Version classiqueVersion mobile

Os ciganos de Portugal

 | 
Adolfo Coelho

Prefácio

Rosa Maria Perez

Texte intégral

OS CIGANOS DE PORTUGAL: O EXÓTICO CÁ DENTRO

  • 1 Este texto beneficia das observações deste investigador e das do Professor Doutor Joaquim Pais de B (...)

1I. No prefácio ao primeiro volume dedicado por esta colecção à obra etnográfica de Adolfo Coelho, João Leal1 salienta a influência, nos trabalhos dos antropólogos portugueses de oitocentos, de «preocupações teóricas inspiradas nas principais tradições de pesquisa que o século XIX punha à disposição dos estudiosos das culturas populares europeias» (Leal 1993:14). Na produção global de Adolfo Coelho essas «tradições de pesquisa» viriam a assumir, segundo aquele antropólogo, três tendências fundamentais: o difusionismo, a mitologia comparada e o evolucionismo.

2Ora é no quadro da Gramática Comparada, com as influências que ela recebe do evolucionismo, que adquirem inteligibilidade parte dos conteúdos de Os Ciganos de Portugal, quiçá a sua existência no conjunto mais vasto da obra de Adolfo Coelho. Mas a compreensão deste trabalho não nos permite negligenciar a natureza da produção global do autor, compreensível à luz da interdisciplinaridade oitocentista. Efectivamente, aos seus estudos enquanto pedagogo e «historiador» da literatura acrescentam-se os de linguista e de etnólogo. As duas últimas vertentes, aqui desenvolvidas, requerem alguma atenção.

  • 2 «Nos dialectos tsiganos europeus extra-hispânicos conserva-se em geral a base índica primitiva do v (...)
  • 3 «O romanho, a julgar pelos documentos que publico, perdeu quase todas as partículas e pronomes [... (...)

3Muito provavelmente enquanto linguista foi Adolfo Coelho atraído para a análise dos ciganos – atracção que não deixa, todavia, de ser intrigante. A análise linguística, predominante na obra – das três partes que a constituem, A língua dos ciganos em Portugal; O calão ou gíria portuguesa e suas relações com a língua dos ciganos, História e esboço etnográfico dos ciganos de Portugal, as duas primeiras, dedicadas à língua cigana, constituem mais de dois terços – evidencia inequívocas influências da Gramática Comparada, cujos principais temas podem aqui ser identificados. Refiro-me, sobretudo, à tese da evolução das línguas2 e da sua transformação, por empréstimo ou por herança; à ideia de que a evolução se faz no sentido da degenerescência3; à preocupação de organizar as línguas em famílias e de as agrupar genealogicamente.

  • 4 Pott, assinala justamente o apex de uma atitude atomizante em relação aos factos de língua – e, por (...)

4Pott é, neste domínio, uma referência recorrente e ajuda-nos a situar o texto na história da Gramática Comparada: nos primórdios da reconstituição do indo-europeu, subsequente à descoberta do sânscrito, língua sagrada da índia, que nesta altura ocupa essencialmente linguistas como Franz Bopp ou Humboldt – anteriores ao desempenho teórico de Saussure e de Dumézil atentos aos sistemas e à natureza relacional dos elementos que os constituem4.

5Ao trabalho comparativista de Adolfo Coelho deve ser dada ainda outra extensão: foi ele quem divulgou em Portugal as obras dos principais linguistas alemães ligados ao método em causa e quem aqui introduziu os dispositivos modernos da filologia românica, desenvolvidos por Frederick Diez – em cuja gramática histórica (Gramatik der Romanische Sprachen), estudada no original e articulada com o Die Deutsche Sprachen de A. Schleicher, aprendeu alemão.

6A análise da língua dos ciganos de Portugal é feita com base nos materiais reunidos por A. Thomaz Pires, quer directamente, quer com o auxílio de «amigos seus alentejanos» (infra: 1). A perspectiva comparativista adoptada pelo autor leva-o a concluir que os tsiganos (nome pelo qual designa os ciganos portugueses e os grupos aparentados de outros países) devem ser considerados um subgrupo dos gitanos de Espanha – e convém lembrar que os dois termos traduzem proveniências culturais que durante muito tempo foram atribuídas aos ciganos, respectivamente a Europa Oriental e o Egipto.

