Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (II)

 | 
Adolfo Coelho

Cultura e analfabetismo

A cultura mental do analfabetismo

Texte intégral

1Segundo a opinião de muitos, o homem que não lê é uma espécie de tristíssimo pária, sem pátria, incapaz de preencher lugar no mecanismo da divisão do trabalho social, sem faculdade de formular um juízo.

2Ainda não há muito dizia um dos nossos periódicos mais lidos e que mais tem tratado da questão do analfabetismo:

3«O recruta português chega, em regra, ao regimento num estado mental e moral muito próximo da vida vegetativa. É um homem ? Antropolo-gicamente é. Tem vida e figura humana. É um cidadão? Absolutamente não é. Não sabe ler: é portanto uma criatura desarmada para a concorrência vital. Do seu país, das tradições do seu país, das alegrias e dores sofridas em comum numa continuidade histórica de sete séculos, do porquê da sua categoria de português, nada sabe. Para ele, a pátria é a aldeia, o presbitério, o cura; é uma unidade geográfica de meia dúzia de metros quadrados (sic), povoada por meia dúzia de pessoas absolutamente indiferentes a ideias, aspirações, sonhos, cóleras, agonias e júbilos nacionais. Em que se distingue esse homem da terra, do trigo, do milho, da cepa, do escalracho, da grama, da couve? Em falar? Que importa, se nada diz?»

4Qual o remédio para esse estado psíquico revelado pelo infeliz recruta? Num outro número do mesmo periódico lê-se: «Derramar, a plenos jorros, a luz do alfabeto é dever imperioso, indeclinável, de quem está à frente de um país.» E mais recentemente afirmava-se no mesmo periódico: «O analfabeto é um animal de forma humana.»

5De longe vem esse conceito do analfabeto. Para os Atenienses a maior ignomínia consistia em não saber nadar nem ler (mêdè neîn mêdè grámmata). O analfabeto era entre nós chamado idiota, que equivale não só a simples ignorante, mas a estúpido. Nas respostas ao questionário do Censo de 1864 figurava grande número d’idiotas, que eram apenas analfabetos, não sendo possível fazer a destrinça destes e dos verdadeiros idiotas, no sentido clínico, hoje corrente, da palavra. Numa célebre conferência escolar reunida em Lisboa em 1869, um professor de uma escola superior de aplicação, propôs, como medida para combater o analfabetismo, que ao indivíduo que não soubesse ler se «concedesse somente protecção animal».

6Num Questionário, também célebre, formulado pela Associação dos jornalistas de Lisboa em Maio de 1902, perguntava-se, entre outras coisas, se, como meio de combater aquele mesmo mal, não deveria «ser proibido o casamento a todo o indivíduo que não soubesse ler nem escrever – ou só às mulheres, preparando, desta forma, futura maternização (?) do ensino elementar?

7O Diário de Notícias de 19 de Abril daquele ano publicara uma carta propondo que se fizesse um inquérito à imprensa do País sobre os meios que a cada um se afigurassem práticos para extinguir, ao menos reduzir, o analfabetismo, e o referido Questionário abria esse inquérito. Naquela carta, neste citada, escrevia-se: «Dada a curiosidade instintiva do nosso povo, pode dizer-se que se a maioria deste soubesse ler, a tiragem dos nossos jornais se multiplicaria extraordinariamente numa progressão crescente, o que não deixaria de ser também para o jornalismo a sua ‘idade de ouro’. E, para o mais, porque a instrução é a única atmosfera em que os progressos de uma nação podem germinar e desenvolver-se.» Primeiro o ouro para os jornalistas; depois a instrução para o povo – não é possível ser-se mais sincero. E eles, os jornalistas, sentem-se naturalmente com toda a capacidade de dar instrução. Ouro sobre azul, ou antes azul sobre ouro.

8Parece, porém, que a imprensa e o público em geral se interessaram pouco pelo inquérito. Ao meu conhecimento só chegaram duas respostas ao respectivo questionário, de que O Diário de Notícias nunca mais falou.

9Existe há anos uma Associação de Escolas Móveis, que tem por fim fazer propaganda da Cartilha Maternal de João de Deus e das outras obras escolares do mesmo autor, divulgando as artes de ler, escrever e contar, em cursos de pequena duração, em lugares diversos. Mais de uma vez nos periódicos se tem afirmado que essas escolas poriam termo ao analfabetismo ou pelo menos o reduziriam a um mínimo insignificante, com uma despesa de cerca de 360 contos de réis. Não pretendo agora examinar se desse modo e com a quantia proposta, assim quase subitamente, se alcançaria o resultado a que se aspira; noto só que nisso se manifesta ainda a convicção de que o analfabetismo é em si um grande mal, que urge extirpar, como se ler, escrever e contar fossem o passaporte para o país da ciência, do patriotismo e de todas as outras virtudes, assim como da capacidade prática.

10Ora primeiro devia ter-se examinado que efeito produzem na vida dos povos e dos indivíduos por si sós aquelas artes de ler e escrever ou a sua ignorância. Vejamos.

11Quando os homens chegaram ao uso da escrita, limitado durante tempo, como no Egipto, às classes sacerdotais, já a cultura se tinha desenvolvido muito notavelmente. Os homens das cavernas, desenhistas notáveis, ignoravam-na. Na Índia achamos o exemplo da existência de um ensino escolar regularizado, perfeita ou predominantemente, sem a leitura. Os cantos do Rig-Veda foram compostos e transmitidos longamente apenas de memória. Max Müller, o célebre indianista, chegou a supor que até o mesmo se tivesse dado com a célebre gramática de Panini, em que está analisado de modo completo o organismo da língua sânscrita. Ainda hoje os indígenas do Industão confiam mais na memória do que no que se acha escrito nos livros. O calculista hindu, ignorante da escrita, dos algarismos, é o pasmo dos europeus que chegam a atribuir-lhe um estado de espírito especial, que é apenas o resultado de uma instrução oral transmitida e desenvolvida através dos séculos, como muito bem se nota num artigo de M. F. Pincott em Knowledge, transcrito em La Nature (20 de Junho de 1891).

12Ainda no que respeita ao Industão diz o mesmo autor:

13«É notório que a maior parte dos homens mais hábeis desse país não sabiam ler nem escrever; mas essa ignorância tinha geralmente pouco inconveniente para eles, porque a sua memória estava carregada de conhecimentos sempre mais à sua disposição do que os possuídos pelos que estudam nos livros o estão à disposição destes.

14É notório que Rangit Singh não sabia ler nem escrever, mas estava ao corrente de tudo que se passava num reino tão extenso como a França. Era um financeiro de muita capacidade, que conhecia a cada instante o estado de suas riquezas, os recursos de suas variadas províncias, a natureza dos seus rendimentos, o poder dos seus vizinhos, os lados fortes e fracos da Inglaterra, e, numa palavra, possuía, de todos os pontos de vista, as qualidades de um perfeito administrador.

15Cometemos o erro de crer que os meios de conhecer constituem o próprio conhecimento. Isso leva-nos a atribuir o maior valor à leitura e à escrita e a tratar com desprezo os povos que não seguiram a rotina de fixar as suas ideias no papel. Deveremos modificar a nossa opinião a esse respeito, lembrando-nos de que as maravilhas da arquitectura indiana são obra de homens que não sabiam ler nem escrever.

16Outro exemplo da utilização da memória em lugar da escrita é-nos ministrado pelo droguista índio que, no meio de muitos centenares de boiões, postos uns em cima dos outros, que enchem a loja do chão ao tecto, sem rótulo algum, não hesita nunca ao lançar a mão ao recipiente que contém o produto procurado em qualquer momento. O mesmo exemplo de prodigiosa memória é-nos dado pelo lavadeiro índio que percorre as habitações dos seus fregueses, levando às costas do burro a roupa deles, lava-a, põe-na em trouxas e distribui cada uma das peças ao seu verdadeiro proprietário.»

17O mesmo fazem as nossas lavadeiras analfabetas.

18O eminente antropólogo e arqueólogo W. M. Flinders Petrie, a quem tanto devemos no nosso conhecimento do Egipto, disse num discurso à British Association for the Advancement of Science, em Ipswich, no ano de 1895: «A impressão geral, na Inglaterra, é que a leitura, a escrita, a aritmética são os elementos da educação. É possível que o sejam para nós nas condições adiantadas do nosso tempo, mas seguramente não o são para outros povos... A nossa crença ferrenha na leitura e na escrita não é em nenhum grau justificada pela observação do todo da humanidade. A arte delicada e a nobre arquitectura de Micenas, os cantos imortais dos poetas homéricos, o extenso comércio da Idade do Bronze pertenciam todos a gente que nunca leu nem escreveu. Presentemente alguns dos meus melhores amigos, no Egipto, são felizmente ignorantes de tais artes e por certo não serei eu quem os incitará a fazer um tal uso inútil dos seus cérebros. As feições essenciais de um carácter de valor – moderação, justiça, simpatia, polidez e consideração, observação pronta, penetração, habilidade em planear e predispor, um sentido vivo dos usos e propriedades das coisas – todas essas são as qualidades por que eu aprecio os meus amigos Egípcios, e tais qualidades constituem o que deve desenvolver toda a educação digna do nome. Nenhum cérebro, ainda o mais humilde, será inapto para receber essa educação que se faz a cada momento; enquanto na vida prática de uma simples comunidade as prendas da leitura e da escrita não são necessárias uma semana ou um mês a seguir.»

19Na Grécia o conhecimento e adaptação da escrita alfabética dos Fenícios remontaria, como alguns admitem hipoteticamente, pelo menos ao século xii antes da nossa era, conquanto os mais recentes historiadores alemães não aceitem que tenhamos inscrições gregas anteriores ao século vii antes desta era. O que é certo é que naquele país o uso da escrita foi durante séculos muito limitado. Os poemas homéricos, que referem tão miudamente inúmeras particularidades da vida helénica do período de que provêm, apenas num lugar fazem alusão a objecto que se toma por escrita e isso num passo mais recente do que outros a que se acha ligado (canto VI, v. 168: os sinais funestos, no episódio de Belerofonte). Segundo a tradição grega, esses poemas só foram fixados pela escrita no tempo de Pisístrato, que encarregaria alguns comissionados de os colher da tradição oral. Não é certo que os primeiros líricos e elegíacos históricos tivessem (desde a primeira metade do século vii) escrito ou feito escrever as suas obras. Os próprios conhecimentos médicos e filosóficos foram transmitidos muito tempo oralmente. Tales de Mileto não escreveu e mais tarde Sócrates fez a sua propaganda filosófica só pela palavra viva. É no período da decadência que o conhecimento da leitura e da escrita se generaliza mais na Grécia.

20A história da cultura grega justifica as palavras que Platão, no Phedro, põe na boca do rei Tamo, do Egipto, dirigindo-se ao deus Teuth, inventor das letras:

21«Tu, ó pai da escrita, por benevolência pelo teu invento, afirmo-te que vale o contrário do que realmente é; porque ela produz o esquecimento no espírito dos que aprendem pelo desleixo da cultura da memória; confiados nos sinais externos do pensamento não revolvem na mente as próprias coisas. Não achaste meio para auxiliar a memória, mas sim para suscitar a simples reminiscência. Ofereces a teus discípulos apenas a aparência da ciência e não a realidade dela; porque quando tiverem lido muita coisa sem mestre, imaginarão possuir muitos conhecimentos, conquanto continuem ignorantes pela maior parte, e serão aborrecíveis no comércio da vida, porque, não possuindo a sabedoria, se envaidecem com a opinião de que a alcançaram.»

22Platão receava pois já daquela «suffisance livresque», condenada vinte séculos mais tarde por Michel Montaigne e que é ainda uma das grandes pragas do nosso tempo. Com o exagero que o caracterizava, escreveu Rousseau: «Je haïs les livres; ils n’apprennent qu’a parler de ce qu’on ne sait pas.»

23O grande filósofo grego tivera sem dúvida ocasiões de observar a robustez de memória de pessoas estranhas ao conhecimento da leitura, facto que se reproduz ainda nos nossos dias.

24Um caso, entre muitos que poderiam citar-se para o provar. Conversando com um amigo, tenente de artilharia, acerca da instrução militar dos recrutas para aquela arma, disse-me ele: «Os recrutas analfabetos aprendem com a maior facilidade a nomenclatura das peças, a tal ponto que às vezes nós (os instrutores) temos de recorrer aos livros para nos lembrarmos de tal ou qual termo; mas eles não esquecem nunca o que lhes ensinaram – ‘têm memória virgem’. Às vezes alteram os termos, como um que, apontando-lhe um órgão da peça, respondeu: ‘Chama-se culatra mole’ por culatra móvel. – ‘Mas (replicou-lhe o instrutor) tu não vês que a culatra não é mole?’ – ‘Não é (retorquiu muito sério o recruta), mas chama-se-lhe.’» Essa resposta vale uma sentença.

25Na Idade Média tornou-se muito extensa, até ao século xiii, sobretudo, a ignorância das artes de ler e escrever. Os poetas a quem se devem as canções de gesta ou epopeias francesas, que cantaram os merovíngios, os carlo-víngios e os grandes barões, eram pelo menos alheios a essa arte; o mesmo se deu com a maioria dos nossos trovadores dos séculos xii a xiv. As artes, as indústrias estavam nas mãos de indivíduos pela maior parte analfabetos. Aos construtores das grandes igrejas romanas e góticas interessavam mais o saber desenhar, esculpir, pôr pedra sobre pedra em condições de estabilidade que ler e escrever. Nenhum dos primeiros reis de Portugal até D. Dinis exclusive parece ter sido instruído naquelas artes; e todavia houve entre eles hábeis políticos, diplomatas, guerreiros. Ainda Sá de Miranda escrevia a João Rodrigues de Sá de Menezes:

Dizem dos nossos passados
Que os mais não sabiam ler;
Eram bons, eram ousados.
Eu não louvo o não saber,
Como alguns às graças dados,
Louvo muito os seus costumes,
Dói-me se hoje não são tais;
Mas das letras ou perfumes
Donde vem o dano mais?

26Vem aqui muito a propósito as palavras seguintes de um dignitário da Igreja anglicana:

  • 1 Late Dr. Creighton, Lord Bishop of London, A Plea for Knowledge em The Contemporary Review, n.° 424 (...)

27«Nos dias em que surgiram as universidades, a grande massa da humanidade era ignorante e estava contente por permanecer na sua ignorância, no sentido de que era o que chamaríamos sem educação (escolar). Mas não devemos deixar-nos levar a juízos erróneos pelas palavras. Os homens não seriam capazes de ler ou escrever mas nem por isso lhes faltava inteligência ou a capacidade de formar juízos acerca das coisas do domínio dos seus próprios interesses e de realizar os actos da sua necessária ocupação com tanta agudeza como nós. Sabiam em que pontos a sua opinião era de pouca importância, em que pontos tinha valor. As universidades mantinham ante os seus olhos, numa forma concreta, o conceito do saber e da sua importância. Tais homens viam adolescentes serem escolhidos de entre eles mesmos, de tempos a tempos, para os fazerem estudantes. Seguiam as suas carreiras com interesse e respeitavam as suas ambições, tanto mais quanto não eram movidos por elas.»1

28A lenda de que o princípio da sabedoria para cada indivíduo analfabeto está na aproximação de um mestre (ou mestra), armado ou não daquele sceptrum paedagogorum de que fala Marcial, e que o início nos mistérios do ABC, essa lenda fecha os olhos de muita gente à mais palpitante realidade, tornando-lhe impossível ver que o povo analfabeto tem as suas artes, indústrias, saber, a sua educação e até a sua pedagogia reduzida a preceitos.

29O saber popular é o objecto de uma ciência – o folclore, cultivado hoje em todos os países cultos, incluindo o nosso. Os folcloristas portugueses têm-se ocupado principalmente dos provérbios, dos cantos, dos contos, dos jogos, dos enigmas populares, dos costumes, das festas, das superstições; mas há outros ramos em que apenas se tem tocado de passagem ou que estão inteiramente inexplorados; todavia os dados reunidos nas obras dos nossos investigadores da matéria bastam para reconhecer a singularidade de certas afirmações, de que dei acima exemplo típico.

30Proponho-me passar em revista o processo, educativo tradicional do nosso povo, assim como o seu saber, num livro de que já dei excerto na Portugália (vol. i), com o título de Pedagogia do Povo Português. Aqui limitar-me-ei a algumas observações.

