Version classiqueVersion mobile

Mulheres da praia

 | 
Sally Cole

VII Pescadeiras e operárias: novos trabalhos para as mulheres

Texte intégral

1A política económica de capitalismo contido e de industrialização controlada do Estado Novo atrasou o desenvolvimento de alternativas à agricultura e à pesca familiares no norte rural português e, até às décadas de 60 e 70, a única fuga à pobreza rural era a emigração, legal ou ilegal. Com início nos anos 60, ocorreu uma proliferação quase incontrolada de fábricas nas zonas rurais, devido a uma combinação de factores que incluíam os recursos económicos e humanos ligados à Guerra Colonial em África, o influxo de retornados de Moçambique e Angola, as remessas dos emigrantes, a pobreza absoluta da população rural e a necessidade clara de novas fontes locais de rendimento familiar, bem como o estado de saúde e morte do Primeiro-Ministro, Salazar. A rápida industrialização do noroeste de Portugal depois de 1960 significou uma imersão recente e radical das famílias rurais numa economia de assalariados. Embora através da emigração estas famílias estivessem já há muito envolvidas na economia internacional, o advento das fábricas no noroeste rural de Portugal exigiu novas mudanças estruturais na família e nas relações entre os sexos. As fábricas estabelecidas na zona costeira a norte da cidade do Porto onde se situa Vila Chã são fábricas de confecções, transformação e conserva de alimentos e componentes electrónicos – indústrias transnacionais que, com base na sua experiência internacional, empregam principalmente mão-de-obra feminina, e procuram activamente as populações rurais que lhes permitem conseguir, em todo o mundo, esta força de trabalho mal remunerada. Assim, não foi apenas a recente industrialização das áreas rurais, mas também a natureza das indústrias, a gerar o impacto sobre a vida das mulheres e das famílias no noroeste rural de Portugal.

2O aparecimento de uma literatura antropológica e feminista sobre a vivência das mulheres e o desenvolvimento económico nos anos 70 oferece-os uma via para a interpretação da experiência das mulheres de Vila Chã depois de 1960, mas é apenas uma interpretação parcial. Esta literatura teve início com a argumentação liberal de Boserup (1970), que afirmava que as mulheres necessitavam de ser «integradas» no desenvolvimento económico, e desenvolveu-se ao longo da década, prepassada por uma crítica socialista feminista do próprio desenvolvimento. A crítica feminista colhe os seus ímpetos no debate marxista sobre a economia internacional e o «subdesenvolvimento» do chamado Terceiro Mundo, mas introduz no debate uma consciência do masculino/feminino. A essência da crítica é a seguinte: à medida que as sociedades de pequena escala se vão envolvendo na economia internacional, e à medida que a produção económica se afasta do núcleo familiar, as mulheres perdem a sua autonomia económica e o seu poder de decisão, por via do tempo e das tarefas que lhes são atribuídas (Beneria, 1982; BeneriaeSen, 1981; Etienne e Leacock, 1980; Fernández-Kelly, 1983; Leacock e Safa, 1986; Mies, 1986; Nash, 1979; Young, Wolkowitz e McCullagh, 1981). Harris (1981:57) faz a súmula da argumentação e do consenso destes antropólogos. O modelo elege a natureza e o papel da casa como mediadores do poder económico e social das mulheres: «Como muitos estudos vieram mostrar, a passagem de uma produção familiar de subsistência para uma produção de pequenas comodidades, para uma economia baseada na venda da força de trabalho, afecta radicalmente a estrutura das casas, as relações de poder dentro delas e o controlo de cada um sobre os frutos do seu próprio trabalho.»

  • 1 A minha análise das mudanças no noroeste de Portugal segundo a perspectiva da literatura sobre «mul (...)

