Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XVIII Cancioneiro poveiro

Texte intégral

CANTIGAS

  • 1 Variante: «Os anjinhos a remar».
  • 2 Padroeira dos pescadores poveiros.
  • 3 Levam.
  • 4 Lameirão – Local do mar à Terra da Pedra.

Vamos ver a lancha nova,
Que se vai deitar ao mar.
Nossa Senhora vai dentro,
Os anjos vão a remar1.
O cantar é para os anjos
Senhora da Conceição.
Eu a cantar alivio,
As penas do coração.
Minha Senhora da Graça,
Dai-me graça ao cantar;
Minha mãe não tem dinheiro,
Nem dote para me dar.
Minha Senhora da Guia,
Guiai os homens no mar,
E mais a minha lanchinha,
Bem na vedes navegar.
Minha Senhora da Guia,
Guiai os homens casados;
Também guiai os solteiros,
Que andam mal encaminhados
Rico Senhor dos Milagres,
Vossa estrada pedras tem ;
Se não fizesses milagres,
Não vos ia ver ninguém.
A Senhora da Bonança,
Tem uns sapatinhos brancos,
Para passear na praia,
Domingos e dias santos.
A Senhora da Assunção2,
Muito oiro tem no mar;
Por muito que ela lá tenha,
Muito mais tem no altar.
A vida do marinheiro,
É uma vida triste e dura,
Pois toda a vida trabalha,
Em cima da sepultura.
Hei-de pegar na branquela,
Hei-de calcá-la aos pés,
Primeiro que tu me logres
Hei-de saber quem tu és.
Ó mar que és vivo e não falas,
Água que corres, não cansas;
Agora é que estou para ver,
As tuas determinanças.
Até o mar é casado,
Até o mar tem mulher;
É casado com a areia,
Bate nela quando quer.
No mar se andam criando,
Peixinhos que nadam bem ;
Também me ando criando,
Para o amparo de alguém.
Alerta, pombinha, alerta,
Alerta, que Deus não dorme.
Quem tem telhados de vidro,
Quer descansar e não pode.
Já o sol minha menina,
Não nasce aonde nascia;
Já não morre por amores,
Quem só por amores morria.
Pescador que vais ao longe,
Tu guia bem o navio;
Lá dentro vai meu amor,
Não lhe dês nenhum desvio.
Do fundo do meu quintal
Eu vi as telhas cair,
Também vi da tua casa,
O meu amor a fugir,
Quero bem ao vento norte,
Que é vento da minha terra;
Também quero bem ao sul,
Que me faz andar à vela.
Nas ondas do teu cabelo,
Vou-me deitar a afogar,
Para que o mundo saiba,
Que há ondas, sem ser no mar.
Adeus, ó rio do Porto,
Onde a água faz balanço,
Quem tem dinheiro, tem tudo,
Quem tem homem, tem descanso.
Ai! a morte quando vem,
Com a vassoura, varre a eito;
Varre pobre, varre rico,
A ninguém guarda respeito.
Ondas do mar abrandai,
Que eu quero caçar um peixe,
Para deixar este mundo,
Antes que o mundo me deixe.
Eu fui esta noite ao mar,
Pesquei um peixe do rio,
É para a minha cachopa,
Que anda com muito fastio.
Meu amor é marinheiro,
É do mar, por via minha;
Quando vai ferrar a vela,
Parece-me uma pombinha.
Até os peixes do mar
Têm amores pelo fundo;
Quando os peixes têm amores,
Que fará gente do mundo.
No mar largo, anda guerra,
Que eu bem ouço dar os tiros;
Eu bem ouço andar em guerra,
Os meus ais, co’os teus suspiros.
Pela boca do profundo,
Tudo se some no mar.
Pela boca deste mundo,
Também tudo há-de passar.
Eu já caí no mar largo,
De joelhos, fui ao fundo,
Antes cair no mar largo,
Do que nas bocas do mundo.
Já ninguém me quer no mundo
Fiz uma casa no ar,
As paredes são de inveja
As telhas de murmurar
Eu já vi a terra a arder,
As pedras a estalar;
Também vi o mar crescer,
E tornar ao seu lugar.
Ó meu priminho António,
Nós havemos de casar;
A dispensa vem de Roma,
Deita-se uma rede ao mar.
Não cases nossa Maria,
Deixa-te ficar solteira;
Teus olhos nossa Maria,
São como o trigo na eira.
Meu amor, tu não embarques,
Não te atires ao navio;
Olha que as ondas do mar,
Não são as ondas do rio.
Tenho dentro do meu peito,
Duas espinhas de peixe ;
Uma diz que te não ame,
Outra diz, que te não deixe.
Já lá vai pelo mar fora,
Quem nos meus braços dormia;
Era o cravo mais bonito,
Que na minha rua havia.
Lancha vai com toda a pressa,
Não precisas passaporte;
A fama ninguém t’a tira,
Tu és a Estrela do Norte.
Ouvi cantar a sereia,
No meio daquele mar;
Quantos navios se perdem,
Ao som daquele cantar.
Se o mar tivesse varandas,
Ia-te ver a Lisboa ;
Mas o mar não tem varandas,
Quem não tem asas, não voa.
Se o mar tivesse varandas,
Ia-te ver ao Brasil ;
Mas o mar não tem varandas,
Meu amor, por onde hei-de ir.
Se o mar tivesse varandas,
Ia-te ver ao Pará ;
Mas o mar não tem varandas,
Meu amor anda tu cá.
A cana verde no mar,
Anda à roda do vapor;
Ainda está para nascer,
Quem há-de ser meu amor.
A cana verde no mar,
