Version classiqueVersion mobile

Através dos campos

 | 
José da Silva Picão

Os montes

Texte intégral

II

1Um dos característicos mais notáveis da província transtagana são os montes, isto é, as casas de residência nas herdades, que simultaneamente e por via de regra se aplicam também a sedes das lavouras que se exploram nas mesmas herdades. São, por assim dizer, aquilo a que noutras províncias se chama granjas, casais, quintas, etc.

2Acontece porém haver herdades, pequenas, sem monte, já por nunca nelas existir, já por terem caído à mercê de abandono, como consequência da anexação de herdades, respectiva a outra ou outras de superior importância.

3Em épocas remotas, quando as lavouras estavam mais divididas e menos adiantadas, quero dizer, quando, geralmente, cada lavrador rendeiro vivia só de uma herdade em que semeava pouco e mal, todas ou quase todas tinham monte próprio, embora deficientíssimo. Ainda hoje quem percorre o Alentejo vê de longe em longe as ruínas desses casebres, observando também com maior frequência outros de igual inferioridade que se mantêm intactos, até bem conservados, sem contudo se notar neles a animação própria de um centro de lavoura. Porque, assim como há herdades sem monte, também existem montes que não são cómodos de lavoura. Estes, de proporções modestíssimas, como atrás disse, habitam-nos os guardas ou outros criados, principalmente ganadeiros. Às vezes, porém, residem neles caseiros estranhos ao lavrador da herdade – seareiros que lavram por sua conta, a quarto ou quinto, terras cedidas pelo proprietário ou rendeiro geral. Em contraste com a ruína e decadência dos montes humildes, muitos outros se têm reconstruído e ampliado, sendo hoje bons alojamentos rurais, onde, a par da solidez, reúnem as acomodações necessárias aos diversos ramos da vida agrícola. Pelo que toca a asseio, ocioso é notá-lo. De qualquer importância que os montes sejam, velhos ou novos, grandes ou pequenos, todos o atestam em alta evidência, quer de portas adentro, quer nos muros exteriores, de uma alvura resplandescente, destacando-se ao longo por entre o verde-escuro das azinheiras ou sobre a terra campa das searas e pousios.

4Pelo exposto se compreende que os montes, embora se construíssem todos para o mesmo fim, se distinguem bastante, tanto na capacidade como na construção. Nada exageramos dividindo-os em cinco classes:

5Primeira – Os da aparência acastelada, solarengos, com torres e ameias, de dois andares, cereados por alto muro, que deixa de permeio o pátio de entrada. São os mais antigos e entram no número dos melhores. Segunda – Aqueles que, não tendo vetusta imponência dos primeiros, possuem contudo os requisitos necessários à sede de uma grande lavoura e à habitação confortável do lavrador e sua família. «Cómodos» há deste género cuja superioridade em alojamentos é manifesta sobre os outros. Os montes deste segundo tipo denotam no seu todo uma feição mais alegre e moderna. Compõem-se geralmente de casas altas e baixas, com janelas e portados rectangulares, sem que em volta os resguarde qualquer espécie de muro. As portas exteriores dão para terreiros sem vedação, que se prolongam indefinidamente pela herdade. Terceira – Os de menos acomodações que os precedentes. Com pátio murado ou sem ele, uns ao rés-do-chão, e outros com sobredas, possuem em geral alojo suficiente para uma lavoura mediana. Muitos montes destes três grupos têm o portado principal encimado por brazões ilustres da velha aristocracia portuguesa. Quarta – Os de poucas casas ao rés-do-chão, em número restrito ao indispensável a uma lavoura relativamente pequena. Se possuem compartimentos para a residência do lavrador, são tão exíguos e diminutos que raríssimas vezes se destinam a tal uso. Quinta – Os dos três a seis casitas baixas, incluindo dependências. Como dissemos noutro lugar, estes montarecos habitam-nos os guardas, pastores, caseiros, etc.

6Povoam também algumas herdades outras vivendas agrícolas que, pela sua sumptuosidade e condições excepcionais, nada se confundem com os montes. Aludo a algumas quintas de recreio, cumulativamente sedes de lavoura, para o que reúnem os elementos precisos, além dos que lhe sobejam para a residência aprazível de um opulento proprietário.

Situação e aspecto

7Em geral, os montes ficam num dos extremos da herdade, não se conhecendo motivo plausível que justifique esta anomalia.

8Erguidos no alto de qualquer colina ou na vertente de uma encosta, dominam vastos horizontes, cujo panorama, se é escasso, das surpreendentes belezas naturais que se admiram nas terras do norte, agrada contudo, pela fertilidade do solo extensíssimo e pelo avultado número de gados diversos que o povoam e animam.

9Em volta dos montes não há, é certo, os encantos próprios das paisagens pitorescas. Falta-lhes o principal, a arborização, nula outrora, mas que ao presente já se observa em alguns, e que tende a generalizar-se pelo emprego de eucaliptos e acácias. Mas, à falta de arvoredo de embelezamento, e como compensação de apreço, mostram à larga um cunho alegre e típico que se destaca principalmente do alvejar dos seus muros, do bulício dos seus habitantes e da imponência das almenaras de palha e feno que se lhes erguem próximo. Antigamente eram ainda aformoseados pelas medas de lenha, núcleo de pirâmides monumentais, caprichosas e correctas, que de longe chamavam a atenção do viandante. Obra paciente e cuidadosa dos criados da lavoura nas marés vagantias (épocas de poucos afazeres) em que os trabalhos agrícolas estavam paralisados por invernias ou estiagens.

10Erguiam-se para assim se acomodarem os madeiros e achas que se acumulavam em frente dos montes por sobejarem do consumo e procura. Hoje é raro construírem-se medas. O vagar é pouco e a lenha não sobeja.

11Os montes consideram-se albergarias francas para caminhantes e mendigos, hospício de necessitados, e até por vezes refúgio de perseguidos. Encarados por outro prisma, simbolizam o trabalho e a abastança por que reúnem e exibem à larga os melhores produtos da terra. De feição essencialmente criadora, sintetiza em si toda a vida agrícola alentejana. Toda, desde as messes de lavoura até às aves domésticas, que ali se multiplicam livremente em viveiro fecundo e constante. As aves pelos cantos e estrídulos de suas vozes, repetidas por centenas de galináceos e dezenas de palmípedes, constituem a nota mais alegre e animadora desses centros rurais, sobremodo interessantes.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

12As construções de cada monte moldam-se geralmente nas dos sistemas vulgares das terras pequenas da província, e compõem-se de habitações para uso doméstico, de casas para fins diversos e de várias dependências exteriores. Entre os maiores, há-os providos de capela para exercícios do culto divino, que outrora tinham capelão. Hoje não o têm e em poucas se diz missa. Só por acaso em alguma que fica próxima da sede de freguesia de campo (paróquia erma, sem povoado junto), onde o pároco não encontra ouvintes quando no domingo lá aparece, vindo da vila, disposto a celebrar. Em tais circunstâncias, o prior vendo-se apenas com o sacristão, resolve ir dizer missa à capela do monte. Ali, pelo menos terá meia dúzia de assistentes que o escutem.

