Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

IX A Crença

Texte intégral

Festas, romarias e promessas

1O Poveiro, homem do mar, é um crente sincero. Quando tem, não há andadeiro de santos que lhe bata à porta que não leve a esmolinha, sempre acompanhada da sua súplica ao santo lembrado por aquele: «Senhora das Dores me dê saudinha!», «S. José me valha!», «Almas santas benditas nos amparem!», «Senhor dos Aflitos nos acuda!», «Santo António nos depare o perdido!...»

2Pelas paredes das camaretas estão dependurados os migalheiros dos santos da sua devoção, onde bota as esmolas todas as vezes que faz a companha e dela lhe vem resultados satisfatórios. Pode, nos Invernos, estalar de fome e esta obrigá-lo a empenhar os haveres e a andar por essas aldeias fora, de porta em porta, das casas dos lavradores, a pedir a esmolinha para o «poveirinho que o Senhor não dá do mar», que o dinheiro que neles está – e que lhe podia matar a fome muitos dias – é sagrado, não se lhe toca!

3É fertilíssimo em promessas aos santos. À mais pequena aflição no mar ou doença faz uma promessa. Mas tem um pouco em conta de que «santos da porta não fazem milagres».

4Assim, os santos de longe são os senhores das melhores promessas: Senhora da Abadia, S. Bento da Porta Aberta, S. Torcato, Senhora do Alívio e Santa Eufémia...

5São estas as suas grandes devoções, os santos que lhes acodem nas suas maiores desventuras, nas doenças mais graves. E as promessas correspondem ao milagre feito: libras em ouro, argolas, cordões, uma romaria sem fala, uma romaria a pé com um quarto de sal às costas, três voltas de joelhos em redor do santuário, uma vela de cera da sua altura...

6Por ocasião das romarias destes santos, bandos numerosos de poveiros vão por essas estradas fora, fatos domingueiros, a pé, até terras de Bouro, Vila Verde, Guimarães e Carriça, cumprir as suas promessas. E pelo menos as promessas à Senhora da Abadia e S. Bento da Porta Aberta têm de ser feitas no mesmo ano e cumpridas rigorosamente, porque estes santos não esperam e são vingativos. Chegam a empenhar haveres para cumprir. E não se lamentam, porquanto, « a uma devota que achou longo o caminho e disse depois da promessa: «Fica-te S. Bentinho que não me tornes a ver aqui» encaranguej aram-se-lhe as pernas por tal forma que não pôde mais andar. E com a Senhora da Abadia tem sucedido o mesmo.»

7S. Torcato, a Senhora da Saúde e Santa Eufémia são mais tolerantes, mais bondosos: é quando se pode. Mas aqueles são mais milagreiros: promessa feita com fé, é atendida rapidamente.

8Acham, portanto, justa a exigência. Há também alguma fé milagreira nos santos do concelho ou em redor dele, mas as promessas são mais pequenas, iguais às pequenas aflições e achaques para que os imploram. Quatro S. Bentos são visitados numerosamente pelos poveiros: o de Vairão, o das Peras, o da «Varge» (Várzea) e o da Porta Aberta; mas o das grandes promessas é este último. Aos três primeiros, oferecem cravos, ovos e uma ou outra moeda de prata: coisa de pouca monta. O da Porta Aberta é mais feliz, porque, além das grandes promessas, é patrono dos barcos e o dono do migalheiro...

9No dia da festa do santo patrono da embarcação, embandeiram o barco, deitam foguetes e assistem à festividade religiosa.

10Há santos e invocações da Virgem que são implorados para todos os males e aflições: Nossa Senhora da Abadia, S. Torcato, Senhora do Alívio, Senhora da Saúde, Santa Apolónia e Nossa Senhora das Dores. Mas há outros que têm especialidades: S. Bento – tumores e coisas ruins; Santa Eufémia – males da pele; Santa Catarina – juízo; S. Brás – garganta; Santa Luzia – vista; S. Romão – dores de barriga; S. Félix – asma; Santo António – coisas perdidas; S. João – dores de cabeça; Santa Mónica – dores de dentes; S. Cristóvão – fastio.

11Lá diz a cantiga:

Santo Amaro é das pernas;
S. Romão é da barriga;
S. Brás é da garganta ;
E dos olhos Santa Luzia.

