ociosas, do que andar de lufa-lufa, a tressuar, e ainda por cima escarneado pelos da ganharia (65). Sem embargo, durante Outubro e parte de Novembro, quando os dias vão calmos, o semeador precisa interromper a lida para se não adiantar em excesso. Tem de semear às pequenas porções, quase «à boca dos arados», de maneira que a semente se enterre logo, antes que os pássaros a dizimem e a formiga a leve. A formiga, sobretudo, é o pesadelo do semeador. Nos dias serenos ela sai dos formigueiros e, em legiões de milhares, trata de acarretar e juntar os grãos que encontra pela terra. Tal actividade desenvolve que, se os arados tardarem em revolver a terra, a sementeira foi-se em grande parte, e a que vinga sai às malhas, defeituosíssima. Nuns sítios, exibir-se-á em montões de craveiros; noutros, pé aqui, pé acolá, por entre clareiras desertas, sem um bago sequer. A formiga abalou com eles, acarretando sempre, tenazmente, dando razão à fábula que lhe granjeou celebridade.

302Nos dias ventosos, também a sementeira tem de ser feita com tacto, de maneira que o grão fique bem dividido. A formiga, os pássaros e o vento, são inimigos de temer, com que há a contar, de que o semeador se precata, como perceba do ofício e não lhe empatem as vasas. O semeador, por experiente que se julgue, nunca pode garantir que a seara virá a furo em condições de lhe botar fama. O mais pintado borra-se às vezes, quando menos o imagina...

303sementeiras vastas e sementeiras ralas – Considera-se sementeira vasta, a que levou mais semente do que a precisa, ou estritamente necessária. Denomina-se rala, a que se efectuou com menos grão, do que o indispensável. Mas só depois da nascença é que se conhece a valer qual a que levou de mais ou de menos.

304Os sistemas de semear vasto ou ralo – se sistemas se podem chamar – têm os seus entusiastas e detractores, que, respectivamente, apregoam as supostas vantagens do que lhes merece afeição e as inconveniências do que lhes desagrada. Mas a prudência aconselha a que nem tão vasto como cabelo em cão nem tão ralo que o grão nascido apareça mal, distanciado por intervalos grandes, supérfluos, convidando a espojeiros de cotovias. Espaços de terra malbaratada, que não remunera um ceitil da cultura que recebeu.

305As terras boas, «de corpo», tidas como erveiras, podem com mais semente do que as ruins, de pouco chão. As primeiras, só pecam por vastas, quando o exagero é notório. As segundas, as «delgadas» e «fracas», têm de ser poupadas.

306Nas lavradas em rastolhices, deita-se um «baguinho a mais», do que precisariam se estivessem de alqueive. Semeadas de relvas, «comem» semente, no dizer dos semeadores.

307Em qualquer das hipóteses, a sementeira rala de Outono, é menos nociva no começo da época, do que depois. A seara temporã e rala, pode emendar muito se afilhar excepcionalmente bem, o que sem dúvida atenua a deficiência de sementeira. Nas searas de Primavera, o sistema ralo é menos prejudicial do fim de Março em diante, do que anteriormente.

308sementeiras temporãs e sementeiras serôdias – Em regra, todas as searas outonais requerem sementeira temporã, maxime as aveias, a cevada e as favas, que devem estar nascidas nos meados de Novembro.

309Os trigos e o centeio toleram alguma demora, mas nascem e medram melhor, semeando-se no apojo da temporada, dez dias antes dos «Santos», a quinze dias depois. Temporão, ou palha ou grão, reza um ditado antigo. Aconselha porém a experiência que, em certos casos, se não siga o ditado muito à letra. As searas de trigo muito temporão, em terras estrumadas, arriscam-se a desenvolver-se prematuramente e a acamarem, gradando mal. Que o desastre da acamação, como se não realize em grandes parcelas da seara, é menor do que aparenta, a darmos crédito a um outro rifão, que diz: Quando a seara cai, levanta-se o dono... Bonita e animadora imagem, sem dúvida, mas deveras optimista. O «pão» que tomba, não ergue o dono, por certo.

310O centeio temporão, não tomba como o trigo, mas pode suceder-lhe pior, por se adiantar mais que nenhum outro cereal. Semeado cedo, espiga nos fins de Fevereiro a princípio de Março, o que o põe em perigo iminente de ser crestado pelas geadas e ventanias do nordeste, tanto de temer nesses meses.

*

311Receiam-se com razão os danos apontados, mas se as circunstâncias colocam o lavrador na colisão de ter de semear muito cedo ou muito tarde, visto que a temporada propícia é curta para o granjeio a efectuar, o lavrador opta pela sementeira temporã, como a de menos contingências e a de melhor palpite. A serôdia só prova bem nos anos temperados, que se não assinalam por secas prolongadas ou invernias rigorosíssimas.

*

312Nas sementeiras outonais, tem de se ter em vista que, à medida que o tempo avança, aumentam as probabilidades de chuvas excessivas e frios intensos, tanto piores para as searas quanto mais adiantada for a época. Dá-se o inverso do que se observa com as sementeiras de Primavera, que, como nasçam bem, depois não há chuva que as prejudique. É que na Primavera vai-se para o bom tempo e dias grandes, ao passo que no Outono, marcha-se para a quadra invernosa, de dias curtíssimos, com temperatura baixa. Portanto, a primeira metade do Outono, em que decorra excepcionalmente chuvosa e fria, grande tem de ser a anormalidade, para causar estragos sensíveis e irremediáveis. Esse perigo é muito mais de temer depois de 15 de Novembro em diante, quando o Inverno se aproxima e que Deus sabe o que dará de si. Se o Inverno se demora em vir, bem está. Mas se ele se antecipa, carrancudo e tenebroso, transtornando a lavoura em plena laboração, ai da seara e do lavrador!...

313Resumindo: sementeira serôdia só se faz à míngua de forças, ou porque o tempo não abonou em começo. «Quem tem força na chavelha» não se descuida para tarde.

*

314Consideram-se sementeiras muito temporãs as que se realizam até 20 de Outubro. De 20 de Outubro a 30 de Novembro são medianamente temporãs e prometedoras como nenhumas, por calharem na «melhor maré», se o tempo não faltar. As subsequentes, de 20 a 30 de Dezembro, já podem pecar por serôdias, e mais tardias se reputam as que se realizam depois, até «à Senhora da Conceição». Nesta altura, as sementeiras estão acabadas, ou vão «de cabeça abaixo», a matarem-se de vez por 12 ou 15 de Dezembro. Que nos barros poucas se arrebentam antes do Natal. Há mesmo lavradores nesta zona que prosseguem semeando depois do Natal, se a terra dá. Esses não se cingem a épocas fixas, nem circunscrevem os limites das folhas. O tempo é que os deita fora.

315semente por hectare – Sob um ponto de vista geral, é difícil avaliar a quantia de semente indispensável para a sementeira de um hectare ou de outro campo maior. É muito hipotética essa avaliação, porque tem de regular-se por circunstâncias várias, tais como a ocasião em que se semeia, a natureza da terra, etc.

316Abstraindo de usos excepcionais, resultantes de caprichos que não se devem tomar em conta, cada hectare, na maioria dos casos, fica suficientemente semeado com dez decalitros de trigo mole, ou uns doze de rijo, por este ser mais volumoso.

317A mesma superfície, semeada com outro cereal em vez de trigo, deve receber o seguinte: sendo centeio, seis a sete decalitros; cevada, doze a treze; aveia, dezoito a vinte.

318Quanto leva cada folha – Se para um hectare é variável a porção de determinada semente que precisa, essa variação mais se acentua numa folha qualquer, sempre constituída por muitos hectares, e, por conseguinte, de área grande. No entanto, é corrente as folhas das herdades estarem tareadas num certo número de moios de semeadura. Não obstante, levam em geral mais ou menos do que a lotação que se lhes atribui, chegando a acusar diferenças de 25 e 30 %. O que se explica pelas seguintes causas:

319Primeira: pouca ou nenhuma uniformidade no sistema de semear. Enquanto que uns só espalham basto, de que são apologistas, outros descambam para o ralo.

  • 66 No Outono, compreende-se. Na Primavera dá-se o inverso. Quanto mais tarde, menos semente.

320Segunda: nas épocas em que vai a efeito a sementeira. Uma folha semeada no princípio da temporada com cinco moios, precisaria de cinco e meio ou seis, se fosse semeada quarenta dias depois (66).

321Terceira: no estado da terra que se estiver seca ou excessivamente húmida, requer mais semente que estando em boa sazão.

322Em suma, a mesma folha, a mesma época, estado análogo da terra e o mesmo semeador, em dois ou três anos diferentes, acusam diferente quantidade de semeadura empregada, embora o género seja do mesmo. Só muito por acaso recebe porção igual à dos outros anos.

323A sementeira dos cereais, como ainda hoje se pratica e praticará por largo tempo, é um trabalho imperfeitíssimo, que está longe de satisfazer.

324Cálculos de jeira – É uso entre os lavradores calcularem a semente que se enterra diariamente, pelo número de jeiras empregadas em cada dia, que para o caso é o mesmo que dizer, pelo número de arados que trazem em movimento.

325Todavia, para semelhantes cálculos saírem aproximados, há que indagar de uma infinidade de factores: a natureza das jeiras – se de bois ou de muares; a época – dias grandes ou pequenos; a sazão das terras – secas ou húmidas, cruas e restas, ou fabricadas e fofas, «armando» ou não ; a composição do solo – forte ou delgado, limpo ou enredoso; e por último, às forças e andamento do gado – se vigoroso ou fraco, se de passo ligeiro ou pachorrento.

326Partindo porém da hipótese de que os dias são dos de mediana grandeza da época, que a terra dá bem e é desembaraçada, que o gado está sofrível, marchando a passo certeiro, sem enredos de maior, aproximar-se-á da verdade quem computar a semente enterrada por dia e arado a bois, no seguinte, mais pico, menos pico:

327Trigo, quarenta litros; centeio, vinte e cinco; cevada, cinquenta; aveia, setenta e cinco. Faltando qualquer dos requisitos mencionados, claro está que o resultado não corresponderá à previsão e tanto maior será o engano quanto mais falharem as bases que se tomaram.

328As jeiras representadas por arados de muares dão quase o duplo do despacho que as dos bois, enterrando por consequência maior porção de semente – mais um terço talvez. Isto quando bois e muares estão em análogas condições de trabalho. Uma parelha de muares, magra, cansada e velha, é natural que lavre menos que uma junta de bois gordos e novos.

329Nos barros, custosos de lavrar, é bastante vagaroso o passo das juntas de bois e o das parelhas de muares. Sucede, por isso, que o despacho das últimas pouco ou nada se avantaja ao das primeiras.

Sementeiras de Primavera

330Têm importância secundária, comparadas com as do Outono, quer na superfície de terreno que ocupam, quer na variedade e importância dos géneros que as representam. De cereais, apenas trigo ribeiro. De legumes, grãos-de-bico e chícharos. Há ainda a notar o feijão-frade e o milho que se cultivam também, mas em porções mínimas e em poucas zonas.

331As chamadas sementeiras de Primavera – que se efectuam a lanço como as outonais, sem lhes faltar a embelgação do alqueive – convém, geralmente, não se realizarem no cedo, antes de Março, por causa das chuvas torrenciais e persistentes a que muito se arriscam então. Mas quem precisa de semear porções de vulto e tem pouca ucharia de arados, «aventura-se» à sorte. Se o tempo convida, lavra e semeia desde que Março se aproxima até por Abril fora, se não entra por Maio adiante, contando com as problemáticas chuvas de Junho, que falham em muitos anos malogrando totalmente as eventualíssimas sementeiras de Maio, e até as do fim de Abril. Ãgua pelo São João, tira azeite e vinho e não dá pão, diziam os antigos. Há exagero no dito. As chuvas podem tirar azeite e vinho, mas dão com certeza muito trigo tremês e legumes.

  • 67 Como preservativo contra a ferrugem, o trigo ribeiro semeado até meados de Março é previamente sulf (...)

332Trigo ribeiro – Semeia-se desde Fevereiro até fim de Abril e princípio de Maio, segundo o estado do tempo, a qualidade das terras e a força do lavrador (67). Quando vai de chuva, suspende-se a sementeira, que só se reata em segurando o tempo – que o sol brilhe no espaço, sem intermitências, pondo a terra enxuta, de modo a lavrar-se «às escâncaras» para ficar «como um cinzeiro».

333Nos campos de Elvas e arredores, a cultura extensiva do trigo ribeiro data de 1870 a 1873, generalizando-se depois e progressivamente, até há coisa de dez ou doze anos, em que estacionou, se não decaiu. Desde que os adubos químicos se vulgarizaram, demonstra-se que a sua aplicação é proveitosíssima nos trigos outonais, e de escasso ou nenhum resultado no trigo ribeiro de Primavera. Por isso, a predilecção que porventura houvesse para este, passou àqueles. Sem embargo, ainda se semeia muito trigo ribeiro, e maiores porções nos anos em que as chuvas obstam à conclusão das sementeiras do Outono. Nesses anos angustiosos, apela-se em última instância para o trigo ribeiro, recurso final de que se tira ou não partido, segundo a Primavera decorre. Calhando com boa maré de sementeira e chovendo em Abril, Maio e Junho não se lhe perde o feitio. As terras apropriadas dão colheitas de arromba. Mas se a Primavera «dá à contra», que não chove ou chuvisca apenas, há searinha que nem sequer nasce. Foi o que aconteceu em 1896 e em 1907.

334Grão-de-bico – Lançam-se à terra em Março e Abril. Os antigos sentenciavam que: grãos em Março, nem nascidos nem no saco. Como querendo dizer que convém semearem-se de 20 de Março em diante, para nascerem no começo de Abril. Na actualidade observa-se esse preceito, como o tempo vá enxuto. Chovendo, a sementeira adia-se para melhor ocasião. Grãos em terra enlameada vingam mal ou perdem-se. São legumes melindrosos, como poucos. Sucede verem-se gravançais lindíssimos, e em poucos dias, por efeito de chuvas excessivas ou por ventanias do suão, principiarem a amarelecer e acabarem por se estragar. Enraivam-se, segundo a expressão usual.

335Outras vezes mostram-se enfezados, por motivo de estiagem, e, senão quando, cai-lhes uma bátega de água rija, que os rejuvenesce em dois dias, pondo-os sãos e óptimos. Verifica-se o prolóquio de que: uma boa gravançada está no couce de uma trovoada. Trovoada com chuvas, mas sem exageros, compreende-se. Se for acompanhada de pedrisco, desacredita-se o rifão.

336Chícharos – Legume ordinário, que pouco se cultiva, e hoje menos que outrora. Hoje nem sequer se colhe para o consumo da região. Semeiam-se em Fevereiro e Março, nas piores terras que se destinam a legumes. Também, poucos cuidados se lhe dispensam, e por isso tudo, dão colheita escassa. Às vezes nem se colhem. Largam-se aos porcos, logo que secam as vagens.

337Feijão-frade – Fazem-se pequenas sementeiras de sequeiro nas várzeas de terras frescas, contíguas aos melanciais e meloais. Ao mesmo tempo que se amanha a terra para a melancia e melão, prepara-se a do feijoal, que é semeado depois, aí pelo Santo António.

Semeadas recém-nascidas

338A boa ou má nascença das searas concorre imenso para o seu resultado final. A que nasce sadia, aguenta-se com muitos azares e, em geral, triunfa. A que vem raquítica, por melhor que o tempo lhe decorra de futuro, jamais se robustece. É dos livros: quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita.

339Como o tempo vá amorudo e a lavrada esteja «na conta», a seara temporã do Outono, ou a serôdia de Primavera, principia a apontar aos seis ou oito dias de semeada e daí a dois ou três está fora toda, nascida por completo. Seara que assim começa, traz em geral boa nascença, que mais realça se povoa a terra a preceito, acreditando o semeador. E então é um regalo admirar-lhe o aspecto: língua de palmo, cor sadia, risonha, a atestar uma pujança de resistência que enche de gozo o lavrador. Vista ao pôr-do-sol, duplica de encanto.

340A seara serôdia de Dezembro e as temporãs de Primavera, de Fevereiro e Março, demoram a nascer, e mais se as humidades escasseiam e as geadas apertam. Nestas condições, chegam a demorar vinte dias e as de Dezembro vinte e cinco ou trinta.

*

341Venha como vier e seja de que tempo for, a seara recém-nascida denuncia logo se ficou vasta ou rala, bem ou mal repartida. Ligeiros senões, desculpam-se sem relutância. Aquilo não vai a compasso, nem o olho do homem é mira infalível. Mas se os defeitos de sementeira se destacam e avolumam, averiguam-se-lhe as causas, ajuizam-se, e, por fim, a culpa vai a quem a tem, se o crítico sabe julgar.

*

342Toda a seara que nasce encarreteirada, mostrando-se às faixas ou carreteiras, umas com muita semente, outras com pouca ou nenhuma, desagrada imenso, quando se observa de caras para o sol, que o defeito se patenteia com rigorosa nitidez.

343Igual ou pior aspecto acusam as que se assinalam por malhas de nascença vasta, aos montões, intercaladas por flancos com poucos ou nenhuns pés. Destas searas diz-se que ficaram abandonados.

  • 68 Maiores estragos causariam se os passareiros os não caçassem, como caçam. É considerável a quantida (...)

344Nas trigueiras em nascença, também os pássaros causam estragos grandes, de péssimo efeito. Cotovias, trigueirões e calhandras – calhandras principalmente – desgrelam e arrancam milhares de pés de trigo, deixando a terra esburacada, a patentear a destruição (68).

345Enfim, semeadas recém-nascidas com o peco de encarreteiradas, abandoadas ou comidas dos pássaros, principiam com azar, o que já não é de bom augúrio. Emendam com o tempo, asseveram os sabichões, a quem o percalço não afecta. Histórias, replicam os interessados, convictos do contrário. E estes é que ajuizam bem. Os males em questão, embora se atenuem de futuro, à sombra do desenvolvimento que a seara toma, nunca se remedeiam em absoluto. Sabe-se que o «pão», à medida que afilha e cresce, vai tapando a terra e, assim, oculta as mazelas de sementeiras e os estragos de nascença. Mas quem atravessa uma folha em semelhantes condições, e a passeia, reparando, reconhece a cada passo esses achaques de origem, que de longe se não vêem.

Rastilhagens

346As searas em terrenos entorroados e enchutios, costumam ser passadas ao rastilho, do primeiro ao segundo mês de nascidas, antes de aguçarem, como prática vantajosa para o seu desenvolvimento. A rastilhagem esbarronda os torrões, rompe a crosta da terra, e, a par, destrói muita erva, posto deteriore alguns pés de trigo, o que de resto não tem importância. Se a seara peca por basta, mais lhe aproveita o rastilho, principalmente se lhe chove a seguir. Neste caso, recebe um servição, melhorando «às braçadas», como se levasse uma sacha.

347As rastilhagens não convêm, nem se usam, nas terras alagadiças.

DrenagensValasSanjas e sangradeiras

348Drenagens – Pouco se usam por enquanto. As semeadas em terras baixas, pantanosas, não sofreriam tanto como sofrem, se, em vez de escoadas por valas, fossem drenadas a rigor. Mas compreende-se que o não sejam. As drenagens, por dispendiosas que ficam, só compensam tarde, a poder de searas sucessivas e não em uma apenas. Assim, o lavrador rendeiro retrai-se, à míngua de capitais e de estabilidade. Receia aventurar-se a amanhos caríssimos, que tanto podem aproveitar-lhe a ele, como ao vizinho invejoso e açambarcador, que se empenhe em empalmar-lhe a herdade. Há-os desse feitio...

349Valas – Antes ou depois da sementeira, procura-se escoar os terrenos baixios, por meio de valas, de diversas dimensões, a que o vulgo chama sanjas ou sangradeiras. Nem sempre se consegue desaguar suficientemente a seara com este preparo, mas nunca deixa de lhe ser proveitoso e, por vezes, satisfaz em absoluto. A questão é as sanjas serem em número e em condições correspondentes à extensão da terra e ao curso e volume das águas.

  • 69 As valas, sanjas e sangradeiras, costumam ser feitas de empreitada, por homens do Douro e da Beira (...)

350Desde que tenham os indispensáveis requisitos, as valas são o salvatério de muitas searas, que, por certo, morreriam afogadas de Inverno, sem esse derivativo. O pior é que têm de se renovar ou reparar nos futuros anos, maxime nos terrenos arenosos, onde se deterioram e inutilizam, como em nenhuns outros. Aí, uma enxurrada qualquer entulha-as e arrasa-as, ou pelo contrário, escancara-as e afunda-as, transformando-as em abismos. Não se dá isso com as drenagens, que escoam e esgotam sem danos nem estorvos (69).

O tempo

351Qual é o bom tempo para as searas? Qual o mau ? Eis duas perguntas a que dificilmente se responde. O futuro não se adivinha e só o futuro se encarrega de demonstrar depois qual foi o bom e qual o mau.

352Por bom tempo, sob o ponto de vista agrícola, considera-se: o que reclamam as circunstâncias do momento, o que facilita os amanhos culturais, o que beneficia e auxilia as culturas, o que remedeia ou atenua anteriores desmandos atmosféricos, danosos, e, em última análise, o que parecendo mau na ocasião depois se reconhece que foi bom, por tal ou qual motivo. Quanto ao mau, encontra-se, é claro, na razão inversa de tudo isso.

  • 70 Nos adágios referentes à agricultura encontram-se noções de valor para se ajuizar com aproximação d (...)

353Se porém fantasiarmos um ano cheio, de óptima produção cerealífera, a experiência leva-nos a supor que neste ano o tempo decorre ou decorreu com as feições seguintes, aproximadamente : chuvas abundantes, desde o começo do Outono a vinte e tantos de Outubro, e dias enxutos ou pouco húmidos, por Novembro fora, até princípios de Dezembro. Depois, chuvas suficientes antes do Natal e, a seguir, algumas semanas de estiagem e geadas, que podem prolongar-se, sem prejuízo, até Fevereiro. De meados a fins de Fevereiro, águas copiosas a abastecerem as terras. Na primeira quinzena de Março, tempo amorudo, benigno, mais enchutio que húmido; na segunda, dias enxutos e dias chuvosos, predominando os primeiros. Em Abril, águas mil, coadas por um candil, como reza o ditado, ou mais grossinhas, dispensando coadouro. Temos agora Maio, de dias quentes e variáveis: ora sol que deslumbre, ora nublados e chuvas. Em princípio de Junho, algumas chuvas e depois tempo enxuto e fresco, relativamente, até meados de Julho. Daí em diante, calor intenso por Julho e Agosto fora, sem chuvas, para o ano fechar com chave de ouro (70).

354Pode haver anos bons, e há-os sem dúvida, que no todo ou em parte se desviem destas normas. Mas os que decorrem assim, são sempre óptimos – anos temperados, abundantes, que «deram» a favor, desde o começo até ao fim. Pena é virem tão poucos desse calibre. Quase se contam como os jubileus. Os anos, em geral, ressentem-se de invernias ou estiagens, se não ambas as coisas, uma após outra, causando transtornos graves, e, em certas ocasiões, perdas desoladoras. «Manda quem pode» – diz o povo, e o lavrador aguenta, por não ter outro remédio. Por desabafo faz lamúria, que a lágrima é livre e o falar desafogo. O que seria dos chourincas, se não lhes permitissem a lamúria...

  • 71 Sobre as estiagens prolongadas, que estragam completamente as searas, veja-se o parágrafo «Uma seca (...)

355Anos de estiagens e anos de invernia – Discreteia-se muito sobre quais são os piores para as searas. Costumam ser os de invernia, afirmam opiniões autorizadas. Todavia, os anos que se assinalam por estiagens medonhas, num período assaz largo, que vá, por exemplo, de Dezembro a fins de Maio, como já se tem visto, esses são tanto ou mais nocivos que os invernosos (71). Fora desta hipótese excepcionalíssima, as secas consideram-se preferíveis às invernos. Sabe toda a gente do campo que decorrem anos em que, aí em Março, se julgam as searas quase perdidas por falta de água, e afinal, um belo dia – quando menos se espera – vem a chuva apetecida e tudo se salva.

356Não se calcula o regozijo das populações rurais ao verem enfim as ambicionadas chuvas, caindo a potes, a remediarem em absoluto uma seca grande, que a todos preocupava. Ricos e pobres, amos e criados, velhos e novos, todos se alvoroçam de alegria e todos se assomam à rua para ver chover forte e firme e se regalarem com o sussurro da água dos beirais, caindo a jorros sobre as pedras das calçadas.

357Então os comentários cruzam-se de boca em boca, esfuziando radiantes pela beleza do espectáculo:

358«O dia de hoje, não há dinheiro que o pague... Isto é ouro que está a cair!... Moios e moios que se estão a fazer!... Venha água, que Deus dará pão!... Olhem como ela cai!... Até faz fumo!... Já diziam que não vinha... Aí a têm... e a abastecer... Chega às raízes, não há dúvida... Vem mesmo entre Março e Abril... Nosso Senhor, quando dá, é sempre em fartura...»

359Entretanto, os assistentes menos entusiastas e mais perscrutadores, deixam de falar para sondarem os astros e o vento, com receio de que a rega seja passageira, de insuficiente duração. Saem pois fora, molham-se por gosto, levantam a viseira, investigam do que vai lá por cima, reparam se bate do travessio, do pego ou do suão e, por último, recolhem às moradias, de juízo formado sobre o que está para vir. Como bispassem sinais de água, apregoam-no com júbilo, convencidíssimos. Se notaram o contrário, dizem-no também e em tom profético. Mal lhes vai, porém, se ferem a nota do pessimismo. Os optimistas que os ouvem, sorriem e chasqueiam, duvidando. Se não se indignam, acoimando os agourentos de mal agradecidos, de aboinhas negras, desmancha prazeres, que nunca estão satisfeitos:

360« É por isso que Deus castiga às vezes» – acrescentam.

361E assim se estabelece larga controvérsia, com referências vastas a factos sucedidos e, a par, um tiroteio de palpites e presságios, que parece interminável.

*

362Prosseguindo: diz-se com fundamento que uma seca remedeia-se em duas horas de chuva certeira, ao passo que uma inverna leva meses a emendar, quando emenda. As mais delas dão de revés deixando estragos insanáveis que não há sol que os cure.

  • 72 O «pôr-do-sol encoberto», por entre nuvens grossas e escuras, é sinal de chuva. Pondo-se limpo, ou (...)

363Em todo o caso, seca ou invernia que se acentue, faz com que as populações agrícolas se alarmem de susto, na perspectiva de falta de trabalho e encarecimento de géneros. O lavrador não pensa noutra coisa. Sonha com o tempo, fala nele a toda a gente, sonda os astros cinquenta vezes por dia, espreita o pôr-do-sol (72), não larga de olho os cataventos, manda à fava os sinais que já não vogam, consulta o seu barómetro e os alheios, com gana de os partir a todos, dá ao diabo quantos saragoçanos e bordas-de-água existam e, por último, apela para Deus, em recurso supremo, como crente que é...

*

364Preces – Não vai longe o tempo em que era costume celebrarem-se preces públicas nas igrejas, e procissões de penitência pelas ruas, logo que uma seca ou invernia se tornava assustadora. Por estiagens, principalmente.

365Ainda em Abril de 1896, os povos aterrados com a horrorosa seca que vinha decorrendo desde o Natal, acudiam, pressurosos e contritos, a esses actos religiosos, anunciados por dobres de sinos, e celebrados com fervor nas cidades, vilas e aldeias. Nas preces, à boquinha da noite, as multidões enchiam os templos cantando ladainhas e benditos, e nas procissões de penitência, aos domingos de tarde, a concorrência era também enormíssima, caminhando numa ordem de seriedade e compunção singular, nunca vista em procissões de outra ordem.

366«Senhor Deus, misericórdia!... – bradava o clero, de vez em quando, no decurso do trajecto. E o povo em massa secundava, implorando o auxílio da Virgem, para que Deus lhe concedesse água por misericórdia. Quantos pediam «misericórdia», de lágrimas nos olhos, como se tivessem praticado um crime hediondo, a moê-los de remorsos.

367Isto passou-se em 1896, repito. De então para cá, no concelho de Elvas e limítrofes, nunca mais houve preces públicas nem procissões de penitência, apesar de ter havido invernos e estiagens.

368Nos últimos cinquenta e cinco anos, as secas calamitosas de nefasta memória foram apenas as de 1874, 1875, 1896 e 1907. Como invernias memoráveis, prejudicialíssimas, registaram-se as de 1856, 1872, 1876, 1879, 1881, 1885 ou 1886, 1895 e 1904. Sobretudo as de 1856, 1876 e 1881, que deram brado e não esquecem.

*

369Geadas – Consideram-se úteis para as searas em Dezembro, Janeiro e parte de Fevereiro, época em que são intensíssimas, a ponto de, em muitas noites, a água encaramelar e ficar gelada de uns para outros dias, a contento da garotada, que se diverte a partir o caramelo dos poços e charcos. As terras também apertam e endurecem pelo mesmo motivo, dando lavoura difícil. O arado entra-lhe a custo e levanta «tijolos», que só derregam em o sol aquecendo.

370Nas manhãs de geadas grandes, as semeadas e os pousios oferecem um quadro notabilíssimo, de alvura severa, mas grandiosa e inconfundível. Campos vastos, transformados em lençóis alvíssimos, incomensuráveis, com os «pães» e ervas hirtas, regeladas pelo frio da noite. Tudo está branco, de orelha murcha, num torpor hibernal que meteria dó se fosse duradouro. Que não é, sabe-se. O sol criador e carinhoso, incumbe-se de derreter os gelcs, restituindo aos campos a sua feição verdejante e sorridente...

371Em fins de Fevereiro e por Março fora, ainda caem geadas fortes, que muito se receiam pelos prejuízos que fazem nos centeios e em culturas de outra ordem.

372Nevões – Passam-se dezenas de anos sem que se veja um de importância na zona elvense e redondezas. Quando por acaso neva, muito ou pouco, esse facto celebra-se como acontecimento sensacional, que todos correm a disfrutar. Os lavradores, então, esfregam as mãos de contentes. Lembram-se que ano de nevão, ano de pão. É adágio antigo que falha pouco.

373Pedrisco – Cai, frequentemente, com as trovoadas de Primavera. E, às vezes, cai em tal quantidade e grossura que fustiga e arrasa searas inteiras, como sucedeu em Maio de 1906.

Mondas (73)

  • 73 Descarda, chamam-lhes em Campo Maior e arredores. Creio que o termo provém de, naquela zona, se mon (...)

374Se os estrumes fertilizam o solo e o seu emprego é de transcendente utilidade para as culturas cerealíferas, as mondas consideram-se imprescindíveis na maioria das searas, como único meio de as expurgar das ervas nocivas que as gafam e empolgam

375Seara por mondar em terra erveira, ou se estraga completamente, ou fica, pelo menos, em péssimas condições de ceifa, e o pouco grão que vem a produzir sai misturado com sementes estranhas, que sujam e desvalorizam.

*

376Como a grande maioria dos labores agrícolas, este de se mondarem as searas vem de tempos afastados, quiçá remotíssimos. Uma lei de el-rei D. Sebastião, de 12 de Fevereiro de 1564, entre outras providências, ordenava o seguinte:

Que os lavradores e os seareiros ou os caseiros que semeassem trigo, centeio e cevada, os mondassem nos meses de Março, Abril e Maio, limpando-os de toda a erva e mato, e que o mesmo praticassem com os milhos aonde a qualidade das terras o requeresse. Estabeleceu que, se o dono ou rendeiro tivesse tantas terras semeadas que ele e sua família as não pudessem limpar, buscasse pessoas de fora para o ajudarem.

*

  • 74 Notas agrícolas, do Sr. A. Pires, insertas no jornal «O Elvense».

Seguem-se as penas dos infractores, que não eram brandas, cabenda a multa de 4.000 reais, assaz pesada, ao que lavrasse um moio de semeadura e a de 2.000 reais ao que lavrasse menos. Os seareiros e caseiros deviam pagar até 1.000 reais (30$000 réis de hoje). (Lei de 12 de Fevereiro de 1564. Colecção de leis extravagantes por Duarte Nunes de Leão, parte 4.a, tit. 16.°) (74).

