Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XVII Barcos, redes e aprestos

Texte intégral

1A facilidade de comunicações entre os povos, dando-lhes uma maior convivência, vai apagando os usos, costumes e tradições, que se vão tornando velharias na vida intensiva da hora que passa, toda dada a inovações progressivas. Não admira, pois, que o velho processo de pescar do poveiro se veja substituído por outros métodos mais modernos e intensivos, que ponham de parte as redes que usava desde tempos imemoriais.

2Preciso é, por isso, que as características destes barcos, aparelhos e utensílios de pesca se arquivem neste livro como documentário para o estudo de amanhã dos povos que debruam o litoral português e ainda para que melhor se compreenda a descrição que temos feito do labor poveiro com as suas tradições. E é tempo de se fazer este arquivo, pois estamos convencidos de que passados vinte e cinco anos mais – se tanto ! – nada restará do passado, tão grande tem sido a transformação nos processos de pescar no Norte neste primeiro quartel do século.

3Há vinte e cinco anos, havia na terra poveira a comunidade na pesca, ou, como modernamente se chama, o cooperativismo: no Lanchão, no Sardinheiro, no Rasqueiro, no barco de pescar à linha: todos davam igual quantidade de redes para a caça para que o quinhão de ganhos fosse precisamente igual. Todo o produto era exclusivamente do homem do mar, do trabalhador.

4Hoje, tudo isto, que era belo, muito de acordo com as teorias daqueles que aspiram a uma melhor igualdade de bem-estar, debandou, ou melhor, foi esmagado pela concorrência intrusa do capitalista com o vapor de arrasto, a traineira, o cerco americano, a armadilha, atirados para o mar com o pretexto de se conseguir uma pesca mais intensiva e proveitosa, quando significou, apenas, uma nova modalidade de colocação de capitais, esperançados num melhor rendimento, embora à custa do sacrifício de uma colmeia laboriosíssima, que nunca se temeu do mar para arrancar-lhe o peixe de que carecia a gente lusa para o seu sustento.

5Estando o preço das artes novas fora das posses e teres dos pescadores, estes passavam de donos das artes de pescar a escravos dos donos daquelas. Operou-se, assim, uma transformação radical e profunda no modo de ser do pescador do Norte: as suas redes, de caçar peixe, passaram a resguardar as searas dos pardais, vendidas aos lavradores a troco de seis vinténs, e surgiram as outras, as do capitalista, já feitas a fio de máquina, acabando, por isso, com os serões poveiros e com todos os usos e costumes tradicionais que se relacionavam com a factura da rede nova. Estes tinham-se já simplificado com a inovação do fio da máquina (fio do norte) para a rede, que obrigou a pôr de parte a roca de fiar, as abinhadeiras, a dobadoira e tudo que se tornava necessário para o preparo do fio.

6Os vapores de arrasto, principalmente, foram a grande causa do desaparecimento da magnífica frota poveira dos lanchões, que chegou a atingir 52 barcos ao mar na caça da pescada, com 25 a 30 homens cada lancha, e que hoje (1931) se encontra reduzida a três !!!

7As traineiras e os cercos fizeram o resto em relação aos sardinheiros, miudagem de barcos que com os seus 400 latinos povoavam e enchiam o mar de alegria, salpicando-o de pontinhos brancos, semelhando gaivotas.

8É por isso que já hoje, quando relembramos em conversa com qualquer velho poveiro o que era esse mar de características locais, que arquivamos neste livro (grande parte delas gratas recordações do passado) os novos pescadores ouvem-nos enlevados como nós ouvíamos a nossa avozinha a contar as histórias de fadas e moiras encantadas nos serões e à lareira.

9Pois se a vida deles é hoje tão diferente! A máquina faz o fio, a rede, a linha... Tudo lhe aparece feito para a sua faina do mar.

10E dantes? Que trabalho imenso só para o arranjo do fio!

  • 1 O fuso das abinhadeiras é cilíndrico e não cónico como os fusos das rocas. Numa das extremidades te (...)

11Limpava-se e assedava-se o linho. Feita a arrocada, enfiava a roca na cinta a avó, a mãe, a irmã, fuso na mão direita, com os dedos da mão esquerda ia puxando as fibras do linho, passando-as pelos lábios para as humedecer e dar-lhes uma melhor torcedura. Depois, o trabalho da passagem dos dois fios para as abinhadeiras (fusos1 com rodelas) para que estas, dependuradas das traves da casa, cada uma torcendo para seu lado ao impulso dado pelas mãos, dessem ao fio a necessária consistência. Vinha, a seguir, a passagem ao sarilho para a transformação em meada e desta à dobadoira para a passagem a novelo e ainda deste à agulha para o fazer da rede...