Está enterrada no lodo;
Quem a for desenterrar,
Ganha um cruzado novo.
A cana verde no mar,
Anda à roda do hiate ;
Eu hei-de ir para Lisboa,
Aprender a calafate.
Ó minha caninha verde,
Verde cana de encanar;
Pela boca, morre o peixe,
Quem te manda a ti falar.
Quando vasar a maré,
Fica a praia descoberta;
Vão uns amores ficam outros,
Não há verdade mais certa.
S’eu soubesse ler no mar,
Como soletrar na areia,
Não me havia de escapar,
Moça bonita, nem feia.
Ó mar de variedades,
Eu fui a que variei ;
Eu fui a que por amores,
O meu pai e mãe deixei.
Deitei-me na tua cama,
Teu lindo rosto beijei ;
Já logrei o que queria,
Agora descansarei.
Todo o mar corri à vela,
Sempre de prumo na mão ;
Em todo o mar achei fundo,
Só no teu coração não.
Todo o mar corri à vela,
Co’uma vela branca acesa,
Em todo o mar achei fundo,
Só em ti pouca firmeza.
Ó mar, caixão dos navios,
Ó cama dos marinheiros;
Debaixo da vela grande,
Se agantam os aguaceiros.
Maria, minha Maria,
O demónio te atentou ;
Eras como o peixe n’água,
O mimo te derrancou.
Pega nas tuas cantigas,
Deita-as atrás de uma caixa;
Que eu só cheiro ao ramalhete,
E tu só fedes à graxa.
Fiz a cama no sargaço,
A cabeceira no tojo;
Se algum dia te quis,
Agora me metes nojo.
Como vais ó casadinha,
Ao outro dia da boda?
Muito bem minha senhora,
Casada nunca eu fora.
Ondas do mar abrandai,
Que eu quero pescar um peixe,
Para deixar a cachopa,
Antes que ela me deixe.
Dá-se às torradas manteiga,
O café é para o chá ;
Nós somos uns para os outros,
As voltas que o mundo dá!
Até o peixe do mar
Depenica na baleia;
Nunca vi homem solteiro
Procurar a mulher feia.
O pescador cheia a peixe,
O serrador à madeira,
Cada qual no seu ofício,
É raro botar asneira.
Meus olhos são dois peixinhos,
Navegam numa canoa,
Choram lágrimas de sangue,
Por uma certa pessoa
Se vires o mar vermelho,
Não te assustes, que é sagrado;
São as lágrimas de sangue,
Que eu por ti tenho chorado;
Os olhos do meu amor,
São dois navios de guerra,
Quando vão pelo mar dentro,
Deitam faúlhas para terra.
A todo o homem do mar,
Saragoça lhe está bem ;
Somente ao meu amor,
Está melhor que a ninguém.
Vou-me embora, vou-me embora,
Como já disse, não nego,
Eu por meu gosto não vou,
Contra vontade me levo3.
O mar pediu a Deus peixe,
Para dar ao pescador,
Vou a Deus pedir a vida,
Para dar ao meu amor.
Eu vou à praia às conchinhas,
Quando vasar a maré ;
Ai, que falas tão docinhas
Tem o meu primo José!
Hei-de amar-te até à morte,
E da morte até morrer,
Até debaixo da terra,
Mesmo lá podendo ser.
O rouxinol no loureiro,
Tem o cantar solitário,
Nunca pode ter juízo
Quem toda a vida foi vário,
As telhas do teu telhado
E as pedras do teu muro,
É que te podem dizer
As vezes que te procuro.
A nossa lanchinha nova,
Foi pescar ao lameirão4;
P’ra trazer um peixe espada,
Só colheu um peixe cão!
Tenho fome, tenho sede,
Morro à necessidade;
De mim já ninguém tem pena,
Nem amor nem caridade.
No meio daquele mar,
Anda uma pombinha branca;
– Nao é pomba; não é nada,
É o amor que se levanta!
Ó mar sagrado, ladrão,
Quantas almas tens em ti!
Tu roubaste o meu amor,
Já te vingaste de mim!
A roupa do meu patrão,
Não é lavada no rio;
É lavada lá no mar,
Na borda do seu navio.
Eu hei-de ir àquele mar,
Hei-de arrazá-lo com ais,
Que me traga o meu amor,
Assim como traz os mais.
Lá vem um barco à vela,
Lá vem a sardinha boa,
Lá vem o meu amorzinho,
Assentadinho na proa.
Ó minha estrela do norte,
Agulha de marear;
Por ela é que eu me regulo,
Quando te quero falar.
Não há pão, como o põa branco,
Nem carne, como o carneiro;
Nem peixe, como a pescada,
Nem amor como o primeiro.
O mar pediu a Deus peixe,
Para andar acompanhado;
Quando o mar quer companhia,
Que fará um desgraçado!
O mar pediu a Deus peixe ;
O peixe pediu fundura;
O homem pediu ciência,
A mulher a formosura.
Vou ao mar para ver ondas,
Ao jardim para ver flores,
Ao céu para ver estrelas,
Aqui para ver amores.
O teu cabelo das fontes,
É que me anda a enganar;
Somente os caracóis,
Parecem ondas do mar.
A todo o homem do mar,
Se lhe pode dar a filha,
Pois faz a cama na gávea,
Só para ganhar a vida.
Moro à beira do mar,
Moro mesmo à beirinha;
Deitado na camareta,
Vejo saltar a sardinha.
Moro à beira do mar,
A fresquidão me mantém ;
Fujo de quem me quer mal,
Vou para quem me quer bem.
Quem tem telhados de vidro
Tem que andar com geitinho,
Macaco, olha o teu rabo,
Deixa o rabo do vizinho.

