Version classiqueVersion mobile

O povo português II

 | 
Teófilo Braga

Modismos, anexins e adivinhas

Capítulo I

Texte intégral

As formas concretas da compreensão popular; os tropos, como gérmens da expressão poética: modismos populares portugueses. Comparações de maior, de menor e de igual; comparações por diferença, por analogia e por plausibilidade. – Comparações comuns aos povos ocidentais. – Os anexins portugueses: bases críticas para o estudo dos anexins: relação com a concepção mítica privativa; com os estados psicológicos rudimentares; com os costumes extintos; com os contos tradicionais e com as superstições – Valor das designações dito, ditado, verso, rifão, adágio, anexim, exemplo. – Os anexins conservam a evolução morfológica da poesia. – Fundo comum da tradição ocidental persistente nos anexins. – Os anexins na literatura portuguesa. – As adivinhas populares portuguesas: a concepção por analogia, e a expressão mítica são evidentes nas adivinhas. – Carácter de um saber enigmático nas religiões antigas. – Relação das adivinhas com os contos. – Fundo comum do saber enigmático no Ocidente: adivinhas comparadas. – As adivinhas populares portuguesas na literatura.

  • 1 Système de politique positive, t. I, p. 17.

1Ninguém viu tanto para dentro da elaboração da inteligência e do sentimento humano no seu esforço para atingir as formas da compreensão lógica, como Vico; essa lei moral e histórica formulada e confirmada por Jacob Grimm, que não há uma única mentira na poesia do povo, foi pressentida pelo autor da Sciencia Nova, quando disse: «Os primeiros homens das nações pagãs tendo a simplicidade e a ingenuidade da infância, as primeiras fábulas nada podiam conter de falso, e foram necessariamente, como têm sido definidas, narrativas verdadeiras.» Aqui a verdade não consiste no processo crítico de conformidade entre o dado objectivo e a sua representação subjectiva, mas sim na despreocupação, desinteresse e falta de intuito das impressões subjectivas tomadas como realidade. Sem a luz deste critério foi impossível aos filósofos gregos interpretarem o passado, bem como os eruditos da Renascença e do século XVIII, que não penetraram este estado emocional da razão humana. Sobre a natureza sentimental da síntese especulativa popular, Comte vai derivá-la da nossa própria organização fisiológica: «Por muito real que seja, sem dúvida, a satisfação que se liga à simples descoberta da verdade, ela não tem a intensidade bastante para dirigir a nossa conduta habitual; o impulso de uma paixão qualquer é mesmo indispensável à nossa débil inteligência para determinar e sustentar quase todos os seus esforços.»1 A linguagem vulgar conserva nos seus modismos ou locuções figuradas a dependência da forma concreta na actividade mental.

  • 2 Rodrigues Marin, Quinientas Comparaciones Populares Andalusas, p. 46.
  • 3 Ibidem, n.os 102-107.

2Os tropos ou modismos populares. – Depois de apresentar alguns corolários da lógica poética, Vico escreve: «os tropos... não são, como se tem julgado até hoje, uma engenhosa invenção dos escritores, mas sim formas necessárias de que as nações se servem na sua idade poética para exprimirem seus pensamentos, e estas expressões na sua origem foram usadas no sentido próprio e natural.» Quando, para exprimir um grande perigo, o povo emprega o tropo: «Ver-se em camisa de onze varas», esta expressão correspondeu em algum tempo à realidade da situação em que se vestia uma alva até aos pés em forma de saco ao que caminhava para o suplício. Desde que existiram situações psicológicas e sociais, a que aludem ainda as formas figuradas da linguagem nos seus modismos e locuções, é também natural que os tropos sejam reductíveis a categorias universais, e que se encontrem nas suas formas pitorescas simultaneamente entre diferentes povos. Para exprimir relações de antipatia entre duas pessoas, o povo diz: «Como o cão e o gato»; em Espanha repete-se: «Se yeban como peros y gatos; e na Itália: «D’acordo come cane e gatti.»2 Para significar que alguém está contente, é natural esta comparação entre povos católicos: «Contente, como umas Páscoas»; em Andaluzia diz-se: «Más alegre que umas Páscoas»; e em França: «Jouious coumo l’alleluia e Pascos.»3 Os tropos são os radicais poéticos donde derivam os mitos, as fábulas, os contos, formas aforísticas, as lendas, as imagens e emblemas, as parábolas e os exemplos. Vico reduziu todos os tropos a quatro tipos fundamentais, que pela sua ordem de sincretismo decrescente e lógica crescente, são: a metáfora, a metonímia, a sinédoque e a ironia. Eis como o extraordinário génio discrimina estas gradações nas ficções racionais: «O mais brilhante (dos tropos) e por isso mesmo o mais frequente e o mais necessário é a metáfora. Ela só é admitida quando presta sentimento e paixão às coisas inanimadas.» O que são as concepções do animismo primitivo tão largamente estudado por Tylor, senão a consequência do exercício inconsciente deste tropo? E Vico conclui: «Toda a metáfora é o resumo de uma fábula.» Abundam as comprovações, como nos modismos: «Enfeitar-se com as penas do pavão», para designar honras indevidamente apropriadas: «Levar a cruz ao calvário», e «Pregar aos peixinhos», etc.

  • 4 Na língua portuguesa existe um livro curioso sobre locuções e gíria popular intitulado Enfermidades (...)

3A segunda categoria é a metonímia, dela diz Vico, que o facto de «compreender a substância pela sua forma ou acidentes, vem da incapacidade de abstrair da substância os acidentes e a forma.» E conclui: «os de causa e efeito são outras tantas pequenas fábulas.» A língua portuguesa é riquíssima de formas metonímicas; apresentaremos indistintamente alguns desses tropos pitorescos: «Jogar com um pau de dois bicos; Dar-lhe a água pela barba; Pescar nas águas turvas; Remar contra a maré; Ir por água abaixo; Malhar em ferro frio; Não ver toca donde saia coelho; Levar a água ao seu moinho; Puxar a brasa à sua sardinha; Tirar nabos do púcaro sem se escaldar; Levar com os pratos na cara; Aqui torce a porca o rabo; Meter agulhas por alfinetes; Uma no cravo, outra na ferradura; Meter o rabo entre as pernas; Dar com a língua nos dentes; As paredes têm ouvidos; Saber o nome aos bois; Ter cabelos no coração; Ter lume no olho; Apanhar a talho de foice; Sem meter prego, nem estopa; Não pregar prego sem estopa; Por tudo em pratos limpos; Fazer cruzes na boca; Ficar em maus lençóis; Dar-lhe terra para feijões; Dar as mãos à palmatória; Assentar de pedra e cal; Por o sal na moleira; Andar o carro adiante dos bois; Andar de candeias às avessas; Andar como gato por brasas; Não ter onde cair morto; Ficar sem pinga de sangue; Um no papo, outro no saco; Por dá cá aquela palha; Comer a isca e mijar no anzol; Meter a viola no saco; Afogar-se em pouca água; Dar-lhe uma verde com duas maduras; Pilhar com a boca na botija; Dar ao diabo a cardada; Não cair em cesto roto; Dar-lhe o pé e tomar a mão. – Assobiar às botas; Mosquitos por cordas; Água na boca; Molhar a sopa; Sem cunhos, nem cruzes; Nabos em sacos; De faca e calhau; Ruim de assoar; Culpas em cartório; Rasgar baetas; Sangrar-se em saúde; Lamber o beiço; Comer com os olhos; Unha na palma; Cabelo na venta; A sopa no mel; A ver navios; Levar à parede; Com pés de lã; Justiça de mouro; Caldo entornado; Dente de coelho; Estrada coimbrã; Suar o topete; Meter ferro; Nariz torcido; Cara à banda; Gato por lebre; Sal na moleira; Papas na língua; Matar o bicho; Em papos de aranha.»4

  • 5 Um exemplo de ironia é dizer-se do que caminha a pé: Vai montado no cavalo dos frades, a que corres (...)

4Da terceira categoria de tropos, diz Vico: «A sinédoque foi empregada depois, à medida que se elevou das particularidades às generalidades, e que se resumiram as partes para compor os seus todos.» Tal é a forma da tendência sintética que o povo apresenta nas suas expressões, e dos seus modos de dizer absolutos. Com a ingenuidade popular é também compatível a compreensão dos contrastes, e por isso Vico considera a ironia como um tropo: «A ironia só podia ter origem num tempo em que já se reflectisse. Com efeito a ironia consiste numa falsidade reflectida, que toma os visos de verdade.»5 Na sua expressão o povo emprega a forma de comparações, umas vezes por diferença como nas fábulas, outras por analogia como nos contos, outras por plausibilidade como nas parábolas e exemplos, elaborando assim os temas fundamentais das literaturas; usa, porém, na linguagem corrente a comparação espontânea de maior, de menor e de igual, como elementos naturais da equação do raciocínio. Na idealização poética, estas relações comparativas tem um certo desenvolvimento literário a que se chama imagens; sem estas relações imprevistas, e essencialmente pitorescas a expressão poética perderia o seu carácter de universalidade, e tornar-se-ia uma exposição lógica, ou com o laconismo da sentença ou com a difusão dialética. A imagem na sua forma a mais simples é um epíteto; no seu maior desenvolvimento torna-se um mito filosófico.

  • 6 Marin, Quinientas Comparaciones, p. 87.
  • 7 Ibidem, n.° 317.
  • 8 Aulegraphia, fl. 174.
  • 9 Contos Tradicionaes do Povo Portuguez, t. I, p. 120.

5Alguns investigadores têm explorado este campo das comparações; Oreste Marcoaldi, na Guida statistica della città e comune di Fabriano, Mir, no Glossaire des Comparaisons populaires du narbonnais et du carcassez, Rodrigues Marin no opúsculo Quinientas Comparaciones populares andalusas, e António Tomás Pires nas Quatrocentas Comparações populares alentejanas, apresentam formas de modismos comuns à Itália, França, Espanha e Portugal, que mesmo no campo da linguagem espontânea põe em evidência a unidade étnica ocidental. Transcreveremos do trabalho de Pires as comparações que tem símiles entre os outros povos românicos: «Alta como um pinheiro (Mas alto que un pino); Amarelo como a cera (Jaune coume de ciro); Arde como a isca (Arde mas que la yesca); Atira-se como gato a bofes (Lo desea como gato a bofe); Cego como a toupeira (Mas ciego que un topo; Cieco como la talpa); Chora como uma madalena (Yoró mas que una madalena; Ploura coumo uno mataleno); Claro como água (Mas claro qu’el agua; Schietto come el acqua); Como pedrada em olho de torto (Le bino como pedrá en ojo tuerto); Corre como uma lebre (Corre mas que una liebre); Diz mais pragas que um arriero (Jura mas que um carretero; Jura coumo un carretiè); Direito como um fuso (Mas derecho que un juso; Dritto come un fuso); Doce como o mel (Mas dorse que la mie; Dolce come il mele); Escuro como a noite dos trovões (Mas escuro que una noche e truenos); Fala como um livro, (Yabla como um libro; Parla coumo un libre; Parla come un libro stracciato); Parla que nem papagaio (Charla mas que un papagaio); Foge como o diabo (Fugge come il portasse il diavolo); Grande como o mar (Mas grane que la má; Grande coumo la mar); Há de tudo como na botica (Hay de tó como en botica); Leve como uma pena (Mais ligero que una pluma; Liggiero come uma piuma); Lindo como o sol (Mas bonito que er só); Mais branco que a neve (Mas blanco que la niebe; Bianco come la neve); Mais fiel que o cão (Mas lear que un perro; Fiel coumo un gous); Negro como um tição (Mas negro que un tison); Mete-se como piolho por costura (Estan como piojos en costura); Negro como um chapéu (Mas negro que mi sombrero); Passar como cão por vinha vindimada (Entrar como perro por viña vindimiada); Pesado como chumbo (Mas pesao que er plumo; Pesant coumo un ploumb); São como um pero (Mas sano que una pera); Tem sete fôlegos como os gatos (Tiene siete bidas como los gatos); Vermelho como um tomate (Mas colorao que un tomate).» Das comparações populares umas derivam de velhos mitos, mas já na forma de lendas: Arrastinho como a cobra, reminiscência do Genesis; outros desenvolveram- -se em contos: Como o diabo que vendeu a sogra6; ou Mais perdido que a vergonha7; outras sobreviveram aos costumes a que aludiam: Velho como a Serpe8; e Como a mãe de S. Pedro9. É quase sempre de uma comparação que nasce o anexim popular, precedido da fórmula: Como di-lo a outro. Lê-se em Garcia d’Orta: «e se acerta numa coisa erra em muitas, como quem diz: Uma no cravo e quatro na ferradura ...» (Col., fl. 95.) A relação natural entre a comparação e o anexim, resulta do desenvolvimento psicológico da abstracção dos acidentes concretos, e de uma maior capacidade de se elevar da particularidade a uma conclusão geral.

  • 10 Mem. de Litterature Antique, p. 35.