377É pois antiga a prática das mondas, não há dúvida. Mas também devemos crer que este uso fosse bastante restrito outrora e sem o apuro que hoje se lhe dispensa. A própria lei citada autoriza a pensarmos assim.

378Desde que se legisla para tornar obrigatória qualquer medida de alcance e se cominam penas severas para os que a não cumprem, temos de admitir que tais medidas estão pouco em uso e tão pouco que, para se generalizarem, há que recorrer aos meios coersivos. Que os nossos antepassados não morriam de amores pelas mondas e que delas faziam conceitos falsos, demonstram-no à exuberância certas máximas de alforge ainda hoje conhecidas. Exemplo: Trigo mondado, é trigo comprado. Negrita, pão que arrebita. Joio, faz moio, etc. O que explicado por miúdos quer dizer: «Não mondeis, que isso equivale a comprardes a seara. Não a limpeis do cizirão, da negrita e do joio, que essas sementes fazem moio e melhoram o pão...» E aconselhavam-se absurdos tais, que só se explicam por ignorância ou mesquinhez!... Quem se atreveria presentemente a dar semelhantes conselhos?... Bem ao inverso, hoje em dia, a vantagem das mondas é geralmente reconhecida e quase todos os agricultores mondam o máximo que podem, sem se atemorizarem com as consequentes despesas. Como a seara valha e precise, recebe pela certa esse alto benefício, desde que chegue o pessoal e o tempo. O pessoal – diga-se também – escasseia bastante em Abril e Maio dos anos que animam e incitam a desvelos excepcionais – mondas morosas, em searas fortes e extensas, para que não há ranchos que cheguem, nem tempo que sobeje. Faltando o tempo e o pessoal, acode-se de preferência às folhas e tornas que mais precisam, e assim se vai indo, enquanto as searas o permitem, sem estragos de maior. Depois, em elas espigando, opulentas e recostadas, como um bosque cerrado, sem se lhe ver palmo de terra, a monda tem de cessar por inoportuna e perigosa. Os benefícios que daria não compensam os prejuízos que ocasiona em tais condições. Para a erva se arrancar nessa altura, tem de se estragar e pisar muito «pão».

  • 75 Nos barros de Elvas e nas proximidades de Campo Maior, também muitos rapazes se empregam nas mondas (...)

379Mondadeiras – Constam de centenas de mulheres e raparigas compondo ranchos de doze a trinta pessoas, cada qual governado pela respectiva manajeira e por um homem – o guarda de herdade, ordinariamente (75). Os costumes do rancho, as atribuições do homem e da manajeira, bem como outros detalhes correlativos, encontram-se descritos no parágrafo Mulheres, na página 111. Lá se consigna a parolice do mulherio, de mistura com várias notas expansivas, desde as baias estrepitosas aos transeuntes que se avistam, até aos incidentes cómicos que surgem a toda a hora. A fuga de um lagarto ou de uma lebre, o voo de uma perdiz, o achado de um ouriço, a corrida de um ratinho e outras futilidades semelhantes, dão pretexto a pagodes de gargalhadas, sustos fingidos e correrias de fuga, que deleitam as do rancho e amofinam o encarregado. Mas é da peça. Nos trabalhos do campo, está sabido que as mulheres hão-de rir, falar e cantar à grande, para darem rumor de si e para se aliviarem um nadinha. As mondas, então, predispõem-nas a valer para gláudios e partidas, entremeadas por cantorias diversas, das que estão na moda. Como as deixem, esquecem a enfadarrilha, que porventura as derreia, e, de vez em quando, armam em realejos, papagaios e rouxinóis – em algazarra reinadia que faria rir um santo.

380Depois, à merenda e às sestas, há as patuscadas da rebola, do salta la una, e várias cabriolas e piruetas, em que são eméritas as descaradas e destemidas. Retouça brava, aguilhoada pelo cenário que brilha em volta. Entre os trigais banhados de luz e pujantes de seiva, com o perfume estonteante das flores, vendo os pássaros em idílios indiscretos, por uma tarde quente, as mondadeiras moças não podem alhear-se do meio excitante que as cerca. Sugestionadas pelo que vêem e ouvem, entregam-se à natureza em galas e dão ao diabo paixões, que se não casam com a verdura dos seus anos, nem com o ambiente que respiram. As velhas, coitadas, não se estarrecem com os namoros dos pássaros, nem se embriagam com o cheiro das flores. Mas também lhe chegam cócegas de dizerem coisas, e dizem-nas como sabem, sem papas na língua, nem algodão nos ouvidos.

381Nas caminhadas de ida e regresso, cada mondadeira afina no diapasão que lhe agrada, esquecendo amarguras, que por acaso possa ter. As «divertidas», agrada vê-las e ouvi-las em marcha, de sacho ao ombro, com flores silvestres nos chapéus, umas cantando as «modas» predilectas, de inflexões melancólicas, caracteristicamente alentejanas, outras, acompanhando o coro com o pandeiro e as castanholas. A andarem e a cantarem, vencem as jornadas da manhã e da noite, numa despreocupação infantil e doidejante, que mete inveja a meio mundo.

382como se monda e quando – A «folha» a mondar «corre-se» às parcelas de faixas, que se denominam eitos e que seguem em direcção «talhada» ao capricho da manajeira ou do mandante. Em um eito se despachando, passa-se a outro e outros, com a manajeira à direita do rancho e o encarregado na retaguarda, ou onde julga melhor, para fiscalizar e dirigir.

  • 76 Ao entrarem para uma seara assaz crescida, as mondadeiras acautelam-se previamente ligando as salas (...)

383De chapéu de homem na cabeça, em trajes de coloridos alegres, a matizarem o fundo verde das searas, de saias à vontade ou ligadas às pernas (76), as mulheres põem-se em linha e de cabeça baixa, algo curvadas, mondam à mão ou com sacho, o trigo ou o que quer que seja. À mão simplesmente, nas folhas sujas por ervas grossas de arranque fácil. Ao sacho, sempre que se queira destruir ervas rasteiras e outras muito radiculadas. Também se adopta o sistema misto, em que ora trabalha a sacho, ora a mão, somente. Vai como se pode e calha, pelo que a experiência e as circunstâncias aconselham.

384De ordinário, a erva fica no sítio em que se corta ou arranca. Sendo grossa ou comprida, depõe-se no fundo dos regos, para não estorvar o desenvolvimento da seara.

385Quando se mondam os centeios da «sarna» de soagens que os inçam, por terem escapado à lavoura da sementeira, essas ervas e outras igualmente grossas, que se arrancam então, juntam-se em alcofas, e, a seguir, despejam-se nas estradas, penedos e arrifes próximos, onde murcham e apodrecem. Não se deixam na semeada, porque vingariam de novo se lá continuassem. É facto averiguado, desde que o tempo vá húmido e as soagens sejam muitas.

*

386Monda-se em diferentes épocas, conforme a espécie e o adiantamento da seara. As de centeio vão a efeito em primeiro lugar, desde Dezembro até Fevereiro. Em geral, não passam de mondas ligeiras, limitadas ao arranque de soagens, saramagos, tremoços-bravos e cizirão.

387Às searas de cevada, dá-se-lhes «uma passagem», como às de centeio, aí por Fevereiro a Março. Das de aveia, quase nada se quer saber. Quando muito, tiram-se-lhe por alto algumas ervas maiores. O seu fraco rendimento não convida a despesas de por aí além.

388Temos agora os trigos, de primacial importância em qualidade e quantidade, que, por isso mesmo, recebem mondas escrupulosas e caras. Alguns precisam mondar-se duas vezes, tal é a quantidade de ervas que os sujam, tanto renovam elas e tantas nascem e medram, até a seara se pôr em borracha, a querer espigar. A primeira monda – que tem por objectivo principal destruir as ervas temporãs – realiza-se quando o trigo principia a tapar a terra. A segunda e definitiva, tem lugar de Março em diante e é feita com maior atenção, para extinçar quanto possível toda a vegetação prejudicial.

  • 77 Grande parte das ervas miúdas não têm classificação específica. Conhecem-se pela classificação comu (...)

389Ervas que se destroem – Torna-se difícil enumerar todas, mormente as que se confundem e baralham na multidão do anonimato (77). Das classificadas na flora popular da região, lembram-nos as seguintes: tremoços-bravos, saramagos, rinchões, soagens, língua-de-vaca, malvas, ortigões, pampilros, alabaças, joio, cizirão, negrita, cardos (numerosas variedades), margaça, rabo-de-gato, palanque, foiceiras, espargos, côngitas, trevo, papoila, unha-gata, almeirões, ervas, fadagosas, bredos, mentrastos, meimendro, figueiras-ckndas, erva-agulha, galaritos, didbelha, azedas, setas, espadana, olho-de-mocho e muitas mais de somenos importância. De entre as referidas, vale a pena consignar certas particularidades das que de preferência se mondam. Vejamos isso:

390Malvas – Erva grossa, vulgaríssima. Contudo, apenas se encontra nos terrenos estrumados, como «bafos» de monte, malhadios de gado, rociadas de porcos, etc.

391Onde aparecem, não escapam à monda. E convém arrancarem-se em novas, ainda pequenas. De contrário, crescem e enraizam imenso, custando a colherem-se.

392Tremoços-bravos – Criam-se principalmente nas semeadas em terras muito «feitas», nas queimadas de rastolhices. Impõe-se a sua extinção para facilitar a ceifa.

393Ortigões – Como as malvas, dão-se unicamente nas terras de que se diz serem um «bolo de esterco». Os ortigões costumam criar-se nos «arneiros» muito vastos. Formam cardumes de pés miudinhos, que picam como vespas em se lhes tocando. «Têm picos», não há dúvida. As mondadeiras que o digam. Muitas delas, para os colherem, embrulham as mãos em trapos ou no avental.

394Cizirão – É a ervilhaca, em diferentes variedades. O de maior crescença trepa e enleia-se pelo trigo, centeio ou cevada. Se não se destrói em pequeno, assenhoreia-se da seara e estraga-a.

  • 78 Tengarrilhas, chamam-lhe em Campo Maior.

395Cardos – Criam-se muitíssimos, de géneros diversos: cardo manso (78), aproveitado e apreciado enquanto tenro, para mistura nas olhas de legumes; cardo santo, que os antigos preconizavam para tisanas; cardo burreiro, de que as bestas gostam bastante; cardo leiteiro, cuja flor se apanha e vende por bom preço, para coágulo do leite, mas raríssimo em searas, por se criar de preferência em terrenos arrifosos; cardo de alcachofras, gigantesco, de folhas larguíssimas, próprio das terras boas e húmidas, à margem das sanjas e ribeiros. E, finalmente, muitos outros, sem classificação própria, que infestam os terrenos de toda a ordem. À excepção dos que ficam pequeninos, quase inofensivos para as searas, e que por isso se deixam vingar, todos mais se cortam a sacho, incluindo os mansos e os burreiros, que sobejam da procura para gente e bestas.

396Joio – Cresce bastante, e, de começo, as pessoas inexperientes distinguem-no mal do trigo, centeio e cevada. Prejudica pouco, mas arranca-se com interesse por causa da semente, que não sai do arneiro e, por conseguinte, desvaloriza o cereal.

397Negrita – Está no caso do joio. Tem de se destruir para evitar a semente, ainda assim, menos de temer que a do joio. A negrita joeira-se com facilidade, por ser miudinha e negra como grãos de pólvora grossa.

398Margaça – De todas as ervas daninhas é a que aparece em maior quantidade e a mais difícil de se matar em nova, tendo ainda o contra de renovar facilmente, desde que a terra lhe seja «caroável» e o tempo decorra chuvoso. Tanta margaça que vinga em alguns anos, chega a abafar a seara, de modo que ou tem de ser mondada à custa de muito dinheiro, ou a seara perde-se quase toda, dando ceifa péssima. As flores da margaça confundem-se com os malmequeres brancos, mas mais pequenos.

399Pampilros – Malmequer amarelo, mais avantajado que a margaça. Mas criam-se em muito menor quantidade.

400Soagens – Ervas que aparecem em abundância, logo às águas-novas, e que se caracterizam por folhas largas, peludas, que se alastram pela terra, até espigarem em Março, dando flores roxas, conhecidas por chupa-méis.

401Nos anos em que chove bem nos meses de Setembro e Outubro, as soagens cobrem inteiramente os alqueives dos terrenos arenosos. E posto as lavradas de sementeira inutilizem muitíssimas, vingam ainda em percentagem suficiente para se considerarem uma praga. São de temer, e como tais se cortam a sacho, com relativa facilidade. Enquanto pequenas, usa-se retirá-las para fora das semeadas, a fim de não pegarem de novo, como já disse noutro lugar.

402Saramagos – Pela época em que mais nascem, pela «roda» que tomam e pela quantidade em que aparecem, têm certa analogia com as soagens, posto sejam menos danosos em consequência de espigarem cedo e secarem logo. Mas antes de espigarem, alastram-se muito, o que impõe a sua destruição. Mondam-se facilmente, em virtude de vegetarem e crescerem no Outono e no Inverno, quando as searas estão curtas.

403Papoila – Erva de Primavera muito conhecida, que se cria em grande quantidade nas terras «feitas» todos os anos. Nestas, dá que fazer e nunca se extingue de todo, por mais «catada» que seja.

404Rabo-de-gato – Enquanto novo, aparenta semelhanças com a seara, posto lhe sobejem características para se distinguir de longe. Só se cria nas terras baixas e húmidas. Cresce imenso, tanto ou mais que o trigo. A espiga é parecidíssima com a da alpista.

405Língua-de-vaca – Nas folhas e na flor, parece-se com as soagens, embora alastre menos e demore bastante a desenvolver-se e a florir. Dá-se nas terras calcáreas e nas várzeas de chão, espigando em Abril e Maio. Corta-se a sacho e não se arranca em absoluto por ter raízes profundíssimas, que só uma surriba pode destruir. E mesmo assim, a extinção é temporária.

406Palanque – Assemelha-se ao rabo-de-gato até espigar. Depois muda de aspecto, parecendo-se com a aveia, por botar espiga de bandeira. Nas searas pouco aparece, dando-se de preferência nos arrifes. Mas esse pouco não escapa à monda, para se evitar o mau efeito que produz.

407Alabaças – Dão-se nas terras «frias», baixas e «de corpo». Cortam-se a sacho, superficialmente, por terem raizame vasto e profundo.

408Trevo – Cria-se nas terras muito boas e húmidas. Em geral mostra-se viçoso e vasto, de modo que se não se arranca, galga a seara, passa-lhe adiante e destrói-a. Uma vez colhido, exala aroma agradabilíssimo.

409Rinchões – Erva grossa, raleirona, que toma grande desenvolvimento aí por Março e Abril. Vai fora, pelo mau efeito que produz.

410Espargos – Pela sua enormíssima quantidade, seriam temíveis nas searas dos barros, se os espargueiros os não dizimassem em pequenos, para os irem vender a Elvas e Badajoz, onde realmente os vendem por bom preço. Assim, quando chega a monda na Primavera, já muitíssimos estão colhidos; criam-se, porém, tantos, que ainda escapam bastantes à monda e aos espargueiros.

411Nos campos do concelho de Elvas criam-se «espontaneamente», e muito, duas qualidades de espargos. Assim, nos arrifes e por entre os montes de penedos dos terrenos arenosos, dão-se os espargos «brancos», que mais propriamente se deviam chamar verdes. Vêm cedo, logo em Novembro ou antes, em seguida às «águas-novas». Mais tarde, nas terras fortes, nascem os outros, os «pretos», dando-se de preferência nas semeadas. São estes os que inçam as campinas dos barros e os que abastecem os mercados das povoações. «Brancos» e «pretos» apreciam-se muito no princípio da época. Os «brancos» não se mondam, por vegetarem nos arrifes, onde não fazem dano à seara.

412Côngitas – Vegetam às reboleiras ou moitas, alastrando-se de Inverno para crescerem e espigarem aos cachos na Primavera. A monda só as destrói superficialmente, em virtude do seu raizame vasto e resistente. Para se perderem de todo e não renovarem por alguns anos, seria necessário surribar a terra.

413Almeirões – Crescem no fim da Primavera, deitando raízes compridas, que não cedem à mão nem ao sacho. Querendo-se acabar com eles, por algum tempo, há que destruí-los a enxadão, quando a terra se prepara do alqueive, ou no fim do Verão, nas vésperas da sementeira.

414Unha-gata – Caracteriza-se por ser espinhosa, vir tarde e criar-se nas terras baixas próprias para trigo. Em alguns sítios é mais que a seara. Mas ainda que seja pouca, tem de se mondar, para não transtornar a ceifa.

415Bredos ou ervas fadagosas – Conhecem-se pela cor verde-cinzento e roxeada das folhas. Em espigando e que se lhes toque, largam um visco verdoso de cheiro e aspecto desagradável. Nascem de meados de Abril em diante por entre os trigos ribeiros e os legumes das melhores terras. Muitos trigos tremeses e grãos-de-bico gafam-se de bredos, sendo necessário destruí-los a sacho, enquanto novos, para a seara triunfar de semelhante peste.

A perspectiva das searas

416No longo período que vai de Outubro, Novembro e Dezembro até à colheita em Maio, Junho e Julho, as searas variam de perspectiva e passam por diferentes fases, através de perigos e vicissitudes, de que triunfam ou não, mais por capricho insondável da Natureza, do que pela acção do homem. Os cuidados do agricultor, por maiores que sejam, reduzem-se a pouco, se forças sobrenaturais não regularem a marcha do tempo, consoante as necessidades das culturas. Em regra, o tempo é um dos principais factores do bom ou mau resultado. Sabe isso toda a gente, que não vive de fantasias.

Aspectos e impressões

417Depois da nascença, as searas mostram o que já disse no artigo Semeadas recém-nascidas. Aspecto lindíssimo, as boas; detestável, as ruins. Das impressões que deixam ao observador, avalia-se pelos comentários que ele lhes faz. As boas, gaba-as, dizendo: «Traz cara de jeito... calhou com a maré... dá esperanças... Vem gostosa de terra... sadia... Não falhou um bago... E que bem nascidos!... repartidos a preceito... Com cada língua, que é uma beleza... Verão-na pampularr, se não tiver algum tope.»

418Das más, observa: «Mala cara traz!... Parece que tem febre... E a língua?... que fininha, que enganida... Amarela como açafrão... Se não se endireita, dá catanada... Se isto der abono, será de uma criatura se benzer...»

419Pecando por ralas, diz-se: «Faltaram-lhe com a semente... ou levou-lha o vento... Podia com o dobro... Como a chuva lhe casque afoga-se em erva... Escapará, se o Inverno não apertar... que afilhe à vontade... que bote boa espiga... Mas começa mal, com tanta terra às cotovias... com mau semblante...»

420Para as vastas também não faltam reparos: «Está chegadinha... Deitaram-lho ós punhados, sem dó... É como cabelo em cão... Não traz frio... Por agora não parece mal... Depois é que são elas... Em espigando se verá... espiguinhas fracas, das tais que três não fazem uma... Enfim, a erva, em que queira vir, não tem por onde... Mas se for ano dela, sempre há-de furar... É filha da terra!...»

*

  • 79 Há dois recursos para se evitar que a seara tombe e acame logo no cedo, em estado de erva, antes de (...)

421As searas outonais, como as puxe um tempo ameno e húmido, desenvolvem-se muito em começo e até em demasia, às vezes. Os trigos e as cevadas arriscam-se a acamar e empancarem, ainda em erva, apodrecendo (79), e o centeio a espigar cedo de mais, correndo o perigo iminente de ser crestado pelas geadas de Março e Abril. Se porém de começo predomina o tempo frio e seco, as searas acanham-se, sumindo-se, por assim dizer. Algumas, observadas de longe, só a terra se lhes descobre, mais parecendo alqueives em branco do que semeadas com dois meses de nascidas. «Não têm vista», no dizer do povo. Mas a este conceito, aparentemente desanimador, segue-se em regra a advertência do «Deixem que elas despertarão...» E a seguir e para reforço, cita-se o prolóquio optimista que diz: Em Janeiro sobe ao outeiro: se o vires luzir, põe-te a rir; se verdejar, desata a chorar. Há exagero no rifão. É todavia certo que se chove em Fevereiro, depois de uma seca demorada, as searas adquirem todo o vigor de que precisam, nada sofrendo com o atraso anterior. Melhor é atrasarem-se em Janeiro, numa aparente letargia, consequência de tempo enxuto e frio, do que inundarem-se de água a jorros e permanecerem alagadas por semanas. Com água em demasia, as searas óptimas e boas, podem porventura aguentar-se sem grandes danos, mas as sofríveis, medíocres e ordinárias, amarelecem e definham, estragando-se imenso. É que a nódoa de Janeiro, não tira o ano inteiro. Depois de Janeiro, as nódoas resultantes de humidades excessivas são menos danosas, mas também custam a apagar.

  • 80 As grandes geadas, acompanhadas de vento nordeste, nas noites de Fevereiro, Março e Abril crestam c (...)

422De fevereiro a meados de março – Nesta quadra, mal vai à seara outonal que não tape a terra, alastrando-se verde e viçosa. Os trigos já então devem estar aferrejados, a cevada aferrejada ou a desigualar e o centeio a encanar, senão em borracha ou espigado, em risco de se perder com as geadas, perigo que subsiste por muito tempo, até a grada realizar-se (80). A aveia, por via de regra, continua acanhadita, «agarrada à terra», para dormir até Abril. Mas a que está excepcionalmente boa, desperta também e «não se agacha» à cevada.

423Se neste período se acentua uma estiagem rigorosa, as favas sofrem muitíssimo, os trigos ressentem-se, o centeio aguça e toma cor cinzenta, a cevada seca-se-lhe a folha e a aveia põe-se roxa. Como, porém, lhes chova a tempo, tudo se remedeia. Mas se lhes não chove de pronto, apanham peco considerável, sobretudo o centeio, a cevada e as favas. Os trigos ainda se aguentam por uns dias mais sem prejuízo de maior.

424Por março fora – De meados de Março em diante, as searas acentuam o que podem ser e o que deverão dar. Como o tempo lhes decorra a favor, as boas pulam de dia para dia a afilharem e crescerem. Quanto mais medram, melhores parecem e mais animam. Quem as vê assim, viçosas e sãs, exclama encantado: «Benza-te Deus! Não se lhe vê palmo de terra... De verde que está, negreja... E toda parelha... sem morredouros nem mazelas!... Que nebrezia!... Põe marco, se for avante...»

425As medíocres «fazem-se» menos, ou por outra, demoram a desenvolver-se. Mas se o tempo as ajuda, lá se vão «compondo» devagar, emendando-se de ligeiros achaques. Mas deste feitio, os optimistas campónios dizem: «Escapa... Há pior... Afilhou pouco... mas vai engrossando... Outras de fama darão menos... É questão de grada...» Os pessimistas afinam em tom oposto, comentando: «Hum!... Não mostra cara de jeito... É uma searita... Agora em erva, inda aparece... Mas depois, em secando, fica por metade... Onde não vires força, não tires sangue...»

*

426As searas ruins de nascença não costumam melhorar com o decorrer dos dias e meses, antes, em regra, vão progressivamente acentuando a sua inferioridade de origem, desvanecendo ilusões que porventura possa haver. Quem as observa atentamente, define-as com este fraseado: «Ih, que miséria!... Um dó de alma!... O paizinho... só... enganido e amargurado!... Amarelo, como cidra!... Filhos, viste-os... Não vale um cigarro... Em lhe vindo uns sóis, a erva abafa-a... Nem merece monda... Que espeto!...»

*

427Entre março e abril – É a época em que os favais estão em flor, já sachados. Pouco tardará que não mostrem vagens, e, a par, o companheiro do estilo, o negregado piolho. Em que tenham pouco, têm-no quase sempre e em quantidade nociva.

428Neste meio tempo mal aparecem os grãos-de-bico temporões. Os serôdios ainda estão no saco ou enterrados na terra.

429As searas de trigos e outros cereais continuam crescendo, sob o influxo do tempo e as condições do solo e do amanho. Umas, estão já montadas, desde Março; outras, recebem agora esse benefício ou recebê-lo-ão depois, quando lhes chegue a vez e a oportunidade. Quanto mais depressa o receberem, mais o agradecerão.

*

430O ramo nas searas – Entre Março e Abril costuma cair o chamado Domingo de Ramos. Vem pois a propósito registar o costume de se «pôr o ramo» nas searas, durante o referido domingo. Com efeito, lavradores, seareiros e criados de pensão, alcançam ramos de alecrim, benzido na igreja paroquial, por ocasião da missa do dia, e com eles compõem e ornamentam cruzes, em hastes de cana, que mandam ou vão colocar logo em qualquer árvore, muro ou penedo que defronte com a seara. Assim, a seara fica entregue à protecção de Deus, que a fará medrar e produzir. É, pelo menos, esse o objectivo dos crentes e do uso em questão...

431O acto de «pôr o ramo» dá pretexto a passeios e visitas às searas, tanto dos donos como dos familiares e amigos, principalmente se o tempo convida com um sol primaveril e criador. Se chove, esfria o entusiasmo, mas as cruzes sempre se põem. E com maior fé: Ramos molhados, ramos melhorados...

432Em abril – Do começo de Abril em diante, os trigos do Outono estão «em borracha», a quererem espigar, ou já espigados. Pela cor e folhedo, acusam à légua a variedade que representam, acentuando se pertencem ao grupo dos rijos ou ao dos moles. Os rijos deitam espigas de pragana (de cor preta em alguns), maiores que as dos moles. Nestes, as espigas são menos aparatosas e as de certas castas nem pragana possuem. Mas fundem melhor que os rijos, e, em verdes, são tão lindos ou mais.

433Rijos e moles, como estejam bons, ostentam em Abril uma pujança de vegetação soberba e luxuriante. Filhos vastos, de hastes compridas, com folhas largas pendentes, exuberantes de seiva, a tocarem-se de leve, ao sopro do vento, num murmúrio constante, que recorda o marulhar das ondas em horas de bonança.

*

434Na última quadra de Abril os centeios e as cevadas completam o desenvolvimento e passam a vias de grada. Os centeios destacam-se por altura singular, muito superior à dos outros cereais. Às suas espigas, estreitas e compridas, chega-lhes enfim a maré de abrirem em pendão. Entram por conseguinte na chora, período crítico da fase fecundante, sujeita a grandes prejuízos, por excessos de frio ou de chuva.

435Após a chora, os bagos desenvolvem-se e a grada efectua-se. As rolas aparecem a anunciá-la, invadindo as centieiras, onde passam a encher o papo e onde estacionam de preferência até emigrarem em Agosto. E por lá se entretêm e nidificam, a esvoaçarem aos bandos e em casais, de penedo em penedo, de azinheira em azinheira, baixando e levantando para comerem e arrulharem...

  • 81 Nos chamados anos bons, há sempre, por excepçao, searas más, embora poucas. Como nos anos ruins, ta (...)

436Na quadra em que as rolas chegam, as searas acusam contrastes frisantíssimos. Há-as de hastes compridas e de hastes curtas, fortes e fracas, limpas e sujas, sadias e doentes. Há de tudo: óptimas, sofríveis, más e péssimas (81). As óptimas deslumbram toda a gente que as olha a preceito. Os lavradores, então, enaltecem-nas com expressões típicas, assaz lisonjeiras: «Que searão!... Parece um xaral fechado... um bosque!... Uma pessoa dentro não tem por onde furar... Mal empregado, se acama... Quase que tapa um homem a cavalo... Bela!... Vejam-lhe as espigas... às vinte em cada pé!... E farfalhudas... de palmo e meio... É de se lhe tirar o chapéu!... Se acabar com bem, descose-se com vinte sementes ou mais... trinta, talvez... Sabe-se lá quantas!... Muitas, pelo seguro...»

437As searas ruins também são julgadas pelos profissionais e curiosos que as encaram. Eis as sentenças da praxe: «Vê-se que não emendou... Cada vez, pior... A erva abafa-a toda... O que não morreu, mirrou-se... Tem os pés enfezados... feverentos, de espiguinhas amarguradas... Metade falhas... E a respeito de palha, está ó consoante com o grão... nem palha, nem grão... Em elas não prestando, fundem menos do que se cuida!...»

438Uma seca em abril – Quando o mês de Abril se assinala por estiagem rigorosa, que se vem afirmando desde Fevereiro, essa estiagem escangalha os trigos, cevadas e aveias. Não é um desastre brusco e irremediável. Mas é um contratempo temível, de processo lento, que, protelando-se por semanas, agrava a situação dia a dia, até estragar «folhas» inteiras, antes viçosas e lindas.

439Trigos ou o que seja de cereais, acusam falta de chuvas, tomando cor cinzenta, pela crescença do dia, a exibirem folha murcha, de «orelha caída», mal encarados. «Põem-se patetas», e dá dó vê-los. Sem embargo, ainda esperam e ainda se aguentam. Tanto, que de manhãzinha cedo, com as orvalhadas da maresia, readquirem o primitivo vigor e frescura, para o perderem de novo, às primeiras résteas de sol erguido e às rajadas açoutantes do vento suão, que em geral assopra, nesses períodos estiolantes e calamitosos.

440A despeito de tais azares, se a certa altura as chuvas vêm em abundância, regando a fartar, os danos são fracos ou nulos, remediando-se em absoluto. Mas se a estiagem persiste na sua marcha destruidora, as searas pioram às braçadas e agonizam sedentas, morrendo às nódoas. Enquanto que nuns sítios o prejuízo é total e irremediável, noutros manifesta-se menos, por serem terras de resistência, que ainda conservam algum sangue.

*

441Entretanto, os dias vão passando, o sol queima, lembrando Agosto, o vento continua a açoutar e a seca completa a sua obra ruinosa, tisnando searas boas e más, sem distinção de vales nem outeiros. Apenas resistem as baixas de algum vergel muito frescal. Mas isto é nada comparado com a quantidade e importância das searas que se atordoam e torram. Estas, embora em Maio lhes chova, não há chuva que as salve. Só o centeio escapa, se escapa, em razão do seu anterior desenvolvimento. Tudo mais que não seja centeio, agoniza e morre fatalmente, à míngua de humidades, numa desolação tremenda e pavorosa!...

*

442Em maio – Pelo decurso de Maio, desvanecem-se as dúvidas que por acaso restem sobre o próximo resultado das searas. As boas, só calamidades muito desastrosas as poderão abalar. As ruins, exceptuando as dos tremeses, fraca melhoria lograrão.

443No começo do mês, os trigos outonais, uns estão altaneiros, espessos e verdíssimos, com espigas formosas; outros curtos, raleirões e amarelos, de espigas fracas, revelando criação doentia que descoroçoa e aterra o dono. Há trigueiras de arromba, soberbíssimas ; há outras boas, de menos espanto e algumas ou muitas das chamadas escapadouras, sofríveis, que ainda consolam. Também não faltam as de feição oposta, as molengas, ordinaríssimas, tão somenos e «mal amparadas», que darão a semente ou coisa parecida.

444Em todas elas, por boas ou más que estejam, é vulgar perderem-se espigas com a doença do morrão e outras. Mas esses prejuízos são, em regra, pequenos, sem importância sensível.

*

445Os trigos ribeiros prosseguem criando-se, verdejando como limos se as chuvas os beneficiam. Por atrasados que estejam, medram a palmos, contanto que apanhem a sua rega de vez em quando. Se porém lhes faltam as águas e o sol os castiga, definham-se e perdem-se, abrasados pelo calor.

*

446Enquanto que os trigos permanecem verdes nestes primeiros dias de Maio, os centeios, as cevadas e as favas alouram e secam, completando a maturação. Das favas, bem se diz: Maio as dá, Maio as leva... A aveia continua verde, mas em breve «dará a cara», aloirando também.

  • 82 O escaravelho ou escaravelhão do centeio, tem as dimensões de um feijão-frade e é revestido de pêlo (...)
  • 83 O escaravelhão e o cornilhão são prenúncios de colheitas abundantes, porque os anos em que mais apa (...)

