Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XIV A infância

Texte intégral

1A criança poveira bem cedo se inicia na faina da pesca.

2É na penedia da costa onde faz os seus primeiros ensaios, pescando com uma vara as marachumbas nas furnecas das pedras, chamando-as com o seu assobiar característico. Conforme sobe a idade e ganha em agilidade, vai usando os outros processos de pesca da costa: os estralhos, para a caça dos lulões, sarrões, maragotas, marachumbas do alto, brotas e charrocos.

3Os mais ousados, trazem de casa a masseira de cozer pão e servem-se dela como barco, fazendo dos braços remos, para assim pescarem com os estralhos nos largos da enseada ou nas outras praias que orlam a Póvoa. Fazem também pequeninas redes da malha minúscula para a pesca dos mujos (robalinhos e tainhas adolescentes) nas poças da penedia, e ganhapões para a caça dos camarões. Caça, por igual, o polvo, com um bicheiro rudimentar nas buracas das pedras.

4Como os povos guerreiros da antiguidade, que adestravam a sua mocidade na arte da guerra, assim a infância poveira se ensaia nas lutas com o mar, dando-nos, por vezes, espectáculos bem impressionantes pelo arrojo com que se arriscam nesse seu ensaio de heróica valentia.

5Quando o mar pica na barra, vão nos pequenos barcos rebolos e nas masseiras, encarrilhar nas vagas alterosas do assejo.

6E quando a vaga se aproxima da barra, avolumando-se por efeito de penedia submersa, arrojam o barco para ela com a ré, para que, mal a onda dê indícios de dobrar, quebrando-se, possa apanhar o barco e trazê-lo sobre o dorso, em correria, até terminar o farfalhar da onda. É claro que a correria é ajudada com o remar violento, para que o barco, ao ser tocado pela vaga, tenha tomado já um certo impulso e facilite a encarrilhadela que, quando é longa, os entusiasma e os faz gritar de alegria.

7O brinquedo é, contudo, arriscadíssimo. A vaga, por vezes, falseia e quebra em cima do barco, submergindo-o. Outras vezes, na correria, o barco guina ao lado e emborca-se. Os pequenos tripulantes, apesar de nadarem como peixes, têm o seu momento de grave aflição. Já se têm dado desastres fatais.

8Mas o ensaio repete-se sempre. E esta esgrima de adestramento para as lutas do mar é, para eles, tão interessante que não é raro verem-se homens velhos em pequenos barcos a encarrilhar, todos radiantes quando apanham uma boa vaga que os traz de regalinho, recordando-lhes os seus tempos de mocidade.

9Esta convivência constante e permanente com o mar dá-lhes aquela serena confiança nas grandes lutas que tornaram o Poveiro o lobo-do-mar da nossa costa, assombrando-nos quando assistimos a actos de formidável heroicidade, como o do Veronese e S. Rafael, que toda a imprensa do País registou, sublimando-os e que o Poveiro pratica com a maior simplicidade, na preocupação apenas de que cumpre um acto obrigado pela natureza da sua própria profissão.

10Uma das mais interessantes características da infância do Poveiro aparece-nos quando a criança presta os seus serviços à comunidade, entre os sete e os dez anos.

11Em todas as companhas há os chamados pais de rapaz que são, como já dissemos, quem faz a limpeza do barco, olha pelos aprestos e vai dormir para as embarcações quando têm de ir alar as redes e, alta noite e à hora ordenada pelo mestre, vai de porta em porta dos homens da companha, batendo-lhe ao postigo e dizendo em voz forte: «Prò mar!» A isto chamam os pescadores obrigação.

12São pais de rapaz, porque todos eles têm um filho criança, que cumpre em terra a obrigação e que consiste em ir para riba do cais, todas as vezes que o barco esteja para o mar, para, mal o divise ao longe, ir avisar as mulheres da companha de que o barco chegou.

13E é curioso ver a esperteza dessas crianças. Brincam, desprecupadamente, olhando de quando em quando, a imensidão do mar a ver se descobrem o latino. Basta que um dê o sinal: «Lá vem um !», para que todos se agrupem a olhar, fixando a sua vista de lince no pontinho que lá ao longe se divisa. Começa desde logo a discussão: «É o Dibó – é o Negrinho – é o vosso – não é – conheço-o pelo pano!» – até que todos acordam: É o vosso, Zé» – e ainda ele vem a algumas milhas de distância. E o Zé, ligeiro como a andorinha, logo desata a correr os bairros, de casa em casa das mulheres da companha, a deitar o pregão anunciador: «Varar ! »

14Sucede sempre que as mulheres da companha chegam à praia primeiro que o barco abique, tal a ligeireza com que a criança se desempenha da obrigação.

