Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

XI As pescas

Texte intégral

A safra da sardinha

1O Poveiro tem várias pescas com as suas épocas próprias; mas duas há que são, por assim dizer, toda a sua vida do mar: A safra da sardinha e a caça da pescada.

2A sua grande pesca é a safra da sardinha. A esta quadra do ano que vai de Santos (Outubro) à Senhora da Guia (Fevereiro), chama o Poveiro – O Janeiro.

3Todos fazem esta pesca, com pequena excepção de alguns fanequeiros. Os que não têm redes pedem-nas a ganho: são os mieiros.

4Dos resultados desta pesca depende o bem ou mal-estar da colmeia, porque dela espera a liquidação das suas dívidas durante o ano ou a compra de roupas, redes e utensílios necessários ao seu labor. A uma boa safra de sardinha chama o Poveiro um Janeiro rico. Esta pesca é feita junto à costa, entre 5 a 30 braças de fundo, portanto, em barcos de tamanho médio. Por este motivo, uma companha de uma lancha da pescada divide-se em dois ou três barcos: Lancha pequena, batel e catraia. Aos dois últimos dão-lhes o nome de enviadas. O ganho dos três é em comum, como se fosse um só barco.

5Os tripulantes do barco governado pelo mestre, referido-se à pesca dos outros dois barcos dizem: «As nossas enviadas tomaram cem milheiros. » Os destes barcos referindo-se àquele, dizem: A nossa «lancha» tomou cento e cinquenta milheiros.

6Nos barcos de pescar à linha dá-se o inverso dos lanchões : juntam-se duas companhas para tripularem um batel. É que se a sardinha der para o sul da costa, as catraias de pescar são demasiadamente maneirinhas para tão longa caminhada.

7Digamos quais são as características desta pesca.

8Os tripulantes vão todos, de manhã cedo, postar-se junto à proa do barco. Olhos no firmamento vão discutindo para onde correm as nuvens, qual é o vento, o tempo provável a fazer, o local onde deu o rabisco da sardinha antes do rebojo do tempo que os obrigou a ficar em terra, todo o pró e contra que lhes pode vir da sua saída para o mar num tempo incerto.

9Muitas vezes estas discussões travam-se nos fieiros, lugares por eles destinados para observarem o tempo e o mar. São, no geral, certas esquinas dos prédios mais perto do mar e onde faz abrigo do vento norte.

10O mestre vai-os ouvindo silencioso. Por vezes, entra na discussão do tempo provável a fazer, com algumas pequenas observações, a que os mais velhos da companha respondem com a sua experiência, citando alguns exemplos ocorridos com tempo semelhante.

11Por fim, o mestre dá a ordem de «bota abaixo». Despem-se então as «béstias» (casacos), tiram-se os paus que equilibram o barco, e este é empurrado até ao meio do areal. Aqui, adornam-o para o lado direito. Feito este serviço, os tripulantes vão a casa buscar a cesta e as redes. A mulher traz os dois quinhões (quatro redes), e o homem traz a cesta, o saco de roupa e os boiréis. Começa-se então a compor a caça: Abrem as redes e vão-nas acamando no barco, apanhando-as uns pelos chumbeiros e outros pela cortiçada, enquanto ainda outros vão boçando (amarrando) as sineiras às redes e aos boiréis e atando as redes umas às outras, formando assim a caça. Findo este serviço, vai-se buscar a madeira para dentro do barco: – leme, polé, vergas, mastro e remos. Os pais de rapaz trazem da fábrica os cabos e utensílios miúdos da embarcação. Pela popa fora fica o rabicho da verga para as mulheres ajudarem a lançar o barco à água. No largo da enseada, iça-se o pano e o barco toma o rumo da barra.

12O Poveiro é um tabolão incorrigível, falando sempre muito e alto. É portanto no meio da mais formidável algazarra que se estimula e faz o mais pesado trabalho. Ouve-se de terra o seu vozear de trovão ao içar o pano. Mas quando o barco entra na barra, o silêncio é profundo. A barra tem sido a grande sepultura do Poveiro. É ali que através dos séculos ele tem tido as suas grandes lutas com o mar, gloriosas sempre pela desigualdade, mas onde muitas vezes foi vencido. Aquele lençol de água sobre os heróis de muitas gerações. É ali a sepultura do avô, do pai e do filho...

