Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

Apêndice II Os ciganos do brasil

Texte intégral

  • 1 Doc. n.° 5.
  • 2 Doc. n.os 22 e 23.
  • 3 Doc. n.° 38, p. 267.
  • 4 Doc. n.° 34.

1Entre os documentos que reuni há um1 que nos mostra já em 1574 a pena de galés, imposta a um cigano, comutada em desterro para o Brasil. Não seria naquele século tal caso o único do género; mas é só no fim do século seguinte, em 1686 que vemos generalizado o desterro para uma parte do Brasil, o Maranhão2, conforme ao desejo que fora expresso, mais de meio século antes, por Miguel Leitão d’Andrada3. Enfim o Alvará de 17604 mostra-nos que no Brasil persistia o modo particular de vida dos ciganos e que, graças às condições particulares daquela nossa antiga colónia, eles se atreviam a praticar violências, reunindo-se em número e com armas.

2No Brasil, como em Portugal, como nos outros países europeus ou de civilização de origem europeia, as medidas legislativas não conseguiram fazer desaparecer os ciganos nem sequer os seus costumes inveterados.

3Um viajante inglês que percorreu uma parte do Brasil, no começo deste século, deu-nos a seguinte notícia que nos mostra bem a persistência daquela gente:

  • 5 Henri Koster, Voyages dans la partie septentrionale du Brésil depuis 1809 jusqu’en 1815, trad. de l (...)

4«Resta-me ainda falar de uma raça de homens; mas os indivíduos que a compõem não são em número bastante grande para que a classifiquemos entre as grandes divisões da espécie humana que formam a população do Brasil; esses homens excitam além disso menos interesse que os outros: todavia não se pode passar em silêncio os ciganos, (porque é assim que os chamam). Ouvi muitas vezes falar deles, mas nunca tive ocasião de ver só um. Bandos de ciganos tinham por costume mostrar-se noutros tempos, uma vez por ano, na aldeia de Pasmado e noutros sítios da província (de Pernambuco); mas o governador era inimigo deles, e como fossem feitas tentativas para prender alguns, as visitas acabaram. Pintam-nos como homens altos e bem feitos, de cor acastanhada com feições semelhantes às dos brancos. Vagueiam em bando, homens, mulheres, crianças; trocando, comprando, vendendo cavalos e jóias de oiro e de prata. As mulheres jornadeiam sentadas entre os cestos, em cavalos albardados; metem os filhos nos cestos misturados com a bagagem. Os homens são excelentes cavaleiros; quando os seus cavalos de carga estão ajoujados sob o peso, contentam-se com abrandar o passo das cavalgaduras, sem pensar em se apearem e repartirem as cargas por todos os animais. Diz-se que não observam nenhuma prática religiosa, que não vão nunca à missa nem ao confesso; acrescenta-se que se casam só com pessoas da sua raça5.

  • 6 Melo de Morais Filho, Os Ciganos no Brazil. Rio de Janeiro, 1886. 18.° 204 pp. O mesmo autor public (...)

5Ao que acabo de indicar se resumia o que apurara dos ciganos do Brasil quando me chegou à mão, por obséquio do sr. L. de Vasconcelos, um volume que se ocupa do assunto, mas com referência quase exclusiva aos ciganos do Rio de Janeiro6.

6O autor dessa obra começa por considerações de segunda mão sobre as primitivas migrações dos ciganos (tsiganos), com várias inexactidões; fala-nos depois da legislação portuguesa acerca desse povo e cita um decreto de 11 de Abril de 1718 segundo o qual «foram degradados os ciganos do reino para a praça da cidade da Bahia, ordenando-se ao governador que ponha cobro e cuidado na prohibição do uso de sua lingua e giria, não permitindo que se ensine a seus filhos, a fim de obter-se a sua extinção.» Não encontrei esse decreto nas minhas investigações. «Foi por essa data, segundo o sr. Pinto Noites, estimavel e venerando calon (caló) de 89 anos, que chegaram ao Rio de Janeiro os seus avós e parentes – nove famílias para aqui degradadas, em razão de um roubo de quintos de ouro attribuido aos ciganos». Segundo o autor, esse velho, de prodigiosa memória, deu-lhe notícia de famílias importantes brasileiras cruzadas com os ciganos, e de outras particularidades muito interessantes. Os degredados de 1818 entregar-se-iam às industrias dos metais: seriam caldeireiros, ferreiros, latoeiros e ourives; as mulheres rezariam de quebranto e leriam a buena dicha.

