Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

VII Superstições, crendices e lendas

Texte intégral

1NOTAO Poveiro é muito supersticioso e crendeiro. Narra-nos as coisas mais inverosímeis com a convicção de um crente e chega a lamentar a nossa incredulidade pelo que ela nos pode ser nociva, com os nossos descuidos, no mar de malefícios que rodeiam o homem. Crê que nem todos podem ver as coisas ruins, ou bruxas que vagueiam errantes pelas ruas e lugares escusos, porque isso é próprio dos videntes, isto é, das criaturas a quem faltaram no baptismo certas palavras que os padrinhos deviam pronunciar...; mas crê, também, que isso não impede dos não videntes sofrerem, como aqueles, os malefícios misteriosos da noite. E contra esta convicção profunda, arreigadíssima, nada valem as incredulidades de centenas ou milhares de criaturas que lhes mostrem ter percorrido os mesmos trajectos, ao meio-dia e à meia-noite, sem que nada lhes perturbasse a vida. Antes, a sua crendice sobe de ponto, atirando, a este argumento dos incrédulos, a sua convicção de que há, de facto, pessoas que têm sinais no corpo e que, por isso, não há malefícios que lhes possam chegar!

2As suas narrações são de uma ingenuidade encantadora. Damos algumas delas, limada apenas a linguagem, para que o leitor melhor as aprecie e saboreie. Algumas das suas crendices não são originais: estendem-se aos povos de toda a província do Minho. Mas registámo-las por serem arreigadas dentro da colmeia poveira. Uma destas é a dos corredores. Na Póvoa, como no Minho, há a convicção de que numa família de sete filhos ou filhas seguidos, o primeiro tem que ser padrinho do sétimo. Se isto se não dero primeiro ou o último correm o fado, uma vez por semana.

3As bruxas do Poveiro é que não são iguais às do resto da província: são velhinhas da sua classe, que não deitam cartas, não fazem nem desfazem feitiçarias, bruxedos ou defumadoiros. São bruxas que, pela sua sina, têm de correr o seu fado, fazendo o mal que o Diabo lhes impuser. Tanto andam corporizadas, como em vento, percorrendo as maiores distâncias no seu fadário. Contra estes males é que o Poveiro procura remédio nas bruxas dos outros lugares, que, mais práticas, com as suas anzonices, o exploram largamente, incutindo-lhes o pavor do mal daquelas, que elas sabem bem talhar...

4As bruxas poveiras!... Conheci duas: A Tia Perrucha, minha vizinha, cabelo todo branco, olhos cor de azeitona, muito gordinha e vermelhuça, era uma cara de Páscoa, toda risonha e alegre. Chamei-lhe muita vez bruxa e ela agarrava-me, batia-me palmadinhas a sorrir e beijava-me no fim. E eu com um medo, que me arrepiava todo, pelo que ouvia! Recordo-a com saudade! A outra era a Tia Reitora, alta, morena. Andava sempre atrás do vintenzinho para uma pinguinha, que era todo o seu regalo! Não fazia mal a ninguém ; somente, por vezes, ficava caída em qualquer lugar por causa do viciozinho...

5Findou a nota. Benza-se o leitor três vezes, como eu faço, e acompanhe-me:

6«Não ouves que bateu a meia-noite? Apaga a luz; não despertes quem vagueia pelas ruas. Silêncio ! Chegou a hora deles: são aventesmas, sombras, bruxas, corredores, almas penadas, espíritos malignos, os diabos; tudo vagueia, nesta hora fatídica por essas ruas e vielas sem luz ! Se careces de sair à rua, acautela-te: leva um espelho, uma cruz, um rosário. Não te embaraces, nem fites com o teu olhar, o cão, o gato, a cabra, o boi, o porco, o galo, a galinha ou outro qualquer animal que apareça nesta hora no teu caminho: é com certeza coisa ruim disfarçada nesses animais. Se surgirem na tua frente, recita alto três vezes “Credo em cruz, santo nome de Jesus !” Faz o mesmo quando nas paredes vires crescer as sombras. Afugentarás, assim, o inimigo. Faz-se estrondo, fogueira ou fumo ao terminar a tua reza? Melhor! Estoirou por não te poder chegar! Quando voltares a casa, após uma aparição destas, bate primeiro à porta e diz para dentro, a quem te vier abrir o que sucedeu, para que não caia em acender a luz – e não te empeça o espírito mau, que pode ter-te seguido. Deita-te, depois, às escuras, sem luz, persignando-se três vezes e fazendo com a mão direita três cruzes na cama. Se ouvires um repelão de vento pelo telhado, é bom sinal de que a coisa ruim te não pôde chegar e debandou, desfazendo-se em vento furioso. Nas noites de luar, a esta hora, não caminhes na linha da sombra, porque podes ficar tolhido pelos maus ares. Foga das encruzilhadas e de atravessar os regatos e os rios; foge, principalmente, das pontes, sob as quais se acoitam as bruxas e coisas ruins. Anda por fora de casa o menos que puderes nesta hora tenebrosa, que só o primeiro cantar do galo faz terminar.»

7«Tocam as Trindades. Sai da soleira da porta porque os maus ares te podem tolher. Os corpos fracos são acolhedores dos maus espíritos e as Trindades são o melhor momento para a sua entrada nos “corpos abertos’’. Foge da sombra da figueira, onde o diabo se acolhe ao toque das ave-marias. Faz o mesmo das fieiras, onde os maus ares se desseibam com fúria e tolhem quem por elas passa. »

8Doenças, redes que não dão peixe, aparelhos que apodrecem, caças que se perdem, barcos que andam pelo mar e não encontram sardinha, raparigas que são abandonadas pelos namorados, crianças tolhidas – tudo isso pode ser obra de maus olhados, pragas rogadas que lhe empeceram, bruxarias...

