Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (II)

 | 
Adolfo Coelho

I. Biblioteca de educação nacional

Contos nacionais para crianças1

Texte intégral

I Filho és, pai serás; assim como fizeres, assim acharás

  • 1 Originalmente publicado em 1882, no Porto, pela Livraria Universal Magalhães & Moniz, como primeiro (...)

1Em tempos que já lá vão, era costume nalgumas terras levarem os filhos os pais velhos, que já não podiam trabalhar, para um monte e deixarem-nos lá morrer à míngua. Ora uma vez um rapaz, seguindo aquele costume, levou o pai às costas, pô-lo no monte e deu-lhe uma manta para ele se resguardar do frio até morrer. O velho disse para o filho:

Trazes uma faca?

Trago, sim senhor; para que a quer?

Olha, corta ao meio a manta que me dás e leva metade para te embrulhares quando o teu filho te trouxer para aqui.

2O rapaz considerou; tomou outra vez o pai às costas e voltou com ele para casa.

3Assim acabou aquele maldito costume.

II História da carochinha

4Era uma vez uma carochinha que andava a varrer a casa e achou cinco réis e foi logo ter com uma vizinha e perguntou-lhe: «Ó vizinha, que hei-de eu fazer a estes cinco réis?» Respondeu-lhe a vizinha: «Compra doces.» «Nada, nada, que é lambarice.» Foi ter com outra vizinha e ela disse-lhe o mesmo; depois foi ainda ter com outra que lhe disse: «Compra fitas, flores, braceletes e brincos e vai-te pôr à janela e diz:

Quem quer casar com a carochinha
Que é bonita e perfeitinha?»

5Foi a carochinha comprar muitas fitas, rendas, flores, braceletes de ouro e brincos; enfeitou-se muito enfeitada e foi-se pôr à janela, dizendo:

Quem quer casar com a carochinha
Que é bonita e perfeitinha?

6Passou um boi e disse: «Quero eu.» «Como é a tua fala?» «Ú, ú...» «Nada, nada, não me serves, que me acordas os meninos de noite.» Depois tornou outra vez a dizer:

Quem quer casar com a carochinha
Que é bonita e perfeitinha?

7Passou um burro e disse: «Quero eu.» «Como é a tua fala?» «En ó... en ó...» «Nada, nada, não me serves, que me acordas os meninos de noite.» Depois passou um porco e a carochinha disse-he: «Deixa-me ouvir a tua fala.» «On, on, on.» «Nada, nada, não me serves, que me acordas os meninos de noite.» Passou um cão e a carochinha disse-lhe: «Deixa-me ouvir a tua fala.» «Béu, béu.» «Nada, nada, não me serves, que me acordas os meninos de noite.» Passou um gato. «Como é a tua fala?» «Miau, miau.» «Nada, nada, não me serves, que me acordas os meninos de noite.» Passou um ratinho e disse: «Quero eu.» «Como é a tua fala?» «Chi, chi, chi.» «Tu sim, tu sim; quero casar contigo», disse a carochinha. Então o ratinho casou com a carochinha e ficou-se chamando o João Ratão.

8Viveram alguns dias muito felizes; mas, tendo chegado o domingo, a carochinha disse ao João Ratão que ficasse ele a tomar conta na panela que estava ao lume a cozer uns feijões para o jantar. O João Ratão foi para junto do lume e, para ver se os feijões já estavam cozidos, meteu a mão na panela e a mão ficou-lhe lá; meteu a outra, também lá ficou; meteu-lhe um pé; sucedeu-lhe o mesmo e, assim em seguida, foi caindo todo na panela e cozeu-se com os feijões. Voltou a carochinha da missa e, como não visse o João Ratão, procurou-o por todos os buracos e não o encontrou e disse para consigo: «Ele virá quando quiser e deixa-me ir comendo os meus feijões.» Mas ao deitar os feijões no prato encontrou o João Ratão morto e cozido com eles. Então a carochinha começou a chorar em altos gritos, e uma tripeça, que ela tinha em casa, perguntou-lhe:

«Que tens, carochinha,
Que estás aí a chorar?»
«Morreu o João Ratão
E por isso estou a chorar.»
«E eu que sou tripeça
Ponho-me a dançar.»

9Diz dali uma porta:

«Que tens tu, tripeça,
Que estás a dançar?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
E eu que sou tripeça
Pus-me a dançar.»
«E eu que sou porta
Ponho-me a abrir e a fechar.»

10Diz dali uma trave:

«Que tens tu, porta,
Que estás a abrir e a fechar?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
A tripeça está a dançar,
E eu que sou porta
Pus-me a abrir e a fechar.»
«E eu que sou trave
Quebro-me.»

11Diz dali um pinheiro:

«Que tens, trave,
Que te quebraste?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
A tripeça está a dançar,
A porta a abrir e a fechar
E eu quebrei-me.»
«E eu que sou pinheiro
Arranco-me.»

12Vieram os passarinhos para descansar no pinheiro e viram-no arrancado e disseram:

«Que tens, pinheiro,
Que estás no chão?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
A tripeça está a dançar,
A porta a abrir e a fechar,
A trave quebrou-se,
E eu arranquei-me.»
«E nós que somos passarinhos
Vamos tirar os nossos olhinhos.»

13Os passarinhos tiraram os olhinhos e depois foram à fonte beber água e diz-lhes a fonte:

«Porque foi, passarinhos,
Que tirastes os olhinhos?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
A tripeça está a dançar,
A porta a abrir e a fechar,
A trave quebrou-se,
O pinheiro arrancou-se,
E nós passarinhos,
Tirámos os olhinhos.»
«E eu que sou fonte
Seco-me.»

14Vieram os meninos do rei com os seus cantarinhos para levarem água da fonte e acharam-na seca e disseram:

«Que tens, fonte,
Que secaste?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
A tripeça está a dançar,
A porta a abrir e a fechar,
A trave quebrou-se,
O pinheiro arrancou-se,
Os passarinhos tiraram os olhinhos,
E eu sequei-me.»
«E nós quebrámos os cantarinhos.»

15Foram os meninos para o palácio e a rainha perguntou-lhes:

«Que tendes, meninos,
Que quebrastes os cantarinhos?»
«Morreu o João Ratão,
Carochinha está a chorar,
A tripeça está a dançar,
A porta a abrir e a fechar,
A trave quebrou-se,
O pinheiro arrancou-se,
Os passarinhos tiraram os olhinhos,
A fonte secou-se,
E nós quebrámos os cantarinhos.»
«Pois eu que sou rainha
Andarei descalça pela cozinha.»

III A sentença justa

16Era uma vez um pobre varredor que andava a varrer uma rua e encontrou uma bolsa com cem pintos. Pôs-se a gritar logo por todas as ruas: «Quem perdeu uma bolsa com dinheiro?» Apareceu o dono que deu os sinais, mas depois de ter recebido a bolsa, guardou dez pintos, sem que ninguém visse, e acusou o varredor de os ter roubado.

17Lá vai o pobre varredor levado pelo dono da bolsa para o juiz julgar o caso. No caminho da audiência encontraram o macho de um almocreve caído num atoleiro; o varredor ajudou a tirar do caminho o animal, mas com tanta infelicidade que lhe arrancou o rabo; o almocreve disse que lhe havia de dar uma indemnização e lá foi também para a audiência para o acusar.

18O pobre do varredor vendo-se assim perseguido por dois homens, a quem o juiz provavelmente daria mais crédito do que a ele, que era um maltrapilho, resolveu-se a acabar com a sua existência e ao passarem por uma ponte atirou-se dela abaixo. Ora ia a passar um barco, com dois barqueiros, um velho e outro novo, e o varredor, caindo em cima do velho, matou-o, ficando ele apenas magoado. O barqueiro novo quis matá-lo, mas ouvindo o dono da bolsa e o almocreve dizerem de cima da ponte o que ele lhes tinha feito, acompanhou com eles o varredor, certo de que o juiz lhe mandaria dar tremendo castigo.

19Chegados à audiência, contou cada um o seu caso; o juiz escutou-os com toda a atenção e depois de ter perguntado se não sabiam de nenhum outro crime do réu, sentenciou:

20– A bolsa que o varredor achou não pode ser a mesma que vossemecê perdeu, porque a sua tinha cem pintos e na outra vossemecê achou só noventa; restitua-lhe já a bolsa com os noventa pintos.

21– O acusado levará o macho – disse, voltando-se para o almocreve – e fará uso dele até que lhe nasça outro rabo; então vossemecê pode reclamá-lo.

22– Vossemecê – continuou o juiz voltando-se para o barqueiro – irá acima da ponte; o varredor irá no barco pelo rio abaixo; quando ele for a passar no sítio em que matou seu pai, vossemecê atira-se acima dele.

23– Lá por essa é que eu não estou – disse o barqueiro.

24Assim o varredor voltou para casa todo contente com os noventa pintos e o macho.

IV A formiga e a neve

A formiga vai à serra
E seu pé na neve prende.
– Ó neve, tu és tão forte
Que meu pé em ti se prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que luz do Sol me derrete.
– Ó sol, e tu és tão forte
Que derretes fria neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer nuvem me tapa.
– Ó nuvem, tu és tão forte
Que tapas a luz do Sol;
Do sol, que derrete a neve;
A neve que meu pé prende?
Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer vento me espalha.
– Ó vento, tu és tão forte
Que espalhas a negra nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer muro me veda.
– Ó muro, tu és tão forte
Que vedas o rijo vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete a neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer rato me fura.
– Ó rato, tu és tão forte
Que furas o grosso muro;
O muro, que veda vento;
O vento qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer gato me come.
– Ó gato, tu és tão forte
Que comes esperto rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que um cãozinho me mata.
– Ó cãozinho, és tão forte
Que matas o bravo gato;
O gato, que come rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que um pauzinho me bate.
– Ó pauzinho, és tão forte
Que bates no cão valente;
O cão, que mata o gato;
O gato, que come rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer lume me queima.
– Ó lume, tu és tão forte
Que queimas o duro pau;
O pau, que bate no cão;
O cão, que mata o gato;
O gato, que come rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer água me apaga.
– Ó água, tu és tão forte
Que apagas o vivo lume;
O lume, que queima pau;
O pau, que bate no cão;
O cão, que mata o gato;
O gato, que come rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer cabra me bebe.
– Ó cabra, tu és tão forte
Que bebes a fria água;
A água, qu’apaga o lume;
O lume, que queima pau;
O pau, que bate no cão;
O cão, que mata o gato;
O gato, que come o rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que qualquer faca me mata.
– Ó faca, tu és tão forte
Que matas ligeira cabra;
A cabra, que bebe a água;
A água, qu’apaga o lume;
O lume, que queima pau;
O pau, que bate no cão;
O cão, que mata o gato;
O gato, que come rato;
O rato, que fura muro;
O muro, que veda vento;
O vento, qu’espalha nuvem;
A nuvem, que tapa sol;
O sol, que derrete neve;
A neve, que meu pé prende?
– Eu, formiga, sou tão forte
Que num ai perdi o corte.
Desde o alto até ao fundo
Nada é forte neste mundo.