31Quando em 1880 reuniu em Lisboa o Congresso de Antropologia e Arqueologia pré-histórica, Gabriel de Mortillet, relatando o passeio a Ota, onde os membros do Congresso tinham ido estudar a suposta estação terciária, referiu-se aos campos que tinham atravessado e que classificou de «admiravelmente cultivados». Pareceu-me esta frase, sem dúvida pouco notada, o mais interessante do discurso daquele arqueólogo. A quem era devida essa admirada cultura, como em geral a cultura do nosso país? A sujeitos instruídos nos mistérios do ABC, com sabedoria reforçada em escolas agrícolas? Não, por certo, mas sim principalmente aos analfabetos que conhecem também os variados ramos da tecnologia rural e das outras tecnologias. São aqueles na verdade a base principal da nossa vida económica. O seu saber técnico é atrasado em muitíssimos aspectos, não há dúvida. Não há na Europa transpirenaica, por exemplo, alfaia agrícola tão arcaica como a tradicional nossa; o nosso carro de chiar hispânico remonta na sua forma fundamental, de rodas girando com o eixo, à unidade indo-europeia e não se encontra mais fora da península. Mas com o seu saber tradicional, os nossos agricultores dão muitas vezes sota e ás aos sábios com diplomas agronómicos.

32Enquanto às crendices populares, não são infelizmente só o triste privilégio dos analfabetos. Muitas dessas crendices aparecem até transformadas e rodeadas de aspecto nobilitante em livros de homens chamados de ciência: assim, se o povo crê que os espíritos dos mortos têm o capricho de se virem encaixar nos corpos dos vivos da espécie humana ou de bicharocos como sapos, lagartos, vêem-se em livros como L’Année psychologique (xii), de M. A. Binet, fotografias de espectros autênticos, e aquele que põe em dúvida a autenticidade dessas aparições é apodado, pelos que a aceitam, de cabeça mesquinha, incapaz de entrar em certos domínios da ciência reservados aos eleitos. Assim, enquanto de um lado se ouve discursar, com maior ou menor eloquência, contra esse abismo que a instrução das classes privilegiadas lança entre elas e o povo analfabeto ou pouco menos disso, de outro vê-se surgir novo abismo entre os homens cultos que não crêem no espiritismo, na magia, na vista a distância, na telepatia, no que, por um termo geral, se chama ocultismo, e os que, tendo-se na conta de cultos, crêem em tal. Aceitando que o ocultismo corresponda a realidades, «chegaríamos, como diz o grande psicólogo W. Wundt, no seu opúsculo sobre Hipnotismo e Sugestão, a admitir que o mundo que nos rodeia é composto, de facto, de dois mundos muito diferentes. Um seria o de um Copérnico, de um Galileu e de um Newton, de um Leibniz e de um Kant, um universo regido por leis imutáveis e eternas, em que a parte menor e a maior se adaptariam harmoniosamente no todo. Ao lado desse mundo grande, que, a cada passo que damos para diante, provoca mais nossa admiração e nosso assombro, existiria outro mundo mais pequeno, um mundo de trasgos, de espíritos percutores, de feiticeiras e mediums (desculpe-se o plural, estranho como o objecto), e, nesse mundo, todos os objectos do primeiro estariam voltados de baixo para cima, todas as leis, fora dali imutáveis, seriam, em certos momentos, postas fora disso, em benefício de pessoas vulgaríssimas e as mais das vezes histéricas». A verdade é que os espritos da aldeia não divergem nada fundamentalmente dos espíritos dos ocultistas de salão; têm pouco espírito uns como os outros. Platão, chamado à barra da mesa pé de galo ou de outro instrumento coercitivo dos espíritos, não é capaz de resolver nenhum dos problemas que os filólogos enunciam hoje a respeito dos seus diálogos. Conheço um desses filólogos que é ocultista e escreveu sobre a cronologia dos diálogos do grande filósofo, sem se ter lembrado de previamente chamar o espírito dele a dar explicações cómodas sobre a matéria, na mesa maravilhosa, livrando assim o referido filólogo de muito trabalho, sem proveito definitivo. Quando a Joana de Azóia, saloia analfabeta, consulta a bruxa do lugar para saber se o namorado lhe é fiel, o oráculo não vai menos longe que Madame Leonie, do Havre, quando esta, lançada no sono magnético, prediz, não que em tal data se dará a erupção do Monte Pelado ou o terramoto da Califórnia, ou simplesmente em que bilhete de uma próxima lotaria sairá o prémio grande, mas sim que um menino do sábio Mr. Dr. Richet caiu em Paris, naquele momento, de um sofá abaixo.

33É mister notar que há também entre os analfabetos espíritos fortes, que não crêem em nenhuma dessas coisas análogas às que são o objecto do ocultismo.

34Não é de modo nenhum estranha a ideia de pátria aos que ignoram as artes de ler e escrever e não podem conhecer pelos livros a história do país ou entender um mapa, em que ele se acha representado. A história é sem dúvida muito ignorada pelo povo, salvo a parte ligada a algumas tradições locais, a cantos, e estes muito raro têm entre nós matéria nacional; pelos cantos épicos que vão desaparecendo, pelos livros populares que os instruídos no ABC liam aos que não o eram, o povo sabia, ainda há pouco, mais de Carlos Magno e dos doze pares de França que de D. Afonso Henriques e dos doze de Inglaterra. A lenda sebastianista teve, porém, grande extensão no país, e que podia haver de mais patriótico? Era o sonho da renovação de uma grandeza e de um poder perdidos. A memória do marquês de Pombal está muito generalizada entre o povo analfabeto. O poema de Camões é excessivamente erudito para que chegasse até ao povo e o mesmo se dá com a sua lírica, enquanto na Itália barqueiros analfabetos conheciam estrofes de Ariosto e Tasso. A oposição entre Portugal e Castela, formulada até em provérbios correntes, permanece firme na mente popular. A tradição das invasões francesas não se perdeu na mesma. Ora é sobretudo por oposição que se forma a ideia de pátria. Os interesses dos povos ribeirinhos que possuem a parte navegável (portuguesa) dos rios que vêm de Espanha, dos pescadores, a quem disputam as águas oceânicas os espanhóis, suscitando por vezes conflitos internacionais, e outros momentos ainda contribuem para existência daquela ideia, independentemente dos livros e dos periódicos, que evidentemente não podiam ter contribuído para a constituição da nossa nacionalidade, quando os livros eram raríssimos, os periódicos não existiam e um homem que sabia ler e escrever era ave rara, inclusivamente entre os chefes.

35Também os analfabetos se metem a falar de política e a praticá-la até, e, valha a verdade, muitos letrados não vão mais longe que eles. Conhecemos alguns capazes de propor melhores medidas de salvação do que as que assinalaram o Oliveira Martins em 1892. Ainda há pouco ouvi uma conversação sobre política entre um saloio e uma mulherzinha analfabeta, que a um canto de uma estrada de Monte Estoril a Cascais pede esmola, e esta mostrava-se ao corrente dos partidos e de seus chefes, de que parecia conhecer alguns de os ter visto por aqueles lugares.

36Nem os conhecimentos geográficos faltam por completo ao povo analfabeto. Como todos os outros variam naturalmente em intensidade e extensão, segundo os indivíduos e as circunstâncias de sua vida. Não se trata naturalmente de geografia científica, aprendida com auxílio de aparelhos e mapas, mas o que sabem em geral, a sério, os rapazes saídos das escolas de geografia? Por causa dos trabalhos agrícolas, para o exercício de outros mesteres, entre os quais a navegação, os transportes por terra, o comércio, as romarias, muita gente do povo analfabeto percorre o país ou parte dele e leva notícias do que viu aos que residem permanentemente nos lugares pátrios. Em maior grau sucede isso com os emigrantes que voltam à metrópole. Um exemplo: Há anos notava eu nas ruas de Lisboa um homem descalço, de figura e voz um tanto estranhas, que apregoava – Agriões, seis molhos um vintém! Inspirava-me curiosidade, mas não sabia como aproximar-me dele em lugar adequado para o interrogar. Um dia encontrei-o ao fundo da escada da casa em que eu morava e onde ele se recolhera da chuva. Travámos conversação e a breve trecho o homem referia-me a sua biografia. Fora soldado na Índia – acreditareis que não foi no tempo de Albuquerque ou Castro; era então governador o S. Januário. Descreveu-me a sua viagem para Goa e então pede-me um lápis e na parede traça um risco indicando o roteiro, pelo Mediterrâneo, o Canal de Suez e os Mares Vermelho e Arábico; e depois, saltando para a cosmografia, começa a refutar com argumentos seus a asserção de que a Terra andasse de roda do Sol e não o Sol de roda da Terra. Nisto parou a chuva, e aquele viajante, cartógrafo e ptolemaico ignorado saiu para a rua, dizendo-me: «Até outra ocasião», deixando a demonstração incompleta, para ir continuar o pregão dos seus agriões. Ora não dos livros, mas da sua observação e do «seu malucar», segundo a expressão que empregou, é que ele tirara aquele saber geográfico, embora ali houvesse influências indirectas de saber livresco. Por infiltração indirecta penetra muita coisa na enciclopédia mental do povo, como a verdade que ele exprime nas palavras:

Este mundo é uma bola:
Tanto anda, como rebola,

  • 2 J. Adrian Jacobsen, Bilderschrift der Eskimo em Das Ausland LXIV (1891), n° 1. Dr. Franz Boas, The (...)

verdade que na Grécia antiga fez exilar como desrespeitador dos deuses Aristarco de Samos e nos tempos modernos esteve a ponto de levar à fogueira o grande Galileu, para labéu da Igreja. Mas a cartografia do nosso homem dos agriões era apenas uma muito rudimentar tentativa comparada com a de um povo, que geralmente se coloca entre os menos cultos da terra e no qual ainda não penetra a arte do ABC: falo dos esquimós. Alguns destes possuem apenas uma escrita por imagens (ideografia), análoga à dos antigos mexicanos (esquimós guerreiros na península do Cabo de Gales e junto de Kotzebue-Stand). «O esquimó, diz-nos um dos seus melhores conhecedores, o Dr. Franz Boas, revela um conhecimento completo da geografia do seu país. Se o tempo está limpo, observa ele a posição do Sol, o lado de onde brilha a aurora ou nasce a Lua ou as estrelas, para dirigir a embarcação, e acha muito bem o seu caminho, pois conhece exactamente a direcção do ponto a que se destina. Se o tempo está encoberto, navegam dirigindo-se pelo vento, ou, se este não sopra, não viajam. Depois de um vento fresco, acham a direcção seguindo as linhas da neve. Distinguem perfeitamente bom número de constelações, as mais importantes das quais são Tuk-taqdjung (a ursa) ou a nossa Ursa Maior, as Pleíades, Sakietaun, e o cinturão do Orião, Udleqjaun (as três-Marias o Cajado de Jacob). Como o seu conhecimento de todas as direcções é muito minucioso e eles são muito hábeis desenhadores, podem traçar muito boas cartas. Quando alguém tenciona visitar uma parte do país que conhece pouco, recorre a algum esquimó que a conhece bem e este desenha na neve um mapa dela e esses mapas são tão bons que cada ponto pode ser reconhecido. Consiste o modo de desenhar desta gente em marcar primeiro alguns pontos cujas posições relativas são bem conhecidas. Gostam de subir a elevação do terreno e olhar em roda a fim de colocar tudo correctamente em referência àquele ponto. Feito isto, inserem as particularidades. As ideias que têm acerca das posições relativas e direcção das costas muito distantes umas das outras são notavelmente claras... A comparação entre os mapas (desenhados por profissionais, instruídos nas escolas europeias) e estas cartas provam a correcção das últimas. Francis Galton, referindo-se a essas cartas, diz que os esquimós «não têm educação nenhuma, no sentido que damos a essa palavra».2

37Tendo-me referido acima aos calculadores da Índia, justo é que não deixe esquecido os seus colegas do Ocidente. Não falarei aqui dos calculadores extraordinários, como Inaudi, que antes de saber ler já fazia mentalmente cálculos complicados, mas sim dos calculadores usuais. Tenho observado muitas pessoas analfabetas, principalmente vendedores, fazerem muito regularmente, sem auxílio qualquer externo, as suas contas, assim como conservarem de memória os seus créditos e os seus débitos. Um amigo fez-me conhecer há alguns anos um rapazito ovarino que aprendera alguma coisa de operações aritméticas escritas, somente por ver outros ovarinos fazerem-nas também por escrito, sem ensino directo; quis-se-lhe dar ensino regular numa escola, mas o rapazito queria ganhar a vida e parecia-lhe saber para isso o que lhe era necessário; não teve paciência de frequentar a escola.

38Devemos ter presente que nos casos mais usuais da vida não é necessário fazer uso dos grandes números, pelo que a aritmética popular se contém dentro de modestos limites geralmente; todavia não deixa de resolver dificuldades notáveis que são prova de uma condensação de cultura. Se nos lembrarmos que há povos de que se afirma não conhecerem a numeração ou saberem só contar até 3, 4 ou 5 (no primeiro caso estão os tchiquitos da Bolívia), reconhecemos a superioridade dos indo-europeus que, em remotíssima antiguidade, muitos séculos antes de fazerem uso da escrita, contavam já, pelo menos, por centos, e desde tempos ainda muito afastados, contavam já por milhares, certamente, como sabemos pelo testemunho das línguas.

  • 3 Sobre esses calculadores, vid. Alfred Binet, Psychologie des grands calculateurs et joueurs d’échec (...)

39Os Romanos não tinham ainda termo para milhão; para exprimir esse número diziam decies centena millia, dois milhões vicies centena millia, dez milhões centies centena millia. O termo milhão (italiano miglione, fr. million, etc.), aparece na Idade Média. Quando Marco Paulo ditou a Rusticiano de Pira o seu famoso livro de viagens, como nele falava muito de milhões, termo ainda pouco usado, o livro foi chamado do Milhão; hoje o povo sem instrução escolar fala de milhões, de contos de réis, com a maior facilidade: todavia, há cálculos necessários no comércio, sobretudo na vida bancária, etc., que estão fora do seu alcance, porque exigem o auxílio da escrita ou uma capacidade excepcional, como a de um Inaudi, de um Diamandi.3

40Um investigador espanhol, num artigo muito interessante sobre a Aritmética Popular de Ribagorza (Aragão), escreve o seguinte:

41«Ao despedir-se um amigo meu para a estação do caminho-de-ferro, pediu à sua hospedeira a conta que devia: ‘O senhor verá – disse ela – 28 dias a 14 reais.’ Problema formidável, continua o autor do artigo, para nós outros, educados no manual do Instituto (estabelecimento de instrução secundária), segundo o qual há de operar-se assim: 28 X 14 = (28 X 4 = 112 unidades + 28 X 1 = 28 dezenas) 112 unidades + 280 unidades = 392 reais. Acrescente-se a redução a duros ou pesetas; sem contar a falaz prova dos nove fora. Nenhum de nós se aventuraria a praticar de memória, sem muita repugnância e com algumas esperanças de bom resultado tal operação.»

42Quando li pela primeira vez esse artigo (poucos dias depois da sua publicação), parei nesse ponto, pus de lado o periódico e como me tinha numa certa conta de habituado a calcular mentalmente, fiz o cálculo que o escritor espanhol acha coisa muito árdua para os doutos saídos das escolas, procedendo da seguinte maneira (eu sou eminentemente visual para os números – mentalmente vejo-os escritos assim como os sinais das operações):

28 X 10 = 280 + (28 + 4) 112 = 392 reais

400 reais = 20 duros

392 reais = 20 duros – 8 = 19 duros + 12 reais

43= 19 duros + 3 pesetas.

  • 4 Boletin de la Institución libre de Ensenanza, año xv, 1891, 30 de Setembro, p. 281.

44Isto custou-me um bocado de fadiga mental, depois da qual passada continuei a leitura e vi que a boa hospedeira ribargorzana, enquanto o interessado procurava nos bolsos carteira e lápis para fazer a conta secundum artem resolvera o problema com muitíssimo maior simplicidade do que eu, instruído por não sei quantos tratados da arte de contar: «Não se incomode o senhor, dissera ela, servindo-se apenas das suas imagens mentais: são 28 meios duros e 28 pesetas; ou catorze duros de uma parte e cinco duros doutra e três pesetas; em suma, dezanove duros e três pesetas.»4

45Lembra o autor do artigo extratado a famosa conta do preço das pancadas necessárias para desencantar Dona Dulcineia del Toboso, conta posta por Cervantes na boca do seu Sancho:

  • 5 Quijote, parte II, cap. LXXI.

46«Los tres mil y trescientos (azotes), a cuartillo cada uno, que no llevaré menos si todo el mundo me lo mandasse, montan tres mil y trescientos cuartillos, que son los tres mil, mil y quinientos médios reales, que hacen setecientos y cincuenta reales, y los trescientos hacen ciento y cincuenta medios reales, que vienen á hacer setenta y cinco reales, que juntandose a los setecientos y cincuenta, son per todos ochocientos y veinte cinco reales.»5

47O profundo observador que escreveu esse passo não fez mais que dar um exemplo da aritmética popular do seu país, a qual teria paralelo em Portugal, noutros tempos, mas hoje está decaída. Lembremos, ainda que sejam muito mais simples, as contas de Mofina Mendes, em Gil Vicente.

