Version classiqueVersion mobile

O Poveiro

 | 
A. Santos Graça

Prefácio

António Medeiros

Texte intégral

  • 1 Além de O Poveiro, os títulos mais importantes da sua bibliografia são: Inscrições Tumulares por Si (...)

1É com dificuldade que se pode sintetizar o percurso biográfico de António dos Santos Graça (1882-1956), desde as suas origens na «colmeia» piscatória poveira nos anos 80 do século passado, ao destino notável que conheceu enquanto indivíduo mais proeminente entre os seus conterrâneos, a partir do fim da primeira década do nosso século. Autodidacta, comerciante e industrial, foi sobretudo um homem de acção, eclético, que desenvolveu larga actividade jornalística, uma carreira política de grande relevo local, e um trabalho de recolha etnográfica de pertinências múltiplas1.

  • 2 Esta edição da obra completa de R. Peixoto comporta um prefácio da autoria de Flávio Gonçalves, que (...)
  • 3 Rocha Peixoto projectara a realização de um trabalho que queria designar Materiais para o Estudo Et (...)

2Uma nota prévia – «Porque se publica este livro» – que antecede o texto de O Poveiro, deixa sugerido ter sido um contacto com Rocha Peixoto, datado de 1901, a origem remota do interesse do nosso autor pela colecta etnográfica. Este contacto pontual deu lugar a posteriores encontros. De facto, o jovem Santos Graça foi «informante» dedicado do homem da Portugália, que já então desenvolveria interesses no estudo das práticas comunitaristas em Portugal, interesses que restaram incipientemente fixados no seu texto de 1908, denominado «Survivances du régime communautaire en Portugal (Abrégé d’une monographie Inédite)» (Peixoto, 1967-75:330-347, vol. I)2. Para Rocha Peixoto, também ele natural da Póvoa de Varzim, ainda que de origem burguesa, os dados fornecidos por Santos Graça, naquele primeiro encontro, que referiam as práticas de solidariedade vigentes entre os pescadores locais, teriam surgido como «revelação», como narra a referida nota prévia3.

  • 4 Veja-se o curiosíssimo artigo de Santos Graça «O Comércio e o Sr. C. Landolt», datado de 1908, in L (...)

3É difícil avaliar a latitude das influências de Rocha Peixoto no futuro autor de O Poveiro, dado o desaparecimento precoce do primeiro, em 1909, deixando por cumprir os seus projectos de estudo sobre o litoral, e o desfasamento temporal que existe entre a ocasião dos seus contactos e a vinda a lume daquele trabalho de Santos Graça. A recolha de materiais etnográficos – aquém da sua sujeição a um exercício crítico elaborado, que muito poucos dos intelectuais portugueses da época estariam capacitados (sensibilizados ? ) para exercer –, era tarefa notavelmente prestigiante, em si mesma, envolvendo de uma forma relativamente comprometida, e entrosada de um modo complexo com a intervenção política, numerosos membros das elites burguesas das cidades de província, nos fins do século XIX e nas primeiras décadas do século XX4. Reflexos desse envolvimento das elites locais na recolha dos «usos, costumes, tradições e lendas» – que é, também, o subtíulo do trabalho que agora se apresenta –, espelham-se, nomeadamente, na soma das colaborações que encorpam os volumes da Portugália, ou na rede vasta de correspondentes cujas informações avolumam a extensíssima obra de José Leite de Vasconcelos.

  • 5 O Poveiro patenteia grande escrúpulo no registo e descrição de tecnologias e objectos da cultura ma (...)
  • 6 A restrita biblioteca de Santos Graça, até 1932, conteria 18 obras, qualquer delas insusceptível de (...)

4Seguramente a influência de Rocha Peixoto tem espelho no rigor da descrição de aspectos da cultura material, de tecnologias e de símbolos, que O Poveiro ostenta5. Contudo, seria arriscado adscrever àquela influência outra das características mais prezáveis – porque original, pioneira na etnografia feita em Portugal – deste trabalho: a definição, conseguida, de um grupo específico enquanto comunidade. Como adiante se defende, esta particularidade muito específica da obra de Santos Graça justifica-se por razões de ordem pessoal e localista, não podendo ser atribuída a qualquer ancoramento em teorias sociológicas6.