  • 5 «(...) considero como tsiganos não só os elementos dos dialectos tsiganos, e em especial do cigano (...)

7O mesmo quadro comparativo permite-lhe inferir uma pecularidade do sistema linguístico português: o termo calão (que recobre simultaneamente o cigano, língua, e o nome pelo qual os ciganos a si mesmos se designam) como sinónimo de gíria parece não ter correspondente fonético fora de Portugal (infra: 57). A forma como Adolfo Coelho o concebe não está isenta de significações do ponto de vista antropológico: não seria uma língua original, autónoma, mas comum e transformada por meio de «sufixos desfigurantes», que a foram progressivamente aproximando de uma gíria, e, como esta, de uma construção de disfarce. É exactamente devido à proximidade social existente, aos seus olhos, entre os ciganos e «outros vagabundos, pedintes, ladrões» (infra: 152) que terá resultado a «introdução no calão de um certo número de termos de origem tsigana5 e especialmente cigana ou gitana» (infra: 152).

  • 6 «Assim pela comparação com as gírias estrangeiras, estudadas nos seus mais antigos documentos, pode (...)

8O método comparativista permite traçar ainda as principais linhas de uma história do calão português – cuja reconstituição só poderá ser feita, em princípio, a partir do século XVII –, dada a sua capacidade para recuar a estádios de língua de que não se possuem registos6.

  • 7 «Na maior parte dos casos estamos em presença de verdadeiras identidades de vocábulos; noutros caso (...)

9Mas a comparação (no caso vertente entre o calão, a germania, o argot e o furbesco) permite ir mais longe e verificar, a par da origem, os próprios processos de construção7; e deve ser referido o facto de, nesta parte da análise, Adolfo Coelho, menos constrangido pelas referências teóricas da Gramática Comparada, produzir apontamentos de grande acuidade linguística.

10II. Mudemos de agulha, sendo, no entanto, fundamental lembrarmos a concepção que o autor tem de antropologia: ela não encontra o seu cerne nos estudos, correntes na época, das tradições orais, antes se dirige para um trabalho mais eminentemente antropológico o qual, embora não deixe de ser marcado pelas categorias da Antropologia Biológica, faz a transição para preocupações de carácter social.

11O «rumanho» (adaptação de rumano, romanó ou romano), termo pelo qual os ciganos de Portugal designam a sua língua, que corresponde, segundo o autor, ao «espanhol influenciado pelo português» (infra: 44) surge aos seus olhos dotado de singularidade. Ele distingue-se do falar cigano de outros países europeus, onde «os tsiganos falam verdadeiros dialectos ou antes sub-dialectos particulares aparentados com os dialectos neo-hindus, saídos da mesma base popular de que o sânscrito se elevou à categoria de língua literária» (infra: 44).

  • 8 Por comodidade dos leitores não versados nestas línguas, prescindo da utilização de sinais diacríti (...)

12Uma breve passagem pelo repertório linguístico apresentado, permite, todavia, traçar um parentesco mais remoto e inequívoco com línguas da índia. Assim: pani8, «água» (presente num vasto conjunto daquelas línguas), bal, «cabelo» (como em hindi, maharati, concanim, por exemplo), calo (termo particularmente curioso, que Adolfo Coelho traduz por «cigano» e que significa em hindi « cinza »), cardó « cobertor » (chadar em gujarati ou maharati), chor « ladrão » (como em gujarati, hindi, maharati, concanim, bengali), chuchás «seios» (como em hindi, urdu, bengali, maharati), churí «navalha» (como em hindi, maharati, bengali), dai «mãe» (mais exactamente «ama» em hindi, maharati, bengali), dinar «dar, entregar» (dena em gujarati, maharati, hindi) ; etc.

13Ora, esta espécie de relutância em conceber a língua dos ciganos de Portugal como parente de línguas «nobres», tem ressonância na percepção que da sua cultura o autor manifesta.