48O saber popular, como o grau de inteligência dos analfabetos, tem naturalmente variantes individuais mais ou menos consideráveis e até variantes locais. Aqui e ali encontramos indivíduos muito boçais, e até localidades inteiras cujos habitantes se caracterizam por essa mesma triste qualidade. Há grupos da nossa população que vivem em condições inferiores às de muitos povos geralmente classificados de incultos. Os patriotas há anos indignaram-se sabendo que no Museu de South Kensington, em Londres, havia exposta uma colecção de objectos com a designação de «produtos dos selvagens do Algarve». Os trabalhos de empreita, feitos naquela província com a folha da palmeira das vassouras (chamaerops humilis) são muito inferiores aos tecidos finíssimos de folhas e filamentos vegetais dos pretos de África, mas não mereciam ainda aquela classificação, que se aplica com justiça a certos produtos da plástica algarvia, de que eu vi há cerca de 30 anos várias amostras. Eram figuras horrivelmente toscas, feitas de barro e cobertas de conchinhas; uma pretendia representar um homem a cavalo, que devia ser o marechal Saldanha, para aquela gente uma espécie de mito, um deus da vitória. Aquele mono revelava, pois, nesses grosseiros modeladores um sentimento superior ao círculo dos seus pequeninos interesses quotidianos.

49Eu vi, num arraial imenso, numa localidade da Estremadura (S. Pedro da Cadeira, perto de Torres Vedras), num dia de chegada ali do Círio da Prata Grande, de volta da Nazaré, inúmeros rostos de indivíduos de aspecto boçal, inundados de lágrimas ao ouvirem recitar as loas do estilo por dois rapazolas, de fisionomia não menos boçal, com uma voz e um gesto horrivelmente monótonos. Era essa voz, era esse gesto, no seu ritmo elementaríssimo, e não o sentido das palavras, que não se percebiam bem distintas e ainda menos, estou certo, se entenderiam apesar da sua banalidade, o que impressionava até às lágrimas aquela assembleia, predisposta por uma série de associações de sentimentos religiosos e práticos. Mas não pode negar-se que houvesse ali também a manifestação de um sentimento estético, como o que anima o minhoto quando ouve estralejar os foguetes de dinamite ou bater o ritmo ensurdecedor de um «José Pereira» (eu ouvi já um composto de alguns bombos e muitos tambores, ao todo uns 40 instrumentos). Mas o minhoto tem também manifestações musicais muito superiores a essas. É certo que já fui tentado a comparar o efeito das loas na gente do arraial referido ao que produz nos cães o toque das cornetas dos regimentos, efeito muitas vezes observado por mim há muitos anos. Tem-se ora afirmado, ora negado (como há pouco fez Karl Mœbius) a existência de sentimentos estéticos nos animais inferiores – eu opto ainda pela afirmativa. Não admira que no homem surjam muitas vezes sentimentos dessa natureza, de uma forma muito rudimentar, mais ou menos separada de elementos superiores, com que se fundem nas manifestações mais elevadas da sentimentalidade estética. O fado tem cultores e ouvintes entusiastas, tanto nas camadas populares mais ignorantes como nas que formam a chamada sociedade fina dos salões.

50Haveria ainda muito que dizer pelo lado da arte e estética popular; juntarei apenas uma referência à indumentária, cujas formas tradicionais tão interessantes têm ido desaparecendo sob a monotonia das modas do tempo.

51O simples ler e escrever e até mais extenso saber escolar não constituem linha de separação no senso estético do povo.

52Como mostrarei noutro lugar, os acidentes da nossa vida histórica desviaram muito o povo dos trabalhos agrícolas e das indústrias caseiras, que eram para eles, como em geral para todos os povos num certo grau de cultura, a grande escola educativca da maioria de seus filhos; todavia a existência da nossa nação, no meio de todos os seus abalos e decadências, das suas dificuldades económicas e das suas aventuras financeiras, não se compreenderia sem a existência daquela escola sem mestres diplomados. É inegável que no século xix se desenvolveu mais no nosso povo o hábito do trabalho, sob a pressão das circunstâncias, enquanto doutro lado os progressos da mecânica aplicada vinham fazer dura guerra às indústrias caseiras.

53A antiguidade tivera desprezo por uma parte dos trabalhos que são o objecto das profissões chamadas não liberais, servis, manuais, mecânicas; «vulgares e sórdidas», segundo a classificação do filósofo Posidónio, no primeiro século antes da nossa era. Os Romanos exceptuavam a agricultura dessa condenação. A lenda fazia ir arrancar Cincinato à lavoura; Tito Lívio representa-no-lo no momento em que, tendo o pé sobre a pá de cavar, recebe os delegados de Roma, que lhe propõem aceitar o consulado.

  • 6 Cícero, De oficiis, i, 42, p. 150.

54«São ileberais e sórdidos – escreveu Cícero – os ganhos dos mercenários e de todos aqueles de que se paga o trabalho e não a arte, porque o salário que recebem é o preço da sua servidão. Sórdidos devem ser julgados também os que compram aos mercadores para vender a retalho; só podem ganhar, enganando... Todos os ofícios de artífices (opifices) são vis: não é próprio do homem livre ter oficina. As mais desprezíveis são as artes que servem à sensualidade, como as do peixeiro, do cortador, do cozinheiro, do salsicheiro, do pescador, como diz Terencio (Eunucho II, 2, 26). Acrescentar-se-ão, querendo, os perfumistas (unguentários), os dançarinos e os que vivem dos jogos de azar (totum ludum talarium). As artes que carecem de maior saber e têm maior utilidade, como a medicina, a arquitectura, o ensino das artes liberais, são honrosas para aqueles a cuja classe social (ordini) convêm. O comércio de retalho é ignóbil; mas o comércio por atacado, se produz a abundância, se é proveitoso a muitos sem fraude, não é de censurar. Se o comerciante, enriquecido, ou antes contente com o que ganhou, se retira do mar para o porto e do porto para os campos com as suas riquezas pode com razão ser louvado. Mas de todas as profissões que dão algum ganho não há melhor, mais fecunda, mais doce, mais digna do homem livre que a agricultura.»6

55Essas ideias, bebidas em verdade em fontes gregas, modificaram-se felizmente com os tempos na parte que respeita ao trabalho que não encobre fraude e modificaram-se sobretudo no espírito dos filósofos, porque se reconheceu o valor moral, o valor educativo de todo o trabalho legítimo. O célebre Ruskin, por exemplo, escreveu:

56«Ao empregarmos toda a força muscular de que dispomos, temos que executar as ocupações por nós escolhidas do modo mais educativo possível. Uma ocupação humana e saudável é o primeiro e melhor método de educação, tanto mental como física. Um homem que saiba bem lavrar, remar ou guiar um barco, uma mulher que saiba cozinhar convenientemente e fazer bem um vestido, estão já educados em muitas qualidades morais essencia-líssimas. Até hoje só se aplicou aos criminosos o trabalho como disciplina; mas a sua função real e mais nobre é impedir o crime: é, não reformatória, mas sim formatória.»

57As últimas palavras de Ruskin carecem de uma explicação: se pelo lado do Estado o trabalho, no sentido usual, como meio educativo, tem sido empregado sobretudo como reformatório, como modificador de naturezas cujo vício se manifestou já pelo crime, no processo espontâneo, irreflectido da educação da humanidade esse meio foi fundamental, fonte de imenso progresso, grande móvel que fez subir o homem acima da animalidade. E só por abstracção de todas as condições da vida humana pôde enunciar-se o monstruoso princípio de que o trabalho fora imposto ao homem como castigo pela audácia de aspirar a saber. A antiguidade grega fizera de Prometeu o dador do uso do fogo ao homem, o que ensinara a este todas as artes e lhe colocara no seio «as cegas esperanças», instigadoras do progresso. Nos tempos homéricos ainda o trabalho não era o objecto do desprezo que veio a ser. Hefesto é um deus ferreiro. Epeos, o construtor do cavalo troiano, é um artífice divino. Ulisses, o rei de Ítaca, era um tão bom carpinteiro, construtor do leito nupcial, e da sua jangada, como grande orador, valente guerreiro e hábil diplomata. Foi mais tarde, e, o que é curioso, na Grécia republicana, que surgiram os preconceitos contra o trabalho, a que não escaparam os filósofos. Todavia nas Memoráveis de Xenofonte, Sócrates faz a apologia de trabalho, incluindo o trabalho manual; graças aos conselhos do filósofo, na casa de Aristarco, à miséria, à desinteligência entre os membros da família, à tristeza, ao descontentamento sucedem, pela virtude do trabalho, a abastança, a afeição, a alegria e o contentamento. Ruskin, com outras palavras, repete, pois, o velho Sócrates.

  • 7 Karle Bücher, Arbeit und Rythmus. 3.te Auflage Leipzig, 1902.

58Sabemos hoje, de modo já bastante claro, como a alta ciência e a arte mais elevada tiveram as suas origens na indústria primitiva ou andaram nos seus inícios envolta com ela em natural sincretismo. Pôde afirmar-se assim que o ritmo da música e da poesia saíram do ritmo do trabalho7

59Mas, é preciso notá-lo já para mais tarde voltar a esse ponto importante, o momento estético, é antiquíssimo, e realmente primitivo no homem; mais, como já indiquei, remonta à animalidade anterior, se bem que não se destaque em geral nas mais antigas fases, do momento prático, técnico, religioso, fisiológico.

60O sociólogo norte-americano John Dewey traça-nos um quadro rápido da vida do povo, quando predominavam as indústrias caseiras e do efeito educativo destas:

61«Os vestidos que se usavam eram em geral não só feitos em casa, mas os membros da família tosquiavam a ovelha, penteavam e fiavam a lã e teciam-na no tear manual. Em vez de carregarem num botão para iluminarem a casa com a luz eléctrica, tinha-se de seguir todo o demorado processo para arranjar luzes: matar o animal, cujo cebo se havia de aproveitar, derreter este na água a ferver, torcer o fio da torcida, formar as velas nas formas. Para ter a necessária provisão de açúcar, de farinha, de material de construção, de móveis, gonzos de portas, martelos, ia-se às lojas próximas, sempre abertas, cujas mercadorias se podiam examinar a cada momento e que eram muitas vezes lugar de reunião e conversação dos fregueses. Todo o processo de transformação se operava ante os olhos da comunidade, desde a cultura ou extracção do material bruto no campo até ao momento em que o objecto era apresentado pronto para o uso. E não só se dava isso, mas cada membro da família contribuía com a sua parte para a produção. As crianças, crescendo corporalmente e desenvolvendo-se mentalmente, iam-se iniciando nos segredos das diferentes fases do trabalho e tinham interesse imediato e pessoal na produção, pois tinham colaborado nela.

  • 8 John Dewey, The School and Society, Chicago, 1900, traduzido em Zeitschrift für padago-gische Psych (...)

62Há aqui tão importantes factores para a formação do carácter, que não podemos deixar de os considerar uma educação para a ordem e diligência, para o sentimento da responsabilidade e do dever de prestar serviço, de produzir alguma coisa neste mundo. Havia sempre alguma coisa que fazer. Era realmente necessário que cada membro da casa prestasse conscienciosamente, e em perfeita colaboração com os outros, a sua quota parte de trabalho. Quando se punham em relevo personalidades, tornavam-se em breve o ponto central da activadade. Também não se nos esconde a grande significação educativa do conhecimento imediato da natureza; do exame das realidades dos seus produtos da matéria-prima, da experiência de como esta é tratada e aproveitada, a que grande necessidade social correspondem esses produtos e que proveito têm. Era uma contínua educação para a capacidade de observar, para a agudeza do espírito, para a imaginação criadora, para o pensamento coerente, para a clara inteligência dada por esse contacto imediato com a realidade. As forças educativas contidas na ocupação da tecelagem e da fiação, da serração, do moinho, da oficina do serralheiro, na loja do pequeno comerciante estavam sempre em actividade.»8

63Essas condições existem ainda em grande parte entre nós, sendo aliás variável a intensidade com que operam. O conhecimento delas é um dado que importa muito à compreensão do processo educativo do povo no passado e até no presente, processo em que concorrem outros factores. É certo que esse quadro idílico tem suas sombras. A decadência das nossas indústrias domésticas é um facto e a previsão da sua quase total ruína não exige notáveis faculdades proféticas, a não ser que mãos superiores, que no momento não parecem existir aqui, as venham fazer entrar em nova fase da vida. Os progressos da ciência e de suas aplicações à técnica impunham ou a morte ou a transformação dessas indústrias. Essa transformação só podia operar-se pela influência da escola e de outros meios de propaganda dos conhecimentos científicos e das práticas tecnológicas modernas. Supôs-se que o ler e escrever e decorar em compêndios o que lá se lia era tudo: a educação que vem do passado está-se aniquilando e a educação própria do presente e do futuro ainda não surgiu. É um assunto para estudo especial.

64Muitos factos atestam que indivíduos analfabetos souberam e sabem dirigir-se perfeitamente na vida prática, em negócios por vezes muito complicados da nossa cultura ocidental.

  • 9 Docteur Toulouse, Les conflits intersexuels et sociaux, Paris, 1904, p. 129.

65«Quantos sujeitos que se distinguiram nos exercícios escolares (forts en thème), diz Toulouse, vegetam em estado miserável, enquanto indivíduos quase analfabetos, pelo são espírito empreendedor, ousado, prático – seu senso da vida, das necessidades e precisões gerais, a compreensão das pessoas –, edificaram organizações industriais e comerciais utéis a todos. Quão poucos indivíduos realmente cultivados entre os fundadores de fortunas!»9

66Um dos grandes empresários da construção do caminho-de-ferro da Beira Alta e do Porto de Leixões, Daudernay, era completamente analfabeto; começara por simples trabalhador de caminhos-de-ferro, passou a capatás, a pequeno empreiteiro e morreu milionário.

67Falaram-me do caso mais modesto de um canteiro de Montelavar (concelho de Sintra), proprietário de pedreiras, que faz perfeitamente de memória as contas da lavra delas, em que traz muitos operários, das suas vendas, etc., e não quis aprender a ler e escrever, porque isso lhe «atrapalharia a cabeça», como sucedia a um seu contramestre, que, sabendo ler e escrever, lhe errava sempre as contas.

68Deve notar-se, todavia, relativamente à observação de Toulouse, que o facto de entre pessoas realmente cultivadas haver poucos fundadores de fortunas não depende só de incapacidade de as alcançar. Grandíssimo número de bacharéis, de doutores, saem, sem dúvida, das escolas, sem capacidade prática para qualquer coisa; mas homens que ou nas escolas ou fora delas adquiriram alta cultura, foram literatos ou homens de ciência eminentes, souberam acumular bons cabedais pecuniários, como Vítor Hugo, Zola, Nobel, e outros em similares condições, se não enriqueceram é que puseram mais alto o seu fito – tiveram a ambição de servir a arte ou a ciência e a humanidade desinteressadamente: e é-se feliz de verificar que tal desinteresse é um resultado não raro da mais alta cultura que os espíritos de eleição conseguem dar a si próprios. Alguns exemplos. O grande químico Bunsen nunca fez registar nenhum dos seus descobrimentos, nenhum dos aparelhos de sua invenção e passou a vida na modesta Universidade de Heidelberg. Faraday não reuniu, como poderia ter feito, segundo um seu biógrafo, um capital de cerca de duzentas mil libras.

69Concluirei este segundo estudo com as considerações de um muito distinto escritor francês, observador psicólogo, e de um conspícuo engenheiro do reino vizinho e ainda as de um etnólogo e a de um antropólogo, as quais ilustram a matéria de que venho tratando.

  • 10 Paul Lacombe, Esquisse d’un Enseignement base sur la Psychologie de l’enfant, Paris, 1899, pp. 48-4 (...)

70«Supondo (ah! a suposição não é inteiramente gratuita) que tenha sido dado tanto tempo na escola ao ensino formal, leitura, escrita, ortografia, que não tenha ficado nenhum para ensinar ao discípulo outra coisa – este chegado à idade de homem saberá ler e não lerá por assim dizer nunca; saberá escrever e só de tempo a tempo escreverá alguma breve carta, talvez com boa ortografia, mas o que o nosso homem lhe porá dentro será falho de bom senso ou de rigor. E em todo o caso se ele tem razão, lógica ou prática, é ao seu natural e não à educação que deve atribuir-se o mérito. Mas ao lado dele há um homem obrigado a ditar a um vizinho ou a um escrevente público a carta que ele quer mandar; é certamente uma dependência desagradável, mas o que esse homem dita indica conhecimento exacto daquilo de que ele fala, resolução lúcida e recta. Qual dos dois preferis? Eu, nessa comparação dos dois casos, que, concordo, são extremos, prefiro sem hesitar o segundo.»10

  • 11 D. Francisco Arenal, em Boletin de la Institucion livre de ensenanza, año XVII, p. 281.

