Version classiqueVersion mobile
I
III

História do fado

 | 
Pinto de Carvalho (Tinop)

II

Texte intégral

Carácter dias canções populares portuguesas. – O fado. – Temas do fado.– O fado sob o ponto de vista musical e sob o ponto de vista literário. – Origem do fado. – Os marítimos e as suas cantigas. – Aparecimento do fado. – Papel da guitarra nos bródios lisboetas. – As hortas e as esperas de toiros. – As cantadoras de fado nas esperas de toiros.

1As canções populares lusitanas apresentam um carácter lamentoso e amoroso, o que já foi notado por Link, um alemão ilustre que viajou entre nós nos fins do século xviii. A este respeito, escreveu ele: «O habitante dos campos da Alemanha excede muito (no respeitante ao canto) o de Inglaterra, muito mais ainda o de França, e infinitamente o de Espanha e o de Portugal. O canto monótono, gritador e arrastado dos homens começa já na Gasconha; é desagradável na Espanha e em Portugal.

  • 1 M. Link. Voyage en Portugal de 1797 à 1799, pp. 44 e 45.

2Acrescentai a isto uma guitarra tão má, que apenas se ouve o ruído da madeira, e podeis formar uma ideia das serenatas que os namorados dão, à noite, às suas belas... As canções do povo português são lamentosas; falam quase sempre da dor do amor, são raramente lascivas e pouco satíricas1». Neste tempo, porém, ainda o fado era desconhecido em terra.

3Só quarenta e tantos anos depois, havia de ocupar o lugar primacial entre as canções populares de Lisboa.

  • 2 «O único português para quem a faca é arma predilecta é o estremenho, e principalmente o lisboeta. (...)
  • 3 «A parte viva e inimitável da nossa música é o sentimento que caracteriza o povo português e que pr (...)

4O fado, a navalha e a guitarra constituem uma trindade adorada pelo lisboeta – adoração etnicamente explicável2. O fadofatum – canta as contingências da sorte voltária, a negregada sina dos infelizes, as ironias do destino, as dores lancinantes do amor, as crises dolorosas da ausência ou do afastamento, os soluços profundos da desesperança, a tristeza dolente da saudade, os caprichos do coração, os momentos inefáveis em que as almas dos amantes descem sobre seus lábios, e, antes de remontarem ao céu, detêm o voo num beijo dulcíssimo. Nenhuma das canções populares portuguesas retrata, melhor do que o fado, o temperamento aventureiro e sonhador da nossa raça essencialmente meridional e latina; nenhuma reproduz tão bem como ele – com o seu vago charmeur e poético– os acentos doloridos da paixão, do ciúme e do pesar saudoso3. A melancolia é o fundo do fado como a sombra é o fundo do firmamento estrelado.

5E a música desta canção parece estampar a fatalidade antiga, essa mesma fatalidade a que Bocage aludia numa quadra:

Que eu fosse enfim desgraçado,
Escreveu do Fado a mão;
Lei do Fado não se muda,
Triste do meu coração!

6O fado tem, por conseguinte, a sua filosofia. E aos que lha negam, pode-se-lhes responder, parodiando o que um entusiasta de Rossini dizia do autor do Guilherme Tell, da Cenerentola e do Barbeiro de Sevilha: «Pobre fado! Não vêem a tua profundeza, porque tu a cobres de rosas.»

  • 4 Ernesto Vieira. Dicionário musical, vol. i, p. 184.

7Sob o ponto de vista musical, o modelo primitivo do fado é, segundo diz o Sr. Ernesto Vieira4, um período de oito compassos de 2/4, dividido em dois membros iguais e simétricos de dois desenhos cada um; preferência do modo menor, embora muitas vezes passe para o maior com a mesma melodia ou com outra; acompanhamento de arpejo em semicolcheias, feito unicamente com os acordes da tónica e da dominante, alternados de dois em dois compassos. O fado é caracterizado ainda pelo acompanhamento da guitarra portuguesa, que, para esse fim, tem uma afinação especial. Quando os guitarristas tocam o fado, sem ser para acompanhar os cantos, fantasiam muitas variações sobre a mesma melodia, e quando tocam simplesmente o acompanhamento chamam-lhe fado corrido. Fado rigoroso é o que não admite variações.

8A gemedora música do fado lembra, vagamente, certos andante da música checa.

  • 5 M. A. Lambertini. Chansons et instruments, p. 25, nota.

9«O motivo principal do allegretto da 7.a sinfonia de Beethoven, confiado primeiro aos altos e violoncelos e aos violinos depois, dá uma ideia aproximativa do fado, não só na divisão rítmica, mas ainda na forma da melodia», diz um crítico5.

