Version classiqueVersion mobile

Através dos campos

 | 
José da Silva Picão

Alfaias agrícolas

Texte intégral

VII

1Forçoso é confessá-lo. Na alfaiaria agrícola do Alto Alentejo, sobretudo nos campos de pequeno granjeio, persistem todos os instrumentos da lavoura antiga, que se conservam e usam por efeito de tradições arreigadas, uns, pelas condições geológicas de algumas zonas, outros, e muitos por circunstâncias de ordem económica, nem sempre justificadas, mas facilmente compreensíveis.

2Como quer que seja, e não discutindo os prós e contras de semelhante apego, é indubitável que, sem se banirem em absoluto os velhos instrumentos agrários, uma evolução lenta, mas criteriosa, vai introduzindo e generalizando muitas alfaias modernas, das melhores que as indústrias mecânicas fornecem à agricultura.

3O ferro lanceolado do arado romano, que lavra o solo, na ocasião das sementeiras, alterna com as relhas das charruas que preparam o alqueive; o ronceiro e gemebundo carro manchego, de origem remotíssima, arrastando-se pelas estradas ao impulso de pachorrentos bois, desvia-se da sua directriz para dar passagem à potente e resfolegante viadora a vapor; os toscos arneiros de pele de porco, com que os nossos avós joeiravam os cereais, cederam o lugar a óptimos crivos de metal; os carros de muares, mais completos e mais bem acabados que os de há trinta anos, sustentando bojudas e gigantescas redes de palha a granel, cruzam-se com outros, com o triplo do mesmo género, em fardos, que a prensa mecânica comprimiu em alguns segundos, poupando espaço e tempo; a gadanha simples, braçal, começa a ser batida pela gadanheira puxada por quadrúpedes; as ceifeiras tentam suplantar e avantajar-se às foices manuais, e embora o não consigam por enquanto, é possível que num futuro quiçá breve, novos aperfeiçoamentos lhes conquistem o triunfo; o arcaico e ferrugento caldeiro, preso a corda de junça, para a tiragem da água nos poços, vai sendo substituído por bombas cómodas, perfeitíssimas; os ancinhos, forquilhas e forcados, de acabamento rústico, baralham-se com similares superiores de aço e ferro; e por último, como contraste frisante e sintomático, os estalos dos açoites estimulando as cobras de éguas nas suas voltas donairosas pelos calcadouros de trigo, e os ecos dos manguais, batendo firmes nas camadas do centeio, são abafados pelos silvos e roncos das locomóveis e debulhadoras que, a dois passos de distância, laboram em igual mister, num afã assombroso, inacreditável há cem anos.

4Sem dúvida que tudo isto é pouco, comparativamente com os espantosos progressos e aplicações em voga nos países adiantados. Mas quem viu a lavoura do concelho de Elvas há meio século e hoje repara nos aperfeiçoamentos introduzidos desde então na sua alfaiaria, tem de convencer-se que relativamente muito se tem avançado, e que por consequência os lavradores são menos rotineiros do que pretendem os seus detractores. Deixemo-nos, porém, de divagações e vamos ao objecto principal do capítulo – a descrição sumária dos instrumentos da lavoura e acessórios. Seguirei a ordem alfabética, que se me afigura a melhor para o efeito de compilação e compulsação.

5Aguilhadas – Varas de castanho com que se guiam as juntas de bois, tendo na ponta um pequenino aguilhão, com que se estimulam os animais, e no cabo uma pá de ferro – a aguilhada – para limpar o arado das raízes e da terra que se lhe acumulam entre as aivecas e o mexilho.

6As aguilhadas vendem-se aos feixes de vinte e cinco varas nas estâncias de Portalegre e nas feiras do Outono.

7Aguilhão – V. aguilhadas.

8Agulhas – Peças de madeira que seguram o eixo do carro manchego.

9Aivecas – Apêndices de madeira, do arado, em forma de orelha, pregadas obliquamente nas faces laterais do dente, próximo do ferro. Duas em cada arado, servem para alargar o rego e desviarem a terra do sulco aberto. Gastam-se e partem-se muito no centro, sendo necessário renová-las com frequência no próprio local da lavrada. O abegão é a entidade que procede a esses reparos, com o auxílio do ferramental, que o acompanha.

10Alcofas – Empregam-se de todos os tamanhos para diversos fins, e mormente para nelas se dar a ração de palha e farinha aos bois nas lavouras de singelo, à hora da merenda, ao meio-dia. Compram-se nas feiras, fazendo parte dos utensílios de palma, que se conhecem pela designação comum de algarve, em virtude da sua procedência algarvia. Nas feiras, quem precisa comprar alcofas, golpelhas, esteirões, etc., diz: «Vou comprar algarve». E depois comenta: «O algarve está por tal ou tal preço», etc.

11Alqueirão – A medida do alqueire. Posto que esteja proibida para medições de compra e venda, emprega-se de preferência ao decalitro, para uso particular, por ter configuração mais cómoda para o medidor.

12Alteza – Vasilha grande, de madeira, onde se amassa o pão, principalmente o de centeio – marrocate – e as perrumas. Para estas, há uma alteza exclusiva.

13Alvião – Ferramenta de ferro e cabo de pau, com que se arranca a cepa do mato.

14Ancinhos – Utensílios de madeira uns e outros de ferro forjado ou fundido, de diversas dimensões, em feitio de pente, com maior ou menor número de dentes. Empregam-se nas debulhas dos cereais, principalmente nas eiras em que se trabalha pelos processos antigos, já para arrastar a palha do solo, já na limpeza do grão, extraindo-lhe os cachos e vários corpos estranhos.

  • 1 Os apeiros e outros, de correame de couro cru, usado no gado bovino, como brochas, tiradeiras, etc. (...)

15Apeiro – Peça de couro que serve nas cangas para apoio e sustento da ponta do arado ou da vara do carro. É feito de uma tira larga e comprida de couro de boi, humedecida previamente, cujas extremidades ligam uma à outra por costura de pequenas correias. Depois, é surrado e amaciado (1) com muita pancada e roços, seguidos de unturas com borras de azeite, passando logo a uso para adquirir as quedas próprias, que não mais perde em se amoldando ao serviço.

  • 2 «O arado primitivo era uma vara com um gancho no extremo. Servia o gancho de relha, o cabo de pau r (...)

16Arado – O instrumento mais simbólico e característico da lavoura alentejana. É construído com madeira de azinho, sobro, freixo ou mosqueiro, preparado a machado e a enxó, reunindo também vários acessórios de ferro, adiante mencionados. Salvo pequenas modificações, conserva a feição antiquíssima que lhe davam os romanos. Mas não é o arado primitivo, como geralmente se diz (2).

  • 3 Os cavalos e jumentos só muito excepcionalmente se empregam em serviços de arado. Com jumentos só l (...)
  • 4 O termo «arado», além de significação vulgar, aplica-se também ao conjunto do rabanejo e dente, e n (...)

17Movido por uma junta de bois ou parelha de muares, de cavalares ou de asininos (3), lavra a terra, preparando-a para as culturas cerealíferas e leguminosas. O arado alentejano, vulgaríssimo, compõe-se principalmente de quatro peças essenciais: rabanejo (rabiça), dente, garganta e ponta. As primeiras duas, depois de unidas por uma viela de ferro e dois tarugos de pau, formam a primeira parte, a que geralmente também se chama arado (4), embora o não seja no rigoroso sentido da palavra. A garganta e a ponta, ligadas pelo processo acima dito, compõem a segunda parte, que tem o nome de timão ou temão. Como já disse, o rabanejo e o dente empalmam-se com dois tarugos e a correspondente viela. Adiante do empalme, próximo do couce ou rectângulo que lhe dá a configuração, o dente apresenta uma pequena concavidade, que recebe a espiga da garganta, tendo posteriormente mais dois orifícios em direcção oposta: o primeiro, perpendicular, por onde se introduz o sustentáculo do timão – uma barra de ferro chamada teiró, alçada a meio metro; o segundo, tranversal, em que se aloja o mexilho – espécie de gancho de ferro que, por sua vez, ampara as aivecas, pregadas em baixo, próximos do ferro de lavrar.

18O ferro, de feitio lanceolado, encaixa no dente à força de pancadas sobre o bico e nos polegares ou azelhas com que emoldura ao arado.

19O rabanejo tem em cima, na parte inferior, a cavidade denominada mãoseira, para o ganhão se apoiar quando lavra.

20Já disse que o timão constitui a segunda parte essencial do arado completo, compondo-se, repito, da garganta e da ponta. A garganta, de configuração arqueada, com uma abertura perpendicular no dorso para encaixe e sujeitação da teiró, recebe na extremidade dianteira a ponta ou peça final. Esta, sobreposta à garganta, como acabo de dizer, limita-se a um pau direito, com quatro buracos no extremo, para, em qualquer deles, entrar a chavelha que prende o arado ao tamoeiro e à canga.

21O timão, enteicha (engata) nas restantes peças, encaixando a espiga na concavidade do arado, junto ao couce, ao mesmo tempo que a teiró se lhe introduz pela fenda que o atravessa. A qual teiró é apertada depois com uma cunha dechanfro, voltada para a esquerda, que se chama pescás. Esta cunha desloca-se facilmente, elevando-se ou baixando-se conforme se quer temperar o arado, para ficar aberto ou serrado. O acto de montar o arado chama-se enteichar, bem como se denomina enteichadura o seu completo conjunto, desde que o acompanhem os pertences indispensáveis, a aguilhada, canga, apeiro, brochas e carneiras.

22O arado chama-se caneleiro, quando o rabanejo fica relativamente alto e o dente com pouca inclinação. Apresentando aspecto contrário, denomina-se escouçado.

23O timão é abafadiço, se tem pouco desenvolvimento a sua curvatura, considerando-se arcado na hipótese inversa.

24Armas – As peças com que se arma a gadanha vulgar. Coleira de ferro, articulado, provida de jargunchos muito agudos, com que se armam os cães rafeiros dos rebanhos para lutarem vantajosamente com os lobos. A coleira de jargunchos nos cães de gado, torna-os mais corajosos, não temendo os ataques das feras, antes acometendo-os com valentia e denodo. O instinto revela-lhes o valor e a importância de semelhante defesa, que eles mostram compreender, sacudindo ufanos a sua temível armadura.

25Arneiro – Nome por que vulgarmente se menciona todo o género de crivos e joeiradores, para limpeza de cereais e legumes. Antigamente, os arneiros empregados eram manuais, de fabrico tosco, com aros de madeira e fundo de peles. Depois, passaram a usar-se os de lata, de idêntica configuração, e mais tarde vieram os de arame, uns de manivela e cilindro, rotativos; outros, em forma de ciranda. É escusado acentuar a superioridade de todos estes sobre os antigos.

26O mais perfeito dos joeirados modernos usados no concelho de Elvas é o crivo «Margot», que só tem o inconveniente de dar pouco rendimento, encarecendo portanto a joeiração.

27Arreios – V. Aprestos de cavalgadura.

28Arrilhada – Pá de ferro no cabo das aguilhadas, com que se guiam as juntas da lavoura.