9E como não há-de ser assim, se dentro da própria pescaria se apontam as bruxas às dezenas, que têm de correr o seu fado, fazendo o mal que o Diabo lhes ordenar ?

10Mas isto é tão certo como dois e dois serem quatro. Não acreditam? Oiçam :

11«A velha Reitora, que era das bruxas mais refinadas e que se gabava de falar com o Diabo à meia-noite, dizia sempre ao meu Manuel: “A ti ninguém te chega!’’ E de facto, o meu Manuel ia e vinha de noite da praia, a toda a hora e nunca foi perseguido.»

12«Mas o Tio Bexiga, o Tio Lindo e quantos mais não tiveram que carregar com as bruxas às costas até casa? Havia uma, a velha Perrucha, que se regalava toda de ir escarranchada nos homens! E era levá-la e caluda, porque se falassem corria-lhes mal...»

13« E o caso não era para menos. Ao Tio João Bravo, levaram-no por ares e ventos que ele até perdeu os sentidos e nem soube por onde andou. Apareceu, no dia seguinte, no monte de Laundos ! Ele só soube dizer que ao tocar da meia-noite, quando estava junto da Ponte Velha, na praia, com a cesta às costas e ia com destino ao barco, lhe apareceram as bruxas às risadas, o rodearam e levaram... para o deixarem no monte naquele estado... esfalecido...»

14« E ao Tio Reina, seu parente, não fizeram o mesmo ?

  • 1 Monte de areia onde se encontrava construída uma pequena casa em que morava um velho pescador chama (...)

15“Um dia, o nosso Francisco passava à meia-noite pela beira do mar e estavam no fieiro do Tio Lourenço1 umas poucas de bruxas. E uma delas disse bem alto, que meu irmão ouviu: “Não se lhes faz mal ; que é filho do meu compadre!” E o nosso Francisco conheceu-a bem: era a Tia Perrucha, comadre do meu pai.»

16« E a Tia Pinheira não foi uma noite num alguidar a Buarcos ? O homem estava a beber a companha e ela tirou-lhe o barrete. Quando ele se viu desbarretado e reparou nela, espantado, perguntou-lhe: “Quem te trouxe aqui, diabo ? ” e ela disse-lhe: “Não te importes, que eu vou já embora. Diz-me quantos milheiros tomou o barco.” E obtendo a resposta, desapareceu. Na manhã seguinte, anunciou às mulheres o que tinha sucedido ao barco, tintim por tintim.»

17« E a Tia Pascoela, que era das mais refinadas? Em certo dia surgiu um temporal desfeito e os gritos na pescaria eram de cortar a alma, porque os barcos estavam todos para o mar da Cartola. Um telegrama, porém, tinha vindo a dizer que eles estavam em Buarcos. Tudo sossegou. Mas a bruxa começou a dizer que não, que os barcos tinham saído daquela terra e estavam no mar, que ela os “vira sair...” E era certo! Passadas horas, eles apareciam aí, à barra, debaixo de tempo que era um louvar a Deus!»

18« E esta que contaram em casa das do Galo ? Um moço namorava uma linda rapariga da pescaria. Quando achou tempo de se casar, propô-lo à rapariga, para começarem a fazer os preceitos da classe. Mas ela disse em resposta: “Casar não; eu não posso casar” e deu em chorar que nem uma videira. O moço ficou admirado, tanto mais que sabia que a rapariga lhe tinha amor. Instou com ela para que lhe dissesse os motivos. E a rapariga sempre: “Não posso dizer! Não posso dizer!” E por mais que o rapaz voltasse a instar, ela confirmava: “Não posso casar! Não posso casar!” Então o rapaz perguntou-lhe se era coisa de honra. “Não há nada de honra, juro-te !”, e chorava. O moço disse que lhe tinha de dizer à força, custasse o que custasse; se era coisa que ele pudesse remediar, nem que arriscasse a vida, que o fazia. Então, ela contou: “Sou bruxa! Tenho que correr o fado!...” Ele perguntou-lhe: “Não há remédio para isso ?” – “Há. Tu podes quebrar o meu fado, mas arriscas a tua vida! Se quiseres valer-me, fazes o seguinte: Eu passo logo à meia-noite com as minhas companheiras junto do castelo. Sou a sétima. Quando chamarmos Lulu! Lulu! – que é o chamadoiro do Diabo – tu estás dentro de um S. Selimão de seis pernas, riscado no chão, enlaças-me com uma corda e arrasta-me para dentro e assim quebrarás o meu fado.” O rapaz foi uma hora antes, riscou o S. Selimão e pôs-se à espera. Quando elas vieram, contou até à sétima e enlaçou-a, arrastando-a para dentro do S. Selimão. As outras bem quiseram chegar-lhe, mas o siglo afugentou-as e assim se quebrou o fado da rapariga, que casou com o rapaz. »

19«E então no campo da Boza e nos areais de Martim Paz? Quantas pessoas viram ali as bruxas, em fralda de camisa, o Diabo no meio, com pés-de-cabra, por cima de uma fogueira e elas a dançarem em roda, às risadas ? »

20« E quando elas entram em vento pelos ferrolhos das portas e vão ter com as mulheres paridas para sugar-lhes os inocentes? Quantas crianças têm aparecido debaixo da cama ?»

21«Um dia, tinha o meu António três meses, quando elas entraram em nossa casa à meia-noite. Abriram para o lado o cortinado da camareta e sentaram-se na cama às risadas. Amarrei-me ao meu filho e gritei, gritei quanto pude. Mas a minha mãe, que dormia na camareta ao lado, não foi capaz de me ouvir! Elas bem fizeram por mo arrancar, mas Deus deu-me força e não o larguei! Até que se foram embora. Ao saírem, eu voltei a gritar e então a minha mãe ouviu-me. Contei-lhe o que se passou ; o meu menino estava roxinho ! Fomos ver as portas; tudo estava fechado! Entraram e saíram em vento!»

