Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

Cartas de Adolfo Coelho a António Tomás Pires (1882-1904)

Rosa Maria Perez

Texte intégral

Anexo

1As cartas aqui incluídas fazem parte de uma longa correspondência, trocada entre Adolfo Coelho e António Tomás Pires durante vinte e dois anos (1882-1904). Publicadas por Eurico da Gama cerca de setenta anos depois da primeira edição de Os Ciganos de Portugal, elas permitem-nos acompanhar a trama da sua construção, na sequência dos elementos progressivamente solicitados por Adolfo Coelho ao seu receptor – cruzamento de factos de língua, de cultura e de antropomorfia, anteriormente analisados (cfr. supra, Prefácio). Paralelamente, é-nos possível surpreender os processos e estratégias a desencadear, na época, para a obtenção de apoios institucionais; o garante editorial era, à altura, a Sociedade de Geografia, economicamente tutelada pelo Ministério da Marinha. Daqui se desliza também para os embargos e obstruções postos à pesquisa, para as tensões e conflitos do meio intelectual – e para a atemporalidade de tudo isso...

2De Tomás Pires a Antropologia em Portugal não fez história. A sua credibilidade teórica ficou, todavia, indiscutivelmente comprovada pela extensa troca epistolar que com ele mantiveram alguns dos principais pensadores da época: Leite de Vasconcelos (1882-1913), Rocha Peixoto (1899-1907), Teófilo Braga (1893-1910) e Aníbal Fernandes Tomás (1899-1910).

3A leitura das Cartas inclusas – que servem igualmente de suporte às Rimas e Jogos Infantis de Adolfo Coelho – sugere-nos o carácter sistemático e tenaz das suas recolhas, eventualmente sem o fôlego teórico do seu interlocutor, mas seguramente com a importância que se oculta sob a designação de « etnógrafo local »...

4Esta relevância é, aliás, insistentemente sublinhada por Adolfo Coelho, ao expressar, aqui como na obra em epígrafe, o sentimento de partilha de autoria no trabalho produzido e ao submeter regularmente à aprovação de Tomás Pires os dados por si recolhidos e os escritos que deles resultaram.

5Cedo lhe diz o autor de Os Ciganos de Portugal : « Temos ainda muito que descobrir noutros domínios. Teremos feito, no meio da indiferença pública e sem auxílio oficial, uma obra eminentemente patriótica» (Carta:...). E no entanto, é impossível iludir a assimetria de estatutos e de papéis por ambos desempenhados na história da cultura portuguesa: as intenções enunciadas por Adolfo Coelho de dar corpo editorial aos materiais etnográficos de Tomás Pires, sobretudo os seus Cantos populares com referências políticas, parcelarmente publicados no jornal Elvense, nunca viriam a ser consumadas, nem consumado seria o projecto de uma provável edição conjunta de Os Ciganos.

6O fecho de uma das cartas tem o sabor de epígrafe : « Dê-me notícias suas e dos ciganos não se esqueça»...

*

7[Lisboa, 4 de Abril de 1883]

8Meu amigo

9Recebi as interessantíssimas notas sobre os ciganos, que em breve serão publicadas junto com outras colhidas por mim. Enviar-lhe-hei exemplares. Entretanto espero que colha mais alguma coisa, especialmente no que respeita á linguagem, que é do máximo interesse. É singular que os Cig. do Alemtejo tenham abandonado completamente a industria de caldeireiro, e não possuam nem tendas, nem carros. Não ha meio algum de calcular aproximadamente o numero dos que existem n’essa região? Passam por ahi bandos de ciganos hespanhoes? No Porto ha annos esteve um bando d’elles, caldeireiros, que tinham carros e tendas, e sei que apparecem noutras partes do paiz. Em tempo vi um pequeno grupo em Almada que tinha tenda; eram do Alemtejo provavelmente, pois fallavam portuguez. Vou ver se me dão de Evora algumas noticias.

10Espero com muito interesse as Rimas e jogos infantis. Em pouco tempo teremos explorado de modo muito completo o Folklore portuguez. Temos ainda muito que descobrir n’outros domínios. Teremos feito, no meio da indifferença publica e sem auxilio official, uma obra eminentemente patriotica.