12Há promessas interessantes: O Tio Reitora, enrascado numa tempestade marítima, apegou-se com o Senhor dos Perdidos e prometeu-lhe fazer sempre uma romaria anual com toda a sua família, anunciando-a à classe com estrondo, à partida e à chegada. O milagre fez-se e o Tio Reitora anunciava a sua ida e vinda com uma dúzia de foguetes. E cumpriu esta promessa até à morte.

13Estes são os santos sérios, carrancudos, com quem se não pode brincar, embora alguns sejam benevolentes.

14Mas há também os santos bonacheirões, que deixam o Poveiro brincar com alegria, beber uma pinga em sua honra, atirar ao ar duas cantigas brejeiras e mandar ao diabo as paixões.

15Estes são os três santos populares dos Portugueses: Santo António, S. João e S. Pedro. Pode dizer-se que o que há de mais interessante no cancioneiro poveiro se deve aos festejos destes santos, que nos bairros piscatórios atingem uma certa bizarria. Dos três, o mais festejado é o S. João.

16Mês de Junho. Santo António é no dia treze. Na véspera, toda a tenda arma o seu altar, cheio de flores e velas, que ardem toda a noite a iluminar a imagem do santo. Nas ruas, em frente às portas, a fogueira, e aqui e além danças populares com cantares ao desafio.

17S. João é a vinte e quatro. É a grande festa popular, onde o Poveiro se expande com exuberância. A todas as portas do bairro arde uma fogueira. Aqui e além, às portas dos mestres, a grande fogueira e um pinheiro alto que os rapazes e as raparigas das companhas vão à devesa buscar para dançarem à roda:

Sentemo-nos raparigas,
À sombra deste pinheiro;
Há um ano que esperamos,
O S. João verdadeiro.

18De um lado ao outro da rua, filas de lenços embandeiram o local, dando-lhe um ar festivo e característico. A mestra manda vir da venda o agasalho : vinho e rosca à discrição. E logo surge a cantiga em coro, acompanhada de palmas compassadas e todos pulando:

E batei remos, raparigas, batei remos;
Vinho e rosca é o que nós queremos.

ou, então, a cantiga apropriada, em rima directa ao mestre oferente :

Arriba, arriba, cachopas do feno.
Quem paga o vinho é o zé-pequeno.

19O rancho que dança é formado por quinze ou vinte pares, de rapazes e raparigas. Trajo rigoroso da classe. As raparigas vestem colete vermelho de pano berre; saias de branqueta branca com faixa; lenço branco pelos ombros; cacherné caído no pescoço e descalças. Os rapazes usam calças brancas de baeta crepe, colete de pano piloto, camisa branca, percinta branca de riscas, soletas nos pés e catalão na cabeça.

20Junto ao pinheiro, sentados, os tocadores com as violas e o botador dos versos. A dança começa, colocando-se os rapazes numa linha e as raparigas na outra, cada um em frente do seu par. As linhas estão separadas um ou dois metros. O botador lança os dois primeiros versos de cada quadra, com as linhas paradas, que só avançam e recuam uma para a outra e cada um para o seu par, quando todos respondem à fala do botador :

No altar de S. João,
Nasceu uma laranjeira,

21E, finda esta repetição, juntos uns dos outros, mas sempre em linha, dançam aos pulos, repenicando com os dedos ou batendo palmas, uma parelha de versos, que a meio de cada quadra modificam:

Arriba, arriba, cachopas, arriba!
Quem é pequeno não chega à medida.

22Param então; e o botador canta os dois versos que faltam para completar a quadra que lhe falta e que eles repetem:

Qual será a rapariga,
Que irá colher a primeira.

23A dança inicia-se com os versos alusivos à vida do santo, que publicamos adiante no Cancioneiro, logo seguidos de outros populares:

Donde vindes S. João,
Pela praia co’o engaço.
– Venho de dizer adeus,
Às cachopas do argaço.

24E sempre o estribilho variado a meio da cantiga, para a dança:

  • 1 Variante: a «capar» um grilo.
  • 2 Variante: tem a amiga «prenha».

