Version classiqueVersion mobile

Através dos campos

 | 
José da Silva Picão

Prefácio

Texte intégral

1Em Novembro de 1891, José da Silva Picão, lavrador de Santa Eulália (concelho de Elvas) onde nascera em 1859, inicia a publicação de uma série de artigos no Elvense a que dá o titulo genérico de «Através dos Campos» e que assina com o pseudónimo de João Chaparro.

2Naquele findar de século, em Elvas, o etnógrafo António Tomás Pires desenvolvia uma intensa actividade de recolha de materiais do folclore local e provincial (sobretudo), actividade continuamente estimulada por investigadores, como Adolfo Coelho, Teófilo Braga e, principalmente, Leite de Vasconcelos, com quem mantém assídua correspondência e que será o primeiro a realçar o enorme interesse das páginas de Silva Picão.

3Quando, anos mais tarde, Tomás Pires estabelece contactos com Rocha Peixoto e lhe dá a conhecer os artigos do Elvense este propõe-se publicar de imediato aquele «magnífico inquérito» na Portugália, revista de que era o grande animador e que então aparecia no Porto. Daí uma breve troca de correspondência com Silva Picão e a inclusão nos fascículos 2, 3 e 4, do Tomo I (1899-1903) da «Ethnographia do Alto Alentejo (Concelho de Eivas)», título que Rocha Peixoto havia sugerido ao autor. E logo acabaria, por razões incertas, a colaboração de Silva Picão na revista que, atravessando dificuldades, veio a ter vida efémera.

4Mas o lavrador de Santa Eulália acumulara entretanto muito material escrito sobre o mundo rural que se propusera caracterizar e o editor António José Torres de Carvalho, seu amigo assim como de Tomás Pires (de quem editava as obras) resolve publicá-lo em livro. Em 1903 encontra-se pronto o primeiro volume (que saíra em fascículos) e em 1905 principia a publicação do segundo volume, que, depois de longas interrupções, viria a ficar inacabado com a morte de José da Silva Picão, em 1922.

5Só em 1947, por iniciativa de José Nunes Tierno da Silva, médico de Eivas, é feita uma nova edição, num volume único, respeitando o texto da edição de Torres de Carvalho e acrescida de uma novela regionalista que o autor escrevera em 1894, A caminho da cegonha. É esta edição, há muito esgotada, que aqui se reproduz, sem aquela novela e com a indispensável actualização ortográfica.

6Anotámos alguns dos momentos da biografia deste livro para melhor se poder situar uma obra ímpar na história da etnografia portuguesa. A limpidez da escrita, a rara qualidade descritiva, o profundo conhecimento interior da realidade observada, a correcção de uma subjectividade implicada pelo recurso ao rigor do inventário contribuem para que Através dos Campos seja, simultaneamente, uma etnografia da complexa lavoura alentejana e um precioso contributo para a sua história económica e social. Por isso a urgência da sua divulgação e a importância da sua inclusão nesta Biblioteca de Etnografia e Antropologia.

7j. p. b.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search