10Sob o ponto de vista literário, «o fado – diz o Sr. Teófilo Braga – como a xácara moderna, em que a acção se não tira da vida heróica, é uma narração detalhada e plangente dos sucessos vulgares, que entretecem o existir das classes mais baixas da sociedade... Tem o fado a continuidade do descante, seguindo fielmente uma longa narrativa entremeada de conceitos grosseiros e preceitos de moralidade com uma forma dolorosa, observação profunda na descrição dos feitos, graça despretensiosa, com uma monotonia de metro e de canto que infunde pesar, principalmente na mudez ou no ruído da noite, quando os sons saem confusos do fundo das espeluncas ou misturados com os risos dos lupanares.

  • 6 Teófilo Braga. História da poesia popular portuguesa, p. 87.
  • 7 Teófilo Braga. História da poesia popular portuguesa e O povo português nos seus costumes, crenças (...)

11O ritmo do canto é notado com o bater do pé e com desen-voltos requebros; a dança e a poesia auxiliam-se no que se chama bater o fado6». O mesmo escritor assegura que o fado é – na letra – a última transformação dos romances, das aravias ou narrativas heróicas da Idade Média, adaptadas aos novos costumes sociais; e é – na música – um derivado das melopeias árabes. E acrescenta que o fatiste ou fadista era o vagabundo nocturno, que andava modulando aquelas cantigas7.

12A Sr.a D. Carolina Michaellis de Vasconcelos, louvando-se nos trabalhos do Sr. Teófilo Braga, diz – na sua obra sobre a literatura portuguesa – que o fado antigo era uma verdadeira poesia de dor, uma lamentação, em que uma freira, um frade, um marinheiro, um soldado, um lavrador, se queixava das iniquidades da sua classe, da sua sorte; e que, pela forma estrófica, se liga a uma espécie eclesiástica (lat. sequência), como se pode exemplificar com o fado do marujo e a xácara açoriana da vida da freira.

13Ajunta que hoje se dá o nome de fado ou fadinho a poesias vulgares de igual conteúdo, mas em quadras como o fado da Severa, décimas e quintilhas, que são cantadas à banza pelos fadistas (bohemiens) de Lisboa.

14A nosso ver, o fado não promana das lenga-lengas arábicas, e isto pelos motivos que passamos a expor: primeiro, porque, nesse caso, o fado, pela sua diuturna existência, ter-se-ia espalhado por todo o país, ao passo que só modernissimamente chegou ao Porto e se canta nas duas Beiras; segundo, porque devia existir no Algarve – que foi o último reduto dos Árabes em Portugal–, o que não acontece; terceiro, porque o fado devia existir igualmente no Sul da Espanha – visto que aí persistiram os Árabes até fins do século xv –, o que também não acontece; quarto, porque se deviam encontrar citações a respeito do fado nos documentos impressos ou manuscritos até ao começo do século xix, e não nos consta que alguém as topasse até hoje.

  • 8 Aproveitamos o ensejo para dizer que conhecemos uma poesia inédita ide Tolentino, escrita pelo próp (...)

15Citam-se os tonos do século xvii, citam-se as modinhas e as cantigas do século xviii e princípios do século xix, Nicolau Tolentino satiriza8 umas e outras mas ninguém nos dá notícia da existência do fado.

16Para nós, o fado tem uma origem marítima, origem que se lhe vislumbra no seu ritmo onduloso como os movimentos cadenciados da vaga, balanceante como o jogar de bombordo a estibordo nos navios sobre a toalha líquida florida de fosforescências fugitivas ou como o vaivém das ondas batendo no costado, ofeguento como o arfar do Grande Azul desfazendo a sua túnica franjada de rendas espumosas, triste como as lamentações fluctívogas do Atlântico que se convulsa glauco com babas de prata, saudoso como a indefinível nostalgia da pátria ausente.

17Das suas notas mestas e lentas, de uma gravidade de legenda, de uma suavidade tépida, parece emanar uma estranha emoção, impregnada, a um tempo, de melancolia e de amor, de bonito sofrimento e de moribundo sorriso. O fado nasceu a bordo, aos ritmos infinitos do mar, nas convulsões dessa alma do mundo, na embriaguez murmurante dessa eternidade da água.

18Oliveira Martins não vai muito longe do que dizemos, quando escreve:

  • 9 Oliveira Martins. História de Portugal, vol. i, p. 36.