A VIDA DE S. JOÃO (VERSOS)

Todos cheios de prazer,
Façamos a nossa festa;
Festejemos o Baptista,
O altíssimo profeta.
Com alegria cantemos,
O S. João festejemos.
Façamos a nossa festa,
Com prazer e alegria;
Festejemos o S. João,
Que hoje mesmo é o seu dia.
E agora principiemos,
A S. João festejemos.
No dia de S. João,
Devemo-lo festejar;
Pois ele veio ao mundo,
P’rá santa lei ensinar.
Ora vamos aprender,
Vamos todos sem ficar ninguém.
Quando a Virgem Maria,
Santa Isabel visitou,
No ventre de sua mãe,
O Baptista ajoelhou.
S. João logo teve luz,
Dentro da Virgem andava Jesus.
E chegada foi a hora,
De Santa Isabel parir.
Pacientes e mais vizinhos,
Vinde todos aplaudir.
Vamos e mais quem quiser,
Visitar Santa Isabel.
E daí a oito dias,
Puseram-se a considerar;
Disseram uns para os outros,
Zacarias se há-de chamar.
Ora demos o nome ao Baptista.
Que os parentes andam à contista.
Sua mãe lhe respondeu,
Com toda a veneração,
Não se há-de chamar assim,
Que o seu nome é o de João.
João há-de ser chamado,
Porque no céu está destinado.
Estando com estas dúvidas,
E com isto a teimar,
Fizeram senha a seu pai,
Que nome se há-de chamar.
Vamos dar o nome a S. João,
Com toda a veneração.
Zacarias está mudo,
Sua fala recordou,
No ventre de sua mãe,
João o eterno Deus louvou.
Zacarias a Deus louvou,
E o nome de João ficou.
Zacarias pede às tábuas,
Escreve de inspiração,
Tira as dúvidas aos parentes,
Diz: o seu nome – é João!
Ora demos o nome a João,
Que é mais lindo em toda a razão.
Nas montanhas da Judeia,
Todos cheios de prazer,
Parentes e mais vizinhos,
O Baptista vide ver.
Ora vamos todos à Judeia
Ver o santo que hoje se festeja.
E logo de tenra idade,
Ele para o deserto vai,
Vai servir a Jesus Cristo,
Deixa a casa de seu pai.
Deixou a casa de seu pai,
Ele para o deserto vai.
Deixou a casa de seu pai,
Tudo por sua vontade ;
Foi servir a Jesus Cristo,
Àquela sociedade.
Raparigas vamos ao deserto,
Do longe fazemos perto.
S. João foi ao deserto,
Estudar o seu coleijo.
Para depois ir pregar,
Àquele povo hereijo.
S. João está no deserto,
Vamos todos a correr que é perto.
O Divino Espírito Santo,
Que tudo lhe inspirou,
Ensinou-lhe a sua lei,
Que na Judeia pregou.
Vamos todos sem ninguém ficar,
À Judeia ouvi-lo pregar,
Em louvor de S. João,
A vossa esmolinha dai,
Já que foi santificado,
No ventre de sua mãe.
Foi santificado no ventre,
Ficou santo para sempre.
Reverentes de joelhos,
Com toda a veneração,
Esperemos do Baptista,
Que nos lance uma bênção.
Foi o santo de Deus mais querido,
Entre todos escolhido.
– Levantai-vos meus devotos,
Já vos lancei a bênção ;
Eu e vós todos louvemos,
A quem trouxe a Redenção.
Nós cantemos e louvemos,
A S. João festejemos.
Todos cheios de alegria,
Não devemos descansar,
Em festejar o Baptista,
Para tudo abençoar.
Abençoai-nos S. João Baptista,
Para que andemos à vossa vista.
Estas ovelhas, pastor,
São de vossa jurisdição,
Que vos mando de presente,
Lá das bandas do Jordão.
S. João tomai conta delas,
Porque sois o pastor das donzelas.
Estas ovelhas pastor,
Querem vir para o vosso rebanho;
S. João tomai conta delas,
Que são vossas até ao ano.
Todas elas se querem unir,
Para nunca mais fugir.