22«Havia muito que fazer e eu e o meu homem resolvemos começar o serão à meia-noite. Fomos fazê-lo para a cozinha. Mas antes, deitei a minha Ana no berço e disse à minha Maria que ficasse a tomar conta dela, no quarto da frente. A Maria deitou-se na minha cama, junto à qual ficou o berço. Quando acabámos o serão, fui ao quarto e não encontrei a Maria. Julguei que ela tinha ido para casa da minha mãe, que ficava ao lado da nossa. Fui lá e não estava. Dei em gritar. Procurámos, procurámos e nada! Voltámos à cozinha e ouvimos um resfolegar alto: encaminhámo-nos para o sítio donde se ouvia a respiração e lá estava a menina, dentro da maceira de cozer o pão, nuazinha, cheia de frio! As bruxas tinham-na levado para ali.»

23« O Tio José António, no mar das fieiras, perto da Torreira, para lá de Espinho, estava a largar as redes da sardinha, aí por umas oito a dez braças de fundo, quando ouviu umas vozes: “Queres sardinha? Rema mais para a terra ;” e o mestre, atraído por aquelas vozes, mandou remar, remar, até que o barco encalhou na areia. Viu, então, no areal as bruxas às risadas, a baterem palmas e encaminharem-se para o barco. Os tripulantes, assustados, fincaram os remos na areia e conseguiram fazer navegar novamente o barco.»

24«E, então, porque é que hoje não se levanta o cavername de um barco novo sem se lhe colocar ao capelo um alho-porro e pregar na proa uma moeda de cruz ? É porque as bruxas pelavam-se todas por esfrear os barcos novos, indo todas as noites para dentro deles, com o Diabo ao leme, a remar e a berrar – i-ó-i-ó-i-ó! – tolhendo o barco para sempre. Agora, com o alho e a moeda de cruz, não põem neles o pé!»

25« O Tio Tomás Chamorro, do Ramalhão, ia uma noite a entrar em casa, quando reparou que paravam à porta da benda da Tia Silva, à esquina da Rua Serpa Pinto, umas seis bruxas, estando três debaixo de um guarda-chuva. Pôs-se a ver o que faziam e viu que uma a uma iam desaparecendo, entrando pelo ferrolho da porta da benda. Foi então espreitar e viu as bruxas a tirarem o vinho das pipas e a beberem-no em grande pândega, entornando algum pelo chão. Assim que acabaram, saíram novamente pelo ferrolho para a rua e encaminharam-se pela cangosta para o penedo do Cuim. Ele acompanhou-as, porque queria ver até onde elas iam. A meio da cangosta, veio ter com ele uma das bruxas, a Ana Soisa, e disse-lhe: “Vai-te embora Tomás, que te pode suceder mal !” – mas ele teimou e continuou para a frente. Passados momentos, voltou outra bruxa, a Perrucha, e disse-lhe: “Tomás, acautela-te! Vai-te embora que é melhor!”, mas o Tio Chamorro continuou o seu caminho, sentando-se no penedo do Cuim. As bruxas encaminharam-se para a praia e foram brincar com o rexio das vagas, que farfalhavam na areia e exclamavam: “Ah! Ah! Ah! que regalo!” Então, o Tio Tomás ganhou medo e foi a correr para casa, não fosse o espelho que trazia no bolso despedaçar-se e elas chegarem-lhe. No dia seguinte lá se viu o vinho na benda, entornado.»

26«Disseram no mar a um companheiro que a mulher era bruxa ; que já tinha sido vista com outras, à meia-noite, na Fonte Nova, à Vila Velha.

27O homem quis certificar-se da verdade e preparou-se: pisou alhos e benzeu-se com um rosário, enfiando-o ao pescoço. Assim prevenido contra o poder das bruxas, deitou-se e fingiu que dormia. À meia-noite bateram à porta e chamaram baixinho: “Anda !” A mulher levantou-se devagarinho para o não acordar e pegando na fralda da camisa, passou-a três vezes sobre a cara do homem dizendo:

  • 2 Variante: Eu te benzo meu alirú
    Com a fralda do meu c...

Eu te benzo ó meu arau, araú2,
Com esta minha fralda, com este meu c...
Para enquanto eu vou e venho
Não acordes tu.

28O homem, ao ouvir isto, levantou-se, e dando-lhe com o rabo de um machado, respondeu à benzedura:

Eu te benzo meu diabo,
Com o rabo deste machado!

29As bruxas companheiras que estavam cá fora bem lhe queriam acudir, mas o homem estava bem resguardado com os alhos e o rosário e elas não lhe puderam chegar.»

E então os bruxedos e as feitiçarias?

30Esta é do velho pescador, muito considerado na comunidade, antigo mesário da Irmandade da Lapa, o Tio João Pata:

  • 3 27 de Fevereiro de 1892. Deu-se na costa uma grande catástrofe, em que morreram 108 poveiros.

