Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

Apêndice III Tipo físico dos ciganos

Texte intégral

1Desejoso de tomar menos imperfeitos, na medida de minhas forças, os dados sobre o tipo físico dos ciganos, procurei e tive ultimamente ocasião de examinar, ainda que em más condições e muito rapidamente, alguns ciganos domiciliados em Lisboa e de tomar até algumas medidas, em seis deles – duas mulheres e quatro homens.

2A mulher n.° 1 tem 38 anos; é regularmente nutrida, assim como outras sedentárias, no que se distinguem das nómadas; bem conservada, de feições bastante grosseiras; a n.° 2, representada nas nossas estampas n.os 2 e 3, tem 47 anos, é magra, mas bem conservada, apesar de ter sido mãe aos 14 anos.

3Os homens n.os 1 e 4 são bastante nutridos, ao contrário dos n.os 2 e 3, principalmente deste último, que é muito magro. O n.° 1 tem 22 anos, o n.° 2, representado nas estampas 4 e 5, tem 23 anos; o n.° 3 tem 28 anos; o n.° 4, representado nas estampas 6 e 7, tem 40 anos.

4Esses indivíduos são considerados como ciganos no bairro em que habitam. As mulheres e os homens n.os 2 a 4 nasceram em Lisboa; o n.° 1 veio com gente sua de Alhandra para aqui, assim como outros ciganos domicialiados no mesmo bairro. Reconhecem-se a si próprios como ciganos, excepto o n.° 3, que se diz português puro; todavia, apesar da coloração da pele e do cabelo, há caracteres que permitem considerá-lo de sangue cigano.

5A mulher n.° 2 pareceu-me de ânimo resoluto e firme, os homens mais timoratos, com excepção do n.° 4, apesar de este como os outros e a mulher n.° 1 serem muito nervosos. A mulher n.° 2 maldizia do nome de ciganos; enquanto o homem n.° 4, seu irmão, a repreendia, e parecia ter certa vanglória de ser cigano.

6A coloração da pele é trigueiro-pálida nas mulheres (manchada na n.° 2); mais carregada nos homens, excepto no n.° 3, em que é bastante clara.

7O cabelo é castanho escuro na mulher n.° 1, castanho claro no homem, n.° 3, preto nos outros. O homem n.° 3 tem o bigode aloirado.

8Os olhos castanhos em todos, excepto na mulher n.° 2 em que são esverdeados.

  • 1 Não temos, portanto, aqui, o nariz de dorso agudo, nunca achatado, dos tsiganos de Blumenbach.
  • 2 Eléments, etc., p. 298.

9O nariz é em todos moderadamente saliente; o dorso do nariz de perfil é convexo no homem n.° 2, recto ou quase recto nos outros homens e nas mulheres; mas em todos mais ou menos achatado, quase nada na mulher n.° 11. O plano inferior do nariz é horizontal (olha ligeiramente para diante no homem n.° 4). Os nossos exemplares não apresentam, por tanto, apesar da convexidade do nariz do homem n.° 2, nariz do tipo aquilino (n.° 2 do quadro de Topinard2), em que o plano inferior olha para baixo; todavia não se hesitaria em classificar vulgarmente o nariz do homem n.° 2 como aquilino.

  • 3 Blumenbach dá o rosto dos tsiganos como estreito à altura das arcadas zigomáticas; ao contrário, G. (...)

10O rosto nos 6 indivíduos é moderadamente comprido, mais comprido na mulher n.° 2 que nos outros, não apertado à altura das maçãs, ao contrário bastante salientes nos homens n.os 1 e 33.

11Os homens apresentam todos degenerações somáticas. Um tem um olho arruinado e padece talvez de lepra mutilante. A lepra tem um foco considerável nas imediações da Alhandra. Outro tem um braço anquilozado e atrofiado (consequência de tumor branco?) e úlceras nas pernas, tendo sido obrigado a deixar o ofício de caldeireiro, a que se destinava, para se entregar à venda ambulante; outro padece do peito e é evidentemente muito fraco. No dinamómetro de Collin marcou apenas a pressão de 30 quilogramas com a mão direita e de 23 com a esquerda. O mais forte de todos (n.° 4) marcou a pressão de 64 com a mão direita e de 34 com a esquerda, diferença explicada pelo facto de que padece de reumatismo, que lhe tem acometido as articulações do braço esquerdo.

12O homem n.° 3 apresenta uma notável depressão ou obliquidade da fronte.

13As gravuras 2 a 7 representam aproximadamente um quarto do tamanho natural. Deve ter-se em vista que foram feitas sobre fotografia em madeira, a que serviu de base um positivo sobre papel, apresentando as deformações irregulares desses positivos.

14Eis agora os resultados das medições:

151. Altura total (estatura):

  • 4 Sobre a estatura dos tsiganos em geral, vid. p. 182 n. Os ciganos observados são de elevada estatur (...)

Mulheres

Homens

1.a 1m,62
2.a 1m,63

1.° 1m,73 )
2.° 1m,69
3.o1m/74 (
4.° 1m,70

média 1m, 7154

162. Índice cefalométrico :

Diam. ant.-post. máx.