447O centeio distingue-se pela altura e perda total do folhedo. As espigas do bom, condizem com a altura da palha. Extensas e peladas de pragana, dobram-se ao peso dos bagos que lhes assomam nos casulos, criados enfim, a quererem «esguichar», nutridos e belos. Que nem todas as espigas denotam beleza impecável. Entre as grandes e cheias, há as degeneradas, onde se gera e vinga o cornilhão (cravagem), as roídas pelo escaravelho (82) e as salteadas ou meias falidas, de casulos cheios e casulos vazios. De resto, as espigas salteadas, as criadoras de cravagem e as roídas de escaravelho costumam restringir-se a pequeninos senões, que a ninguém assustam. Pelo contrário, agradam geralmente, por serem prenúncio de colheitas fartas (83). Isto no centeio forte e recostado, naquele que se classifica um centeião brutal, de perspectiva soberba. «Bom a valer!... Não há melhor...», dizem os que o admiram. E acrescentam: «Como está grado... a não caber nos casulos!... Mal empregado se apanhar ruim acefa... Se lhe não acodem em saraço (verdurengo) fica metade na terra...» Com efeito, se for ceifado seco e em dias de calor, desbagoará muitíssimo, coalhando os chapéus dos ceifeiros e os sulcos dos regos.

448Mas é bem melhor mostrar-se acurvado e cheio, em perigo de «espirrar» por ocasião do acarrete e da ceifa, do que tombar e empancar à grada ou do que exibir-se direito e leve, com poucos bagos e miúdos, embora com muita palha. Pode fundir muito em carradas, mas dará pouco em moios.

449Resta o de aparência oposta – o ruim e curto, tido e havido como um panasco, de pouca palha e menos grão. Centeio assim criado, ou mal se descobre por entre os bamburrais de margaça que o «afogam», ou encontra-se livre de erva em areões ordinários, por onde os lagartos rastejam a descoberto, sem estorvos de vegetação. Tudo que se cria e seca nestas condições de penúria, chama-se-lhe centeio ensamarrado, porque nunca lhe cai a pragana e jamais desbagoa. Há-de desbagoar bem, se os bagos ficam mirradinhos, aderidos ao casulo, de que só desprendem depois à debulha nos cilindros da debulhadora, ou à porrada do mangual. E aí mesmo, quanto e quanto vai na palha, encerrado no casulo!...

  • 84 Causam maiores estragos nos arredores dos montes e das povoações, por afluírem aí de preferência, e (...)

450Como o centeio, a cevada em Maio, mostra-se em plena maturação, mas conservando a pragana. Em «descaindo» para secar de vez, toma cor aloirada, que depois aclara ou escurece, conforme decorre o tempo. Entretanto os pardais entram com ela e papam a que podem. Como os deixem, «depenam» espigas inteiras e muitas, sobretudo nos arredores dos montes e das povoações (84).

451Por via de regra, cevadeira de fama, bem encabeçada e de muita palha vai abaixo com o peso do grão e da palha. A ruim e curta, de espigas chochas ou falidas, não tomba por certo. A outra, a boa, como tombe depois de grada e a chuva a não apodreça, dá sempre muito grão, posto que muitíssimo mais se, por milagre, se aguentar de pé até a foice a tombar. Ceifada assim, erguida sem mazelas de nenhuma espécie, produz fundas fabulosas. Mas se não se ceifa logo que seca «faz-se velha», acorvilha até rastejar, parte-se como o vidro, e, por fim, quando a foice a derriba, descabeça em grande quantidade, a ponto de o solo ficar coalhado de espigas. Mingua a produção na eira, mas valoriza-se o agostadouro. Não vai ao alqueidão, mas luz nas bacoradas. Do mal, o menos.

452As cevadas inferiores, ou se mostram ralas, raquíticas e desiguais, descobrindo-se mal, por entre as setas e papoilas que as inçam e sujam, ou livres de erva, patenteiam igualmente a sua insignificância, branqueando no todo ou em parte, a revelarem grada ruim, resultante da pobreza do solo ou de irregularidades atmosféricas. Em anos de estiagem, deixam de espigar, muitas. Ficam em borracha, curtinhas, dando pouca palha e pouco grão.

453O que sucede com a cevada, assemelha-se ao que se passa com a aveia em análogas condições. Notam-se aveiais de truz, avantajados de palha e de bandeira, a prometer fundas de por aí além. Para contrastar, deparam-se também outros que, se mal começaram, pior acabam. Chegam a ficar tão reles e acanhados, que mal se podem ceifar. Estes, em geral, são dos que se semeiam à face, em terras pobríssimas, já cansadas por anteriores produções, ou em terrenos folgadios, mas tão ingratos e avessos, que nem aveia produzem.

454Entre os aveiais bons, poucos se encontram que não estejam tocados da ferrugem,. Alguns bastante sofrem desse peco e de outro ainda – a alforria. No entanto, a doença alforria ataca de preferência as aveias ordinárias. Aveia ruim alforriada, decerto que não vale nada.

*

455Por vinte e tantos de Maio, os aveiais «tomam cor» e em poucos dias secam, reclamando foice. De contrário as espigas abrem, escancaram-se, e os bagos abalam com o vento, ou caem por si mesmos. Não descabeçam como os da cevada, mas desbagoam mais que as do centeio. Até as formigas as esvaziam, escalando-lhes as hastes e levando-lhes o grão. Desaparece toda, por conseguinte, se não se tomba depressa. E mesmo tombada, ainda a formiga a acarreta, se estiver mal enrilheirada.

*

456Em junho – Logo nos primeiros dias, gradam, aloiram e secam os mais dos trigos, à excepção dos ribeiros tremeses, que prosseguem verdíssimos, com as espigas em agrás, «em leite». Os outros, os que foram semeados no Outono, esses, moles ou rijos que sejam, amadurecem do começo de Junho em diante, ao influxo do meio e das condições em que se criaram: devagar, nos baixios húmidos e de chão ; depressa, nas terras que «puxam», soalheiras e enxutias. Os trigos sãos e fortes, que se criaram à vontade, tomam um colorido fulvo, lindíssimo, que só se extingue a poder de dias e de sol. E que de espigas óptimas neles realçam! Que de risonhas esperanças elas sugerem!... O trigo é o rei dos cereais, cultiva-se na melhor terra e dispensam-se-lhe cuidados particularíssimos, porque dando, remunera bizarramente. Considera-se ouro de lei e do melhor quilate. Calcule-se, pois, como serão gabadas essas trigueiras extensas, soberbíssimas, que se encontram nos anos abundantes e que, alfim criadas, avolumam de interesse e centuplicam de valor. Gabam-se por mil expressões parecendo pouco tudo que se diga em seu louvor: «Que nobrezia de seara!... É um canavial fechado... uma muralha custosa de romper! Quando a foice a botar abaixo há-de abrir os pulsos a mais de quatro... Têm para peras os ratinhos... Disto há pouco... Parelho, recostado e grosso!... E as espigas?!... Cada uma faz duas... bem criadas e cheias... de bagos como pinhões... Sim senhor, fuma-lhe a venta... Verão à ceifa o que é botar molhos e rilheiros... Rilheiros e carradas... Deve dar um esbarrunto!...» E por aqui fora, toda a gente as admira, numa catadupa de elogios, retumbantes e expressivos.

457Os de condições opostas, também não escapam aos comentários dos apreciadores. Trigos que em verdes nunca prestaram, agora, em maduros e secos, pior efeito produzem. E a par destes, amargurados e reles, há porventura, outros, assaz desenvolvidos, que já mostraram fantasia, mas que a perderam de resto, por lhe «dar o tempo à contra». Di-lo bem alto a cor anormal que tomam. Em vez de aloirarem, como os sãos e grados, branqueiam mais ou menos, acusando grada péssima. E como branquearam, hão-de por força fundir pouco. Pouco, em grão. Em palha, escapam.

*

458Por bons ou maus que sejam, os trigos do Outono estão secos de todo aí por 10 a 20 de Junho e, a seguir, a foice entra com eles. Primeiro, nos moles, mais propensos a desbagoarem; depois, nos rijos, que não desbagoam, mas que descabeçam em estando ressequidos. Neste período, de 10 a 20 de Junho, principia e efectua-se a grada dos trigos ribeiros, que vai a cabo, bem ou mal, segundo o tempo. Mal lhes irá por certo, se «apertarem» os calores do «Santo António».

*

459Pelo «S. João», os centeios, as cevadas e as aveias, estão em terra, todos, já ceifados. Dos trigos temporões, muitos permanecem de pé e outros receberam foice. Nestas condições, vê-se a maior porção, aí por vinte e tantos de Junho, tempo em que as ceifas «vão de cabeça abaixo», à parte as de certas lavouras grandes, onde se costuma acabar tarde. Entretanto, os trigos ribeiros principiam a «dar a cara», para secarem de todo, dentro de poucos dias, já em Julho. Alguns vão a terra, primeiro que outros dos do Outono.

*

460Em julho – Pelo «S. Tiago», não há searas verdejantes, por serôdias que sejam. As que por acaso ainda estão de pé, mostram-se secas e acurvadas, à falta de vigor que as ampare e defenda. Até parece que minguaram e faliram, tão velhas se põem e tanto se lhes emaranham as palhas e as espigas. Para descrédito do lavrador, estão assim como abandonadas, a servirem de gáudio à formiga e a toda a casta de bicharia.

*

Colheitas

461Nesta peregrinação através dos campos, eis-nos chegados às colheitas, às almejadas colheitas das searas, que o lavrador aguarda com impaciência, para recolher o fruto do seu longo e insano trabalho. Maior azáfama agrícola, não há por certo nos campos do Alentejo e muito principalmente nos de Elvas e cercanias, onde a cultura dos cereais assume importância capitalíssima. Desde vinte e tantos de Maio, até por Agosto fora, as colheitas ocupam centenas e centenas de braços, a ponto de as ceifas, nas herdades, serem efectuadas por homens das Beiras e do Douro – os ratinhos – pois os campónios da região mal chegam para as gadanhas, acarretos e debulhas, onde têm que fazer de sobejo nos primeiros dois meses da época. Meses de labuta afanosa e intensíssima, pela magnitude do assunto, pelo receio de faltar o tempo propício e pelo temor de incêndios, que de súbito podem irromper, destruindo esperanças, inutilizando sacrifícios, abalando fortunas.

462O recolhimento rápido das searas, para saírem a salvo de eventualidades e avarias, constitui a principal preocupação da maior parte dos lavradores. Desenvolve-se, portanto, toda a actividade, e, conjuntamente, as atenções fixam-se nos rastolhos e nas eiras, cujo labor é acompanhado de perto com singular carinho por todos que vivem no meio rural.

463Nas aldeias e nos campos, as colheitas são a ordem do dia e da noite, dando margem a palestras animadas, em que as horas passam a fugir. Inquire-se e sabe-se dos «homens» de ceifa que deu cada lavrador; quando os mesmos começaram; se fazem ou não bom rastolho e quando pensam em acabar. Passando para os acarretos e debulhas, citam-se os adiantados e os atrasados, onde se carrega muito ou pouco, caminhos que dão estes e aqueles e quem sabe ou não carregar. Sobre «fundas», cada qual sentencia a seu talante, e, a propósito, acrescenta-se que fulano colheu sessenta moios de trigo, em tal parte; que beltrano quarenta de centeio e sicrano vinte de cevada, dando o trigo a dez sementes, o centeio a quinze e a cevada a vinte.

464Neste relato de fundas, se entre os circunstantes figuram lavradores, estes dizem do que lhes vai por casa. Alguns carregam a nota para aquém ou além da realidade. Não é por mal... está-lhes no feitio. Os chorincas, por exemplo, só falam das searas que lhe fundem pouco. Das boas, esquecem-se. Os basófias, jactam-se de colherem esbarruntos, em tais e tais «folhas» afamadas. Das ruins... nem piol... Há ainda outros de critério diverso, também interessante. São os conchas, que se encolhem como cágados, por desconfiarem dos parceiros. Lembram-se do aforismo, que a alma do negócio é o segredo. E no aforismo se entrincheiram, inquisilando a valer com a indescrição dos abelhudos curiosos. Esquecem-se no entanto de que têm criados; de que os criados papagueiam tudo que se passa nas casas dos amos, e que, finalmente, os criados são bisbilhoteiros incorrigíveis, apregoando e exagerando por toda a parte o que os amos semeiam e colhem...

465Resumindo: das colheitas trata-se com afinco extraordinário, sem se olhar a gastos, e das colheitas fala-se à grande, como assunto momentoso, de altíssima transcendência.

*

466A faina das colheitas compreende três serviços distintos: ceifas, acarretos e debulhas. Em começo, só se trata das ceifas. Pouco depois, entra-se com os acarretos e as debulhas, prosseguindo tudo simultaneamente, mas cada serviço com pessoal próprio e praxes diferentes. E, a par, durante o primeiro mês da época, cuida-se também da gadanha dos fenos, com gente estranha aos outros serviços. Enfim, trabalhos múltiplos e variados, com gentio de diferentes idades e procedências, a animarem e povoarem os campos, desde o luzir da manhã até altas horas da noite.

Ceifas

  • 85 Veja-se o artigo Ceifeiras, na página 259.

467As ceifas executam-se, geralmente, com a foice braçal, manejada por homens, rapazes e mulheres, e, pouco ou nada, por meio de ceifeiras mecânicas (85). De ordinário, começa-se de 1 a 24 de Maio e acaba-se de 10 a 18 de Julho, ou pouco mais tarde. Dois meses, aproximadamente.

  • 86 A razão das searas de centeio, cevada e aveia terem a classificação genérica de segundas, por ocasi (...)

468Primeiro, ceifam-se as cevadas, os centeios e as aveias, que, para o efeito, se englobam e conhecem pela denominação genérica de segundas ou sementes brancas (86). Tombam-se em primeiro lugar porque secam muito antes dos trigos e porque «esperam menos», não se aguentando de pé sem prejuízo sensível. O centeio e a aveia desbagoam em grande escala e a cevada descabeça a valer.

469Derribadas as segundas, passa-se aos trigos. Começa-se, em regra, pelos moles e conclui-se nos rijos. As praxes assim o estatuem. Mas, às vezes, ocorrem circunstâncias imperiosas e excepcionais que obrigam a abandonar as praxes. Por exemplo, adiar-se para o fim da faina restos de searas ordinárias de centeio e cevada, para se acudir de preferência a outras óptimas de trigo, dignas de aproveitamento oportuno.

*

470Ceifas por «ratinhos» – Todas ou quase todas das searas em herdades são desempenhadas por esta gente. Os chamados ratinhos – escusado seria repeti-lo – são homens e rapazes das Beiras e do Douro, que expressamente vêm ceifar ao Alentejo, regressando às suas províncias logo que despachem a refrega.

*

  • 87 Manajeiro principal e da «camarada» toda, repartida em vários cortes ou «camaradas» parciais, uma e (...)

471Cada lavoura ocupa de entre quinze a cinquenta ratinhos, governados por um deles – o manajeiro do corte que, por sua vez, recebe ordens do chefe e patrício, o manajeiro principal (87). O que são, o que fazem, o que valem e o que ganham esses milhares de trabalhadores, bem como os usos e regras a que se subordinam na organização e disciplina das «camaradas» e «cortes», em que se agremiam e incorporam, já o pormenorizei à larga no capítulo Ratinhos. É, pois, desnecessário entrar em detalhes referidos. Todavia, como preito de justiça que se não deve regatear, direi uma vez mais, o que de resto sabe muita gente. Os ceifeiros beirões, vindo, como vêm, ceifar ao Alentejo, são obreiros prestimosíssimos da agricultura alentejana. Obreiros quase imprescindíveis, pela escassez de braços indígenas, que todos os anos se nota no primeiro período das colheitas, e pelas aptidões que revelam em tão árduo serviço.

*

  • 88 Dia de Corpo de Deus e de S. João. Quando o dia de Corpo de Deus cai antes de começarem as ceifas, (...)
  • 89 Isto nos anos bons, em que a temporada rende. No’s ruins, de poucos afazeres, o manajeiro preocupa- (...)

472Os ratinhos ceifam as grandes e as pequenas searas das herdades e ceifam-nas com desembaraço incomparável. Causa admiração a destreza e galhardia com que eles manobram a foice, ora sob a acção importuna das maresias da noite, ora ao calor estonteante do sol, num período de quarenta a sessenta dias, em que só folgam num ou dois (88). Nos demais, mourejam «a pé firme», desde o raiar da aurora até noite cerrada – durante dezasseis horas, em que só descansam nos intervalos das três comidas! Intervalos curtos e fugidios, ao capricho do manajeiro, que não desperdiça um minuto (89). O seu gosto é ver a família no corte, a dar-lhe saída e avanço: os homens, a derribarem «pão» ; os rapazes, a atarem.

473A enrilheiração dos molhos compete a homens estranhos à «camarada». Compete a um ou dois ganhões enrilheiradores. Do acarreto da comida e da água, cuida um rapaz – o tardão ou mantieiro. O tardão e os enrilheiradores formam o grupo de auxiliares alentejanos, a quem o lavrador paga e alimenta à parte.

*

474Ceifas por mulheres – Ao passo que os ratinhos despacham e ajustam por empreitadas as ceifas das grandes e medianas lavouras – as searas de relativa insignificância, pertencentes a seareiros e ainda algumas parcelas das grandes, em herdades vizinhas das povoações, costumam ser ceifadas a jornal, por mulheres das aldeias próximas, mediante a jorna de cento e sessenta a cento e oitenta réis «secos», por meio dia e mulher. As aprendizas nada ganham no dia da estreia. No segundo e no terceiro, ganham oitenta a cem réis; no quarto cento e vinte e daí para o futuro o mesmo que as sabedoras.

475A ceifa por mulheres era assaz restrita em tempos que já lá vão. De há dez anos para cá tem-se generalizado muito e prossegue alargando-se, de ano a ano, a contento dos agricultores e das aldeanas que a executam. Estas, sem descurarem os afazeres domésticos, destinam o meio dia da manhã para ganhar com a foice o seu sustento e o dos filhos.

  • 90 Queijos que lhe dá o lavrador, como lembrança para a família.

476As mulheres ceifeiras de outrora, posto ceifassem bem, pelo que se refere a apuros e cautelas, eram poucas, ceifavam com morosidade e não apetecia empregá-las. As de hoje, contam-se aos centos, ceifam a preceito e despacham sofrivelmente. Diz-se que fazem menos que os homens das Beiras. Mas essa relativa inferioridade, compensam-na na perfeição do serviço. O trabalho delas é mais escrupuloso e perfeito que o deles, o que de sobejo se explica. Elas, trabalham a jornal, a seu salvo; eles, de empreitada e aguilhoados pelo manajeiro, todo açodado em concluir, para regressar à terrinha, com as notas na algibeira e os queijos na sacola (90). O contrário das aldeanas, que quanto mais se apuram, mais salários vencem.

*

  • 91 Os homens atam e enrilheiram pelo dia fora, enquanto há molhos para atar e enrilheirar. Se sobeja t (...)

477A hora da agarra, para as mulheres, é a mesma dos «ratos», ou seja, ao raiar da aurora. Soltam, porém, às onze do dia, tendo por única interrupção a hora do almoço. Almoço ligeiro, à custa delas, que se resume a pão, queijo, azeitonas e frutas. Por acaso almoça carne de enchido, uma ou outra de algumas posses. Quanto a serviço, apenas o da ceifa. A atada dos molhos e a enrilheiração incumbe a um ou dois homens agregados ao rancho (91).

478Antes de soar a uma no campanário da igreja, as manajeiras das ceifas percorrem a aldeia, batendo de porta em porta, a acordarem e chamarem o mulherio dos seus respectivos ranchos.

479– Vá arriba, preguiçosas!... Vá, que são horas...

480As despertadas respondem, erguem-se e saem por entre bocejos e suspiros caminhando para o ponto de reunião, que é, ordinariamente, a casa da manajeira. Seja onde for, reúnem-se em determinado sítio, e, à medida que vão chegando, dão-se os bons-dias, com o «Salve-as Deus» da praxe, correspondido com um «Deus te salve» uníssono. Ou, em vez disto, outras saudações familiares, amistosas e entoadas.

481Aos cumprimentos seguem-se as falácias e galhofas, numa algazarra dos demónios, que acorda e arrelia a vizinhança:

482«Credo!... façam menos barulho... menos motim... Baia, umas badias!... Nem arreparam em quem está nas suas casas a dormir!... Assoceguem, almas do diabo!...» Assim fala a manajeira, reclamando silêncio. Mas as repreendidas fingem não ouvir e continuam a grasnar. Só afrouxam quando entram a contas com a lambeta do café – costumeira moderna de que a dona da casa se incumbe, na mira em alguns lucros, ou para beber de graça, pelo menos.

483Vem pois, o café e cada freguesa toma a sua chávena, a troco de dez réis. As mais amadoras tomam duas e não entram com terceira porque receiam as más línguas.

484De resto, todas se pelam pelo cafezinho, que reputam uma delícia... E melhor por certo lhes saberia, se o temperassem à vontade com açúcar em fartura...

*

485Partem, enfim, para o rastolho. Saem aí pelas duas horas da madrugada, entre ruidoso alarido de cantorias e toques de pandeiro, que despertam toda a gente. A cantar saem da aldeia e a cantar caminham pelas azinhagas e carreteiras, a espairecerem amarguras, a avivarem recordações... Se não fossem a cantar, ouviriam de vez em quando os chios espaçados e assustadiços das cotovias madrugadoras, ou o piar agoirento dos mochos e corujas...

*

486Ao nascer do sol já as do rancho têm ceifado o bastante para se lhes avaliar o desembaraço. A retaguarda do corte vê-se juncada de gavelas, a atestarem que as foices agarraram cedo, antes de os pássaros saudarem festivamente os primeiros arrebóis da manhã.

  • 92 A aguadeira é uma rapariga das do rancho. Vai «à vez», cada uma para cada dia, alternando-se.

487Depois do sol nascido, a azáfama prossegue com a tenacidade primitiva. Novas e velhas, solteiras e casadas, na medida das suas forças, todas fazem o que podem, de mangas arregaçadas e saias em calçonates. Não trabalham com desembaraço análogo ao dos ratinhos, mas mexem-se resolutas, senhoras do seu papel... E à porfia avançam, derrubando «pão» e estendendo paveias. Lá aliviam a miúde, para dizerem coisas ou para emborcarem golos de água fresca que a aguadeira lhes oferece (92), mas pronto voltam à lida, dando o seu a seu dono. Como o lavrador apareça, dão-lhe as boas-vindas, gabam-lhe a seara, encarecem o trabalho, e, a propósito, como olhamento, de que se julgam merecedoras, pedem-lhe um almoço de sopas de leite, «em fartura». O lavrador anui ou não, segundo o feitio que tem e as impressões que recebe. Se anui, retumbam-lhe os elogios e apanha vivório...

*

488Aí pelas dez horas, já as laboriosas ceifadoras fraquejam sensivelmente. A violência do serviço e o calor do sol põe-nas tontas e patetas, a suarem em bica, de rosto esbraseado. Contudo, aguentam-se até às onze, hora a que largam o trabalho, por vencerem o meio dia. Dez minutos mais e ei-las a caminho de casa descalças, de chapéu na cabeça e foice ao ombro, pisando a areia das carreteiras, quente como brasas de lume. Caminham em bando, algo atordoadas e a passo ligeiro. Lá fala uma ou outra, mas o trajecto é triste e as falas são poucas. Poucas e em voz de desânimo, abafadas pela inferneira das cigarras, que a essa hora cantam furiosamente, do cimo das moitas e arvoredos. É uma «cantarela» azoinante e persistente, que predispõe à preguiça e ao sono.

*

489Afinal, ao cabo de pouco tempo, sob um sol de rachar, que lhes escalda o sangue e as alaga de suor, as caminhantes vêem-se próximas da povoação e dos seus branqueados casebres. Esta perspectiva sorri-lhes, encoraja-as e transforma-as por assim dizer. De macambúzias e estafadas que pareciam, tornam-se vivazes e parladeiras. Com efeito, mal entram no povoado, desatam a cantar alto, muito alto e em coro, ao som do pandeiro e das castanholas. De vez em quando param por momentos, a cantarem e bailarem. E daí a nada, seguem pela rua fora, a cantarem e a tocar, despertando a curiosidade. Entretanto, às portas e janelas entreabertas do casario rasteiro, assomam várias caras feminis, de trajos à frescalhona, ávidas de verem e ouvir as pobres que vêm da ceifa. Muitas são-lhes afectas e bem o mostram, exclamando: «Coitadinhas! esmarrenecadas de trabalhar e inda com gana para se adevertirem!... O que é a mocidade?!... Divirtam-se, raparigas!... Cantar é dos anjos... Quem canta seus males espanta!...» Outras não lhes rendem louvores, antes lhes chamam nomes feios:

490«Baia umas assolutas!... Valuntairas!... A darem motim pelo meio das ruas, sem ássuprema de ninguém!... Badias, a alvoroçarem quem está na sua casa!... E ainda a gente as vem a ver!...» Assim se expressam as maldizentes, com cheiro de ajuizadas. São em geral carcaças rabujentas e moças recolhidas e dengosas, com pretensões a graves. Todas elas retouçariam cem vezes mais que as alvejadas, se se apanhassem à solta e à larga, onde não dessem nas vistas!...

*

491A atada – O preparo dos molhos de «pão» estendido sob o rastolho, chama-se atada. Este serviço segue atrás do corte e dele se incumbem os rapazes da camarada, quando a ceifa é feita por ratinhos. Desempenhada por mulheres, a atada pertence a homens ou rapazes, que as acompanham de propósito.

492Em qualquer dos casos, cada atador reúne e sobraça um indeterminado número de paveias e com elas faz o molho que aperta e ata, de joelho em terra, em nó simples, por meio de um negdlho, previamente preparado. O negalho faz-se de gavelas do próprio «pão», ou de outra coisa a jeito – junça, hastes de piorno verde, correias de trovisco e até cordéis ou taniças. Seja com que for, os molhos atados continuam sob o rastolho aguardando que os enrilheiradores os retirem, para fazerem os rilheiros.

493A atada carece de fiscalização vigorosa. De contrário fica «uma porcaria». Quando os atadores são rapazes dos ratinhos, essa fiscalização impõe-se em absoluto, sendo geralmente incumbida ao guarda de herdades, a fim de que os garotos aldrabem o menos possível. Novatos e inexperientes, mal podem trabalhar a contento do amo, que reclama perfeição, e ao agrado dos ceifeiros, seus superiores e parentes, que lhes exigem despacho. O guarda ralha com os gaiatos, queixa-se ao manajeiro, o manajeiro repreende-os também, mas os rapazelhos doem-se pouco. Embora crianças, possuem manha suficiente para saberem que as sanfonadas do manajeiro, ordenando apuro, são fogos de vistas para amaciar o guarda. Resultado: a atada quase nunca satisfaz, porque as paveias nem todas se aproveitam, porque os negalhos não prestam e os molhos desatam-se. Consequência: o guarda enfada-se com os garotos e acaba por se enfurecer com os verdadeiros culpados – os ratinhos, pais ou tios dos cachopos. Se fala no caso ao amo, vai-lhe dizendo que os «ratos» trazem a atar uns fundiças cheirando a cueiros, sem jeito para nada. E o amo observa: «Ah! ele é isso?!... pois para o ano falaremos... Nem um só desses fedelhos ranhosos... As mães que os desmamem lá na Beira... Nada, que eu pago-lhes como homens... e por homens trato...»

494Mas no ano seguinte, quando se ajustam as ceifas, o lavrador já se não lembra do desmazelo dos rapazes, ou se se lembra, finge que se esqueceu. Sempre assim foi e sempre será assim.

495Rilheiros – Na região elvense e limítrofes, o vocábulo rilheiro aplica-se aos montes de molhos que, após a ceifa, povoam os rastolhos, e também às grandes medas que, depois, se levantam nas eiras, com o recolhimento e acumulação desses mesmos molhos. No concelho de Avis só se designam por rilheiros aqueles que se erguem nos rastolhos. Os outros, os das eiras, chamam-lhes frascais ou medas, como chamam moreias aos primeiros, em diversas localidades.

496Finalmente, os nomes de rilheiro ou frascal, nunca devem tomar-se por sinónimos de almenara. Em agricultura alentejana, o vocábulo almenara aplica-se exclusivamente a um grande monte de palha ou de feno, erguido e acondicionado a preceito.

497Enrilheiração e enrilheiradores – Dos molhos estendidos e atados por ocasião da ceifa, compõem-se imediatamente pequenos rilheiros, compassados, dentro da própria rastolhice, onde continuam a permanecer até ao acarreto para a eira.

  • 93 Enrilheiradores. Veja-se na página 106.

498O serviço de enrilheiração compete a homens que não se ocupam da ceifa, mas que a acompanham, enrilheirando. Por isso, denominam-se enrilheiradores (93).

499Aos enrilheiradores cumpre fazer boa enrilheiração, de harmonia com o estado do «pão» e do tempo que predomina. Se o cereal está saraço (verdurengo) os molhos deixam-se empinados, de pé, durante alguns dias, para secarem a valer e não abolorecerem. Da mesma forma se procede quando o «pão» está molhado ou húmido. Nesta hipótese, dá-se-lhes volta todos os dias, abrindo e alargando a cabeça dos molhos para ourearem as espigas e não grelar o grão. Depois, em os molhos secando e enxugando, estendem-se e enrilheiram-se com as espigas para um só lado e os talos para o outro. O «pão» enxuto e seco, enrilheira-se logo definitivamente em rilheiros grandes e aprumados, que se não repassem com as chuvas e que se prestem a carreguio fácil.

500Por cautelosos que sejam os enrilheiradores, é raro angariarem os molhos todos. Em geral escapam-lhes muitos, e mais nos rastolhos altos, de bamborrais espessos. Nestes, sempre escapam molhos encobertos, que não vão à eira e que se perderiam em absoluto se os não aproveitassem os porcos, quando entram ao agostadouro. Os porcos aproveitam-nos, sem dúvida, mas é aproveitamento desluzido, cheirando a desperdício.

*

501Das searas que, enfim, tombadas, mostram muitos rilheiros no rastolho, diz-se: «Vê-se que é boa... Os rilheiros, não despegam uns dos outros... Parece uma novilhada !... Muitos e grandes... E em que tivessem saído, deixavam a fama... Olhem-lhes para os ossos... Mirem esses canudos rezios, que haviam de dar tosse às foices!...»

A carretos

502Dias depois de começarem as ceifas, dá-se princípio aos acarretos – à remoção da seara para a eira, a fim de se debulhar e recolher.

  • 94 Por serem as horas mais propícias para acarretos. A maresia ou orvalhada, que nessas horas costuma (...)

503Os acarretos fazem-se por meio de carros puxados a bois ou a muares, senão por uns e outros, simultaneamente e em separado. Ou se acarreta a pouco e pouco, para o despacho da debulha diária, aproveitando-se de preferência as madrugadas e manhãs (94), ou vai de fio a pavio, durante semanas, até finalizar de vez.

504O cereal acarretado, que não tem cabida para debulha imediata, reúne-se e acomoda-se nas extremas da eira, compondo rilheiros gigantescos de várias configurações. Estes rilheiros erguem-se dos lados norte e sul, deixando libertos o do poente e o do nascente para a eira ficar bem lavada da travessia, a dar direito o vento oeste – o mais predominante e o melhor para a limpeza do grão por meio de forquilha e pá.

505Nas eiras onde se projecta debulhar a vapor, os rilheiros erguem-se onde calha melhor para o nivelamento da debulhadora, e erguem-se altos e largos, para evitar mudanças de máquinas, sempre demoradas e enredosas.

506Pessoal dos acarretos – Pertence à ganharia e ao grupo dos carreiros. Dos carros de bois incumbem-se: um, o abegão ou o sota; outro, o boieiro que lhe toca, e os restantes, a ganhões de confiança, arvorados em carreteiros, sob o mando do abegão. Os carros de muares são guiados e carregados pelos carreiros, compreende-se, às ordens do maioral, que também trata e conduz a sua respectiva parelha e carro.

507Nos acarretos de trajectos curtos, entre os rastolhos e a eira, cada condutor de carro, de bois ou de muares, faz-se acompanhar do correspondente molheiro, homem ou rapaz que auxilia o carrego e descarrego das carradas. Usa-se isto para se despachar depressa e darem-se muitos caminhos em cada dia. Se as distâncias a percorrer vão além de dois quilómetros, ou-menos mesmo, dispensam-se os molheiros, porque se passa o mais do tempo no vaivém das caminhadas. Nestas condições, trabalham carros em número par, a fim de os condutores darem molhos uns aos outros e assim se remediarem.

