Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

III As marcas, balizas e divisas

Texte intégral

As marcas

1As marcas são a escrita do Poveiro.

2Têm muita analogia com a escrita egípcia porque constituem imagens de objectos: Sarilho, Coice (imagem de parte da quilha de um barco) Arpão, Pé-de-Galinha, Grade, Lanchinha, Calhorda, Pena, etc.

3As marcas estão nas redes, nas velas, nos mastros, nos paus de varar, nos lemes, nos bartedoiros, nos boiréis, nas talas, nas facas da cortiça, nas mesas, nas cadeiras, em todos os objectos que lhe pertençam, quer no mar, na praia ou em casa. A marca num objecto equivale ao registo de propriedade. O Poveiro lê essas marcas com a mesma facilidade com que nós procedemos à leitura do alfabeto.

4Não são marcas organizadas ao capricho de cada um, mas antes simbolismos ou brasões de famílias, que vão ficando por herança de pais para filhos e que só os herdeiros podem usar.

5Casos curiosos encontramos ao colher as nossas notas sobre as marcas, sobretudo quando, ao organizar a árvore de uma família, encontrávamos a velha tradição quebrada, isto é, quando verificávamos que na descendência não era seguida a fórmula usada para distinção da marca pela comunidade. Estes factos, curiosos e interessantes para esse estudo, ficam mais adiante anotados.

6O nosso fim, com a publicação deste trabalho, é apenas arquivar material que possa servir os estudiosos especializados.

7Por isso mesmo, todas as incorrecções que encontramos ao organizar essas árvores familiares para o estudo da evolução das marcas, segundo as presunções e conhecimentos que já tínhamos, procurávamos logo, junto dos indivíduos a quem essas marcas diziam respeito, saber as suas causas, visto que essas incorrecções, se não tivessem explicação plausível, atirariam por terra todas as informações até aqui julgadas verídicas que não passariam, assim, de fantasiosas.

8Mas não. Os esclarecimentos dados vinham, antes, corroborar todas as nossas convicções sobre o assunto, demonstrando-nos que cada família tem a sua marca própria, passando através dos tempos com a mesma galhardia de todas as outras tradições poveiras.

9Das centenas de marcas que examinámos, podemos fixar as das seguintes famílias, de leitura fácil entre a comunidade, por as simbolizarem desde tempos imemoriais:

1. Os Canetas – Meia pena e cruz no rabo.

2. Os Pinheiras – Calhorda de cruz ao centro.

3. Os Trunfos – O São Selimão.

4. Os Cotovias e Potricos – Calix fechado, estrela e coice.

5. Os Chascos – Pé-de-galinha.

6. Os Fangueiros – Cruz, pique e cruz.

7. Os do Cego do Maio – Meio sarilho.

8. Os Fanecas – Pente e lanchinha.

9. Os Chabões – São Selimão, estrela e grade de quatro piques.

10. Os Coutos – Lanchinha e coice.

11. Os Patas – Calix fechado e estrela.

12. Os Malgas – Cruz e pique na ponta da cruz.

13. Os Micharros – Meia pena e pé-de-galinha.

14. Os Penedas – Sarilho com pique na ponta de baixo e estrela.

15. Os Penedas – Estrela, dois piques e cruz.

16. Os Bentas e Tamancas – Calix fechado com pique ao centro e cruz.

17. Os Moucos – Duas estrelas e coice.

18. Os Bragas – Calix aberto e coice.

19. Os Duartes – Coice, cruz e coice.

20. Os Turras – Estrela, meio arpão e cruz no rabo do arpão.

21. Os Izambas – Calix aberto emborcado com pique na borda.

22. Os Negrinhos – Calhorda com pique a meio e lanchinha.

23. Os Botos – Cruz, lanchinha e cruz.

24. Os Reixas – Estrela de rabo com três meios piques no rabo e grade de quatro piques.

25. Os Padeiras – (Marques) – Lanchinha e coice.

26. Os Padeiras – (Santos) – Sarilho.

27. Os Ferras – Lanchinha a prumo e pique à ré.

28. Os Patriças – Cruz, dois piques e um por riba e cruz.

29. Os Tabojos – Calix aberto com piques no bordo.

30. Os Juliões, Beiças e Melões – (A mesma família) Arpão e cruz ao rabo.

31. Os Dibós – Três piques e um por riba.

32. Os Chichões – Meio arpão, cruz ao rabo e cruz.

33. Os Maranhas – Calix aberto com piques no bordo e cruz.

34. Os Feiteiras – Quartos e lanchinha.

35. Os Liros – Grade de seis piques.

36. Os Fome-Negras – Grade de quatro piques, estrela e cruz.

37. Os Lavradeiras – Estrela de rabo para cima, meio pique a meio do rabo e dois piques no fim do rabo.

38. Os Lagoas – Lanchinha, pique e coice.

39. Os Come Pilados – Mastro e verga içada.

40. Os Chaves – Meia pena, dois piques e um por riba.

41. Os Andrés – Cruz de rabo com pique a meio e pique ao rabo.

42. Os da Rosa – Calhorda e meios piques ao centro.

43. Os da Venda – Cruz e lanchinha.

44. Os da Mata – Pique e coice.

45. Os Quilores – São Selimão com dois piques em duas pontas.

46. Os Chibantas – Pé-de-galinha com um pique.

47. Os Caurretes – Cruz, pique e cruz.

48. Os Poupados – Estrela ligada ao coice e pique a meio.

49. Os Covas – Duas cruzes.

50. Os Amarelos – Mastro e verga içada e cruz ao centro do mastro.

51. Os Sofias e os Reigoiças – Meio arpão com cruz ao rabo.

52. Os Russos – Cruz com pique na ponta da cruz e dois coices unidos.

53. Os Tambucos – Meio sarilho e estrela.

54. Os Piroqueiros e Avanças – Cruz e lanchinha.

55. Os Guias – Pé-de-galinha e três piques a prumo.

56. Os Agulhas – Calix fechado com meio pique por riba do canto.

57. Os Papilos – Lanchinha com cruz por cima e cruz por baixo.

58. Os da Trunfa – Calhorda, meio pique a meio e cruz.

59. Os Pragas – Padrão com pique a meio e coice.

60. Os Patriças – (Pontes) – Calix aberto, dois piques cruzados com dois piques atravessados na cruz.

61. Os Canhotas – Calix e pique dentro e pique por fora.

62. Os Giesteiras – Calhorda de dois piques a meio.

63. Os do Rei e os da Hora – Calhorda de três meios piques ao centro do lado direito.

64. Os Canários – Lanchinha e cruz de rabo.

65. Os Limas – Lanchinha e meia pena pegada.

66. Os Catraios – Grade de quatro piques e coice.

67. Os Três Noites – São Selimão e pé-de-galinha.

68. Os Fogajeiras – (Abel) – Grade de cinco piques.

69. Os Ladinhos – Meio arpão, cruz no rabo e estrela.

70 Os Grandes – São Selimão e coice.

71. Os Pilotos – Meia pena com cruz no rabo da pena e dois piques em cruz.

72. Os Molinhos – Grade com quatro piques e cruz com pique na ponta

73. Os Anjinhos – Pente.

74. Os da Madrinha – Calix aberto, três piques deitados e cruz.

75. Os Fernandes – Calhorda, dois meios piques a meio da calhorda e grade de quatro piques.

76. Os Bonitos – Cruz e pique.

77. Os Troinas – Coice, pique a prumo e calix aberto.

78. Os Cascarras do Pita – Cruz, dois piques e cruz.

79. Os Rios d’Ave – Calix aberto e pique por baixo e calix fechado e pique a mais.

80. Os Lianças – Calix fechado, grade de quatro piques e coice.

81. Os Tremoceiros – Calix fechado, pique por riba e cruz por baixo.

82. Os Vianeses – Calix fechado, lancinha e pique.

83. Os Mocetões – Pé-de-galinha e grade de quatro piques.

«Marcas» descritas nos números 1 a 42 das páginas 26 e 27

«Marcas» descritas nos números 1 a 42 das páginas 26 e 27

«Marcas» descritas nos números 43 a 84 das páginas 27 e 31

«Marcas» descritas nos números 43 a 84 das páginas 27 e 31

REGRAS USADAS PELOS DESCENDENTES

REGRAS USADAS PELOS DESCENDENTES

10Estes são, digamos, os brasões de família.

11Vejamos, agora, a forma engenhosa como essa marca serve de escrita a todos os membros duma família, com perfeito conhecimento de toda a comunidade.

  • 1 Ao contrário do que sucede aos filhos de algo, o mais velho dos quais é que é o herdeiro do brasão.
  • 2 Ver a gravura – Regras usadas pelos descendentes.
  • 3 As grades, estrelas e cruzes servem também de brasões quando por si só constituem a marca, ou quand (...)

12O chefe usa a marca brasão ; o filho mais velho põe-lhe ao lado um pique; o outro a seguir, dois piques; o outro três piques e assim sucessivamente até ao filho mais novo, que volta a usar a marca de família, porque é o seu legítimo herdeiro1. Estes piques são agrupados de formas diferentes: umas vezes, são alinhados; outras vezes, formam cruzes e estrelas; outras vezes, grades, conforme o número de piques2. Para se conhecer a que filho pertence a marca que nos apresentam, basta contar-se os piques que estão alinhados ou que formam as estrelas, grades ou cruzes3 que rodeiam o tronco da marca familiar. E sendo isto a fórmula corrente, tradicional, fácil é, portanto, a quem conhece o tronco da marca saber a quem pertence o objecto ou apresto marítimo onde a mesma se encontre.