6Os anexins portugueses. – Segundo Aristóteles, no seu tratado sobre os provérbios, «eles são os restos de uma filosofia primitiva, conservados, graças à sua engenhosa brevidade, através dos maiores desastres.» Explicando esta passagem, Egger acrescenta que Aristóteles achou «a relação entre estas velhas fórmulas do bom senso popular com os costumes e a legislação dos povos. Daqui veio, que os seus estudos sobre a constituição dos Estados tinham muitas vezes por fim a explicação de um provérbio; notável encadeamento das pequenas coisas com as grandes no pensamento de um filósofo, como na natureza e na história.»10 Nos anexins conservados no mais elevado grau de civilização, persistem os vestígios de estados sociais primitivos, e a forma da concepção psicológica do homem emocional. Assim como a couvade foi nas sociedades primordiais a simulação da paternidade, também a adopção jurídica se fazia simbolicamente metendo o adoptivo pelo seio, entre o corpo e a camisa; daqui o anexim hoje incompreendido:

Filho alheio,
Mete-o pela manga,
Sair-te-ha pelo seio.

  • 11 V. retro, p. 76.

7Deste anexim diz Ticknor: «Tem por fundamento um costume muito vulgar no tempo dos Sete Infantes de Lara, e deve ser pouco posterior ao seu trágico fim.» O refrão espanhol era: Entrale por la bocamanga y sácale por el cabezon. E também: Metedlo por la manga, y salirse os ha por el cabezon. O antagonismo entre as duas formas sociais derivadas ou da organização da tribo ou da ocupação territorial, acha-se reflectido ainda nos anexins populares: Ou gente, ou fazenda e Quem não mente, não vem de boa gente. Este antagonismo aparece no aforismo latino: «Plebs gentem non habet.» A locução usual: Não é da forma do meu pé, corresponde à expressão simbólica da igualdade civil, que se usava no direito antigo, quando a igualdade entre os esposos se manifestava metendo a mulher o pé na bota do marido. Resta ainda a locução: Meter o pé no meio alqueire, para significar casamento11. Esse outro anexim: Deste pão não comerei, desta água não beberei, é derivado do costume ainda em vigor na Idade Média, com a qual se fazia a prova do fruto pelo ordálio do pão, e pelo ordália da água amarga, que como se vê pela Bíblia servia para a prova do adultério. As locuções Por a calva à mostra e Pedra de escândalo, são restos da antiga penalidade grotesca de decalvação, e do transporte de pedras presas por correntes pelas pessoas maldizentes.

  • 12 Reflexões Históricas, t. I, p. 28. No seu livro Le Pays Basque, traz Francisque Michel o anexim vas (...)
  • 13 Almanach de Lembranças, para 1868, p. 363.
  • 14 Chants populaires des frontières méridionales de l’Ecosse, t. IV, p. 49.

8Temos um anexim sem sentido desde que se separe dos antigos costumes funerários: Quem espera por sapatos de defunto toda a vida anda descalço. Escrevia João Pedro Ribeiro, em 1835: «Temos um prolóquio vulgar – Sapatos de defunto. Não sei se isto tem alguma relação o que encontrei no compromisso de uma Confraria de Coimbra, que regulando o enterro dos confrades diz, que os sapatos do confrade ficariam ao campeiro.»12 Nestas confrarias ou irmandades o campeiro era o que avisava para o enterro tocando a campa pelas ruas, competindo-lhe essa gratificação13. Na Escócia este costume está decaído em superstição; Walter Scott, traz nos Cantos Populares da Escócia uma canção que se canta diante da pessoa falecida, e acompanha-a com esta notícia extratada de um velho manuscrito: «crêm-se que é bom dar uma vez na vida um par de sapatos a um pobre; esperando que depois desta vida se é obrigado a passar descalço através de uma grande balseira cheia de espinhos e matagal, a não ser que pelos méritos da esmola indicada se não resgate dessa penitência. À margem desta balseira aparece um velho e vos dá os mesmos sapatos que em vida deste aos pobres, e calçando-vos podeis com eles atravessar os sítios mais ásperos sem vos dilacerardes.»14 O anexim Mulher barbuda, de longe a saúda, que se repete na tradição portuguesa, explica-se pela crença referida por Heródoto, de que num templo perto de Halicamasso, quando crescia barba à sacerdotisa estava para acontecer uma grande desgraça.

  • 15 Op. cit., p. 29.

9Nos anexins populares existem fórmulas do mais completo fatalismo como: Ninguém pode fugir à sua sorte; Tinha de ser; O que tem de ser vale muito. Este fatalismo dos povos peninsulares era atribuído ao elemento étnico dos Árabes; é, porém, um característico da raça céltica. Diz Smith, na História dos Druidas: «O destino, ou a predestinação era um dos dogmas favoritos dos Druidas; ainda hoje os Irlandeses e os montanheses da Escócia seguem geralmente esta opinião que os consola na desgraça. Bha sud an dan daucxh – isto estava assim decretado para mim – é uma máxima ou provérbio que acalma as suas mais vivas tristezas.»15

  • 16 Sciencia Nova, liv. I, «Estabelecimento dos princípios, xxii».

10Vico interpreta a universalidade e similaridade dos provérbios, como consequência de um estado social primitivo, de que eles são a última sobrevivência: «Deve necessariamente haver na natureza das coisas humanas uma língua mental comum a todas as nações, a qual possa designar uniformemente a substância das coisas que participam à vida humana social, e acomodar-se a tantas modificações diversas como as coisas podem apresentar aspectos diversos. Efectivamente vemos a substância dos provérbios, que são máximas de ciência vulgar, serem as mesmas entre todas as nações antigas, e o seu aspecto variar segundo as diversas modificações destes povos.»16 Erasmo, Garibay, Caro e outros concordaram provérbios gregos e latinos com os adágios dos povos modernos. Acontece que os anexins adaptam-se a novas referências conservando o seu intuito; assim se diz: Camora não se tomou num dia, que aparece na forma:

  • 17 Francisque Michel, no Pays Basque, p. 34, traz a forma euskariana: Roma não se fez em uma hora.

Roma e Pavia
Não se fez n’um dia.17

11A parte comparativa em todos os povos românicos presta-se a conclusões imediatas sobre a unidade da civilização ocidental, de que estes povos são herdeiros e continuadores. À mesma região geográfica deve atribuir-se a similaridade dos anexins meteorológicos e agrícolas, como à unidade católica os adágios comuns relativos às festas do Calendário popular; as noções morais, resultando de um mesmo consenso em que a sua existência se baseia, exprimem-se com fórmulas idênticas. Esboçaremos aqui essa parte comparativa, mais extensamente tratada em uma edição crítica do Refraneiro Português:

Arco da velha
Por água espera.

Arco da matina
Empie le molina.

Onde quinta
Ahi trinta,
Se ao septimo
Não despinta.

La lune est périlleuse au cinq,
Au quatrain, six et huit et vingt.

Janeiro geoso,
Fevereiro nevoso,
Março molinhoso,
Abril chuvoso,
Maio ventoso
Fazem o anno formoso.
(Del., Adagios, 182.)

Janvier le frilleux,
Février gresilleux,
Et Mars le poudreux,
May clair et venteux
Font l’an et l’om heureux.
(Lincy, Prov., 375.)

Em Janeiro
Põe-te no outeiro,
Se vires verdear
Põe-te a orar,
E se vires terrear
Põe-te a cantar.

Gennaro
Sali ’l monte e mira ’1 piano;
Puoco vedi, molto spera;
Molto verdi,
Puoco spera.

Fevereiro coxo
Em seus dias vinte outo.

Febreiriño corto
C’os teus dias veinteoito;
Si duraras mais catro

Lá vem Fevereiro,
Que leva a ovelha e o carneiro.
(Delic., Ad., p. 183.)

Non paraba can nin gato.

Março Marçagão,
De manhã focinho de cão,
De tarde, tarde de verão.

Marzo marzan,
Pola manhan cara de rosas,
Pola noite cara de can.

Quando troveja em Março,
Apparelha os cubos e o braço.

En Mars quant il tonne
Chacun s’en estonne;
En Avril s’il tonne
C’est nouvelle bonne.
(Lincy, Prov.)

Abril,
Aguas mil
Coadas por um funil.

Aprile
Ogni giorno
Un barile.

Dia de S. Martinho
Prova o teu vinho.
(Delic., 190.)

Dés le Saint Martin
Boy le nouveau vin.

Por Natal ao jogo,
E por Paschoa ao fogo.
(Delic., 189.)

Depuis Pasques au jeu,
Depuis Noël ao feu.

Casa quanta mores,
Terra quanta vejas.

Casa pe quanto o corre,
Terre pe quanto ne scuopre.

Dá Deus o frio
Conforme a roupa

– Dieu donne le froid
selon la robbe.
– Iddio é buon compagno,
Manna’lfreddo secundo i panni.

Quando Deus não quer
Santos não rogam.

Quand Dieu ne veut
Le Saint ne peut.

O negociante e o porco
Só depois de morto.

Avaro e puorco
buono quann’ é morto.

Duro com duro
Não faz bom muro.

Duro con duro
non fa buon muro.

  • 18 Op. cit., t. I, p. 96.
  • 19 Mythologie zoologique, t. I, p. 247.
  • 20 Ibidem, t. I, p. 248.
  • 21 Introdução à Hist. da Litteratura Brazileira, p. 123.

12Tylor, na sua Civilização Primitiva, cita como um dos exemplos das persistências tradicionais os adágios: «Mesmo quando o sentido verdadeiro destes velhos provérbios se obliterou no espírito dos homens, e que acabaram por não terem sentido algum, ou que, apoderados por qualquer ideia moderna eles receberam em aparência uma significação nova, sua transmissão de geração em geração faz-lhe afectar muitas vezes antes um sentido misterioso que um sentido absurdo.»18 Exemplifica com a locução inglesa: Comprar porco em saco, tão incompreensível como a nossa locução Comprar nabos em saco. Continua o ilustre etnólogo: «Recorramos à mesma chave etnográfica para os adágios obscuros que nos apresenta a nossa língua. A expressão Um pêlo do cão que vos mordeu, não era originariamente nem uma metáfora, nem um dito picante, mas uma verdadeira receita para curar a mordedura de um cão, o que nos fornece uma das antigas e numerosas aplicações da doutrina homeopática, segundo a qual o que dá a doença também a cura. O mesmo ditado se acha nos Eddas escandinavos: O pêlo do cão cura a dentada» (Hamaval, 138). O povo português tem o mesmo ditado, com o seu primitivo intuito prático: «A ferida do cão, cura-se com o pêlo do mesmo cão.» Gubematis escreve: «Quase todos os provérbios passaram por formas e variantes contraditórias, e é por meio destas variantes que podemos achar nos seus elementos a história de um grande número deles que parecem extravagantes ...»19 E acrescenta como princípio: «Um provérbio, na sua origem, não foi senão uma simpes afirmação, a expressão pura de uma imagem mítica; com o tempo, o mito foi esquecido, mas a expressão subsistiu; pareceu então que ela se aplicava a alguma coisa de extravagante, e foi acompanhada de um ar interrogativo indicando dúvida; o provérbio serviu desde então para referir uma coisa impossível e torna-se um instrumento de ironia. Por este modo, muitos provérbios que tomaram um sentido satírico, não deviam ser na sua origem, senão frases mitológicas afirmativas.»20 Eis um anexim, apresentado no Espelho de Casados, que numa frase mítica afirmativa consigna a subordinação da vida conjugal: «Também daqui veo que se disse a ho moynho, ou a ho mar: que se foram casados não andaram tanto.» Temos o caso, em que se esquece a frase mítica, e fica o sentido irónico; do anexim Casa de Gonçalo eis uma anedota da sua aplicação: tendo fugido a mulher ao poeta brasileiro Gregório de Matos, do século XVII, disse ele que a tomaria a receber, com a condição seguinte: «E todos os filhos que tiver, chamar-se-ão Gonçalos, pois a minha casa é uma Casa de Gonçalo21 Aqui o sentido irónico estava implícito na parte mítica do anexim já obliterado:

Casa de Gonçalo
Onde póde mais a gallinha que o gallo.

  • 22 Gubernatis, Myth. des Plantes, t. I, p. 210, nota 3.

13Com relação aos conhecimentos meteorológicos os anexins aparecem muitas vezes contraditórios, por efeito das modificações introduzidas no calendário; diz um provérbio toscano: Santa Lucia, il piu corto di che sia. No anexim português: O que se não fez por Santa Luzia, faz-se noutro dia, refere-se à mesma observação consignada no provérbio italiano, de que era o dia mais curto do ano. O dia 13 de Dezembro, em que se festeja Santa Luzia, não é o mais curto do ano; antes da reforma gregoriana este dia correspondia a 20 de Dezembro, sendo este o que quadrava com o anexim, porque é nele o solstício do inverno. Com a reforma do calendário modificou-se o facto e ficou inalterado o provérbio. Também se diz na Toscana: San Barnaba, il piu lungo della etá. O dia deste Santo é a 11 de Junho, o qual antes da reforma gregoriana correspondia a 20 deste mês em que é o solstício do verão22.

  • 23 Colloquio dos Simples e Drogas, fl. 88 v.°
  • 24 Ibidem, fl. 224.

