Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XIX Vocabulário1

Texte intégral

A

  • 1 Uma parte deste vocabulário saiu no Folk-lore Varzino, de Cândido Landolt (1915), mas nem sempre be (...)

1Abinhar – Torcer fio de rede (linho fiado nas rocas).

2A Caça – O conjunto de redes com que o barco anda ao mar.

3Acadimar – Sujeitar-se ao trabalho.

4Adornar – Inclinar o barco para um dos lados.

5Agachado – Escnodido.

6Agantar – Segurar.

7Agasalho – Comida e bebida que se dá no fim do trabalho.

8Agastado – Zangado.

9Agulha – Instrumento de fazer rede.

10Agulha de marear – Bússola.

11Ala arriba – Grito ao puchar o barco da água para o areal.

12Alar – Puxar para cima (as redes, os barcos, a âncora, etc.)

13Alfenim – Coisa muito fina.

14Algaço – O mesmo que argaço.

15Aluivai – Ei-lo, aí vai.

16Amarrar à proa – Ir amarrar a lancha à bóia da caça lançada no mar.

17Ámeno – Ânimo.

18Amparo – Capela no lugar da Senhora do Amparo, perto da Apúlia.

19Andar de regalo – Andar de carro, comboio, barco, etc.

20Antão, atão – O mesmo que então.

21Anzoneira – Onzeneira.

22Anzonices – Actos de onzeneiras, mexericos.

23Aparelho – Redes prontas. Chamam também aparelho à corda nova para a rede.

24Arca (do peito) – «Caiu-me o sangue na arca».

25Arcála – O espaço entre os dois nós do entralho que amarram a corda à rede. Ex.: «Os chumbos (ou cortiças) são colocados de três em três arcálas».

26Ardido (Peixe) – Peixe que não é fresco e tem mau gosto.

27Argaço – Algas do mar. Conjunto de algas marinhas.

28Arrasto – Rede própria para o mexoalho.

29Arremedar – Anunciar.

30Arrear – Largar, deixar, descer do alto.

31Ar ruim – Paralisia.

32Assefecado – Sufocado.

33Assejar – Esperar fora da barra o momento de entrar.

34Assejo – Lugar fora da barra onde o mar não faz dano nas maresias e onde se espreita o ensejo de entrar a barra.

35Assobicar – Socar, esmurrar o nariz (ou assobicar?).

36Assúpete (de súpeto?) – Impetuoso, nervoso.

37Atrunchar – Apertar muito de encontro a qualquer coisa.

38Ausentar – Rapaz que melhora de situação dentro do barco, passando a ganhar mais um quarto.

39Averiguar – Aviar, servir um freguês, desquitar.

B

40Badola – Lorpa, pessoa simplória, bondosa.

41Badeleira – Falar de mais e em inconveniências.

42Baliza – Bóia de cortiça com ramos de loureiro que se amarra às pontas da caça que serve para procurar esta no mar.

43Balo – Muro. (Valo).

44Banda – A corda que liga à baliza (bóia à tona da água) com a caça que está no fundo.

45É formada pelas cadoiras, boçadas umas às outras, até darem a altura das braças da fundagem do mar onde se lança a caça.

46Bandalho – Peixe colhido em mau estado.

47Banhos – Proclames do casamento.

48Barais – Varas estendidas sobre forqueiras para secar as redes. (Varais).

49Barar – Puxar o barco sobre paus para o areal, fora da língua das marés. (Varar).

50Baras – Pano de lã para fatos de pescadores.

51Bargada (Rede da) – Rede a seguir à da bóia.

52Barria – Peixe em cardume.

53Bartedoiro – Instrumento de madeira cavado e com asas que serve para escunchar o barco. (V. figura). (O mesmo que vertedoiro?).

54Batel – Barco abaixo em tamanho da lancha-pequena.

55Batelada – Sinónimo de fartura de comida, às refeições.

56Bater à baleia – Bater continuamente no corpo, cruzando os braços, para efeito de aquecer.