14A cultura rom, cigana, e a sua língua, o romani, constituem antes de mais uma curiosa possibilidade etnográfica: olhar o exótico no interior da cultura do observador. Efectivamente, embora partilhem os mesmos antepassados civilizacionais e linguísticos que os seus hóspedes europeus (é inequívoca a matriz indo-europeia dos Rom, provenientes da índia, e espalhados pelo Ocidente na sequência de uma diáspora de origem controversa), os Ciganos apresentam uma organização social muito próxima da sua ascendência indiana, melhor dizendo, hindu, e, nesta medida, irredutível à morfologia social predominante na Europa.

15Na verdade, se aceitarmos a interpretação proposta por Luc de Heusch (de Heusch 1961), eles distribuem-se por cinco rasa hereditários, respectivamente Lowara, Tshurara, Kalderash, Matshvaya e Manush, em princípio endogâmicos e detentores de especializações profissionais legíveis de acordo com o modelo trifuncial proposto por Dumézil para identificar a civilização indo-europeia. Assim sendo, podemos dizer que os Rom se encontram culturalmente mais próximos dos seus distantes parentes hindus do que dos europeus com quem têm partilhado longos séculos de coabitação.

16A caracterização etnográfica dos ciganos é feita com recurso a dois dispositivos: materiais escritos e verificação de um conjunto de caracteres de natureza antropomórfica. Tanto um como o outro justificam a nossa atenção.

17Os textos seleccionados (ambos do século XVI, ou seja, três séculos antes de o autor ter redigido a obra), coincidem na atitude expressa face a esta cultura. O primeiro, de origem castelhana e da autoria de Lorencio Palmireno – nas palavras de Adolfo Coelho, «espécie de pequena enciclopédia ou cartilha» (infra: 165) de um «respeitável e eruditíssimo humanista» (infra: 166) reúne os principais indicadores através dos quais o Ocidente costuma fundamentar a depreciação social a que os tem votado: a mentira, o roubo, o disfarce. Adolfo Coelho não se distancia desta perspectiva; antes se apoia nela para substanciar a hipótese de uma provável origem grega de alguns grupos.

18A mesma «evidente fidelidade» atribui o autor a uma peça de Gil Vicente, A Farça dos Ciganos, segundo ele a primeira obra literária em que figuram ciganos. Desta vez, um conjunto de personagens femininas exibe comportamentos que nos são familiares: «Entram quatro ciganas, Martina, Cassandra, Lucrécia, Giralda, que manifestam logo o carácter importunamente pedinchão das mulheres e crianças da sua raça» (infra: 167; destacado meu). É-lhes atribuído o poder de realizar feitiços, mais um estereotipo de caracterização, associado a outra prática, tão mercantil como a anterior e, como ela, depreciativamente encarada: a leitura da sina.

19Documentos de natureza histórica permitem datar essa depreciação. Muito pouco tempo depois da chegada dos primeiros grupos ciganos a Portugal (presumivelmente em fins do século XV), estão já regulamentadas medidas legais que lhes dão o tratamento jurídico adstrito a «vagabundos e a marginais». Como aos últimos, nas palavras do autor, «Nenhum documento legislativo atribui aos ciganos de Portugal indústrias de metais, ou outra qualquer lícita» (infra: 175; destacado meu).

  • 9 Este contrasenso é, aliás, assinalado por Adolfo Coelho: «As feitiçarias, a buena dicha, a cartoman (...)

20Mas a história, ao revelar um expressivo contrasenso, ajuda justamente a traçar uma linha de separação entre a perspectiva do senso-comum – frequentemente partilhada pelos investigadores – e a realidade intrínseca desta cultura. De facto, apesar de alegada prática de feitiçaria, apenas um caso foi registado pela Inquisição, saldado com uma mera repreensão.9 Por outras palavras, ao rigor da lei portuguesa do século XVI (a de 1538 ordena a expulsão dos ciganos, depois de tortura física, a de 1592 decreta a pena de morte para os que não abandonassem o território), vemos opor-se a desconcertante complacência do mais rigoroso tribunal eclesiástico.