14Os anexins tornam-se ininteligíveis, quando se esquece a circunstância ou o caso particular que lhes deu origem; lê-se em Garcia d’Orta: «já aconteceu em Cochim, porque a um elefante deitou um homem umas cascas de coco, e lho quebrou na cabeça, guardou o bom elefante a casca do coco na boca, e tendo-a guardada numa queixada, vendo o homem que lhe havia feito a injúria, lhe arremessou a casca do coco com a tromba, e depois veio em uso o rifão (como dizem os castelhanos), dizerem os homens: Ainda trago a casca do coco na queixada, por dizerem ainda me lembra a injúria que me fizeram.»23 Em Lisboa diz-se com um tom ofensivo e interrogatório: Já deu meio-dia em São Paulo? O que parece explicar-se por este dito de Garcia d’Orta: «Há umas mentiras tão grossas, que não é bem, nem merecem ser repreendidas, senão leixadas passar avante, até que dêem doze badaladas, como relógio de meio dia24 É frequente encontrar-se nos escritores do século XVI o anexim irónico: Ida de João Gomes; na Prática de Oito figuras do poeta Chiado (fl. 3 v.°), repete-se este anexim:

Hi, que nunca vos torneis,
Não hajaes medo que escorje,
Ida de João Gomes, ser gella,
Que foi de casa de sella
E tornou no seu alforge.

  • 25 A Volta do Mundo, vol. I, p. 280.
  • 26 Notícias reconditas y postumas de las Inquisiciones de Espana y Portugal, p. 94, 1722.

15Um poeta da corte de D. Afonso V, chamado João Gomes de Abreu, cujas composições se acham no Cancioneiro de Resende, andando diante dos Paços de Almeirim a caracolear a cavalo, caíu de uma rampa abaixo, donde foi tirado em deplorável estado; os outros fidalgos nos versos improvisados ao serão chasquearam-no em vários apodos, e daqui se derivou o anexim: Ida de João Gomes foi a cavalo e veio em alforge, que sobreviveu à memória do personagem. Outros anexins históricos, que perderam este carácter pelo esquecimento do personagem a que se referiam, são: Ora não se perca a Casa dos Bicos25, alusivo às riquezas da casa de Brás de Albuquerque, de que ainda existem as ruínas em Lisboa; e As rendas do Quintela, alusivo a um antepassado do conde de Farrobo. Por isso que se esqueceu a referência, empregam-se sempre com um intuito irónico. Outros anexins esquecem-se com os factos a que andavam ligados; dizia-se no século XVII: Mãos atadas, terras abrasadas, porque no processo da inquisição «os que confessavam de mãos atadas, estando já entregues aos padres, e destes é o estado mais perigoso, porque como já não hão-de purgar pelo tormento as diminuições, são obrigados a acertar em todos os que juraram contra eles, sem lhe faltar um; e por isso é o adágio: Mãos atadas, terras abrasadas»26.

16Os dois anexins: Com o rei e a Inquisição, chitão! e Da Inquisição para o rei, não vai lei, representam o estado da sociedade portuguesa desde o século XVI até à inauguração do regime parlamentar. O segredo de Estado e do processo inquisitorial sintetizam-se nessa interjeição arcaica chitão! era proibido falar do rei e julgar-lhes os seus crimes, sob pena de ser enforcado por alta traição; a intolerância religiosa impôs-se com a mesma impunidade. Quando a autoridade civil, pelos regalistas, se libertou da subserviência do foro clerical sustentado pelos decretalistas, essa transformação deu lugar à nova síntese aforística: Da Inquisição para o rei, não vai lei.

17Os provérbios locais tomam quase sempre um carácter satírico, como reflexo do espírito hostil entre as povoações vizinhas. O anexim O burro de Vicente, aparece numa sátira política do século XVI, contra os que venderam Portugal a Filipe II:

  • 27 Questões de Litteratura e Arte Portugueza, p. 267.

Chora sobre o mal presente
os bens que passados são;
já foste asno de Balam,
oje és burro de Vicente.27

  • 28 Mythologie zoologique, t. I, p. 410.

18Desta locução burro de Vicente conta Gubernatis, que nas armas da cidade de Vicenze, figurava um burro, e Pádua na sua rivalidade contra aquela cidade empalava publicamente um burro, aludindo assim aos seus inimigos, resultando desta afronta o provérbio vulgar28. Eis alguns provérbios locais com carácter de uma hostilidade satírica:

Serpe, serpente,
Ruim terra,
Peor gente.
Os de Arrayolos,
Grande cabeça,
Poucos miolos.

Beja,
Terra é
Sem sé,
Nem fé
Nem ponte
Nem fonte.

Da Arruda,
Nem mulher
Nem mula;
Nem vento,
Nem casamento;

Justiça
Sem entendimento;
Rapazes
Ladrões em todo o tempo.

19Diz um anexim local, referindo-se às cheias da ribeira de Figueiró, que nasce na Mourela, entre Alpalhão e Castelo de Vide:

Quando Figueiró móe os bolos,
Mal por todos.

  • 29 Mem. Hist. da Villa de Niza, t. ii, p. 57.

20Quer isto dizer, que os moinhos que estão nas suas margens, só moem no inverno e primavera, mas se acontece moerem no outono, quando se oferecem os bolos de Todos-os-Santos, as terras ficam encharcadas e improdutivas29. E alusivo ao excelente pescado deste rio, há o anexim:

O peixe de Figueiró
Quem o apanha, come-o só.

  • 30 Comédia Eufrosina, p. 27.
  • 31 Sá de Miranda, Obras, p. 97.
  • 32 Contos Tradicionaes do Povo Portuguez, n.° 105.

21Uma grande parte das vezes os anexins são deduzidos de situações descritas em fábulas e contos populares, como : O Lobo e a Golpelha fizeram uma conselha; e pertencendo ao mesmo ciclo dos poemas de Renard: Da pele alheia grande correia. E estes, referidos a fábulas esópicas: Pairarão os montes, nascerá um ratinho30; Pérolas orientais, aos porcos não as lanceis31; Mais vale magro no mato, que gordo no prato, alusivo à fábula do rato do campo e do rato da cidade. Na tradição popular portuguesa existe um conto baseado em anexins32.

22A sanção moral funda-se no automatismo do costume, como o revela o anexim: Filho és, pai serás, como vires assim farás; outras vezes esse automatismo consiste na imitação material de conformação de actos, como neste outro: Se fores a Roma, faz-te romano, ou Diz-me com quem andas, dir-te-ei as manhas que tens. A sanção moral, no seu maior desenvolvimento consiste especialmente na autoridade; é por isso que as religiões essencialmente dogmáticas ou autoritárias, quando perderam a sua base mítica, apoderaram-se como campo de disciplina da sanção moral. A autoridade como não provém da razão, mas de uma imposição de prestígio, é reconhecida nos grandes potentados, enfim em toda a ordem de superioridade, como a riqueza ou a ciência. Daqui provém que é tanto mais fácil de converter em ditos célebres, ou proverbiais as palavras banais de um homem, quanto esse homem exercer o mais alto prestígio da autoridade. As máximas, sobretudo as que tomam uma forma filosófica, têm esta origem individual e crítica; todos ainda se riem dos apotegmas, que começam: «Ponderava meu tio padre Frei José Supico.» Então anexins empregam-se sempre para justificar o acto praticado. O grande vice-rei da índia Afonso de Albuquerque, o carácter mais implacável da nossa história, e de uma determinação resoluta, acobertava-se nos seus juízos despóticos com a autoridade dos anexins; dele escreve João de Barros, nas Décadas (Dec. II, livro X, cap. 8): «Era sagaz e manhoso em seus negocios, e sabia enfiar as cousas a seu proposito; trazia grandes anexins de ditos pera comprazer á gente segundo os tempos e qualidades da pessoa de cada hum». Ticknor, provando a antiguidade dos anexins espanhóis, dá a origem histórica deste refrão, que encontramos nos Autos do Chiado, do século xvi: Allá van leyes do quieren reyes.» Alude a um facto dos princípios do século XII; debatia-se então a questão magna da preferência entre o rito mosárabe da igreja nacional de Espanha e a liturgia romana, e o rei Afonso VI ordenou a prova do fogo para se conhecer qual era a liturgia mais santa. De facto passaram os dois rituais pelo fogo, segundo a tradição, e apesar de ter ficado incolume o livro do rito mosárabe, Afonso VI faltou à promessa, dando lugar assim ao refrão (Sarmiento, Mem. § 42).

  • 33 Hist. de la Litteratura Española, t. III, p. 418.

23Um outro facto histórico deu origem ao anexim castelhano: Ni quito rey, ni pongo rei, alusivo às lutas entre Pedro, o Cruel, e o seu irmão bastardo Henrique 1133. Entre os refrãos coligidos pelo marquês de Santilana, vem este Mata, que el-rei perdoa, que se atribui a D. João II, quando puniu com terríveis assassinatos as duas conspirações dos duques de Bragança e de Viseu. O anexim: Quem passa o Cabo de Nam, ou voltará ou não, proveio das tentativas marítimas para a passagem do cabo do Bojador, no tempo do infante D. Henrique; bem como este outro: É das ilhas e conta maravilhas, o que coincide com as primeiras relações da descoberta da ilha da Madeira e da crença nas ilhas encantadas, que chegaram a ser doadas em documentos dos reis portugueses. Na comédia Eufrosina, de Jorge Ferreira, vem o anexim Fidalgo francês não mantém palavra (p. 60), proveniente das falsas relações de Luís XI com D. Afonso V; a palavra francesismo ficou na língua como sinónimo de mentira pérfida.

  • 34 Ap. Annaes das Sciencias e das Lettras, t. I, p. 415.

24A designação mais antiga da poesia aforística ou paremiológica em Portugal é o dito e ditado, como se depreende da sua relação com o dit da poesia da Idade Média. Numa carta do século xv sobre a conspiração do duque de Bragança se lê: «e também o dito que diz: Por tua Lei e Rey e Grey morrerás. »34 Sá de Miranda emprega a mesma designação:

  • 35 Obras, p. 229, ed. 1804.

Lembra-te de um Dito antigo:
Que enfada muito a verdade.35

25João de Barros diz de Afonso de Albuquerque, que ele usava na conversa anexins de ditos. Com o título de Ditos diversos (vulgo Ditos da freira) publicou-se no meado do século XVI uma colecção de sentenças de especulação individual.

  • 36 Feira de Anexins, p. 135.

26Na linguagem popular a designção mais frequente é a de ditado; em D. Francisco Manuel de Melo vem ela empregada: «e não fazer com que me salte o fogo nas barbas, que por ver arder as de meus vizinhos bem podia deitar de molho, como lá diz o ditado36

  • 37 Smith, Hist. des Druides, p. 54, nota c.

27O povo emprega a locução: Como di-lo outro; entre os Celtas as principais máximas eram sempre atribuídas ao Sean’ar, o homem do tempo antigo: Mur thu’irt an sean’ar, como diz o homem dos tempos antigos37. Formulando as máximas morais, os que as citam dão-lhes sempre a sanção do tempo ou do uso antigo.

28Assim como o dito e ditado, aparece-nos a sua forma culta nos escritores designando as máximas, como verbo e provérbio. No Cancioneiro da Vaticana vemos que o verbo era frequentíssimo no fim do século XIII em Portugal:

Ouç’ eu dizer huu vervo aguysado
Que o Bem e mal sempre na face vem.
(Canç., n.° 219.)
De longas vias muy longas mentiras,
Est’ é o vervo antigo verdadeiro.
(Ibidem, n.° 979.)
e porém diz o vervo antigo:
A boi velho non lhi cates abrigo.
(Ibidem. n.° 1162.)

29Em Gil Vicente e Prestes conserva-se a designação tomada popular já mal compreendida:

Diz um verso (verbo) acostumado
Quem quer fogo busca lenha.
(Gil Vicente, Obras, t. iii, p. 371.)
Dizem lá verbos antigos,
De máos filhos máos amigos.
(Prestes, Autos, p. 252.)
Como diz o berbão antigo
De sengo – ferros de arados.
(Idem, ibidem, p. 365.)

  • 38 Cartas, p. 211.
  • 39 Colloquios, fl. 88 v.°

30Os provérbios de Dionísio Cato, tão conhecidos na Idade Média, influenciaram também na nossa literatura paremiológica; el-rei D. Duarte, no Leal Conselheiro, traduziu este: «Quem teme a morte perde quanto vive.» Por outro lado a erudição clerical citando os provérbios de Salomão, vulgarizou esta designação aforística. Nas Cartas, diz D. Francisco Manuel de Melo: «contra aquele antigo provérbio, de que a tormenta não excede o porte da embarcação.»38 Depois que no século xv se desenvolveu em Portugal a influência da literatura castelhana, a designação do rifão e refrão tomou-se quase exclusiva; o verbo rifar significava satirizar e improvisar sobre um mote, conforme o sentido do refrão castelhano, que era um provérbio glosado. Numa das cartas sobre o caso da traição do duque de Bragança, vem: «E falo isto, porque me lembra uns rifões que se dizem: Bento é o barão ...» Garcia d’Orta, nos Colóquios dos Simplices e Drogas emprega-o com o sentido de refrão ou estribilho: «e depois veio em uso o rifão (como dizem os Castelhanos) dizerem os homens: Ainda trago a casca do coco na queixada»39; em toda a primeira metade do século XVI usou-se o rifão, como vemos em Gil Vicente, Trancoso e Prestes:

Nunca ora ouvi um rifão
Mais sabido e mais usado,
Que darem todos de mão
Se jaz o carro entornado.
(Sá de Miranda, Obras, p. 246.)
Me faz usar do rifão
Dai-lhe o pé ...
(Prestes, Autos, p. 212.)
Como lá diz o rifão.
(Idem, ibidem, pp. 317 e 347.)

  • 40 Historias de Proveito e Exemplo, pp. 51 e 116.