  • 7 Vilarinho da Furna. Uma aldeia Comunitária e Os Arados Portugueses e suas Prováveis Origens.

5Importa vincar o facto de ter sido na roda de relações de Rocha Peixoto, ou na esteira da sua influência, que os trabalhos de recolha etnográfica mais interessantes e significativos das primeiras décadas do século XX surgiram, até que em 1948 saíssem publicados os dois primeiros livros de Jorge Dias7. Podem citar-se neste rol, sucessivamente, os trabalhos de António Tomás Pires, de Tude de Sousa, de Silva Picão e de Santos Graça (cf. Gonçalves, 1967: XXI e XLV).

  • 8 Leonardo Coimbra residiu na Póvoa em 1913, ano de que data a publicação de «Notas sobre “O Poveiro” (...)

6Outra influência pertinente na consolidação dos interesses etnográficos de Santos Graça, como ele próprio evoca, teria sido o filósofo Leonardo Coimbra, ao qual ficara a dever o incitamento à publicação de um primeiro registo de costumes poveiros na ÁguiaÓrgão da Renascença Portuguesa8. O movimento da Renascença Portuguesa que trouxe voz a gente brilhante como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, para além de Leonardo Coimbra, deu lugar a um momento alto do ambiente intelectual do Porto. Ali onde, por altura dos fins do século XIX já se afirmara importante centro de debate de ideias, se podiam relevar as figuras de Basílio Teles, de Alberto Sampaio, de Rocha Peixoto, de Oliveira Martins, no que respeita os interesses nos estudos históricos e sociológicos. Contudo, o envolvimento com os termos dos debates mais especulativos, seus contemporâneos, teria sido para Santos Graça muito incipiente; foi um publicista de espírito pragmático, um polemista vigoroso envolvido, muito precocemente, no agitado clima político das três primeiras décadas do século XX. Teria sido forjado por via dos convívios derivados das solidariedades ideológicas – Santos Graça foi republicano e mação – o melhor da sua formação intelectual (cf. Filgueiras, 982: 201 e segs.; Sá, 1982:201 e segs.)

7O curso dos dezasseis anos em que vigorou a Primeira República, que Santos Graça percorreu enquanto militante do influente Partido Democrático, destacou-o na Póvoa de Varzim como a mais eminente das figuras públicas locais, sendo sucessivamente eleito administrador do concelho, deputado parlamentar e senador. Pautou-se a sua actividade política e, mais genericamente, a sua intervenção cívica, por três vectores mais importantes que acabam por se sobrepor: um empenhamento político que tinha como bandeira e primeira justificação a defesa dos interesses bairristas, a promoção do cooperativismo entre os pescadores poveiros, uma intensa actividade jornalística (cf. Sá, V, 1982, 221 e segs).

8Após o 28 de Maio de 1926 e apesar da coacção sobre todas as actividades políticas, Santos Graça manteve-se enquanto figura preponderante da Póvoa de Varzim. A publicação de O Poveiro, em 1932, a fundação do Museu Etnográfico Municipal, em 1936, e o crescendo do seu reconhecimento enquanto etnógrafo, além de um permanente envolvimento na defesa dos interesses locais, avantajaram muito claramente o seu prestígio e projecção, nos limites tolerados pelo novo regime, até à data da sua morte.

  • 9 1910 parece ser uma data charneira mais significativa do que 26, como sugere Pina Cabral. Será a pa (...)

