Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

VIII Máximas, provérbios e presságios

Texte intégral

1– Marinheiro que na Quaresma come pescada ou é podre ou é roubada.

– A raia, faz cair a saia.

– Raia em Janeiro é como carneiro.

– Raia em Maio, tumba à porta; mas venha a raia que a tumba não importa.

– A sardinha em Abril é vê-la e deixá-la ir.

– A sardinha em S. João, já pinga no pão.

– Bons olhos me vejam e os maus quebrados sejam.

– Mais vale a inveja que a dor de piedade.

– Mais vale invejado que coitado.

– O Senhor nos faça o alheio feio.

– Quem cedo adenta, cedo aparenta.

– Adiante, que atrás vem gente.

– O negociante e o porco sabe-se o que tem só depois de morto.

– Argaço ao canto do Paredão, mar um ilhão.

– Francelha à praia, sinal de peixe.

– Argaço em frente à Lapa, mar bom.

– Peixe cabra no S. Miguel, nem o vendas nem o dês; guarda-o para ti e tua mulher.

– Em Março, por onde quer eu passo.

– No S. João, cação na mão.

– Gaivotas pela terra dentro, sinal de mau tempo.

– Pardo a palrar, vento norte a bufar.

– Não há Abril sem 30 milheiros.

– Lua deitada, marinheiro em pé.

– Senhora da Guia a chorar, o Inverno está a acabar.

– Senhora da Guia a rir, o Inverno está para vir.

– Fevereiro, febras de cão ; de manhã Inverno e à tarde Verão.

  • 1 Começam os serões poveiros para os trabalhos da rede nova.

– Agosto, candeia no posto1.

  • 2 Explicação: «O vinho nascido em Março é deitado à terra pelos ventos e saraivadas de Abril. »

– O vinho de Março não vai ao cabaço2.

– O vinho de Abril vai ao barril.

– Abril, ventos mil.

  • 3 «Regateiras» são saraivadas.

– Não há Abril sem regateiras3.

  • 4 0 «mar novo» ou «nosso mar» vid. mares. O Poveiro lanchão estreava a rede nova no mês de Maio, conv (...)

– Nas Ladainhas e cruzes de Maio está o peixe no campo4. Vem ao cantar dos grilos.

  • 5 Pescada e peixe miúdo que descia dos profundos para o mar da Terra da Pedra, mar mais terrenho, de (...)

– No mês de S. Tiago (Julho), vêm os romeirinhos5 à Terra da Pedra.

  • 6 Local onde o pescador guarda as redes.

– Se o Fevereiro te limpa o paneiro6, o Março de oito deixa-te quatro.

Saudações

No Mar :

O primeiro: «Salve-os Deus!»

Resposta: «Vão com Deus!»

Em Terra:

Quem entra: «Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!»

Resposta: «Para sempre seja louvado e sua mãe Maria Santíssima!»

Notes

1 Começam os serões poveiros para os trabalhos da rede nova.

2 Explicação: «O vinho nascido em Março é deitado à terra pelos ventos e saraivadas de Abril. »

3 «Regateiras» são saraivadas.

4 0 «mar novo» ou «nosso mar» vid. mares. O Poveiro lanchão estreava a rede nova no mês de Maio, convicto que era neste mês que a pescada acampava nos seus mares.

5 Pescada e peixe miúdo que descia dos profundos para o mar da Terra da Pedra, mar mais terrenho, de pequenas alturas. Ano que não desse fartura de peixe neste mês, agouravam-no mau.

6 Local onde o pescador guarda as redes.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search