Version classiqueVersion mobile

Através dos campos

 | 
José da Silva Picão

Os ratinhos

Texte intégral

VI

1Tanto no concelho de Elvas, como em muitos outros do Alentejo, e até em Espanha, as ceifas dos cereais nas herdades, são geralmente executadas por milhares de homens e rapazes que de propósito, vêm das Beiras e que o público conhece pelo nome de ratinhos ou ratos. É uma alcunha pouco lisonjeira, mas os alcunhados não a repelem nem se amofinam por isso. Ratinhos foram seus avós e pais, ratos se consideram eles, e outro tanto sucederá a seus filhos e netos. O hábito de virem ceifar às terras alentejanas, é tão antigo e inalterável, está tão arreigado e persistente, que deverá subsistir por largos anos, como vantajoso que é para lavradores e serviçais. Ai das colheitas do Alentejo, se lhes faltassem os ceifeiros beirões...

2Essas centenas e centenas de braços cuja totalidade comporia uma grande legião, dividem-se em muitos agrupamentos ou camaradas de cinquenta a cento e tantos indivíduos, de antemão recrutados pelo respectivo manageiro.

3Cada agrupamento tem o seu manageiro em chefe, que delega parte dos poderes nos encarregados dos cortes, em que a mesma camarada se desdobra ao chegar ao Alentejo e se dividir para as diferentes ceifas que ajustam. Esse encarregado toma o nome de manageiro do corte, e como tal governa sobre a gente que lhe distribuem.

4Castanheira de Pera, Águeda, Anadia, Oliveira do Bairro, Arganil, Góis, Lousã, Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande, Sertã, Proença-a-Nova e outras, são as zonas que fornecem maior contingente de ratinhos.

5E – nota curiosa – entre esses homens, não se encontram apenas os que se entregam aos labores do campo nas suas naturalidades, mas também muitos de profissões e hábitos diversos – sapateiros, alfaiates, barbeiros, etc. É que para todos eles, as ceifas do Alentejo proporcionam-lhes melhores lucros do que os ofícios que exercem nos seus rústicos lugarejos.

6Manageiro – É um fulano que adquire essa importância por a ter herdado dos seus antecessores, ou por a empolgar a outro de menos mérito e astúcia, ou, enfim, por excepcionais aptidões, que lhe ganharam a simpatia dos amos e a confiança dos companheiros. De qualquer maneira, antes de possuir o penacho, fez largo tirocínio como simples ceifeiro, tornando-se tipo de nomeada entre os seus conterrâneos. Pequeno proprietário, ou modesto industrial, dispõe de meios suficientes para preponderar sobre os que alicia e dirige. Não quer isto dizer que os domine em absoluto, mas respeitam-no e obedecem-lhe até certo ponto.

7O manageiro vem ao Alentejo no começo da Primavera, para conhecer o estado das searas, e ao mesmo tempo apalavrar as ceifas dos lavradores, seus antigos fregueses, e porventura as de outros que possa contratar. Todos ou quase todos, incubem-se do trabalho de duas e mais «casas», havendo-os que chegam a açambarcar seis a oito. Para obter freguesia nova sem perder a antiga, o manageiro que dispõe de muita gente mete empenhos sem conto, tratando de se insinuar por todos os meios imagináveis. Com os amos antigos também se desfaz em salamaleques, para não lhe incorrer no desagrado. Se algum o despede, procura evitar o cheque com torrentes de lamúrias e choradeiras, que, por vezes, anulam o despedimento. Neste acto, pode o lavrador increpá-lo de quantas lhe lembrem; pode, no acto da reprimenda, invectivá-lo com paixão e injustiça, rememorando queixas antigas e recentes, que ele tudo isso ouve humildemente, sem mostras de indignação, e até concordando com o censor, a quem protesta arrependimento, jurando servi-lo melhor do que nunca. Não querendo perder a freguesia, sujeita-se a descomposturas, de que para consigo se ri, como raposa matreira, que lhe não importam vexames, desde que aufira proventos. Ao interesse sacrifica os brios, precisamente ao contrário do criado alentejano. E assim consegue manter a clientela e aumentá-la progressivamente, senão encontra de permeio outro competidor mais sabido.

8Concluída a excursão pelos campos do Alentejo, o manageiro regressa à terra suficientemente enfronhado do que viu e ouviu. Com semelhantes dados, logo que chega, continua a alistar os homens de que precisa. Das impressões que sente, só diz o que lhe convém. Cada alistado paga-lhe duzentos e quarenta réis de matrícula, que satisfaz meses depois, quamdo terminam as ceifas. Entretanto e desde logo, têm direito a que o engajador lhes abone quaisquer pequenas quantias de que precisem.

9O alistamento não constitui contrato indissolúvel, como se podia depreender. Antes de partirem para as ceifas, e aínda depois, á chegada, alguns dos alistados quebram o compromisso por simples frivolidades. Como encontrem quem os desafie, fácilmente desertam para outras camaradas, que lhes oferegam maior vantagem. Quanto a abonos recebidos, reembolsam-nos ou não segundo a consciencia. A maioria ferra calote.

*

10O manageiro da camarada não ceifa em determinado corte, mas superintende em todos, aumentando-lhe ou reduzindo-lhe as «foices», conforme exigem as circunstancias, hoje reclamadas pelo interesse da comunidade que representa, amanhá pela conveniènza do lavrador a que deseja agradar, e no outro dia pelo adiantamento ou atraso do traballio, de urnas para com outras «casas». Por isso, anda mima dobadoura, demorando-se apenas onde reconhece ser mais necessàrio. Alguns trazem tantos cortes e táo distantes que em nenhum ceifam. A cavalo ou a pé, passam a época em constante fiscalizagao, de herdade para herdade. Nas caminhadas, fazem escala pelos montes e povoados. Nos montes para trocarem impressões com os lavradores ; nas vilas e aldeias, para haverem a correspondência no correio, e, de passagem, empinarem o seu copázio. Em geral, bebem-no de borla, oferecido pelo amigo taberneiro, onde a camarada faz gasto, desde que chega até que marcha. Salvo excepções, o manageiro tem «boca livre» na taberna. Bebe pela prenda e do «bom», como engodo para trazer freguesia que dê consumo à zurrapa. Valores entendidos a troco de cigarradas.

*

11Os lucros do manageiro consistem numa quota-parte da soma total obtida nas ceifas de que se incumbiu, sendo, para o efeito do rateio, considerado como simples oeifeiro. E aufere mais os tais doze vinténs, que lhe paga cada ratiriho, e as luvas ou propinas que, por uso antigo, recebe dos lavradores.

12As luvas representam o melhor dos seus lucros. Cada lavrador de grande movimento dá-lhes 18 a 20$000 réis ; os medianos, dez a quinze, . e os pequenos, três a seis. Portanto, o que serve muitos lavradores arrecada no fim da refrega 120 a 150$000 réis. Para um trabalho de três meses, quando muito, é bem bom. Vale a pena vir da Beira.