Orvalhadas, minhas orvalheiras,
E viva o rancho das moças solteiras.
Donde vindes S. João ? Que vindes
tão molhadinho.
– Venho da rua das Hortas,
De regar o cebolinho..
Raparigas isto não é nada,
É S. João a comer pescada.
S. João por via das moças
Fez um chafariz de prata.
As moças deram cm ele,
S. João todo se mata.
Repenica, repenica, repenica,
S. João a suar em bica.
O S. João das donzelas,
É de prata pequenino;
Feito pela mão dos anjos
Nunca vi santo tão lindo.
S. João para que quereis,
Tantas pêras, que tantas colhéis.
O vosso S. João, moças,
Tem vinho a vinte e cinco :
Com papel, é vinho branco,
Com ramo, é vinho tinto.
Vamos, sem ficar nenhum,
Buscar a agulha e mai-lo ticum.
Eu vejo que lá ao norte,
Está um trono levantado.
Fizeram-no os pescadores,
P’ra S. João estar sentado.
Que é aquilo, que é aquilo, que é aquilo ?
É S. João apanhar um grilo1.
Na noite de S. João,
Nenhum mocinho se deita,
Anda de esquina em esquina,
À procura da sujeita.
Botai lenha, botai lenha, botai lenha,
Que S. João não tarda que venha2.
Vamos todas raparigas,
Vamos sem susto nem medo;
Dar os restos ao Baptista
E dar entrada ao Pedro.
A riba, a riba, cachopas a riba,
S. João vai na despedida.
O S. João chora, chora,
Lágrimas de prata fina,
Que lhe fugiu o cordeiro
Por aquela serra acima.
S. João mora na ponte,
À beira tem um carneiro.
Vamos raparigas todas,
Comê-lo ao pasteleiro.
S. João e mais S. Pedro,
Foram ambos ao pagode,
S. João acendeu lume,
E queimou o seu bigode.
Na noite de S. João,
É o tomar dos amores,
O trigo está em cana,
O Maio com as flores.
Ó meu S. João Baptista,
Quem vos deu as calças largas,
Foram as moças do sul,
Que são umas zavergonhadas.
Agora, agora, cachopas agora,
Dêmos-lhe o resto, vamo-nos embora.

25As lanchas da pescada fazem enviadas que mandam ao profundo pescar os melhores peixes para a caldeirada na véspera do S. João. Na noite de S. João colhe-se, à meia-noite, o alho-porro que se coloca atrás da porta e nos capelos das novas embarcações para evitar o mal de inveja e maus olhados.

26S. Pedro é a vinte e nove. As festas não atingem a grandeza das do S. João ; mas são muito semelhantes, com ranchos e fogueiras, violas e ferrinhos e o botador de versos que começa as cantigas com a vida do santo. No fim, há versos alegres, alusivos ao patrono da festa, acolhidos sempre com entusiasmo e palmas aos botadores:

S. João e mais S. Pedro
Foram ambos à faneca
S. Pedro apanhou tudo,
S. João chamou-lhe c’reca.
Ó meu Pedro! Ó meu Pedro! Ó meu c’reca !
Hei-de ir aos polvos à vossa forneça.

27E por aqui além, neste género, dezenas deles em desafio.

28A par destas festas, em que o Poveiro se exterioriza alegremente e com exuberância nas ruas, há as festividades solenes em que toda a sua alma de crente se concentra, num culto fervoroso.

29Uma delas, emocionante, é o culto pelas «Almas do Purgatório.» É a lembrança dos seus mortos, que ele deseja tenham na vida do Além um descanso eterno. E não há dia nem oração que termine sem que reze o padre-nosso pelas almas do Purgatório para que Deus as alivie e resgate de penas tão duras, levando-as para o Reino da Glória. Todos os sufrágios são poucos para satisfazer a sua ânsia de resgatar do Purgatório as almas dos seus mortos. Há entre eles a crença que antes destas rezas às almas do Purgatório, depois do toque das ave-marias, os mortos se erguiam das campas e vinham, em procissão, campainha à frente, pelas ruas da vila, suplicar um padre-nosso para alívio das suas almas. Ninguém, depois dessa hora, saía à rua.