13Fácil nos foi chegar a esta conclusão nos estudos que fizemos, porque, invariavelmente, na organização das árvores familiares encontrávamos a linha recta desta tradição poveira.

14Mas constatámos também excepções, algumas delas interessantes, que vamos registar.

15Na organização da árvore familiar da marca dos Liros (dos mais antigos e arrojados pescadores poveiros) notámos que a linha dos piques se quebrava logo ao primeiro filho.

16Este era o Tio João Liro, um poveiro espadaúdo e forte, nosso antigo vizinho. Pedimos-lhe o esclarecimento, estranhando o que sucedia na marca da sua família:

  • 4 Avó paterna do Dr. João Trocado.
  • 5 Era o arrojado e infeliz arrais Manuel Liro, que morreu com dez companheiros na barra da Póvoa no c (...)

17«Não tem que estranhar. Como vê», disse apontando-nos para a sequência da linha dos piques, « o resto está certo. Eu é que herdei todo o aparelho e a marca da minha Ti Ana4. A marca da família é uma grade, que era o que usava o meu avô. A minha Ti Ana era o segundo filho e juntou-lhe os dois piques em cruz, visto que ela trazia redes ao mar. O meu pai era o terceiro filho e com os três piques formou uma estrela. Logo a marca de meu pai é: grade e estrela. A minha Ti Ana casou com um capitão de navios e ela, então, passou-me as redes e a marca. Eis porque o meu pai tem os piques em estrela e eu, filho, apenas em cruz. Mas já o meu irmão a seguir tem estrela e pique, voltando à forma usada pelo meu pai na marca do meu pobre irmão Manuel5, o mais novo da família e como tal herdeiro da marca. »

18Adoptamos duas fórmulas para a recolha das marcas destinadas a este estudo: uma, a informação directa do chefe da família ou dos filhos para a organização da árvore familiar ; a outra, a solicitação directa a cada pescador, conforme os íamos encontrando, na praia, em casa ou nas ruas, para controlar aquela.

19Como acima dissemos, a controlação deu o resultado que já expusemos: que os piques eram a diferenciação entre os membros da mesma família – tendo como base da marca o mesmo tronco.

20Vamos arquivar mais um caso de plena justificação: Em frente ao Café Ribeiro, no Passeio Alegre, chamamos o velho pescador, de mais de três quarteirões de anos, o Tio Januário, da família dos Chabões:

– Faça aqui a sua marca – e demos-lhe o nosso livro de notas.

21O Tio Januário desenhou o São Selimão (marca da família) acrescido de três piques e um por riba, o que indicava ser ele o quarto filho.

– Quantos irmãos teve?

– Só um, Tomás Chabão, que herdou a marca do nosso pai.

– O quê? Não pode ser! Vocês eram cinco!

– Não... Ai é verdade, seu Gracinha! «Tivemos três cachopas, e eu e meu irmão, éramos cinco!»

22E como ele ignorasse que nós lhe estávamos a controlar os piques da sua marca, ele acrescentou:

– Quem cunfou essa ao seu Gracinha? Foi o seu paizinho ? Há quantos anos eles já morreram !

– Não, Tio Januário; são os piques – vê ? – da sua marca...

– É verdade!, é verdade! Três cachopas e eu e o meu irmão Tomás. Cada filho é um pique... e as cachopas levavam redes ao mar!

23Na organização de outras árvores familiares encontrávamos a meio marcas completamente diferentes, sem a menor analogia com o tronco e a da marca.

Algumas «marcas» na porta principal da capela de Santa Trega (Santa Tecla) no Monte junto à La Guardia, Pontevedra, Espanha (Vide pág. 34)

Algumas «marcas» na porta principal da capela de Santa Trega (Santa Tecla) no Monte junto à La Guardia, Pontevedra, Espanha (Vide pág. 34)

24Mas vinha logo a explicação: «Foi um filho que casou em casa onde havia só fêmeas e adoptara a marca do sogro, na qualidade de herdeiro.» Isto dava-se, no geral, quando o sogro era mestre do barco, sem filhos, com grandes quantidades de aparelhos e aprestos marítimos sinalados, o que ocasionaria, a não ser pela adopção da marca, grande entrave ao herdeiro.