*

13Os manageiros dos cortes igualmente entram no rateio das verbas ganhas pela camarada, tendo mais a gorjeta do lavrador, que oscila por um terço da que obteve o manageiro chefe. O facto de servirem ou não a contento dos patrões, influi imenso na importância da espórtula.

14A viagem – Os ratinhos saem das terras beirâs para as ceifas alentejanas ai pelos meados de Maio ou depois, se vem tardia a maturaçâo das searas. Acompanha-os o respectivo manageiro principal, se o mesmo nâo se lhes antecipou, para os esperar no sitio a que se destinam, e entretanto reconhecer circunstanciadamente a influencia ou falta de braços, o aspecto definitivo das searas, os ánimos dos lavradores, as intençôes e «forças» de outros manageiros seus colegas, etc.

15A viagem é feita a pé, excepto os que jornadeiam em burros. Ao entrarem ñas localidades que encontram no trajecto formam colunas, e assim, de mochila e pau ás costas, atravessam as povoaçôes, entoando cantigas beirãs. Uns cantam, outros tocam em pífaro de que vêm munidos, e todos fazem ruido com as brochas dos sapatos sobre as pedras das calçadas. Orquestra original, pouco harmoniosa, mas bastante notoria. Entretanto, chegam a um dado local, seu conhecido, e ai, à sombra, estacionam para comer e descansar. Forma-se pois o bivaque, em que sao consumidas as ultimas broas de milho, regadas por golos de vinho detestável, que desde a Beira vem vascolejando nuns pequeños e sujos cabaços guarnecidos de latâo. Se a pinga dos cabaços já se escorripichou, bebem outra semelhante ou pior ñas tabernas do sitio.

16Acolhidos com agrado pelas populações locáis, onde quer que chegam trocam cumprimentos amistosos e tracistas. Afoitamente se pode dizer que nunca se levantam rivalidades entre beiroes e alentejanos. A vinda dos primeiros é estimada pelos segundos.

17Caminhando o melhor de tima semana, chegam alfim ao termo da viagem, onde descansam a valer dois a três dias, tratando então do ajuste definitivo. E digo definitivo, porque os preliminares, como já notei, foram muito antes tratados por alto, entre o lavrador e o manageiro.

18Caracteres– Na sua permanência no Alentejo, os ratinhos mostram-se agradáveis, corteses e humildes para toda a gente da regiáo, e sobretudo para os lavradores e quem os represente. Mas à humildade que se lhes traduz nas palavras e gestos associam visível desconfiança, que se acentua principalmente quando tratam dos seus interesses.

19Parecem simplórios mas não o são. A ingenuidade boçal que aparentam é a máscara com que procuram ocultar a perspicàcia. Perspicacia e malicia bem notoria, embora a queiram disfarçar com as doguras do palavreado. Nisto são mais espertos que muitos criados alentejanos.

20Num inabalável propósito de severa economia, praticarti actos de extrema sovinice. Antes, nas tabernas, associavam-se aos três e quatro para, em comum, beberem um quartilho. Hoje, estáo menos forretas. No entanto, afirma-se que um cigarro lhes dá fumadas para dois ou tres. Assergáo exagerada, certamente, mas sintomática também. Quando, no regresso à Beira, vão embarcar ás estagões do caminho de ferro, acontece regatearem o prego da passagem: «Oh senhor, faga isso mais baratinho...», dizem eles ao empregado da bilheteira, depois de lhe perguntarem e ouvirem o preço do bilhete. E o empregado, impacientando-se, explica-lhes bruscamente a impossibilidade da redução.

21Se pretendem seguir em grupo, como está sendo corrente, reclamam bilhete de garupa, que lhes despacham sem reparo, táo conhecida é a expressáo.

*

  • 1 Painéis em nichos, que ’se encontram Has encruzilhadas dos caminhos da Beira, representando as Alma (...)

22Timbram em manifestar sentimentos religiosos multo mais arreigados que os dos trabalhadores alentejanos. Rezam com frequéncia e não faltam à missa nos dias de folga. Ao partirem das suas térras, cada qual promete quarenta réis ás alminhas (1) se regressarem com saude.

23À chegada, cumprem a promessa, e ainda mandam celebrar missas em acção de graças.

*

24Em asseio e compostura, deixam muito a desejar os srs. ratinhos. Creio que o desleixo e a porcaria que se lhes nota não é tanto devido aos hábitos, como à circunstancia de se verem em térras estranhas, onde não podem chegar os cuidados das máes e das esposas. Que, verdade, verdade, para se apresentarem menos sujos bastava lavarem-se um poucochinho em cada semana, nos pogos e ribeiras dos sitios onde trabalham. Mas não estáo para magadas. No seu entender, basta-lhes lavarem-se na madrugada dos dias de Corpo de Deus e do de S. João, como praticam todos os anos, antes de irem gozar o descanso festivo nas povoagoes próximas.

*

25Pelo decurso da temporada, e sobretudo nos dias de Corpo de Deus e do de S. João, únicos em que folgam, todos escrevem às famílias, como também délas recebem correspondencia amiudadas vezes.

26As «cartas ratinhas» são o que se pode conceber de mais minucioso e maçudo. Os que as subscrevem, além de escreverem ou ditarem banalidades sem conto, nunca se esquecem de pormenorizar como estão de saúde todos da camarada, como decorre o tempo, como encontraram as searas, quanto ganham, com quem trabalham, quando regressam, como os tratam de alimentação, etc., etc. Depois, passam a pedir informações do que por lá vai : do aspecto dos vinhedos, dos milhos e das batatas; se o compadre fulano, que ficou doente, já está melhor ou morreu; se o sicrano do Casal de Baixo perdeu a demanda com o sicrano do Casal de Cima; se tal ou qual parente, que foi para o Brasil, já de lá escreveu e o que diz; se nos arraiais, de festas recentes, houve bordoada, etc. E finalizam com uma enfiada de recomendações para os parentes, vizinhos e amigos. Para ela, esposa ou mãe a quem se dirigem, «as saudades são tantas, que só à vista terão fim...» O endereço no sobrescrito condiz com o conteúdo da carta. Vai repleto de indicações supérfluas, que, ordinariamente, produzem efeito negativo, desnorteando os empregados dos correios.

  • 2 Em nenhuma camarada falta gente que saiba escrever. A percentagem dos analfabetos é muito menor que (...)

27Os que não sabem escrever, incumbem a correspondência aos companheiros habilitados (2), ou dirigem-se a estranhos, pedindo-lhes esse serviço: «Pagamos o trabalho da sua pessoa, como for de razão, meu senhor.» Uns, negam-se-lhes para se esquivarem a incómodos, outros, prestam-se-lhes de melhor ou pior vontade. Os que anuem, já sabem que precisam revestir-se de pachorra. Em geral, os obsequiados pretendem ditar as suas missivas, não se conformando com laconismos e insistindo por repetições inúteis.