3De resto, dependendo do tipo de desenvolvimento que tem lugar, a introdução das relações capitalistas de produção afasta gradualmente as mulheres da produção económica e proporciona aos homens novas fontes de rendimento, ou utiliza as mulheres como mão-de-obra barata, como acontece, por exemplo, nas «Zonas de Comércio Livre» do sudoeste asiático (Ong, 1987), no México – fronteira com os Estados Unidos (Fernández-Kelly, 1983) e, como veremos, na costa norte de Portugal.1

4No final da década de 80, contudo, esta agora abundante literatura sobre as mulheres e o desenvolvimento tinha-se tornado objecto de críticas. A nova crítica afirma que este quadro de análise apresenta as mulheres rurais como «vítimas do desenvolvimento». Defende que este quadro não dá às mulheres qualquer voz na interpretação do processo de desenvolvimento, nem a possibilidade de construir a sua própria identidade fora do quadro de referência das teorias feministas das sociedades fortemente industrializadas (e, com frequência, em termos que podem contradizer as construções analíticas desses teóricos; ver Behar, 1990b; Phillips, 1990; Mohanty, 1984; Sen e Grown, 1987).

5Neste capítulo, farei a ligação entre uma análise das mulheres e do desenvolvimento económico em Vila Chã e uma análise que vê as mudanças económicas actuais da perspectiva das mulheres de Vila Chã, enraizadas nas suas experiências subjectivas da história, da sociedade e da cultura locais.

Vila Chã

6Em 1966, 55,8% das casas de Vila Chã possuíam economias baseadas na agricultura e na pesca. Em 1973, esta proporção havia decrescido para 38,1%, e em 1985 apenas 15,9% das casas se dedicavam à agricultura e à pesca. Durante este mesmo período, a percentagem de residentes da freguesia que exerciam actividades qualificadas e não qualificadas aumentou de 15,2 para 62,6%. As casas com uma economia baseada no trabalho assalariado passaram a dominar na freguesia. A dependência relativamente recente das casas de Vila Chã em relação ao trabalho assalariado permanente (por oposição ao trabalho sazonal, periódico, ou às remessas esporádicas dos emigrantes), o emprego das mulheres no trabalho fabril e as mudanças daí decorrentes, ao nível da casa e das relações entre os sexos, são típicos do impacto do desenvolvimento económico sobre as mulheres e as comunidades rurais espalhadas pelo noroeste português. Em 1985, as mulheres das casas marítimas de Lugar da Praia e de Lugar do Facho estavam empregadas em diversos tipos de trabalho. Algumas ajudavam os maridos na pesca, outras eram trabalhadoras assalariadas nas fábricas, e outras ainda trabalhavam em casa como donas de casa a tempo inteiro.

As mulheres e a pesca

7No período que se seguiu a 1960, as casas marítimas de Vila Chã começaram a ter diversas fontes de rendimento e, presentemente, o trabalho das mulheres desenvolve-se em torno destas fontes de rendimento. Em 1985, o termo «casa marítima» referia-se a casas que possuíam barcos de pesca e nas quais pelo menos um dos seus membros trabalhava na pesca, ainda que não a tempo inteiro. No entanto, todas estas casas tinham outras fontes de rendimento ajuntar ao rendimento proveniente da pesca. Essas fontes incluíam a venda de algas, feita pelas mulheres, o aluguer de casas a veraneantes e os salários ganhos pelos filhos e filhas adolescentes.

8As alterações ao trabalho das mulheres pertencentes às casas marítimas acompanharam as alterações tecnológicas e organizativas sofridas pela actividade piscatória em Vila Chã durante os anos 60. Estas alterações incluíram a introdução de motores fora de borda, novos tipos de redes e armadilhas e o sistema de colaboração descrito no capítulo 1. As mulheres passaram a trabalhar menos nos barcos, e tornou-se raro uma mulher ir ao mar. Em 1985, a divisão de trabalho entre os sexos na casa marítima assemelhava-se ainda mais à dicotomização que Andersen e Wadel (1972) haviam feito em relação às sociedades marítimas em geral: o trabalho dos homens era no mar; o trabalho das mulheres era em terra. Agora, quando as mulheres falam do seu trabalho, dizem: «Ajudamos na praia» – o que significa que ajudam os maridos no trabalho da pesca. Maria, arrais reformada, lamenta o facto de as mulheres já não saberem o que é ser pescadeira. Diz ela: «Ser pescadeira é tomar decisões; saber onde estão os peixes e como se pode apanhá-los. As mulheres de hoje não sabem como hão-de trazer para casa um barco carregado de peixe.»

