Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

III Esboço histórico e etnográfico

Texte intégral

1O Cancioneiro Geral, coligido por Garcia de Resende, começou a imprimir-se em Almeirim em 1515 e acabou de o ser em Lisboa «Aos XXVIIJ dias de setẽbro da era de nosso senhor Jesu Cristo de mil e quynhentos e XVI annos ».

2Uma das peças mais curiosas desse famoso livro é a longa série de apodos dirigidos ao próprio colector, a propósito da sua proverbial rotundidade, por Afonso Valente, peça que se encontra a p. 641 e segs. do tomo III da edição de Stuttgart, e a folhas 224 e segs. da primeira edição. O humor cómico de Valente parece inesgotável: os termos de comparação que lhe surgem no espírito lembram a maneira de Rabelais.

3Entre outras coisas bastante difíceis de entender, lê-se na composição mencionada:

Pareçeys hum pouco o frato,
preguador da vyda eterna,
Grega bebada, de parto,
antre cubas em tauerna.

4Assim se acha exactamente, e com a mesma pontuação, na edição de Stuttgart, o que prova que o sábio editor Kausler não compreendeu, pelo menos, os dois primeiros daqueles versos. Pelo sistema das estrofes da sátira de Valente, o primeiro verso deve rimar com o terceiro; corrige-se pois:

Pereceis um pouco o farto
prégador da vida eterna,

5o que é perfeitamente inteligível. Valente compara Garcia de Resende a um desses fartos e rotundos eclesiásticos, que pregam aos outros que cuidem das suas almas para evitar as penas eternas e ganhar a glória, enquanto eles não se descuidam do corpo.

6Resta saber o que é aquela «grega bebada de parto, antre cubas em tauerna»; aqui não há, ao que parece, incorrecção de texto; de outro lado não é possível admitir que Valente empregasse ao acaso a palavra grega, visto que ele se mostra forte nos recursos da língua, bom conhecedor dos termos apropriados.

  • 1 Jaubert de Passa, Essai historique sur les Gitanos in Nouvelles Annales des Voyages, t. XXXIII (Par (...)

7Diversas notícias mostram-nos que os tsiganos e em especial os gitanos e ciganos, isto é, os tsiganos de Espanha e Portugal, foram considerados originários da Grécia. É por essa razão que eles são chamados gregos nas Constituições da Catalunha1. Gil Vicente, na sua interessante Farsa das Ciganas «representada ao muito alto e poderoso Rey D. João, o terceiro deste nome, em a sua cidade d’Evora era do Redemptor 1521 », a qual os meus leitores encontrarão mais abaixo transcrita por completo, põe na boca de uma das personagens as palavras:

Mantenga senhuraz y rozaz y ricaz
De Grecia sumuz hidalgaz por Diuz.
Nuestra ventura que fue cuntra nuz,
Por tierraz estrañaz nuz tiene[n] perdidas.

  • 2 Em espanhol empregou-se gitano no sentido geral de egípcio, como, p. ex., na seguinte passagem do n (...)
  • 3 A Biblioteca Nacional de Lisboa tem um exemplar da edição feita En Alcalá de Henares, en casa de Ju (...)

8Os tsiganos em geral diziam-se vindos do Egipto e daí os nomes de gitano2, que têm na Espanha, de Gipsies, que lhes dão os ingleses, de Γύφτοι (Aίγύπτιoι), usado pelos gregos modernos, conjuntamente com Tζίγγανoι; mas é possível que alguns bandos se dissessem de origem grega. Num livro muito curioso do século XVI, espécie de pequena enciclopédia ou cartilha, como a que alguns dos eruditos mais distintos de então não desdenhavam de escrever (lembremo-nos da Cartilha do nosso João de Barros), intitulado El Estudioso Cortesano de Lorencio Palmireno3, encontra-se a seguinte passagem, em que se vê que havia fundamento para chamar gregos aos ciganos:

  • 4 El estudioso cortesano, foi. 35-36. No século XVII, Miguel Leitão d’Andrada escrevia a respeito dos (...)

9« Que son Gitanos ? Responde: Esta ruyn gete, año 1517, començo en Alemanha, adonde les llaman Tartaros, o Gentiles : en Italia Cianos. Fingem que salieron de Egypto menor, y que tienen su perigrinacion por penitẽcia: y para prouar esto muestrã cartas del rey de Polonia. Pero mienten, porque su vida no es de penitencia, sino de perros y ladrones. Vn hombre docto, año 1540, cõ muitos halagos recabo dellos, mostrassen la carta del rey, y vio con ella ser ya acabado el tiempo de su penitencia. Hablo con elles en lengua de Egypto, dezian, que como auia mucho tiempo que eran salidos de alla, no lo entendian. Habloles en Griego vulgar, como hablan hoy en la Morea y Arcipelago, vnos entendian, otros no: ansi, que pues todos no entienden, senales, que la lengua que traen es fingida, y de ladrones para encobrir sus hurtos, como la girigonça de los ciegos4».

10Palmireno foi um respeitável e eruditíssimo humanista, professor de grego na Universidade de Saragoça, e as suas palavras merecem todo o crédito. Supôs-se com razão que o hombre docto de que fala fosse ele próprio.

11Significará, pois, a palavra grega dos versos de Valente o mesmo que cigana?

  • 5 Esta interpretação da passagem de Afonso Valente foi publicada por mim no jornal A Borboleta (Braga (...)

12Sabendo que os tsiganos têm fama de se darem à embriaguez não restará muita dúvida de que essa interpretação seja exacta5.

  • 6 Le pays Basque, cap. vii, p. 139.

13«L’argent, diz, entre outros, Francisque Michel, sert aux Bohémiens à satisfaire leur goût prononcé pour l’ivrognerie: hommes, femmes, enfants, s’y livrent publiquement en toute occasion; ils en trouvent les moyens dans le gain qu’ils font à tondre les mulets, etc.6»

14Uma quadra espanhola diz:

  • 7 Apud Colocci, Gli Zingari, p. 232. Vid. todavia o que se diz mais abaixo com referência aos ciganos (...)

Un gitano se murió
Y dejó en el testamento
Que le enterrasen en viña
Para chupar los sarmientos7.

  • 8 A Itália oferece já no século XVI uma comédia, La cingana, de Gigio Arthemio Giancarli Rhodigino. V (...)

15Se a minha conjectura é exacta, temos na passagem de Afonso Valente o mais antigo testemunho português, de mim conhecido, acerca dos ciganos. A esse segue-se o de Gil Vicente na farsa aludida, que é o primeiro monumento da literatura propriamente dita em que figuram tsiganos. Cerca de um século havia de passar até aparecer a Jitanilla de Cervantes (1612), que é geralmente conhecido, com esquecimento do nosso escritor, como o primeiro que fez emprego artístico de tipos desse povo errante8.

16A Farsa dos ciganos é um documento precioso, traçado com evidente fidelidade, abstraindo da invenção cómica que introduz aqui e ali no quadro alguns desenvolvimentos.

17Entram quatro ciganas, Martina, Cassandra, Lucrecia, Giralda, que manifestam logo o carácter importunamente pedinchão das mulheres e crianças da sua raça. Falam um espanhol modificado na pronúncia.

  • 9 Na ed. de Hamburgo : rozua ; na ed. de 1586 rozica.
  • 10 Mi cielo estrellado é um cumprimento à pessoa a quem se dirige a cigana e não um aposto de Grécia, (...)

Mart.

Mantega, fidalguz señurez hermuzuz.

Cas.

Dadnuz limuzna pur la amur de Diuz;
Christianuz sumuz, veiz aqui la cruz.

Luc.

La Vírgen Maria uz haga dichuzuz,
Dadnuz limuzna, señuruz pudruzuz,
Tantico de pan, haré la mezura.

Mart.

Ó preciuza rozica9, señura,
EI cielo vuz cumpla luz deseuz vuestruz.

cas.

Dadme uma camiza, azucal colado,
Nieve de eira, firmai preciuzo.

Luc.

Dadme una saya, señur graciuzo,
Lirio de Grécia, mi cielo estrellado10.

Gir.

Señura, señura, dadme un tocado,
Antucha del cielo, sin cera y pavilo.
Ó ruza nacida en ribera del Nilo,
La Vírgen te traya buen siño y buen hado.

18Preparam-se para dizer a buena dicha:

Luc.

Andad acá, hermanaz, y vamuz
A estas señuraz de gran hermuzura ;
Diremuz el siño, la buena ventura,
Daran sus mercedes para que comamuz.

Cas.

Llamemuz á Claudio antes que nuz vamuz,
Carmelio, Auricio y haremuz fiesta,
Como hecimuz ayer por la siesta:
Vé á llamarluz y nuz esperamuz.

19Vêm os quatro ciganos, Liberto, Claudio, Carmelio, Auricio e tratam de fazer trocas de cavalgaduras, querendo receber, além de animais, algum dinheiro.

claud.

Cual de vuz otroz, senurez,
Trocará un rocin mio,
Rocin que hubo de un judio,
Ahora en páscoa de florez?
Y tengo dos especialez
Caballoz, buenoz que talez.

Aur.

Señurez, yo trocaré un potro
Que tengo, por cualquier otro,
Si mi volveiz mil realez.

Car.

Que dos burricos compré,
Moriscoz prietos garridoz ;
Ya loz hubiera vendidoz,
Mas antes loz trocaré.

Cla.

Ó señurez caballeroz,
Mi rocin tuerto os alabo,
Porque es calzado nel rabo,
Zambro de los piez trazeroz;
Tiene el pecho muy hidalgo,
Y cocea al cabalgar.

Aur.

Señurez, quereiz trocar
Mi burra vieja á un galgo?

20As ciganas cantam e dançam.

Mar.

no nuz curemuz desaz faranduraz.

Cla.

Puez que quereiz, Martina, que hagamoz?

Mar.

Cantemos la fiesta antez que noz vamoz
A buscar luz siñuz á estas señuraz.

Cantiga «En la cosina estaba el asno «Bailando,
« Y dijéronme, don asno,
«Que voz traen casamiento
« Y os daban en axuar
« Una manta y un paramiento, «Hilando.»

21Cantando e bailando ao som desta cantiga vão às damas e pedem de novo esmola.

  • 11 Na ed. de Hamburgo Duz ; na ed. de 1856 Diuz, como noutros lugares.

Mart.

Mantenga señuraz y rozas y ricaz.
De Grecia sumuz hidalgaz por Diuz11.
Nuestra ventura que fue cuntra nuz,
Por tierraz estrañaz nuz tiene[n] perdidaz.
Dadnuz esmula, esmeraldaz polidaz,
Que Diuz vuz defienda del amur de engaño,
Que muztra una mueztra y vende otro paño,
Y pone en peligro laz almaz y vidaz.

22Propõem-se a ensinar feitiços:

Luc.

Señuraz, quereiz aprender á hechizo,
Que sepais hacer para muchaz cosaz?

Gir.

Ezcuchad aquello, señuraz hermuzaz,
Por la vida mia qu’ez vuestro servizo.

Luc.

Si vuz, ruza mia, holgades con izo,
Hechizos sabreiz para que sepaiz
Los pensamientoz de cuantoz miraiz,
Que dicen, que encubren, para vueztro avizo.

mart.

Otro hechizo, que pozaiz mudar
La voluntad de hombre cualquiera,
Por firme que esté con fé verdadera,
Y vuz lo mudeiz á vuestro mandar.

Gir.

Otro hechizo os puedo yo dar
Con que pudaiz, señuraz, saber
Cual es el marido que habeiz de tener
Y el dia y la hora que habeiz de cazar.

23Dizem a buena dicha às damas:

  • 12 Na ed. de Hamburgo : Eza mano melibea, como se melibea fosse um adjectivo; é evidente que Melibea é (...)

Cas.

Mustra la mano, señura,
Non hayas ningun receio.
Bendígate Diuz del cielo,
Tu tienez buena ventura,
Muy buena ventura tienez,
Muchuz bienez, muchuz bienez,
Un hombre te quiere mucho,

Otroz te hablan de amurez;
Tu, señura, no te curez
De dar á muchuz escuto.

Mar.

Dadnuz algo, preciuza,

Cas.

Dadnuz algo, preciuza,
Puez que te digo tu sino,
Alguna poquita cuza.

Luc.

Muztra la mano, ruciña,
Lirio de hermozura,
Dirte he la buena ventura.
Mustra ca, señura mia,
Ora mustra acina acina.
Qué mano, qué siño, que flurez!
Qué dama, que ruza, que perla!
Por mi vida que por verla
Olvide loz miz amurez,
Veamuz que dice el sino,
El recado que te vino
No lo creas, alma mia,
Que otra mas alegria
Te viene ya per camino.
Durmiendo tu, fresca ruza,
Te viene el bien por la mar.
Luego tienez el mirar
De doncella muy dichuza.

Gir.

Diuz te guarde hermozura
Mustra la mano señura;
Porné ciento contra treinta
Que de los piez á la cinta
Tienez la buena ventura.
Tu haz de ser despozada
En Alcazar de Zal;
Con hombre bien principal
Te vemás bien empleada.

Mar.

Pintura de Policena,
Dame acá, dulce serena,
Esa mano cristalina.
Buena dicha, perla fina,
Tienez la ventura buena;
Tu has de ser alcaideza
Cierto tiempo en Montemor ;
Tu marido y tu amor
Será bien celoza pieza.

Cas.

Nueva ruza, nueva estrella,
O brancaz manoz de Izeu,
Tu cazarás em Viseu
Y tenráz hornoz de tella.
Alli haz de edificar
Un muy rico palomar,
Y doz parez de molinoz,
Porque todoz loz caminoz
Á la puente van á dar.

Luc.

Diuz te guarde linda flor,
Bendito sea el señor
Que tal hermosura cria.
Mueztra la mano, alma mia,
Por vida del servidor.
Fiosanda cazaraz
Aqueste año que vem
En Santiago de Cacem
Mucho rica, mucho bem.
Buena ventura hallaráz,
Buena dicha, buena estrena,
Buena suerte, mucho buena,
Muchas carretas, señura,
Y mucha buena ventura,
Placiendo á la Madalena
Que guarde tu hermozura.

Gir.

Muestra la mano, mi vida,
Aguela en tierraz desiertaz ;
Dos personaz traez muertaz,
Porque erez desgradecida.
Tu casarás en Alvito.
Señura, marido rico,
Muchuz hijos, muchuz bienez,
Mucho luenga vida tienez,
Buen siño, bueno, bendito.

Mar.

Mis ojos d’azor mudado,
Muestrame la mano, hermana:
O mi señura Sant’Anna,
Qué sino, qué suerte, qué hado !
Qué ventura tan dichuza!
Tu, señura graciuza,
Ternáz tierraz y ganadoz,
Cuatro hijos mucho honrados,
Mucho oro y mucha coza.

Cas.

O mi ave fénix linda,
Mi sibila, mi señura,
Dame acá la mano ahura.
Hermozura de Esmerinda
Tu tienez muchos cuidados.
Y algunos desviados
De tu provecho, alma mia.
Tienez alta fantasia,
E los mundos son mundados.
Un travesero que tienez,
De dentro del hallaráz
Un espejo en que veráz
Muy claroz todoz tuz bienez.

Luc.

Dad acá, garza real,
Gridonia natural,
Diré la buena ventura.
Viva tu gran hermozura,
Que esta mano ez divinal
Unaz personaz te ayudan
Á una coza que quierez;
Estas son dambas mugerez
Y otraz dos te desayudan.
Date un poquito á vagar,
Que aun está por comenzar
Lo bueno de tu ventura:
Confia en tu hermuzura
Que ella te ha de descanzar.

Gir.

Dad acá, Mayo florido,
Eza mano, Melibea12.
Por bien, señura, te sea
Buen marido, buen marido.
Na Landera cazaráz.
Nunca te arrepentiráz,
Y iraz morar á Pombal,
Y dentro en tu naranjal.
Un gran tesoro hallaráz.
El que ha de ser tu marido
Anda ahora trasquilado.
Mucho honrado, mucho honrado,

En muy buen siño nacido.
Naciste en buena ventura.

Mar.

Huerta de la hermozura,
Cirne de la mar salada,
Diuz te tenga bien guardada
Y muy segura.

Cas.

Señuraz, con benedicion
Oz quedad, puez no dais nada.

Luc.

No vi gente tan honrada
Dar tan poco galardon.

  • 13 A Biblioteca Nacional de Lisboa não tem a primeira edição das obras de Gil Vicente, a qual num exem (...)

24Tornárão-se a ordenar em sua dança, e com ella se forão13.

25Nas peças de Gil Vicente falam castelhano personagens muito diversas; todavia aqui não pode deixar de admitir-se que essa língua, com as suas deformações em verdade não generalizadas, é uma particularidade interessante do quadro. Os ciganos teriam de Espanha em tempos recentes; lá ainda não tinham aprendido a pronunciar bem a língua do país e não teriam chegado a falar a portuguesa.

26De facto as notícias históricas até hoje conhecidas estão de acordo com esta interpretação.

  • 14 P. Bataillard, De l’apparition et de la dispersion des Bohémiens en Europe in Bibliothèque de l’Éco (...)