V O coelhinho branco

Era de uma vez
Um coelhinho
Que foi à sua horta
Buscar couves
P’ra fazer um caldinho.

25Quando o coelhinho branco voltou para casa depois de vir da horta, chegou à porta e achou-a fechada por dentro; bateu e perguntaram-lhe de dentro:

26– Quem é?

27O coelhinho respondeu:

Sou eu o coelhinho
Que venho da horta
E vou fazer um caldinho.

28Responderam-lhe de dentro:

– E eu sou a cabra cabrez
Que te salto em cima
E te faço em três.

29Foi-se o coelhinho por aí fora muito triste e encontrou um boi e disse-lhe:

– Eu sou o coelhinho
Que tinha ido à horta
E ia para casa
Fazer o caldinho;
Mas quando lá cheguei
Encontrei a cabra cabrez,
Que me salta em cima
E me faz em três.

30Responde o boi:

– Eu não vou lá, que tenho medo.

31Foi o coelhinho andando e encontrou um cão e disse-lhe:

– Eu sou o coelhinho, etc.

32Responde o cão:

– Eu não vou lá, que tenho medo.

33Foi mais adiante o coelhinho e encontrou um galo, a quem disse também:

– Eu sou o coelhinho, etc.

34Responde o galo:

– Eu não vou lá, que tenho medo.

35Foi-se o coelhinho muito mais triste, já sem esperanças de poder voltar para casa, quando encontrou uma formiga que lhe perguntou:

– Que tens tu, coelhinho?

– Eu vinha da horta, etc.

36Responde a formiga:

– Eu vou lá e veremos como isso há-de ser.

37Foram ambos e bateram à porta; diz-lhe a cabra cabrez lá de dentro:

– Aqui ninguém entra;
Está cá a cabra cabrez
Que lhes salta em cima
E os faz em três.

38Responde a formiga:

– Eu sou a formiga rabiga,
Que te tiro as tripas
E furo a barriga.

39Dito isto, a formiga entrou pelo buraco da fechadura, matou a cabra cabrez; abriu a porta ao coelhinho; foram fazer o caldinho e ficaram vivendo juntos, o coelhinho e a formiga rabiga.

VI A romãzeira do macaco

40Era uma vez um macaco que estava em cima de uma oliveira a comer uma romã; sucedeu que caiu um grão de romã para a terra em que estava a oliveira, e passado pouco tempo nasceu uma romãzeira. Quando o macaco viu a romãzeira nascida, foi ter com o dono da oliveira e disse-lhe:

– Arranca a tua oliveira, para crescer a minha romãzeira.

41Responde o homem:

– Não estou para isso.

42Foi-se o macaco ter com a justiça e disse-lhe:

– Justiça, prende o homem, para que arranque a oliveira, para crescer a minha romãzeira.

43Responde a justiça:

– Não estou para isso.

44Foi o macaco ter com o rei e disse-lhe:

– Rei, tira a vara à justiça, para a justiça prender o homem, para o homem arrancar a oliveira, para crescer a minha romãzeira.

45Responde o rei:

– Não estou para isso.

46Foi o macaco ter com a rainha:

– Rainha, põe-te de mal com o rei, para o rei tirar a vara à justiça, etc.

47Responde a rainha:

– Não estou para isso.

48Foi o macaco ter com o rato:

– Rato, rói as fraldas à rainha, para a rainha se pôr de mal com o rei, etc.

49Responde o rato:

– Não estou para isso.

50Foi-se ter com o gato:

– Ó gato, come o rato, para ele roer as fraldas à rainha, etc.

51Responde o gato:

52– Não estou para isso.

53Foi-se ter com o cão:

– Ó cão, morde o gato, para ele comer o rato, etc.

54Responde o cão:

– Não estou para isso.

55Foi ao pau e disse-lhe:

– Pau, bate no cão, para o cão morder o gato, etc.

– Não estou para isso.

56Foi ter com o lume:

– Lume, queima o pau, para ele bater no cão, etc.

– Não estou para isso.

57Foi ter com a água:

– Ó água, apaga o lume, para ele queimar o pau, etc.

– Não estou para isso.

58Foi ao boi:

– Ó boi, bebe a água para ela apagar o lume, etc.

– Não estou para isso.

59Foi ao carniceiro:

– Carniceiro, mata o boi, para ele beber a água, etc.

– Não estou para isso.

– Ó morte, leva o carniceiro, para ele matar o boi, etc.

60A morte ia para levar o carniceiro e ele disse-lhe:

– Não me leves, que eu mato o boi.

61Disse o boi:

– Não me mates, que eu bebo a água.

62Disse a água:

– Não me bebas, que eu apago o lume.

63Disse o lume:

– Não me apagues, que eu queimo o pau.

64Disse o pau:

– Não me queimes, que eu bato no cão.

65Disse o cão:

– Não me batas, que eu mato o gato.

66Disse o gato:

– Não me mordas, que eu como o rato.

67Disse o rato:

– Não me comas, que eu roo as fraldas à rainha.

68Disse a rainha:

– Não me roas as fraldas, que eu ponho-me de mal com o rei.

69Disse o rei:

– Não te ponhas mal comigo, que eu tiro a vara à justiça.

70Disse a justiça:

– Rei, não me tires a vara, que eu prendo o homem.

71Disse o homem:

– Justiça, não me prendas, que eu arranco a oliveira.

72E o homem arrancou a oliveira e o macaco ficou com a sua romãzeira.

VII A cacheirinha

73Era uma vez um homem que tinha muitos filhos, e era muito pobre, e como não tivesse em que ganhar pão para lhes dar, foi para criado de certo rei, para ver se assim podia sustentar melhor os filhos. Ao fim de um ano de serviço disse ele ao rei:

– Senhor, peço que me deis a paga do meu serviço, pois quero ir viver com os meus filhos e mulher, de quem estou separado há um ano.

74Então o rei disse-lhe:

– Não te pago em dinheiro, mas leva essa mesa, e toda a vez que queiras comer dirás: «Põe-te, mesa», e terás de comer para ti e teus filhos.

75Foi-se o homem muito contente e no caminho teve fome, e então disse:

– Põe-te, mesa.

76E logo apareceu a mesa com uma coberta de ricos manjares. Comeu o homem à farta, e dos sobejos ainda repartiu com algumas pessoas pobres que encontrou no caminho. Como porém anoitecesse, o homem foi pernoitar a uma estalagem, e à vista do estalajadeiro ordenou à mesa que se pusesse, e logo apareceram novamente ricos manjares. O estalajadeiro, vendo isto, esperou que o homem estivesse dormindo, e trocou a mesa por outra igual no feitio, mas que não tinha o condão daquela.

77Levantou-se o homem de madrugada, pegou na mesa às costas e foi para casa da mulher e dos filhos. Ao chegar ali disse:

– Meus queridos filhos e minha querida mulher, já não precisamos de trabalhar para comer, pois el-rei deu-me uma mesa que nos apresenta comer todas as vezes que eu quiser.

78Então a mulher e os filhos, que estavam cheios de fome, disseram que lhes desse de comer; mas debalde o homem dizia: «Põe-te, mesa; põe-te mesa», que a mesa não se punha. Pensou então ele que talvez o estalajadeiro lha tivesse trocado, e voltou à estalagem, mas o estalajadeiro negou e tornou a negar que tal tivesse feito. Foi-se o homem ter com o rei e contou-lhe o sucedido. Então o rei deu-lhe uma peneira e disse-lhe:

– Quando quiseres dinheiro dirás: «Peneira, peneirinha»; cair-te-á dela dinheiro em vez de farinha.

79Foi-se o homem ainda mais contente do que da primeira vez; mas como fosse outra vez pernoitar à estalagem, e o estalajadeiro visse que ele tirava dinheiro da peneira, fez o mesmo que tinha feito à mesa; e o homem, ao chegar a casa, viu que tinha sido novamente logrado. Voltou a queixar-se ao rei; e ele deu-lhe uma cacheirinha, e disse-lhe:

– Vai à estalagem com esta cacheirinha e diz: «Desanda, cacheirinha; desanda, cacheirinha», e enquanto o estalajadeiro não te der a mesa e a peneira, manda-a sempre desandar.

80Foi o homem, e fez o que o rei lhe disse; e o estalajadeiro, maçado com pancadas, deu a mesa e a peneira ao homem. Voltou este todo alegre e contente para sua casa com as três prendas que lhe dera o rei. Quando os filhos, ele e a mulher tinham fome, logo tinham comer; quando precisavam de dinheiro também o tinham, e quando os filhos faziam alguma coisa mal feita, também o pai mandava desandar a cacheirinha; e assim educou os filhos muito bem, e quando eles chegaram a homens, foi oferecê-los ao rei para irem servir a pátria, e serem uns valentes soldados.

VIII O pote de azeite

81Era uma vez uma pastora descuidada, chamada Mofina Mendes. O dono do rebanho, farto de a aturar, despediu-a e deu-lhe em paga um pote de azeite. Ela pô-lo à cabeça e começou a cantar:

  • 2 Trancoso: vila da Beira.
  • 3 Ataviado, enfeitado, adornado.
  • 4 Brial, antigo vestido de luxo.
  • 5 Desposado, noivo.
  • 6 D’est’arte bailado, um bailado deste género, deste modo.

– Vou-me à feira de Trancoso2
Logo, nome de Jesu,
E farei dinheiro grosso.
Do que este azeite render
Comprarei ovos de pata,
Que é a coisa mais barata
Qu’eu de lá posso trazer.
E estes ovos chocarão,
Cada ovo dará um pato,
E cada pato um tostão,
Que passará de um milhão
E meio, a vender barato.
Casarei rica e honrada
Por estes ovos de pata;
E o dia que for casada,
Sairei ataviada3
Com um brial4 d’escarlate,
E diante o desposado5
Que me estará namorando,
Virei de dentro bailando
Assi d’est’arte bailado6,
Esta cantiga cantando.

82E como se pusesse a bailar com o pote de azeite à cabeça, este caiu e quebrou-se, perdendo-se o azeite.

83Então disse o amo:

– Agora posso eu dizer,
E jurar e apostar
Qu’és Mofina Mendes toda.

Um pastor acrescentou:

– E s’ela baila na boda,
Qu’está ainda por sonhar,
E os patos por nascer,
E o azeite por vender,
E o noivo por achar,
E a Mofina a bailar;
Que menos podia ser?

Mas a Mofina replicou:

  • 7 Dar guerra, perseguir; aqui, perseguir com zombaria.
  • 8 O sentido das palavras de Mofina é que a felicidade, o contentamento e a alegria pouco duram.