28Pessoa conscienciosa que lhes escreva, nunca aceita remuneração, é claro. Mas eles sempre perguntam quanto devem. E, como se lhes responda negativamente, agradecem reconhecidíssimos. Chegam a convidar o improvisado secretário para os acompanhar à taberna a beberem um decilitro. Têm recebido destes convites pessoas finas, que, recusando-os, sorriem do caso, ou enfadam-se deveras se lhes insistem no oferecimento. Enfim, ao indivíduo que uma vez escreve a correspondência de um ratinho não lhe ficam saudades de o obsequiar de novo.

29Apreciados como ceifeiros, os homens da Beira revelam resistência e aptidões incomparáveis. Mais adiante se verá quanto é árduo o seu labor. Podemos considerá-los escravos do trabalho, que exercem com assombroso desembaraço, sob os rigores do sol estival e à mercê de privações de toda a ordem. Tudo para ganharem honradamente meios de subsistência para si e para os seus. Motivos tão louváveis dão-lhes direito à nossa admiração e simpatia. Neste ponto, ninguém lhes regateia os mais rasgados encómios.

  • 3 Digo indivíduos e não homens, porque nas ceifas contratadas por qualquer dos dois sistemas figura u (...)

30Ajustes – Segue-se o sistema de empreitadas que, ou se baseia no presumível número de homens necessários para o fim em vista, ou pelos moios de semente que levou a seara. Com a adoptação da empreitada – a homens – se, por exemplo, o lavrador contrata a ceifa por vinte homens, ao preço de 22$000 réis (média usual), já sabe que vinte indivíduos (3) lhe ceifarão tudo, num período mais ou menos demorado, pela quantia de 440$000 réis e comida. Quando o contrato se regula por moios de semeadura, o lavrador que ajusta por vinte moios, a 18$000 réis cada moio de semente (média aproximada), importa-lhe a ceifa em 360$000 réis e comida. Não se fixa o número de ratinhos, mas subentende-se que, em começo, excederá quanto possível ao de moios ajustados, para, no meado da época, ficar a par e depois se reduzir tanto quanto possa compensar a camarada do reforço que forneceu em princípio.

  • 4 Por ocasião das ceifas, usa-se denominar por segundas as searas de centeio, cevada e aveia. É um te (...)

31O ajuste «a moios» é quase exclusivo das lavouras em que preponderam as culturas do centeio, cevada e aveia – «as segundas» (4). Naquelas em que predomina o trigo prevalece a empreitada – «a homens».

32O uso a moios sai mais caro. Mas convém, pela natureza das segundas, principalmente centeio e aveia, que requerem ceifa temporã, para não deshagoarem nos rastolhos, como acontece, se a foice lhe chega tarde. Logo o lavrador faz os seus cálculos e, por conveniência própria, procura pagar em relação a determinado número de moios, a que corresponda a gente precisa para despachar em trinta a cinquenta dias.

33Ao manageiro também lhe serve o sistema, se pode distrair das ceifas de trigo – a homens – todos os braços aí desnecessários em começo, e com eles ir reforçar e coadjuvar os dos cortes do centeio. Os quais, por sua vez, como já disse, retribuirão depois a ajuda, indo auxiliar os dos de trigo na mesma proporção.

34Isto usava-se até há poucos anos. Hoje, porém, vão estando abandonados os contratos a moios, por não oferecerem a reciprocidade de vantagens que tinham antes. Muito mais generalizada a cultura do trigo, e assaz restringida a do centeio, nem a ceifa deste cereal carece de tanto homem, nem a do trigo lhos pode emprestar, retardando-se. Acresce ainda a circunstância de as ceifas dos trigos começarem mais cedo que outrora, pelo facto de actualmente predominar a cultura dos trigos moles temporões, que amadurecem pouco depois do centeio e exigem ceifas imediatas, sob pena de prejuízos consideráveis, o que é menos sensível nas ceifas tardias das outras variedades.

35A empreitada «a homens» entretém sessenta a oitenta dias aproximadamente. O estado das searas, a sua espécie, o tempo e a agilidade dos que as ceifam são factores essenciais que, por assaz variáveis e sujeitos a contingências, destroem os melhores cálculos.

36Para o ajuste das ceifas – a homens – parte-se do princípio de que um cefeiro despache o resultante de cinco quarteiros de semente (setenta e cinco alqueires). Ora, como as searas tanto podem ser de uma só espécie como de duas, três e quatro, e como as sementes diversas variam também quanto à superfície da terra que preenchem em sementeira, claro está que a presunção é arbitrária ou convencional, sem bases sérias que a justifiquem. Assevera-se, não obstante, que um ratinho despacha, em toda a época, quantidade muito superior à que se lhe atribui pelo cálculo acima aludido. Só despachará menos, em boas searas de centeio ou de trigo óptimo, excepcionalmente desenvolvido.

37Em todo o caso, homens de maior cotação nunca saem por menos de quatrocentos a quinhentos réis diários. E digo de maior cotação, porque nem todos recebem com igualdade. Pelo contrário, cada sujeito ganha conforme os seus supostos ou verdadeiros merecimentos, apreciados e julgados pela colectividade em que se incorporou, como demonstrei mais adiante.

38A maioria dos rapazes, apesar do seu pouco valimento como trabalhadores, são tidos como homens para os contratos das empreitadas. Assim, a ceifa justa por verba correspondente a vinte homens ou vinte moios, é executada por quatorze, quinze ou dezasseis adultos, e os restantes que faltam para o cômputo dos vinte suprem-nos crianças, que nunca excedem em número o dos homens que representam.

39O lavrador desgosta-se quando a percentagem dos rapazes se torna reparável. Mas como é usança antiga, tem de conformar-se, a não ser que o abuso seja extraordinariamente gravoso. Sendo, queixa-se ao manageiro principal, que se vê forçado a atendê-lo, diminuindo-lhe a garotagem e aumentando-lhe os homens. Paga a diferença outro lavrador menos onerado até então. O manageiro lá arranja endróminas e contradanças de pessoal, conseguindo que os rapazitos escapem como homens, para o beneficiarem a ele e aos mais ceifeiros adultos. Uma exploração vil, que os pais das crianças consentem, por irem feitos no jogo...

  • 5 O termo de malta por vezes é aplicado à camarada, exactamente como se usa em algumas ocasiões para (...)

40É demorado o ajuste definitivo. Entre ratinhos e lavradores chicaneia-se e repisa-se o assunto com demoras fastidiosas, intercaladas por incidentes irritantes, que põem em risco o êxito das negociações. Antigamente, eram os manageiros que contratavam com os lavradores, sendo as suas resoluções aceites religiosamente por todos da camarada. Hoje, esse negócio é discutido e julgado por mais entidades. Além do manageiro em chefe, intervêm, pelo menos, três ou quatro ratinhos, dos considerados e preponderantes – espécie de comissão executiva, que deixa na penumbra a autoridade do manageiro, durante o ajuste. Então o «cabeça» quase que é um chefe de caninha verde. A chefia passa, nessas horas, para os comissionados da malta (5), que são os que verdadeiramente discutem e resolvem o caso com o lavrador. Este e aqueles ou tratam apenas de se entender quanto ao número de homens ou de moios que servem de base para a empreitada, deixando a questão de preço para o que for corrente na freguesia, ou pago em tal ou qual lavoura vizinha – ou, simultaneamente também, discutem e assentam no preço. «Preço feito», segundo a expressão consagrada.

