Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XV O casamento1

Texte intégral

  • 1 Publicado na Aguia n.° 18 (2.a série), Julho de 1913. Aos valores das redes devem dar-se a estimati (...)

1O Poveiro casa-se novo, entre os 18 e 22 anos, daí o começar bem cedo a namoriscar as belas raparigas da classe, lindas feiticeiras de olhos negros, sonhadores, acostumados a contemplar a imensa vastidão onde navega o amor dos seus amores!

2De ordinário, o coração prende-se-lhe quando percorre as ruas do bairro, viola à cinta, cantarolando velhas canções de beira-mar, em bando com outros seus companheiros que, como ele, precisam de repartir as ternuras do seu afecto com um coração... desconhecido.

3Preso, adeus estúrdias!

4Todas as noites que o mar e o mau tempo lhe proíbem a sua faina marítima, ei-lo junto da sua namorada a conversar. Ela de dentro da casa, deixando ver pelo postigo o seu lindo palminho de rosto sedutor... e ele, junto à ombreira, de fora, embebido no doce olhar da sua amada, vai-lhe contando o último desafio de remo que teve o seu barco na arribada do dia anterior, o cruzamento das suas redes no profundo... o seu amor!

5E este idílio continua assim sempre até que os pais julgam que é tempo de acabar, consentindo o casamento.

  • 2 Era obrigatório ao rapaz-noivo, quando tivesse de fazer uma arribada a qualquer praia espanhola, tr (...)

6Obtido este, a união só se efectua depois de cumpridos os usos e costumes da classe2.

7O pai do rapaz-noivo, após o consentimento, dá-lhe um quarto do que ele, noivo, ganhar, para com o seu produto os noivos, a pouco e pouco, irem fazendo as redes que lhe são indispensáveis para viverem independentes e amealharem algumas moedas para instalação do novo lar.

8Se é sardinheiro terá, pelo menos, que fazer quatro aparelhos que lhe levem o melhor de quatro libras, visto que lhe são necessárias para cada ceifa duas redes (um quinhão). Se porém é lanchão e, portanto, se emprega na caça da pescada, isso fica-lhe mais caro, porque precisa de fazer seis cartéis que lhe bota para umas 50 coroas!

9O que é certo é que, de uma forma ou da outra, o Poveiro não se pode casar sem que primeiro consiga adquirir o pecúlio bastante para conseguir comprar as redes exigidas para o trabalho.

10É por isso que os noivos, do consentimento em diante, se coadjuvam mutuamente na aquisição dos novos bens.

11Assim, enquanto ele no mar se esforça para que o seu quarto lhe dê o maior rendimento, ele, em terra, vai alisando o linho, fiando-o, torcendo-o, para assim mais facilmente se cumprir o preceito da classe.

12Não admira, pois, que os serões poveiros sejam verdadeiros idílios, visto que as redes se fazem entremeadas de sorrisos de namorados e de cantares ao desafio, porque o Poveiro canta sempre, trabalhando.

  • 3 Nos domingos em que não tinha que ir a romarias fora da terra, a sua romagem fazia-se ao Campo Sant (...)

13Depois, durante esta temporada de noivado, a todas as festas predilectas da gente do mar não vai um sem o outro. O par há-de mostrar-se sempre unido. A estada numa romagem3 de um sem a noiva, equivale para os da classe a um amuo, a uma ruptura de relações. É o escândalo de um casamento desfeito.

14Conseguido o pecúlio para as redes, é lançado o primeiro pregão ou banho na Matriz, dos três que a Igreja impõe, para a união dos noivos.

15É neste espaço de tempo de três domingos (pois só nos domingos e dias santificados é que o pároco anuncia os pregões) que se cumpre o uso mais original e típico da classe.

16O Poveiro, na primeira ceifa que vai ao mar após o pregão, leva um lenço da namorada, que iça, em forma de bandeira, numa vara, à proa, quando o barco, já de volta da pesca, entra na barra da enseada, anunciando desta forma à tribo que ali, a bordo, há um noivo, um coração que se vai unir!

17Quem casa no barco do Dibó ? – é a pregunta que todos fazem ao divisar ao largo aquele sinal convencional tremulando ao vento, símbolo do amor!

18Depois, se a noiva é filha de um arrais, os tripulantes organizam a Enviada, que vem a ser o destacarem quatro a cinco homens da companha que, num barco mais pequeno, vão ao profundo, no mar alto, a 300 braças de altura, passar uma noite e um dia na pesca à linha aos peixes de mais fino sabor para os ofertarem à noiva para a sua boda.

19Também é vulgaríssimo os companheiros do noivo organizarem as Enviadas para lhe oferecerem uma ceia ou caldeirada em despedida da sua vida de solteiro; e, neste caso, termina com uma festa, com cantares ao desafio, que se prolonga até à madrugada.

20Segue-se, ao fim, a cerimónia religiosa. Os noivos vão e vêm da igreja separados.

21Ela, entre as duas madrinhas, a dela e do noivo, abre o cortejo, vindo, depois, indistintamente, e atirando confeitos aos conhecidos e amigos, os convidados e o noivo, distinguindo-se este por não trazer o guarda-sol ou bengala que todos os outros, para evitar confusões, levam sempre naquele acto.

22Os padrinhos oferecem, ainda no espírito previdente da classe, redes e aprestos marítimos para mais próspero se tornar o novo casal.

23Eis o casamento do Poveiro : – belo pelo que encerra de interessante e pitoresco nos seus usos e ainda digno de registo pelo ensinamento que traduz o seu espírito de previdência.

Notes

1 Publicado na Aguia n.° 18 (2.a série), Julho de 1913. Aos valores das redes devem dar-se a estimativa de valores-ouro.

2 Era obrigatório ao rapaz-noivo, quando tivesse de fazer uma arribada a qualquer praia espanhola, trazer à sua noiva um listrão – cordão grosso, em cores, com borlas na ponta, que servia de faixa para arregaçar as saias. Mal o barco abicava, o rapaz saltava fora, e ali mesmo, na praia, e na presença de todos, fazia a oferta.

3 Nos domingos em que não tinha que ir a romarias fora da terra, a sua romagem fazia-se ao Campo Santo, orando sobre as campas dos seus mortos.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search