Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

Post-scriptum

Texte intégral

1«In der Beschärkung zeigt sich der Meister.» Não foi na pretensão de ser mestre, mas no desejo de imitar os mestres no que esteja ao meu alcance, que tentei conformar-me ao aforismo de Goethe.

2Alguns leitores portugueses (se os tiver) acharão no meu livro uma lacuna, de que aliás os preveni logo no começo: não me ocupo do problema da migração ou migrações dos tsiganos. Apenas por um erro de método é que eu poderia num livro que tem apenas por objecto um ramo mínimo dessa raça ocupar-me de semelhante problema, que só deve ser estudado à luz dos documentos que respeitam a todos os ramos dela e para que falta um elemento capital – o conhecimento da história dos dialectos neo-indus.

3Ante os homens da ciência não careço de me desculpar dessa lacuna; careceria ao contrário de fazê-lo, se porventura me abalançasse ao exame daquele problema. Tenho, porém, de pedir indulgência para a imperfeição da obra, resultante em primeiro lugar da dificuldade das investigações deste género em toda a parte e em especial neste país, em segundo da rapidez com que fui obrigado a prepará-la para a impressão e rever as provas, a fim de aproveitar uma ocasião que não voltará provavelmente tão breve a dar a lume, graças à autorização do estado para que a expensas suas fossem publicados os trabalhos destinados à X Sessão do Congresso dos Orientalistas.

4Agradeço a todos os meus colaboradores já referidos o auxílio que tornou possível o meu estudo; aos srs. directores da Biblioteca Nacional e do Arquivo Nacional facilitarem-me as investigações nesses dois estabelecimentos por eles administrados com rara boa vontade; e ao meu amigo sr. A. Neuparth as suas excelentes fotografias dos ciganos, que tomaram possível adornar o meu livro com uma parte gráfica, que por certo honra os artistas a que foi confiada.

5Não me despeço dos ciganos. Espero poder cedo ou tarde publicar um suplemento que preencha pelo menos parte das lacunas da presente obra, ao fechar a qual me acodem ao espírito, como ao abrir este post-scriptum, palavras do grande poeta filósofo:

Seh’ich die Werke der Meister an,
Se seh’ich das, was sie gethan ;
Betracht’ ich meine Siebensachen,
So seh’ich, was ich hätt’ sollen machen.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search