41Durante os arrazoados do ajuste, fervilham os argumentos entre as partes contratantes. Cada qual puxa a brasa à sua sardinha, e nisso consomem horas e horas, senão dois e três dias, interrompendo-se e repetindo-se as conferências. É a comédia da praxe, com actores para todos os papéis. Os comparsas são representados por grupos de ceifeiros que, a distância respeitosa, reparam atentamente nos gestos e discussão dos personagens principais. O manageiro, ora se inclina para os camaradas, ora para o lavrador. Na preocupação de não perder «a casa», nem de se ver abandonado dos seus – ameaças que lhe retumbam aos ouvidos, arrepiando-lhe os cabelos – chora e ri, humilha-se e roja-se, com ares de vítima, consoantes ao caso. Nos intervalos, trata de varrer responsabilidades e dar explicações, indo, em segredo, conferenciar respectivamente, e por sua vez, com o amo e com os da malta. Nessas conferências íntimas emprega toda a lógica e manha de que dispõe. Torna-se um diplomata.

*

42Por fim, o contrato fecha-se e tudo se acorda à boa paz. O manageiro exulta e respira. Loquaz e prazenteiro, protesta que a família há-de cumprir o que tratou, nem que a ele lhe custe os olhos da cara. Que não custará, por que sua gente é a escolha lá dos sítios. São «foices» valentes, de levar tudo raso, das de não haver pão que as sustenha, das que ategam firmes até ao cabo, sem acuarem uma hora. Gente de primeira, que nem ele arranjava outra, para crédito e fama das suas barbas honradas...

*

43Nos anos de boas colheitas, em que escasseiam os braços, algumas camaradas – aliás poucas – quebram o ajuste, indo oferecer-se a outras «casas», que presumem lhes proporcionarão melhores vantagens. Nesses mesmos anos, chega a haver desavenças entre ratinhos e lavradores, tendo de intervir como medianeiro a autoridade administrativa. É um recurso extremo e, portanto, excepcional.

44Com os ajustes das pequenas ceifas não costuma haver demoras. Os que as tomam e os que as oferecem, resolvem o negócio sem preâmbulos de importância, nem referências a preços. Tacitamente, conformam-se com os estipulados e aceites nas lavouras maiores.

45O pessoal da camarada reparte-se em tantos cortes quantas as searas que ajustaram. O manageiro distribui a família a seu capricho, e cada contingente desses segue logo para a ceifa que o chefe lhe distribuiu, capitaneando-o o respectivo cabeceira (manageiro do corte), também nomeado pelo outro, de acordo com o lavrador. O cabeceira, torna-se desde então o imediato representante do manageiro geral, governando os ratinhos que lhe entregaram. No trabalho, toma lugar na ponta direita, e daí encaminha e comanda. O lado esquerdo da ponta oposta preenche-o outro ceifeiro de confiança, a quem pertence secundar os esforços e plano do da direita, tornando-se seu substituto e auxiliar. Ganha como qualquer, à parte um olhamento de cinco ou dez tostões que o lavrador lhe queira dar.

46Alimentação – Costuma ser à custa dos lavradores, regulada por quantidades certas (comedorias), ou a «rastolho feito», isto é, por meio de comida semelhante à dos ganhões. «Boca livre», a «encher a barriga», como também se diz.

47O primeiro sistema – o das comedorias – vai estando banido, e apenas se usava nas empreitaidas «a moios». A cada moio ajuntado, correspondiam os carrocates de sete alqueires de farinha de centeio, cinco arráteis de toucinho, cinco quartilhos de azeite, vinte e quatro queijos, uma badana e os legumes, azeitonas e vinagre que consumissem. Os sobejos e forras que venciam por conta, peso e medida, levavam-nos consigo para a Beira, ou, querendo, eram-lhes abonados em dinheiro pelos lavradores, mediante preço convencionado.

48À parte o pão, de tudo forravam muito. Das badanas, apenas comiam duas: uma, pelo S. João, outra, no dia de Corpo de Deus. Com o azeite e toucinho, também eram parcimoniosos, poupando quanto podiam. Um jantar de legumes para vinte homens chegava a ser adubado com um quilo de toucinho, ou um decilitro de azeite! O queijo, forravam-no todo, para mimosearem as famílias.

49Para suprirem semelhantes privações – aliás voluntárias – comiam grande quantidade de legumes, muito pão e muitíssimas azeitonas. No consumo do pão, alargavam-se tanto, que excediam a quantidade que ganhavam. Mas, por obediência aos usos, o lavrador não lhes descontava o excesso. Se não contassem com isso, economizá-lo-iam também.

50A comida a «rastolho feito» assemelha-se à dos ganhões, durante o Verão, com a diferença que, em regra, as olhas não constam de carne ensacada, nem variam de legumes. Predomina a olha de favas, alternada com a de grão de bico.

51O almoço, às sete horas da manhã, resume-se em sopas frias com cebolas e azeite refogado.

52Ao meio-dia, comem o jantar – olha adubada com toucinho ou azeite, conforme o dia da semana. De azeite, nas sextas e sábados; de toucinho, nos restantes dias.

53À tarde, meia hora antes do sol posto, merendam o tradicional gaspacho, refeição frugalíssima, mas bastante apreciada em todo o Alentejo e grande parte da Espanha. O gaspacho dos ratinhos distingue-se pela excessiva quantidade de vinagre com que o preparam. Como os deixem, não há vinagre que os sacie.

54Tanto aos almoços como aos jantares e às merendas servem-se condutos de azeitonas ou queijo.

55Essas são as práticas mais seguidas, posto que também haja variantes. Nas ceifas de certas lavouras, é costume melhorarem o jantar dos domingos e dias de folga, adicionando-lhes morcela ou carne de badana. E para a merenda das sextas e sábados, substituiu-sé o gaspacho por sopas de leite.

56Auxiliares alentejanos– Em todos os cortes ou camaradas parciais de ratinhos, figura um grupo de serviçais alentejanos, que se emprega exclusivamente nas lidas complementares e auxiliares da ceifa, ganhando, comendo e trabalhando por conta do lavrador. Também comem no rastolho, à parte dos ratinhos, comida igual ou diferente, preparada e conduzida em separado. Igualmente trabalham os mesmos dias e quase as mesmas horas que os ceifeiros, vencendo, por isso, soldada diversa da dos ganhões, como referi no Pessoal de uma lavoura.