25O Poveiro, ao casar-se, registava a sua marca na mesa da sacristia da matriz, gravando-a com a faca que lhe servia para aparar a cortiça das redes. A mesa da sacristia da velha igreja da Misericórdia, que serviu de matriz até 1757, tinha gravadas milhares de marcas, representando um precioso documento para estes estudos.

26Infelizmente, essa mesa desapareceu com a demolição desta igreja, sem que dela ficasse o menor vestígio ou documento fotográfico. Contudo, ainda se vêem hoje algumas gravações destas marcas nas mesas das sacristias da actual matriz e da igreja da Lapa.

27Os vendeiros analfabetos serviam-se das marcas para saberem de quem era a conta fiada. E assim, antes das rodelas e riscos com que designavam os vinténs e tostões, pintavam a marca do devedor.

28Nas suas arribadas à costa norte, os Poveiros gravavam nas portas das capelas mais destacadas nos areais ou montes a sua marca como documento da sua passagem por ali. Duas dessas capelinhas, muito da sua devoção – Nossa Senhora da Bonança, em Esposende, e Santa Trega (Santa Tecla), que fica no monte junto a La Guardia, Espanha –, conservam ainda as suas antigas portas cobertas de marcas poveiras.

29Havia a crença entre eles que uma telha virada na capelinha de Santa Tecla fazia melhorar o tempo, virando o vento para o Norte – vento da popa – que facilitava o regresso a Portugal.

30A confirmar tal crença, há entre eles esta quadra:

Minha rica Santa Trega
Dai-nos ventinho da popa
Que nos queremos ir embora
E temos a vela rota.

31Mas não era só nas arribadas que o Poveiro assinalava a sua passagem com a marca. Nos mosteiros ou capelas onde fosse cumprir uma promessa, mormente quando ela era feita em nome colectivo, isto é, da companha, gravava nas portas dos templos, nas mesas das sacristias, nas cercaduras em madeira, nos arcos cruzeiros a sua marca, que assim servia de testemunho perante a grei do cumprimento da sua promessa. Eram bem marcas votivas.

MARCAS NA PORTA DA CAPELA DE SANTA CRUZ BALAZAR

MARCAS NA PORTA DA CAPELA DE SANTA CRUZ BALAZAR

32Os templos da Senhora da Abadia e S. Bento da Porta Aberta, em Terras de Bouro, São Torcato, em Guimarães, Senhora da Guia, em Vila do Conde, e Santa Cruz, em Balazar, Póvoa de Varzim, têm todos larga documentação destas siglas, que atestam a grande fé dos Poveiros nos santos invocados.

33É corrente entre eles que os velhos poveiros analfabetos, em lugar de assinarem em cruz nos documentos públicos, faziam a sua marca, que era o equivalente à sua assinatura.

34Poucos documentos encontrámos a comprovar afoitamente esta afirmação. Apenas nas actas da velha Associação Marítima dos Poveiros, relativamente moderna, encontrámos essa sinalização.

  • 6 Em 1888 veio para a Póvoa de Varzim o actual comerciante do pescado D. Macario Caballero Robles, na (...)

35Apesar da colmeia de pescadores poveiros não ser hoje um décimo das passadas épocas, em que a praia da Póvoa de Varzim era o grande empório de peixe do Norte do País, abastecendo as três províncias do Minho, Douro e Trás-os-Montes e ainda uma grande parte da Espanha6, existe ainda imenso material para o estudo destas marcas que se encontram por toda a parte: nos interiores das casas dos pescadores, nas cortiças das redes e em todas as madeiras das embarcações estendidas na praia.

36Tudo está regulado na comunidade poveira.

  • 7 Ver a gravura do peixe.

37Como nas caças dos Lanchões e Rasqueiros o produto de cada rede pertence ao seu respectivo proprietário, tornava-se necessário que no alar da caça os peixes colhidos fossem devidamente marcados para, ao chegar à terra, serem entregues às mulheres dos respectivos donos das redes. Sem marcas, em dezenas de dúzias de peixes, não se podia fazer esta destrinça. Estabeleceram-se, então, outras marcas, que não são individuais nem de famílias, mas da tripulação de cada barco, servindo apenas a cada parceiro durante o tempo em que ele é tripulante do mesmo, pois passando para outro barco vai tomar conta de uma nova marca que ainda não tenha quem dela ali faça uso. Chamam-lhes – marcas de peixe7. Estas marcas são pequenos golpes feitos nos peixes em diferentes pontos que, salvo algumas excepções, dão o nome à marca.

38Assim temos:

Barba – Golpe por baixo do beiço.

Focinho de baixo ou de riba – Golpe por cima ou por baixo da boca.

Olho – Golpe por cima do olho.