71«Hemos observado repetidas veces que algunos obreros que no sabian leer, entendian mejor que muchos de los que leian. Casi podria afirmar-se que por lo defetuoso de la ensenãnza primaria, solo habia esta servido para que adquiriesen rutinariamente la aptitud de mal leer y escribir, pero sin que constituysse un elemento, del cual pudieram aprovecharse para el ulterior desarollo de su cultura.»11

72O autor refere um caso típico em que um analfabeto mostrou discorrer muito melhor que um não analfabeto.

73Essas observações são confirmadas por muitas outras da mesma natureza.

  • 12 Letourneau, L’évolution de l’education dans les diverses races humaines, Paris, 1898, p. 45. São nu (...)

74Falando de indivíduos nascidos em povos de cultura inferior que receberam educação à europeia e depois recaíram no estado de seus pais, diz Ch. Letourneau: «Na Austrália observaram-se numerosos casos dessas ressurreições do velho homem: assim, em Porto Jackson fundara um dos governadores uma escola ou antes um instituto de educação para as crianças indígenas, de que estas só saíam quando chegadas à puberdade e então readquiriam quase sempre num momento os hábitos da sua raça ou do seu clã. Da escola de Paramatta, ainda que bem alimentadas, bem vestidas, bem tratadas, as crianças fugiam logo que podiam, despiam-se e voltavam nuas para os matos. Essas experiências são muito significativas: provam que o analfabeto, a aritmética e até a gramática, não têm o poder mágico de refundir o ser moral inteiro e de obliterar num instante as antigas tendências, lentamente adquiridas por uma raça».12

75Havelocq Ellis, antropólogo inglês que se tem ocupado muito do estudo dos sexos, num artigo sobre a mulher espanhola faz, entre outras, as seguintes considerações que nos interessam particularmente aqui:

  • 13 Havelocq Ellis, Les femmes d’Espagne em Revue des idées; 1909, aoút.

76«Na Espanha as mulheres não têm muita instrução, no sentido vulgarmente dado a esta palavra, grande número delas não sabem ler nem escrever. Mas não há talvez outro país da Europa em que se compreenda tão claramente quanto isso importa pouco. Uma espanhola do povo, para a qual é já negócio sério assinar o próprio nome, mostra contudo o mais fino tacto e os conhecimentos essenciais aos actos da vida. Casanova fazia notar há mais de um século a superioridade das mulheres de Espanha pelo que toca à inteligência. Hoje, Dona Emilia Pardo Bazan observa igualmente quanto as mulheres são superiores aos homens pela inteligência: fala sobretudo das classes superiores; mas dá-se o mesmo talvez com as classes trabalhadoras. Nestas, nota Posada (Feminismo, p. 202), quer na cidade, quer no campo, a mulher tem preparação para a vida que não é inferior à do homem; trabalha com o homem, e esses trabalhos são algumas vezes semelhantes e o da mulher não é menos bem feito.»13

77O mesmo pode dizer-se, creio, da mulher portuguesa das classes populares.

Conclusões

78Os dados reunidos neste segundo estudo autorizam a concluir:

  1. Que grandes períodos da cultura da humanidade foram possíveis sem o conhecimento da escrita, outros com conhecimento pouco vulgarizado dela;

  2. Que ainda hoje é possível educação adequada a várias condições sociais ou nacionais sem esse conhecimento.

79A questão do analfabetismo carece de ser estudada de outros pontos de vista.

ATRASO DA CULTURA EM NÃO ANALFABETOS

I

80Vimos como o desenvolvimento da cultura humana e a educação popular em especial não se têm achado necessariamente ligadas à influência dos conhecimentos do ABC. Vejamos agora o que este por si só tem dado, ou ainda quando compreendido num quadro mais largo de ensino escolar. Limitar-me-ei aqui a três exemplos colectivos, nacionais, tirados dois do passado e um do presente e que são porventura os mais frisantes que a história nos oferece.

  • 14 M. Huc, L’empire chinois, Paris, 1854, tomo i, pp. 110-111. Cf. Ch. Letourneau, L’évolution de l’éd (...)

81A China, em que não há propriamente ABC, mas uma escrita complicada e de difícil aquisição, é segundo Huc «o país do mundo em que a instrução primária está mais espalhada. Não há aldeiazinha, reunião de alguns casais onde não se encontre um mestre-escola, que reside as mais das vezes no pagode. Tem de ordinário a renda de uma fundação fixa ou uma espécie de dízimo pago pelos lavradores depois da colheita. As escolas são menos numerosas nas províncias do norte, onde os rigores do clima entorpecem as inteligências. Os habitantes do sul, cheios de vivacidade e penetração, são muito dados aos estudos. Com algumas excepções, todos os chineses sabem ler e escrever, pelo menos o suficiente para as necessidades da vida ordinária. Assim, operários, os prórios campónios, são capazes de fazer a escrituração dos seus negócios num pequeno calepino e a sua correspondência, de ler o almanaque, os avisos e proclamações dos mandarins e muitas vezes as produções da literatura corrente. A instrução primária penetra até nessas habitações flutuantes que aos milhares cobrem os rios, os lagos e os canais do celeste império. Está-se certo de achar sempre nesses barcos uma escrivaninha, pincéis, tábua de cálculo, armário e alguns folhetos, que esses pobres marinheiros se divertem a decifrar nas horas de ócio».14

82Com a divulgação prodigiosa da arte de ler e escrever não saiu a China da sua multissecular imobilidade. Em contacto com esse império, desde os tempos gloriosos das nossas navegações, não o imitámos na propagação do que constitui o núcleo da primeira instrução escolar; mas a verdade é que a pedagogia da nossa escola elementar se parece muito com a da escola primária chinesa; o mesmo se dá com a mania dos exames, que aliás chegaram no celeste império a um ponto culminante de monstruosidade que talvez excitasse a cobiça de alguns dos nossos burocratas, se o conhecessem.

  • 15 Contraponha-se o facto citado no Primeiro Estudo da alta percentagem de mineiros analfabetos mencio (...)

83No império romano, antes das invasões bárbaras, achava-se muito espalhado o conhecimento da leitura e da escrita. Um monumento muito interessante, a tábua de bronze achada na mina de Aljustrel (Alentejo), a qual contém a legislação da mina, mostra-nos que até da instrução elementar dos mineiros se cuidava, pois nela se menciona o mestre-escola (ludi magister), declarando-o isento de contribuições; e ao lado do mestre primário, do litterator, havia ali um estabelecimento balnear.15 O banho e a escola eram os dois principais cuidados de uma povoação romana. Sem discursos no Senado, sem declamações nos livros e nos periódicos (que os Romanos já tinham), espalhava-se no império a instrução escolar elementar pela força das necessidades práticas e das condições da vida social. E todavia isso não impediu a profunda desorganização do império e por fim a sua desmembração, depois de um período de administração sem rival.

II

84Saltemos agora à Europa contemporânea e ao grande império de 60 milhões de habitantes, entre os quais os analfabetos na idade do recrutamento são uma verdadeira raridade. Em 1902 foram recrutados em todo o império alemão:

Mancebos

259:209

Destes tinham instrução escolar

259:024

Sabiam a mais uma língua estrangeira

86

Eram analfabetos total

99

» » de todo o império

0,04%

» » da Prússia

0,05%

» » Baviera e Saxónia

0,01%

Eram analfabetos do Würtemberg

0,01%

» » da maioria dos pequenos

0,00%

85Note-se que em quase toda a Alemanha há obrigação de frequentar a escola popular (ou outra que dispense dessa frequência) durante oito anos completos (dos seis aos catorze anos de idade). Alguns estados tornaram já obrigatória a frequência da escola de continuação ou de aperfeiçoamento até aos 16 anos.

86Na sessão da Dieta do império alemão de 9 de Outubro de 1878 dizia Bismarck:

87«A capacidade de ler está muito mais espalhada entre nós que na França e Inglaterra, a capacidade do juízo prático sobre o que se lê talvez menos espalhada que nesses dois países.»

88O conselheiro Schöne, de Berlim, escreveu no volume xli dos Preussischen Jahrbücher.

89«Ler e escrever são as primeiras artes que a escola busca ensinar à criança e de modo que esta as pratique com facilidade e são por tal forma a condição prévia e como o instrumento de toda mais larga cultura do espirito, de todos os conhecimentos e cultura de ver, que nos habituámos a medir o grau de cultura dos povos pela bitola da divulgação daquelas artes, pelo número dos que em cada povo sabem ler e escrever. Nos tempos presentes tem isto certamente sua justificação. Mas não devíamos esquecer que foi possível noutras condições um muito alto grau de cultura sem aquelas artes. Quando nos lembramos de que Wolfram von Eschenbach compôs o seu Parcifal sem saber ler nem escrever, de que ainda na época do Renascimento, de sua literatura tão elevadamente desenvolvida, um dos maiores arquitectos de todos os tempos, Bramante, foi contado por muitos dos seus contemporâneos no número dos analfabeti, sugere-nos facilmente a questão se o domínio exclusivo do ler e do escrever nos elementos da nossa cultura está livre de todo o perigo.»

  • 16 W. Rein, A. Pickel und E. Scheler, Theorie und Praxix des Volksschulunterricht. Dar erste Schuljahr (...)

90Referindo-se a esse passo, dizem os autores da Teoria e Prática do Ensino da Escola Popular16, experimentados pedagogos:

91«Certamente há nisso um grande perigo. Pois, abstraindo do que com esse ensino exclusivo se produz de extraordinário enfraquecimento da sensibilidade para as impressões do mundo exterior, renuncia-se, com as 10-12 horas semanais do que se chama língua alemã, a suscitar energicamente a vida espiritual. ‘Visto que se emprega tanto tempo no nosso ensino, escreve o Sr. Pecht em Beiblatt für bildenden Kunst, 1882, 16, deveríamos ser o mais civilizado e artístico povo da terra; mas infelizmente de modo nenhum se vê que isso assim seja.’ Em verdade, nós os Alemães que temos sido adestrados desde mais de 300 anos na leitura e na escrita, como nenhum outro povo, deveríamos ter atingido ponto tão culminante que dele vivessem muito abaixo de nós todos os outros povos. E temos porventura razão para o fazer?»

92A lenda do mestre-escola vencedor em Sadowa e Sedan, de que os Alemães sérios sempre se riram ou pelo menos sorriram, a começar em Moltke, é boa para os beócios arranjarem períodos de discursos parlamentares ou de artigos do fundo de periódicos que desejam que lhes fabriquem leitores. Não é no simples ABC, nem mesmo nas suas escolas populares, que reside a força da Alemanha; mas sim na energia nacional, no sistema total das suas escolas, sobretudo das secundárias, superiores e técnicas, sistema que é uma manifestação dessa energia e um instrumento da sua propagação ao mesmo tempo, como da expansão do seu comércio, do desenvolvimento da sua indústria, da sua disciplina militar e social. «Saber obedecer para poder mandar» é um princípio da sua pedagogia.

  • 17 Victor Bérard, L’Angleterre et l’impérialisme, 4.e ed., Paris, 1907, p. 307.
  • 18 Victor Bérard, ob. cit.: leia-se todo o capítulo intitulado: le rationalisme allemand, pp. 289- -33 (...)

93Diz-se que os resultados extraordinários industriais, comerciais da Alemanha, como o seu êxito militar, têm a sua razão de ser na educação: que foi a ciência, em todos os domínios, a primeira fonte da força alemã.17 Sem dúvida; mas essa educação, essa ciência, não estava ínsita no simples ABC, repito, nem na capacidade ordinariamente escassa do mestre-escola. «A ciência, diz noutro lugar Bérard, não fez tudo, e os resultados teriam sido sensivelmente menores sem uma outra virtude da nação inteira. Afabilidade, cordialidade, polidez, sociabilidade, essa qualidade fundamental da raça tinha sido disciplinada pelas prédicas morais dos filósofos, transformada por eles, sob a lei do dever numa solidariedade nacional e humana... Nunca, na nação de Kant, outro ‘imperativo’ foi imposto e reconhecido senão o imperativo categórico e universal, implantado na consciência e nas concepções de cada um pelas doutrinas dos filósofos – o imperativo do dever nacional e social.»18

94A energia do povo revela-se num vasto corpo de dirigentes, à altura da sua missão e na obediência convicta dos dirigidos.

95Todavia, quanto resta fazer depois de se libertar a todos essa sopa económica do espírito que se chama a instrução primária, elementar ou popular! Vamos vê-lo.

III

96No país dos grandes médicos, no qual há uma literatura excelente de vulgarização (a par, é verdade, de outra que é o contrário), os curandeiros prosperam, apesar das universidades fabricarem constantemente novos sacerdotes do deus Esculápio, grande parte dos quais ficam pertencendo ao triste proletariado dos doutores.

97A superstição figura entre os factores do charlatanismo dos curandeiros. Quatro quintos deles não têm mais instrução do que a recebida na escola popular; mas todos têm essa instrução. Existe um curso pseudo-académico, de fisioterapia (Naturheilkund), com um ensino de nove meses e exame ante uma comissão que concede um diploma, arvorando charlatões em curandeiros diplomados. Os medicamentos que estes aconselham são feitos por fórmulas secretas e vendidos muito caros. O conde Mattei alcançou grande fortuna com as suas pílulas de açúcar electrizadas (?), até na própria Alemanha. Aqui, pastores de ovelhas são muito procurados para tirar diagnoses da inspecção dos cabelos. O curandeiro Glünicke ganhava com os sucos das suas ervas 1100% e nos últimos anos da sua vida o negócio rendia-lhe anualmente 120 000 marcos.

98Nos últimos 15 anos anteriores imediatamente a 1902, o povo alemão consumiu cerca de 15 milhões de marcos em literatura de curandeiros: alguns desses livros, como os de Kühne e Kneip, chegaram até cá. Esses livros são, em grande parte, proibidos na Áustria.

  • 19 Grassmann, Der Einfluss der Kurpfuscher auf Gesundheit und Leben der Bevölkerung em Die Umschau, 19 (...)

99Os curandeiros alemães tratam, sobretudo, doenças incuráveis, como tuberculoses graves, tabes dorsal, epilepsia, cancro, e causam frequentemente a morte dos seus clientes. O número desses sujeitos aumentou consideravelmente depois da publicação do código industrial (Gewerbeordnung, de 21 de Junho de 1869), que deu quase liberdade completa à arte de curar. Na Saxónia há círculos (Bezirke) em que o número deles é maior que o dos médicos. Em Berlim, depois de 1879, o seu aumento foi de 1600%, enquanto a população só aumentou 61%. Na Baviera por 100 médicos há cerca de 30 a 40 curandeiros. Há quem calcule, sem dúvida exageradamente, em 12 000 a 15 000 os curandeiros nos cantões rurais. Os tribunais mostram-se brandos para estes senhores. Os que recorrem a eles acusam os médicos de só saberem passar receitas, enquanto os curandeiros aplicam vários meios físicos, como a hidroterapia, com que fazem maior mal do que as pílulas de açúcar e águas homeopáticas.19

  • 20 Fritz Juliusberg, Die Kurpfuscherei bei venerischen Krankheiten. Ibidem, 1904, 19 de Março.

100Um artigo, mais recente do que aquele de que extraí essas notícias, diz haver em Berlim cerca de 600, na Baviera c. 1200, na Saxónia, c. 1000 e em todo o império alemão c. 10 000 curandeiros estabelecidos e profissionais. Quase 1/4 ou 2500 tratam exclusivamente as doenças venéreas. Os do sexo masculino são em parte boticários, droguistas, professores primários, barbeiros, parteiros; mas a maior parte vêm de outras profissões: 40% são oficiais de ofício, 20% trabalhadores e operários. Do sexo feminino eram 58% criadas de servir; 24% costureiras. Cerca de 30% desses curandeiros sofreram condenações não por esse ofício, mas por burlas, subtracções de objectos ou de dinheiro. Enquanto presos, as suas mulheres ou ajudantes continuam o negócio, geralmente estabelecido em grande estilo. Os jornais publicam-lhes reclames e agradecimentos dos seus clientes. A imprensa diária, que tem bom negócio nessas publicações, não combate em geral o curandeirismo.20

101Circulou há alguns anos uma anedota, porventura inventada, mas característica. Num tribunal alemão comparece um sujeito acusado de curandeiro. Quando o juiz lhe pergunta o que tem a alegar em sua defesa, ele apresenta-lhe o seu diploma de doutor, em perfeita ordem, e pede ao juiz que não torne público o caso, para não perder a sua clientela, se souberem que ele é médico diplomado.