27Um dos melhores conhecedores da literatura relativa aos tsiganos, Paul Bataillard, citou um documento que se julga ser o mais antigo a respeito dos tsiganos na Espanha, e no qual se refere a chegada a Barcelona, a 11 de Junho de 1847, de uma «multitud de Egypcios», que dali se espalharam, segundo a mesma fonte, pelo reino vizinho14.

28Foi muito provavelmente no Alentejo que Gil Vicente estudou os ciganos; a farça transcrita foi representada em Évora, como vimos. Tendo penetrado em Portugal, sem dúvida, pela fronteira da Extremadura espanhola, os ciganos achavam a província do Alentejo excelentemente adaptada ao seu modo de vida, para centro de irradiação de suas excursões. Os grandes espaços despovoados dessa província, os seus matagais, protegiam-nos contra as perseguições de que em breve se tomaram objecto.

  • 15 Vid. Documentos n.os 1 e 2.

29Nas cortes de 1525 ou 1535 ou nas duas (os documentos não nos permitem resolver ao certo este ponto) pediram-se ao rei providências contra os ciganos, o que motivou a lei de 1538, precedia do alvará de 152615. Por essas disposições legislativas vemos feita distinção entre ciganos e pessoas que vivam à maneira dos ciganos, algumas das quais eram naturais do reino; por certo vagabundos estranhos àquela raça e não representantes de uma velha camada tsigana do nosso país, porque não há nenhum dado histórico ou suposição bem fundada que nos autorize a pensar que a primeira vinda de ciganos para Portugal fosse anterior de muitos anos ao fim do século xv.

30Em Gil Vicente e nos mais antigos documentos legislativos por mim reunidos em apêndice a esta parte, acha-se fixado o nome de ciganos, facto curioso, pois em Espanha gitanos é o nome preferido. Nem um nem outro é nome nacional dos ciganos, que entre nós se chamam calés (sing. caló, fem. callí; vid. Voc.), talvez rons ou rones (vid. ron Voc., e romí).

31À forma portuguesa cigano correspondem as seguintes estrangeiras: romeno cigan; boémio (tcheque) cigán, cingán, cikán ; magiar cigany, búlgaro acigannƅ, aciganinƄ, ciganƅ ; grego médio άτσ ΄ιγχανος , τσ ΄ιγγανος ; em documentos latinos da Grécia acinganus ; italiano zingano, zingaro, alemão zigeuner. No espanhol ocorrem raramente as formas cingalo, zingaro, por imitação directa do italiano.

32Como a forma portuguesa se aproxima particularmente das formas da Europa oriental e central, é um problema por que caminho ela cá chegou. O mais natural era que imitássemos ou os espanhóis ou os italianos.

  • 16 Empregada, por exemplo, no Doe. n.° 16. Outros traslados do mesmo doc. têm sempre ciganos.
  • 17 Usada por exemplo nas Constituições synodaes do Arcebispado de Braga de 1639, xlix 1 : « E declaram (...)

33As denominações de gitano16 e de egípcio17 foram sempre entre nós puramente eruditas.

  • 18 Vid. o extracto da Miscellanea desse autor no fim do Apêndice I

34Nenhum documento legislativo atribui aos ciganos de Portugal indústrias de metais, ou outra qualquer lícita, excepto a de contratadores e tratadores de cavalgaduras. Se os bandos que se estabeleceram no nosso país conheciam a indústria de caldeireiro, cedo a perderam. Miguel Leitão d’Andrada exprime a respeito deles o desejo: «que não fossem ferreiros, que só vsão a fim de fazer gazuas e instrumentos de roubar18».

  • 19 A propósito dos costumes dos calandares da índia, diz o nosso historiador : « como homens santos nã (...)

35Da organização social dos ciganos nada nos dizem também esses documentos. A julgar por uma passagem de João de Barros, que todavia fala de modo muito geral, eles teriam condes19.

36Pouco nos dizem as disposições legislativas dos séculos xvi e xviii sobre a vida dos ciganos.

  • 20 Doc. n.° 2.
  • 21 Doc. n.° 6.
  • 22 Doc. n.° 7.
  • 23 Doc. n.° 6.
  • 24 Doc. n.° 12.

37Nas cortes de 1525 ou 1535 acusaram-nos de «muitos furtos que fazem e feitiçarias que fingem saber20». Do alvará de 1579 se depreende que eles procuravam viver juntos em certos bairros e tinham vestuário particular, a que se alude também noutros documentos posteriores21. A lei de 1592 proibe-os de andarem vagabundos e de viverem em ranchos ou quadrilhas22. A provisão de 1573 mencionava como crimes dos ciganos «muitos furtos e outros insultos e delitos, de que o povo recebe grande oppressão, perda e trabalho23». No alvará de 1606 esses crimes são « roubos e damnos que fazem aos vassalos com geral escandalo24».

  • 25 Doc. n.° 16.

38O alvará de 24 de Outubro de 1647 é o documento legislativo que contém mais particularidades que nos interessam25. Nele se faz referência ao vestuário, aos habitantes de mendicidade, à língua (geringonça), à buena dicha, às trocas de cavalgaduras, e aos jogos de corriola. Segundo Moraes e Silva, o jogo de corriola faz-se enrolando uma fita larga dobrada e metendo nas suas voltas um ponteiro, que, para se ganhar, deve ficar preso ao desenvolver a fita. Este jogo permitia fraudes e deu lugar por isso à frase cair na corriola, que significa «cair num logro, deixar-se enganar».

39As penas cominadas aos ciganos vão crescendo desde o primeiro documento legislativo conhecido até 1592. O alvará de 1526 ordena simplesmente que saiam do reino; a lei de 1538 ordena a expulsão, depois de terem sido açoitados, com baraço e pregão; as leis de 1557 e 1573 acrescentam as penas com galés; enfim a lei de 1592 mandou aplicar a pena capital aos que não saíssem do reino dentro de quatro meses, ou não se avizinhassem nos lugares. Nas leis posteriores desaparece, porém, a pena de morte, até 1694, para desaparecer de novo.

  • 26 Doc. n.°21.

40As feitiçarias, a buena dicha, a cartomancia, a irreligiosidade dos ciganos, deveriam aparentemente ser motivos para que a Inquisição não lhes poupasse perseguições. Nas minhas investigações não consegui todavia encontrar mais que um processo inquisitorial em que seja ré uma mulher dessa raça e nenhum em que seja reu um caló. Esse processo26 não tem outro interesse além do que resulta de nos mostrar em acção a pequena feitiçaria das ciganas para burlar um pobre homem, que, receoso, a vai denunciar. Garcia de Mira, a cigana processada pela Inquisição em 1582, fez entre outras coisas, aparecer a figura de um defunto num papel posto em água. Segundo a sua confissão servia-se para isso de pedra hume, com que brunia o papel. Os inquisidores não achando no caso a unha de Satanás e interessando-os pouco os segredos da química cigana, contentaram-se com repre ender a mulher, fazer-lhe restituir o dinheiro que recebera e pagar as custas do processo. A cigana, todavia, burlou sem dúvida o santo tribunal; se de facto as testemunhas viram o que disseram, Garcia de Mira serviu-se de alguma tinta simpática, cujo segredo não quis revelar.

  • 27 Vid. p. ex. Discurso del Dr. Sancho de Moncada, cit. a p. 92, Quiñones, Discurso contra los gitanos(...)
  • 28 Borrow, I, 163-164.

41Esse processo é porventura o primeiro do género que se faz conhecer das Inquisições de Portugal e Espanha. Borrow diz não ter encontrado nenhum exemplo de interferência da Inquisição de Espanha com os gitanos e busca explicar esse facto, à primeira vista singular, com uma gente, cujos costumes causavam por certo horror aos bons católicos peninsulares, que não podiam ver neles se não ateus, vivendo em pecaminosa concubinagem, encantadores e adivinhos27. O autor inglês comunica uma conversação com um velho eclesiástico, que fora inquisidor, personagem talvez de intervenção do autor, que lhe dá as seguintes razões de tolerância inquisitorial para com os gitanos, que, saídas ou não da boca de um verdadeiro ex-quisidor, me parecem corresponder à realidade dos factos: «A Inquisição olhou sempre para eles com muito desprezo para que se desse ao mais leve trabalho por sua causa; porque como nenhum perigo podia derivar dos gitanos, quer para o estado, quer para a igreja romana, era matéria de perfeita indiferença para o santo ofício, se eles vinham sem religião ou não. O santo ofício reservou sempre a sua cólera para gente muito diferente: os Gitanos foram sempre gente barata y despreciable »28. Borrow acrescenta por sua própria conta que a religião foi apenas máscara com que se cobriram os verdadeiros motivos das perseguições religiosas, motivos que eram a cobiça e a avareza. Não irei tão longe; sem negar esses motivos, não posso todavia deixar de reconhecer que outros existiam muitas vezes. O carácter acomodativo dos ciganos, que, em caso de necessidade, se casariam catolicamente, baptizariam os filhos, iriam à missa e à confissão, e confessariam, como Garcia de Mira, que as suas feitiçarias eram apenas embustes, em que o príncipe das trevas não tinha a mínima intervenção, contribuíam, com a miséria dessa gente, para que o famoso tribunal eclesiástico não cuidasse deles. Os ateus, os sectarianos professos, os feitiçeiros e as feitiçeiras que confessavam ter feito pacto com o diabo eram muito mais interessantes para os inquisidores.

  • 29 Doc. n.° 5.

42O documento mais antigo conhecido em que figura um cigano como nome português (João de Torres) é a provisão de D. Sebastião de 157429.

  • 30 Doc. n.° 7. Vid. também os docs. n.° 8 e 9.
  • 31 Doc. n.° 11.
  • 32 Doc. n.° 6.
  • 33 Doc. n.° 20.

43Já no século XVI alguns ciganos tinham passado ao que parece à vida sedentária; a lei de 1592 fala-nos de ciganos avizinhados30. O alvará de 1606 proibe que se lhes passem cartas de vizinhança, como faziam os corregedores de Lisboa31. Outros documentos mencionam provisões que eram dadas a alguns para andarem ou estarem nestes reinos, tais são a provisão de 157332, e a carta de André de Albuquerque de 165533.

44A julgar por esse último documento, eram naquela época muito poucos ciganos que havia no Alentejo e esses não andavam em vida errante, em quadrilhas; mas é de crer que muitos escapassem ainda às investigações policiais, graças às condições particulares da província. Ou esses ou novos bandos vindos de Espanha davam depois lugar à publicação de outras leis, que evidentemente não tiveram a eficácia que pretendiam, porque eles reaparecem sempre de novo onde se julgava tê-los extinguido.

  • 34 Doc. n.° 15.
  • 35 Doc. n.° 18.

45Nem tudo nos documentos que reuni coloca os ciganos a uma luz desfavorável. A carta do original e enérgico procurador da coroa, no tempo de D. João IV, Thomé Pinheiro da Veiga, de 164634, e o alvará desse rei de 164935 revelam-nos um facto esquecido, embora do maior interesse para a história e característica dos ciganos.

46Mais de 250 homens dessa raça se acharam alistados no exército português, desde a restauração do reino, servindo as fronteiras «com zelo e valor com que já foram muitos premiados».

47Thomé Pinheiro da Veiga, com a superioridade do seu espírito, livre de preocupações de raças, castas, classes e fidalguias de sangue, aproveita o caso daquele pobre cigano que serviu a sua pátria adoptiva «três anos contínuos com suas armas e cavalos à sua custa, sem soldo», combateu «valerosamente no campo, até deixar a vida», para o antepor ao daqueles, não poucos, que desse mesmo campo «infamemente fugiram, à vista dos que esforçadamente morreram ou pelejaram» e ao dos que vão às fronteiras, como a Ormuz, Malaca e Sofala, a vencer soldos e riquezas, com muitas condições, pedindo soldos atrasados, devidos ou não devidos, sem servir à sua custa.

48Esse facto basta para resgatar a raça cigana do opróbio de mais de quatro séculos e para nos fazer pensar em chamar os seus actuais descendentes, por uma política mais racional e humana que a dos nossos antepassados, ao convívio da civilização. Os tempos novos trouxeram uma grande tolerância sem dúvida; mas essa não basta. O cigano outlaw subsiste ainda ; subsiste ainda o seu modo de encarar o estranho como uma presa. É preciso que ele vença o espaço que o separa da sua concepção primitiva das relações das gentes para desaparecer com a sua individualidade étnica no nosso meio. A boa política não pode deixar de existir, a título de curiosidade etnológica para o estudo dos especialistas, um punhado de indivíduos que não se subordinam à organização social do país em que vivem, obedecendo aos hábitos tradicionais, mas que de nenhum modo são absolutamente refractários ao progresso e têm dotes naturais que os podem tomar proveitosos.

49O estudo antropológico e etnográfico dos ciganos oferece grandes dificuldades, em consequência do carácter desconfiado e supersticioso dessa gente. Pires afirma-se que eles não se deixariam medir e foi por via indirecta que ele obteve um pouco de cabelo de um. Todavia se eu pudesse viajar algum tempo no Alentejo alguma coisa conseguiria, recorrendo ao auxílio de um desses proprietários a quem os ciganos são gratos pela protecção que deles recebem. Mas sem um subsídio do estado ser-me-ia impossível proceder às investigações que tenho em vista. Pelo momento tenho que me contentar no que respeita ao tipo físico, com os dados obtidos pela simples vista, já por mim, já pelos meus colaboradores, e no que respeita aos caracteres físicos e aos costumes principalmente com as observações que me ministraram.

  • 36 Vid. P. Topinard, Éléments d’anthropologie générale (Paris, 1885), p. 463. Como é que se estabelece (...)

50Tipo físico. A estatura dos ciganos é vária, como tenho verificado nos exemplares que por acaso tenho encontrado. L. de Vasconcelos acha-os muito altos, alguns até agigantados. Pires, que primeiro me indicara essa estatura como mais que regular, modificou a sua observação numa feira de Vila Viçosa, onde viu grande número de ciganos, e classificou a maioria deles como de estatura regular. Mas o que entende ele por estatura regular? A experiência tem-me mostrado que o que entre nós se chama estatura regular se aproxima ou coincide (sobretudo de cima para baixo) com o que os antropólogos admitem como estatura média, e que vem a ser 1m,6536. Em geral o cigano não é inferior a essa estatura e excede-a muitas vezes. É magro, conquanto de aparência robusta, quando novo; de movimentos fáceis, ágeis. Nas mulheres mais baixas, a magreza é maior; a cintura delgada, os movimentos ainda mais ágeis que os dos homens.

51A cabeça é geralmente característica nas principais particularidades. Cobre-a um cabelo, na mocidade, farto, negro como azeviche ou, se prefere uma comparação já usada, como as penas do corvo, caindo direito, isto é, não ondulado, perfeitamente semelhante ao dos canarins e que ele usa bastante comprido. A forma da cabeça não dá (a julgar por inspecções rápidas e pouco numerosas) a impressão de franca dolicocefalia, nem da franca braquicefalia, o que não destoa da observação dos antropólogos que põem o crânio cigano nos limites da mesaticefalia e da sub-dolicocefalia. Apesar do cabelo, não se apresenta essa cabeça em geral como grande, antes produz a impressão contrária.

52O rosto é comprido, de maçãs geralmente um tanto salientes; enquadrado nos homens por uma barba cerrada ou em patilhas, negra como o cabelo e sobrancelhas, que são bem acentuadas; o mento em geral arredondado, mas nalguns exemplares um tanto agudo.

53Os olhos são muito negros, muito vivos; nas ciganas justificam às vezes o que se diz do tom misterioso, alternativamente melancólico e alegre dos olhos das mulheres de outros ramos do povo tsigano.

54O nariz é aquilino ou recto, não muito saliente, de dorso ora agudo, ora um pouco achatado.

55A boca, pouco rasgada, deixa ver duas fileiras de dentes bem conformados e dispostos, de grande brancura.

56A tez é trigueiro-pálida nuns, quase negra noutros, já por ser a cor natural, já pelo efeito do ardor do sol. A pele é áspera. Excepcionalmente aparecem ciganos mais claros.

  • 37 Sobre o tipo físico dos tsiganos, vid. P. Topinard, L’anthropologie (Paris, 1877), pp. 471-2; G. La (...)

57Os pés e as mãos são pequenos segundo alguns observadores. Pires na resposta a esse ponto do questionário que lhe dirigi escreve – grandes, o que concorda em parte com as minhas observações pessoais37.

  • 38 Hovelacque distinguiu dois tipos tsiganos «l’un fin, au visage plus allongé, plus ovale, aux traits (...)

58Segundo Pires, o tipo dos gitanos é o mesmo dos ciganos. O tipo de uns ciganos húngaros, caldeireiros, vistos pelos mesmo observador, em Maio de 1883, perto de Borba, era mais fino que o dos ciganos e gitanos38.

  • 39 Na resposta ao questionário que lhe dirige escreve Pires a respeito das ciganas: Há verdadeiras bel (...)