– Por mais que a dita m’enjeite.
Pastores não me deis guerra7;
Que todo o humano deleite,
Como o meu pote d’azeite,
Há-de dar comigo em terra.8

IX O rabo do macaco

Era uma vez um macaco;
A fazer a barba entrou
Numa tenda de barbeiro.
Este o rabo lhe cortou.
O macaco, por desforra,
Uma navalha lhe furtou;
Fugindo logo d’ali,
Para longe caminhou.
Foi ele mais adiante;
Uma velha encontrou
Que à unha escamava
As sardinhas que comprou;
E à velha das sardinhas
A navalha lh’emprestou;
Mas a mofina da velha
Dar a navalha negou.
O macaco, por desforra,
Uma sardinha furtou.
Fugindo logo dali,
Para longe caminhou.
Foi ele mais adiante;
Um moleiro encontrou,
Que sem conduto comia
Um pão seco que comprou;
E a sardinha que ele tinha
Por sua farinha trocou:
Mas o mofino moleiro
A farinha lhe negou;
O macaco, por desforra,
Um saco dela furtou;
Fugindo logo dali,
Para longe caminhou.
Foi ele mais adiante;
Em uma escola entrou;
Muitas meninas lá estavam;
Com fome todas achou;
E à mestra das meninas
A farinha lhe emprestou;
Mas a mofina da mestra
A farinha lhe negou;
O macaco, por desforra,
Uma menina furtou;
Fugindo logo dali,
Para longe caminhou.
Foi ele mais adiante;
Lavadeira encontrou,
Que, já cansada, lavava
Camisas que não sujou:
E, para a ir ajudar,
A menina lh’emprestou;
Mas a mofina mulher
A menina lhe negou:
O macaco, por desforra,
Uma camisa furtou;
Fugindo logo dali,
Para longe caminhou.
Foi ele mais adiante,
Violeiro encontrou,
Que, por pobre, sem camisa,
A semana trabalhou;
E ao pobre violeiro
A camisa emprestou;
Mas o mofino do homem
A camisa lhe negou;
O macaco, por desforra,
Uma viola furtou;
Fugindo logo dali,
Para longe caminhou.
E, sem ir mais adiante,
Alto telhado trepou;
Por bem fazer mal haver,
Já de todo se fartou;
Pelo que, de lá de cima,
Na sua viola tocou;
E, ao som da violinha,
Desta maneira cantou:
– «De meu rabo fiz navalha;
De navalha fiz sardinha;
De sardinha fiz menina;
De menina fiz camisa;
De camisa fiz viola!
Ferrum-funfun, ferrum-fun-fun!
Adeus, que me vou embora!»

X Os três conselheiros do rei

84Era uma vez um rei que tinha na sua corte três conselheiros que tinham presunções de ser muito sábios. Um dia o rei foi à caça com os seus conselheiros e chegado lá a certo sítio encontrou um lavrador a guiar a sua lavoura.

85O rei olhou para ele e disse:

– Oh, que neve vai na serra!

86O lavrador respondeu:

– É tempo dela, senhor.

87O rei perguntou então ao lavrador:

– Quantas vezes queimaste a casa?

– Duas, real senhor.

– E quantas vezes tens ainda que a queimar?

– Três, real senhor.

– Se cá te mandar três patos depena-los?

– Quantos cá mandardes, senhor.

88O rei foi andando e lá mais adiante virou-se para os três conselheiros e disse-lhes:

– Ora, vocês, já que são tão sábios, hão-de-me explicar o que queria eu dizer ao lavrador com aquelas perguntas e o que ele me queria dizer com as respostas. Se vocês não me explicarem isso, mando-os matar.

89Disseram os conselheiros:

– Mas, real senhor, assim de repente, não é possível...

– Pois bem, dou-lhes três dias para responderem; mas se ao fim dos três dias não me explicarem as perguntas, mando-os matar, por não terem a sabedoria de que vocês se gabam.

90Os três conselheiros, todos aflitos, foram deitar livrarias abaixo, mas não atinaram com o sentido das tais perguntas; até que por fim resolveram ir em segredo ver se o lavrador lhas explicava.

91Chegaram lá e o velho disse-lhes que lhas explicava com a condição de eles lhe darem os ricos fatos que levavam, deixando-lhos já ali. Eles, que não viram outro remédio, despiram-se e então o lavrador explicou-lhes:

– Oh, que neve vai na serra, quer dizer que eu tenho os cabelos brancos; eu respondi: é tempo dela, senhor, porque sou já muito velho. Quantas vezes queimaste a casa, quer dizer quantas filhas casei, porque quem casa uma filha gasta tanto como quem lhe arde a casa; eu respondi que duas, e que tenho ainda três para queimar; porque casei duas filhas e tenho três solteiras...

– E a pergunta dos patos o que queria dizer?

– Os patos são vossas senhorias que eu depenei, mandando-os despir.

92Os conselheiros iam-se a retirar todos contentes em mangas de camisa, quando entrou o rei, que tinha ido atrás deles.

– Com que então – disse o rei –, vocês queriam-me enganar? Pois só lhes perdoo se ajudarem a queimar a casa deste lavrador as vezes que lhe faltam.

– Que quer dizer o rei? – perguntaram os conselheiros ao lavrador.

– Quer dizer que vossas senhorias hão-de dar bons dotes às minhas três filhas solteiras.

93E os conselheiros não tiveram outro remédio senão dar bons dotes às filhas do lavrador para escaparem à morte.

XI O pinto borrachudo

94Era uma vez um pinto borrachudo que andava a gravetar num monte de terra e achou lá uma bolsa de moedas e disse:

– Vou levar esta bolsa ao rei.

95Pôs-se a caminho com a bolsa no bico; mas como tivesse de atravessar um rio e não pudesse, disse:

– Ó rio! arreda-te para eu passar.

96Mas o rio continuou a correr e ele bebeu a água toda.

97Foi mais para diante e viu uma raposa no caminho e disse-lhe:

– Deixa-me passar.

98Como a raposa se não movesse, comeu-a.

99Foi andando e encontrou um pinheiro e disse-lhe:

– Arruma-te para eu passar.

100Como ele se não arrumasse, engoliu-o.

101Mais adiante encontrou um lobo e comeu-o; depois encontrou ainda uma coruja e fez-lhe o mesmo.

102Chegado ao palácio do rei disse que lhe queria falar e entregou-lhe a bolsa das moedas e o rei ordenou logo que o metessem na capoeira das galinhas e que o tratassem muito bem. O borrachudo, logo que ali se viu, começou a cantar:

– Qui qui ri qui!
Minha bolsa de moedas
Quero para aqui.

103E como visse que lha não levavam lançou a raposa que tinha engolido, e ela comeu as galinhas todas.

104Foram dar parte a el-rei do sucedido e ele ordenou que metessem o borrachudo dentro da copeira. Cumpriram-se as ordens, mas o borrachudo continuou sempre a cantar:

– Qui qui ri qui!
Minha bolsa de moedas
Quero para aqui.

105Depois, como lhe não levassem o dinheiro, lançou o pinheiro e os copos da copeira foram todos quebrados.

106Então o rei ordenou que metessem o borrachudo na cavalariça, e ele sempre cantando:

– Qui qui ri qui!
Minha bolsa de moedas
Quero para aqui.

107Lançou fora o lobo e o lobo comeu os cavalos.

108O rei mandou então que o metessem no pote do azeite, mas ele lançou lá a coruja e ela bebeu o azeite.

109Então o rei, não sabendo já o que havia de fazer, mandou que aquecessem o forno e que metessem lá o borrachudo; mas ele mesmo dentro do forno começou a gritar:

– Qui qui ri qui!
Minha bolsa de moedas
Quero para aqui.

110E foi lançando o rio que tinha bebido; e já o palácio do rei estava quase a afundar-se, quando o rei ordenou que fossem levar a bolsa de moedas ao borrachudo e o mandassem embora, antes que ele lançasse o rio todo.

111E lá se foi embora outra vez o borrachudo com a bolsa das moedas no bico.

XII Quem não trabuca Não manduca; Quem não manduca Não trabuca.

112Um ricaço tinha um criado preto, a quem tratava muito mal, dando-lhe a comer pão de rolão, e a beber vinho vinagrão; e mandava-o trabalhar na quinta com a enxada. À noite, quando vinha para casa, perguntava-lhe o amo:

– Onde vais, preto?

– Ao pé da cepa torta, meu amo.

113Nos dias seguintes sempre a mesma resposta; até que o amo foi espreitar o preto, e ouviu-lhe dizer:

– O meu amo dá-me só pão de rolão e vinho vinagrão, deita-te para aí, enxadão.

114E deitava-se a dormir ao pé do enxadão.

115À noite perguntou-lhe o amo:

– Onde vais, preto?

– Ao pé da cepa torta, meu amo.

116O amo calou-se muito calado e no dia seguinte deu boa comida ao preto; e foi espreitar o que ele fazia. O preto começou a trabalhar e disse:

– O meu amo já dá bom vinho e bom pão; trabalha, enxadão.

117E trabalhou tanto, tanto, que o amo estava encantado com ele; e continuou a dar-lhe sempre bom vinho e bom pão.

XIII Príncipe com orelhas de burro

118Era uma vez um rei que vivia muito triste por não ter filhos e mandou chamar três fadas para que fizessem com que a rainha lhe desse um filho. As fadas prometeram-lhe que os seus desejos seriam feitos e que elas viriam assistir ao nascimento do príncipe.

119Ao fim de nove meses nasceu-lhes um filho e as três fadas fadaram o menino.

120A primeira fada disse:

– Eu te fado para que sejas o príncipe mais formoso do mundo.

121A segunda fada disse:

– Eu te fado para que sejas muito virtuoso e entendido.

122A terceira fada disse:

– E eu te fado para que te nasçam umas orelhas de burro.

123Foram-se as três fadas e logo apareceram ao príncipe as orelhas de burro. O rei mandou sem demora fazer um barrete que o príncipe devia sempre usar para lhe cobrir as orelhas.

124Crescia o príncipe em formosura e ninguém na corte sabia que ele tivesse as tais orelhas de burro. Chegou a idade em que ele tinha de fazer a barba; e então o rei mandou chamar o barbeiro e disse-lhe:

– Farás a barba ao príncipe, mas se disseres a alguém que ele tem orelhas de burro, morrerás.

125Andava o barbeiro com grandes desejos de contar o que vira, mas com receio de que o rei o mandasse matar, calava consigo. Um dia foi-se confessar e disse ao padre:

– Eu tenho um segredo que me mandaram guardar, mas eu se não o digo a alguém morro, e se o digo o rei manda-me matar; diga, padre, o que eu hei-de fazer.

126Respondeu-lhe o padre que fosse a um vale, que fizesse uma cova na terra e que dissesse o segredo tantas vezes até ficar aliviado desse peso, e que depois tapasse a cova com terra. O barbeiro assim fez; e depois de ter tapado a cova, voltou para casa muito descansado.

127Passado algum tempo nasceu um canavial onde o barbeiro tinha feito a cova. Os pastores quando ali passavam com os seus rebanhos cortavam canas para fazer gaitas, mas quando tocavam nelas saíam umas vozes que diziam: «Príncipe com orelhas de burro.»

128Começou a espalhar-se esta notícia por toda a cidade e o rei mandou vir à sua presença um dos pastores para que tocasse na gaita; e saíam sempre as mesmas vozes que diziam: «Príncipe, com orelhas de burro.» O próprio rei também tocou e sempre ouvia as vozes. Então o rei mandou chamar as fadas e pediu-lhes que tirassem as orelhas de burro ao príncipe. Vieram elas e mandaram reunir a corte toda e ordenaram ao príncipe que tirasse o barrete; e qual não foi o contentamento do rei, da rainha e do príncipe ao ver que já lá não estavam as tais orelhas de burro!