29Asadas – Panelas muito grandes, de lata, de ferro ou de cobre, que de todos estes materiais as há em abastança nas lavouras grandes e pequenas. As melhores e mais caras – as de cobre – além de servirem para o preparo e condução de comida, constituem também objecto de ornamentação das cozinhas e casas de entrada dos montes, o que já notei noutro lugar. Enquanto as de uso ordinário se mascarram e esfregam todos os dias, as de reserva ostentam-se resplandecentes nas prateleiras e guirlandas, misturadas com o restante cobre e arame.

30Nos começos do Verão os caldeireiros aparecem nos montes para estanharem o interior das asadas que precisam desse preparo, e para venderem outras novas, o que por vezes conseguem, graças à predilecção da lavradora por semelhantes utensílios. As asadas de lata aplicam-se principalmente para aquecer água e coagular o leite.

31Azeiteiros – Chavelhos grandes de bovinos, munidos de rolhas, onde se transporta azeite e vinagre para avios de ganhões e ganadeiros. Em todas as lavouras há abundante sortimento destas vasilhas.

32Azorrague – Correia comprida, presa a um cabo com argola e chocalhinhos. Serve para enxotar galinhas, cães, etc., e também para ser experimentado pelos garotos, como correctivo de travessuras.

33Balamedes – Toda a casta de utensílios de lavoura e outros de uso doméstico, de feitio tosco, incluindo bagagens reles, que hajam de transportar-se ou remover-se. É termo de calão, mas muito usado.

34Balde – Forquilha grande, de madeira, com que se baldeia a palha das eiras para as almenaras e carros armados com redes.

35Baleios – Pequenas vassouras de palha, de giesta ou de outros arbustos, com que nas eiras se varre, ao de leve, o grão desempalhagado e reunido em pelas ou montões, para se limpar definitivamente com auxílio das pás.

36Banca – Mesa comprida e estreita onde come a ganharia. Barreleira para o fabrico do queijo.

37Barquino – Pele de chibo em forma de odre, para vasilha de água, fresca, no Verão, que os ganadeiros preparam com apuro para seu uso e de estranhos, a quem os vendem ou oferecem.

38Barranhões – Alguidares de lata, de cobre ou de barro, para as necessidades da cozinha e para receberem a comida.

39Barreleira – Banca de madeira de uns 2,20 m de comprimento 0,50 m de largo, para o fabrico de queijo. Em cada lavoura costuma haver duas: uma para o queijo das ovelhas, e outra para o das cabras. Também as há de pedra, mas a experiência demonstra serem preferíveis as de madeira.

40Barricas – Das pequenas, de capacidade para quinze a vinte litros, usam-se como vasilhas de água para os ganhões, no campo. Das grandes, de duzentos litros ou mais, vê-se uma, pelo menos, no pátio de cada monte, colocada em carro apropriado, onde se transporta a água para o gasto diário.

41barris – Vasilhame de lata para azeite, que modernamente se têm introduzido em substituição dos odres. Pequenas vasilhas de barro para água.

42Belga – V. Jangada.

43Bocins – Argolas de ferro no interior das massas dos carros, em volta dos buracos por onde se alojam as pontas do eixo.

44Boquilhas – Acessório de ferro, sobreposto nas massas das rodas para as resguardar, bem como as pontas do eixo e outros pertences.

45Borlandejas – Argolas que se empregam entre as tornejas e os bocins das rodas dos carros de muares.

46Borlandões – Argolões colocados nos eixos dos carros, entre os limões e as massas.

47Bota-fogo – Gancho de ferro, com que se bota lume nas queimadas e roças.

48Brazão – Argola pregada na canga dos bois para substituir o apeiro de couro. Esta substituição considera-se desvantajosa, e por isso está sendo pouco usada.

49Brochas – Correias tecidas, de couro cru, que se prendem aos cangalhos para segurarem os bois à canga.

50Burros – Tripeças rústicas de azinho e sobro, que os ganhões preparam para seus assentos.

51Cabanejos – Cestos de verga para a condução de pão, hortaliças, etc.

52Cacheira – Cajado, de volta muito pronunciada, com a correspondente cachaporra.

53cacheiro – O mesmo que o precedente, mas sem volta.

54Caixotes – De pinho, de diferentes dimensões, para arrecadação de farinhas, legumes, sal, etc. Antes, as farinhas e legumes depositavam-se em sacas grandes, de palma do Algarve, não se usando os caixotes.

55Caldeiros – De ferro ou de folha, para a tiragem da água nos poços, com o auxílio de corda. Cada lavoura gasta por ano muitos caldeiros, metendo em conta os que se perdem e os furtados.

56Os ganadeiros aproveitam-nos como caçarolas e marmitas, para preparo e transporte dos almoços e ceias, à falta de tarros.

  • 5 Chamam-se terísias aos paus de castanho serrados de alto a baixo, em duas varelas, para se aplicare (...)

57Cancelas – De feitio portátil, compostas com pegões de azinho e varas terísias (5), destinam-se à construção dos apriscos das ovelhas e dos bardos de todos os lanígeros.

58Cada cancela regula por 3,75 m X 1 m, constando de dois pegões ligados por quatro varelas e duas travessas em diagonal. Um bardo de sofrível capacidade carece de vinte e quatro cancelas. As dos redis de ovelhas recém-paridas no Outono e Inverno, costumam ser tecidas com giestas, para melhor abrigarem o gado.

59Cangas – Adoptam-se dois tipos: um, exclusivo para bestas e cavalgaduras; outro, para bovinos. A canga de muares, de madeira de azinho, compõe-se de três peças, que formam três curvaturas, das quais se chamam suadouros as duas extremas, que recebem os cangalhos e que assentam nos burnis, assim como se denomina meio a do centro, onde se coloca o apeiro para engate do chavelhão. Ligam a canga aos burnis, colocados sobre o pescoço das bestas, duas tiradeiras, ou barrigueiras que vão atar na cabeça dos cangalhos.

60A canga dos bois, de procedência análoga à das mulas, limita-se a uma travessa direita, quatro cangalhos de madeira, e três castelos ou pequenos paus erguidos ao centro, para, entre eles, ficar o apeiro. Algumas, em vez dos castelos, têm dois chanfros, e outras com argolão de ferro, dependurado – o brazão, que supre o apeiro. Os cangalhos, apresentam em baixo duas mossas para, em qualquer delas, abotoar a brocha. As brochas e as corneiras são os únicos objectos que prendem os bois à canga.

61Cangalhas – Engradamento de madeira e correntes de ferro, para nas bestas com albarda se transportarem cântaros, pequenas barricas ou asadas. Usam-se principalmente na condução de água, leite e comida, em vasilhas que se adaptem ao engradado.

62cangalhos – Peças das cangas.

63Cangão – Pequena canga, apropriada a um só animal, que puxe carrinho ou arado de varais.

64Caniços – Esteiras de canas ou engradamentos de ripa para enxuga do queijo, ou depósitos de pão de centeio e de perrumas.

65Cântaros – Usam-se de barro, de lata e de cobre. Os de cobre, como vasilhas para água, existiam antigamente em todas as «casas» grandes, e ainda hoje persistem em algumas, recomendando-se pela solidez e duração.

Carros

66Os carros empregados nas lavouras constam de quatro tipos: carro alentejano, de uso comum, para muares; carreta; carro manchego, para bois, e carrinho de varais, para uma besta.

67Todos se compõem de quatro peças principais: leito, eixo e duas rodas, peças que se constituem com outras subsidiárias, adiante referidas, umas de madeira de diferentes qualidades, predominando o azinho e o sobro; outras de ferro, como é vulgar em todo o País.

68Carro alentejano, de uso comum – É o melhor e mais completo, apesar de ser exclusivamente puxado por muares.

69Gira sobre duas rodas grandes, diâmetro de 1,50 m a 1,55 m, tendo cada uma doze, quatorze ou dezasseis raios, a massa e as correspondentes pinas, bem como um ar espesso, com o peso de sessenta quilos, aproximadamente.

70As rodas prendem ao eixo por dois pregos curvos – as tornejas – que o atravessam nas pontas, impedindo a deslocação, e ainda por duas argolas, denominadas borlandejas.

  • 6 Até há poucos anos, os eixos dos carros de muares eram todos de madeira de azinho, sobro, mosqueiro (...)

71Sobre o eixo (6) firma o leito, composto com a perítica, limões, travessas, tabuado e taleiras. Mede na base, isto é, da taleira da frente à da retaguarda, uns 2,55 m × 1,15 m.

72A perítica sustenta todo o embarrotado, prolongando-se dois metros para a frente, como vara de engate, e quinze centímetros para trás, a formar o rabicho, simples ornato, sem nenhuma aplicação.

73As travessas, passando através da perítica e dos limões, formam o vigamento que sustenta o tabuado. Dos dois limões – barrotes de quatro faces, paralelos à perítica, tendo de permeio as tábuas – erguem-se os fueiros do engradado, para resguardo dos volumes a transportar.

  • 7 Os fueiros costumam ser de madeira, excepto os quatro das extremidades que, em geral, são de ferro, (...)

74Cada engradamento consta de oito a dez fueiros (7) direitos, de 65 a 70 cm de altura, harmonicamente distanciados e introduzidos nos furos do tendal e nos da face superior do limão.

75Os tendais restringem-se a dois paus roliços de castanho, colocados horizontalmente nas pontas dos fueiros, e por entre os orifícios de que são providos para esse efeito, a fim de lhes darem coesão e solidez. E em muitos carros, as extremidades dos tendais, na traseira, são encimadas e ligadas por uma travessa de meia volta – a ponte – que se lhes sobrepõe e atarracha para reforço e ornato.

76O leito monta, como disse, sobre o eixo, segurando-o dois espigões de ferro – os mata-bois – que se tiram e põem a pancadas de martelo, armando-se e desarmando-se com extrema facilidade.

  • 8 Volumes diversos, conforme o artigo que compõe a carrada. As de lenha, cereais em rama e fenos são (...)

77O carro de muares, sendo, como é, o mais adoptado para o transporte de géneros e materiais diversíssimos, cujo alojo demanda carrego de configuração e preparo variado – modifica-se-lhe o engradado do leito, consoante à natureza e volume da carrada (8). Para lenhas e outros artigos encaixotados ou ensacados, basta a enfueiradura ordinária e as cordas chamadas «de carregar». Para a palha a granel, empregam-se fueiros e travessas especiais, muitíssimo altos, de onde pendem redes enormes de linho ou de junça, que, desde a altura de três metros, apanham todo o corpo do carro, terminando na dianteira e retaguarda por duas grandes e bojudas bolsas, a quase rojarem pelo chão.

78Nos acarretos das searas em rama e nos dos fenos reforça-se a enfueiradura usual com quatro fueiros altos e pontiagudos, que se introduzem nos gatos da face exterior dos limões.

79Para a remoção de terras, estrumes e todos os objectos susceptíveis de caírem pelos flancos dos fueiros usam-se os taipais, que transformam o leito numa verdadeira caixa, de capacidade aproximada a 1 m3. Dois dos taipais encostam às enfueiraduras, vedando-as em todo o comprimento e altura; os outros dois – as comportas – resguardam a frente e a traseira.

80Por vezes, os taipais são substituídos por tecidos de esparto, que se denominam espartões, e que se tornam vantajosos para a condução de melancia, melão, etc.

81Enfim, é tão variada a aplicação do carro de muares, que ainda é ele o veículo predominante na condução de gente do campo. Descoberto ou «tapado», pela forma adiante mencionada, puxado por bestas de todas as condições, desde as de somenos valor até às custosas e bem arreadas, vemo-lo com frequência nas vias públicas, em marchas pachorrentas ou velozes, acumulando-se às dezenas nas feiras e arraiais da província.