31Em Trancoso encontramos: «Todos os rifões são quase sentenças: porém, como diz o rifão: A órfão não goza nem o dia da sua boda.»40

32As relações dos aforismos com casos anedóticos ou históricos em que se aplicaram, ou de que foram deduzidos, fizeram com que o título de exemplo servisse para exprimi-los, quando eles eram simplesmente o consetário final. É frequentíssimo em Gil Vicente:

Porque diz o Exemplo antigo,
Que a amiga e o amigo
Mais aquenta que o bom lenho.
(Obras, t. III, p. 127.)
Diz o Exemplo da velha,
O que não haveis de comer
Leixae-o a outrem mexer.
(Ibidem, t. III, 137.)
E diz o Exemplo dioso
Que – Bem passa de guloso
O que come o que não tem.
(Ibidem, t. III, p. 370.)

  • 41 Comédia Eufrosina, p. 7.

33A designação de anexim e adágio preponderam na segunda metade do século XVI; vemos em Jorge Ferreira de Vasconcelos: «o anexim antiguo, Tu que sees na seda, qual me vires, tal me espera.»41 Usa-a também Diogo do Couto, e chamou-se anexirista o que aplicava ou anexava a cada caso a sua conclusão moral; o anexim é um desenvolvimento do rifão pela força da consoante, como vemos por este dito do século XVI:

Ande eu quente
E ria-se a gente,

ao qual se ajuntou ou anexou mais tarde:

E quem tiver inveja
Que arrebente.

  • 42 Comédia Eufrosina, p. 42.

34É por isso que na sociedade culta o emprego de anexins era considerado como falta de delicadeza, como o recomenda Rodrigues Lobo na Corte na Aldeia. D. Francisco Manuel de Melo, nos Apólogos Dialogais o confirma: «Toda a pessoa polida deve fugir que entre o grão limpo das boas palavras, honestas e significativas, se intrometa a ervilhaca e joio desses anexins próprios de regateiras, etc.»42 Os eruditos consideravam os rifões e os anexins como desprezíveis, como toda a outra poesia popular; o marquês de Santilana, dá à sua colecção o título de Refranes que dicen las viejas traz el fuego; Gil Vicente alude também ao exemplo da Velha (t. iii, p. 137), Jorge Ferreira, diz: «Se não anda a velha, anda a pedra»; outros anexins referem-se a esta fonte natural das sentenças: «Vá a velha onde tem de ir, e volte para casa dormir.» É daqui que deriva esse desprezo dos eruditos.

  • 43 Ibidem, p. 159.
  • 44 Padre Torquato de Azevedo, Memorias Resuscitadas, p. 307.
  • 45 Nova Floresta, t. III, p. 383.

35No século XVII as máximas tradicionais eram designadas pela palavra adágio, pela influência culta da Itália. Diz D. Francisco Manuel de Melo, nos Apólogos Dialogais: «Como aquele adágio que dizem da panela de pedra: Dá a panela na pedra, mal pela panela.»43 Há no mundo um adágio que diz: «Quem bem paga é herdeiro do alheio.»44 Diz o padre Manuel Bernardes: «Uma das excelências da língua portuguesa é a cópia de semelhantes adágios, tão claros, tão breves, e sentenciosos que podem ser uns como cânones ou regras da vida económica, ética e política ensinadas pela experiência.»45 Nas colecções organizadas no século XVII pelo padre António Delicado, em 1651, e pelo padre Bento Pereira, em 1655, é o título de adágios o que as denomina; os títulos de aforismos, apotegmas, máximas, conselhos, pensamento, e sentenças aparecem em obras de elucubração individual, abandonando a fonte tradicional pela intenção filosófica.

36A poética dos anexins. – A evolução das formas poéticas transmitidas da tradição popular para as literaturas, conserva-se em todas as suas fases rudimentares nas expressões aforísticas. É nos anexins que se pode bem determinar os elementos primitivos da morfologia poética, quer na forma da quantidade e do acento, quer no verso, na estrofe e na rima. Existem duas bases de metrificação poética, a quantidade, nascida da prosa cadenciada e sua conservação no momento oratório, e a acentuação, proveniente da expressão oral subordinada ao canto ou à dança. Os povos semitas não conheceram o verso e apenas se elevaram às formas cadenciadas pelo paralelismo; nas antigas fórmulas sacramentais religiosas e jurídicas as palavra subordinavam-se à cadência das tautologias ou ao efeito de uma aliteração, como se observa na linguagem jurídica dos Romanos. A quantidade prevaleceu nas literaturas clássicas grega e latina, e a acentuação nas literaturas românicas por causas históricas da elaboração dialectal e das suas origens populares. Nos anexins pode-se bem determinar ainda o elemento da quantidade implícita na prosa cadenciada e no paralelismo:

Mal vae á raposa, quando anda aos grillos;
É peor quando anda aos ovos.
Quando ao gavião lhe cai a penna;
Também lhe cae as azas.
Quando mais a vacca se ordenha,
Maior tem a têta.
Um pae para cem filhos;
E não cem filhos para um pae.

37O paralelismo pode desenvolver-se em número oratório:

Casa em que caibas;
Vinho que bebas;
Terra quanto vejas.
Manda o amo ao moço;
O moço ao gato;
E o gato ao rabo.
Por um cravo se perde uma ferradura,
Por ela um cavallo;
Por um cavallo um cavalleiro;
Por um cavalleiro um campo,
E por um campo um reino.

38O paralelismo também se desenvolve na forma ditirâmbica ou litânica, que se conservou nos hinos religiosos. Na literatura portuguesa temos este género cultivado por Gregório Afonso, nos seus Arrenegos, em Gil Vicente no Arrais da Barca do Inferno, em António Ribeiro Chiado, nos Avisos para guardar, e em Jorge Ferreira de Vasconcelos. Deste último transcrevemos a seguinte forma ditirâmbica dos anexins:

  • 46 Comédia Eufrosina, p. 43, ed. Farinha.

Guarde-vos Deus
Da ira do senhor,
E do alvoroço do povo;
De doudos em logar estreito,
De moça adivinha,
E de mulher latina;
De pessoa sinalada,
E de mulher trez vezes casada;
De homem porfioso,
De lodos em caminho,
E de longa enfermidade;
De physico experimentador,
E de asno ornejador;
De official novo
E de barbeiro velho;
De amigo reconciliado
E de vento que entra por buraco,
E de hora minguada
E de gente que não tem nada.46

39Nas orações e parlendas populares de esconjuros é onde se observa na sua mais evidente clareza a forma ditirâmbica ou litânica, que chegou até ao moderno lirismo culto ou subjectivo.

40Dentro da frase cadenciada pelo paralelismo vão-se destacando novas cadências pela tautologia, ou repetição do mesmo pensamento por efeito da necessidade do ritmo. As fórmulas legais antigas e modernas conservam estas tautologias como prestígio imperativo; nos anexins são elas frequentíssimas e como que a base da sua autoridade de máxima. Citaremos tautologias a dois termos:

Sua alma, sua palma.
Seu dito, seu feito.

Semeia e cria
Terás alegria.

Agua o dá, agua o leva.

Amores e dores
Com pão são bons.

Quem leve vae, leve vem.
Comer e coçar
O ponto é começar.

No soffrer e abster
Está o vencer.

O mal e o bem
Á face vem.

Honra e proveito
Não cabem n’um saco.

41Vejamos as tautologias a três termos:

Amor, dinheiro e cuidado
Não está dissimulado.
Amor, fogo e tosse
A seu dono descobre.
A par de rio
Nem vinha, nem olival, nem edificio.
Azeite, vinho e amigo
O mais antigo.
Carne, pão e vinho
Fazem o velho menino.
Guerra, caça e amores
Por um prazer mil dores.
Outubro, Novembro e Dezembro
Não busques o pão no mar.
Touro, gallo e barbo,
Tudo tem cessam em Maio.

42Existem tautologias a quatro, cinco e seis termos, mas essas acham-se hoje exclusivamente nas parlendas infantis chamadas de acumulação.

43A aliteração, em que a frase cadenciada se apoia na repetição de um dado som literal, aparece nas formas as mais primitivas da poesia como um desdobramento em desenvolvimento exomorfo para o sistema da rima. Nos anexins, como documentos de elaboração poética espontânea, acha-se a aliteração com um efeito intencional:

Terra e torrão
Tudo dá pão.
Quem dá pão dá páo.
Vento e ventura
Pouco dura.
De mal o menos.
O dado dado;
O vendido, vendido.

Se chove, chova;
Se neva, neve;
Que se não faz vento
Não faz máo tempo.
Quem torto nasce
Tarde ou nunca se indireita.
Casa-te a teu contentamento.
Quem se empena e não tem pena,
Depois se depena e vive em pena.

44Desde que da prosa cadenciada começa a destacar-se o verso, o ouvido popular recorre às neumas, palavras ou sílabas sem sentido para encherem os intervalos da acentuação; tais são homem, na sua forma pronominal, , diz, etc. No velho Cancioneiro da Vaticana vemos alguns anexins receberem a forma poética por meio destas cunhas:

mays oy
huu verv’ antiguo, de mi bem
verdadeyr’, e cá diz assy:
Quem leva vae, leve x’ar vem.
(Canç., n.° 713.)
De longas vyas muy longas mentiras.
(Canç. n.° 979.)

45E no Cancioneiro de Resende, escrevem D. Martinho da Silveira e Duarte Brito:

Porqu’ a bom entendedor
Poucas palavras abastam.
(Op. cit., t. I, 441.)
Dizem que os escarmentados
Que se fazem dos arteiros.
(Ibidem, p. 319.)

46Adiante exemplificaremos o caso contrário, em que se dá a dissimulação do anexim metrificado e rimado na prosa. Muitos dos anexins pela sua excessiva vulgaridade e universalidade abreviam-se ficando reduzidos a simples locuções ou idiotismos de frase, tais como casa de Gonçalo, voltas de Andreza, burro de Vicente, manha de açougue, asno morto, gato escaldado, de telhas acima, etc.

47O sistema da acentuação base fundamental da poética dos povos modernos, é o que predomina na poesia aforística; nos antigos povos itálicos aparece o verso medido pelo acento em sílabas tónicas, como o verso saturnino, e as nossas redondilhas menor e maior têm equivalentes na metrificação latina, tais como: o verso adónico que é pentassílabo; o verso ferecratiano que é heptassílabo; e o glicónio e jâmbico dímetro que são octossilábicos.

48A forma trocaica estabelece uma transição entre o acento e a quantidade; Quicherat explica a acentuação românica como derivada do endecassílabo latino, cujos acentos são na quarta e décima sílabas; assim ao verso alcaico é equiparado o nosso endecassílabo comum à Itália, França e Espanha, e generalizado na literatura na época da Renascença. A acentuação estabeleceu-se nas literaturas românicas pelas suas origens populares, da mesma forma que os novos dialectos se basearam sobre a persistência da vogal acentuada. Todas as variedades do verso moderno acham-se nos anexins, quando principalmente eles se apresentam na forma de epifonema, divisa ou monóstico. A divisa é a expressão concisa de um pensamento tomado como norma de acção; como Faire sans dire, Nosce te ipsum, etc. Os anexins em um só verso definem-nos os metros mais frequentes da poética popular; aparecem em versos de quatro sílabas, mais como locuções:

Gato por lebre;
Voltas d’Andreza;

ou nos seguintes dísticos:

Tu que não pedes
Leva-me às costas.
Uma no papo,
Outra no saco.

49Monósticos de cinco sílabas são já mais frequentes:

Sae a acha á racha.
Quem cala consente.
Quem dá pão dá páo.
Chover no molhado.
Pérolas a porcos.
Usa e serás mestre.

50Monósticos de seis sílabas, têmo-los em:

Dar o seu a seu dono.
Valia faz discretos.
O sangue não se roga.
O bem sôa, o mal vôa.
Quanto tens tanto vales.
Trazer agua no bico.

51O verso septissílabo ou de redondilha maior é o mais espontâneo em todas as línguas românicas; fala-se e improvisa-se neste verso de um modo inconsciente. Os monósticos abundam:

Dize-me antes que to diga.
Ouro é o que ouro vale.
Quem tem bocca vae a Roma.
Pela bocca morre o peixe.
Bocca que diz não, diz sim.
Quem bem sê não se alevante.
Quem tem rabo não se assenta.
Acordar o cão que dorme.
Não vou lá, nem faço minga.

52Os versos endecassílabos introduzidos nas literaturas peninsulares no século XVI, acham-se com toda a nitidez e variedade de acentuação nos anexins populares, como verdadeiros epifonemas:

Mais vêem quatro olhos do que dois.
Nos mais velhos está o bom conselho.
O costume faz nova natureza.
Não vejo moita d’onde lobo saia.

53Com outra disposição de acentos:

Honra e proveito não cabem n’um saco.
Nem tudo o que diz o pandeiro é vero.
Conhecer culpa é estrada da emenda.

54O verso alexandrino apresenta alguns símiles, próximos da prosa cadenciada:

De muito desejado é difficil a guarda.
De ruge, ruge se fazem as cascaveis.