Casa de habitação

13A que especialmente se destina ao lavrador e sua família compreende: casa de entrada, um indeterminado número de quartos, sala de jantar, dispensa, cozinha, amassaria, casa de pão, etc.

14casa de entrada – Só tem de notável as cantareiras de loiça, estanho, arame e cobre que ornamentam as paredes, de alto a baixo, em flamantes estanheiras e sanefas de pinho, tintas de azul e encarnado.

15Por estanho, arame e cobre, designam-se genericamente os tachos, pratos, panelas, bacias, almofarizes e outros utensílios de cozinha, de variadas dimensões, que noutros tempos se aplicavam habitualmente aos usos próprios. Hoje só se utilizam alguns dos maiores, como tachos grandes e asadas. Tudo mais, que é bastante e de valor considerável, conserva-se e aumenta-se para figurar apenas nas cantareiras, a compor a casa num luzido e brilhante apuro. É o fracasso da lavoura – o seu luxo caseiro, que a vangloria bastante quando estranhos lho gabam.

16Dispensa – Vasto compartimento abarrotado de comestíveis. Ali se armazena o fumeiro dos suínos, isto é, o produto das matanças de oito a doze cabeças grandes, as melhores que saíram do montado.

17O fumeiro compreende: grossas mantas de toucinho empilhado em salmouras próprias ou em potes de barro e caixotes; as varas de enchido, como paios, chouriços, linguiças, morcelas, cacholeiras e farinheiras, cada qual em separado, e todas suspensas por cordas presas ao tecto, formando por este modo a parreira ou latada de carne cheia, previamente defumada nos vãos da chaminé. Se a carne já enxugou, a latada não aparece, pois que o enchido passou a armazenar-se em potes de barro ou lata. Em vazilhas análogas e semelhantes, conserva-se igualmente a manteiga ou banha, e os pezinhos e lacões.

18Defrontando com a carne de porco e seus acessórios, estão os potes do azeite e os das azeitonas; as asadas do queijo, os caixotes dos legumes, os tabuleiros de pão de trigo – ralo e branco – os ovos, arroz, frutas, etc. E todos estes mantimentos ali figuram, entre balanças, pesos e medidas, não por ostentação de abundância, mas como previdência económica de primeira intuição – alimentar com barateza uma criadagem avultada, que oscila entre sessenta a cem ou duzentos homens. E para essa alimentação sair barata, necessita-se reunir por junto e em condições vantajosas os géneros alimentícios de primeira necessidade. É o que fazem os grandes lavradores, quando lho permitem os seus recursos pecuniários. Que nem todos os possuem às vezes, cumpre também acrescentar.

19Cozinha – Numas partes é de carácter exclusivo, noutras serve simultaneamente para amos e criados. Em qualquer das hipóteses, consiste num vasto compartimento de lareira descomunal, sempre de lume aceso, seja de dia ou de noite. Em volta da casa, pelas paredes todas de alto a baixo, como na casa de entrada, ostentam-se igualmente as ornamentações características dos domicílios rurais alentejanos.

20Nas guirlandas e estanheiras, lá se vêem também os serviços de cobre, arame, estanho, ferro e barro, onde se destacam tachos e asadas monstruosas, por entre pratos, frigideiras e panelas de lotes diversos, tudo realçando pelo brilho, disposição e apuro de um cuidado inexcedível.

21A um dos cantos depara-se com o pote da água, elemento que também existe nos cântaros de cobre, lata e barro, que figuram nos poiais. A cozinha, em certas partes, também serve de refeitório da ganharia e restante pessoal, como carpinteiros, ferrador, etc. Noutras, porém, as refeições aos criados têm lugar na casa de entrada, junto à porta principal. A mesa costuma ser comprida e estreita, de madeira, em geral, e de pedra, por excepção.

22Amassariaé a oficina do fabrico de pão das diferentes qualidades que se consomem. Tomando por base a importância do consumo, temos em primeiro lugar o pão de centeio, denominado marrocate, que se dá aos criados e «malteses»; em segundo, o pão de trigo – branco e ralo – que é respectivamente para amos e criados de portas adentro; em terceiro e último, as perrumas, pão de farelos de centeio com que alimentam os cães de gado. O marrocate fabrica-se em escala muitíssimo superior à dos outros pães: as «casas grandes» consomem anualmente setenta a cem moios de farinha.

23A amassaria está provida de todos os seus pertences: altezas de madeira e alguidares de barro para os amassilhos; caixotes, sacas ou tulhas para as farinhas e farelos; caniços para os marrocates e per rumas, peneiras, toalhas, tabuleiros, etc. Se o movimento é grande, a farinha e o pão ocupam uma segunda casa contígua ou separada.

24Há montes em que a cozinha e amassaria para a criadagem ficam fora da casa de habitação.

Acomodações agrícolas e pecuárias

25Resumem-se nas seguintes: casa de rações para cavalgaduras e bestas, celeiros, queijeira, forno, casa da lã, cavalariças, palheiros, cocheira, atafona, casinha dos ganhões, casinha do abegão, loja dos ferreiros, galinheiro, casa dos pintos, chiqueiro, cabanas, curral, etc. As três primeiras, tanto se instalam em divisórias interiores, contíguas às da habitação familiar, como em casas exteriores separadas. As restantes são, por via de regra, edificações isoladas, alojos de portas afora, como vulgarmente se diz. Pormenorizarei todas que mereçam especial menção.

26Celeiros – Divergem muito em número e capacidade. A lotação dos maiores não vai além de duzentos moios. Localizados ao rés-do-chão ou em altos, o seu piso é de tijolo ou asfalto. O asfalto introduziu-se há uns vinte anos, sendo decerto o melhor sistema para a boa conservação dos géneros.

27Os antigos silos (círios) ou tulhas subterrâneas abertas nas cercanias dos montes para depósito de cereais, suponho já não existirem em nenhuma herdade do Alentejo. No concelho de Elvas têm-se encontrado vestígios bastantes dessa usança árabe, ainda em voga há poucos anos em algumas terras de Espanha.