31«Diz-se muita coisa sucedida na nossa praia com bruxas. Eu nunca vi nada, nem de noite, nem de dia. Mas que há quem faça mal com feitiçarias e bruxedos, isso há. Acredite. Vou contar-lhe uma que todos os velhos da nossa terra lhe podem confirmar, porque foi conhecida de toda a pescaria. Antes do dia 27 da desgraça3, havia uma lancha de um tal Michorro, que era parente das cachopas do Reis, de junto ao Castelo. Este Michorro tinha um irmão que era um castelo! Um rapagão forte, a vender saúde. A lancha foi uma tarde largar as redes. Lá no mar alto, redes acima para se ir compondo para a largada. Os pais de rapaz a cumprir a obrigação, desceram abaixo, para botarem para a testa do meio as pedras destinadas aos imentos. Mas eis que de repente os pais de rapaz, passados de susto, sobem acima e declaram que não voltam abaixo, porque no meio das pedras está uma boneca, muito bem vestida, que é, com certeza, coisa de bruxedo. Todos olharam para baixo e viram a figurona, toda bem posta e ficaram receosos. O irmão do mestre Michorro, que estava no serviço de largar, farto de berrar que lhe dessem pedras para o chumbeiro sem o conseguir, veio ver o que era, e, fazendo troça do medo dos pais de rapaz, desce às cavernas e traz para cima a boneca, atirando-a pela proa fora. Mas de repente, dá em correr da proa para a ré, da ré para a proa, a gritar: ai! ai!-ai! ai!, sem descansar. O barco deixou de largar, trouxe-o para a terra e o pobre moço nunca mais teve saúde : o braço que tocou na boneca ficou encaranguejado, tão torcido, que forte bruxedo foi a tal boneca ! Todos os velhos do meu tempo sabem que isto se passou assim e podem contar como eu.»

  • 4 Registo esta nota, referente já a barcos de artes-novas, colhida muito modernamente (1928) só como (...)

32«A traineira S. Sebastião4 andava mar e terra, mar e terra, sem nunca conseguir lançar as redes e ganhar cinco réis. Os marinheiros diziam ao mestre: “Lance as redes que vai aí o mar cheio de peixe”, mas o mestre dizia sempre: “Não vejo nada; não veja nada!” Os marinheiros andavam desesperados porque o mestre parecia ceguinho de todo, com a bruxaria que lhe tinham feito. As mulheres da companha, conhecedoras, pelos homens, do que se passava, foram ao Porto consultar duas sábias que puseram tudo a claro: um forte bruxedo tinham feito ao mestre e era preciso desfazê-lo. Vieram falar com o mestre e contaram-lhe tudo, dizendo-lhe ser preciso que as sábias entrassem na traineira para a benzer. O mestre concordou; as sábias benzeram-na e na primeira noite que foi ao mar carregou de peixe: «Fez dez contos!»

E as abentesmas e coisas ruins?

33«Tínhamos arribado a Viana e varamos o barco junto ao castelo. Da companha, fiquei eu e o Tio José da Esperança a guardar o barco. Como estava frio, virámo-lo um pouco contra o vento para nos agasalharmos melhor. O Tio José da Esperança ficou com um bicheiro para se defender contra qualquer bicho que aparecesse. Encostei-me a ele para sofrer menos frio. Alta noite, vimos dois grandes olhos em fogo, na areia, encaminharem-se para nós. Eu tremia todo, pondo-se-me os cabelos em pé ! O Tio José da Esperança pôs-se logo em defesa. A coisa ruim avançou até nós. Tinha a configuração de um gato, mas do tamanho de um cão, muito negro. O rabo era grande e grosso e procurava enroscar-se em mim. O Tio Esperança cobria-me com o corpo e dizia-lhe: “Não te metas com o rapaz”, e defendia-se com o bicheiro, mas sem nunca lhe poder tocar. A coisa ruim não fazia caso e só procurava rodear-me. Eu aconchegava-me, estarrecido, contra as cavernas, chegando a magoar-me. O Tio Esperança repetia sempre: “Mete-te comigo, que sou velho. Se queres fazer mal, faz-me a mim, mas deixa o rapaz”, e procurava com o bicheiro arrumá-lo, sem o conseguir. Eu fechei os olhos para não ver mais. Só sentia o meu companheiro às lidas com o monstro. Lidaram mais de uma hora. Por fim, senti como um bufo e repelão de vento e a seguir o Tio Esperança dizer-me: “Lá se foi o Diabo!” Quando chegou o mestre Ladinho e os nossos companheiros, eu estava doente, quase sem poder falar. Levaram-me a uma farmácia e durante quinze dias bebi “espírito da vida” para matar o susto. E o Tio Esperança, que se fazia forte para me dar ânimo, não sofreu menos susto.»

34«A Tia Antónia do Amparo, que era parteira, foi chamada para a Vila Velha. Ao chegar à cangosta de S. Carlos viu aquela sombra crescer, crescer, a querer tragá-la. Ela ia de rosário na mão, a rezar a coroa de Nossa Senhora. Pegou no rosário e fez contra a sombra com ele três cruzes e disse três vezes: “Alto! Coração de Jesus está comigo!” Aquilo deu um estoiro e desapareceu. »

35«Havia muita falta de água. Eu e a minha prima Rosa aproveitámos a noite para enchermos as pias e a caldeira da casca. Viemos encher os cântaros ao cano do Passeio Alegre. Ao chegarmos à cangosta que vai da Rua do Norte para ali, apareceu-nos um porco. A minha prima virou-se para mim e disse: “Olha Ana, um porco a esta hora!” E eu respondi-lhe: “Não olhes! Anda para diante!” E seguimos sufocadinhas. Enchemos os cântaros e voltamos a casa pelo Ramalhão, mas de novo nos apareceu o porco a roncar. Eu disse alto: “Abrenúncio! Santo nome de Jesus !” Mas a minha prima parou, assustada, e o porco foi às saias dela com a boca e começou a traçalhar que eu dei em gritar, convencida que ele a comia. Por fim, deixou-a. Fui ver: nem uma beliscadura nas saias, nem nada! À pobre rapariga é que lhe tinha caído, de medo, o sangue na arca.»