13O silêncio faz-se sem que ninguém o ordene e os barretes tiram-se da cabeça, maquinalmente. Uma única voz se levanta, a do mestre: «Um padre-nosso pelos que morreram aqui!» As mãos erguem-se ou cruzam-se em recolhimento, e de todos os lábios baixinho se reza a oração. Novamente a mesma voz: «Um padre-nosso ao Senhor da Agonia que nos leve e nos traga a salvamento.» Finda a reza destes dois padres-nossos, voltam-se todos para a igreja da sua padroeira e a mesma voz do mestre volta a ouvir-se: «Uma salvé-rainha a Nossa Senhora da Lapa.» Reza-se e volta-se ao silêncio.

14Transposta a barra, revive a faina do trabalho num tabolar constante de efusiva camaradagem.

15Começa-se então a procurar o jeito. O jeito são as toninhas, os mascatos, as pardelas, os araus, todos os animais que andam rodeando ou por cima dos cardumes. O mascato, o antigo alcatraz do Poveiro, é o melhor símbolo de jeito, porque, atirando-se do céu em flecha, só o faz com a certeza de peixe em abundância. Ao bico do barco vão dois homens que são os que dão sinal do jeito. Quando vêem os mascatos, olham para os seus movimentos e, quando estes se atiram ao mergulho, começam a gritar: Ainda... Ainda..., que é, na linguagem deles, acompanhar o gesto da ave quando vê e se atira à sardinha. O mestre ordena-lhe que olhem para o fundo do mar a ver se vai gorgulhada. Se os homens dizem que sim, o mestre manda botar ao mar (lançar as redes).

16Se é de noite, o jeito procura-se diferentemente. Diz-se para os homens do bico: «Olho!» – e começa-se a bater fortemente com cunhas e chamas na tosta do barco. Se há sardinha, ela salta e chega a guinchar. Os homens do bico informam: «Ei-la, aí vai ! » – « O mar vai branco». Então, lança-se a caça: – «Em louvor de S. Pedro»; – joga-se ao mar a bóia de rabo, e um homem ao chumbeiro e outro à cortiçada, vão largando a rede pela borda, enquanto os outros remam, cercando o local onde presumem haver mais abundância de sardinha pelo que mostrou o jeito. A ponta da caça amarra-se ao capelo do barco. Cada rede leva um boirel amarrado por uma corda a que chamam sineira. Os boiréis servem para trazer a caça nas alturas em que se deseja pescar, sendo portanto as sineiras reguladoras dessa altura. Uma hora depois de lançada a caça, olha-se a rede. Ala-se o primeiro quinhão : tem sardinha, um ou dois centos, deixa-se malhar; se não tem, companha arriba, caça para dentro do barco, e vai-se procurar outro jeito. Se ao alar a rede o peixe é muito, de comer a rede, ala-se também a caça. Ao chegar à praia, os barcos enxurram, ficando em seco. De manhã cedo, começa a faina da venda do peixe, que é feita pelas mulheres: pelo antigo sistema, ao milheiro; pelo novo sistema à giga. Se é o regateiro (negociante de pescado) que a compra, as mulheres conduzem-na ao armazém de salga; se é para vender a retalho, estendem-na na praia, prateando todo o areal.

17Uma manhã de lindo sol na praia do pescado da Póvoa era uma manhã toda cheia de alegria entusiástica.

18Com que saudades eu não recordo a grande safra da sardinha da minha terra !

19O Janeiro! Já dele escrevi em 1912 :

20«Vai de longada o Janeiro sem que deixe perceber a mais leve esperança à nossa gente do mar, afeita, de há muito, apesar das desilusões ano a ano recebidas, a ver nele a recompensa consoladora dos trabalhos extenuantes numa luta tenacíssima para viver.

21«O Janeiro!

22«Era a palavra santa do Poveiro, a paz, a harmonia do seu lar!

23«Ao filho que lhe pedia uma roupa para cobrir a pele tostada pelo sol e curtida pelas maresias do mar; ao credor que lhe batesse à porta lembrando-lhe o calvário que pelas paredes da tenda, o giz, às rodelas e riscos, o acusava implacavelmente de devedor; aos pais da namorada que lhe insinuavam que era tempo de acabar com as noitadas ao postigo : – O Poveiro respondia sempre, invariavelmente: – “Para o Janeiro!’’. É que o Janeiro era a quadra em que a sardinha prateava toda a praia, tornando mais brilhante o sol e mais claro o luar; a alegria imensa incomparável de uma classe que ria e cantava na taberna com a caldeirada, ou ao serão, fiando e fazendo as redes da pescada que só o Janeiro lhe podia abonar. Era ainda no Janeiro que o Poveiro acossado pela neve batia à baleia cruzando os braços fortemente para que o frio lhe saísse do corpo, enquanto a mulher pressurosa lhe cuidava das migas, a água de unto, ao saber que o barco do seu benzinho tinha atracado à praia com um cento de milheiros...