59L. de Vasconcelos diz com referência às mulheres ciganas que viu no Cadaval em 1887 e às que viu na feira de S. João em Évora em 1888 que são feíssimas. As que eu tenho visto eram feias, mas a imundície e os farrapos que as cobriam contribuíam sem dúvida para aumentar essa impressão. Mas outros observadores, entre os quais algumas damas, dizem-me terem visto algumas (nas Caldas da Rainha, no Algarve, etc.) bonitas, uma ou outra até digna de ser chamada bela39. A beleza da cigana é porém de curta duração: pouco depois dos vinte anos desaparece-lhe o viço da mocidade. Daí em parte a causa da má impressão de outros observadores, como de L. de Vasconcelos. Nos homens também se dá, conquanto talvez em menor grau, a perda precoce do viço da mocidade. Todavia Pires diz-me que os ciganos gozam da reputação de longevos. É certo que a perda do viço não é acompanhada da perda de forças. Ciganos e ciganas, de aparência juvenil ou decrépita, resistem a grandes marchas, deitam-se e dormem na terra muitas vezes húmida, lamacenta, sem tecto.

60Alguns dão saltos e pulos prodigiosos. Um correspondente de Barcelona conta que um, chamado Joaquim Canhoto, com dois pulos fez cair de um telhado uma navalha que lá tinham posto.

61Dormem pouco. Deitam-se, de ordinário, às 11 horas da noite e em rompendo o sol estão a pé.

  • 40 Diversos autores falam da nenhuma repugnância dos tsiganos por animais mortos de doença. Vid. Coloc (...)

62Alimentação. Não parece haver nenhuma particularidade nas suas comidas, que são as usuais do Alentejo. Um observador diz-me que comem pedaços de toucinho cru com pão, o que já vi fazer aos espanhóis da Estremadura (não ciganos). Comem toda a carne de porco, deitando-a, quando a têm na sua caldeira, onde (pelos menos certos bandos) lançam carne e peixe, tudo misturado, com alguma ave morta que encontram pelo caminho, ainda que em decomposição, e que suspendem a três varas ensarilhadas. Refere-me o sr. Ferreira Deusdado que, em Trás-os-Montes, os ciganos, numa época de fome, chegaram a desenterrar porcos, que tinham sucumbido a uma epizotia, para os comerem40.

63Comem bem quando têm dinheiro, como se vê pelas compras que fazem quando atravessam as povoações.

  • 41 « Amano poco il vino, preferiscono la birra e sopratutto gli spiriti. Uno dei più gran regali, che (...)

64Relativamente a bebidas as testemunhas são divergentes. Um observador não os crê bêbados habituais, conquanto bebem por ocasião da feira de S. João em Évora. Uma observadora julga-os amigos do vinho (cf. p. 151). Pires diz que são amigos das bebidas, principalmente de licores, mas que raras vezes se embriagam41.

  • 42 Esse gosto pelos doces parece ser geral nos tsiganos. Vid. Colocci, p. 188.

65Gostam muito de doces de que fazem grande consumo na feira de S. João em Évora42. (Comunicação do sr. Gabriel Pereira, director da Biblioteca Nacional).

66Fumam muito, homens e mulheres. Eu tenho já encontrado ciganas de cachimbo na boca.

67Caracteres psíquicos. O espírito do cigano é vivo, perspicaz relativamente ao círculo estreito de relações em que vive, susceptível talvez de o ser num círculo mais complexo de relações. (Pires acha-os muito inteligentes).

  • 43 Não se faz ordinariamente ideia do desenvolvimento intelectual possível sem o conhecimento da leitu (...)

68São analfabetos. Esta qualidade todavia não significa por si, como se figura a muitos, um estado de profunda miséria intelectual. A leitura e a escrita por si sós são apenas instrumentos de cultura, não a cultura mesma, instrumentos indubitavelmente necessários para uma verdadeira cultura, mas que podem também exercer uma acção puramente negativa quando não se ligam a um bem entendido sistema de educação. Faltam-nos infelizmente dados para apreciar bem o intelecto do cigano43. Tem ele uma boa memória? Quais as representações particulares que mais facilmente reproduz? As visuais? As auditivas? Tem a memória numérica que permite o cálculo mental? Sem dúvida ele tem a memória topográfica, condição sine qua non das suas translações constantes. Também possuem boa memória para os cantos (letra e música). Fala o seu rumanho, o espanhol e o português. Tem um certo número de conhecimentos tradicionais, que aproveita nas suas indústrias. Conhece ainda, como seus irmãos doutros países, as propriedades medicinais, os efeitos narcóticos de certas plantas? Tem alguns conhecimentos astronómicos?

  • 44 Gaston Paris in Revue critique, 1882, 2.a série, p. 257.
  • 45 Os tsiganos chegados a Forli no séc. XV conservavam a tradição da sua origem indiana, como se acha (...)

69Pouco pudemos apurar da sua capacidade para conservar tradições. Pode-se afirmar, que não há tradição histórica oral44, (todavia a asserção é talvez um pouco absoluta45.) Em verdade os ciganos nada contam hoje do seu passado aos estranhos; quando esmolam dizem «somos do Egipto, da terra do Menino Deus». Convém insistir na investigação do que os ciganos possam conservar do seu passado, principalmente de lembranças das perseguições de que nos séculos anteriores foram objecto. O resultado, ainda quando seja puramente negativo, terá por certo interesse.

70O cigano tem a paixão do seu modo de vida, em que não sente outras obrigações além da de acudir à sua sustentação imediata e à da sua família, pode dizer-se sobretudo à sua sustentação, pois a mulher é principalmente encarregada do cuidado dos filhos. (As nossas notícias sobre essas relações familiares não são em verdade suficientes.) A imprevidência e a aversão a todo o trabalho regular resultam daquela paixão e da sua falta de ambição, no sentido em que ordinariamente se entende essa palavra, porque ela também tem uma ambição – a dessa vida livre.

71Concebe-se facilmente como essas tendências dos ciganos os tornem impróprios para a vida militar, apesar dos factos contrários que já foram notados (p. 162). Pelas informações que obtive, sei que um cigano compelido em Elvas ao serviço militar desertou ao segunto dia e que os domiciliados em Elvas que são recrutados desertam também em regra.

72Parece que não são muito vaidosos. O gosto da ornamentação no vestuário liga-se, não a um sentimento de engrandecimento pessoal, mas sim a sentimentos estéticos. Todavia a humildade que o cigano tantas vezes manifesta ante os estranhos não é expressão de um sentimento espontâneo, mas de um hábito de precaução. A hipocrisia é a arma de defesa para ele; é ela e nada mais em geral que o faz adaptar, ainda que incompletamente, às práticas religiosas do povo em que vive. Veja-se o que abaixo dizemos dos baptizados, casamentos e enterramentos.

73É muito nervoso e emocionável; mas as suas emoções são pouco persistentes.

  • 46 Num artigo do periódico Das Ausland, XLIX Jahrg., p. 838 e segs., busca-se refutar a tese da irreli (...)
  • 47 Na índia há todavia grupos humanos, como os tchangar do Panjab, os quais têm sido comparados aos ci (...)

74É absolutamente irreligioso o cigano, como muitas vezes se tem asseverado dos seus irmãos extra-peninsulares e dos gitanos46? Como um povo originário da índia, dessa terra onde quase tudo tem impresso o cunho religioso, poderia chegar a ser irreligioso? À primeira vista a asserção afigura-se absurda e está-se no direito de pedir dela uma rigorosa demonstração47.

75Os ciganos têm, como vimos no Vocabulário, os termos debel e otibé, que designam Deus. Nos textos há algumas frases (n.os 41, 49 e 60, p. 36, 37) em que figura a palavra otibé. Mas o termo basta para que julguemos demonstrada a existência de concepções religiosas a ele ligadas? Toda a religião se manifesta principalmente em ritos. Têm-nos os ciganos? São pagãos ou cristãos?

  • 48 Em verdade Colocci diz p. 230: «... certo é che essi (os tsiganos) hanno per i morti lo stesso supe (...)
  • 49 Primeiras constituições Sinodaes do Bispado de Elvas. Feitas e ordenadas pelo Ilustríssimo e Revere (...)

76De culto pagão não se indicam entre eles nenhuns claros vestígios. L. de Vasconcelos dizia em 1887, numa carta, que «adoram os mortos», isto é, têm o culto dos antepassados; mas, consultado, não me deu razões para poder-se aceitar isso como averiguado48. Da seriedade das crenças dos ciganos como cristãos temos motivos para duvidar. Os ciganos não sedentários não se casam catolicamente e se baptizam os filhos (várias vezes) é por motivos de interesse. Segundo uma informação dada a Pires: «Não consta ver-se um cigano numa missa. (Mas vid. o texto n.° 60 que se refere precisamente a ouvir otebel, isto é, o padre a dizer missa.) Frequentam, porém, as igrejas rurais, fazem oração e deitam esmolas nas caixas.» Das antigas disposições eclesiásticas parece resultar que alguns se confessavam, com vontade ou sem ela49.

  • 50 Borrow diz com referência aos gitanos : « All, therefore, which relates to their original religion (...)

77Dos factos referidos parece concluir-se que os ciganos não são absolutamente irreligiosos, mas que neles o sentimento e o conceito religioso se reduzem a muito pouco50.

  • 51 Sobre o que separa a superstição da religião, vid. H. Steinthal, Ueber den Aberglauben in Zetschrif (...)

78São supersticiosos, como se indica abaixo; mas a superstição é distinta da religião. Crer, por exemplo, que duas pessoas que lavam as mãos na mesma água terão rixa nesse dia não se liga a nenhum conceito religioso, mas resulta do mecanismo psicológico, que aproxima as duas representações de mãos que agitam a água e mãos que se agitam em luta umas contra as outras, e admite sem reflexão um nexo causal entre os dois casos51.

79A quiromancia, a cartomancia e outros processos divinatórios podem ser também independentes de toda crença religiosa.

80É difícil ou antes impossível resolver a questão se o indiferentismo ou quase indiferentismo religioso dos tsiganos os caracterizava já ao saírem da índia ou se eles chegaram a esse estado, atravessando povos com crenças e ritos religiosos diversos, a que parcialmente pelo menos tiveram que adaptar-se, para escaparem a perseguições.

81Onde se revela por completo o estádio primitivo de cultura do cigano é na diferença profunda dos seus sentimentos e modo de acção, de um lado para com os da sua raça, os calés, de outro para com os estranhos, os jambos ou paios (paillos).

  • 52 Quando se diz que o tsigano não conhece autoridade, regra, princípio, preceito, dever (Colocci, p. (...)

82Para com os da sua raça reconhece o cigano direitos e deveres; para com eles tem até virtudes; para com os estranhos não reconhece, em geral, nem direitos nem deveres: o estranho para ele é apenas uma presa, que trata de aproveitar o melhor que pode, com a condição de o fazer o mais possível a seu salvo52.

83Quatro são os sentimentos principais dos ciganos para com os da sua raça: o amor extremoso dos filhos, a fidelidade conjugal, a fraternidade, o respeito dos velhos.

  • 53 Cf. Colocci, p. 229, que diz : « Gli Zingaro hanno uno sviscerato amore per la loro prole».

84Os cuidados que principalmente as mães têm pela prole são numerosos, conquanto a educação física que lhes dão com o fim de endurecer, de os habituar aos incidentes de uma vida dura e aventureira, pareçam à primeira vista excluir o carinho. Mas vê-se, por exemplo, o cuidado que têm em evitar que, quando as suas forças não se acham desenvolvidas, eles se fatiguem nas longas marchas: a mãe transporta às vezes três filhos ao mesmo tempo, dois às costas, metidos numa espécie de saco, e um nos braços. Quando é possível levam-nos num burro, enquanto eles vão a pé. O melhor que arranjam de alimentos é para os filhos53.

  • 54 Colocci, p. 227: «Per solito d’adulterio é raro fra le Zingare, tanto più che la loro beltà sparisc (...)

85A fidelidade recíproca dos cônjuges era lei firme noutros tempos, segundo a tradição. Um proprietário e ceareiro de Barbacena diz: «A cigana casada com um cigano que é infiel a este é abandonada de todos»54.

  • 55 Cf. Colocci, p. 154: «Una fratellanza sincera regna fra tutti gli Zingari e li unisce. In nessun al (...)

86A fraternidade é ainda hoje bastante notável. São raras as rixas entre os ciganos, que se encontram bem unidos em muitas ocasiões55. Segundo Pires, protegem-se reciprocamente e, em caso de prisão, ministram os meios de subsistência aos que estão prisioneiros, fazendo para isso até uso dos vales do correio.

87Em verdade um cigano velho queixou-se na feira de Vila Viçosa (Maio de 1883) a Pires da mudança dos costumes. Antigamente, disse ele, quando algum cigano era preso iam os amigos mais íntimos pedir a todos os outros ciganos socorros para o desgraçado e obtinham de 15 a 16 libras que lhe entregavam; hoje é raro que o peditório chegue a render 2 libras. As mulheres já não são tão rigorosas na fidelidade.

88O proprietário de Barbacena dá notícia de ter sido assassinado numa feira por trinta ciganos um da sua raça.

  • 56 Um informador fala todavia de chefes. Vid. p. 216.

89Os ciganos do Alentejo parece não reconhecerem chefes56.

90Para com os estranhos os ciganos são aparentemente muito corteses, respeitosos e não poupam lisonjas; mas a falta de veracidade, o intento de os lograr são a regra.

91A espoliação do estranho faz-se por uma série de processos, que vão num crescendo até ao atentado grave.

92O meio mais suave e mais frequente é o peditório. São sobretudo as mulheres e as crianças que pedem. A arte das ciganas no peditório é perfeita. Elas sabem comover principalmente com o espectáculo dos seus filhos nus, ou semi-nus, a descrição da sua vida de miséria, as mães portuguesas. Alcançando um primeiro objecto, pedem segundo, e depois terceiro, até que a caridade se canse. E não esquecerão jamais a casa das benfeitoras.

  • 57 Em geral não pedem dinheiro. Nas feiras, comunica-me Pires, só os ciganos mais moços pedem apenas c (...)

93Nos casais isolados (montes, no Alentejo), o peditório adquire já o carácter de uma imposição. Aqui não pedem só as mulheres e as crianças; os homens pedem também, geralmente pão, carne, lenha e principalmene palha para sustento das suas cavalgaduras57. É preciso satisfazê-los para que eles não recorram a outros processos mais violentos de espoliação.

94O imediato na escala desses processos é o roubo. Os ciganos roubam principalmente aves, animais domésticos, entre os quais cavalgaduras, e sustento para estas. O roubo à mão armada é muito raro, senão sem exemplo.

95O assassínio é também perfeitamente excepcional, quer feito no intuito do roubo, quer de defesa ou por vingança.

  • 58 Vid. O Dia, n.° 1511, 21 de Julho de 1892.

96Há pouco os jornais deram notícia de um assassínio praticado por ciganos em Chacim, comarca de Macedo de Cavaleiros (Trás-os-Montes) por um futilíssimo motivo. Os ciganos andavam com as suas cavalgaduras numa propriedade do parocho, cujo criado os intimou a saírem de lá. Então eles enfureceram-se e crivaram de facadas o rapaz58.

97Mas de todos os processos o mais frequente que o cigano dos dois sexos emprega para arrancar dinheiro ou algum objecto de valor ao estranho, é o logro, a burla, que se opera por modos muito variados e para que ele revela um talento especial, como se mostrará mais abaixo.

98Independentemente da necessidade que o impele, junto com o seu desamor ao trabalho legítimo, a lograr o estranho, não pode deixar de reconhecer-se um espírito de mistificação, que o leva a comprazer-se não só no furto do logro, mas até no próprio logro.

  • 59 O modo por que o cigano considera o estranho é perfeitamente próprio de um povo que se conserva num (...)

99Diversos factos provam que o cigano é susceptível do sentimento de gratidão para com o estranho que o protege, respeitando-lhe a propriedade e servindo-lhe até de intermédio fiel em negócios, principalmente na compra e venda de cavalgaduras59.

100Parecem ser muito limitadas as aptidões estéticas dos ciganos. Gostam de vestuários ornados, (mas essa ornamentação é muito rudimentar), de colares de contas (as mulheres), de abotoaduras metálicas; mas deixam cair em farrapos com facilidade esses vestuários que trazem até à última. Falece-lhes o instinto do asseio.

  • 60 Outros ramos da raça tsigana revelam considerável talento musical, principalmente os da Hungria. Vi (...)
  • 61 Ora se tem atribuído aos tsiganos talento poético ora se lho tem negado. A verdade parece-me ter si (...)

101Não têm música instrumental propriamente dita60. Quando cantam acompanham-se de castanholas e pandeiretas. Os seus cantos parecem não ter originalidade, ser apenas os cantos populares do país ou cantos espanhóis61.

102Os seus bailados são também reproduzidos dos populares do país ou da Espanha, principalmente dos últimos3.

103Têm os ciganos contos tradicionais e provérbios?

104Quando juntos, segundo um informador de Pires, falam em valentias e negócios de cavalos. São, em geral, muito faladores. Uma pequena discussão toma-se entre eles facilmente verdadeira algazarra.