36«O João Ribeiro, filho da Fangueira, deteve-se até tarde a conversar com a namorada que morava junto à Lapa. Quando deu pela hora, o relógio da igreja bateu meia-noite. A caminho de casa, quando chegou ao largo, apareceu-lhe um gato preto. Ele abaixou-se a uma pedra e atirou-lha. O gato fugiu. Dá mais uns passos e ao chegar à ponte do regato de Trás-os-Quintais, volta a aparecer-lhe o gato ! Andou a diante, dobrou o canto da rua e no muro a seguir aparece-lhe novamente o gato ! Resolve entrar pelo lado da rua e quando chega à porta, encontra o gato na soleira! Transido de susto, bate à porta e, mal a mãe a abriu, ele caiu redondo no meio da casa, sem dar acordo de si. Toda a família lhe acode, grita aflita, e presta-lhe socorro, conseguindo reanimá-lo. Verificou-se então que um espelho que tinha no bolso se quebrou em milhões de bocadinhos! Foi o que o salvou de ficar tolhido ou morto.»

E os corredores?

37«Um velho pescador de Coelheiro vinha com a cesta para o mar. Ao chegar à ponte, saiu-lhe de um portal um chico que se pôs na sua frente a grunhir, não o deixando passar. O pescador trazia na cesta uma faca da cortiça e procurou com ela defender-se do animal, dando-lhe uma grande picadela. Então o porco ficou como moribundo, a desseibar-se no chão, enquanto o pescador fugia a bom correr... Passados dias, aparece na casa do pescador um homem bem posto, com um olho fora e disse-lhe: “O que é que se devia fazer a um homem que faz isto ?”, e apontou-lhe o seu defeito no olho. O pescador não hesitou em responder-lhe: “Era só matá-lo ! – Pois então é você que vai morrer, porque foi você que me fez isto!” O pescador, receoso, negou, negou, negou sempre. Então o homem, que era um rico lavrador, disse ao pescador: ‘‘Não tenha medo. Você salvou-me, acabando com o meu fado!” E contou-lhe o que se tinha passado com o porco que o pescador tinha picado e que era ele a correr o fado, acrescentando: ‘‘Vou-lhe mandar, pela sua caridade, uma pipa de vinho e um carro de pão.” E mandou-lhe tudo o que prometeu.»

38«Na padaria da velha Trolha apareceu uma noite um homem muito aflito com um braçado de roupa a suplicar que a queimassem no forno e que trancassem imediatamente as portas da padaria para evitar que um corredor, que vinha atrás dele, destroçasse tudo. Os moços da padaria assim fizeram. Passados uns momentos, o corredor, cercado de cães, estava à porta, atirando-se contra esta com furor. Na padaria tudo tremia de medo. O barulho à porta manteve-se, até que se queimou por completo a roupa no forno. Então, fez-se silêncio e ouviu-se uma voz de homem dizer para dentro: “Abram, por esmola, que eu estou nuzinho!”. O homem que tinha trazido a roupa foi abri-la e abraçou-se nele. Tinha, assim terminado o fado do seu irmão. O dono da padaria teve sempre a protecção daqueles dois ricos proprietários. »

39«Os avós do Tio Tomás da Maia, da Rua do Norte, repararam que todas as noites, em certos dias da semana, vinha uivar à sua porta um cão rodeado de outros. Numa noite em que tinham o forno a arder e o espeto de furar as cortiças em brasa resolveram, cheios de ânimo, acabar com o fado daquele desgraçado, e pelo ferrolho da porta deram-lhe uma picadela. Dias passados, apareceu-lhes um homem com um carro de pão à porta, agradecendo-lhes por esta forma o terem-lhe acabado com o fado.»

E a Moira Encantada?

  • 5 Na Boza havia restos de uma vila romana (José Fortes, Portugália, v. II, p. 113). Dar-se-ia o caso (...)

40«A Moira Encantada? Era ali no penedo do Coim. Por vezes aparecia no areal do lado de Martim Paz. Dava sinais luminosos e ouvia-se dizer que, se a desencantassem, daria todos os seus tesouros. Aparecia por vezes transformada em cobra, toda enroscada, que causava dó. Ofereciam-lhe leite e carvões, transformando-se estes, no caso de se conseguir o desencanto, em ouro5. Umas que andavam doidas com este caso da Moira eram as Calras. Corriam para lá cento e uma vez por ano, convencidas de que a desencantavam e ficariam ricas! Afinal, morreram sem conseguirem nada! Depois que o penedo assoriou, abrandou a crença da Moira no nosso povo.»

41« O pai das tias das do Bento, que era natural de Abremar, vinha uma noite daquela aldeia para a Póvoa. Trazia um pau ferrado na mão. Ao passar no regato do Campo da Boza, no areal de Martim Paz, deu com o pau numa das pedras colocadas ali para por cima delas se fazer a travessia, e fez lume, surgindo desse lume uma grande fogueira, donde saiu uma moça muito linda e branca. Ele parou assustado. Ela disse-lhe: “Não tenhas medo. Ando há muitos anos encantada por aqui.” E dito isto, desapareceu. O filho, Tio Damos, contava isto muitas vezes e que o ouvira ao pai.»

42«A minha mãe contava que na Boza, onde andava a Moira Encantada, apareciam muitos objectos: Cântaros, bilhas, almotolias e muito oiro e cobre velho.»

43«A minha avó dizia que a Moira Encantada andava agora, prò fim, nos campos do David, sendo vista pelas mulheres das carreiras quando ali iam secar as redes. Que era linda como o Sol !»

44«Dizia-se no meu tempo de rapaz – tenho 78 anos – que a Moira também aparecia muito para os lados da Fonte Velha, na Vila Velha. As raparigas e as mulheres é que andavam malucas com isso, lamentando-se não poderem valer a uma moça tão linda e tão rica, encantada numa cobra, a rastejar... E levavam-lhe leite em tigelas, que deixavam ficar no lugar onde o povo dizia que ela mais frequentava. »

E a entrada dos espíritos nos «corpos abertos?»