24«O Janeiro!

25«Que lindas recordações nos não deixou de outras épocas! Ainda estou a ver o garotito na ponta do paredão olhos no mar, seminu a tiritar, pois as manhãs corriam finas, espreitando ao longe a sombra de uma vela, querendo nela adivinhar o barco onde tinha obrigação para que ligeiro como a andorinha a tempo pudesse avisar a mestra e mulheres da sua companha ; bandos de poveirinhas, longe ainda o dia, acocoradas às proas dos barcos, cobertas de grossas saias de branqueta, esperando o sinal luminoso do lampeão de bordo do barco sardinheiro; almocreves de roupa de saragoça, chapéu largo ou carapuça vermelha enfiada até às orelhas, luvas de lã grossa sem dedos, rodeando os primeiros poveiros que saíam das lanchas para indagar se traziam sardinha por preço compensador para que pudessem conseguir as suas cargas e fazerem as suas longas caminhadas; carros de lavradores das nossas aldeias, tinas ao alto, esperando o momento de as encher de presigo que deveria engordar o naco da boroa dos jornaleiros; comerciantes da nossa terra esfregando as mãos ao ver aquele areal imenso coberto de saborosa espécie, antegozando a esperança de um Janeiro rico, em que o peso do cobre fazia recear da segurança do encaixe das gavetas; bandos de raparigas, cores de romã, fortes e sadias, dos nossos campos, cestos à cabeça, cantarolando modinhas em direcção à Ribeira; pescadeiras voando, tal a ligeireza, por essas estradas fora, a levar aos seus fregueses: – A “vivinha a saltar!”

26«O Janeiro!

27«O que foi e o que é!...

28«Hoje, toda essa alegria de outros tempos se converteu na mais forte amargura, na mais dolorosa tristeza!

29«Meses seguidos de invernia; barcos acossados pelo tempo, arribam por essas praias além, a salvar vida, e o nosso pescador, o lobo do mar, percorre esses montes e vales batendo às portas dos lavradores, lamuriando: – uma esmolinha ao poveirinho...

30“Tristeza infinda!"»

A CAÇA DA PESCADA

31Ao contrário do que sucede com o barco sardinheiro, que larga a caça e a ela fica amarrado até a recolher, o lanchão vai largar a caça e deixa-a no mar, uma ou duas noites, regressando à terra. E, depois, volta ao mar para a alar (recolher).

32Para ambos estes serviços – Largar e alar – tem preceitos, que estão arreigados nas suas tradições, e que, por curiosos, temos que os registar nestas notas sobre o Poveiro, para elucidação daqueles que se dedicam ao estudo dos usos, costumes e tradições da comunidade portuguesa. Assim, dividimos a caça da pescada em duas partes, começando pelo

LARGAR

  • 1 O pescador sentado nos bancos tem os pés nas panas e é nelas que os finca quando rema. Quando o tra (...)

33A lancha tem apenas seis panas, com doze lugares. As panas1 são as tábuas que atravessam de lado a lado o interior do barco, mais abaixo e nos intervalos dos «bancos». São as mais cómodas para dormir ou descansar. As outras tábuas que atravessam o barco junto da borda chamam-lhes – «bancos».

  • 2 As lanchas vão amarrar à proa entre a meia-noite e as duas horas; quando vão, apenas, alar ou larga (...)

34Para evitar discussões nas horas de descanso, há o velhor preceito da tomada das panas. Até à meia-noite que antecede a madrugada em que o barco se presume vá para o mar2, o tripulante que o queira fazer vai tomar a pana, isto é, coloca sobre a pana, que escolhe, um lenço, o colete de varar, um casaco, qualquer objecto seu que lhe marque o lugar. Mas se o barco não sai nessa manhã, a tomadia fica desde logo sem efeito, porque a hora passa a ser do meio-dia em diante. Os outros dormem sobre os bancos e o mestre no caixão, junto à ré. A tomada das panas faz-se todas as vezes que o barcos vai largar.

35De manhã cedo a companha reúne à proa da lancha e discute o tempo que faz, examinando os astros e o mar. O mestre ouve em silêncio as discussões que por vezes tomam calor pela divergência de opiniões. De ordinário, o mestre segue a opinião dos mais velhos, que são os mais práticos e moderados na arte do mar, visto que esta arte de pesca é a mais árdua e arriscada de todas. Se a opinião destes é favorável, ele dá ordem de – Bota abaixo.