82O carro «tapado» é provido de uma armação revestida de toldo de lona, em branco ou oleado a cores, como abrigo a preservar os viajantes dos rigores do sol e das chuvas. Essa armação consiste em quatro aros de ferro ou de verga de castanho, sobre os tendais, tendo por cima o caniço e o pano do toldo.

83Quando a armação é portátil, que se tira e põe cada vez que serve ou tem de servir, denomina-se «barraca», e como tal só a adoptam actualmente os campónios de poucos recursos. Já não sucedia assim há bons cinquenta anos atrás, tempo em que tão exígua comodidade só era usada por alguns lavradores de meios. E digo alguns porque a maioria, segundo a tradição, não entravam nessas fofas. Caminhavam em cavalgaduras de albarda e em carros manchegos, descobertos, puxados a bois.

84A armação ou tapiço permanente torna os carros mais confortáveis e vistosos que a outra à ligeira, por ser acompanhada de certos acessórios e comodidades relativas, que muito os melhoram. O que assim é preparado chama-se churrião. Veja-se adiante, na altura correspondente a esse nome.

85Carreta – Carro de formas menos apuradas que o precedente, com as rodas de dez a doze raios cada uma, formando o diâmetro de 1,30 m. O leito mede 1,88 m × 1,8 m, excluindo os prolongamentos da perítica e do rabicho. Guarnecem-no seis a oito fueiros toscos, de cada lado, muito compridos para as carradas altas e curtos para as baixas. E, em qualquer dos casos, desprovidos de tendais. A perítica regula por uns 2,50 m além da taleira, prolongamento indispensável para uma junta de bois. No restante, a carreta assemelha-se ao carro comum, podendo ser puxada indistintamente por bestas ou bovinos, se bem que se presta mais para bois. Em regra, só se emprega nos acarretos das searas, nos dos fenos e nos das lenhas.

  • 9 O tipo mais antigo dos carros dos romanos, o plaustrum, tinha rodas cheias e apresentava esta parti (...)

86carro manchego – É o mais antigo de todos os veículos usados na lavoura. De construção pesadíssima e bastante sólida, suporta cargas imensas, resistindo e aguentando-se nos solavancos dos caminhos escabrosos, tão vulgares nos nossos campos, e isto devido à estrutura antiquada do seu rodado. Enquanto nos outros veículos, as rodas giram sobre o eixo, no velho carro manchego sucede exactamente o contrário: o eixo é que gira sobre dois vãos especiais, pendentes dos limões, cada qual formado por duas peças de madeira – a agulha e o recocão – e é desse giro que resulta o movimento das rodas e portanto o do carro (9). Movimento custoso e demorado, que produz uma chiadeira dolente e aguda, quando caminha vagaroso, vergando ao peso do carreguio. A rotação do eixo roçando na chumaceira produz esses gemidos singulares – a cantarela característica e inconfundível, que se ouve de muito longe, sobretudo à noite e de madrugada, em sons penetrantes, de sugestiva melancolia.

87O leito do carro manchego de 1,80 m × 1,18 m é igualmente tosco, tendo a vara ou perítica 2,50 m, contados, é claro, desde a taleira, até à ponta. As espigas que prendem ao eixo em vez de serem de ferro, como os mata-bois dos outros carros, resumem-se numas peças de pau, a que já aludi – a agulha e o recocão – peças que passando perpendicularmente através dos limões e da chumaceira se prolongam e recurvam para baixo, de modo a deixarem, entre ambas, vão suficiente para o giro do eixo, como já disse. Os fueiros, privados de tendais são compridos ou curtos, conforme a natureza das carradas.

88O carro em questão, além das particularidades singulares que foram referidas, destaca-se também pela constituição das suas duas rodas, bastante diferentes das dos outros carros. Nas dos manchegos não há massas, nem raios, nem pinas, mas somente cãibas e miulos. E os aros de ferro, em vez de inteiriços, de uma só barra, constam de diversas lhantras pregadas às cãibas, com pregos de grandes dimensões.

89Cada roda, de 1,12 m de diâmetro, compõe-se de duas cãibas, que lhe formam a circunferência, e do miulo ou prancha que se lhe atravessa ao centro, e que no meio, num buraco quadrangular, recebe e atarracha a ponta do eixo.

90Em resumo, o mesmo carro, não obstante o seu feitio pesado, há-de ainda persistir por muitos anos, posto que já não tenha o uso que teve outrora.

  • 10 Apesar dos arredores das grandes vilas e cidades do Alentejo estarem retalhados por numerosas estra (...)

91Sem embargo, no atraso e desleixo de viação (10) que infelizmente se observa por essas herdades fora, convém usá-lo em determinadas circunstâncias, nas zonas de maus caminhos.

92Carrinha de varais – À parte a redução das formas e a substituição da perítica por varais, de que toma o nome, é em tudo igual ao carro comum, próprio para parelha.

93Destinado a uma só besta, o carrinho aludido usa-se muito no serviço de recovagens dos montes e nos transportes de hortaliças, águas, etc., havendo lavouras que empregam dois e três. À medida que se vai abandonando o sistema de cargas em cangalhas e albardas sobre o lombo de burros e muares, aumenta o emprego dos carrinhos, com vantagem para os donos e alívio para as bestas.

  • 11 O Ministério das Obras Públicas facultou há anos aos lavradores do distrito de Portalegre diferente (...)

94Ceifeiras – Apesar de traduzirem um adiantamento no progresso da agricultura, o emprego quase experimental que delas têm feito alguns lavradores da região elvense foi, ao que parece, tão pouco satisfatório que os mais deles não têm prosseguido com a inovação, abandonando-a como desvantajosa por enquanto, sendo a principal razão esses maquinismos funcionarem mal nas lavradas de rego largo e sulco aberto, sistema usado nas searas de sementeira outonal e então indispensável nos terrenos húmidos e alagadiços. No entanto, devemos crer que com o tempo, e após alguns aperfeiçoamentos que se lhes venham a introduzir, as ceifeiras hão-de implantar-se a valer entre nós, nas zonas que melhor se prestem à sua adopção. Nestas condições, ninguém deixará de as empregar, como de há muito se empregam as debulhadoras. Pois umas e outras foram ao mesmo tempo oferecidas e apresentadas à experiência do lavrador, não só pelos agentes das casas construtoras, mas também pelos poderes do Estado, no louvável intuito de desenvolver o progresso da agricultura (11). Mas – coisa notável–as debulhadoras pegaram e multiplicaram-se, ao passo que as ceifeiras quase se pode dizer que ainda não saíram do campo de ensaios, de resultados práticos algo duvidosos. E é pena que isso aconteça, dada a falta de braços que sempre se faz sentir por ocasião das ceifas, não obstante o avultadíssimo reforço de ceifeiros que as Beiras fornecem ao Alentejo.

95Charruas – Introduziram-se há uns vinte e cinco anos, mas já antes haviam sido experimentadas por vários lavradores. Todavia, só começaram a usar-se eficazmente aí por 1880, difundindo-se mais nos últimos dez anos. As que se empregam, são as de tipo pequeno, para lavouras superficiais, conhecidas por charruecas ou arados de aiveca móvel, para uma junta ou parelha, dos números um e dois e suas variantes. Estas pequenas charruas são de reconhecida vantagem no preparo dos alqueives, cuja lavrada fica incomparavelmente superior à do arado romano.

96Chavelha – Peça de ferro que prende a ponta do arado ao apeiro da canga.

97Chavelhão – A chavelha em tamanho maior, apropriada ao engate do carro de muares. Distingue-se pela cabeça ou prolongamento superior, de uns dez centímetros acima do orifício da vara onde engata.

98Chavões – Timbres de madeira de buxo, para marcar bolos, caprichosa e lindamente esculpidos a canivete pelos ganadeiros e outros homens do campo. Fabricam-nos por entretenimento e vocação, nas horas vagas, assim como muitos outros objectos de madeira e chavelho, para oferecerem aos amos e a pessoas de amizade.

99Chocalhos – Veja-se o artigo Ganadeiros, p. 117.

  • 12 As parelhas que trabalham ao churrião são para esse efeito engalanadas com vistosos aprestos. De en (...)

100Churrião – Carro de cómodo pessoal, puxado a parelha de muares presas à canga e arreatas (12). Este carro salienta-se pela armação garrida que ostenta – barraca permanente e luxuosa, em forma de canudo – com ou sem assentos no leito – mais usado pelos lavradores e suas famílias do que por gente de outras classes.

101A sua introdução no concelho de Elvas data de há cinquenta a sessenta anos, época em que se desenvolveu o gosto pelas parelhas de muares, e, consequentemente, por este género de veículo, único compatível com o atraso da viação e dos costumes do tempo.

  • 13 A confecção dos churriões costuma ser executada por carpinteiros de carros ordinários, ou por curio (...)

102O churrião compõe-se de todos os pertences essenciais do carro comum, acrescendo-lhe a armação do tejadilho (aros, caniço, etc.), com revestimento de linhagem oleada a cores mirabolantes na parte exterior, e, interiormente, forrado e decorado com estofos, borlas, guarnições e cortinados de juta e outros artefactos, de maior ou menor custo, segundo o gosto ou os meios do possuidor (13).

  • 14 Frase picaresca porque se traduz a ausência de molas, tomando-se por «molas de azinho» os limões e (...)

103Qualquer destes transportes, pintalgados de verde, azul, encarnado ou amarelo, com traços, iniciais do dono e data do acabamento, a cores berrantes, espalhafatosas, se não denotam elegância, também se lhe não podem chamar feios. Têm pelo menos o cunho retintamente alentejano, que os torna inconfundíveis. E alguns importam em subido custo, pelo valor dos tecidos que os guarnecem interiormente. Os churriões privados de bancos – e não os têm muitos, incluindo mesmo os luxuosos – a falta de assentos, é suprida por almofadas presas às enfueiraduras e por um esteirão e colchão de lã, sobre o tabuado do leito, a que se adiciona vistosa coberta de ramagem. Desta maneira, quem se transporta em churrião, sem bancos, em vez de ir assentado, vai encostado às almofadas de pernas estendidas sobre o colchão, quase deitado. Não é das posições mais incómodas, sobretudo se o leito assenta em molas de aço, como já é frequente. Se, porém, falta essa vantagem, mal vai ao passageiro. As tábuas e as «molas de azinho» (14) põem-lhe os ossos a rabiar. Que, se for em assentos, decerto não vai melhor. Sofre igualmente as sacudidas dos topes e estonteantes cabeçadas. No melhor dos casos irá sempre fazendo mesuras, ao impulso dos solavancos.

104Quando o churrião começou a aparecer no Alentejo, somente o usavam os lavradores de fortuna. Depois generalizou-se imenso até 1878 ou 1879, época em que principiou a decair. Na actualidade mais se lhe acentua a decadência, posto que nas feiras e romarias ainda apareçam muitos carros de semelhante tipo, mas decerto em menor número do que se via há vinte anos.

105Pela redução progressiva que se lhe nota, tudo leva a crer que está próximo o seu fim. Os carros de molas denominados char-à-bancs, sendo, como são, muito mais cómodos que os churriões, empurram estes para fora das estradas modernas, aniquilando-os em absoluto, ou reduzindo-os a uma circulação humilhante, que não irá além dos caminhos escabrosos, abertos ao acaso.