9Em 1985, as tarefas mais importantes desempenhadas pelas mulheres na faina da pesca eram descarregar o barco, vender o peixe e fazer as contas. Como já acontecera no passado, as mulheres fazem as contas ao peixe apanhado e vendido diariamente, pagam o combustível e as despesas de manutenção do barco da família, dão aos maridos dinheiro para cerveja e cigarros e controlam todos os outros gastos familiares.

10Embora as mulheres continuem a ter responsabilidade na venda do pescado, foram introduzidas alterações importantes na forma como as mulheres vendem o peixe, especialmente devidas ao controlo estatal da venda do pescado. Enquanto antigamente as mulheres leiloavam o peixe na praia ou transportavam o pescado até ao interior para vender aos lavradores, agora vendem-no na lota oficial, controlada pelo Estado. Construída em 1970, a lota é um mecanismo estatal que permite um maior controlo sobre as vendas e sobre os impostos pagos pelas casas marítimas. Segundo o plano original, os pescadores deviam trazer o peixe até à lota, onde um funcionário do governo faria venda, deduzindo 18% de impostos, pagando ao pescador no final da semana ou do mês. É este o sistema presentemente (em 1985) em vigor na vizinha Póvoa de Varzim. Mas as mulheres de Vila Chã opuseram-se a este sistema, afirmando que ele ignora o facto de a venda do peixe ser tarefa das mulheres, e alteraram o sistema de venda na lota de acordo com os seus próprios objectivos. Insistem em vender o peixe e em receber o dinheiro dos seus compradores. As mulheres dizem que não confiam na lota e que se forem elas a vender o peixe sabem exactamente o valor do pescado e o valor da parte que cabe à sua família. O funcionário da lota é forçado a seguir as mulheres enquanto elas vendem e pesam o peixe, e apenas pode estimar o valor total das suas vendas. Mais, para evitar pagar impostos sobre todo o pescado, as mulheres vendem sempre uma parte fora da lota, e é impossível ao funcionário estatal saber a quantidade de peixe que é vendida desta forma. A isto chama-se «fuga da lota», e as autoridades pesqueiras regionais calculam que cerca de 50% do peixe vendido em Vila Chã seja vendido assim. Embora o Estado tenha procurado escolher um funcionário da sua confiança para trabalhar na lota, os pescadores de Vila Chã exigiram escolher esse funcionário. Desde que a lota abriu, há quinze anos, houve já três funcionários, e todos filhos de pescadores. Como um dos moradores de Vila Chã explica, os pescadores escolhem os funcionários da lota que estejam dispostos a «fechar os olhos», ou seja, a colaborar com eles, não dando conta do peixe vendido ilegalmente fora da lota. Deste modo, as mulheres têm conseguido manter um certo controlo sobre o mercado do peixe.

11As mulheres continuam também a ganhar dinheiro com a apanha e venda de algas. Como faziam as mulheres de gerações anteriores, as mulheres das casas marítimas contemporâneas trabalham durante muitas horas na apanha de algas, de Junho a Setembro. As mulheres que apanham algas observam todas as marés altas para verem se haverá algas para apanhar. Trabalham na praia de manhã e ao fim da tarde e sempre que podem, para apanharem algas, transportarem-nas para a praia, espalharem-nas para secar e armazenarem-nas em enormes pilhas, prontas a ser vendidas aos lavradores, que vêem do norte da Póvoa de Varzim até Vila Chã para as comprar e usar como fertilizante nas suas terras. Desenvolveu-se um mercado para diferentes tipos de algas, como a francelha (Gelidium sesquipedale) e o botelho (Chondrus crispus), usadas nas indústrias cosmética e farmacêutica; assim, as mulheres apanham diversas novas variedades de algas, que escolhem e vendem a preços mais elevados do que os das algas destinadas a servir de fertilizante. As mulheres que se dedicaram à apanha de algas no Verão de 1984 ganharam, em média, 50.000$00.