11Rogo que dirija a correspondencia para a R. do Quelhas, 107.

De V. Ex.a am° m.to obg.do F. A. Coelho.

*

12Lisboa, 8 de Maio de 1883.

13Meu amigo

14Recebi as suas cartas e notas supplementares relativas aos ciganos, que muito agradeço. Recambio o n.° do periodico, de que extractei a noticia sobre a caravana hungara.

15Envio-lhe um n.° do Jornal do Commercio em que fallo já dos ciganos. É melhor publicar depois das quadras de 7 syillabas as em verso menor. Os remates, requebros (ant. voltas) ficam bem em separado, se elles se applicam indifferentemente a varias cantigas.

16Estou vendo se consigo que se aproveite a composição das Rimas (Bol. Soc. Geogr.) para volume, o que é muito melhor. Em qualquer caso conto poder enviar-lhe 12 ou 15 exemplares. Não conheço a publicação do Marin a que allude; mas o assumpto é d’interesse.

17Gitano vem com effeito de egyptanus. Cigano tem origem muito diversa, como verá do meu estudo respectivo. Disponha d’este seu

am° m.to obg.do F. A. Coelho

*

18Lisboa, 14 de Abril de 1884

19Meu amigo

20A impressão das Rimas vae com uma lentidão d’aborrecer. Combinei com a direcção da Soc.e de Geographia para que se imprimisse o trabalho em vol. e o secretario L. Cordeiro ficou de pedir a devida auctorisação ao Ministerio da marinha, que paga as despezas das publicações da Sociedade. Em todo o caso o amigo tem alguns exemplares do n.° do Boletim em que saem d’uma só vez as suas Rimas.

21Estudei já tudo o que me mandou a respeito dos ciganos. Ordenei o vocabulário cigano, ficando cigano-portuguez, e com as palavras da sua lista e as dos textos que me enviou e que faltavam em parte na lista, deu-me 225 palavras, o que com as explicações e etymologias forma já uma peça interessante.

22Consegui identificar quasi todos os termos do cigano alemtejano com os do cigano hespanhol, etc. ; restam-me ainda algumas duvidas; se não as resolver enviar-lhe-hei notas das palavras sobre que versam para investigar. As identificações conseguidas provam perfeitamente o acerto e intelligencia com que o meu amigo procede nas suas investigações.

23Haverá entre os ciganos do Alemtejo restos do costume seguinte de que falla P. Bataillard ? O meu amigo allude a cerimonias especiaes do casamento.

24«II existe parmi les Gitanos une coutume qui ne se retrouve point parmi les autres Tsiganes d’Europe: Immédiatement avant sa première nuit de noces, la jeune fille est defflorée par des matrones qui attestent sa virginité, etc.»

25Essas matronas apresentam um lenço ensanguentado lacha diclé, lenço de vergonha.

26Seria interessante saber se os ciganos d’Alemt. perderam inteiramente o systema de numeração tsigana. Na Hespanha os numeros são:

27Tudo o que o meu amigo puder reunir ainda sobre os ciganos será aproveitado, porque eu publicarei de tempos a tempos notas complementares aos meus trabalhos.

28Agora vou começar a publicar no Boletim da Soc.e de Geographia, alternando com os Jogos e Rimas (que darão 2 ou 3 artigos apenas) os meus Estudos para a ethnologia da Peninsula iberica, de que lhe enviarei o que sair. Tudo isto exige um tempo incalculavel; apesar dos materiaes estarem em grande parte reunidos.

29Recebi o n.° 305 da Sentinella, que agradeço.

30Disponha deste seu

am° m.to obg.do F. Adolpho Coelho

31*

32Lisboa, 6 de Maio de 1884

33Meu caro amigo

34Recebi com muita satisfação a sua ultima carta, com a preciosa noticia do lacho diclé entre os ciganos alemtejanos. Espero as ulteriores informações até ao fim do mez; não podendo vir antes aproveital-as-hei em appendix.

35O vocabulo olipandó, sol, inspira-me desconfianças. Lilipendí significa tolo, pateta, em gitano, e os taes, filhos do noroeste da índia que estudamos podiam, como no caso de balebá, estar troçando. Seria possível fazer alguma verificação a este respeito? Seria possível alcançar um bocado de cabello de cigano e de cigana ? O cabello, como sabe, tem grande importancia como caracteristico anthropologico.