12E não eram só estas as canseiras caseiras da mulher do poveiro no arranjo das redes; havia a mais o pisar da casca, o encher da caldeira para o tinto, o tingir das redes, a seca nos varais, o atar, ajudando ainda, por vezes, a fazer a rede branca!

13E o homem não estava parado: aparava e marcava a cortiça: furava-a com o trado e alisava o furo com o espeto para que este não roçasse a corda; fazia a rede e entralhava-a quando o pano lhe vinha pronto da casca.

14Todo este labor intenso, obrigado pela necessidade da renovação dos aparelhos durante o ano, pela velhice ou pela perda das redes no mar, forçava o casal poveiro a muitos serões, porque os dias disponíveis da faina do mar estavam longe de lhe dar o tempo que chegasse para estas forçadas obrigações.

15Daí o adágio poveiro :

«Em Agosto, candeia no posto»

16E quantas vezes se não antecipava a candeia no posto, visto que o serão poveiro era sempre feito da meia-noite para o dia?

17Tudo isto voou; daí o enlevo dos novos na narração pelos pais de muitos usos dos seus maiores.

18Arquivemos, pois, para que se não percam, as características dos barcos, redes e aprestos com que trabalharam no mar os poveiros:

BARCOS

19As dimensões que vamos registar colhemo-las, pessoalmente, na capitania do porto da Póvoa de Varzim, no Livro de Registo referente aos anos de 1893 a 1896, época em que a pesca era intensa e ainda muito elevado o número de embarcações.

20O tipo do barco poveiro é um só, tomando vários títulos, conforme o tamanho, devendo-se estes apenas à necessidade de os diferenciar, de harmonia com as pescas a que cada tamanho se destinam: A Lancha Grande era exclusivamente para a pesca da pescada; o Batel e a Lancha Pequena, para correr a costa na pesca da sardinha; a Catraia Grande, para a pesca do alto; pesca à linha no mar alto e caça da raia; a Catraia Pequena, para a pesca da sardinha em redor da enseaca, espinhei e outras pescas terrenhas; o Caíco, para a faneca.

21Vamos, pois, dar, dentro destas classificações, o maior e o menor dos barcos que de cada um encontrámos no referido Livro de Registo e com o número respectivo de matrícula, para que a todo o tempo possam estas notas ser controladas:

22Antigamente existiam bastantes gamelas apetrechadas como as actuais embarcações, incluindo a velamenta. Eram utilizadas nas pescas terrenhas. Tinham de comprimento três a quatro metros com metade da largura e fundo chato, um pouco arqueado para as pontas. O seu tipo era igual às usadas pelos pescadores de La Guardia, Espanha, que ainda as conservam em elevado número. Estas gamelas desapareceram, por completo, há 25 anos.

REDES

  • 2 Ver a sua descrição na pág. 32.
  • 3 Cadoira – Três cordas paralelas, da grossura de dez milímetros cada uma, ligadas por fios grossos d (...)

23Rede da pescada – A caça é formada por um certo número de redes, ligadas entre si, e desce, para pescar, ao fundo do mar. Tem, apenas, fora da água duas bóias ou balizas2, cada uma nas pontas da caça e ligadas a esta pelas cadoiras3. Cada rede compõe-se de dois cartéis, sendo, portanto, um cartel um pano de rede devidamente entralhado. Cada homem leva uma rede (dois carveis) ou rede e meia (três carveis). A estas redes juntam-se as da bóia, da bargada, de beber e da senhora fornecidas pelos mestres ou pais de rapaz. Todo este conjunto forma a caça.

  • 4 Tralha – Corda.

24Os cartéis têm nas pontas das tralhas4 do chumbeiro e cortiçada dois chicotes para os bossarem (ligarem) entre si. Desta ligação sai um fio que liga as malhas dos dois cartéis e assim completa-se uma rede. É também pelos chicotes que se ligam todas as redes da caça. A esta ligação chamam coa. Em todas as coas da caça são os parceiros das redes obrigados a amarrar com uma peia pedras de peso nunca inferior a três quilos para aquela melhor se firmar no fundo.