7O autor pretende que: «A reproducção entre si (entre os ciganos) deu-se em grande escala; o cruzamento com as tres raças existentes effectuou-se, sendo o cigano solda que uniu as tres peças de fundição da mestiçagem actual do Brazil». Aqui há um exagero evidente. De um lado, supondo rigorosamente histórica a notícia da migração das nove famílias, não pode admitir-se que tenham sido as únicas desterradas para o Brasil no século XVIII, para onde já anteriormente teriam ido algumas; de outro lado não é fácil de admitir, sem outras provas, que no brasileiro haja tanto sangue cigano como o autor parece estar disposto a aceitar.

8O sr. Melo Morais pretende, sem citar documento, que em 1803, com a traslação da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, passassem para ali mais ciganos, e fala-nos de um caló rico, Joaquim Antonio Rabello, sargento-mor do 3.° regimento de milícias da corte «a quem a historia nacional talvez um dia considere como um força nas agitações políticas da independencia».

9O alvará de 1760 proibia aos ciganos do Brasil comerciarem em escravos. O sr. Melo Morais fala-nos dessa lucrativa ocupação dos ciganos e alude a um M..., caló de raça, que alcançou imensa fortuna como medianeiro na compra de escravos e veio a ser marquês de B... Adaptando-se assim, pelos piores lados, à civilização brasileira, os ciganos não perdiam algumas das peculiaridades da sua raça. Ele elevava-se em verdade facilmente ao nível do brasileiro, porque o nível do brasileiro, era geralmente baixo. Esse fenómeno é apenas mais uma exemplificação da lei em virtude da qual um povo de civilização rudimentar se adapta tanto mais rapidamente à civilização de outro, quanto ela é menos adiantada.

  • 7 A. Weber, Indische Studien, t. iv (1858), pp. 393-430.
  • 8 Contento-me com indicar alguns elementos para o estudo da questão : J. Grimm, Deutsche Mythologie, (...)

10Num capítulo em que há outras muitas coisas inconsideradas, atribui o autor grande papel ao cigano como fonte de superstições brasileiras. Mas as superstições e os ensalmos que nos apresenta divergem muito pouco de superstições e ensalmos vulgaríssimos entre o povo português e aos quais me é impossível atribuir origem cigana, primeiro porque umas e outras são comuns nos diversos povos da Europa, e segundo porque podemos seguir a sua história, alguns séculos atrás no nosso país e por mais largo espaço de tempo noutros países. Os ensalmos e pragas dos ciganos, de mais, estão por tal forma cheios de elementos cristãos que logo à primeira vista se desconfia da sua originalidade. Sem dúvida na índia, de onde veio esse povo, encontramos coisas do mesmo género desde a remota antiguidade, já no Rig–Veda, e sobretudo no Atharvaveda7; encontramo-las também nos documentos de outras velhas civilizações, por exemplo nos textos cuneiformes de Babilónia, vulgarizados até nas obras de Fr. Lenormant; mas a comparação revela que o que dos ciganos do Brasil nos comunica o sr. Melo Morais se parece muito mais com os ensalmos das benzedeiras e feiticeiras portuguesas que com os exemplares indianos, assim como os ensalmos portugueses se parecem mais com os dos outros povos europeus que com os asiáticos. A minha conclusão é que os ciganos se apropriaram em Portugal dos formulários das nossas benzedeiras e feiticeiras. A demonstração dessa tese exige tempo e espaço de que agora não posso dispor.8

11As práticas de feitiçaria, os ensalmos das ciganas, como os das suas colegas portuguesas, são, por via de regra, em extremo prosaicas; todavia concebe-se que não deixe de produzir certo efeito a frase seguinte do nosso autor: «A cigana é a sacerdotiza da nossa theurgia popular ! »

12Na colónia cigana da Cidade Nova, diz o autor, não poderá haver menos de quinhentos habitantes. Os homens empregam-se geralmente no foro e são honestos. Nenhum foi até ao presente processado por ladrão; nos dois últimos decénios de sessão de júri apenas dois foram condenados e por ferimentos leves.

13Numa nota lemos que dois ciganos de Minas, alcunhado um o Beijo, parente de Pinto Noites, e outro o Rola, foram notáveis nos anais do crime; o primeiro contava mais de vinte mortes.

