Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

I O poveiro

Texte intégral

1Na orla da angra ou enseada de Varzim vive o Poveiro, tipo de pescador original e inconfundível na beira-mar portuguesa.

2Os seus usos e costumes, que são as suas leis, constituem um fundo de beleza moral que muito impressiona quem com eles trava conhecimento, pelo sabor encantador que deles ressalta, pois traz até nós um espírito de justiça, previdência e solidariedade, que vindo arreigadamente conservado, desde remotas eras, ainda hoje nos faz vibrar pelos encantamentos que encerra.

3Forte, rude, vive do mar e para o mar.

4As suas conversas, na benda, quando a companha bebe; ou nos fieiros e à proa das embarcações, quando interroga os astros e o tempo, só os episódios das lutas do mar lhe servem de pasto, admirando, quem o observa, a simplicidade com que narra actos de grande tragédia humana onde a sua heroicidade se ergue ao cume da abnegação pelo seu semelhante.

5E é, no mar, o mais ousado pescador da costa, afoitando-se às maiores distâncias, arrostando nos seus pequeninos e frágeis barcos os maiores temporais, num à-vontade que arrepia e assombra.

6Enquanto noutras terras da costa o pescador descansa torçado pelo mar da barra, o Poveiro atira-se para o assejo a lutar com esse mar, no anseio de o vencer para ir pescar a sardinha que o mergulho rápido do mascato, lá ao longe, lhe anuncia que anda em barria.

7A pesca domina-o, subjuga-o, embriaga-o.

8Venha a toada de peixe em grossos cardumes, quer de sardinha na costa sul quer de pescada no profundo, que não há mau tempo para o Poveiro : atira-se pelo mar dentro. E se alguém lhe observa o grave risco em que corre, ele responde com serenidade e confiança:

9« É a nossa vida!»

10Vida que é, quantas vezes, a morte!

11Valente e ousado no mar, verdadeiro lobo-marinho, desafiando as iras das tempestades para viver ou para salvar, ele é em terra tímido, submisso, quase cobarde. Não quer, antes delas foge a sete pés, contendas com os homens da terra, porque lhe teme as traições duma navalhada ou dum tiro. E, contudo, ele que é forte e hercúleo, podia, sem receio, medir-se com eles. É, além disso, pacato, bondoso de índole, pouco atreito a desordens.

12Nas contendas do mar ou em terra, só conhece uma arma, a pedra, que maneja com perfeição; no mar, de barco para barco, quando se envencilham as caças e julga ver nisso um propósito de prejuízo, o que é raro dar-se ; em terra, quando acossado pelos peixes de coiro (termo depreciativo com que trata os homens da terra) e não tem tempo de se pôr fora da luta, que nunca provoca, antes evita.

13Os Poveiros falam muito e alto. Nas brigas entre eles, raramente chegam a vias de facto, e quando isto se dá, o murro é a agressão mais grave da contenda. Nunca empregam armas de outra espécie.

14Insultam-se com pragas, as mais afrontosas, sem que disso resulte, no geral, outro dano que não seja ofensa aos ouvidos de quem passa.

15Se quando briga pressente que se aproxima a autoridade ou pessoa categorizada da terra, foge, ou, então, logo se apazigua.

16Tem um enorme horror à prisão. Não quer mesmo entrar nas Casas Grandes (Paços do Concelho) onde está instalada a Justiça e a cadeia.

17Quando uma intimação o obriga a ir lá, vale-se das suas melhores amizades, dando as maiores prebendas, para não pôr lá os pés, embora lhe façam a promessa de que nada de mau lhe sucede.

18Os que lá vão chamados, ficam diminuídos perante a classe. À menor zanga, lá vem o apodo: «Tu não és boa bisca! Já foste chamado às Casas Grandes!»

19São muito honestos.

20Podem estalar de fome, mas não roubam. Não há memória de um poveiro na cadeia comarcã por furto. «Quando Nosso Senhor não dá do mar» e a miséria lhe assalta o lar, embrenha-se pela terra dentro batendo à porta dos lavradores a pedir uma esmolinha para o poveirinho que não pode ganhar.

21Todo o Minho lhe conhece a lamúria, prestando-lhe socorro e amparo, convicto de que o presta ao ousado trabalhador do mar, bom e honesto, que pode morrer de fome mas não furta.