12As mulheres de Lugar da Praia e de Lugar do Facho arrendam também as suas casas durante os meses de Verão. Desde os anos 60 que tem vindo a aumentar o número de veraneantes em Vila Chã (e outras comunidades costeiras), vindos de cidades do interior, como Braga, Guimarães e Amarante, e da cidade do Porto. Vêem desfrutar o ar saudável do mar durante os meses de Junho até Setembro, e as mulheres de Vila Chã gostam de alugar as suas casas. Mudam-se com as famílias para um pequeno anexo situado nas traseiras da casa, ou vão viver temporariamente com a mãe, uma filha casada ou uma irmã. Durante o mês de Agosto, algumas mulheres pedem 50.000$00 de renda; nos outros meses, as rendas são um pouco mais baixas. O rendimento médio ganho por uma mulher num só Verão varia entre os 100.000$00 e os 125.000$00. Trata-se de um importante contributo para a economia doméstica, se tivermos em conta que o valor do ordenado mínimo nacional em Portugal (e o salário médio de uma operária) é de 15.000$00 mensais. Para poderem ganhar algum dinheiro extra, as mulheres vendem também peixe e vegetais das suas hortas aos seus locatários. A maioria das mulheres reinveste o dinheiro das rendas nas suas casas. Os lucros dos arrendamentos de Verão deram a muitas casas marítimas o dinheiro extra necessário para mobilar as suas casas, construir casas-de-banho ou comprar novos electrodomésticos.

13Há competição entre as mulheres que alugam as suas casas no princípio da estação alta por um bom preço, e o acesso a lucros provenientes das rendas é objecto de inveja. As famílias das cidades começam a chegar a Vila Chã todos os anos pelo fim-de-semana da Páscoa, para conseguirem alugar uma casa para aqui passarem algumas semanas ou um mês no Verão. A chegada de potenciais locatários para o Verão veio alterar e intensificar os preparativos das mulheres para a Páscoa. Ao longo de quase três gerações, os preparativos para a Páscoa implicavam uma grande limpeza à casa – a maior limpeza do ano, que se prolongava por mais de uma semana –, antecipando a visita anual do «compasso», quando o padre traz a Cruz de Cristo a todas as casas no Domingo de Páscoa. Agora, desde que a Páscoa é também associada à chegada dos potenciais locatários de Verão, a casa deve ter a melhor aparência possível. No Domingo de Páscoa as casas estão imaculadas e especialmente decoradas. É nesse dia que as mulheres mostram os seus lavores: as camas estão cobertas com colchas de crochet, todas as mesas e outras superfícies estão decoradas com toalhas e naperons feitos pelas mulheres da família. Depois do Domingo de Páscoa, estas peças são guardadas até uma outra ocasião especial, que pode ser a Páscoa seguinte ou talvez o casamento de uma filha, a Primeira Comunhão ou a festa de Nossa Senhora de Fátima.

  • 2 A partir de 1960 verificou-se um decréscimo no número absoluto de homens que se dedicam à pesca em (...)