Ora vamos raparigas todas,
Unir-nos ao bom pastor,
Que ele nos há-de guardar,
Com um profundo amor.
Ora vamos, sou eu o primeiro,
Unir ao seu cativeiro.
Estas ovelhas pastor,
Têm andado desgarradas,
Permiti, ó S. João,
Que tornem a ser guardadas.
Permiti ó S. João,
Em dar-nos a vossa bênção.
Passados trinta e dois anos,
Do nascimento de Cristo,
Veio S. João do deserto,
Para do mundo ser visto.
Raparigas vamos a correr,
O grande profeta ver.
E querendo Deus tirá-lo,
Daquela amargosa vida,
P’ra manifestar ao mundo,
E contar a sua vida,
Da sua vida amargosa,
Que no deserto foi penosa,
Começou Deus a tirar,
Do deserto S. João,
Porque tinha destinado,
P’ra fazer a pregação.
Para a pregação fazer,
Para à graça nos converter.
Logo saiu de repente,
Daquele santo lugar,
Aonde estava destinado,
Para no mundo pregar.
Para a pregação fazer,
Para à graça nos converter.
Logo saiu de repente,
Do centro da solidão,
Aonde estava destinado,
Para fazer a Pregação.
Vamos ver à solidão,
Aquele santo varão.
Vivia como um bom anjo,
Em forma de gente humana,
Ainda o mundo não sabia,
Da sua tão grande fama.
Raparigas cantai com primor,
Ao profeta do Senhor.
Apareceu pelas margens,
Do grande rio Jordão,
Pregando na penitência,
Com toda a dignação.
Rapariga, ouvi a palavra,
Que o profeta anunciava.
Todos S. João baptizava,
quem buscava aquele santo,
Ficavam filhos da graça,
Pois seu poder era tanto.
Pois Deus lhe deu o poder,
Para tudo isso fazer.
Já não era necessário,
S. João fazer milagres.
Desejosos de o verem,
Morriam de saudades.
Ainda o não tinham visto,
Porque tinha ido com Cristo.
Olhavam para aquele santo,
Todos cheios de alegria,
Pois já não o tinham visto,
Há muito ano e dia.
Vamos todos seguir a lei,
Vamos todos sem ficar ninguém.
Começaram a suspeitar,
Se acaso era o Messias,
Porque todos se admiravam,
Dos milagres que fazia.
Nós cantemos e bailemos,
A S. João festejemos.
E partindo toda a gente,
À grande cidade ouvir,
Aquele grande profeta,
Para a sua lei seguir.
Porque nunca o tinham visto,
Desde que foi servir Cristo.
Vamos todas raparigas,
À grande Jerusalém,
Ouvir o grande profeta,
As lindas vozes que tem.
Vamos todos seguir a lei,
Vamos todos sem ficar ninguém.
E por irem ao mesmo tempo,
O S. João se humilhava,
Para observar os preceitos,
Do baptismo que ele obrava.
Nós ver baptizar vamos,
Que nós baptizados ficamos.
Estando S. João cheio,
De tão profundo respeito,
Não querendo baptizar,
A Cristo neste preceito,
Mas ao depois baptizou,
Fez o que Deus lhe mandou.
Disse S. João a Cristo,
Que a ele não merecia,
Baptizar primeiramente,
Tal preceito não competia.
Tudo fez o que deus mandou,
À sua voz se humilhou.
Enchendo-se de confusão,
No preceito de baptizar,
Disse Cristo a S. João,
Que se havia de humilhar.
E S. João se humilhou,
E depois Cristo baptizou.
Que no preceito em que estava,
O havia de cumprir,
Com estas obrigações,
E sem mais nada acudir.
Cumpriu com a obrigação,
Baptizou Cristo por sua mão.
E assim que S. João,
Ao Messias baptizou,
Veio um grande resplendor,
Que logo se abriu no céu.
Desceu o Espírito Santo,
Ao ver o milagre do santo.
Ó que lindo baptizado,
Vai no rio Jordão,
S. João baptizou Cristo,
E Cristo a S. João.