55Conhecidas as principais formas do verso, vejamos a sua construção estrófica em parelhas ou dístico, em terceto ou triada, na quadra, na quintilha. Os escritores portugueses desde o século XIII até ao presente conheceram a metrificação dos anexins populares glosando-os nas suas composições; isto basta para autenticar esta forma poética, que é consciente e não casual. Na estrofe o verso aparece-nos ora assonantado, ora rimado, porém a assonância é a forma exclusiva do povo:

Palavras sem obras
Cithara sem cordas.
Amigos e mulas
Falecem a duras.
Arde o sêco
Pelo verde.
Qual o tempo
Tal o tento.
Arca aberta,
Justo pecca.
Não é pelo ovo,
Senão pelo fôro.
A pão duro
Dente agudo.
Quem faz a casa na praça
Uns dizem que é alta, outros baixa.

56Rimas perfeitas aparecem com abundância:

Filho alheio,
Braza em seio.

Quem compra e mente
Na bolsa o sente.

Em que seja tosca
Bem vejo a mosca.

De pequena bostella
Se levanta a mazella.

Que em jogo, quer em sanha
Sempre o gato mal arranha.

Arrobas não são quintais,
Nem as coisas são eguaes.

57Escusamos de apresentar exemplos dos dísticos em outros metros, porque os que acima ficam são os verdadeiramente populares. Na forma do dístico aparece o diálogo, como o rudimento dramático que dá movimento e acção ao pensamento abstracto da moral:

Diz a abelha: – Traz-me à cavalleira,
Dar-te-hei mel e cêra.
«Oh minha mãe, que cousa é casar?
– Chorar, parir e fiar.
«Como criaste tantos filhos?
– Querendo mais aos mais pequeninos.

58A forma estrófica de terceto ou triada teve um carácter augural; é frequente nos anexins:

Pouco fel
Faz amargo
Muito mel.

Quem te não roga
Nem voga
Não lhe vás a boda.

Quem me quer bem
Diz-me o que sabe,
Dá-m’ do que tem.

Se queres que a fruta
Mal te não faça
Mette-lhe massa.

Nora rogada
E panela repousada,
Não a come toda a barba.

Antes que cases
Olha o que fazes,
Que não é nó que desates.

Ama quem te ama,
Responde a quem te chama,
Andarás carreira chã (plana).

Lenha verde
Nem se queima
Nem accende.

59A forma da quadra apresenta-se com uma exuberância espontânea:

Amores
E dores
Com pão
São bons.

Quem te faz festa
Não usando fazer,
Ou te quer enganar,
Ou te ha mister.

Aquelle te deu
Aquelle te dará;
Mal o haja quem
De seu não ha.

Com arte e com engano
Se vive um anno;
Com engano e com arte
Se vive a outra parte.

Não cries gallinha
Hu mora raposa,
Nem crêas lágrima
De mulher que chora.

Em Janeiro
Mette obreiro,
De meado em diante
Que não d’antes.

Março ventoso,
Abril chuvoso,
Maio amoroso,
Fazem o anno formoso.

60A estrofe em quintilha é também notável pela colocação do conceito picante:

Horta sem agua,
Casa sem telhado,
Mulher sem amor,
Marido sem cuidado
De graça é caro.

Pelo Natal
Se houver lugar
Senta-te ao lar;
Se houver escuro
Semeia outeiros e tudo.

61A sextilha aparece nos anexins contendo regras ou observações práticas, como os aforismos da lavoura:

Em Janeiro
Sóbe ao outeiro;
Se vires verdejar,
Põe-te a chorar;
Se vires terrejar
Mette-te a cantar.

A festa do Natal
Atraz do lar;
A da Paschoa,
Na praça;
A do Espirito Santo
No campo.

62A estrofe de sete vesos é puramente acidental; contudo ainda podemos apresentar um exemplo:

Estopa avelada,
Lã crameada,
E farinha coada,
Não a mostres à sogra

Nem a cunhada,
Porque nunca d’ellas
Serás bem julgada.

63As outras formas de oitava e de décima não são populares; nos anexins, depois das formas acima exemplificadas, a estrofe dissolve-se na forma ditirâmbica, monorima ou emparelhada.

64A dissolução da forma poética nos anexins portugueses voltando à prosa, começa pela rima e acaba pelo verso. Dá-se igual fenómeno com os romances heróicos. Citaremos alguns exemplos:

Tanto dá a agua na pedra
Até que quebra, (dissol.: até que fura.)
Tantas vezes vae o cântaro à bica (á fonte)
Até que lá fica (até que quebra.)
Tantas vezes vae o cântaro á fonte
Que lá deixa a fronte.
Cunha nova
Bota a velha fóra. (Bota fóra a cunha velha.)
Em casa de ferreiro
Peor apeiro. (Espêto de páo.)
Cobra fama
E deita-te na cama (deita-te a dormir.)

65O fenómeno da dissolução poética pode demonstrar-se pela aproximação de formas mais antigas do refraneiro espanhol; assim lá encontramos:

Elusar
Hace oficial.

66E nós dizemos: «Usa e serás mestre» sem a forma poética. O mesmo com a divisa: «Antes quebrar que torcer» consagrada por Sá de Miranda, e que em Espanha tem a forma poética:

Antes quebrar
Que doblar.

67Este outro:

No quiero, no quiero,
Pero echamelo en el sombrero

têmo-lo ainda com forma poética:

Não quero, não quero
Botae-m’o aqui no capello.

e dissolvido em prosa: «Não quero, não quero, botai-mo aqui na mão.» O mesmo com estre outro anexim: «Sonha o cego que vê, porque o deseja»; e em espanhol:

  • 47 Rodrigues Marin, Contos Populares Españoles, t. II, p. 186.

Sonaba el ciego que via
e soñaba lo que queria;
ó yeran las ganas
que de ver tenia.47

68Nos Refranes, coligidos no século xv pelo marquês de Santilana, vem:

Dime con quien andavas
É decir-te-he que hablavas.

69Em Portugal está dissolvido na prosa: «Diz-me com quem andas (lidas), dir-te-ei as manhas que tens.» E este: «Dá Deus nozes a quem não tem dentes», cuja forma poética traz Santilana:

Dió Deus fabas
Á quien non tiene quixadas.

70E este: «Vão-se os anéis e fiquem os dedos», ao qual corresponde a forma mais antiga:

Si se perdieron los anillos
Aqui fincaron los dedillos.

71«Mais vale um toma, que dois te darei», este anexim seguiu as transformações da linguagem: mais vale um ávache (Jorge Ferreira), mas ainda assim veio-nos incompleto, como se depreende da forma coligida por Santilana:

Faré, faré;
Mas vale un toma,
Que dos te daré.

72As alusões e referências literárias dos escritores assim como influíram para a conservação dos anexins populares, também determinaram certas alterações já para as glosas dos seus versos, já acompanhando as modificações da linguagem em cada época. A literatura dos anexins é importante em Portugal e os nossos principais escritores foram os que mais se aproveitaram deste rico veio tradicional para opulentarem a língua com locuções fecundas.

73As adivinhas populares. – A universalidade dos enigmas, desde as sociedades mais atrasadas, como a dos povos selvagens, até às altas civilizações, em que o povo conserva em uma inconsciência espontânea as tradições primitivas, revela-nos que este produto da imaginação não nasceu como um divertimento sem intuito. O enigma ou adivinhação é o exercício de uma linguagem mítica, em que as relações de analogia são um rudimento de especulação e um primeiro estímulo mental; a soma das comparações já estabelecidas constitui um saber geral que se transmite tradicionalmente por perguntas de iniciação. Este modo de ver aplica-se principalmente às adivinhações que têm paradigmas na tradição de todos os povos. Há no génio popular um trabalho constante em que o poder de aproximar analogias se exerce ainda, como uma faculdade mental de mitificação. Por isso nas adivinhas ainda as mais recentes, o que primeiro se observa é uma personificação do objecto material proposto para enigma, e a relação de analogia mais ou menos imprevista; assim para exprimir o céu, as estrelas, a Lua e a noite, formula-se uma adivinha (Amarante):

Campo grande,
Semente meuda,
Menina bonita,
Loba gadelhuda?

74Em muitas adivinhas populares encontra-se a primitiva concepção do universo, tal como se acha nos monumentos da civilização árica; para exprimir o céu, as nuvens, o Sol e o vento, encontramos uma adivinha nos arredores do Porto e em Resende:

Curral redondo,
Vacas ao lombo,
Moço formoso
Cão ravinhoso?

Campo redondo,
Ovelhas ao longo,
Pastor formoso,
Cadello raivoso?

  • 48 Demofilo, Colleccion d’Enigmas, p. 306, Sevilha, 1880.

75Coincide com a concepção védica: o curral redondo é o céu, conforme a impressão que produz em quem o observa na sua maior largueza; vacas ao lombo, são as nuvens brancas ou negras, que dão a abundância, segundo os hinos do Rigveda; moço formoso é o Sol, o louro Surya, que defende as vacas contra o cão ravinhoso, que é o vento que as dispersa no espaço, como que roubando-as. Aqui temos a adivinha, em que o mito se desenvolveu no sentido teológico; outras vezes a adivinha é uma acção praticada por um herói por onde manifesta o seu intuito. No canto de Gudruna, dos Eddas, Rauduer é mandado matar por seu próprio pai, mas antes de morrer, o filho envia-lhe o seu falcão querido inteiramente depenado; quando Hermannarick viu o presente que lhe mandava o filho, compreendeu o sentido e disse: «Assim como este falcão perdeu as asas com que voava, eu perdi o filho que sustentava o meu reino.» Na história romana, a resposta muda de Tarquínio decepando com o bastão as papoilas mais altas, é uma expressão heróica enigmática. O desdobramento de certos mitos em contos, faz com que existam contos baseados sobre adivinhas; é ao que na Alemanha se chama räthselmärchen, e deste género diz Machado e Álvares, que: «tanto em Portugal, como em Itália, Alemanha e Grécia, como em Espanha, existem contos de adivinhas ...»48 Por fim a adivinha baseia-se sobre problemas aritméticos e equívocos de linguagem; assim achamos em D. Francisco Manuel de Melo:

  • 49 Feira de Anexins, p. 156.

Se esta cotovia mato
Faltam-me trez para quatro.49

76A forma das adivinhas é geralmente métrica, como elemento indispensável para a transmissão oral; a base das analogias é a personificação antropomórfica, e os dados comparativos são tirados dos objectos que correspondem aos vários grãos da civilização, podendo por eles remontar a cadeia da história. Desde que outros problemas preocuparam a inteligência humana, e que as relações de analogia foram substituídas por processos lógicos de análise, os enigmas decaíram do seu fim sério em divertimento de convivência, foram elaborados nas literaturas, passaram das camadas sociais mais instruídas para as incultas, e transmitidos automaticamente pelos velhos, receberam a simpatia das crianças como o estímulo natural das suas primeiras especulações da inteligência.

  • 50 Civilisations primitives, t. i, p. 110.

77Tylor, nas Civilizações Primitivas, reconheceu a relação entre o enigma e o mito religioso, citando o exemplo do Oráculo de Delfos, que ordena a Te menos que entregue o exército para ser guiado por um homem com três olhos; Temenos interpretou o oráculo tomando como guia um zarolho que ia a cavalo. Tylor determina este enigma em um mito escandinavo proposto por Odin ao rei Heidrek: «Quem são os dois que vão à assembleia com três olhos, dez pês e uma cauda? – Odin, que é cego de um olho, montado no seu cavalo Sleipnir, com oito patas.»50 A palavra interpretação, segundo Vico, é a explicação dada pelo padre, o que leva à inferência, que a constituição sacerdotal se baseou em quanto à síntese especulativa em explicar os enigmas com que se velavam por vezes os mitos religiosos, ou também as respostas ambíguas, alegóricas e capciosas dos oráculos.

  • 51 Geographia, liv. III, cap. 1, § 9.
  • 52 G. Guizot, Menandre, p. 141.

78Os enigmas acompanharam sempre a vida social até se tomarem temas de literatura; da sua generalidade resultou essa universalidade com que os mesmos enigmas se repetem entre os povos do Ocidente. Strabão, falando dos mineiros turdetanos e da superioridade dos seus trabalhos em relação aos processos da Ática, diz que tiravam melhores vantagens: «Enquanto estes, na verdade, parecem realizar o célebre enigma: Não tiveram o que esperavam ter, e perderam o que tinham?, os turdetanos auferem enormes lucros das suas minas.»51 Na literatura grega existiam comédias de enigmas, iniciadas por Cratinas, porventura imitando os usos domésticos e os divertimentos dos banquetes52.

79A aristocracia portuguesa usava certos divertimentos à maneira de perguntas, como os Devinalls provençais: na Vida de Manuel Machado de Azevedo, cunhado de Sá de Miranda, descreve-se um banquete dado em Crasto, indicando algumas perguntas que se fizeram à mesa. «Qual el mayor engano? – El mundo y la pintura. Qual la mayor salud? – El tenerla. Qual la mayor riqueza? – El desprecialas. Qual la mayor pobreza? – Desear riquezas ...» No folheto da Donzela Teodora, de origem árabe, comum à Espanha e Portugal, há um certame de perguntas e respostas dadas a vários sábios: – «Qual a coisa mais pesada do mundo? A dívida. –Qual a coisa mais aguda? A língua do homem e da mulher. – Qual a coisa mais apressada que a seta? O pensamento. – Qual a coisa mais dura que o ferro? A verdade ...» É curiosa a aproximação deste conto árabe com os costumes da aristocracia portuguesa no século XVI; por esta relação seguiremos a sua manifestação na literatura e na vida popular. No Auto pastoril castelhano, de 1502, traz Gil Vicente uma cena sobre o divertimento das adivinhas:

  • 53 Obras, t. I, p. 15.