106coadores – Panos de estopa por onde se coa o leite quando chega do bardo e se vasa dos cântaros para as asadas. Pedaços de casteleta ou de burel para coar a solução do cardo macerado que se mistura no leite, a fim de o coagular.

107Cobra – Corda de cabelo, provida de colares do mesmo género, com que são encobradas as éguas para, nas eiras, debulharem os cereais reunidos em calcadouros.

108Cordas – Artigo de que precisa haver abundante provisão em todas as lavouras. Usam-se de junça, de esparto, de linho e de cabelo. As mais usadas são as de junça, pela sua extrema barateza e valor, que não despertam ideias de furto aos serviçais que as empregam, como acontece com outras melhores e mais caras. Sobre o custo e dimensões das cordas, veja-se o artigo Cordoeiros, na p. 108.

109Corneiras – Correias tiradas de couro cru, com que se prendem os bois à canga.

110Cornas – Vasilhas de chavelho, com rolhas de cortiça, em que se transportam merendas de carne, azeitonas, etc.

111Couros – Os das reses bovinas que morrem reservam-se para se retalharem em correame destinado a apeiragem das muares e dos bois. Se a existência é superior aos gastos do consumo, os couros de sobejo vendem-se aos peleiros ambulantes, que os procuram de vez em quando.

112Se um lavrador carece de couros para apeiragens, em virtude de lhe não morrer gado, demora quanto pode a compra desse artigo. Uma superstição vulgar diz-lhe que em comprando couros, terá morrinha nas reses.

113Debulhadoras – Representam a alfaia agrícola moderna mais perfeita e vantajosa, posto que o seu custo seja relativamente caro e inacessível à bolsa do pequeno e do mediano lavrador.

114As debulhadoras mecânicas estão de há muito introduzidas no concelho de Elvas e nos limítrofes. Quem primeiro as empregou nesta região foi o falecido Joaquim Lúcio de Couto, lavrador abastado, inteligente e empreendedor, que no ano de 1879, tendo uma seara importantíssima e reconhecendo a impossibilidade de a debulhar a tempo com as suas éguas, alugou, para maior despacho, a Sebastião Alvarez, de Borba, uma debulhadora Ransomes, de que fez uso. Pela primeira vez silvou então uma locomóvel de máquina agrícola nas ubérrimas campinas elvenses, cabendo essa honra à herdade da Gramicha, a poucos quilómetros de Elvas. Os silvos levaram longe a fama da nova máquina, maravilhando os campónios que ouviam a descrição do engenho e mais ainda os que o viam funcionar.

115O próprio sr. Couto tão satisfeito ficou com o resultado que, poucos anos depois, adquiria uma debulhadora Garrett, de que usou até trespassar a lavoura. Mas ao tempo de o sr. Couto adquirir a Garrett, já os srs. Reynolds, de Estremoz, haviam utilizado outra máquina nas eiras da sua lavoura do Reguengo de Barbacena. Todavia, ninguém mais dos sítios abraçava o novo sistema de debulha, que, apesar de perfeito, era caro e mal compreendido pelos trabalhadores rurais.

116De 1881 a 1889 nenhum lavrador de Elvas adoptou as debulhadoras, já pelos motivos expostos, já por que a agricultura alentejana debatia-se, então, angustiosa com os efeitos de uma crise medonha que a arruinava. Não obstante, o tempo e as ideias da época venceram todos esses obstáculos, como adiante se verá. Nas circunstâncias que se davam, não é para admirar que fosse preciso o decurso de oito a dez anos para se desvanecerem as dúvidas e desconfianças que sempre acompanham todas as inovações. Historiemos:

117No ano de 1890, encontrando-se por acaso num comboio de viagem para Lisboa, os srs. Ramiro Marçal, agrónomo do distrito de Portalegre, Francisco da Silva Lobão Rasquilha, lavrador em Santa Eulália, ambos encetaram palestra sobre questões agrícolas, vindo à tela a especialidade máquinas.

118Disse o primeiro ao segundo que, se os lavradores quisessem empregar ceifeiras e debulhadoras mecânicas, julgava possível obterem-se do Governo, alugadas, bastando para isso requerê-las com empenho à direcção de agricultura, mediante o compromisso de lhes darem trabalho avultado. A uma e outra coisa se prontificou imediatamente o sr. Rasquilha, acordando logo com o ilustre agrónomo irem os dois no dia seguinte à presença do sr. Elvino de Brito, director-geral de Agricultura, para lhe exporem a pretensão e pedir-lhe deferimento.

119Assim o fizeram efectivamente, obtendo do sr. Elvino as melhores promessas.

120Em Abril do mesmo ano, visitando a cidade de Portalegre, o ministro das Obras Públicas, sr. Frederico Arouca, o sr. Ramiro, num discurso que pronunciou no banquete dado em honra daquele estadista, lembrou, entre outros alvitres de protecção aos lavradores, a conveniência de o Estado lhes alugar máquinas agrícolas, de que eles se pudessem utilizar com proveito, sem grande sacrifício pecuniário.

121Como representante do Governo, prometeu o sr. Arouca dispensar essa concessão, que já de há muito existia na sua mente, a par de outras medidas que tencionava pôr em prática para atenuar a crise agrícola que naquele tempo flagelava o País e especialmente o Alentejo.

122Com efeito, ao aproximarem-se as colheitas chegaram as prometidas máquinas. Na estação de Santa Eulália desembarcaram uma locomóvel e uma debulhadora Clayton e uma ceifeira Osborne. Na de Portalegre ou na do Crato, ficou uma compressora.

123A debulhadora serviu por bastante tempo nas eiras dos srs. Francisco da Silva Lobão Rasquilha e José Joaquim da Silva. O primeiro aplicou-a à debulha do centeio na herdade de Almeida, freguesia de Santa Eulália, e à do trigo na do Revelhos, concelho de Arronches, e Reguengo, freguesia de Barbacena. O segundo empregou-a em centeio, na herdade do Baldio do Conde, junto a Santa Eulália, e também em trigo na eira das Longas, freguesia da Ventosa.

124Nesse primeiro ano o aluguer da Clayton foi de 10 % sobre o valor dos cereais debulhados, e mais os seguintes ónus para o lavrador:

125Prévia reparação dos caminhos por onde houvessem de transitar as máquinas, sua condução para o local da eira; recondução para o depósito ou ponto que particularmente se convencionasse, e, finalmente, fornecimento de água e combustível, bem como vasilhas para água.

126Todas as despesas feitas com o pessoal empregado na debulha ficavam a cargo exclusivo do Governo, sem a menor remuneração por parte do agricultor.

127Reconheceu-se a carestia de semelhante aluguer, ainda onerado por condições gravosas, e por isso, e em resultado de propostas apresentadas às estações competentes pelos agricultores srs. Lobão Rasquilha e Miguel de Sá Nogueira, determinou-se superiormente que os 10 % fossem reduzidos a sete para o trigo, seis para o centeio e cevada, e cinco para a aveia, subsistindo nestes novos contratos todas as demais condições atrás descritas.

128Esta redução foi recebida com unânime aplauso e logo se lhe reconheceu a utilidade. O número de propostas para as debulhas das colheitas de 1893 passou a ser muito superior ao dos anos anteriores em que se pagava a primitiva percentagem.

129Mas, ou porque a quantidade dos cereais a debulhar fosse grande, ou porque as máquinas gastavam muitos dias no transporte de uns para outros sítios, é certo que a debulhadora não pôde satisfazer em tempo oportuno todas as propostas apresentadas e aceites. E como a época das colheitas ia decorrida, sem que as máquinas saíssem das eiras em que trabalhavam nos concelhos do Crato e Portalegre, os proponentes de Elvas e os de Arronches desistiram das suas propostas, à excepção dos srs. Lobão Rasquilha e José da Silva, que esperaram mas que só foram servidos quase no fim do Verão, demora que muito os contrariou, como é fácil de presumir.

130De resto, a debulhadora do Governo ainda depois debulhou parte da seara do Dr. Gorjão, na Várzea Redonda, concelho do Alandroal, distrito de Évora. Contudo, era manifesta a insuficiência de uma única debulhadora na sexta região agronómica (distrito de Portalegre), região assaz extensa, onde há zonas cerealíferas de importância superior.

131Impunha-se, por conseguinte, a necessidade de os poderes públicos adquirirem outra máquina análoga, estabelecendo-se dois depósitos oficiais, um ao norte e outro ao sul do distrito. O funcionamento de uma só debulhadora tornava-se desvantajosa para os agricultores e para o próprio Estado. As máquinas quase que gastavam tanto tempo em caminhadas como nas debulhas propriamente ditas.

132O inconveniente era pois manifesto e urgia remediá-lo. Mas como a solução demorasse, resolveram ir solicitá-la verbalmente aos srs. Augusto de Andrade, grande proprietário do concelho de Elvas e Lobão Rasquilha, lavrador no mesmo, os quais se apresentaram de facto e para esse fim ao sr. Elvino de Brito, que logo prometeu satisfazer-lhes o empenho, com a máxima boa vontade.

133Efectivamente, pouco tempo depois, a Direcção-Geral de Agricultura, remetia para Elvas uma segunda debulhadora Clayton, a fim de ainda servir nas colheitas de 1894.

134Mas não foi isso possível, porque quando a nova máquina chegou, já as debulhas haviam acabado. Em todo o caso, as providências para os anos futuros pareciam asseguradas. E estavam com certeza. Nesse entretanto, ou passados meses, foi definitivamente resolvida a instalação de dois depósitos de máquinas agrícolas no distrito de Portalegre, providências que se tomaram logo, montando-se um depósito ao norte do distrito, com sede no monte da Crucieira, concelho do Crato, e outro, na zona do sul, na aldeia de Santa Eulália, concelho de Elvas.

135Entre os agentes do Governo e os senhorios dos prédios que se adaptaram a depósitos acordou-se não pagar ao Estado renda alguma, mas em compensação terem a preferência os donos dos armazéns no aluguer e uso das máquinas.

*

136Ao passo que o Governo e os seus delegados nas regiões agronómicas do Sul concorriam para o emprego das debulhadoras de cereais, as casas construtoras estrangeiras, por intermédio dos respectivos depositários e agentes, começavam também a procurar os lavradores para venderem essas e outras máquinas agrícolas. Semelhante propaganda, conjugada com o enorme desenvolvimento que a agricultura tomou em 1894 para cá, fruto das leis protectoras dos cereais, promulgadas nesse meio tempo, deram em resultado a aquisição de muitas debulhadoras por parte dos lavradores. Em dois ou três anos compraram-se tantas que os poderes do Estado acabaram com os depósitos oficiais, instalados em 1890. Reconheceu-se que eram então já desnecessários, por não passarem de elementos de vulgarização. Deveriam sim conservar-se, se a par das máquinas houvesse pessoal competente, expressamente incumbido de instruir os campónios que pretendessem aprender a trabalhar com elas. Que esses depósitos fossem centros de escolas móveis, dirigidas por práticos assaz familiarizados com as engrenagens e funcionamento dos maquinismos. Mas os depósitos não tinham semelhante carácter e portanto não se tornou sensível a sua extinção.