28Queijeira – Casa onde se prepara o queijo e outros lacticínios. Costuma ser um amplo compartimento provido de lareira espaçosa que impropriamente denominam chaminé. Ali se acende o lume para a confecção do atabefe, conservação de uma temperatura elevada, necessária à coagulação do leite e à manipulação do queijo nos dias frios. Pelo tecto da casa pendem molhos de folhagem de sabugueiro ou freixo, a que chamam mosqueiros. Servem para atraírem a si as moscas, que em enxames acodem às queijeiras, onde, como em toda a parte, se tornam importunas e nocivas, pelo menos aparentemente. Dizimam-nas então com o auxílio do folhedo, onde se acoitam, artimanha simples de excelentes resultados.

29À noite, quando tudo está em sossego, o roupeiro (encarregado da queijeira), chega-se aos mosqueiros, e, a cada qual, depois de lhe enfiar um saco que segura pela boca, agita-o com violência para a moscaria se desalojar. O efeito manifesta-se logo por um sussurro alvorotado, indício de boa caçada. Imediatamente vai-se tirando o saco, devagarinho, sacudindo-o a miúde, até ficar de fora com a bicharia no fundo e alguns fragmentos da folhagem. Sempre fechado pela boca é batido no chão, despejando-se no lume. Reconhece-se então a importância do apanho, que frequentemente atinge porções consideráveis.

30A queijeira é guarnecida com os móveis e aprestos próprios. Eis os principais: barreleira ou banca em que se faz o queijo; asadas para a coagulação do leite, para a coalhada, como vulgarmente se diz; tacho grande de cobre para o almeice (soro) ir ao lume e produzir o atabefe; escumadeira, panela para a água quente; formas de queijos (sinchos de lata) ; ditas para requeijões (cestinhos de verga e lata); pedras compressoras para espremerem o queijo grande de ovelhas; vasilha do cardo, saleiro, coadores, esfregões, etc.

31Ordinariamente, o queijo enxuga e fermenta noutra casa. Em artigo próprio referirei o mais que diz respeito à indústria de lacticínios.

32Forno de cozer pão – Edificação tosca e grosseira, nada notável quanto à sua aplicação principal. Mas como sob a designação genérica de forno se usa compreender a alpedrada que o precede, impõe-se a referência, atendendo a que este local é o agasalho ou albergue habitual de mendigos e vagabundos que, no geral do Alentejo, são conhecidos por malteses. Que cenas de vadiagem e perversão se não projectam nesses toscos pardieiros, atulhados nas noites de Inverno por dezenas de malandros, entre um ou outro infeliz digno de melhor sorte!... Quem conhece o Alentejo sabe perfeitamente como os fornos são teatros de planos criminosos e outras vergonhas sociais que ninguém trata de extinguir... Em alguns montes o forno comunica com a habitação familiar. Neste caso a maltesaria acoita-se em albergue próprio, mais ou menos distanciado.

33Os ciganos não pernoitam junto dos malteses, com os quais não gostam de conviver. Acampam e dormem a certa distância, ao abrigo de muros, penedos ou árvores.

34Já agora, e por coerência, aludirei também à hospedagem que se dispensa aos transeuntes de confiança, como futriqueiros, marchantes, caldeireiros, etc. A estes dá-se-lhes pousada melhor em qualquer dependência, ou mesmo nas casas de habitação, se merecem confiança. Enfim, a hospitalidade a ninguém se recusa, dispensando-se conforme a posição do que a recebe. Esta prática antiquíssima impõe-se pelas circunstâncias inerentes ao meio e à vida agrícola, cumprindo-se gostosamente com todos, que merecem usufruí-la.

35casa da lã ou laneiro – Serve para diversas aplicações, além daquela por que se menciona. De resto, a lã é a coisa que menos tempo a ocupa, por ser costume vender-se e exportar-se no Verão, logo depois da tosquia. Mas como em alguns anos se não vende de pronto e é forçoso conservá-la, destina-se-lhe uma casa para armazém.

36Cavalariças – Costumam ser duas ou três, de manjedouras de alvenaria e piso de calçada. Geralmente falta-lhes a cubagem e ventilação, o que é para lamentar pelos óbvios inconvenientes que resultam. Sendo três as estrebarias, uma destina-se às parelhas de muares, outra às cavalariças de sela e garanhões, e a outra, a pior, para as bestas de carga. Sendo duas ou uma só, o gado aquartela-se todo junto ou pouco repartido, conforme as circunstâncias.

37As cavalariças servem também para depósito dos aprestos das cavalgaduras e dos homens que com elas trabalham: carreiros ou almocreves, paquetes, cavalista, lançarote, etc.

38Palheiro – Casa em que se armazena palha para o consumo imediato do gado cavalar, muar e asinino que pernoita recolhido. Nos palheiros dormem excepcionalmente alguns transeuntes, quando por acaso não cabem nos alojos próprios.

39cocheira – Só se encontra em montes de primeira ordem. Aquartela o churrião e qualquer outro carro de maior valor para cómodo pessoal.

40Atafona – É a moenda de cereais por «motores de sangue» (bestas ou cavalgaduras) que antigamente havia em todas as sedes de lavouras. Hoje vai desaparecendo por se considerar engenhoca imperfeita, atenta a superioridade das fábricas de moagens a vapor e dos moinhos das ribeiras. Os moinhos fornecem de farinhas a quase totalidade dos lavradores.

41Casinha dos ganhões – Sob este título se designa o dormitório e casa de descanso dos «ganhões» ou moços da lavoura, que constituem a ganharia. Como se pode supor, tem o seu quê de semelhante às casernas dos soldados, conquanto delas contraste bastante pelo que respeita ao arranjo e asseio.

42O nome de «casinha» consideramo-lo impróprio. Na maioria dos montes, o alojo, esse, longe de ser um pequeno cubículo, é pelo contrário uma casa ampla que acomoda à vontade vinte e trinta homens. As «casinhas», especialmente as das lavouras distantes dos povoados, em que os ganhões não têm a facilidade de ir todas as noites às suas residências, sendo, por isso, forçados a pernoitar no monte, oferecem aspecto curioso digno de menção. A par da desordem e extravagância que se nota no rústico mobiliário, ouvem-se colóquios estupendos e cenas engraçadas que definem perfeitamente os instintos e sentimentos das pessoas que ali pernoitam.

43Qualquer que seja a forma de uma «casinha» possui sempre lareira espaçosa (a que designam por chaminé) construída a um dos cantos da casa, ou ao centro. Junto da chaminé meia pejada pelas cinzas de lumes fortíssimos, aglomera-se a criadagem que ali passa os serões, primeiro aquecendo-se ou enxugando-se das molhas que por acaso sofreram durante o dia, depois travando palestras ou entretendo-se em distracções diversas. Perto da chaminé estão os burros (bancos rústicos de pernadas de azinheira) que servem de assentos e que permanecem estatelados ou de pernas ao ar toda a vez que os não utilizam.

