Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XII Divisões de ganhos

Texte intégral

«Pais de rapaz» e «rapaz de obrigação»

1A divisão dos ganhos da pesca é alguma coisa de complicada que só com muita paciência e explicações, algumas delas feitas ao vivo, com moeda, conseguimos deslindar.

2Falaram-nos do quinhão de mais a mais, no dinheiro das partes (que não é como se presume a parte de cada tripulante) na rede de beber, na rede da Senhora, nos cartos de pais de rapaz, nas redes da bargada, nas redes das boias, nos russões, nas redes ou partes dos barcos, em tanta coisa, que houve que mandar parar para caminharmos por partes, para chegarmos ao fim com segurança. Para melhor se compreender essa divisão, temos que acompanhar todas essas rubricas a quem cabe distribuição, com o esclarecimento do serviço que elas se destinam a remunerar:

3Quinhão de mais a mais – É quarto e meio (3 / 8) da parte de um homem (0,375) e pertence ao homem do leme que governa o barco, seja ou não o dono da embarcação. É o agasalho do mestre.

  • 1 O tabaco faz parte da despesa caseira, sendo, portanto, fornecido pela mulher.

4Dinheiro das partes – Na comunidade poveira quem governa a casa é a mulher. Ela compra, vende, pede emprestado, empenha e paga. Ao homem ninguém pede dívidas1.

5Por isso, todo o dinheiro que pertence ao ganho do homem é-lhe entregue, ao fazer da companha, integralmente. O homem não tem que saber em que ela gasta este dinheiro. Mas há um outro dinheiro que também ela não tem que saber dele: é o dinheiro das partes. Este é exclusivamente do homem que o tem para os seus mimos, bebendo com ele a sua pinga, fazendo a sua franqueza, comprando alguma roupa, e, sendo solteiro, para dar à namorada alguma prenda. É interessante que, por vezes, quando o dinheiro da mulher mal chega para o sustento, ele pode dar-lhe para um casaco, para uma saia, para um lenço do seu dinheiro das partes, mas nunca para o governo da casa, que isso é lá com a mulher. Quando muito, empresta-lhe algumas coroas, para ela lhe pagar na primeira divisão a fazer...

6Para se apurar na divisão, da companhia, este dinheiro das partes, acresce-se a cada parte de um homem mais um quarto.

7Exemplo : em doze homens apuram-se doze quartos, ou sejam três partes. Mas a importância de estes doze quartos ou três partes, não se divide somente pelos doze homens, mas também pelo barco ou barcos de que eles façam uso, porque também vão ao mar... E este dinheiro do barco serve para a sua conservação: pintar, ensebar e consertar.

8Os quartos de pais de rapaz – Nos barcos lanchões há três a quatro pais de rapaz ; nos barcos da sardinha, um ou dois.

9São muitas as suas obrigações, principalmente nas lanchas da pescada: são eles que põem ao sol para secar e recolhem à fábrica todos os aprestos do barco; ensebam a quilha e guardam os paus de varar; lavam e escuncham os barcos; olham pelo pano da vela quando seca; contam e recolhem no paneiro do barco os cestos de pedras que as mulheres da companha são obrigadas a dar para o chumbeiro das redes; que descem às cavernas do barco e transportam para a tosta do meio a pedra que os companheiros colocam nos ementos dos chumbeiros das redes; que no alar das redes marcam o peixe de cada um segundo a indicação do companheiro da polé, que vai anunciando, em voz alta, o nome do dono da rede que se está a alar ; que feitas as marcas no peixe de cada rede, anuncia em voz alta a quantidade, por espécies, dos peixes que a mesma caçou para conhecimento do companheiro dono da rede, arcando com a responsabilidade da quantidade que anuncia; que, ao chegar a terra, faz a entrega do peixe, cantando as marcas «Rabo, Xis ao rabo, andora, coroa, badana de riba...» – para que os companheiros, em pé na tosta, o recebam e saibam de quem é o peixe; que renovam os ramos de louros das balizas.

  • 2 As lanchas vão amarrar à proa quando deixam ficar a caça no mar por duas noites. Amaram à bóia para (...)