14«As mulheres não dão a mão a apertar aos homens, e estes, quando se encontram, trocam entre si como saudação as palavras: « Olé ! olá ! olô ! » Os filhos não beijam as mãos aos pais, estendem o braço, e com um tom de voz plangente e vagaroso, dizem : Abença… ? » Esse costume imitaram-no as crianças ciganas das portuguesas.

15Tratam-se por alcunhas, como os fadistas: tais são, o Beijo, o Rola, já referidos, o Catú, o Come-pólvora (ciganos de Minas), o Migim-Migim, o Papagaio, o Pernas finas (ciganos da Cidade Nova).

16Apesar dos casamentos consanguíneos, são raros os casos patológicos congénitos, excepto os frequentes de surdimudez.

17Os casamentos dos ciganos do Rio de Janeiro, informa-nos ainda o sr. Melo Morais, até 1850, não tinham passado da fase primitiva, assim como ainda hoje nas partidas de Minas, Baía e Maranhão, segundo o já referido Pinto Noites. O casamento era por via de regra o resultado de uma combinação dos pais e não a almejada consequência do amor. Se a um pai cuja filha não soubera conservar-se pura esta era pedida para noiva, ele não hesitava em revelar o segredo e tratava-se de a casar com um querdapanin (à letra: «faz-água», marinheiro, português, colono); e esse consórcio com o estranho importava a exclusão ignominiosa da tribo. Mas se a filha era virgem havia grande satisfação e preparava-se a festa da boda, para que eram convidados até os inimigos e em que havia danças, descantes, banquete.

18«Á meia noite retiravam-se todos para um lado da sala, adiantando-se os noivos e as duas madrinhas...

19«Sobre um movel, cinco lençóis, alvos como uma hostia, aromatizados com alfazema e salpicados de flores, achavam-se superpostos.

20«Quatro tochas accesas, encostadas a uma mesa, derramavam sobre o linho uma luz de ambar e ouro. As janellas fechavam-se, a inquietação transparecia em todos os semblantes: o rito sagrado do Gade ia cumprir-se.

21«E os padrinhos, que tambem eram quatro, desdobravam os lençóes, os suspendiam da cabeça, juntando as extremidades, passando um ao outro os cirios que sustinham, alongando o braço opposto e formavam o quarto onde o sacrificio incruento (?) deveria celebrar-se.

22«Então nelle entravam os desposados e as duas sacerdotizas...

23«Uma das matronas despia a noiva, deitava-a sobre um leito, introduzia-lhe o dedo indicador no vestibulo da vagina, despedaçava a membrana hymen, enxugando na camisa de cambraia as gottas de sangue da virgindade.

24«Vestida novamente, a um signal ajustado, os padrinhos largavam os lençóis, e o marido mostrava no Gade as rosas da pureza aos alaridos do festim...

25« O Gade, solemnemente acondicionado numa caixinha de preço, embebido de aromas suaves, coberto de folhas de alecrim, ficava pertencendo ao esposo, que o guardava para sempre como penhor de sua alliança».

26O autor do livro não consagra nenhumas observações particulares à religião dos ciganos; mas do que diz conclui-se que os do Rio de Janeiro adoptaram por completo o catolicismo na sua forma popular, de envolta com as superstições tradicionais portuguesas.

27«Logo que uma mulher gravida estava a termo, e que as dôres preparantes a arrojavam na cama, assistiam no quarto á parturiente tres parentas mais chegadas e na sala cantavam os visitantes cantos sagrados a Duvêl (= git. Debel), para suavisar os soffrimentos da enferma e dar boa sorte ao anjinho que ia nascer.

28«As comadres e tias, com talismãs milagrosos, com rezas infalliveis, com figas e bentinhos que lhe deitavam ao pescoço, apoiavam nos braços a doente, encorajando-a, soprando-lhe no rosto, fazendo-a recordar do quanto padecera a Virgem por seu bemdito Filho, quando viera ao mundo...

29«A creança era lavada com agua e vinho, numa bacia de prata; dentro deitavam collares e moedas de ouro, para que tivesse fortuna.

30«Depois da ligadura e córte do cordão, enxuto em riquíssima toalha de linho e crivo, defumada de alfazema, o pai a tomava no collo e a beijava com transporte.

31«As parteiras faziam a toilette, da partida, botavam juntinho o recem-nascido, o quarto se abria a meia porta, e os parentes entravam para vê-lo.