44Idêntico abandono ressalta das tarimbas que se erguem em redor das paredes. Formadas por leitos de carros velhos, portas inutilizadas, tábuas, etc., revestidas com rama de piorno, giesta e palha, tudo aquilo está em desordem, assim como a copa (vestuário) de reserva dos que as ocupam. Roupas, safões, calçado, chapéus, esteiras, paus, etc., para ali se amontoam, sem que mão cuidadosa se lembre de os arranjar.

45Para a coerência ser completa, o ladrilhado ou calçada do piso conserva-se meia oculta pelas fronças e gravetos do piorno que, em feixotas, se aplica a combustível de lareira. Enfim, um desarranjo absoluto, digno de reparo. Mas que importa aos ganhões semelhantes bagatelas?! No seu modo de ver, está bem assim. O arranjo, a compostura e a limpeza, dizem eles, compete às mulheres, lá nas casitas da vila ou aldeia próxima onde residem. Aí, sim; aí, é que eles gostam de ver o asseio, a comodidade e luxo mesmo com que as esposas, mães e irmãs ornamentam o interior das habitações, e de que justamente se vangloriam por que nada se lhes assemelhar, sequer, nas outras províncias de Portugal. Só vendo-se é que se avalia bem. Mas fora dos domicílios, no campo e nos dormitórios dos montes... «era o que faltava, perderem-se as horas de buena a compor a tarimba e arranjar a cama... Quem passa o dia agarrado ao tango, à noite de todos os modos dorme bem... Ainda que seja em riba de pedras ou em pontas de alfinetes!...» E com estas frases justificam o desalinho.

46As paredes da casa condizem com o desalinho da roupa e trabecos. Apesar de serem caiadas de branco estão em parte enegrecidas pelo fumo da lareira. As restantes menos sujas vêem-se mascaradas de desenhos estapafúrdios, rustissíssimos, feitos a carvão, destacando-se um ou outro que revela traços firmes e vocação artística do autor.

47Tudo aquilo é obra dos ganhões arteiros, que têm queda para as pintorices, e que nisso se entretêm algumas noites, distraindo-se a si e aos camaradas.

48Traçam então juntas de bois com o ferro de casa; cenas tauromáquicas; tipos das cidades; as figuras do sol e da lua, monstros marinhos, neptunos, sereias, navios, pavões, cegonhas, lobos, vasos de flores, o sino-saimão, etc.

49Completando o quadro, é frequente penderem do tecto cordas e paus com que improvisam trapézios. São para a rapaziada fazer artemages, o que em calão local significa exercícios ginásticos e acrobáticos. Ali, pois, espinoteam à vontade com o seu trambulhão, à mistura, unanimemente festejado. Ora, o conjunto de tudo isto, casa e habitantes, dá à casinha dos ganhões uma aparência original, que se torna fantástica, quando à noite as chamas da lareira projectam a sua luz esfumaçada e indecisa sobre os vultos da habitação.

50A tristeza raro se nota naqueles recintos originais. Ali as noites decorrem alegres, se a maioria dos assistentes se compõe de rapazes solteiros, exuberantes de vida, alheios a cuidados. Então, tudo se anima a valer! Simulacros de touradas; artemages; jogos de brincadeiras para logro dos novatos; tudo, enfim, que revela despreocupação de espírito. Os velhos, coitados, que já não podem tomar parte naquelas pândegas, sentem-se rejuvenescer, e lá do canto da «chaminé», onde acalentam o sangue amortecido, aplaudem os divertimentos da família moça e estúrdia – partidas que eles também já fizeram e de que se recordam com saudade.

51Noutras noites não há artemages, nem touradas, nem jogos, nem desenhos; mas o serão passa-se divertido, se não de alegria ruidosa, pelo menos com o prazer suavíssimo que disfrutam as almas simples ao ouvirem narrações estranhas, maravilhosas. Nestas noites os papéis invertem-se: são os velhos que distraem os novos. Aqueles, tomando ares de superioridade paternal, propõem adivinhações, recitam décimas, narram contos de princesas e mouras encantadas, casos de bruxedos, e até episódios das guerras da primeira metade do século, de que eles ou os ascendentes foram testemunhas oculares.

52Com que atenção os moços os escutam, e com que ufania os velhos referem aquelas histórias variadas, de exageros manifestos! Os que as ouvem, ficam embasbacados a ponto de um ou outro exclamar: “Caramba, rapazes !, sempre o tio Fulano sabe muito?!... É um poço sem fundo! Não sei como lhe cabe na cabeça tanta coisa!!! Se fosse homem de letras era um doutor!...”

53Nas noites grandes, quando se esgota o reportório de historietas e mouras encantadas, muda-se de assunto até que se chega à coscuvilhice reles. Nesta altura, diz-se mal dos amos, dos abegãos, do prior da freguesia, do exagero das contribuições, e por associação de ideias, dos poderes constituídos. Discute-se enfim, incluindo mesmo a astronomia, que lhes merece comentários e apreciações originais em que abundam os disparates. Mas quem os diz, fica muito ufano como se proferisse uma sentença.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

54Casinha do abegão – Dormitório e alojo do encarregado da lavoura e do seu imediato substituto, o sota. Serve também para arrecadação das apeiragens e outros utensílios confiados aos dirigentes da lavoura.

55Cabanas – Por este nome designam as seguintes diferentes acomodações: a loja dos carpinteiros de carros e arados, o depósito de madeiras, as arrecadações de veículos e ucharia de lavoura, as arribanas para gados, etc.

56No Alentejo, o termo de cabana é um nome genérico que se aplica indistintamente a todos os casarões toscos e espaçosos que se adaptam a quaisquer usos. A cabana que se adapta à oficina dos carpinteiros acomoda muitas vezes as madeiras necessárias ao movimento da lavoura, por não haver casa apropriada para semelhante fim. De qualquer maneira, é curioso o seu aspecto: ao centro da casa, sobre o solo coalhado de cavacas e aparas, firmam-se os gastalhos onde, enchó em punho, e assentados, trabalham os mestres, concluindo a execução dos arados e outras ferramentas agrícolas. Se trabalham em pé vêmo-los com o machado, vibrando golpes certeiros na madeira, dando-lhes as formas gerais de que precisa, desbastando-a assim de falquejo para depois a aperfeiçoarem à enchó. Isto ao meio da oficina. Em redor das paredes levantam-se pilhas gigantescas de arados e timões, tendo pela frente outros similares, que por seu turno ainda são amparadas por rimas de alvecas, cangalhos, raios, pinas, etc. Centenas de peças em bruto ou falquejadas, umas dispostas em simetria, outras amontoadas a esmo.