9Leite de Vasconcelos, fazendo um roteiro de trabalhos etnográficos, faz uma referência sucinta mas explicitamente elogiosa a O Poveiro: «livro precioso, onde o leitor encontra as mais variadas e originais notícias, respeitantes à classe dos pescadores da Póvoa», a única crítica apontada apenas refere que «a disposição das matérias não será muito rigorosa» (Vasconcelos, 1980:305). O elogio, um entre os muitos a que a divulgação original do trabalho de Santos Graça deu lugar, é curioso, merecendo por isso comentário. A nota crítica, que sai publicada em 1933, referia assim de modo parco aquela que é, a par com o trabalho de 1903 de Silva Picão, a mais interessante monografia etnográfica publicada nas primeiras décadas do século. Em O Poveiro, surge-nos o primeiro estudo importante de uma comunidade – a dos pescadores residentes na Póvoa de Varzim –, que é identificada, construída como objecto de estudo e lugar suficiente de explicação, apesar de coincidir na ocupação do espaço com outros grupos sociais. Dito de outro modo: a monografia de Santos Graça retrata de modo pioneiro um mero grupo ocupacional, enquanto comunidade. As razões que dão importância ao trabalho de Santos Graça, para além do rigor descritivo a ambos comum, são diversas daquelas que valorizam o trabalho de Picão. Todavia, importa vincar no comentário de Leite de Vasconcelos a inanidade da crítica que se dirige à «arrumação» das matérias, a propósito de um trabalho que por mérito próprio – mas também dada a pobreza e o carácter fragmentário dos restantes, características potenciadas pela progressiva anacronização das teorias que acompanharam os estudos etnográficos no nosso país a partir dos anos 10 do corrente século (cf. Pina Cabral, J., 1991:23-26) –, ganha um lugar proeminente9.

10Em boa medida o trabalho de Santos Graça parecerá tocado por nítido anacronismo, em termos da justificação ideológica mais lata que o suporta. Ao contrário de Através dos Campos de Silva Picão, «tentativa de abordagem do contemporâneo, onde a explicação à luz da tradição romântica é ultrapassada» (Branco, J.E, 1986:85), O Poveiro, pese embora o conjunto dos seus méritos, é ainda um estudo vertido sobre «A Tradição», sobre práticas e instituições que se percebem ser de origem remota, agora em vias de ser avassaladas pelo progresso ou já sobrevivendo apenas na memória dos contemporâneos mais idosos. A envolvência transmitida pela amplitude do trabalho e pelas qualidades de escrita do autor, transmitem-lhe contudo um carácter eventualmente equívoco de retrato contemporâneo de uma comunidade, de descrição sincrónica e actualizada, que pode mistificar qualquer leitor pouco avisado. Em largos trechos Santos Graça faz uso do «presente etnográfico» na sua descrição de aspectos da vida social dos pescadores da Póvoa de Varzim, que teriam sido mais vincados à época da infância do autor; é este período que se percebe ser referência principal de narração – verdadeira idade de ouro da comunidade, tempo em que seriam íntegras, como é sugerido, as expressões das práticas que «enobreciam» a identidade comunitária. E nisto não há qualquer intencionalidade mistificadora sendo, aliás, muito frequentes as referências de cronologia mais definida e os balanceamentos no uso dos tempos verbais que servem a descrição. Faz-se contudo clara a intenção de fazer registo da «tradição» em vias de desaparecer, que sendo exclusiva de um grupo social – onde o autor tem origem familiar –, é tida por prestigiável porque tocada de um carácter ancestral, ainda que os pescadores que dela são detentores ou herdeiros tenham um lugar desqualificado na estratificação que é efectiva localmente (cf. Branco, J.F., 1985:23 e Pina Cabral, 1991:15-23). Em certa medida este trabalho, já tardio, entronca em termos ideológicos nas posturas pós-românticas dos intelectuais republicanos dos fins do século XIX. A causa aqui não todavia nacionalista, como a que os inquéritos extensivos e as elaborações teóricas daqueles queriam avalizar, mas sim mais imediatamente bairrista, e ainda pessoal, em boa medida. A eficácia espantosa com que estas causas foram defendidas – e esta será a razão maior de fascínio patenteada em O Poveiro – faz perder pertinência imediata àquela sugestão de anacronismo.

  • 10 Ver a propósito do uso dado à «sigla» familiar pelo autor o artigo de A. B. Malheiro da Silva «Sant (...)