30«A uma velhinha, a Tia Margarida Moleira, ouvi eu contar que, sendo forçada pela noite morta a passar pela velha igreja da Misericórdia e reparando que a porta estava aberta, entrou, recuando em seguida, estarrecida, ao ver que os mortos se tinham levantado das campas e estavam a ouvir uma missa ! Também a Tia Janela afirmou que num serão carecera de acender uma candeia e que dando pela falta de lumes viera à porta ver se passava alguém para lhos pedir. Abrindo o postigo, viu que vinham ao longe muitas luzes e, quando estas se abeiraram, pediu um lume que lhe foi entregue pelo postigo. Acesa a candeia, quando ia entregar a vela que tinha recebido, já o grupo se tinha distanciado, reparando ela, então, que em lugar de uma vela lhe tinham entregue uma tíbia! Fora no dia seguinte confessar-se, sendo-lhe dado o conselho de à mesma hora esperar novamente o grupo de almas e entregar à que fosse sem luz o que lhe tinha sido entregue. “Eram almas boas que andavam a pedir orações !”. »

31Com a convicção arreigada de que estas tétricas paradas dos mortos pela noite morta são verdadeiras, não há que estranhar o culto profundo pelas almas do Purgatório.

32Dentro da sua crença, o Pescador das Almas, é o Santo André. É portanto a este santo que o Poveiro suplica o alívio das penas a que estão condenadas no Purgatório as almas dos seus defuntos.

33Santo André venera-se na sua capelinha em Abremar, deste concelho, erecta no areal em frente ao penedo onde, segundo a tradição, o santo deixou vincada uma pegada quando por ali andou na sua faina do mar.

34A sua festa é no dia 30 de Novembro – mês de Santo André. Na madrugada desse dia, bandos numerosíssimos de homens e mulheres, com lampiões, vão a pé, areal fora, até à capelinha a rezar novenas. Chegados ali, prosseguem nas orações, dentro e à volta do templo, sufragando as almas.

35Na volta toda essa gente vem a entoar cânticos. Uma mulher do grupo recita uma súplica e logo todos respondem em coro:

Resgatai as almas,
Ó Pastor Eterno ;
Daquele lugar,
Junto ao Inferno.

  • 3 Quando as caças apanham sardinha no mar em frente à capela.

36Mas Santo André não é, na crença do Poveiro, somente o pescador das almas. Ele é o seguro protector do barco sardinheiro. Novena de Santo André com toada de sardinha a fazer-lhe romaria»3 é a melhor esperança para o Poveiro de um bom Janeiro:

Santo André das Almas,
Pedi ao Senhor,
Que nos dê sardinhinha,
Pelo seu amor.

37É também crença das moças solteiras que atirando uma pedrinha para cima do telhado da capelinha no dia da romaria, o santo lhes faz o milagre de casarem nesse ano. A pedra é atirada sempre com uma súplica :

Vai pedra abençoada,
Para eu prò ano vir casada.
Santo André uma pedrinha,
Para eu prò ano vir casadinha.

38A grande festividade dos pescadores é a da sua padroeira – Nossa Senhora da Assunção – a 15 de Agosto. Os pescadores poveiros têm a sua associação religiosa – a Irmandade da Lapa – com estatuto aprovado desde 6 de Maio de 1791 e era esta instituição que os representava perante as autoridades locais e poderes públicos até à organização da actual Associação Marítima dos Poveiros.

39No estatuto da Irmandade da Lapa fixaram-se, além dos chamados bens de alma, que todas as confrarias estabelecem para os seus associados quando morrem, auxílios pecuniários em casos de doença, impossibilidade de trabalho, amparo às viúvas, auxílios aos órfãos, tudo que de melhor se pode desejar numa instituição de previdência. Infelizmente, tudo isto era letra morta, porquanto o único serviço, real e efectivo, à classe era a manutenção de um farol, que ainda hoje existe, ao cimo do telhado da capela da Lapa, que é aceso quando o mar é um milhão de maresias e que serve, para os barcos no mar, de sinal indicativo de perigo na barra. Fora disto, quatro tocheiros e quatro velas da Irmandade rodeiam o caixão com o cadáver do Poveiro na hora da morte...

40E, contudo, os rendimentos foram, noutros tempos, magníficos, sendo a Irmandade da Lapa considerada a mais rica do concelho. Esses rendimentos eram provenientes do produto da rede da Senhora, nas lanchas da pescada e de um quarto (a quarta parte do ganho de um homem) nos barcos sardinheiros e de pescar à linha. Para se calcular do valor desses rendimentos, basta reparar nesta estatística alfandegária de 1914 : barcos de pesca, 537, com 2467 pescadores. E todos eles ganhavam para a Senhora.