57Bastuces – Nome de um mar em que lançam as redes da pescada.

58Belena – Mentirosa, intrigante, mexeriqueira (de Ana Bolena ? ).

59Benda – Taberna, mercearia, tudo que vende comestíveis (Venda).

60Benta – Furúnculo ou lesão da pele semelhante.

61Bentre – O alvo no jogo da bola.

62Ber – Ver.

63Bergas – Varas para içar o pano do barco. (Vergas).

64Béstia – O casaco. (Veste).

65Bertoeja – Erupção cutânea.

66Bicheiro – Instrumento com que caçam os polvos.

67Bileza – Beleza.

68Biqueiro – Com fastio.

69Bir na proa – Vir na frente, adiante dos outros.

70Bitola – Medida que serve para entralhar as redes.

71Boçar – O mesmo que amarrar.

72Bocê – Você.

73Bóia (Rede da) – A primeira rede da caça que amarra à banda das cadoiras.

74Boiréis – Rolos de cortiça presa com pinos de madeira (V. figuras) que servem para conservar na altura desejada a rede sardinheira, quando lançada ao mar.

75Bolacha – Bofetada.

76Borta – Volta.

77Bossemecê – Vossa mercê.

78Boto – Da família das toninhas.

79Boubinhas – Pequenas feridas nas crianças.

80Branqueta – Pano de lã, preto ou branco, fabrico manual dos povos de junto à serra da Estrela, destinado às saias das poveiras.

81Bresuntar – Untar, borrar.

82Brume – Brumo, matéria purulenta.

C

83Cacáda – Atirar loiça inutilizada.

84Cachola – O alvo do jogo a pela.

85Caçonito – Mauzinho, mafarrico.

86Cadoira – Três cordas unidas, amarradas de meio em meio metro, destinadas à banda que liga a caça à baliza.

87Caíco – O barco menor.

88Cair o sangue na arca – Assustar.

89Caixão – Lugar na ré do barco, onde dorme o mestre.

90Caldeirada – Refeição mandada confeccionar pelo mestre para toda a tripulação.

91Calhorda (Feito à) – Mal feito.

92Calmeiro – Calmaria.

93Camarata – Espécie de pequena alcova sem portas, onde dorme o poveiro e onde cabe só a cama.

94Camarote – Quarto com porta sem vidros, entre as camarêtas.

95Cambitos – Postas de raia seca.

96Cambra – Câmara Municipal.

97Canada – Dois litros.

98Caneicho – Esquerdo.

99Cangar (de canga) – Ficar preso, prender, gravidar (fiquei logo cangada).

100Cano – Marco fontenário.

101Cantar – Apregoar, dizer em voz alta a marca ou o preço do peixe.

102Cantas – Quantas.

103Canté – Quem dera! Oxalá.

104Capelo ou bico – Extremidade da quilha que sobreleva a proa e aonde amarram os cabos de fundear.

105Caralheira – Rapariga brincalhona, estouvada.

106Caralhudo – A tripa do peixe sapo.

107Caramelho – Cravelho.

108Carga ao mar – Vomitar.

109Carrela – Padiola.

  • 2 É muito vulgar em viagens longas, os poveiros conduzirem os filhos às carranchas, enlaçando-lhe as (...)

110Carranchas (As) – Ir aos ombros de alguém2.

111Car’t’aí – Cala-te aí.

112Cartel – A meia rede da pescada.

113Carto – A meia rede da pescada.

114Carto – Medida de cereais de 5 litros. Um quarto.

115Casas grandes – Paços do Concelho, onde estão instaladas as autoridades administrativas e judiciais.

116Catalão – Carapuça de lã, oriunda da Espanha.

117Cafulo – Monte, cogulo.

118Catraia – Barco mais pequeno do que o batel.

119Catraio – Rapaz pequeno.

120Ceibo – Recinto sem divisões, nem compartimentos. Campo sem muros (Seivo ? ).