36Despem-se os casacos, arregaçam-se as calças e vestem-se os coletes de varar. Meia companha de cada lado do barco, costas à lancha, finca pé na areia, e ei-la a deslizar sobre os paus até próximo da língua da maré. Feito isto, cada um corre às suas casas buscar os aparelhos de pesca, a roupa e a comida. Os pais de rapaz vão à fábrica buscar o cordeame, moitões, barris de água, tudo o que é necessário ao apetrechamento da embarcação. Metido tudo isto dentro da lancha por cada um deles, uma parte da companha vai carregar o mastro e a verga, enquanto a outra parte vai buscar o pano à fábrica.

37Tudo, portanto, está pronto a seguir para o mar. O mestre sobe para o seu lugar à ré, e dá ordem de botar ao mar, e todos os homens da tripulação, agora ajudados pelas mulheres, empurram o barco até ganhar nado, trepando logo os homens a armar os remos que conduzem a lancha para o largo da enseada. E então o mestre, ajudado, engata o leme e diz à companha: Vamos a marear – começando a faina do içar da vela. Feito isto, cada tripulante vai para o seu lugar marcado. Entra-se na barra: O mesmo silêncio religioso, as mesmas orações, as mesmas mãos em preces que registamos nas tripulações dos barcos da sardinha. Ao sair-se daquele cemitério de água, renasce a vida do trabalho num auxílio mútuo permanente, quase sempre recortado por chalaças inofensivas, provindas de episódios sucedidos na faina do mar.

  • 3 «A praça» para onde a caça é composta fica entre o caixão da ré e o banco chamado tosta, quase a me (...)

38A meio da viagem, o mestre dá ordem para compor a caça. Cada um coloca as suas redes pelos bancos adiante, de forma a deixar a praça3 para acamar as redes.

  • 4 Ceifa – O tempo que anda no mar à caça sem ser renovada com outras redes. No geral, dura entre 10 a (...)

39Os pais de rapaz descem às cavernas e deitam para cima da tosta (o banco mais largo ao centro da lancha) as pedras que hão-de ser enlaçadas nos ementos que nas redes formam o chumbeiro. Tudo nesta colmeia tem as suas leis. As redes ao centro da caça são as que melhor pescam e que menos se danificam. Uma lei da classe determina que estes lugares sejam sorteados para a primeira ceifa4, isto é, enquanto as redes daquela caça andarem no mar. Organizam-se, portanto, dois grupos – um para o lado da bóia do norte e outro para o lado da bóia do sul. Botam-se em seguida as sortes: os primeiros números ficam à frente, seguindo-se os outros até às redes da bargada e da bóia, fornecidas pelo mestre. Na ceifa seguinte, muda-se de posição. Os das redes que estão no centro passam para as pontas e vice-versa, de forma a estabelecer-se a igualdade durante a temporada de pesca.

  • 5 A sondagem faz-se também, muitas vezes, para saber se o fundo é de pedra ou limpo (areia) e neste c (...)

40Feito o sorteio, o mestre escolhe três homens para apedrar os chumbeiros das redes, e outros três para compor a caça. Assim, três de cada lado vão abrindo e acamando nas cavernas as redes, cortiçada para o lado da ré e chumbeiro para o lado da proa. Dois destes homens, um de cada lado, boçam as redes (amarrar umas às outras) enquanto os restantes as dispõem em condições de não se envencilharem com as cortiças e as pedras. Acamada a caça, boçam-se as cadoiras que formama banda. Chegada a lancha ao mar escolhido, onde vai largar, o mestre manda sondar5 para verificar a altura das braças que há-de dar à banda das cadoiras que liga a caça do fundo à bóia que há-de ficar com a baliza. A sondagem faz-se com o barco de capa contra o vento, remos armados para evitar que ande.

41Verificada que a altura serve, o mestre manda arriar o pano e deitar a caça ao mar.

42Tudo a postos, cada um reza um padre-nosso ao santo da sua devoção, lançando a rede em seu louvor, e assim se inicia a largada: Atira-se ao mar a primeira bóia que fica sendo a do norte ou do sul, conforme o vento que corre, visto a rede ser lançada à feição do vento. Todos os marinheiros ao lançarem a bóia reparam nos montes para estabelecerem a marca do mar.

43O mestre diz e os marinheiros confirmam: «Bastuces em riba da Cajanca ! » – e a largada continua até à última rede, voltando a atirar-se ao mar a outra bóia e a verificar-se nova marca: «Bastuces à mama de Guião ! ».

44Se está nevoeiro, aprumam o fundo e servem-se da velha agulha de marear para os guiar.