21Os raros momentos de tolerância manifestada pela sociedade portuguesa coincidem com o alistamento de ciganos no exército «com zelo e valor com que já foram muitos apremiados» (infra: 180).

22Tanto não chega para franquear a distância que vai de uma filantropia social bem-intencionada à capacidade de viver com a diferença, com o eterno exótico. Reproduzo o autor: «Este facto [o alistamento no exército português] basta para resgatar a raça cigana do opróbio de mais de quatro séculos e para nos fazer pensar em chamar os seus actuais descendentes, por uma política mais nacional e humana que a dos nossos antepassados, ao convívio da civilização. Os tempos novos trouxeram uma grande tolerância sem dúvida; mas essa não basta. O cigano outlaw subsiste ainda; subsiste ainda o seu modo de encarar o estranho como uma presa. É preciso que ele vença o espaço que o separa da sua concepção primitiva das relações das gentes para desaparecer com a sua individualidade étnica no nosso meio. A boa política não pode deixar existir, a título de curiosidade etnológica para o estudo dos especialistas, um punhado de indivíduos que não se subordinam à organização social do país em que vivem, obedecendo a hábitos tradicionais, mas que de nenhum modo são absolutamente refractários ao progresso e têm dotes naturais que os podem tornar proveitosos » (infra: 180-1; destacado meu).

23A caracterização «antropológica e etnográfica» dos ciganos é feita por via indirecta e justificada pelas dificuldades por eles colocadas à observação. Reencontramos aqui a perspectiva da antropologia biológica – com origem nos ensaios dos naturalistas do século xvn, Lineu e Buffon concebida, nas palavras de Broca, como uma «história natural do homem». Adolfo Coelho recorre, pois, a um conjunto de elementos biométricos: o índice cefálico (o mais conhecido e o mais antigo, estabelecido pelo sueco Retzius em 1842), o nasal, a estatura, a proporção de tronco e membros, boca e lábios, orelha, olho e pálpebra, cabelo, tez.

  • 10 Consomem carnes diversificadas, «com alguma ave morta que encontram pelo caminho, ainda que em deco (...)

24A identificação de alguns comportamentos sociais, embora sumária, convida-nos a um olhar mais atento. Assim, no plano alimentar, a regularidade aparente dos seus hábitos, característicos da cozinha do Alentejo, é contradita pela insinuação de uma prática que os coloca nos limiares da cultura: o consumo de alimentos decompostos e degradados10. Acrescem caracteres já referidos: a superstição, a irreligiosidade, a quiromancia e a cartomancia, a adivinhação.

25A referência de Adolfo Coelho ao analfabetismo dos ciganos não pode deixar de ser posta em evidência por ser emblemática de uma sensibilidade que só muito mais tarde e por mãos estrangeiras veremos ser escrita: «esta qualidade todavia não significa por si, como se afigura a muitos, um estado de profunda miséria intelectual. A leitura e a escrita por si sós são apenas instrumentos de cultura, não a cultura mesma» (infra: 186).

26São escassos e, além disso, muitas vezes contraditórios, os trabalhos dedicados à compreensão sociológica dos Rom. Esta escassez tem sido justificada com recurso ao tema da impenetrabilidade desta cultura, quero dizer, tomando os analistas como causa aquilo que deve antes ser entendido como consequência: não foram desde sempre os Rom um dos objectos mais privilegiados de uma tendência fortemente discriminatória e segregacionista por parte do Ocidente? Constatarmos, pois, o inequívoco olhar etnocêntico com que Adolfo Coelho observa esta cultura, é tão redutor como tautológico. Ele tem de ser inscrito num plano muito mais global e muito mais contemporâneo, ao reflectir as dificuldades de observação manifestadas pelas Ciências Sociais relativamente a grupos depreciados.