Ó que milagre tão visto,
S. João a baptizar Cristo.
Ó meu S. João Baptista,
Filho de Santa Isabel,
Baptiza a Jesus Cristo,
Põe-lhe o nome de Manuel.
Vamos vê-lo raparigas,
Àquelas grandes ermidas.
Desceu o Espírito Santo,
Com todo o resplandente,
Na figura de uma pomba,
Ver o milagre patente.
Raparigas olhai para o ar,
E vereis a pomba poisar.
Poisou-se sobre a cabeça,
Do Messias Jesus Cristo,
Mas só S. João via,
E de mais ninguém foi visto.
Que o mais povo não merecia,
Ver aquela obra tão pia.
E logo ao mesmo tempo,
Uma voz do céu se ouvia;
Que dizia estas palavras,
Que a pomba proferia:
– Rapariga cantai com primor,
Ao profeta do senhor.
– Vem cá tu ó meu amado,
Filho das minhas deliças,
Tu é que hás-de cantar,
O Evangelho das missas.
É o que há-de pregar,
Sobre o sagrado altar.
S. João continuou,
A pregar por todo o mundo,
Para os homens aprovarem,
O que diz o seu estudo.
O povo não merecia,
Ver aquela obra tão pia.
É chegado S. João,
Tantas vezes prometido,
Tantas vezes desejado,
Em antes de ser nascido.
Tantas vezes desejado,
Já cá era festejado.
S. João vai pra a Judeia,
Vai pregar as nossas leis,
Para converter à graça,
Os gentios infiéis.
Quem no seu estudo estar,
No reino do Céu há-de entrar.
E depois de haver pregado,
Foi metido na prisão,
De um rei Herodes tirano,
Avesso contra a nação.
Ora vamos com devoção,
Ver o Baptista à prisão.
Esteve S. João preso,
Pelo Herodes malvado,
Até dar fim aos seus dias,
Aquele santo tão humano.
Vamos vê-lo à prisão,
Aquele santo varão.
Aquele Herodes tirano,
Que S. João repreendia,
Que deixasse a sua lei,
Que com tanto gosto via.
E o S. João rica lei seguiu,
E o Herodes o não viu.
Chegando o dia dos anos,
Que o grande Herodes fazia,
Mandou fazer um banquete,
Para quantos na corte havia.
Não queiramos saber do tirano,
Só cantemos S. João humano.
Vejo no meio do festejo,
A filha do grande Herodes,
Dançar na sua presença,
Veio no meio dos mais homens.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
Tanto se agradou da dança,
E teve tanta alegria,
Que disse para a sua filha,
Lhe pedisse o que queria.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
Foi dizer a sua mãe,
O que o seu pai lhe ofereceu,
E que visse o que queria,
O que era gosto seu.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
Sua mãe lhe respondeu,
Sem esperar mais contista,
Que lhe pedisse ao pai,
A cabeça do Baptista.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
Por não quebrar juramento,
Foi seguindo seu destino,
Foram logo à prisão,
Buscar o santo divino.
E nós cantemos com alegria,
A S. João neste dia.
Foram logo à prisão,
Sem mais nada esperar,
Com um cutelo na mão,
Sua cabeça cortar.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
Ficou triste o rei Herodes,
Por lhe pedirem aquilo ;
Tinha gosto no Baptista,
Como a seu próprio filho.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
Numa bacia de prata,
Foi levado a sua mãe ;
Aqui tendes o Baptista,
Vosso gosto consolai.
E nós dancemos com alegria,
A S. João neste dia.
E desta sorte acabou,
O maior santo nascido,
Mandado por um tirano,
P’ra cumprir o seu alívio
Assim que S. João morreu,
Logo a sua alma foi para o séu.

