Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Etnografias Urbanas

 | 
Graça Índias Cordeiro
, 
Luís Vicente Baptista
, 
António Firmino da Costa

Parte III. Comentários finais

Capítulo 16. Continuidade e inovações na antropologia portuguesa: cidade e diversidade

Gilberto Velho

Texte intégral

I

1O seminário Cidade e Diversidade, Etnografias Urbanas em Diálogo, realizado em Lisboa em Setembro de 2001, coincidindo com os atentados em Nova Iorque e Washington, produziu um conjunto de trabalhos altamente expressivo e estimulante. Revelam algumas linhas básicas de pesquisa na antropologia portuguesa contemporânea valorizando um importante diálogo intergeracional.

2O artigo “A cidade exposta”, de Joaquim Pais de Brito, reflete, a partir de experiências do autor de pesquisas com bairros e cultura popular urbana, suas preocupações de antropólogo e museólogo em expor a cidade. Preocupa-se em valorizar os espaços, os volumes, os movimentos, as sonoridades e olfatos, característicos da cidade. Comenta o dinamismo das relações sociais e os níveis de realidade, percorrendo gêneros artísticos e enfatizando a importância de locais e objetos. Basicamente, anuncia uma preocupação que vai percorrer, praticamente todos os textos do livro, que é a atenção para com as diversidades sociais e culturais.

3O texto de Luís Fernandes “A imagem predatória da cidade”, lidando com material do Rio de Janeiro e do Porto, levanta hipóteses importantes sobre a problemática da violência e criminalidade no espaço urbano, discutindo os temas da exclusão e inclusão, da segurança e da desordem na cidade. Levanta hipóteses sobre a dimensão predatória desse fenômeno e das relações a ele associadas.

4Rui Pena Pires, em “Processos de integração na imigração”, anuncia uma temática recorrente no seminário. Trata-se da questão dos imigrantes e sua interação com a sociedade abrangente. Discute o fenômeno da integração nos casos de assimilação e etnicização. Com isso contribui para a temática mais ampla sobre interação e construção de identidades. Enfatiza a noção de “múltiplas pertenças coletivas”, fundamental para a compreensão de trajetórias e biografias individuais não só na cidade, mas na sociedade complexa moderno-contemporânea.

5Susana Durão e Alexandra Leandro apresentam interessante trabalho sobre a participação das mulheres na polícia portuguesa. Contribuem, através de etnografia e informações preciosas, para a questão mais ampla das relações entre gêneros e entre Estado e sociedade civil.

6Tiago Neves levanta a importante questão dos territórios psicotrópicos, lidando proveitosamente com a literatura sobre desvio. Valoriza, também, através da etnografia, as complexidades e ambigüidades da atuação da polícia diante do mundo das drogas. Apresenta uma visão dinâmica e não linear desse importante tema.

7João Pedro Silva Nunes apresenta uma significativa contribuição para a problemática das práticas de habitar, seguindo a expressão de Michel de Certeau. Realiza isso investigando o interessante caso de habitações econômicas localizadas em Lisboa. Relaciona as práticas de habitar e os planos de urbanização com os valores e ação social da sociedade abrangente. São particularmente interessantes as observações sobre as cozinha-sala e as varandas, como uma reinterpretação e reinvenção das propostas e projetos originais.

8O texto de Fernando Luís Machado analisa a questão da “Etnicidade e sociabilidade dos guineenses em Portugal”. Analisa, com grande propriedade, a partir do estudo de redes de sociabilidade, o processo complexo, diferenciado e ambígüo da construção das identidades em contexto metropolitano. Certamente é mais uma importante contribuição para o estudo de imigrantes e seus processos de inserção na sociedade portuguesa contemporânea.

9“O grupo ´É minha alma´: amizade e pertença entre jovens” de Marina Antunes, é um estimulante artigo construído em torno de um grupo de jovens de ascendência cabo-verdiana, que se identificam como portugueses. Lida entre outros temas com a importância da família, da escola e do bairro para desenvolvimento de seus projetos e construção de identidades. Remete também à problemática, já apresentada no texto de Rui Pena Pires, sobre múltiplas pertenças.

10Inês Pereira, a partir de uma pesquisa num centro da Xuventude da Galícia, levanta preciosas questões sobre a construção identitária em rede, relativizando e flexibilizando os limites da etnicidade. Chama atenção para importância das identidades regionais e dos diferentes quadros de interação que possibilitam o desenvolvimento de diferentes projetos.

11Maria Carmo Carvalho retoma com grande riqueza o tema das drogas e culturas juvenis. Lida com a problemática do desvio e dos estados alterados de consciência a partir de uma contextualização das diferentes culturas juvenis e estilos de vida, com suas relações com a cultura dominante. Mostra não só a adaptação às transformações como a capacidade de inovar deste segmento, ao criar novos valores.

12Susana Henriques, por sua vez, também lida com o tema das drogas, através da noção de “risco cultivado”. Examina as rave parties, as discotecas, as dj parties, as dance parties, etc. Assim, investiga os consumidores, os contextos de consumo e as práticas associadas ao consumo. O complexo do ecstasy é um dos focos principais do seu trabalho. Explora também, aproximando-se do trabalho de Maria Carmo Carvalho, a inovação e a elaboração de novos símbolos e valores na juventude.