19«As toadas plangentes, que, ao som da guitarra, se ouvem por toda a costa do ocidente, essas cantigas monótonas como o ruído do mar, tristes como a vida dos nautas, desferidas à noite sobre o Mondego, sobre o Tejo e sobre o Sado, traduzirão lembranças inconscientes de alguma antiga raça, que, demorando-se na nossa costa, pusesse em nós as vagas esperanças de um futuro mundo a descobrir, de perdidas terras a conquistar?»9

20Luís Augusto Palmeirim singra na mesma esteira, quando escreve:

  • 10 L. A. Palmeirim. Galeria de figuras portuguesas, p. 114.

21«Num país de seguidas tradições marítimas como o nosso, a poesia popular não podia deixar de se inspirar das cenas tocantes de que o mar é, não poucas vezes, testemunha. O fadista, trovador ambulante da plebe, compraz-se em procurar os seus similes na agitação constante das vagas, no agreste sibilar dos ventos, na inconstância, do elemento que, com a maior fidelidade, lhe retrata a instabilidade dos próprios sentimentos.»10

22O homem do mar é eminentemente imaginativo e contemplativo. A sua vida precária, toda repassada de ideologismo e de saudade, torna-o idealista, inocula-lhe o vírus rábico da poesia. O seu espírito perde-se nos êxtases do Sonho e na embriaguez do Além. Todo o marinheiro verseja; e alguns dos nossos poetas capitães embarcaram ou usaram a farda de botão de âncora: Camões e Belchior, Bressane e Garção, Bocage e D. Gastão.

23A facilidade de improvisação dos marítimos faz com que as canções abundem a bordo, desde a cantiga ao desafio:

Larga âncora, arria a amarra,
Volta, abita, soca o nó,
Mete-lhe o leme de ló,
A ficar de proa à barra,
Portaló com portaló,
Quando não o ferro garra.

e desde a característica cantiga das fainas:

Quando ele arranca o ferro
Vira então de leva arriba,
Ai lé, lé, lé,
Ribamar e S. José.

até ao doce fado, cujo ritmo lisonjeia os vagos instintos elegíacos do embarcadiço, cujos sons cálidos e moles osculam como um grande beijo sonoro e cujos versos amorosos e quentes parecem lançar no sangue os venenos que dão a alegria do sonho e a loucura dos paraísos artificiais – o ópio, a morfina, o haxixe.

  • 11 Há um fado moderno, O marinheiro, com poesia de F. Gomes de Amorim, editado pela casa Neuparth & C.(...)

24É indubitável que o fado só posteriormente a 1840 apareceu nas ruas de Lisboa. Até então, o único fado que existia, o fado do marinheiro, cantava-se à proa das embarcações, onde andava de mistura com as cantigas de levantar ferro, a canção do degredado e outras cantilenas undívagas. O Fado do marinheiro11 foi o que serviu de modelo aos primeiros fados que se tocaram e cantaram em terra.

25Não temos, porém, elementos seguros para determinar a génese evolutiva dessa melodia até ao momento em que, transportada do mar para terra, se popularizou, primeiro, e se aristocratizou, depois, subindo das vielas e das tabernas às salas alcatifadas.

  • 12 Arquivo da Torre do Tombo. Polícia. Col. vinda do Ministério do Reino. N.° 453. Conta de 30 de Agos (...)

26Os lisboetas de 1792 – principalmente a caixeirada de mercadores e capelistas – acompanhados de rascoas, batiam de sege para os festins bem pagodeados na casa de pasto de Belas e para as bambochatas nos retiros de Sete Rios e das Laranjeiras, onde se batoteava forte, principalmente com os «oficiais de gaveta», conforme os arrieiros alcunhavam os caixeiros que sisavam os patrões12.

  • 13 No Vaudeville de Paris, em 1832, representou-se uma peça intitulada O guitarrista, na qual figurava (...)

27Mas a guitarra não tinha lugar nessas pândegas descabeladas. Os lisboetas de 1807 continuaram a tradição das patuscadas em Belas; e os de 1820 limitavam as suas diversões campestres às batidas de tipóia para esta localidade – que frequentavam em companhia das michelas de josèzinho de baetão verde, vestido de chita riscada e lenço branco na cabeça – e às burricadas na Outra-Banda ou para Loures e Lumiar, onde iam ver a quinta do Marquês de Angeja (hoje propriedade dos duques de Palmela)13. A guitarra, porém, continuava a brilhar pela ausência.

  • 14 No tempo de D. Miguel havia reuniões, a que se chamavam frescatas, termo favorito de um também engr (...)

28Nas frescatas14 nas hortas dos arredores de Lisboa de 1833, guitarreavam-se modinhas.