121Ceifa – Temporada de 8 a 15 dias em que uma caça anda ao mar sem as suas redes serem substituídas.

122Chama – Pequeno pau que serve para armar os remos.

123Chamaceira – Buraco na borda do barco aonde se coloca a chama para se colocar o remo.

124Chico – Porco, cevado.

125Chinchar, chinchadela – Morder, uma ferradela.

126Chiniquinho – Bocadinho.

127Chisca-te – Sai-te daí, retira-te daí, vai-te daí.

128Chomar – Chamar.

129Chumbeiro – Corda da rede, onde é enfiado o chumbo ou amarradas as pedras.

130Chupante e chupista – Que gosta de viver à custa do alheio.

131Chupar – Enganar os outros.

132Cobres – Dinheiro.

133Cochar – Abrir e estripar o peixe.

134Cocheicha – Parte carnosa da raia, junto da guelra.

135Cogiar – Vigiar, espreitar, observar, procurar e revistar.

136Coice – A parte baixa da ré aonde é pregada a ferragem de enfiar o leme.

137Coifa – Touca.

138Coifo ou cofo – Covo, «bacia ou prato coifo».

139Coiro – Vide peixes de coiro.

140Coives – Couves.

141Comesto – Comido.

142Companha – A tripulação de um barco; a reunião das mulheres para a divisão dos ganhos, «fazer a companha», «ganhos em comum», «ir de companha».

143Cordo – Caldo.

144Corpo aberto – Aonde entrou um espírito e dentro dele fala.

145Corredoira – Corrida; correr muito depressa.

146Corredor – Lobisomem; o que corre o fado de noite, transformado num animal.

147Correnteza – Corrente de água veloz.

148Cofiar – Larachar, brincar, fazer pouco de alguém.

149Cosimento – Ligação dos cartéis e dos quinhões por um entralho para completar uma rede.

150Crausto – Cáustico.

151Crena – Pintura dos barcos a breu.

152Cretos ou creatos – Créditos. Levantar crétos a alguém, e caluniar.

153Creaca – O mesmo que careca, calvo. Crosta dos penedos que raspam para aplicar em adubos nas terras.

154Coirinhos – Paninhos dos recém-nascidos; borbulhas que lhes nascem na pele do rosot. O mesmo que cueirinhos.

155Cumpanheiro – O sócio na propriedade da embarcação.

D

156Dadas – Linfangige da mama.

157Damos – Dámaso. O tio Dámos.

158Dar o corpo – Entrar com o esforço pessoal para uma sociedade.

159Desapena-me – Livra-me deste enfado.

160Desapenar – Livrar de penas.

161Descangar – Soltar-se, desprender-se.

162Desquitar – Sair as secundinas.

163Desseibar – Atirar alguém ou alguma coisa, com força contra o chão ou contra a parede, mais do que uma vez.

164Deitar posturas – Separar sociedade de propriedade nos barcos.

165De varada – Ir ou vir depressa.

166Devisa – Desenhos de um barco que o distinguem dos outros.

167Dia da hora – Quinta-feira da Ascenção; dia do Senhor dos Milagres.

168Diaço, diacho, dialho, dianho e demonho – Diabo.

169Diarrens – Dez reis.

170Duzas – Dúzias.

E

171É esfalecido – É falecido.

172Eiroga – (Vide Eroga).

173Emento – Pequeno laço de entralho que liga as pedras à corda do chumbeiro da rede.

174Embecilhos – Resultado de envencilhamentos.

175Encascar – Tingir as redes para as conservar.

176Encarrilhar – O barco singrando no dorso das ondas.

177Enchoiriçada – Com muita roupa, como um ouriço, como um chouriço.

178Enfiamentos – Orientação, colocando-se na direcção da recta que una dois pontos notórios de terra (relevo do terreno, construção, etc.)

179EngodarNa mar : Atrair engenhosamente com espécies gordurorsas (engodo) o peixe para junto dos anzóis das linhas, ou das redes. Em terra: Emprego de boas palavras, que não traduzem o sentir de quem as profere para conseguir os seus fins.