508Preceitos e usos – Na refrega dos acarretos, os bois trabalham de revezo, aos meios dias. Os do revezo da manhã estão nos carros muito antes do amanhecer, e carreteiam até ao meio-dia, descansando quarenta a cinquenta minutos, das sete às oito horas, agarrados aos carros, enquanto o pessoal almoça. Em regra dão dois caminhos antes do almoço dos homens e outros tantos ou mais no resto da manhã. Os do revezo da tarde agarram ao meio-dia, mas só vão para o rastolho em os ganhões jantando.

509Desde que começam de tarde, até que soltam ao sol-posto, dão uns três caminhos. Que de tarde e de manhã, pode variar bastante o número de caminhadas. Isso depende, principalmente, das distâncias que medeiam entre a eira e o rastolho, e as distâncias podem ser de dezenas de passos ou de um a três quilómetros.

510As parelhas de muares acarretam por todo o dia, do raiar da aurora ao pôr-do-sol. Entretanto, o gado descansa e come na cavalariça, à hora do almoço, das sete às oito, e bem assim ao meio-dia, pelo espaço de hora e meia a duas horas. De manhã e de tarde, dão mais caminhadas que os bois, se as jornadas não forem muito maiores. O seu passo ligeiro presta-se a menos demoras e de facto reduzem-nas bastante, com manifesta vantagem. Por esta circunstância, a maioria dos lavradores decidiu-se a fazer os acarretos com muares somente. Noutros tempos, via-se o contrário: os bois acarretavam muito e as muares pouco. É que antigamente, as parelhas reduziam-se a um terço das de hoje.

511No rastolho e em marcha – Ainda a manhã não rompe e já os carros estão no rastolho, vindos do monte ou da eira, onde o pessoal pernoitou. Vê-se mal, mas a labuta começa para se aproveitar a maresia (orvalho) da madrugada – a melhor «maré», em que a palha está macia e o «pão» não desbagoa. Tudo está pois a postos: os bois, obedecendo às chamadeiras (varas dos carreteiros); as muares, caminhando de arreata, pela mão dos almocreves.

  • 95 Por ocasião dos acarretos, os ganhões, condutores de carros de bois, tomam a classificação de carre (...)

512Carreteiros e carreiros (95), guiam a jeito de chegarem os carros resvés dos rilheiros, para aí carregarem à vontade. Cada veículo arrima a um rilheiro e cada carregador dispõe-se «à obrigação», auxiliado por seu molheiro. O gado estaciona e estaca, não arredando pé sem que a isso o obriguem. Só se mexe e barafusta, espantando-se por qualquer coisa.

*

513Trepando para o carro, o carregador estende no leito o lençol destinado a recolher o grão que salta das espigas. Depois, do cimo do carro, acena ao molheiro para que principie a servi-lo. O molheiro pronto obedece. De forcado em punho, espeta um dos molhos e alcança-o logo ao carregador, que, por sua vez, o agarra e «aquartela», tomando outro e outros, até acondicionar todos. E então, o molheiro conduz o carro para segundo rilheiro, de onde ambos continuam a carregar, passando a terceiro e quarto, se assim lhes for preciso.

514Durante o carreguio, desatam-se-lhes alguns molhos, o que arrelia os dois homens por terem de atá-los de novo e enredarem-se com isso. Estrugem portanto as pragas aos atadores da acefa e a quem olhava por eles.

*

515Sobre a carrada em preparo, o carregador toma as posições que entende para melhor se desembaraçar. Ora manobra de pé, ora de joelhos e de bruços. De qualquer forma, sujeita-se a desastre sério e sobretudo no fim, no momento crítico em que se empoleira no topo da carrada, para a cerrar e atar. Então, arrisca-se a um boléu formidável ou a espetar-se nos fueiros e furar a pele. Como neste instante o carro desate a rodar sem governo, é quase certo a carrada tombar, o carro partir-se e o carregador estender-se, pelo menos. Se não ficar pior, com os ossos avariados e de tripas ao sol, à beira da sepultura. Felizmente são raros os desastres fatais, porque os acarretos fazem-se, em geral, com muares e bois mansos, experimentados e escolhidos entre os de maior confiança. No entanto, toda a cautela é pouca. Erguer carradas e limpar árvores, constituem serviços perigosos, algo temidos, a que muitos ganhões se escusam por amor às costelas. Outros, querem-nos desempenhar à força, faltando-lhes as aptidões. Não se conhecem...

*

516À medida que os rilheiros desaparecem, as carradas vão subindo e alargando até às pontas dos fueiros – travadouro – onde atingem a largura máxima. Daí para cima começam a recolher e assim vão subindo até fecharem em pirâmide, de três a quatro metros de altura.

517A carrada de bois é sustida por duas cordas de linho ou de cabelo. A primeira – a travadeira – trava os molhos contra os fueiros, na altura do travadouro. A segunda, denominada de inquirir, ou de carregar, sobraça a carrada pelo centro, apertando-a e sujeitando-a de alto a baixo e de lado a lado, para evitar desarranjo e desmancho.

518As carradas de muares dispensam a travadeira, por se erguerem em carros de enfueiraduras mais curtas que os dos bois. Para ficarem seguras, basta a corda de carregar.

*

519O feitio irrepreensível de uma carrada grande exige conhecimentos e destreza que nem todos possuem. Por isso, notam-se carradas pequenas e tortas, entre grandes e correctas, de execução artística e alçado imponente.

  • 96 Este termo de alquitete, adulteração de arquitecto, empregam-no frequentemente os campónios, como s (...)

520Lá no meio do rastolho, na ocasião de se rematarem umas e outras, é da praxe fazerem-se-lhes os comentários. O pessoal puxa, pois, das petacas, e, enquanto cigarreia, os sabichões de fama, com honras de alquitetes (96), miram e remiram o carreguio. E sem ambages nem modéstia, abarrotando mestria, pronunciam o seu parecer. É muitas vezes suspeitíssimo, mas isso não os acanha. Ouçamo-los:

521– Esta, vai à Camões, oh parente!...

522O «parente» responde:

523– Está boa, está... Mas cá a do cura não se lhe agacha... Se a tua é poeta, a minha faz mimoira... Cá o rapaz tem olho e unhas... Salomão não faria melhor...

524Um terceiro, bastante retórico, observa:

525– Ambas estão faias, não há dúvida... E ali a do Malvarisco, tamém se lhe não põe pitafe... A dele e as de vocês, não envergonham, está bem de ver... Mas a minha, desbanca a todas... Vejam onde ela trepa!... Larga a mais não poder... E direita... Direita como um fuso!... Quem é chastre, canta assim!

526– Já eles lhe metem folhagem... –diz a meia voz outro, menos farronca. E prossegue: – Se eu fosse gavazola dava-lhe p’las ventas com a minha... E fazia-os comer abóbora... Mas deixá-los p’raí alanzoar... Obras, quitam palavras!...

527O abegão atalha, observando: Cada um faz o que pode... O que se quer é molhos para cima... muitos molhos... E firmeza nas cordas... Que elas, estão a preceito, quase todas... Só ficou marrana além a do Pencuelhas... Alto será que se não estrampalhe p’ró caminho... O alma do diabo não se mete em brio!...

*

528Os comentários terminam e os carros põem-se em marcha. Antes de marcharem, os bois e as muares esforçam-se um pouco para arrancarem os rodados dos regos da rastolhice. Arrancam-nos, afinal, de uma «avançada» maior e, a seguir, caminham aos solavancos, enquanto vão na lavrada. Dezenas de passos apenas, porque a pouca distância entram no trilhado aberto pelo trânsito e logo adiante na carreteira. Cessa, portanto, a aspereza do piso e os carros passam a rodar melhor. Os almocreves guiam-nos sentados na taleira ou a pé e de arreatas na mão. Os carreteiros dirigem-nos a pé, adiante dos bois, acenando a estes com a competente chamadeira. Os molheiros de todos, seguem «à pata», ou acomodam-se como podem, nas traseiras das carradas. De resto, tudo jornadeia em marcha vagarosa, tendente a acautelar das escabrosidades dos caminhos e da importância das cargas.

  • 97 Aljorges pendentes dos burnis das muares, muito em uso na época dos acarretos.

529Arrastando-se sob o peso enorme que transportam, os carros manchegos rangem aos sons estridentes e doloridos que os denunciam à légua. Há um não sei quê de emocionante nos rangidos amargurados desses anacrónicos veículos, que se acentua mais nitidamente às horas silenciosas da madrugada e do anoitecer. A qualquer hora que seja, posto impressione ouvi-los, agrada vê-los em marcha ronceira, puxados por corpulentos bovinos, quase indiferentes à missão que desempenham, meio escondidos pelo volume gigantesco que arrastam. As carretas e os carros de muares seguem em sossego, ouvindo-se-lhes apenas os aljorges das bestas (97).

530Juntas e parelhas, todas conduzem carradas colossais, pirâmides imponentes, de acabamento arrojado, que ora deslizam pela carreteira, serenas e aprumadas, ora se inclinam e balouçam, ao impulso dos socalcos. E assim transitam até à eira, sempre vistas com interesse, sempre olhadas com atenção. Nelas caminha alfim a messe sazonada da grande cultura cerealífera, prestes a pagar as canseiras de muitos dias, o trabalho de muitos meses!...

*

531Percorrido o trajecto, entra na eira a carraria e desde logo aborda aos rilheiros, para aí descarregar. Carreteiros e molheiros confundem-se e equiparam-se nesses momentos, para, entre todos, despacharem. Enquanto uns sobem aos carros e de lá atiram com molhos, outros aparam-nos e colocam-nos no rilheiro em preparo, que assim cresce e alarga, até se erguer e cerrar. Minutos depois, os carros estão vazios e varridos, o pessoal salta-lhes para cima e a carraria volta ao rastolho, zunindo pela estrada fora, aos topes e solavancos. Os almocreves vão nas horas de estalar, guiando de pé, sobre o leito, como equilibristas garbosos que sabem do ofício...

*

532Fundas por carrada – Para se nortearem em cálculos e previsões, usam os lavradores informar-se do número de carradas de «pão» em rama que lhes produzem as searas, e sobretudo as «folhas» e «tornas» mais em evidência. Sabida a conta das carradas, e conhecidas as condições em que as mesmas se ergueram e «deram», o lavrador conjectura logo do bom ou mau êxito da colheita. Engana-se algumas vezes, mas nem por isso abandona o hábito de inquirir e de avaliar. E porque o hábito está arreigado, pormenorizar-lhe-ei as bases. Assim, a funda ou quantidade de grão contido na palha de uma carrada, depende do volume da mesma, da natureza do cereal, do comprimento da palha e da grada das espigas, que tanto podem estar cheias, como falhas ou sacudidas. No entanto, uma carrada mediana, em carro de muares, cujo «pão» esteja grado, sem muita palha por aí além, atribui-se-lhe, geralmente, o seguinte: em trigo, vinte e cinco decalitros; centeio, vinte e oito; cevada, quarenta; aveia, setenta. As que fundem isto, já dão bem. Que podem dar mais ou menos, compreende-se. Os cálculos falham com frequência, por melhor que se fundamentem.

Precauções contra incêndios

533Sabe-se que as searas, depois de secas, tanto no rastolho, em pé e tombadas, como na eira, em rilheiros e calcadouros, correm o risco de serem destruídas por um incêndio, resultante de descuido involuntário ou propósito de malvadez. Por conseguinte, os lavradores previdentes acautelam-se desse perigo, recorrendo ao seguro, aceirando as eiras e fazendo guardá-las de noite pelo guarda de herdades ou por guarda próprio, ainda vigiado por aquele e até pelo lavrador. Um ou mais cães auxiliam a guardaria.

534Seguros – O das searas, contra o fogo posto ou casual, introduziu-se no concelho de Elvas há coisa de vinte e sete anos. A Companhia Lealdade, do Porto, por via do seu agente Samuel Ferreira Baptista, foi a primeira que os iniciou, segurando em 7 de Junho de 1883 o trigo, cevada e aveia do Sr. David Rodrigues, de Varche. A seguir efectuou outros seguros, e, por sinal, teve de pagar logo parte de um ao Sr. João Miguel Caldeira, então lavrador da herdade das Esquilas, concelho de Monforte.

535Passado pouco tempo, a Companhia Lealdade fundia-se na Tagus, e esta, mantendo antigas normas, não quis continuar o seguro de searas introduzido por aquela. Entretanto, propôs-se a isso a Companhia Confiança Portuense, por intermédio do seu representante em Elvas, Sr. Joaquim Dias Barroso, que realizou imediatamente vários seguros, sendo o primeiro a 25 de Junho de 1883, da folha da herdade das Caldeiras, do falecido lavrador João Carlos da Costa.

536Não obstante a propaganda do Sr. Barroso, os seguros agrícolas efectuados em 1883, foram poucos e o mesmo aconteceu nos dois anos subsequentes. Só aí por 1890 e tantos, se generalizaram e acreditaram. É que as experiências estavam feitas e as vantagens reconhecidas. Factores desta nova e melhor orientação, encontramo-los: primeiro, na seriedade absoluta da Confiança Portuense, que tem pago pontualmente os sinistros por ela garantidos; segundo, na propaganda e concorrência de novas companhias (Internacional, Fomento Agrícola e outras) que espalharam agentes e circulares por toda a parte; terceira, na melhoria de vantagens para os segurados, cujas indemnizações, de 75 % que eram em princípio, passaram a ser totais, sem aumento de prémio. A indemnização integral e a propaganda activíssima dos agentes, foi o que mais influiu para a generalização dos seguros. Quanto ao prémio estipulado, foi e é de oitocentos réis por cada 100$000 réis de valor segurado. Para as searas atravessadas por via férrea ou debulhadas a vapor, acresce o adicional de duzentos réis por cada 100$000 réis, a pretexto de ser maior o perigo de incêndio.

Eiras

  • 98 Veja-se na página 37.
  • 99 O aceiro consiste em uma faixa de terreno limpo contornando toda a eira, na largura de oito a doze (...)

537O local onde se debulha e limpa a seara ou searas de todo e qualquer género, chama-se eira. A superfície ocupada por uma eira varia de área, dimensões e preparo, conforme pormenorizei em outro lugar (98). Eiras circundadas por terrenos de rastolhice ou pastorrais, costumam ser defendidas por um aceiro largo e bem feito, que evite ou dificulte invasões de incêndios (99).

  • 100 Nos rocios contíguos às povoações do Alentejo, há as eiras de servidão comum para os seareiros das (...)

538Para facilitar acarretos, é frequente haver mais de uma eira em cada lavoura grande, funcionando todas simultaneamente ou cada qual por sua vez. Em regra, a eira fica a uns centos de metros do monte para onde se recolhe o grão, ou donde vai a comida destinada ao pessoal (100).

539O sombracho – Junto a cada eira nota-se geralmente um espaçoso sombracho, erguido de propósito no começo de cada Verão, para comodidade da ganharia e dos chegadiços que aparecem. É um choço simples, de giesta ou de piorno, em forma de alpendrada, que se torna singularmente aprazível nas horas de calor. Nele se instala o pote da água, a banca da comida e os tripeços e mochos que servem de assentos. Representa, enfim, um local de descanso, de sombra ventilada e fresca, onde o pessoal come, bebe, fuma e palestra, nas horas vagas do dia, ao abrigo do sol rutilante que dardeja em volta, tisnando rastolhos e pastos. O fresco que se goza no interior do sombracho à hora do meio-dia, contrasta em absoluto com o calor asfixiante que se faz sentir fora, na vastidão imensa dos campos ressequidos.

540Usos – Nas lides das eiras, a quantidade de pessoal ocupado, as horas de trabalho, os salários e outros usos subordinam-se ao processo de debulha que está em execução. E como há vários sistemas de debulha, a cada qual andam adstritos certas praxes e costumes que referirei oportunamente, ao tratar de cada especialidade.

  • 101 Veja-se Alimentação, página 136.

541Em todo o caso, na alimentação do pessoal observa-se tal ou qual uniformidade, quer seja no preparo e qualidade das comidas, quer pelo que respeita às horas e local onde se come (101). Geralmente, come-se no sombracho da eira e por acaso no monte, se o monte fica a poucos passos. Em regra, almoça-se das sete às oito horas e janta-se ao meio-dia. A ceia tem lugar ao escurecer, nas debulhas por máquinas, e mais tarde nas de calcadouros e montões, à antiga. Nas malhas de centeio suprime-se a ceia e, em troca, serve-se a merenda, aí ao sol-posto, ou antes.

542Qualquer que seja o sistema de debulha e trabalhos acessórios, o pessoal pernoita no meio da eira ou em volta, ao relento e à fresca, onde lhe calha melhor. Se o frio aperta, os pernoitantes estendem-se ao abrigo da palha amontoada e nela chegam a envolver-se, à míngua de copa.

  • 102 As eiras chegam curiosos de várias procedências, transeuntes das carreteiras vizinhas, ganadeiros d (...)

543Feição das eiras – Na força das colheitas, quando os serviços se multiplicam é avolumam, a eira torna-se o ponto convergente de todo o movimento da lavoura. A grandeza, disposição e variedade dos rilheiros e das almenaras; a azáfama das debulhas por este ou por aquele processo, senão dois simultaneamente e em separado; os montões de cereais limpos e a medição dos mesmos; as pilhas de sacos cheios, aguardando saída; o barulho e o movimento dos carros, uns a descarregarem molhos, outros a carregarem o grão para o celeiro; o desvio e a remoção da palha por vários sistemas, desde o da baldeação para as almenaras e redes com baldes e panais, até ao enfardamento na compressora mecânica; e outras pequenas coisas que completam aquele movimento afanoso, celebrado e apreciado pelos que estão e pelos que chegam (102), tudo isso enfim, reunido, compõe um cenário interessante, dos mais típicos e notórios da lavoura alentejana.

544A eira nas colheitas é sem dúvida a grande oficina rural, de abençoada laboração. O lavrador assiste-lhe com assiduidade e carinho, coopera nos trabalhos de limpeza, dá ordens a todo o momento e do que vê e ajuiza, fixa impressões várias, algumas tão emocionantes que jamais olvida. Impressões lisonjeiras e óptimas nos anos abundantes; tristes e amargas nos de escassez manifesta. É assim a vida do lavrador e ele o sabe muito bem pelo que a experiência lhe ensina.

Debulhas

  • 103 Pães de centeio.
  • 104 Pequenos lastros de centeio que se malham e limpam excepcionalmente, a fim de se farinar e panifica (...)

545Podem principiar entre Maio e Junho, quando porventura se precisa recolher géneros para rações de gado e fabrico de marrocates (103). Semelhantes apertos, obrigam a debulhas prematuras, restringidas, em todo o caso, a pequenos calcadouros de cevada e a quaisquer machocas (104) de centeio. São colheitas antecipadas, e como tais, por vezes, sofrem contratempos, de chuvas copiosas que prejudicam e empatam o despacho ambicionado. Por isso só se fazem excepcionalmente, por necessidade absoluta.

*

546Como não surja motivo imperioso que apresse ou retarde a faina, as debulhas começam a valer e sem interrupção de maior, na primeira semana de Junho tendo a primazia as favas e a seguir a cevada e o centeio. O trigo entra em cena no mês de Julho e a aveia reserva-se para o fim da época, já em Agosto, no propósito de, entretanto, comerem dela, nos rilheiros, as éguas da debulha, as muares dos acarretos, a besta da água e alguma rês fraca. Os rilheiros de aveia, assim dizimados junto da eira, minguam a olhos vistos, mas o gado engorda a vapor, por comer à farta e à franca. Esta franqueza não se compara com a prodigalidade e desperdício de outros tempos, mas ainda traduz largueza excessiva, sobretudo nas lavouras grandes e antigas, em que se não faz caso de miudezas.

*

547Sistemas de debulha – Usam-se quatro: primeiro, a patas de éguas manadias, em cobra; segundo, por meio de trilhos; terceiro, a mangual, por malha braçal, com homens vigorosos; quarto, à máquina debulhadora, movida a vapor. O primeiro sistema, aplica-se indistintamente a todos os cereais e legumes; o segundo, usou-se muito no trigo, mas já passou à história pelo menos nas eiras de grande movimento; o terceiro, exclusivo para o centeio, também vai estando abandonado, e finalmente, o quarto, o da debulha a vapor, a prevalecer sobre os outros, porque satisfaz à maravilha para todo o género de cereais.

548Calcadouros – Dá-se este nome às unidades de cereal em rama que se depõem no lastro da eira para imediata debulha por éguas ou a trilho. No acto de se estenderem, apresentam a configuração de montões volumosos, que depois baixam e alargam, à maneira que a palha assenta com a debulha.

549Os calcadouros preparam-se a toda a hora que seja preciso, mas estendem-se com mais frequência de manhã cedo. E, ou se fazem de molhos recém-vindos do rastolho, nos sítios em que se tenciona debulhar, ou se compõem com o «pão» que se reserva nos rilheiros e que a braço se conduz ou arremessa para o lastro. De qualquer maneira, aquilo que se vai debulhar é previamente desatado à foice para não embaraçar a debulha.

550Quando por acaso se trata de centeio, os molhos, embora desatados, colocam-se, empinados e unidos, contornando-se uns aos outros, em vez de se estenderem a esmo e a baldão, como se usa no trigo, na cevada, na aveia e nos legumes.

551Com o centeio principia-se por se colocar um molho direito no centro do lastro, e, em volta, vão-se-lhe encostando outros, em posição semelhante, até o calcadouro se arredondar na circunferência que se quer.

552O calcadouro grande, de vinte a trinta carradas, convém ser debulhado por duas cobras de éguas, a trabalharem nele simultaneamente, mas em separado e desencontradas uma da outra. Para os pequenos, de seis a vinte carradas, basta apenas uma cobra, maior ou menor, conforme a quantidade da palha.

553Debulha por éguas – As éguas introduzem-se no calcadouro jungidas em cobra e sobre ele giram aceleradas, em voltas sucessivas, durante horas e horas, até que à força de correrem e pisar conseguem «fazer» a palha, desprender as espigas e debulhar o grão. Mas antes de prosseguirmos em maiores detalhes, retrocedamos um pouco para consignar os preliminares que antecedem a introdução das éguas e bem assim os costumes em voga neste género de debulha.

554Para o trabalho em questão, as éguas são previamente jungidas em linha, depois de se prepararem com ferraduras nos cascos e calças de couro nas quartelas. Sendo muitas, repartem-se em grupos de seis a oito ou dez éguas, e cada grupo desses toma o nome de cobra.

555A cobra, grande ou pequena, apresta-se com uma corda de linho ou de cabelo, e tantos colares de análoga procedência, quantas sejam as éguas a encobrar. À corda (cobralha) prendem os colares, atando-e cada um ao pescoço de sua égua, de modo a ficarem todas presas e encobradas – presas em condições de se poderem soltar facilmente. A seguir, senão antes, é encabrestada a égua de uma das extremidades – égua mansa, sabedora e escolhida a preceito para trabalhar à mão do eguariço. Na extremidade oposta à «da mão», figura a «da ponta», recrutada entre as melhores e mais ligeiras.

556Dentro do calcadouro ou à beira dele, nos momentos de intervalo destinados às voltas do calcadouro por meio de forcados e forquilhas, as éguas mudam-se e alternam-se nos lugares que vinham ocupando. Assim é necessário para haver equidade na execução do trabalho, pois que a debulha fatiga-as muito em determinados lugares e pouco ou nada noutros. Ao passo que a égua «da mão» mal se mexe, por andar vagarosamente num giro reduzidíssimo, a «da ponta», estafa-se na marcha, por contornar a galope a circunferência do calcadouro. As intermediárias, trabalham e fatigam-se menos que a «da ponta» e tanto menos quanto mais se acercam da outra, que fica à mão do eguariço.

557Consequentemente, de vez em quando, mudam-se as dos lugares forçados e violentos para os outros menos custosos e as destes para aqueles. Isto na hipótese de todas estarem em iguais condições de resistência, ou aproximadas, pelo menos. Não estando, as possantes e treinadas ocupam alternadamente a ponta, o centro e imediações e as fracas e velhas substituem-se nos lugares de menos custo – «na mão» e imediações. As poldras primeiriças ou de amansia (de dois e três anos de idade), nunca trabalham «na ponta», nem «na mão». Geralmente, ficam num lugar de exercício moderado, onde se fatiguem pouco.

*

558A debulha por éguas era a preferível antes de se vulgarizarem as debulhadoras a vapor. Só a não usavam os pequenos lavradores e os seareiros que, não possuindo éguas, nem as obtendo de empréstimo ou alugadas, debulhavam, à falta de melhor, com umas bestitas quaisquer, senão recorrendo aos trilhos, como ainda hoje praticam alguns. Afora estes, todos preferiam as éguas, porque elas são, com efeito, os animais de maior préstimo para a debulha de cereais. Hoje mesmo, muitos lavradores continuam a utilizá-las nesse trabalho, que realmente despacham com garbo inexcedível.

  • 105 Ganhões anuais, temporeiros e a dias, de mistura com rapazes de temporada e a jorna. Veja-se Pessoa (...)

559A auxiliar e completar a debulha, ou seja, a cuidar dos calcadouros, estendendo-os, voltando-os e limpando-os, bem como a remover e almenarar a palha, figura nas eiras o pessoal preciso, sob a direcção do abegão ou de quem o represente. Este pessoal compreende homens e rapazes de diversas idades e aptidões (105) incluindo velhos e rapazolas, quase inadmissíveis nas debulhas a vapor e inaceitáveis em absoluto nas malhas braçais. A debulha por éguas e trilhos, é de molde a empregar gente de toda a ordem, desde que seja dirigida por encarregado zeloso e sabedor.

*

560Quando se «agarra e solta» – intervalos – A ganharia «agarra» antes das éguas e «solta» muito depois. De manhã, «agarra» aí ao nascer do sol, tratando logo da baldeação das palhas, do preparo das almenaras, limpezas por concluir da véspera, medições, etc. E simultaneamente, enquanto uns se ocupam nas lidas mencionadas, outros estendem calcadouros ou arneiram trigo. Em poucas palavras, a «família» agarra e solta conforme o adiantamento dos serviços e segundo o vento dá. Soprando do travessio e havendo calcadouros debulhados, aproveita-se a maré, limpando-se a valer e de vontade logo ao amanhecer, durante o dia todo e pela noite fora.

561Para maior despacho, chega-se a reforçar o pessoal com gente de outras ocupações. Se, pelo contrário, o vento é fraco ou nulo, o trabalho começa tarde e acaba cedo, arrastando-se vagaroso e desluzido, com o desânimo característico da calmaria que reina. «Hoje não dá cobiça», dizem os trabalhadores.

*

562Desde que se principia de manhã até à noite, o pessoal descansa duas vezes: das sete às oito, para almoçar, e do meio-dia à uma, para jantar. A ceia, comem-na depois da solta.

*

  • 106 Vão beber onde haja água mais próximo e comem no rilheiro da aveia, por espaço de uma hora a hora e (...)

563A debulha – As éguas entram para o calcadouro das seis às sete da manhã, botam fora ao meio-dia para beberem e comer (106), voltam a debulhar de tarde e soltam-se definitivamente aí às cinco horas. No exercício de debulha, são conduzidas por um homem prático – o eguariço, ordinariamente – que as governa e manobra com um flexível e formidável açoite. O qual açoite zune de vez em quando, ora em estalos estridentes e inofensivos, ora assentando de firme nos quadris das executantes. Elas compreendem o estímulo, dói-lhes, alvoroçam-se e animam-se. De princípio resvalam e afocinham a cada passo por falta de apoio no piso e porque a palha as afunde até à barriga. Mas a pouco e pouco vão-se equilibrando e em breve acertam, quarteando e torneando o calcadouro sem o mínimo atrito, em circunvoluções donairosas, de um rodopio estonteante.

  • 107 Sacode-se para que o grão debulhado caia no lastro e não se embrulhe na palha.

564Com esse revoltear febril, em que o açoite estaleja, pronto se esmaga a palha à superfície e pronto ela se tritura e esmaga, mostrando-se «feita». A seguir, os ganhões dão-lhe volta cautelosa com os forcados, de maneira que a triturada, depois de remexida e sacudida (107) vai para baixo e a de baixo, inteira, vem para cima. Isto, tratando-se de trigo ou de legumes. Se se trata de centeio, cevada ou aveia, a palha à superfície em vez de voltada é extraída ao de leve com as forquilhas e com as forquilhas se põe fora. A que por fim resta, quando a debulha termina, representa uma fracção insignificante que sai ao vento.

565Enquanto os homens dão volta à palha, a cobra continua debulhando, mas num campo restrito, que o pessoal faculta, se pode. Havendo impossibilidade de ambos os serviços prosseguirem a par, as éguas suspendem e aproveita-se-lhes a paragem, mudando-as de lugares. Ou vão entretanto debulhar noutro calcadouro disponível. Depois tornam ao sítio que deixaram e à tarefa que interromperam. E aí, de novo em cena, não esmorecem. Pelo contrário, continuam a correr garbosas e ágeis, a arregaçarem os braços e a mostrarem as ferraduras poídas, brilhando ao sol como se fossem de prata. De longe em longe a velocidade bota-as fora em desmandos de confusão, que remedeiam num instante, por instinto próprio ou porque a isso as obriga o açoite do eguariço.

566Nesses desmandos arrastam palhas e espigas, que os homens recolhem à procedência para evitar desperdícios de efeito desagradável.

*

  • 108 Conforme é o cereal, assim demora a debulha. O que entretém menos é a aveia e a seguir a cevada, os (...)
  • 109 Enquanto as éguas debulham, as crias que lhes pertencem estão encerradas em qualquer curral ou cerc (...)
  • 110 Posto seja difícil calcular sob uma forma genérica qual a porção de cereal que uma égua debulha em (...)

567A debulha prossegue, entrecortada pelas voltas de que a palha carece, até ficar em condições de limpeza ao vento. Fica, afinal, com a palha grossa ou miúda, ao estilo da localidade ou ao capricho do lavrador (108). As éguas retiram então para outro calcadouro ou desencobram de vez, sendo horas de solta. Saem enfim da refrega e saem bastante enxovalhadas, de cabelo sujo e empastado por motivo do pó e do suor. Mas não revelam cansaço, tão alegres se mostram e tanto rincham para as crias (109). Mais tarde, ou logo a seguir, no acto de as desprenderem da cobra, vemo-las de novo radiantes e rinchonas, a darem de mamar às crias e a afagarem-nas com ternura. De vez em quando esquecem os poldritos e tratam de si: sacodem-se das moscas que as perseguem e das sujidades que as afeiam. As moscas, o suor, o pó e as praganas incomodam-nas bastante. Por isso, uma vez em liberdade, todas alçam o rabo e todas se espojam na terra. Daí a nada, éguas e crias, tudo desata a correr e espinotear, em retouça brava, a caminho da água e do rilheiro, para refrescarem o sangue e restaurarem as forças (110). Trabalha oito a dez horas, com ligeiras interrupções.

568Limpeza ao vento – Na maioria dos casos, o calcadouro debulhado passa a imediata limpeza. Só permanece por limpar, à falta de vento ou quando se impõe o despacho de outros atrasados. Também acontece limparem-se dois ao mesmo tempo, mas em separado e com o pessoal diverso, é claro. Um ou quantos sejam, antes de se passarem à forquilha, são previamente ancinhados e varridos da circunferência para o interior, a fim de ocuparem menos campo. Perdem então a forma circular que tinham e adquirem a quadrangular, melhor ou pior delineada.

569Quando um calcadouro ocupa área grande, o abegão traça-o previamente, de norte a sul, dividindo-o em duas metades, para a do lado do poente ser limpa em primeiro lugar.

*

570Em regra, as horas da tarde são as preferidas para os serviços de limpeza. Prefere-se a tarde porque a essas horas há geralmente calcadouros debulhados e porque das três em diante costuma soprar «boa travessia» (vento oeste), circunstância valiosa de singular apreço. O vento travessio, batendo rijo e certeiro, como de ordinário bate nas tardes e noites de Verão, despacha mais e melhor que outro, principalmente que o do suão, o pior de todos, pela sua notória e aborrecível inconstância. Com efeito, o suão ou leste, tanto se faz sentir em rajadas e redemoinhos violentos, que baralham e transtornam os serviços, como se cala de todo, durante horas e dias. Tempo desluzido, horas de calmaria asfixiante, em que as limpezas chegam a interromper-se pela impossibilidade absoluta de prosseguirem. Empates de eiras, para desespero do lavrador e arrelia do abegão. Aos ganhões, agrada-lhes...