41A lista destes rendimentos era, e é ainda hoje, lida pelo servo da Irmandade à hora da missa, em determinado dia do ano, para a Comunidade ter deles conhecimento.

42Eram dilapidados estes rendimentos? Nada disso: o Poveiro é probo, incapaz da menor desonestidade.

43Como toda a preocupação das Mesas era o culto à Virgem da Assunção, os rendimentos gastavam-se com prodigalidade em novos andores, alfaias, músicas, foguetes e iluminações que dessem à Festa dos Poveiros o máximo brilho e imponência.

44De facto, a procissão da Assunção, a 15 de Agosto, é, sem favor, a melhor e a mais rica procissão do Minho, não só pelos seus sumptuosíssimos andores, cujos mantos das imagens, recamados de oiro, em bordados artísticos, deslumbram, como ainda pelas maravilhosas alfaias feitas expressamente para aquela procissão.

45E se as Mesas procuravam dar todo o brilho à procissão, a colmeia piscatória entusiasmava-se nesse dia, procurando, cada um dos seus membros, na medida das suas posses, dar-lhe o quinhão de esforço, para que a sua padroeira fosse festejada com galhardia e estrondo.

46E assim, logo de manhã cedo, os lenços das mulheres das companhas, as percintas dos homens e as cobertas de chita eram levadas à praia para embandeiramento dos barcos, dando, assim, ao areal um aspecto festivo, originalíssimo e bizarro.

47Nas chamaceiras do barco, espetavam-se canas verdes; e os lanchões compravam, com o produto da sua rede de beber, para colocar à proa e à ré do barco, rodas de fogo preso com macacos. Cada barco embandeirado adquiria cinco, dez e vinte dúzias de foguetes, conforme as posses.

48A procissão passava – e passa ainda – pelo meio das embarcações por um caminho mandado abrir na véspera pela Mesa da Irmandade; e quando a procissão dava entrada nesse caminho da praia, de todos aqueles barcos se iniciava um tiroteio formidável, que só acabava quando o andor da Virgem da Assunção chegava à capela.

49O tiroteio da praia era o número mais impressionante da Festa dAssunção, presenciado sempre por muitos milhares de forasteiros que cobriam o Paredão, o Castelo e toda a margem da enseada.

50É tão original e imponente este número, que ainda hoje as comissões que se organiza, para levar a efeito a festa da Assunção, à falta de recursos da Irmandade e dos pescadores, oferecem a estes bandeiras e foguetes em enormes quantidades (200 dúzias de bandeiras e 600 dúzias de foguetes, fora as girândolas da Comissão) para eles adornarem os barcos e festejarem a Virgem, mantendo-se, assim, a tradição do tiroteio na praia.

51Primitivamente, a procissão abria com um carro alegórico – o triunfo da Igreja – puxado a três parelhas brancas, seguindo-se o estandarte da Irmandade e os seguintes andores ladeados pelos irmãos das confrarias da vila: – S. Pedro, Anunciação, Senhora da Boa Viagem, Senhora da Lapa e Nossa Senhora da Assunção, fechando o préstito religioso o pálio e a Mesa.

52Modernamente desapareceu o carro alegórico, mas acrescentaram-lhe três andores de imagens veneradas na capela da Lapa: – Santo António, Senhora das Graças e Coroação da Virgem.

53É, como dissemos já, arreigadíssima a fé dos poveiros na sua padroeira a Virgem da Assunção.

54Eles querem que, na sua passagem pela praia, Ela abençoe o mar – teatro de todo o seu labor, de toda a sua vida!

55Por isso, quando a procissão por ali passa, e o préstito pára para descanso dos homens que conduzem os andores, as imagens são sempre voltadas para o mar – a fim de que dele venham, abençoadas, todas as venturas que o Poveiro almeja.

A Páscoa

56Não difere grandemente da restante região minhota a festa da Páscoa entre os poveiros. Nota-se entre eles a mesma alegria esfusiante do povo desta região, que tem na Páscoa e no Natal as suas duas grandes festas da família, onde todos se reúnem fraternalmente no seu lar.

57As casas lavam-se no sábado e os soalhos são, no domingo de Páscoa, cobertos de hera e flores, arranjando-se as camas com as melhores roupas da caixa para se receber o compasso, as boas-festas do pároco ou dos seus representantes.