180Engrazolar – Enganar.

181Enguiço (Com) – Crianças tolhidas, anémicas.

182Ensurrascar – O mesmo que enfarruscar.

183Entralhar – Fazer a ligação das cordas do chumbeiro e cortiçada à rede, com entralho.

184Entralho – Fio grosso de linho, aplicado no chumbeiro e cortiçada das redes.

185Enviadas – Pequenas embarcações com parte da tripulação de uma lancha.

186Enxurrar – Atirar o barco à praia quando a maré desce para ficar em seco na areia.

187Esbandalhar – Desfazer.

188Escamejar – Peixe ardido. Sensação de ardência na língua. Diz-se que o peixe ardido escameja,

189Escapula (Dar) – Fuga.

190Escochar – Abrir o peixe.

191Escoma – Espuma.

192Escopeiro – Pau, tendo na extremidade um rodilhão de pele de carneiro, destinado a servir de brocha para pintar com breu as embarcações.

193Escunchar – Esgotar.

194Esfórfado – Cansado.

195Esguinar – Mudança rápida de direcção, dobrar à esquina, guinar.

196Espedir – Estar a expedir, é estar a morrer.

197Espiche – O pau da baliza.

198Espírito da vida – Tintura de Benjoim composta.

199Está desfalecido de todo – Sem forças, desmaiado, à morte.

200Estardalho – Termo injurioso.

201Estar de capa – Contra o vento, sem andar, observar.

202Estarrecido – Aterrado.

  • 3 É curioso notar que este termo tomou na Póvoa significação contrária à primitiva (êsto é preamar), (...)

2031Esto3– Uma maior vasante que a do costume, proveniente de uma maré viva.

204Estou empenhado – Está obrigado, por contrato verbal, a levar redes da parceira, durante um ano.

205Estralho – Linha de pesca, usada pelas crianças nos penedos da costa.

206Estresicado – Magro, muito fraco.

207Estrôbo – Linha aonde se segura o anzol (estrôvo).

F

208Fábrica – Armazém de arrecadação dos aprestos do barco.

209Falso – Sótão.

210Farda – Fato dado no fim do ano, pela parceria ao meeiro.

211Daróis do Governo – Faróis do Estado.

212Farol da Lapa – Farolim em cima das traseiras da capela-mor da igreja da Lapa, que só se acende quando há mar, maresia.

213Farelhudo – Com muitos ramos (árvore farelhuda).

214Fazer companha – Partilha pelas mulheres dos dinheiros ganhos durante a ceifa.

215Fazer lastro – Comer para beber melhor.

216Feito à calhorda – Tudo que é mal feito.

217Fieiro – Locais junto da praia, aonde os pescadores se reúnem para observar o tempo.

218Finíssimo – Tempo bom, muito seguro.

219Fino – Bom tempo (manhã fina, dia fino).

220Fôna – Indivíduo sem importância.

221Forga – Folgar ; nome que as crianças poveiras dão às suas diversões.

222Fôrmas – Botões de vestuário, jogar a fôrma.

223Furniaca ou furneca (de furna) – Cavidade nos penedos, buracos.

224Forqueira (de forca) – Os paus que sustêm os varais para a seca das redes.

G

225Gafo – Crustáceo que não se come, fraco.

226Gamiala, gamela – Tabuleiro de vender peixe, concha de madeira de guardar o fermento do pão.

227Gandiar – Passear sem cuidados.

228Ganha-pão – Saco de rede aberto por um arco, com cabo de madeira, próprio para apanhar sargaço ou peixe que descangue da rede.

229Garte (de baixo, daí) – Foge, guarda-te.

230Geito – Bandos de aves marinhas, sobre o mesmo ponto do mar; mascato em mergulho, indicando a presença da sardinha.

231Gibartado e gibaltado – Exaltado.