Braz: Joguemos a adivinhar.
Lucas: Que me plaz.
Braz: Di, compañero ...
Mas comience Gil primero.
Gil: Que me plaz de comenzar.
Comenzad de adivinhar.
Lucas: Qué?
Gil: Sabello has tu muy mal:
Qual es aquelle animal
Que corre y corre, y no se v
Braz: Es el pecado mortal.
Matn.: Mas el viento, mal pecado,
Creio yo que será ese.
Lucas: Que no es buen juego este:
Demos este por passado.53

80Na gramática de João de Barros, de 1538, encontra-se esta adivinha quase universal:

Ainda o pae não é nado,
Já o filho anda por cima do telhado?

81Ainda não está em ateado o fogo, e já o fumo atravessa a telha-vã dos casais da aldeia; na Catalunha, segundo Milá y Fontanals, diz-se:

  • 54 Demófilo, Colleccion de Enigmas, p. 354. Rolland nas Devinettes ou Enigmes populaires de la France, (...)

Qu’es aixo:
II pare encara no est nat,
Qu’el fill ya corra pel terrat?54

El padre no è nato,
El fijo stá sul tetto.
(Gianandrea, En. 24.)

82D. Francisco Manuel de Melo, nos Apólogos Dialogais, (p. 7), traz esta adivinha do relógio, ainda hoje popular:

Todos o crêem
Nenhum o adora?

En alto vive, en alto mora,
En él se cree, y no se adora?
(Marin, Cant., I, 769.)

83Falta-lhe aqui o começo: «Alto está, alto mora.» Também nas Cartas Familiares (p. 339), traz esta outra adivinha da chave:

Tamanho como um camarão,
Guarda cem moios de pão?

84Ainda hoje no Alentejo se diz:

  • 55 A. Thomaz Pires, Adivinhas Portuguezas da Tradição Oral do Alentejo, n.°51; cita uma variante espan (...)

Qual é a cousa, qual é ella,
Que é tamanha d’um oução,
E guarda cem moios de pão?55

85Este elemento tradicional está representado na literatura portuguesa num livro extremamente raro, que se intitula Passatempo Honesto de Enigmas e Adivinhações, por Francisco Lopes; a 1.a edição é de 1603, pelo que se pode inferir que a tradição nele contida pertence totalmente ao século XVI, em que a literatura tanto se inspirou nas fontes populares. Nas adivinhas que se lêem nesta colecção erudita, acham-se por vezes formas que se dissolveram ou provieram de versões orais ainda hoje persistentes no povo. Comparemos a adivinha dos alfinetes:

Somos quinhentos soldados
De nossas armas compostos,
Todos cobertos e armados,
Em fileiras ordenados,
E n’um campo branco postos.

Não já para pelejar
Porque não somos temidos,
Antes de damas queridos,
Que nos põem n’um alto logar
Onde andamos escondidos.
(Part. i, n.° 8.)

86Eis como o autor do Passatempo Honesto se explica: «Um papel de alfinetes, tem quinhentos; todos armados, porque são de metal; e postos no papel, que é o campo branco; em fileiras não para pelejar; nem são temidos, antes as mulheres os estimam e põem na cabeça» (p. 60). Eis como se repete na versão oral do Alentejo:

  • 56 A. Thomaz Pires, Adivinhas do Alentejo, n.os 58 e 59.

Quatrocentos soldados
Formados n’um campo branco,
Nós não somos destemidos,
Somos das damas queridos,
Que nos trazem em salvos logares
D’onde andamos escondidos?56
Duzentos soldados armados
No campo grande estão formados?
Regimento de soldados
Todos n’um campo formados,
De nobres damas estimados
Postos em altos logares?
(Porto.)

87Entre a fórmula literária de 1603 e a versão oral existem versos comuns, fenómeno importante para o conhecimento da elaboração tradicional. Na adivinha do sal, traz Francisco Lopes as quintilhas:

Sem ser carne nem pescado
Sou dentro d’agua nascido,
E se depois de creado
For a minha mãe tomado
Serei logo consummido

E sem tanger nem cantar
A todos dou muito gosto,
Que sem mim não ha gostar,
Mas escondido hei-de andar
Em outro trage decomposto.

88Eis como esta adivinha do Passatempo Honesto se repete na tradição popular do Sardoal e Alentejo:

  • 57 Thomaz Pires, Adivinhas do Alentejo, n.° 46.

Eu fui nascido no mar
Sem ser peixe, nem pescado;
Se eu tornar a minha mãe
Serei logo consummido.
Eu vivo só n’este mundo
N’este trajo decomposto,

E sem cantar nem bailar
A tudo dou muito gosto.
Venho das ondas do mar
Nascido na fresquidão,
Não sou agua, nem sou sol,
Trago o tempêro na mão57

89Estes factos nos obrigam a transcrever mais algumas adivinhas literárias do Passatempo Honesto, antes de reunirmos aquelas coligidas das versões orais em toda as províncias de Portugal:

O dia e a noite:

Os meses:

Um homem e uma mulher
Grandes inimigos são,
Que nunca se podem vêr,
E ambos sem descansar vão
Uma apoz outro correr.
Elle é formoso e bello
Com a folha de uma rosa;
Ella nunca póde vê-lo,
E é tal que lhe põem o sello
Da mais feia e mais perigosa.

Uns certos filhos nasceram
No mundo sem pae nem mãe,
Que um mesmo nome tiveram,
E ao tempo que feneceram
Logo fizeram seu pae.
Com um só dia, mais ou menos
Que todos chegam a ter,
Morrem sem se vêr, pequenos,
Porque não póde ser menos
Para seu pae vir a ser.

A semana:

O ano:

Cinco irmãs e dois irmãos
Que sempre um traz outro vem,
Dão á mãe o nome que tem,
Porque só d’entre os christãos
Mana o seu nome tambem.
O mais moço que é mais nobre
Deus em descanso o criou;
E o nome antigo dotou
A outro irmão, por ser pobre
Seu trabalho o sustentou.

Quatro filhos de um pae são,
Em nome e ser differentes,
Alegre um d’elles verão,
Com uma prima pela mão,
Verdadeira para as gentes.
O outro tem nome Des
Tio é d’alegre dama;
O outro chorando o ves
O outro por um tom se chama
Castelhano ou portuguez.

O novelo:

O alho:

Fiei-me d’uma mulher,
E por estar confiado
Foi causa de me perder,
Que acabei despedaçado
E cosido em seu poder.
E quando estava encolhido
Sem mostrar pés nem cabeça,
Então mais fui conhecido,
E foi meu corpo partido
Como digo, peça a peça.

Já vistes em muita gente
Nascerem como eu nasci,
Do ventre da mãe com dentes,
E comem-me mil contentes,
Mas eu a todos mordi.
Quem nasce assim d’esta sorte
É sinal de forte gente,
Assim nasci eu bem forte,
Mas não me viram até á morte
Mais que cabeça sómente.

  • 58 Servimo-nos para esta notícia do artigo do Dr. Sousa Viterbo, no Commercio Portuguez, n.° 277, de 1 (...)

90A predileção literária pelas adivinhas continuou-se além do século XVII; no livro de Soror Maria do Céu, Enganos do Bosque, Desenganos do Rio (1741) vêm sob o nome de adágios uma colecção de trinta e cinco enigmas58. Eis o da luva:

Eu sou um odre de vinho,
pelo nome e pelo sêr,
se me quereis entender
na mão tendes o adivinho.

91E explica-se: «Uma luva, é vinho pelo nome, que acaba em uva, odre pelo ser, porque é de couro, na mão está a adivinhação, porque se calça nela.» Na versão oral, a luva é objecto de uma adivinha picaresca, cujo género se caracteriza por esta outra que Filinto Elísio traz em suma numa nova das Fábulas de Lafontaine;

Qual é a cousa, qual é ella?
Tem o cantar de perdiz,
Põe a mita ao calcanhar
E acerta com o nariz?

Um cazador
Y no de perdices
Que apunta a las corvas
Y da en las narices?
(Marin, Cantos, I, 334.)

92Assim evolutivamente veio a corrente literária a encontrar-se com a tradicional, tornando-se este estudo um objecto científico, não só pelo critério comparativo com as versões de outros povos, como pelas conclusões de etnologia e psicologia a que conduz.

93As adivinhas têm uma grande vitalidade nos costumes populares da península; na Galiza chama-se-lhe acertijos, nome tomado do sentido certo que se procura; no castelhano antigo e moderno são adivinanzas; na Catalunha e Valência endevinalles; em Ribagorga divinetas, e nas Astúrias cosadielles. As adivinhas portuguesas são na sua quase generalidade variantes de tipos comuns aos povos ocidentais. Esboçamos o processo comparativo:

(1) Burro de ferro,
Albarda de linho,
Tíquele, tiquele
Com um pausinho?
(A candea; Minho.)

(3) Campo branco,
Semente preta,
Cinco bois
E uma chavelha?
(Papel, tinta, dedos, pena.)

(2) Serra na cabeça,
Foucinha no rabo,
Adivinha, tolo,
Quem é gallo?
(O galo; Açores.)

Cinco arados,
Uma aradeta,
Terra branca,
Semente preta?
(Var., Alentejo.)

(1) Besta de ferro,
Albarda de linho
Tizalle, tizalle
C’um garabulino?
(Galiza: Demófilo,
Col. d’Enigmas, p. 339.)

(3) Leira blanca,
Semente negra,
Cinco cabezallas
E unha chavella?
(Ibd., op. cit., p. 343.)

(2) Fouce n’o rabo,
E serra n’a testa?
Qué cosa e esta?
(Ibid., op. cit., p. 342.)

El camp es blanch,
La llavó’ es negra,
Cinq son eis bous, que tiran la rella.
(Ibd., op. cit., p. 357.)

(4) Branca por fóra,
Branca por dentro.
Alço a perna
Metto-lh’a dentro?
(As ceroulas.)
(5) Quatro na cama,
Quatro na lama,

Dois que l’assistas,
E um que l’abana?
(Minho: O boi.)
Dois pés na cama,
E dois na lama;
E dois parafusos
E um que lh’abana?
(Foz do Douro: id.)

Cinch son los bous
Que l’arada menan;
Lo camp es blanch,
La llava es negra?
(Maiorca, ibd., p. 359.)

Pelosa de fóra,
Pelosa de drento,
Alza la gamba
E mettela drento?
(Itália: Gianandrea, Enig. 15.)

Campo blanco
Simiente negra,
Y cinco boyes
Aran con relia?
(Marin, Cantos, t. I, p. 282.)

Poil dehors,
Poil dedans,
Lève la jambe
Fourre la dedans?
(França: Rolland, n.° 135.)

Campo bianco,
Semenza negra,
Doi la guarda,
E cinque la mena?
(Itália: Indovinelli de Trevigi,
n.° 63.)

Bourrut defora,
Bourrut dedins,
Aussa la camba,
Mets le dedins?
(Languedoc: Roque Ferrier.)

Blanc est le champs,
Noire la semance,
L’oume qui le semme
Est de tres grant Science.
(França: Rolland, Dev.,
n.° 250.)

Peu dehore,
Peu dehens;
Lhèbe la came,
Hique l’y dehens?
(Bearn: Lespy, en., XII.)

(4) Pêlo por fóra,
Pêlo por dentro,
Érgom’a perna
Mete-a n’o medio?
(Galiza: Demófilo, Enig.,
p. 344.)

Pelludo por fóra,
Pelludo por dentro,
Viene la garra
Y se hi fica dentro.
(Ribagorza: Dem., ibd., p. 396.)

(6) Mãe pequena,
Pae grande,
Filho negro,
Neto branco?
(Minho: Pinheiro e sementes.)

A uma tranquilha?
Passa, asno,
Passa é!
Adivinha o que isto é?
(Minho: A passa.)

(7) Uma velhinha
Muit’ encurrilhadinha,
Encostadinha,

(8) Nasce no Monte
E vem cantar a casa?
(Minho: A dobadoura.)

Pelut per fóra,
Pelut per dins,
Alsa la cama
E ficalins dins?
(Valência: ibd., p. 339.)

(6) Grand père,
Rude mère
Et petit enfant
Habillé de blanc?
(França; Roland, Dev.,
n.° 112.)

(5) Cuatro andantes,
Cuatro mamantes,
Un quitamoscas
Dos aputantes.
(Andaluzia: Marin, Cantos, I, p. 203.)

Altos padres,
Chicas madres,
Hijos prietos,
Blancos netos?
(Andaluzia; Marin,
Cantos, I, n.° 464.)

Cuatro terrosas,
Cuatro melosas,
Dos huixaracans?
Y un huixaramoscas?
(Ribagorza: ibd., p. 382.)

E, pare es gran,
La mare xica,
Els fills son negres,
Yls nets son blanchs?
(Catalunha: Dem., p. 355.)

Dos miras, miras,
Dos varas, varas,
Un ventamoscas,
E quatre mengalas?
(Catalunha: ibd., p. 357.)

(7) Unha vélla arrugadinha,
No cuciño unha tranquiña,
Que se lla bica o señor,
Non asi o labrador,
E ben quixera el, á fé,
Adiviña o que isto é?
(Galiza: Dem., p. 348.)

Dos punxentes,
Dos luentes,
Cuatre tups, tups,
Yun ventador de mosques.
(Maiorca: Demófilo, ibd., p. 363.)

