Version classiqueVersion mobile

O povo português II

 | 
Teófilo Braga

Tradições e saber popular

Livro III

Texte intégral

  • 1 Système de politique positive, t. III, p. 79.

1No livro genial da Sciencia Nova, iniciou Vico o estudo dos fenómenos demopsicológicos, a que ele chamou a sabedoria poética das nações. As aquisições das experiências de cada geração e idade não se perdem, transmitem-se tradicionalmente, fecundando os espíritos para novas descobertas; elas constituem a base de um consenso moral, em que as paixões e interesses se harmonizam, e como síntese especulativa estabelecem entre opiniões e os costumes uma progressiva conformidade. Esta dependência da tradição é explicada lucidamente por Comte pelo seguinte facto psicológico: «O espírito humano, mais apto a aperfeiçoar do que a crear, não pode bem assentar as suas especulações senão sobre uma primeira execução da empresa que ele prossegue.»1 A esta ordem de estudos deram os críticos alemães e ingleses o título de Folk-Lore, sem contudo entrarem ainda na reconstrução da psicologia do homem primitivo, nem dos estados sociais correlativos, como o pressentira Vico.

2A forma do conhecimento e o carácter das concepções mentais são os mesmos, tanto nos espíritos que se elevaram à maior capacidade de abstracção, como no povo que elabora as suas noções concretas. Parecerá talvez um paradoxo, mas não é, como se vê pela história do pensamento humano: as altas especulações dos filósofos exercem-se sobre dados objectivos ou realidade (escola jónica), e sobre elementos subjectivos ou representações da consciência (escola eleática). A justa relação de dependência entre estes dois elementos essenciais do conhecimento tem sido o trabalho capital dos principais pensadores da humanidade. Se examinarmos as concepções populares, vê-se que prepondera nelas também este dualismo; porque as suas concepções são formadas pelo sincretismo entre a aparência, ou impressões recebidas, e a realidade percebida através dessas inconscientes modificações sensoriais.

3É por isso que o povo exprime-se sempre por tropas ou a equivalência aproximada e comparativa da linguagem figurada com que significa noções vagamente concebidas. Quando o povo dá às aparências da sua impressão subjectiva o relevo da realidade, é então que elabora espontaneamente os mitos, esboço generativo de toda a poesia; se, porém, a realidade concreta é modificada pelas impressões recebidas, como acontece com os factos narrados por diferentes pessoas que simultaneamente os observaram ou os conhecem, essa narrativa, também poética, denomina-se Lenda. A mente do povo paira nesta suspensão, em que a vibração emocional supre o estímulo de inteligências sem interesses especulativos; os conhecimentos, noções e concepções populares são pois, segundo a frase de Vico, uma sabedoria poética.

4É neste sentido que os compreendemos nesta parte do nosso trabalho o estudo dos tropos, anexins, adivinhas, cantos líricos e heróicos, formas dramáticas, contos, lendas, relações ou literatura de cordel e reminiscências da História nacional portuguesa.

Notes

1 Système de politique positive, t. III, p. 79.

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search