Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XIII O lar1

Texte intégral

  • 1 Referimo-nos ao lar antigo do Poveiro, de há 40 anos. Hoje já há muita vivenda relativamente confor (...)

1O lar poveiro é desconfortável. Na sua casa não há janelas, mas apenas uma porta para a rua e outra para o quintal, com um grande postigo, que se abre nos dias chuvosos para dar luz. Tem somente dois compartimentos: a sala, onde dorme, come, trabalha e guarda os seus aprestos marítimos, e a cozinha, onde tem a lareira, a caldeira de cozer a casca de salgueiro e a masseira para tingir e beneficiar as redes.

2A um lado da sala, duas camaretas abertas, separadas por um camarote, da largura precisa para armar, os bancos e colocar sobre eles as tábuas que, com o colchão e o travesseiro, cheios de palha solta, constituem a cama de poveiro.

3No camarote do centro, fechado, guarda o Poveiro as suas melhores roupas. No outro lado da sala, a um canto, o paneiro com as redes, cordas e aprestos. Junto às paredes estão as caixas com os arranjos domésticos e que servem também de bancos. Dependurados nas traves, o balaio do pão, a cesta, as agulhas de marear e fazer rede, o ganha-pão, o bicheiro, a roupa de oleado, tudo que se pode dependurar. As paredes das camaretas estão cobertas com migalheiros e quadros com imagens dos santos das suas devoções. À cabeceira, o ramo de oliveira benzido no dia de Ramos só renovado em igual dia do ano seguinte.

4Os perfumes do lar são lestras, ervas cheirosas colhidas nos campos no dia da Hora, que são lançadas por entre os lençóis, nos bolsos do fato e por entre as roupas domingueiras.

O Lar – A sala (pág. 131)

O Lar – A sala (pág. 131)

O Lar – A cozinha (pág. 131)

O Lar – A cozinha (pág. 131)

5Também no dia da Hora se colhem flores em abundância para com elas se enfeitar o paneiro das redes, cobrindo-se estas de pétalas, para quebrar os maus olhados e serem venturosos na pesca.

  • 2 As garrafas do vinho são de bojo largo e gargalo estreito. Para demorar a bebida, apesar do gargalo (...)

6A família poveira come ao centro da casa: um banco, quando não é o próprio soalho, serve de mesa, sentando-se no chão todos em volta. Não há garfos ; comem à mão, todos da mesma bacia, bebendo, também, pela mesma garrafa2.

7A casa é iluminada pela luz de uma mecha de pano de algodão torcida, envolvida em óleos de resíduos de peixe, a que dão o nome de graixa, vertidos numa candeia bastante primitiva e que é dependurada num mancebo, objecto de madeira muito típico nesta região minhota.

8O Poveiro tem duas únicas refeições ao dia: o jantar, ao meio-dia, e a ceia, à noite. Quando faz frio, na madrugada, toma umas migas de unto açucaradas. As migas são o regalo com que as mulheres mimoseiam os homens quando eles chegam do mar nas noites frias. Pelo dia adiante, quando o estômago aperta, um bocado de boroa de milho do balaio. O peixe é a sua principal alimentação. Ambas as refeições são de presigo, com batatas ou hortaliças, regadas de vinho verde rascante das regiões de Guimarães e Basto. No fim, uma grande tigela de caldo, de feijões e hortaliças. A carne entra raramente na casa do Poveiro. Quando muito, aos domingos ou quando hospedam um amigo, seu companheiro de trabalho nas praias do sul ou na Espanha, a quem deve finezas das suas arribadas e que ele obsequeia com o melhor que possui no desejo de que esse hóspede leve da sua convivência a certeza de uma gratidão e amizade profundas pelo muito que lhe fez numa emergência difícil. No Janeiro, salga em cântaros de barro ou pequenas tinas a sardinha em tranchos que lhe vai tocando na divisão do refugo das ceifas. Seca, no Verão, as pescadas, raias, cações e melgas, que, com o peixe da salga, há-de, no Inverno, suprir a falta de ganhos do mar para a sua alimentação. Deita-se cedo, depois da ceia. Se tem de ir amarrar à proa, deita-se ao pôr do Sol, obrigando toda a família a fazer o mesmo. Levanta-se cedo, à hora da missa primeira.

