Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

Adições e correcções

Texte intégral

1Pág. 30, lin. 42. Em vez de – justifica – leia-se – justificam.

2Pág. 31, lin. 15 e 16. Em verdade além das referências nos documentos legislativos acerca da geringonça dos ciganos, há uma alusão à língua dos mesmos na passagem que transcrevi de Leitão de Andrada; mas nenhum autor português que eu conheça coligiu anteriormente ao meu colaborador sr. Tomás Pires termos dessa língua. O sr. P. Bartolomeu de Azevedo achou no cod. 840 do Arquivo Nacional, do século XVII, a fl. 28, numa série de anedotas insulsas, uma secção com o título: « Parvoisses Deluas tiradas por Ant.° Demendonça C.or nos 3 ou 4 annos que esteve em Eluas tomou por lembransa estas E da sua letra as terey», e entre elas o seguinte:

3«O Avou de fernão Roiz do amaral semdo Vreador foi hũ Conde dos siguanos a Cam.ra Dar As Graças aos Vreadores pelo auerẽ deixado Estar na cidade e despedrise e o tal Vreador lhe falou por senhoria e lhe pedio que se detiuesse para se achar em hũas festas que a cidade fazia e lhe quis falar em siguano dizendo-lhe: não saia V. S. que temos hũas festas em que hade auer muito mufo Mufo lililao bandeira no grimpo pape amarela. – Convem a saber: touros gente de cavalo com guiões e hũ comer que chamão entricla. »

4Tanto quanto posso julgar, nenhum desses termos singulares mufo, lililao, entricla, é cigano ou gitano. Ou a anedota é pura invenção ou o vereador se serviu de termos de alguma gíria ou os forjou por sua conta e risco; sendo histórica, tem a anedota o merecimento de nos dar a conhecer um aficionado dos ciganos no século XVII.

5Pág. 76, lin. 20. Uma nova leitura de Gil Vicente e Jorge Ferreira permitir-me-ia talvez ligar alguns dos termos populares desses autores aos da gíria posterior, sem todavia se poder afirmar a existência, aliás muito provável, de uma gíria portuguesa no século XVI. Assim o tempo galga, dado como de gíria por Monte Carmelo (vid. pág. 90) no sentido de fome, encontra-se já em Jorge Ferreira : « Porque ? tamanha galga trazeis vos? não ha tanto aqui à cea ». Ulysippo, act. 1, sc. 3.

6Pág. 77, lin. 24. Moscovia (coiro da Rússia) não é termo de gíria.

7Pág. 85, col. 1, lin. 26. Gabinardo, termo antigo na língua, não está talvez reduzido a novo termo de gíria, apesar de gabão ser mais usado pelo povo.

8Pág. 86, col. 2, lin. 36. Leia-se – s. m. – antes de – Homem alto.

9Pág. 89, col. 2, lin. 1. Basaruco é, como se sabe, o nome de uma moeda asiática de cobre; no século XVIII era provavelmente já empregado como termo de gíria, como hoje o é, e por isso incluído na lista de Paiva.

10Pág. 90, col. 1, linha 8. Chelpa ocorre já no século xvii:

Hora veja se presta;
Os capotes de grã bem guarnecidos,
Os rendados vestidos,
Carapuças de felpa,
Que custão bem de chelpa
Academia dos Singulares, ii, (1698), p. 412.

11Pág. 90, col. 2, lin. 11. Galfarro encontra-se com a significação de rapacissimus no Thesouro, junto à Presodia de Bento Pereira, p. 93 (3.a ed. 1661).

12Pág. 90, col. 2., lin. 17. O verbo derivado galrejar, de galrar, encontra-se no Dictionnarium latino-lusitanum de Jerónimo Cardoso.

13Pág. 92, lin. 29 e 31. Em vez de – maribando – leia-se – marimbando.

14Pág. 92, col. 2, lin. 21. Ugar encontra-se como alteração popular de igualar. O povo diz: «Não é da minha ugualha», para significar – não é da minha condição social, meu igual. É provável que em Paiva ugar seja essa alteração popular e não termo de gíria.

15Pág. 108, lin. 17. Em vez de – cogito – leia-se –cojito.

16Pág. 116, lin. 28. Em vez de sautoir leia-se sauterelle (fausse équerre).