57A carpintaria é o centro do cavaco nas escapadelas aos afazeres e às horas de descanso. A pretexto de qualquer coisa entra-se ali para se receberem ou darem novidades, ou para se comentar este ou aquele assunto. A par da carpintaria, também em certos montes funcionam lojas de ferreiros, inovação recente, que não parece generalizar-se. Se alguns lavradores opulentos entretêm forjas a trabalhar para as precisões da sua lavoura e das de alguns vizinhos, o maior número não entra nessa especulação. A maioria mantém o uso tradicional, avençando por ano ou temporada com os ferreiros das povoações próximas.

58Prosseguindo nas referências às cabanas, convém acrescentar que todos os montes as têm para uso dos gados. E naqueles em que as há, os únicos animais que as utilizam são os bois de trabalho, durante o Inverno, e as éguas e crias de manadas, no fim do Verão, às horas da calma. Quando estes gados as não ocupam, servem para arrecadação de carros, palha, fenos, etc.

59Às cabanas mais rústicas, construídas de madeira com tectos de colmo, piorno em giesta, chamam-se-lhe ramadas. Os termos de «estábulo» e «arribana», tão adoptados noutros sítios, são desconhecidos pelos campónios do Alentejo. Ignorância análoga se nota também com o vocábulo abegoaria. Este nome apropriadíssimo aos depósitos de trens de lavoura e outras ferramentas agrícolas, mal o conhecem os habitantes das nossas aldeias.

60Galinheiro – Uma casa qualquer, em que pernoitam e põem as aves domésticas do monte, com excepção dos pavões e patos reais que dormem e nidificam fora ou ao ar livre e à solta. O galinheiro é provido de poleiros suficientes para repouso dos bicos, e de casinholas ou cestos para a postura dos ovos. De noite, ali se recolhem dezenas ou centenas de aves diferentes, que se soltam ao aclarar do dia, com excepção das que têm ovo, que continuam recolhidas algumas horas mais, a fim de porem nesse entretanto. Mas antes sofrem todas o devido exame, a uma por uma, pelo processo vulgar, geralmente conhecido.

61Em alguns montes o galinheiro serve também de pombal, para o que tem nas paredes as casinholas indispensáveis para a criação dos pombos. Neste caso, o tecto é provido de uma fresta ou água-furtada que permite a entrada e saída dos pombos. Mas o mais comum é o pombal ficar de fora, encostado a qualquer chaminé.

62casa dos pintos – Espécie de sucursal do galinheiro, que acomoda as galinhas e peruas chocas com as ninhadas em incubação, e ainda outras que já tiraram e que ali pernoitam com os pintos.

63Chiqueiro – Curralório que encerra dois ou três porcos adultos para se irem engordando a pouco e pouco com os sobejos das comidas, sementes avariadas, bagaço, frutas, etc. Um mealheiro aproveitador de desperdícios.

64O chiqueiro abrange o espaço de uns vinte metros quadrados, em parte resguardado das inclemências do tempo por uma alpendrada ou choço, onde se abrigam os cevões – nome específico porque se designam os suínos assim sustentados.

65No recinto a descoberto, vêem-se os maceirões e pias, onde comem e bebem os porcos, anafados bichos que devem considerar-se felizes pela abastança, sossego e repouso que ali disfrutam. No interior do pocilgão ou cá fora, no chiqueiro a descoberto, mete inveja ouvi-los roncar forte, a sono solto e bandulho farto, sem preocupações de nenhuma ordem. Quantas criaturas humanas dariam um dinheirão por dormirem assim!

Arredores

66Os arredores dos montes caracterizam-se por certas dependências indispensáveis ou convenientes aos labores agrícolas e pecuários. Nestas condições estão: a eira, o poço da água potável, os chafarizes para os gados beberem, as malhadas dos porcos, o bardo das cabras, e finalmente a quinta, horta ou quinchoso.

67Eira – É o terrado em que se debulha e limpa toda a casta de cereais e legumes.

68Fica geralmente a curta distância do monte, numa das colinas próximas mais varridas do vento oeste, ou seja, «bem lavrada de travessia», como se diz em frase plebeia. As eiras apropriadas a debulhadas de pouca monta medem a superfície de cem metros quadrados, aproximadamente. As das herdades de grandes colheitas, em que se acumulam muitos e vastos calcadoiros, abrangem capacidade bastante maior – mil a dois mil metros quadrados. E há-as de grandeza tão excepcional, que ocupam a importante área de cinco mil metros quadrados. Destas dimensões é a herdade do Falcato (concelho de Elvas), propriedade dos senhores Bagulhos.

69O solo ou casco da maioria das eiras consiste num simples terrado batido a maço, ou somente gadanhado e varrido da erva, se de há muito se aplica a esse fim. Vêem-se, porém, muitas eiras calçadas modernamente e algumas sem o centro lajeado de ardósias ou pedras de granito.

70Nas herdades em que predomina a cultura do centeio, a eira muda de local quase todos os anos, por medida económica na arrecadação e aproveitamento da palha, que, sendo como é, exclusivamente aplicada a forragens do gado bovino, e comida nas próprias almenaras, convém ficar desde logo na folha onde os bois e vacas pastam durante o Outono e Inverno, ou pelo menos noutra contígua. Portanto, em cada ano, numa das folhas de «restolho» ou de «pousio» – a do invernadouro as mais das vezes – escolhe-se um vale inculto bem ventilado, e é aí que se prepara a eira do centeio. Preparo simples e de ocasião, visto o seu carácter ser transitório.

71As almenaras de palha e os rilheiros dos cereais em rama, aguardando debulha, constituem o principal embelezamento das eiras. Rilheiros e almenaras, erguidos a capricho pelo pessoal da eira, dão ao local um tom imponente bastante característico.

72Poços-chafarizes – Cada monte tem próximo um ou mais poços, de três a cinco metros de profundidade, de onde se extrai a água para o consumo da casa e abastecimento dos gados, empregando-se para isso o caldeiro e a corda. As bombas pouco se usam por enquanto. Os poços de boas nascentes valorizam muito as herdades respectivas, atenta a falta de água que se nota em quase toda a província, durante a quadra estival. Poço abundante de água, reputa-se regalia de incalculável valor, sobretudo se a herdade não é atravessada por alguma ribeira boa, onde os gados possam beber no Verão. Assim, sucede que, na maioria dos poços de nascentes medianas e abundantes, há um chafariz para bebedouro do gado grande, como bois, vacas e éguas, e ainda alguns «maceirões» (gamelões) de madeira para as rezes miúdas, como ovelhas, cabras, porcos, etc. A água é tirada pelos «ganadeiros» (guardadores dos gados) empregando também o caldeiro e a corda. Pois não obstante a rudeza do processo, há ganadeiro que sem dificuldade extrai todos os dias, às horas da calma, a água precisa para se saciarem à vontade sessenta a oitenta bois.