58A nota enternecedora da Páscoa dão-na os padrinhos, oferecendo aos afilhados como folar uma rosca de pão trigo, que eles conduzem pelas suas enfiadas num dos braços, radiantes de contentamento. Por muito pobre que seja o Poveiro, não deixa de dar na Páscoa o folar ao afilhado, embora o faça através do sacrifício do empenho ou venda de objectos da sua maior estimação. Quer dar, nesse dia, grande para ele, a sua bênção ao afilhado, com a satisfação de manter a velha tradição do folar, que tanta alegria lhe deu em criança.

59É ainda no domingo de Páscoa que se inicia o jogo da pela, tão querido da gente poveira e que descrevemos na Infância.

O Natal

60A grande festa da família, que é o Natal, celebrado em todo o mundo, tem entre os poveiros um verdadeiro culto. Pode a sardinha no mar andar às barrias, de comer as redes: o Poveiro não vai ao mar.

61E se está arribado fora da terra, vem a pé, se não tem recursos para o fazer de comboio, das maiores distâncias. A Noite do Menino há-de passá-la com os seus, custe o que custar.

62Nessa noite, saem das caixas as grandes bacias coifas de louça de Buarcos, reservadas para as comidas dos grandes dias. A ceia é também melhorada com os peixes dos finos manjares dos pescadores: – ruivos, cachorras, bonitos e raia seca – ornamentados com excelente hortaliça, batatas e sopas de pôr debaixo, com molhos temperados pelo melhor azeite da tenda.

63Nesta ceia também o Poveiro tem sobremesas: as rabanadas de vinho, cobertas de açúcar-de-cana, castanhas, nozes e figos; e vinhos de duas qualidades: verde rascante, para o peixe; geropiga para as rabanadas e figos.

64Sobre o soalho da sala onde vai comer, espalha grande quantidade de feno e palha, lembrando-se que,

Não havia na cabana,
Se não feno e mais palha,
Que cobria o Deus Menino,
E era a sua mortalha.

65Sobre o feno estende a toalha, e, sobre esta, colocam-se as bacias do peixe, sentando-se todos em redor, começando assim a ceia. No fim, canta-se ao som das violas e ferrinhos os versos do Menino, para em seguida deitarem-se todos em cima do feno até à Missa do Galo, em plena madrugada.

66A noite característica do Natal do Poveiro dão-na os numerosos grupos de crianças, dos 7 aos 14 anos, que percorrem os bairros da vila, lampião à frente, a botar os versos do Menino.

67Levam para acompanhar as cantigas, castanholas e ferrinhos. Chegados às portas, batem forte, fazendo a pergunta: «Vai ou não vai?» Se de dentro respondem «vai ! », o dirigente do grupo bota a cantiga em dois versos de cada vez, que são repetidos, depois, em coro por todos.

68No fim, mandam-nos entrar, enchem-lhes os bolsos de castanhas e figos, dando-lhes vinho e ainda alguns tostões.

69Os versos antiquíssimos vão adiante publicados no Cancioneiro.

70As Janeiras e os Reis são também festejados pelos poveiros com uma ceia melhorada, na véspera em que entram, pelo menos, as rabanadas; mas não têm as características folgasãs de outras terras de Portugal, em que os grupos, em visita pelas casas amigas, cantando as Janeiras, dão a estas festas um sabor especial.

Outras festas

71A procissão nocturna de Quinta Feira Maior, na Semana Santa – chamada a procissão dos Fogaréus –, tem uma característica local originalíssima, ainda hoje conservada. As crianças poveiras incorporam-se nela às centenas, com lanternas de mil cores, tendo umas pintadas no papel e outras vazadas no cartão, vários desenhos e os tormentos do Senhor. Apresentam-se ainda outras com miniaturas de casas, peixes, barcos veleiros, vapores, azenhas, flores e tudo engenhosamente feito e bizarramente iluminado.

72Muitos dias antes, todas as crianças andam numa azáfama doida a arranjar a sua lanterna, que os entusiasma de contentamento.

73É dos mais formosos e originais números de festas poveiras.

74Na procissão local de Corpus Christi, além das autoridades e Associações, incorporavam-se também, com os seus trajes regionais, as argaceiras, levando cada uma o seu palmito enlaçado com flores.