*

  • 15 A debulhadora Ruston alcançou o primeiro prémio no concurso de máquinas, que se realizou recentemen (...)

137No concelho de Elvas há hoje dezassete debulhadoras dos sistemas Clayton e Ruston(15) que trabalham nas eiras dos respectivos proprietários e algumas servem também nas dos lavradores vizinhos que as tomam de aluguer, por não quererem ou não poderem possuir máquina sua. O preço do aluguer costuma ser de 5 % do valor do cereal debulhado, acrescendo o custo do combustível, água e salários do pessoal empregado, com exclusão do maquinista, fogueiro, alimentadores e oito homens auxiliares para chegarem os molhos. Em regra, estes oito homens pertencem à ganharia da casa, mas o dono da máquina abona ao lavrador o custo destes salários. Por sua parte, o lavrador costuma dar comida ao maquinista, fogueiro e alimentadores que, como já fiz ver, vencem por conta do proprietário da máquina.

138Em anos abundantes, as debulhadoras não chegam para as necessidades do concelho, como aconteceu no Verão de 1903, em que as eiras terminaram no mês de Setembro.

*

139Quando as debulhadoras vieram, o pessoal campónio vociferava contra a inovação que, diziam, vinha baratear-lhe os salários e simplificar extraordinariamente as colheitas. Com o rendimento espantoso que as máquinas produziam (acrescentavam eles), os trabalhos das eiras durariam dois terços menos do que pelo sistema antigo, e por conseguinte que fazer depois, desde os meados de Julho até ao S. Mateus ? Em que se haviam de empregar nesse tempo centenas de pobres, não havendo searas a debulhar, serviço único, que entretinha antes toda a gente até ao fim de Agosto? As interrogações pareciam ter fundamento sério, digno de reflexão, e não poucos lavradores se preocuparam com o caso, temendo crises de falta de trabalho, a par de vinganças traiçoeiras dos que ostensivamente clamavam contra a introdução das máquinas, ameaçando os lavradores que as usassem.

140Como porém o homem põe e Deus dispõe, os factos subsequentes vieram dissipar todos esses receios, desvanecendo também, senão no todo, pelo menos em grande parte, as antipatias que ganhões e trabalhadores alardeavam contra as máquinas. É que com a vinda desses modernos e poderosos engenhos coincidiu a protecção à cultura cerealífera, que deu em resultado o alargamento enormíssimo dessa mesma cultura e por consequência a precisão de braços e a subida importante nos salários e soldadas.

  • 16 O mais que resta dizer sobre debulhadoras, tal como o seu rendimento de debulha nos diferentes cere (...)

141Nunca os ganhões e jornaleiros ganharam tanto no Verão como ganham depois que as debulhadoras se difundiram. Ainda bem que assim sucede, conciliando-se os interesses que pareciam antagónicos (16).

142Dente – Parte do arado onde se introduz o ferro que lavra a terra.

143Eixos – Para carros de muares, usam-se de madeira e de ferro, predominando os de madeira nas grandes lavouras. Os de ferro, exigem cuidados de conservação, que a maioria dos carreiros não querem ou não sabem dispensar.

144Enfardadeiras – Máquinas compressoras de palhas e fenos que há vinte e tantos anos se introduziram nesta região, e que ultimamente se têm generalizado bastante.

145Movidas por parelhas de muares, ou a vapor, que por um e outro processo funcionam em número avultado por todo o concelho de Elvas, são de notória vantagem para a agricultura cerealífera.

146Com tais máquinas aproveitam-se as palhas em absoluto, reduz-se-lhe o volume por efeito da prensagem, e assim enfardada e comprimida em fardos de fácil carregamento, deixa-se em óptimas condições de armazenagem, conservação e transporte. Precisamente o inverso do que sucede com a palha a granel, que se desperdiça imenso, tanto nas almenaras e palheiros, como nos transportes em redes.

147Em geral, as enfardadeiras pertencem aos negociantes que compram a palha aos lavradores, e trabalham, é claro, por conta dos mesmos negociantes. Há, porém, lavradores grandes que prensam as palhas com máquinas suas, e outros que as alugam.

148Enfueiradura – O conjunto dos fueiros e tendais de um carro.

149Enteichadura – O todo de um arado, com seus respectivos acessórios: «ferro», canga, chavelha, aguilhada e correame.

150Enxadas – Ferramentas de ferro, largas e espalmadas, de cabo comprido de madeira, com que se cavam as terras para batatas, melanciais, vinhedos, etc. Adoptam-se de dois feitios: rasas ou roseiras, e pontiagudas ou de bicos. As primeiras servem com vantagem nos terrenos arenosos, de fabrico fácil. As segundas usam-se nas terras argilosas e em outras que ofereçam resistência.

151Enxadões – Instrumentos semelhantes às enxadas, diferenciando-se por serem mais grossos e compridos, mas menos largos. Com os enxadões procede-se às desmoitas do piorno, giesta e outros arbustos, e aos arranques de cepa. São utensílios que se confundem com os alvidões, se bem que os alvidões costumam ser mais fortes, estreitos e compridos.

152Enxó – Ferramenta de carpintaria, que, com outras, o abegão traz na lavoura propriamente dita, para consertar os arados e renovar-lhes as aivecas.

153Escadas – Encontram-se de várias dimensões e altura em todas as sedes de lavoura, servindo principalmente para os homens treparem e procederem ao asseteamento de almenaras, malhadas e pocilgões.

154Escopro – Instrumento de carpintaria que também acompanha o abegão para o conserto dos arados. Serve para alargar o buraco das gargantas por onde entra a teiró, e o dos arados em que se aloja o me rilho.

155Espartões – Tecidos de esparto em forma de esteira, que, em determinados acarretos, guarnecem e revestem as enfueiraduras dos carros. Os espartões vinham antigamente de Espanha, mas na actualidade preparam-se em Elvas e em outros centros agrícolas do País.

156Estacas – Varas de azinho com forca, que amparam as cancelas dos bardos. Paus curtos e grossos, que se cravam no solo, junto aos mangedourais, para se prenderem os bois. «Prender à estaca», como se diz vulgarmente.

157Esteios –Paus compridos com esgalhos, que se aplicam nas construções dos bardos de cabras, malhadas, choças, etc.

158Esteiras – Fazem-se de bunho, colhido de Verão nas ribeiras. Servem para as camas dos criados «de portas adentro», e para colocar sobre os carros, quando transportam sacos com cereais. Nos montes costuma haver provisão de esteiras, feitas por qualquer entendido, nas ocasiões de poucos afazeres, ou às horas vagas, por amor à arte ou mediante gorjeta.

159Esteirões – Usam-se de tecido de palma, comprados nas feiras aos algarvios para aplicações semelhantes à das esteiras.

160Ferrados – Receptáculos de barro tosco ou de lata, com duas asas e a competente bica, para onde se ordenham as cabras e as ovelhas. Os destinados às ovelhas são mais pequenos. Num bardo de cabras e num aprisco de ovelhas, empregam-se três ferrados pelo menos, que aí permanecem em toda a época: dois ou mais, para os ordenhos, e um, o pior, para os cães do rebanho comerem as perrumas, de mistura com água e leite.

161Ferros de arado – Cada lavoura, bem provida, costuma ter «ferros» no triplo do número de arados que «deita» pela sementeira outonal, ou sejam três ferragens completas: uma para estar em serviço, outra de reserva, pronta a substituir aquela, e a terceira na loja do ferreiro a consertar.

162Ferros de marcar gado – Todos os lavradores têm «ferros» para marcar a fogo os seus gados, sendo maiores os que se aplicam aos gados bovino, cavalar e muar, e pequenos os que se empregam no gado miúdo, como ovelhas, cabras e porcos. Estes ferros representam iniciais ou monogramas dos nomes dos possuidores ou dos seus ascendentes, mas também há lavradores que os usam em forma de cruzes, estrelas, traços, etc. Em certas «casas», o ferro dos gados miúdos é de configuração diversa do reservado para os gados vacum, cavalar e muar.

163A catalogação completa e conscienciosa dos ferros dos gados em Portugal devia estar feita de há muito, constituindo objecto exclusivo de uma obra que faz falta.

  • 17 Também estampa ferros espanhóis, e por sinal que muitíssimos, especialmente na Andaluzia e Estremad (...)

164Temos esperança de que não tardará a sua publicação. Ao que parece, disso tratam homens competentes, que já anunciaram e que têm solicitado os indispensáveis informes. Desse anunciado livro é principal autor o sr. Vitória Pereira, oficial do exército, que em 1887 publicou um trabalho útil sobre o mesmo assunto, mas deficiente, a avaliar pelas lacunas que se lhe notam na parte que respeita ao concelho de Elvas. É de justiça acrescentar que dessa deficiência só foram culpados alguns criadores elvenses, que sendo convidados a dar os precisos esclarecimentos, esqueceram-se de os fornecer. Ainda assim, no catálogo do sr. Pereira, publicado em 1887, mencionam-se duzentos e setenta e cinco ferros portugueses (17), sendo duzentos e trinta e sete conhecidos e trinta e oito classificados desconhecidos.

165Entre os duzentos e trinta e sete, figuram quinze de lavradores do concelho de Elvas, e nos trinta e oito inserem-se quatro, também deste termo. Dezanove, portanto, número muito inferior à realidade, mesmo nessa época. Hoje então ascendem ao dobro ou triplo. Oxalá todos venham estampados no livro que se aguarda.

166Foices – Só se encontram em limitado número entre a alfaiaria agrícola de um lavrador. Em geral, pertencem aos próprios ceifeiros, sendo todas do feitio comum e antiquíssimo que já usavam os gauleses. Os lavradores somente possuem foices para a ceifa do alcácer ou verde que dão às bestas e aos bois na Primavera.

167Forcados – Usam-se de pau e de ferro, para chegar molhos aos carros, e também nos serviços das eiras e outros. Os forcados de pau «encozem-se» ao fogo, quando ainda estão verdes, entalando-se e comprimindo-se entre os degraus de uma escada «de mão», onde se conservam alguns dias, atados pelas pontas, para adquirirem a volta e queda apropriada. Depois são aperfeiçoados pelo carpinteiro.

168Forquilhas – Empregam-se de madeira, e são providas de quatro a oito dentes de zambujeiro. Servem principalmente nos trabalhos das eiras, para o que se preparam e consertam nas vésperas das colheitas.

169Para as remoções de estrumes e palhiços adoptam-se forquilhas de ferro, de diferentes modelos e procedências.

170Fueiros – Paus que compõem o engradamento e vedação dos carros, entre os limões e os tendais.

171Gadanhas – Espécie de foices muito largas e compridas, que servem para cortar os fenos. Mantêm em absoluto o tipo primitivo de que há memória. Em regra, estes instrumentos agrícolas não pertencem ao lavrador, mas sim aos gadanheiros, que os manejam. O lavrador possui por acaso uma ou duas gadanhas para o corte de fenos a jornal, sistema que só adopta em pequena escala e por excepção.

172Gadanheiras – Começaram a empregar-se nos últimos anos, de vários sistemas, nas lavouras grandes, onde se experimentam as principais inovações. Dão resultado nos terrenos planos e limpos de pedras.

173Gamelas – Vasilhas de madeira, para os bois comerem palha com farinha, farelos, etc.

174Garganta – Peça de madeira que, sobreposta na ponta, constitui a parte do arado chamada timão. Veja-se Arado.