11A Póvoa perdera, de modo progressivo, proeminência enquanto centro piscatório desde os anos 80 do século XIX, dado um conjunto de circunstâncias que não cabe aqui analisar. Paralelamente, a sua importância enquanto estância balnear aumentava, ainda que os resultados da actividade pesqueira se mantivessem como receitas indispensáveis da economia local. Santos Graça desde muito cedo se envolveu nas campanhas que pretendiam a revitalização das pescas poveiras, preconizando a adopção de práticas cooperativas, de novas artes de pesca, e investimentos na melhoria das condições do porto. Estas foram, como atrás ficou dito, as causas que nortearam com mais constância a sua intervenção cívica, justificando a notoriedade que chegou a conhecer localmente. Os estrangulamentos mais críticos das pescarias poveiras teriam sido gradualmente ultrapassados, mormente por via do empenho do nosso autor, sem que estas, contudo, voltassem a conhecer a expressão verificada nos meados do século anterior. Uma vez afastado da intervenção política mais pragmática, em que se envolvera exaustivamente, por via do trabalho etnográfico, Santos Graça vem apresentar as tradições da comunidade piscatória como as mais nobilitantes e autênticas raízes da identidade poveira. Neste mesmo passo, entre outras consequências, justifica o processo de mobilidade social ascendente que pôde percorrer, numa época de grandes transformações na sua cidade natal10.

  • 11 Como a «aristocrática» Vila do Conde, cheia de vestígios de grandezas passadas.

12De algum modo se pode dizer que este livro e o seu autor ajudaram a tornar a Póvoa «poveira», criando referências míticas – no heroísmo dos velhos mestres ou na identificação de usos e costumes, tomados por imemoriais, do seu núcleo piscatório – para a identificação bairrista de uma localidade importante em termos económicos e populacionais que nunca dispusera de relevo político-administrativo, nem sediara elites tradicionais11. Aparentemente seria comum no início do século o termo «povoense» para identificar o habitante da localidade alheio ao meio piscatório, não deixando de ser curioso e significativo o abandono, hoje em dia claro, daquela designação a favor de «poveiro» termo que outrora identificava com propriedade somente os pescadores. Esta mutação subtil destaca-se como um processo facilmente detectável nas diversas publicações de Santos Graça (cf. Lopes, 1982:445-77). O autor afirma-se pelo seu percurso biográfico e pela obra etnográfica como o «primeiro poveiro»: pela proeminência entre os seus conterrâneos e como primeiro membro da nova elite local que reivindica para si, em termos ideologicamente muito eficazes, a designação de «poveiro».

  • 12 Informação pessoal de Manuel F. Lopes.

13O Poveiro, tal como Rio de Onor de Jorge Dias na aldeia do mesmo nome, arrastou um «efeito» de transtorno e de refundação das bases da identificação simbólica dos habitantes e da própria cidade da Póvoa de Varzim (cf. Pais de Brito, J., 1989:19-26). Um uso ostensivo das siglas, que em 1932 Santos Graça «revelara», é patente hoje em dia ao longo de toda a avenida marginal nos paraventos fixos que orlam a praia; são as siglas gravadas em anéis de ouro12 ; multiplicam-se na base dos grandes edifícios os néons com nomes que têm origem num imaginário mitificado de origem piscatória, quando nos anos 20 deste século eram sobretudo correntes na nomeação dos estabelecimentos turísticos designações mais ou menos cosmopolitas. Ironicamente, a especulação imobiliária tem vindo a expulsar, nas últimas décadas, para fora dos limites concelhios parte importante dos pescadores poveiros. Tal facto não tem obstado à continuidade dos investimentos simbólicos na confirmação da identidade «piscatória e marinheira» da cidade.

  • 13 Santos Graça recebeu referências elogiosas de A. van Gennep, de F. Kruger, de Jorge Dias, de E. V. (...)

14A carreira de Santos Graça que precede a publicação de O Poveiro e as razões discerníveis para o seu empenhamento no trabalho etnográfico – que podem ser reconduzidas a uma inspiração nacionalista, republicana e democrática de raízes novecentistas e, mais enfocadamente, a um empenhamento no aval e na celebração de uma identidade bairrista – são extremamente interessantes, como foi sendo anotado. O seu percurso posterior é também digno de realce, cumulado de elogios e invariavelmente festejado por todos os contemporâneos, como o foi13.

  • 14 O filme de Leitão de Barros é depositário de recursos simbólicos localmente actuantes e manipulados (...)