36Não me lembro se lhe perguntei já se por ahi passam ciganos (da Bukovina) conductores de carros; aqui em Lisboa já vi alguns, mas não os pude estudar.

37Recebi as Cantigas até n.° 1366 e das Comparações só até ao III folhetim (n.° 177). Interessa-me muito essa publicação que desejaria ter completa.

38Vejo o Folk-lore frexnense e espero os Cantos do Natal. Eu hei de fallar de todas as suas publicações.

39Disponha sempre de quem se confessa

40Data

De V. Ex.a am° dedicado e obg.do F. Adolpho Coelho

*

41[Lisboa, Junho de 1884]

42Meu bom amigo

43Agradeço a sua carta e os escriptos folkloricos. Tenho recebido todos, como vejo pela numeração. Emquanto ao riso dos tolos pagar-lh’o-hemos com um sorriso de compaixão. A verdade é que elles, se não tem o reino do ceo, tem o da terra.

44Sinto que o seu correspondente não lhe desse as informações promettidas sobre os ciganos. Irá o estudo como está e mais tarde juntar-se-ha o que apparecer de novo.

45A impressão das rimas esteve longo tempo parada na imprensa nacional por causa dos trabalhos parlamentares; agora affirmam-me que vão acabar.

46É muito facil a nomeação de socio correspondente da Soc. de Geogra. Tem os seguintes encargos: o diploma (1500 reis) e a assignatura do Boletim (creio que 3000 reis por anno). O Boletim anda atrazado (agora esta-o um anno!); por isso a contribuição é ainda menos por anno. Espero a sua proposta para o propôr.

47Creia-me sempre seu

am° m.to obg.do F. Adolpho Coelho

48Creio que o meu am° é escrivão da Camara de Elvas; a indicação da sua profissão é-me precisa para a proposta.

*

49Lisboa, 27 de Junho de 1884

50Meu amigo

51Estão finalmente compostas todas as suas Rimas e jogos. Custou. Até ao fim de Julho conto haver os exemplares da separata. Vão em corpo 8, notas em 6, a duas columnas. Trata-se de poupar espaço, mas vão bem e é mais facil estudal-as assim do que derramal-as por numerosas paginas.

52Agora tenho que revestir-me de nova dose de paciencia para esperar a composição e impressão dos outros jogos e rimas que tenho e dos estudos que as devem acompanhar.

53Já fiz a proposta para sócio da Geographica; deve em breve receber aviso da nomeação.

54Logo que tenha publicados diversos trabalhos que trago entre mãos e principalmente por inteiro os Jogos, etc., em que a parte comparativa é quasi inteiramente nova, hei de escrever-lhe para iniciarmos varias investigações importantes.

55Escuso de lhe dizer que com alguma paciencia levaremos tambem a cabo a publicação das Orações e romances sacros.

56O Boletim da Sociedade de Geographia tem grande circulação no estrangeiro; assim os seus trabalhos não ficarão perdidos para a sciencia, como succederia publicando-os d’outro modo em Portugal.

57Espero o que me prometteu com relação aos ciganos. Interessa-me o exame do cabello, que como sabe, é um importante caracteristico anthropologico.

58Creio que não tem os fasciculos publicados da Revista d’ethnologia; no caso negativo mando-lhos.

59Creia-me sempre seu

60Data

am° m.to obg.do
F. Adolpho Coelho

*

61Lisboa, 30 de Janeiro de 1885

62Meu amigo

63Desculpe só hoje lhe agradecer a sua ultima carta e o seu retrato que recebi com muito prazer, sentindo não ter photographia minha capaz de lhe mandar. Ha muito que não me faço photographar. Agradeço egualmente as suas felicitações pelo anno novo, desejando-lhe que o 85 lhe seja prospero. Só ha dias é que se distribuiu o Boletim da Soc. de Geographia em que vem as Rimas! Velocidade nacional. O Luciano Cordeiro está em Berlim na conferencia africana e o secretario que o substitue na Geographia é uma das mais completas bestialidades que eu conheço, de forma que o 2.° art. das Rimas levará tanto ou mais tempo a sair que o primeiro.