175Golpelhas – Vasilhas de palma para condução de palhas e de muitos outros artigos que se transportam em bestas com aparelho de carga. Às golpelhas maiores chamam-se-lhes ceirões. Das pequenas faz-se larga provisão, por serem aplicáveis a muita coisa e estragarem-se depressa.

176Grade – Em agricultura, dá-se este nome ao instrumento que destorroa a terra dos alqueives, puxado a uma junta ou parelha, dirigida pelo correspondente guia.

177No concelho de Elvas ainda persiste a grade antiga, de madeira tosca, com lâminas de ferro, vulgarmente conhecidas por focas ou dentes. Consta de dois rojões de azinho, recurvados, com dentadura e duas travessas, tendo também duas argolas com destino a prenderem as arrastas de engate.

  • 18 A grade que ainda hoje se usa nas lavradas, a que os romanos chamavam crates dentatal e de que fala (...)

178Este instrumento rudimentar e baratíssimo dá bons resultados, sobretudo nas terras delgadas, de fácil desagregamento. Nestas terras, chegam a empregar-se grades que nem dentes possuem. Apenas os rojões de madeira e nada mais. Não obstante, também se usam outras, que contrastam em absoluto pelo seu cunho moderno – grades articuladas de ferro, dos vários modelos que vendem as casas construtoras (18).

179Gral – Vaso de madeira aberto em lenho maciço, reforçado exteriormente com cintas de ferro, onde se maceram os pimentões para tempero da carne de porco a ensacar, e bem assim o cardo para a coagulação do leite com que se fabrica o queijo.

180Gravato – Varapau munido de gancho na ponta, que os pastores usam atrás dos rebanhos, para com o gancho presarem por uma perna a rês lanígera que se proponham agarrar. É a maneira mais fácil de apanharem sem custo qualquer cabeça ovina.

181Jangada – Arado com varais para uma besta. Ordinariamente serve só para embelgar, isto é, para abrir regos de pequeníssimo sulco, com que se retalha em belgas a terra que se vai semear e lavrar de sementeira. As belgas destinam-se a nortear o semeador na distribuição da semente.

182Joeiradores – Veja-se Crivos.

183Jugo – Canga que se coloca junto dos cornos dos bois, obrigando-os a trabalhar de cabeça assaz erguida. Usa-se unicamente nas lavouras dos barros.

184Lençóis – Preparam-se de estopa, para os carros, por ocasião dos acarretos das searas para as eiras, a fim de se aproveitarem os grãos de trigo e de centeio que desbagoam das espigas.

185Lhantrados – Barras de ferro, com que se preparam os aros para as rodas dos carros. Quando se inutilizam nessa aplicação, aproveitam-se para chapas de reforço nos limões e outras serventias.

186Limões – Barrotes faceados, que constituem as extremidades laterais dos leitos dos carros.

187Maceirões – Vasilhas de madeira, estreitas e compridas, para bebedouro dos gados junto aos poços sem chafariz, ou em outro sítio, para onde se transporte água, com análogo destino. Servem principalmente de Verão e em tempo de estiagens extraordinárias, nas zonas escassas de nascentes. Também se utilizam para comedouros dos cevões nos chiqueiros.

188machados – Ferramentas imprescindíveis para limpar o arvoredo, «fazer» a lenha e «tirar» a madeira. Também se lhes chamam malhos.

189madeiras – Todas que se apuram nos «cortes» de azinho e de sobro e as outras de freixo, mosqueiro, choupo, etc., que se criam e cortam nas margens dos ribeiros e nas hortas, em condições de servirem para arados, carros e outras aplicações similares, são cuidadosamente apartadas e assinaladas pelo carpinteiro, como já tive ensejo de dizer e pormenorizar no capítulo Montados.

190As madeiras para alfaias agrícolas representam uma despesa avultada para o lavrador que tem de as comprar, como sucede a alguns. E o pior é que muitas vezes nem as encontram à venda com facilidade, tanto é a procura e a escassez. As peças para o fabrico de gargantas e «arados» são as que mais escasseiam, por serem precisamente as que maior consumo têm.

191mangas – Chocalhos de enormes dimensões que, no Inverno, se põem nos bois e vacas, embora já se usassem muito mais, sobretudo nos bois. Nas vacas, ainda persiste o costume, na época própria, mas somente para as vadias e gulosas, useiras em se escaparem da vacada para invadirem «folhas» ou pastagens guardadas.

192Manganilho – Varejão munido de correia, de onde pende uma vara curta e grossa, com que os porqueiros batem e sacodem a bolota das azinheiras e sobreiros, para os porcos comerem na ocasião.

193manguais – Paus com que se procede à malha ou debulha braçal do centeio, como outrora se usava em toda a parte e hoje pouco se vê.

194O mangual consta de duas peças – mangueira e perítico – presas por correias denominadas meãs, e pelas argolas ou articulações em que terminam os revestimentos de couro que lhes envolvem as extremidades. Ao revestimento da ponta da mangueira chama-se camisa ; o da ponta do perítico designa-se por car apulo.

195A mangueira, vara comprida de castanho, representa a haste que o malhador empunha no acto da malha. O perítico, lenho curto e nodoso, de zambujeiro, de uns 90 cm, terminando em cachaporra, serve para vibrar as pancadas nas espigas do centeio, revolteando nos ares, ao impulso vigoroso dos braços que o manobram.

196Martelo – Entre os apetrechos que acompanham o abegão nos serviços dos alqueives e sementeiras figura sempre um martelo, como traste imprescindível para o amanho das enteichaduras.

197Massas – O centro das rodas dos carros.

198Mata-bois – Pequenas vergas de ferro, que atravessam os limões e o eixo dos carros.

199Meio – Peça central da canga de muares.

200Mexilho – Gancho com duas hastes, que se introduz no arado para amparar as «orelhas» das aivecas.

201Miulo – Prancha central das rodas dos carros manchegos.

202Padiola – Utensílio para remoção de pedras e outros objectos.

203Pás – As de madeira, servem para a limpeza do grão nas eiras e para as voltas dos cereais nos celeiros, «apadejando-os» e removendo-os, assim, de um para outro ponto. Destas pás, as melhores são as de nogueira, que os lavradores mandam preparar pelo car pinteiro da casa, ou as compram nas feiras de Maio e Junho. Uma pá bem feita, é singularmente apreciada por todos os homens do campo.

204Fora das fainas das eiras e da baldeação de cereais, empregam-se as pás de ferro inglesas. E ainda se adoptam outras de madeira, compridas e estreitas, ou de ferro, largas e curtas, para meter e tirar o pão do forno.

205Pegões – Paus onde encaixam as varelas que compõem o engradado das cancelas dos bardos e apriscos.

206Perítica – Vigota que sustenta o leito dos carros de lavoura, prolongando-se para a frente, como vara de engate. As períticas costumam ser de castanho, mormente nos carros de muares. Para as carretas e manchegos, também se emprega o choupo, pinho, etc.

207Pescaz – Cunha chanfrada, que reperta a teiró no orifício da garganta. Veja-se Arado.

208Pespinheiro – Ferro com duas hastes, que substitui as aivecas. Só se usa em algumas lavouras dos barros.

209Pinas – Peças que formam a circunferência das rodas dos carros.

210Pipa – Barrica grande que se usa em carro, para abastecimento de água nos montes.

211Ponta – A parte posterior do timão.

212Quartão – Medida antiga, de barro, correspondente à quarta parte do almude.

213Rabadas – Madeixas de cabelo da cauda dos bois, com que se ornamentam as corneiras ou tiradeiras das juntas do abegão e outras entidades «de pensão».

214Raios – Os paus que encaixam nas pinas e massas dos carros.

215Rastilho – Espécie de grade dentada, para com uma parelha se sulcar de leve as terras semeadas, muito abatidas por chuvas copiosas, seguidas de calores intensos.

216Rasoura – Medida antiga de madeira, correspondente a meio alqueire.

217Recocões – Acessórios do carro manchego (dois em cada carro), que atravessam o centro dos limões e vão circunscrever a rotação do eixo.

218Redes – Usam-se dois tipos de redes: as chamadas de alfirme, com que se preparam de pronto redis ligeiros para gado lanígero, e as outras maiores, de junça ou de linho, para a condução de palha a granel, em carros. Estas merecem particular menção, pela quantidade de palha que comportam e pelo fantástico efeito que produzem quando nos carros se erguem alterosas e repletas, movidas por boas parelhas.

219Compõem, como disse noutro lugar, carradas gigantescas, terminando para a frente e retaguarda em bolsas colossais, de malhas tensas, a tocarem no chão. Para bem da parelha, o peso da carrada não está em relação com o volume. Sem grande custo, os animais puxam aquela monstruosidade, que avança impavidamente, pejando e sujando os caminhos. No Verão, as estradas e ruas apresentam vastos vestígios desses acarretos necessários, mas incómodos para os transeuntes e moradores dos sítios por onde passam. Nos dias de vento o mal agrava-se. Ao sopro da ventania e dos movimentos do veículo, a palha menos comprimida escapa-se da rede, e depois de remoinhar pelo espaço em torvelinhos caprichosos introduz-se e cai por toda a parte, como hóspede importuno e sem-cerimonioso. Fruto do tempo, que os hábitos toleram.

220Respigador – Aparelho com dentes de arame, recurvados, para aproveitamento das espigas nos rastolhos. Introduziu-se há anos, mas não se tem generalizado o seu uso.

221Rodo – Ferro recurvado, embebido em varejão, para espalhar o brasido do forno de cozer o pão. Utensílio de madeira com que nas eiras se arrojam e juntam os cereais desempalhagados, arredios dos calcadouros.

222Roçadouras – Ferramentas com que se roça o mato e se chapota a chamiça e lenha miúda.

223Sabicões – Barras de ferro, que reforçam a parte inferior do eixo dos carros.

224Sacos – Uma lavoura qualquer dispõe de sacarias suficientes para os acarretos e remoções dos cereais e legumes. Por muitas que haja, é axiomático dizer-se que nunca chegam, tanto se repartem e tantas são as aplicações. Cada sacaria consta de dez sacos, marcados a tinta e óleo, com as iniciais do dono, número de sacaria, nome da «casa» a que pertence, e a era, tudo em caracteres graúdos, visíveis de longe. Esta profusão de sinais e distintivos tem por fim pôr o objecto em condições de ser reconhecido, quando porventura se veja depois de extraviado. Mas a despeito de semelhantes cautelas, é correntíssimo extraviarem-se sacos, uns realmente perdidos, outros sonegados, principalmente no tempo das eiras, em que a barafunda dos acarretos ocasiona muitas faltas.

225Cada saco comporta oito a onze decalitros de sementes, o máximo, salvo os de linhagem, de fabrico a vapor, que se compram já preparados e que são maiores, mas de pior qualidade que os de fiação caseira, procedentes das povoações beirãs.

226Estes últimos usam-se de preferência, embora custem mais. Pela maior parte talham-se e preparam-se nas casas dos lavradores, com estopa, comprada em peça aos paneiros ambulantes. A estopa preferida e paga como melhor é a de Arouca e a de Oliveira de Azeméis. E há lavradores que ainda se fornecem dos antigos sacos de leteiro, que vêm da Beira Baixa já prontos, constituindo também manufactura das pequenas indústrias domésticas. Em qualidade, são superiores a todos os outros, mas pecam por estreitos, motivo porque vão estando banidos.