105As aptidões industriais dos ciganos são menores que as de outros ramos da sua raça, visto terem perdido a indústria dos metais. As ciganas quando querem bordam com alguma perfeição. Os homens manifestam a sua habilidade sobretudo em encobrir as mazelas do gado que querem vender por bom, e noutras artimanhas de que abaixo se encontrará notícias. De todo o trabalho aquele pelo qual têm maior negação é a lavoura. Referiu-me o sr. Ferreira Deusdado, que é transmontano, que ciganos esfaimados, aos quais se oferecia em razoáveis condições trabalho agrícola, tentaram manejar a enchada, mas vendo em breve as mãos calejadas, largaram-na, dizendo preferirem morrer de fome a tal trabalho.

106A história mostra-nos que o carácter dos povos se modifica sob a acção de diversos agentes. Os alemães, os franceses de hoje conservam, por certo, peculiaridades que nos fazem ver neles os descendentes dos germanos de Tácito e dos celtas de César; mas que modificações profundas ao lado dessa limitada persistência de velhos caracteres ! O gitano, o cigano experimentaram já, nos quatro ou cinco séculos que passaram imergidos no meio peninsular, grandes modificações, algumas das quais pouco próprias para os fazer seguir no caminho do progresso. Na Espanha, a obra da assimilação tem progredido muito mais que em Portugal, para o que contribuiu sem dúvida o interesse que lá tem inspirado o gitano e por ventura certos característicos comuns ao andaluz e ao cigano; enquanto nós, povo de indiferentes, nada queremos saber do cigano e só sabemos o que o acaso nos obriga a aprender.

  • 62 «La Ungheria, che li sa più artigiani che agricoltori, non li obbliga al lavoro della terra che per (...)

107Em diversos países grupos tsiganos, alguns dos quais numericamente consideráveis, têm abandonado a vida nómada, o latrocínio, para se tomarem sedentários e se entregarem a misteres lícitos62.

108Completarei este esboço psicológico com algumas notícias relativas à língua, indústrias, costumes.

109Língua. Como já se disse os ciganos de Portugal falam o português e espanhol, além do rumanho ou romanó. No Alentejo falam o português com a pronúncia alentejana.

110O rumanho é só falado entre eles, especialmente quando bebem.

111Afirma-se que todos fizeram, o juramento de o não ensinarem a ninguém estranho à raça, e que é mais fácil um cigano deixar-se matar que descobrir o segredo da sua língua. Comunicou-me o sr. conde de Ficalho, que tendo interrogado um cigano alentejano acerca da sua língua particular, este lhe dissera que hoje quase ninguém a sabia, buscando assim desviar o interrogatório sobre um assunto para ele melindroso.

112Uma senhora, mulher de um lavrador alentejano, conseguiu saber de crianças ciganas, a quem dava esmolas, alguns termos que comunicou a Pires e formaram o ponto de partida de suas investigações. As crianças tinham revelado os termos a medo e pedido à dama que as não denunciasse, porque seus pais as matariam se o soubessem. Essa senhora habitava em 1883 em Pena Clara, mas havia já quarenta anos que tinha aprendido os termos em o monte (casal) da Defesa, perto de Vila Fernando.

113Pires encontrou em Dezembro de 1883 um cigano, menos escrupuloso, que lhe disse que o rumanho que falam os ciganos alentejanos é o mesmo que o dos espanhóis e pretendeu que os húngaros (tsiganos caldeireiros, que têm vindo ao Alentejo) falam a mesma língua. Esse cigano ditou o calendário impresso nos textos, mas não deu a sentença relativa a Novembro, por mais que Pires teimasse com ele, declarando que muito tinha ele já dito, e que se os seus soubessem lhe cortavam a cabeça.

114Todavia, os que conhecem alguma coisa do rumanho conseguem mais facilmente obter informações sobre ele dos ciganos. Foi o que aconteceu a L. de Vasconcelos.

  • 63 O segredo da língua é geral nos diversos ramos da raça tsigana : « ... non deve credersi che il rac (...)

115«Os ciganos em estando juntos, só se entende o que eles querem; são como os cordoeiros da Galiza, que não se entende o que dizem em estando juntos e falam em português». Informação do proprietário de Barbacena63.

116Parece que os ciganos sedentários de Lisboa conhecem em geral pouco do rumanho, ou romano, como eles dizem. Os de Évora não conservam vestígios dessa linguagem, segundo informação do sr. António Francisco Barata, conhecido escritor e bibliotecário da Biblioteca pública daquela cidade.

117Vestuário. Armas. Pires enviou-me a seguinte descrição do vestuário dos ciganos alentejanos.

118Os homens usam jaqueta, usualmente de estracã ou fazenda semelhante, curta, muito justa ao corpo, com refego nos ombros, canhões com botões de alamares, que são de prata no vestuário dos ricos, de cordão entrançado ou de fita no dos pobres.

119O colete é aberto, de três ou quatro botões, com a gola voltada.

120As calças, de casimira ou de cotim, alargam para baixo, tomando sobre o sapato essa forma de polaina a que se dá o nome de boca de sino, exactamente como as calças do fadista. É a forma preferida pelos ciganos abastados; os pobres usam calças direitas.

121Os sapatos ou botas são brancas. O chapéu é de aba larga, preto ou de cor de café com leite. A camisa é de tecido branco ou chita estampada; as meias brancas.

122Os ciganos abastados usam lenço de seda ao pescoço, grandes botões de oiro na camisa e relógio com grossa corrente. Tanto esses como os pobres trazem sempre esporas.

123Os pobres aparecem nas feiras com o vestuário roto, esfarrapado, sem meias, com o calçado arruinado e alguns com grandes tesouras de tosquia de gado, metidas nos coses das calças, aparecendo as asas por cima das cintas.

124Usam todos um varapau curto e poucos trazem navalha.

125Se são atacados, defendem-se ou com as tesouras ou com o varapau. Alguns têm espingardas de caça.

126As mulheres abastadas usam vestido de chita de cores vivas ou azul com pintas brancas, um pouco curto, com quatro ou cinco ordens de folhos, a partir da cintura; o corpete é justo e afogado; a manga curta, com franzidos ou lisa.

127Trazem muitas saias (como as ovarinas), de modo que formam grandes ancas. Pende-lhe de uma fita, em regra de seda, que põem ao pescoço, uma cruz de oiro.

128Da cintura desce-lhe um avental de chita com grandes enfeites de fitas.

129Às costas lançam um pequeno chaile de cor (azul, verde, etc.), com largas franjas.

130Das orelhas pendem-lhes grandes brincos de oiro. A cabeça é coberta com lenço de seda ou algodão, de cores vivas.

131Usam, enfim, sapatos ou botas brancas ou pretas.

132As ciganas pobres usam vestido de cores vivas, mas ordinariamente sem folhos e um corpete largo; não usam colar ao pescoço e muitas andam descalças.

  • 64 Sobre o vestuário dos tsiganos em geral, vid. Colocci, p. 190-194. O vestuário dos ciganos deriva s (...)

133As ciganas, em geral, apartam o cabelo ao meio e dividem-no aos lados. Atrás fazem um grande periquito; pregam-no com ganchos e atam-no com fitas de cores, e aos lados arranjam grandes caracóis sobre as orelhas com o cabelo entrançado, pregando-o com ganchos. Outras trazem o cabelo entrançado caído pelas costas abaixo, com laços de fita nas pontas. Untam-no com azeite de oliveira64.

134Há uma quadra popular alentejana, colhida por Pires, relativa ao cabelo das ciganas:

Penteei o meu cabelo
Para trás como as ciganas!
Agora posso dizer
Que os trajos fazem as damas.

  • 65 « I fanciulli non ricevono fino a dieci anni il vestito. – Ora però in quasi tutti i paesi sono sta (...)

135As crianças dos dois sexos não têm pela maior parte, até aos 7 ou 8 anos, outro vestuário além da camisa, muitas vezes esfarrapada, e trazem o cabelo sujo e emaranhado65. Os adolescentes solteiros, pobres, andam em geral descalços.

136Todavia, segundo uma outra informação, algumas ciganas vestem os filhos, se porventura obtêm da caridade alguma roupa de criança.

137Domicílio. Estâncias. Viagens. Muitos ciganos abastados ou remediados acham-se domiciliados em Évora, Portel, Moura, Estremoz, Vidigueira, Vila Viçosa, em diversas terras da Estremadura e até alguns em Lisboa; daí partem para as feiras e diversas excursões, como os que têm vida errante. Estes, no Alentejo, estanceiam nos arredores dos montes (casais) e ao ar livre. De Inverno fazem grandes fogueiras com lenha dada pelos lavradores, ou que eles apanham, e constroem alguns abrigos com mantas e cobertores seus, ou nos fornos e cabanas das herdades, ou em casas meio arruinadas e abandonadas. Têm enxergas em que se deitam e que nas jornadas servem de aparelho às cavalgaduras.

138Vagueiam de monte em monte (casais, no Alentejo), estacionando junto de cada um algumas semanas seguidas.

139As comidas, durantes essas estações, são feitas pelas mulheres e ao ar livre, e de ordinário pedem ao lavrador ou lavradora tudo o que precisam para seu sustento, de modo que os ciganos constituem, como observa Pires, uma verdadeira praga do lavrador alentejano.

140Com os seus hábitos de cortesia, pedem prévia licença ao lavrador, que não lha recusa de ordinário, porque os teme como roubadores de gado.

141Na Vila de Barbacena, lugar pobre, habitaram há alguns anos, durante um Inverno, umas casas derrubadas na rua do Forno uns ciganos, que, segundo o informador, já mais vezes referido, dessa localidade, parecia que estavam bem, pelo luxo que rompiam.

142Ninguém lhes pedia renda dessas casas arruinadas.

143Os ciganos do Alentejo, segundo as informações de Pires, não têm tendas nem carros. Segundo uma informação do sr. António Francisco Barata, os ciganos que vão à feira do S. João naquela cidade não levam carros, mas levantam tendas fora da muralha, se não têm casa na cidade.

144Na Estremadura improvisam muitas vezes uma tenda com uma peça de linhagem ou outro tecido que fixam de um lado a uma parede a certa altura, de outro no chão e que assim lhes serve de abrigo.

145Fazem longas marchas a pé, mas transportam-se também a cavalo, indo às vezes dois e três no mesmo animal. Pelo caminho alguns vão caçando, para o que têm galgos. Os pobres nómadas vão às feiras com todos os indivíduos da família.

146Por ocasião das feiras, pobres e abastados estacionam num campo ou outro lugar próximo, ao ar livre, debaixo das árvores, se as há.

147Chegados a um lugar novo para eles, tratam de se orientarem e conhecerem bem os arredores, percorrendo-os, sob o pretexto de caça, para saberem onde poderão ir roubar.

148Para onde vão levam, os seus gados, que deixam pastar em volta do seu acampamento, presos pelo pescoço uns aos outros ou peados. Quando não há pasto, põem-lhes em frente golpelhas com palha.

149Em Lisboa residem algumas famílias ciganas, no bairro oriental, há muitos anos; outras vieram-se fixar aqui, recentemente, de diversos pontos da Estremadura.

150Comunica-me o sr. António Francisco Barata que em Évora vivem e pousam ciganos no bairro de Cogulos, na rua de Santa Maria e travessas próximas dessa rua; mas só 4 famílias têm residência fixa ali; os demais ciganos têm casas arrendadas para residência temporária, entrando e saindo. Arraiolos (e Torrão, como me diz o sr. Gabriel Pereira) não admitem os ciganos, repelindo-os à força.

151Ocupações, indústrias. Essas ocupações e indústrias reduzem-se quase exclusivamente para os homens à venda, troca e preparação para a venda e troca de gado muar, cavalar e asinino, à venda de fazendas (principalmente na Estremadura), contrabando, à tosquia de gado, e ao roubo.

152Não são criadores de gado, mas passam por bons conhecedores. São em geral bons cavalheiros. Alguns têm sido toureiros.

153Algumas ciganas (e mais raramente ciganos) residentes em Lisboa são negociantes ambulantes de panos.

154Concorrem às feiras (não há nenhuma no Alentejo e na Estremadura em que não apareçam) com seus gados e outras mercadorias. Nos negócios de troca de cavalgaduras querem saber receber dinheiro além de animais. Enganam com grande astúcia os compradores e trocadores, até os que se julgam muito finórios.

155Um lavrador do Crato contou-me que um vizinho dele vendera uma burra viciosa aos ciganos; foi a uma feira e comprou-lhes uma burra que julgou ser bem diferente de sua. De volta a casa, um vizinho disse-lhe que a burra parecia a mesma que vendera aos ciganos. O comprador em breve verificou que assim era, porque apenas o animal transpôs uma cancela, deitou a correr como era seu costume.

156Pintam os animais e disfarçam por todos os modos os seus defeitos.

157Fazem crer que um animal velho e cansado é vivo e bravo, pondo-lhes em cima a palma da mão, em que escondem um agulha, com que o picam, para que pinoteie.

  • 66 O negócio de cavalgaduras pertence ao número das mais antigas ocupações dos ciganos. Vimo-lo já fig (...)

158Um sportman desejava um cavalo de determinada cor; um dia apareceu-lhe um à medida dos seus desejos, que comprou; mas pouco depois reconheceu que fora burlado por ciganos que tinham pintado o animal66.

  • 67 Os ciganos perderam cedo, ao que parece, a indústria dos metais (vid. p. 159), que conservam noutro (...)

159Não consta que os ciganos se ocupem nas indústrias dos metais67. O informador de Barbacena diz : « Só me lembro de aparecer aqui um que trabalhava de ferreiro e fez uma safra ao João Ferreiro, que é onde malha o ferro».

160No Alentejo e talvez nas outras províncias não há diferença de ocupações entre os ciganos abastados e os pobres; mas os primeiros não esmolam e só vão aos montes para negócio; vivem nas povoações e trajam melhor.

161Ocupações das ciganas. Nenhumas ciganas em Portugal têm por profissão o canto e a dança. Além dos cuidados familiares, vemo-las comerciarem em fazendas, como os homens, lerem a buena dicha, serem curandeiras (o que parece raro), mendigarem com maior ou menor frequência, sem viverem exclusivamente da mendicidade, fazerem bruxarias e sobretudo roubarem e burlarem os estranhos por diversos meios.

  • 68 Sobre a quiromancia dos tsiganos em geral, vid. Colocci, p. 208-211 ; sobre a buenaventura dos gita (...)

162A buena bicha não goza hoje entre o povo de tanto crédito como noutros tempos; todavia nas terras de província, é principalmente para as raparigas, um divertimento, que se paga a troco de alguns vinténs, chamar uma cigana (mais raramente um cigano: os homens também às vezes lêem a buena dicha) e ouvir delas a sina. A buena dicha lê-se nas linhas da palma da mão68.

163As ciganas também deitam cartas, modo de divinação em que têm muitas rivais portuguesas, algumas das quais têm feito fortuna. Uma cigana, segundo a informação de uma senhora que residiu no Algarve, onde a encontrou, fazia uso na cartomancia de um baralho e cartas muito pequeno e com desenhos não vulgares.

164As bruxarias das ciganas têm por fim burlar os pobres de espírito, arrancando-lhes dinheiro e objectos de valor, já em paga dos seus serviços, já subrepticiamente. São sobretudo vítimas as esposas que desejam reconciliar o amor do marido infiel, os namorados e particularmente as namoradas que aspiram a ter firme a afeição do objecto amado, os ambiciosos que cobiçam tesouros escondidos ou a pronta multiplicação dos seus haveres. Referi-me já ao processo inquisitorial de Garcia de Mira, que no século XVII nos apresenta exemplos das artes mágicas das ciganas. Darei notícia de alguns casos modernos do mesmo género, a que em Lisboa e proximidades se dá o nome de bagatas (vid. p. 141).

165Há anos em uma cidade do norte de Portugal uma esposa hospedara em casa umas ciganas que não tardaram em descobrir que o marido dela não era fiel aos deveres conjugais; e, como se tivessem por efeito de suas artes misteriosas penetrado no segredo, se propuseram quebrar o encanto que prendia o adúltero à mulher ilegítima. A pobre esposa, dominada pelas feitiçarias, prestou-se a ministrar os meios de fazer o grande feitiço, cujo resultado era asseverado infalível. Era preciso passar às mãos das ciganas o melhor objecto de oiro que houvesse em casa: a esposa entregou-lhes um valioso cordão de oiro, que não correria perigo, porque tudo seria feito à vista dela. O cordão foi pelas ciganas envolvido em pano com um pouco de cabelo loiro, da cor do da bela, causa do ciúme; o pano foi cozido à linha, e no embrulho, formando uma almofada, espetaram-se muitas agulhas. O feitiço devia ser posto durante oito noites debaixo do travesseiro do infiel, sem ele saber nem suspeitar tal coisa, porque se o soubesse ou se alguém lhe tocasse antes de findo o prazo, não só se teria malogrado o feitiço, mas ainda resultariam grandes males. Fez-se tudo como as ciganas indicaram. Elas disseram que iriam dar umas voltas e viriam ao fim dos oito dias para desfazerem o feitiço. Mas os dias passaram e as feiticeiras não voltaram. A esposa aflita resolveu-se a abrir o embrulho enfeitiçado; mas o cordão não estava lá.