*

571De lenços ao pescoço, a livrarem-se das praganas, homens e rapazes, após os preliminares descritos, entram no lastro, colocam-se em linha e dispõem-se a limpar. A limpar deveras, por meio de forquilhas e com a acção do vento, factor imprescindível.

572O abegão ocupa a extrema de onde corre o vento; os ganhões ficam entre ele e o palheireiro – um ganhão qualquer, colocado na outra extrema, de onde desvia a palha que o vento arrasta. Desvia-a de vez, a ficar fora.

  • 111 Vai afastando o grão livre de palha, mas ainda muito sujo com troços, cachos das espigas, bonicos d (...)

573Abegão e ganhões, em posição de atiradores, enchem as forquilhas, atiram-nas ao ar e despedem-lhe o conteúdo, seguindo de norte a sul e vice-versa. E o vento lá abala com a palha, arrastando-a pelos ares, em torvelinhos caprichosos e poeirentos, ao passo que o grão cai no solo, de mistura com os troços de palha e outras impuridades. Por seu turno, o encarregado aventeja com maior desembaraço e preceito. A sua forquilha, de dentadura mais cerrada que a dos outros, enche-se no grão já «aventejado» pelos ganhões. Faz as pelas (111), que assim se diz em fraseologia de eiras.

  • 112 Nas eiras diz-se desempalhagar e não desempalhar.

574Em suma, o grão «aventejado» vai tombando para o lado do vento e a palha segue ao inverso, em rumo aposto. Se porventura ainda cai dentro do calcadouro, de novo a atirarão ao ar, para sair de vez, ou para cair próximo do palheireiro e este a desviar. Assim às avançadas, de norte para sul e de sul para norte, desempalha-se (112) um calcadouro em duas horas ou menos, desde que o vento ajude. Porque sem vento de feição e certeiro, nada de jeito se faz. Em mudando de repente, que bata de caras ou às avessas, com redemoinhos impertinentes, o trabalho transtorna-se, a eira suja-se e os limpadores enfadam-se. Enfadam-se, por não poderem suportar as palhas e a moinha, que lhes flagelam o rosto e lhes martirizam os olhos.

*

  • 113 Cachos chamam-se aos fragmentos das espigas, que no todo ou em parte, escaparam à debulha. Contêm g (...)

575Desempalhagado o calcadouro, varre-se-lhe para dentro os bagos arredios e o mais que se encontra. Tudo varrido em volta, amontoa-se suficientemente para, em montão ou à pela, se limpar a preceito com o auxílio das pás. A palha saiu à forquilha, como ficou dito. Resta separar os cachos (113), os bonicos das éguas, etc.

576O abegão ou outro homem entendido, senão dois, de pá em punho, entram a contas com a tarefa, apedejando o grão e a murraça que o envolve. Em frente dos homens das pás trabalham os dos ancinhos e baleios, três ou quatro pelo menos. Quantos sejam, à medida que os bagos caem no chão, largando nuvens de pó, vão-nos baleando e ancinhando a capricho, extraindo-lhe as impuridades. Tanto trabalham os das pás e os dos ancinhos e baleios que em menos de uma hora o montão está passado e limpo – «Pronto!» – diz o abegão, cravando a pá no montão. E os camaradas imitam-no, largando as ferramentas. Depois, vai de cigarrada e de paleio, sobre a funda do género e da qualidade que aparenta.

*

577O trigo limpo e amontoado vai depois ao crivo ou arneiro para se joeirar das sementes, torrões e pedrinhas, que porventura lhe restem. E quase o mesmo se faz ao centeio com muita areia, o que é inevitável nas eiras térreas, não calçadas. Para esse caso, empregam-se crivos de ciranda, que separam rapidamente o centeio da areia que o suja. Na cevada e na aveia, prescinde-se de arneiros. Conforme ficam da limpeza à pá, assim se mede e ensaca. Dos legumes, arneira-se apenas o grão de bico.

578Malhas – A malha é uma debulha braçal que se aplica ao centeio. Desempenham-na homens robustos e sabedores com o auxílio de manguais. Esteve muito em voga noutros tempos, ainda hoje se vê nas lavouras pequenas, mas virá a acabar depressa, tão pouco se vai usando. Além de razões económicas, mais ou menos discutíveis, determina esse abandono, não só a rapidez e perfeição dos modernos sistemas de debulha, como a falta de braços e a expansão da cultura cerealífera. As colheitas de hoje, pela importância que têm atingido, impõem o abandono de processos morosos, que, a manterem-se, dariam em resultado não se concluírem os serviços na quadra estival, única apropriada.

  • 114 Por mareias designam-se as humidades das orvalhadas e nublados que aparecem frequentemente nas manh (...)

579O período propício para as malhas, limita-se ao mês de Julho e à primeira quinzena de Agosto – a época dos dias quentes, de orvalhadas ligeiras. Dos meados de Agosto em diante as mareias (114) costumam ser grandes e isso não convém para o serviço em questão. Por conseguinte prefere-se debulhar o centeio à máquina e até com éguas. Mas em primeiro lugar opta-se pela debulhadora, que no centeio despacha muitíssimo, contrastando a valer com o ronceirismo dos manguais.

580No entanto, as malhas foram tão usadas outrora e obedeciam a praxes tão originais, que seria indesculpável omiti-las. Eis, pois, esses pormenores, recolhidos, é claro, na região elvense, ou para melhor na zona de Santa Eulália, onde a cultura do centeio é de importância primacial.

*

581De ordinário, o serviço da malha executa-se numa eira de ocasião, melhor ou pior preparada em qualquer vale inculto, «bem lavado da travessia». O pessoal compõe-se de uma «camarada» de oito homens e excepcionalmente de dez ou doze. O essencial é computarem número par. Se for ímpar, o que só acontece por caso de força maior, os malhadores trabalham irregularmente, de má-vontade – malham à cadela, fora das regras que a experiência aconselha. Também está averiguado que oito homens despacham relativamente mais e melhor, que dez ou doze. Nas eiras de searas muito grandes, costumam funcionar duas ou mais «camaradas» de oito homens cada uma, trabalhando em separado ou mesmo juntos, se o total dos homens não excede a dezasseis. E tanto podem pertencer à categoria de «criados anuais», como à de ganhões assoldados ou à de jornaleiros a dias. De qualquer classe de que procedam, todos tomam a classificação transitória de malhadores e todos sabem do ofício, à parte os novatos – aprendizes – um a dois por «camarada».

582Cada grupo ou «camarada» é dirigido por um mandante – o abegão ou o sota, e, no impedimento de ambos, por outro criado anual, de confiança e desembaraço. Se, contra o costume, o pessoal consta de jornaleiros apenas, o que de entre eles «faz cabeça», intitula-se manajeiro e ganha quarenta réis diários a mais que os companheiros. Que isto de um assalariado de ocasião governar malhas, nunca foi vulgar nem vantajoso.

*

583Enquanto que nas eiras de debulhas por éguas se moureja desde o alvorecer até ao pôr-do-dia e mais tarde, nestas exclusivas de malha, agarra-se de dia claro, solta-se cedo, com sol às vezes, e nas horas úteis dão-se intervalos de descanso demorado, aliás indispensáveis à violência do trabalho.

584A malha do centeio é por assim dizer uma empreitada diária, de despacho e rendimento sabido. Pronta a tarefa da praxe, está o jornal ganho, embora sobeje o dia. E sobeja quase sempre. Esta circunstância apreciam-na tanto os serviçais, que por ela preferem a malha a outra ocupação rural de muito menor violência.

  • 115 Um pedaço de pão e queijo ou azeitonas.

585Vai de erguer, ao aclarar do dia. Quem quer, come a cunha (115) e quem pode, fuma um pouco. Os previdentes consertam os manguais, cosem os sapatos e fazem vassouras. Ligeiros entretenimentos, de aproveitar o tempo, até serem horas de trabalho.

  • 116 Palha de centeio que se enfeixa, destina-se a enchimentos de enxergões e albardas para gastos da ca (...)

586Às seis da manhã principia-se. De ordinário principia-se por se almenarar a palha malhada de véspera e de véspera removida para o sítio em que vai ficar. Com forcados e baldes, os malhadores avolumam as almenaras em preparo, erguendo-as assim, dia a dia, metodicamente. Depois, à medida que as vão elevando, penteiam-nas com os ancinhos grandes e batem-lhes com as aguilhadas. Dão-lhes enfim a forma e solidez necessária para escoarem as águas das chuvas e resistirem aos impulsos dos vendavais. Também se usa não se almenarar. Em vez disso, enfarda-se ou enfeixa-se. Se se enfarda, não são os malhadores que enfardam. Mas se se enfeixa, a eles incumbe esse encargo, a essa hora matinal, mediante gratificação ou sem ela. De qualquer maneira, a almenararem ou enfeixarem, demoram pouco tempo (116).

*

  • 117 A camada para oito homens, abrange uma área de 17 a 18 metros de comprimento por 9,5 de largura, ou (...)
  • 118 Por cavalos, subentendem-se as parcelas em que arbitrariamente se divide a camada, a fim de ’se ir (...)

587Aí às sete horas ou antes, conforme «a cara do dia», o mandante suspende a arrumação da palha e trata de estender a camada (117) – o centeio que se propõe malhar até à hora do meio dia. Nesse propósito começa por fazer a cubela – um cordão de palha deposto sobre o lastro da eira, na extrema do nascente, direcção de sul a norte, indicando a extensão a ocupar. Delimitada a cubela, o abegão manda vir molhos dos rilheiros que ladeiam a eira e os ganhões vão-lhos trazendo. O abegão e um auxiliar desatam-nos, desdobram-nos e estendem-nos. Estendem-nos «às fiadas», com as espigas para o lado do nascente em condições de se não emaranharem. Por último, o lastro enche-se e a camada vê-se estendida a capricho, assemelhando-se a uma esteira descomunal, que ali se desenrolasse. Então os malhadores miram-na e remiram-na, exagerando-lhe as dimensões. Para terem que falar, «bramam» que as fiadas são muitas e os cavalos (118) darão que fazer. «Abóbora com esta assorda!... Esta, desbanca à de ontem... E às dos mais dias... Neste caminhar estrampalha-se todo em metade do tempo... Não bonda a jorna ser pouca, senão tirarem-nos a pele!...»

588O mandante não responde. A chiada dos ganhões é da peça e da peça é ele não responder ou responder com «anedotas», ao consoante das que ouviu. Sem fazer caso do que lhe dizem, ele e outros passam a travar a camada, nas suas quatro faces. Travam-na, encostando-lhe um cordão de molhos intactos, ainda por desatar. É precaução da praxe, tendente a amparar a palha na ocasião de ser malhada. Feito isto, os malhadores retiram para o sombracho, onde os aguarda o almoço. Entretanto, o centeio estendido vai aquecendo ao sol, para melhor espirrar, quando os manguais o zurzirem.

*

589Almoçam umas sopas abundantes, tendo por conduto azeitonas ou queijo.

  • 119 Ocupando a extrema da camada que fica ao sul, os malhadores dividem-se em dois grupos de número igu (...)
  • 120 Os que não «acertam» o passo e a pancada do mangual, fazem má companhia e acusam inexperiência ou d (...)

590Após o almoço e as fumadas subsequentes, cada homem pega no seu mangual e todos se dirigem para o sítio da camada. Entram nela, tomam posições (119) e começam a malhar o primeiro cavalo, na direcção de poente a nascente. Começam por uns prelúdios de ensaio, a experimentarem os «paus» e a mostrarem as aptidões. Daí a nada as experiências acabam, o compasso acerta-se e a tareia desenvolve-se, à voz e gesto do mandante. Enquanto os manguais dos de uma das frentes se erguem e revolteiam, os dos da outra frente caem de chofre na palha e nas espigas, zurzindo-as deveras, com acerto e prontidão. A refrega é rija e as pancadas retumbam, num vaivém cadencioso, que faz saltar o grão e tressudar os homens. O sol afogueia-lhes a pele e alaga-lhes o corpo, mas eles, por enquanto, desdenham do calor e do sol como encascados no «ofício» e avezados a ressolanas. Ora malham a pé firme, energicamente, ora avançam a passo, dando exemplo os das pontas (120). Ao cabo de alguns minutos chegam à extrema do nascente, abatem os manguais, tomam fôlego e estacam, por segundos. São momentos de alívio, em que se enxugam de suor, a respirarem ofegantes. É que esta primeira zurza de mangual é das mais forçadas e custosas. É aquela que assenta na palha a descoroar – a batê-la em cheio e com força, quando ela resiste muito, por estar unida e inteira.

591Da descoroação passa-se a nova tareia, indo a efeito do nascente ao poente. E a seguir, chegam-lhe terceira, em rumo oposto ao da segunda. Três sovas tesas no cavalo atingido, rematando a última por um estímulo do abegão, que brada alto: «Forte!», «Forte!» – repetem aos companheiros, obedecendo à voz do chefe. E os manguais de todos, vibram e revolteiam-se nos ares, descarregando pancadas de arromba sobre o colmo do centeio.

592Pronto um cavalo, tratam de outro e outro, até mais não haver. A malha do último traduz um arranco de energia forçada, que seria insustentável se a refrega prosseguisse. De rosto rubro, sangue a escaldar e suor a escorrer-lhes pela camisa à vela, os malhadores não dissimulam o extenuamento que os oprime. Mal acabam saem da camada, atiram ao largo com os manguais e caminham a cambalear para o sombracho. No sombracho entram meio tontos e aí entrados, ei-los a contas com a água do pote, bebendo-a sôfregos, para refrescar a valer os pulmões ressequidos. Com que ansiedade eles emborcam o latão da água e o disputam de mão a mão numa avidez glutona, de sede abrasadora !...

593A água empanturra-os e o cansaço rende-os. Uns assentam-se onde podem, a fumar devagarinho e de viseira carregada; outros estatelam-se no meio do chão, sem forças nem pachorra. E à sombra e à fresca, aproveitam este primeiro intervalo de descanso, indispensável e reparador. É a ferra, como se diz lá nas eiras. Vinte minutos decorridos, a ferra termina e o labor reata-se.

  • 121 A mais festejada é a seguinte: qualquer malhador corpulento, de conluio com outros, introduz-se à s (...)

594Saindo do sombracho arrastados pelo dever, os malhadores destrinçam a palha malhada e desviam-na para fora com os forcados e ancinhos. Depois, dividem-na e amontoam-na em borregos, para a removerem a braços. De cada borrego tomam conta dois homens, que na base lhes introduzem dois manguais, de lado a lado, a servirem de padiola. E com os manguais os levantam e removem para o sítio das almenaras. Os borregos representam montões bojudos, de peso escasso, em relação ao volume. Por isso mesmo, transportam-nos sem custo, quase a correr, dando ensejo a episódios engraçados, se entre os da camarada há tipos estúrdios, amadores de partidas (121).

595Acarretados os borregos, reúne-se a palha que ainda resta malhar – porção diminuta, que, por ter ficado debaixo da outra, não foi batida suficientemente. É portanto batida de novo e com força, numa tareia retumbante – a remalha – que se despacha depressa. Acto contínuo, salta fora o colmo remalhado e a seguir estende-se uma nova camada, semelhante em tudo à que se acabou de despachar. Esta de agora, destina-se à tarefa da tarde, ficando em condições aí ao meio-dia. No entanto, só se malha ao levantar da sesta, das duas horas em diante. Neste meio tempo, o sol aquece-a de firme, para depois se fazer melhor como esvaída que se põe.

*

  • 122 Badana e toucinho com legumes nos dias «de carne», ou sejam: segundas, terças, quartas e quintas. L (...)

596Ao meio-dia os homens jantam no sombracho a clássica olha, com ou sem badana (122). E no sombracho dormem a sesta – hora e meia ou duas horas.

597Nos sábados nunca há sesta. Tanta pressa têm de abalar para a aldeia, a gozar a folga domingueira, que a antecipam de véspera, adiantando o trabalho e aprontando-o muito cedo.

*

  • 123 Ao erguer da sesta, o malhador que «se fica» a dormir, não acudindo à chamada do abegão, arrisca-se (...)
  • 124 Fragmentos de espigas, com pouco ou nenhum grão.
  • 125 Juntam-no em um montão quando os malhadores são oito ou dez. Sendo doze ou dezasseis formam-se dois (...)

598Erguem-se da sesta por entre bocejos e suspiros. E lá vão a malhar, como quem vai para a forca (123). A malha da tarde é idêntica em tudo à outra da manhã, com a correspondente ferra ou intervalo de descanso. Depois da ferra e dos serviços subsequentes, já relatados, baleia-se a espigada (124) e a moinha que ficou sobre o grão. Essa murraça toda, bota-se fora imediatamente com os ancinhos e vasculhos, passando-se logo à última limpeza, a qual compreende o produto da camada da manhã e o do da tarde, ou seja, a funda total do dia. O centeio malhado e sujíssimo, coalha o lastro por completo, mas as pás dos malhadores, desenvolvendo uma poeirada medonha, vão-no atirando ao ar e concentrando-o no solo, a ponto de em poucos minutos o juntarem no meio da eira (125) para o limparem desde logo ao sopro do vento. Basta para isso uma ligeira viração.

  • 126 O sinal, costuma ser um sapato velho, que se coloca em frente do homem da pá, na base do montão, qu (...)

599Com efeito, neste propósito de limpeza geral, o abegão, ou alguém por ele, passa à pá o centeio em montão, enquanto que pela frente outros o baleiam e ancinham das impuridades, à maneira que vai caindo. Ao cabo de meia hora ou menos, a pá descobre o objecto que servia de sinal (126), prova clara de que o montão está passado e o centeio em condições de sair. De sair sem demora, que o lastro tem de ficar varrido e vacantio, para se encher de novo, na manhã imediata. Mede-se pois logo, medida arrapazada, que chegue à «conta da tabela» e até a dar crescenças.

*

  • 127 Antes da medição, os malhadores dizem das suas, sobre o centeio «que tiraram» e a «funda» que dará. (...)

600Mais trapaça menos trapaça, a medição termina e o resultado vê-se (127). Se realmente excede ao ambicionado quarteiro por homem, os malhadores arrotam «franquezas». Se pelo contrário falta, explicam o fracasso por motivos estranhos, imperiosos. O centeio estava sacudido, tinha muita palha, etc. Entretanto, a par dos comentários sobre a funda do dia, o abegão anota a quantidade que acabaram de medir. Os moios são assentes à navalha, que os regista no cabo da pá, abrindo uma mossa grande para cada um. As fracções alqueires, que excede à unidade moios, ou sejam os chamados piques, também o mandante regista pelo mesmo sistema, mas em pau diverso provisoriamente, até comporem um moio. Em se atingindo os sessenta alqueires, o moio dos piques é registado em mossa graúda, no cabo da pá, onde os outros figuram.

  • 128 Merenda de gaspacho ou de batatas cozidas, de azeite e vinagre. Nas sextas e sábados comem sopas de (...)

601Conforme concluem, empilham os sacos cheios, onde não façam estorvo, ou vão despejá-los no montão que juntam no extremo da eira. Mas se calha a jeito de saída imediata, não empilham nem despejam. Em vez disso, os carros arrimam e os homens atiram os sacos para os carros que sem demora carregam, rodando logo ao seu destino. De qualquer forma, a eira desobstrui-se, a faina termina e o dia ganha-se. A merenda aguarda os malhadores no sombracho, e eles apressam-se a ir comê-la (128).

602Merendam à vontade e em sossego, ao pôr-do-sol ou antes, com o apetite vulgar de quem trabalha no campo. Depois fumam e caturram até que a noite avança e o sono chega.

603Rendidos pelo sono, deitam-se por onde encontram abrigo, se o fresco é demasiado. Fazendo calor estiram-se à vontade onde corra o ar. Isto pelo que respeita aos homens maduros e mastaços. Os novos, mal engrolam a merenda, raspam-se à formiga, a caminho da aldeia...

Debulhas à máquina (sua adopção)Usam-se nas eiras de quem possui máquinas e nas de outros lavradores que as alugamContratos de aluguerCaminhadas de umas para outras eiras

  • 129 Ultimamente, estão a adoptar-se também as Clayton pequenas, que a experiência demonstra serem óptim (...)
  • 130 Divergem as opiniões quanto à vantagem de o lavrador ter debulhadoras ou alugá-las. Há quem esteja (...)
  • 131 Da totalidade, salários e comida ocupado numa eira de debulhas a vapor, dir-se-á mais adiante.
  • 132 Para dar saída à palha, se a palha não é imediatamente enfardada por compressora a vapor. Sendo, nã (...)
  • 133 Embora a seara debulhada e limpa vá geralmente da eira para o celeiro, acontece também sair uma ou (...)

604No capítulo Alfaias Agrícolas, páginas 262 a 267 desta obra, pormenorizei a introdução e vulgarização das debulhadoras na região elvense. Como lá digo, a primeira debulha a vapor efectuada nos campos de Elvas e vizinhanças, fez-se no ano de 1879, na herdade da Gromicha, por iniciativa do lavrador Joaquim Lúcio do Couto. Mas isto foi um ensaio passageiro. As debulhadoras só funcionaram eficazmente aí por 1890, quando o governo as adquiriu e as facultou de aluguer aos lavradores, facto que também registei por miúdos no já citado capítulo. Mesmo depois de 1890 a inovação de debulhas à máquina, embora agradasse como novidade, circunscreveu-se apenas a algumas zonas. Só pegou a valer do ano de 1896 em diante. Desde então, em cada nova colheita, vêem-se aumentar os maquinismos de debulha. No último Verão (1911) funcionaram na região elvense vinte e cinco debulhadoras, construídas nas casas Clayton, Ruston, Marshall e Garrett, predominando as Ruston de tipo mediano e as Clayton, grandes (129). Muitas delas, tanto grandes como pequenas, debulham somente as searas dos respectivos donos. Outras, antes ou depois dos donos as utilizarem nas suas eiras, vão debulhar fora nas dos lavradores dos arredores, que não podem ou não querem ter máquinas (130). Estes alugam-nas àqueles, mediante a percentagem de 5 a 6 % sobre o rendimento da debulha e com a cláusula de, o que aluga, fornecer combustível e água. Quanto a pessoal, o dono da máquina paga ao maquinista, ao fogueiro, aos dois alimentadores e a oito ou dez homens auxiliares. Por sua vez, o dono da seara paga aos restantes trabalhadores precisos e dá comida a todos, sem exceptuar o maquinista e o fogueiro (131). Também lhe cumpre facultar uma parelha de muares ou junta de bois para «dar saída» à palha (132), acarretar água e combustível. O acarreto dos cereais em grão para o celeiro corre igualmente por conta do lavrador (133).

*

605As máquinas de aluguer transportam-se para as eiras à custa de quem as aluga. O primeiro lavrador que as utiliza não as devolve à procedência. Em as não precisando, outro as levanta e retira, para por sua vez as empregar em análogas condições. Assim, só o último a aproveitá-las é sobrecarregado com o encargo da recondução ao depósito, se porventura anui a isso.

  • 134 Tão arriscada que em Agosto de 1911 o maioral de mulas Manuel Joaquim Cartucho, guiando nessa posiç (...)

606Nas caminhadas de umas para outras eiras, as debulhadoras e locomóveis vão em separado e cada qual atrelada a parelhas de muares, dirigidas pelos carreiros e acompanhadas de pessoal suficiente para remover os embaraços e entraves ocasionados pelas escabrosidades dos caminhos e por quaisquer percalços que surjam. Embaraços e acidentes vulgares, que se conta com eles e que se previnem a tempo. Os maus caminhos escangalham os maquinismos e estafam o gado que os arrasta. Arrastar, é o termo. As parelhas conduzem pelas carreteiras escalavradas esses maquinismos pesadíssimos, em marchas vagarosas, interrompidas, de vez em quando, por avarias e embaraços, ou de propósito até, para descanso momentâneo. Nas puxadas «de peitos acima», o gado tem de redobrar de esforço, tirando a custo. Por boas que as muares sejam, sempre ofegam e suam nesses arranques, de ladeira arriba, em que espicham o rabo e desacertam o passo. Negariam sem dúvida, se as não animassem os carreiros. Dos carreiros, um, o da parelha do tronco, vai escarranchado na lança, em posição arriscada (134); os outros seguem adiante, cada qual montado numa das muares, da sua respectiva parelha. Nos sítios de mau caminho, põe-se a pé o da parelha da frente, guiando a jeito de a livrar das pedras, a evitar os topes. De pé ou a cavalo, os homens falam às bestas, animam-nas e, por último, chegam-lhe com as arreatas. É recurso extremo, de resultado decisivo. Geralmente, às primeiras arreatadas, as bestas arrancam, vencendo a subida. E se não arrancam, é porque a canga se parte, obrigando a demoras.

  • 135 Quando as debulhadoras se introduziram na região elvense, os trabalhadores rurais ficaram descoroço (...)

607Com o andamento de intervalos enredosos, ou sem embaraços de maior, a caravana atravessa campos e aldeias, dando rumor de si pelo sussurro dos rodados a vozear dos carreiros. «Olhem as mánicas!... aí vêm as mánicas!...» – diz a garotada das terras, bispando o trem de debulha. E à chamada do rapazio, acodem os mirones ociosos e as mulheres «previstas». Todos querem «dar fé» das mánicas, de quem as acompanha, a quem pertencem e para onde vão. As máquinas chegam em breve ao povoado, detêm-se um pouco ou continuam rodando. Entretanto, a gente do povo acompanha-as com os olhares, admira-lhes as engrenagens e aprecia-as a seu modo (135).

  • 136 Maquinistas, fogueiros, alimentadores e abegões.

608Outrora viam-nas mal. E diziam: «Um raio as partisse... que vêm roubar o trabalho ó pobre... Abrasadas fossem todas... Em havendo fogos, elas que os vão apagar... Veremos se os apagam sem lá irem os pobres...» Agora já não lhes rogam pragas nem as lembram para os fogos. Agora encaram-nas bem e reconhecem-lhes a utilidade. Até lhes exageram as vantagens e o despacho, se entre os circunstantes há quem as perceba ou passe por percebê-las. Pessoa que trabalhe nas máquinas em ocupação de destaque (136), quando fala no assunto, reveste-se de uns ares de entendido que o guinda a sabichão.

*

  • 137 Antes de encetarem a debulha, são escrupulosamente alinhadas e niveladas pelo maquinista e fogueiro (...)

609A jornada efectua-se e as máquinas entram enfim na eira, onde as arrimam aos rilheiros que têm de debulhar (137). As parelhas desengatam-se e soltam-se. Soltam-se depressa, por entre os comentários do pessoal sobre os incidentes da viagem e o «poder» dos alimais. Gaba-se a força e a arnela das mulas de coragem e «derrotam-se» as «trapaceiras» e as tanjonas, que destoam da parceirada. Fala-se de todas, mais ou menos, nos poucos minutos que demora a solta do gado até ao seu alojo e arraçoamento na quadra ou no rilheiro. Depois, os homens tratam de si também, indo comer a refeição própria da hora e da ocasião. Homens e animais comem e descansam em sossego, livres de uma jornada ronceira, que estafa as parelhas e enquisila o pessoal. Para evitar estes inconvenientes seria preferível que os motores das máquinas em questão, fossem viadoras potentes e não locomóveis simples. A circunstância das caminheiras se transportarem por si mesmo, comboiando as debulhadoras e sirandões, é de grandíssima vantagem para o lavrador. O lavrador efectua assim facilmente a mudança dos maquinismos, gastando menos tempo do que gasta com a tracção animal, e sem o perigo de arrombar as muares. Mas as viadoras custam um dinheirão, que as torna inacessíveis à maioria dos agricultores. Por isso, só funcionam duas em todo o concelho de Elvas.

  • 138 A locomóvel de sete cavalos dá melhor resultado. A de seis, é insuficiente para as debulhas dos tri (...)

610Debulhadoras grandes e debulhadoras pequenas – Por grandes, classificam-se as de 1,37 m de largura, accionadas por locomóveis de dez a doze cavalos. Por pequenas ou medianas, consideram-se as de 1,07 m, movidas por locomóveis de seis ou sete cavalos (138). Estas introduziram-se há menos tempo e, no entanto, estão a prevalecer sobre as grandes. E porquê? Porque as debulhadoras pequenas custam consideravelmente menos, transportam-se melhor, resistem mais e dão rendimento aproximado do das maiores. As grandes despacham mais, evidentemente. Mas essa diferença não compensa as desvantagens do custo e os embaraços das mudanças. Sobretudo, quando se conta com remoções frequentes, por caminhos escabrosos e longos, E é isso que acontece na maioria dos casos. Por conseguinte, a debulhadora pequena torna-se preferível. Já é, ou será depressa, a máquina típica da região elvense.

O aparelho de debulhaPertences e acessóriosBomba para incêndiosPeças sobresselentes

611Da configuração e aspecto de um aparelho de debulha de cereais, veja-se o que foi dito no parágrafo Debulhadoras, da página 262 a 267. O fagulheiro, mais conhecido por sirandão, deixa de funcionar nas debulhas em que se não tritura a palha, o que só sucede na do centeio.

612Às três máquinas componentes do aparelho, já referidas, há que adicionar os pertences indispensáveis e outros acessórios secundários. Eis a lista dos primeiros:

613Um jogo de correias de volante para os tambores.

614Três lanças para engate das parelhas que puxam as máquinas, ao tronco.

615Dois oleados ou encerados impermeáveis, para cobertura da debulhadora e locomóvel no armazém e em viagens.

616Calços patentes e travões.

617Um jogo de chaves.

618Outro dito de ferramentas miúdas, incluindo as «de foģo» .

619Duas escadas para subir à locomóvel e à debulhadora.

620Tudo isto acompanha o aparelho de debulha comprado em qualquer casa fornecedora. São pertences imprescindíveis, incluídos no custo total das máquinas. Resta enumerar os acessórios, que se adquirem e pagam em separado. São os seguintes:

  • 139 Em alguns contratos de compra de debulhadoras, inclui-se o macaco no custo do aparelho. Noutros, nã (...)

621Um macaco da força de dez toneladas (139).

  • 140 Não é absolutamente necessária a aquisição do torno. Mas convém bastante e por isso usa-se muito.

622Um torno de ferro portátil, apropriado a cravar-se no solo, para funcionar nas eiras, em pequenos consertos de ocasião (140).

623Seis correntes de ferro para tiro das parelhas, que se engatam de reforço a auxiliarem a parelha do tronco nas mudanças e caminhadas.

624Um carrinho de mão para se removerem os sacos que se vão enchendo às bicas da debulhadora.

  • 141 Quem não quer ou não pode usar tinos, remedeia-se com quaisquer outras vasilhas: barris usados, pot (...)

625Dois tinos para depósito de água, de capacidade não inferior a quatrocentos litros cada um (141).

626Um barril ou outra vasilha para depósito da água que aspira a bomba da locomóvel.

627Um balde ou caldeiro com que se atire água para apagar o cinzeiro da fornalha.

  • 142 Arrasto e remoção que se efectua com o auxílio de uma parelha de muares.

628Uma grade-rojão de madeira, com tirantes de corda para arrasto e desvio da palha (142).

  • 143 Em muitas eiras, usam-se sacos em vez de caixote. Os sacos, abotoados pela boca às bicas da debulha (...)

629Um caixote de madeira, em condições de aparar e receber o grão limpo, saído da máquina (143).

630Quatro forquilhas de ferro.

631Quatro alcofas.

632Duas almotolias para os óleos de lubrificação.

633Uma arca de madeira para arrecadação de ferramentas miúdas.

634A par destas coisas e como medida de prevenção de lavrador endinheirado ou cauteloso, vê-se em algumas eiras (poucas por sinal), uma bomba de tirar água com a correspondente mangueira e agulhetas para acudir a incêndios. É precaução de valor, mas não tanto como se pode imaginar. Fogos em eiras alentejanas, mau é que apareçam. Em aparecendo, alastram-se e desenvolvem-se com tal intensidade e rapidez, que se torna dificílimo apagá-los a tempo, com bombas ou sem elas.