17Pág. 127, lin. 41 (nota). Sobre a mudança de significação, vid. também G. von der Gabelentz, Die Sprachwissenschaft, ihre Aufgaben, Methoden und bisherigen Ergebnisse (Leipzig, 1891), p. 225-247.

18Pág. 130, lin. 17. O enigma do galo encontra-se na tradução francesa das Piacevole notte de Straparole (ed. Jannet, t.i, p. 292 seg.). Aqui o jogo de palavras da versão portuguesa era impossível; mas ele falta também na versão napolitana publicada no periódico Giambattista Basile, iv, 21, apesar das formas napolitanas o galo tomarem aqui possível esse jogo de palavras, que falta ainda noutras versões italianas citadas no mesmo periódico.

19Pág. 132, lin. 41 (nota). Chegou-me recentemente às mãos o escrito de Raoul de la Grasserie, De la possibilité et des conditions d’une langue internationale. Paris, 1892. O autor critica o Volapük e o sistema proposto pelo espanhol Bonifácio Sotos Ochando no seu Diccionario de lengua universal, Madrid, 1860; a língua que ele próprio propõe é fundada lexicologicamente sobre o grego.

20Pág. 136, lin. 28 (nota). Sobre a vis minima na linguagem, vejam-se também as valiosas observações de G. Gröber, Grundriss der romanischen Philologie, i, 231 e segs. e de G. von der Gabelentz, Die Sprachwissenschaft, p. 191-195.

21Pág. 143, lin. 27. Ganiços liga-se talvez a ganizes, peças (ordinariamente ossos, astragalos) de que faz uso no jogo do cucarne.

22Pág. 152, lin. 5, em vez de – dos ciganos – leia-se – das Ciganas.

23Pág. 169, lin. 12. No n.° 1213 do Elvense (20 de Setembro de 1892), falando-se dos quadros (ex-votos), representando supostos milagres, que se acham na igreja da Piedade em Elvas, diz-se: «Alli se vê a cigana – que passa por não ter religião – acurvada e de mãos postas ante o Senhor Jesus, agradecendo-lhe o te-la livrado, e a uma sua irmã, de umas sezões, que as assaltaram por occasião de virem de Évora assistir ás festas da Piedade. Lá está representada com o seu vestido de folhos, o seu chaile de cadilhos e o seu cabello negro como asa de corvo; vendo-se, a distancia, a arvore, sob a qual, em pleno campo, a irmã deitada sobre mantas listadas, curte as maleitas.»

24Este facto mostra, assim como outros, que não pode negar-se absolutamente a religiosidade aos ciganos, conquanto sejam naturalmente as formas inferiores da religião que eles atingem. Para o nosso povo, como para as ciganas que oferecem os seus ex-votos, a Virgem e os santos são pouco mais de fetiches.

25Só no momento em que mando para a imprensa a última prova desta folha é que me chega às mãos a publicação do Dr. H. von Wlislocki, Volksglaube und religiöser Brauch der Zigeuner (Münster, 1891), que sinto não poder já aproveitar.

26Pág. 171, lin. 16. No Alentejo diz-se que o rei (o chefe superior) dos ciganos reside em Évora; mas nesta cidade mesma parece nada correr a tal respeito.

27Pág. 191, lin. 32. Lê-se no Diário de Notícias de hoje, 8 de Outubro de 1892 (n.° 9 : 619) :

«Enterrou-se hontem no cemiterio dos Remédios, em Evora, o corpo de uma formosa cigana que falleceu naquella cidade.
«O cadaver foi conduzido e acompanhado por numeroso cortejo de ciganos.
«Antes de sair de casa houve as despedidas do costume entre aquella colonia, abraçando todos o cadaver e beijando-o, com uma musica de gemidos e gritos de dôr. Depois as mulheres da tribu ficaram saudando com os lenços até o cortejo desapparecer».

28Pág. 250, lin. 28. Chegou há alguns dias a Lisboa, vinda do Brasil, uma quadrilha de tsiganos, gregos ou turcos, que parece serem parte dos pretendidos narcotizadores, e terem sido expulsos daquela república. Eram treze mulheres, sete homens e vinte crianças. Dois dos homens traziam assás consideráveis quantias em oiro. Acamparam na Porcalhota, a alguns quilómetros de Lisboa, onde, diz-se, não cometeram nenhum roubo. Parece ser a mesma quadrilha que depois apareceu no Estoril, próximo de Cascais, com mais uns dez indivíduos e que, mal recebida ali, se internou na direcção de Sintra.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search