64Acabo de receber a sua nova remessa (Cantos pop. até n.° 1744), etc., que muito agradeço.

65Estou concluindo dois estudos; logo que estejam promptos escrever-lhe-hei com relação a investigações novas de que já lhe fallei. O estudo desenvolvido sobre os Ciganos espera apenas por umas informações addicionaes que espero. O seu homem de Villa-viçosa nunca mais respondeu ? E o cabello dos ciganos? As suas Rimas foram já mandadas a varios folk-loristas de primeira ordem. A Mélusine deve dizer alguma coisa, assim como a Romania, etc.

66Creia-me sempre

am° dedicado
F. Adolpho Coelho

*

67[Lisboa, 1885]

68Meu caro amigo

69Recebi com muito prazer a sua ultima carta e aproveito um momento livre, dos que raro tenho, para immediatamente lh’a agradecer, assim como a remessa para mim valiosa do cabello cigano que conserva perfeitamente o typo da raça. Sendo possível, o cabello femenino virá completar a offerta (...).

*

70[Lisboa, 27 de Junho de 1886]

71Meu amigo

72Uma nevrose de que padeço ha annos aggravou-se ha meses cruelmente, por isso não lhe tenho escripto.

73Recebi – Sentinella até cant. n.° 2216

74Jornal da Manhã até n.° 39 (1886)

75Progresso d’Elvas até n.° 16

76Muito me obsequeia com a continuação

77Disponha sempre deste seu

am° m.to obg.do
F. Adolpho Coelho

*

78[Lisboa, Julho ou Agosto de 1886]

79Meu amigo

80Recebi em tempo dois opusculos seus folkloricos (Cantigas a S.t0 Antonio e Canc. pop. político), assim como alguns numeros de jornaes que ainda não lhe agradeci. A sua bondade terá lançado excusa sobre o meu peccado.

81Reune aqui em Lisboa no proximo mez de septembro a 10.a sessão do Congresso dos Orientalistas. Entre outras coisas que tenciono apresentar ao Congresso lembro-me de incluir o trabalho sobre os Ciganos; mas a verdade é que eu lh’o prometti para a Collecção Correio Elvense. Em verdade a impressão daquelle trabalho na collecção das memórias do Congresso não só seria perfeitamente cabida, pois se tracta d’um povo d’origem e lingua índica, mas teria a vantagem de o levar com a maxima facilidade ao conhecimento dos verdadeiros interessados no assumpto, que por certo não são senão em mínimo e insignificante numero compatriotas nossos.

82Todavia eu não me atrevo a tomar uma resolução sem o meu amigo me affirmar que nem o meu amigo nem o editor levarão a mal, attendendo ás circumnstancias que surgem imprevistas, que eu offereça o trabalho, em que o meu amigo tem parte importante, para a collecção do Congresso, certo de que lhe enviarei alguns exemplares. O trabalho sahirá agora completo, com o esboço ethnographico, documentos, etc. O vocabulario vae mais correcto. Caso tenha alcançado mais algum material, peço-lhe que m’o envie. Se por ventura entender não poder desligar-se de qualquer compromisso com o editor, enviar-lhe-hei o manuscripto para ahi se imprimir, ministrando-me alguns exemplares para distribuir pelos membros extranjeiros do Congresso.

83Peço-lhe me responda com a brevidade possível.

84Creia-me sempre

Todo seu
F. Adolpho Coelho

*

85Lisboa, 17 de Novembro de 1886

86Meu am°

87Tenho recebido Cantos populares do Alemtejo até n.° 2468 (11 set. 86); Progresso d’Elvas – até n.° 36. Das Cantigas populares – publicadas no Jornal da manhã do Porto nunca recebi senão até ao n.° 39 de 1886. Não continuou? Desejo muito ter a continuação de todas as suas investigações. O trabalho sobre os Ciganos vae sair na Revista de que o J. Leite de Vasconcellos tenta a publicação. Até 15 de novembro receberei com o maior prazer qualquer addição.