166Com o título de Bruxarias da actualidade, lê-se no Diário de Notícias, de 31 de Maio de 1884 (n.° 6 : 591) :

167«Deve ser julgado hoje, no 1.° distrito criminal, um processo a respeito de crime cuja história nos parece interessante, e que, se revela astúcia da parte dos autores, não é decerto um grande elogio à esperteza dos queixosos. Não antecipamos juízos, vamos aos factos.

168«Em princípios de Abril do ano passado apresentou-se no comissariado da 1.a divisão Gonçalo António Rodrigues, morador na quinta Pequena do Vale Escuro, queixando-se de terem ido a sua casa duas ciganas, dizendo uma delas à mulher do queixoso que a outra adivinhava, e por isso soubera que naquela casa havia um baú escondido, desde o tempo dos franceses, completamente cheio de dobrões em ouro de cinco moedas cada um, e oferecendo-se para atraírem o referido baú. O queixoso e a mulher não acreditaram nem deixaram de acreditar, ficaram em dúvida; mas, apesar disso, autorizaram as mulheres a fazerem o que entendessem necessário para descobrir o apetecido baú. No dia seguinte apareceram novamente as duas ciganas e pediram uma bacia de mãos com água e cinco pedras de sal, recomendando as ladras ao ingénuo queixoso que deitasse na bacia todo o dinheiro e ouro que tivesse. Tudo lhes foi satisfeito. As milagreiras deitaram fogo ao sal e este ardeu!!! De roda da bacia estavam as duas ciganas, o queixoso e a mulher, cada um com cinco fósforos acesos na mão e rezando uma estação ao Santíssimo, estando na casa, sobre uma mesa, um Santo Cristo, tendo em cada lado uma vela acesa. O queixoso e a mulher vendo arder o sal acreditaram no poder das matronas. O caso era simples, – o que ardia eram umas pedras de cânfora, porque as de sal tinham sido substituídas por estas. Acabada a oração, pediram um ovo fresco que deitaram em uma talha juntamente com o ouro que estava na bacia, afirmando que, se o ovo aparecesse cozido, era sinal certo de que o baú queria que o tirassem do esconderijo. Desta vez ainda se foram embora, pedindo duas garrafas para no dia seguinte levarem, uma cheia de água de sete fontes e outra com água benta de sete pias.

169«Voltaram no dia seguinte, com as garrafas cheias; veio novamente a bacia em que elas deitaram o conteúdo das garrafas, juntando-lhe o ouro e dinheiro do queixoso; em seguida tiraram o ovo que realmente estava cozido (pudera, cozido estava ele antes de entrar na talha) e disseram ao queixoso que o picasse, e deitasse por sua mão na água da bacia. A milagreira então esborrachou o ovo, misturou tudo e extraindo a água, deitou-a num quarto aonde diziam, deveria estar o baú. Embrulhando o ouro numa toalha, guardaram-na numa cómoda. Dois dias depois, ainda voltaram, tirando outra vez o ouro, metendo-o numa púcara de barro, que fecharam num baú, cuja chave deram ao queixoso para que este a deitasse no poço afim de atrair outro tesouro, recomendando-lhe que não tocasse no baú, nem mesmo o fizesse estremecer, pois que observadas estas prescripções o baú aparecia na noite de S. João ao cimo da água do poço e elas o puxariam com uma fita. Assim que o queixoso deitou a chave no poço, as santas mulheres despediram-se, dizendo que era só o que faltava para os queixosos ficarem ricos, porque elas por sua parte só aceitariam o que eles dessem, porque não podiam pedir nada.

170«Os objectos de valor que serviram a este estúpido manejo, foram cinco cordões, uma corrente com uma medalha, dois anéis, dois pares de botões, dois corações, uma medalha, um crucifixo, tudo de ouro, duas moedas de dez mil réis, duas de cinco mil réis, dez libras, e dinheiro em prata quarenta mil e quinhentos, fazendo o total de réis 356$000.

171«Como era de esperar, os queixosos passaram o mês de Maio a espreitar à borda do poço a chegada do baú, porém, o teimoso não aparecia. Afinal, com a chegada de Junho, os calores próprios da época, aqueceram-lhes o ânimo e resolveram arrombar o baú. Encontraram a púcara tapada com a toalha que lhe tinham posto.

172«Olharam um para o outro ainda na dúvida de a destapar, porém, o queixoso, mais audaz, levantou um pedacinho e... grande foi a decepção! O misterioso cofre não tinha dentro um só dos valores que lá deviam estar!

173«Correram à polícia, deram parte do facto e como consequência instaurou-se o processo. Foram quatro as rés pronunciadas; duas, as ciganas, autoras principais do crime, ainda não foi possível prendê-las; há uma afiançada e a quarta que deve ser julgada hoje, chama-se Maria da Conceição, também cigana, é acusada como cúmplice, por ser em sua casa que se concertou o plano do crime, e por se ter aproveitado de parte do fruto, pois recebeu uma libra, apesar de lhe terem prometido quatro para se calar».

174No periódico O Dia, de 6 de Junho de 1892 (n.° 1 : 498), lê-se com o título de A buena dicha :

175«Haverá uns dez meses apareceram em Mafra duas ciganas, que se entregavam ao patusco mister de lêr a buena dicha a quem quer que se lhes explicasse com dois vinténs.

176«Uma rapariga do sítio parece que declarou às ciganas que vivia desgostosa e contrariada por Cupido a todo o transe.

177«As ciganas, aproveitando a credulidade da pacóvia amorosa manquée, disseram-lhe que no seu futuro haviam de dar-se factos de alta magnitude. Elas encarregavam-se de lhe ler a buena dicha, mas em casa da rapariga e sem testemunhas, porque a mais ligeira indiscrição tiraria toda a virtude à operação.

178«Concedido.

179«As ciganas uma vez a sós com a rapariga, pediram-lhe oito libras em ouro, mas como ela não tinha aquele dinheiro, contentaram-se com um belo cordão de ouro e três moedas de 500 réis em prata.

180«Esses objectos foram metidos num pedaço de ramagem, o qual foi cozido em presença da rapariga e de um Cristo (!) que as ciganas levavam. Depois foi tudo metido dentro de um cofre, que foi fechado à chave.

181«As ciganas voltaram no dia seguinte, repetiram a operação e disseram à rapariga que voltariam oito dias depois, afim de dizerem definitivamente o que o futuro lhe reservava; mas recomendaram-lhe que não abrisse o cofre nem pessoa estranha o visse sequer, pois em caso de infidelidde não respondiam pela sua vida.

182«A rapariga esteve até agora esperando as ciganas, mas como elas... se demorassem resolveu-se a abrir o cofre e a descoser a ramagem.

183«Encontrou uma cadeia de ferro e três botões de latão».

  • 69 O jonjanó baró (Mayo; Borrow escreve hokkano baro), gran socaliña, grande furto ardiloso, pertence (...)

184Os processos, como se vê desses e de outros casos, repetem-se como provas de um mesmo cliché. Os cordões de oiro, as moedas de oiro, os travesseiros e os embrulhos representam o papel principal. A impiedade dos ciganos não os faz hesitar em acondimentarem os manejos com orações cristãs e em acondimentarem a credulidade com a presença de um Cristo69.

185Nos estabelecimentos comerciais exercem muitas vezes as ciganas os seus instintos de gazze ladre. Para comprarem os preparos de uma refeição, por exemplo, toucinho, feijão, café, açúcar, farinha em vez de entrarem numa só mercearia, dirigem-se a muitas, onde compram uma só coisa, para assim ter maior número de ocasiões de tentarem furtos. Nas lojas de fazendas, cujos donos ou caixeiros ainda não conhecem as suas artes, fazem vir para cima do balcão muitas peças para escolherem, a fim de melhor poderem escamotear alguma ou algumas. São realmente eminentes na escamoteação.

  • 70 «Cada dia van siendo ménos frecuentes las antigas prácticas de las gitanas, quienes, mientres sus h (...)

186Quando giravam libras esterlinas nos negócios, as ciganas costumavam dirigir-se aos comerciantes que achavam com cara de pobres de espírito e propunham-lhes trocar libras da rainha Victória por libras de Jorge III, que têm cunhado um cavalo e a que o povo chama libras de cavalinho, dando um câmbio e alegando fazerem negócio com essas libras por serem muito procuradas. Se um comerciante lhe apresentava um punhado dessas libras, tratavam de escamotear alguma com a máxima perfeição e de convencê-lo de que se tinha enganado no número70.

187Uma quadra alentejana (canto de Natal), colhida por Pires, alude aos hábitos de ladroagem das ciganas:

Sou cigana do Egipto
Minha sina é roubar,
Hei-de furtar o Deus-menino Para minha alma se salvar.

188Superstições. Pouquíssimo pude colher acerca das superstições ciganas. Crêem, por certo, no poder de alguns feitiços. Uma cigana recusou a Pires terminantemente dar-lhe um bocado do seu cabelo, sem dúvida com receio de que fosse aplicado a algum feitiço. Uma outra, observada no Algarve, parecia perfeitamente convencida da verdade da cartomancia que praticava, e dizia que ai dela, se o sinal da morte lhe aparecesse naquela cartas, porque infalivelmente morreria.

189Segundo Pires, os ciganos alentejanos consideram, como mau agoiro:

1. Verter azeite;

2. Quebrar vidros;

3. Espalhar sal;

4. Jogar as cartas. O cigano jogador tem mala pajé, má sorte; é infeliz nas trocas.

  • 71 Sobre as superstições dos tsiganos em geral, vid. Colocci, p. 164-215. Borrow i, 138- -139, mencion (...)

190As três primeiras superstições encontram-se no povo português71.

191Jogos. Festas. A inaptidão para o trabalho regular junto com o amor do movimento levam os ciganos naturalmente aos jogos, como uma ocupação sem finalidade. Parece que no Alentejo e Trás-os-Montes os jogos preferidos são o salto, o pulo e o jogo da barra. Vid. pp. 186 e 187.

192Das festas ciganas pouco pude colher. No Alentejo a principal, senão a única, da época fixa é a do S. João. Mas essa festa não tem para eles nenhum carácter religioso, embora represente talvez uma muito obliterada tradição nacional, adaptada, exteriormente a uma festa cristã. É então que se faz a maior feira do Alentejo, em Évora, a 24 de Junho. Ali concorrem numerosos ciganos (há quem diga que todos os da província e ainda alguns de outras partes do país) e alguns gitanos, e durante três dias cantam, dançam, comem, bebem, celebram casamentos, fazem negócios.

  • 72 Os tsiganos de outros países têm também festas de época fixa. Os da Turquia celebram a kakkavá ou f (...)

193Segundo me informa o sr. G. Pereira, lavam a cara em a noite de S. João à meia-noite72. É essa a única particularidade notável da festa, que chegou ao meu conhecimento.

194Baptismo. É voz constante no Alentejo e Trás-os-Montes (provavelmente também nas outras províncias em que há ciganos) que as ciganas quando têm um filho o baptizam, isto é, mergulham no primeiro ribeiro que encontram e dizem:

Eu te baptizo neste ribeiro
P’ra que saias um ladrão bem ligeiro

ou:

Eu te baptizo neste ribeiro
Para que sejas valente de pé leve e unha ligeiro.

195Depois disso as crianças são baptizadas catolicamente, e tantas vezes quantas os pais podem arranjar para padrinhos lavradores ricos, em cada freguesia que percorrem, afim de se relacionarem com eles e receberem as baetas, (presentes de baptismo, Alentejo) e mais tarde protecção.

  • 73 Cf. Colocci, p. 166. «Si lasciano battezare fra i cristiani, si lasciano circoncidere fra i turchi» (...)

196Parece, porém, que os ciganos abastados e sedentários só baptizam os filhos uma vez73.

197Casamento. Uma senhora que residiu no Algarve observou ali um casamento de ciganos que me descreveu da seguinte maneira.

198Havia a pequena distância dois acampamentos ao ar livre. Num deles estava a noiva, noutro o noivo. A noiva vestia saia cor-de-rosa com tiras escarlates e pretas, camisa de linho grosso branco, fazendo bolso, isto é, saindo para fora acima da cintura, por debaixo de um jaleco de cores vivas, bordado. Ao pescoço tinha muitos colares de contas de cores, e das orelhas pendiam-lhe grandes arrecadas de latão. O noivo bem vestido foi correndo do seu campo para o dela, tomou-a nos braços e levou-a para o seu campo. Ali a noiva tomou um pequeno cântaro de barro, levantou-o e deixou-o cair; reuniram cuidadosamente os cacos, e guardaram-nos depois de os ter contado. Segundo a minha informadora eles tiravam agoiro, já do ruído produzido pela quebra do cântaro, já do número dos cacos, que, talvez significasse o número de anos que viveriam casados.

199Os ciganos, escreve L. de Vasconcelos, segundo a informação que um lhe deu, casam só entre si. Quando um casamento está justo, celebra-se um grande banquete. Nessa ocaisão vai o noivo saber se é da vontade da noiva o casamento: no caso afirmativo, pagam as duas famílias as despesas; no caso negativo estas são à custa do noivo. No dia do casamento há uma corrida de galos (vid. infra).

200A informação é talvez inexacta: trata-se provavelmente, não da vontade da noiva, mas da família dela.

  • 74 Variante, segundo outro informador: Pilhâ-lâ qu’é tula! Pilhâ-lâ qu’é tula!.
  • 75 Esta informação como as duas seguintes foram obtidas por A. Tomás Pires.

201O informador de Barbacena diz: «Sendo eu pequeno, houve aqui um casamento de ciganos. Arrearam eles uns cavalos muito enfeitados; montaram os homens e algumas mulheres e depois foram correndo. O cigano que era o noivo corria atrás da noiva e os outros gritavam : « Pilhá que é tua74», e depois furtaram-lha, sempre a cavalo, até que recolheram para a casa onde habitavam no lugar, por aquele tempo, e fizeram um grande banquete, comendo, bebendo e bailando, e fazendo outros divertimentos. Não tornei a ver casamento de ciganos. Dizem que todos se casam assim que não se recebem de matrimónio (isto é, catolicamente); mas parece-me que um Vicente, de um filho do qual F. foi ser padrinho, é casado (catolicamente)75.

202Um informador de Vila Viçosa escreve: «Para atestar a virgindade da noiva, três ciganos dos mais velhos, chefes da tribo, estendem sobre a cama um lençol muito arrendado, fazem entrar os noivos no quarto e esperam na casa contígua. Consumado o acto, vão os chefes buscar o lençol e mostram-no aos demais ciganos. Esse lençol é denominado lençol de honra».

203Uma cigana velha ministrou os seguintes dados acerca do casamento dos ciganos vagabundos.

204«A noiva é pedida pelos pais do noivo. Ajustam então o dia do casamento. Nesse dia estendem no campo em que estão acantoados um saco feito de estopa, a noiva despe-se, ficando apenas com a camisa, e deita-se de costas sobre o saco. Reúne-se em volta toda a tribo. O noivo, com um pequeno lenço branco de algodão enrolado na mão direita e no dedo indicador, procede de joelhos e com esse dedo, ao rompimento do véu da que há-de ser sua companheira. Em seguida mostra o lenço; se está manchado de sangue, há grande contentamento e vivorio em toda a tribo, ficam desde logo casados, a noiva é abraçada por todos, e começam os divertimentos. O divertimento favorito é o jogo dos galos. Correndo em cavalos a toda a brida, com as mulheres à garupa e com lanças (sic) na mão, esforçam-se por espetar os galos que estão dependurados de uma corda ligada a diferentes árvores. Há descantes, bailes, jantar da boda, etc.

  • 76 A mesma cigana deu ainda a informação seguinte:
    Em Espanha, entre os ciganos abastados, o hímen é ra (...)

«Se o lenço não apresenta vestígio algum de sangue, a noiva é estrangulada pelos pais do noivo (sic).
«É costume haver muitos casamentos no mesmo dia.
«As raparigas casam entre os 16 e 18 anos.
«O lenço é guardado pelos pais do noivo76».

205É raríssimo, mas não sem exemplo, casarem ciganos com mulheres estranhas à raça. O sr. Deusdado referiu-me o casamento católico de um cigano transmontano com a filha de um lavrador que dele se agradou e se deixou raptar por ele. O cigano não renunciou à sua vida pelas feiras, enquanto a mulher permanecia em casa.

206Há também casos de ciganas casadas com estranhos à raça.

207Segundo informação do sr. A. F. Barata, os ciganos domiciliados em Évora casam catolicamente. O mesmo se dá, segundo apurei, com relação aos ciganos domiciliados em Lisboa.

208Relativamente a divórcio nada pude apurar.

209Prostituição. Como vimos as ciganas gozam de reputação de fidelidade, e os costumes dessa gente provam o apreço dado à honra feminina, à virgindade que se entrega ao esposo. Todavia como não há regra sem excepção, algumas ciganas, ou solteiras ou casadas com ciganos, têm convivido com estranhos.