  • 6 Mantieiro lhes chamam os ratinhos.

57Compõem o grupo, dois a quatro campónios: o tardão (6), – homem ou rapaz que, numa besta, munida de cangalhas ou puxando a carrinho de varais, acarreta a comida e a água; os enrilheiradores, que acareiam os molhos ceifados e atados, transportando-os à mão para os montões ou rilheiros que erguem pelo rastolho, e por último, dirigindo todos, o encarregado de olhar pelo desempenho da ceifa e serviços atinentes. Pode-se considerar o representante do lavrador. Geralmente, é o guarda de herdades quem acumula e assume essas funções fiscais.

58Nas ceifas, independentemente dos chefes dos ratinhos, torna-se necessária a vigilância assídua, enérgica e inteligente de um homem estranho aos interesses da camarada, que, por não participar dos seus lucros, zele pelo amo, melhor que os manageiros. Podem estes recomendar cautela e perfeição; podem mesmo repreender abusos e faltas, mas as suas recomendações não passam de fogo de vista, de armar ao efeito, sem resultado proveitoso para o dono da seara.

59Lá nos rastolhos, para o trabalho ir com perfeição, só se respeitam as ferroadas do encarregado alentejano. Este, sim, que põe todos «a direito», aliando a prudência à energia. O que se compenetra da sua missão, cuida do seguinte: indicar, ao manageiro do corte, a saída que deve dar ao trabalho, de maneira que o «pão» forte e muito grado seja tombado de manhã cedo, «acudindo-lhe» pela marzia (orvalhada) e não durante a calma, horas em que desbagoa ou descabeça; instar com os ratinhos para que tenham cautela no aproveitamento das espigas, obrigando-os a recuarem para colherem as que lhes escaparam à foice; atender à atada, exigindo-a boa e firme; dirigir a enrilheiração e coibir, enfim, todos os abusos ou negligências.

*

60O tardão recebe ordens do encarregado e do manageiro do corte, mas deste somente para serviços que se correlacionem com a condução da ágau e da comida. Quando o vagar lho permite, coadjuva os companheiros da enrilheiração.

61Nas ceifas – Ceifeiros e enrilheiradores, começam a mourejar ao romper do dia ou antes, havendo luar. Aqueles, arrimam-se à labuta quase em roupas menores, sobrepondo um avental de peles que termina em safões. Os menos destemidos vestem calças de saragoça, muito remendadas. Na cabeça, um chapèuzinho safado, e ao pescoço lenço à ligeira, como preservativo contra os raios do sol. Para se defenderem dos golpes da foice, adaptam canudos de cana aos dedos indicador, médio e anelar da mão esquerda. Também se acautelam do roço das galvelas, envolvendo o braço esquerdo em manga de peles, a que chamam braçadeira. Lembra a manga de alpaca, que usam os amanuenses.

*

  • 7 Fato e outras roupas de abrigo.

62A camarada estende-se em linha e procede à ceifa, com a gente adulta. Os rapazes ficam atrás, entretidos na atada. Muitos são crianças que mal podem com os molhos que preparam. No entanto, mostram-se diligentes e lestos, talvez por temerem a censura e o castigo. Outros, ainda mais pequeninos ocupam-se a guardar a copa (7), no sítio onde o pessoal pernoita, e, simultaneamente, ceifam ou fingem ceifar, nas proximidades do acampamento. Aí, sozinhos, desviados dos superiores cem ou duzentos metros, não se ralam com a incumbência. Como os deixam à vontade, dormem a sua soneca.

*

63Ao nascer do sol, a cabeceira interrompe a ceifa, descobre-se e exclama em voz alta: «Bendito e louvado seja o Santíssimo Sacramento!...»

64Imediatamente, os outros ratinhos tiram o chapéu, poisam as foices no ombro, juntam as mãos, e cada qual reza, em voz baixa, um Padre-Nosso e uma Salve-Rainha. Os da atada também, mas não interrompem o trabalho para não se atrasarem.

65Rezadas as orações, voltam à lida com maior azáfama, até que às sete ou oito horas há segunda interrupção, por causa do almoço. Em almoçando, a faina continua com o mesmo despacho, mas aí pelas onze horas a fadiga e o calor alquebra-os de tal maneira, que o desembaraço é menor. Alguns fraquejam tanto, que usam de manha para tomarem fôlego : a pretexto de qualquer coisa interrompem o trabalho, erguem a cabeça e saem-se com ditos chistosos, que provocam o riso dos companheiros e lhes proporcionam parla. Assim, ouvem-se-lhes dichotes, que afinam nos seguintes tons:

66«Oh rapazes! que dizem bocês àquela cachopa gorducha e branquinha, que é criada lá no monte!?... Caramba, que se ela me quisesse, levava-a p’rá terra, ainda que fosse às calabritas!

67Um dos adoutorados, observa:

68«Bae-te lá criatura... Fazenda daquela nom serbe p’ra homes como nós... As mulheres do Lanteijo são finas de mais p’rá gente... Mira-as bem, e verás que não lhes aparecem as canelas. Têm medo que se lhes constipem com o ar!...»

69Um terceiro, confirma:

70«É tal e qual... Capazes eram elas de irem descalças e de saia curta, pegar na rabiça do arado ou no cabo de uma enxada, de sol a sol, lá nos lameiros, amanhando os milhos e as coibes, como fazem as nossas companheiras...»

71A respeito de formosura e plástica, divergem as opiniões: uns, são ainda pelas beiroas, outros, pelas transtaganas, e a maior parte por umas e outras, sentindo-se perplexos a respeito de preferências.

*

72Cerca do meio-dia, aparece o tardão, montado na besta em que transporta a comida. O quadrúpede vem ajoujado de utensílios, donde se destacam as asadas de cobre, de um brilho extraordinário, contendo o jantar dos ratinhos. Luzem tanto, porque, segundo o costume, foram esfregadas pelo cozinheiro, ao arredá-las do lume.

73Ao avistar-se o jantar, suspendem-se as apreciações sobre o sexo frágil, e entra-se em assuntos relativos à paparoca.

74«Ora até que enfim... aí temos o raio do mantieiro... Queira Deus que ele traga a comidinha bem amanhada. Isto cá por dentro está vazio como um tambor... O homem que nasce com a sina de vir ao Lanteijo comer favas e gaspachos, no meio destes descampados, em que uma pessoa se derrete em suor, mais lhe valia morrer à nascença... Má sorte a minha, que não meteu nos cascos do sr. meu pai mandar-me a aprender a letrado ou a clérigo!... Isso é que são bidas!...»

75«Oh compadre, tu achas justiça direita ceifarmos trigo e comermos centeio?...»

76«Acho, sim. O bocado não é para quem o faz é para quem o come. Não sabes tu, pateta, que o pão de trigo engasga os lambaruços como nós. Eu, se o comesse, atravessava-se-me na guela e depois... ou morria engasgado, ou teria de chamar o mestre barbeiro para me tirar as côdeas com um alicate!...»