Una vieya gurrumbina
Tien atrás una tranquiña,
Pase ye,
El que non adivine burru y é?
(Astúrias: ibd., p. 378.)

No mato nasce,
No mato se cria,
E vem para casa
Dar ais com alegria?
(Castelo de Vide:
A dobadoura.)
(9) No alto estás,
Do alto me miras;
Comer me querias
Mas não poderias;
Mas tu irás
E eu ficarei,
E tu deixarás
Onde me meterei?
(Minho: A cabra, o centeio e o fole.)

(10) Uma casinha branca,
Sem porta nem tranca?
(Minho: O ovo.)
(11) Casinha encarnada
Sem porta nem sacada?
(Alentejo: A laranja.)
Casinha vermelha,
Sem porta nem telha?
(Alentejo: A laranja.)
Casinha amarella,
Sem porta nem janella?
(Ibd.: O limão.)

Una biejecita
Muy arrugadita,
Y en er cu
Una tranquita?
(Andaluzia: Marin, Cantos, i, n.° 471.)
Qués aixo:
Una vella aranzadeta,
Que porta una estaqueta?
(Catalunha: Dem., p. 352.)
Uma velleta
Tota arrugadeta,
Y abaix té
Una coneta?
(Maiorca; Dem., p. 362.)
(8) N’o monte nace
N’o monte se cria,
Cando vem a casa
Baila com’unha rapaza?
(Galiza; Dem., p. 350.)
(9) D’alto me miras,
Comerme querias,

Se si salirá
Quem me levará?
(Galiza: Dem., p. 350.)
(10) A que non sabes
O que é y o que non é;
Unha airexiña branca
Sin porta nin tranca?
(Galiza: Dem., p. 350.)
Un terrenin de bon, boran, bon
Non tien tapa, nin tampon?
(Astúrias: ibd., p. 370.)
Una inglesia blanca
Sin puerta, ni tranca;
No entra en ella luz ninguna,
Ni de vela,
Ni de sol, ni de luna?
(Andaluzia: Marin, Cantos, I, p. 374.)
Una capseta blanca
Qu’én obrilla, may se tanca?
(Maiorca: Dem., p. 360.)

(12) Por baixo pinho,
Por cima linho,
Ao redor amores,
No meio de flores.
(A mesa, a toalha, e comidas.)

(14) O que é, que é
Vae deitado,
E vem em pé?
(Minho: O cântaro.)

(13) Á meia noite
Se ergue o francez,
Sabe da hora,
Não sabe do mez;
Traz esporas
Não é cavalleiro;
Tem serra
Não é carpinteiro;
Tem picão
Não é pedreiro;
Cava na terra
Não ganha dinheiro.
(Minho: O galo.)

(15) Altos pendentes,
Deu uma risada
Cairam-lhe os dentes?
(Alentejo: A romã.)
Altos picotos
C’os seus maranhotos,
Tanto riso lhe deu
que lhe cahiu
O que Deus lhe deu?
(Minho: Castanheiro e ouriços.)

Passêa na praça
Não é estudante,
Canta de missa
Sem ser sachristão,
Sabe da hora
Mas da morte não?
(Alentejo: O galo.)

(16) Garças brancas,
Em campo verdes,
Co’ o bico n’agua
Morrendo á sêde?
(Brasil: Navio sem velas no mar).

Ina granzita
Plena di pastourita,
San aucuna finestrita?
(Itália.)
Qu’est-ce qui est plein,
Etn’a ni porte, ni fenètre?
(França: Rolland, Dev.,
n.° 65.)

(17) Dos arquitas
De cristal,
Que abren y cierran
Sin rechinar?
(Andaluzia: Marin, Cantos,
p. 298.)

(12) Pino sobre pino,
Sobre pino lino,
Sobre lino flores,
E al redor amores?
(Marin, n.° 715.)

(18) Un bichito muy ligero,
Que anda por terra preciosa,
Y en casa assiento que hace
Deja sembrada una rosa?
(Ibd.: Marin, Cantos, n.° 441.)

(17) Altas janellas
Abrem e fecham
Sem ninguém
Bolir n’ellas?
(Penafiel: Os olhos.)
(18) Semente preta,
Terra mimosa,
Salta a semente
Fica uma rosa?
(Minho: A pulga.)
(19) Casa caiada.
Lago d’agua?
(Brasil: O ovo.)
Casas brancas
Águas claras
Paredes amarelas
Sem ninguém morar n’ellas?
(Alentejo: O ovo.)
Menina bonita,
Saia amarella,
Casa caiada
Ninguem entra n’ella?
(Lisboa: id.)

(23) Semêa-se aos regos,
Nunca botam grelos?
(As telhas.)
(24) Semeio latas,
Nascem cordas,
E colho bolas?
(As abóboras.)
Semeei taboas,
Recolhi toneis;
Adivinhae bacharéis?
(As abóboras.)
Semearam-se taboas,
Nasceram papeis,
Colheram-se toneis.
(25) Que é que é,
Que na boca tem o pé?
(A cabaça.)
(26) Pae alto,
Mãe raivosa,
Filha saborosa?
(A castanha.)

(20) Delgada, delgacella,
Corre villa e Castella?
(Minho: A estrada.)
(21) Negra como o pez,
Agarra como a torquez?
(A formiga.)

(27) São trez cousas;
Uma diz que vamos,
Outra que fiquemos,
Outra que dancemos?
(Água, areia, espuma.)

(22) Semêa-se ás taboinhas
E nascem ás campainhas?
(O linho.)

(28) Altos castellos
Verdes e amarellos?
(Laranjeiras.)

(23) De qu’és acò, de que ès acò?
Una costa laurada
Que la rella i’es pas passata?
(Languedoc: ap. Ferrier.)

(28) Muchas damas en el castillo,
Y todas visten de amarillo.
(Marin, Cant., n.° 462.)

(29) Pequena como uma pulga,
E dá uma orelha
Que nem uma burra?
(Semente de couve.)
(30) Verdeja como o linho,
E dá um berro
Que ajunta todo o povinho?
(O sino.)
Tem só um dente,
E chama toda a gente?
(Idem.)
Alto mora,
Chama a gente
E fica fóra?
(31) Cabe dentro de uma rasa
E enche toda a casa?
(A luz.)

Tamanho d’uma bolota,
Enche a casa até à porta?
(32) Tem rabo e coração,
Adivinha tolo que é cão?
(O cão.)
(33) No monte se cria,
E vem para casa
Dar senhoria?
(A bengala.)
(34) Verde como o linho,
Amarga como o fel,
E sabe como o mel?
(A noz.)
(35) São muitos visinhos
Com os mesmos modos,
Quando um erra
Erram todos?
(Os botões.)

(30) Una vieja con un diente
Llamando à toda la gente?
(Marin, Cantos, n.° 461.)

Una vella ab un dente
Que fa corre tota gente.
(Catalunha: id., ibd.)

Qu’est-ce qui est haut monté
Qui appelle le monde di tout coté?
(Rolland, Devinettes, n.° 274.)

(31) Tomaño com’una armendra,
Y toa la casa la yena?
(R. Marin, Cantos, I, p. 287.)

Qual’é quella cosa?
Sotto la pietra pialta,
Gli stá la muta mata,
Sorda che non sente
E si chiama totta la gente?
(Coll., Trevigi, n.° LXVII.)
Quen c’un dente
Chama pela gente?
(Galiza: Demófilo, n.° 345.)

Jo ci ho na casa
Larga com’um’amendala,
Che rischiaro tutta la camborra?
(Ginandrea, Cant. march..)
Qu’est ce qui
N’étant pas plus grand qu’un amende
Peut cepandant remplir
Tout un apartement?
(Rolland, Dev., n.° 167.)

(36) Vinte mil meninas
N’uma varanda,
Todas a chorar
Para a mesma banda?
(Alentejo: As telhas.)

Dois perafitas
Quatro chantões?
(Lisboa: O boi com pêlos, couros e pernas.)

Correnteza de senhoras
Quando uma mêja mêjam todas?
(Airão: As telhas.)
(37) Altos pirineus,
Tristes innocentes,
Deram uma gargalhada,
Cahiram-lhe os dentes.
(Alentejo: Pinha e pinhões.)

(41) Armadinha nova,
De bom parecer,
Nenhum carpinteiro
A póde fazer,
Só Deus do céo
Tem esse poder?
(Penafiel: A noz.)
(42) Que será? que será?
Passa o rio e fica cá?
(Penafiel: A espingarda.)

(38) Sem osso nem espinha,
Nem calor se empina?
(Lisboa: O pão.)
(39) Qual é que é a cousa
Que já foi vivo,
E agora é morto,
Traz cinco vivos
Dentro do corpo?
(40) Mil Merilhinhos,
Mil merilhões

(43) Que será? que será?
Pastorinho de páo,
Sóbe ao monte
A botar o gado?
(Penafiel: Pente, cabeça e piolhos.)
(44) Redondinho, redondete,
Folga a moça
Quando se lh’o mette.
(O anel.)

(36) Un cercado
Bien arado,
Bien binado
Y reja en el no ha entrado?
(Marin, Cantos, n.° 604;
Demófilo, p. 387.)
(39) Una casa hecha de vestidura de animales,
Y habitan cinco hermanos desiguales?
(Marin, Cantos, n.° 642.)

(41) Archita chiquita
De buen parecer,
Ningun carpintero
La ha podido hacer,
Si no Dios del cielo
Con su gran poder,
(Andaluzia: Marin, Cantos,
n.° 546.)
(47) Tiene diente y no come,
Tiene barbas y no es hombre?
(Andaluzia: Marin, Cantos,
n.° 502.)

(45) Parada faz rasto,
A andar apaga o rasto
(Alenquer: A peneira.)
(46) Tenho uma caixinha
Cheia d’ossinhos,
Não a dou
Por mil cruzadinhos?
(Alentejo: Boca e dentes.)
(47) Tem dentes e não come
Tem barbas, não é home?
(Alentejo: O alho.)
(48) Cinco irmãs
Todas eguaes
Anda uma nua
A despir as mais?
(Alentejo: Agulhas de meia.)
Cinco mulheres
N’uma rua,
Quatro vestidas
E uma nua?
(Id., ib.)
(49) Torcida e lambida
E pelo c. mettida?
(Alentejo: Linha e agulha.)

(50) No mato se cria
No mato se corta,
Ninguém me quer
Ver á sua porta?
(Alentejo: Caixão de defuntos.)
(51) Trez cada vez,
Sete cada noite
E uma cada mez?
(Lisboa: Comer três vezes ao dia, dormir sete horas e confessar-se todos os meses.)
(52) Vae para o mato
Sempre encolhida,
E quando volta
Vem estendida?
(Porto: A corda do carro.)
(53) Campo redondo,
Ovelhas ao longo?
Pastor formoso,
Cadello raivoso?
(Resende: Céu, nuvens,
sol e vento.)
Campo grande semente meuda
Menina bonita
Cão gadelhudo?
(Amarante: Céu, estrelado, lua e noite.)

(50) En el campo fui criado
En el campo fui nacido,
Donde quiera que yo entro
Todos lloran y supiran?
(Marin, Cantos, n.° 807.)
No monte nace,
No monte se cria,
Cando ven para casa
Hay mais choros que alegria?
(Galiza: Demófilo, p. 349.)

(52) Sai pra fora encollidiño,
E vèn pra casa estiradiño?
(Galiza: Demófilo, p. 347.)
(54) Anda y anda toito l’año,
Y no ayega en cá e su amo?
(Marin, n.° 607.)
Corre que te corre
Y nunca traspone?
(Id., n.° 608.)

(54) Que é, que é
Que anda sempre à roda
E nunca chega á porta?
(O moinho.)

(58) Nasce na deveza
E vem comer
Com o rei á meza?
(Minho: A mosca.)

(55) Redondinho, redondão
Cabe no ninho
Do pimpalhão?
(O novelo.)

(59) Todos o tem,
Ninguem o quer ter,
E depois que o vêem
Não o querem perder?
(Airão: O piolho.)

(56) Qual é a cousa
Qual é ella,
Malentra em casa
Põe-se à janella?
(O botão.)

(60) Estando o negro negrate
No seu carrapitate,
Veiu o vermelhete
E no cu lhe bate?
(Douro: Panela ao lume.)

(57) Q’al é a cousa
Cal é ella
Onde está
Bem parece ella?
(Minho: A cal.)

(61) Quando não tem agua
Bebe agua;
Quando tem água
E’ que bebe vinho?
(Ovar: O moleiro.)

(58) Qu’é o que nace na debeza
Vên à casa e come co’a gente á meza?
(Galiza: Demófilo, p. 346.)

De qu’es acò? de qu’es acò?
Madamo la Negreto
Puntado sur tres cambetos
E moussu lou Rouget
Qui li bafo al quientet?
(Languedoc: Roque Ferrier.)

(60) Er güer morenito
En la casa stá,
La chumaretada ’Ner cu le da?
(Marin, Cantos, n.° 689.)

(61) Agua bebo
Porque agua no tengo;
Qui si agua tuviera
Vino bebiera?
(Marin, Cantos, n.° 816.)

Que c’est qui peut et tent,
Et le rouge blicque blacque
Qui tout doit au cul il frappe.
Se fait remouvoir chou que est ens?
(Rolland, Dev., n.° 160.)

Sans eau je bois de l’eau,
Triste effet du destin;
Mais beaucoup d’eau
Me fait boir du vin?
(Hilaire le Gai.)

