Version classiqueVersion mobile

O povo português I

 | 
Teófilo Braga

Proémio

Texte intégral

1Escrevia Henri Martin, por ocasião do Congresso Antropológico celebrado em Lisboa em 1880: «Portugal é exactamente a região da Europa onde o erudito, por muito que se encerre na sua ciência, há-de por força abrir os olhos, e bem abertos sobre tudo quanto o rodeia; porque o presente é aqui tão curioso, e quase tão diferente dos nossos costumes, como o podiam ser as idades antigas.» Desde 1867 a 1884 temos empreendido uma larga investigação sobre a etnogenia do povo português, compreendendo os costumes, as indústrias locais, crenças e superstições, festas religiosas, cerimónias funerárias e nupciais, símbolos do direito consuetudinário, jogos infantis, adivinhas, adágios, colóquios e danças dramáticas, músicas e canções, novelas, profecias nacionais, cantos heróicos do Romanceiro, literatura de cordel, dialectologia e lendas históricas. O presente trabalho vem rematar esta empresa, que tem sido o pensamento constante a que dedicámos quase que exclusivamente a nossa actividade intelectual. Sobre este campo etnológico existem trabalhos importantes na Europa, como os Primitive Manners and Costums, de James Farrer, e especialmente a obra de Kolberg, em catorze volumes: O Povo, Seus Costumes, Modo de Viver, Linguagem, Tradições, Provérbios, Cerimónias, Esconjuros, Passatempos, Cantos, Música e Dança (Varsóvia, 1857-1880). Não viemos a estes estudos por uma simples imitação, nem por curiosidades de momento e sem destino; por uma evolução natural do nosso espírito achamo-nos atraídos para a observação de todas as manifestações do viver português, e o nosso método de investigação e o critério comparativo, bem como o intuito de reconstrução sociológica como sistema de coordenação dos factos, desenvolveram-se constantemente à medida que avançamos da actividade estética para a actividade científica, e por fim para a especulação filosófica.

2Atraídos ainda na adolescência para esse lirismo pessoal pervertido pelo romantismo, viemos a conhecer que existia uma poesia mais profunda do que as emoções do momento, revelada nos conflitos da humanidade que acentuam a sua elevação na História. Entrando nesta via, em que traçámos o esboço de uma epopeia humana na Visão dos Tempos, a idealização do passado fez-nos compreender os documentos persistentes da sua poesia, as tradições transmitidas na voz do povo. Imediatamente começámos a acumular os materiais do Cancioneiro e Romanceiro Geral Português, aproveitando o contacto com toda a mocidade portuguesa na frequência da Universidade de Coimbra. Obedecendo a esta sedução, escolhemos para a nossa tese de doutoramento em Direito os Forais, documentos tradicionais do Direito local e consuetudinário; o estudo da jurisprudência foraleira fez-nos encontrar numerosos vestígios de costumes, na vida actual do povo, e abundantes símbolos jurídicos nas cantigas e romances orais. Por esta forma achámos o lado vivo das instituições locais, e ao mesmo tempo a importância histórica contida nos factos aparentemente insignificantes aludidos nos cantos do povo português. Estava achado o nosso critério, e portanto o interesse artístico convertido em seriedade científica. A relação entre os Forais do século XIII e os romances populares actuais estabeleceu-se no nosso espírito pelo encontro frequente de numerosíssimas referências dos principais romances nas obras dos escritores quinhentistas Gil Vicente, Prestes, Sá de Miranda, Jorge Ferreira e Camões. Avançando constantemente, e sentindo, compreendendo, a expressão do nosso génio nacional, organizámos então a História da Literatura Portuguesa, onde cada escritor seria julgado segundo a intuição que teve das fontes tradicionais de que mais ou menos conscientemente se aproximou. Assim, pelo estudo dos cantos do povo é que compreendemos o que havia de caracteristicamente nosso nos Cancioneiros provençais portugueses, considerados por Wolf como imitações sem carácter nacional; pelo estudo das superstições é que conhecemos as origens de alguns autos de Gil Vicente, onde este homem de génio dramatizou costumes populares, como no Triunfo do Inverno. Pertence também a esta ordem de estudos a observação da persistência étnica das raças peninsulares, base do nosso esboço sobre os Elementos da Nacionalidade portuguesa e da História de Portugal em que trabalhamos.

3De todos estes factos infere-se que obedecemos sempre a um ponto de vista superior, fugindo intencionalmente da compilação material sem subordinação a um plano. A compilação é útil e necessária, mas tem, além do defeito da incongruência irracional, o perigo de dar a estes estudos etnológicos uma aparência de frivolidade que os prejudica. O espírito humano precisa sempre de uma síntese, e é o que Bacon afirma na máxima: A verdade pode sair do erro, mas nunca da confusão. Este saudável princípio levou-nos constantemente a procurar um ponto de vista geral que nos guiasse nesta ordem de estudos. Do exame comparativo dos cantos populares, chegámos ao conhecimento da unidade poética do Ocidente da Europa, já pressentida por Nigra, Liebrecht e Wolf; o estudo da etnologia pôs-nos em maior evidência este fundo tradicional comum, e partindo desta concepção pudemos sistematizar os costumes populares inconscientes, incompletos e sem sentido real, coordenando-os segundo os estados sociais primitivos de que eles eram a sobrevivência. Neste estudo de reconstrução é que viemos a compreender as diferenças fundamentais que existem no método e processo descritivo de uma sociologia concreta, e o destino filosófico ou abstracto de uma ciência dedutiva de previsão dos fenómenos sociais, ou propriamente a sociologia, confundida por Spencer e outros com a etnologia. A publicação do Sistema de Sociologia representa na nossa actividade mental o período de abstracção filosófica; por este trabalho chegámos à concepção das leis gerais que subordinam os factos sociais. A sua aplicação ao exame da vida do povo português nos seus costumes, crenças e superstições, toma este trabalho uma como sociologia descritiva, exemplificada num pequeno grupo humano. Da concepção geral sociológica tirámos a divisão fundamental dos fenómenos: os que se referem à actividade popular, ou Costumes, os que resultam da afectividade, ou as Crenças, e os que são as formas especulativas da intelectualidade da multidão, ou as Tradições. Eis os diversos aspectos por onde este trabalho se prende logicamente aos diversos graus do nosso desenvolvimento estético, científico e filosófico, acentuados com clareza em trabalhos cuja unidade de plano e intenção começam a ser compreendidas.

© Etnográfica Press, 1985

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search