*

635Para remediar de pronto as pequenas avarias das máquinas no trabalho das debulhas, há junto das mesmas, ou no armazém respectivo, uma provisão de peças miúdas, sobressalentes, a que se recorre de vez em quando para substituir outras idênticas que se inutilizaram: anilhas e rebites, pentes, facas, ligadores, etc. E conjuntamente, como artigos indispensáveis de grande consumo, costuma haver uma abundante reserva de artigos vários para limpeza da locomóvel: desperdícios de algodão, atilhos, empanque hidráulico, etc.

  • 144 Lenha de sobro, por descortiçar, não convém. O seu emprego é um perigo de incêndio, pelas muitas fa (...)
  • 145 Diz-se que o fogo do carvão de pedra deteriora e gasta muito mais o material da locomóvel do que o (...)

636Combustível – Emprega-se de preferência a lenha de azinho e a cepa de piorno (144), coisas que o lavrador possui quase sempre. E quando as não possua, compra-as aos colegas vizinhos por preços módicos. O carvão de pedra Cardiff, usa-se também à falta de lenha. Mas emprega-se pouco porque sai muito caro (145). O combustível de qualquer espécie representa despesa importante que se avoluma ou reduz conforme a capacidade e o zelo do fogueiro. Aquele que sabe e quer, economiza muitíssimo. O que não sabe ou não faz caso, gasta em excesso.

637Água – Na maioria das eiras, a água para alimentação da locomóvel é outro encargo considerável, embora inferior ao do combustível. Havendo-a próximo – dezenas de metros apenas – empregam-se duas mulheres a acarretarem-na em cântaros. Ficando longe – e muitas vezes fica a oitocentos metros e mais – a sua condução para a eira faz-se numa pipa, em carro de muares ou de bois. Este acarreto entretém, ordinariamente, uma parelha desde manhã até à noite, com pequenos intervalos.

  • 146 Quando por acaso se esgotam as reservas de óleos, vaselinas e as várias peças miúdas necessárias pa (...)

638Óleos e vaselina – Impõe-se uma abastada provisão destes artigos, absolutamente indispensáveis para a lubrificação das máquinas. Além de os haver em porção suficiente junto da debulha, existe reserva em depósito (146). Emprega-se a vaselina amarela e diversos óleos das marcas Shafting (óleo fino), Crank Case (óleo grosso) e outros. A despesa e gasto da vaselina e óleos corre sempre por conta do dono da debulhadora.

Pessoal que empregam as máquinasAtribuições e deveres das diversas entidades

639Um aparelho para debulha de cereais, com debulhadora grande de 1,37 m de largura accionada por locomóvel de dez a doze cavalos, ocupa o seguinte pessoal:

640Um maquinista: trata das máquinas e superentende na debulha. Um fogueiro: cuida da locomóvel e auxilia o maquinista. Dois alimentadores: revezando-se um ao outro de vez em quando, alimentam a debulhadora, metendo-lhe o «pão» em rama às bragadas. Um trabalhador, munido de foice, a cortar os negalhos dos molhos e a arrimar estes ao alimentador. Outro, de forcado em punho, a chegar os molhos ao da foice. Quatro a seis, a desalojarem com forcados os molhos do rilheiro ou montão e a chegá-los ao alcance dos dois antecedentes, que ficam próximos do alimentador. Um, a retirar a moinha, com ancinho; dois, a desviarem a palha e a fazerem os borregos; outros dois ao arrojão ou grade da palha, a ampararem-no, auxiliando a parelha de muares no arrasto dos borregos para o local das almenaras. Dois mais, à boca da máquina: um, a retirar os sacos que se vão enchendo e a pôr os vazios, ou a medir do caixote para os sacos e outro a remover os sacos cheios no carrinho de mão, ou a auxiliar o carreguio para os carros de muares. Total, dezassete a vinte homens, incluindo o abegão, chefe da ganharia que, às vezes, é um dos que mede e ensaca. E ainda há a acrescentar os dois carreiros das parelhas da palha e da água.

  • 147 Pouco pessoal em debulhas a vapor traduz quase sempre uma economia negativa.

641As debulhadoras mais pequenas ocupam quase tanto pessoal como as grandes, excepto no grupo dos homens que desatam e chegam os molhos. Estes costumam ser menos alguns (147).

642Dos dezassete a vinte homens acima mencionados, há que particularizar os seguintes:

  • 148 Saltos de correias, fractura de peças miúdas, qualquer obstáculo, etc.

643Maquinista – É a alma da debulha. Tudo que se relaciona com a instalação e funcionamento dos maquinismos está sob a sua direcção e responsabilidade. Montagens, alinhamentos, nivelações, laboração, repertos, lubrificações, reparos triviais, limpezas, etc., tudo isso lhe pertence executar e dirigir com auxílio do fogueiro, de modo que as máquinas funcionem bem, afinadas em termos, debulhando na perfeição, sem paragens de azar(148), a denunciarem desleixo ou ignorância.

644É igualmente o maquinista que regula as horas do trabalho e do descanso, sendo ele que dá o sinal de apito para a agarra e a solta, bem como o das cigarradas e os de «paragens» repentinas, por motivos de percalços.

645Resumindo: maquinista brioso, que saiba do ofício, não lhe falta que ver e corrigir. E vê de facto, intervindo de vez em quando com notório resultado. A sua oportuna intervenção influi poderosamente no rendimento do aparelho, na perfeição do serviço e na laboração e conservação das máquinas. Seja ele indolente e ignorante e o despacho será pouco, o grão sairá partido e sujo e a debulhadora terá avarias e percalços a toda a hora, como engenhoca velha, sem préstimo nenhum.

646Fogueiro – Além de coadjuvar o maquinista em tudo que possa, sem prejuízo dos seus afazeres próprios, incumbe-lhe levantar-se ao romper da manhã para acender a fornalha e a água aquecer em termos de a locomóvel trabalhar ao nascer do sol ou antes. Cuida pois da locomóvel, alimentando-a, regulando-lhe a pressão, lubrificando-a e limpando-a. Nas horas de paragem, retira-lhe a cinza e os resíduos incombustíveis que pejam a fornalha e o cinzeiro. À tarde, depois da solta, abre-lhe as válvulas e limpa a tubagem e o mais que é preciso. Pelo dia adiante, tanto em plena laboração como nos intervalos, lança água em abundância no cinzeiro e proximidades, para evitar a saída de faúlhas e brasas. Neste particular, o fogueiro tem de ser muito cauteloso. Qualquer descuido ou imprevidência pode originar um incêndio de resultados desastrosos.

  • 149 Comida semelhante à dos ganhões, tendo a mais carne de porco ensacada, todos os dias, e pão de trig (...)
  • 150 A qual ocupação é incumbida temporariamente a outro criado de confiança.

647Salários do maquinista e do fogueiro–outras notas sobre ambos – Quando se implantaram as debulhas a vapor, os maquinistas ganhavam 2$000 réis diários e o fogueiro seiscentos a oitocentos réis, tendo ambos comida por conta do lavrador (149). Hoje ganham menos: o maquinista 1$200 a 1$500 réis e o fogueiro salário semelhante ao dos ganhões ou pouco mais. Os dois continuam a comer à custa do lavrador e à parte da ganharia. Também há lavouras onde o maquinista das debulhas é um criado anual «da pensão» (abegão ou guarda), que no período das eiras deixa a sua ocupação habitual (150) e vai dirigir as máquinas, ganhando por isso uma soldada superior. Ainda é uso pouco visto, mas será por certo o mais corrente, num futuro próximo.

  • 151 Estes beneméritos propagandistas foram os senhores António Filipe de Jesus, conceituadíssimo regent (...)

648Nos primeiros dois anos de debulhas a vapor, os maquinistas e fogueiros respectivos, eram, em geral, homens estranhos à região, vindos dos grandes centros, onde adquiriram habilitações nas escolas oficiais e nas casas fornecedoras de máquinas agrícolas. Mas quase todos revelavam pouca prática e nenhuma vontade de se aperfeiçoarem. Vieram porém dois homens novos, de excepcionais conhecimentos, de reconhecida competência e extraordinariamente devotados à difusão e ensino da mecânica agrícola (151). E com tal empenho e proficiência se dedicaram a esse ensino prático, entre os naturais da região, que o resultado correspondeu, indo além do que se esperava. Os naturais da região, ao cabo de uns três anos de convívio e prática com tão bons mestres, já faziam concorrência aos estranhos e pouco depois não só tomavam conta de todos os aparelhos de debulha das redondezas, como ainda se incumbiam de outros a funcionarem em eiras assaz distantes por esse Alentejo fora. Vila Boim, Barbacena e Santa Eulália, três povoações rurais importantes do concelho de Elvas, dão um contingente de pessoal de primeira ordem para tratar dos aparelhos de debulha e para trabalharem com eles.

649O abegão – Nas debulhas a vapor, o abegão não dá as horas da agarra, nem as da solta. Isso, como já notei, está compreendido nas atribuições do maquinista. Em compensação, o chefe da ganharia toma nota da quantidade de género que se debulha diariamente, habilitando-se a dar conta ao amo, no fim da quinzena e toda a vez que o amo lhe pergunte.

650Como nos outros serviços, o abegão manda nos ganhões, trabalhando entre eles e onde vê mais precisa a sua assistência. Tão depressa está no topo do rilheiro, de ferramenta nas unhas, a atiçar os brios dos que chegam os molhos e os desatam, como vem a baixo, a reparar na saída da moinha, da palha e do grão. Às bicas da debulhadora, ora mede e ensaca, ora incumbe isso a outro homem capaz – o sota, quase sempre. Ele ou o sota, à maneira que os sacos se enchem e saem, vai registando as saídas no contador de madeira, pendente da debulhadora.

  • 152 Como já acentuei noutro lugar, o abegão, em algumas lavouras, acumula as funções de chefe da ganhar (...)

651Também o abegão fiscaliza o trabalho da debulhadora, observando se parte muito ou pouco grão, se sai limpo ou sujo e se vai na palha em percentagem de importância. Neste propósito, não dá ordens ao maquinista, mas comunica-lhe o que vê e o que sente. Se o serviço lhe não agrada, por considerá-lo imperfeito e porco, reclama remédio de pronto para que não haja que dizer e o amo se não queixe. O maquinista atende-o, se pode e sabe. Se não pode ou não sabe, desculpa-se de qualquer maneira. Por sua vez, em calhando, o maquinista trata igualmente de ouvir o abegão, quanto ao desenvolvimento a dar às máquinas e ao apuro da debulha. Se lhe hão-de meter muito ou pouco «pão», se o trigo deve sair seleccionado por classes, como convém que fique a palha, etc. Enfim, os dois entendem-se e combinam-se menos mal. Mas, se por acaso divergem, o abegão participa o facto ao lavrador para que ele providencie. Resumindo: a fiscalização do abegão só é eficaz, se ele tem competência e se o amo lhe dá a autoridade precisa. De contrário, o maquinista faz o que entende e quer, sem se importar com o abegão (152).

  • 153 Chegam-lhe os molhos do rilheiro, ao lado erguido, ou das carradas que se descarregam na ocasião da (...)

652Alimentadores – Como tais se designam os homens que se ocupam exclusivamente em alimentar a debulhadora. São dois sempre, para se revezarem de vez em quando. Vestidos de blusa, com os braços defendidos por braçadeiras de couro e os olhos resguardados por óculos escuros de rede, enquanto um, lá em cima, de cócoras ou de joelhos, braceja constantemente à boca da debulhadora, alimentando-a à farta com os molhos que os ganhões lhe chegam (153), o outro, sentado em baixo no chão, ao abrigo de qualquer sombra, descansa e fuma tranquilamente, a refazer as perdas de energia que esgotou pouco antes. Tem de ser assim, que a labuta de alimentar, árdua e extenuante, é excessiva para um só homem por todo o dia. Dois, alternando, custa-lhes a dar conta, em condições de a debulhadora produzir em abastança e não escassamente, à míngua de mantimento. Alimentar à míngua ou devagar, atrasa o serviço, encarece-o e desacredita o alimentador. Este, se quiser cumprir, tem de manobrar com desembaraço, sem fraquejar. Meio minuto que interrompa ou afrouxe, logo a debulhadora o acusa no seu sussurro oco, de movimentos em vazio. É, pois, um trabalho forçado e fatigante, que só despacham a contento homens moços «de poder».

653Os alimentadores apesar de só trabalharem metade do tempo útil, visto que se revezam um ao outro, ganham um salário de mais sessenta a oitenta réis que os dos outros ganhões. Merecem-no bem.

654Quanto a comida, numas eiras rancham em comum com a ganharia; noutras, separam-nos dos ganhões, para comerem com os das máquinas.

655Despacho da debulhadora – Para o rendimento avultado ou reduzido de uma debulhadora, concorrem factores diversos que, por variáveis e falíveis, desacreditam os melhores cálculos. A debulhadora despacha muito se trabalha sem embaraços, na devida afinação; se não tem paragens extraordinárias de azares e mudanças; se a alimentam com fartura e a preceito e se o «pão» está grado e com pouca palha. Se porém funciona mal, se pára com frequência, se a alimentam pouco, se o grão falta nas espigas, ou se a palha é muita, o rendimento torna-se mesquinho e a debulhadora não dá vantagens. E menos ainda dá, se em vez de um desses contras, se conjugam dois ou mais, como às vezes sucede.

656Assim, admitida tanta hipótese, se porventura se acerta num cálculo desses, é questão de acaso.

657No entanto e como simples aproximação, aí vai uma nota do que em média pode despachar diariamente uma debulhadora grande, das de 1,37 m, bem governada e melhor alimentada, sem azares de maior, em searas de boa funda, que não tenham muita palha:

Trigos moles
Trigos rijos
Centeio
Cevada
Aveia

20 a 25
16 a 20
25 a 30
30 a 35
40 a 45

moios
»
»
»

658As debulhadoras pequenas tiram um bocado menos, mas a diferença não é muito grande.

659As quantidades mínimas acima fixadas, já traduzem um bom rendimento, como média diária para toda a época. As máximas, então devemos considerá-las óptimas, mesmo excepcionais.

660Nos trigos, a debulhadora dá resultados diametralmente opostos de dia para dia e de seara para seara. Em trigos de muitíssima palha, mal grados, o rendimento em grão chega a ser tão escasso, que não vai além de dez moios por dia.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Horas de agarraA debulhadora em acçãoO almoçoEntre o almoço e a «cigarrada» da manhãContinuação da fainaO jantarRefrega da tardeSegunda «cigarrada»Mudanças de máquinasAvariasImpressões diversasAo cair da tardeA soltaQuanto se tirouA ceia ou merendaDepois da ceia

  • 154 Preparados com lenços ao pescoço e os olhos defendidos por óculos fumados, de rede, a preservar das (...)
  • 155 Em linguagem figurada, por vezes faceta, os homens do campo chamam realejo a toda a espécie de maqu (...)
  • 156 Em tais condições de muitas humidades ou chuvas, tem de se interromper a debulha. As máquinas param (...)

661À excepção do fogueiro, que logo ao luzir da manhã acende a fornalha da locomóvel e apita a erguer, todo o pessoal «agarra» ao nascer do sol em ponto. Antes, o maquinista faz silvar a máquina e ao ouvirem-na os da eira, todos acodem à «obrigação», entretanto a locomóvel principia a accionar a debulhadora. Todos a postos e preparados (154), a faina começa, desenvolve-se e intensifica-se. Num instante, homens e máquinas tudo manobra na perfeição, se o realejo (155) não desafina, por qualquer azar ou descuido. A faina das primeiras horas da manhã, com o pessoal refeito pelo descanso da noite, dá em regra um rendimento proporcionalmente maior ao das outras horas do dia, como não haja o senão de a manhã estar muito húmida e o «pão» fazer-se mal (156). Estando a manhã boa, as máquinas na afinação e o pessoal cuidadoso, o aparelho funciona lindamente, numa laboração certeira e metódica, sem trepidações nem percalços.

662No alto da debulhadora, firme no seu posto, o alimentador destaca-se imenso pelo desembaraço que revela e pela foiteza que mostra. Nervoso e decidido, alimenta incessantemente e a preceito, desdobrando os molhos que lhe vêm à mão e atirando-os às braçadas para os batedores em giro, que desde logo os apresam, engolem e esfrangalham, numa velocidade vertiginosa. Nesse persistente redopio, todo o grão salta das espigas e segue os seus trâmites de limpeza. Dos primeiros crivos vai aos alcatruzes e dos alcatruzes corre aos arneiros, indo depois a um crivo rotativo, onde se acaba de limpar e de onde sai logo, afluindo às bicas da máquina e delas correndo de firme para os sacos ou caixote. Por sua vez a palha «faz-se» também e lá vai saindo às lufadas no couce da debulhadora. A palha conforme sai passa ao crivo do fagulheiro, onde o mesmo a separa da moinha e de alguns restos de grão. O fagulheiro agita-a de contínuo até a despejar no chão, sem bagos nem moinha. Do chão a desviam logo dois homens, como também é desviada a moinha respectiva. Ambas as coisas não mais se juntam e antes se afastam por meio de um rojão, que uma parelha arrasta, auxiliada por dois ganhões.

  • 157 Tanto a palha como a moinha ficam amontoadas a centenas de metros da debulhadora, aguardando oportu (...)

663Parelha e homens não cessam de remover a palha e a moinha, arrastando-as em «borregos» volumosos que deixam a distância e em separado, onde não façam estorvo à debulha (157). Assim, todos os que povoam a eira mexem-se e trabalham nos seus respectivos lugares, desde o grupo dos ganhões que do rilheiro servem os molhos ao alimentador, até aos que enchem os sacos e os carregam para os carros.

*

  • 158 Veja-se Alimentação, na pág. 136.

664Às sete da manhã ou às sete e meia, a máquina silva e o pessoal suspende. É a chamada ao almoço, que faz parar tudo. Os homens largam os serviços, tiram os óculos, lavam-se nas vasilhas de água e lá vão a almoçar (158) e descansar no sombracho, até às oito ou oito e meia. Neste meio tempo fala-se do muito ou pouco que a máquina está a tirar e do bom ou mau serviço que ela faz: se parte ou não o trigo; se sai sujo ou limpo, etc. E a propósito há confrontos entre tais e tais debulhadoras e estes ou aqueles maquinistas. Quanto às debulhadoras, uns são pelas claytas (Clayton), outros pelas russas (Ruston) e alguns pelas marsas (Marshall). Dos maquinistas falam conforme a labutação e a queda que têm pela criatura em foco. Do Bragança quase nunca se esquecem por ser o mais antigo e o de maior fama.

*

665Decorrida a hora do almoço, um novo silvo chama a família ao trabalho. A família vai e o trabalho reata-se de pronto, na intensidade que tinha anteriormente. E com afã prossegue até às dez e meia, em que a locomóvel, silva outra vez, anunciando a cigarrada da manhã – um pequeno intervalo de descanso entre o almoço e o jantar. Ao soar o silvo, todos param. Quem quer, fuma no sombracho ou fora. Quem não fuma, descansa apenas. Dez minutos depois, ouve-se de novo o apito, acabando a cigarrada e chamando à refrega. E lá se volta a debulhar com igual empenho e com maior calor. Calor do sol, entenda-se; calor que flagela os homens, escaldando-lhes o sangue, abrasando-lhes as faces. Mas eles aguentam-se a pé firme, no cumprimento do dever. Estão avezados ao sol e o sol não os vence.

*

666Chega a hora do meio-dia e a locomóvel apita, chamando ao jantar. A seguir cessa o labor das máquinas, dos homens e do gado. O gado vai para o rilheiro da aveia ou para a cavalariça do monte, a comer a ração. Os homens, abandonam o aparelho da debulha, sacodem-se do pó e da moinha, lavam-se nos tinos da água e, em contínuo, vão para o sombracho a fazerem hora ao jantar. Nesta altura o sol dardeja raios de fogo, que ferem a vista e abrasam a terra. No sombracho há uma sombra preciosa, que todos aproveitam.

*

  • 159 Veja-se Alimentação, na pág. 136.

667Dentro do sombracho, enquanto os ganhões se sentam nas tripeças ou burros que ladeiam a banca – o abegão vai despejando a olha da asada de cobre para os alguidares de barro que tem à mão. Tantos alguidares, quantos os precisos para figurarem na banca, ao alcance do pessoal. O abegão enche-os, coloca-os na mesa e toma o seu lugar à cabeceira da banca. Desde logo, todos os da ganharia migam pão de centeio para o caldo da olha, até mais não caber. O abegão suspende e diz: «Com Jesus!...» É como se dissesse: «Vamos a isto...» Os comensais assim o compreendem, abordando às sopas e ao cozido, depois de amolecerem as sopas no caldo que as embebe. Comem devagar e em sossego, muito de espaço, a aproveitar-lhes a comida. Se entram bem nas sopas e nos legumes, melhor se atiram à bóia e à morcela, senão à badana que por acaso apanham (159). Comem à franca e à vontade, sem vislumbres de fastio, como quem não sofre do estômago nem de achaques semelhantes. Quem trabalha bem, é de razão comer muito. E eles trabalham a valer, como poucos. Não há melhores trabalhadores em todo o Alentejo...

*

668À parte da ganharia, o maquinista e o fogueiro jantam de uma marmita a sua olha de legumes, algo melhor que a dos ganhões. Mete mais carne e acompanha-a o pão de trigo.

*

669Depois do jantar dormem a sesta. Jantar e sesta entretêm hora e meia a duas horas. Maquinista zeloso só demora o indispensável para se comer à franca e dormir-se um pouco. Em lhe parecendo, levanta-se e faz ouvir o apito. É a chamada à tarefa da tarde, a que os da ganharia respondem erguendo-se e espreguiçando-se. Mas lá vão todos para os seus lugares em redor do aparelho, ou em volta da debulhadora. Não vão muito alegres, mas vão dispostos a cumprir.

*

670A debulha a vapor nas primeiras horas da tarde, vai a efeito como a das últimas da manhã, isto é, sob a acção sufocante de um calor intensíssimo. O calor facilita o preparo da palha e a debulha do grão. Mas abate a energia dos homens, que apesar de grande não é de todo insensível à aspereza do clima nessas horas tórridas de temperatura africana.

*

  • 160 O pessoal descansa e fuma quando se vê que o reparo da avaria demora pouco, um quarto de hora, por (...)
  • 161 Para evitar mudanças frequentes, convém levantar rilheiros grandes e largos, em grupos de dois, par (...)

671Ao meio da tarde dá-se a segunda cigarrada, igual ou semelhante à outra da manhã. A propósito de cigarradas, cabe aqui um parêntesis. Tanto a da manhã como a da tarde, só têm lugar nos dias em que não há enredos de paragens forçadas por motivo de avarias ou por mudança de máquinas de um rilheiro para outro. Nos dias em que há enredos desses, as cigarradas suprimem-se ambas ou uma pelo menos. Nem são precisas. Se se trata de avaria, desde que o aparelho suspende até que o reparo se efectua e as máquinas voltam a funcionar, o pessoal descansa, fuma à vontade e diz o que entende, a propósito ou despropósito do caso (160). Com as mudanças de rilheiro para rilheiro acontece quase o mesmo. Posto se façam a braços, a pouco e pouco, aos empurrões e força de toda a gente da eira, no final, essa gente disfruta a compensação do seu trabalho excepcional. Enquanto o maquinista nivela e afina o aparelho na sua nova instalação, os da ganharia, pelo menos, fumam e folgam o seu pedaço, maior ou menor conforme a demora do conserto. Interrupções extraordinárias, sempre atrasam a debulha, ocasionando descansos maiores que os das cigarradas. Mas tem de ser assim. As mudanças impõem-se nas eiras de grandes debulhas, com muitos rilheiros (161). As avarias também se contam com elas. E verdade, verdade, apesar de previstas, toda a vez que aparecem, arreliam bastante o maquinista e o lavrador. Sobretudo quando acusam rombo grosso, ou se repetem a miúde, o que é vulgar nos aparelhos velhos ou escangalhados. Com chavecos desses, há dias de tanta macaca que a toda a hora surgem paragens de azar: agora é porque se quebrou um pente dos corta-palhas; logo, amolga-se outro; mais tarde, salta a correia do volante; caldeia-se um bronze; a locomóvel não toma água ; os arneiros escangalham-se, etc.

*

672Do meio da tarde em diante, o aparelho de debulha continua a laborar quanto pode, melhor ou pior, segundo as circunstâncias. Se as circunstâncias favorecem numa conjugação de factores propícios, torna-se atraente observar o trabalho acelerado das máquinas e a saída do cereal. Ao cair da tarde já o «gentio» trabalha de melhor gana, livre do calor abafadiço que o tortura e quebranta na maior crescença do dia. À tardinha o calor é bem menor, e, em regra, muito atenuado pelo vento Oeste – a aprazível travessia, que reanima e enrija. O ambiente melhora, os corpos refrescam e a eira anima-se ao influxo dessa aragem agradabilíssima, certeira e persistente. Assim, a refrega da debulha e dos acarretos, prossegue mais intensa e vivaz, sobretudo a dos acarretos para os celeiros, que se efectua de preferência a esta hora. Carros a chegarem e carros a saírem, engatados a boas parelhas, rodando ligeiros e ruidosos em caminhadas repetidas e apressadas. Por outro lado nota-se igualmente a chegada de vários curiosos, ganadeiros de rebanhos a pastarem ali perto, ou criaturas estranhas à casa. Chegadiços diversos, que vêm dar o seu passeio a ver as máquinas, a observar as debulhas, a saber das fundas, a pedirem palha, ou somente a falarem com este ou aquele da sua camada, senão com todos, incluindo o lavrador. Que falem ou não, os da eira mal os ouvem e entendem. Entregues ao trabalho, sob a vigilância dos mandantes, ao trabalho se aplicam com afã, tanto mais animados quanto mais refresca a tarde e mais se aproxima a solta. E a locomóvel lá continua a accionar a debulhadora, que prossegue laborando metódica, a debulhar o grão e a «fazer» a palha, num sussurro continuado e inconfundível.

*

673Ao sol-posto, a locomóvel silva de espaço e pela última vez, anunciando a solta. Ao som do apito, enquanto as máquinas vão afrouxando lentamente até pararem, os ganhões e os alimentadores largam o trabalho, tiram os óculos, sacodem-se das palhas e lavam-se nos tinos. Ao mesmo tempo desengatam as muares da palha e da água, para irem comer e descansar. A trabalharem em volta do aparelho, continuam por minutos os dirigentes da debulha e seus ajudas: o maquinista e o fogueiro, a tratarem das máquinas; o abegão e o sota a ultimarem a medição, o ensaque e o carreguio, se porventura adrega haver carreguio para os carros. Haja ou não, tudo se despacha de pronto, concluindo a lida pela anotação dos moios ou sacos que a debulhadora tirou em todo o dia e pelo assento dos moios saídos para o celeiro. Dos primeiros, toma nota o abegão e o maquinista; dos segundos, só os regista o abegão. De ordinário, à anotação do que se tirou, assistem o lavrador (sempre que está na eira), alguns trabalhadores e os chegadiços curiosos, que privam com os «cabeças». Então repetem-se os comentários da praxe sobre a funda da seara e o trabalho do dia. Pisa-se e repisa-se o que já foi dito, mas não importa. As apreciações sobre a seara e a debulha são tema obrigatório do cavaco à solta e às refeições.

*

  • 162 A refeição do sol-posto, tanto lhe chamam ceia como merenda. É conforme calha.

674A final, o abegão conclui os afazeres da eira e aos das máquinas acontece outro tanto. Consequentemente, um e outros voltam as costas à eira e vão até ao sombracho, a tratar da merenda (162). Merenda para eles e para os da ganharia, que os aguardam impacientes.

675Instantes depois, ganhões e «governos» merendam o gaspacho do estilo, batatas de azeite e vinagre, ou sopas de leite. É conforme o dia da semana e os usos da casa. Seja o que for, comem quanto querem e dizem quanto sentem. Em comendo saem para fora do sombracho a gozarem à vontade o fresco da noite, em serão de dichotes e brincadeiras. Brincadeiras de jogos e de forças, entremeados de partidas aos pacóvios. «Armam-nas» os estúrdios, muito dados a judiarias. Com isso riem e retouçam, até que se enfadam e sossegam. Depois, deitam-se ao relento, por- aqui e acolá, pela eira fora, à luz da lua ou das estrelas. E todos dormem tranquilos, a sono solto, restaurando energias de que tanto carecem. Tudo repousa enfim na eira, à excepção do guarda, que anda num vaivém constante, seguido do seu apreciável companheiro – o cão fiel e «sentido», que nada lhe escapa, ladrando furioso à menor desconfiança...

*

676Os montões nas eiras – a enxuga ao sol – Tanto nas debulhas por éguas como nas que se efectuam à máquina e até nas das malhas, os cereais debulhados são, por via de regra, medidos e ensacados de vez no sítio em que se limparam, seguindo depois em carros para os celeiros ou caminho-de-ferro. Mas em muitas ocasiões, procede-se de outra forma. O grão medido e ensacado, em vez de sair para o seu definitivo destino, é apenas removido para um local próximo, dentro da eira, onde se despeja dos sacos e onde se vai acumulando em montão ou montões, que dia a dia aumentam de volume. Cada montão desses, chega a representar dezenas de moios, assim expostos à soalheira durante dias e dias.

677Por dois motivos se explica este uso: ou porque o vagar dos carros é pouco para acarretos distantes, que se podem adiar, preferindo-se outros mais imperiosos, como os da seara em rama, ou porque estando o grão húmido, precisa de sol e de ar até se pôr enxuto e ressequido. Nem em condições opostas se deve enceleirar, sob pena de fermentações desastrosas, que mal se remedeiam. Trigos, centeio, cevada e aveia, tudo precisa enxugar bem, antes de se recolher. E as cevadas mais que os outros géneros. Por enxutas que pareçam, é de boa prudência pô-las ao sol por muitos dias, a apanharem as ressolanas de Julho ou de Agosto, como preservativo eficaz contra a ponilha e o gorgulho.

678Medições – Fazem-se com o decalitro quadrado e ainda às vezes com o antigo alqueire, desde que se não trate de vendas ou pagamentos. Nos cereais, quer se empregue a medida decimal, quer se adopte o velho alqueire o uso corrente no termo de Elvas é medir-se «de raso», sem exceptuar a aveia, que noutras regiões vai de cogulo. Nos legumes, usam-se os dois sistemas, prevalecendo o de cogulo no alqueire e o de raso no decalitro.

679Há muitos modos de medir. Quem sabe a valer, mede como quer e entende. Quem não sabe ou sabe pouco, mede sem uniformidade nem consciência, descambando, geralmente, para medição avantajada, prejudicial a quem vende. Os medidores de profissão, sabem tanto «da arte» que tornam a medida escassa ou farta, segundo as intenções com que medem. Aquilo neles é elástico feito na perfeição, com toda a limpeza aparente. É questão de mais ou menos endróminas na maneira de rasarem com o pau e nas pancadas à medida, no acto de a encherem e voltarem.

*

  • 163 Medida «de bigote», consiste em encher bem a medida, sem o pau a arrasar de todo, antes pelo contrá (...)
  • 164 É o caso das medições nas malhas de centeio, em que os malhadores pretendem demonstrar que «tiraram (...)

680Nas eiras, quando apenas se trata de géneros a remover para os celeiros da casa, a medição respectiva faz-se sem preocupações de rigorosa legalidade. Conforme o propósito a que se visa, assim vai. Mede-se por qualquer das seguintes formas: medida «franca», a nunca dar quebra, antes crescença; medida «de bigote» (163), assaz avantajada, para dar muita crescença; medida arrapazada, metendo pouco, para fazer número de medidas e avultar a «funda» do dia ou a grandeza do montão (164). Medida direita, «de pau e ferro», a preceito de não dar «quebras» nem «crescenças», é raríssimo fazer-se. Resumindo: a medição dos cereais presta-se a trapaças de toda a ordem, que mais se avolumam com um medidor habilidoso, falho de escrúpulos. Por isso vai-se abandonando o sistema de vendas «à medida» e adoptando-se o de «a peso», que é, sem dúvida, mais racional e menos adaptável a tramóias.