Bochecha – Golpe a baixo do olho.

Coroa – Golpe em cima da cabeça.

Cachaço – Golpe no pescoço.

Gargueu – Golpe junto à guelra.

Badana de fora – Corte da barbatana de cima.

Xis ao rabo – Dois golpes em cruz na parte carnuda do rabo.

Rabo – Corte no canto da barbatana do rabo.

Andóra – Corte a meio da barbatana do rabo debaixo para cima.

Galha de riba – Corte na parte de cima do rabo na parte carnuda.

Galha de baixo – Corte na parte de baixo do rabo na parte carnuda.

Latina – Pique transversal na parte carnuda acima do rabo.

Duas latinas – Dois piques, idem.

Piques ao rabo – Um dois ou três piques.

39Na raia, além de todas estas marcas, há ainda as seguintes feitas no peito:

Coração – Golpe ao centro da raia.

Estrela – Golpes fazendo estrela.

Lanchinha – Golpes formando um triângulo.

Grade – Quatro golpes em grade.

Banca – Golpes em feitio de mesa.

As balizas

40A baliza é constituída por uma bóia com a forma de tronco de pirâmide quadrangular, de base superior apenas um pouco mais estreita que a inferior e as faces laterais um pouco abauladas, feita com folhas de cortiça pregadas umas às outras com pinos de madeira.

41Tem um furo ao centro por onde entra o espiche. Este espiche é um pinheiro novo, destonado apenas, a que o Poveiro dá o nome de vareiro quando o encomenda ao dono da devesa. A parte mais grossa fica para baixo e o rabicho para cima. O espiche é, além de enfiado na bóia, amarrado com tralhas (cordas), encascadas antes de serem aplicadas, para resistirem mais à água. Na parte mais grossa do espiche fazem umas ranhuras com faca, onde amarram as cadoiras (três tralhas paralelas) que ligam a baliza à caça que está no fundo do mar. Os ramos são de loureiro, que o pai do rapaz, por ser sua a obrigação, vai colher aos campos ou pedir aos lavradores. As chamas são um pedacito de rija madeira que os pescadores empregam para segurar o remo nas chamaceiras do barco quando o armam para o remar. As bandeiras são feitas de pedacitos de pano branco. Quando se cita ramo no casco significa que o pé do ramo está pegado à bóia, que é o casco da baliza; a meia rosca é meio aro de madeira pregada no espiche, no geral feito com madeira de arco de barril. O pandeiro é um aro completo feito com a mesma madeira. A tala é uma tábua de 40 x 10, colocada a fazer cruz com o espiche e assemelha-se à tala da cortiça, que é o amolador da faca do Poveiro.

As «marcas» nos peixes – Nas raias a marca é feita em golpes no peito do peixe, segundo o que vai indicado no quadrado do desenho acima.

As «marcas» nos peixes – Nas raias a marca é feita em golpes no peito do peixe, segundo o que vai indicado no quadrado do desenho acima.

42As balizas foram durante anos, apenas, exclusivas dos Lanchões que delas careciam para demarcar as pontas das suas caças nos respectivos mares. Mais tarde, adoptaram-nas os Rasqueiros do Alto, que, como aqueles, deixavam ficar as rascas no mar. Os barcos da sardinha não adoptaram as balizas porque as caças nunca se deixam no mar, antes a pesca é feita sempre por lanços sucessivos, com a caça amarrada à proa do barco, no capítulo «A pesca» descrevemos o sistema das redes do pescador poveiro e a forma como são lançadas e aladas as suas caças.

43As balizas e divisas são, como as marcas, pertença das famílias e herdadas pelos filhos porque, em geral, filho de mestre de lancha passava a mestre lanchão. Mas quando isto não sucedia e a lancha passava ao companheiro da lancha, essas balizas e divisas acompanhavam-no, passando, assim, a outra família. Mas dava-se, então, um fenómeno curioso: Durante algumas gerações a lancha cuja baliza e divisa era do Tio Maio e passava ao Tio Maiato e depois ainda ao Tio Janela, continuava a ser a lancha do Tio Maio, embora, por fim, fossem já novas embarcações com a mesma divisa.

«A lancha do Tio Maio largou ; a lancha do Tio Maio alou ; arribou a lancha do Tio Maio; a lancha do Tio Maio traz trezentos milheiros!»

44E, se alguém lhes observava que a lancha era do Janela, eles respondiam logo com uma ingenuidade encantadora:

– «Não ; o dono era o Tio Maio.»

45Na linguagem deles querem dizer que a divisa como a baliza – que são tudo para eles – é da família dos Maios.

46É claro que ao rodar dos tempos e pela persistência da lancha ir ficando para os descendentes do companheiro, passa a baliza a ficar em plena posse da família deste.