10Quando o mestre determina que a lancha vá amarrar à proa2 – amarrar à bóia – e saia de madrugada, o pai de rapaz vai dormir à embarcação para, na hora marcada, ir chamar os companheiros, batendo-lhes à porta e exclamando: Prò mar.

11Todos os companheiros podem, de certa hora em diante, marcar as suas panas, isto é, reservar para dormirem no mar as tábuas que atravessam o barco, um pouco acima das cavernas, e que são as mais abrigadas da embarcação. Serve de marca um lenço que se lhes amarra ou o colete de varar. O pai de rapaz olha por esta marcação para que não se dêem descuidos nem conflitos.

12Mas o pai de rapaz tem de ser, de facto, pai de rapaz, isto é, tem de ter em terra um filho que seja o rapaz da obrigação, completando os serviços a que obriga a remuneração que aquele recebe. É este rapaz da obrigação, entre os sete e dez anos, que quando o barco está para o mar vai para o paredão esperar que o latino desponte ao longe, lá no mar largo, para, mal ele surja, correr, voar, de rua em rua, de porta em porta, a chamar as mulheres da companha batendo-lhes ao postigo e exclamando: «Varar ! » (Quando há mais de um pai de rapaz, dividem o serviço para a chamada). Este serviço do rapaz de obrigação é feito tão rapidamente, que no geral as mulheres chegam à praia antes das lanchas abicarem.

13Quando, por muita consideração, se dá o lugar de pai de rapaz a um companheiro que não tem filho, é uma filha que faz este serviço. É caso raro, mas dá-se. Então, os outros garotos tratam-na por Maria-Rapaz – «Oh Maria-Rapaz: lá vem o teu barco!» Mas ajudam-na a descortinar, lá no mar largo, o barco da obrigação. Os pais de rapaz são ajudados nos seus serviços de bordo e na seca dos aprestos pelos rapazes aprendizes ou órfãos, que iniciam a sua faina no mar sob a vigilância daqueles.

14Nos barcos sardinheiros a remuneração destes serviços é de um quarto a mais do que ganha um homem ; nas lanchas, porque a sua obrigação é muito mais pesada, é de meia parte.

  • 3 O vinho é repartido igualmente: ex.: uma canada. Se a não quer ir beber em companha na venda, pode (...)

15Rede de beber – Todas as lanchas levam para o mar duas ou três redes de beber. O produto desta rede é metade para o dono dela e a outra metade é guardada pelo dono da lancha. Serve para o agasalho da companha. Quando o temporal obriga a resguardar o barco das maresias da praia, chama-se a companha para varar e no fim dá-se-lhe uma bebida3. Ao terminar uma ceifa, o mestre dá à companha uma bebida; e quando a pesca é intensa e trabalhosa, há a caldeirada. Nas vésperas das festas do santo patrono do barco e dos santos populares, Santo António, São João e São Pedro, bebem as mulheres e os homens. São os seus banquetes em que confraternizam e discutem os seus trabalhos do mar. O produto da rede de beber é quem paga todas estas despesas.

16Rede ou quarto da Senhora – Os poveiros tiveram durante largos anos a Irmandade da Lapa como sua única associação. Era ela quem, em seu nome, representava aos poderes públicos sobre os direitos e interesses da classe.

17No seu velho «compromisso», a par das chamadas «necessidades religiosas», estabeleceram-se benefícios à classe, que iam até ao amparo na invalidez. Mas esta última parte nunca teve execução. De útil, para a gente do mar, só havia – e há hoje ainda – o farol da Lapa, aceso nas noites em que um milhão de maresias, proíbe a entrada na barra – e que serve de aviso desse perigo ao pescador que navega. Também a Irmandade fornecia por ocasião da morte quatro tocheiros e respectivas velas de cera para alumiar o cadáver. O serviço mais valioso da Irmandade era, sem dúvida, o cuidado de representação da classe. Foi para sustentar a Irmandade que os poveiros estabeleceram nas suas lanchas da pescada a rede da Senhora e nos barcos sardinheiros e de linha o quarto da Senhora que representa, na divisão dos lucros, a quarta parte do ganho de um homem. O produto desta rede ou quarto é publicado no fim do ano na igreja da Lapa à hora da missa, para que toda a comunidade saiba o que cada barco contribuiu para a Senhora e a totalidade do rendimento. A Lapa foi, com o produto desta rede, a mais próspera e rica Irmandade da Póvoa. Desta prosperidade nasceu a sumptuosidade da Procissão da Assunção, que se realiza a 15 de Agosto, de grande nome no País e que atrai milhares de forasteiros à Festa dos Pescadores.