IV

  • 21 C. Roth, Landlich Hygiene em Die Umschau, 1909, 20 de Março; El. Hugo Meyer, Deutsche Volkskunde, S (...)

102Enquanto muitas cidades alemãs são modelos da mais adiantada higiene, e nas suas ruas não se vê no chão nem uma casca, nem um fragmento de papel, nas povoações rurais domina em regra a falta de higiene, compensada, é verdade, pelo trabalho ao ar campesino e outras condições da vida rústica. A imundície é a lei. Casas pequenas e fétidas, estrumeiras por toda a parte, a habitação dos animais não separada da dos homens, a defecação sub divo, no eido, na horta, na praça, na estrada, com subsequente infecção das águas dos poços, têm como correspondente a falta de limpeza pessoal. Há um provérbio alemão em que se fala da camisa que se veste pela Páscoa e se muda pelo Espírito Santo; outro, da velha que mudou de camisa pelo Natal. Só por excepção se lavam as mãos antes de amassar o pão, mugir as vacas, preparar a manteiga. No Hannover meridional chama-se à parteira a «mãe do banho» (Badmütter anteriormente em Brunswick Badmoine), talvez porque o banho que ela dá ao recém-nascido é muitas vezes o único que ele toma em sua vida. Nalgumas povoações rurais têm-se todavia estabelecido banhos que são utilizados21

103Como se vê, uma grande parte do povo da douta Alemanha, pátria de grandes médicos e higienistas, na sua confiança nos curandeiros, na sua falta de higiene, apesar da instrução escolar e de grande abundância de outros meios de adquirir conhecimentos, emparelha com muita da gente portuguesa, analfabeta ou não analfabeta. Sem dúvida há ali excepções. Nalguns casos os campónios excedem a maior parte dos seus vizinhos, mas ficam abaixo dos holandeses em Zindelykheid. É universal a fama de este último povo pelo que respeita a limpeza, havendo até quem o julgue exagerado. Mas ao sujo magiar o saxão de Siebenburg parece tão asseado que zomba deste dizendo: Quando não tem que fazer, o saxão desfaz a casa e faz uma nova. As povoações rurais pouco limpas predominam na Alemanha, defrontando às vezes de perto com algumas asseadas, e a medida da limpeza não depende do grau de abastança. Nas pequenas povoações campesinas em que as casas se apertam a disputar o pequeno espaço que se rouba às culturas, é que se encontram as piores condições: aqui as húmidas estrumeiras seguem-se sem intervalos.

104Na Suíça alemã há mais cuidado pela ventilação dos quartos de dormir do que em geral na Alemanha, por exemplo do que em Baden. Além utilizam-se as galerias ou alpendres abertos para assoalhar as roupas da cama, enquanto em Baden, etc., essas roupas ficam muitas vezes longo tempo fechadas nos quartos.

  • 22 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben im neunzehnten Jahrhundert, Strassburg, 1900, p. 353; Godefroid (...)

105É facto provado que, em parte, em vez de progresso tem havido retrocesso nos hábitos do campónio alemão, relativamente à limpeza. Assim, antes da Guerra dos Trinta Anos, diz-se, era rara a casa campesina que não tivesse o seu quarto de banho. Sabe-se que o facto da decadência da limpeza corporal foi universal na Europa nos tempos modernos. No império romano estavam espalhados por toda a parte os estabelecimentos balneares públicos. Em Lisboa acharam-se as ruínas de dois. Na famosa tábua de bronze de Aljustrel há prescrições relativas ao banho como à escola, ou melhor, ao mestre-escola (ludi magister), ao que já se aludiu acima. Os Lusitanos, segundo testemunho de Posidónio de Apamea, e os Germanos, como refere Tacito, tinham o hábito de se banharem, e não são raros os testemunhos acerca dos banhos na Idade Média, até entre nós e noutros países da Europa, contra a afirmação de Michelet de que, nesse período, durante 1000 anos, ninguém tomou um banho.22

V

  • 23 Wittenberg und Vagner, Enquete über die geschlechtlich-siitlichen Verhältnisse der evange-lischen L (...)

106Do ponto de vista moral, o quadro traçado por alguns pastores evangélicos e autores de obras sobre Volkskunde (estudo do povo, etnografia) está longe de ser lisongeiro.23

107Segundo Paul Göhre, «a classe dos campónios tem, pela força do seu inerente conservantismo, a mais ingénua compreensão da moralidade – o campónio, o lavrador (Bauer) vive como ninguém com e na natureza. Ela é o objecto do seu trabalho, ela é a mais valiosa parte do seu património; é para ele companheira, mãe nutridora e mestra. Ele sente-se parte dela, indissoluvelmente ligado a ela. A natureza não pode enganá-lo na sua vida e actos. Como ela é, é racional. Como ela é, é boa. O que ensina é verdadeiro. Quem a considera, quem segue os seus preceitos e quem vive com ela, procede como ela, vive conforme ao bem, à rectidão, à razão. Assim, moral é o que é natural. Este é sem dúvida o primeiro elemento da compreensão da moral no campónio médio. Um exemplo basta e esse tirado do domínio da moral sexual. O que ele observa, desde cedo, principalmente com os animais, dá-lhe o conceito da sexualidade como coisa necessária, que se entende por si, um caso de todos os dias, e tira-lhe assim o estímulo da sexualidade; ele transfere essas experiências para a sua própria, para a vida humana sexual. Um forte sangue-frio nesse domínio é o traço característico do campónio sob tal aspecto. O comércio sexual, fora do matrimónio, e sobretudo antes do matrimónio, entre duas pessoas novas, que quadram uma à outra – sobretudo economicamente – aparece aos olhos do campónio alemão como perfeitamente permitido e o casamento só necessário quando surge a prole»; como entre os animais esta determina a mais ou menos demorada vida comum do macho e da fêmea.

  • 24 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, pp. 190-192; Deutsche Volkskund, p. 165.

108Como nos comunica E. H. Meyer, a entrada pela janela da namorada era um velho costume geral germânico, que persiste e se designa usualmente pela expressão bávara Fensterlen (de Fenster, janela) em Baden. Os antigos senhores territoriais, seculares ou eclesiásticos, a quem convinha aumentar o número dos seus servos e dependentes, fechavam os olhos a tal costume e ainda hoje muitos lavradores são indiferentes a essas aventuras da parte da sua criadagem e até, por vezes, quando nelas entram as próprias filhas. Depois da Reforma, a Igreja protestante, tanto como a católica e ainda mais alguns governos buscaram pôr cobro a tal desmando, mas sem resultado. O Fensterlen ou Gadensteigen (subida ao aposento) floresce ainda. Nas ideias populares a gravidez pré-matrimonial de uma rapariga é uma sorte que vem de Deus e deve ser recebida com resignação; para a criadagem é até uma virtude que abre a perspectiva de um aumento de salário. Apesar de alguns costumes zombeteiros para com os namorados, a propósito dessas visitas nocturnas, a rapariga caída não é objecto de desprezo; quando muito, é-o de branda reprovação. No caso de abandono da mãe e filho pelo pai, é este objecto de escândalo.24 Os §§ 1705-1718 do Código Civil regulam a situação de pai, mãe e filho nos casos de ilegitimidade e estão dando lugar à intervenção das administrações locais a favor de mãe e filho, tendo em resultado que nalgumas cidades a mortalidade dos ilegítimos, em virtude da protecção pública, é menor que a dos legítimos.

  • 25 Dr. Walter Claassen, Die deutsche Landwirtschaft, Leipzig, 1908, pp. 96-97.

109Um autor alemão25 que, apesar de ter diploma do doutorado por uma universidade do seu país e ser publicista, é lavrador e pratica os trabalhos rurais, fez a defesa dos homens da classe a que ele também pertence, contra as afirmações do inquérito dos pastores evangélicos e escreveu relativamente às aludidas relações pré-matrimoniais: «Deve ter-se em vista que, segundo o antigo direito germânico, não combatido por nenhuma das duas Igrejas (católica e protestante) até depois de Lutero, o casamento não era sancionado por nenhuma autoridade civil ou eclesiástica, mas somente pelo acto dos interessados. Esta tradição conservou-se no campo. E se os nascimentos ilegítimos se tornaram tão numerosos, resulta isso de que os poderes públicos se esforçaram desde o século xvi, com êxito, por destruir o antigo conceito jurídico: uma contribuição para a história do ‘progresso moral’. Os nascimentos ilegítimos atingem na população rural 53/4% da totalidade; enquanto nas cidades sobem a 9 ou 9 1/3% do total. Mas nas cidades o número dos nascimentos ilegítimos não seria somente o dobro ou o triplo, como em Berlim, dos do campo, mas talvez o quadrúplo ou quintúplo ou mais, se naquelas não se tivesse desenvolvido a arte da limitação artificial. A afirmação de que tal caso se dá também no país rural, ilustra muito claramente o juízo preconcebido dos pastores, que tendo ouvido algumas histórias sobre a matéria, em 2 1/2 milhões de famílias de lavradores, generalizaram o facto para a totalidade delas. Deviam eles saber pela estatística que no último período de 25 anos a fecundidade das mulheres casadas tem diminuído consideravelmente nas grandes cidades, e tanto como nada nas regiões rurais.»

  • 26 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, pp. 190-193-260. Sobre as formas do casamento na Idade Média, (...)

110E. Hugo Meyer, ao contrário de Claassen, vê na ideia de que o comércio sexual pré-matrimonial entre os noivos é permitido um resto das teorias esponsalícias evangélicas, antigas e canónicas, a que era contrário o antigo direito germânico. O povo não passou por completo para as formas modernas da jurisdição matrimonial, eclesiástica (católica ou protestante) ou civil. Há, pois, no costume, um exemplo do conservantivismo do campónio. Também Meyer apresenta números que mostram em alguns lugares rurais de Baden uma muito alta percentagem de nascimentos ilegítimos, até 50 a 60% da totalidade.26

111Diz-se que, uma vez casadas, as raparigas que procederam antes muito livremente, são fiéis a seus maridos e mais geralmente que noutros países.

112Outro ponto saliente na concepção moral do campónio alemão é que moral é o que é útil. As condições passadas explicam em parte, segundo Göhre, esse modo de ver. Para se emancipar da opressão em que viveu longo tempo, teve o campónio que recorrer ao silêncio, ao disfarce, à mentira, à astúcia; tornou-se desconfiado para com todos e esse proceder pareceu-lhe perfeitamente justificado, como o eficaz para alcançar e conservar a sua independência e não foi ainda possível arrancar-lhe essas feições morais.

113Possuir é para o campónio aspiração capital, a fonte do seu orgulho. O seu sentimento da respeitabilidade, muito importante na sua vida, exige tanto como o da própria conservação, que alargue os seus bens, que tenha reservas, em vista do que existe de precário na vida rural. O conceito da honestidade, da probidade (Ehrlichkeit) consiste para ele muito mais na reputação da probidade do que na realidade dela; é por isso, em verdade, muito elástico. Resulta daí, por exemplo, a falta de escrúpulos a respeito do passado da noiva: o essencial é que ela traga bens para aumentar o pecúlio existente. A beleza da noiva não é também coisa de que se cure. Um provérbio alemão diz (e os provérbios para os campónios são leis): Man sieht nicht auf die Gosschen, sondem auf die Groschen (não se olha para a cara, mas sim para os vinténs). É ainda um elemento de honestidade ser muito activo e sobretudo dirigir com bom êxito os seus negócios. Nas compras e vendas, mormente de gado vacum e cavalar, no pagamento dos impostos, na fidelidade do juramento, considerado mais como um favor prestado a um amigo do que como um acto jurídico, no abuso do trabalho, muitas vezes precoce, das crianças, manifesta-se o espírito estreito de ganhuça, o mercantilismo que se estende aos negócios de família e de religião.

  • 27 Paul Göhre, em Die Umschau, 1899, 1 de Janeiro.

114Göhre, referindo-se especialmente aos campónios protestantes, diz: Temor e reverência é o traço fundamental da sua relação para com Deus. Temor e reverência, porém, não ligam, mas separam. Voluntariamente permanece o campónio a respeitosa distância do Senhor, omnipotente e misericordioso, cuja Graça é infinita; voluntariamente, com perfeita pontualidade, cumpre ele também os deveres prescritos para com Deus: o dever de ir à igreja, da oração à mesa, da oferenda eclesiástica, como uma espécie de juro e dízimo que ele tem de prestar ao Senhor. Mas isso basta-lhe geralmente. No mais ele busca evitar penosamente todo o início de intimidade, que se lhe afigura como um crime, que chamaria punição. Por esse motivo há entre os campónios poucos que neguem Deus, O mesmo respeito que o põe a distância conveniente de Deus, afasta-o de tal temeridade.27

115«O respeito dos dez mandamentos da lei mosaica e, em consequência dele, o da legislação do Estado, como fundamento de toda a moral, é a terceira importante parte da moralidade do campónio. Mas não há, sem dúvida, entre ele e essa lei moral nenhuma relação íntima: tal lei é apenas reconhecida como um poder ante o qual há necessariamente que curvar-se, mas ao qual se busca também escapar e a que não se tem amor.

  • 28 Paul Göhre, em Die Umschan, 1900, 24 de Março.

116Não há certamente uma maioria entre os campónios que faça o bem pelo bem, de amor pelo bem. A essa moralidade raro se eleva algum. Também o cumprimento dos dez mandamentos e das leis do Estado dá-se principalmente porque é esse o melhor caminho a seguir. Logo que desse cumprimento não se tira proveito e do não cumprimento não pode resultar dano, por passar despercebido, o campónio permite-se grandes liberdades, sem considerável remorso. Na classe dos lavradores não se conhece nem se aprecia uma relação íntima para com a moralidade, uma moralidade por assim dizer realmente pessoal, livremente querida. Moral é para ele em primeira linha, o que é natural, útil, não chocante e exteriormente correcto.»28

  • 29 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, p. 605; cf. pp. 519 e segs.

117Falando do campónio de Baden, em que a maioria da população (2/3) é católica, diz E. Hugo Meyer: «O lavrador possui em alto grau o temor de Deus e põe sob a protecção do Altíssimo e dos seus santos a casa e o eido, o gado e o campo; frequenta cuidadosamente a igreja e pratica outros actos religiosos e boas obras; mas a sua piedade é muitas vezes apenas pura matéria de hábito e não se harmoniza com ela a sua moralidade.»29

118O quadro será talvez um tanto carregado, as feições demasiado generalizadas, mas há sem dúvida nele muita verdade; muitos dos seus traços e matizes reacham-se nos campónios de outras nacionalidades e podê-los--íamos reproduzir se quiséssemos pintar o nosso homem do campo. Em geral a literatura não foi também lisonjeira para o campónio e chega até a excessos, como em Le Paysan de Balzac; aquele tem tido, em verdade, também defensores. Citei já Claassen, pelo que respeita ao campónio alemão.

119Esse autor invoca o facto de que os divórcios são em número 3 ½ vezes maior nas cidades da Prússia do que no campo, em relação aos consórcios realizados. As doenças sexuais são nas grandes cidades, com excepção de Berlim, doze vezes, em Berlim dezoito vezes mais frequentes que nas regiões rurais.

120A moralidade, acrescenta, não se limita de modo nenhum às relações sexuais. Afirma-se que pelo isolamento, pela falta de comércio social (Umgang) o lavrador tende para o egoísmo, que lhe falta o sentimento da comunidade. Mas o êxito da Associação dos proprietários agrícolas mostra que o lavrador é capaz de tomar parte em acções comuns e de se sacrificar pelo bem geral. O fim da Associação pode, sem dúvida, ser olhado como material, mas devemo-nos lembrar de que nos tempos ordinários a massa dos homens só se põe em movimento para fins dessa natureza, tanto na cidade, como no campo.

121Claassen pretende que o lavrador olha mais para o crescimento, florescimento e prosperidade da sua empresa agrícola do que para o ganho que daí tire e pergunta em que outra profissão daria um homem aos seus colegas o conselho de que a produção se deve elevar a todo o custo, mesmo à custa do produto líquido. Mas esse caso deu-se de facto num periódico especial agrícola.

  • 30 Dr. Walter Claassen, ob. cit., pp. 96-97.

122«Devemos, lê-se nele, ver o nosso dever em ministrar ao povo alemão todos os cereais de que ele careça para se alimentar.» «A agricultura aparece, assim, não mais como um simples modo de ganhar a vida, mas também como um honroso dever.»30

123Haverá sem dúvida excepções nobres no meio dos casos mais frequentes, porventura, a que se referem os dados que colhi noutros livros e que também não foram inventados.