47Mas vem logo a sua história:

– «Dizia o meu avô, que quem usava esta baliza era a lancha do Tio Maio de quem ele foi companheiro.»

48Como lanchões e rasqueiros trabalham em mares diferentes, e como quem é lanchão não é rasqueiro e vice-versa, por vezes as balizas – só as balizas – se assemelham entre barcos. É fácil, contudo, à comunidade fazer, no mar, a destrinça delas, porque, como acima se diz, essas balizas demarcam em mares diferentes, como se explicará no capítulo «Os mares».

As «Balizas» descritas neste livro nos números de 1 a15

As «Balizas» descritas neste livro nos números de 1 a15

As «Balizas» descritas de 16 a 30

As «Balizas» descritas de 16 a 30

49Reduzido é hoje o número de lanchas e rasqueiros do alto, motivo por que não podemos apresentar número elevado dessas balizas, como desejávamos.

  • 8 Para melhor esclarecimento, damos as duas gravuras com estas balizas devidamente numeradas.

50Contudo, vamos arquivar algumas8:

1. Os Joaninhas – Ramo ao cimo do espiche com bandeira por baixo a seguir ao ramo.

2. Os Pinheiras – Ramo ao cimo do espiche e chama atravessada.

3. Os Pernas – Dois ramos, um para cada lado ao meio do espiche.

4. Os Fangueiros – Ramo ao cimo do espiche, cortiça a seguir e ramo para o lado a meio do espiche.

5. Os Trunfos – (António) – Ramo ao cimo do espiche e ramo no casco.

6. Os Trunfos – (João) – Ramo, corda por baixo e bandeira.

7. Os Izambas – (António) – Ramo a meio do espiche e ramo no casco.

8. Os Izambas – (Agonia) – Corda no cimo do espiche e ramo ao meio do espiche.

9. Os Reixas – Ramo ao cimo do espiche e cortiça a seguir.

10. Os Patas – Três bóias sendo duas com ramo ao cimo do espiche e uma ao meio do espiche.

11. Os Maios – Cruz no espiche e ramos nas pontas da cruz.

12. Os Patricas – Ramo no espiche e ramo ao meio do espiche.

13. Os Ferras – Cortiça ao cimo do espiche e ramo ao meio.

14. Os Tabojos – Ramo ao cimo do espiche.

15. Os Dibós – Cruz no espiche e ramos nos braços da cruz.

16. Os Liros – Ramo, bandeira a meia rosca.

17. Os Maranhas – Cruz no espiche, ramos nos topos e bandeira a meio e por baixo meio arco.

18. Os Campos – (Companheiro do Liro) – Cruz no espiche, bandeira no cimo da cruz e ramos nos braços.

19. Os Fome-Negras – Ramo no cimo do espiche e cortiça no meio.

20. Os Lavradeiras – Cruz, cortiça ao cimo da cruz e ramos nos braços.

21. Os Pintos – Cruz, ramos nos braços da cruz e ramo a meio do espiche.

22. Os Chaves – Ramo em cima do espiche e bandeira em baixo.

23. Os da Mata – Três bóias: – ramo e chama ; ramo e pandeiro; e ramo e bandeira no casco.

24. Os Quilores – Três ramos em linha no espiche.

25. Os Chibantas – Ramo ao cimo do espiche e corda a meio.

26. Os Canetas – Duas bóias: Ramo em cima e coto com ramo a baixo ; e coto e ramo.

27. Os Covas – Bandeira ao cimo do espiche e ramo completo a meio.

28. Os Negrinhos – Bandeira em cima, ramo a meio e corda por baixo.

29. Os Fogajeiras – Ramo em riba e tala a baixo.

As divisas

51As divisas são organizadas com desenhos de peixes, cruzes, cornetas, sanselimões, sarilhos, óculos, panais, aves, e a escada, lança, esponja, torquês, e coroa de espinhos (os chamados martírios do Senhor), pintados à proa e à ré do barco, ficando ao centro o nome.

As «Divisas» – Embarcações antigas

As «Divisas» – Embarcações antigas

«Divisas» – Embarcações modernas

«Divisas» – Embarcações modernas

«Divisas» – Embarcações modernas

«Divisas» – Embarcações modernas

Embarcações modernas

Embarcações modernas

52Servem para marcar a propriedade da embarcação e também para o rapaz da obrigação reconhecer o seu barco, lá muito ao longe, de forma a ter tempo de chamar as mulheres da companha para a praia antes de aquele abicar.

53Estas divisas eram originalíssimas em tempos passados – há um quarto de século – quando os barcos eram crenados e não pintados, como agora.