29Assim acontecia na Gertrudes da Perna de Pau, no Manuel Jorge, às portas de Sacavém, no Zé Gordo, na Calçada de S. Sebastião da Pedreira, no Quintalinho, à Cruz do Tabuado – onde se vendiam iscas de vitela espetadas em palitos – e no Calazans, à Cruz dos Quatro Caminhos.

  • 15 A Joana do Colete Encarnado morreu e deixou um filho chamado José.

30Nas suas sucedâneas de 1846, já se guitarreava o fado, como sucedia na Horta das Tripas, no Escoveiro (à Cova da Piedade), no Ezequiel do Dafundo, no Miséria da estrada de Palhavã, na Viteleira da Travessa dos Carros, na Rabicha, no Campo Pequeno, no Arco do Cego, na Madre de Deus e no Beato-António. E esta tradição do fado manteve-se nas hortas das épocas posteriores: José da Bateira, António das Noras, em Arroios, Quintalinho da Travessa do Pintor, Teotónio da Calçada de Carriche ou Nova Cintra (onde se ia em burricadas), a Joana do Colete Encarnado, no lado oriental do Campo Grande (que passou depois para a azinhaga da Torre, no Lumiar)15, Cá e lá, José Galinheiro, Joaquim dos Melões, na Outra-Banda, Arieiro, José dos Pacatos, retiro do Pardal, nas terras da Casa da Pólvora, Salgado do Arco do Cego, Videira do Campo Grande, a tendinha do Campo, José dos Passarinhos, em Alcântara, as Varandas, ao Caminho de Ferro, José dos Caracóis, no Campo Grande, Luís Gaspar, na estrada das Mouras, Esparteiro do Alto do Pina, Pacatos Velhos, o Rouxinol, nos Terramotos, Quinta do Ferro de Engomar; e, mais recentemente, Pedro da Porcalhota, Casimiro do Poço dos Mouros, Basaliza, Quinta do Papagaio, Quinta das Águias, as Feiteiras, José Azeiteiro, o Quebra-Bilhas, no Campo Grande, e José Roque, de Palhavã.

  • 16 Nesse tempo, apreciavam-se muito as batidas de sege. Dois batedores de nomeada eram o Fomenica, que (...)

31Outro sítio onde se fadejava com facúndia era no Campo Pequeno, nas noitadas das esperas dos toiros. Já no tempo do Conde de Vimioso – ali por 1847 ou 1848 – a Severa lá cantarolava o seu reportório decotado com um impudor feliz e batia o fado ao som da banza do Sousa do Casacão, desde o escurecer até que, às duas horas da noite, o gado pegava de sair para a praça do Campo de Sant’Ana16. Depois vieram os tempos famosos do Conde da Anadia, em que se ouviam os descantes do José Borrego e do José da Burra, e os tempos não menos famosos do Marquês de Castelo-Melhor, quando ali, à luz fria e espectral do luar, se escutavam os cantos lugentes e as guitarras comovedoras do Hermenegildo Ratado e do Calcinhas.

32Nessas esperas de toiros havia sempre a desordem épica da tresmalhação, provocada pelas rapazias do Marquês de Castelo-Melhor, do Marquês de Belas, do Conde da Vidigueira, do Dr. Frederico Arouca e de outros amadores do divertimento.

33Soava, então, o momento psicológico de intervirem as varas dos condutores, alguns dos quais foram notáveis neste serviço arriscado: o Francisco Leal Bate-Folha – a primeira vara de campino–, o Seabra e o Domingos Carvalho, de Alhandra. Era nos tempos famosos das toiradas em que toureavam o Sedovem, o Mesquita, os Robertos, o José Peixinho, os Carmonas, o Cadete, o Caixinhas, o Pontes e o velho Calabaça; em que pegavam à unha os mais valentes moços de forcado: o António – criado do Marquês de Niza –, o Miguel Carola, o grande rabejador António Caneca, o primeiro pegador de cernelha António Mau Ladrão, o Russinho – pegador de mão cheia –, o Machica de Salvaterra, o Rafael Torto, o Augusto Enjeitado, o Cirineu, o José Chucha, o Ezequiel de Valada, o José Matias, o José da Anica, o Valentim, os Carraças, os Constantinos da Golegã – criados do Visconde de Asseca –, o Bernardo de Santarém, o Júlio da Rafoa, o José das Travessas e o João Põe a neta.

34Depois da tresmalhação adorada, e já dentro da praça de toiros, um grupo de rapazes do trinque deixava-se ficar em contínuas guitarradas até manhã, nas quais se faziam ouvir as modulações pueris das vozes das mundanas mais salientes por suas graças vitoriosas na cantoria do fado: a Rosa dos Camarões, a Beatriz, a Maria José Loira, a Maria Pia, a Borboleta, a Ana do Porto e outras que morreram de amor como aquela siciliana, cujos desgostos pagãos soluçam nas éclogas de Teócrito.