129Desde esse dia as gaitas que os pastores faziam das canas do tal canavial deixaram de dizer: «Príncipe com orelhas de burro.»

XIV Conto do bacorinho

130Era uma vez uma mulher que casou com um homem que era muito atolado; se ficava em casa deitava tudo a perder; se ia para a feira não sabia comprar, nem vender. A mulher mandou-o um dia à feira vender uma teia e disse-lhe:

– Não a vendas nem a homem nem a mulher que fale muito, senão eles enganam-te.

131Foi ele para a feira; todos falavam muito e ele dizia:

– Não é para você que fala muito.

132E assim não vendia a teia. Vinha para casa com ela; chegou ao pé de uma capela e foi rezar ao santinho dela. Ouviu tocar a uma festa fora; deixou ficar o pano e foi ver a festa; quando voltou para dentro tinham-lho furtado. Ele virou-se para o santo e disse-lhe:

– Ai, tu compraste-me a teia e não quiseste ir à feira molhar os pés! Pois agora dá-me cá o dinheiro.

133Como o santo não lhe botava o dinheiro, o homem desaveio-se com ele, deu-lhe um empurrão e botou-o do altar abaixo. Ao mesmo tempo caíram cinco reis das esmolas do santo e o homem disse:

– Está bom! É a paga da teia.

134Tomou os cinco réis, deixou ficar o santo e foi-se embora.

135Chegou a casa e entregou os cinco réis à mulher e contou-lhe o transe.

136Depois, pela outra feira, mandou-lhe a mulher buscar um vintém de agulhas. Voltou o homem da feira e a mulher perguntou-lhe pelas agulhas:

– Olha, as agulhas; encontrei um carro de estrume e amuaram os bois; peguei eu à chêda do carro e como não podia trazer as agulhas, botei-as ao carro e depois não as achei no estrume.

– Valha-te Deus, homem! Tu és tolo; espetavam-se no jalequinho.

– Pois sim, pois sim; assim farei para as outras vezes.

137Mandou-o a mulher ao ferreiro fazer umas agulhas para o jugo dos bois. Ele pegou nelas e espetou-as no jaleco e rompeu-o todo. A mulher ralhou-lhe:

– Ó homem! Tu és tolo! Pois tu foste rasgar o jalequinho?

– Pois como é que eu havia de fazer?

– Olha, isso, prendiam-se com um baracinho e trazia-las às costas.

– Pois sim, pois sim; para a outra vez assim hei-de fazer.

138Mandou-o a mulher comprar um bacorinho e ele comprou o bácoro; prendeu-o pelo pescoço e deitou-o às costas; chegou a casa com ele esganado.

139Disse-lhe a mulher:

– Ó homem! Santo nome de Jesus! O que tu fizeste! Mataste o bacorinho.

– Pois como é que se fazia?

– Olha, trazia-se preso por uma cordinha pelo chão e batia-se-lhe com uma varinha.

– Pois sim, pois sim; para a outra vez assim hei-de fazer.

140Mandou-o a mulher outra vez buscar um cântaro à feira. Ele pegou atou-lhe uma cordinha e trouxe-o de rastos pelo chão; chegou a casa só com a asa dele pendurada na corda. A mulher viu-lhe a asa do cântaro e disse:

– Ai Jesus! Estou perdida; não tornas à feira.

– Pois sim, sim; vai tu; eu cá ficarei.

141Foi a mulher à feira e recomendou-lhe quando saiu:

– Olha, homem, tu não deixes ir as cabras ao milho da bouça; não vás à adega que deixas a cuba a deitar; não vás ali àquela malga que tem rosalgar (mas era açúcar o que lá estava), e, se comes, morres; repara a galinha dos pintos que não tenha perigo.

142Foi a mulher para a feira: ele assim que ela saiu, foi buscar um bocadinho de carne ao presunto e fritou-a (coitadinho, para comer, está visto); foi buscar um pouco de vinho numa enfusa e perdeu a rolha da cuba; meteu-lhe um dedo e deixou-se lá estar ao pé da cuba; nisto apareceu-lhe lá uma cãzinha e ele chamou-a para o pé e meteu o rabo dela no furo da cuba para o tapar. Estava a comer a carne e a beber a pinguita do vinho; chamaram por ele que lhe andavam as cabras no milho; ele caminha à adega e chama pela cadela; ela correu e deixou a cuba a botar. Voltou ele a casa e viu o vinho a correr pela adega e levou os foles da farinha da fornada e despejou a farinha no chão para a mulher não ver o vinho. Nisto a raposa tinha vindo e comido a galinha; ele começou a chorar.

143– Ai Jesus! Que desgraça a minha! Que hei-de eu fazer!

E foi à malga do açúcar e comeu-o para morrer, julgando que era rosalgar. Achou doce, comeu-o todo. Vai a uma caixa, acha um torrão de mel; comeu-o também para morrer e não ouvir os ralhos da mulher, quando ela viesse. Depois, viu que não morria; pegou numa maça de maçar o linho e começou a atirá-la ao ar para se matar com ela e quando a via no ar fugia para a outra banda. Por fim, como viu que não morria foi para o ninheiro da galinha chocar os ovos e estava lá:

– Crós, crós...

144Nisto veio a mulher:

– Ó fulano!

– Crós, crós...

145Ela enfim foi dar com ele a chocar os ovos; ralhou-lhe muito e disse-lhe:

– Sai daí, meu toleirão.

146Enfim lá fizeram as pazes e ela perdoou-lhe.

XV Grisme e Guiomar

147Era uma vez um rei que tinha uma filha chamada Guiomar, a qual gostava muito de um conde chamado Grisme; mas seu pai não a queria deixar casar com ele. Um dia Guiomar foi ter com uma bruxa que era sua madrinha, e pediu-lhe que fizesse com que ela casasse com Grisme. Então a bruxa disse-lhe que o mais acertado era fugirem ambos do palácio, e que ela os ajudaria para que o rei não os encontrasse. Depois disse-lhes:

– Aqui têm estes três canudos; um contém alfinetes, outro sal, e o outro cinza: montem nos cavalos que correm como o pensamento, e ponham-se a caminho, e se se virem perseguidos pelo pai, despejem logo o canudo que contém cinza; e depois o que tem sal, e por último o dos alfinetes.

148Fugiram os dois, muito de noite, e com a escuridão não repararam que tinham trocado os cavalos; mas a bruxa, vendo depois que eles se tinham enganado, resolveu-se a acompanhá-los.

149O rei quando deu pela falta deles ordenou logo que lhe preparassem os cavalos que andavam tanto como o pensamento, e pôs-se a caminho em busca dos fugitivos.

150Já eles eram muito adiante quando avistaram o rei, e então a bruxa ordenou que despejassem o canudo da cinza; e logo se levantou tal nevoeiro, que ao rei não lhe foi possível vê-los.

151Mais adiante tornaram a avistar o rei, e logo despejaram o canudo do sal, e do sal formou-se um grande mar, de forma que o rei não pôde passar.

152Depois tornaram a avistar o rei, e despejaram o canudo dos alfinetes, e logo estes se converteram em lanças, e espadas desembainhadas, que o rei ao vê-las julgou que eram tropas que lhe vinham declarar guerra e resolveu voltar para o palácio; mas primeiro amaldiçoou a filha e o conde, e disse que Deus permitisse que eles se esquecessem um do outro, e nunca mais se tornassem a lembrar.

153A princesa viu-se imediatamente abandonada num lugar deserto. Apareceu-lhe pouco depois a madrinha que lhe disse:

– Toma estes sapatos de ferro; só quando tu os tiveres roto é que eu poderei valer-te contra a maldição de teu pai. Vai em peregrinação pelo mundo e logo que vejas um buraco num dos sapatos procura-me.

154A princesa andou, andou, fazendo todos os esforços para romper os sapatos, mas só ao fim de sete anos e um dia o conseguiu. Quando ela descobriu um buraquinho num dos sapatos tratou logo de voltar para a terra onde estava a madrinha; mas a bruxa apareceu-lhe no caminho e disse-lhe:

– Tu agora vais servir para casa de um conde como criada. Esse conde vai casar-se e no dia do casamento tu põe à sobremesa este bolo que te dou; tem cautela não o partas antes desse dia.

155A princesa recebeu o bolo e foi para casa do tal conde, que era o mesmo com quem ela tinha fugido; mas ela não o conheceu, nem ele a ela.

156No dia do casamento a princesa pôs o bolo na mesa. Quando o conde o partiu saíram duas pombinhas brancas de dentro, que se foram empoleirar nas portas das janelas e começaram a falar uma para a outra e a contar a história da princesa e do conde.

157De vez em quando dizia uma pomba à outra:

– Lembras-te?

158E a outra dizia:

– Já me vou lembrando.

159Ao mesmo tempo a princesa e o conde iam-se lembrando de tudo e reconhecendo-se um ao outro. Quando as pombinhas chegaram ao fim da história o conde correu para a princesa e disse:

– Tu és a minha verdadeira esposa, que por tanto tempo esqueci.

160E a que estava para ser noiva não teve remédio senão procurar outro marido.

XVI O Joãozinho Pequeno

161Era uma vez três irmãos: um chamava-se Joãozinho Pequeno; o Joãozinho Pequeno tinha um palmo; o outro palmo e meio e o outro meio palmo. Morreu-lhes o pai e a mãe e todos três foram viajar; foram bater à porta de um rei para saber se queria algum criado para o servir. Aquele rei era um rei turco. O rei perguntou-lhes se eles sabiam ler. Eles disseram que não. Como não sabiam ler o rei mandou-os embora. Foram a casa de outro rei oferecer-se para criados. Em casa do outro rei disseram que sabiam ler. O rei mandou o Joãozinho Pequeno para guarda-livros, o que tinha meio palmo para jardineiro, e o que tinha palmo e meio para capataz dos trabalhadores da quinta.

162Os outros tinham muita inveja de o Joãozinho Pequeno estar em casa e eles andarem pelo campo. Quiseram arranjar uma cilada para matar o Joãozinho Pequeno. Foram dizer ao rei que ele era capaz de ir buscar uma coberta de campainhas que tinha o rei turco.

163O Joãozinho Pequeno foi, mas o rei turco tinha um papagaio à porta que, quando via alguém, chamava:

– Ai do rei turco que está roubado!

164Chegou o Joãozinho à porta e levou muitos bolos para ver se o papagaio se calava, e perguntou-lhe se queria bolos.

165O papagaio disse-lhe que sim e ele subiu, e meteu-se debaixo da cama do rei. De noite começou a puxar a coberta para um lado e para o outro. O rei viu-se tão desesperado que deitou a coberta para o chão. O João Pequeno assim que apanhou a coberta no chão fugiu com ela. Depois de ter saído a porta para fora, e quando já ia longe, é que o papagaio se lembrou de dizer:

– Acode, rei turco, que estás roubado!