14Em 1985, a gestão da casa levada a cabo pelas mulheres incluía também a gestão dos salários dos filhos adolescentes que trabalhavam na construção e das filhas que trabalhavam nas fábricas. Nas casas marítimas tornou-se comum os filhos e as filhas irem trabalhar assim que atingem a idade legal de catorze anos e logo que completam os seis anos de escolaridade obrigatória. Quando as filhas se aproximam dos catorze anos de idade, as mães vão a todas as fábricas de confecções vizinhas, falar com os donos e arranjar emprego para as filhas. Quando atingem mais ou menos a mesma idade, os rapazes escolhem entre pescar ou aprender um ofício; a maioria prefere um trabalho assalariado à pesca.2 Os filhos e as filhas solteiros entregam os seus salários às mães, que os juntam aos outros recursos económicos da casa e os usam para fazer face às necessidades. Os filhos ficam com uma pequena quantia para cigarros e para gastarem no café e, fazendo algumas horas extraordinárias aos sábados, conseguem algum dinheiro extra, que lhes permite comprar e manter uma pequena motorizada. As filhas solteiras, no entanto, dão às mães a totalidade do dinheiro que ganham, para que elas poupem dinheiro para o vestido de noiva e para os electrodomésticos de que necessitarão quando casarem.

15O trabalho realizado pelas mulheres das casas marítimas sofreu, portanto, alterações significativas desde o tempo em que as mulheres iam ao mar com os homens, desde o tempo em que as mulheres equilibravam as receitas e as despesas, intensificando a produção de artigos de subsistência e de mercadorias. Em 1985, o trabalho das mulheres das casas marítimas consistia principalmente na gestão da diversidade de recursos económicos, que chegaram a ser mais importantes para a casa do que a própria economia marítima. Novas fontes de rendimento vieram também modificar o trabalho das mulheres, levando-as a gastar cada vez mais tempo na procura de fontes adicionais de rendimento – por exemplo, arranjando emprego para os filhos e filhas, ou alugando as casas durante os meses de Verão. A crescente importância do dinheiro incentiva o consumo familiar e faz aumentar as necessidades económicas da família. Tem vindo a verificar-se um papel cada vez mais preponderante das mulheres como consumidoras, em detrimento do seu papel, tão importante nas casas marítimas antes de 1960, na produção económica. Estas mudanças no trabalho das mulheres começaram a desgastar a autonomia económica das mulheres, à medida que estas se foram tornando cada vez mais dependentes de fontes de rendimento controladas fora da casa, e já não do rendimento resultante do seu próprio tempo e do seu próprio trabalho.

As mulheres entram nas fábricas

  • 3 Nos assentos de casamentos da freguesia relativos aos anos 30, cinco mulheres são identificadas com (...)
  • 4 Ver quadro 1.3, capítulo 1.

16Já nos anos 30, algumas mulheres de Vila Chã caminhavam ao longo de oito quilómetros até Vila do Conde para trabalharem na fábrica de têxteis, ou ao longo de quinze até Matosinhos, para trabalharem nas fábricas de conserva de sardinhas.3 Contudo, o número de mulheres que começaram a trabalhar em fábricas só se tornou significativo a partir de meados dos anos 60. Em 1985, mais de metade dos moradores assalariados da freguesia eram mulheres empregadas em fábricas, e mais de três quartos (76,7%, N=116) dos operários eram mulheres.4 Trabalhavam em fábricas de confecções, em fábricas de conservas de peixe e de transformação de outros alimentos e numa fábrica transnacional de componentes electrónicos.