77Neste comenos, o manageiro anuncia o jantar, e, seguidamente, interrompe-se a ceifa para se cuidar do estômago...

*

78Janta-se à sombra da mais frondosa azinheira, ou a campo descoberto, se falta esse conforto. Os enrilheiradores, guarda e tardão, formam rancho à parte, próximo dos ratinhos.

79O manageiro agarra na asada e vasa a olha nos alguidares, distribuindo-a por todos em partes iguais. Entretanto, a camarada divide-se em grupos, e cada um rodeia o alguidar que lhe pertence. De joelho em terra, ou assentados no rastolho, cada ratinho acomoda-se como pode, e, em acto consecutivo, todos passam a migar as sopas para dentro dos barranhões que receberam a olha.

80O manageiro profere a frase habitual: «Com Jesus» e, imediatamente, homens e rapazes, tiram as colheres dos chapéus e principiam a comer.

81Ao princípio, o jantar corre silencioso, mas no meio em diante anima-se, mercê das frases picarescas dos que se reputam graciosos. Os do pessoal alentejano também entram no cavaco, encaminhando-o para assuntos alusivos aos costumes da Beira. Então, os ratinhos descrevem, a seu modo, as cenas populares da vida beirã, recheando-as de petas, destinadas a iludir os do grupo transtagano. Estes, porém, não se deixam mistificar. Mal se ouvem, sorriem e mofam, como quem não engole patranhas. Os beirões, por seu turno, troçam também as costumeiras alentejanas que lhes parecem ridículas. Estabelece-se um tiroteio de piadas e epigramas, com que todos se distraem. Nas suas divagações, é corrente os nossos patrícios perguntarem o seguinte aos da Beira:

82«É verdade vocês entregarem as suas mulheres aos abades, quando vêm para o Alentejo?»

83Os ratinhos, que demasiado compreendem a conhecida chalaça, sorriem maliciosamente. Em regra, um dos interrogados toma a palavra e responde:

84«É verdade e mais que verdade. Eles são uns santinhos, e por isso, nós, quando saímos da terra, entregamos-lhes as mulheres, para que as benzam e as livrem de “maus olhados”...»

85«E é a peso que os abades tomam conta delas – acrescenta outro beirão ladino. – Quando vamos de cá, levamo-las à balança... se pesam o mesmo ou menos, bem correu o negócio...»

86«E se pesam mais ?» – pergunta imediatamente um alentejano.

87«Se pesam mais – responde o ratinho – a elas, parte-se-lhes os canastros, e a eles, os senhores abades, dá-se-lhes uma coça valente, até deitarem pelo espinhaço a gordura dos lombos...»

88Esta informação é acolhida com gargalhadas e comentários adequados, pouco respeitosos para os reverendíssimos abades.

89Os rapazinhos, conquanto não compreendam bem o motivo das galhofas, vão na corrente e riem como os homens. Questão de contágio.

*

90Depois do jantar dormem a sesta – repouso de uma hora ou hora e meia, que lhes parece um segundo... Acordados pelo manageiro, espreguiçam-se e voltam a ceifar. A essa hora, o trabalho é curtíssimo, mas desempenham-no heroicamente. Por mais que lhes doa, esquecem os sofrimentos e entregam-se à empreitada, para a vencerem com vantagem. A mira nos ganhos, incute-lhes o alento que lhes faltaria sem esse incentivo. Mas, o estímulo do dinheiro, avigora-lhes a coragem.

91Regueiros de suor fétido encharcam-lhes os corpos afogueados e seminus, despertando-lhes sedes abrasadoras, que lhes escaldam o sangue e lhes queimam a língua. É ver a ansiedade com que os pobres aceitam a barrica de água, que lhes oferece o tardão. Com que avidez tomam a vasilha e a emborcam, esvaziando-a às goladas, passando-a de mão em mão, até a esgotarem!... A água é o seu salvatério. A sofreguidão com que a ingerem bem o patenteia.

92Mitigada a sede, ei-los a manobrar de novo, prosseguindo resolutos, como os lutadores antigos nos campos das batalhas. Poucos os igualam; ninguém os excede. Homens de ferro, com têmpera de aço não há seara opulenta que os detenha. Na alucinação da refrega, quando as ideias se lhes concentram no trabalho, só lhes ouve o passo nos bamborrais e o estalejar dos caules das espigas derrubadas pelos golpes das foices. E que destreza de golpes!... Aquilo é caminhar para diante, e tombar gavelas para trás. Para trás, as gavelas, para diante, a camarada, que avança, que avança sempre, deixando um lastro de paveias, como campo juncado de flores, à passagem de um exército triunfante.

93Os rapazes, coitaditos, vêem-se numa fona, a reunirem à pressa a multidão de paveias estendidas sobre o rastolho. Mal apanham e enfeixam umas, já outras os aguardam, e após estas, outras e outras, que lhes não consentem demoras. Num assopro, torcem o negalho, enfeixam e atam, correndo adiante, para se não atrasarem.

*

94A faina continua pela tarde fora, sob a acção asfixiante do sol, à temperatura de quarenta graus, calor horroroso, agravado pela violência do serviço. Mas não importa. Os ceifeiros aguentam-se no posto e prosseguem avante, sem olharem a consequências. Alguns, pagam caro a ousadia, adquirindo moléstias graves, que os arrastam à «Santa Casa», onde nem todos se curam.

95Com efeito, de Verão, é importante a percentagem de doentes ratinhos nos hospitais alentejanos. Ninguém mais digno de dó que essas desgraçadas criaturas. Estão ali padecendo o trabalho insano a que voluntariamente se entregaram, para melhorarem o passadio dos filhos e das mulheres. Dos filhos e das mulheres, ausentes muito longe... E, afinal, a quantos se lhes malogram os projectos, e quantos morrem no enxergão da Misericórdia, aos empurrões do cínico enfermeiro, sem o carinho da família, rodeados de estranhos, outros padecentes humildes, de quem só ouvem queixumes!...

96Quase ao pôr-do-sol tem lugar a merenda. Vão gaspachar, como diz a gente do campo. Nesse acto, repetem-se as cavaqueiras e lêem-se as cartas trazidas do correio. Que alvoroço e curiosidade a dessas ocasiões, em que recebem notícias da parentela!... As boas novas, celebram-se com sorrisos... as más, anuveiam os semblantes, marejam os olhos...

*

97Concluída a merenda, os rapazes vão dar água aos burros – animalejos de raças inferiores, que só impam de fartos durante as assefas. Depois de um longo período de fomes e trabalhos penosíssimos, suportados pacientemente nos frios lameiros das terras beirãs, os modestos jericos vêm ao Alentejo gozar dois meses de vida folgada, comendo à franca nos abundantes rastolhos das searas, ali, ao alcance dos donos.

  • 8 Muitos destes burros são adquiridos no Alentejo, em novos, por compra dos ratinhos aos lavradores e (...)