32«Para que os visitantes não trouxessem maus ares e não levassem a felicidade que tivesse trazido o pequeno, defumavam-se antes e depois de penetrarem no aposento.

33« Joias e objectos de valor cada um lhe offertava, presentes estes que vendiam, servindo o dinheiro para a compra do enxoval.

34«O nome que lhe punham era do santo dia, dos padrinhos, e, no caso de divergencias, lançavam sortes, sancionando-se religiosamente a decisão do acaso.

35«Na mesma noite ou na immediata havia cantoria e bailado.

36« O baptisado não differia dos nossos».

37Quando morria algum cigano havia lamentações (em prosa); se era um marido o falecido, «a viúva cortava os cabellos, deitava metade sobre a região precordial do finado e envolvia o rosto no vestido com que estava ao expirar o marido. Proferindo palavras cabalísticas, atirava tudo numa fogueira lustral preparada para este fim».

38«O sahimento dirigia-se á igreja...

39«O esquife, carregado pelos Terceiros, ia coberto de flores e borrifado de lágrimas.

40«A infeliz de pés descalços, vestida de eterno luto, os filhos e os parentes, acompanhavam-no...»

41Sigo a ordem adoptada pelo autor na sua exposição e não a que dei atrás ao meu estudo; por isso só agora chego a dois pontos que, segundo a minha disposição, deveriam ter precedido as observações sobre os costumes: os caracteres físicos e os psíquicos.

42Sobre o tipo físico apenas nos diz o autor que «presentemente o colorido da pelle varia e com elle a nuança dos cabellos e dos olhos». Numa família há «mulheres de adoravel beleza». A média da idade desse povo é de quarenta a cinquenta anos. Muito poucos chegam além, excepto na família dos Cantanhedes, em que os falecimentos não são vulgares antes dos setenta anos, tendo o autor verificado no obituário um de cem.

43Além do que a propósito dos costumes se colhe relativamente aos caracteres psíquicos dos ciganos do Rio de Janeiro, eis o que de mais preciso nos diz o sr. Melo de Morais no cap. vii:

44«Os desclassificados habitadores da Cidade Nova são na totalidade supersticiosos e desconfiados ; fogem dos outros homens, mas não lhe votam rancor, sentimentos hostis.

45«Com o desalento aninhado na resignação, attribuem os acontecimentos mais comezinhos a um destino de influencias inevitaveis e a cujos effeitos o indivíduo tem de ceder ou succumbir na luta.

46«Qualquer lance menos bondoso da sorte os abate, considerando-os desde logo irremediavalmente perdidos, desgraçados. – Dahi a sua pusilanimidade, o abandono em que tẽem cahido, a embriaguez a que se entregam para adormecer-lhes pesadumes innatos.

47«As mulheres calins, no infortúnio, são sublimes...

48«Ligando-se em matrimonio com corpo estranho são infelizes, vivem descontentes, uma ou outra se prostitue verificando-se que sempre com pessoa da mesma casta.

49«Os ciganos não se separam, unem-se; não se divertem, aborrecem-se; não discutem, resmungam; queixam-se e monologam comsigo.

50«Suas phrases são severas e concisas, os seus pensamentos melancolicos e aforismaticos, a sua voz azaphica, desigual.

51«Reconhecidos ao mais futil beneficio, as suas demonstrações revestem-se de apparato declamatorio, de expansões largas.

52«Entre si não se exploram, protegem-se; não se diffamam, exaltam-se; – são francos, bem intencionados, carinhosos.

53«Se morre algum, as despesas do enterro e missa correm por conta dos parentes, que, como uma divida contrahida para com o morto, incubem-se de soccorrer a viúva e encarregam-se dos orphãos.

54«As ciganas nunca separam-se de seus filhos pequenos, nem se descuidam dos desvalidos, aos quaes abrem coração materno. Conhecemos uma que é a Providencia de duas criancinhas a quem estremece e ensina todas as noites a orar por aquelle que já está no céo.

55Os ciganos da familia dos Costas são «notaveis como cantadores e tocadores de viola, francos e generosos».

56«O velho tronco (cigano) Luiz Rabello de Aragão perpetuou-se nos Rabellos – poetas e litteratos, e entrelaçou-se com a familia Cabral (também cigana), que nos tem dado oradores parlamentares, officiaes do exercito, homens conceituados no magisterio, no fôro, nos cargos de secretaria e na tribuna sagrada.

