Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

V Relações e distinções entre os da comunidade e os de fora dela

Texte intégral

1A Colmeia poveira vivia completamente isolada das outras classes da vila. Nada de misturas com a chamada «gente da terra». Os casamentos só os havia entre os da classe. Às raparigas não era dado falar com homens estranhos à pescaria. Qualquer tio ou da classe podia abeirar-se da moça que infringisse este preceito e repreendê-la, mandando-a «ter vergonha» e andar...

2A que prevaricasse, teimando em falar com um desses homens estranhos, valia-lhe a murmuração geral de toda a comunidade e o desprezo dos rapazes da classe, que viam, nessa conversa, ruim fim do «peixe de coiro» que não procurava forma do seu pé, gente da sua ugalha. A rapariga perdia logo todo o conceito. As mães repreendiam as filhas que ousassem andar com a «foleirona», com a «desavergonhada»...

3Este preceito obrigava as raparigas a andar sopeadas, estranhas a tudo o que se passava fora do seu meio. Às que eram pobres e precisavam de servir para viver, serviam dentro da classe, sendo moças das casas dos lanchões – os remediados da comunidade.

4Nada de conversas fora do seu meio.

5Se os estranhos precisavam de qualquer informação ou esclarecimento, lá estavam as velhas ou os homens para os dar. Debalde o forasteiro ou visitante se dirigia às raparigas que passavam a solicitar o informe: «Faz-me um favor ? ... Diz-me onde mora o...», porque elas andavam sempre, sem olhar para trás. Se um homem ou velha ouvia a solicitação, acudia logo: «Que deseja vossemecê?», e dava, se soubesse, a informação, ou acompanhava-o, muito solícito, a quem a pudesse dar.

6E se o forasteiro, estranhando a conduta das moças, notava a sua falta de delicadeza, logo vinha a desculpa: «Vossemecê bem sabe... São raparigas novas... não é bonito... parece mal prà classe... vossemecê entende...»

7Os raros filhos da classe que dela saíam para ocupar outros misteres eram, para efeito de casamento, como estranhos à classe, sofrendo o mesmo desprezo das raparigas quando pretendiam entre elas namorar:

«Tu usas chapéu; não és da classe...»

8O preceito da classe para os moços era, por igual, rigoroso, pois ao que começasse a «derriçar» fora do meio, as raparigas voltavam-lhes as costas, com aplauso geral :

«Vai-te embora moço! As pescadeiras já te não servem. Vai para as “esterzicadas! ” »

9E a antiga namorada fechava-lhe o postigo na cara.

10Quando um peixe de coiro vagueava pelo bairro e havia a desconfiança de que perseguia qualquer moça, os rapazes corriam-no à pedrada.

  • 1 Males ruins.

11Esta austeridade imposta aos novos ia ao ponto de obrigar a castidade aos próprio rapazes. Ai do que fosse visto entrar nas casas de má-nota que nunca mais tinha conversa nem par na pescaria! Era cão tinhoso, que não podia frequentar uma casa de família, contaminado do sangue de má--roins1 da vida libertinosa levada naquelas casas. A sua própria família não o desculpava, verificando nesse acto o seu maior desgosto. À face da comunidade, quem tal fazia, andava em «pecado mortal» fora da graça de Deus!

12Recorda-me de um destes casos na minha mocidade, que causou grande alarido na pescaria:

13Estavam-se cumprindo os preciosos da classe (V. O Casamento) para a união de um famoso par: ele, um rapaz forte, bem apresentado, filho dum dos mais afamados mestres lanchões; ela, das mais lindas raparigas da tribo, bem vestida e bem oirada, filha, por igual, de um lanchão. Um par de autêntico puro sangue, das melhores famílias, de fidalguia refinada.

14Estavam já na semana do casamento.

  • 2 Rua na margem direita de um riacho (o esteiro), hoje coberto, que servia de vala escoante das águas (...)