  • 5 Incála – Fio de linho que liga a corda à rede.
  • 6 Arcála – O espaço da corda entre os nós do fio da incála. Quer as arcálas quer as incálas são medid (...)

25Características da rede – Medida da malha de lado (nó a nó) : 6 centímetros; comprimento do cartel: 399 malhas; altura da rede: 48 malhas; altura da incála5 da cortiçada: 56 cent.; lagura da arcála6 da cortiçada: 17 cent. ; tamanho da cortiça: 17 cent. de diâmetro; colocação das cortiças: de 3 em 3 arcálas: espessura das cordas: 1 cent. ; altura da incála do chumbeiro: 42 cent. ; largura da arcála do chumbeiro: 25 cent. ; colocação dos imentos com as pedras : de 11 em 11 arcálas; peso das pedras: 1000 a 1500 gramas. Um cartel tem 133 arcálas e cada arcála corresponde a 3 malhas que tantas são por onde passa o fio da incála. Estas malhas são forradas, isto é, de fio duplo.

26Rede da sardinha – A caça desta rede pesca a meios fundos ou, melhor, à altura que o pescador julga andar a sardinha.

  • 7 Boireis – Rolos de folhas de cortiça com o comprimento de 27 por 16 centímetros de espessura, folha (...)

27Suspende-a por boiréis7 que ficam a flutuar e que são amarrados à caça por uma corda a que dão o nome de sineira. Não há balizas nesta caça, que fica amarrada ao barco que a lança ao mar. Os boiréis são amarrados nas coas e a meio de cada rede.

28Cada pano de rede chama-se na pescada, cartel, e na sardinha rede da sardinha. O que na pescada é uma rede (dois cartéis) é na sardinha um quinhão (duas redes da sardinha). Cada homem leva para o mar um quinhão ou quinhão e meio (2 ou 3 redes da sardinha).

29Portanto, as características que vamos dar é de uma rede equivalente ao cartel : – Medida da malha de lado (nó a nó): 2 centímetros; comprimento: 582 malhas; altura: 160 malhas. Cortiçada – altura da incála : 25 cent. ; largura da arcála: 8 cent.; cortiça, diâmetro: 5 cent.; colocação das cortiças de 4 em 4 arcálas. Chumbeiro – altura da incála: 16 cent. ; largura das arcálas: 5 cent.; colocação dos chumbos: de 5 em 5 incálas; diâmetro do chumbo: 25 milímetros; peso do chumbo: 15 gramas. Nota – Os fios das incálas são de lã, fiados e torcidos pelas pescadeiras.

  • 8 À data em que se publica este livro já não existe nenhum ticum. Quando muito, alguns panos destas r (...)

30Rede «ticum»8O nome desta rede veio-lhe da fibra do fio com que é feita e a que chamam ticum. Compram-na no Porto, onde lhes asseguram ser importada do Brasil. De cor amarela-esverdeada, é mais rija que a do nosso linho e de maior custo. Daí o empregarem-na, apenas, nas redes grossas que têm de pescar pelas pedras e nas ataduras das malhas das redes que carecem de conserto.

31Distingue-se das redes da pescada pela malha maior e menor altura das incálas. Vai, contudo, para pescar, ao fundo, como aquela. A meio de cada ticum, da cortiçada, colocam um piobeiro (pedra amarrada por uma corda) para a derrubar, formando uma espécie de saco para apanha dos linguados, redovalhos, etc.

32Medições – Tamanho da malha (de nó a nó): 7 centímetros; comprimento: 302 malhas; altura: 36 malhas. Cortiçada – altura da incála : 50 cent. ; largura da arcála: 15 cent.; tamanho da cortiça: 15 cent. ; colocação das cortiças: de 4 em em arcálas. Chumbeiro – altura da incála : 38 cent. ; largura da arcála: 22 cent.; colocação dos imentos com as pedras; de 10 em 10 arcálas; peso das pedras: 1000 a 1500 gramas; entralhamento: cada incála apanha três malhas, correspondentes a uma arcála ; corda: 8 milímetros.

33Rascas – Rede destinada, principalmente, à caça da raia, rodovalho e lagosta.