(62) Nós somos dois irmãosinhos
Ambos de uma mãe nascidos,
Ambos eguaes nos vestidos.
Porém não na condição;
Para gostos e tempêros
A mim me procurarão;
Para mezas e banquetes
Fallem lá com meu irmão,
Que a uns faz perder o tino
E a outros a estimação.
(Rio de Janeiro: Vinagre e vinho.)
(63) Uma senhora mui assenhorada
Aceiada no comer,
Mastiga e bota fóra
Engolir não póde ser?
(A serra.)

(66) Vim ao mundo sem ter pae,
Minha mãe morreu queimada
Fiquei uma pobre orfã
De todos mui procurada;
Uns para mim se chegam
Outros de mim se afastam,
Se buscam onde persiste,
Antes do terramoto
Na Patriarcal assiste.
(Lisboa: Cal.)
(67) Verde foi meu nascimento
E de luto me vesti.
Para dar luzes ao mundo
Mil tormentos padeci?
(Alentejo: A azeitona.)

(64) Estou aqui no meu cantinho
Onde todos me vêm vêr
Mastigo e boto fóra
Engolir não póde ser?
(O moinho.)

(68) Capella sobre capella
Capella do mais fino panno;
Não adivinhas este anno
Nem no anno que vier,
Só se eu t’o disser.
(Castelo de Vide: cebola.)

(65) Uma Viuva presumida,
Toda de luto vestida,
E de Flores coroada,
E do Velho perseguida;
Quando o velho a persegue
Ela faz a retirada.
(A noite, as estrelas e o dia.)

(69) Outo batem na calçada,
Quatro olham para o céo;
Um guia a cangalhada,
Outro toca o chirineo?
(Junta de bois; patas, cornos, carreiro e moço.)

No mi trovo a ver acqua,
No bevo altro que acqua;
E s’io avessi dell’aqua
Al mio dominio
Acqua mai no beverei
Mà sempre vino.
(Ap. Marin, i, p. 382.)

Y por darle gusto al mundo
Dos tormentos padeci?
(Marin, Cantos, n.° 458.)
(68) Demófilo, Coll. de Enigmas,
p. 349 (uma versão galega).

(67) Verde fué mi nacimiento
Y de luto me vesti,

(70) En una sala
Stá Dona Ursula,
La cátala, la mirala
La escuchala.
(Marin, Cantos, n.° 308.)

(70) Estando a Dona Princesa
Entre taboas e taboinhas,
Chova que não chova
Sempre está molhadinha?
(Lisboa: A língua.)
(71) Verde foi meu nascimento
E de roxo me vesti;
Na cabeça me puzeram
Uma corôa de rainha;
De dentro de mim tiraram
Cento e uma perola fina?
(Lisboa: A romã.)
(72) Sou filho de paes cantantes
Minha mãe não tinha dentes,
Nem nenhum dos meus parentes,
Eu de mim sou todo calvo
Meu coração amarello,
E o meu rosto é alvo?
(Alentejo: O ovo.)

Tenho um irmão muito agreste
Que de mim sempre anda ausente,
Minha avó, velha enfeitada
Sem bordão não se sustem;
Porque a catem de anno a anno
Dará tudo quanto tem.
(Alentejo: Aguardente, vinho e cepa).
(76) Uma menina entrevada,
Quando sae vae de carrinho,
Quando come lança fóra,
Um treme, um ri, outro chora?
(Alentejo: A peça de artilharia.)
(77) É de carne e não tem carne,
É de osso e não tem osso,
Tem um páo no pescoço,
Tem um olho que lhe chora;
Adivinha o que é isto agora?
(Alentejo: A borracha de vinho.)

(73) De Roma está bem perto,
Uma casa bem ordenada,
E tem corôa
É d’aboboda fechada?
(Alentejo: A romã.)

(78) Ninguirininhim, coitada,
Não tem camisa nem fralda;
Anda por onde anda a gente,
Quando a matam fica contente,
(Alentejo: A fome.)

(74) Anda de buraco em buraco
Sempre com as tripas arrasto?
(A agulha e a linha.)
(75) Sou senhora e não soberba,
De espiritos elevados,
E a muitos homens no mundo
Tenho feito desgraçados:
Tenho um pae bem conhecido
De toda a casta de gente,

(79) Para andar lhe ponho a capa,
E tirei-lh’a para andar;
Que elle sem capa não anda,
Nem com ella pôde andar?
(Porto: O pião e a fieira.)
(80) Toda a gente a pôde vêr e causar,
Mas ninguem vender ou trocar?
(Porto: A sombra.)

(74) De Burato en burato
Vai co’as tripas arrastro?
(Galiza: Demófilo, p. 344; Sauvé, nas Devinettes bretones, p. 95, traz uma variante francesa.)

(79) Atar para andar
Para andar desatar;
Para andar me pongo capa,
Y con ella no puede andar.
(Marin, Cantos, n.os 757 e 758.)

94As adivinhas populares apresentam formas que constituem géneros progressivos; umas vezes são equívocos de linguagem, homónimas e duplo sentido pendendo para o lado licencioso; outras vezes são problemas numéricos, de soma, de multiplicação e finalmente alusão a contos vulgares. Exemplifiquemos:

(81) Estava para passar, não passou,
Porque passou quem passou;
Se não passasse quem passou
Tinha passado;
Passou quem passou, não passo.
(O figo colhido por um viandante.)
(82) Uma dama tão galante,
Nos braços do seu amante,
Com buraco na barriga,
E as tripas adiante?
(A guitarra.)

(85) Estando o durmo, durmo,
Debaixo do pende, pende,
Vem o curro, curro
Para matar o durmo, durmo,
Caiu o pende, pende
Na cara do durmo, durmo,
Correu atraz do curro, curro,
Matou o curro, curro,
E comeu o pende, pende.
(Porto: Rapaz, castanheiro e cobra.)

(83) Uma meia, meia feita
Outra meia por fazer,
Diga-me minha menina,
Quantas meias vem a ser?
(Metade de uma meia.)
(84) «Quatrocentos guardanapos,
Seis vintens em cada ponta,
Diga-me lá por cantigas
Em quanto somma esta conta?
– A conta está bem deitada,
Sem alcaide, nem escrivão;
Quatrocentos guardanapos
Quatrocentos pintos são.
(Alentejo e Brasil.)

(86) Estando dois-pés com pé
Em cima de trez-pés sem pé,
Veio quatro-pés sem pé
Furta-lhe o pé sem pé;
Dois-pés sem pé.
Pega em trez-pés sem pé
Atira-o a quatro-pés sem pé
E quebra-lhe um pé sem pé.
(87) Quem é que foi enterrado
Nas entradas de sua avó,
Que era virgem quando o guardou?
(Minho: Abel.)

95(86) D. Joaquim Costa, na Poesia popular espanola, p. 272, traz esta adivinha como a ouviu no Pirineu de Aragão:

Dos peus se comeba um peu, encima de tres peus, va veni cuatro peus, y furta el peu;

dos peus coge el tres peus lo hi tira a cuatro peus y le rompe um peu.

(87) Un naquit devant que son père,
Et le quart du monde tua,

Sa grand mère depucela,
Revient au ventre de la mère.
(Rolland, Dev., n.° 263.)

96O estado mental que inventou estas formas concretas de expressão, como os mitos, os contos, os anexins e as adivinhas, manifesta-se ainda no metaforismo da linguagem figurada, e no valor que se liga às representações iconográficas dos emblemas. Pode-se dizer que o emblema é uma adivinhação para quem não está na comunhão das ideias que representa, o que tende a converter-se em linguagem, como a senha, a divisa, o brasão, a bandeira. Tal é a relação generativa da arte popular: o emblema de um coração atravessado por uma seta, exprime a paixão amorosa, e acompanhada de uma chave, a fidelidade no amor. Os emblemas foram usados com intuito moral pelos humanistas da Renascença, e ainda hoje os rebus, ou enigmas pitorescos, são as adivinhações das classes ilustradas; as charadas, verdadeiros fenómenos de persistência étnica, fazem compreender como das imagens da escrita ideográfica se passou para a escrita silábica e fonética, processo em tudo semelhante ao fenómeno intelectual da noção concreta ou personificada, que se transforma em ideia geral e abstracta. Estes produtos tradicionais têm uma grande importância psicológica, indicando-nos as vias por onde a actividade mental se deslocou do estímulo espontâneo das relações de analogia para a aproximação indutiva, base de toda a análise racional.

Notes

1 Système de politique positive, t. I, p. 17.

2 Rodrigues Marin, Quinientas Comparaciones Populares Andalusas, p. 46.

3 Ibidem, n.os 102-107.

4 Na língua portuguesa existe um livro curioso sobre locuções e gíria popular intitulado Enfermidades da Língua e Arte em que a ensina a emudecer para a melhorar, por Silvestre Silvério da Silveira e Silva (Manuel José de Paiva), Lisboa, 1760. Embora sem critério científico encerra este livro materiais muito aproveitáveis.

5 Um exemplo de ironia é dizer-se do que caminha a pé: Vai montado no cavalo dos frades, a que corresponde em francês: Aller sur la hacquenée des cordeliers. (Lincy, Proverbes, I, p. 6.)

6 Marin, Quinientas Comparaciones, p. 87.

7 Ibidem, n.° 317.

8 Aulegraphia, fl. 174.

9 Contos Tradicionaes do Povo Portuguez, t. I, p. 120.

10 Mem. de Litterature Antique, p. 35.

11 V. retro, p. 76.

12 Reflexões Históricas, t. I, p. 28. No seu livro Le Pays Basque, traz Francisque Michel o anexim vasconço: Morto na vala, vivo na sala, que se refere ao costume funerário de banquetes nas famílias anojadas. Jorge Ferreira, traz na comédia Eufrosina, p. 45: A de Çaragoça, que morreu chorando doilos alheios, referindo-se ao costume das carpideiras. No Cancioneiro da Vaticana, n.° 620, há uma alusão ao costume de semear o morto:
Se assim for, por mim podem dizer
que fui eu a que semeou o sal.

13 Almanach de Lembranças, para 1868, p. 363.

14 Chants populaires des frontières méridionales de l’Ecosse, t. IV, p. 49.

15 Op. cit., p. 29.

16 Sciencia Nova, liv. I, «Estabelecimento dos princípios, xxii».

17 Francisque Michel, no Pays Basque, p. 34, traz a forma euskariana: Roma não se fez em uma hora.

18 Op. cit., t. I, p. 96.

19 Mythologie zoologique, t. I, p. 247.

20 Ibidem, t. I, p. 248.

21 Introdução à Hist. da Litteratura Brazileira, p. 123.

22 Gubernatis, Myth. des Plantes, t. I, p. 210, nota 3.

23 Colloquio dos Simples e Drogas, fl. 88 v.°

24 Ibidem, fl. 224.

25 A Volta do Mundo, vol. I, p. 280.

26 Notícias reconditas y postumas de las Inquisiciones de Espana y Portugal, p. 94, 1722.

27 Questões de Litteratura e Arte Portugueza, p. 267.

28 Mythologie zoologique, t. I, p. 410.

29 Mem. Hist. da Villa de Niza, t. ii, p. 57.

30 Comédia Eufrosina, p. 27.

31 Sá de Miranda, Obras, p. 97.

32 Contos Tradicionaes do Povo Portuguez, n.° 105.

33 Hist. de la Litteratura Española, t. III, p. 418.

34 Ap. Annaes das Sciencias e das Lettras, t. I, p. 415.

35 Obras, p. 229, ed. 1804.

36 Feira de Anexins, p. 135.

37 Smith, Hist. des Druides, p. 54, nota c.

38 Cartas, p. 211.

39 Colloquios, fl. 88 v.°

40 Historias de Proveito e Exemplo, pp. 51 e 116.

41 Comédia Eufrosina, p. 7.

42 Comédia Eufrosina, p. 42.

43 Ibidem, p. 159.

44 Padre Torquato de Azevedo, Memorias Resuscitadas, p. 307.

45 Nova Floresta, t. III, p. 383.

46 Comédia Eufrosina, p. 43, ed. Farinha.

47 Rodrigues Marin, Contos Populares Españoles, t. II, p. 186.

48 Demofilo, Colleccion d’Enigmas, p. 306, Sevilha, 1880.

49 Feira de Anexins, p. 156.

50 Civilisations primitives, t. i, p. 110.

51 Geographia, liv. III, cap. 1, § 9.

52 G. Guizot, Menandre, p. 141.

53 Obras, t. I, p. 15.

54 Demófilo, Colleccion de Enigmas, p. 354. Rolland nas Devinettes ou Enigmes populaires de la France, p. 155, traz outra variante; v. o estudo de Köhler, no Orient und Occident, vol. II, p. 688, e na Melusine, vol. i, col. 200, apontando-se este mesmo enigma na Finlândia,, na Albânia e na Sérvia.

55 A. Thomaz Pires, Adivinhas Portuguezas da Tradição Oral do Alentejo, n.°51; cita uma variante espanhola, em Rodrigues Marin, n.° 627.

56 A. Thomaz Pires, Adivinhas do Alentejo, n.os 58 e 59.

57 Thomaz Pires, Adivinhas do Alentejo, n.° 46.

58 Servimo-nos para esta notícia do artigo do Dr. Sousa Viterbo, no Commercio Portuguez, n.° 277, de 1882 (VII ano.)

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search