45Pano novamente acima, e ei-los de volta à terra. Antes da lancha abicar, os companheiros perguntam ao mestre se vão alar as redes de uma ou de duas noites.

ALAR

46Se o mestre diz que é de uma, os pais de rapaz vão dormir, já nessa noite, para a embarcação. No geral são quatro a seis pais de rapaz em cada lancha. Na hora marcada, levantam-se, olham os astros e concordando que o tempo está em condições de se ir para o mar, vão chamar a companha, batendo à porta de cada um e acompanhando esse alarme com a voz de: Prò mar ! – Mas se o vento não está de feição e o tempo não se julga seguro, recolhem às suas casas, deixando a lancha de ir ao mar nessa noite. São eles quem resolvem. De noite, além dos homens, que levam a cesta da comida e o saco de roupa às costas, só vão à praia as mulheres da obrigação, isto é, as mulheres dos pais de rapaz para guardarem os paus de varar.

47Depois de sair da barra, o mestre toma conta do leme e manda deitar os companheiros. Ao romper do dia, surge a bóia à vista. Companheiros a pé e tudo se prepara para descer a vela. Feito esse serviço, arma-se a polé à proa, escala-se a companha em dois grupos de doze homens, que se renovam no alar da caça por quatro vezes.

48A primeira rede que entra – a da bóia – pertence ao mestre. O pai de rapaz pergunta ao mestre o que se faz ao peixe que a rede deu: «Marca-se? ou vai de companha? » Quer dizer, pergunta se o peixe que colhe cada rede é para o dono dela (uso antigo nesta pesca para obrigar os companheiros a renovar a caça com redes novas e boas que melhor pesquem) ou se todo o peixe da caça vai para o monte a fim de o seu lucro ser dividido igualmente por todos, como na pesca da sardinha.

49O mestre quase sempre responde dando-lhe a sua marca: «Xis ao rabo!», por exemplo.

50E o pai de rapaz faz a marca no peixe com a faca. Cada dono de rede conforme ela vem passando na polé, vai cantando a sua marca para o pai de rapaz marcar: Latino!, Olho!, Barbela!...

51Caça dentro da lancha, se deu rabisco de peixe, volta-se a largar no mesmo lugar; se não deu, rema-se para outra marca ou mareia-se para outro mar. E assim se faz durante a ceifa (dez a quinze dias) até que se trazem para a terra para serem reparadas e encascadas de novo.

52Ao iniciar-se a volta à terra, o mestre dá ordem para se comer. Finda a refeição, vai-se falar à marca do peixe: Os pais de rapaz descem às cavernas e vão cantar as marcas com as quantidades e qualidades dos peixes que pertencem a cada um. No geral, dá certo. Mas se não dá, o pai de rapaz tem que desfazer o engano ou paga do seu bolso o valor do peixe da qualidade que falta.

53Todos os da colmeia sabem quais são os homens mais altos da companha, isto é, os que apanharam mais peixe mas suas redes, sem necessidade de o perguntarem. É que ao recolher-se o pano da lancha, este é conduzido por todos os homens da companha; então o mais feliz vem à frente e carrega com a parte mais pesada para a fábrica, seguindo-se-lhe os outros por sua ordem. É um costume muito antigo.

54Barco na praia – Ala-arriba! – barco em cima, homens para dentro e faz-se a distribuição do peixe pelas mulheres, que o levam para o areal que lhes serve de mercado. Vendem-no à dúzia ao regatão; e para eles uma dúzia de pescadas são dezasseis.

Notes

1 O pescador sentado nos bancos tem os pés nas panas e é nelas que os finca quando rema. Quando o trabalho do remo exige grande esforço, o Poveiro finca os pés no banco da frente, levantando-se a toda a sua altura, amarrado ao remo, até ficar de pé e, juntando ao seu esforço o peso do corpo, deixa-se cair no seu lugar. É o que se chama remar de banco.

2 As lanchas vão amarrar à proa entre a meia-noite e as duas horas; quando vão, apenas, alar ou largar a saída para o mar é já feita pela madrugada. A tomada das panas é feita do meio-dia à meia-noite.

3 «A praça» para onde a caça é composta fica entre o caixão da ré e o banco chamado tosta, quase a meio do barco. Deslocam um banco para a praça ficar ampla.

4 Ceifa – O tempo que anda no mar à caça sem ser renovada com outras redes. No geral, dura entre 10 a 12 dias.

5 A sondagem faz-se também, muitas vezes, para saber se o fundo é de pedra ou limpo (areia) e neste caso untam de sebo a pedra da sonda para vir marcada.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search