88Creia-me sempre

am° dedicado
F. Adolpho Coelho

*

89Lisboa, 16 de Dezembro de 1886

90Meu am°

91Recebi as suas duas cartas e os documentos que as acompanhavam, que m. to agradeço. Teem m.to interesse. Já conhecia o alvará de D. João IV; vem na Collecção chronologica de leis extravagantes, mas aproveito o seu traslado.

92No I n.° da Revista lusitana do Leite de Vasconcellos vae o 1.° art. sobre os Ciganos: A linguagem (textos, 240 termos, observações geraes) ; no 2.° n. ° irá o 2.° e ultimo art. : Historia e costumes. Lá faço conhecer bem a parte que teve o meu am° neste trabalho. Se fosse possível tomar medidas anthropologicas nalguns ciganos, mandava-lhe as instruções para isso. Haverá alguns sujeitos que consintam em ver as medidas? Ainda que as medidas se reduzissem apenas ás principaes (estatura d’alguns, proporções principaes dos musculos, index cephalico, etc.) era já uma boa constribuição para a antropologia.

93Em breve lhe mando Os dialetos românicos ou neo-latinos na Africa, Asia e America, art. III, que vae sair no Boletim da Soc.e de Geogr. Creio ter-lhe mandado o art. II; com certeza lhe mandei o I; no caso de não ter o II, posso ainda mandar-lho.

94Não se esqueça de me mandar o que me falta das suas publicações.

95A segunda parte dos Jogos e rimas está há muito tempo á espera d’entrar no Boletim da Soc.e de Geogr.

96Espero que, se continuar a melhorar, tenha occasião de publicar no proximo anno muita coisa folklorica. Já no 1.° n.° da Revista lusitana começo.

97Disponha sempre deste seu am° m.to obgdo

F. Adolpho Coelho

*

98Lisboa, 29 de Maio de 1887

99Meu am°

100Tenho esperado em vão as continuações dos seus trabalhos folkloricos que em tempo lhe pedi.

101Envio-lhe hoje o meu III art. sobre os Dialectos românicos extra-europeus, que ainda não foi distribuído pela Soc.e de Geogr. Não lhe mandei o art. sobre os Ciganos, porque suponho que recebe a Revista lusitana e porque o Leite de Vasconc. apenas me deu 6 exemplares, insuficientes para distribuir pelos especialistas. De-me noticias suas e dos ciganos não se esqueça.

102Creia-me sempre

am° m.to obg.do
F. Adolpho Coelho

*

103Lisboa, 6 de Fevereiro de 1890

104Meu amigo

105Que terá dicto de mim! E talvez não tenha dicto nada, porque cá e lá más fadas ha.

106Pouca saude, trabalhos inadiaveis, mudanças de casa, gripe, felizmente leve nalguns dos meus eis as causas da minha demora em responder á sua ultima e as causas da incapacidade minha de lhe dar as indicações que deseja.

107Tenho andado tão longe do folklore que em vão tenho pretendido ligar as minhas ideias sobre o assumpto que lhe interessa.

108Relativamente á reproducção de que me fallou do meu artigo sobre os seus materiaes relativo á lingua dos ciganos não tenho a minha duvida em acceitar a offerta do seu amigo; mas careço de fazer primeiro algumas modificações resultantes de novos materiaes o que não pode ser já, já. Por um accidente do trabalho o pouco tempo que me resta para o trabalho livre tem sido empregado numas investigações tendentes a estabelecer certas theses ethnologicas, em que careço de dados estatísticos e outros que me levam para longe dos ciganos, etc. Desculpe-me pois. Se pode esperar mais duas semanas, enviar-lhe-hei algumas indicações para a classificação das cantigas.

109Parece-me que no todo poderia adoptar as seguintes divisões: 1. O sobrenatural (Deus, santos, diabo, etc.). 2. A natureza (sol, lua, estrellas, terra, mas, ar, mineraes, plantas, animaes); 3. O homem e a sociedade. Na ultima divisão: phases da vida, sentimentos, profissões, etc. É verdade que a secção amor, com suas variantes, phases diversas (declaração, arrufo, quebra, desdens, etc.) é muitíssimo maior que todas as outras; todavia a desproporção nas partes, sendo imposta pelo objecto, não importa. Como muitas cantigas pertencem ao mesmo tempo a diversas secções, no fim de cada uma deve haver uma remissão aos numeros das que figuram nas outras e poderiam figurar nella. O desenvolvimento e exemplificação irá no fim do prazo que digo.