210Pires coligiu a seguinte informação: «É raríssimo entregar-se uma cigana, e a que se entrega é desprezada, e expulsa da tribo. Um exemplo: Numa das últimas feiras de Vila Viçosa, em um botequim, havia uma cigana prostituta (caso raríssimo); pois os ciganos solteiros, que costumam entrar a miúdo em todos os botequins das feiras, nem ao pé desse botequim chegavam. Esse caso devia ter-se dado antes de 1879, pois por essa época aproximadamente foi proibido o estacionamento de prostitutas nos botequins das feiras de Vila Viçosa».

211Segundo uma informação recebida de Évora, ainda ali vive uma cigana afamada, que foi amante do último conde de Vimioso. Está na companhia de um filho que é alfaiate, mas que tem nome de fidalgo, assim como outro que reside em Lisboa e dizem ser rico. «Esta cigana, diz o meu informador, como as demais que aberram dos princípios da seita, foi desprezada de todos e vive isolada com o filho... Esta cigana é a cantada nos acompanhamentos de viola com o nome de Severa».

  • 77 Cancioneiro popular (Porto, 1867), pp. 140-141.

212O Fado da Severa foi coligido em Coimbra pelo sr. Teófilo Braga77 e começa pelas quadras seguintes:

Chorai, fadistas, chorai, Que uma fadista morreu; Hoje mesmo faz um ano, Que a Severa faleceu.

O Conde de Vimioso
Um duro golpe sofreu, Quando lhe foram dizer A tua Severa morreu.

213Por isso e porque o nome da cigana de Évora não é Severa, parece-me que esta seria amante de um conde de Vimioso mais antigo que o último, que eu me lembro de ter visto tourear na praça do Campo de Santa Ana, em Lisboa. Era considerado nesse tempo como o primeiro cavaleiro e negociava em cavalos como os ciganos.

214Os fidalgos foram muito aficionados às ciganas, e daí resultou mais que uma linha de bastardia. Hoje elas estão evidentemente decaídas desse antigo favor.

  • 78 Sobre as desencontradas opiniões relativamente à prostituição ou castidade das tsiganas, vid. Coloc (...)

215As ciganas são muito livres de língua, não se pejando de dizerem as maiores obscenidades. Isso, junto com os seus modos facilmente provocadores, atraiu-lhes por vezes uma reputação que geralmente não merecem, graças à sua obediência aos costumes tradicionais da raça78.

216Costumes fúnebres. Segundo uma informação de Pires, quando morre um cigano é enterrado pelos da tribo em pleno campo e sem mais formalidades, além do grande choro das mulheres e das crianças, Não metem na sepultura nenhuns utensílios ou armas, mas simplesmente o corpo. Diversas pessoas diziam que os ciganos enterravam às ocultas os cadáveres dos adultos, fora de sagrado.

217As crianças (pelo menos algumas) são enterradas nos cemitérios cristãos. O cadáver é acompanhado de homens e mulheres, soltando estas grandes alaridos. Mas não bailam nem cantam por essa ocasião.

218Nalguns pontos do Alntejo, segundo outras informações, diz-se que se ignora onde os ciganos enterram os cadáveres dos adultos. Em Cuba pensava-se que eram enterrados nas propriedades de um lavrador rico e titular, protector deles.

219Segundo uma informação, em tempo um cigano foi em Vila Viçosa falar ao pároco para lhe enterrar o pai, e como o padre lhe pedisse 2$400 réis, aquele cigano disse-lhe que vivo não valia o pai esse dinheiro, que não dava mais de 500 réis; e como o padre não se quis satisfazer com tal oferta, o cigano marchou de noite com os seus, abandonando o cadáver insepulto na casa onde estavam.

220Os ciganos deitam luto pelos mortos que é de cor preta (collardó).

221As viúvas cortam o troço do cabelo não o deixam crescer enquanto viúvas, usando então de lenço amarrado à cabeça.

222Relações com os tsiganos dos outros países. Os ciganos acham-se muitas vezes em contacto com os gitanos, quer sejam eles que atravessam a fronteira para irem a Espanha, quer sejam os gitanos que venham a Portugal. Já vimos que vinham alguns dos últimos à feira de Évora. Nas terras portuguesas próximas da fronteira são vistos muitas vezes; parece que se entendem bem com os ciganos.

223Portugal é por vezes percorrido por bandos de tsiganos de além dos Pirinéus, principalmente por tsiganos caldeireiros da Hungria e tsiganos condutores de ursos e macacos da Bucovina, os quais, sem dúvida, têm contacto com os ciganos; todavia parece que as relações não são muito íntimas, para que se produza entre eles qualquer influência nos costumes, língua, etc.

224Informa-me o meu amigo sr. Augusto Neuparth de que em Santa Comba Dão, estação do caminho-de-ferro da Beira-Alta, está estabelecido um indivíduo chamado José Duarte, que apresenta tipo tsigano, mais fino que os dos ciganos, e a quem chamam o húngaro. Tem uma taberna e trens de tsiganos húngaros a quem o país agradou. Duarte é casado com uma portuguesa.

225Nestes últimos anos vieram até às proximidades de Lisboa dois bandos de tsiganos húngaros, parte dos quais entraram várias vezes na cidade. Infelizmente foi-me impossível então ir examiná-los de perto.

226Reproduzo uma notícia à cerca de um desses bandos, visto há anos em Elvas.

227«Acamparam há dias no rossio da Fonte Nova e levantaram ontem, quinta-feira, pelas 3 horas da tarde, suas tendas, uma caravana de ciganos húngaros que se compunha de uns 50 entre mulheres e crianças. Armaram as tendas, servindo-se, como é de uso entre eles, de seus carromatos, toldos, etc.

228«Exerciam o mister de caldeireiros e com tal proficiência que deixaram, pasmados os artistas napolitanos de igual profissão, estabelecidos nesta cidade.

229«Levantaram o campo em consequência de cento e tantos mil réis que a alfândega lhes exigia como fiança a 17 cavalos que traziam e puxavam os carros.

230«O aspecto desta gente é hediondo: tez morena e afeiada pela habitual falta de limpeza, e barba longa e esquálida, cabelos compridos e imundos, o corpo mal coberto de farrapos e esses sórdidos e fétidos. Entre a caravana vinham dois duques, miseráveis como os restantes; apenas os distinguiam os bastões com ponteira e maceta de metal branco, e uns botões no colete do mesmo metal, em forma e tamanho de um ovo de galinha. As mulheres não sabemos se usavam arrecadas, porque tinham a cabeça atada com farrapos, mas viam-se-lhes ao pescoço colares de preço e contas de oiro, e algumas usavam de botas encarnadas.

231«As crianças usavam igualmente botas até ao joelho, mas pretas, e quase todas fumavam, de cachimbo. Havia algumas com feições regularíssimas, e os olhos de todos, negros e rasgados, faiscavam de brilhantes.

232«Apesar de sabermos que a caravana trazia objectos preciosos de prata e oiro, quando algum estranho se aproximava, as crianças acercavam-se e, beijando-lhes as mãos, pés, etc., pediam-lhe de mãos postas alguns francos.

233« Quando fizemos visita ao campo, tivemos ocasião de ver como esta gente se alimenta: couve verde fervida simplesmente em água, nabos crus salgados, sardinha feita em pedaços com as mãos e lançada numa sertã de ferro imunda, e, mal cozida, tirada dali com as mãos e comida com uma voracidade canina.

  • 79 A Democracia pacífica, 22 de Outubro de 1869. Elvas, iii ano, n.° 127.

234«Soubemos agora por uns amigos que chegaram de Badajoz, que se acha ali acampada (a caravana) às margens do Guadiana. Como em Elvas, é ali a spectactio gentium. E a caravana não pasma de curiosidade, antes se ri surrateira ou se torna indiferente!79»

235Em Maio de 1883 viu Thomaz Pires na alameda de Borba, à entrada da vila, uma caravana de ciganos húngaros, que tinham armado ali três grandes barracas. Os rapazes saíram, à estrada a pedir esmola. Dois desses ciganos disseram que eram caldeireiros, traziam objectos para vender e concertavam o que lhes confiassem. Vinham da Espanha e dirigiam-se a Évora. Queixavam-se de ter feito pouco negócio em Portugal e tencionavam voltar para Espanha, se não fossem mais felizes em Évora. Diziam-se naturais da Hungria. Traziam cavalos só para seu serviço, pois não faziam negócio de gado. Falavam, diziam, uma língua especial, que não era a dos ciganos espanhóis. Não gostavam de ser comparados com estes. Os dois falavam perfeitamente espanhol e eram muito atenciosos e simpáticos. O tipo era mais fino, como já foi referido, que o dos ciganos alentejanos; usavam o cabelo muito comprido. O seu vestuário era como o da caravana descrita no artigo anteriormente transcrito.

236Os ciganos a que se refere esse artigo pediam que, nas transacções feitas com eles, lhes pagassem em pintos (moeda portuguesa de 480 réis, hoje fora do curso legal). Parecia que conheciam bem essa moeda.

237Pires encontrou mais tarde, como já vimos, um cigano alentejano que lhe afirmou que os ciganos húngaros falavam o rumanho, como ele. Talvez esses tsiganos falassem o espanhol misturado com termos da sua língua e ainda com termos gitanos, dando assim ao cigano alentejano a impressão de que falavam a língua peculiar deste, que não poderia entender o dialecto tsigano húngaro, com a sua gramática distinta.

238Estatística. É impossível saber, sequer aproximativamente, qual o número de ciganos que há em Portugal ou em qualquer das suas províncias.

239No Alentejo há quem calcule existirem ali 2000 a 3000. O informador de Barbacena, assim como o sr. Gabriel Pereira, acham muito exagerado esse número, concordando ambos em que naquela província não haverá mais ou muito mais de 400 a 500. O segundo informador baseia-se na estimativa a olho (sem contar) dos que concorrem à feira de S. João em Évora, onde como disse já, se julga reunirem-se todos os ciganos alentejanos, ainda com alguns de outras províncias.

240Pires diz que à feira de Vila Viçosa de 30 de Maio de 1883 concorreram mais de 500 ciganos alentejanos, homens, mulheres e crianças.

241A uma feira das Caldas da Rainha há quatro ou cinco anos não concorreram mais de 50 da Estremadura; todavia informam-me de que à feira anual de Sacavém, perto de Lisboa vêm muitos centos deles. Nesta província, diz-se, também deve haver alguns milhares de ciganos. Esses dois últimos computos são talvez exagerados.

242Conclusão. Os factos glotológicos, a história e os costumes mostram que os ciganos de Portugal não se distinguem por nenhuma particularidade importante dos gitanos de Espanha, abstraindo das diferenças resultantes de influências locais, que principalmente se fazem sentir nos gitanos andaluzes.

Notes

1 Jaubert de Passa, Essai historique sur les Gitanos in Nouvelles Annales des Voyages, t. XXXIII (Paris, 1827), p. 337.

2 Em espanhol empregou-se gitano no sentido geral de egípcio, como, p. ex., na seguinte passagem do nosso Francisco Manuel de Mello:
Que cerastes aleue, ó aspid Gitano,
Desde mi halago, ameneçó a tu vida?
Obras métricas, tomo ii, p. 143 (Leon de Francia, 1665).

3 A Biblioteca Nacional de Lisboa tem um exemplar da edição feita En Alcalá de Henares, en casa de Juan Iñiguez de Lequerica. Ano 1587. Não é a primeira, que é uma raridade bibliográfica.

4 El estudioso cortesano, foi. 35-36. No século XVII, Miguel Leitão d’Andrada escrevia a respeito dos ciganos: «sendo Gregos que se vieram fugindo dos Turcos se fazem Egipcios ou Gitanos». Vid. o trecho inteiro desse autor no fim dos Documentos do presente estudo. Segundo uma comunicação particular de M. Paul Bataillard, a mesma denominação de gregos, dada aos tsiganos, encontra-se em documentos holandeses.

5 Esta interpretação da passagem de Afonso Valente foi publicada por mim no jornal A Borboleta (Braga, tipografia Lusitana) de 1877. Num artigo Origem dos ciganos, publicado in Positivismo, i, (Porto, 1879) 269-278, foi repetida essa minha interpretação sem indicação de fonte. Aproveito a ocasião para dizer que o autor desse artigo nada dá de novo para a questão dos tsiganos, excepto a invenção absurda de que eles descendem dos Hyksos.

6 Le pays Basque, cap. vii, p. 139.

7 Apud Colocci, Gli Zingari, p. 232. Vid. todavia o que se diz mais abaixo com referência aos ciganos de Portugal.

8 A Itália oferece já no século XVI uma comédia, La cingana, de Gigio Arthemio Giancarli Rhodigino. Vid. Ascoli, Zigeunerisches, p. 122.

9 Na ed. de Hamburgo : rozua ; na ed. de 1586 rozica.

10 Mi cielo estrellado é um cumprimento à pessoa a quem se dirige a cigana e não um aposto de Grécia, como já se quis ver.

11 Na ed. de Hamburgo Duz ; na ed. de 1856 Diuz, como noutros lugares.

12 Na ed. de Hamburgo : Eza mano melibea, como se melibea fosse um adjectivo; é evidente que Melibea é um nome próprio, empregado aqui como epíteto, e reminiscência da Tragicomedia de Calisto y Meliboea ou Celestina.

13 A Biblioteca Nacional de Lisboa não tem a primeira edição das obras de Gil Vicente, a qual num exemplar da Biblioteca de Goettingen serviu de base à edição de Hamburgo, de que por isso me servi, confrontando-a com a segunda edição (Lisboa, 1586). A ortografia em extremo caprichosa desta e o não poder determinar até que ponto essa ortografia reproduz a da primeira edição, levou-me a reproduzir com pequenas modificações a lição de Hamburgo. É muito pouco provável que Gil Vicente tentasse representar fielmente a pronúncia cigana. Na edição de 1586 o s espanhol, no final de sílaba, acha-se representado muitas vezes por c (e, i) ou ç.

14 P. Bataillard, De l’apparition et de la dispersion des Bohémiens en Europe in Bibliothèque de l’École des Chartes, 1844, p. 529. Idem, Les Gitanos d’Espagne et les Ciganos de Portugal in Compte-rendu de la 9e Session du Congrès International d’anthropologie et d’archéologie préhistoriques en 1880. (Lisbonne, 1884), p. 501. Já anteriormente Henry se servira desse documento in Mém. de la Soc. des antiquaires de France t. x (1834), apud G. Lagneau, num artigo abaixo citado (p. 184, nota 1).

15 Vid. Documentos n.os 1 e 2.

16 Empregada, por exemplo, no Doe. n.° 16. Outros traslados do mesmo doc. têm sempre ciganos.

17 Usada por exemplo nas Constituições synodaes do Arcebispado de Braga de 1639, xlix 1 : « E declaramos que os que pedem aos Egypcios lhes digam a sua boa, ou má fortuna, peccão gravemente».

18 Vid. o extracto da Miscellanea desse autor no fim do Apêndice I

19 A propósito dos costumes dos calandares da índia, diz o nosso historiador : « como homens santos não são buscados, nem os tocam. Nos tempos das guerras eles são os que de Reino a Reino levam todas as cartas, e avisos, e os que passam pedraria furtada aos direitos dos portos. E posto que estas coisas, e outras piores se saibam deles, tem para si, quem lhes fizer mal, que fica escomungado, e perdido do corpo e da alma. A parte onde se acha mais número destes é no Reino de Delij, porque é como um centro daquelas Províncias de Asia, aonde concorrem todas as nações, e muitas vezes andam em uma companhia de dois mil, os quais posto que sejam de diferentes línguas, com a conversação que uns com os outros têm nestas suas peregrinações, que nenhum dos votos de sua regram todos se entendem. Não entram nas cidades, mas ao modo dos Ciganos que andam nesta parte da Europa, pousam fora do povoado, e ali lhe traz a gente do povo sua esmola. E quando assim anda grande número deles elegem um a que obedecem à maneira que os Ciganos fazem ao seu Conde». Década iv, 5, 5, ed. Lavanha, 1615.

20 Doc. n.° 2.

21 Doc. n.° 6.

22 Doc. n.° 7.

23 Doc. n.° 6.

24 Doc. n.° 12.

25 Doc. n.° 16.

26 Doc. n.°21.

27 Vid. p. ex. Discurso del Dr. Sancho de Moncada, cit. a p. 92, Quiñones, Discurso contra los gitanos (Madrid, 1631), apud Borrow, i, 158-160 e o extracto da Miscellanea de M. Leitão d’Andrada, no fim do Apêndice I.