73Como nota significativa da escassez e apreço da água nas terras transtaganas, basta dizer que certas herdades que não têm água dentro pagam foro ou pensão a outra vizinha onde há poços, e que por seu turno estão sujeitas ao encargo de admitirem a beber os gados que naquelas pastam.

74malhada dos porcos – Edificações rústicas, primitivas, de forma cónica, com os tectos de piorno, giesta e outros arbustos. Servem para a criação e dormida dos suínos, compreendendo-se também por esta designação da choça dos ganadeiros que os guardam – os porqueiros. Em geral, há mais de uma malhada em cada cómodo de lavoura, vendo-se já algumas modernas de construção aperfeiçoada, que divergem bastante do sistema comum. Quando tratar da criação dos porcos farei descrição mais desenvolvida sobre as malhadas respectivas.

75Bardo das cabras – Nome por que se conhece o redil ou curral em que se ordenham aqueles animais. A sua construção é de carácter transitório, porque todos os anos muda de local, ficando sempre próximo do monte e de modo que da porta principal se veja bem. Convém isso para, às horas do ordenho, o pessoal do monte dar notícia da chegada das cabras e assim seguir logo o encarregado de trazer o leite, montado na respectiva besta, entre as cangalhas com os cântaros.

76O bardo vulgar é construído com feixes de mato, como esteva, aloendro, piorno, etc.: uma espécie de paliçada em semicírculo, com entrada exposta ao nascente. Contíguos ao bardo, da parte de cima, erguem-se os chiqueiros ou choços em que se recolhem os chibos novos, enquanto não acompanham as mães. Na actualidade, estes bardos inutilizam-se nos meados da Primavera, substituindo-se por outros simples, portáteis, formados por cancelas de madeira de castanho, que se muda de dias a dias para melhor se aproveitarem os estrumes. Uma semelhança do que se pratica com as ovelhas.

77Quinta, horta ou quinchoso – Por qualquer destes nomes se designa o cercado hortícola e pomífero, que produz hortaliças e frutas para consumo do monte. Se a sua área e valor é grande, ou para melhor dizer, se contém pomares de vulto como laranjais, ameixiais, etc., e se são velados por bons muros de alvenaria chama-se-lhe quinta. Se porém o seu todo é pequeno, ou se mesmo grande, mas que não esteja povoado de muito arvoredo frutífero, e se sobretudo a vedação se reduz a uns simples valados, denomina-se horta. No revestimento das sebes empregam-se as piteiras, figueiras-da-índia, canas, silvas, etc. Quando o hortejo se reduz a proporções mínimas toma o nome de quinchoso.

78Apesar de haver herdades com quintas e hortas encravadas na sua arca, mas pertencendo a donos diferentes, é também certo que quase todas, que são centros de lavoura, têm anexa uma quinta, horta ou quinchoso, disfrutado por conta do lavrador, com o fim de ter hortaliça e frutas para o consumo da casa. E algumas maiores, além de produzirem o suficiente para o pessoal da lavoura, ainda abastecem os mercados diários das povoações vizinhas. Vários processos se usam para obter a água que alimenta as quintas e as hortas. Numas fazendas a água corre de pé, nascendo ali mesmo, ou vindo canalizada de fora, de maior ou menor distância; noutras, embora exista no próprio local, há que extraí-la por meio de noras mouriscas, ou de outros sistemas, como elevadores automáticos, cegonhas, bombas, etc. O processo mais vulgarizado é o das noras de diversos tipos, e o menos é o das cegonhas e o dos elevadores ou moinhos de vento. Para o trabalho das noras empregam-se muares e jumentos de pouco valor, que se aplicam também a outros serviços.

79Por qualquer processo que a água se tira vai toda depositar-se em tanques ou lagos, de onde se solta uma ou duas vezes por dia no tempo estio, para regar as tabuadas, canteiros e leiras em que se divide a terra preparada. À água que sobeja das regas dá-se-lhe saída para fora, indo afluir aos ribeiros.

80Muitas quintas e hortas abrangem duas a três jeiras de terrenos inacessíveis às regas e que por isso se lhe chamam sequeiros. Disfrutam-se com oliveiras, figueiras, amendoeiras, etc.

81Em resumo, as quintas alentejanas, na sua quase totalidade, quer sejam acessório da herdade, quer constituam prédio independente, são terrenos de exclusiva exploração hortícola e pomífera, não se assemelhando, portanto, às quintas que povoam os campos das outras províncias. As nossas produzem somente hortaliças e frutas; as outras abrangem granjeios agrícolas e pecuários que no Alentejo são próprios das herdades.

82Como nota complementar convém dizer que, se efectivamente alguns montes têm anexa uma pitoresca quinta, ou uma boa horta tidas, justamente, como oásis deliciosos em regiões tão monótonas e abrasadoras, não poucos se nos deparam também que só possuem reles hortejos, mal dando umas couves nas épocas pluviais.

A vida nos montes

83A vida nos montes decorre tranquilamente, alheia ao bulício das cidades e aos mexericos das aldeias. Os sucessos do dia e os casos de sensação ocorridos nos grandes centros só ecoam no campo por intermédio de qualquer gazeta lida por acaso nas horas vagas, ou pela narrativa fantasiosa dos transeuntes e chegadiços.

84Com efeito, ao isolamento do lugar alia-se a simplicidade dos hábitos contraídos em mil ocupações, que sugerem ideias e pressentimentos opostos, que por isso mesmo se confundem e equilibram, evitando alegrias ruidosas ou alucinações de desespero. O tempo passa quase desapercebido, tantas são as lidas que o tomam desde o raiar da aurora até pela noite adiante.

85Logo de madrugada principia a azáfama. Os primeiros a levantarem-se são os criados de portas adentro, isto é, o cozinheiro e o amassador de há muito acordados pelo cantar dos galos.

86Às duas e meia ou três da manhã no Outono e começo do Inverno e às quatro no restante do ano vêem-se já erguidos aqueles homens. O amassador para despachar os amassilhos – dois e três por dia, conforme as precisões. O cozinheiro para cuidar do lume, das asadas com água a aquecer, do ordenho das cabras, etc.

87Entretanto, os dois bocejam, trocando as impressões próprias da hora e do meio, bate-lhes à porta o abegão e preparar o almoço para a ganharia. Abrem-lha logo, entra e diz: “Deus os salve!” “Salve-o Deus!”, respondem os que estavam, retribuindo a saudação.