Notes

1 M. Link. Voyage en Portugal de 1797 à 1799, pp. 44 e 45.

2 «O único português para quem a faca é arma predilecta é o estremenho, e principalmente o lisboeta. É uma influência do meio em que vive e da educação que recebe» (As Farpas de Abril de 1872, p. 69).

3 «A parte viva e inimitável da nossa música é o sentimento que caracteriza o povo português e que predomina no nosso fado, animando a monotonia do ritmo e dando-lhe esse cunho dolente e apaixonado, que tanto impressiona os estrangeiros, que, por acaso, o ouvem» (Apostilla ao programma da «soirée» musical realizada em casa da condessa de Proença-a-Velha em 24 de Janeiro de 1903.)

4 Ernesto Vieira. Dicionário musical, vol. i, p. 184.

5 M. A. Lambertini. Chansons et instruments, p. 25, nota.

6 Teófilo Braga. História da poesia popular portuguesa, p. 87.

7 Teófilo Braga. História da poesia popular portuguesa e O povo português nos seus costumes, crenças e tradições.

8 Aproveitamos o ensejo para dizer que conhecemos uma poesia inédita ide Tolentino, escrita pelo próprio punho do satirista:
Depois que plano caminho
Já meu pé trilhando vai,
Pobre alfaiate vizinho,
De um capote de meu pai
Me engenhou um capotinho.
Trabalhando a obra maldiz
A empresa que lhe incumbiram,
Fez nigromancias com giz;
Sete vezes lhe caíram
Os óculos do nariz.
Sua obra se consagre
No Portal das Barraquinhas,
Com grossas letras de almagre;
Tapou geiras, passou linhas,
Fez um capote e um milagre.
Bibl. Nac. de Lisboa, Manuscritos. Fundo antigo.

9 Oliveira Martins. História de Portugal, vol. i, p. 36.

10 L. A. Palmeirim. Galeria de figuras portuguesas, p. 114.

11 Há um fado moderno, O marinheiro, com poesia de F. Gomes de Amorim, editado pela casa Neuparth & C.a.

12 Arquivo da Torre do Tombo. Polícia. Col. vinda do Ministério do Reino. N.° 453. Conta de 30 de Agosto de 1792 ao Intendente de Polícia Diogo Ignácio de Pina Manique.

13 No Vaudeville de Paris, em 1832, representou-se uma peça intitulada O guitarrista, na qual figurava uma personagem que se supunha ser D. Miguel. (T. Braga, História do romantismo em Portugal, p. 244).

14 No tempo de D. Miguel havia reuniões, a que se chamavam frescatas, termo favorito de um também engraçado, franco e generoso conviva, e que depois tomou por apelido Frescata, João Maria Frescata, cavalheiro de fino trato, que bem merecia ter um fim mais feliz do que teve. (F. J. de Almeida. Apontamentos da vida de um homem obscuro, p. 137).

15 A Joana do Colete Encarnado morreu e deixou um filho chamado José.

16 Nesse tempo, apreciavam-se muito as batidas de sege. Dois batedores de nomeada eram o Fomenica, que trazia sempre umas éguas beiroas, e o José Maria Cabeleireiro, que trazia uma parelha de cavalos malhados. Certa ocasião, um grande amador de batidas de sege, o Luís Confeiteiro, da Rua do Oiro, apostou com o Frescata que iria a Sintra em determinado espaço de tempo. O Frescata meteu-se na tipóia do José Maria Cabeleireiro, e o Luís na caranguejola do Fomenica.
Foram e vieram nas horas de estalar, mas, à volta, na Rua de S. José, o
Fomenica derrubou uma pobre velha, que escapou entre as rodas da sege. Pois o José Maria Cabeleireiro, que lhe vinha no encalço, conduziu a sua com um tão excepcional savoir-faire da arte de bolear, que a mulher tornou a quedar-se no espaço compreendido entre as duas rodas, e apenas sofreu o pisar dos cavalos.
A esta plêiade de batedores parlapatões sucedeu outra, a que pertenceram o João do
André, o Roque Mulato, o Joaquim Preto, etc.; a esta sucedeu outra de que fizeram parte o Marádas e o António Morais Gradil, que morreu em 1900 em EStremoz; e a esta, ainda outra de fresca data, em que figuram o Bitaculas, o Júlio Ferrador, o Arreda, o Paço de Arcos, o Lagarto etc.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
I
 
III

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search