Diam. trans. máx.

ĺndice

1 ,a mulher

180mm

144mm

80

2.a mulher

191

145

75,91

1.° homem

194

147

75,77

2.° homem

189

148

78,30

3.° homem

186

150

80,65

4.° homem

201

150

74,62

17Média dos índices cefalométricos : 77,541

183. Índice nasal. A altura do nariz é medida da espinha nasal à raiz do

19nariz. A largura é a máxima na base.

Altura

Largura

ĺndice

1 ,a mulher

43mm

35mm

81,39

2.a mulher

50

29

58

Eis a nomenclatura da estatura segundo Topinard (Éléments, p. 463-464):
Mulheres
Homens
Estaturas elevadas
lm,58 e mais
lm,70 e mais
Estaturas acima da média
1m,69 a 1m,65
1m,57 a 1m,53 incl
Estaturas abaixo da média
1m,52 a 1m,40
1m,65 a 1m,60
Estaturas baixas
1m,60 e menos
1m,39 e menos
Tendo-me referido a pp. 163-164, n. 1, às variações da estatura sob acção das condições de vida, mencionarei um artigo recente, sobre o assunto, de Zaborowski, Les chemins de fer et l’accroissement de la taille in Revue scientifique, t. l, pp. 302-306, 3 Septembre 1892.
1 A média dos índices cefalométricos (ou índice das médias cefalométricas ?) de 13 tsiganos, dada por Topinard, Eléments, p. 409, é de 79,7.
Dois tsiganos da Alsácia medidos por Broca deram as seguintes cifras:
ĺndice
Diam. trans. máx.
Diam. ant.-post. máx.
191mm
147mm
1 homem
78,96
146
1 mulher
171
82,48
Segundo a nomenclatura dada por Topinard, ob. cit., p. 371, o índice da dolicocefalia vai até 69, o da sub-dolicocefalia de 70 até 74, o da mesaticefalia de 75 a 79, o da bracefalia de 80 a 90 mais.
Os nossos 6 ciganos apresentam índices cefalométricos do limite da sub-dolicocefalia e mesaticefalia até ao mínimo da braquicefalia.
Kopemicki achou o índice médio 77,40 em crânios tsiganos e de 80 em crânios de tsiganas. O índice cefálico médio de 10 crânios, medidos por Welcker, foi de 76,4; o de 9 crânios, medidos por A. Hovelacque, foi de 77,45.

Note 1: Segundo os dados do índice nasal no vivo, distribui Topinard (Eléments, p. 303-304) as raças humanas em 3 grupos. O primeiro, o dos platirínios, com índice nasal médio de 108,9 a 89,1, compreende todas as raças negras da África e da Oceania (incluindo os australianos); o segundo, o dos mesorinos, com índice nasal médio de 81,4 a 69,3, compreende as raças chamadas amarelas e vermelhas; o terceiro, o dos leptorinos, com índice nasal médio de 69 a 63, compreende só brancos. Os índices nasais extremos notados por Topinard são 153 (um australiano) e 50 (um galteha). Os nossos ciganos são, pois, individualmente mesorínios (1.a mulher e homens n.os 1 e 4) ou leptorínios (2.a mulher e homens n.°s 2 e 3); mas pela média entram no quadro da leptorinia. Topinard (L’anthropologie, 1877, p. 471) dá os tsiganos como leptorínios; mas ao traçar a classificação referida (Eléments, p. 303) põe hors cadre 6 tsiganos com o índice nasal médio de 75,4, que os faz entrar na mesorinia, conquanto teoricamente devessem entrar na leptorinia.

204. Dimensões do rosto.

  • 5 Nos dois boémios da Alsácia medidos por Broca a « largueur des pommettes » era no homem 133mm, na m (...)

Distância do mento à raiz do cabelo

Distância zigomática máx.

1.° homem

188mm

138mm

3.° homem

180

135

4.° homem

189

1265

215. Distância dos olhos. Abertura palpebral.

  • 6 Blumenbach achou estreito o intervalo das órbitas dos tsiganos que observou.

Distância entre os ângulos internos das pálpebras

Distância entre os angulos internos das pálpebras

Abertura palpebral

1.a mulher

34mm

94mm

30mm

2.a mulher

30

89

29

1.° homem

32

94

31

2.° homem

30

86

28

3.° homem

34

84

25

4.° homem

34

88

276

22Ao redigir o esboço antropológico dos ciganos estampado a pp. 163-165, servindo-me de notas tomadas por mim ou enviadas por meus amáveis collaboradores, surgiram-me dúvidas que a urgência do tempo não me permitiu desfazer com a rapidez necessária para modificar o texto escrito. Escrevi de novo ao sr. A. Tomás Pires, o qual com a sua habitual dedicação se pôs de novo em campo e por si e por seu amigo o sr. Fr. Lobão Rasquilha obteve alguns dados que corrigem ou completam os que me tinha enviado relativamente ao tipo físico dos ciganos.

  • 7 Este modo de ver é que não é regular. Em geral os homens dessa estatura consideram – -se e são cons (...)