VERSOS AO MENINO

Ó da casa, nobre gente,
Escutai um bocadinho,
Uma cantiga bonita,
Que se canta ao Deus-Menino.
Ó da casa, nobre gente,
Escutai, batei as palmas ;
Vai nascer o Deus-Menino,
Redentor das santas almas.
Em uma cabana velha,
De penhascos naturais,
Entrou lá Nossa Senhora,
S. José e ninguém mais.
Onde os pastores costumavam,
Recolher dentro os seus gados,
De todo desprotegidos,
Sem vizinhos pelos lados.
Não houve em Belém pessoa,
Que quisesse ir morar nela,
Somente os dois peregrinos,
Se abrigaram dentro dela.
Começou Nossa Senhora,
A varrê-la e a limpá-la,
S. José, com muito gosto,
Foi prontamente ajudá-la.
Encheu-se toda a cabana,
De cheiros maravilhosos,
Que vinham dos altos céus,
Para aqueles dois esposos.
Tendo esto por notícia,
E por mistério dos céus,
Puseram-se de joelhos,
Dando louvores a Deus.
S. José petiscou lume,
Com um fusil que trazia;
Fizeram uma fogueira,
Pelo frio que então fazia.
Tirou dos seus alforginhos,
A refeição que levava,
Disse para Nossa Senhora,
Se com ele consoava.
Desde que a Virgem entrou,
Naquela ditosa lapa,
Estava tão resoluta,
Que de nada se lembrava.
E só por obedecer,
Ao patriarca José,
Se pôs à mesa com ele,
Comeram com muita fé.
Comeram com muito gosto,
A ditosa consoada;
Deram louvores a Deus,
Por ser também arranjada.
Disse-lhe Nossa Senhora,
Que repousasse e dormisse,
E se por ele chamasse,
Prontamente acudisse.
A Virgem logo sentiu,
O seu parto milagroso,
Chamando com meiga voz,
– «Vem cá querido esposo!”
Sentia Nossa Senhora,
Que o Menino se movia,
Dentro do seu virgem ventre,
Dar luz que ao mundo queria.
Desatou-se e despediu-se,
Desse lugar natural,
Por onde andou nove meses,
Por mistério divinal.
Nasceu o Menino-Deus,
Com prazer e alegria,
Ficando resplandecente,
Sua mãe Virgem Maria.
Puseram-se com grande ânimo,
Resplandecente valor,
Fazendo corpo de guarda,
Ao Divino Redentor.
Não havia na cabana,
Senão feno e mais palha,
Que cobria o Deus-Menino,
E era a sua mortalha.
Dando S. José as faixas,
E também os coeirinhos,
A Virgem Nossa Senhora,
Embrulhou o Deus-Menino.
E logo daqueles campos,
Um boi-bento a correr,
Veio ter à cabaninha,
Para o Deus-Menino ver.
Entrou dentro da cabana,
Junto com um jumentinho,
Puseram-se de joelhos,
A adorar o Deus-Menino.
O boi-bento bafejava,
Com o seu bafo e vigor;
O frio que maltratava,
Ao Divino Redentor.
Eu te abençoo boi-bento,
Que fiques abençoado,
De todos os animais,
Tu serás o melhor gado.
Vieram dos altos céus,
Os anjos embaixadores,
Para levar esta nova,
Por todos os moradores.
Logo que os pastores souberam,
Que era nascido o Menino,
Desprezaram seus rebanhos,
E puseram-se ao caminho.
Vieram muitos pastores,
À cabana de Belém,
Adorar o deus-Menino,
E dar-lhe o seu parabém.
Entraram pela cabana,
E puseram-se a dorar,
A Divina Majestade
Posta em tão baixo lugar.
Logo um pastor lhe ofereceu,
Um pequenino cordeiro,
Por saber que era nascido,
O Salvador verdadeiro.
Também vieram ver,
Ao saberem tal notícia,
O bom velho Semeão,
E Sant’Ana profetisa.
Veio todo o mundo ver,
Àquela grande cidade,
O Redentor deste mundo,
E de toda a humanidade.
Em Dezembro, a vinte e cinco,
Nasceu o Menino-Deus,
Vamos todos adorá-lo,
Erguendo as mãos aos céus!
Glória seja a Deus-Padre,
E a Deus-Filho, também,
Ao Divino Espírito Santo,
Para todos sempre amen!
Vimos dar as Boas-Festas,
Que são Festas de primor,
Que é nascido o Deus-Menino,
O Divino Redentor.
Vimos dar as Boas-Festas,
Que são Festas de alegria,
É nascido o Deus-Menino,
Filho da Virgem Maria.
O carvalho é farelhudo,
Cai no chão não dá bolota;
Se nesta casa há criados,
Mande-nos abrir a porta.
Mande-nos abrir a porta,
Se a esmola nos quer dar,
Que somos de muito longe,
E temos muito que andar.

Ó senhor patrão da casa,
Dê volta na salgadeira,
Mande pelos seus criados,
Um bocado de orelheira.

VERSOS DE S. PEDRO

Com prazer e alegria,
Principiemos nossa festa,
Festejemos o S. Pedro
O nosso grande profeta

Já que agora principiamos,
A S. Pedro festejamos.

Ó meu S. Pedro bendito,
Que estais no vosso altar,
Vinde ver as raparigas,
Que vos estão a festejar.

Foi o pescador primeiro,
Aquele Pedro guerreiro.

Nas praias da Galileia,
Andava o santo S. Pedro,
Lançando sua rede ao mar,
Sem ter confusão nem medo.

Ora vede, raparigas vede,
O santo S. Pedro como lança a rede.

Andava o santo S. Pedro,
E mais toda a companhia,
Andavam descoroçoados,
Pela pouca pescaria.