22Quando o mar dá e o Poveiro ganha, ninguém junto dele é pobre; ninguém, que o rodeia, passa miséria: batelada na mesa, roupa da melhor para vestir, argolas de oiro para as mulheres e filhas, fartura constante até acabar. – «Enquanto dura, vida doçura. »

23Depois, «quando Nosso Senhor não dá do mar», o prego supre: e as argolas, a roupa de pano fino, os lençóis melhores da cama, tudo até ao último farrapo que foi adquirido numa imprevidência assombrosa na época da fartura se empenha para acudir à boca. E se não chega, pede-se fiado na benda; e quando o dono desta se nega a abonar mais, porque entende que os ganhos do Janeiro não podem chegar para cobrir a liquidação, ei-lo de pau na mão, cesta às costas, a esmolar pela terra dentro.

24Vida simples, vida limpa, nada de tentações por aquilo que não é seu.

25O Poveiro vive num isolamento absoluto, sem mistura e à parte das outras classes, regulando-se exclusivamente pelas suas leis e preceitos.

26Raça bem diferenciada do indígena desta região, o Poveiro tem todas as ousadias dos navegadores seus antepassados, tendo conservado avaramente costumes e tradições dos seus ascendentes primitivos que aportaram à angra de Varzim, porque em nenhuma outra comunidade marítima do litoral português há nada semelhante às leis e preceitos dos poveiros.

27Qual é a ascendência do Poveiro ?

28Sabe-se que anteriormente à fundação da nacionalidade já aqui existia uma colmeia laboriosa de navegadores e pescadores costeiros, empregando-se aqueles na permuta de géneros entre as diferentes povoações marítimas da Ibéria e estes no abastecimento de peixe verde e salgado das terras circunvizinhas.

29Há um estudo que nos dá, cientificamente, conta dessa ascendência pela meticulosidade com que o seu ilustre e saudoso autor, o capitão Fonseca Cardoso, fez e ilustrou o seu trabalho: O Estudo Antropológico do Poveiro.

30Assistimos a esse estudo. Fomos encarregados de arranjar os numerosos pescadores, homens e mulheres, que foram examinados no antigo Posto de Socorros a Náufragos, tendo-nos para isso aquele antropologista entregue uma nota dos espécimes que desejava estudar: louro; barba loura e cabelo preto e o inverso; castanho e preto e o inverso; sardentos; barba e cabelos pretos; morenos; nariz direito; nariz recurvo; etc. E eu ia-me recordando – porque sou filho de Poveiro – dos tipos que mais ou menos estavam de acordo com o que me era pedido: o Izamba, o Capelão, o Carago, o Malga, a Demiana, a Mané-Zé, etc., etc.

31Custou a levá-los, principalmente às mulheres, proibidas pelos preceitos da classe de conversar com os peixes de coiro. Mas eu era da família, dava-lhes confiança, acompanhava-as... Prometi-lhes um lenço a cada uma. Levei-as e Fonseca Cardoso ficou encantado com os tipos. O estudo demorou uns dias. Quem trouxe à Póvoa Fonseca Cardoso foi Rocha Peixoto, o sábio poveiro tão prematuramente roubado ao nosso convívio – que assistiu a tudo, radiante. Gonçalo Cruz, arquitecto municipal – outro saudoso morto –, tomava as notas, prestando os melhores serviços. Eduardo Calheiros, distinto fotógrafo amador, tirou as fotografias. E o estudo saiu na Portugália, tomo 2.°, páginas 535 (1908).

32Sobre a diferenciação do Poveiro do indígena da região, diz aquele trabalho: «A colónia piscatória que habita o litoral povoense destaca-se, pois, como uma localização curiosa, de entre a população desta província de Entre-Douro-e-Minho.» E mais adiante: « O tipo que encontrei na mestiçagem do Poveiro é, não me resta dúvida, descendente dessa velha raça semita de origem cananeana, que viveu nas primeiras idades do Egipto, que fundou Tyro, Sidon, Aratos, Gavira, Carthago e as colónias industriais do Oriente e Ocidente da velha Europa, do Phenício pescador e navegador. »

33Termina assim o referido estudo: «Sobre um extracto indígena já pescador, porção desses oestrymnios de Avieno que ensinaram aos tartessios e aos tyrios o caminho das ricas Cassiterides, assentaram depois em época mui diferentes e distanciadas, duas raças humanas também pescadores e navegadores: a phenicia semítica e a loura teutónica e normanda.

34E assim se produziu o Poveiro, de viver simples, pacífico, exercendo a pesca como navegante audaz e atrevido.

35Por herança nasce, vive e morre pescador.»

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search