124O que Claassen diz da população campesina como um reservatório de forças para a renovação das nações é muito verdadeiro e poder-se-ia indubitavelmente aprofundar mais. Essa classe não é só produtora de materiais indispensáveis para satisfazer as mais inadiáveis necessidades do homem: é fornecedora incessante de material humano para substituir o que as cidades (permita-se-me a expressão) queimam no trabalho da cultura, e sobretudo de uma mal dirigida cultura, de uma agitação por vezes vertiginosa. O egoísmo, o isolamento, o conservantismo, a rotina, o predomínio da vida material e portanto o repouso muito grande do cérebro, que o amor da posse e o orgulho da produção só excitam em grau medíocre e não, como nas largas empresas industriais e comerciais, até à grave neurastenia – todos esses predicados, que nos aparecem em parte como negativos, foram e são condições de vida para a gente campesina e fizeram dela, realmente, um reservatório de forças para a renovação social. A natureza impõe contrastes. Quantas vezes das famílias de rudes campónios saíram homens geniais que elevaram a grande altura o facho da arte, da ciência ou da moralidade! É de esperar que a influência da moderna cultura melhore por fim fundamentalmente aquelas condições, tanto mais que ela se faz sentir sob diversos aspectos e em parte de modo feliz, vencendo velhos preconceitos: lembrarei entre outros factos, as florescentes associações agrícolas da Bélgica e da Dinamarca; mas não será o simples poder do ABC que produza esses resultados, ainda quando se lhes juntem esses outros conhecimentos que se inserem no programa da escola primária ou popular. O que passo a dizer confirma de modo mais completo do que o que precede essa asserção.

VI

125O campónio alemão, sabemo-lo, não é analfabeto: que uso faz ele do seu conhecimento da leitura? Na sua casa não há uma biblioteca, nem sequer um lugar especial, uma prateleira destinada a livros. Mas em regra possui alguns. O principal é a Bíblia, a Bíblia de família, herdada de pais e avós, um exemplar encadernado com algumas folhas em branco, que contém curta crónica da família; mas a leitura desse livro sagrado decai, do mesmo modo que se esquecem as histórias bíblicas, apesar do ensino escolar, que as compreende no seu programa. Os modos bíblicos de dizer, outrora usados, raramente são empregados, e em geral são-no com espírito zombeteiro. O começo misterioso do Evangelho de S. João é empregado em todos os perigos. Os católicos lêem ainda com gosto lendas de santos, adornadas com estampas coloridas. As duas confissões apreciam ainda muito certos livros de edificação, como os protestantes o Livro das Prédicas de Striegenitz (1951), e os católicos a Vida de Jesus, de Martin von Cochen (1689) e o Devocionário de Goffine, além de algumas obras açucaradas modernas. Os protestantes fazem muito uso do Livro dos Cânticos por ocasião de tempestades, doenças ou outras perturbações.

126Com as Folhas das Missões vem o jornal, em que chamam sobretudo a atenção os anúncios, as notícias das colheitas e do estado do tempo; depois informações acerca de fenómenos naturais, assassínios, guerras e pessoas conhecidas. A política propriamente dita interessa pouco ao campónio alemão. Com avidez lê os romances que lhe empresta a Biblioteca Popular. Encantam-no as Histórias morais de Christoph von Schmid: Os Ovos de Páscoa, Rosa Tannenburg, etc.; mas os velhos livros em papel pardo, como Genoveva, A Bela Magalona, A Imperatriz Porcina (que o povo português ainda lê) desapareceram. Nos Livros Populares Alemães, redigidos por Gustav Schwab, que ainda se reproduzem nas Colecções de Meyer e Reclam, achamos a Magalona e o Roberto do Diabo, conhecidos dos nossos campónios.

127Às vezes junta-se a essas obras literárias e religiosas um livro de agricultura ou tecnologia rural, especialmente um Tratado da Arte de Ferrar, um compêndio de Arboricultura; alguma narração de viagem, uma Guerra de 1870.

  • 31 Num artigo Tradições Relativas a S. Cipriano (Revista Lusitana), i ano, 1887, pp. 166 e segs., ocup (...)
  • 32 E. Hugo Meyer, Deutsche Volkskunde, pp. 202-204.

128Indispensável ao lavrador alemão, como, sem dúvida, a todo o lavrador que sabe ler, é um Calendário Perpétuo (o Lunário Perpétuo do nosso campónio, que ele muitas vezes chama o Leonardo perpétuo) ou outro Calendário de feição mais moderna, mas em que devem achar-se sempre histórias, anedotas, gravuras, versos, tudo objecto de inesgotável prazer nas longas noites de Inverno e tardes de Estio. Acrescem as listas das feiras, as épocas das diversas sementeiras e outros trabalhos agrícolas, as regras práticas acerca da vida e do tempo, mistifório de boas observações da natureza e de velhas superstições, sem faltar nunca a indicação do planeta que rege o ano, e a que o leitor campesino se submete sem resistência. A astrologia, em verdade, domina o seu espírito e crê piamente nos prognósticos que lhe fazem a propósito de algum novo cometa. (Compare-se o Borda d’Água, etc.) Os vendedores ambulantes levam de Reutlingen e de outros lugares, onde os fabricam especialmente, Livros Mágicos, análogos aos Livros de S. Cipriano do nosso povo31, Livros de Sonhos, onde o campónio alemão acha explicações dos sonhos, que parecem ser raros entre eles, e que por isso causam no seu espírito profunda impressão, assim como remédios mágicos para as doenças; esses livros fazem pois concorrência aos curandeiros e ficam muito mais baratos32.

  • 33 A lenga-lenga do Tangromangro refere-se, segundo julgo, a esta crença: as dez irmãs nascidas dentro (...)

129O campónio alemão conhece só certas doenças, a que reduz todas as mais, ou antes certos nomes de doenças que aplica a casos patológicos variados; tais são: feridas, corrimento de sangue, febre, consumpção, erisipela, gangrena, convulsões, mal caduco, asma. A doença não lhe parece geralmente processo natural, no sentido que damos a esta palavra, mas obra mágica, produzida por homens dotados de poderes superiores, entidades demoníacas, coisas-más. Esses agentes embruxam, lançam mau olhado, enfeitiçam, enguiçam. No Tirol e na Silésia crê-se que certos animais, como a doninha, sapos, cobras, sopram no rosto das pessoas, produzindo-lhes tumores venenosos. A própria febre, as convulsões, as inflamações são tidas na conta de pessoas vivas, que muitas vezes em turbas de nove, de setenta e sete ou de noventa e nove, caem sobre os homens e podem ser evocadas, escorraçadas, afugentadas, espancadas, encravilhadas.33 Mas também se lisonjeiam essas entidades, se ameaçam e se capitula com elas formalmente. Uma entidade muito firmemente personificada é o Insonho ou Pesadelo (alemão Alpdrück).

130O campónio não compreende o contágio, a infecção; na Turíngia explicam-no pelo terror, porque, segundo pensam, a epidemia não faz mal ao que não tem medo.

VII

131Falando das leituras, chegámos ao assunto vasto das superstições campesinas. Muito haveria aqui que dizer relativamente ao povo alemão: mas a própria riqueza da matéria obriga – visto querer só dar prova da tese geral sobre a escassa influência até aqui exercida pela escola no espírito do Bauer – a limitação estreita.

  • 34 Dr. Albert Hellwig, Verbrechen und Aberglauben, Leipzig, 1908. Depois do presente Estudo ter sido e (...)

132Ocupei-me em tempo largamente, nos meus estudos, do que se chama Folclore, saber popular, costumes, crenças do povo e algumas elucubrações desse domínio publiquei a título de ensaios; mas, sobretudo, tinha eu em vista penetrar através de documentos seguros no espírito popular, no que se chamou a etnopsicologia, a Völker-psicologia de Wundt, a qual doutro ponto de vista pode também chamar-se demopsicologia, estudos a meu ver importantes para as questões pedagógicas. Examinei então várias obras que me deram a conhecer os costumes e crenças populares, em que entram as chamadas superstições do povo alemão, obras devidas a J. Grimm, A. Kuhn, W. Schwartz, K. Simrock, A. Wuttke, W. Mannardt, F. Liebrecht, v. Alpenburg, K. Weinhold, I. v. Zingerle, J. W. Wolf, Rochholz, Birlinger, etc. Outros estudos desviaram-me muito desse, em geral nos últimos 20 anos, e não podendo ter a certeza de que os costumes e superstições alemãs, registadas em livros publicados pela maior parte antes de 1890 e sobretudo nos três primeiros quartéis do século xix, persistiam, recorri principalmente a duas obras recentes de muito valor, as já citadas várias vezes de Elard Hugo Meyer, que é também autor de uma notável Deutsche Mythologie e a um livrinho de um investigador que pertence à magistratura judiciária e se tem ocupado com muita actividade da superstição nas suas relações com o crime.34

  • 35 Noutro estudo buscarei definir de modo mais completo o estado de espírito do povo.

133No peito do campónio alemão habitam duas almas, diz E. Hugo Meyer: uma caracteriza-se por inteligência calculadora, positiva, clara, conquanto de estreito horizonte; a outra por uma tendência poética, até mística. Mas o que ele chama a tendência poética, mística, não é mais que uma concepção do universo (Weltanschauung) tradicional, pré-científica ou pré-lógica, em que se envolvem conceitos religiosos e mágicos, que leva à persistência de velhos ritos, contrária enfim à concepção do universo como um todo que obedece a leis fixas e exclui arbitrárias intervenções teocráticas, acção de espíritos, de variadas entidades míticas, a aquisição de poderes especiais pelo efeito de certos actos, de certas fórmulas mais ou menos extravagantes. No campónio o elemento da sensibilidade e da imaginação, como se vê já das suas leituras, predomina sobre o elemento lógico, que aliás se revela em certos aspectos imediatos da vida prática quotidiana, mas que anda sempre mais ou menos penetrado das falsas interpretações dadas aos fenómenos que observa em si e na natureza que o rodeia.35

134Por exemplo, a estrela cadente a que o nosso povo diz: «Deus te guie. Deus te guie!», o montinho de terra que a toupeira acumula sob o limiar da porta, a mancha branca que aparece numa unha e tantos outros factos, como o piar do mocho ou da coruja, o uivar do cão pela noite velha, aparecem como tendo significação de um «sinal» de acontecimento feliz ou infeliz. De noite a gente do campo, no silêncio que as cidades desconhecem e que devia ser motivo de repouso para o seu espírito, agitam-se com o temor das ciladas que armam os espíritos. Ao sair, ao entrar em casa, ao encetar um trabalho, uma caminhada, tem todo o cuidado de pôr primeiro adiante o pé direito («entrar com o pé direito»). Tem toda a cautela em não começar ou fazer certas tarefas em dias determinados, de que possui listas manuscritas ou impressas (dias aziagosdias egipcíacos); não sai às horas abertas (meio-dia, Avé-Marias) para não ser perseguido dos demónios que então andam à solta.

135Entre as crenças e costumes populares há sem dúvida muitas que remontam a alta antiguidade, a fases pré-históricas da humanidade, as mais baixas formações do pensamento. Os elementos vindos do paganismo combinaram-se muitas vezes com os derivados do cristianismo e em vários casos exalam perfume poético, como as festas relativas ao giro das estações.

136É nas mais velhas ocupações – a criação dos gados e agricultura que se têm propagado mais firmemente os antigos costumes, enquanto as restantes são geralmente falhas de usos especiais.

137Os velhos nomes dos deuses e espíritos, desaparecidos em geral nos países românicos (temos a Jana=Diana, as Sereias, em Portugal) conservam-se mais na Alemanha, onde achamos ainda hoje viva a memória de Wode, Ruprecht, Holle ou Holda, Fru Fred.

  • 36 Vid. um artigo meu em A Tradição, Serpa, 1899, n.° 3: À Morte e o Inverno.
  • 37 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, pp. 607 e segs.

138Muitas das festas pagãs que se conservam entre nós perderam mais ou menos completamente o seu sentido e acham-se reduzidas a prosaicas cerimónias, ridiculamente interpretadas, enquanto na Alemanha a sua significação aparece ainda mais ou menos clara. Assim, as festas da Expulsão do Inverno, chamado também a Morte, e ainda o Diabo, toma entre nós as formas grotescas do Morte Piela de Bragança36, do Enterro do Bacalhau e da Queima do Judas, no fim da Quaresma. A serração da velha é desconhecida dos povos germânicos: existe entre os povos eslavos e germânicos. Julguei-a primeiramente uma fórmula da Expulsão do Inverno; mas pelo conhecimento de tradições védicas reconheci que é um outro mito astronómico. A Velha aqui é também o Inverno, como eu já vira há muito; mas a serração é a divisão do Inverno, que com o Estio eram as únicas estações do ano dos primitivos indo-europeus, no Inverno propriamente dito e na Primavera, assunto que será tratado noutro lugar. A festa do Imperador do Espírito Santo, que entre nós se supõe ter sido instituída pela Rainha Santa Isabel, por ocasião de uma peste, celebra-se na Alemanha mais claramente como festa da Primavera, como triunfo do deus Sol sobre o Inverno.37 Uma comparação completa das festas populares do calendário na Alemanha e em Portugal mostrar-nos-ia aquele país muito mais conservativo que o nosso.

139Esses costumes e muitos outros são em regra geral inocentes e muitas pessoas de espírito perfeitamente culto os observam ou assistem à sua observância, pelo que neles acham de poético. Alguns vieram recentemente do Norte para o nosso país, como a árvore do Natal, o dos presentes que se dão às crianças como trazidos pelo Santiclaus: mas há-os também nocivos e alguns mesmos que provocam ao crime.

140Uma grande parte da medicina popular supersticiosa está no primeiro e em parte também no segundo caso.

VIII

141A superstição leva ao crime por diversos meios: 1) a crença arrasta pessoas convictas a ofensas contra as pessoas ou a propriedades para obterem certas vantagens para si ou por malevolência contra essas pessoas, sem intuito de vantagens, ou ainda com boas intenções; 2) indivíduos que não têm as referidas crenças, servem-se delas para burlar os crédulos.

142Indicarei as principais categorias de entidades ou processos pretendidos, que, sendo objectos de crença, levam a algum dos resultados indicados.

1431. Bruxos, feiticeiros, mágicos. São pessoas, geralmente do sexo feminino, a quem se recorre, por se julgar que têm poderes superiores, derivados principalmente de pacto demoníaco, para obter curas, realização de um desejo, conhecimento de algum facto ignorado, saber o futuro, descobrir um tesouro, atrair um amante, um marido infiel, arranjar um noivo, fazer mal a alguém que se odeia, destruir um inimigo, etc. As pessoas que são julgadas de posse de dotes que lhes permitem realizar coisas da natureza indicada, são também perseguidas por vezes até à morte, por gente do povo, como o foram outras pelos tribunais, que hoje só vêem nelas burladores.

1442. Possessão demoníaca e almas dos mortos introduzidas nos corpos dos vivos. A crença na possessão demoníaca é sancionada por diversos passos do Novo Testamento e tanto a Igreja católica como a protestante ortodoxa a conservam intacta e lêem contra as invasões do Inimigo nos corpos dos pobres indivíduos da espécie humana o aparelho dos exorcismos. Heilwig cita uma prédica de um sacerdote católico, no Pfalz, em 1893, em que afirmou que nem todo o sacerdote tinha o poder de deitar o diabo fora dos corpos, mas ele possuía tal virtude, que lhe fora concedida pelo bispo e que num lugar, perto de Strassburgo, tinha feito a operação em dois rapazes, conseguindo fazer sair o diabo do corpo deles, lançando esse um alto grito e saindo por uma abertura do telhado, não sem deixar atrás de si terrível cheiro. Num Manual muito espalhado apresenta-se como um ponto inabalável da fé católica que há doenças, profundamente distintas na sua etiologia dos casos patológicos propriamente ditos, as quais são produzidas, com a permissão divina, por forças sobrenaturais e pelo poder de maus espíritos. Nos dogmas da ortodoxia protestante encontram-se as mesmas concepções. Na primeira conferência sobre a assistência aos alienados, de 1889, em que compareceram sacerdotes protestantes que cuidavam de alienados, apresentaram-se tais ideias com toda a precisão e sem rodeios. O pastor Flietner, num discurso sobre Possessão e Loucura, afirmou que os possessos eram considerados e tratados como doentes, mas que felizmente também como pessoas cujas almas se acham intimamente ligadas com poderes demoníacos ao serviço de Satanás, de modo que se obliteram os limites entre a personalidade e o espírito que a domina. Muitos factos, além dos que cito como exemplo, provam a generalidade da crença na possessão, em que figura um espírito demoníaco ou a alma de um defunto, entre católicos e protestantes, incluindo os sacerdotes. Num Consistório da Igreja protestante na Baviera, a propósito do caso famoso de uma expulsão do diabo em Wemdinger, reconheceu-se a possibilidade da possessão demoníaca, com aplauso dos católicos. São poucos os pastores protestantes aderentes do protestantismo liberal, que, como tais, negam essa crença, como muitas outras. As teses e práticas espiritistas vieram arraigar a crença na possessão. Referem-se vários casos em que esta crença, reforçada por eclesiásticos, levou ao assassínio dos julgados possessos.