166O rei turco chegou à porta, e viu o Joãozinho Pequeno, e disse-lhe:

– Anda lá que tantas vezes hás-de vir até que alguma hás-de ficar.

167E ele respondeu-lhe:

– Hei-de vir, hei-de voltar, e a ti próprio te hei-de levar.

168Chegou e entregou a coberta de campainhas ao rei. Os irmãos que viram que ele ainda não morrera daquela, disseram ao rei que ele era capaz de ir buscar o papagaio que o rei turco tinha à porta. Ele foi e levou muitos bolos e deu-os ao papagaio, e disse-lhe que não havia de dizer nada quando ele o tirasse.

169O papagaio, depois de comer os bolos e quando ele ia para lhe deitar a mão, disse:

– Acode, rei turco, que estás roubado!

170O rei turco veio e apanhou o Joãozinho Pequeno, levou-o para cima, peou-o de pés e mãos, e disse para a cozinheira que tivesse conta nele enquanto ia chamar o carrasco para o matar. E o rei turco saiu para fora. E a criada foi-se pôr a serrar presunto. O Joãozinho Pequeno, que viu, disse:

– A menina é que está a serrar? Desprenda-me as mãos que eu serro isso num instante.

171Respondeu-lhe ela:

– Não, porque tu foges.

172Diz ele:

– Não é assim; desprenda-me só as mãos, porque eu com os pés presos não posso fugir.

173A cozinheira desprendeu-lhe as mãos e ele acabou-se de desprender de todo. A criada, cheia de susto, fugiu. O Joãozinho pegou no papagaio e disse-lhe que o matava com a faca que tinha na mão se dissesse alguma coisa; e foi ao papagaio e cortou-lhe a ponta da língua e disse-lhe que o matava já se, quando ele quisesse levá-lo, dissesse alguma coisa. E escondeu-se atrás da porta; e quando o rei entrou para dentro, fugiu. O rei, quando foi e não achou a criada, ficou muito zangado e com muita raiva ao Joãozinho Pequeno. Quando ele entregou o papagaio ao rei, ficaram os irmãos com muita inveja e disseram-lhe que ele era capaz de ir buscar o rei turco. Ele disse que sim, que o ia buscar, mas que haviam de lhe arranjar uma carruagem fechada com sete chaves: meteu-se dentro da carruagem, chegou à porta do rei turco, e começu a dizer:

– Quem quer ir ver matar o Joãozinho Pequeno?

174O rei turco saltou logo e disse:

– Quero eu!

175O Joãozinho Pequeno disse-lhe sem lhe aparecer:

– Venha aqui dentro desta carruagem, que vem mais depressa.

176Assim que o apanhou lá dentro, fechou-o a sete chaves e começou a dizer:

– Quem quer ir ver matar o rei turco?

177Depois foi entregá-lo ao rei. Mandaram fuzilar o rei turco, e o Joãozinho Pequeno depois contou a sua inocência ao rei e disse que era tudo inventado pelos irmãos. O rei como viu que ele tinha muita habilidade para tudo, casou-o com uma filha, e ficou no palácio. Os irmãos foram embora e continuaram pobres e desprezados por toda a gente.

XVII O Doutor Grilo

178Passava um dia pela ponte de Coimbra um carvoeiro, com um burro carregado de carvão; e viu muitos estudantes que estavam sentados na ponte comendo bolos, rebuçados e amêndoas; o carvoeiro disse para si:

– Para comer coisas tão boas é preciso ser estudante; pois vou-me também fazer estudante.

179Dito e feito. Vendeu o carvão e o burro na cidade, vestiu-se com as sacas do carvão e foi-se sentar na ponte, a comer côdeas de pão de milho porque o dinheiro não dava para comprar bolos. Os estudantes estranharam o novo colega e perguntaram-lhe:

– Ó caloiro, para que estudas tu?

180Ao que ele respondeu:

– Estudo para adivinhão.

181Tinham-se passado alguns dias depois disto, quando constou que tinham roubado um tesouro ao rei de Portugal, e que ele premiava quem descobrisse o ladrão. Os estudantes foram então dizer ao rei que havia um estudante que estudava para adivinhão. O rei mandou-o logo chamar ao palácio, e disse-lhe que queria ver se ele já estava muito adiantado na ciência que estudava. Ora o carvoeiro chamava-se fulano de tal e Grilo. O rei chegou-se ao pé dele com a mão direita fechada e perguntou-lhe:

– Que tenho eu nesta mão?

182O estudante, aflito por não saber o que havia de responder, deu um ai, e disse:

– Ai! Grilo, Grilo, em que mãos estás metido!

183Então o rei, que ignorava que ele se chamasse Grilo, abriu a mão e disse:

– Adivinhaste; é um grilo que eu aqui tenho.

184O rei ficou satisfeito e o estudante ainda mais. Depois o rei, para ver se o estudante ainda adivinhava mais, mandou matar uma porca, encheu um frasco de sangue dela e chegou-se ao estudante e perguntou-lhe:

– De que é este sangue?

185Ao que ele, por não saber de que era, respondeu:

– Aqui agora é que torce a porca o rabo.

186O rei respondeu:

– Adivinhaste, é sangue de porca que eu tenho no frasco.

187E disse-lhe mais o rei:

– Agora dou-te três dias para descobrires os ladrões do meu tesouro.

188Espalhou-se pela corte que estava no palácio um adivinhão, que ia já descobrir os ladrões do tesouro; e dois dos criados do rei foram-se ter com o estudante e disseram-lhe:

– Dar-vos-emos muito dinheiro se não disserdes ao rei que fomos nós que lhe roubámos o tesouro.

189Foi o que o estudante quis ouvir; mandou logo chamar o rei e disse-lhe:

– Saiba vossa majestade que dois dos seus criados é que roubaram o tesouro.

190O rei, conhecedor da verdade, mandou prender os criados, e eles restituíram-lhe o tesouro. Disse então o rei ao estudante que o queria premiar muito bem, e que se deixasse estar no palácio mais alguns dias. Durante esses dias sucedeu que a princesa filha do rei estando a jantar se lhe atravessou um osso nas guelras. Os médicos do palácio não se atreviam a tirar-lho e o rei foi-se ter com o estudante e disse-lhe que o premiava muito bem se desse remédio à princesa. O estudante mandou então deitar a princesa de bruços no chão, e começou a atirar-lhe bolas de manteiga para cima dela; a princesa ria-se e tornava-se a rir, até que lhe saiu o osso das guelras. Então o rei deu grandes somas de dinheiro ao estudante e disse-lhe:

– Já que tanto sabes, ficas nomeado médico do hospital e da minha real casa.

191Nesse tempo andava na cidade uma grande epidemia, e o médico foi fazer a sua visita aos doentes. Depois de os ter examinado a todos disse-lhes:

– Aquele que estiver mais doente há-de ser amanhã aberto para ser examinado.

192Os doentes, quando tal ouviram, levantaram-se todos das camas, uns encostados a paus, outros a muletas; foram saindo todos do hospital, e nem já pareciam doentes. Espalhou-se logo pela cidade que o novo médico sabia tanto que só com a sua vista dava saúde aos enfermos. Então o médico ao ouvir isto resolveu-se a ir estudar medicina na universidade; e passado algum tempo tomou capelo, ficou-se chamando o Doutor Grilo.

XVIII O depositário infiel

193Era uma vez um pai que tinha um filho; e como fosse muito pobre mandou-o servir e vai ele para uma terra muito longe, onde ganhou muita soma de dinheiro. Logo que pôde trouxe consigo tudo quanto tinha ganho e meteu-se a caminho da sua terra para ir lá viver com seu pai. Arreceou-se dos ladrões e perguntou onde haveria um homem capaz para lhe guardar o seu ganho.

194Lá lhe indicaram um negociante muito rico e o rapaz procurou-o. Pediu-lhe que lhe guardasse o seu dinheiro e que lho fosse mandando em quantias pequenas à medida que lho pedisse.

195O negociante a tudo disse que sim e lá ficou com o dinheiro.

196O rapaz gastou em compras tudo o que fazia tenção de levar desta vez e voltou a casa do tal negociante e qual não foi o seu espanto e desconsolo quando ele lhe disse que não tinha recebido dinheiro nenhum para guardar.

197Foi o rapaz todo triste para a sua terra e contou a sua desgraça ao pai que era já muito velhinho.

198O pai ouviu o filho e disse-lhe:

– Nunca te fies em vesgos (o rapaz dissera-lhe que o negociante era assim); mas nunca se viu um vesgo enganar um careca, como eu. Anda comigo e verás. Não te faças meu conhecido; faz de conta que nunca me viste, nem enxergaste e o teu dinheiro hás-de recebê-lo.

199Foram ambos e quando estavam perto da casa do negociante, o filho ficou atrás e o pai foi falar ao homem, que tinha ficado com o que era do filho.

200Logo que lá chegou viu um vesgo sentado num banco e disse-lhe:

– Senhor, eu trago um dinheirito que queria levar para a minha terra; mas nos montes andam muitos ladrões e por isso pedia a V. S.a se me fazia o favor de mo guardar e de mo mandar em quantias pequenas quando me for preciso.

– Sim, senhor – respondeu o vesgo –; e quanto é?

– São dez mil cruzados.

201O velho então fez sinal ao filho, sem o vesgo perceber, e vai o rapaz entrou na loja do vesgo e disse:

– Eu vinha buscar aqueles cinco mil cruzados que aqui deixei para V. S.a me guardar.

202O negociante, como não quis perder a outra quantia por ser dobrada, deu logo os cinco mil cruzados ao rapaz, que saiu saltando de contente.

203O pai ficou e disse ao vesgo:

– Pois então já que me faz favor de guardar o dinheiro, eu vou buscá-lo.

204E foi encontrar-se com o filho e voltaram para casa com o dinheirinho, ficando o vesgo castigado como merecia.

XIX O estudante sábio

205Era uma vez um lavrador que tinha um filho e desejava que ele fosse um senhor doutor. Lá foi fazendo as suas economias e mandou o rapaz para Coimbra estudar. Mas o rapaz em vez de estudar gastou o tempo e o dinheiro em divertimentos, de modo que quando voltou à casa do pai sabia tanto como quando de lá tinha saído. Mas ainda assim apoquentava-o a ideia de que nem sequer sabia um bocado de latim para dizer ao pai e todo o caminho foi pensando.

206Lá em certo sítio viu um homem a meter nabos num saco e disse cheio de alegria:

– Ed nabi in saqui ed saqui in nabi.

207Mais adiante viu uns homens com uma borracha de vinho e disse:

– Ed borracha borrachória.

208Depois viu uns homens que andavam arredondando um pinheiro e disse:

– Ed primo alto cum seu redondelo.

209Ia já o estudante todo contente por levar aqueles latinórios ao pai, quando ao chegar à porta de casa vieram os cães e como não o conhecessem já por ir de estudante, começaram todos a ladrar; ele então disse:

– Oh cannes de mi patri, non conheceis vossum filhum?

210O pai e a mãe do rapaz, que vinham já correndo para o abraçar, ao ouvirem o que ele disse aos caẽs exclamaram:

– Ai! O nosso filho vem tão sábio que até aos cães fala em latim.