57«Dos Catanas, que nos persuadimos serem oriundos dos Laços, Antonio Curto e Fragas, ciganos destemidos e das tropilhas nomades, ha um medico que foi jornalista e a quem consideramos como collega distincto e intelligencia de relevo».

58Enquanto uma camada cigana se funde assim na nacionalidade brasileira, outra extingue-se lentamente na miséria, ao passo que uma terceira se mantém na vida errante.

59A poesia dos ciganos do Brasil, a julgar pelas amostras que tenho presentes, é apenas poesia popular, semi-culta ou culta brasileira em boca cigana; não porque ela seja uma reprodução servil, uma pura repetição, mas porque é uma produção em moldes e em matéria simplesmente apropriada pelos ciganos, cujo espírito se manifesta aqui apenas no carácter doloroso e pessimista predominante das composições, mas não de modo que, se a proveniência delas não nos fosse indicada, se nalgumas quadras não houvesse palavras ciganas, pudessemos suspeitar tal origem. Dolorosa, pessimista, é muitas vezes a poesia popular; é-o muitas vezes a poesia culta brasileira. Eis um exemplo cigano:

Eu sou estátua quebrada,
Sou um quadro sem ter luz; Sou um fantasma que vaga Entre o cipestre e a cruz.

Não sou estátua nem quadro, Até não tenho figura;
Sou espectro que vagueia
Que até nem tem sepultura.

60A seguinte composição, entre outras, não tem o menor característico cigano:

DESESPERANÇA E FÉ
« Ah ! meu ! filho os céos me parecem mais
altos, pois já não chegam a elles as minhas
preces.
(Da Ex.maMãe do Dr. M. Morais Filho).

«Meu filho, ou os ceos são outros, Ou tomaram mais alturas;
Pois já não chegam a elles
Os rogos das creaturas!
Já minhas preces não valem
Como valeram outr’ora;
Até do amor de Deus
Pareço privada agora».
«Ah! Mãe! não temais que um Deus Prive assim de sua graça
A quem como vós o ama,
A quem sua fé abraça!»
Leis immutaveis, eternas !
Não penseis que um dia mude
A face dos ceos... e deixe
Deus de amparar a virtude.
Como o sol que ás solidões
Manda seus raios, e aquece
Até a florinha, humilde;
Que nos abysmos floresce,
Assim Deus – Sol de grandeza, Pae de todos, Creador,
Faz reflectir sobre tudo
Os raios do seu amor.

  • 9 Vide, por exemplo, o que da capacidade de apropriação e incapacidade inventiva do negro diz O. Pesc (...)

61Não pode negar-se que em geral nessas produções dos ciganos brasileiros haja sopro poético: como se concilia este facto com a opinião dos que negam dotes poéticos à raça tsigana? Essa falta de dotes poéticos não é absoluta (e nisto modifico eu o modo de ver de Schuchardt, referido na minha n.° 2 a p. 195): os tsiganos têm talento poético secundário, não primário; isto é, por si sós não são capazes de produzir uma poesia sua; mas têm a capacidade de apropriação da técnica poética já desenvolvida por outro povo (e por técnica não entendo aqui só o que respeita à metrificação propriamente dita, mas todos os processos poéticos) e de produzir com esses elementos estranhos combinações novas e de valor. A história literária apresenta-nos exemplos muito consideráveis do mesmo género, e a etnografia dá-no-los similares noutros domínios da actividade humana9.

62O sr. Melo Morais fala-nos de uma gíria dos ciganos de que comunica os termos cabeça, maldade, ruindade, imprestabilidade ; amaro, covardia, fraqueza, impostura, mentira; topê, riqueza, luxo, asseio, felicidade; caconda, longitude, afastamento, escuro, deserto; batuesa, tudo que é triste, aflitivo, infeliz, pobre; e dá-nos no fim um vocabulário de 253 termos ciganos, que correspondem quase todos a termos dos ciganos de Portugal ou dos gitanos de Espanha; mas não nos diz como colheu esse vocabulário, de cuja autenticidade não há aliás razão para duvidar.

63As palavras tsiganas experimentaram no Brasil novas modificações, das quais a mais geral é a nasalização das vogais acentuadas (e ainda dos ditongos) finais; exemplos: aranin, rainha, git. erañi ; acans, olhos, git. acais, sacais; aron, farinha, git. roi ; brichindin, chuva, git. brijindia ; buchardin, espingarda, git. bruchardí, pieza de artilleria; busnon, negro, preto, escuro, git. busnó, estranho, bárbaro, gentil; calon, cigana; calin, cigano; churin, punhal, etc., git. churí, cuchilo. Os sons espanhóis parecem ter desaparecido por completo. A base do falar não é já o espanhol, como em Portugal, mas sim o português.