98E ao passo que estes, os ratinhos, trabalham como uns negros, aqueles, os burros, encarando-os filosoficamente, zurram e escouceiam à grande, quem sabe se por troça aos seus legítimos senhores. É possível que as asininas criaturas se riam lá para consigo da vida trabalhosa dos donos, que ao tempo contrasta com a deles, toda de folguedos e abastanças (8).

*

99O lavrador frequenta as ceifas dos ratinhos, e raras são as ocasiões em que não encontra motivos de queixa. Mas, se censurar as faltas, logo os increpados se defendem, aduzindo argumentos e reflexões. E dos argumentos passam à lisonja, gabando a seara ao amo, no propósito manhoso de lhe dissiparem os despeitos. Eis as suas argúcias:

100«Não se pode apanhar todo, senhor nosso amo. Sempre tem de ficar alguma espiguinha. O gadinho aproveita tudo e o senhor não perde nada.»

101Se a seara é inferior, das que não permitem elogios rasgados acrescentam:

102«E fique o sr. labrador sabendo que há-de colher mais do que muitos cuidam... Assim ela fosse nossa.»

103Como prémio de consolação, o manageiro confirma, acrescentando:

104«Está fraquito, mas grado; pesa como chumbo!..;»

105Se, ao contrário, a seara é excelente, ou mesmo regular, os louvores retumbam em todas as bocas, sempre com intenções lisongeiras. Ouçamo-los:

106«Veja se acolhe celeiros grandes, senhor labrador. A falar a verdade, isto não parece trigo; parece um canabial! Até a gente traz os pulsos abertos! Este é do tal feroz, que faz acuar os valentes!»

107«Bem podia o senhor pagar-nos mais um homem, que não o pagava de graça... Caramba que nunca vimos coisa melhor: os rilheiros não despegam uns dos outros, as espigas de palmo e meio, e os bagos como pinhões! Uma seara assim, é um louva a Deus!...»

108«Esta seja a mais somenos...» – observa enfaticamente o manageiro. E, voltando atrás, ceifa algumas espigas que escaparam, e exclama:

109«Haja cautela, oh rapazes. Tenham cuidado com as espigas... para se criarem, levaram tempo e dinheiro. Dinheiro como terra... que se eu o apanhasse nas unhas, comprava o melhor casal lá da nossa freguesia!... Nada de estragamentos, que não é esse o nosso brio. Se o rastolho for bem feito (e pisca o olho ao lavrador) o patrão paga a pinga no dia de S. João...»

110A perspectiva da pinga anima todos. Um rato atrevido, volta-se para o lavrador e pergunta-lhe:

111«Nesse dia o jantar será de grães e choiriço grosso, não é berdade, senhor nosso amo?...»

112O lavrador sorri, e responde que efectivamente o jantar será de grãos de bico e boa morcela. Quanto ao choiriço, finge-se mouco.

113O manageiro adverte:

114«Nesse caso, o patrão fará favor inteiro. A badana para a olha do dia santo mandará o sr. labrador escolhê-la das maiores e das mais gordas que houver no rebanho. Faça-nos isso, e verá como a rapaziada fica contente...»

  • 9 Chamam-se bandeiras às espigas que escapam ao golpe da foice e que, portanto, ficam superiores ao c (...)

115O lavrador defere esta segunda pretensão, recomendando mais cautela na ceifa e menos bandeiras (9) no rastollho.

116Para corresponder ao arrazoado do amo, o manageiro julga-se no dever de dirigir nova exortação à camarada, o que faz, mais para armar ao efeito, do que para ser atendido.

117Entretanto, o sol começa a esconder-se acolá, para as bandas do poente, donde chegam ligeiras virações que, como o oásis no deserto, refrigeram suavemente aqueles corpos insolados.

  • 10 No Alentejo, chama-se travessio ao vento do poente e noroeste, como se designa por suão, o ido nasc (...)

118Ao sopro das brisas, a seara marulha em ondulações, e os ceifeiros, beneficiados por aragens tão amenas, celebram o conforto entoando trovas beirãs... Que bem lhes sabe, aquele delicioso e fresquíssimo vento travessio (10), ao pôr-do-sol das tardes de Verão, em plena campina alente jana!...

*

119É noite cerrada quando os ratinhos largam as foices para irem descansar. É a desapega, como eles designam a solta do trabalho.

120Ao largarem a foice, rezam as orações da tarde (um Padre-Nosso e uma Ave-Maria), e em contínuo estendem a copa no rastolho, preparando, por este meio, as camas em que tencionam dormir. Alguns metem alhos nos bolsos, para que o cheiro os preserve dos insectos.

121Dormem no rastolho, na hipótese de o tempo ir quente e seco, como é próprio da estação calmosa. Às vezes, porém, não acontece assim: trovoadas medonhas, acompanhadas de chuvas torrenciais, rugem ameaçadoras, pressagiando desastres iminentes, que apavoram o pessoal.

122Nesses momentos críticos, os humildes ceifeiros fogem a escape para o monte mais próximo, se porventura têm a sorte de estarem perto de um monte ou mesmo de uma choça. Não se lhes proporcionando esse precioso refúgio, envolvem-se nas mantas, e desta maneira, transidos de susto, procuram livrar-se das chuvas, arrimando-se aos penedos e às árvores – abrigos insuficientes, de onde sempre saem mais ou menos molhados.

123E nessas horas tremendas, em que fuzila o relâmpago e ribomba o trovão, eles procuram amparo na misericórdia divina, que imploram com fervor, já cantando o Bendito e louvado, já rezando o Magnífica e outras orações.

124Volvida a bonança, a coragem anima de novo aquela pobre gente, que – diga-se de passagem – sofre menos com as fadigas da ceifa do que com as inclemências da estação. Estas sim, que os mortificam a valer: ontem, era o calor asfixiante dum sol tropical; hoje, os aguaceiros violentíssimos de uma trovoada de respeito. E na madrugada de amanhã, ao darem princípio ao seu labor quotidiano, embrenhar-se-ão pelos rastolhos assaz húmidos, pondo-se numa lástima tal, que dá dó vê-los repassados até por cima dos joelhos, com as ceroulas coladas às pernas, a escorrer-lhes a água pelos sapatos!

125Pois, apesar de saberem que permanecerão neste mísero estado enquanto durar a orvalhada, não desistem do seu intento: com mais ou menos custo, continuarão a ceifar a ceara – sempre na ideia fixa de se aproximarem do dia memorável em que as suas foices luzentes irão aos ares, como testemunho de regozijo, pelo vencimento da empreitada...

126Afinal, concluíram-se as ceifas – as assêfas, como vulgarmente se diz. Os manageiros dos diferentes cortes receberam dos lavradores as importâncias das empreitadas respectivas, na presença do manageiro chefe da camarada.