88Os três dirigem-se para a chaminé e aí ao lume matam o bicho, fazem o cigarro e falam do tempo. O seu palavreado, a ebulição da água e o crepitar das chamas do azinho que iluminam em cheio toda a casa, denunciam os primeiros rumores da labuta em começo.

89É curta a parola. Satisfeito o vício ou o hábito, cada qual trata dos seus deveres. O cozinheiro prossegue nos já iniciados, o amassador põe o forno a arder, e o abegão, enquanto a água abre a fervura, põe a mesa colocando-lhe a toalha, os marrocates e as azeitonas.

90Ao ferver a água em cachão, vaza-se a escaldar das asadas para os barranhões já temperados de azeite, sal e alho, preparando-se assim o caldo da açorda, que deste modo imediatamente conduz para a mesa. Depois sai à rua e, em tom forte e prolongado, grita: “Ao almoço!...”. A criadagem acode, entra, almoça e sai. Chega então a vez de se acentuar o movimento. Todos dão rumor de si tratando de marchar para as ocupações, por entre uma vozearia de ditos, entremeados de perguntas e respostas.

91Os almocreves deitam fora as parelhas, engatam os carros e gira; a ganharia (moços de lavoura) também se põem a caminho do trabalho; os malteses esgueiram-se à formiga receando emprazamentos importunos, e por último os domésticos do monte a pouco e pouco aparecem também. Carros e ganhões saem ainda de noite durante a sementeira do Outono, e ao ser do dia no tempo do alqueive. Entretanto, erguem-se os lavradores, chegam diferentes ganadeiros a receberem o almoço e algumas ordens, e assim, num vaivém de saídas e entradas, a animação generaliza-se. Ao nascer-do-sol tudo está a postos, no mourejar do estilo.

92Despachado dos afazeres do monte, o lavrador monta a cavalo e parte a dar volta aos arados, aos rebanhos e ao mais que tem espalhado pelos campos. Querendo, não lhe falta que ver e providenciar.

93A sua assistência no monte é menos necessária. A esposa substitui-o aí com vantagem, tanto mais que, por direito tradicional, é ela que tem o mando nos labores caseiros inerentes ao granjeio agrícola.

94Nestas circunstâncias, a lavradora põe e dispõe a seu talante. Logo ao levantar merece-lhe particular interesse a solta das galinhas, o serviço da casa, e o tratamento da gadeza, como quem diz dos bicos de criação e dos porcos do chiqueiro. Neste propósito e noutros que o decorrer do dia lhe sugere, farta-se de estimular o zelo de criados e criadas, entregando-se ela própria aos serviços de maior urgência. Esgotada a pachorra, perde o bom humor e desata a ralhar com todos, ou por faltas que nota, ou por hábito contraído. Que as há que ralham por vício e por desfastio! Sem embargo, todas são protectoras da criadagem. E quanto mais ralhonas, mais bizarras e benfazejas, inclusive para esses a quem notam os defeitos e que lhes aturam as rabujices. Parecem-se imenso com aquela boa D. Vitória que Júlio Dinis retratou admiravelmente na Morgadinha dos Canaviais. Cá pelo Alentejo há também donas Vitórias.

*

95Pelo dia adiante prosseguem os labores da comida, dos avios, do fabrico e limpeza do queijo, da remendagem dos sacos, das varrições, dos «esfregados», no arame e cobre do trem da cozinha, e, sobretudo dos lavabos e caiados nas casas. É da praxe estarem sempre brancas de neve com os pisos de tijolo muito limpos, tão limpos que se lhes possa «lamber mel». (Expressão corrente). E afora isso muitos outros trabalhos. Intervalos de descanso, só às horas do almoço e do jantar, que demoram mais ou menos tempo conforme os afazeres. Isto pelo que respeita aos criados caseiros. Os de fora regulam-se por usanças invariáveis que noutro lugar exporei.

96Entre as ocorrências características dos montes evidencia-se a afluência de transeuntes e visitantes de classes e procedências diversas.

97Agora, aparece o empoado moleiro e os seus médios jumentos, com o do chocalho à frente, carregados de farinha para o consumo de casa. Logo, é o astuto arrieiro, de vara na cinta e fio e agulha enrolado na aba do chapéu a oferecer a venda do carreguio trazido em machos e burros, ou o inverso, com a récua descarregada, a propor compra de cereais para ir vender.

98O arrieiro – diga-se de passagem – é um bacharel de argúcias e subtilezas, timbrando em iludir os incautos. Não pretende ganhar muito, assevera ele. Bastam-lhe as crescenças. Explicando: se comprar, irá logo baptizar o grão, encharcando-o nos ribeiros. De trinta alqueires obterá quarenta. Uma fraude como tantas que por aí se praticam à sombra de impunidade relaxista, senão toleradas por usos velhos.

99Possuído de velhacaria semelhante, também o moleiro procura trapacear a medição da farinha que entrega, peneirando-a com as mãos ao encher a rasoira. Mas tanto almocreves como moleiros estão a perder terreno nestas endróminas que, por velhas e conhecidas, pouco ou nada se consentem já. Adiante.

100Com os arrieiros, chegam igualmente muitas outras entidades: o paneiro, o futriqueiro, o amola-tesouras, o da loiça, o caldeireiro, o gateiro e vários quejandos, galegos alguns a oferecerem os seus serviços e a proporem negócio. E simultaneamente, a maioria, pede e obtém comida para eles e para as bestas.

101A par desta gente concorrem igualmente os «velhos com santos», espécie de ermitões andadores, a quem os párocos entregam nichos de lata com uma imagem pequena, para esmolarem pelos montes e aldeias, oferecendo-a a beijar aos devotos. O produto das esmolas divide-se pelo ermitão e pelas despesas do culto, diz-se.

102Tanto as imagens como as caixas que as encerram primam pelo grosseiro do fabrico, salientando-se principalmente a porcaria que as enfarrusca. Pela sua rusticidade tornam-se alvo de motejos e graçolas pouco edificantes. Há quem lhes chame latas de furões que entram nas habitações, para, a troco de beijocas abeatadas, caçarem boas esmolas...

103Verdade, verdade a tal caixa e o santinho nas mãos de mendigo sujo, às vezes piolhoso ratoneiro, representa uma vergonha para o decoro da religião.

104Os promotores de festas nas localidades vizinhas também assediam os montes duas vezes por ano com os peditórios do estilo: o de carne pelo entrudo e o do pão no tempo das eiras. A esmola dá-se e afere-se do seu valor não pela fama do santo invocado, mas conforme a importância e representação dos que a pedem. Os festeiros humildes recebem uma insignificância: os de maior categoria, lavradores abastados quase sempre, apanham dádivas generosas.