O serão

9O Poveiro faz muitos e contínuos serões. Tem de fiar, torcer e dobar o linho para fazer e compor as redes e este serviço força-o a um constante labor. Mas os seus serões são diferentes dos das outras colmeias da região : começam à uma hora da madrugada e acabam ao romper do dia. E todos trabalham dos sete anos por diante.

10O primeiro serviço a fazer é a reparação das redes vindas do mar: atar as malhas, reparar as cortiças, olhar os chumbeiros, pisar a casca e torcer o ticum para receberem a beneficiação da tinta de cozimento da casca de salgueiro.

11Depois, segue-se o fazer do pano da rede nova. As mulheres fiam nas rocas de cana o linho, dobam-no para os fusos das abinhadeiras e abinham-no (torcem-no) passando-o a seguir à meada com o sarilho e deste para o novelo. As crianças enchem as agulhas e os homens fazem a rede.

12Pano da rede feito e o serão toma novo aspecto: as mulheres pisam a casca, enchem a caldeira de água, tratam dos trabalhos de encascar. Os homens aparam as cortiças, furam-nas com os trados, fazem-lhe as marcas, preparam as cordas e a bitola para entralhar.

13E quando o pano da rede aloira com a tinta, os homens entralham então a rede, começando pela cortiçada, medida a cada nó pela bitola que vai regulando a distribuição da cortiça. É o trabalho mais difícil porque dele depende a rede abrir bem ou mal, e, portanto, pescar muito ou pouco.

  • 3 Muitos, ao findar o serviço de entralhar, chamam a mulher, abraçam-na e atiram-a para cima da rede. (...)

14Há, entre os poveiros, o preconceito que rede regada é afortunada e assim, ao iniciar este trabalho, a mulher dá um quartilho de vinho ao homem entralhador, que borrifa a rede com o primeiro golo, bebendo o resto3. Fica assim terminada a rede branca. E ter duas ou três redes brancas numa ceifa é o maior orgulho do Poveiro, porque elas representam muito trabalho e largos gastos.

  • 4 Que tem mais espaço devoluto na sala.

15Nestes serões, juntam-se, por vezes, duas ou três famílias amigas, na casa que tem mais praça4. Cantam, contam histórias antigas, lendas que correm, peripécias marítimas e no fim do serão um padre-nosso pelos que andam nas águas do mar.

16A estes serões vão também os noivos ajudar as futuras consortes a fazerem as redes que os preceitos da classe obrigam a ter antes do matrimónio. Se na casa há filho leterado, este lê em voz alta os livros de Roldão e Carlos Magno ou da princesa Mangalona ou as histórias da Bíblia ou ainda livros que recordam a vida e os tormentos do Senhor.

Notes

1 Referimo-nos ao lar antigo do Poveiro, de há 40 anos. Hoje já há muita vivenda relativamente confortável, principalmente daqueles que labutam no Brasil. A maior aspiração de um poveiro emigrante é arranjar pecúlio para aquisição de uma casinha na sua terra natal.

2 As garrafas do vinho são de bojo largo e gargalo estreito. Para demorar a bebida, apesar do gargalo ser estreito, furam a rolha e o vinho é bebido coado por este pequeno orifício, que um pino de pau tapa.

3 Muitos, ao findar o serviço de entralhar, chamam a mulher, abraçam-na e atiram-a para cima da rede. Isto dá fortuna à rede.

4 Que tem mais espaço devoluto na sala.

Table des illustrations

Titre O Lar – A sala (pág. 131)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3942/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre O Lar – A cozinha (pág. 131)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3942/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 109k

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search