15É ainda a infância, nas horas de ansiedade pela tempestade no mar e quando todos no paredão ou nos fieiros esperam pelos seus, quem dá a primeira nova do barco que está à vista, porque fixa na retina os próprios contornos da velamenta e a divisa do barco da sua obrigação e de muitos outros.

16O pequeno poveiro ajuda ainda os pais no fazer da rede nova, enchendo as agulhas com fio.

17A par destas obrigações que o espírito da classe impõe como factores de educação marítima, a criança poveira tem as suas forgas bem características, que constituem verdadeiros desportos de agilidade e energia.

18A boiada, a péla, a zocha, a forma, a entola, as vascas, a covinha, a roda, o descanso e a barra são modalidades desportivas que a entusiasmam e muito contribuem para o seu desenvolvimento físico. Algumas destas forgas estendem-se às crianças de toda a região do Minho. Mas duas há que são caracterizadamente poveiras: A boiada e a péla.

19A boiada é dos primeiros e dos mais entusiásticos jogos da criança poveira. Toma aspectos violentos.

20A péla é o seu último jogo, podendo bem considerar-se o jogo de despedida da sua mocidade. Tem distinção; é, comparado com os outros, a filigrana dos seus jogos. E tanto assim, que as outras classes da terra, modernizando a sua péla de pano rijo por bola de borracha, dão-se hoje a esse desporto, com entusiasmo, nas temporadas da Páscoa. A péla é, na Póvoa, digamos, o sinal da – aleluia! – porque se inicia com a festa da Ressurreição e acaba com a festa da Ascensão. Registemos as características destes jogos:

  • 1 As cacheiras têm o feitio parecido com as stick do Kockey.

21A boiada – Cada rapaz usa para o jogo uma cacheira (pau com uma curvatura na ponta). As cacheiras1 formam todas um braçado que é entregue a um que de olhos vendados, vai distribuindo, deitando para o chão, uma para a direita e outra para a esquerda, formando assim os dois partidos para a luta, visto que o dono de cada uma vai para o lado em que a sua se encontra.

22O campo do jogo é, de ordinário, uma rua, e a sua delimitação é feita conforme o número de rapazes que entram no jogo e feita sempre por dois riscos no chão.

  • 2 A bola é sempre um pião sem bico e sem a saliência da extremidade oposta.

23Os jogadores dispõem-se como no foot-ball. Um grupo, joga para um lado e outro ao inverso. Junto à linha o boieiro inicia o boio, isto é, dá o primeiro impulso com a cacheira, atirando a bola2 para o meio dos jogadores que iniciam a luta, procurando cada um com os seus paus levá-la para o lado onde jogam. O grupo que a atirar primeiro além da linha ganhou, mudando imediatamente de posição, pois vai jogar ao contrário.

24Como no fott-ball há o goal-keeper, na boiada há o boieiro que dá o boio para guardar e defender a linha.

25Este jogo toma por vezes um aspecto violento, porque as cacheiras não respeitam muito as canelas dos adversários, quando a bola se abeira em demasia das pernas dos lutadores.

26A boiada foi o jogo mais querido em épocas remotas.

  • 3 Diálogo:
    – «Dou-te um
    – «Dou-te dois
    – «Dou-te três
    – «Vou com os quatro para baixo. »

27A péla – dois partidos em número igual de raparigas e rapazes. Para que sejam o mais possível equilibrados, os partidos iniciam-se pela nomeação de dois chefes, no geral os melhores jogadores dos presentes e os dois escolhem, ora um, ora outro e um a um, os seus jogadores, começando pelas raparigas. Os últimos escolhidos são, está bem de ver, considerados os que menos jogam, sendo estes, no geral, os que iniciam o jogo. Finda a escolha do pessoal, os chefes começam mutuamente a oferecer pontos para estabelecer a igualdade entre o que fica de cima, a jogar, e o de baixo, a defender, visto ser este último o que tem de início menos vantagem3.

28Assim, enquanto o de cima inicia o jogo a pedir o primeiro ponto do el, o de baixo, quando venha acima, começa o seu jogo por três, quatro ou aqueles que combinou quando foi para a defesa.