17Nos anos 60, novas fábricas situadas na área de Vila Chã começaram a recrutar activamente mulheres, e as fábricas mais antigas de Matosinhos e de Vila do Conde começaram a facultar transporte gratuito às mulheres que moravam nas aldeias. As mulheres tinham-se tornado atractivas para a indústria dada a falta de mão-de-obra masculina, devida às elevadas taxas de emigração masculina e à guerra colonial em África, e, em parte, devido também à natureza das indústrias que estavam a estabelecer-se na zona industrial a norte do Porto. As conservas de peixe eram importantes na zona desde, pelo menos, meados do século XIX, e a transformação de outros tipos de alimentos, incluindo o chocolate e os lacticínios, tinham-se tornado cada vez mais importantes. Estas indústrias de transformação de alimentos preferiam contratar mulheres. Durante meados dos anos 60 e princípios dos anos 70, abriram inúmeras pequenas fábricas de confecções, e estas fábricas contratavam mulheres como costureiras. E em 1974 a Texas Instruments abriu uma fábrica de componentes electrónicos na Maia, a cerca de dez quilómetros a sul de Vila Chã. Com base na sua experiência internacional e nos baixos salários pagos às mulheres, a Texas Instruments procurou contratar exclusivamente mulheres. A indústria de transformação de alimentos e indústria de confecções são vistas, local e internacionalmente, como trabalhos de mulheres. E são-no porque são vistos como o prolongamento das tarefas domésticas das mulheres, como sejam coser ou cozinhar, exigindo o mesmo tipo de habilidade; além disso, na imagem social das mulheres construída pelo capitalismo industrial, as mulheres são consideradas mais tolerantes ao tédio, mais aptas a trabalhar sob supervisão e naturalmente dotadas de mãos hábeis, exigidas por este tipo de trabalho (Elson e Pearson, 1981; Safa, 1981). De resto, estes trabalhos são ditos não qualificados, e são mal remunerados. Os baixos salários pagos às operários são justificados por um modelo capitalista que faz a família girar em torno do salário do homem, um modelo que assume os ganhos da mulher como suplementares em relação aos do marido.

18A imagem das mulheres como operárias fabris sofreu alterações durante este período de industrialização. Inicialmente, as mulheres que trabalhavam nas fábricas pertenciam às famílias mais pobres. Estigmatizadas pelo seu nível social e económico, estas mulheres eram moralmente suspeitas. O trabalho nas fábricas continuava a estigmatizar as mulheres, não só porque as mulheres eram pobres, mas também porque trabalhavam fora dos limites dos mecanismos locais de controlo social (como a vergonha). Estas mulheres saíam da freguesia diariamente, trabalhavam entre estranhos e podiam conhecer e conversar com homens sobre os quais a vila nada sabia. Os homens de meia-idade de Vila Chã lembravam que não tinham querido casar com mulheres operárias precisamente por esta razão. Preferiam uma mulher marítima, trabalhadeira, cujas virtudes eram conhecidas.

  • 5 Salazar afirmava que o modelo de família defendido pelo Estado Novo se baseava na família rural. Co (...)

19A imagem da operária como uma mulher de moralidade questionável vinha complementar a atribuição, feita pelo Estado Novo, de respeitabilidade à mulher que ficava em casa e satisfazia as necessidades do marido e dos filhos. Como vimos, o regime salazarista promulgou um modelo de família baseado na autoridade e no salário do homem. Os discursos de Salazar, a legislação estatal e os livros escolares promoviam a imagem da mulher como esposa e mãe virtuosa e reforçavam a ideia de promiscuidade relativa às primeiras operárias de Vila Chã e de outras zonas.5 A atribuição de depravação sexual às operárias fabris tinha também o efeito de denegrir o trabalho industrial aos olhos da população rural, complementando assim, ao nível local, a política nacional de capitalismo contido.

  • 6 Num estudo sobre as operárias da Malásia, Ong afirma que a sexualidade das mulheres que trabalham s (...)

20Contudo, em 1985, as mulheres que trabalhavam em fábricas, especialmente as que tinham trabalhos limpos e relativamente bem pagos na Texas Instruments, tinham um estatuto importante na freguesia. Eram invejadas por outras mulheres devido aos seus empregos, e os homens desejavam-nas para esposas. Devido ao facto de a casa se ter tornado dependente do dinheiro dos salários, o trabalho fabril é agora entendido como um prolongamento, no contexto industrial, do papel de trabalhadeira: ao entrarem nas fábricas, trabalhando arduamente durante dias inteiros e contribuindo com os seus salários para a família, as jovens mulheres são trabalhadeiras como as suas mães e as suas avós o foram, antes delas. Mas esta atribuição é contingente. As jovens operárias, para serem merecedoras do respeito local concedido à trabalhadeira, têm que ser consideradas laboriosas e respeitadoras dos valores familiares e comunitários, e não vistas como quem procura gratificação pessoal. E a moralidade das jovens operárias, particularmente em questões sexuais, é ainda questionada.6