27Nos nossos dias, delas são exemplo a grande parcimónia de informação sociológica sobre os Intocáveis da índia e a forma como os estudos sobre eles produzidos reflectem a perspectiva do «topo» do sistema que em grande medida integra – ao mesmo tempo que nela se projecta – a perspectiva do senso-comum face a estas castas, atavicamente desvalorizadas (Perez: 1994).

28Produzido na altura em que a Antropologia dava alguns dos seus primeiros passos, o livro Os Ciganos de Portugal lança-nos um importante desafio: a necessidade de avaliarmos a intemporalidade e a extensão dos constrangimentos conceptuais e culturais da observação etnográfica.

Bibliographie

Bibliografia

Benveniste, Emile (1969): Le vocabulaire des institutions indo-européennes, vol I. Paris: Minuit. Dumézil, Georges (1968): Mythe et épopée, vol. I. Paris: Gallimard. de Heusch, Luc (1961): A la découverte des Tsiganes. Une expédition de reconnaissance. Bruxelas: Université Libre de Bruxelles.

Leal, João (1993): «Prefácio» a Adolfo Coelho. Obra etnográfica, vol. I. Lisboa: D. Quixote.

Perez, Rosa Maria (1994): Reis e Intocáveis. Um estudo sobre o Sistema de Castas no Noroeste da Índia. Oeiras: Celta.

Notes

1 Este texto beneficia das observações deste investigador e das do Professor Doutor Joaquim Pais de Brito, aos quais muito agradeço.

2 «Nos dialectos tsiganos europeus extra-hispânicos conserva-se em geral a base índica primitiva do vocabulário e da gramática; no gitano os elementos tsiganos da gramática reduzem-se consideravelmente, perdendo-se quase por completo a antiga declinação e conjugação, apenas representada por ténues vestígios; no rumanho os vestígios tsiganos reduzem-se quase unicamente a vocábulos feitos e alguns processos de derivação: o espanhol e ainda o português ocupam o lugar abandonado pela gramática tsigana. Assim por misturas sucessivas o elemento românico foi eliminando o tsigano» (infra: 45).

3 «O romanho, a julgar pelos documentos que publico, perdeu quase todas as partículas e pronomes [...], e outras formas gramaticais que ainda conserva o gitano; representa pois um estádio mais adiantado na ruína da língua tsigana primitiva que o gitano [...]» (infra: 45; destacado meu).

4 Pott, assinala justamente o apex de uma atitude atomizante em relação aos factos de língua – e, por extensão, de cultura – ao defender que a letra é o veículo mais seguro para se proceder à comparação.

5 «(...) considero como tsiganos não só os elementos dos dialectos tsiganos, e em especial do cigano e do gitano, que são de origem índica, mas em geral todas as palavras que temos razão para julgar trazidas pelos ciganos até Portugal» (infra: 152).

6 «Assim pela comparação com as gírias estrangeiras, estudadas nos seus mais antigos documentos, pode alargar-se a história do calão além dos limites que os documentos próprios nos impõem». (infra: 109).

7 «Na maior parte dos casos estamos em presença de verdadeiras identidades de vocábulos; noutros casos os vocábulos podem ter-se produzido independentemente sobre uma base comum, por um mesmo processo semântico. (...) Nos casos em que um termo de calão parece tradução de um termo de outra gíria pode ter havido realmente tradução ou simplesmente coincidência de modificação semântica nas palavras correspondentes» (infra: 105).

8 Por comodidade dos leitores não versados nestas línguas, prescindo da utilização de sinais diacríticos.

9 Este contrasenso é, aliás, assinalado por Adolfo Coelho: «As feitiçarias, a buena dicha, a cartomancia, a irreligiosidade dos ciganos, deveriam aparentemente ser motivos para que a Inquisição não lhes poupasse perseguições” (infra: 177).

10 Consomem carnes diversificadas, «com alguma ave morta que encontram pelo caminho, ainda que em decomposição, e que suspendem a três varas ensarilhadas»; e «refere-me o sr. Ferreira Deusdado que, em Trás-os-Montes, os ciganos, numa época de fome, chegaram a desenterrar porcos, que tinham sucumbido a uma epizotia, para os comerem» (infra: 185).

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search