Version classiqueVersion mobile

O povo português II

 | 
Teófilo Braga

Crenças e festas públicas

Livro II

Texte intégral

  • 1 Politique positive, t. iii, p. 79.

1Em qualquer grupo humano a ordem social baseia-se no acordo dos sentimentos. A actividade é motivada pelas necessidades egoístas, e a capacidade especulativa é tão rara e absorvente, que aquele que pensa toma-se inábil para a vida prática. A actividade. pela dependência do concurso subordina-se ao sentimento, como vemos pela noção de honra, e o pensamento quando influi na transformação de uma época, é pelo sentimento que universaliza as ideias abstractas. A acção comum, que distingue a vida pública ou de nação, tira o seu impulso constante das sugestões afectivas. Diz Comte: «O serviço habitual do sentimento exige alternativamente a satisfação dos impulsos e a comunicação das emoções.»1 As crenças são o elo principal da transição da vida doméstica para a vida pública, representando sempre em todos os seus estados e transformações o esboço espontâneo de uma síntese afectiva. As crenças populares e nacionais, que formam o objecto deste livro, dividem-se em dois grupos: as crenças que são restos de religiões extintas que pertenceram às raças que ocuparam a Península Hispânica, mas que sobrevivem, mau grado o exclusivismo das outras crenças que constituem a religião do estado, impostas oficialmente, apropriando-se dos elementos míticos e cultuais anteriores já desnaturando-os, já perseguindo-os. (Fas et nefas).

2O encontro destes dois grupos hierológicos determinado por diversas situações históricas provoca um terrível conflito, em que a religião do estado sendo levada até ao canibalismo da Inquisição, os cultos decaídos fortificaram-se na alucinação patológica da feitiçaria e possessão demoníaca. Apesar, porém, desse eterno antagonismo, os dois grupos fusionaram-se como se vê pela persistência de certas práticas supersticiosas nas próprias festas do catolicismo, constituindo ambos ainda hoje a principal síntese afectiva do povo português.

Notes

1 Politique positive, t. iii, p. 79.

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search