145Entre nós a crença vive, mas há anos que parece ser da maior raridade a aplicação dos exorcismos ou qualquer outro processo que a ela se refira no espírito do povo. O Diabo, podemos dizê-lo, tornou-se personagem extra-oficial, apesar do nosso atraso em tantos outros sentidos. Nenhum juiz nos nossos tribunais, nenhum médico (com exepção talvez de algum espiritista) explicaria um crime, uma doença por bruxedo, como fizeram tantos dos seus colegas em séculos passados, por intervenção dos poderes demoníacos. Não consta que em alguma parte de polícia enviada aos jornais tenha jamais aparecido relato de caso em que figurasse o Diabo fazendo arruídos ou buscando meter-se no corpo de alguma criatura, como no conto burlesco do Galego e do Diabo, que o nosso poeta Garrett assinou. Um guarda civil poderá ter seus restos de crenças demoníacas, mas no exercício do seu cargo é um espírito forte. Havendo nalgum lugar manifestação pretendida de almas do outro mundo ou de Belzebu, trata ele de descobrir sujeito deste mundo que busca ludibriar, burlar mesmo algum ou alguns dos seus semelhantes. Há ou havia ainda há poucos anos, é certo, em Lisboa, casas procuradas pelos espíritos.

146Acrescentarei que desgraçados histéricos ou loucos são ainda hoje, em vários países, incluindo a Alemanha, perseguidos como possessos e sujeitos a tormentos que, não raro, terminam pela morte.

1473. Vampiros. Segundo crença muito espalhada entre os povos eslavos e germânicos, mas estranha quase por completo ao povo português, mortos que em virtude de circunstâncias especiais, não têm repouso na sepultura, saem dela e vêm perseguir os vivos, chegando a causar-lhes a morte, principalmente sugando-lhes o sangue: são os vampiros. Essa crença leva à profanação das sepulturas, com o fim de mutilar os cadáveres ali encerrados, ou de os pregarem ao caixão com grandes pregos, para não saírem de lá como vampiros.

1484. Troca de crianças por filhos de espíritos maus. Ao nascer são as crianças por vezes trocadas por entes disformes, ou horrivelmente feios, segundo crença espalhada, mas que parece também estranha ao nosso povo. Para os alemães de Sienbenburg é o Alf, um espírito malévolo, que substitui assim os próprios filhos aos dos pobres cristãos, principalmente, campónios. Nessa substituição está a origem dos cretinos. As crianças disformes, resultantes do referido processo, são chamadas Wechselbälge; os velhos teólogos, davam-lhes o nome de filii permutationis. Tal crença dá lugar a infanticídios, e como os Wechselbälge são tidos na conta de filhos de maus espíritos, do demónio ou de um dos muitos diabos em que este se decompõe, esses infanticídios, aos olhos do povo, não são criminosos.

1495. Transferência de uma doença, de uma deformidade. Encontra-se muito generalizada em todo o mundo a crença de que um mal, uma deformidade, pode tranferir-se para outra pessoa, para um animal, para uma planta, ou mesmo um objecto sem vida.

  • 38 Transferem-se as sezões para o marroio (labiada), defecando sobre a planta. Sobre o processo de cur (...)

150A transferência de uma doença ou deformidade para uma árvore é um processo usado num grande número de povos e muito vulgar na Alemanha. Entre nós parece restrito a uma suposta cura das quebraduras (hérnias) das crianças, para o que o padecente é passado, com certo cerimonial, através de um árvore previamente fendida para o caso, o que dá lugar à destruição ou danificação de esta, resultando por vezes processos da parte do proprietário lesado.38 Mais inocente é a transferência das verrugas. Na Alemanha tocam-se as verrugas com uma moeda e atira-se com esta pela janela fora; quem a apanha fica com as verrugas e a pessoa que a atirou livre delas. No Minho quem se quer livrar das verrugas vai bater à porta de pessoa desconhecida ou antipática e, perguntando-lhe de dentro quem é, responde:

Verrugas trago,
Verrugas vendo;
Aqui as deixo,
E vou correndo.

151E foge para não receber pancada.

152Liga-se ainda a este processo das transferências a do roubo do leite, de que ainda há pouco ouvi contar um caso a uma mulher da Beira que nele acreditava piamente. Uma mulher que não tinha leite para criar, tendo uma outra, que ao contrário o segregava em abundância, bebido meio copo de água com açúcar, deitou imediatamente a mão ao copo e bebeu o resto, resultando daí passar para a primeira o leite da segunda, que lhe secou.

1536. Carácter medicamentoso de todas as coisas. O povo confia absolutamente no velho aforismo: Medicamentum est quodcunque vides, quodcunque tangis. As qualidades curativas diversas são reconhecidas muitas vezes por observações exactas do povo e muitas vezes a medicina recebeu da gente inculta o conhecimento delas; muitas vezes trata-se de substâncias a que por meras analogias, por associações falsas de ideias, por conceitos de simpatia se atribuem virtudes terapêuticas. O Dr. Paul Niemeyer, autor de um Tratado de Auscultação, que em tempo foi muito conhecido em Portugal numa tradução francesa, dera por epígrafe a uma secção da sua revista Hygieia, na qual se ocupava principalmente de meios físicos de tratamento, aquele antigo aforismo. O nosso Brás Luís de Abreu no seu Portugal Médico, como os autores de outras obras semelhantes, mostrou como tudo foi aproveitado, por exemplo no homem, como matéria médica, desde o sangue menstrual ao sulfur accidentale. A Dreck-Apotheke Paullinis (Botica de Porcarias), que na Alemanha teve muitas edições, é também um bom documento do género. Empregavam-se e empregam-se muitas mezinhas, que se não curam, também não apresentam inconvenientes. («O que não mata engorda», diz um provérbio); mas o mesmo está longe de se poder afirmar de muitos outros supostos meios medicamentosos tradicionais, que têm enchido sepulturas.

154O princípio similia similibus curantur pertence desde longa data à medicina popular; por isso ao sangue de drago se atribui função hemostática, por isso se embrulham as crianças com sarampo em cobertores vermelhos, etc. O povo crê que os tuberculosos que engolem o sangue das suas hemorragias, depois de o cozerem, se curam perfeitamente. O sangue humano, a carne, os ossos humanos têm na medicina tradicional variados empregos, principalmente no tratamento de doenças graves, como a lepra, a epilepsia e para obter esses meios supostos medicamentosos chega-se a praticar ferimentos mais ou menos graves, assassínios mesmo, e a profanar os cadáveres. Entre muitos casos antigos e modernos, refere A. Hellwig o seguinte, que particularmente nos interessa. As pretendidas bruxas são por vezes vítimas de ferimentos que têm por fim colher o sangue delas para cura de supostos bruxedos. Esse costume supersticioso acha-se muito espalhado na Alemanha Oriental. Em 1874 um professor primário rural (Landschullehrer), portanto, segundo a lenda, um dos vencedores de Sedan, e sua mulher, por conselho de uma sonâmbula, bateram com umas tenazes na sua própria tia, até correr sangue, com que aspergiram o seu filho, que supunham embruxado pela vítima.

  • 39 Escrevi sobre a antropofagia um artigo a propósito da Introdução à Arqueologia da Península Ibérica(...)

1557. Feitiços, amuletos, talismãs. O uso desses objectos, que agora se empregam como aparecem na natureza (por exemplo, o hipocampo, o sapo, a cabeça de víbora, o morcego, crânios ou simples dentes humanos), agora são produtos artificiais (por exemplo, anéis de defuntos, pedaços de mortalha, as figas, o sino-saimão), é universal para fins terapêuticos, para obter felicidade, bens de fortuna, realização de um desejo ou para fazer mal a alguém. A mão de um defunto em que se faz segurar uma vela feita com gordura tirada de um cadáver humano pode servir a um ladrão para entrar numa casa em que todos durmam, sem que ninguém ali acorde, enquanto a vela arda. Uma tal vela figura num conto que vem na colecção indiana de Samadeva Bhatta de Cachemira (século xii da nossa era) e se encontra em Portugal, onde na boca popular tem o nome de História da Mão Refinada. Aqui diz-se que só o vinagre tem o poder de apagar a vela. Não tenho notícia de que entre nós semelhante crença levasse jamais a actos criminosos; o mesmo não se dá porém na Alemanha. Assim, em 1865, em Elbing (Prússia Ocidental), foi assassinada uma serviçal e arrancado do seu abdómen um grande pedaço de carne. O assassino fabricou com ele um espécie de vela e meteu-a num tubo de lata, que depois disso levava sempre para as suas empresas de ladroagem. A fim de sossegar a consciência, tinha comido uma porção de gordura arrancada à vítima. Esse homem foi condenado à morte. Um dos motivos de antropofagia não determinada pela fome, mas pelo espírito guerreiro, está na crença que, comendo, por exemplo, o fígado do inimigo se reforça a própria coragem com a dele, porque se olha o fígado como sede de coragem.39 Alguns casos de antropofagia que surgem aqui e ali na Europa são talvez devidos a superstições análogas, como um, de que li notícia há muitos anos, num jornal inglês, no qual figurava um estudante que, em Londres, comera um pedaço de carne arrancada a um cadáver.

156Hellwig cita outros casos de profanação de cadáveres, praticados ainda recentemente na Alemanha, sob a influência de ideias análogas às de que estou tratando, principalmente para com a mão, o baço, um pedaço qualquer de carne do morto fabricar um talismã.

157O óleo humano é ainda muito procurado para fins terapêuticos e para fazer crescer o cabelo. Um sujeito meu conhecido e que veio a ser homem esclarecido pela leitura e conversação de amigos, despido de superstições, contou que na sua adolescência comprara caro um produto que lhe vendiam como óleo humano, para lhe fazer sair o bigode ambicionado. Há ainda alguns anos o povo de Lisboa amotinou-se contra os Jesuítas e todos os sacerdotes que tomavam como tais por se ter espalhado que roubavam crianças para as matar e extraírem delas o precioso óleo. O caso está ainda bem na memória dos Lisboetas como uma das cenas de selvajaria a que leva a superstição. E direi de passagem que o modo por que em geral a Igreja tem combatido as superstições mais as tem arraigado do que desarraigado, não deixando todavia de lastimar que em casos, como o lembrado, alguns dos seus membros tenham vindo a ser vítimas ou quase vítimas delas.

158Atribui-se valor particular a objectos roubados, sobretudo para alcançar curas. E isso é até um dos motivos dos roubos praticados por curandeiros. Entre nós crê-se que os gatos roubados são bons caçadores de ratos; promete-se uma telha roubada a S. Pedro para obter a cura das sezões, etc.

  • 40 Na Alemanha as mulheres adivinhas são chamadas também Weisen Frauen, mulheres sábias.
  • 41 No Auto das Fadas.

1598. Divinação. A arte de adivinhar o futuro, de revelar segredos, descobrir as intenções de alguém está ainda muito acreditada na Alemanha, como entre nós, como pode dizer-se em toda a parte, e dá causa à extorsão do dinheiro, de objectos valiosos, etc., aos crédulos pelos que exercem essa arte, muitas vezes como profissão fixa e chamam clientes por anúncios nos jornais. Os que se dedicam a ela profissionalmente são sobretudo do sexo feminino e classificam-nos de adivinhas, bruxas, feiticeiras40. A cartomancia é muito empregada nos seus processos, como a velha divinação pela peneira e a tesoura, de que Hellwig cita um caso recente, sucedido num lugar da Prússia, o qual deu causa a ser processada injustamente como ladra uma serviçal; a divinação pelo alguidar, ainda em uso entre nós e de que Gil Vicente, o grande observador, nos deu vivo exemplo.41

  • 42 Ocupei-me desse ponto no livro Os Ciganos de Portugal.
  • 43 Em numerosas histórias de consultas a adivinhadoras ou bruxas, repete-se textualmente, salvas as va (...)

160As ciganas, que lêem a buena dicha, são eminentes em logros que entram na categoria de que trato aqui.42 A divinação dá lugar a perturbações domésticas, às vezes graves, e até suicídios, como exemplifica Hellwig. Os indivíduos que se consagram a esta arte estendem geralmente a esfera da sua actividade a outras formas de magia, de bruxedos, como a conciliação de amantes, de esposos em desarmonia, vingança contra alguém; pretendem também descobrir criminosos, intrigantes, fazer conhecer o que deve ser noivo de outrém empregando o espelho mágico, muito em uso na Alemanha. Entre nós, como num caso recente que me foi contado por uma mulherzinha da Beira, abandonada pelo marido, as adivinhas, chamadas também mulheres de virtude, usam de uma bacia cheia de água em que os consulentes vêem determinadas pessoas que interessam ao negócio: assim, à referida criatura, a adivinha que «logo que ela entrou lhe disse para que ela lá ia, e lhe contou tudo o que passara com o marido»43 para maior certeza, mandou que olhasse para uma bacia cheia de água em que ela viu « o marido tal qual».

1619. Pessoas virtuosas. Conquanto por vezes se confundam as mulheres de virtude com as bruxas, fazia-se distinção entre os dois grupos: as primeiras obravam em nome do Céu (os reis de França tinham a virtude de curar as alporcas impondo as mãos), e as segundas pelas influências do Inferno; em regra a Inquisição não queria ver nas primeiras eleitas do Senhor e relegava-as à categoria das segundas, considerando as suas pretensões como obra pura de Satanás. Sem se apresentarem como diplomadas nem pelo Céu nem pelo Inferno ou pelo menos sem abertamente o pretenderem, aparecem indivíduos dos dois sexos como dotados de poderes especiais terapêuticos. Entre nós, aqui em Lisboa, ainda há pouco se tornou célebre o doutor (?) Silva que curava impondo as mãos e empregando a saliva, substância que desde alta antiguidade gozou de fama de influência mágica. Igualmente não vai longe a importância do menino virtuoso de Montemor-o-Novo, procurado por inúmeras pessoas de todas as classes sociais para obterem dele ervas curativas. A Alemanha também não ignora a existência de criaturas desse género, que confiam mais em tais pessoas de virtude que nos melhores dos seus médicos.

162Pararei aqui, embora como já disse, o campo seja muito vasto, no que respeita ao que se chama a superstição (Aberglaube) do povo alemão. O que fica exposto basta para o fim que tenho em vista.

IX

  • 44 Vid. L’année sociologique, 1898-1899, pp. 446-448.

163Direi agora algumas palavras a respeito da educação dos filhos dos campónios alemães. O modo por que estes em geral tratam os filhos foi julgado com severidade pelos pastores evangélicos acima aludidos, mas presta-se todavia a interpretações diversas.44 Pensou-se que por excessiva ternura para com a prole, como se julgou também achar em vários povos selvagens, pelo mimo como a tratam, a estragam, deixando-a crescer à lei da natureza, tudo para não a atormentar, para não terem o desgosto de a reprimir, consentindo que os filhos façam o que muito bem querem. Essa pedagogia, grosseiramente rousseauiana ou spenceriana, foi todavia explicada de outro modo: atribui-se pura e simplesmente (pelo que respeita aos campónios alemães) ao desleixo, a uma verdadeira indiferença moral, que leva os pais a não curarem de desenvolver nos filhos aquelas qualidades a que nas famílias cultas se liga geralmente importância. Perguntou-se se, pelo que respeita aos trabalhos rurais, o campónio alemão revela o mesmo desleixo para com os filhos. Já aludimos ao egoísmo com que ele abusa do trabalho das crianças e é certo que estas vão, por imitação, ajudada de alguns preceitos, talvez, aprendendo a executar aqueles trabalhos. A frequência da escola é obrigatória, e, não se cumprindo o seu preceito, são impostas penalidades. Em verdade esse cumprimento oferece muitas vezes dificuldades de diversa natureza. Custa aos pais pobres sacrifícios para o vestuário, que o filho leva para à escola e que não pode ser o usual da casa ou do campo, a dispensa do auxílio nos trabalhos rurais. A distância a que em muitos lugares se acha a escola, os caminhos maus, cobertos de neve no Inverno, tornam também negregada a aquisição dos conhecimentos que aquele instituto ministra.

  • 45 No meu artigo A Escola do Lar, em Serões, n.os de Junho e Julho de 1909.