75No arquivo da Câmara Municipal, maço n.° 1, existem dois documentos de aforamentos na Rua da Praça Nova, em que Domingos da Silva Granjo, barbeiro, ... «Antigamente tinha a obrigação de dar às pelinhas que iam na Procissão de Corpus Christi hũa canada de vinho e trinta reis de tremoços : e como se tirarão as ditas pelinhas ficou com a obrigação de barrer as casas do Paço (sic) do Conselho (sic) como faz» ; e Manuel Martins da Mota «tem obrigação de todos os anos em véspera de Corpus Christi alcatifar as sallas do Passo (sic) do Conselho (sic) e suas escadas de espadana vêrde».

76Não há memória, nos velhos pescadores da terra, da ida destas pelinhas na Procissão de Corpus Christi, nem o que elas sejam. Mas há ainda hoje nos costumes locais a pela para o jogo que lhe dá o nome e que descrevemos na Infância do Poveiro.

77As pelinhas seriam pescadeiras que, como as argaceiras, se incorporavam na procissão, em constantes jogos malabares com as pelas? Tudo faz prever que sim, ou coisa semelhante, e que estes jogos dependiam de um certo esforço, visto que a própria municipalidade lhes dava com este foro um agasalho.

78As procissões do Senhor dos Passos e Senhor Morto são organizadas pela Irmandade da Misericórida, nas quais se incorporam os seus irmãos, vestidos de preto, envergando os balandraus (capas pretas de seda ou setim, propriedade individual de cada irmão).

79O andor do Senhor Morto é conduzido pelos clérigos mais novos.

80Nestas procissões iam os penitentes envergando o trajo da Ordem Franciscana, cara coberta por um pano, disciplinando-se com umas cordas. Levavam aos pés e aos ombros correntes de ferro, conforme as penitências dadas em relação aos pecados cometidos.

81Estas disciplinas, apesar de proibidas pelas autoridades, ainda há poucos anos se realizavam de noite nos templos das Dores e Matriz, promovidas pela Ordem Franciscana.

82Havia nestas procissões um curioso costume, recentemente extinto: a Irmandade da Misericórdia oferecia a cada irmão e aos anjinhos que se incorporavam na procissão, quando esta recolhia, um cartucho de confeitos; e aos irmãos das insígnias um agasalho na Sala da Mesa, que consistia na oferenda de pão-de-ló e vinho do Porto.

As trovoadas

83O Poveiro, que é um homem forte no mar, lutando sem temor com os mais rijos temporais, tem, contudo, em terra, um pavor inconcebível às trovoadas. Qualquer relâmpago ou pequeno trovão o faz recolher a casa. As mulheres, então, rezam súplicas contínuas a Santa Bárbara e aos santos fortes para que as proteja e livre de iminente perigo em que se julgam encontrar. A sua voz alteia-se à proporção que o trovejar se torna mais forte, chegando a ajoelhar de mãos erguidas, aflitivamente, em oração :

  • 4 Deve ser imortais.
  • 5 Variante: «... Que nos livre desta trovoada. »
  • 6 Variante: Santa Bárbara foi ao céu
    Espalhar a trovoada
    Que lá no céu anda armada.
    Vai trovoada para Ca (...)

São Jerónimo!
Santa Bárbara Virgem!
Santos Mortais!4
Santos Fortes!
Miserèrènóbis.
Bárbara Santa, de Deus amada,
Pedi ao Senhor coisinha
temperada5.
Santa Bárbara foi ao céu6
E Jesus Cristo encontrou.
E Jesus Cristo lhe perguntou:
– «Onde vais Bárbara Virgem?»
– «Vou para o Monte Maninho,
Correr com a trovoada,
Para onde não haja pão, nem vinho,
Nem bafo de nenhum menino.»
Lá no céu vai uma nuvem,
Eu não sei o que ela leva
Se leva água ou pedra.
Senhora da Conceição!
Vós livrai-me da faísca,
Da Pedra e do trovão,
A mim e à minha geração,
E a todo o fiel cristão.
Magnífica!... Magnífica!...
Minha alma engrandece o Senhor!
Meu espírito se alegrou
Em Deus, meu salvador...

84As mais impressionantes preces e súplicas que faz a mulher poveira aos santos da sua devoção é quando entram na barra, em ocasião de maresias, as embarcações.