23Com respeito à estatura diz-me ele: «A minha altura é de 1m,65 e classificando-a de menos que regular7, entendia que os ciganos, mais altos do que eu, se podiam classificar de estatura regular. Mas não. Geralmente (há excepções, encontram-se ciganos pouco mais ou menos da minha altura) são de estatura mais que regular, de 1m,70 para cima».

24Eis ainda outros esclarecimentos do meu infatigável colaborador.

25Há excepcionalmente ciganos de cabelos loiros, sobrancelhas e barbas da mesma coloração. O meu amigo sr. Augusto Neuparth colheu também a notícia de ter sido vista no Alentejo uma rapariga de cabelo loiro e olhos azuis, que fazia parte de um bando de ciganos, e nota-me que o adolescente do grupo de ciganos da nossa estampa n.° 1 tem olhos esverdeados.

26Em muitos ciganos nota-se certo prognatismo ou saliência do queixo inferior (vid. na estampa n.° 1 as raparigas terceira e quarta à direita).

  • 8 Alguns autores atribuem aos tsiganos cabelo frisado; p. ex. Groom in The Encyclopœdia britannica, t (...)

27Não se encontram ciganos de cabelo naturalmente encaracolado ou frisado. Apenas as ciganas solteiras usam caracóis artificiais feitos à mão na testa. Nunca o cabelo do cigano é encarapinhado8.

28Os dados, por certo insuficientíssimos, que reuni, permitem afirmar que os ciganos portugueses não apresentam um tipo perfeitamente unitário; mas não deixam por isso de oferecer dentro de certos limites de variação caracteres raciais importantes que se reproduzem noutros grupos tsiganos. Naturalmente os ciganos sedentários, mais sujeitos a mestiçagem ou modificações resultantes do modo diverso de vida, sobretudo da influência das cidades, não são os melhores exemplares para estudo, ainda que o próprio estudo dessas modificações interesse. O exame dos ciganos nómadas recomenda-se muito e a existência de indivíduos loiros e de olhos azuis entre eles excita deveras a nossa curiosidade. Trata-se do resultado de cruzamentos recentes ou há aqui um fenómeno atávico cujas causas remontam muito alto, isto é, a cruzamentos já no próprio solo índico?

29Todas as informações que sirvam para o estudo desse problema serão bem-vindas.

Notes

1 Não temos, portanto, aqui, o nariz de dorso agudo, nunca achatado, dos tsiganos de Blumenbach.

2 Eléments, etc., p. 298.

3 Blumenbach dá o rosto dos tsiganos como estreito à altura das arcadas zigomáticas; ao contrário, G. Lagneau, falando de boémios dos Vosges, diz: «figure regulière maigre, mais assez courte, et large au niveau des pommettes». Art. cit., p. 21.

4 Sobre a estatura dos tsiganos em geral, vid. p. 182 n. Os ciganos observados são de elevada estatura, assim como as mulheres.

5 Nos dois boémios da Alsácia medidos por Broca a « largueur des pommettes » era no homem 133mm, na mulher 121mm; a distância do mento à raiz do cabelo no homem, 178mm, na mulher 159mm.

6 Blumenbach achou estreito o intervalo das órbitas dos tsiganos que observou.

7 Este modo de ver é que não é regular. Em geral os homens dessa estatura consideram – -se e são considerados de estatura regular, como já foi dito. Os homens muito altos só é que estarão dispostos a ver as coisas de modo diverso. Um correspondente de Évora, que não é baixo, diz-nos também que a «estatura dos ciganos é a regular».

8 Alguns autores atribuem aos tsiganos cabelo frisado; p. ex. Groom in The Encyclopœdia britannica, t. x. (1879), p. 617.

Table des illustrations

Titre N.° 2
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre N.° 3
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre N.° 4
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre N,° 5
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Note 1: Segundo os dados do índice nasal no vivo, distribui Topinard (Eléments, p. 303-304) as raças humanas em 3 grupos. O primeiro, o dos platirínios, com índice nasal médio de 108,9 a 89,1, compreende todas as raças negras da África e da Oceania (incluindo os australianos); o segundo, o dos mesorinos, com índice nasal médio de 81,4 a 69,3, compreende as raças chamadas amarelas e vermelhas; o terceiro, o dos leptorinos, com índice nasal médio de 69 a 63, compreende só brancos. Os índices nasais extremos notados por Topinard são 153 (um australiano) e 50 (um galteha). Os nossos ciganos são, pois, individualmente mesorínios (1.a mulher e homens n.os 1 e 4) ou leptorínios (2.a mulher e homens n.°s 2 e 3); mas pela média entram no quadro da leptorinia. Topinard (L’anthropologie, 1877, p. 471) dá os tsiganos como leptorínios; mas ao traçar a classificação referida (Eléments, p. 303) põe hors cadre 6 tsiganos com o índice nasal médio de 75,4, que os faz entrar na mesorinia, conquanto teoricamente devessem entrar na leptorinia.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre N.° 6
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre N.° 7
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3850/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 59k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search