15No Esteiro2, cantarolava na varandinha uma garota formosíssima, azougada e viva, 18 primaveras, que atraía ao pombal da Casemira a melhor rapaziada dos da terra. Criatura de vida fácil, tinha, contudo, os seus caprichos, que por vezes armavam conflitos. Dizia, «não»!, estava dito, fosse o figurão o melhor ricaço.

16O moço pescador, belo, forte, risonho, passava por ali amiudadas vezes. Morava em Santos Minho e tinha, para ir ou vir da praia, de atravessar o Esteiro.

17A endiabrada rapariga deu em reparar naquele formoso rapaz e em caprichar seduzi-lo. No geral, nunca aquelas infelizes criaturas deram pelos pescadores, nem estes por elas. «Não se olha para as casas do pecado!», era a recomendação dos velhos, geralmente acatada.

18Mas aquele «pecado vivo» pôs-se diante dos olhos do pobre moço e nunca mais o largou até que o pôde, com paixão, enlaçar nos seus braços de sereia! E nesse dia deu com a porta na cara aos seus ricos admiradores.

19O caso produziu despeito e escandaloso restolho, que ecoou em todo o bairro piscatório. O casamento foi imediatamente desfeito e dias depois o pobre moço pescador embarcava para o Brasil, a imposições do pai, que nunca julgou ver a sua família passar por «semelhante vergonha»! Mesmo era preciso que aquele mau exemplo não andasse a mostrar-se dentro da comunidade. Todos aprovavam o gesto austero do pai.

20Se era assim o rigor para os rapazes, para as moças que caíssem num trabalho, isso, então, era de uma violência apavorante:

21Diziam na classe: «Aquela morreu para o mundo!» E de facto morria.

22A minha avó materna, uma velhinha que morreu quase centenária, afirmou-me que conheceu algumas dessas desgraçadas, que fugiram para longe da Póvoa, horrorizadas com as pressões violentas das próprias famílias; rapavam-lhes o cabelo e obrigavam-nas a usar um lenço preto na cabeça, puxado para a frente. Tinham a seu cargo os trabalhos mais pesados da arte: encher as pias da água; pisar a casca; esfregar a casa; tudo, enfim, que representasse humilhação para elas. Ninguém lhes falava em casa e muito menos as antigas companheiras. Comiam na cozinha, separadas da família. Iam à missa primeira, aos domingos, acompanhadas apenas das mães, sempre de olhos postos no chão, não lhes sendo permitido falar com ninguém. A família, mal se dava este triste caso, vestia-se toda de luto.

23Não eram só estes preceitos que entravavam a expansão do amor das lindas raparigas e dos vigorosos rapazes desta originalíssima tribo do litoral português: havia ainda o preconceito da distinção das famílias, mais violentamente rigoroso que nas outras comunidades.

24Parece, sem dúvida, estranho que dentro de uma classe em que todo o espírito de previdência e socorro se baseia na mais estreita e firme solidariedade, dando-nos a impressão de uma forte e perfeita igualdade, nos surja o preconceito de distinção de castas nesta colmeia. Mas a sua realidade é um facto averiguado, se bem nos pareça que essa distinção nasceu da própria diferenciação das artes em que essas famílias trabalhavam.

25A pesca dividia-se em três grupos distintos:

1. ° – Lanchões.

2. ° – Rasqueiros-Sardinheiros.

3. ° – Barcos de pescar – Pescadores de linha.

26O lanchão era, por assim dizer, o fidalgo da tribo.

27Os seus aparelhos de pesca eram os mais valiosos e a sua pesca a mais rendosa, dando-lhe uma vida de relativa abastança. A sua família andava sempre bem vestida e oirada. A sua labuta, em mares longínquos e arriscados, dava à sua classe um renome de ousadia e valentia que os enobrecia aos olhos dos outros.

28Eles tinham moças e meeiros; as moças, para ajudarem as filhas nos trabalhos caseiros: encascar e enxugar as redes, encher pias e pisar a casca; os meeiros, para levar para o mar o aparelho e mais que existia no farto paneiro da casa. Por isso, os lanchões eram alguém, que não podiam ser ombreados pelos outros de pescas inferiores. Deles saíam os homens de respeito da classe, cuja decisão, ponderada e sempre justa, nas contendas do mar, era acatada sem discussão. Os seus mestres eram para toda a comunidade as suas personagens mais representativas, a quem todo o respeito era devido.

29Dentro do lar do Lanchão não havia, no geral, desregramento de linguagem: tinha-se sempre em conta que se pecava falando mal. Falar mal era praguejar, rogar pragas. E isto era próprio das classes inferiores.

30Os lanchões representavam, portanto, famílias de distinção dentro da colmeia. A sua mocidade teria de escolher entre gente de tronco.

31Os Rasqueiros-Sardinheiros eram como os nossos burgueses: remediados uns, vivendo mais mal outros.

32Os Pescadores de linha eram a plebe. Sem redes, a linha era o seu único ganha-pão. Na falha da pesca à linha, faziam-se meeiros dos outros na safra da sardinha. Viviam quase sempre na miséria.

33As ligações faziam-se, pois, dentro dos próprios grupos, havendo umas certas facilidadess nos casamentos entre os dois últimos. Com o grupo Lanchão é que era deficílimo.

34A recomendação à mocidade era sempre: «Escolhe gente de tronco!»

35Se um rapaz sardinheiro ou pescador de linha se sorria para a filha de um Lanchão, a mãe desta vinha logo falar-lhe: «Moço !, a minha filha é ainda muito nova para casar. Vai Com Deus!» E repreendia, a seguir, a filha, dizendo-lhe se não sabia que a família do rapaz se não podia aparentar com a sua. E acrescentava logo: «Vê lá o que fazes! Se teimas, digo-o a teu pai ! Tens muita família de “tronco” para escolheres.»

Mas, como em todas as comunidades, Cupido por vezes fazia diabruras, e estas recomendações não encontravam eco no coração apaixonado da namorada. E a resposta era: «Ou aquele ou nenhum!»

36E tinha de ser.

37Então, o parente da moça de mais prestígio, a quem ela procurava para desabafar com ele o seu grande amor ao plebeu, assumia o encargo de tudo harmonizar com a família para que o casamento se fizesse, a «parecer bem».

38E o «parecer bem» era elevar o namorado de sardinheiro ou pescador de linha a lanchão antes do casamento, para assim se dar ares de uma melhor igualdade entre os cônjuges.

39Nestas condições, o parente da namorada ia ter com os pais dela e fazia-lhes a proposta:

«A rapariga diz que ou aquele ou nenhum. Antes que caia em algum “trabalho”, vamos a remediar isto: tu emprestas três “cartéis”, eu outros três e o rapaz vai já na primeira ceifa para o mar na nossa lancha. Deixa lá a família: ele é bom rapaz, e assim tudo se arranja em bem.»

40E a família concorda, já que o «demónio da rapariga está virada para ali».

41Assim o moço sardinheiro ou pescador de linha passava a ser lanchão, a ombrear com gente de tronco.

42Quando se dava o inverso, isto é, quando o rapaz era fidalgo e a moça plebeia, maior era a tristeza na família, porque não havia modo de se arranjar as coisas a «parecer bem»... O casamento era, nestes casos, salvo raras excepções, feito à capucha, ou seja, de madrugada, sem acompanhamento, apenas com os padrinhos para testemunhar o acto.

43Regra geral, os plebeus conduziam-se, quando lanchões, a bem ombrear com os fidalgos...

44Hoje (1931) tudo mudou. Mistura completa. Mas os velhos pescadores comentam ainda:

«Isto agora está tudo virado! Antigamente não se casava sem se olhar primeiro pràs famílias! O “tronco” procurava o “tronco”...!»

Notes

1 Males ruins.

2 Rua na margem direita de um riacho (o esteiro), hoje coberto, que servia de vala escoante das águas pluviais da vila e para onde tinham frente as casas das meretrizes. É a actual Rua do Tenente Valadim.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search