54É que, então, essas divisas ou eram feitas pelos calafates ou pelos próprios pescadores na sua grafia, com os respectivos erros ortográficos e desenhos rudimentaríssimos, o que lhe dava um sabor encantador.

55O pincel (escopeiro) também era original: um grande pau, tendo na ponta um rodilhão de pele de carneiro com lã, que eles mergulhavam num formidável pote de ferro onde fervia a resina e o breu e que servia para mexer as drogas e para pintar.

56Os desenhos eram feitos pelo mesmo processo.

57É claro que destes pintores saía obra asseada:

– Bamus cum Deos – Ção Torcato – Snr.a de B’Serrafe – St.a Philomana – N.a Snr.a d’Aparessida – e por aqui adiante.

58O ilustre pintor Sousa Pinto tem admiráveis quadros destas antigas embarcações poveiras.

59As crenas eram feitas em três cores: cor natural da resina (um branco-amarelado), vermelho e preto. Se o centro, onde se pintavam os dizeres e as divisas, era branco, as bordas e a linha de água eram, regra geral, em preto, se era vermelho, o resto ou era branco ou era preto. Mas as cores predominantes, talvez na proporção de noventa por cento, eram o centro vermelho e desenhos, letras e barras pretas. O modernismo varreu tudo isto e hoje não há uma única embarcação crenada.

60Os dizeres também eram somente invocações religiosas: Dum lado, inscrevia-se, invariavelmente, o nome do patronato da embarcação: Senhor dos Milagres, Santa Bárbara, Senhor dos Aflitos, S. José, S. Pedro, etc.; do outro: Vamos com Deus, Valha-Nos Deus, Fé em Deus e Deus Nos Leve a Salvamento. E quando não se fazia esta invocação, repetia-se o nome do santo patrono.

61Hoje (1930) tudo é pintado, muito moderno, algumas dessas pinturas feitas até com certa arte. De vez em quando lá aparece uma facadita na ortografia, mas não nasce da velha ingenuidade do pescador, mas, apenas, da ignorância do pintor. E com o modernismo lá se vão diluindo as invocações, trocadas por outras mais terrenas e alegres: Ao Gosto dos Filhos (barco do Perna), Esperança (barco do Canhota), Agora Vai (barco do Benta), Enfim Só (barco do Tamanca), Luzitana (barco do Bicho), Engraçada (barco do da Mata), Flor d’Assunção (barco do Couto), Maria das Dores (barco do Patrício), Sape-Gato (barco do Agonia).

62Isto não quer dizer que os santos patronos fossem de todo postos à margem, pois sucede muitas vezes que do outro lado do barco se mantém firme o nome do santo protector. Dá-se até este caso curioso: muitas vezes, no mesmo lado dos barcos e a par com o Agora Vai, Enfim Só, Engraçada, etc., nos aparecem, magnificamente pintados, o Coração Trespassado de Maria e a Cruz do Gólgofa, enlaçada com a toalha muito branca que envolveu o corpo de Jesus...

63É claro que actuou fortemente nesta mudança a corrente emigratória do Poveiro para o Brasil, que no regresso vinha já eivado de novos usos, dando em pintar a sua catraia como fazia à sua chalandra do outro lado do Atlântico, quando mais não fosse pela rópia de mostrar que era homem viajado... braseleiro.

64Um factor que actuou também, embora em menor escala, para o desaparecimento da crena dos barcos foi a colónia banhista, na sua convivência com os pescadores – banheiros.

65Nas ofertas que por vezes lhe faziam de pequenos barcos de recreio – adquiridos, primeiro, para os seus passatempos no mar e, depois, entregues aos banheiros ou poveiros que lhe prestavam serviços – só a pintura a cores berrantes surgia, com nomes algo risonhos: Nhónhó, Branca Flor, Tira-Teimas, Vencedor, etc. De vez em quando nestes pequenos barcos os nomes de figuras históricas: Bartolomeu Dias, Vasco da Gama...

66Recorda-me de um facto muito interessante sucedido com uma destas ofertas:

67Um banhista de teres, apaixonado da pesca da faneca, arranjou para seu companheiro do mar, durante a temporada de banhos, o pescador Caganito do bairro norte. Excelente pescador de linha e conhecedor profundo dos poços e pocinhos da costa, era, incontestavelmente, um bom companheiro, não só para lhe iscar as linhas (o pior serviço para um lavrador ou farrineiro) como para levar aos pontos mais férteis em pesca. Desta camaradagem nasceu uma forte amizade, muito proveitosa ao pescador, pois o banhista, conhecedor da pobreza em que aquele vivia, resolveu ajudá-lo, comprando-lhe nada menos de uma lancha – as maiores embarcações da época. Quando isto constou e se verificou, foi um alevante na pescaria, principalmente no bairro aonde vivia – o Ramalhão.