164O pouco cuidado pela educação dos filhos não é só um vício do campónio alemão. É um assunto a tratar de modo mais completo do que já o fiz noutro lugar.45

X

165Num passo em que exprime um pensamento que já acima ficou indicado, sintetiza E. Hugo Meyer o seu Deutsche Volkskunde: «Examinem em primeiro lugar e de modo geral os elementos principais dos costumes (Sitte) alemães, reconhecer-se-á logo como tal um elemento antigo germânico, muitas vezes ainda fortemente pagão, e um outro relativamente mais novo, muitas vezes claramente cristão ou eclesiástico. Com esses ligam-se todavia dois outros: um mais recente e mais nacional, especialmente alemão, e finalmente um ainda mais tardio, estranho. Todos esses elementos são mais ou menos dominados por duas correntes aparentemente opostas, que devem ser antigas germânicas e que como tais embeberam no velho mito e na velha crença e na nossa literatura e os determinaram. Metade da dupla alma alemã consiste numa forte tendência para a mística. Falando de modo mais rigoroso: o nosso povo afirma energicamente não só a existência de uma analogia entre a marcha da natureza e a da vida humana, mas ainda uma maravilhosa conexão entre as duas, o que nós chamamos usualmente superstição. O que na poesia popular é apenas alegoria, símbolo (Gleichnis), é no costume acontecimento, facto (Ereignis). A outra parte dessa alma é um senso agudamente calculador, um racionalismo realístico, sólido. A alma alemã é tecido sui generis dessas duas diversas tendências principais.

  • 46 Escusado é dizer que o autor significa com essa expressão as tendências intelectuais e morais que n (...)
  • 47 E. Hugo Meyer, Deutsche Volkskunde, pp. 99-100.

166«O estudo do povo (Volskskunde) e principalmente o estudo dos costumes (Sittenkunde) parte do estado presente ou melhor do da segunda metade do nosso século (xix). Muita coisa aqui apresentada como subsistente acha-se já em estado transitório ou até desapareceu; muita coisa de que num lugar há muito não há notícia, está ainda em uso noutro ou pelo menos vívida na memória. E, em todo o caso, nada contribuiu mais fundamentalmente para o desaparecimento dos velhos costumes que o nosso ‘fin de siècle’.46 Mas este não dominou de modo nenhum aquela dupla tendência, que faz conservar tenazmente muita coisa antiga ou imprime ao novo um cunho antigo. E assim os costumes dos campónios continuarão a viver muito século, ainda que numa forma alterada.»47

167A investigação a que procedi prova que, fundamentalmente a escola popular alemã, com os seus complementos, os meios ricos de propagação de cultura, contribuíram até hoje pouco para modificar o povo, especialmente o campónio na sua higiene, na sua medicina, na sua moral, nas suas crenças e costumes religiosos e mágicos, deixando subsistir entre ele e os homens verdadeiramente cultos da nação um fundo abismo. Num escrito publicado há anos busquei definir psicologicamente o homem do povo e o homem culto: noutro destes Estudos conto renovar esse assunto e acentuar mais nitidamente do que entendo fazê-lo agora a diferença entre os dois.

168Mas é de justiça notar aqui que apesar do que fica dito a respeito da higiene e medicina popular da Alemanha, este país tem conseguido resultados notabilíssimos, não só teóricos, mas práticos no domínio da luta contra alguns dos males terríveis que oprimem os povos europeus, embora se trate de factos conhecidos dos que entre nós se consagram aos estudos médicos. Um destes mesmos, o Sr. Dr. Aníbal Bettencourt disse no Conselho Geral de Agricultura (sessão de 21 de Outubro de 1909) e os periódicos reproduziram, que enquanto em Portugal, numa população de cerca de 5 1/2 milhões (a acreditar no último censo) havia cada ano cerca de 2000 doentes de raiva, em França, numa população de cerca de 39 milhões, o número anual desses doentes era de 700, na Alemanha, com 60 1/2 milhões de habitantes a esses números correspondia o de 34 casos. Eis agora uma estatística recente relativa à tuberculose.

Óbitos por tuberculose na Prússia

Números absolutos

Por cada grupo de 10 000 vivos

1875

82:122

31,90

1878

86:294

32,51

1882

85:359

30,88

1886

88:283

31,14

1890

84:086

28,11

1895

73:752

23,26

1900

70:602

21,13

1905

70:323

19,13

1906

64:459

17,26

1907

65:054

17,16

1908

63:320

16,46

  • 48 Prof. Dr. B. Fränkel, Die Abnahme der Tuberkulosesterblichkeit und ihre Ur sache. Vortrag. Weitere (...)

169Nos anos de 1875 a 1886 há oscilações entre um mínimo de 30 e um máximo de 32; depois começa uma rápida descida até 21 em 1900; a curva corre quase horizontal em 1906 e 1907 para descer de novo ao mínimo de 1908: 16. No decurso de 30 anos (1878-1908) a ratio por 10:000 reduz-se de 32,51 a 16,46, isto é quase a metade. O autor de que dimanam esses dados, entra, a propósito, em muitas considerações interessantes, que não cabe aqui reproduzir, e atribui o facto às seguintes causas capitais: a publicação de Koch sobre a causa da tuberculose (24 de Março de 1882), as medidas publicadas e privadas daí resultantes para a luta específica contra a doença e a mensagem do imperador Guilherme de 17 de Novembro de 1882 e o estabelecimento do seguro contra a doença em 1884, os sanatórios e hospitais para tuberculosos; nesses institutos as camas para doentes subiram de 243 (só na Prússia) em 1892, a 8422 em 1907. O autor a que me reporto pensa que não há exagerado optimismo em esperar que daqui a 40 anos a tuberculose cessará (na Alemanha) de ter importância como mal colectivo.48 Subentende-se que persistem as condições sociais presentes ou se melhoram.

170Os factos que acabo de citar provam o que vale o trabalho dos dirigentes, governantes, administradores públicos, homens de ciência, periodicismo esclarecido, isto é, o exército dos que se elevam na escola da cultura em face mesmo da rotina mais declarada, de um núcleo de população que vive em condições mentais em grande parte pré-históricas ou pelo menos pré-culturais, tornando a palavra cultura num sentido especializado, que designa sobretudo a cultura do nosso tempo, mas pode designar também a cultura helénica no seu ponto culminante, quando o espírito científico se manifestou com Aristóteles, Hipócrates e tantos outros. O grande médico de Cós fundou a sua ciência, pondo de parte todos os conceitos míticos e mágicos, banindo a crença nos demónios e poderes de feiticeiros. Os grandes médicos romanos seguiram o caminho aberto pelo Mestre. Celso escrevendo no proémio da sua Medicina as palavras: «Ut alimenta sanis corporibus Agricultura, sic sanitatem aegris promittit Medecina» exprime bem o pensamento da nova fase da ciência. Os romanos mais notáveis dos últimos tempos da república e do império eram espíritos esclarecidos, livres em geral, conquanto não totalmente, das superstições; mas ao lado da corrente científica subsistia a corrente da medicina popular, que veio a predominar na Idade Média. Plínio o Naturalista, cuja obra foi conhecida nesse período principalmente pelo resumo de Solino, embora cite os grandes médicos que, com maiores ou menores modificações, seguiam a corrente hipocrática, é sobretudo um coleccionador de recipés populares, análogos aos do velho Catão. Em Marcelo Burdigalense, já aludido acima, está em plena florescência a medicina mágica.

Conclusão

171A julgar pelo que se dá na Alemanha, conclui-se que não só é insuficiente o conhecimento da leitura e da escrita, mas até uma instrução escolar bastante desenvolvida, ainda que generalizada de modo completo a um povo, para arrancar uma parte muito consideravel dele a condições de grande atraso moral e intelectual.

172No estudo seguinte A Escola e o Crime veremos como essa instrução escolar nem na Alemanha nem em geral fora da Alemanha é obstáculo ao aumento da criminalidade.

Notes

1 Late Dr. Creighton, Lord Bishop of London, A Plea for Knowledge em The Contemporary Review, n.° 424, 1901, Abril, pp. 502-518.

2 J. Adrian Jacobsen, Bilderschrift der Eskimo em Das Ausland LXIV (1891), n° 1. Dr. Franz Boas, The Central Eskimo em Sixth Annual Report of the Bureau of Ethnology, 1884-1885, Washington, 1888, pp. 643-644; Francis Galton, Inquiry into the Human Faculty, p. 104, 1.a ed.; J. Deniker, Les races et les peuples de la terre, Paris, 1900, dd. 266-268, que fala de outros povos cartógrafos.

3 Sobre esses calculadores, vid. Alfred Binet, Psychologie des grands calculateurs et joueurs d’échecs, Paris, 1894.

4 Boletin de la Institución libre de Ensenanza, año xv, 1891, 30 de Setembro, p. 281.

5 Quijote, parte II, cap. LXXI.

6 Cícero, De oficiis, i, 42, p. 150.

7 Karle Bücher, Arbeit und Rythmus. 3.te Auflage Leipzig, 1902.

8 John Dewey, The School and Society, Chicago, 1900, traduzido em Zeitschrift für padago-gische Psychologie. V. VI Jahrgänge.

9 Docteur Toulouse, Les conflits intersexuels et sociaux, Paris, 1904, p. 129.

10 Paul Lacombe, Esquisse d’un Enseignement base sur la Psychologie de l’enfant, Paris, 1899, pp. 48-49.

11 D. Francisco Arenal, em Boletin de la Institucion livre de ensenanza, año XVII, p. 281.

12 Letourneau, L’évolution de l’education dans les diverses races humaines, Paris, 1898, p. 45. São numerosos os factos análogos de volta ao selvagismo de indivíduos educados na Europa ou à europeia, originários dos povos chamados incultos.

13 Havelocq Ellis, Les femmes d’Espagne em Revue des idées; 1909, aoút.

14 M. Huc, L’empire chinois, Paris, 1854, tomo i, pp. 110-111. Cf. Ch. Letourneau, L’évolution de l’éducation, Paris, 1898, pp. 269 e segs. Presentemente a China agita-se e reforma as suas velhas instituições docentes, sob a influência do Japão e da Europa. O sistema dos exames foi abolido; mas em geral o professorado persiste na rotina.

15 Contraponha-se o facto citado no Primeiro Estudo da alta percentagem de mineiros analfabetos mencionada no Inquérito Industrial de 1890. No Relatório dos concessionários das Minas dos Monges, distrito de Évora, lê-se: «Infelizmente é preciso confessar que a maior parte dos trabalhadores, à excepção dos capatazes, eram analfabetos; as distâncias das escolas primárias mais próximas, Montemor-o-Novo e Santiago do Escoural, variam entre 10 e 15 quilómetros, e não era possível aos operários, e mesmo aos filhos desses operários, cursarem aqueles estabelecimentos de instrução.» Inquérito cit., I, 60. Junto da Mina de S. Domingos, concelho de Mértola, havia uma escola de instrução primária, custeada totalmente pela empresa. Ibid., p. 32.

16 W. Rein, A. Pickel und E. Scheler, Theorie und Praxix des Volksschulunterricht. Dar erste Schuljahre. Dresden, 1888, Einleitung.

17 Victor Bérard, L’Angleterre et l’impérialisme, 4.e ed., Paris, 1907, p. 307.

18 Victor Bérard, ob. cit.: leia-se todo o capítulo intitulado: le rationalisme allemand, pp. 289- -332; cf. Henri Lichtenberg, L’Allemagne moderneson évolution, Paris, 1908, especialmente a Conclusion. «... il semble que, grace à son sens de la discipline et de l’ordre, l’Allemagne s’éleve progressivement à une conception solidariste de la vie qui vient peu à peu corriger et compléter la conception agonale de la libre concurrence», p. 390. Cito de preferência estes livros por serem franceses.

19 Grassmann, Der Einfluss der Kurpfuscher auf Gesundheit und Leben der Bevölkerung em Die Umschau, 1902, 20 de Setembro.

20 Fritz Juliusberg, Die Kurpfuscherei bei venerischen Krankheiten. Ibidem, 1904, 19 de Março.

21 C. Roth, Landlich Hygiene em Die Umschau, 1909, 20 de Março; El. Hugo Meyer, Deutsche Volkskunde, Stassburg, 1898, p. 204.

22 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben im neunzehnten Jahrhundert, Strassburg, 1900, p. 353; Godefroid Kurth, Qu’est-ce que le moyen-âge?, Science et religion: Paris, s. d., pp. 27-28. Les bains em Lecoy de la Marche, La societé au XIII siécle, Paris, 1880; etc. A obra de Alfred Martin, Deutsches Badewesen in vergangenen Tagen, lena, 1906, é muito documentada e reproduz 159 gravuras de livros velhos e mais recentes. Nada mais próprio para desfazer as dúvidas sobre o assunto.

23 Wittenberg und Vagner, Enquete über die geschlechtlich-siitlichen Verhältnisse der evange-lischen Landbewohner in deutsche Reiche, Leipzig, 1896-1897; Paul Göhre, Ansichten über Moral in den verschiedenen Volksklassen em Die Umschau, 1900, 24 de Março; cf. do mesmo autor, Die Gottesanffassnng der verschieden Volksklassen, Ibidem, 1899, 1 de Janeiro; e os dois livros citados de Elard Hujo Meyer.

24 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, pp. 190-192; Deutsche Volkskund, p. 165.

25 Dr. Walter Claassen, Die deutsche Landwirtschaft, Leipzig, 1908, pp. 96-97.

26 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, pp. 190-193-260. Sobre as formas do casamento na Idade Média, vid. A. Herculano, Estudos sobre o Casamento Civil, 2.a ed. Lisboa, 1892, pp. 17 e segs.

27 Paul Göhre, em Die Umschau, 1899, 1 de Janeiro.

28 Paul Göhre, em Die Umschan, 1900, 24 de Março.

29 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, p. 605; cf. pp. 519 e segs.

30 Dr. Walter Claassen, ob. cit., pp. 96-97.

31 Num artigo Tradições Relativas a S. Cipriano (Revista Lusitana), i ano, 1887, pp. 166 e segs., ocupei-me do Livro de S. Cipriano, que contém aproximadamente as matérias dos livros mágicos alemães, e ainda explicações de sonhos, etc.

32 E. Hugo Meyer, Deutsche Volkskunde, pp. 202-204.

33 A lenga-lenga do Tangromangro refere-se, segundo julgo, a esta crença: as dez irmãs nascidas dentro dum fole são tumores, como resulta da comparação com a fórmula de Marcelo Burdigalense: Novem glandulae sorores, etc., para cura dos bubões, de que dei notícia em A Renascença de Joaquim de Araújo, Porto, 1878, p. 47.

34 Dr. Albert Hellwig, Verbrechen und Aberglauben, Leipzig, 1908. Depois do presente Estudo ter sido enviado à redacção do Boletim, li uma obra análoga de D. von Hansemann, Der Aberglaube in der Medezin, Leipzig, 1905, e o prospecto de outra muito extensa: Wie das Volk seine Kranken heilt, von Oskar von Hovorka und A. Kronfeld, 1455 páginas.

35 Noutro estudo buscarei definir de modo mais completo o estado de espírito do povo.

36 Vid. um artigo meu em A Tradição, Serpa, 1899, n.° 3: À Morte e o Inverno.

37 E. Hugo Meyer, Badisches Volksleben, pp. 607 e segs.

38 Transferem-se as sezões para o marroio (labiada), defecando sobre a planta. Sobre o processo de cura que consiste na passagem através ou por baixo de um objecto, vid. particularmente o excelente estudo de Henri Gaidoz, Um vieux rite médical, Paris, 1892, não posto à venda.

39 Escrevi sobre a antropofagia um artigo a propósito da Introdução à Arqueologia da Península Ibérica de A. Filipe Simões, na Renascença, Porto, 1879, fase. V-VII, separata.

40 Na Alemanha as mulheres adivinhas são chamadas também Weisen Frauen, mulheres sábias.

41 No Auto das Fadas.

42 Ocupei-me desse ponto no livro Os Ciganos de Portugal.

43 Em numerosas histórias de consultas a adivinhadoras ou bruxas, repete-se textualmente, salvas as variantes exigidas pelos casos especiais, esta fórmula. No caso referido trata-se de uma bruxa de Almada, concelho abundante em criaturas dessa categoria, sobretudo no lugar de Mutela, junto da Cova da Piedade, em que ouvi há 30 anos histórias terrificantes. A fórmula aludida ouvia-a em Coimbra, no Porto (referida à famosa bruxa do Codeçal), etc.

44 Vid. L’année sociologique, 1898-1899, pp. 446-448.

45 No meu artigo A Escola do Lar, em Serões, n.os de Junho e Julho de 1909.

46 Escusado é dizer que o autor significa com essa expressão as tendências intelectuais e morais que no último quartel do século xix se tornaram predominantes, e não que um fim de século tenha qualquer carácter especial de decadência.

47 E. Hugo Meyer, Deutsche Volkskunde, pp. 99-100.

48 Prof. Dr. B. Fränkel, Die Abnahme der Tuberkulosesterblichkeit und ihre Ur sache. Vortrag. Weitere Mitteilungen zur Abnahme der Tuberkulosesterblichkeit. Berlinsche Klin. Wochens-chrift, 1908, nr. 45. Die Umschau, 1910, 8 de Janeiro.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search