Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

II O amparo, auxílio e socorro na comunidade

Texte intégral

1Na comunidade poveira estão perfeitamente estabelecidas as leis ou preceitos que regulam o amparo e auxílio que é devido ao companheiro doente, à viúva e ao órfão, e ainda o socorro que é devido na barra ao barco em perigo, que asseja nas grandes maresias e no varar das grandes embarcações.

2Não constam do Diário do Governo, mas estão fundamente arreigadas no cérebro e coração do Poveiro, e mal iria aquele que deixasse de lhe dar fiel cumprimento, pelo desprezo, pior que a morte, a que a classe o votaria.

3São leis ou preceitos impostos pelas tradições da comunidade, que se cumprem religiosamente, com a satisfação e a alegria do bem-fazer e a certeza do amparo futuro para os daquele que as executa.

4Durante o tempo em que o companheiro está doente ou quando é obrigado a ficar em terra pela chamada às Casas Grandes, ou ainda para baptizar ou casar um filho, o barco leva-lhes as redes para o mar como se ele as acompanhasse. Ganha na mesma. Se for preso, a companha discute os motivos e resolve: por furto, perde todos os direitos; por doença, pode esta durar anos seguidos que o barco leva-lhes as redes. Se o companheiro falece, a sua viúva não fica ao desamparo: a companha leva-lhe o russão (metade das redes do marido).

5O mestre (dono do barco) que se negue a cumprir estes preceitos da classe fica com o barco em seco, isto é, todos os homens da companha o abandonam, indo trabalhar para outros. Mas não há memória de isto se dar. Por vezes é um sacrifício penosíssimo, se o barco é pequeno, de poucos companheiros, e a doença persegue mais que um ou as viúvas são muitas, porque tornando grande a caça (o conjunto de redes de toda a companha) em marés de vento ou tempestade custa a suspendê-la, ocasionando, muita vez, a sua perda ou obrigando-os a perigos graves. É um encargo pesado, mas que se tem de satisfazer.

6Se o companheiro deixou órfão, também é o barco onde o pai trabalhou e a viúva leva o russão, que o tem de agasalhar, cabendo aos seus tripulantes ensinar-lhe as lutas e fadigas no mar. De entrada, ganha um quarto (a quarta parte de um quinhão) fazendo a obrigação de rapaz, que consiste em escunchar o barco e fazer a chamada das mulheres e homens da companha, quando o mestre o julgue necessário, quer para varar a embarcação quer para outros serviços do mar. Quando os companheiros entendem que o órfão merece subir de posto, ausentam-no, isto é, passam-no a meia parte. Mas não sobe a este posto, isto é, não leva para o mar as redes representativas da sua qualidade de meio-homem sem que a mãe dê o agasalho à companha, que vem a ser uma bebida que regula por meia canada de vinho e dois vinténs de regueifa a cada homem. E este agasalho repete-se na passagem de meia parte para três quartos e de três quartos para uma parte, altura esta em que alcança a maioridade de companheiro, ausentando-se definitivamente.

7Nos barcos da sardinha e da pesca à linha, no profundo, em que o produto total da pesca é comum, fácil é esta protecção e amparo aos doentes, viúvas e órfãos, porque a divisão é igual, de harmonia com os quartos que cada um ganha. Mas no Lanchão e nos Rasqueiros do Alto o caso é mais difícil, porque o produto de cada rede ou rasca é do proprietário das mesmas. Cada um ganha para si. Mas as leis ou preceitos dos poveiros tudo resolvem, e magnificamente. Nos lanchões estabelecem os parceiros e os pais de rapaz, que tudo providenciam, suprindo a falta daqueles.

8Se a lancha tem 30 homens, formam-se quinze pares, que ficam sendo cada dois homens parceiros um do outro. Quando um destes parceiros adoece, o outro parceiro olha pelas redes no mar, marcando os peixes que elas colhem, com o mesmo cuidado que faz às suas. Os pais de rapaz ganham mais um quarto que outro companheiro, por este e outros serviços prestados na embarcação, e que adiante anotaremos, quando em escrito especial aos mesmos nos referirmos.

9O auxílio aos da classe não se limita, apenas, aos tripulantes de uma embarcação; presta-se mutuamente entre companhas diferentes, associando-se para o auxílio em trabalhos pesados. Assim, uma das grandes dificuldades do Lanchão é o varar das suas embarcações. Barco de mais de 50 palmos, cheio, muitas vezes, de redes e pedras que servem de chumbeiro, a sua tripulação e respectivas famílias são insuficientes para o arrastar, pela areia acima, no Ala-Arriba! Daqui, o associarem-se às outras companhas para este serviço. Se os homens não estão em terra, prestam as mulheres as ajudas por eles, chamando-as para isso, os rapazes da obrigação.