105Mas, entretanto, ouvem e dizem muita piada a propósito, rindo e troçando o caso. Em geral, o peditório é efectuado, por rapazes novos, solteiros, que tomam isso como uma pândega. Vão à esfola, diz-se por gracejo.

*

106Aí pela crescença do dia, nas sextas-feiras sobretudo, visitam os montes as «velhas comadres» e «afilhadas» que se entregam à pedincha no campo uma vez por semana, pelo menos. Umas são viúvas, realmente pobríssimas; outras casadas e em condições que a sua mendicidade pouco se justifica. A maioria ufana-se de padrinhagem e compadrio com os lavradores a quem tratam por senhores padrinhos, senhoras madrinhas, senhores compadres e senhoras comadres. Nem sempre são legítimos estes tratamentos, antes com frequência derivam de afinidades muito forçadas.

107Mas como quer que seja, lá aparecem a pedir. Vão à falca, comenta o povo, que também chama escorcha a este género de mendicidade. A falca consiste em a metade de um marrocate (pão de centeio). Ora o termo aquele carece de fundamento. A esmola a que se alude consiste não em uma fatia mas num pão inteiro pelo menos.

108E sendo donativo maior, como acontece em muitos casos – farinha, carne, legumes e azeite – chamam-lhe alforjada ou saquilada, por ser recolhido em saco ou alforje.

109As saquiladas só as apanham as comadres e afilhadas de direito, ou as bem cabidas na casa. As «de levar e trazer», como por inveja comentam os menos contemplados.

110No entrudo, a tradicional esmola de carne dá-se indistintamente em vários montes às pobres que a vão pedir, variando de valor e quantidade conforme a pobreza e afeição das pedintes. Pelo que estas procuram catequizar as lavradoras por todos os meios imagináveis. Mal chegam à porta oferecem-se para varrer e lavar, adicionando aos oferecimentos de serviços, vários presentes de ninharias reles como trapos para esfregões, molhos de ervas para misturas, etc.

111Os serviços recusam-se as mais das vezes; os presentes aceitam-se por complacência, remunerando-se à larga por meio de comestíveis.

112Da parte das mulherzinhas beneficiadas retumbam os agradecimentos e as bajulações às lavradoras, já gabando-lhes as qualidades, já narrando-lhes com exagero e a seu sabor as ocorrências das aldeias de onde são e as dos montes por onde passam. Espécie de gazetas falantes pródigas em bisbilhotice. Mas, coitadas, procedem assim por necessidades de estômago. E que necessidades, em algumas, Santo Deus!...

113Ao cair da tarde outra ordem de indivíduos aborda os montes, ora em grupos de três e quatro, ora isolados, a um e um, todos com manifesto desembaraço.

114Novos e ágeis pela maior parte, não inspiram simpatia a quem os vê, antes causam asco e repulsa, pelos seus tipos hediondos, sujos e esfarrapados.

115Estes párias desprezíveis são os chamados malteses.

116– Esmola e agasalho a um pobre, senhora lavradora – dizem em tom altaneiro os mais atrevidos, arrimando à porta de cacete na mão e manta às costas.

117– Vá para o forno..., logo ceará – respondem-lhe de dentro com singular frieza. E o farroupilha lá segue para o forno, resmungando insolências. E assim acontece com outro e outros nas mesmas condições até noite cerrada.

118Os rafeiros, ladrando de contínuo e arremetendo com fúria, protestam a seu modo contra tais visitantes. Mas os chegadiços repelem-lhes os ataques afagando-os, ou ameaçando-os com pauladas, conforme as circunstâncias. E desta maneira chegam incólumes ao forno, indo engrossar a matilha que já ali se acoita. Mais adiante farei uma resenha desenvolvida sobre esta súcia de vadios.

119À volta do sol-posto, mulheres e homens, amos e criados domésticos, todos em fraternal convívio, sem preocupação de classes, reúnem-se cá fora no terreiro do monte em misteres secundários, se o tempo o permite. Ali, ao ar livre, escolhem-se legumes, debulham-se batatas, migam-se couves e outras hortaliças, escarpeia-se lã, etc. E de mistura, sustentam-se palestras alegres, familiaríssimas, animadas por umas restiazinhas de sol ameno que a pouco e pouco vai desaparecendo até se mergulhar de todo.

120Com o ocaso do Sol esvai-se a animação dos assistentes, que passam a concentrar-se num remanso de mutismo e quietude mística, sugestionada sem dúvida pelos tons da natureza, infundindo melancolias.

  • 1 Era assim antes, haverá vinte anos. Agora já não é bem assim. No geral, em vez de orações, trata-se (...)

121Ao longe soam os chocalhos dos rebanhos, o coaxar das rãs. e o matraquear das cegonhas. E como se tudo isto não fosse suficiente para transportar as almas dos simples ao maravilhoso e indefinido, do alvejante campanário da ermida próxima tangem de espaço as trindades da noite, anunciando o descanso, incitando à oração. Imediatamente os circunstantes largam o trabalho, descobrem-se, e exclamam em recolhimento: “Ave Maria!...” E todos rezam baixinho, numa religiosidade contrita que se impõe aos cépticos e consola os crentes (1).

122Entretanto anoitece.

123A pequena distância distinguem-se as parelhas de muares, que tilintando-lhes as esquilas e guizos recolhem ao monte, umas de canga com o carreiro a cavalo, outras engatadas.

124À medida que se aproximam aumenta o som dos alforges até os carros rodarem pela calçada do terreiro e estacarem para a solta.

125O barulho do desengate e recolhimento das bestas com a vozearia dos que chegam a pé ocasiona certo bulício momentâneo. Instantes depois, ceia a criadagem, medem-se as rações e arraçoam-se as bestas. E em seguida cada um entretém-se como pode «com os da sua igualha». Entretengas predilectas, o jogo da bisca lambida, contos, adivinhações, etc.

126Por volta das nove horas reina o sossego. A esse tempo vai o serão decorrido após demoradas combinações entre lavrador e governos sobre os serviços a efectuar. Mais dois dedos de cavaco com a cigarrada da praxe que o amo lhes oferece e eis tudo concluído. Depois trocam-se as «boas-noites» e cada qual recolhe à cama para se entregar a Morfeu num repouso reparador.

127Se o monte fica próximo da vila ou aldeia, os moços solteiros, mal ceiam, giram a caminho do povoado a conversarem com os namoros, ou a passearem pelas ruas, cantando em magotes. E por lá andam o melhor da noite, até regressarem à obrigação.

Notes

1 Era assim antes, haverá vinte anos. Agora já não é bem assim. No geral, em vez de orações, trata-se de coisas mundanas.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/4182/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 72k

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search