110Creia-me todo seu

F. Adolpho Coelho

111R. da Bella-vista, 9-1.°

*

112Lisboa, Agosto de 1892

113Meu caro amigo

114Desculpe não ter respondido até agora à sua ultima, agradecendo-lhe a sua promptidão. Um Hymalaia de trabalho sobre mim tornou-me impossível faze-lo. Aos trabalhos ordinários accresceu o da preparação para a impressão do estudo sobre os ciganos e mais outros dois, para aproveitar a occasião que se apresenta de os fazer imprimir a expensas do governo. Os ciganos de Portugal formam um vol. de cerca de 200 paginas no formato do Boletim da Sociedade de Geogr., mas com menos linhas, (incluido o estudo sobre o calão, que se liga por vários laços), de que a maior parte está já composta. Com os subsídios que o anno (passado) recebi do meu amigo (os colhidos pelo seu amigo Rasquilha) e outros ministrados pelo Leite de Vasconcellos o Vocabulário cigano leva uns 480 termos ou formas. A collecção dos documentos legislativos vae bastante completa e junto-lhe outros interessantes (p. ex. um processo inquisitorial de uma cigana em 1682).

115Os dados etnographicos que o meu am° mandou combinados com outros dão um quadro, que comquanto incompleto ainda, não envergonhará, creio, a obra.

116Muito me obsequeia respondendo-me aos seguintes quesitos relativamente aos ciganos que tem observado ou possa ainda observar:

117Sobrancelhas – negras? espessas? largas? accentuadas?

118Espaço entre os olhos: largo, estreito, medio?

119O que entende o amigo por estatura regular? Qual o ponto de convergencia das estaturas regulares? Naturalmente o amigo toma-se como termo de comparação; portanto mande-me a sua altura e diga-me como a classifica, se de regular ou mais que regular, etc. Podendo examinar alguns indivíduos que considera como d’estatura regular diga-me as cifras correspondentes. Isso servir-me-ha para apreciar com rigor o que diz da estatura dos ciganos que o am° refere ao typo regular, como medida.

120O rosto dos ciganos é comprido, oval, o mento arredondo (por arredondado) ou agudo? Estreito, largo ou mediocremente dilatado á altura das maçãs (ossos molares)? O queixo inferior dá a impressão de ser um pouco saliente (prognattismo) ? As mãos e os pés são pequenos, mediocres ou grandes? São geralmente magros os ciganos e as ciganas, apresentando todavia alguns obesidade? Ha mulheres a que se possa sem favor chamar-se bonitas ? O cabello é sempre corredio ou algumas vezes encaracolado, frisado ou mesmo encarapinhado?

121Por uma resposta a estes quesitos que eu ainda possa aproveitar para conferir com os dados obtidos de diversos lados continuará o meu amigo a prestar serviço á tsiganologia.

122Não consta por ahi que tenham servido no exército ciganos? E se consta quando e em que condições?

123Disponha sempre do seu amo m.to grato

F. Adolpho Coelho

124Lisboa, Rua dos Remedios á Lapa, 64-2°

125Os ciganos passam por sobrios ou por bebedos de costume? Que bebem?

126Celebram a festa do S. João e onde ?

*

127Lisboa, 27 de Agosto de 1892

128Meu prezado amigo

129Muitos agradecimentos pelas suas ultimas notas sobre os ciganos, que ainda vieram a tempo de serem aproveitadas, graças a uma demora que houve na impressão.

130Como se toma indispensavel um supplemento, porque como o tempo insta não posso aproveitar alguns elementos que se me offerecem, pedir-lhe-hei ainda outra vez para me auxiliar nalgumas investigações supplementares.

131Aqui em Lisboa descobri ciganos sedentarios; acabo d’examinar 6, ainda que de modo incompleto, e por certo poderei fazer neles novas investigações. Um, que não quer ser cigano, apesar dos caracteres anthropometricos o revelarem, tem cabello castanho na cabeça, sobrancelhas e bigode aloirado.