45« O Manuel Luís falava para a filha da Tia Russa, que tinha morrido há meses. Estando à hora do meio-dia a conversar no portão da casa onde morava a rapariga, que era na casa da Tia Ana Chapuz, caiu redondo. Acudiram-lhe, e, passada meia hora, voltou a si. No dia seguinte, à mesma hora, caiu outra vez sem sentidos. Então, desconfiando-se que fosse espírito, uma mulher animosa puxou por ele: “Quem és? O que queres? Fala!” E o espírito falou: “Sou a Russa. Diz a meu homem que devo uma romaria à Senhora do Alívio e que não sossego sem que ele a cumpra.” Os presentes foram ter com o homem, que era o Tio Sencadas, já então casado com a segunda mulher, a Tia Vasques, e contaram-lhe tudo, mas ele não acreditou. Levaram-lhe lá, em vista disso, o rapaz, e o espírito falou de novo: “Sou eu! Vai fazer a romaria e eu lá te aparecerei tal qual fui deste mundo.” Foi toda a família e o rapaz fazerem a romaria à Senhora do Alívio, e quando estavam no Mosteiro, o rapaz gritou, deitando-se ao chão. “Ela aí vem!” E então o homem reconheceu-a, vestida com o hábito da Senhora do Carmo, tal qual tinha ido a enterrar, dizendo-lhe ela: “Quando saíres daqui verás uma pomba branca; despede-te, então, de mim para sempre!” E, de facto, viram a pomba branca a voar, a voar, até desaparecer. »

  • 6 Vila do Conde.

46«Um rapaz passava na praia e recebeu uma bofetada. Olhou para trás e não viu ninguém. Ao meio-dia caiu sem sentidos, acordando meia hora depois. Às Trindades, voltou a cair e no dia seguinte, àquelas horas, deu-se o mesmo. Levaram-no à Vila6 a uma mulher de virtude, que o forçou a falar: “Sou o António, que morreu no barco S. José. Devo um sermão ao Senhor da Agonia de quando me virei com meu pai e morreram o Migas e o Paroleiro e eu escapei. E uma promessa de uma missa ao Santíssimo. As minhas filhas que as cumpram para eu sossegar.” Não falou mais. Procuraram saber quem era este António e foram de indagação em indagação, até que souberam que era o António Vilão, filho do Tio Chasco e que eram certas as suas palavras. A família fez-lhe a vontade, dando o sermão e fazendo a promessa e o rapaz sossegou.»

47«No dia de Páscoa, a Tia Margarida caiu sem sentidos ao meio-dia. Acudiram-lhe as filhas e começaram a perguntar-lhe: “Que tens? Que tens?” E então ouviram uma voz, parecida com a do pai, que tinha morrido há meses: “Não posso sossegar! O vosso irmão roga-me pragas por julgar que eu o prejudiquei na divisão dos barcos! Quero-me perdoar com ele!” As filhas foram a correr buscar o irmão, que disse ao espírito: “É verdade eu rogar pragas, mas não quero que o meu pai sofra. Perdoe-me como eu lhe perdoo-o!” E o espírito respondeu: “Vou sossegado; ficai em paz !” E a Tia Margarida veio a si, completamente boa, não sabendo do que se tinha passado, nunca mais lhe sucedendo nada.»

48« À filha do Manco do abade entrou-lhe no corpo o espírito do avô. Começou por dar-lhe uns ataques, procurando esganar a viúva daquele, mas como o não podia fazer, contorcia-se toda. A Tia Paroleira, que sabia lidar muito com os espíritos e acompanhava as padecentes ao Amparo, foi chamada e perguntou-lhe o que é que queria. A moça então virava-se para a avó e dizia: “Ela bem sabe: eu prometi, quando me virei na barra, uma vela do meu tamanho e uma moeda de oiro à Senhora do Alívio e essa promessa não se cumpriu.” E a Tia Paroleira interrogou-o: “E se cumprir, tu sossegas?” E o espírito respondeu: “Se vós a cumprirdes, sossego: fico em paz.” Levou-se a moça à capela do Amparo, entregou-se a promessa para a Senhora do Alívio, o padre fez os exorcismos e o espírito abandonou definitivamente a moça.»

Remédios e cautelas

49Contra os bruxedos e feitiçarias, defumadoiros: coloca-se num trincho folhas secas de alhos, oliveira, arruda, alecrim e incenso e deita-se-lhe fogo. A seguir pega-se no trincho, deita-se por cima do padecente e chamando-se-lhe pelo nome, diz-se: «Eu te defumo em louvor do Santíssimo Sacramento, que vá o mal para fora e venha o bem para dentro.» – «Em louvor das Três Pessoas da Santíssima Trindade, que elas tudo querem e podem, de onde vem o teu mal para lá torne. »

50– Para o mal da inveja, coloca-se no meio das redes fruncho, arruda, sal virgem e, principalmente, Aljabão (urgebão): – «Aljabão, olhadura em vão !»

51– Para o mau olhado, deita-se sobre as redes, atravessado, um par de calças de homem.

52– Para as bruxas não entrarem em casa, mostarda, sal e milho moído pelos cantos; ou então recitar três vezes, apontando com o dedo indicador de canto a canto da casa, em cruz :

Aqui nesta casa,
Contista e contista
S. Pedro, S. Paulo e S. João Baptista,
Nesta casa assista.

53– Para as bruxas não poderem molestar, traz-se de fora uma ponta da fralda da camisa.

54– Para os pés abertos, cosem-se os pés: Num alguidar de água muito quente, coloca-se um púcaro novo de boca para baixo. O pé doente coloca-se sobre o fundo do púcaro e sobre o pé uma maçaroca de fio de linho fiado aos lábios. A mulher pega numa agulha com linha e passando-a pela maçaroca recita três vezes:

Eu que coso ?
Carne aberta e fio esposo.
Isso mesmo é que eu coso.
Em louvor de Nossa Senhora da Conceição,
Que ponha os seus olhos onde eu ponho a mão.