232Gorgulhada – Borbulhas no mar, provocadas pelos cardumes do peixe.

233Gôrna – Boina espanhola.

H

234Homem da terra – O que não é pescador; este é homem do mar.

235Homem de respeito – Os homens considerados na classe, que servem de árbitros nas questões entre eles.

I

236Imbigo – Umbigo.

237Imento – O mesmo que emento.

238Imprebe (de imprebir) – Proibe.

239Incala – O laço de entralho que liga a rede à corda.

240Ingeste – Existe, resiste.

241Inimigo – O demónio.

242Inorar – Censurar – ex. : Tal facto foi inorado por todos que dele tiveram conhecimento.

243Ir à maçaleita – Ser conduzido sentado nos braços de duas pessoas.

244Iroga – Raia grande.

J

245Janeiro – A época da safra da sardinha de Santos (Outubro) à Senhora da Guia (Fevereiro).

L

246Labrador – Chamar lavrador a alguém é o mesmo que dizer-lhe que não sabe nada da arte do mar.

247Lancha – O barco maior do poveiro.

248Lanchão – Pescador tripulante da lancha.

249Laparoto – Lorpa.

250Lascou – Lascar. Termo que o pescador de linha emprega quando sente que o peixe se desprendeu do anzol.

251Lemiste – Coisa que brilha; « a minha calça tem fios de lemiste» (fios de seda brilhantes). – Pano lemiste – pano piloto, da melhor qualidade.

252Lestras – Ervas cheirosas, colhidas no dia da Hora, e que perfumam as redes e as roupas.

253Leterado – O mesmo que letrado.

254Levar d’home – Rapaz que leva para o mar a mesma quantidade de redes que um homem.

255Limbos (limos) – Pequenas algas que se encontram nas poças dos penedos da costa.

256Loje (loja) – Estabelecimento de fazendas.

257Lo-ló (ir a) – Ir à deriva.

M

258Macina – Vacina.

259Macinar – Vacinar.

260Madeira – Nome genérico para designar todos os aprestos de madeira : Leme, verga, mastro, polé, etc.

261Mafo – De boa qualidade, magnífico. O contrário de gafo.

262Mal de inveja – Maus olhados.

263Malhar – Cangar na malha.

264Mancebo – Móvel em madeira de pendurar a candeia.

265Maneiro – Pequeno, de não levar a porção que se deseja.

266Mangar – Falar a brincar.

267Mar bibo – Mar de mais vaga que o do costume, sem contudo atingir a maresia; mar de cautela. (Mar vivo).

268Mariado – Avariado. Enjoado pelo mar.

269Mariar – Erguer o pano da vela para navegar.

270Má roins – Doenças venéreas.

271Marvado – Malvado.

272Mascato – Grande ave marinha que com o seu mergulho rápido de bastante altura, indica a existência da sardinha.

273Meada sem costal – Negócio embrulhado.

274Meitade – Metade.

275Mês das almas – Novembro.

276Mestre – Arrais do barco.

277Mieiro (meeiro) – Pescador que leva redes a ganho.

278Migalheiro – Mealheiro.

279Minino e nino – Menino.

280Moinante – Pouco trabalhador, que anda à moina.

281Mórcino – Malsino, malsim.

282Morrinha – Doença da pele de certos animais; o mesmo que molinha, chuvisco.

N

283Nassa – Armadilha de rede para a caça da faneca.

284Natal – Dezembro.

O

285Ogar – Desejar uma coisa que outros estão a comer na sua presença, aguar, ougar.

286Oirada – Adornada de ouro.

287Oivistes? – Ouvistes.

288O pecado – Acção que Deus castiga.

289Opinioso – Que tem opinião (no sentido de presunção, vaidade).

P

290Paneiro – Estrado aonde colocam as redes encascadas.

291Paneiro da fábrica – Estrado aonde colocam a vela e cordame do barco.

292Pano berre – Tecido de lã, vermelho, para os coletes e saiotes das mulheres.