13Finalmente, Miguel Chaves dá continuidade aos trabalhos sobre juventude com “Rave: imagens e éticas de uma festa contemporânea”. Lida com ecstasy, com ácido e anfetamina e sua problemática de consumo. Discute as noções de liberdade e hedonismo. Levanta de modo interessante a problemática das “éticas”, importante instrumento para investigação das sociedades complexas moderno-contemporâneas. Analisa de modo instigante a noção de empatia como experiência a categoria centrais para compreensão desse universo.

II

14Todos os textos apresentados têm sua singularidade apresentando contribuições específicas e importantes, de acordo com maior ou menor grau de experiência e com os tipos de trajetória dos diferentes autores. Gostaria de chamar atenção que, de um modo geral, aparece como tendência uma análise e visão que privilegia a complexidade e heterogeneidade e o dinamismo da vida social. Não é à toa que um autor presente, de modo explícito ou implícito, é Georg Simmel. Como sabemos o pensador alemão foi um dos que melhor formulou questões e análises sobre a modernidade e a vida metropolitana há cerca de um século. Antecipava, em suas formulações, problemas e temas que tenderam a se tornar mais agudos e nítidos como a proliferação de diferentes tipos de individualismo, a descontinuidade entre “cultura subjetiva” e “cultura objetiva”, a participação e pertencimento individual a múltiplas redes e grupos e, em geral, sobre a temática e importância dos processos de interação na vida social. Além disso, percebe-se nos textos uma interessante dinâmica entre localidades e redes sociais. Dessa forma, retomam ou prosseguem toda uma importante linha de investigação da antropologia urbana em Portugal, expressa nos trabalhos, por exemplo, de Joaquim Pais de Brito (Brito, 1999), Graça Índias Cordeiro e António Firmino da Costa (Cordeiro, 1997; Cordeiro e Costa, 1999; e Costa, 1999).

15Temos, portanto, no conjunto dos trabalhos, uma importante contribuição ao estudo das identidades, explorando a dimensão das ambigüidades, aparentes inconsistências e contradições. Sem dúvida, os artigos voltados para os tema da etnicidade e da juventude são muito valiosos para ao amadurecimento dessas reflexões. Vale salientar também que, como bons antropólogos estudando a cidade, estabelecem importante e profícuo diálogo interdisciplinar. A ampla temática indivíduo e sociedade associada, em muitos casos, à perspectiva interacionista constrói pontes com a área psi, particularmente com a psicologia social. Em maior ou menor grau, os temas analisados estabelecem aproximações com a história, a sociologia, a ciência política, o planejamento urbano e a literatura.

16Creio ser importante salientar também que boa parte dos autores, contribui, através de suas reflexões, para uma visão da sociedade como um fenômeno permanentemente em construção, manifestando-se em diversos níveis de realidade e províncias de significado. A análise do trânsito de indivíduos e grupos entre esses níveis e províncias é um dos aspectos mais significativos dessa linha de trabalho. Com isso supera-se uma abordagem linear e mecânica da ação e processos sociais.

17Pode-se dizer que esses textos constituem uma vertente da antropologia portuguesa que encontra-se antenada com as preocupações mais amplas da ciência social contemporânea em quebrar fronteiras disciplinares estanques e rígidas, em benefício da produção de conhecimento mais rica e pluralista. Frise-se também, a retomada das melhores tradições da antropologia, com as atualizações de debates atuais, de lidar com os grupos estudados, privilegiando a etnografia cuidadosa e o diálogo com os universos investigados. Contribuem também para o enriquecimento da discussão sobre proximidade e familiaridade nos estudos antropológicos (ver Velho, 1981).

18A leitura desse conjunto de textos e dos debates, produz uma avaliação e sentimento altamente positivos sobre o desenvolvimento da antropologia portuguesa contemporânea. Esses autores, de diferentes gerações, somam-se a outros, que de vários modos têm ampliado a aprofundado os horizontes da ciência social em Portugal.

Bibliographie

Brito, Joaquim Pais de (1999), “O fado: etnografia da cidade”, em Gilberto Velho (org.), Antropologia Urbana. Cultura e Sociedade no Brasil e em Portugal, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

Cordeiro, Graça Índias (1997), Um Lugar na Cidade. Quotidiano, Memória e Representação no Bairro da Bica, Lisboa, Dom Quixote.

Cordeiro, Graça Índias e António Firmino da Costa (1999), “Bairros. Contexto e intersecção”, em Gilberto Velho (org.), Antropologia Urbana. Cultura e Sociedade no Brasil e em Portugal, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

Costa, António Firmino da (1999), Sociedade de Bairro. Dinâmicas Sociais da Identidade Cultural, Oeiras, Celta Editora.

Velho, Gilberto (1981), “Observando o familiar”, em Individualismo e Cultura. Notas Para Uma Antropologia da Sociedade Contemporânea, Rio de Janeiro, Zahar Editores.

Auteur

Antropólogo; Departamento de Antropologia do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr