Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

IV As Alcunhas

Texte intégral

1Os nomes próprios do Poveiro desaparecem por completo para só prevalecerem as alcunhas.

2Em lugar de João José Loureiro, José Filipe de Carvalho, João Martins da Nova, António da Silva Nunes, Francisco Fernandes Troina surgem-nos o João Caneta, o José Pinheira, e João Trunfo, o António Potrico e o Francisco Fome-Negra.

3Só a alcunha é conhecida, só por ela se pode dar relação do indivíduo procurado dentro da comunidade. É inútil persistir com o nome próprio, porque muito raramente uma pessoa estranha à classe – e mesmo até nos da classe – consegue dar com o indivíduo que se procura. Muitas mulheres desconhecem o nome do próprio marido, vendo-se aflitas quando lho exigem para assentos de casamento, baptizados ou escrituras. O mesmo sucede com as filhas, que conhecem os pais pelo primeiro nome e a alcunha.

4Por exemplo: uma filha de João Sarrão:

– Como te chamas?

– Maria Sarroa !

– Não é isso. Quero o teu nome do baptismo.

– Meu pai era o Tio João Sarrão e eu fui sempre a Maria Sarroa. Mas se não é assim bote lá – Maria Cristela, que era o nome da minha mãezinha.

5E no assento do baptismo do filho ou na escritura lá fica: Maria Cristela, também conhecida por Maria Sarroa.

6Só os rapazes fixam os nomes dos pais para por eles darem os seus:

– O nome da igreja de meu pai era José Pereira da Silva e eu devo ser António Pereira da Silva.

7Mas estes nomes próprios pouco mais são conhecidos do que dos membros da família.

8Por vezes, tiram-nos pelo parentesco:

– Dizia a minha mãezinha que os Juliões, os Beiças e os Melões são da nossa família, pelo lado de meu pai. Devem ser do mesmo nome da igreja dele – Cadilhes.

9Para se investigar de um poveiro qual é o seu nome próprio deve-se-lhe perguntar:

– Qual é o teu nome da igreja?

10Por vezes, é preciso insistir para ele se recordar e não repetir, como quase sempre sucede, a alcunha de que usa.

11Invariavelmente, antes de nos dar o nome e como procurando recordar-se, faz esta pergunta a si próprio:

– Qual é o meu nome da igreja? – e diz a seguir o nome próprio.

12É interessante também arquivar que quando os primeiros nomes próprios – os da igreja – são iguais – do pai e filho – acrescentam ao final do deste a palavra Novo para fazer a destrinça entre os dois e que é o equivalente ao Júnior das outras classes. Exemplo: Manuel Martins Areias – Manuel Martins Areias Novo.

13Quando dois filhos têm o primeiro nome igual, um é António Grande e o outro António Pequeno. O mesmo se dá quando na mesma casa há dois nomes iguais.

14É claro que isto só se faz quando se dá a coincidência citada de serem iguais os primeiros nomes. Não há um só pescador poveiro que não tenha a sua alcunha, que só por ela é conhecido.

15Como são crismados?

16Segundo as informações que colhemos, variam as causas que dão o relevo à palavra que vai servir da alcunha.

17As mães, que são extremosas e que com isso contribuem muitas vezes para a doença dos filhos por não saberem negar-lhes nada do que eles, na sua inconsciência, lhe pedem, contribuem também para essas alcunhas.

18Ao filho, que é gordinho, todo rotundo como um boto :

– Anda cá meu botinho, meu amor!

19E o nome de Boto destaca-se, acham-lhe graça e fica, fica por gerações fora.

20Ao filho que pede pão agora, logo e sempre:

– O rapaz tem fome negra! Santo nome de Jesus ! Pega lá o pão...

21E o Fome-Negra fica.

22Ao filho que chora sempre:

– Este «choranga» não se farta de chorar.

23E temos a alcunha de Choranga. E por aqui adiante.

24Outras vezes, são pegas de língua entre eles:

– Que dizes, chula, chipé...

– E tu que és, sua Cascarra, Lixa, Graixeira...

25E o conflito avoluma-se, os nomes repetem-se, tomam-se testemunhas, há risotas dos circunstantes com a repetição das alcunhas novas e temos o Francisco Chula, o José Chipé, a Rosa Cascarra, a Maria Lixa e a Rita Graixeira...

26Outros nascem de incidentes no mar, com palavras ásperas ou galhofeiras, entre eles, que vêm, depois, para as conversas nas bebidas e que pegam à maravilha.

27O Poveiro, nas suas conversas mais amistosas com os companheiros, chama-lhes pela primeira alcunha que se lembre, provindo dum dito numa conversa anterior e que foi notado como fora do vulgar. E é assim como muitos são crismados.

28Muitas das alcunhas vêm também dos padrinhos, passando muitas delas a fazer parte do próprio nome.

29As mães começam a chamar-lhes desde o dia do baptizado os apelidos dos padrinhos: – «Oh, meu Graça» – «Oh meu Vilela» – «Oh meu Rosmaninho» – «Oh meu Castro»...

30E estes nomes ficam para sempre.

31Por vezes, transformam todo o nome. Um exemplo: Vicente Liro. O nome próprio deste velho pescador era António da Silva Sencadas. Não tinha, portanto, nem Vicente, nem Liro. Juntaram o nome do padrinho (Vicente) à alcunha da família (Liro). Até o primeiro nome sofreu a influência do meio, propensa a enlevar as crianças com os nomes dos padrinhos de certa categoria.

32Outras vezes, nascia do dito galanteador de um estranho à classe ao ver uma bonita rapariga pescadeira:

33«Adeus Marucas ! »

34E as companheiras logo: «Não ouvistes? Chamou-te Marucas». E corria a nova e, com ela, a crisma, e assim nos surgiu a Maria Marucas.

35Estas alcunhas serviam também à maravilha para a defesa da classe contra certas leis ou determinações do Estado, desagradáveis à comunidade, visto que não era fácil aos agentes daquele dar com os indivíduos procurados.

36Um caso interessante, já narrado por outros estudiosos dos usos e costumes desta colmeia:

37O Poveiro tem um profundo horror à vida militar. Não havia forma, noutros tempos, de se conseguir que um só, voluntariamente, se apresentasse para servir o rei.

38Quem quisesse que o servisse; o Poveiro, não!

39Daí os assaltos, de vez em quando, ao bairro, para agarrar os refractários. Mas em menos de dez minutos não havia um rapaz em idade militar no bairro – porque de casa a casa, pelo quintal, era passada a nova de «moiro na costa. »

40De noite, dormiam nos barcos, postos ao largo da enseada, à cautela, não fossem dar com a casa e cercá-la...

41Assim que apareciam os oficiais da Câmara, de lista na mão, abeiravam-se deles as velhas pescadeiras em elevado número, cercando-os e indagando do que desejavam:

42«Quem procura meu Tio ?»

– Vocês não conhecem o António Bernardo de Castro ?

– De quantos anos?

– Aí, duns vinte, vinte e um, vinte e dois anos...

43E as velhas piscando os olhos umas às outras, como a dizer: «Cá andam eles!», iam dialogando até que a primeira desse a resposta:

– O Antone Castro... vinte e dois anos... o Antone...

– Então tu não le lembras, Rosa? Era o filho do Malga? Coitadinho, meu tio! Antes fosse servir o rei ! Morreu afogadinho no mar há mais dum ano! Deus lhe fale na alma!

44E as outras todas:

– É verdade, coitadinho! Era um rapaz como um castelo, uma prenda!

– Risque, meu tio, risque que esse não pode servir mais o rei !

45Os oficiais continuavam:

– E não conhecem o António Martins Areias, da mesma idade ?

– O Antone... O Antone... Areias?

– Também morreu afogadinho, ali na barra, à vista de todos, há mais de quatro meses. Era o filho do Forneca ; o Senhor o tenha em bom lugar!

46E os oficiais podiam ir mais adiante, falar a outras, que a resposta era sempre a mesma. Por vezes sucedia falar com a própria família do mancebo procurado, mas qualquer dos seus componentes disfarçava e virava-se para a vizinha a dialogar:

– Vês Maria, procura o João Reixas, que morreu há mais de seis anos !

47E as respostas eram sempre, invariavelmente, estas, na sua maioria dadas sem sequer saberem a que mancebo se referia o nome indagado. O bastante era saber-se que se tratava de procurar rapazes da classe para ir para as galés.

48Mais tarde, veio o recenseamento militar mais apertado – juntando os «marbados» da «Cambra» a alcunha ao nome, facilitando a procura e tornando mais difícil a fuga ao serviço militar.

49Era preciso centameio (150$000 réis) para pagar a praça! Mas não havia hesitações: o mais pobre ia à parceira empenhar-se: seria mieiro dela um, dois, três ou quatro anos até lhe pagar o dinheiro que lhe emprestasse para não deitar as correias às costas!

50E este fardo pesadíssimo, pois teria, para se liquidar, de ganhar o dobro – três centos ! – naquela época, para eles, uma pequena fortuna, era leve comparado com o ser soldado!

51Só deitavam as correias às costas os que de todo em todo não conseguiam empenhar-se!

52Quando vinha ao bairro um poveiro fardado de militar, em uso de licença, as mulheres tinham sempre uma lamentação:

– Para que uma mãe cria um filho!

53E não se fartavam de o ouvir contar a má vida que por lá levava...

54Um contraste interessante: o Poveiro, na tropa, é um magnífico soldado, obediente, valente, incapaz de desertar. Uma vez na Marinha, habituava-se àquela vida e raramente voltava : há muitos poveiros que para lá foram forçados e que por Lisboa se mantiveram, chegando a constituir família. Só o soldado da terra anseia por voltar a casa. Os seus oficiais fazem-lhe os maiores elogios: «Boa rapaziada!»

55Quando houve necessidade de guarnecer as fronteiras em África por ocasião da guerra anglo-boer, os poveiros foram citados pelos salvamentos que fizeram num rio atravessado pelas tropas em fuga que se vinham acolher à hospitalidade portuguesa.

56Os poveiros têm a noção de que a Pátria é invencível. As próprias mulheres compartilham desta convicção:

«Portugal muito perseguido, mas nunca vencido!»

57E quando se lhes lembra o pouco que somos em relação a outras nações, dando-lhes a perceber que podemos sucumbir numa luta desigual, elas acodem logo com uma fé admirável:

«Não ! As cinco chagas de Cristo darão “âmeno” à nossa gente!»

58Vamos registar algumas das alcunhas dos poveiros seguidas pelos nomes próprios para se saber a que famílias dizem respeito. Para se encontrar o nome completo dum membro destas famílias basta anteceder-se os apelidos que arquivamos com o primeiro nome do indivíduo. Ex.: o João Aroca é o João Francisco da Cunha:

A

59Os Andrés (Santos), Os Amarelos (Santos Graça), Os Agulhas (Francisco Neves – Pereira Marques), Os Anjinhos (Ribeiro Pontes – Terroso Novo), Os Alexandres (Gomes da Vinha), Os Angeiras (Martins Neves), Os Avanças (Silva Braga), Os Alagados (Martins Areias), Os Andóras (Correia Novo), Os Aïndas (Francisco Nunes), Os Arocas (Francisco da Cunha).

B

60Os Bentas (Nunes), Os Bragas (Pereira da Silva), Os Botos ou Versos (Francisco Ribeiro), Os Belezas (Santos), Os Bonifácios (Costa Castanho), Os Baetas (Pereira da Silva), Os Bronzes (Moreira Alexandre), Os Barruïs (Pereira Rajão – Casanova), Os Balés (Milhazes), Os Biatas (Correia Novo), Os Beb’Águas (Pereira Marques – Ribeiro Pontes), Os Bravos (Caetano Feiteira), Os Beiças (Fernandes Cadilhe).

C

  • 1 Ou Seligato?
  • 2 Corrutela de Sanches ?

61Os Canetas (José Loureiro), Os Chascos (Fernandes Braga), O Cego do Maio (Rodrigues Maio), Os Chabões (Gonçalves Regufe – Francisco Marques), Os Coutos (Marques do Couto), Os Chichões (Gonçalves Gomes), Os Come-Pilados (Bernardo), Os Chibantas (Martins Leite), Os Caurretes (Ribeiro Pontes – Carlos da Silva), Os Covas (Rodrigues Campos), Os Canhotas (Francisco dos Santos – Martins Areias), Os Canários (Pereira da Silva), Os Catraios (José Dourado), Os Caragos (Pereira da Silva), Os Canastreiros (Dias da Silva), Os Currotos (Francisco Arteiro – Gonçalves de Castro), Os Chenas (Marques da Mata), Os Carvalhidos (Costa Marques), Os Caga-Libras (Santos Paroleiro), Os Chicharros (Moreira Alexandre), Os Capelões (Denis), Os Cocas (Ribeiro Pontes), Os Chaves (Francisco Neves), Os Carriços (Fernandes Abreu – Costa Branco), Os Cobiões (Rodrigues Maio), Os Cantinhas (Francisco Pinheiro – Rodrigues Cocelo), Os Chinchas (Ribeiro da Costa), Os Canejos (Félix Rajão – Rodrigues Maio), Os Caras (Fernandes Torrão), Os Celigatos1(Fernandes Torrão), Os Caqués (Pereira da Silva), Os Cavalheiras (Rodrigues da Silva), Os Cochêchas (Silva Braga), Os Caixas (Gomes da Cruz), Os Cascas (Vicente Correia), Os Chinelos (Luís Postiga), Os Cangueiros (Pires – Gonçalves da Vinha), Os Cucas (Costa Moiro), Os Cantadeiras (Silva Laranja – Ribeiro Pontes), Os Caramelhos (Pereira Marques), Os Chanchas2 (Rodrigues da Silva), Os Calçadas (Pereira Marques), Os Caças (Martins Neves), Os Catritas (Filipe Nunes), Os Cadecos (Fernandes Troina), Os Cotovias (Silva Nunes), Os Cholas (Craveiro), Os Cascarra do Pita (Francisco dos Santos Júnior).

D

  • 3 De Horana?

62Os Duartes (Martins Areias – António Terroso), Os Dibós (Castro Cantinha), Os Dabanas3 (Marques Pinto).

E

63Os Elenas (Gomes Cruz), Os Elias (Santos Paroleiro), Os Esquecidos (Filipe Ramos), Os Espadas (Rodrigues Pereira), Os Esgueiras (Gonçalves de Castro).

F

64Os Fome-Negras (Fernandes Troina), Os Fangueiros (Francisco Maio), Os Fanecas (Martins Areias), Os Ferras (Luís, Francisco e Manuel Trocado), Os Feiteiras (José Cardoso), Os Frutuosos (Francisco Arteiro Gavina), Os Folhetas (Gomes Cruz), Os Figueiras (Gonçalves Regufe), Os Fernandes (Francisco dos Santos Graça), Os Fogajeiras (Regufe – Martins dos Santos), Os Famas (António Cristelo), Os Fonas (Silva Braga), Os Facadas (Rodrigues da Silva), Os Fuzelas (Fernandes da Silva), Os Ferreiras (Ferreira Moreira), Os Forneças (Fernandes Areias), Os Feliças (Francisco da Cunha – Correia Novo – Fernandes Braga).

G

65Os Giesteiras (Rodrigues Maio), Os Grandes (Gomes Sapudo), Os Garrilhas (Rodrigues Maio), Os Graixas (Marques Pinhão), Os Guimarães (Gomes Leite), Os Giras (Santos Lourenço), Os Galos (Ferreira Festas – Rodrigues Maio), Os Graças (Gonçalves de Castro), Os Guias (Ferreira Graça), Os Grilas (Rodrigues Mateus), Os da Gorda (Costa Marques), Os dos Hábitos (Luís Postiga).

I

66Os Izambas (Martins das Neves), Os Ingrés (Regufe Novo), Os Ilhas (Gonçalves Neto).

J

67Os Juliões (Fernandes Cadilhe), Os Jacós (Filipe Ramos), Os Janeiras (Santos Viana).

L

68Os Lambucos (Francisco Arteiro), Os Liberatas (Gomes Madalena), Os Liros (Silva Sencadas), Os Lavradeiras (Costa Marques), Os Lagoas (António Ferreira), Os Limas (Martins Moreira), Os Ladinhos (Domingos Nunes), Os Leonoras (Fernandes Moça – Rodrigues da Costa), Os Liqueiros (António Ferreira), Os Lianças (Moreira de Castro), Os da Lapa (Ribeiro Pontes), Os Lopes (Ribeiros Pontes), Os Locaias (Postiga), Os Laganças (Silva Braga), Os Landinhas (Pereira da Silva), Os Larachas (Pereira da Silva), Os Léles (Luís Postiga), Os Lazeras (Francisco de Castro), Os Lorianos (Pereira Marques), Os Lagosteiros (Dias Ferradeira), Os Loureiros (Martins das Neves).

M

69Os Malgas (Bernardo de Castro), Os Micharros (Moreira Maia), Os Moucos (Gonçalves Neto), Os Maranhas (Ferreira Moreira), Os Maiatos (Fernandes Moça – Martins Moreira), Os Moirinhos (Gonçalves Marques), Os Molinhos (António Rajão), Os Milhazes (Manuel), Os da Madrinha (Costa Marques), Os Maragatos (Rodrigues Maio – Fangueiro da Silva), Os Mourilhes (Rodrigues Maio), Os Mulatos (Pereira da Silva), Os da Mata (Marques da Mata), Os Magáres (Silva Fangueiro), Os Mortes (Fernandes da Silva), Os Mitras (Filipe Ramos), Os Moiros (Rodrigues da Silva – Francisco Marques), Os Melros (Rodrigues Maio), Os Monetas (Gomes Marafona), Os Mariquinhas (Mata Novo), Os Melaços (Francisco Trocado), Os Melões (Fernandes Cadilhe).

N

70Os da Neta (Costa Marques), Os Negrinhos (Rodrigues Maio), Os Nócas (Fernandes Areias), Os Nogueiras (Fernandes Areias), Os Nitos (Ribeiro Pontes), Os Nicolaus (Francisco Marques), Os Netos (Gonçalves de Castro), Os dos Negócios (Francisco Marques).

P

71Os Pinheiras (Filipe de Carvalho – Costa Marques), Os Pintassilgos (Costa Jorge), Os Patas (Pereira Campos), Os Penedas (Gonçalves de Castro – Francisco de Castro), Os Pernas (Ribeiro Pontes), Os Parentes (Costa Marques), Os Padeiras (Silva Marques – José dos Santos), Os Patriças (Luís Postiga – Ribeiro Pontes), Os Poupados (Fernandes Caseira), Os Piroqueiros (Silva Braga), Os Peidadão (Francisco Nunes da Benta), Os Papilos (Nunes da Silva), Os Pragas (Monte Novo), Os Preus (Francisco Neves), Os Putões (Marques da Mata), Os Piçorricos (Pereira Marques), Os Piolhos (Martins dos Santos), Os Pataratas (Francisco Nogueira – Francisco Fangueiro), Os Pintados (Ferreira Maravalhas), Os Pimpões (Pereira da Silva), Os Parranas (José da Silva – Francisco Graça), Os Pelados (Costa Marques), Os Potricos (Silvas Nunes), Os Patuleias (Rodrigues da Silva), Os Penas (Gomes Madalena), Os Piços (António Terroso), Os Porra-Alfa (Francisco da Cunha), Os Pilotos (Moreira Maciel), Os Pochos (Ferreira Festas – Correia Pinto), Os Pescadas (Francisco Cucêlo), Os Patacos (Domingos Nunes), Os Relicas (Gomes Arteiro), Os Pitas (Rodrigues Maio – Gonçalves de Castro), Os Poças (José da Nova – Lopes Macieira), Os Patrões (Francisco Frasco), Os Pastoras (Teixeira).

Q

72Os Quilores (Gonçalves de Castro), Os Quadros (Leocádio da Nova), Os Quartilhos (Pereira da Silva).

R

73Os Russos do Caralhais (Moreira de Castro), Os do Rei (Lopes Macieira), Os da Rosa (Francisco Marques), Os Rosmaninhos (Santo Constantino), Os Russos (Costa Marques), Os Reigoiças (Caetano Feiteira), Os Rio d’Ave (Francisco Marques), Os Ruins (Francisco Frasco), Os Rigores (Santos Graça – Francisco da Cunha), Os Ratos (Francisco Frasco – Ferreira Novo), Os Reinas (Joaquim Marques – Bonito dos Santos), Os Raças (Trocado), Os do Heitor (Francisco Neves), Os Ramos (António Terroso), Os Recas (Gomes Cruz), Os Rélas (Custódio Rajão), Os Rafaéis (Rajão), Os do Rico Senhor (António Dourado), Os Reis da Marta (Luís Postiga), Os Reixas (Fernandes Cadilhe), Os Risotes (Rodrigues Marques), Os da Russa (Costa Novo), Os Respeitos (Pinheiro Cadilhe), Os da Reitora (Pereira da Silva).

S

74Os Sofias (Moreira Ribeiro), Os Sérgios (Martins Areias), Os Saitas (Luís Postiga – Baptista da Silva), Os Saramagos (Fangueiro da Silva), Os Sás (Rodrigues Maio), Os Sedas (Francisco Moita), Os Salvadores (Francisco Moita), Os Simões (Caetano Feiteira), Os Sabinos (Castro Lopes), Os Serras (Gonçalves Gavina), Os Sanchas (Gomes dos Santos), Os Sangue-Ruim (Fernandes Troina – Rodrigues Maio), Os Salsas (Baptista de Lima), Os Sarrões (Rodrigues da Silva), Os do Sol (José Milhazes), Os Sanas (Pereira Campos), Os Soisas (Rodrigues Maio – Francisco Neves), Os Serguilhas (Martins Moreira – Francisco Moita), Os S. Brás (Bernardo Martins), Os Sedões (Francisco Arteiro).

T

75Os Trunfos (Martins da Nova), Os Tremoceiros (Francisco Neves), Os Tamancas (Pedreira), Os Turras (Marcelino Marques), Os Tabojos (Ferreira Moreira), Os Tambucos (Pereira Marques – Rodrigues Maio – Francisco Trocado), Os Três Noites (Francisco Moita), Os da Trunfa (Moreira de Castro), Os Tinocos (Mendes Guimarães), Os Turras (Rodrigues Maio), Os Torres (Francisco Marques), Os Troinas (Baltazar do Couto), Os Tristes (Rodrigues da Cunha), Os da Hora (Lopes Macieira – Lourenço).

V

76Os da Venda (José Pentieiros), Os Vigueiras (Domingos Nunes), Os Vigos (Pereira Rajão), Os Varandas (Rodrigues Pereira), Os Vasques (Lopes Gavina), Os Vilelas (Martins Moreira), Os Vidralhos (Gonçalves de Castro), Os Valentes (Francisco Nunes), Os Vilões (Silva Braga), Os Vilas (Francisco Rajão), Os do Vau (Baltazar do Couto), Os Viçosos (Gonçalves Fabião).

Z

77Os Zangarelhas (Francisco Nunes).

Notes

1 Ou Seligato?

2 Corrutela de Sanches ?

3 De Horana?

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search