55– É bom ter em casa, atrás da porta, o alho-porro colhido na noite de S. João.

56– Para estancar o sangue do nariz, põe-se uma cruz de palha sobre as costas.

57– Para as sardas da cara derretem-se em sumo de limão beijinhos do mar, untando-se o rosto com este preparado.

58– Para as pisaduras, cebola branca da beira-mar.

59– Quando cai o sangue na arca, em virtude de grande susto, bebe-se espírito da vida, que se vende nas boticas.

60– A mulher que não anda boa não pode pegar na agulha de marear, porque a faz avariar; nem amassar pão, que o estraga.

61– Para o reumatismo, óleo de fígado de peixe gato e de congro.

  • 7 Limos.

62– Com os limbos7, algas marítimas das poças dos penedos, esfregam-se as escrófulas.

63– Para as mordeduras dos bichos, talhar o bicho três vezes:

Eu que talho ?
Bicho, bichão,
Aranha, aranhão,

Bicho de toda a nação.
Em louvor de S. Silvestre
E de Deus, seu divino mestre,
Tudo que faço tudo preste.

64– Quando pela primeira vez dá a zípela, unta-se com sangue de galinha ou gato preto, que não volta mais.

65A zípela talha-se com azeite, era e água, untando-se o lugar atingido, e dizendo três vezes:

Pedro Paulo foi a Roma,
Jesus Cristo encontrou,
E lhe perguntou:
– De onde vens Pedro Paulo ?
– Senhor! Venho de Roma.
– Que vai por lá Pedro Paulo ?
– Muito zipelão e zípela,
Morre muita gente dela.
– Volta atrás Pedro Paulo,
E Vai talhá-la.
– Senhor!, com quê?
– Com erva do monte,
Água da fonte,
E todo o mal será curado.

66– As feridas curam-se com teia-de-aranha e com carvão moído ou açúcar.

67– Não se bebe água de noite sem se bater no púcaro para que a água, que está a dormir, acorde. Beber-se água adormecida faz mal.

68– Faz bem às mulheres grávidas beberem águas de galinha preta, que limpa e facilita o parto.

69– Para as dores dos ouvidos, leite dos seios de mulher.

70– Os beijos de preto fazem cessar a baba das crianças.

  • 8 Chamam baços aos nevos de cor muito escura.

71– Durante o período de gravidez, não se cheira flores, nem se pega em baço de boi ou porco, para as crianças não nascerem com flores ou baço no rosto8.

72– Não se toca com a boca numa chave, nem mesmo se traz à cinta, para a criança não nascer com beiço rachado.

73– Se a mulher tiver pano na cara – «cara muito cagada» – o fruto a nascer é varão ; se a tiver limpa, é fêmea: «Rosto de rainha, cara de menina.»

74E às avessas.

75– Com a primeira água com que se lava a criança, deve a mãe lavar a cara, para que lhe desapareça o pano do rosto. Esta água é despejada debaixo da masseira da casca para que não dê mau ar e prejudique a criança.

76– Quando se lava a criança, dá-se-lhe água do banho a beber:

  • 9 Dizem também esta derivante: «Para a menina não correr o fado.»

Auguinha de cu lavado,
Para a meninaa ir ao recado9.
Auguinha do teu cu,
Que te não faz mal nenhum.
Quem quiser que o seu menino cresça,
Lave dos pés prà cabeça.
As boas águas te lavem,
E as boas fadas te fadem.
Auguinha, a correr,
E o meu menino a crescer !
Auguinha, a lavar,
E o meu menino a medrar !
Cada lavadura,
Cada formosura.

77– Enquanto se não baptiza a criança, enfia-se na perneira de uma calça e tem-se no quarto a luza acesa permanente, para não ser sugada pelas bruxas.

78– O umbigo deita-se ao lume, para o gato não o comer, o que faria a criança ruim, nem o rato o roer, para não dar em ladra.

79– As quifas (secundinas) enterram-se fundas no chão do lar, pois se forem comidas pelos gatos, a mãe nunca mais tem saúde.

80– A mulher grávida não deve passar por baixo de cabos estendidos, para evitar que as crianças nasçam com cordas ao pescoço, esganadas...

81– Não se deixam andar as crianças por baixo das mesas e bancos, porque não crescem.

82– Para talhar o enguiço às crianças, faz-se uma papada de aljabão com ovo do mesmo dia de galinha preta e deita-se-lhe na barriga. Se tiver enguiço, mostra-o no paninho dos olhos (guardanapo lavrado), manchando-o de sangue. Este paninho não se pode secar ao sol.

83– Se o mal da inveja surgir em dadas às crianças, defumam-se estas, repetindo-se três vezes: «Assim como Nossa Senhora defumou o seu menino para cheirar, assim eu te defumo para sarar. »

84– Se as crianças retardam em andar, é porque sofrem de medo. E o medo corta-se: Amarra-se os pés da criança com um entralho e à hora do meio-dia leva-se a um carpinteiro de estaleiro. Ao dar das badaladas, corta-se o entralho com o machado, dizendo quem a leva:

Senhor mestre carpinteiro
Você sabe trabalhar?
Corte o medo a esta criança
Para ela poder andar !

85– Não se deve deixar cair vinho na roupa do parto para se evitar que a dona fique doida.

86– Não se pode beber com a criança ao peito, para que não venha a padecer da gota (epilépsia). Quando se dá este descuido, a criança tem que beber, três dias a seguir, leite de mãe e filha.

87– Não se embala o berço, porque faz a criança ruim.

88– Para que se não retarde a fala, não se corta o cabelo, nem as unhas às crianças durante um ano. A mãe deve aparar as unhas da criança com os dentes.