211Levaram o rapaz para casa para jantar e ele, vendo uma panela ao lume, perguntou:

– Minha mãe, que tem a cozer naquela panela?

212E ela respondeu:

– Olha, meu filho, é um chouriço com couves para o nosso jantar.

213O estudante então disse:

– Ed couves covórias cum seu chouriçório in panelório para nossum barrigório.

214O pai e a mãe do rapaz já não sabiam o que haviam de fazer ao filho e não se fartavam de o abraçar e dizer:

– Ai! meu filho, tu sempre és um grande sábio!

215O pai disse então para a mulher:

– Sabes, Maria, o que me está a lembrar? É que o nosso filho é que há-de ir tratar da demanda que trazemos por causa da fazenda.

216Chegou-se o dia em que se havia de tratar da demanda e o estudante entrou na audiência de chapéu na cabeça e pôs-se a passear dum lado para o outro e dizendo:

– Ed nabi in saqui ed saqui in nabi; ed borracha borrachória; ed primo alto cum seu redondelo.

217Os pretendentes à fazenda do pai, que ouviram aqueles latinórios, disseram uns para os outros:

– O que quererá ele dizer?

– Olhem – disse um deles –, ed nabi in saqui ed saqui in nabi quer dizer que nós queremos meter no saco os nabos que não nos pertencem, que nós somos uns grandes ladrões; ed borracha borrachória que somos uns borrachões; ed primo alto cum seu redondelo que volte a fazenda para o dono dela. O rapaz é fino e com o seu latim é capaz de nos embrulhar a todos: perdemos a demanda e temos que pagar as custas.

– Nesse caso – disseram os outros pretendentes –, o melhor é deixarmo-nos da demanda e que vá a fazenda para o dono dela.

218E assim venceu o estudante, e o pai e a mãe julgaram que não havia no mundo outro filho tão sábio como o deles.

XX Os sapatinhos de cetim

219Havia noutros tempos uma mãe que tinha uma filha muito formosa, de que gostavam muito todos os mancebos daquela terra. Isto causava muita inveja à mãe que também era formosa, e que sendo viúva desejava tornar a casar-se. Com a inveja que tinha castigava amiúde a filha e chegou até um dia a cortar-lhe as lindas tranças do seu cabelo.

220Havia naquela terra um fidalgo com quem a mãe desejava casar, mas o fidalgo só gostava da filha e a mãe de raiva resolveu mandar matá-la. Chamou um criado e disse-lhe:

– Leva a minha filha para uma floresta muito longe daqui e mata-a, e para eu ter a certeza de que a mataste, traz-me a língua dela. Em recompensa dar-te-ei grande soma de dinheiro.

221Saiu o criado com a menina e encaminhou-se a uma floresta para cumprir as ordens da ama. Tendo chegado lá disse à menina o motivo que ali o levava, e que se ela quisesse não a mataria; mas que devia fugir para muito longe para que a mãe nunca mais a visse. Então matou uma cadelinha que ali apareceu, cortou-lhe a língua e levou-a à mãe da menina.

222A mãe, cheia de raiva, mordeu muitas vezes a língua e deu ao criado muitas moedas, em recompensa.

223A menina, vendo-se só na floresta, foi caminhando para ver se encontrava alguma casa onde se recolhesse, e alta noite enxergou uma luz e, tendo-se aproximado, viu que estava à porta de uma casa de triste aparência. Entrou e descobriu lá uma velha sentada à lareira e disse-lhe:

– Boa velha, dai-me agasalho por esta noite, pois ando perdida e não tenho família nem parentes neste mundo.

224A velha disse-lhe que lhe dava agasalho com a condição de ela lhe contar a vida toda.

225A menina contou-lhe tudo o que tinha acontecido e a velha foi buscar a um armário muito velho uns sapatinhos de cetim todos bordados a ouro e calçou-os à menina, que sentiu logo um estremecimento por todo o corpo e caiu como morta.

226Então a velha tomou-a nos braços, foi metê-la num caixão de vidro e deitou-a ao mar.

227No dia seguinte de madrugada levantou-se o rei daquela terra para ir pescar e a primeira coisa que se lhe deparou, apenas chegou à borda do mar, foi o caixão de vidro com a menina dos sapatinhos de cetim.

228O rei, todo encantado com a formosura da menina, que julgou morta, ordenou aos criados que lhe levassem o caixão para o palácio e lho pusessem no quarto. As ordens foram logo cumpridas e o rei sentiu tal amor pela menina que nem de noite nem de dia saía do quarto e não queria comer nada. Um dia a mãe do rei foi ter com ele e disse-lhe:

– Meu filho, deixa-te desse amor tão louco e trata de mandar enterrar essa donzela que por certo é uma santa, visto que está morta há tantos dias, e ainda apresenta as cores de quem tem vida.

229Dizendo isto a rainha aproximou-se do caixão e vendo os lindos sapatos que a menina tinha calçados, descalçou-lhe um para melhor o examinar, mas de repente a menina abriu os olhos, e a rainha, toda admirada, descalçou-lhe o outro sapato e a menina sentou-se no caixão e perguntou:

– Onde estou eu? Quem me trouxe aqui?

230Então o rei, aproximando-se dela, disse-lhe cheio de alegria:

– Estais no meu palácio e ides ser minha esposa. Bem me dizia o coração que não estáveis morta.

– Mas – disse a mãe do rei – é preciso primeiro, meu filho, que tu saibas quem é esta menina; não seja ela alguma feiticeira.

231Logo a menina contou toda a vida ao rei até ao momento em que a velha lhe calçara os sapatinhos.

232Fez-se o casamento do rei com a menina e os noivos foram ver se achavam a casa da velha, mas ela tinha desaparecido.

XXI As senhoras do manto negro

233Era uma vez uma mulher que tinha um filho muito pateta. Um dia disse ela ao rapaz:

– Olha, filho, é preciso que tu vás à feira vender alguma coisa, porque precisamos muito de dinheiro.

234Deu ao rapaz uma bilha de azeite e outra de mel e um presunto para ele ir vender.

235O rapaz foi por ali fora e viu uma capelinha de Santo António com uma lâmpada quase apagada e deitou-lhe o azeite que levava, dizendo:

– Olha, santinho, eu cá venho logo pelo dinheiro.

236Foi mais adiante; viu uns cães a ladrar e atirou-lhe o presunto, dizendo:

– Ah! Vocês querem comprar o presunto; pois aí o têm e logo me pagarão.

237Foi andando e viu muitas moscas e disse:

– Ó senhoras do manto negro, aqui têm este mel e logo me darão o dinheiro.

238Na volta da feira viu o rapaz outra ermida de Santo António e julgando ser a primeira virou-se para a imagem e disse:

– Ó santo, dá-me o dinheiro ou o azeite.

239E como o santo não respondesse deu-lhe uma paulada; a imagem era de barro, caiu ao chão e esmigalhou-se.

240Depois viu uns cães e pediu-lhes o seu dinheiro, mas os cães mostraram-lhe os dentes e ele deu-lhes paulada até se ver livre deles.

241Depois disto procurou e tornou a procurar as senhoras de manto negro, mas elas tinham fugido.

242Foi para casa e contou tudo à mãe, que lhe ralhou muito; e ele disse:

– Não se inquiete; o santo pagou-me com a paulada que lhe dei; o mesmo sucedeu aos cães; e as senhoras de manto negro também me hão-de pagar.

243Foi ter com um advogado para lhe dar de conselho o que havia de fazer às senhoras de manto negro, que lhe tinham comido o mel.

244O advogado disse-lhe:

– Todas as vezes que vossemecê veja uma dessas senhoras de manto negro dê-lhe uma paulada.

245Palavras não eram ditas, vêm duas senhoras de manto negro pousar na calva do advogado. O rapaz dá-lhe uma paulada que o fez ver as estrelas ao meio-dia e assim sofreu o advogado as consequências de um conselho mal pensado.

XXII As três cidras do amor

246Era uma vez um príncipe que vivia muito triste e que tinha por única distracção ir caçar a um bosque muito solitário. Um dia em que ele ali foi, encontrou uma velha que lhe perguntou:

– Dizei-me, príncipe, porque é que andais tão triste que parece não haver remédio para a vossa tristeza.

247Ao que o príncipe lhe respondeu:

– Há muito que sonho com as três cidras do amor, e enquanto não as encontrar não terei alegria.

248Disse-lhe então a velha:

– No interior deste bosque há um palácio encantado; a porta é guardada por um leão muito feroz; ide lá; se ele tiver os olhos fechados está acordado, se ele os tiver abertos, está a dormir, e então tirar-lhes-eis da boca a chave do palácio; entrareis, e dentro de um armário verde encontrareis as três cidras do amor: abri-las-ei e fareis delas o que quiserdes.

249Foi o príncipe ao palácio, encontrou o leão com os olhos abertos, tirou-lhe a chave da boca e entrou. Lá estava, como a velha tinha dito, o armário verde, e o príncipe encontrou no primeiro repartimento uma das três cidras do amor. Abriu-a e eis que lhe sai de dentro uma formosa menina que lhe diz:

– Dá-me água senão morro.

250O príncipe não tinha água para lhe dar e a menina morreu.

251No segundo compartimento estava a segunda cidra. O príncipe abriu-a também e saiu de dentro dela outra formosa menina que disse:

– Dá-me água senão morro.

252O príncipe não tinha água e a segunda menina morreu, como a primeira.

253Restava só a terceira cidra, e então o príncipe receoso de que lhe sucedesse o mesmo que tinha sucedido com as outras duas, saiu do palácio sem a abrir e foi abri-la perto de uma fonte de bela água. A terceira menina disse-lhe também:

– Dá-me água senão morro.

254O príncipe deu-lhe a água e a menina não morreu.

255Então o príncipe cheio de alegria disse à menina:

– Como sois formosa e encantadora! Queria levar-vos já para o meu palácio mas é preciso ir buscar-vos vestidos e jóias para vos adornar. Ficai entretanto em cima desta fonte que eu não me demorarei muito.

256Foi a menina para cima da fonte e o príncipe partiu para o palácio a buscar fato e jóias e uma carruagem para a levar.

257Já a menina lhe ia parecendo grande a demora quando viu vir uma preta com um cântaro à cabeça para levar água da fonte. A preta, quando olhou para a água e viu lá a imagem da menina e julgando ser a dela mesmo, disse:

– Preta tão bonita vir à fonte buscar água! Quebrar cantarinho!

258E nisto pôs-se a bater com o cântaro na pedra até que o quebrou.

259A menina ao ver tal coisa deu uma gargalhada; então a preta, reparando no engano, disse:

– Ai! Sois vós, minha menina? Esperai, esperai que eu vos vou fazer companhia.

260A preta então subiu para cima da fonte e começou a afagar a menina e espetou-lhe um grande alfinete na cabeça. Ao mesmo tempo que o alfinete ia entrando na carne da menina, ia-se ela transformando numa pombinha branca. Depois de se ter transformado de todo, fugiu a pombinha e a preta ficou no lugar da menina.

261Quando o príncipe voltou para levar a menina encontrou a preta e perguntou-lhe:

– Como foi isto! Deixei-te tão formosa e branca e agora acho-te assim?