S. Pedro a rede ao mar lançou,
Mas nunca nada apanhou.

Andavam discurçoados,
E cheio de confusão,
Por levar tanto trabalho,
E os trabalhos em vão.

O peixe que a rede dava,
Nem para comer chegava.

O Senhor apareceu,
Àquela sociedade,
E mandou-lhe lançar a rede,
À mão direita de Deus-Padre.

Assim que a rede lançou,
Logo de peixinhos carregou.

Foram lá segunda vez,
Lançar na mesma carreira,
E logo descarregaram,
Nas praias de Galileia.

Torce rede, vamos a safar,
Vamos à praia descarregar.

Assim que à terra chegaram,
Sem nais nada esperar,
Disseram uns para os outros,
Vamo-lo acompanhar.

Já do barco não queremos saber,
À Lei Divina queremos aprender.

  • 5 Faltam dois versos para completar as duas quadras. Mas estava assim no velhíssimo manuscrito que me (...)

Seguiram logo o Senhor5,
A quem pediram por favor:

– «Queremos seguir vossos passos,
Ensinai-nos vossa doutrina,
Tudo p’ra proveito nosso,
E também glória divina.»

Assim S. Pedro acompanhou
Logo do céu glória alcançou.

Tinha o Senhor destinado,
Em antes de ir padecer,
Com todos os seus discípulos,
A grande ceia fazer.

Vamos todos a Jerusalém,
Ver a grande ceia que tem.

– «Todos estes meus discípulos,
Me devem obedecer.
Um de vós, me há-de negar,
E outro me há-de vender.»

Ai! o que há-de acontecer!
Um a negar e outro a vender!

S. Pedro foi pescador,
E marinheiro do mar,
Agora é senhor das chaves,
Do Paraíso real.

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

S. Pedro disse ao Senhor,
Se era ele ou quem seria,
Aquele grande traidor,
Que ao seu Mestre venderia.

S. Pedro assim dizia,
E o Senhor lhe respondia:

– «Aquele que mete a mão,
Comigo no comedor,
É esse mesmo o tirano,
Que venderá o Senhor.

Só Judas ali estava,
E o Senhor com ele falava.

Infeliz homem que és,
Que o teu mestre irás vender,
Ai! Quanto melhor te fora
No mundo nunca nascer!

Judas quando isto ouviu,
Logo de repente fugiu.

Disse o Senhor a S. Pedro:
– «Sai daí desse lugar,
Assenta-te à minha beira,
Que os teus pés quero lavar.

O Senhor assim dizia,
S. Pedro lhe respondia.

S. Pedro disse: – Senhor!
Vivo muito a meu contento,
P’ra que me lavas os pés,
Se eu não tenho merecimento?»

S. Pedro assim dizia,
O Senhor lhe respondia:

– «Sai-te daí Simão Pedro,
Olha para o que eu digo,
Se não lavares os teus pés,
Não entras no céu comigo.

O Senhor assim dizia,
S. Pedro lhe respondia.

Disse o Senhor ao S. Pedro:
– «Tudo que eu digo nesta hora,
Lavai os pés uns aos outros,
Como eu os lavei agora.”

Festejemos neste dia,
O S. Pedro com alegria.

Disse o Senhor aos discípulos:
– Filhos meus, muito amados,
Hoje por mim, nesta noite,
Sereis escandalizados.»

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

S. Pedro disse ao Senhor:
– «Eu vivo bem satisfeito,
Não me hei-de escandalizar,
Se for a vosso respeito.»

  • 6 A repetição de parelhas dá a impressão de que se perderam as outras adequadas às respectivas quadra (...)

Festejemos neste dia6,
S. Pedro com alegria.

– «Eu te afirmo na verdade,
Como estás nesse lugar:
Em antes que cante o galo,
Três vezes me hás-de negar.»

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

E S. Pedro respondeu:
– «Fazei o que melhor for,
Mas antes quero morrer,
De que negar o Senhor.»

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

Confirmando estas palavras,
Os discípulos contentes,
Pôs-se Cristo em oração,
Junto do Monte Olivete.

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

Fez o Senhor oração,
Com profunda agonia,
Pedro, João e Tiago,
Com muito sono dormiam.

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

Pedro, João e Tiago
Que dormis tão descansados,
Levantai-vos e andai,
Aí vem Judas malvado.

Aí vem Judas malvado,
De Judeus acompanhado.

Mal acabou de o dizer,
Logo chegou a multidão,
Vem Judas acompanhado,
Para prender Deus à traição,

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

Pedro puxou pela espada,
Com tanta admiração,
Cortou a orelha a Marcos,
E atirou com ela ao chão.

Quando isto aconteceu,
Logo o Senhor o repreendeu.

Disse o Sehor: – «Tem-te Pedro!
Vai teu cutelo metendo
Dentro da tua bainha.
Eu te mando e repreendo.»

Quando isto aconteceu,
Logo o Senhor o repreendeu.