132Um amigo meu que ha dias esteve em Portalegre teve noticia d’um bando cigano em que havia uma mulher loira, d’olhos azues.

133O meu amigo falla-me também de ciganos loiros: o facto é muito interessante. Sempre que o meu am° veja exemplares do genero, note-os, descreva-os e observe sobretudo neles a côr dos olhos.

134O livro levará algumas gravuras (um grupo e varios retratos de ciganos); espero com o auxilio do am° a que já me referi arranjar um album cigano.

Chuquel ses piréla Cocal terela

dizem os giganos: Cão que anda – apanha osso; isto é – quem porfia mata caça.

135Graças ao auxilio de meus amaveis collaboradores e em primeiro lugar ao seu, o livro não sahirá de todo mao. Infelizmente escasseia-me o tempo para esses estudos. Os trabalhos escolares de cada vez me demandam mais tempo.

136Creia-me seu am° m.to obg.do

F. Adolpho Coelho

137Espero poder enviar-lhe o 1.° exemplar do livro até 28 de setembro.

*

138Lisboa, 5 de Dezembro de 1892

139Meu caro amigo

140Depois de uma quarentena de dois meses para imprimir as ultimas folhas, gravuras e capa, sairam finalmente á luz Os Ciganos de Portugal, para que o meu amigo contribuiu de modo muito consideravel, como reconheço no prefacio e passim, fazendo-lhe apenas a justiça que lhe é devida.

141Envio-lhe num pequeno caixote pela grande velocidade 1 exemplar para o meu amigo e mais 5 para offerecer a quem lh’o mereça. Caso precise de mais algum exemplar enviar-lh’ohei.

142A questão dos Ciganos não ficou fechada, mas sim aberta. Ao meu amigo e aos seus proximos collaboradores compete em parte continuar. Aqui a Extremadura, como tenho podido verificar ultimamente, está minada de ciganos, sobretudo na zona ribatejana, mas o tempo e o ensejo de os estudar falta.

143Não abandone as suas investigações ; não desanime. Aqui em Portugal a unica paga que podemos receber é a congratulação de dois ou tres collegas d’estudo e o applauso da propria ciercia. Fóra d’ahi só o riso boçal da turba-multa dos imbecis, de cada vez mais imbecis.

144Todo seu

145Endereço

F. Adolpho Coelho

*

146Lisboa, 21 de Dezembro de 1892

147Meu amigo

148Logo que recebi da Sociedade de Geographia a primeira remessa de exemplares dos Ciganos enviei ao meu am° um caixotinho com 6 exemplares; deve ter recebido a respectiva guia; mas como até agora não deu signal de si, peço-lhe me diga se a encommenda de facto lhe chegou ás mãos; e, como eu recebi mais exemplares, dizer-me com franqueza de quantos precisa mais. A obra tem assaz larga circulação no paiz e fóra d’elle.

149Todo seu

F. Adolpho Coelho

*

150Lisboa, 19 de Janeiro de 1893

151Meu caro amigo

152Estimei muito saber que ficasse satisfeito com o modo porque eu aproveitei os excellentes materiaes que accumulou relativamente aos ciganos e que o meu livro o animasse a novas investigações que sem duvida permittirão esclarecer alguns dos pontos da questão ainda na obscuridade. Não desista do seu projecto! Espero escrever-lhe em breve sobre esse e outros assumptos, para o que me tem faltado e falta ainda agora o tempo.

153Junto guia d’um pacote contendo mais 5 exemplares dos Ciganos e fico aqui sempre ao seu dispôr.

154Creia-me seu amigo grato e dedicado

F. Adolpho Coelho

*

155Lisboa, 25 de Dezembro de 1899

156Meu prezado amigo

157Muitos agradecimentos lhe envio pela oferta das interessantes fotografias dos ciganos. Aquelas tendas improvisadas junto á muralha são do typo da que vi ha annos armarem uns ciganos em Almada.

158Desejo ao meu amigo e aos seus muito boas festas e que o inverno o não persiga, correndo-lhe bem o último anno que temos de atravessar deste seculo e muitos annos de novo.

159Seu muito aff° e amigo obg.do

160Data

F. Adolpho Coelho

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3859/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 41k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search