262Respondeu a preta:

– Meu senhor, foi o sol que me crestou.

263Levou o príncipe a preta para o palácio e vivia alegre, julgando ter em seu poder uma das três cidras do amor. Cedo havia de dar no engano, porque a maldade da preta lhe havia de sair cara.

264Um dia andava o hortelão das reais hortas trabalhando, quando viu uma pombinha branca pousar em cima de uma árvore e com uma voz muito terna perguntar-lhe:

– Hortelão da minha horta,
Como passa lá el-rei
Co’a sua pêga negra torta?

265Respondeu-lhe o hortelão:

– Passa bem, leva regalada vida.

266Disse a pombinha:

– Ai de mim, que estou perdida!

267Foi o hortelão contar tudo ao príncipe, que lhe ordenou que armasse um laço de fita à pombinha. O hortelão assim fez, e quando a pombinha veio, depois de ter repetido as palavras da véspera, viu o laço e disse:

– Laço de fita não é
Para o meu pé.

268O hortelão foi contar isto ao príncipe, que lhe ordenou que armasse um laço de prata.

269Quando a pombinha veio, depois de ter dito as palavras do costume, viu o laço de prata e disse:

– Laço de prata não é
Para o meu pé.

270O hortelão foi contar isto ao príncipe que lhe ordenou que armasse um laço de oiro. Quando a pombinha veio, depois de ter dito as palavras do costume, viu o laço de oiro e disse:

– Laço de oiro é
Para o meu pé.

271E meteu o pé no laço.

272Levou o hortelão a pombinha ao príncipe, que começou a afagá-la, e, encontrando-lhe um alto na cabeça, quis ver do que procedia e viu que a pombinha tinha lá um alfinete. Então o príncipe começou a tirar-lho com muito jeitinho e ao mesmo tempo ia a pombinha transformando-se outra vez na menina que o príncipe tinha tirado da cidra do amor.

273O príncipe ao reconhecê-la não cabia em si de contente. Tendo ouvido contar à menina a maldade da preta, perguntou-lhe:

– Então que queres tu, querida menina, que se faça à preta?

274Respondeu ela:

– Quero que se vá embora com a sua maldade e impostorice.

275Mandou logo o príncipe que se cumprissem as ordens da menina, com quem casou. Ele chamou-a sempre a Cidra do amor e foram ambos muito felizes.

XXIII A machadinha

276Era uma vez uma mulher que tinha uma filha. A filha estava para casar e na véspera do casamento os pais deram um jantar ao noivo. Quando estavam já sentados à mesa lembraram-se que não tinham vinho. A mãe mandou a filha buscá-lo a uma adega, que eles tinham dado à filha e que também tinha casa para habitação. A rapariga foi buscar o vinho.

277Entrou na adega, abriu a pipa e pôs-lhe o cântaro por debaixo. Depois foi ver as casas para onde havia de ir morar no outro dia. Começou a escolher os quartos e no que ela queria para si, viu pendurada no teto uma machadinha.

278A rapariga começou a pensar:

– Eu caso e depois hei-de ter um menino; mas está ali aquela machadinha, que cai na cabeça do menino e quebra-lha.

279E a pensar nisto demorou-se muito tempo. Os pais e o noivo que já estavam fartos de esperar, disseram:

– A nossa filha está a demorar-se muito. É preciso ver o que ela tem.

280A mãe foi direita à adega e viu o cântaro cheio e o vinho a correr para fora. Mas em lugar de tapar a pipa deixou-a ficar aberta e foi procurar a filha. Correu as casas todas e foi dar com ela no quarto a olhar para a machadinha.

– Que fazes aí, filha? Estão todos à mesa aborrecidos de esperar e tu sem apareceres!

– Olhe, minha mãe, eu caso amanhã; depois hei-de ter um menino; faço aqui o meu quarto de cama; mas como está ali aquela machadinha, cai e quebra a cabeça ao menino.

– É verdade filha, tu tens razão!

281E assim estiveram muito tempo, até que o pai farto de esperar disse para o noivo:

– Eu agora é que lá vou.

282Foi direito à adega e viu o vinho a correr por fora e a pipa aberta. Mas também em vez de tapar a pipa foi procurar a mulher e a filha. Depois de correr as casas todas foi dar com elas no quarto a olharem para a machadinha.

– Então que é isto, mulher? Todos à espera, e o vinho a correr no chão?

– Olha, homem, a nossa filha casa amanhã; depois há-de ter um menino; mas como está aqui esta machadinha, cai e quebra a cabeça ao menino.

283O marido ficou a olhar também para o teto e assim estiveram muito tempo até que o noivo farto de esperar foi também à adega. Chegado ali viu o vinho a correr, que já tinha alagado tudo. Foi à pipa, fechou-a e foi procurar onde os mais estavam. Encontrou-os no quarto e apenas entrou disse-lhe o pai da noiva:

– Olhe, meu genro, estamos aqui pensando, que amanhã casa nossa filha; depois há-de ter um menino; depois aquela machadinha que ali está cai e quebra a cabeça ao menino; foi minha filha quem deu por isso. Sempre tem tanto juízo!

– Tem, tem – respondeu o noivo –, mas fique-se com ela, que eu vou procurar outra, e se não a achar com mais juízo, então venho casar com esta.

284Os pais e a noiva ficaram muito tristes e o noivo foi viajar. Lá numa estrada viu uma velha com uma candeia no nariz.

– Ó velha – disse ele –, para que anda com essa candeia no nariz?

– É porque eu ando todo o dia por fora, e quando vou à noite para casa farto-me de procurar a candeia e não a acho. Por isso a trago no nariz para a ter pronta à noite quando vou para casa.

– Deixe estar, mulher, que eu lhe arranjo isso. Quando for para casa pendure a candeia num prego atrás da porta, que já a encontra.

285A velha ficou muito contente, porque não lhe tinha ocorrido semelhante ideia.

286O rapaz seguiu mais adiante e viu uns homens a atirarem muitos ovos a um muro. Ficou muito admirado e perguntando-lhes o motivo disseram-lhe que queriam deitar o muro abaixo e que havia oito dias que lhe estavam a atirar ovos, sem ele cair.

– Não sejam doidos; vão buscar uma picareta que já o muro cai num instante.

287Eles assim fizeram; foram buscar a picareta e num instante estava o muro no chão.

288Os homens ficaram muito contentes, e o rapaz seguiu para diante. Quando chegou a um certo sítio viu andar uma velha com uma alcofa; chegava ao sol, abria a alcofa e depois ia deitar numa arca. Não sabendo o que a velha fazia, perguntou-lho. A velha respondeu que andava a apanhar sol para o Inverno, porque as suas casas eram muito frias de Inverno.

– Venha cá, mulher, que eu lhe arranjo isso, porque assim não faz nada; e eu faço com que tenha sol todo ano.

289Foi-se ao telhado e destelhou-o, e a velha ficou muito contente por ter a casa cheia de sol.

290O rapaz foi-se embora. Mais adiante viu estar um homem e umas mulheres a enterrarem muita sardinha. Chegou-se ao pé deles e perguntou-lhes para que era aquilo.

– É porque aqui de Inverno não há peixe – disseram eles –, e nós fazemos isto, para o termos nesse tempo.

291Disse-lhes o rapaz que era melhor irem buscar um cesto de sal, para que o peixe lhes durasse e não apodrecesse. Eles assim fizeram, muito agradecidos pela lembrança.

292O rapaz foi-se embora. Logo adiante viu muita gente de roda de uma igreja. Perguntou o que era aquele ajuntamento e disseram-lhe que era uma menina que ia para se casar, mas que como era mais alta que a porta, ou tinham que cortar a cabeça à noiva ou os pés à égua.

– Isso não é preciso – disse ele –, basta que a noiva se baixe bem, para que possa passar.

293A menina assim fez, e dando ele uma palmada na anca da égua, a noiva entrou sem dificuldade. Ficaram todos muito contentes, agradeceram-lhe muito a ideia que tinha tido, e ele viu casar a noiva.

294Depois disto foi para casa, e considerando que a noiva que ele deixara não era tão doida como a gente que ele tinha visto, foi ter com o pai dela, pediu-lhe desculpa, e casou com ela. A respeito da machadinha disse que não tivessem cuidado, porque ele a tirava do tecto, para não partir a cabeça ao menino.

XXIV A vaquinha

295Era uma vez uma mulher que dizia a uma das suas vizinhas:

– Diz a teu pai que case comigo que eu te darei sopinhas de mel.

296A menina ia contar ao pai e ele respondia:

– Ela diz que te dará sopinhas de mel; há-de dar-tas, mas é de fel.

297Tantas vezes a menina foi dizer o recado ao pai que ele resolveu-se a casar com a mulher.

298Passado tempo nasceu uma menina e desde então começou ela a dar sopas de fel à enteada.

299Correram os anos e as duas meninas foram crescendo. A filha da tal mulher não trabalhava nem aprendia e a mãe só cuidava de a enfeitar para que ela parecesse mais bonita do que a enteada, que fazia trabalhar muito em toda a qualidade de serviços. Logo pela madrugada a mandava levantar e lhe dizia:

– Vai com a nossa vaquinha para o mato; enquanto ela pasta hás-de fiar uma meada, e ensarilhá-la, e à noite hás-de trazê-la pronta e juntamente com ela um feixe de lenha.

300Ia a menina muito triste com receio de não fazer a tarefa; mas logo que chegavam ao mato a vaquinha começava a juntar a lenha com as patas e entretanto a menina fiava a meada e ensarilhava-a nas pontas da vaquinha. À noite voltava muito contente para casa. A madrasta ao outro dia dava-lhe maior tarefa e ela sempre com a ajuda da vaquinha a trazia pronta para casa.

301Foi um dia a madrasta espreitar para ver se havia alguém que fosse ajudar a enteada a fazer a tarefa; mas qual não foi o seu espanto ao ver que era a vaquinha que a ajudava!

302À noite, quando a menina foi para casa, a madrasta disse-lhe que tinha resolvido que se matasse a vaquinha e que a menina devia ir lavar as tripas dela.

303A menina pediu de joelhos e a chorar que não matassem a vaquinha, mas nada moveu a madrasta.

304Então a menina foi ter com a vaquinha e contou-lhe o que estava para acontecer e ela respondeu:

– Não te aflijas que nunca te há-de faltar quem te proteja.

305Mataram a vaquinha e a menina foi a um ribeiro lavar as tripas, mas a celha em que ela as tinha foi pela água abaixo e a menina, toda aflita, foi pela borda do ribeiro para ver se a apanhava; mas a celha ia sempre pela água abaixo e a menina tanto caminhou que já estava muito cansada. Então olhou e viu que o ribeiro terminava à porta de uma casa pequena, mas muito bonita. A menina entrou lá para descansar; mas vendo que não estava ninguém na casa e que ela estava por varrer, o lume apagado e o almoço por fazer, varreu a casa, acendeu o lume, fez o almoço, pôs tudo em ordem e escondeu-se atrás da porta.