227A reparação e arrecadação dos sacos está a cargo da lavradora. É a ela que os criados se dirigem, para lhe pedirem ou entregarem sacos, e dela ouvem reparos e reprimendas, pelas faltas e estragos. Os criados ouvem e defendem-se, como podem, mas não se ralam. Sacos e cordas extraviam-se e deterioram-se imenso, por mais cautelas que haja e por muito que os donos gritem e barafustem.

228Sachos – Posto que figurem no ferramental de uma lavoura, é sempre em pequena quantidade. O seu maior emprego é nas mondas e sachas, mas aí, por costume antiquíssimo, são as próprias mondadeiras que os fornecem.

229Saleiro – Pequeno cortiço, arrimado ao canto da «chaminé», contendo o sal da cozinha.

230sementeiro – Saco com o cereal da semente, que o semeador traz ao ombro e a tiracolo, no acto de semear.

231Serras – Das manuais, de carpintaria, costuma haver algumas, de diferentes tamanhos, para serrar aivecas, e outras coisas. Das mecânicas, a vapor, já funcionam duas no concelho de Elvas.

232Serrotes – Instrumentos de que nem todas as lavouras precisam. As que os necessitam, têm-nos dos grandes, para serrar madeiros transversalmente, e dos pequenos para enxertar zambujeiros, etc.

233Sinchos – Formas de lata para fabrico de queijos. Dos pequenos, para queijinhos, costuma haver cento e tantos a duzentos ou mais; dos grandes, para queijos de ovelhas, dez ou doze, aproximadamente. Como intermediários entre os pequenos e grandes, figura uma certa porção dos medianos, para as chamadas merendeiras.

234Suadouros – As extremidades da canga de muares.

235Tabuleiros – Empregam-se compridos e estreitos para o serviço da amassaria do pão de centeio e das perrumas. Os do pão de trigo têm menos capacidade.

236Tachos – Artigo de que é costume haver abundante e variada provisão, desde os de cobre e arame, de diversas dimensões, que pela maior parte só servem para ornato das prateleiras e guirlandas, até aos de lata e de ferro, empregados nos serviços da cozinha, amassaria e queijeira.

237Taipais – Tabuados encostados às enfueiraduras, para conterem as carradas de estrume e outras semelhantes.

238Taleigos – Saquinhos para merendas e objectos miúdos.

239Taleiras – As travessas dianteira e traseira do leito de um carro, ambas sobrepostas no respectivo tabuado.

240Tamoeiro – Vide Apeiro.

241Tarefa – Pequeno pote de barro para vasilha de azeitonas ou de carne, azeite, queijos, etc.

242Tararas – Pequenas máquinas, providas de ventoinhas, com que se limpam, a braços, cereais e legumes. Pouco se usam na região elvense.

243Telizes – O conjunto dos apetrechos agrícolas e de outras coisas de uso pessoal que, reunidos, se transportam em carros ou em bestas, por ocasião de mudança de «arados», de rebanhos de gado, ou de pessoal trabalhador. É um plebleísmo antigo, hoje somente empregado por criados velhos, de lavoura. É sinónimo de bafâmedes, outro vocábulo rústico com igual significação, mas mais em voga.

244Tarugos – Pauzinhos preparados a enxó para cavilharem e ligarem o rabanejo ao arado e a garganta à ponta.

  • 19 Vulgarmente, diz-se timão.

245Temão ou timão (19) – A parte do arado completo, constituída pela garganta e ponta.

246Tendais – Os paus que completam as enfueiraduras dos carros. Vide Carros.

247Terísias – Varas de castanho, com que se preparam as cancelas, para bardos e apriscos.

248Tiradeiras – Vide Corneiras.

249Tornejas – Ganchos de ferro que atravessam as pontas do eixo dos carros, impedindo a deslocação das rodas.

250Travessas – Barrotes de azinho, que se empregam nos leitos dos carros.

  • 20 Segundo Wilkinson, a espécie de trilho que empregam ainda agora os felás egípcios para bater o cere (...)

251Trilhos – Aparelho rústico e antiquíssimo, para debulha de cereais com o auxílio de uma parelha de muares ou de cavalares, sob a direcção do correspondente condutor. Consiste numa armação de madeira, em que funcionam três cilindros de ferro ou de madeira, cravejados de facas laminadas, para triturarem e esmagarem a palha, durante o movimento de rotação em que giram. Como acessórios, reúnem a lança para engate, e a cadeira ou assento do condutor, sobreposta em cima (20).

252Sentado na cadeira, de arreatas em punho, voltadas sobre a canga, o guia do trilho serve-se de um chicote para estimular as bestas e dirigir o trabalho. Torneando e quarteando o calcadouro, segundo as circunstâncias reclamam, os animais puxam como podem, e a engenhoca lá se vai movendo conforme o passo dos quadrúpedes, caminhando soluçante por entre a palha que fragmenta.

253Nas eiras de grande movimento só se empregam os trilhos como auxiliares das «cobras» de éguas. Mesmo nestas condições, tudo faz supor que em breve se abandonem, se continuarem a generalizar-se as debulhadoras a vapor. No futuro, o trilho servirá somente aos pequenos seareiros.

254Tripeças – Assentos rústicos com três pés, muito usados nos montes.

255Vasculhos – Vassouras grandes, de giesta e outros arbustos, para varrer os bardos das cabras, as eiras, as cavalariças e os terreiros dos montes. Preparam-nos os criados «de portas adentro», nas horas de poucos afazeres, ou compram-se aos malteses, quando aparecem a oferecê-los.

256Verrumas – No ferramental que o abegão traz na lavoura figura uma ou duas verrumas, para abrir os buracos das aivecas.

257Viadoras – Caminheiras a vapor, principalmente destinadas a rebocarem vagões, debulhadoras e outras máquinas grandes, que tenham de se remover e transportar pelos caminhos ordinários.

258Foi o sr. Alfredo Andrade, grande e ilustradíssimo proprietário do concelho de Elvas, quem, no ano de 1901 ou 1902, introduziu a primeira viadora nesta região. Adquiriu-a para a utilizar na sua lavoura de Fonte Alva, freguesia de Santa Eulália, onde efectivamente está funcionando.

Aprestos de cavalgaduras

259Pela conexão que têm com as alfaias agrícolas, cumpre mencioná-los no mesmo capítulo, embora à parte e por outro método, isto é, abandonando a ordem alfabética seguida até aqui. Portanto, a catalogação dos arreios e atavios das bestas e cavalgaduras figurará em parágrafos, correspondentes à classe e emprego dos solípedes que usam esses preparos. Eis a menção dos principais:

  • 21 O uso de esquilas ou chocalhinhos nos cabrestos das muareis não é geral, nem permanente. Mesmo nos (...)

260Para muares em serviço de carro e arado – Cabrestos com sírgolas de correias e duas argolas nos lados da focinheira, para introdução e segurança das serrilhas e aranhas, ligadas às arreatas. Das sírgolas pendem esquilas ou chocalhinhos, se estão em uso no sítio esses adornos buliçosos (21).

  • 22 Cabelos de teixugo, compridos, guarnecendo e sobressaindo das extremidades dos entre olhos, focinhe (...)

261Com louça ou «à calada», adoptam-se cabrestos de três tipos, pelo menos. Primeiro: encarneirados, em atanado e panos de liga (algodão, linho, etc.), com entre olhos do mesmo preparo, enteixugados (22), tudo com guarnições e apontoados de estambre e pano de cores vivas, umas em relevo, outras em abertos. Segundo: encarneirados, em linho, à ligeira, também com entre olhos enteixugados. Terceiro : somente de cabedal, de talhe semelhante aos outros.

262Os cabrestos, munidos das correspondentes serrilhas e arreatas de linho e correntes de arame, compõem os pertences indispensáveis para a simples condução de uma parelha. Depois, para o trabalho da parelha em carro e arado, adicionam-se-lhe os burnis, mantas, canga, tapetes ou tapiços e barrigueiras.

263Os burnis, constam de dois chumaços grandes, de palha de centeio, revestidos de couro azeitado e de carneiras. A volta que tomam dá-lhes a configuração elíptica. Servem, colocando-se sobre o cachaço dos animais, um em cada, a fim de neles firmar a canga. Por detrás, manta ou fardo de linhagem. Burnis e mantas põem-se nas bestas de cima para baixo, e atam-se, em baixo, pelas pontas, envolvendo-lhes a maior parte do pescoço.

264Logo a seguir, põe-se a canga e seus pertences, de onde se destacam os dois tapetes ou tapiços, dependurados dos cangalhos. São atavios vistosos e úteis, que ficam bem nas muares e as defendem um pouco das chuvas e do sol. Em geral, constam de panos de lona, pintada a cores, com a data e as iniciais dos donos, ou de peles de cão, bonitas e completas.

265Para ligar a canga aos burnis e ambas as coisas à parelha, empregam-se as barrigueiras – duas fortes ligaduras, encordoadas, de lã ou de linho, senão duas correias largas e extensas, com ou sem rabadas de boi na ponta. Quaisquer que se adoptem, cada barrigueira ou correia, sai da cabeça do cangalho de dentro, passa por baixo do sovaco e barriga da muar, e, açambarcando-lhe os costados e as espáduas, vai atar em cima, em nó corredio, no cangalho oposto, deixando laço de ponta caída. Com todos estes preparos, a parelha fica apta a engatar e trabalhar.

266Como foi observado na p. 260, em nota correspondente ao parágrafo churrião, os cabrestos das muares que puxam carros de cómodo pessoal denominam-se cabrestadas ou cabeçadas. Têm formas análogas às do primeiro dos modelos referidos, mas de maior aparato e custo, condizendo com o garridismo dos tapetes e barrigueiras que os acompanham, e que em tudo são superiores aos de uso ordinário.

  • 23 Este nome de aljorges é muito corrente no campo, para designar os guisos grandes.

267Com revestimentos de lã, umas e de seda, outras – as cabrestadas realçam pelos relevos e franjados de rutilantes cores, aplicações de teixugo, cuidadosamente tratadas, borlões, penachos, vidrilhos, etc. A cabeça dos animais quase que não se vê, oculta pelos franjados. No pescoço, destacam-se espaventosas coleiras de guisos, no mesmo gosto. Guiseiras e cabrestadas fazem um efeitarrão, que parece ser compreendido pelas próprias muares. Elas pelo menos assim o demonstram, sacudindo o cachaço a miúde, como que manifestando prazer com o tinir dos aljorges (23).

  • 24 O albardão de coldres com manta enrolada à frente vai caindo em desuso, assim como o peitoral. A se (...)

268Nas éguas e cavalos «montados» dos lavradoresCabrestada de freio e rédeas; albardão e coldres com manta enrolada à frente; silha de fivela por baixo do capeado do albardão ; loros e estribos; peitoral e rabicheira (24).

269Para a prisão à manjedoura, cabrestão vulgar.

270Nas éguas dos guardas, vaqueiros e eguariços – Cabrestada de freio e rédeas; ou de serrilha e arreata, com enxota-moscas de pequeninas correias pendentes da testeira; albardão raseiro, sem capa; peles de cão ou de outro animal, sobre o albardão, cobrindo-o todo; silha por cima, a descoberto; loros e estribos, e por último rabicheira ou atafais de vaqueta. Para a prisão na manjedoura, cabrestão ordinário. Para estacionamento a prado, peias de ferro com ou sem cadeado. As peias, quando se não aplicam, costumam figurar ao pescoço das respectivas cavalgaduras.