64O livro do dr. Melo Morais tem por objecto quase exclusivo, como já disse, os ciganos sedentários, especialmente os do Rio de Janeiro; apenas de passagem alude no texto «ás partidas ciganas, errantes pelos sertões», que teriam para nós muito mais interesse. Mas nas notas transcreve a seguinte notícia de um periódico (1885) :

65«Esteve acampado em Caçapava um bando de cento e tantos ciganos, que vinham de Minas e seguiam para o norte.

66«A proposito escrevem d’aquella cidade ao Pirilampo de Jacarehy:

67«Essa gente, cujos costumes são bem differentes dos nossos, acampou-se á margem do Parahyba, onde assentou sua morada, levantando 26 barracas de panno, um dos misteres de sua provisão de viagem.

68«Era um acampamento de paz, para onde affluiu esta população, movida da mais justa curiosidade. E, realmente, era de ver tudo a aquillo.

69«Dividida a comitiva em famílias, cada uma d’estas occupava uma barraca. Ahi utensílios domesticos, até alguns moveis e roupa, mostravam o capricho dos exquisitos viajantes.

70«Uma tropa cercava a «povoação» dos ciganos, que parece, tẽem enriquecido com o negocio dos animaes.

71«Vinte e tantos captivos da comitiva lavavam, lenhavam e coziam.

72«Os ciganitos e ciganitas creanças, em brinquedos, ás vezes, reflectiam-se nos raios do sol, porque collares, bichas e anneis de ouro eram em abundancia nos seus corpos.

73«Tambem nem um dos ciganos, de ambos os sexos, deixava de cobrir-se de ouro. Cordões antigos, de enorme grossura e em enorme quantidade, brincos e medalhas de tamanhos despropositaes, uma verdadeira riqueza «embelezava» aquella gente «mysteriosa, de barba e cabellos demasiadamente compridos».

74«A usura de certo é que tem feito aquella riqueza ambulante; nem por isso, porém, alguns deixavam de mandar tirar os respectivos retratos «que parecem gente» e deixam de passar bem. A sua « mesa » é appetitosa, sendo exquisita.

75«Naquellas moradias tudo é ordem, alegrias, «ouro».

76«Mas... cousa «notavel». Entre esses ciganos ha uma moça de uma formosura admiravel e uma velha essencialmente feia, que «perscrutam o futuro». Conhecem e contam a «sina» boa ou má dos que lhes fizerem um presente – uma bicha de ouro, prata, um bordado, 5$000, 2$000, l$000 réis, conforme dizem.

77«Aqui deixa-se ver que muitas pessoas de Caçapava sabem o que hão de soffrer, sua felicidade postera e até quando passarão d’esta para melhor.

  • 10 Como se vê dos dados que dele extraímos, é interessante o livro do Dr. Melo Morais, e mais o fora, (...)

78« Para finalisar : a comitiva vai de terra em terra negociando com animaes, escravos e com o «futuro» dos que não são ciganos, mas são incautos10.

79Não podemos, sem mais, julgar que essas quadrilhas errantes sejam sempre formadas, ou no todo ou em parte, de ciganos originários de Portugal, porque para o Brasil emigram, desde alguns anos pelo menos, grupos de tsiganos europeus de diversas proveniências parte das quais tem até vindo embarcar ao Tejo. Na destrinça desses elementos têm os etnógrafos brasileiros matéria para estudo.

80Ultimamente os periódicos portugueses transcreveram dos brasileiros notícias acerca duma quadrilha de ciganos, ladrões e narcotizadores. Eis duas dessas notícias, cuja perfeita veracidade não discutirei :

81«Em Nitheroy, Rio de Janeiro, acaba de ser presa uma quadrilha de bohemios que se dedicavam á pilhagem por um processo deveras curioso e cheio de novidade.

82«Homens mulheres e creanças, sabendo todos manejar habilmente vários narcoticos, utilisavam-se delles para adormecer as pessoas a quem queriam roubar.