306Ora a casa era habitada por três fadas, que tinham ido passear quando a menina lá entrou. Voltaram as fadas e ficaram maravilhadas de ver todo o serviço da casa feito, e chamaram uma cadelinha que tinham e perguntaram-lhe:

– Diz lá, quem é que fez tanto bem?

– Bau, bau; atrás da porta está quem bem fez e bem fará.

307Encontraram as fadas a menina, que lhes contou toda a sua vida e o motivo por que ali estava.

308Então as fadas disseram à menina:

– Já que tão bem fizeste, vais ter a recompensa.

309A primeira fada disse:

– Eu te fado para que sejas a menina mais linda do mundo.

310A segunda fada disse:

– Eu te fado para que te nasça uma estrela d’oiro na testa.

311A terceira fada disse:

– Eu te fado para que sempre que fales deites pérolas pela boca fora. Agora volta para a tua casa, que ainda hás-de ser muito feliz.

312Voltou a menina para casa e a madrasta não queria crer no que via e perguntou-lhe o que tinha feito para ficar tão bela. A menina contou-lhe o que sucedera com as tripas da vaquinha e que, tendo ido dar a casa das fadas, lhes arrumara a casa, lhes acendera o lume e lhes fizera o almoço. Então a madrasta mandou a filha a casa das fadas para elas a fadarem; mas como a filha fizesse tudo mal, por não estar habituada, as fadas quando voltaram para casa perguntaram à cadelinha:

– Diz lá, quem é que fez tudo tão mal?

– Bau, bau; atrás da porta está quem mal fez e mal fará.

313As fadas disseram à filha da mulher:

– Eu te fado para que sejas a rapariga mais feia do mundo.

– Eu te fado para que te nasça um monco de peru na testa.

– Eu te fado para que, quando falares, deites carvões pela boca fora.

314Voltou a menina muito triste para casa e a mãe ao vê-la chorava muito e mandou fazer um grande véu para ela cobrir a cara e mandou também fazer outro véu para a enteada, para que ninguém visse a sua formosura.

315No entanto as fadas iam espalhando por toda a parte que em tal sítio havia uma menina de rara formosura e virtudes, até que um príncipe se resolveu a ir pedi-la em casamento.

316A madrasta, quando o príncipe veio buscar a enteada, em vez de a meter na carruagem meteu lá a própria filha, recomendando-lhe que não descobrisse a cara nem falasse enquanto não estivesse casada.

317O príncipe fez-lhe várias perguntas e ela a nada respondeu. Mas quando se estavam a casar e que ela tinha que responder – sim – começou a deitar carvões pela boca e logo o príncipe viu que o tinham enganado, pois quando falara à outra menina, tinha ela, ao responder-lhe, deitado muitas pérolas pela boca.

318Mandou o príncipe levar a filha da mulher para casa da mãe e trazer para o palácio a enteada, não sem grande inveja da mulher que só queria a felicidade para a filha.

319O príncipe casou com a linda menina e as fadas foram assistir ao casamento e protegeram sempre os noivos.

XXV O velho, o rapaz e o burro

320Era uma vez um lavrador já velhote, que tinha um filho de dez anos; e por única cavalgadura para os dois, um burro. Lá numa certa ocasião, em que o lavrador precisava de dinheiro, não teve remédio senão ir vender o burro a uma feira. Para o animal não chegar cansado e não desagradar por isso aos compradores, o pai e o filho foram um atrás dele, outro adiante, a pé. Passaram por um sítio onde estava um magote de gente e ouviram dizer:

– Olha os tolos! Com um burro daquele feitio e vão a pé!

321O velho disse ao rapaz que montasse no burro para não serem reparo ao povo.

322Mais adiante estava outro ajuntamento e um homem disse:

  • 9 Sapatos do senado, a sola dos pés, os pés nus. O senado é a câmara municipal, que manda calçar as r (...)

– O patife do rapaz, que podia muito bem ir rompendo os sapatos do senado9 vai acaburro e o pobre do velho, todo esbaforido, a pé!

323O velho fez logo apear o rapaz e montou ele o burro.

324Mais adiante começou a gente que estava pela estrada a murmurar:

– Então não lhes parece! Coitadinho do rapaz! Mal pode andar e o maroto do velho, escarranchado em cima do burro!

325O velho fez montar o rapaz na guarupa; mas mais adiante uma pouca de gente não os deixaram ir adiante, acusando-os de quererem matar com o peso o pobre burro. O velho e o filho apearam-se logo e o pai disse:

– Filho, vês que é impossível tapar a boca ao mundo. Cada cabeça, cada sentença.

326E lá foram o resto do caminho a pé adiante e atrás do animal, como tinham resolvido a ir quando saíram de casa.

XXVI A mão do almofariz

327Era uma vez um pobre trabalhador que vivia com a sua filha única e que foi cavar num campo do rei daquela terra. Andando no seu trabalho, a enxada bateu em quer que fosse que tilintou; o homem abaixou-se e viu brilhar como oiro; era uma mão de almofariz daquele metal. O trabalhador foi logo mostrá-la à filha e disse-lhe que sendo a terra do rei, do rei era o que lá tinha achado:

– Vou levar ao rei a mão do almofariz.

– Tem razão, meu pai; o achado pertence ao rei; mas onde se achou a mão há-de achar-se o almofariz; cave mais e não vá ao rei enquanto não lhe puder levar as duas coisas.

328O homem cavou, recavou, mas não tendo achado o almofariz e não podendo mais conter a sua impaciência, apesar do conselho da filha, largou um dia e lá foi caminho da corte. Os criados do paço não queriam deixá-lo ir até à sala onde estava o rei; mas ele tanto teimou e tanta vez lhes disse que levava um presente de valor para o rei que por fim deixaram-no entrar.

– Real senhor, achei, quando andava cavando na sua propriedade de tal, esta mão de almofariz de oiro...

– Pois – disse o rei – onde estava a mão devia estar o almofariz. Não o achaste?

– Não o achei, real senhor.

– Ou não o procuraste como devias ou ficaste com ele; por isso vais ser castigado.

– Ah! real senhor! Bem me dizia a minha filha...

– Então que te dizia a tua filha?

– Dizia-me que onde se achara a mão se havia de achar o almofariz e que não viesse eu cá só com a mão do almofariz.

– Tens uma filha muito esperta. Pois bem; tens um meio de escapar ao castigo: diz à tua filha que venha cá, mas que não venha nem a pé nem nem a cavalo, nem nua nem vestida, nem de noite, nem de dia. Se ela for tão esperta que resolva essas dificuldades, caso com ela; doutro modo, mando-te matar.

329Voltou à sua choupana o pobre trabalhador, todo aflito, por lhe parecer impossível que a filha fizesse o que queria o rei; mas a rapariga quando o pai lhe contou o caso pôs-se a saltar de contente e a dizer ao pai:

330– Não se aflija, meu pai; não há nada mais fácil de fazer do que isso.

A rapariga arranjou uma rede de pescar e depois de se ter despido, embrulhou-se nela, com um pé calçado outro descalço; alugou um burro com estribos e pôs um pé num estribo, indo com o outro pelo chão e desse modo foi até ao paço, chegando lá quando já se tinha posto o sol, mas ainda não era noite escura: assim não ia nem nua nem vestida, nem a pé, nem a cavalo, nem de noite nem de dia.

331O rei quando lá a viu ficou encantado com a esperteza da rapariga e casou com ela e tirou-lhe o pai da miséria.

332Os dois esposos viveram muito tempo felizes, até que numa certa ocasião sucedeu estarem na praça onde havia o palácio uns carreiros e uns carroceiros com os seus carros puxados a bois e as carroças puxadas a cavalos e éguas. Nisto nasce de uma égua um poldro que deita a correr e se vai meter entre os bois de um dos carreiros. O dono da égua quer o poldro; o dono dos bois diz que o poldro lhe pertence, que nasceu ali entre os bois e lá vão os dois ter com o rei que ia passando e pedem-lhe que resolva a contenda. Que havia de fazer o rei? Deu razão ao dos bois:

– Onde está o poldro está o dono.

333O pobre carroceiro foi ter com a rainha para ela pedir ao rei que voltasse atrás daquela resolução. A rainha disse-lhe:

– Toma uma rede e vai para a praça fazer menção de quem está a pescar e se o rei passar e te perguntar o que estás a fazer responde-lhe tal e tal.

334O carroceiro assim fez. Passou o rei e disse:

– Ó homem! Estás doido! Pois pesca-se lá onde não há água?

– Real senhor, tanto se pode pescar onde não há água, como pode nascer um poldro onde não há égua.

335O rei entendeu; mas desconfiou logo que andava por ali conselho da rainha. Mandou prender o carroceiro e ameaçou-o de morte se ele não dissesse quem lhe tinha dado o conselho. O homem não queria confessar, mas quando se viu já com a corda no pescoço e se lembrou da mulher e dos filhos não teve outro remédio senão dizer a verdade.

336Ficou o rei todo zangado por a mulher lhe ter dado aquela lição; volta ao palácio e diz para ela:

– Visto que quiseste ser mais entendida que eu e me fizeste passar por aquela vergonha, não serás mais minha mulher. Volta para a tua choupana com teu pai, comer o pão negro. Mas como tantos anos viveste comigo em boa paz e harmonia, consinto que leves do palácio a jóia que mais estimas.

– Real senhor, farei tudo quanto me ordenais, mas é noite, permiti-me que parta amanhã de madrugada e que ceie ainda esta noite com sua real majestade.

– Consinto, mas olha que é só esta noite.

337A rainha arranjou um chá de papoilas e deitou uma porção no vinho que o rei havia de beber à ceia de modo que o rei, depois de se deitar, caiu em sono pegado. Então a rainha chamou dois criados fiéis e mandou-os levar o rei para uma sege e partiu com ele para a sua choupana.

338Pela manhã acordou o rei, abriu os olhos e ficou pasmado de se ver numa choupana miserável e disse:

– Que é isto? Onde estou eu?

339A rainha respondeu:

– Vossa real majestade está na minha pobre choupana. Disse-me que trouxesse eu a jóia que mais estimava, e que jóia podia eu trazer que não fosse o meu marido e meu rei?

340Então o rei disse:

– Voltemos para o palácio e de hoje em diante eu não resolverei nenhum negócio sem te ouvir primeiro.

Notes

1 Originalmente publicado em 1882, no Porto, pela Livraria Universal Magalhães & Moniz, como primeiro volume da «Biblioteca de Educação Nacional». Posteriormente reeditado em 1924 e 1936 pela Livraria Educação Nacional Editora, do Porto. Na presente reedição foi utilizada a edição de 1936 como edição de referência.

2 Trancoso: vila da Beira.

3 Ataviado, enfeitado, adornado.

4 Brial, antigo vestido de luxo.

5 Desposado, noivo.

6 D’est’arte bailado, um bailado deste género, deste modo.

7 Dar guerra, perseguir; aqui, perseguir com zombaria.

8 O sentido das palavras de Mofina é que a felicidade, o contentamento e a alegria pouco duram.

9 Sapatos do senado, a sola dos pés, os pés nus. O senado é a câmara municipal, que manda calçar as ruas.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search