85Numa grande aflição, em altos gritos, de joelhos, mãos erguidas, no areal da praia ou às portas dos templos, não há súplica que deixe de fazer na ânsia angustiosa de valer aos seus que atravessam a barra:

86«S. José ao leme! Ó Coração de Maria! Pedi ao Senhor por eles! Chagas abertas, coração ferido, sangue derramado de Nosso Senhor Jesus Cristo, pondo-vos entre eles e o perigo!»

87«Senhora da Lapa de Fora, trazei-os em boa hora!»

  • 7 Há uma imagem da Senhora da Lapa num nicho nas traseiras da capela da Lapa, e outra dentro da capel (...)

88«Senhora da Lapa de Dentro7, trazei-os a salvamento!»

89«Senhora da Guia, guiai-os!»

90«S. José ! arreai o vosso bordão e pegai no leme na mão !»

91«Tem-te mar em ti, assim como Nosso Senhor o teve em si!»

92«Tem-te mar forte! assim como Nosso Senhor se teve na hora da sua morte ! »

93«Ó mar ! , obedece a Jesus, assim como Nosso Senhor obedeceu à cruz!»

  • 8 Esta falsa atoarda foi posta a correr no Almanaque de Lembranças, p. 145, que sobre o título S. Jos (...)

94A propósito destas inovocações, um escritor fez correr que as mulheres poveiras apedrejavam os santos nestes momentos de aflição8. Nada mais falso! Apesar disso, a atoarda correu e ainda hoje há quem a cite como uma tradição poveira, apesar dos constantes desmentidos dos que conscienciosamente estudam os usos e costumes destes pescadores.

95Não nasceria aquela atoarda da errónea interpretação do clamor da pescadeira quando batia à porta da capela de S. José, erecta junto ao paredão da praia: «S. José, acorda ! , acode ao nosso barco!, põe-te ao leme!»

96Atirar pedras aos santos é, para o Poveiro, um grande pecado mortal que lhe valeria constantes penitências...

Notes

1 Variante: a «capar» um grilo.

2 Variante: tem a amiga «prenha».

3 Quando as caças apanham sardinha no mar em frente à capela.

4 Deve ser imortais.

5 Variante: «... Que nos livre desta trovoada. »

6 Variante: Santa Bárbara foi ao céu
Espalhar a trovoada
Que lá no céu anda armada.
Vai trovoada para Castro Maninho,
Onde não há pão nem vinho
Nem bafo de menino.

7 Há uma imagem da Senhora da Lapa num nicho nas traseiras da capela da Lapa, e outra dentro da capela, no seu altar.

8 Esta falsa atoarda foi posta a correr no Almanaque de Lembranças, p. 145, que sobre o título S. José Apedrejado, diz o seguinte :
«Na Póvoa de Varzim, comarca de Vila do Conde, quando o mar se encapela de repente e pilha em si os pescadores, as mulheres destes vão, incontinente, à capela de S. José e começam a atirar pedras à porta, dizendo em altas vozes: «Acorda S. José!» Se o mar não amaina, então vão a ter com o capelão e o obrigam a vir com o santo para a praia, e aí principiam a dar com areia no pobre santo, repetindo: «Acorda S. José!» Às vezes parece que o santo, para se ver livre de tais endiabradas, cede aos rogos, e o mar acalma; porém, outras vezes, ou para melhor dizer, quase sempre faz ouvidos de mercador. Providência (Santo Tirso).»
O devotado e saudoso poveiro Manuel Luís Monteiro Júnior, então secretário da administração do concelho, apressou-se a desmentir a atoarda, enviando a Brito Aranha a seguinte carta, publicada nas suas Memórias Histórico-Estatísticas (1871, p. 73):
«Animado com a lembrança de que V. desejará saber o crédito que merecem os artigos publicados no seu Almanaque, ouso informá-lo de que é inexacto quanto naquele se diz, pois tendo eu presenciado tais actos, apenas tenho visto as referidas mulheres dirigirem-se à capela de S. José, com toda a fé cristã, fazerem as suas súplicas, e na praia invocarem o nome dos santos das suas devoções, mas nunca a ponto de os apedrejar! Para prova disto bastará notar que a mencionada capela de S. José ainda não tem confraria erecta, nem capelão, para que se diga que este é obrigado pelas mulheres dos pescadores a ir levar o santo à praia!...»
Manuel Luís Monteiro (Póvoa de Varzim).
Em apoio destas afirmações juntou Monteiro Júnior atestado do pároco e administrador do concelho.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search