28 Borrow, I, 163-164.

29 Doc. n.° 5.

30 Doc. n.° 7. Vid. também os docs. n.° 8 e 9.

31 Doc. n.° 11.

32 Doc. n.° 6.

33 Doc. n.° 20.

34 Doc. n.° 15.

35 Doc. n.° 18.

36 Vid. P. Topinard, Éléments d’anthropologie générale (Paris, 1885), p. 463. Como é que se estabelece o tipo mental da estatura média ou estatura regular dos observadores à simples vista? Parece que esse tipo deve variar segundo os países e depender da estatura mais frequente de cada povo. Qual é essa estatura no povo português? Faltam-nos dados de investigação para poder responder a essa interrogação. Segundo o art. 69.° de lei do recrutamento de 12 de Setembro de 1887, são isentos do serviço militar «os que tiverem menos de 1,54 m de altura para o exército ou 1,50 m para a armada»; mas trata-se aqui de um mínimo, não de uma média. Pelos Mappas do serviço do recrutamento de 1888 e 1889, publicados no Appendice ao Diário do Governo, 1890, n.° 21 e 1891, n.° 10, vemos que foram inspeccionados no primeiro daqueles anos, no continente e ilhas, 63 674 mancebos, dos quais 1436 tinl am menos de 1,50 m de altura, 2902 de 1,50 m a 1,53 m e 59 336 1,54 m ou mais; no segondo daqueles anos foram inspeccionados 45 535, dos quais 2259 tinham de altura menos de 1,50 m, 2413 de 1,50 m a 1,53 m e 41 867 1,54 m ou mais. Estes dados são insuficientes para resolver a nossa questão. Bom fora que o serviço da inspecção organizasse tabelas contendo o número dos inspeccionados repartidos pelas cifras de estatura, de centímetro em centímetro.
Conclui-se, pois, facilmente a dificuldade de interpretar as notícias dos autores, que, sem medições exactas, nos falam de homens altos, de estatura média, etc. A. Hovelacque et Hervé, Precis d’anthropologie (apud G. Cora in Das Ausland, 1890, n° 31) consideram os ciganos como pertencendo aos povos de estatura elevada, pois alguns atingem 1,74 m; outros observadores atribuem-lhes estatura média (Cora 1. c.): de que provêm essas diferenças de estimativa? Dos observados ou dos observadores? As condições de vida podem influir para a diferenciação das estaturas. A miséria tem acção depressiva sobre a estatura. Uma mudança de regime alimentar basta para produzir num curto espaço de tempo o abaixamento do nível da estatura geral de um grupo étnico sujeito a essa mudança; vid. os exemplos notáveis dados por Köstlin in Das Königreich Württemberg. Zweiter Band. I. Abtheil. Das Volk, p. 59-60.

37 Sobre o tipo físico dos tsiganos, vid. P. Topinard, L’anthropologie (Paris, 1877), pp. 471-2; G. Lagneau, art. FranceAnthropologie. Race tsigane in Dictionnaire encyclopédique des Sciences médicales de A. Dechambre, 5e série, t. v. (Paris, 1879), pp. 15-22 ; G. Cora, l. c., e os autores por esses citados.

38 Hovelacque distinguiu dois tipos tsiganos «l’un fin, au visage plus allongé, plus ovale, aux traits plus concentrés, au nez plus aquilin; l’autre grossier, aux traits plus ramassés, au regard moins perçant ». O cigano representa talvez esse segundo tipo.

39 Na resposta ao questionário que lhe dirige escreve Pires a respeito das ciganas: Há verdadeiras belezas. Extremamente formosas algumas.

40 Diversos autores falam da nenhuma repugnância dos tsiganos por animais mortos de doença. Vid. Colocci, Gli Zingari, p. 189, n.° 1 e F. Michel, Les pays basque, p. 138: «d’autres fois ils ramassent les animaux morts de maladie, n’importe laquelle, les désinfectent au moyen d’herbes à eux seuls connues, et s’en repaissent impunément ».

41 « Amano poco il vino, preferiscono la birra e sopratutto gli spiriti. Uno dei più gran regali, che lor si possa fare, è di offire ad essi mastic, vodka, rak, un alcool qualunque: nè sapprebero senza acquavite celebrare alcuna cerimonia o festa». Colocci, p. 189.

42 Esse gosto pelos doces parece ser geral nos tsiganos. Vid. Colocci, p. 188.

43 Não se faz ordinariamente ideia do desenvolvimento intelectual possível sem o conhecimento da leitura e da escrita, tão costumados estamos a considerá-lo como condição de toda cultura. Citemos alguns factos que provam o que há de ilusório nesse modo de ver. Os esquimós, analfabetos, sem terem recebido nenhum ensino de desenho, são notáveis cartógrafos (Francis Galton, Inquiry into the human Faculty. Londres, 1883, p. 103-104. Grande número de homens analfabetos fazem cálculos mentais prodigiosos. A esse propósito lê-se no periódico La Nature, 1891, juin 20, extraído de um artigo de Pincott in Knowledge». « Il est parfaitement vrai que les Indiens comptent plus sur leur mémoire que sur les procédés artificiels, et personne ne peut mettre en rapport avec ce peuple sans être étonné de ses facultés prodigieuses à ce point de vu. Il est de notoriété que la plupart des hommes les plus habiles de ce pays étaient incapables de lire et d’écrire, mais ces connaissances leur faisaient généralement peu defaut, car leur mémoire était chargée de plis de connaissance toujours à leur disposition, que celles que possédent ceux qui étudient dans des livres. – On sait que Rangit Singh ne pouvait ni lire ni écrire, mais il savait tout ce qui se passait dans un royaume aussi grand que la France. C’etait un financier fort capable, qui connaissait à chaque instant l’état de ses richesses, les ressources de ses provinces variées, la nature de leurs revenus, la puissance de ses voisins, les points forts et faibles de l’Anglaterre, et, en un mot, à tous les points de vue, un parfait administrateur. Nous commettons l’erreur de croire que les moyens de connaitre constituent la connaissance elle même. Cela nous conduit à attribuer le plus grand prix à la lecture, et à l’ecriture, et à traiter avec quelque mépris les peuples qui n’ont pas pris la routine de coucher leurs idées sur le papier. Nous devrons modifier notre opinion sur ce point en nous rappelant que les merveilles de l’architecture indienne sont dues à des hommes qui ne savaient ni lire ni écrire». Seguem outros factos interessantes.

44 Gaston Paris in Revue critique, 1882, 2.a série, p. 257.

45 Os tsiganos chegados a Forli no séc. XV conservavam a tradição da sua origem indiana, como se acha consignado no Chronicon Fratris Hieronymi Frolíviensis em Muratori, Scriptores Rer. Italic. t. XIX, col. 890: «Et, ut audivi, aliqui dicebant, quod erant de índia». Os ciganos do Brasil conservam a tradição de uma emigração de Portugal em 1718 e os nomes de alguns emigrantes (Mello Morais Filho, Os Ciganos no Brasil, p. 25).

46 Num artigo do periódico Das Ausland, XLIX Jahrg., p. 838 e segs., busca-se refutar a tese da irreligiosidade dos tsiganos. O autor funda-se principalmente na existência, na língua dos tsiganos, da palavra devel, que Leland e Breitmann supuseram idêntica ao inglês devil: aquela palavra tsigana significa realmente deus. Os tsiganos possuem uma palavra particular para diabo, beng, que não ocorre no que reuni do Vocabulário dos ciganos. A demonstração dada no artigo não é suficiente.

47 Na índia há todavia grupos humanos, como os tchangar do Panjab, os quais têm sido comparados aos ciganos e parecem estranhos a quaisquer usos religiosos. Vid. Trumpp apud Miklosich, Abhandl, iii, 2.

48 Em verdade Colocci diz p. 230: «... certo é che essi (os tsiganos) hanno per i morti lo stesso superstizioso rispetto, che si riscontra in tutti i popoli primitivi, come dimonstra lo Spencer». O mesmo autor italiano cita (ibid.) as palavras de Leland: «The real religion of the Gipsies, as I have already observed, consists like that of the Comteists, in devotion of the dead». Mas do simples temor supersticioso e do respeito dos mortos a um verdadeiro culto dos antepassados, como o encontramos em diversos povos, a distância é ainda grande.

49 Primeiras constituições Sinodaes do Bispado de Elvas. Feitas e ordenadas pelo Ilustríssimo e Reverendíssimo Senhor Dom Sebastião de Matos de Noronha, etc. (Feitas em 1633. As licenças são de 1634 e 1635). Tit. XXXXI: «Dos vagabundos, comediantes e Siganos. Os vagabundos aqui declarados sejão assentados no rol dos confessados, na freguesia em que se acharem ao tempo da Quaresma».

50 Borrow diz com referência aos gitanos : « All, therefore, which relates to their original religion is shrouded in mystery, and is likely so to remain. They may have been idolaters, os atheists, or what they now are, totally neglectful of worship ogf any kind; and though not exactly prepared to deny the existence of a Supreme Being, as regardless of him as if he existed not, and never mentioning his name, save in oaths and blasphemy, or in moments of pain or sudden surprise, as they have heard other people do, but always without any fixed belief, trust, or hope». The Zincali, i, 150-151. Nós os portugueses empregamos a expressão oxalá como uma interjeição, sem sabermos (salvo os eruditos) que ela significa: queira Allah; mas aqui o termo é estranho à língua, enquanto debel pertence ao núcleo primitivo do vocabulário tsigano, em que necessariamente significou o conceito de uma divindade.
Que o tsigano não tem incapacidade absoluta para a religião prova-se pelo facto de que em vários países do oriente o vemos muçulmano ou cristão. Essa adopção de crença religiosa coincide com uma mais ou menos adiantada assimilação ao povo de que a receberam e em geral com o sedentarismo. Vid. Miklosich, Abhandl., iii, 10-11 e Das Ausland., t. XLVIII (1875), p. 282.

51 Sobre o que separa a superstição da religião, vid. H. Steinthal, Ueber den Aberglauben in Zetschrift für Völkerpsychologie, ii, (1862), pp. 83-101.

52 Quando se diz que o tsigano não conhece autoridade, regra, princípio, preceito, dever (Colocci, p. 155) esquece-se que tal asserção só vale respectivamente às relações externas da gente dessa raça. Sem autoridade, em regra, sem princípio, sem preceito, sem dever não é possível a existência de qualquer sociedade humana por mais rudimentar que seja. Os tsiganos em geral reconhecem chefes; isso basta para fazer ver que lhes não é estranho o princípio da autoridade. Diz-se que desconhecem um verbo significando dever;; mas têm uma palavra que significa honra (pati, pachi, etc.). A palavra terar, possuir, diz Colocci, p. 156 n., está quase esquecida dos tsiganos da Ásia. Os ciganos e os gitanos têm nesse sentido terelar, que se liga a terar, mas por certo nenhum tsigano ignora a distinção do meu e do teu, expressa nos seus pronomes possessivos. E mister não confundir a noção reflectida e abstracta do direito e do dever com as formas concretas e espontâneas com que surgem nas sociedades primitivas.

53 Cf. Colocci, p. 229, que diz : « Gli Zingaro hanno uno sviscerato amore per la loro prole».

54 Colocci, p. 227: «Per solito d’adulterio é raro fra le Zingare, tanto più che la loro beltà sparisce presto, non si tosto divengono madri...», e p. 228: «Secondo il dott. Solf gli Zingari tedeschi puniscono l’adulterio col taglio del naso alla donna e colle battiture sui gomiti o sui ginocchi per l’uomo». O que Francisque Michel, Le pays basque, p. 140-141, diz nas relações conjunções dos tsiganos desse país é muito desfavorável.

55 Cf. Colocci, p. 154: «Una fratellanza sincera regna fra tutti gli Zingari e li unisce. In nessun altro popolo anzi il vincolo di razza è più intenso e più rispettato ». Vid. Borrow, i, 263-266, etc.

56 Um informador fala todavia de chefes. Vid. p. 216.

57 Em geral não pedem dinheiro. Nas feiras, comunica-me Pires, só os ciganos mais moços pedem apenas cigarros.

58 Vid. O Dia, n.° 1511, 21 de Julho de 1892.

59 O modo por que o cigano considera o estranho é perfeitamente próprio de um povo que se conserva num estádio primitivo. Não são realmente os seus caracteres psicológicos e especialmente a natureza das suas relações com os estranhos que o distinguem verdadeiramente, mas sim a persistência desses caracteres no meio da civilização europeia, através de alguns séculos. Considerar o roubo exercido na propriedade dos estranhos à raça ou à tribo como um acto perfeitamente permitido é um conceito corrente nos povos primitivos. O roubo a descoberto estava longe de ser considerado entre os bárbaros como desonroso, ao contrário do furto a ocultas. (Vid. J. Grimm, Deutsche Rechtsalterthümer, 2te Augs. 634-635). Strabão (iii, 3, 5) descreve-nos os lusitanos como ladrões. Dos germanos diz Tácito: «matéria munificentiae per bella et raptus (Germ. 14)». Já Polybio (iii, 98) e Tito Livio (xxii, 22) notaram que a perfídia era característico de todos os bárbaros. O meio em que vivem os ciganos não lhes permite hoje o roubo à mão armada, as grandes violências, os ataques das aldeias, de que na história de outros ramos da sua raça há alguns exemplos; por isso eles se limitam ao furto, ao logro.
A preguiça para o trabalho regular, junto com a mobilidade constante, o ódio ao repouso caracterizam tanto os ciganos como os povos bárbaros em geral. Tácito refere dos germanos: «Fortissimus quisque ac bellicosissimus nihil agens, delegata domus et penatium et agrorum cura feminis senibusque et infirmissimo cuique ex familia: ipsi hebent, mira diversitate naturae, quum idem homines sic ament inertiam et oderint quietem (Germ. 15)».
Poder-se-iam multiplicar os paralelos ministrados pela etnografia antiga e moderna.

60 Outros ramos da raça tsigana revelam considerável talento musical, principalmente os da Hungria. Vid. Colocci, p. 279 e seg.

61 Ora se tem atribuído aos tsiganos talento poético ora se lho tem negado. A verdade parece-me ter sido de perto abrangida por Schuchardt no seu interessante estudo Die Cantes flamencos. Os tsiganos, diz ele, são certamente um povo de muito poucos dotes poéticos e os rudes vestígios de poesia que entre eles colhemos revelam a influência dos povos entre os quais vivem. Frederico Müller dissera que o valor artístico das poesias dos tsiganos hungaros, que ele coligiu, era nulo ou menos que nulo; a rima e o ritmo que apresentam provêm de modelos magiares. Nas poesias dos tsiganos da Bucovina publicadas por Miklosich há influência manifesta da poesia popular dos romenos e pequenos russos. Esses factos tomam pouco crível que a poesia dos gitanos, os cantos flamencos, seja um produto original deles, conservado ou nascido no meio de um povo tão felizmente dotado com relação à poesia como o são os habitantes do sul da Espanha, aos que os gitanos se assimilaram, principalmente na língua, mais que os outros ramos tsiganos aos povos com que se achavam em contacto fora da península. Infelizmente a música gitana está mal estudada e falta assim o conhecimento de um importante dado da questão; todavia a exposição de Schuchardt leva à convicção de que os cantos flamencos «não são de modo algum modificação de uma antiga, genuína poesia dos gitanos, mas na essência poesia andaluza, que em primeiro lugar experimentou uma certa gitanização na linguagem». Vid. no Apêndice II algumas rápidas considerações sobre a poesia dos ciganos do Brasil.
3Um versejador do séc. XVII alude às danças das ciganas, as quais já vimos figurar em Gil Vicente:
Como se viu aqui nesta pendencia, Que se acendeo nas damas Toledanas,
Sobre huma curiosa impertinencia,
Acodirão da Sé com partazanas Seis conegos mancebos, e em chegando
Fizerão nas dançar como ciganas.
Diogo Camacho, Jornada ao Parnaso in Phenix renascida, v, 12. Vid. outra alusão no extracto da Miscelânea de Miguel Leitão d’Andrade, no fim do Apêndice I.

62 «La Ungheria, che li sa più artigiani che agricoltori, non li obbliga al lavoro della terra che per quel tanto, che giudica conveniente ai lori bisogni e non vi constringe generalemente altro che coloro, i quali non hanno stato fisso, professione o mestiere. – Continuano dunque ad esser ció che sempre furono: calderaj e veterinarj, musicisti e ballerini, artigiani e cantori. – I battesimi si fanno regolarmente; i fanciulli frequentano la scuola e la chiesa. S’inciviliscono, faluni si arriechiscono e la loro natura, abitualmente dolce, lascia sperare all’Ungheria i piú felici risultati della sua iniciativa filantropica». Colocci, p. 121; vid. todo o capítulo iv da sua obra.

63 O segredo da língua é geral nos diversos ramos da raça tsigana : « ... non deve credersi che il raccogliere dalla viva voce di quei nomadi le parole del loro idioma sia cosa spicciativa ed agevole. Anzi ciascun sa come essi tanto generalmente e stranamente gelosi custodi del segreto della logro lingua che di rado l’un d’essi volle iniziare lo straniero nei misteri della propria favella». Colocci, p. 247. Vid. a passagem de Paspati por ele citada.