15A publicação do presente trabalho trouxe ao seu autor o reconhecimento oficial das instituições que naquela época – que era caracterizada por uma crise profunda de criatividade (cf. Pina Cabral, 1991:27 e segs) – curavam da investigação e, sobretudo, de actos celebratórios de cariz etnográfico (cf. Brito, J.P., 1982). Flávio Gonçalves soube sintetizar exemplarmente este período final da carreira de Santos Graça: «quer para a I Exposição Regional de Pesca Marítima (Póvoa de Varzim, 1936), quer para a Exposição Marítima do Norte de Portugal (Porto, 1939), quer para a Exposição Etnográfica do Douro Litoral (Porto, 1940), teve de se mover entre indivíduos e organismos intimamente vinculados ao regime salazarista. Aconteceu o mesmo em relação às direcções da «Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia» e da «Comissão Provincial de Etnografia e História da Junta do Douro Litoral», ao lado das quais actuou durante anos, do modo mais prestimoso e afável, não se eximiu, também, a orientar cortejos e festas da gente do mar, e aceitou ser consultor científico de Leitão de Barros nas filmagens do Ala-Arriba» (Gonçalves, F., 1982:61)14. O longo trecho agora citado serve, no fio do argumento até agora conduzido, não como indiciação do «colaboracionismo» de Santos Graça – questão gratuita e descabida – mas sim para demonstrar como através do percurso biográfico do autor – desde o primeiro contacto com Rocha Peixoto, homem empenhado num projecto ideológico, aliás como a maioria dos praticantes da etnografia seus contemporâneos – fica ilustrada a importância fulcral do discurso etnográfico, como veículo de produção ideológica, ao longo de várias épocas e em vários contextos expressos. Este tema não tem exclusiva pertinência histórica, na medida em que nos nossos dias as apropriações populares mas também das elites políticas e culturais dos resultados disponibilizados pela investigação etnográfica seguem tendo expressão; apropriações que se afiguram actualmente, aliás, como um dos mais fascinantes objectos de estudo antropológico.

16O interesse no estudo do campesinato, em áreas sensivelmente recuadas do interior do país, tem caracterizado a história – mesmo a mais recente – dos interesses etnográficos em Portugal. O Poveiro, que justificadamente se pode considerar a primeira monografia de uma comunidade na história da nossa etnografia, singulariza-se também por abordar um grupo ocupacional que tem sido alheio à corrente mais importante destes interesses de estudo. A riqueza descritiva que caracteriza este trabalho, e a notória intuição sociológica que caracteriza alguns momentos da exposição que é conduzida, permitem compará-lo sem desdouro com Vilarinho da Furna ou com Rio de Onor, trabalhos posteriores de Jorge Dias. A comparação deixa de parecer abusiva logo que relativizamos a ausência de formação literária do seu autor – que lhe interditou o uso de uma inaugural justificação retórica em referências teóricas prestigiadas em termos académicos e, obviamente, quando também se relativizam as expressões mais acesas de celebração bairrista.

17Neste trabalho podem ser encontrados diversos materiais que justificam um olhar atento, dada a sua pertinência enquanto referência comparativa, de índole histórica, para futuras aproximações de comunidades piscatórias. São disso exemplos: as dinâmicas sociocêntricas de exclusão face a outros grupos envolventes; as expressões da solidariedade e da competição entre indivíduos e grupos de trabalho envolvidos numa mesma actividade predatória; a estratificação interna; o papel da mulher; o lugar do parentesco e da herança na reprodução social do grupo.

18A leitura deste trabalho arrasta efeitos de surpresa e de encantamento irresistíveis. Acontecem as surpresas porque as práticas e as crenças documentadas – documentação que no limite tem rigor inquestionável, como se deve voltar a sublinhar – são extremamente curiosas e idiossincráticas. O encantamento deve-se às qualidades da escrita que tornam O Poveiro o mais amável depoimento da etnografia portuguesa.

19Este trabalho está, enquanto justificação de uma identidade localista, claramente actualizado no imaginário dos actuais habitantes da Póvoa de Varzim e essa é a prova maior da sua pertinência, que se manterá no futuro. Um novo estudo na Póvoa de Varzim, que pode resultar como uma das mais interessantes propostas de trabalho para os antropólogos da actual geração, contará com O Poveiro.

20Agradecimentos: ao meu colega do ISCTE Joaquim Pais de Brito devo o primeiro estímulo para a redacção deste texto. A Manuel F. Lopes, responsável pela Biblioteca Municipal e director do Museu de Etnografia e História da Póvoa do Varzim, devo, desde há anos, múltiplos apoios e o exemplo de uma rara vontade de saber.