89– Para que as crianças comecem a falar cedo, levam-se à procissão de Cinzas, em Vila do Conde ou Azurara, e passam três vezes por baixo do andor de S. Luís, rei de França, e batendo-lhes com a cabeça nas tábuas do andor, dizem: «São Luís, rei de França, dai falinha a esta criança. »

90– Quando se lavam os cueirinhos, não se forcem nem se batem ; espremem-se na mão, para não provocar dores às crianças.

91– Para as crianças ougadas : A madrinha do baptismo faz um bolo de milho com três pingos de azeite e dá-o a comer à criança, oferecendo-lho e negando-lho por três vezes:

– Pega guado!
– Deixa estacado!

92Depois de a criança comer parte do bolo, a madrinha arranca-lhe o resto e dá-o a comer a um gato para que passe o mal para o gato.

93– Durante o primeiro mês, não se sai com a criança de noite à rua, para que não fique tolhida.

94– Para se cortarem as bichas, esfregam-se as fontes com uma massa de caganitas de cabra, cortando-se as borbulhas que no local da fricção aparecem com uma navalha de barba. Há a crença de que as bichas acorrem às fontes e que a navalha as mata: cortando-se aquelas borbulhas, corta-se-lhes as cabeças.

95– Para as bichas, vinagre a cheirar e na moleirinha.

96– Queimam-se os ossos da galinha que a mulher parida comeu, porque se forem mastigados pelos gatos faz secar o leite.

97– Quando a mãe tem necessidade de secar o leite, põe um rosário de figos verdes ao pescoço. Conforme os figos forem secando, assim seca o leite. Também seca, esfregando-se os seios com fermento de pão de milho.

98– Não se deixa passar por cima de uma criança uma galinha choca porque dá bertueja. Esta doença cura-se, rodando-se a criança sobre uma pia de porcos, dizendo:

99«Bertueja, rabeja, sai-te daqui, assim como os porcos e porcas comem aqui.»

100– Se a criança espirra, diz-se: «Deus te salve, Deus te guarde, Deus te acrescente e Deus te livre da má gente e do cão arreganhado e da velha que arrebita o rabo.»

101– Se a criança abre a boca, faz-se-lhe nela uma cruz, dizendo: «Deus te benza ! »

102– Para as crianças começarem a andar, pegam-se nelas à hora do toque das Trindades e atravessam-se três vezes os riscos feitos na terra pelas rodas de um carro e diz-se: «Santíssima Trindade a dar e o nosso menino a aprender a andar. »

103– Se as crianças trazem as horas do sono trocadas, faz-se da camisa uma rodilha e com ela vai-se à fonte buscar um cântaro de água e veste-se-lhe, depois, a camisa.

104– Quando as crianças se riem no berço, as mães dizem que estão a rir-se com os anjos do céu.

105– A mulher grávida não põe estriga de linho na cabeça para a criança não nascer com manchas brancas no cabelo.

106– Deve comer tremoços para a criança nascer com os olhos grandes.

107– Não é bom a criança passar descalça pelo sítio onde se espolinhou um burro porque lhe nascem cruzes nos calcanhares.

108– Se lhe cai um dente, deve atirar-se para cima de um forno e dizer: «Dente fora, c... na cova, venha outro para a casinha nova.»

  • 10 Verrugas.

109– Não se deve apontar para as estrelas porque nascem cravos10 nas mãos.

110– Se a criança se baba, ferra na cabeça de um peixe ou pede um beijo a um preto.

111– Para os éticos: Água das fontes de S. Lourenço, que se venera na sua capelinha no monte ao norte de Esposende. Para que produza o efeito desejado no doente, deve-se deixar nos silvados, junto às fontes, um pedacito de camisa ou de outra qualquer parte do fato que o mesmo tinha usado. – «Água Santa, de desenganos, que dá ou leva.»

112– Para o susto, quando «cai o sangue na arca» – Espírito da vida: gotas de tintura de benjoim composta em água ou vinho – tomado em jejum.

113– Para falhar o Sol (calor na cabeça) : Pega-se num pano de olhos (guardanapo lavrado) e dobra-se em oito partes, colocando-se a tapar um um copo de vidro cheio de água fria. Em seguida, coloca-se o copo sobre a cabeça do doente, de fundo para cima, recitando quem o coloca o seguinte:

Santa Clemência pelo mundo andou
Sol e Lua talhou.
Com que talharia ?
Com um paninho de olhos
E um copo de água fria.
Padre Nosso,
Ave-Maria.

  • 11 O pano absorve a água, provocando a entrada de ar em forma de bolhas através da água – e isto é tom (...)

114Se a água ferve (borbulha)11, é sinal que o calor do Sol desaparece da cabeça do padecente.

Notes

1 Monte de areia onde se encontrava construída uma pequena casa em que morava um velho pescador chamado Tio Lourenço; aí se reuniam os pescadores para examinarem os astros. Este fieiro ficava no local da actual rotunda da Avenida dos Banhos, em frente à Rua do Carvalhido.

2 Variante: Eu te benzo meu alirú
Com a fralda do meu c...

3 27 de Fevereiro de 1892. Deu-se na costa uma grande catástrofe, em que morreram 108 poveiros.

4 Registo esta nota, referente já a barcos de artes-novas, colhida muito modernamente (1928) só como demonstração que as superstições persistem nesta colmeia marítima.

5 Na Boza havia restos de uma vila romana (José Fortes, Portugália, v. II, p. 113). Dar-se-ia o caso de o aparecimento de algumas moedas nesse lugar dar origem à lenda da Moira Encantada.

6 Vila do Conde.

7 Limos.

8 Chamam baços aos nevos de cor muito escura.

9 Dizem também esta derivante: «Para a menina não correr o fado.»

10 Verrugas.

11 O pano absorve a água, provocando a entrada de ar em forma de bolhas através da água – e isto é tomado como fervura da água.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search