271Em muares de aparelho – Cabresto de couro com freio e rédeas; albardão raseiro ou de coldres; silha interior; loros e estribos; atafais ou rabicheira. É aparelho próprio dos machos e mulas em que transitam os compradores de lenhas, peles e cortiças, bem como os dos capadores, paneiros, etc. Para a manjedoura, cabrestão simples; no estacionamento a prado, peias de lã.

  • 25 O cabresto costuma ser confeccionado pelo próprio ganadeiro, nas horas vagas. Os ornatos da testeir (...)

272Nas burras dos ganadeiros – Cabresto de couro, com fivelas de metal amarelo e ornatos diversos, pendentes da testeira ou ligados da testeira à focinheira (25); arreata de correia simples ou tecida; albarda e peles de cão, inteiriças, por cima, com silha de correia e argola nas pontas, atando em nó corredio. Na traseira, atafais de couro, com fivelas grandes, amarelas. Em aparelhos de asininos não se vêem melhores nem mais bem cuidados, especialmente os das burras dos maiorais dos porcos. As destes e as de outros ganadeiros é frequente trazerem coleira ao pescoço, com uma pequena esquila ou chocalhinho.

273Nas bestas de carga, dos montes – Aparelho semelhante ao das burras dos ganadeiros, mas de pior qualidade e com menor estimação. Cabresto e atafais de linhagem ordinaríssima; arreata de corda, de esparto ou de junça; albarda e silha inferiores, e por cima da albarda duas peles de badana, mais ou menos rotas. Para o carreguio propriamente dito, uma golpelha, ceirão ou cangalhas, conforme a natureza dos artigos a transportar. Utensílios para carga e preparos do aparelho é vulgar exibirem-se num estado de desleixo manifesto, por estarem a cargo dos paquetes, condutores e tratadores dos animais que usam esses pertences. Ora, os paquetes são rapazes de doze a quatorze anos, mais inclinados a diabruras que a cautelas e arranjos.

274Nos MACHOS E BURROS DOS almocreves arrieiros – Cabresto e arreata vulgar, de linhagem, acompanhado de boçal de esparto, para evitar que a besta coma na seara e pousios marginais das estradas. Aparelho para carga de sacos; suadouro de linhagem, e por cima dois chumaços com palha de centeio, chamados lombinhos. Sobre os lombinhos, a servir de albarda, enxerga raseira, e por último a silha e o mandil – pano de estopa, debruado de ourelas ou de casteletas, com guarnição de cadilhos encarnados, pendentes. Na traseira, atafais singelos.

275Os arreios e mais pertences aqui referidos, como aprestos das cavalgaduras e bestas moldam-se um pouco nos seus congéneres da Estremadura espanhola e Andaluzia. Questão de semelhança vaga e nada mais, porque o fabrico desses utensílios é genuinamente nacional, caracteristicamente alentejano. Todos eles ou quase todos, são produto dos correeiros e albardeiros de Évora, Estremoz, Elvas, Portalegre, etc., etc. Os correeiros e albardeiros expõem à venda os respectivos artefactos nas lojas das suas oficinas, mas pouco vendem aí. Vendem, e muito, nas feiras de Vila Viçosa, Fronteira, Sousel, Borba, e outras, onde armam grandes e vistosas barracas, de um vasto sortimento. Nestas feiras poucos lavradores e homens do campo deixam de adquirir arreios e preparos para os seus gados. Muitos fazem até provisão de reserva, para o gasto de seis meses a um ano. Outros, adoptam o sistema de contratarem albardeiros e correeiros para irem servi-los aos montes, mediante salário.

Notes

1 Os apeiros e outros, de correame de couro cru, usado no gado bovino, como brochas, tiradeiras, etc., são amaiciados ou curados pelos ganhões de lavoura, às horas vagas, por impedimento de chuvas ou qualquer outra circunstância. O abegão talha e cose a apeiragem; os ganhões surram-na.

2 «O arado primitivo era uma vara com um gancho no extremo. Servia o gancho de relha, o cabo de pau representava o temão.
Quando o homem domou o cavalo e o boi, adoptou à relha um cabo ou rabiça para que lhe fosse mais fácil o dirigi-la e utilizou a força dos animais para dar movimento à máquina. Mais tarde, quando, em vez de madeira e de pedra, se começou a fazer uso do feiro, o trabalho do lavrador aperfeiçoou-se singularmente.» V. Teófilo Braga, O Povo Português nos seus Costumes, Crenças e Tradições. Esta nota, e outras de semelhante natureza que tenciono reproduzir, constituem uma interessante colecção de «Notas Agrícolas» que o sr. António Pires publicou no jornal O Elvense a propósito da Exposição Agrícola do concelho de Elvas, em Setembro de 1892.

3 Os cavalos e jumentos só muito excepcionalmente se empregam em serviços de arado. Com jumentos só lavram alguns seareiros dos mais pobres. A maioria também lavra com muares.

4 O termo «arado», além de significação vulgar, aplica-se também ao conjunto do rabanejo e dente, e num stentido mais restrito, como denominação da última das duas peças referidas. Assim, por ocasião dos cortes nos matos, e no preparo das madeiras – os pedaços de lenha com que se fazem os dentes para enteichaduras, sempre se lhes chamam arados e como tais se consideram geralmente.
Na apreciação da importância de uma lavoura, ou em determinadas alusões, é frequente dizter-se: «O lavrador Fulano, deita tantos arados...» «Os arados de Sicrano andam em tal parte...» «Hoje nos arados deu-se este ou aquele caso...» De onde se conclui que o termo em questão também se emprega para designar as juntas e homens que trabalham na lavoura.

5 Chamam-se terísias aos paus de castanho serrados de alto a baixo, em duas varelas, para se aplicarem no fabrico de cancelas.

6 Até há poucos anos, os eixos dos carros de muares eram todos de madeira de azinho, sobro, mosqueiro ou freixo. Mas de há anos para cá, vai-se introduzindo o sistema de eixos de ferro, posto que em muitas lavouras ainda subsiste o uso antigo.

7 Os fueiros costumam ser de madeira, excepto os quatro das extremidades que, em geral, são de ferro, atarrachados ao tendal, e embutidos nas taleiras.

8 Volumes diversos, conforme o artigo que compõe a carrada. As de lenha, cereais em rama e fenos são sempre muito altas de configuração piramidal.

9 O tipo mais antigo dos carros dos romanos, o plaustrum, tinha rodas cheias e apresentava esta particularidade digna de ser notada, que as duas rodas, munidas cada uma de uma abertura central, de forma quadrada, eram espetadas sobre os eixos de pau, os quais eram guarnecidos de pinos (tourillons) redondos, permitindo-lhes girar sobre o carro. Este modo de construção tem-se conservado até hoje em Portugal. É ainda sobre este tipo que os indígenas da ilha Formosa constroem os seus carros.
V. Realeaux, Coup d’oeil sur l’Hist. du developpement des Machines dans l’Humanité, p. 15.

10 Apesar dos arredores das grandes vilas e cidades do Alentejo estarem retalhados por numerosas estradas, algumas de necessidade pública muito discutível, havendo-as até que não passam de meros passeios ou de servidões de um ou outro influente, os campos, afastados das grandes povoações, poucas estradas possuem e essas poucas estão num deplorável estado de conservação.

11 O Ministério das Obras Públicas facultou há anos aos lavradores do distrito de Portalegre diferentes máquinas agrícolas, como ceifeiras e debulhadoras, pela forma e condições que adiante referirei, quando tratar das debulhadoras.

12 As parelhas que trabalham ao churrião são para esse efeito engalanadas com vistosos aprestos. De entre os mesmos destacam-se as guisadas e as cabrestadas ou cabeçadas, com franjas e borlões de tecidos em cor carmezim, e outras muito vivas, que encobrem a maior parte da cabeça dos animais.

13 A confecção dos churriões costuma ser executada por carpinteiros de carros ordinários, ou por curiosos afamados, arteiros, com queda para pintorices. Se o carro é armado e preparado no monte, as filhas moças do lavrador superintendem as obras e coadjuvam o artista.

14 Frase picaresca porque se traduz a ausência de molas, tomando-se por «molas de azinho» os limões e o eixo que em tais circunstâncias, são em regra da referida madeira.

15 A debulhadora Ruston alcançou o primeiro prémio no concurso de máquinas, que se realizou recentemente na cidade de Évora. Não temos pretensão de fazer reclame à casa construtora deste nome, mas seria injustiça ocultar o seu triunfo na capital do Alentejo.

16 O mais que resta dizer sobre debulhadoras, tal como o seu rendimento de debulha nos diferentes cereais, pessoal que ocupam, etc., fica reservado para o capítulo que trata das colheitas.

17 Também estampa ferros espanhóis, e por sinal que muitíssimos, especialmente na Andaluzia e Estremadura.

18 A grade que ainda hoje se usa nas lavradas, a que os romanos chamavam crates dentatal e de que fala o naturalista Plínio (xviii, 50), é, segundo Reynier e Cancalcan, de invenção gaulesa. «Notas Agrícolas» do sr. A. Pires, publicadas no jornal O Elvense.

19 Vulgarmente, diz-se timão.

20 Segundo Wilkinson, a espécie de trilho que empregam ainda agora os felás egípcios para bater o cereal, e que segundo duas passagens da Bíblia era conhecido entre os hebreus no tempo de Isaías, teria sido antigamente armado por baixo com pontais de sílex, pontas hoje substituídas por lâminas de metal, fazendo saliência na face inferior e sobre os eixos, que gira à medida que a máquina avança.
(Rebelo da Silva. Memórias sobre a população e a agricultura de Portugal. – Notas agrícolas do sr. A. Pires, insertas, há anos, no jornal O Elvense.

21 O uso de esquilas ou chocalhinhos nos cabrestos das muareis não é geral, nem permanente. Mesmo nos sítios onde o costume está arreigado, acontece banir-se temporariamente durante o Verão, e quando os donos das bestas estão de luto carregado, por morte de parente muito próximo.
Em algumas zonas usa-se substituir as esquilas te chocalhos, por guisos dependurados dos burnis. Guisos ou o quer que seja de louça deste género pertencem sempre aos carreiros, que os compram e consertam à sua custa, exactamente como fazem os ganadeiros.

22 Cabelos de teixugo, compridos, guarnecendo e sobressaindo das extremidades dos entre olhos, focinheira, etc.

23 Este nome de aljorges é muito corrente no campo, para designar os guisos grandes.

24 O albardão de coldres com manta enrolada à frente vai caindo em desuso, assim como o peitoral. A sela está a substituir tudo isso.

25 O cabresto costuma ser confeccionado pelo próprio ganadeiro, nas horas vagas. Os ornatos da testeira, que tanto os caracterizam, variam bastante: uns, limitam-se a correias pendentes, em forma de enxota-moscas e ainda a aplicações de correias, em diagonal, na frente, da testeira à focinheira, cruzando-se e formando espelho; outros, constam de crescente (meia lua) de metal ou de dentes de porco, do signo saimão, de uma estrela em metal, etc.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4197/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 48k

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search