21Setembro 1992

Notes

1 Além de O Poveiro, os títulos mais importantes da sua bibliografia são: Inscrições Tumulares por Siglas (1942) e Epopeia dos Humildes : Para a História Trágico-Marítima dos Poveiros (1952).

2 Esta edição da obra completa de R. Peixoto comporta um prefácio da autoria de Flávio Gonçalves, que – embora datado – é peça importante para a história da etnografia em Portugal, dada a profundidade da investigação biográfica conduzida e amplitude da bibliografia citada. Confirma-se ali, e pela leitura dos materiais organizados, ter sido R. Peixoto o mais interessante dos etnógrafos de sua geração.

3 Rocha Peixoto projectara a realização de um trabalho que queria designar Materiais para o Estudo Etnográfico e Antropológico dos Povos do Litoral (cf. Gonçalves, 1967: XXXI) ; na ocasião, contudo, seriam as suas preocupações com o tema do comunitarismo a suscitar sua atenção para as informações de Santos Graça. Sobre o teor, presumido, destas informações atente o leitor no cap. II de O Poveiro.

4 Veja-se o curiosíssimo artigo de Santos Graça «O Comércio e o Sr. C. Landolt», datado de 1908, in Lopes, 1982 – pp. 473-6. Ali, Santos Graça responde passo por passo ao repto de Cândido Landolt – Autor de Folklore Varzino, registo aligeirado, que contudo desvenda aspectos interessantes da vida social da vila que O Poveiro omite – que o desafia a responder «Se sabe o que é Folk-Lore/o que determinou esta classificação e quem/para que serve a publicação do Folklore/se conhece, pelo menos os folk-loristas do nosso país».

5 O Poveiro patenteia grande escrúpulo no registo e descrição de tecnologias e objectos da cultura material, expondo uma iconografia abundante; estas características são também apanágio claro do trabalho de Rocha Peixoto.

6 A restrita biblioteca de Santos Graça, até 1932, conteria 18 obras, qualquer delas insusceptível de fornecer ao autor referências teóricas de ordem sociológica (cf. Lopes, M., 1982,491- -496). Todo o percurso do autor, como se pode confirmar pela análise do seu espólio (Espólio de Santos Graça, Biblioteca Municipal da Póvoa de Varzim), invalida aquela possibilidade.

7 Vilarinho da Furna. Uma aldeia Comunitária e Os Arados Portugueses e suas Prováveis Origens.

8 Leonardo Coimbra residiu na Póvoa em 1913, ano de que data a publicação de «Notas sobre “O Poveiro” – O Casamento», artigo de três páginas. Ali já Santos Graça anuncia ter um «livro em preparação». Este pequeno trabalho contém sínteses de vários tópicos depois desenvolvidos na obra de 1932.

9 1910 parece ser uma data charneira mais significativa do que 26, como sugere Pina Cabral. Será a partir da primeira data que a actualização teórica notável de autores como Teófilo Braga, Adolfo Coelho, J. L. de Vasconcelos, Consiglieri Pedroso, Rocha Peixoto, deixa de ter manifestações pertinentes. Rocha Peixoto morre em 1909 e o envolvimento dos restantes – à excepção de J.L.V. – na política da Primeira República, faz perder vivacidade aos debates e não dá lugar a obras significativas.

10 Ver a propósito do uso dado à «sigla» familiar pelo autor o artigo de A. B. Malheiro da Silva «Santos Graça e a heráldica poveira – achegas para uma teoria da heráldica».

11 Como a «aristocrática» Vila do Conde, cheia de vestígios de grandezas passadas.

12 Informação pessoal de Manuel F. Lopes.

13 Santos Graça recebeu referências elogiosas de A. van Gennep, de F. Kruger, de Jorge Dias, de E. V. de Oliveira, de Paul Descamps, entre outros, tendo mantido relações pessoais com todos eles à excepção do primeiro.

14 O filme de Leitão de Barros é depositário de recursos simbólicos localmente actuantes e manipulados; O Ala-Arriba fixou em termos muito acessíveis uma imagem idealizada, tocada do carácter épico da «tradição poveira». Apropriações muito similares ocorreram na Nazaré como consequência da rodagem de um filme do mesmo autor.

© Etnográfica Press, 1992

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search