Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

Porque se publica este livro

Texte intégral

1Em 1901, o poveiro ilustre e eminente publicista Rocha Peixoto, de saudosa memória, fez na Associação Comercial da Póvoa de Varzim uma conferência sobre – A influência corporativa nos progressos locais.

2Como nela se afirmasse, citando datas, que no nosso país só muito tarde é que se agruparam as classes, iniciando-se o movimento associativo com as confrarias de invocações de santos patronos dessas classes, não me pareceu que essa afirmação estivesse certa pelo que conhecia da classe piscatória poveira, vivendo agrupada e em comunidade desde tempos imemoriais.

3Antes, nas leis e preceitos da comunidade poveira, eu encontrava ensinamentos que podiam galhardamente ombrear com o que de melhor pudesse haver lá pelo estrangeiro. E remoendo-me desde logo a dúvida de não ser assim, não pude conter-me que não fosse junto de Rocha Peixoto despejar o saco dos conhecimentos sobre o assunto que a minha convivência no meio piscatório (sou filho de poveiro) me fez saber, perguntando-lhe se ele os conhecia.

4Já lá vão mais de 30 anos e estou-o ainda a ver, os seus olhos claros, muito vivos, postos em mim, numa alegria alvoroçada, quando eu lhe descrevia as relações entre os da classe e os de fora dela, a previdência no casamento, o amparo às viúvas e aos órfãos, as marcas, as demandas, tudo que se encontrava regulado nos preceitos e leis desta colmeia laboriosa.

5«Mas isso é uma revelação!», disse-me Rocha Peixoto, «vou maçá-lo muitos dias, mas tenha paciência: há-de dar-me todas essas notas, que são preciosas para mim.»

6No dia seguinte, bem cedo, tinha a honra de o receber em minha casa. Pediu-me, suplicou-me, que não perdesse o mais insignificante pormenor, que de tudo tomasse nota. Ele viria amiudadas vezes falar-me e ver como estavam essas notas.

7Confesso que cheguei a arrepender-me de lhe ter falado em tal assunto, tanto tempo roubou à minha vida comercial com as suas constantes visitas, de prolongadas horas, o querido amigo. Mas cada visita a mais, maior animação, maior incitamento.

8Um dia apareceu-me com o capitão Fonseca Cardoso, distintíssimo antropologista. Queria fazer o estudo antropológico do poveiro e carecia dos espécimes, que indicou. Lá se arranjaram – e fez o estudo, que foi publicado na Portugália.

9Continuei a colher as minhas notas destinadas exclusivamente ao eminente publicista.

10Mas, infelizmente, Rocha Peixoto não as pôde ver. A sua formidável actividade esgotou-o, dando-lhe a morte.

11Arrumei as notas sobre o poveiro e nunca mais pensei nelas.

12Uma dúzia de anos mais tarde apareceu na Póvoa, professor do liceu, o meu querido amigo e eminente filósofo Sr. Dr. Leonardo Coimbra. Falou-se dos poveiros e eu mostrei-lhe as notas. Estava em voga a Águia da Renascença Portuguesa. Quis que eu publicasse uma dessas notas – O Casamento –, o que fiz com certa relutância.

13Via, porém, com mágoa que os usos, costumes e tradições do poveiro iam desaparecendo, sem que nada ficasse a registá-los como documentário para o estudo dos povos desta parte da beira-mar portuguesa.

14Em 1915 surgiu o Folk-Lore Varzino do jornalista Cândido Landolt. À parte a legislação e o cancioneiro, dois bons registos, o resto está errado, deturpado. Vim logo à estacada fazer a crítica a este livro no jornal local o Comércio da Póvoa de Varzim. Prestando, então, a minha homenagem às boas intenções do falecido jornalista, que não era poveiro e, portanto, fácil de ser enganado, eu pulverizei muitas das suas afirmações, mormente aquela monstruosidade que se lê na Inocência dos Poveiros, a páginas 100.

15Mas alguns amigos e dedicados poveiros lembraram-me que o jornal desaparecia e o livro ficava, prevalecendo o erro.

16Achei bem. Parei com os artigos, coordenei as minhas notas e delas sai este livro.

17Dele ressalta, quanto mais não seja, o meu carinho pela classe de que descendo.

18O Autor.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search