– «Pode lá ser ? O Caganito mestre lanchão ? »

68O Caganito, como os Zangarelhas, os Mánas, os Fonas, os Aindas, os Repas, os Forneças, os Nocas, etc., pertenciam, dentro da comunidade, à plebe. Eram, por assim dizer, os párias – sem barcos, sem redes, viviam como mieiros ou pescando nas pedras da costa à faneca, ou aos polvos, ou apanhando sargaço. Quando muito, sardinheiros com redes emprestadas a meio ganho... Vida quase sempre na miséria.

69Como pensar o Caganito em ser lanchão, isto é, ombrear com os mestres da elite poveira, donde saem os homens de respeito da classe ?

70O pobre Caganito viu-se aflito, não podendo aparecer em parte alguma que não lhe surgisse uma voz:

– Antone! Antão uma lancha, heim ?

– Antone! Antão mestre lanchão, heim?

– Antone! Canfas Duzas?

– Antone! Bais à Cartola?

71Era uma troça pegada, que por vezes fazia andar todo o Ramalhão em rebuliço.

72Mas a lancha construiu-se porque o amigo banhista era dos amigos que não faltava. E pintou-a a ficar um bijuzinho, muito a seu gosto.

73Mas o Caganito não achava bem ; queria umas letras que insultassem toda aquela malta que não o deixava sossegar.

74O amigo banhista fez-lhe a vontade.

75Ele, então, mandou pintar à ré: – Que vos importa a vós macacos do Ramalhão !

76Foi um sucesso!

77Mas a lancha ficou crismada. Mal aparecia ao longe, os rapazes da obrigação gritavam alto:

– É dos Macacos do Ramalhão !

78O António Caganito impôs-se pelo seu porte e foi um mestre digno e considerado. Tipo de forte e ousado pescador, é hoje (1932) um velho interessante, cujo conselho sobre cousas do mar os novos ouvem com respeito e acatamento.

Notes

1 Ao contrário do que sucede aos filhos de algo, o mais velho dos quais é que é o herdeiro do brasão.

2 Ver a gravura – Regras usadas pelos descendentes.

3 As grades, estrelas e cruzes servem também de brasões quando por si só constituem a marca, ou quando se encontram rodeados dos piques representativos dos vários descendentes. Como nas sucessivas descendências se tornariam as marcas confusas devido ao constante alinhar, cruzar e gradar dos piques, no geral, à terceira geração adoptam o brasão principal com a cruz, grade ou estrela com que o avô se distinguiu na família ; ou buscam, para juntar àquele, o brasão da marca dos avós maternos. Exemplificando: Lanchinha e cruz (brasão da família com a cruz correspondente ao avô que era segundo filho) – Lanchinha e calix (os dois brasões principais das marcas dos avós paterno e materno). Segue-se, depois, a ordem já descrita dos piques.

4 Avó paterna do Dr. João Trocado.

5 Era o arrojado e infeliz arrais Manuel Liro, que morreu com dez companheiros na barra da Póvoa no célebre naufrágio da lancha S. José, em 2 de Janeiro de 1924.

6 Em 1888 veio para a Póvoa de Varzim o actual comerciante do pescado D. Macario Caballero Robles, natural de Palencia, atraído pela abundância de pescado, então exportado para Madrid, Burgos, Valadolide, Palencia, Zamora, Segovia, Lumbrales, etc., pelos antigos comerciantes locais.

7 Ver a gravura do peixe.

8 Para melhor esclarecimento, damos as duas gravuras com estas balizas devidamente numeradas.

Table des illustrations

Titre «Marcas» descritas nos números 1 a 42 das páginas 26 e 27
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre «Marcas» descritas nos números 43 a 84 das páginas 27 e 31
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre REGRAS USADAS PELOS DESCENDENTES
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Algumas «marcas» na porta principal da capela de Santa Trega (Santa Tecla) no Monte junto à La Guardia, Pontevedra, Espanha (Vide pág. 34)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre MARCAS NA PORTA DA CAPELA DE SANTA CRUZ BALAZAR
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre As «marcas» nos peixes – Nas raias a marca é feita em golpes no peito do peixe, segundo o que vai indicado no quadrado do desenho acima.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre As «Balizas» descritas neste livro nos números de 1 a15
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre As «Balizas» descritas de 16 a 30
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre As «Divisas» – Embarcações antigas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre «Divisas» – Embarcações modernas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre «Divisas» – Embarcações modernas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Embarcações modernas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3912/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 95k

© Etnográfica Press, 1992

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search