29A cachola (banco, cadeira, pedra ou utensílio que sirva de ponto de mira para ser tocado pela péla e a que dão sempre o nome de cachola) está do lado de cima. O rancho de baixo espalha-se, sendo a sua missão evitar que a péla se distancie da cachola, esforçando-se por a apanhar à mão, pois que assim inutiliza o jogador que a impulsiona.

30Se a péla cai no chão, o mais hábil do rancho atira-a em direcção à cachola. Se lhe toca, inutiliza o jogador; se não lhe toca, conta o que joga um ponto para o seu grupo.

31O jogo inicia-se por esta forma:

32O jogador avança três passos adiante da cachola e diz: Primeiro do el, olha ? – E os de baixo respondem: – Mirolho! – e, então o jogador espreita os espaços que há entre os adversários para ver se por entre eles pode enviar a bola para longe – e joga-a no ar.

33São interessantes os ditos das raparigas que junto da Cachola esperam a péla, dirigidos aos de baixo: «Serrubica! a cachola tem uma bica!» «Olha essa mão, que me não leve em vão !»

34«Primeiro!... Senhor do Cruzeiro!... Come a carne e deixa o carneiro!»

35«Dois!... Pega na varinha e vai picar os bois!»

36«Três!... Santa Inês ! Nunca lhe dês se não uma vez!»

37«Quatro!... Um bocado de pão bolarato!»

38«Cinco!... Um brinco!»

39«Seis!... Panela velha toca os reis!»

40«Sete!... Um canivete que te espete!»

41«Oito!... Um biscoito!»

42«Nove!... Dá esmola ao pobre!»

43«Dez!... Dança com os pés!»

44«Onze!... Um bocado de pão de bronze!»

45«Doze!... Acabar o él!»

46Todos estes ditos são antecedidos com as exclamações: Ó Maria!Ó Manuel! (o nome do adversário que apanha a bola para a atirar à cachola).

47«Olha que por aqui e por ali (apontando desvio da cachola (também é caminho!)

48Ó Maria!, não lhes dês? ! Olha para trás que vem o teu rapaz!

  • 4 Lugar ao sul da Póvoa.

49Esguina para o lado da cachina!4

50Não tem uma explicação plausível a contagem dos pontos.

51O jogo tem dois eis (24 pontos) e mais meio el (6 pontos), o que tudo perfaz 30 pontos.

52Pois o jogador, ao lançar pela última vez a bola no espaço, diz em voz alta:

– Seis, a acabar os quarenta eis !

53Apesar deste velho jogo ter passado já para as classes mais cultas da terra, ainda hoje se conserva este pregão erróneo, que nos anuncia quarenta quando são dois eis e meio!

54As pélas eram, de ordinário, grandes, feitas de farrapos cobertas de pano de lona e de vela de lancha.

55O seu jogo dependia de pulso forte e de certa habilidade para que a péla se escapasse pelos intervalos do pessoal do rancho adversário e fosse longe, dando assim mais probabilidade de se marcar os pontos.

56Era luxo das moças poveiras usarem ao jogo da péla saias brancas de branqueta, casaco debruado de biquinhos ou colete vermelho de pano berre, lenço cachené na cabeça e descalças. Os rapazes usavam calça branca de varas ou baeta-crepe, percinta branca de riscas à volta do quadril, camiseta também branca, colete, catalão (gorro) vermelho na cabeça e soletas (chinelas) calçadas com meias de cores vivas às riscas transversais.

57O pequeno poveiro tem para todos os seus jogos épocas próprias e não há meio de jogar nelas jogos diferentes.

58É curioso por exemplo o que se dá com a zocha ou pião.

  • 5 Dizem eles «cortar o c. à zocha».

59Há um dia próprio em que rapaz que apareça com zocha com espigão em cima, fica com ela em bocados, picada pela dos outros. Só a salva se o tiver cortado5 e em lugar dele colocar um prego. E não se queixa, por que tinha obrigação de se lembrar que naquele dia – era o da serração da época da zocha !

Dia de S. Simão
Escacha o pião!

60Inicia-se assim a infância do poveiro, que as tradições seculares da sua raça bem cedo o força a olhar de frente para o mar, que lhe dá o sustento e a glória, mas também e quase sempre lhe serve de mortalha!

Notes

1 As cacheiras têm o feitio parecido com as stick do Kockey.

2 A bola é sempre um pião sem bico e sem a saliência da extremidade oposta.

3 Diálogo:
– «Dou-te um
– «Dou-te dois
– «Dou-te três
– «Vou com os quatro para baixo. »

4 Lugar ao sul da Póvoa.

5 Dizem eles «cortar o c. à zocha».

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search