*

(Não foi encontrado o original que se referia, a esta parte do capítulo)

  • 165 Por talha, entende-se uma unidade de trinta alqueires ou meio moio. O antigo alqueire do termo de E (...)
  • 166 Os sacos dos lavradores costumam ser pequenos e estreitos, de capacidade para oito decalitros ou po (...)

...onde os empilham ou despejam. Se se trata de carreguio imediato para os carros, os carreiros ajudam, e, a propósito, vão falando sobre a «atada» dos sacos e do peso que lhes notam. E o medidor continua a medir e a contar alto, desde o número um a vinte e nove (sendo alqueirão a medida) ou de um a trinta e nove, na hipótese de medir com o decalitro. No primeiro caso, ao ver que vai em trinta, em vez de dizer: «Trinta!...», diz alto: «Talhas, uma...» (ou as que são). No segundo (tratando-se do decalitro), abstém-se de gritar: «Quarenta!...» para dizer forte: «Talhas, tantas!...» Por outras palavras, em lugar de contar as medidas até perfazer um moio de sessenta alqueires ou oitenta decalitros (165), conta somente até meio moio e a essa quantidade chama talha. Era assim antes, invariavelmente. Na actualidade, nem sempre se conta assim. Hoje em dia, vai-se abandonando a unidade talha e adoptando-se a de sacos. O medidor, em vez de contar até trinta alqueires ou quarenta decalitros, restringe o conto ao número de medidas que despeja em cada saco. E em todos bota quantidade fixa, igual : seis alqueires ou oito decalitros, nas medições para sacaria do lavrador com destino ao celeiro; dez decalitros, nos sacos fornecidos pelos negociantes, quando se medem cereais a conduzir para o caminho-de-ferro (166). Estes últimos não vão cheios mas pesam bastante, sobretudo os que levam trigo. Sacos com trigo a dez decalitros cada um, fazem mau cabelo aos ganhões e carreiros que lhes passam pelas costas. Nessas ocasiões dizem eles com razão: «Se quem o merca lhe passasse pelos lombos, não mandava enchê-los tanto...»

  • 167 Trigo ou centeio. Da cevada e da aveia não se quer saber tanto. O que escapa à debulha e à limpeza, (...)
  • 168 No termo de Campo Maior, chamam gransas ao’s fragmentos das espigas conhecidas por cachos no concel (...)
  • 169 Espigada, nas eiras de malhas em centeio, equivale a cachos nas eiras dos trigos.

681O apuramento final – no levante da eira «cachos e varreduras» – Aí pelos meados de Agosto, as debulhas estão de resto, prontas ou quase. Mal se aprontam, trata-se do «levante da eira», que é como quem diz, do aproveitamento do grão (167), que escapou à debulha ou à limpeza. Escapa sempre, mais ou menos, conforme os cuidados do pessoal, o processo e a execução da debulha, a preparação da eira, etc. Assim, neste propósito de aproveitamento radical, a moinha dos trigos debulhados à máquina, passa-se ao vento e desse trabalho resulta apurar-se quase todo o grão escapado à limpeza primitiva. Os cachos (fragmentos de espigas) (168) que saem ao ancinho quando se limpam os montões das debulhas por éguas, são afinal debulhados juntos no fim da época, dando origem a um derradeiro calcadouro. Antigamente o trigo apurado deste calcadouro era, em geral, aplicado ao fabrico do pão caseiro da lavoura. Da debulha do centeio por éguas ou a manguais, retira-se e junta-se uma considerável porção de espigada (169) «por fazer» ou «mal feita» que é por último repisada ou batida de novo, dando ainda um rendimento de apreço. Enfim, dos assentos dos rilheiros e das varreduras finais da eira, também se recolhe tanto ou mais grão, que da espigada e dos cachos. A limpeza simultânea dos «cachos e varreduras», constitui o derradeiro serviço das eiras dos trigos e do centeio. É em geral serviço de um dia, que se faz a rigor e escrúpulo, para se aproveitar quanto possível, o que tanto custa a criar. É neste aproveitamento cuidadoso que se funda a conhecida locução popular alentejana: Fulano, ganhou tanto, fora «cachos e varreduras».

  • 170 Por borregos denominam-se os montões grandes de palha que se juntam nas eiras para se removerem log (...)

682Palhas – Conforme saem «feitas» das máquinas, dos calcadouros ou das camadas, assim se desviam da eira para onde não causem estorvo e onde se possam amontoar provisoriamente, em condições de se almenararem ou prensarem à vontade. Se o desvio é curto, de alguns metros apenas, faz-se à forquilha. Se pelo contrário tem de ficar a distância, há que juntar a palha em montões e removê-la por meio de rojão e cordas, puxados por bois ou muares. Este uso é próprio das debulhas a vapor, em que se impõe o afastamento das palhas para sítio mais afastado do que o usado nas debulhas por éguas. A palha do centeio malhado, também sai da eira, acumulada em borregos (170), que os próprios malhadores removem, como já pormenorizei noutro lugar.

*

  • 171 Almenaras grandes ou pequenas que se levantam nos arredores das eiras e nas cercanias dos montes.

683A granel, conforme saem das debulhas, ou em fardos, as palhas são recolhidas em almenaras (171) e palheiros, para assim se conservarem até sairem para o consumo da lavoura ou exigências do mercado. A almenaração a granel ou em fardos, é feita pelos ganhões, a pouco e pouco, durante a temporada das debulhas ou no remate das mesmas, indo então de fio a pavio, sem levantes de maior. Como quer que seja, o feitio e cobertura (asseteamento) das almenaras, é confiado ao risco e direcção de um homem entendido que as faça e asseteie em condições de se destacarem pela sua execução de aprumo, altura e revestimento. Revestimento espesso de piorno ou colmo, colocado a preceito, sem lhe faltar o cordão tecido a pouca altura da base e o cerradouro em cima, no fecho. Têm de ficar assim acauteladas, para se defenderem um pouco das investidas dos pardais que as acometem e deterioram no Inverno. Os pardais tanto investem e esgravatam no tapume das almenaras que lá conseguem introduzir-se entre o colmo e a palha, para aí comerem e nidificarem. E hibernam lá aos bandos, dando ensejo a que os apanhem ao candeio, à rede e a tiro.

*

684Antigamente ninguém prensava palha. Esta, conforme saía dos calcadouros, mais ou menos «feita» assim a granel se transportava e arrecadava. O transporte a distâncias era e é neste caso efectuado por meio de carros armados de grandes redes de junça ou de linho. As quais, desde o cimo da enfueiradura do carro onde «abotoam», até em baixo, ao fundo da «bolsa», a quase rojar pelo chão, uma vez calcadas e cheias, compunham e compõem carradas gigantescas, de um bojo tal, que chegam a pejar as vias públicas por onde transitam. Carradas aparentemente enormes, de grande volume, mas de pouco peso, relativamente. Este sistema de condução, que ainda subsiste (para as palhas a granel, entende-se), é moroso, incomodativo e caro. O moderno sistema de fardos, prensada, reduz bastante o volume da palha, dando margem a carradas de mais fácil carreguio, com muito maior peso e quantidade de palha.

685Se não houvesse enfardamentos nem prensagens, seria economicamente impossível transportar as palhas em caminho-de-ferro, na escala e vantagens com que hoje se transportam. A granel, não dava a conta e por isso pouco ou nenhuma se exportava dantes.

*

  • 172 Isto no caso de todo o aparelho ser bem dirigido e bem servido por pessoal sabedor. Com gente madra (...)

686Aí por 1875 é que na região elvense principiou a usar-se o enfardamento das palhas, que se destinavam à venda e saída pelo caminho-de-ferro. Enfardamento deficientíssimo por meio de sacas que se enchiam de palha e depois se ligavam com cintas de ferro, apertando-as uma prensa de madeira muito rudimentar. Este processo acabou de todo, ao fim de poucos anos, substituindo-o com vantagens outros sistemas de fardos comprimidos por boas compressoras, algumas movidas a gado e outras a vapor – a grande maioria delas, sem dúvida. A enfardadeira a vapor é, de facto, a mais perfeita, mais potente e de maior rendimento – trezentos e oitenta a quinhentos fardos diários, com o peso de trinta a trinta e quatro quilos cada um (172). Qualquer que seja o sistema de prensagem, a palha entra a granel para a caixa da enfardadeira e em resultado da pressão que sofre, sai de lá mecanicamente em fardos comprimidos, duros como pedras e amparados por três arames que os seguram de lado a lado em todo o comprimento. Na palha do centeio, há quem empregue dois arames em vez de três. Mas isso é uma economia negativa que prejudica a perfeição da enfardagem.

687É sabido que as palhas tinham noutros tempos, um valor diminuto, apesar de se colherem menos e bem menos do que se colhem hoje. Como o seu consumo se restringia quase exclusivamente às necessidades locais, os sobejos eram em geral avultados, crescendo de ano para ano, sobretudo nas zonas em que predominam bastante as culturas cerealíferas. Tantas palhas sobejavam antigamente por essas herdades fora, falta de exportação, que as de menos valor ou mais antigas era vulgar reduzirem-se a estrumes, depois de removidas para baixios húmidos, onde iam curtindo, a pouco e pouco. A algumas, como as de centeio, deitava-se-lhe fogo nas próprias almenaras ou eram previamente espalhadas nos alqueives e aí se queimavam no fim do Verão. E as de boa qualidade que fazia pena transformar em estrume ou cinzas, compunham avultadíssimos depósitos, que permaneciam intactos anos e anos.

688Na actualidade e por via de regra, o valor das palhas é bastante superior ao dos tempos antigos, apesar de hoje em dia haver colheitas em muito maior quantidade. O preço, porém, varia imensíssimo de ano para ano, descendo bastante nas boas colheitas e subindo muito nos anos escassos, de grandes estiagens, no Inverno e Primavera. Hoje, como ontem, a palha é um artigo que o lavrador sempre franqueia com singular generosidade. Cara ou barata que esteja, o lavrador de boamente a dá, às muitas pessoas pobres que lha pedem pelo ano adiante e sobretudo na ocasião da colheita. Almocreves, pequenos carvoeiros, vendedores ambulantes, donos de estalagens, burriqueiros, ciganos, ganadeiros, toda a gente pobre, enfim, que dispõe de umas bestitas quaisquer, todos pedem e obtêm palha dos lavradores dos sítios, compadre, amigo ou padrinho. Em geral, a dádiva varia somente na quantidade. Com a palha sucede o que se passa com a chamiça nos «matos». Em a havendo, é do estilo dar-se aos pobres que a pedem. São usos velhos, quase patriarcais, dos poucos que ainda restam.

*

689A almenaração e arrecadação das palhas, é, repito, o derradeiro serviço das colheitas cerealíferas. Aí fica, pois, referido nos seus detalhes de vulto, como já antes deixei pormenorizado, todos os outros que se dispensam ao preparo, cultura e recolhimento das searas, principal riqueza do Alentejo. Grão e palha, demandam serviços demorados, dispendiosos e constantes. Desde o primeiro «ferro» do alqueive até ao levante das eiras – um período de dezoito meses – quantos cuidados, quantos entraves, quantos desenganos!... E tudo isso o lavrador suporta, sem desalento de maior, posto se queixe a toda a hora dos contratempos que sofre a cada passo. Mas queixa-se por se queixar, por desabafo, por ouvir dizer que a lágrima é livre. Habituado aos reveses da vida, o lavrador experimenta-os e aceita-os como ossos do ofício – sofrimentos ingénitos da sua rude profissão, cujos azares e bafejos ele bem sabe que resultam principalmente de causas superiores à vontade humana. Se num ano avesso e mau, colhe pouco ou nada, outro lhe virá propício e abundante suprir as faltas daquele. E com isso se conforma. Com efeito, a vida do lavrador gasta-se num ciclo de esperanças lisonjeiras, alimentadas por uma fé arreigada que nunca o abandona.

*

690Searas «a quarto» – searas de obrigação – searas de favor – O capítulo Searas ainda não está concluído. Falta decerto pouco para a sua conclusão; mas esse pouco tem importância. E porque a tem, não ficará no olvido. Assim, após a referência e descrição das grandes searas pertencentes aos lavradores, há que aludir às pequenas e pequeníssimas dos criados da lavoura, dos seareiros e ainda por acaso de uma ou outra criatura estranha que a alcança por favor ou recompensa.

Notes

1 Sobre o alargamento das culturas cerealíferas, eis o que escreve o Sr. Anselmo de Andrade, na p. 25 do seu notabilíssimo livro Portugal Económico:
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
«Deduz-se dos factos apontados que no decénio findo se deu ao amanho das terras sensível desenvolvimento, tendo sido acrescentada a superfície cultivável e reduzida, consequentemente, a sua parte inculta. As provas indirectas, que serviram de permissos a esta conclusão são confirmadas pelo que mais directamente se tem intentado averiguar. Dos cálculos a que mandou proceder o Sr. Augusto José da Cunha, sendo ministro das Obras Públicas, resultam apreciáveis diferenças em alguns distritos, onde as suas ordens foram começadas a executar. Na província do Alentejo, onde por cálculos anteriores se contavam 57 % de terras incultas, aparece agora essa percentagem reduzida a 50 % aproximadamente, o que representa uma nova superfície cultivada de 100 a 120 mil hectares.»
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
Vê-se, portanto, pelas notas transcritas, que no último decénio as terras incultas do Alentejo ficaram reduzidas a 30 %, ao passo que anteriormente calculava-se subirem a 57 %. Mas isto, é claro, refere-se a toda a província.
No distrito de Portalegre a superfície dos chamados terrenos incultos é sensivelmente inferior a 50 % e talvez até 30 %. O acrescentamento da área cultivável, nos últimos dez anos, também se nota em maior escala do que a de 7 % calculada ao geral de toda a província.

2 Por invernadouros entende-se as pastagens de pousio, guardadas desde Abril até Setembro ou Outubro, para de Outubro em diante se largarem ao gado vacum e cavalar. As boiadas costumam entrar primeiro para tirarem a flor, isto é, para aproveitarem os melhores pastos, ou os mais apetitosos.
Por coutadas, no caso em questão, consideram-se as terras de rastolhice, guardadas às «águas novas», em Setembro ou Outubro, para se largarem aos rebanhos de gado vacum, cavalar e caprino, quando tenham boa pastagem, de Fevereiro ou Março em diante.

3 Toda a gente que acompanha de perto o progresso e a expansão de cultura cerealifera no Alentejo, está convencida de que, a continuar-se assim, dentro em pouco o País produzirá trigo para o seu consumo. Recursos não faltam. Quem duvidar, leia as seguintes reflexões do Sr. Anselmo de Andrade, insertas na p. 35 do Portugal Económico:
«Com as provadas aptidões da região transtagana e de uma parte da Estremadura para a produção de cereais, e em duas províncias, onde as terras incultas cotadas abaixo das altitudes improdutivas são extensíssimas, não é, por certo, uma utopia de economista esperar um aumento de produção nacional, equivalente pelo menos ao nosso défice de cereais.»

4 Os preços convidativos que a tabela oficial garante ao lavrador, devem-se, em grande parte, à poderosíssima e constante interferência da Real Associação Central da Agricultura Portuguesa, sempre pronta e incansável na defesa dos legítimos interesses da lavoura nacional. Foi ela que em 1888 levantou o brado de veemente protesto contra o abandono que então sofria a agricultura pátria, a estrebuchar agonizante, pela concorrência afrontosa dos trigos estrangeiros. Foi a Real Associação que nesses tempos angu’stiosos convocou os memoráveis congressos agrícolas de 1888 e de 1889, que fizeram ressurgir e levantar a agricultura portuguesa. Foi também por iniciativa dos seus principais dirigentes que se fundou o saudoso jornal agrícola – A Época – um campeão denodado, que galhardamente batalhou em prol das reivindicações da lavoura nacional, cujos interesses estavam sendo espezinhados pelos omnipotentes moageiros e assaz obliterados pelos governantes. Foi uma guerra santa, em que afinal triunfou a verdade e a justiça. Os frutos aí se estão vendo e recolhendo, com indiscutível vantagem para o progresso e riqueza da Nação.
Cumpre, pois, não esquecer a gratidão e reconhecimento que todos os lavradores devem à Real Associação Central da Agricultura Portuguesa, e não menos aos cavalheiros que a têm representado. De entre estes já alguns dormem o sono eterno, como o Dr. Carlos Pinto Coelho, Visconde de Coruche, D. José de Saldanha, Conde de Ficalho, Leonardo Torres, etc.
Neste livro, consagrado a assuntos agrícolas, são inteiramente cabidas estas referências e considerações, que não encerram nenhuma novidade, mas que traduzem um preito de justiça.

5 Os monturos, como se usa dizer nas escrituras de arrendamento.

6 A teoria, aliás velhíssima, de que a queima das rastolhices fertiliza o solo é aceite por todos os lavradores, mas, posta em prática, nem sempre dá resultado satisfatório. A cinza dos rastolhos compõe uma camada tão ténue, que as mais das vezes é arrastada pelos ventos, antes que o arado a misture na terra. Por isso há quem prefira lavrar as rastolhices sem as queimar.
Os que assim praticam são de parecer que a terra fica mais beneficiada com os detritos dos rastolhos que o arado lhe mistura e envolve, do que ficaria com os escassos resíduos de fogos passageiros.
O Sr. António Pires, nas Notas Agrícolas, observa que o costume das queimadas no Alentejo acha-se entre os Fullah, o que prova a sua origem primitiva. E acrescenta: «Diz Gustave d’Eichthall, citando Leander: Este progresso da indústria pastoral reagiu, felizmente, sobre a agricultura dos Fullah; cada ano, antes das sementeiras, arrancam e queimam as más ervas e depois misturam as cinzas com o estrume, que têm em abundância.»

7 Como se vê, alternam-se as culturas variando as espécies de sementes. É uso antiquíssimo, cujas vantagens são demonstradas cientificamente pelos agrónomos.

8 O lavrador sabe de há muito pelas lições da experiência que a cultura dos legumes tem a vantagem de beneficiar as terras para a produção de cereais.

9 A charrua emprega-se quase exclusivamente no primeiro «ferro» ou lavrada do alqueive. Chama-se alqueive ao conjunto das lavradas preparatórias que precedem a sementeira, como se explica noutro lugar.

10 Nas lavouras importantes só por excepção muito rara se empregam outros animais, como vacas, cavalos, éguas e jumentos. As vacas ainda se vêem lavrar em searas de charepe humilde. Os seareiros de poucos recursos também chegam a servir-se de jumentos. Mal lhes vai quando chegam a esse extremo de penúria.

11 Os novilhos que estão a receber ensino no trabalho do arado. Cada um costuma trabalhar com um boi velho e pacato, que lhe serve de amparo e madrinha.

12 As juntas do abegão, boeiros e sota diferençam-se por serem as melhores e mais emparceiradas. Em geral, também se distinguem por trazerem esquilões em bons arreios e corneiras largas com rabadas de boi pendentes das pontas.

13 Excepto para os ganhões apeireiros, de carácter permanente, que têm também o direito de escolher juntas para si, mas somente depois de escolherem os governos, e como compensação do encargo que os sobrecarregam.
Por apeireiros designam-se os ganhões que transportam apeiros das juntas do abegão e dos boieiros, tanto de manhã cedo, do monte para os arados, como à tarde, à solta, idos arados para o monte. A pensão de apeireiro ou é incumbida a determinados ganhões, que a desempenham todo’s os dias, a troco de escolherem juntas, como acontece em algumas zonas, ou por escala a dois ganhões, em cada dia, sem direito de escolherem juntas, regulando-se a escala pelos lugares que os homens ocupam à mesa ou na píscola. Este último sistema é o mais seguido. Se na lavoura trabalham filho ou filhos do lavrador como antigamente era vulgaríssimo na temporada da sementeira, estes também têm apeireiros com usos e encargos análogos aos do abegão e aos dos boieiros.

14 Estes comentários sobre incerteza de horas eram frequentes ainda há poucos anos, mas hoje já são raríssimos ou talvez mesmo nunca se ouçam, pelo motivo de a maioria dos ganhões já usarem relógio de algibeira e saberem às quantas andam. O relógio e as indicações que dele tomam impedem que o abegão aproveite os nublados para lhes tirar alguns minutos de descanso.

15 Parando e encostando a aguilhada ao rabanejo com a ponta inclinada para cima.

16 Ao arado ou ao trabalho.

17 A ração varia em quantidade e qualidade por razões de ordem económica e outras que seria prolixo especificar. Usa-se farinha de centeio, de chícharos, de cevada, de sêmea das fábricas de moagem, da aveia em grão, etc. Nos últimos dois anos, a escassez e a carestia das farinhas e das sêmeas concorreu para que também se consumam bagaços de sementes oleaginosas, fornecidos por casas de Lisboa. Duas quintas partes do coconote, uma de mendobi, outra de coco e outra de linhaça, tudo misturado na proporção referida, compõe uma alimentação bovina de primeiríssima ordem, sob o ponto de vista económico e nutritivo.

18 Neste caso, a água é previamente conduzida para o local da merenda numa barrica grande, montada em carro, tirado por parelha de muares.

19 Nas lavouras de poucos arados, a água para consumo da ganharia é conduzida às costas, em barrica, pelo ganhão, que por escala serve de aguadeiro do dia. Em sendo preciso, o ganhão mete a junta para dentro da lavrada, pára-a aí e larga-a, a fim de ir à fonte ou ao poço mais próximo. No regresso coloca a barrica próxima da píscola e volta a lavrar. As lavouras maiores entretêm aguadeiro permanente (velho ou rapaz), que transporta a água em besta munida de cangalhas com barricas ou cântaros. Nas vagaturas, o aguadeiro ocupa-se em serviços conexos de pouca monta, como cortar lobas a enxadão, cuidar de ferramentas, etc.

20 Pachouchadas. Palavrões algo obscenos.

21 Na região agrícola de que trata esta obra, o termo relva tem duas significações. Primeira : para designar as terras que se queimam de rastolhice, a fim de se lavrarem e semearem em seguida. Segunda: o primeiro «ferro» do alqueive, seja em que terra e época for. Nunca se emprega como sinónimo de prados ou ervas em pousio.

22 Regos largos e fundos, como já disse.

23 Prolóquio antigo, a significar que a lavoura de revolta é sempre vantajosa, mesmo sendo mal feita. Por análoga razão também se afirma que o «ferro» do atalho é bom, inda que seja com um ramalho.

24 Aguço, como fácilmente se percebe, limita-se a um reparo simplicíssimo no bico do ferro. Anvwnho, traduz o empalme de um terso de ferro, ou menos, substituindo-lhe a parte deteriorada por outra nova, batida e caldeada no restante. Remonte, significa conserto radical, maior que nenhum.

25 As ferramentas encontra-as num dado sítio, a poucos passos, onde o abegão as colocou ou mandou colocar. A madeira, como arados e timões, está no monte, na cabana do carpinteiro, se o monte fica muito próximo. Estando distanciado, em que não seja muito, há provisão dela nos carros das mulas que acompanham a lavoura. Onde quer que esteja, perto ou longe, aí tem de ir buscá-la ás costas o ganhão que a necessita para a sua enteichadura. Vai de vontade, demora quanto pode e escolhe a que lhe agrada, como o deixem. Quanto a aivecas costuma sempre haver reserva, junto da lavoura.

26 Do amanho, é modo de dizer. Porque, afinal, o abegão limita-se a substituir as peças partidas por outras novas ou reparadas pelo carpinteiro. O outro, o chefe da lavoura, apenas procede ao encaixe e montagem dos timoes nos arados, ou vice-versa, e a oposição das aivecas. Não obstante tem de trabalhar com a enxó, o escopro e a verruma. A verruma para abrir os buracos por onde mete os pregos das aivecas; o escopro e a enxó, para acertar os encaixes da enteichadura.
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
Muitos ganhões gostam de consertar os seus arados para o que, julgando-se aptos, pedem licença ao abegão, que lha concede ou recusa, segundo o seu critério. Nunca se devia consentir em tal, principalmente aos inexperientes ou madraços. Pouco práticos nesse serviço demoram muito a fazê-lo e de ordinário fica mal feito. Resultado: o amanho dura pouco, e, como consequência, lá tem de ir afinal o abegão ou o sota proceder a ’segundo reparo, que não seria preciso se o primeiro ficassse bom.
O amanho dos arados por serviçais que não sejam governos, so muito excepcionalmente se deve consentir a algum ganhão jeitoso, que pela sua reconhecida tendência valha a pena admitir-se.

27 A igual castigo fica sujeito se, enquanto trata de soltar o arado, deixa cair a aguilhada ou a abandona, em vez de a encostar ao peito, de ponto para o ar e pá na terra, como é da praxe. Que semelhantes castigos – diga-se em abono da verdade – quase nunca são aplicados. Em geral fala-se neles a pretexto de troçar dos delinquentes.

28 A arrilhada.

29 Os dias feriados.

30 Sobre o almoço e pormenores correlativos, veja-se o artigo Alimentação, na pág. 136.

31 O toque dos búzios de madrugada, ao sol posto e à noite, antes e depois da ceia, é um costume que se usa principalmente na freguesia de Santa Eulália e arredores. Mas usa-se apenas no tempo da sementeira, até à véspera do dia de Santos.

32 A copa consta de jaqueta, capote, safões, pelico e tapa-cu. Os apeiros representam o correame com que prendem as juntas ao arado.

33 Apeirar significa pôr na canga e cangalhos o apeiro, as corneiras e as brochas, isto é, todo o correame com que os bois se prendem e sujeitam à canga.
A enteichadura dos boieiros é apeirada pelo ganhão que lhes serve de apeireiro.

34 Em determinadas zonas, a prisão dos bois à canga obedece a praxe de cada boi alternar de lugar em cada dia, para não serem erreiros – para se habituarem a lavrar do lado direito e do esquerdo. Assim, o que hoje fica à direita amanhã passa para a esquerda e o da esquerda para a direita. Como indicação, à solta de cada tarde, a canga fica encostada ao timão, com as pontas dos cangalhos voltadas para o lado oposto ao que ficou na tarde anterior. O lado indicado pelas pontas dos cangalhos é o que primeiro se preenche com o boi correspondente.

35 Começa, se entende que são horas de começar. Sendo cedo, não enrega em seguida à agarra, mas passado tempo. Entretanto, persiste o cavaco.

36 A este respeito veja-se o conteúdo do parágrafo Horas de agarra, na pág. 290.

37 Sobre as baias das mulheres aos homens, leia-se o artigo Mulheres, na pág. 111. Os homens só dão baias às mulheres quando andam a lavrar. Noutros quaisquer serviços são inadmissíveis.

38 Para os bois descansarem.

39 Falcas de pão com sobejos da ceia ou da merenda, como queijo, toucinho, etc.

40 Trouxe para o caso o sistema da lavoura de revezo e não o de singelo, porque o uso do revezo é essencialmente alentejano. Do de singelo, que também se está adoptando muito, encontra o leitor suficientes referências no artigo Nas merendas ao meio-dia, na pág. 292, e noutro com a epígrafe Singelos e revezos, na pág. 293.

41 O boieiro chama seu ao novilho que traz de amansia, não porque seja propriedade dele, mas por pertencer à junta com que lavra. Os ganhões também dizem: «Os meus bois, a minha junta, o meu novilho, etc.» É uso geral.

42 No capitulo Gados e na parte respeitante ao gado vacum.

43 Sobre a merenda ou refeição do meio-dia, vejam-se os pormenores insertos no capítulo Alimentação, na pág. 136, e também o parágrafo Nas merendas ao meio-dia, na pág. 139.
Quando as lavouras funcionam próximo das aldeias, as mulheres dos que lavram usam ir aos arados, de cestos e panelas à cabeça, com a olha, a fim de jantarem com os maridos e filhos. Os homens comem assim à sua custa, mas recebem do abegão os marrocates e o queijo que lheis pertence. Este costume igualmente se observa nos domingos em que se lavra. E então as mulheres não se prendem com distâncias. Vão onde os maridos estejam até à longitude de seis quilómetros. Vejam-se as págs. 151 a 224 – Costumes dos Campónios.

44 Por loiça, neste caso, entende-se os chocalhos, esquilões e esquilas.

45 Sobre apeireiros, veja a nota da pág. 249.

46 Os ganhões só vão em carros, da lavoura para o monte e vice-versa, quando a distância é grande. E ainda nestas circunstâncias, é necessário que o amo assim o ordene, ou que o maioral das mulas consinta, se o lavrador não dá instruções neste sentido. Dando-as, cumprem-se, seja em que sentido for.

47 Veja-se a pág. 40, do artigo A vida nos montes e o parágrafo Ceia, nas págs. 140 e 141.

48 A casinha dos ganhões, nas noites do Outono e do Inverno, torna-se o ponto de reunião da criadagem rústica. Em convívio alegre passa-se o serão com palestras , diversíssimas e em pagodeiras estúrdias, como ficou consignado nas págs. 32 ‘ e 33, do parágrafo Casinha dos ganhões, e como tenciono pormenorizar, sob outra forma, em artigo próprio, que inserirei mais adiante.

49 Os carreiros dormem na cavalariça das mulas para tratarem as parelhas. Antes de recolherem definitivamente, vão aviar-se de rações para o gado, indo o maioral receber ordens do amo, como este resida no monte. Vejam-se os artigos Cavalariços, na pág. 32; A vida nos montes, na pág. 40; Maioral das mulas e carreiros, nas págs. 95 e 96.

50 A casinha chamada do abegão é exclusiva deste e do sota. Veja-se a pág. 35.

51 As terras próprias para grãos-de-bico e chícharos, na grande maioria dos caso’s têm apenas algumas moitas de piorno ou carapeteiros. São estas moitas que geralmente ficam por cortar, em obediência a uma antiga costumeira. Segundo a tradição, os grãos-de-bico e chícharos semeados em terra desmoitada do piorno melam Com maior facilidade, produzindo pouco e mal. É uma superstição infundada, que os factos e a experiência desmentem.

52 Vai à meia cabeça, como também se diz.

53 Em todo o Alto Alentejo, a esteva é mais conhecida pelo nome de xara. Diz-se mais xara e xaral, do que esteva e esteval.

54 Antes de se queimarem as rastolhices, aceiram-se os extremos confinantes com pastagens em perigo, e bem assim os pés das árvores existentes no terreno a queimar. Desta maneira, ressalvam-se as pastagens e o arvoredo.

55 Na época do Verão há quem adopte o sistema de mudar os bardos das ovelhas de dois em dois dias. O gado permanece então poucas horas no encerro, os estercos valem menos e, portanto, reputa-se insuficiente a estrumada de uma só noite.

56 O gado lanígero, na Primavera, sai do bardo depois das nove horas da manhã, não só por ter comida em abundância no campo, que depressa o satisfaz, mas, principalmente, para não comer as ervas humedecidas pela maresia ou orvalhada.
É crença geral que a apascentação dos lanígeros, de manhã, enquanto há geada ou maresia, predispõe as reses à doença da vasquilha.

57 Costume da freguesia de Santa Eulália.

58 O ribeiro semeia-se geralmente na Primavera e só excepcionalmente no Inverno.

59 O trigo branco, posto que seja mole, no mercado é pago como rijo e assim está sendo classificado geralmente.

60 Antigamente, até há coisa de sessenta anos, a sementeira começava sempre ao sábado, por ser dia de Nossa Senhora, cuja protecção se invocava para o bom êxito da seara.

61 Como preceito de economia rural, é ponto assente que «levantes» de arados, de um sítio para outro distante, quantos menos melhor.

62 Chamam-se belgas, às faixas de terreno, de seis a sete metros de largura, em que se reparte a torna. São indispensáveis para evitar enganos ou lacunas de vulto, o que, apesar de tudo, nem sempre se consegue. É frequente ficarem espaços por semear, como consequência de descuidos ou pressas. A marcação das belgas é representada por regos superficialíssimos, abertos pela jangada ou aradinho de uma besta guiada pelo embelgador. Este, traça as belgas na direcção dada à lavoura, que vem atrás enterrando a semente.
Os bons semeadores, de braço, com alcance, preferem belgas largas, que lhes consintam manejar à vontade.