S. Pedro disse ao Senhor:
– «Feri-os bem na verdade,
Contra estes homens perdidos,
Tenho eu grande vontade.”

Festejemos neste dia
S. Pedro com alegria.

E observou-lhe o Senhor:
– «Olha para o que eu te digo,
Pedro, quem com ferros mata,
Com ferros será ferido.»

Quando isto aconteceu,
Logo o Senhor o repreendeu.

nós cantamos o S. Pedro,
Que foi firme para a guerra,
Cortou uma orelha a Marcos,
Deitou-o logo por terra.

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

S. Pedro foi bem valente,
Com a sua espadinha,
Cortou a orelha a Marcos,
Deixou-a por uma linha.

Não a deixou por uma linha,
Mas deixou-a dependuradinha.

E depois que a cortou,
S. Pedro foi de carreira,
Até chegar a quedar,
Junto de uma fogueira.

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

  • 7 Deveria ser mulher referindo-se a ancilla (serva). A negação a que se refere esta quadra foi feita (...)

Ancila lhe perguntou:
– «Tu também és Galileu?»
– «Homem7 não sei o que dizes!
Desse rancho não sou eu...»

Ancila assim dizia,
S. Pedro lhe respondia:

– «Eu juro que não conheço,
O homem que procurais,
Co’a verdade com que falo,
Assim na mão o tenhais.”

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

– «Tu és discípulo dele,
Bem o negas à traição;
Bem te vi andar com ele,
No horto e na prisão.”

Festejemos neste dia,
S. Pedro com alegria.

S. Pedro negou a Cristo,
Por três vezes o negou ;
Logo na última vez,
Aquele galo cantou.

S. Pedro tu que fizeste,
Foste negar o teu Mestre.

S. Pedro negou a Cristo,
Por três vezes o negara;
Tantas lágrimas chorou,
Que fez regos pela cara.

S. Pedro quando negou,
Nossa Senhora encontrou.

– “Ó Senhora magoada,
Triste de mim, que direis,
Vendo-vos à traição cercada,
Com que olhos me olhareis.»

S. Pedro assim chorava,
S. João o consolava.

– «Com que olhos olhareis,
A quem negou o Senhor;
Já ouço vozes no mundo:
Ai! vai-te Pedro traidor!»

S. Pedro assim chorava,
S. João o consolava.

– «Ó João tu não me ajudas,
A chorar meu desamparo,
Em me ver pior que Judas,
Eu Judas serei chamado!»

S. Pedro assim dizia,
S. João lhe respondia:

– «Ó Pedro vai p’rò deserto,
A penitência fazer;
Ó Pedro tu és mais velho,
Na idade e no saber.”

S. Pedro assim dizia,
S. João lhe respondia:

– “Ó Pedro vai p’rò deserto,
Fazer vida com os bichos ;
Vai aprender a doutrina,
Para ensinares os meninos.”

Aos meninos ensinava,
A doutrina que pregava.

S. Pedro foi p’ró deserto,
E por sete anos chorar;
Fazer sua penitência,
P’ró Senhor lhe perdoar.

Chora Pedro te pecado,
Que do Senhor serás perdoado.

S. Pedro está perdoado,
Do pecado cometido.
Por ter chorado sete anos,
Com pesar de arrependido.

S. Pedro tanto chorou,
Que o Senhor lhe perdoou.

S. Pedro vai para Roma,
Seguir sua cristandade,
Vai pregar sua doutrina,
Aos moradores da cidade.

Pregava a santa doutrina,
E todo o povo aprendia.

S. Pedro vinha de Roma
E encontrou com Jesus Cristo:
– «Que vai por lá de novo, ó Pedro?
Conta-me o que lá tens visto.”

Pregava a santa doutrina,
E todo o povo aprendia.

– «Vão tantos males, meu Deus,
Que nem sei bem explicar,
Só vós meu Divino Mestre,
Os podes ir lá curar.”

S. Pedro tudo contou,
E o Senhor logo mandou:

– «Torna para trás, ó Pedro,
Vai seguindo tua jornada;
Vai curar todos os males,
Antes de fazer mais nada.»

Curava o mal da erisipela,
Sarava com toda a cautela.

Notes

1 Variante: «Os anjinhos a remar».

2 Padroeira dos pescadores poveiros.

3 Levam.

4 Lameirão – Local do mar à Terra da Pedra.

5 Faltam dois versos para completar as duas quadras. Mas estava assim no velhíssimo manuscrito que me foi mostrado e donde transcrevi estes versos, manuscrito que, guardado de longa data, tem servido a gerações de botadores.

6 A repetição de parelhas dá a impressão de que se perderam as outras adequadas às respectivas quadras.

7 Deveria ser mulher referindo-se a ancilla (serva). A negação a que se refere esta quadra foi feita no átrio da casa de Caifás a uma criada.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search