Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XVI A morte

Texte intégral

1Dentro dos seus princípios religiosos, o Poveiro tem, quando doente, a preocupação de se preparar para a morte. E é o primeiro a pedir para se confessar e comungar, ficando, assim, mais tranquilo e encarando o fim da vida com resignação, sem nenhuma espécie de sobressaltos.

2A morte repentina, desejada por tantos, é encarada por ele com verdadeiro horror, porque não lhe dá tempo para regularizar a sua vida espiritual. E quando isto se dá, a família do morto redobra as missas e sufrágios, que possam suprir a falta de ele não ter regularizado as suas contas com Deus.

3Morto, é amortalhado com hábitos das cores das vestimentas dos santos do seu nome ou com o balandrau da Misericórdia, sendo irmão, ou ainda o hábito de S. Francisco, pertencendo à Ordem Terceira.

4A sala é forrada de panos pretos, tendo ao centro uma cruz onde levantam um altar para a colocação da imagem do Crucificado, ladeada por quatro velas. Sobre a porta da casa, pregam um pano preto para indicar a quem por ali passa que há ali um morto a quem se deve oração.

5À volta do caixão, as pessoas da família e os amigos choram alto, com grandes exclamações, relembrando a vida do morto e o seu amor à família.

6Desde que o cadáver sai até dar entrada no cemitério, mantêm-se as luzes acesas e todos os presentes rezam pela alma do defunto.

7Na vestimenta do cadáver das crianças pregam alfinetes como prenda, para que no outro mundo a sua alma de inocente peça venturas para quem lhe fez oferenda.

8Durante oito dias, os homens da família envergam o seu gabão do mar, com capuz pela cabeça. É o seu luto carregado. Os que não têm gabão, trazem um casaco, durante o mesmo tempo, sobre a cabeça, mas de forma que uma das mangas fique ao cimo. As mulheres trazem na cabeça um lenço preto, puxado para a frente e põem a saia dos ombros à cabeça, como o homens fazem ao gabão.

9Algumas famílias dão, como nas outras classes, a missa do sétimo dia; mas na sua grande maioria, resumem-se a ouvir missas pela alma dos seus defuntos.

10Antigamente, o préstito fúnebre dos poveiros remediados, principalmente dos lanchões, era acompanhado por uma banda de música, que tocava durante o trajecto as chamadas peças da Paixão, sendo o caixão coberto com o pano de honras. Isto acabou.

  • 1 À cabeceira das campas espetavam na terra uma placa de madeira onde gravavam a marca dos mortos, de (...)

11Os poveiros visitam nos domingos o cemitério público – o Campo Santo – orando sobre as campas dos seus mortos1. Esta visita chegou a ser, noutros tempos, uma verdadeira romaria dominical, obrigatória para os noivos.

Notes

1 À cabeceira das campas espetavam na terra uma placa de madeira onde gravavam a marca dos mortos, deste modo indicando quem ali se encontrava sepultado. Este velhíssimo uso foi desaparecendo com a colocação das lousas com inscrições. No entanto, em muitas destas, mantinham a velha tradição, gravando as marcas nas costas das lousas, visto que assim as tornavam conhecidas dos membros analfabetos da comunidade. Ainda hoje se vêem no cemitério local muitas lousas com estes siglos.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search