83«Uma das queixosas chama-se Gustava Maria da Conceição e conta que á sua porta foi bater uma mulher acompanhada por uma creança pedindo esmola. Gustava ia dar-lhe 100 réis em nickel, mas, subitamente sentiu fugir-lhe a vista e caiu desmaiada. Quando tornou a si, a turca tinha desapparecido e com ella uma caixinha que a sr.a Gustava tinha sobre uma mesa contendo 84$000 réis em dinheiro, um alfinete com tres brilhantes, etc.

84«Outra queixosa é Maria José Nunes. Sentindo-se doente, alguem lhe inculcou uma curandeira, para a tratar. A mulher, para fazer os seus exorcismos, pediu a nota de maior valor que a sr.a Maria José Nunes tivesse em casa. Foi-lhe apresentada uma de 500$000 réis que a curandeira metteu dentro de um copo. Depois, a cigana deu-lhe a cheirar umas essencias e a sr.a Maria José adormeceu profundamente. Quando accordou já não viu a cigana nem os 500$000 réis.

85«Ha tambem uma outra queixosa, Arcelina Maria da Conceição, rapariga pernambucana. Foi adormecida e levada em seguida pelos bohemios, sendo obrigada a casar com um dos chefes da troupe.

86«É enorme o numero de crimes praticados pela quadrilha, que além de ciganos tem tambem indivíduos gregos, turcos, etc. Esta associação, porque o é, tem ramificações em todos os estados do Brazil, obedecendo a um chefe que recebe 40$000 réis por mez. O producto dos roubos é reunido em um cofre e distribuído 20 p. c. pela quadrilha e o resto para os chefes.

87«Os ciganos empregam-se durante o dia em vários misteres ambulantes, consertando louças, etc.; as mulheres fazem sortilegios, magias, etc. Assim conseguem insinuar-se no espirito das pessoas que se aproveitam do seu mister para as roubar. Além de objectos de valor e dinheiro, roubam tambem creanças e adultos se isso lhes apraz.

88«A policia prendeu em Nitheroy 10 homens, 10 mulheres e 17 creanças de ambos os sexos; foram todos photographados e os retratos expostos no salão do Paiz, onde muita gente tem ido vê-los.

  • 11 O Dia, n.° 1489, 25 de Junho de 1892.

89«A policia apprehendeu muitos valores, pedrarias, adornos de mulher, etc.11

90«Acêrca da quadrilha de bohemios que roubava as pessoas por meio de narcoticos, temos a accrescentar que chegaram ao Rio de Janeiro as bagagens dos larapios.

91«Diz o Paiz, referindo-se-lhes:

92«Entre o acervo de trouxas fedorentas, cestos e amarrados de todas as formas e volumes, em que repugna até pôr as mãos, ha duas malas, que vieram lacradas e foram abertas na secretaria da policia, á vista do agente que as acompanhou, do thesoureiro da repartição e outros funccionarios.

93«Dentro d’essas malas foram encontrados 3:945$500 réis em papel; 1:540 moedas de ouro, sendo libras esterlinas e de outros typos de diversos valores e nacionalidades; 939 moedas de prata; umas perfeitas, outras inutilisadas; um saco pequeno contendo pó amarello; um pequeno envolucro lacrado, com a declaração « este cordão pertence ao negociante Lazaro», 140 facas, garfos e colheres, grande quantidade de collares de coral com contas de metal amarello e cordões da mesma substancia; dois relogios e correntes de metal branco; tres grandes cachimbos, sendo dois de metal branco; um par de esporas de metal branco; 2$ 100 réis em nickeis; um pouco embrulho lacrado com a declaração « pertence ao marido da pernambucana», 3 carteiras com papeis, 1 livro e muitas outras bugigangas.

94«Ficou tudo depositado na mesma repartição, na mão do respectivo thesoureiro.

  • 12 Ibidem, n.° 1394, 1 de Julho de 1892.

95«Antes d’essa remessa já havia a repartição de policia d’esta capital, recebido de egual procedencia, uma letra aos mesmos gregos tomada e no valor de 12:000 drachmas, a vencer-se em 8 de fevereiro de 1895, quantia essa que fôra depositada em um banco da Grécia a 8 de fevereiro de 1889 e vencia o juro de 3 1/2% ao anno12».

96Sendo possível que o autor do presente livro venha a completá-lo mais tarde com um suplemento, agradecerá muito todas as notícias que lhe sejam enviadas acerca dos tsiganos do Brasil, tanto os de origem portuguesa como os de outras proveniências.