10Isto na época normal, de bom tempo.

11Com o mau tempo e o mar violento na praia, então, o auxílio é geral e permanente, acudindo-se de preferência aos barcos mais em perigo, multiplicando-se todos no desejo de evitar danos aos haveres da comunidade.

12O preceito, porém, mais formoso, aquele que tem dado ensejo às maiores heroicidades e tragédias, é, sem dúvida, o que estabelece o barco vigia da barra.

13Quando o mar parte na barra e é, no dizer do Poveiro, um milhão das maresias, o primeiro barco que consegue transpô-la a salvamento é obrigado a ficar na enseada do lado de dentro da barra, à espera que o outro que está de fora consiga fazer o mesmo para ficar em seu lugar, renovando-se assim até o último entrar a salvamento. Só pode vir abicar à praia, retirando-se daquele posto de vigilância para o socorro em caso de perigo ao barco que tem de entrar, depois de o outro o substituir. Pode esta vigilância durar um dia inteiro que este preceito cumpre-se; e, em caso de desastre do barco que entra, milhares de olhos se fixam no barco vigilante para lhe apreciarem o trabalho do socorro. No geral, não há nestes barcos hesitações, por mais temerosas que sejam as vagas, quando os seus companheiros se encontram naufragados. Avançam sempre, sem a mais leve preocupação do perigo. São os momentos de maior ansiedade para a multidão que assiste à tragédia.

14Quantas vezes os tripulantes destes barcos vigilantes perdem a vida no cumprimento deste preceito da classe!

  • 1 Este naufrágio ocorreu em 20 de Outubro de 1891. O barco Senhora da Guia tinha o número de matrícul (...)

15Lembra-nos ter assistido a um socorro destes barcos vigilantes, admirável na sua formidável tragédia, mostrando bem a abnegação heróica do Poveiro1.

16– Tarde de formosíssimo sol. O mar porém cerrava na barra em vagalhões da altura da torre do sino. Rasqueiros e barcos de pescar, miudagem de embarcações com tripulações de quatro a seis homens, cobriam o assejo, à espera de uma aberta para entrar. Três horas da tarde. O barco S. Pedro do Tio Salvador deita proa à barra, resolutamente, afligindo, com a sua ousadia, a enorme multidão que se encontrava no cais e nas areias da praia prevendo uma desgraça. Milagrosamente transpôs a barra, tomando o seu lugar de barco vigilante. Minutos depois o barco Senhora da Guia, do Tio Guia, avançou do assejo, tomando o rumo da barra. Fá-lo, porém, com infelicidade, porque os enormes vagalhões que se formam quebram, submergindo-o.

17Um horror!

18O Tio Salvador, no seu barco vigilante, avança sem a mais leve hesitação, numa audácia toda heroísmo que dir-se-ia o próprio mar o temeu! E começou a salvar, a salvar, até que um remo ao alto – o sinal convencional – deu o grande alívio às almas torturadas presenciadoras daquela tragédia: Tudo salvo! Mas a maré arrastava para fora, e quando o Tio Salvador terminou o salvamento, encontrava-se, novamente, fora da barra, isto é, no assejo, tendo de correr novo risco para entrar. Barco pequeno, os cinco náufragos salvos criaram dificuldades aos remadores. O barco assejou novamente, e o Tio Salvador, olhando o mar de noroeste, que é o que quebra e cerra a barra, julgou ver nele uma aberta para novamente entrar, e por isso mandou remar para a frente. Enganou-se! O barco vinha pesado, e uma vaga mais alta afundou-o rapidamente.

19Não se pode descrever este trágico momento! Acodem os outros barcos, passam-se horas; mas o remo convencional de salvamento não mais se ergueu! Os barcos que abicam à praia trazem a nota dum resultado macabro; do barco S. Pedro, o barco vigilante e ousado, morreu o mestre, o Tio Luís Salvador, como morrera o Tio Guia e mais dois companheiros do barco Senhora da Guia.

20Trágica e sublime heroicidade poveira!

21Mantém-se ainda este preceito da classe, apesar de o barco Salva-Vidas do Instituto de Socorros a Náufragos estar nas maresias de vigilância à barra.

22A par do Salva-Vidas vê-se sempre dentro da barra o barco vigia poveiro.

Notes

1 Este naufrágio ocorreu em 20 de Outubro de 1891. O barco Senhora da Guia tinha o número de matrícula 355. Os tripulantes do barco S. Pedro que escaparam foram condecorados pelo Governo pelo seu grande acto de abnegação.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search