63 Nos dias de ventaneiras, o semeador caminha paralelamente com o rego de onde o vento sopra, desviado uns dois terços do rego oposto. Se o vento bate de caras ou de costas, esteja rijo ou brando, marcha pelo centro da belga, semeando com igualdade para a direita e para a esquerda,

64 Deitando mais ou menos semente, segundo a terra «pede».
é princípio aceite que a terra, seja como for, carece de menos semente no começo do Outono, do que no fim, assim como precisa mais nas antevésperas da Primavera do que depois, de meados de Março em diante.

65 Os ganhões motejam do semeador que se deixa alcançar pelos arados. Trocam-no impiedosamente.

66 No Outono, compreende-se. Na Primavera dá-se o inverso. Quanto mais tarde, menos semente.

67 Como preservativo contra a ferrugem, o trigo ribeiro semeado até meados de Março é previamente sulfatado pela forma que se pratica com os outros trigos e a aveia. Para a sementeira do trigo ribeiro serôdio, efectuada dos fins de Março em diante, prescinde-se da sulfatagem. Entende-se que nessa altura já não corre o perigo de enferrujar.

68 Maiores estragos causariam se os passareiros os não caçassem, como caçam. É considerável a quantidade de pássaros que eles apanham nas semeadas, por meio de «costelas» e outras armadilhas. Dezenas de homens vivem disso durante o Outono e Inverno, obtendo assim bom salário. Em dois ou três dias consecutivos apanham os pássaros e em reunindo porção de jeito, vão vendê-los às dúzias aos mercados da cidade.

69 As valas, sanjas e sangradeiras, costumam ser feitas de empreitada, por homens do Douro e da Beira Alta, conhecidos por valadeiros, que de propósito vêm ao Alentejo. Entretêm-se por cá nesses trabalhos, desde Novembro até Fevereiro. Veja-se na página 109.

70 Nos adágios referentes à agricultura encontram-se noções de valor para se ajuizar com aproximação dos factores meteorológicos que concorrem para um bom ano cerealífero. Consignarei aqui os mais frisantes, incluindo os que referi já, no decurso da narrativa. Ei-los:
Água-novas, verdadeiras, pelo S. Miguel as primeiras.
Mal vai a Portugal, quando há três cheias antes do Natal.
«O Natal, na rua ; a Páscoa, em casa.» Infelizmente para os lavradores, quase sempre sucede o inverso: pelo Natal, chove e tem de se estar em casa ; pela Páscoa, faz sol e apetece frequentar a rua.
Em Janeiro, sobe ao outeiro: se o vires luzir, põe-te a rir; se verdejar, desata a chorar.
A nódoa de Janeiro, não tira o ano inteiro.
Águas em Janeiro, nem bom prado, nem bom palheiro.
Fevereiro, afogou a mãe no ribeiro.
Fevereiro quente, traz o diabo no ventre.
Se as «candeios» choram, vai o Inverno fora ; se riem, está o Inverno para vir.
Março, marçagão: de manhã, dia bonito; à tarde, cara de cão.
Ramos chorados, ramos melhorados.
Abril, águas mil, coadas por um candil.
Maio pardo e ventoso, faz o ano formoso.
A água das trovoadas, cria muitas ribeiradas.
Uma boa gravançada, está no couce de uma trovoada.
Á guas no S. João, tiram vinho, azeite e pão.
A última parte deste adágio poderia bater certo, em tempos idos, quando se não usava a cultura dos tremeses. Hoje dá em falso, como já observei noutro lugar.

71 Sobre as estiagens prolongadas, que estragam completamente as searas, veja-se o parágrafo «Uma seca em Abril», das Notas & impressões insertas mais adiante.

72 O «pôr-do-sol encoberto», por entre nuvens grossas e escuras, é sinal de chuva. Pondo-se limpo, ou por entre nuvens rosadas, transparentes, dá indício de tempo estio.

73 Descarda, chamam-lhes em Campo Maior e arredores. Creio que o termo provém de, naquela zona, se mondarem cardos em quantidade muito superior à de outras plantas.

74 Notas agrícolas, do Sr. A. Pires, insertas no jornal «O Elvense».

75 Nos barros de Elvas e nas proximidades de Campo Maior, também muitos rapazes se empregam nas mondas, de mistura com as mulheres. E até homens velhos, ’se escasseiam outros trabalhos agrícolas.

76 Ao entrarem para uma seara assaz crescida, as mondadeiras acautelam-se previamente ligando as salas às pernas, em forma de calçonates. Os calçonates põem-nas em condições de pouco molestarem o «pão» com as saias, o que nunca conseguiriam sem essa precaução. Assim mesmo, quantos pés de trigo se não tombam e enleiam por descuidos inevitáveis e pela espessura e pujança da vegetação.

77 Grande parte das ervas miúdas não têm classificação específica. Conhecem-se pela classificação comum de ervas de févera.

78 Tengarrilhas, chamam-lhe em Campo Maior.

79 Há dois recursos para se evitar que a seara tombe e acame logo no cedo, em estado de erva, antes de encanar. E posto ambos tenham os seus perigos e inconvenientes, dão resultado óptimo, algumas vezes. Um dos recursos consiste em meter gado na seara para lhe comerem o folhedo em excesso e recuarem-na. Neste propósito, o lavrador aventura-se a introduzir-lhe um rebanho de gado miúdo (cabras ou borregos) ou meia dúzia de reses bovinas magras. E por lá deixa andar os animais a roçarem aquilo, enquanto lhe parece que não estragam deveras. O outro meio é despontar a seara à foice, cortando-lhe só as pontas do marafonho, com o cuidado preciso, o que se torna dispendioso e demorado. Mas talvez isso seja preferível do que meter reses na «folha». O gado sempre espezinha e não roça apenas o «pão» forte, mais arriscado a tombar. Pelo contrário, come onde lhe apetece, sem poupar o fraco, nem «castigar» no forte. Até se diz que o gado agarra-se de preferência à parte da seara menos desenvolvida.
Como quer que seja, por meio da foice, ou a dente de reses, pode conseguir-se o que se pretende, não se abusando e havendo a sorte de chover depois, após o desponte. Se porém a seara ficar recuada ou arasada em demasia e não lhe chover a tempo de renovar e reverdecer em termos, o resultado então é desastroso, muito pior do que seria se não houvesse tal lembrança.

80 As grandes geadas, acompanhadas de vento nordeste, nas noites de Fevereiro, Março e Abril crestam com tal intensidade os centeios espigados e em «chora», que chegam a perder-se «folhas» inteiras.

81 Nos chamados anos bons, há sempre, por excepçao, searas más, embora poucas. Como nos anos ruins, também excepcionalmente se criam searas boas, ainda que em número reduzidíssimo.

82 O escaravelho ou escaravelhão do centeio, tem as dimensões de um feijão-frade e é revestido de pêlos claros. Aparece quando as espigas entram em grada. Naquelas em que pousa, rói-a’s no todo ou em parte.

83 O escaravelhão e o cornilhão são prenúncios de colheitas abundantes, porque os anos em que mais aparecem, são justamente aqueles em que há melhores centieiras. O escaravelhão, principalmente. Por isso se diz: Ano de escaravelhão, ano de pão.

84 Causam maiores estragos nos arredores dos montes e das povoações, por afluírem aí de preferência, em resultado de nidificarem nos telhados próximos.

85 Veja-se o artigo Ceifeiras, na página 259.

86 A razão das searas de centeio, cevada e aveia terem a classificação genérica de segundas, por ocasião das ceifas, deverá filiar-se na circunstância de, as mesmas searas, serem de valor secundário, comparadas com as dos trigos. Não está mal, portanto. O que porém soa mal, é chamarem-se-lhes sementes brancas, quando, em boa verdade, são mais escuras que as dos trigos.

87 Manajeiro principal e da «camarada» toda, repartida em vários cortes ou «camaradas» parciais, uma em cada lavoura. Manajeiro do corte, é o que governa unicamente no pessoal que trabalha sob a sua constante direcção. Veja-se o capítulo Ratinhos.

88 Dia de Corpo de Deus e de S. João. Quando o dia de Corpo de Deus cai antes de começarem as ceifas, folgam somente no dia de S. João.

89 Isto nos anos bons, em que a temporada rende. No’s ruins, de poucos afazeres, o manajeiro preocupa-se muito menos com o despacho. A empreitada leva-lhe mais dias, é certo; mas enquanto ele e os companheiros se entretêm a ceifar, comem à custa alheia, por conta do lavrador. E nos anos calamitosos, a comida vale muito para quem a não possui em casa.

90 Queijos que lhe dá o lavrador, como lembrança para a família.

91 Os homens atam e enrilheiram pelo dia fora, enquanto há molhos para atar e enrilheirar. Se sobeja tempo também se ocupam noutros trabalhos.

92 A aguadeira é uma rapariga das do rancho. Vai «à vez», cada uma para cada dia, alternando-se.

93 Enrilheiradores. Veja-se na página 106.

94 Por serem as horas mais propícias para acarretos. A maresia ou orvalhada, que nessas horas costuma haver, amarela a palha e humedece o grão, o que proporciona carreguio fácil, sem o inconveniente das espigas desbagoarem ou descabeçarem, como sucede quando há calor.

95 Por ocasião dos acarretos, os ganhões, condutores de carros de bois, tomam a classificação de carreteiros. Por carreiros, consideram-se somente os dos carros de muares, também conhecidos por almocreves.

96 Este termo de alquitete, adulteração de arquitecto, empregam-no frequentemente os campónios, como sinónimo de habilidoso, sabedor, engenhoso, etc.

97 Aljorges pendentes dos burnis das muares, muito em uso na época dos acarretos.

98 Veja-se na página 37.

99 O aceiro consiste em uma faixa de terreno limpo contornando toda a eira, na largura de oito a doze metros. Prepara-se por meio de lavoura e gradagens, ou raspando-se o terreno à enxada, de modo a ficar nu, em condições de interceptar qualquer fogo que possa vir dos arredores.

100 Nos rocios contíguos às povoações do Alentejo, há as eiras de servidão comum para os seareiros das correspondentes localidades. Em Elvas e outras terras importantes é considerável a quantidade de cereais limpos nos respectivos rocios. Na força das colheitas, do princípio de Junho até meados de Julho, todos eles estão abarrotados de rilheiros e povoados de trabalhadores.
Interessa ver então esses espaçosos logradouros públicos, retalhados em pequeninas eiras, cada qual com o seu sombracho, e em quase todas algumas galinhas e pintos, para caçarem as formigas que dizimam o grão. As formigas nunca se extinguem em absoluto, mas os «vivos» engordam e crescem maravilhosamente.

101 Veja-se Alimentação, página 136.

102 As eiras chegam curiosos de várias procedências, transeuntes das carreteiras vizinhas, ganadeiros de rebanhos a apascentarem-se em volta, caçadores, contrabandistas, gente «à-boa-vida» por terem abalado donde estavam, inválidos, mendigos, etc.
Todos que chegam são considerados chtegadiços e todos partilham das sopas da ganharia, querendo. Em troca, muitos deles incorporam-se no trabalho por algum tempo, a fim de se entreterem, ou para fazerem jus à admissão se nisso se empenham. Outros, solicitam a ferramenta de um parente ou amigo na mente de lhe darem «uma ajuda».

103 Pães de centeio.

104 Pequenos lastros de centeio que se malham e limpam excepcionalmente, a fim de se farinar e panificar em seguida.

105 Ganhões anuais, temporeiros e a dias, de mistura com rapazes de temporada e a jorna. Veja-se Pessoal de uma lavoura, páginas 73 a 83.

106 Vão beber onde haja água mais próximo e comem no rilheiro da aveia, por espaço de uma hora a hora e meia.

107 Sacode-se para que o grão debulhado caia no lastro e não se embrulhe na palha.

108 Conforme é o cereal, assim demora a debulha. O que entretém menos é a aveia e a seguir a cevada, os trigos moles e o centeio. Os trigos rijos opõem resistência singular, sobretudo o lobeiro, genuíno tipo dos durázios. Este, dá que fazer, tão arreigado se conserva nas espigas e tão filamentosa é a palha. Para as éguas e os trilhos o debulharem convenientemente, precisam de muito mais tempo do que para os outros cereais. Chegam-se a meter carros nos calcadouros, a fim de rodarem adiante das éguas e lhe facilitarem o serviço.

109 Enquanto as éguas debulham, as crias que lhes pertencem estão encerradas em qualquer curral ou cercado próximo, que tenha sombra. Não havendo cercado, os poldritos ficam em liberdade, nos arredores da eira e do rilheiro da aveia, onde comem. No rilheiro param pouco, depois de se fartarem. Preferem retouçar à larga e envolverem-se entre as mães. Isto perturba o regulamento da debulha e por conseguinte o pessoal espanta-os e fá-los sair do calcadouro. Mas teimam em voltar e voltam dezenas de vezes, enquanto se não enfadam de carábia. Aquilo agrada-lhes muito para tentarem chuchadeira nas tetas das mães e depois enfileirarem na cobra, fazendo figura. O que é o instinto da imitação!...

110 Posto seja difícil calcular sob uma forma genérica qual a porção de cereal que uma égua debulha em cada dia, não será despropósito atribuir-se-lhe o seguinte:
Trigos moles . . .
35 a 40
decalitros
Trigos rijos . . . .
15 a 20
»
Centeio ...
40 a 45
»
Cevada .
45 a 50
»
Aveia
60 a 70
»
Isto são meros cálculos, em que não pode haver absoluta confiança. Para o despacho em questão, concorrem muitos faotores importantes de condições variáveis. Número, aptidões e desembaraço do pessoal, criação do género em debulha, com pouca ou muita palha, de espigas bem ou mal gradas; dimensões do calcadouro; temperatura do dia, etc.

111 Vai afastando o grão livre de palha, mas ainda muito sujo com troços, cachos das espigas, bonicos das éguas, torrões, etc. É, enfim, o grão já aventejado pelos ganhões e que de novo vai ao ar. O abegão quando o aventeja, dá-lhe a volta precisa para cair a jeito de se estender pela eira em faixas paralelas, que se denominam pelas. Os ancinhos penteiam-nas depois, catando-as das impurezas que contêm. É talvez esse o motivo por que lhe chamam pelas.

112 Nas eiras diz-se desempalhagar e não desempalhar.

113 Cachos chamam-se aos fragmentos das espigas, que no todo ou em parte, escaparam à debulha. Contêm grão, é claro, que merece aproveitar-se e que se aproveita realmente, debulhando-se à parte no «levante das eiras». Em Campo Maior chamam-lhe granças.
Os cachos de cada espécie de cereal vão-se juntando à parte, num montão afastado, que se debulha e limpa no fim da época. Isto no caso de se reunir porção avultada que valha a pena.

114 Por mareias designam-se as humidades das orvalhadas e nublados que aparecem frequentemente nas manhãs de Agosto. Estas mareias e as cacimbas ou neblinas que por vezes as acompanham, embora o sol intenso venha depois dissipá-las, como em geral vêm antes das nove horas, deixam bastante humidade no centeio, tornando-se impossível malhá-lo em termos, sem apanhar um aqueção. Frio ficou de madrugada e frio permanece pela manhã fora. Os bagos amolecem e incham, arreigados às espigas; a palha põe-se correenta, quase a escorrer água. Só, portanto, dá malha proveitosa em o sol o aquecendo por algumas horas.

115 Um pedaço de pão e queijo ou azeitonas.

116 Palha de centeio que se enfeixa, destina-se a enchimentos de enxergões e albardas para gastos da casa ou para venda ao público. No entanto, muitas vezes os malhadores e outros serviçais enfeixam alguma em separado, para as suas necessidades caseiras, mediante concessão obsequiosa do lavrador. E até sucede obterem permissão do amo para nas horas vagas prepararem uma ou outra carradita de palha em feixes, a fim de as irem vender por sua conta e de aí auferirem alguns tostões. O amo não empobrece por isso e o criado remedeia a sua vida.

117 A camada para oito homens, abrange uma área de 17 a 18 metros de comprimento por 9,5 de largura, ou sejam 160 metros quadrados aproximadamente. A que se estende para mais homens, regula-se por dimensões correspondentes ao número dos malhadores e na proporção que se risca para a dos oito, tendo sempre em vista que oito homens despacham mais, relativamente, que dez, doze ou dezasseis. Em todo o caso, e para qualquer hipótese, a maior ou menor superfície de camada, depende do critério de quem a prepara. O encarregado brioso, risca e estende à franca, mas em termos, cônscio de que tirará bem e muito, sem estragar. O de «mãos grandes» talha à larga e arrima-lhe molhos ’sem conto, decidido a tirar muitíssimo, sem grande esforço, não se lhe importando com o inconveniente de assim deixar muito centeio na palha. O preguiçoso faz camadas pequenas, a pretexto de as sacudir bem, o que nem sempre executa.

118 Por cavalos, subentendem-se as parcelas em que arbitrariamente se divide a camada, a fim de ’se ir malhando por partes, às pagelas (e não de cabo a rabo, sem intermitências. Portanto, cada cavalo, consta da porção de palha e de espigas que fica de permeio entre os malhadores e que eles vão malhando frente a frente, pela forma que se verá adiante. A camada para oito homens costuma-se compor de dez cavalos, talhados à vontade, a capricho do encarregado.

119 Ocupando a extrema da camada que fica ao sul, os malhadores dividem-se em dois grupos de número igual, colocam-se em frente um do outro, ambos em linha, e de permeio, a separá-los, fica o centeio que vão malhar, e que é, de resto, uma das parcelas ou cavalos em que a faina se divide. Numa das pontas de qualquer das linhas, malha o encarregado; noutra, das opostas à do mandante, manobram os da pica – o homem ou homens que malham de soslaio com força e jeito, picando a palha solta. Entre os das pontas e os da pica, trabalham os principiantes.

120 Os que não «acertam» o passo e a pancada do mangual, fazem má companhia e acusam inexperiência ou desmazelo, que pode ocasionar danos. Pancada de mangual em falso, isolada ou fora de tempo, facilmente atinge e maltrata o malhador fronteiro. Por isso, os que praticam essa falta, são acremente censurados pelos companheiros.

121 A mais festejada é a seguinte: qualquer malhador corpulento, de conluio com outros, introduz-se à socapa no centro de um borrego e aí se agacha e oculta, aguardando o desfecho. Entretanto, os conluiados empregam várias artimanhas para convencerem dois novatos a transportarem a palha que encobre o latagão. Os instados caem, e lá vão muito lampeiros a carregarem com o borrego visado, cujo peso estranham logo. Mas aguentam impando, sem perceberem a causa. Por fim largam o fardo e o mistério desvenda-se-lhes. De improviso, como um fantasma, surge-lhes do meio da palha o tal homem escondido, que ao vê-los fila-se-lhes às pernas procurando mordê-los e tombá-los. Então a surriada irrompe uníssona e os logrados aguentam-na, de boa ou má catadura. Os bisonhos vão à serra, mas nem por isso os troçam menos.

122 Badana e toucinho com legumes nos dias «de carne», ou sejam: segundas, terças, quartas e quintas. Legumes temperados de azeite, nas sextas e sábados. Veja-se Alimentação, na página 136.

123 Ao erguer da sesta, o malhador que «se fica» a dormir, não acudindo à chamada do abegão, arrisca-se a sofrer a pirraça do enterro. Eis o que isso é: Dois ou três ganhões estúrdios, arvoram-se em padres, pondo a camisa de fora, a fingir de sobrepeliz e a cinta ao pescoço, à maneira de estola. E enquanto os «padres» se revestem, outro patusco, arvorado em sacristão, depõe junto do morto a indispensável «caldeirinha de água benta» – um barranhão grande, dos da comida, cheio de água, onde imergem dois baleios de palha, que servem de hissopes. Preparada a cena, todos se acercam do pseudodefunto, que, alheio à brincadeira, continua ressonando. E então, os pretendidos clérigos, aproximam-se-lhe e aspergem-no em cheio, com os baleios embebidos na água, ao mesmo tempo que lhe cantam vários arremedos de responsos, numa vozearia atroadora. A vítima acorda ao efeito da bulha e da molhadela, esfrega os olhos, ergue-se de um salto, e, ainda antes de se erguer, já roga pragas e ameaças contra os que o rodeiam. Chama-lhes judeus, gente ’sem lacha (vergonha), falsos, etc. Os invetivados, riem-se ainda mais, sem se importarem com isso. Por fim, também ri o queixoso, para «dar-se à pândega» e o deixarem em paz.

124 Fragmentos de espigas, com pouco ou nenhum grão.

125 Juntam-no em um montão quando os malhadores são oito ou dez. Sendo doze ou dezasseis formam-se dois montões.

126 O sinal, costuma ser um sapato velho, que se coloca em frente do homem da pá, na base do montão, quando principiam a passá-lo.

127 Antes da medição, os malhadores dizem das suas, sobre o centeio «que tiraram» e a «funda» que dará. No centeio dos pimpões, topa arriba «do que é dado» – desbanca dos quinze alqueires (quarteiro) taxados a cada malhador. A propósito cabe aqui uma observação. A velha sentença de cada homem «tirar» quinze alqueires de centeio por dia, é uma convenção arbitrária, bastante falível. Oito homens «parelhos» e desembaraçados, podem quarteiar e ir além do quarteio, sem grande esforço. E esses mesmos homens, em centeio de condições mesquinhas, trabalhando o máximo que podem, acontece-lhes ficarem muito aquém do estatuído, «tirando» apenas moio e meio ou menos. Para ambas as hipóteses, influi poderosamente a qualidade do centeio. Sendo ruim ou de espigas sacudidas, nunca pode fundir bem. Estando, pelo contrário, grosso e por desbagoar, dá fundas de esbarrunto, que permite «franquezas» à família. Os dias secos e quentes auxiliam o trabalho; os frescos e húmidos, dificultam-no, chegando a impedi-lo. Bastam uns chuviscos.

128 Merenda de gaspacho ou de batatas cozidas, de azeite e vinagre. Nas sextas e sábados comem sopas de leite, em vez de gaspacho ou batatas.

129 Ultimamente, estão a adoptar-se também as Clayton pequenas, que a experiência demonstra serem óptimas.

130 Divergem as opiniões quanto à vantagem de o lavrador ter debulhadoras ou alugá-las. Há quem esteja em circunstância de possuir um aparelho de debulha e não o tenha, preferindo alugá-lo todos os anos. Outros, desejam possuí-lo mas não podem por falta de capital. Por isso resignam-se a alugá-lo.

131 Da totalidade, salários e comida ocupado numa eira de debulhas a vapor, dir-se-á mais adiante.

132 Para dar saída à palha, se a palha não é imediatamente enfardada por compressora a vapor. Sendo, não há remoção e portanto economiza-se essa despesa.

133 Embora a seara debulhada e limpa vá geralmente da eira para o celeiro, acontece também sair uma ou mais porções, directamente para o caminho-de-ferro.

134 Tão arriscada que em Agosto de 1911 o maioral de mulas Manuel Joaquim Cartucho, guiando nessa posição a parelha do tronco que transportava a debulhadora, foi arremessado da lança por um tope qualquer, sendo logo colhido pela máquina, que o esmagou e matou imediatamente.

135 Quando as debulhadoras se introduziram na região elvense, os trabalhadores rurais ficaram descoroçoados e descontentíssimds. Persuadiram-se que as máquinas de debulha vinham cercear-lhes o trabalho e, consequentemente, minguar-lhes o salário. Sucedeu porém o inverso: o trabalho aumentou e o salário subiu, o que já tive ensejo de acentuar no parágrafo Debulhadoras, páginas 262 a 267. E porque o salário subiu e o trabalho aumentou, a má-vontade dos ganhões campónios transformou-se em simpatia e dedicação, que aproveita a lavradores e criados.

136 Maquinistas, fogueiros, alimentadores e abegões.

137 Antes de encetarem a debulha, são escrupulosamente alinhadas e niveladas pelo maquinista e fogueiro, com auxílio dos trabalhadores.

138 A locomóvel de sete cavalos dá melhor resultado. A de seis, é insuficiente para as debulhas dos trigos.

139 Em alguns contratos de compra de debulhadoras, inclui-se o macaco no custo do aparelho. Noutros, não.

140 Não é absolutamente necessária a aquisição do torno. Mas convém bastante e por isso usa-se muito.

141 Quem não quer ou não pode usar tinos, remedeia-se com quaisquer outras vasilhas: barris usados, potes, etc.

142 Arrasto e remoção que se efectua com o auxílio de uma parelha de muares.

143 Em muitas eiras, usam-se sacos em vez de caixote. Os sacos, abotoados pela boca às bicas da debulhadora, logo que se enchem, vão sendo retirados, sem que vá medido o seu conteúdo. É mais simples, mas menos regular. O caixote, dispensa a suspensão dos sacos. A maneira que se vai enchendo, vai-se-lhe retirando o grão por meio do decalitro, medindo-se logo assim a rigor para dentro dos sacos e em termos de se conhecer a fundo o rendimento exacto da debulha.

144 Lenha de sobro, por descortiçar, não convém. O seu emprego é um perigo de incêndio, pelas muitas faúlhas que produz.

145 Diz-se que o fogo do carvão de pedra deteriora e gasta muito mais o material da locomóvel do que o outro de lenha.

146 Quando por acaso se esgotam as reservas de óleos, vaselinas e as várias peças miúdas necessárias para reparações inadiáveis, quem as precisa obtém-nas facilmente de empréstimo dos vizinhos proprietários de outras máquinas.

147 Pouco pessoal em debulhas a vapor traduz quase sempre uma economia negativa.

148 Saltos de correias, fractura de peças miúdas, qualquer obstáculo, etc.

149 Comida semelhante à dos ganhões, tendo a mais carne de porco ensacada, todos os dias, e pão de trigo em vez do de centeio.

150 A qual ocupação é incumbida temporariamente a outro criado de confiança.

151 Estes beneméritos propagandistas foram os senhores António Filipe de Jesus, conceituadíssimo regente agrícola, hoje administrador de uma das mais importantes lavouras do concelho de Elvas, e Sebastião Vitorino Bragança, artista inteligentíssimo de Portalegre e mecânico de comprovado valor, muito conhecido em todo o Alentejo.

152 Como já acentuei noutro lugar, o abegão, em algumas lavouras, acumula as funções de chefe da ganharia com as de maquinista. Neste caso, é ele que tudo manda e de que tudo dá conta ao lavrador.

153 Chegam-lhe os molhos do rilheiro, ao lado erguido, ou das carradas que se descarregam na ocasião da debulha. A chegada dos molhos é fácil e pronta quando se efectua dos carros ou do alto do rilheiro. É demorada e custosa, quando vem da base do rilheiro.

154 Preparados com lenços ao pescoço e os olhos defendidos por óculos fumados, de rede, a preservar das praganas, da moinha, das palhas e do pó. Alguns, de ocupação menos sujeita a esses flagelos, prescindem de tais precauções. Outros, porém, não as dispensam nem as podem dispensar. Estão neste caso os alimentadores e os que tratam da moinha e da palha.

155 Em linguagem figurada, por vezes faceta, os homens do campo chamam realejo a toda a espécie de maquinismos em movimento. E tanto gostam do termo que ainda lhe forçam mais o significado. Chegam a aplicá-lo ao conjunto de quaisquer coisas volumo’sas que se removem, como utensílios transportados em carros, etc.

156 Em tais condições de muitas humidades ou chuvas, tem de se interromper a debulha. As máquinas param e a ganharia vai trabalhar noutros serviços.

157 Tanto a palha como a moinha ficam amontoadas a centenas de metros da debulhadora, aguardando oportunidade de prensagem ou de acomodação a granel, em. almenaras. Isto na maioria dos casos. Outras vezes, a palha e a moinha são prensadas e almenaradas logo que saem do aparelho de debulha, havendo para isso maquinismos próprios e pessoal exclusivo. É um sistema vantajoso que se não usa muito por falta de tempo, de compressoras e de pessoal. O funcionamento simultâneo do aparelho de debulha e do trem de prensagem, dão à eira excepcional animação, com a vantagem de um aproveitamento de palhas muito maior do que prensando-se ou almenarando-se ulteriormente, no levante das eiras.

158 Veja-se Alimentação, na pág. 136.

159 Veja-se Alimentação, na pág. 136.

160 O pessoal descansa e fuma quando se vê que o reparo da avaria demora pouco, um quarto de hora, por exemplo, ou um pedacinho mais. Prolongando-se o conserto, o pessoal ocupa-se noutro qualquer trabalho da eira. E se o reparo demora ainda mais, a ganharia levanta da eira e vai trabalhar fora.

161 Para evitar mudanças frequentes, convém levantar rilheiros grandes e largos, em grupos de dois, paralelamente erguidos, ficando de permeio espaço suficiente para se instalar a debulhadora e aí laborar muito mais tempo, sem mudança, do que labora quando se arrima a um só rilheiro. Mas isto, se é vantajoso para o despacho da debulha, tem o inconveniente de avolumar o risco de perda das máquinas no caso de incêndio. Lume que apareça em um dos dois rilheiros, como não seja apagado de pronto, comunica-se logo ao rilheiro fronteiriço, deixando o aparelho de debulha entre dois fogos medonhos, que o atingirão por certo, deteriorando-o bastante ou inutilizando-o em absoluto.
A debulhadora, pelo menos, arrisca-se a arder totalmente, com menos probabilidades de salvação do que se estivesse encostada a um só rilheiro.

162 A refeição do sol-posto, tanto lhe chamam ceia como merenda. É conforme calha.

163 Medida «de bigote», consiste em encher bem a medida, sem o pau a arrasar de todo, antes pelo contrário, deixando-lhe propositadamente um pequeno cogulo numa das extremidades. Esse cogulo, é o chamado bigote.

164 É o caso das medições nas malhas de centeio, em que os malhadores pretendem demonstrar que «tiraram muito», que limparam e despacharam muitos alqueires ou decalitros de centeio.

165 Por talha, entende-se uma unidade de trinta alqueires ou meio moio. O antigo alqueire do termo de Elvas, ainda em voga e um dos mais pequenos do País corresponde a 13,39. Um moio equivale a oitocentos e três litros. Mas para arredondar número e por tácita convenção entre a lavoura e o comércio, assentou-se que o moio de Elvas seja equiparado a oitenta decalitros. Por isso quando se mede com o decalitro, conta-se uma talha de quarenta em quarenta decalitros. Em algumas eiras, na maioria talvez, tratando-se de géneros com destino aos celeiros do lavrador respectivo, mede-se ainda com o velho alqueire – o tradicional alqueirão, como lhe chamam os ganhões.
Nas medições por efeito de venda ou em pagamento de rendas, foros e pensões, só se mede com o decalitro quadrado. Mas isto faz-se por obediência à legalidade. Os medidores de ocasião (abegões e outros serviçais da lavoura), se os deixassem manobrar à sua vontade, mediriam sempre pelo alqueire. Do decalitro, não gostam. Alegam que medem melhor e mais depressa com o alqueire – medida maior e de mais despacho. Apego à tradição, que há-de ir desaparecendo.

166 Os sacos dos lavradores costumam ser pequenos e estreitos, de capacidade para oito decalitros ou pouco mais. Os dos negociantes e os de aluguer, são muito mais largos, comportando doze decalitros.

167 Trigo ou centeio. Da cevada e da aveia não se quer saber tanto. O que escapa à debulha e à limpeza, bem o aproveitam depois os gados, sem prejuízo para o lavrador.
A propósito de aproveitamentos convém notar que as debulhadoras boas, dirigidas por maquinistas hábeis e cautelosos, deixam escapar menos trigo na moinha do que as velhas ou mal governadas.

168 No termo de Campo Maior, chamam gransas ao’s fragmentos das espigas conhecidas por cachos no concelho de Elvas.

169 Espigada, nas eiras de malhas em centeio, equivale a cachos nas eiras dos trigos.

170 Por borregos denominam-se os montões grandes de palha que se juntam nas eiras para se removerem logo a braço ou por meio de animais.

171 Almenaras grandes ou pequenas que se levantam nos arredores das eiras e nas cercanias dos montes.

172 Isto no caso de todo o aparelho ser bem dirigido e bem servido por pessoal sabedor. Com gente madraça ou ignorante, o despacho é bastante menor.
O pessoal indispensável a uma enfardadeira a vapor consta do seguinte:
Um encarregado; um alimentador e caixeiro a meter a palha na prensa; um corta-arame; dois braçadores a ligar os arames e um acarretador dos fardos. Total, seis homens ou cinco, pelo menos.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4200/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 50k

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search