293Pano da cara – As manchas da mulher grávida.

294Pano ferro – Pano cru.

295Pais de rapaz – Os pescadores que fazem a obrigação no mar.

296Parceira – A sócia que dá redes e faz abonos ao meeiro.

297Peças – Certas redes sardinheiras.

298Pego (O mar quebra ao) – Mal se forma a vaga, lá muito ao longe.

299Peixe – Para o poveiro, todos os animais marinhos, mamíferos, são peixes.

300Peixes de coiro – Cação, lixa, peixe gato, melga, etc. Termo depreciativo com que designam os homens que não são da classe.

301Pescar – Caçar peixe. Perceber, entender.

302Pescaria – O peixe caçado. A classe pescatória.

303Petar – Provocar.

304Pidir – Pedir.

305Pilado – Mexoalho ou caranguejo, destinado ao adubo das terras.

306Pinha do penedo – Marisco chamado perceba. (Perceve).

307Piorro – Maranha de redes.

308Polé – Roldana de madeira, para auxiliar o alar das redes. (V. figura).

309Posturas (Ter) – Dissolver sociedade.

310Possilidades – Possibilidades, teres, posses.

311Prantar – Plantar. Coloca aí.

312Precinta – Faixa.

313Prebenda – Para o pescador, prevenda é uma dádiva de valia.

314Presigo – Peixe preparado para comer.

315Pra riba – Para cima.

316Probinda – Pobrezinha.

317Profundo – Mar cuja profundidade é superior às braças dadas às cadoiras da caça e que obriga ao mergulho das balizas e à perda das redes, arrastadas pela correnteza da água para aqueles fundos. « A caça foi pelo profundo dentro.»

Q

318Queijos – Queixos.

319Quillhar – Colocar a quilha no barco. Ser prejudicial ou falso a alguém.

320Quilho – Quilo.

321Quinhão – Meia rede da sardinha; a parte que lhe pertence nos ganhos.

322Quitas – As secundinas.

R

323Rabaje – Nuvens ténues no horizonte.

324Rabisco – Regular quantidade de peixe colhido pela caça.

325Rabujento – Impertinente, enfadonho, que aborrece.

326Rampeda – Rampa.

327Raposinho – O mau cheiro do suor e das roupas de gente pouco asseada.

328Rasca – Rede de caçar raias, lagostas, rodovalhos, etc. Adjectivo de má qualidade.

329Rasgadão – Miserável.

330Rasqueiro – Barco que pesca com rasca; tripulante do mesmo barco.

331Recegar – Percorrer o fundo do mar, com um gancho, em procura da caça das redes, sem bóia. (Rocegar).

332Rebojo do tempo – Mudança de tempo para mau, na lua nova.

333Rede branca – Rede nova, com a primeira casca.

334Rede da segunda água – Rede nova com poucas ceifas no mar.

335Remexida – Mulher de má nota, pecadora pública.

336Repelão de vento – Rajada de vento.

337Repestelada – Vaidosa.

338Repeteira – A que revende o peixe.

339Resalgar – Veneno.

340Resingar – Ralhar em voz baixa consecutivamente, repisando as mesmas expressões.

341Ressaca – Retorno da vaga, perigoso pela força.

342Ressalga – Salga de peixe com sal velho das tinas.

343Restirar-se – Estender-se no chão.

344Restolho – Barulho.

345Rexio, rexio da maré – Corrente da água impetuosa.

346Revortoso – Revoltoso.

347Riandola (Estou com) – Estou com fraqueza, mole, com pouco desejo de trabalhar. Preguiçoso.

348Roção – Rede que o barco traz ao mar para amparo da viúva do companheiro.

349Roda da faneca – Local aonde vai pescar o fanequeiro.

350Rodilheira – Belena, mentirosa, mexeriqueira.

351Roibar – Roubar.

352Roncadeiras – Ondulação viva produzida pelo vento.

353Rópento – Cheio de rópia.

354Rópia – vaidade, orgulhoso.