18Redes da «bargada» e das «bóias» – A rede da bóia é a que amarra à cadoira que prende a caça à bóia : a rede da bargada é a que se segue àquela. As primeiras, são fornecidas pelo dono do barco; as segundas, pelos que trazem ao mar redes da lancha. É que aquelas redes são as piores da caça, as que sofrem sempre mais e com menores resultados, pelo constante torcer da bóia-baliza.

19Fornecem-nas, portanto, os que mais ganham dentro da companha. O ganho delas, quando o produto da pesca é em conjunto, é igual ao das redes de beber.

20Redes da lancha ou partes do barco – O barco que anda ao mar traz quatro redes, ou sejam duas partes; o que está em terra, duas redes ou uma parte.

21Quando o dono do barco as não pode fornecer, leva-as para o mar um companheiro à sua escolha, ganhando a meias, mas com a obrigação de dar também a rede da bargada.

22Os russões – São as redes das viúvas, representando sempre meia parte do ganho de um homem. Olha pelas redes dos russões o pai de rapaz.

23Resumindo: Companha de 24 homens e dois rapazes:

2424 homens, à parte

2524 partes

266 »

27Dinheiro das partes

28Três redes de beber

291 ½ parte ou 6 quartos

  • 4 Na pesca da «pescada» quer o ganho seja em comum quer cada um para si, o peixe que vai na rede da S (...)

30Parte da Senhora4

31um quarto

322 partes

334 pais de rapaz

346 redes da lancha

353 »

361 parte

372 redes da bóia

382 redes da bargada

391 »

40½ » – dois quartos

412 rapazes aprendizes

42Quinhão de mais a mais

43¼ e meio » – (1/8 de parte)

44São, portanto, 41 partes, menos meio quarto.

  • 5 Quando é cada um para si, o peixe que cai nas redes de cada um é, como já se disse, marcado e vendi (...)

45A divisão5 é feita por 41 partes. Se o meio quarto que sobra dá para rodar um vintém pelas partes, distribuem; se não dá, estas sobras vão para os migalheiros dos santos da devoção do barco, que é onde se recolhem sempre todas as quantias que não têm partilha.

46Como as mulheres são analfabetas e não sabem fazer contas de dividir, fazem 41 montes de moedas no chão da casa, começando os montes pela quantia que lhes parece ser mais aproximada da parte; depois vão rodando às coroas, tostões e vinténs até que não dê partilha – e assim fazem a divisão.

47Quando guardam nos migalheiros as sobras ou o que a companha destinou aos santos da devoção, a mesma pega no dinheiro e benze-se com ele dizendo: Em nome do Padre, do Filho e do Espírito Santo. Nosso Senhor dos Milagres ampare e dê sorte ao nosso barco.

Notes

1 O tabaco faz parte da despesa caseira, sendo, portanto, fornecido pela mulher.

2 As lanchas vão amarrar à proa quando deixam ficar a caça no mar por duas noites. Amaram à bóia para alarem a caça mais cedo do que quando é de uma noite para chegarem sempre à terra com dia e poderem a tempo efectuar a venda do peixe mais deteriorado pela demora na caça.

3 O vinho é repartido igualmente: ex.: uma canada. Se a não quer ir beber em companha na venda, pode ir buscá-la para casa. Este facto dá-se raramente, porque o Poveiro prefere bebê-la em conversa com os seus companheiros.

4 Na pesca da «pescada» quer o ganho seja em comum quer cada um para si, o peixe que vai na rede da Senhora é sempre marcado à parte e vendido pelo pescador que a fornece.

5 Quando é cada um para si, o peixe que cai nas redes de cada um é, como já se disse, marcado e vendido e o seu produto arrecadado pelo dono da rede.
Não há, portanto, que fazer divisões.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search