64 Sobre o vestuário dos tsiganos em geral, vid. Colocci, p. 190-194. O vestuário dos ciganos deriva sem dúvida, com modificações, do dos gitanos, que Mayo descreve, p. 41: « Cuando disfrutan de algunas comodidades, los hombres tienen special aficion á la ropa blanca, á la camisia limpia y bien almidonada, á la chorrera vistosa, á la pechera bordada.
«El traje en rigor es el mismo que gasta el pueblo bajo en Andalucia, más ó menos rico, de pana ó terciopelo, de pano ó algodon ; chaqueta ó zamarra bordada, com alamares ó botonadura de plata; alpargatas ó zapatos, botines ó borceguíes, todo de colores chillones, celeste ó encarnado; sombrero calañés, ancho em general, ó gorro encarnado en la costa de Cataluña.
« De las mujeres puede decirse otro tanto. Su traje es el que las andalusas han llevado hasta hace pocos años, y que los gitanos non ham cambiado. Así se las ve con su saya corta y de poco vuelo, adornada de randas volantes, su manton más ó menos grande sobre los hombros, su pañuelo de puntas á la cabeza, hecho un nudo á la garganta, echado sobre la frente ó caiso sobre la nuca á voluntad, flores y cintas por adornos, colores tambien chillones en todas sus prendas».
Como nota Mayo, não pode saber-se qual era o antigo trajo dos gitanos, proibido pelas leis espanholas, e que era sem dúvida o mesmo dos antigos ciganos, proibido pelas leis portuguesas.

65 « I fanciulli non ricevono fino a dieci anni il vestito. – Ora però in quasi tutti i paesi sono stati costretti a smettere tale indecenza ». Colocci, p. 194.

66 O negócio de cavalgaduras pertence ao número das mais antigas ocupações dos ciganos. Vimo-lo já figurar na Farsa das ciganas. Muitas das burlas que eles fazem nesse negócio são mais ou menos típicas. «Per far poi apparire il cavallo vivace e ardentem lo frustano terribilmente, gridando alcune parole di eccitamento : cosi, quando si tratta di venderlo, basta ripetere queste parole che la povera bestia, memore delle frustate, si anima, solta e caracolla; onde il compratore è persuaso che il cavallo é sensibile alla voce e di carattere vivacíssimo. – Più forte sarebbe l’ingano che riferisce il Franz; e cioè che introducano un’anguilla viva sotto la coda dei cavalli onde con sifatto stimolo acquistono maggior alacrità». Colocci, p. 200.

67 Os ciganos perderam cedo, ao que parece, a indústria dos metais (vid. p. 159), que conservam noutros países. Vid. Colocci, p. 195-200. Na Espanha há ainda gitanos ferreiros. Borrow, i, 64-65 ; Mayo, p. 37.

68 Sobre a quiromancia dos tsiganos em geral, vid. Colocci, p. 208-211 ; sobre a buenaventura dos gitanos, Borrow, i, p. 167 e segs. Não tendo coligido nenhuma buena dicha, reproduzo aqui as seguintes buenaventuras de um artigo de Demófilo (Machado y Alvarez), publicado em La Enciclopedia, año v, n.° 31 (Sevilla, 1885), as quais servirão de comentário à Farsa das Ciganas, de Gil Vicente, na parte respectiva. 1. « En el nombre sea de Dios, que tu ventura sea buena, resalá. Eres hija e buenos pares y buena mare y tierresita buena e por sí: jase pocos dias q’has tenio un disgustiyo con una presona que tu quieres en este mundo; tui me quieres á dos presonas una para pasá tiempo y otra para tu gose, que vas a sé mare e cuatro churumbeliyos: pos jase dias que te presiguen males lenguas tal solamente per conversasiones que tu tienes con ciertas presonas. Trin pa acá, trin pa ayá, catrafun catrafun y la santísima Triniá ». 2. En el nombre sea Dios, que tu ventura sea buena. Tu tienes los ojiyos de enamorao que tu me las piya á tiento y me las matas cayando: tu tienes un poquito de mar génio pero te se pasa al instante ; eres hombre e secretos y hombre que nunca miras los intereses pa ná : tu eres una presona que has querio á dos, á una ha sio lealmente y á otra pa gana e conversasion y á una le igiste, que ibas á gorvé y le gorviste... las espardas : tienes que sé pare e cuatro churumbeles: tu has estao criando una cachigordita artita e pecho : cumple tu con la gitana de buena grana que te voy a esí lo mejó e la buena ventura». 3. « En el nombre sea de Dios, que tu ventura sea buena, grasiosa. Tu tienes un disgusto con una presona que bien quieres y no es per comia ni por bebia que es per una presona que tu quieres que la tienes en tierra estraña, pues tu tas escubierto á una presona que te pagao malamente pues tu tienes que recibí una carta de una presona que bien quieres y tiene que ser en un un dia señalao: tu tienes que ser en este mundo mare e cinco hijos y tienes que ser casá con un José ; cumple tu com la gitana morena que t’ha dicho la buenaventura, grasiosa ».

69 O jonjanó baró (Mayo; Borrow escreve hokkano baro), gran socaliña, grande furto ardiloso, pertence às velhas artes gitanas. Na novela de Gerónimo d’Alcalá, História de Alonso, mozo de muchos amos, escrita no séc. XVII e citada por Borrow, refere-se uma história muito semelhante à reproduzida do Diário de Notícias e em que uma viúva cobiçosa junta jóias de oiro e prata para atrair, segundo os preceitos de uma gitana, um grande tesouro escondido na adega; mas o dinheiro que serve de isca é escamoteado pela enganadora gitana. Borrow, i, 133-137. Vid. ainda o mesmo autor, I, 310-315.

70 «Cada dia van siendo ménos frecuentes las antigas prácticas de las gitanas, quienes, mientres sus hombres chalaneaban en las férias y mercados, ellas tenían especial habilidad de manos para hacer desaparecer las monedas en los cambios, ustilar á baste coger á la mano». Mayo, p. 40. Vid. Borrow, i, 315-317.

71 Sobre as superstições dos tsiganos em geral, vid. Colocci, p. 164-215. Borrow i, 138- -139, menciona o mau olhado como crença gitana, a qual existe talvez também entre os ciganos, como o uso dos amuletos, de que ouvi falar, mas a pessoa que não estava muito certa a esse respeito. Colocci, p. 213-214.

72 Os tsiganos de outros países têm também festas de época fixa. Os da Turquia celebram a kakkavá ou festa das caldeiras, a começar no dia de S. Jorge, 23 Abril (est. v.) nos países meridionais da Rumélia e mais tarde no norte. A festa por vezes é colectiva, reunindo-se centenares de tendas. Durante três dias os tchingianés entregam-se a festas, a danças e a jogos.
A festa de 28 de Agosto (est. v.) é especial aos atsincani de Volo. As comidas, as bebidas, a gritaria, a música, a dança, formam a base do divertimento. Colocci, p. 154-155. Na Espanha celebram, também os gitanos uma festa pelo S. João.
A lavagem da cara dos ciganos do Alentejo, na noite de S. João, corresponde o costume de banhar três vezes as fontes da cabeça à beira do mar ou de um rio, no 1.° de Maio, referido por Colocci, 164. Essa coincidência inclina-me a pensar ao contrário desse escritor italiano, que em tais festas há vestígio muito obliterado da tradição das festas naturalistas dos aryas da Ásia, reanimado pelas festas dos aryas europeus, que fundiram com dados cristãos as velhas tradições naturalistas do começo da Primavera, do Outono, do solstício de Verão.

73 Cf. Colocci, p. 166. «Si lasciano battezare fra i cristiani, si lasciano circoncidere fra i turchi». Dos tsiganos bascos diz Francisque Michel, Le pays basque, p. 141: «... ils sont tous baptisés, et même plus d’une foi; mais c’est calcul de leur part et un nouveau moyen de vivre au dépens d’autrui, etc ».

74 Variante, segundo outro informador: Pilhâ-lâ qu’é tula! Pilhâ-lâ qu’é tula!.

75 Esta informação como as duas seguintes foram obtidas por A. Tomás Pires.

76 A mesma cigana deu ainda a informação seguinte:
Em Espanha, entre os ciganos abastados, o hímen é rasgado pelo Peliche – velho da tribo a que as moças solteiras têm grande respeito, e que usa a unha do indicador da mão direita muito crescida. Recebe de ordinário meia onça (8 duros) pela operação, que é feita às ocultas, vindo ele depois mostrar o lenço à gente dos noivos e aos convidados.
A existência da prova da virgindade na Espanha, entre os gitanos, era já conhecida. Eis o que a esse respeito diz P. Bataillard na sua nota Les Gitanos d’Espagne et les Ciganos de Portugal (Extrait da Compte Rendu de la 9e Session du Congrès intern. d’anthropol. et d’archéol. préhist.), p. 21 (501).
«II existe parmi les Gitanos une costume qui, autant que j’ai pu le savoir, ne se retrouve point parmi les autres Tsiganes d’Europe, parmi ceux, du moins, qui n’ont pas eu des relations particulières avec leurs frères d’Espagne: Immédiatement avant sa première nuit de noces, la jeune fille est déflorée par des matrones qui attestent sa virginité, etc. C’est une coutume d’ailleurs répandue chez les Musulmans, mais qui est entourée chez les Gitanos de beaucoup de solemnité: le mouchoir sanglant qui a servi à l’opération mystérieuse est montré à tous les gens de la noce et précieusement conservé dans la famile. Borrow, qui n’a guère pu ignorer cette coutume, mais, qui, écrivant pour le grand public anglais, a évidemment craint de blesser sa pudeur, ne fait qu’une allusion obscure (p. 239) à la défloration par les matrones, et supprime conséquemment les marques de sang sur le fameux mouchoir, qu’il mentionne pourtant en le distinguant de la ceinture de chasteté (don’t je parlerai tout à l’heure). Ainsi Borrow ne nous renseigne pas sur le point essentiel: décrivant une noce gitana à laquelle il avait assisté, il parle même (p. 240) d’un mouchoir sans tache « sans lequel il n’y aurait pas eu de noce», et qu’on avait arboré, ainsi que la ceinture de chasteté elle-même, comme drapeau de la fête : ce qui serait tout à fait de nature à induire en erreur. Mais je puis affirmer que la coutume que j’ai tout d’abord indiquée est certaine: bien avant Borrow, un autre Anglais l’avait décrite avec des détails accessoires qui ont leur intérêt; et moi, j’ai rencontré bien des fois en France des Bohémiens plus ou moins affiliés à ceux d’Espagne, près desquels j’ai pu m’assurer de sa réalité ; plusieurs me l’ont décrite en détail. J’ai appris ainsi que cette coutume, naturellement pratiquée aussi par la plupart des Bohémiens du sud-est de la France qui se rattachent étroitement à ceux d’Espagne, avait en quelque façon pénétré chez les Bohémiens du Piémont et même de la Suisse, mais avec des modifications importantes et qui lui ôtent une partie de son cachet oriental ».
Machado y Alvarez dá-nos Cantes flamencos, p. 107 e 117, as seguintes seguidilhas gitanas:
Bendita la mare
Que tiene que dá
Como diñaba rosita y mosquetas
Po la madrugá
En un praito berde
Tendi mi pañuelo;
Como salieron mare tres rositas
Como tres luseros
E diz em nota: «Esta copla, como la que lleva el núm. 20 de las seguidillas gitanas de esta Coleccion, alude á la costumbre que tiennen los gitanos, de presentar, al dia seguiente de la boda, la camisa de la desposada para que las famílias conocidas puedan cerciorar-se de la virginidad de la doncella de la víspera».
A laceração do hímen anterior ao coito aparece em vários povos. As raparigas sakkalavas de Madagáscar praticam, em si próprias essa operação. Na Austrália ela é brutalmente realizada pelos velhos, num lugar solitário, logo que os seios da virgem começam a dilatar-se. H. Ploss, Das Weib in der Natur-und Völkerkunde, 12, 301. Mas nesses povos tal operação não tem por fim verificar o estado de virgindade, como sucede no continente africano e na Ásia. Na maior parte dos países dessas duas partes do mundo, o homem deseja convencer-se que a mulher com quem vai casar está virgem. No Egipto a prova é tirada com um lenço de musselina, o qual se mostra ensanguentado aos parentes. Na Nubia a operação faz-se simplesmente com o dedo e ante testemunhas. Uma matrona é quem entre os árabes e coptas procede à prova com um lenço de linho que lhe envolve o index. Na Rússia meridional mostram-se as manchas sanguíneas, se as há, da camisa da noiva, as quais são recebidas com tanta alegria quanto é o desprezo que ela merece, se a prova falhou. Costume semelhante se encontra entre muitos povos orientais. Os búlgaros exigem do noivo a prova de que a noiva estava virgem. Ob. cit., p. 303 e seg. A prova da virgindade aparece na Bíblia. Se o noivo punha em dúvida caluniosamente a virgindade da noiva, o pai desta estendia o lençol com a prova à face dos anciãos da cidade. Deuteronomio, XXII, 13-21.
Machado y Alvarez, ob. cit., p. 117 n., traslada a respeito do mesmo costume no povo da Sicília a seguinte passagem da obra de G. Pitré, Usi Natalizi, Nuziali e Funebri del Popolo siciliano (Palermo, 1879) : « La dimane delle nozze, si mettea in mostra la camicia della sposa, perchè i parenti e i vicini potessero scorgervi i segni suddetti. A questo fato pare che allude la frase popolare La me cammisa ‘un arristau bbianca, che nelle loro zuffe le donne si rimandano per ventare l’onor loro ». Outra variante siciliana do costume consiste em a mãe fazer a cama no dia seguinte ao da boda, quando estão presentes os parentes do marido, as vizinhas e comadres do bairro, a fim de verem as provas da recente perda da virgindade da noiva e poderem atestá-la.
Mayo diz, p. 42 : « Todavia se conserva entre muchas famílias gitanas la costumbre antigua española que desapareció con la accesion de la casa de Austria al trono de España y á la que se sujetó Isabel de Castila cuando se casó en Valladolid con Fernando de Aragon, esto es, la de mostrar á los convidados el dia de tornaboda el cendal de la desposada, la prueba justificativa...»
Referem-me que na corte portuguesa existia ainda neste século igual costume: a prova da virgindade de uma rainha e da consumação do casamento era apresentada aos ministros e grandes da corte.
Adoptaram gitanos e ciganos esse costume na Espanha ? Trouxeram-no de outra parte? É um problema que só pode ser discutido num estado geral sobre as migrações dos tsiganos.
A simulação do rapto da noiva, último vestígio do verdadeiro rapto primitivo, encontra-se entre tsiganos de outros países, assim como em muitos outros povos, e é até bem conhecida em diversos lugares de Portugal.
« Fra gli Zingari turchi, diz Colocci, p. 226, la cerimónia (do matrimónio) consiste talvotta nel simulare una zuffa, durante la quale il giovane rapisce la sposa. Un viaggiatore cosi narra un matrimonio zingaro a Constantinopoli: «Il y avait foule nombreuse à l’entrée de la prairie de Boyuk-Deré, ou l’on célébrait un mariage bohémien. Les tentes des familles des futurs conjoints étaient à une distance d’une vingtaine de mètres environ, et l’on voyait aller et venir d’une tente à l’autre les parents des futurs époux ainsi que les invités, armés de bâtons et simulant une lutte, pendant laquelle les fiancés s’étaient recontrés prés d’une des tentes. Le jeune homme s’empara de sa future et l’ayant embrassée rentra avec elle dans sa tente. Après quoi ils partirent ensemble pour aller fêter la dive bouteille, accompagnés de leurs parents, suivant l’usage. Et ainsi finit cette noce patriarcale».
Sobre a simulação do rapto nos casamentos populares em Portugal, vid. Z. Consiglieri Pedroso in Compte rendu de la neuvième session du Congrès d’antropol. et d’archeol. préh., pp. 628 segs.
Relativamente à cerimónia do cântaro quebrado, vejamos Colocci, p. 225-226 : « In Ispagna e in Moldavia (secondo Borrow e Cogalniceano) la cerimonia delle nozze consiste ancora nel rompere che fa la sposa di un vaso di terra davanti al « uomo del qual è per farsi compagna ; ed essi son fatti legittimi coningi, come Gringoire ed Esmeralda. Ciascuna delle parti raccoglie alcuni frammenti del vaso e li conserva presso di sè con molta cura. La convivenza loro è considerata obbligatoria, finchè sussite presso di essi alcuni di quei frammenti. Questi smarriti, per qualunque causa, accidentale o voluntaria, i coningi divengono perfettamente liberi, nè ponno più rinnovare la loro unione, se non colla rottura d’un secondo vaso, e poi d’un terzo, etc. ».
Essa explicação permite-nos interpretar a informação incompleta reproduzida acima; todavia o sentido da cerimónia pode ter-se alterado entre os ciganos.

77 Cancioneiro popular (Porto, 1867), pp. 140-141.

78 Sobre as desencontradas opiniões relativamente à prostituição ou castidade das tsiganas, vid. Colocci, p. 220-224 e 227. Cf. supra p. 171. No que respeita às gitanas, nesse ponto de vista, vid. Borrow, i, 323-337 e Mayo, p. 39, que exageram sem dúvida a virtude da gitana e das tsiganas em geral. O último chega a dizer : En ningun lupanar de Europa se encuentra una prostituta gitana».

79 A Democracia pacífica, 22 de Outubro de 1869. Elvas, iii ano, n.° 127.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search