34Medições – Tamanho da malha, medida de lado (nó a nó): 16 centímetros; comprimento: 310 malhas; altura: 16 malhas. Cortiçada – altura da incála: 46 cent.; largura da arcála: 30 cent.; tamanho da cortiça: 7 cent. colocação das cortiças: de 4 em 4 incálas. Chumbeiro – altura da incála : 30 cent. ; largura da arcála: 30 cent.; colocação das pedras: de 4 em 4 arcálas ; peso das pedras: 250 a 500 gramas; entralhamento: cada incála apanha duas malhas.

35Tremalho – Rede de três malhas paralelas, sendo as das duas faces maiores e de igual tamanho. Destina-se exclusivamente à chamada pesca de peixe branco: robalos, tainhas, maragotas, peixe que vive parte ou junto da penedia da costa. Não tem incálas porque as malhas são directamente ligadas à corda, quer do chumbeiro, quer da cortiçada.

36Medições – Malha das faces: 13,5 centímetros; malha do centro: 3 cent. ; grossura da corda: 6 mil. ; comprimento: 530 malhas do centro; altura: 35 malhas do centro; tamanho da cortiça: 7 cent. ; largura das arcalas: 13 cent. e 50 mil. ; pedras de 250 a 500 gramas, colocadas de 8 em 8 arcálas.

37Os tremalhos são lançados ao mar como a rede da pescada, tendo nas pontas bóias ou balizas minúsculas, do volume dos boiréis.

  • 9 Ver o desenho que publicamos.

38Agulhas de fazer e entralhar a rede9Da pescada – entralhar – comprimento: 50 centímetros; largura: 4 cent. ; rede – comprimento: 21 cent. ; largura: 25 milímetros. Da sardinha – entralhar – comprimento: 30 cent. ; largura: 6 mil. ; rede – comprimento: 16 cent. ; largura: 6 mil. Da rasca – o mesmo que da pescada.

39As bitolas de entralhar têm os tamanhos das incálas e arcálas de cada rede, visto que são aquelas que dão as dimensões a estas.

40Cordas auxiliares das redesSineira: 5 braças; cadoira: 14 braças; peia: 3 braças.

41Espinhel – A pesca do espinhel foi muito usada pelos poveiros no Verão, isto é, fora da grande safra da sardinha. Ainda hoje é muito adoptado pelos caícos que pescam perto da costa. É uma corda muito comprida, sem grossura determinada, onde o pescador coloca os anzóis mais variados para toda a espécie de peixe, iscando-os de harmonia com o que espera caçar em cada um. No geral, o espinhel tem 50 braças e os anzóis são dispostos de meia braça em meia braça (70 centímetros), presos à corda por um fio torcido, a que se dá o nome de estrobo e que tem a altura de 30 centímetros.

42O espinhel é suspenso por pequenas bóias ou molhos de cortiças, que servem também para indicar a direcção em que está lançado.

APRESTOS MARÍTIMOS

43Ver as gravuras, onde estão descritos.

Aprestos marítimos

Aprestos marítimos

O fuso e rodela da abinhadeira é desenhado com fio torcido e emmaçarocado. O sarilho é desenhado com fio do fuso em meada

O fuso e rodela da abinhadeira é desenhado com fio torcido e emmaçarocado. O sarilho é desenhado com fio do fuso em meada

Notes

1 O fuso das abinhadeiras é cilíndrico e não cónico como os fusos das rocas. Numa das extremidades tem um gancho de arame e na outra encaixa o centro da rodela.

2 Ver a sua descrição na pág. 32.

3 Cadoira – Três cordas paralelas, da grossura de dez milímetros cada uma, ligadas por fios grossos de linho de meia em meia braça, ligações a que chamam agaiaduras.

4 Tralha – Corda.

5 Incála – Fio de linho que liga a corda à rede.

6 Arcála – O espaço da corda entre os nós do fio da incála. Quer as arcálas quer as incálas são medidas por bitola própria para o entralhar destas redes.

7 Boireis – Rolos de folhas de cortiça com o comprimento de 27 por 16 centímetros de espessura, folhas pregadas, como nas balizas, por pinos de madeira.

8 À data em que se publica este livro já não existe nenhum ticum. Quando muito, alguns panos destas redes transformados em rascas.

9 Ver o desenho que publicamos.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3954/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Aprestos marítimos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3954/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre O fuso e rodela da abinhadeira é desenhado com fio torcido e emmaçarocado. O sarilho é desenhado com fio do fuso em meada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3954/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 73k

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search