127Um e outros igualmente embolsam as costumadas gorjetas que, em regra, reputam exígua recompensa aos seus importantes serviços. Isto é o que eles dizem, em frases lamuriantes e sentimentais. Os amos pensam exactamente o contrário: persuadem-se de que foram demasiado generosos, por entenderem que podiam ter sido mais bem servidos.

128De resto, todos se conformam, e melhor ainda os gratificados, se o lavrador lhes adoça a boca com um presentito de queijos, ou com a venda barata de um burranco reles.

*

129No dia aprazado pelo manageiro em chefe, a camarada reúne-se de novo nas cercanias da povoação mais a jeito e é aí que se fazem as contas gerais. Eis o processo:

130Estende-se uma manta no chão, e, imediatamente, os manageiros dos cortes vão aí depondo as quantias ganhas pelas suas respectivas maltas, reunindo assim a soma vencida por todo o pessoal.

131Seguidamente, os interessados que sabem escrever constituem-se em comissão fiscal para verificar a importância amontoada e rever a exactidão das operações aritméticas que hajam de fazer-se, por efeito de rateios e descontos – operações incumbidas a um rapaz, forte em números, mas que se não aceitam como boas e certas sem primeiro serem conferidas pelos outros da comissão. Estes mesmos só se convencem da exactidão dos seus algarismos, submetendo-os à prova dos nove meia dúzia de vezes, sem nunca lhes sair errada. E ainda assim, para que não fiquem sombras de dúvida, os mais desconfiados e incrédulos propõem a prova real como de maior confiança e menos falível. Mas, em regra, esse alvitre não é aceite. Segundo o parecer da maioria, a prova dos nove não falha, graças ao «bom sentido» dos que a enzeminam, e às «contas de cabeça», simultaneamente feitas pelos melhores calculistas, e que jogam certo com as dos números à pena.

132Com semelhantes minudências e cautelas, a importância total reunida em montão é repartida em tantas parcelas quantos os indivíduos da camarada. Depois, procede-se à joeiração, que consiste em tirar de cada montículo, destinados a cada rapaz, a metade, dois terços, três quartos ou mais, da importância do quinhão. Se além dos rapazes, há homens de notória inferioridade como trabalhadores, os quinhões destes também são dizimados.

133Com estas deduções, forma-se uma verba especial para se repartir em separado e com igualdade por todos os adultos que «saíram por inteiro». Os poeiramentos fazem-se, ou devem fazer-se, segundo a inaptidão dos joeirados, depois de ouvidos os pais ou outros parentes que os tutelam.

134As contendas azedas acompanham, em certos casos, as classificações sobre o mérito dos adolescentes, pois ao passo que os seus superiores os equiparam aos homens bons, os manageiros e os que não têm cachopos na camarada são de parecer inteiramente diverso: em sua opinião, os rapazinhos ficam bem pagos com a quinta parte do que toca a cada homem. E para alguns, qualquer ninharia de meia moeda ou menos!...

135Em tão desencontradas apreciações, o exagero de todos é evidente, embora nas dos primeiros haja mais razão do que nas dos últimos.

136Afinal, depois de repisados pela centésima vez os argumentos capciosos de ambas as partes, a contenda resolve-se, ficando vencido o que pugna pelo joeirado que nestas questiúnculas é o mais fraco, e que portanto terá de se aguentar com a imposição dos fortes. É assim em todas as coisas. O direito da força prevalece sobre a força do direito.

*

137Aos ratinhos que por doença ou outra causa justificada perderam dias, meios-dias ou quartéis é-lhes descontado esse tempo das verbas que lhes couberam em rateio.

138E das deduções realizadas por esse motivo reúne-se uma nova soma, que é repartida com igualdade por todos os ceifeiros adultos, incluindo os próprios que sofreram o desconto.

139Para evitar lapsos e dúvidas, as perdas referidas foram oportunamente anotadas pelo manageiro do corte num caderno especial, que aparece no acto das contas com a designação pitoresca de rol das perdizes.

140Resolvidas as poeirações e descontos de dias perdidos, cada ratinho toma posse do dividendo que lhe compete, pagando imediatamente os doze vinténs ao manageiro principal. Se ao mesmo devem algum biquinho, igualmente lho satisfazem então, ou seja por vontade própria, ou por advertência do credor, que, como escaramentado em calotes, é avesso a moratórias.

141Ao terminarem as contas, celebra-se o fausto acontecimento com libações de uma pinga razoável, previamente comprada na taberna recomendada pelo manageiro. Não tarda muito que se conheçam os efeitos do vinho. Meia hora depois, tudo aquilo anda numa alegria doida, manifestada por mil maneiras, qual delas mais sintomática: cantam, gritam, tocam, bailam, choram, etc. Uma algazarra enorme, que ensurdece quem a ouve. E tudo isso é lógico. Os vapores alcoólicos, e a ideia de estarem de marcha para a terra natal, com as notas no bolso, produzem sensações demasiado fortes para as gozarem à calada.

142No dia imediato ao das contas efectua-se a partida para a Beira, a pé e em burros, por uns, e no caminho de ferro por outros. Estes, querendo economizar, caminham algumas léguas a pé, já embarcando na estação imediata à mais próxima do ponto de partida, já apeando-se a considerável distância do termo da viagem.

143Lá nas suas localidades, todos são esperados ansiosamente pelas mães, pelas esposas e pelos filhos. Todos lhe celebram o regresso indo esperá-los ao caminho, numa iminência vizinha da estrada, de onde os possam lobrigar ao largo. E ao avistarem-nos no cume do outeiro mais distante, os gritos de júbilo ecoam por aqueles serros fora, de mistura com as girândolas de foguetes, de que, em estalos sucessivos, anunciam aos casais vizinhos, a chegada feliz dos laboriosos emigrantes.

Notes

1 Painéis em nichos, que ’se encontram Has encruzilhadas dos caminhos da Beira, representando as Almas do Purgatòrio.

2 Em nenhuma camarada falta gente que saiba escrever. A percentagem dos analfabetos é muito menor que nos alentejanos.

3 Digo indivíduos e não homens, porque nas ceifas contratadas por qualquer dos dois sistemas figura uma considerável percentagem de rapazes adolescentes.

4 Por ocasião das ceifas, usa-se denominar por segundas as searas de centeio, cevada e aveia. É um termo de ocasião, que não se emprega no restante do ano.

5 O termo de malta por vezes é aplicado à camarada, exactamente como se usa em algumas ocasiões para com a ganharia.

6 Mantieiro lhes chamam os ratinhos.

7 Fato e outras roupas de abrigo.

8 Muitos destes burros são adquiridos no Alentejo, em novos, por compra dos ratinhos aos lavradores e ganadeiros, nas vésperas de terminarem as ceifas.

9 Chamam-se bandeiras às espigas que escapam ao golpe da foice e que, portanto, ficam superiores ao corte do rastolho.

10 No Alentejo, chama-se travessio ao vento do poente e noroeste, como se designa por suão, o ido nascente, e pego, o do Sul. O travessia predomina nas tardes de Verão.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4194/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 47k

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search