GRUPO DE CIGANOS ALENTEJANOS INDO PARA A FEIRA DE ALTER-DO-CHÂO

GRUPO DE CIGANOS ALENTEJANOS INDO PARA A FEIRA DE ALTER-DO-CHÂO

(O velho e a mulher à esquerda são os pais dos outros ciganos, excepto da mulher à direita, casada com o homem que está junto dela)

Fotografado no Almarjão por A Neuparth, fot. Amador

Notes

1 Doc. n.° 5.

2 Doc. n.os 22 e 23.

3 Doc. n.° 38, p. 267.

4 Doc. n.° 34.

5 Henri Koster, Voyages dans la partie septentrionale du Brésil depuis 1809 jusqu’en 1815, trad. de l’anglais, par M. A. Jay. Paris, 1818, vol. ii – Da curta notícia de Koster é extraída a que com o título de Zingaris au Brésil se lê in Nouvelles annales des voyages, t. IV (Paris, 1820), p. 474.

6 Melo de Morais Filho, Os Ciganos no Brazil. Rio de Janeiro, 1886. 18.° 204 pp. O mesmo autor publicou um Cancioneiro dos Ciganos, que não vi. O volume que examinei contém de pp. 113 a 155: Trovas ciganas e Novo Cancioneiro. Ha excertos de uma e outra colecção no Parnaso hrazileiro (Rio de Janeiro, 1885) do mesmo autor, o qual tenho à mão, t. ii, de p. 609 a 624.

7 A. Weber, Indische Studien, t. iv (1858), pp. 393-430.

8 Contento-me com indicar alguns elementos para o estudo da questão : J. Grimm, Deutsche Mythologie, caps. XXXVI, XXXVII e XXXVIII; idem, Ueber Marcellus Burdigalensis in Kleinere Schriften, ii, 114-151; Idem, Ueber zwei entdeckte gedichte aus der Zeit des deutschen heidenthums, ibidem, ii, 1-29; A. Kuhn und W. Schwartz, Norddeutsche Sage, etc. p. 431-444; A. Kuhn, Sagen, Märchen und Gebrauche aus Westfalen, ii, 119-215; Idem, Indische und germanische Segensprüche in Zeitschrift für Vergleichende Sprachforschung, XIII (1864), 49- -74. 113-157; John Brand, Observations on popular Antiquities, ed. 1877, iii, 255-319; William Henderson, Notes on the Folk Lore of the Northerm countries of England and the Borders. London, 1866, pp. 108-142; L. F. Sauvé in Revue celtique, vi 67-85; Fr. R. Marin, Cantos populares españoles, i, n.os 1054-1072; Mélusine; A. Birlinger, Aus Schwaben, i, 377, 404, 405, 441-463; etc. F. Adolfo Coelho, Romances, orações e ensalmos do Minho in Romania, iii (1874), pp. 269-278; Idem, Costumes e crenças populares in Boletim da Sociedade de geographia de Lisboa, 2.a série, pp. 633-668; Idem, As superstições portuguesas in Revista scientijica, (Porto, 1882), pp. 512-528, 560-578 ; e os outros trabalhos dos folcloristas portugueses.

9 Vide, por exemplo, o que da capacidade de apropriação e incapacidade inventiva do negro diz O. Peschel, Völkerkunde4 p. 515-516. Cf. Fr. Ratzel, Völkerkunde, i, 146-219-220; etc.

10 Como se vê dos dados que dele extraímos, é interessante o livro do Dr. Melo Morais, e mais o fora, se o autor não preferisse os efeitos literários ao rigor científico e conhecesse um pouco mais de perto a literatura etnográfica europeia ou, na falta desse conhecimento, não se perdesse em teorias, contentando-se com um esboço puramente descritivo. E de lastimar que, sendo ele médico não aproveitasse os seus conhecimentos especiais para nos dar um estudo antropológico dos ciganos brasileiros.

11 O Dia, n.° 1489, 25 de Junho de 1892.

12 Ibidem, n.° 1394, 1 de Julho de 1892.

Table des illustrations

Titre GRUPO DE CIGANOS ALENTEJANOS INDO PARA A FEIRA DE ALTER-DO-CHÂO
Légende (O velho e a mulher à esquerda são os pais dos outros ciganos, excepto da mulher à direita, casada com o homem que está junto dela)
Crédits Fotografado no Almarjão por A Neuparth, fot. Amador
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3847/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 188k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search