355Roupa da polé – Roupa do trabalho do mar.

S

356Saca-te – Sai de aí.

357S. João – O mês de Junho.

358S. Miguel – Setembro.

359S. Tiago – Julho.

360Santo André – O mês de Novembro.

361Santos – O mês de Outubro.

362Sanselimão – Signo de S. Solimão.

363Saôto – O mesmo que saiôto (saiote). Saias de baixo em vermelho e xadrês.

364Saragoça – Mulher mal comportada. Pano da Serra, em cor castanha, próprio para roupas do mar.

365Sardinha como espadas – Grande, muito fresca.

366Sarrabalho – Barulho.

367Sarvamento – Salvamento.

368Senhora da Guia – Mês de Fevereiro.

369Serrobica – Termo empregado no jogo da pela, pela poleira, que significa que por todos os lados é caminho, menos o que conduz à cachola.

370Sineira – Corda que liga o boirel à rede da sardinha para manter esta à altura que se deseja.

371Sopas por debaixo – Fatias de pão no fundo das bacias com peixe, muito apreciadas pelo poveiro.

372Sujigar – Agarrar, segurar.

373Surrasco – O mesmo que farrusco, manchas de carvão ou fuligem.

T

374Tabolar – Falar alto.

375Tala – Amolador da faca.

376Talhar o ar – Bonzedura com defumadoiros.

377Tamem – Também.

378Tarrineiro – Homem que compõe louça partida. Chamar tarrineiro a alguém é dizer-lhe que nada sabe da arte do mar.

379Tarrote – Pardal. (Melhor terrote?).

380Temeroso – Tímido, medroso.

381Ter alminha – As crianças só têm alminha depois de baptizadas.

382Ter bons aparelhos – Boas redes e bons aprestos marítimos.

383Tercilho de azeite – Medida : um oitavo de litro. O termo tercilho (quarteirão de quartilho) só se emprega quando se quer azeite.

384Terçolho – Furúnculo das pálpebras.

385Ter contratos com uma mulher – Actos ilícitos.

386Terrenho – Próximo da costa.

387Ti – Abreviatura de tia, empregada sempre em lugar de senhora : Ti Ana.

388Toada – Notícia de haver sardinha, peixe em tal mar. Ir à toada.

389Tomar – Pescar peixe.

390Tralha – Corda do chumbeiro e cortiçada das redes.

391Trancho – Sardinha mutilada pelo caranguejo.

392Travado – Quando o freio da língua não deixa falar bem.

393Trincho – O testo das panelas.

394Trinchuda – Tronchuda, hortaliça.

395Trobulhada – Mau tempo que surge de repente. Grande quantidade de peixe que surge e aperta a caça das redes.

396Troufe – Trouxe.

397Trombicar – Estragar. Ser prejudicial, falso a alguém. Ir às trombas de alguém.

U

398Ugalha e igualha – Da mesma categoria, empregado sempre em sentido depreciativo; «eu não sou da tua ugalha».

399Ugar – Chegar a tempo.

400Unleado e enleado – Oleado.

Z

401Zangarelho – Escancelado, estropiado.

402Zarro – Fraco.

403Zipela – Erisipela.

404Zípela – O mesmo que zipéla.

405Zocha – Pião bojudo, cujo eixo de rotação é um pouco menor que o maior diâmetro.

406Zoeira – Surda, com balda.

407Zoina – Marota, atrevida, malcriada.

Notes

1 Uma parte deste vocabulário saiu no Folk-lore Varzino, de Cândido Landolt (1915), mas nem sempre bem traduzido, motivo por que voltamos a registá-lo.

2 É muito vulgar em viagens longas, os poveiros conduzirem os filhos às carranchas, enlaçando-lhe as pernas pelo pescoço.

3 É curioso notar que este termo tomou na Póvoa significação contrária à primitiva (êsto é preamar), talvez por às maiores preamares das marés vivas corresponder uma maior vasante.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search