21No entanto, as próprias operárias estão menos preocupadas com o respeito que lhes possa ser concedido como trabalhadeiras e mais com o desafio e a resistência às imagens e à moralidade locais – à vergonha –, especialmente através da negociação da sua sexualidade e da sua imagem sexual. Usam cosméticos, jeans apertados e camisolas alegres e coloridas, em forte contraste com as saias modestas e as cores monótonas usadas pelas suas mães e pelas suas avós. Esta nova apresentação da mulher constitui um mecanismo deliberado através do qual as mulheres jovens procuram distanciar-se da comunidade rural e ganhar aceitação no contexto crescentemente urbano das suas vidas (cf. Collier, 1986). Frequentam os cafés que proliferaram em todas as freguesias rurais, incluindo Vila Chã; aí fumam cigarros e consomem álcool com amigos e amigas. Praticam o controlo da natalidade e conhecem uma variedade de métodos que o permitem levar a cabo. Consomem não apenas roupas elegantes, mas igualmente outros bens – uma contradição directa em relação à poupança e auto-privação da trabalhadeira ideal. As necessidades de consumo das filhas solteiras constituem uma nova fonte de conflito com as suas mães, que se esforçam por usufruir dos salários das filhas para fazer face às necessidades familiares. Na base está o conflito entre as necessidades da casa e da família e as necessidades das jovens, que exigem novos direitos como trabalhadoras assalariadas.

22Todavia, a exploração, por parte das jovens operárias, de uma nova imagem da sexualidade feminina e o desafio que fazem à família tradicional e às relações tradicionais entre os sexos são proporcionais aos salários que recebem e ao estatuto atribuído localmente ao seu trabalho, e os moradores de Vila Chã estabelecem uma hierarquia entre as três indústrias de manufactura que empregam mulheres da freguesia. A indústria mais antiga, a de conserva de peixe, é considerada trabalho do nível mais baixo e é a mais mal remunerada; a indústria mais recente, a de componentes electrónicos, é considerada aquela que proporciona o trabalho de maior nível e é também a que mais bem paga. As mulheres que trabalham na conserva do peixe tendem a ficar mais agarradas aos valores e à auto-imagem da trabalhadeira, enquanto as mulheres que trabalham na fábrica de componentes electrónicos tendem a explorar novas imagens de si próprias como mulheres e novas relações sociais.

23As mulheres que trabalham nas fábricas de conservas ganham o salário mínimo (15.000$00 por mês), e têm as piores condições de trabalho. A maioria das mulheres de Vila Chã que trabalha na conserva de peixe trabalha numa fábrica de conserva de sardinhas em Matosinhos. Dos 120 trabalhadores desta fábrica, 100 são mulheres. Os 20 homens trabalham com as máquinas e fazem a sua manutenção, trabalham nos fornos de vapor, supervisionam a distribuição e trabalham no escritório. As mulheres arranjam e preparam o peixe. A conserva de peixe implica várias tarefas, e cada mulher desempenha diaria e consecutivamente uma delas. Cerca de vinte mulheres estão de pé ao longo de uma grande mesa, debruçadas sobre um tanque de água, onde lavam o peixe fresco ou congelado; em seguida, as operárias colocam o peixe num tapete rolante que o leva até ao forno de vapor para cozer. Depois de cozido, o peixe é transportado até uma mesa onde outras vinte mulheres estão sentadas e cortam os rabos das sardinhas já cozinhadas, embalando-as seguidamente em latas. Então, duas mulheres colocam as latas em tinas de azeite durante alguns minutos, e outras duas mulheres levam as latas até uma mesa onde mais mulheres as colocam numa máquina que coloca as tampas. As latas fechadas são transportadas por um tapete rolante e passadas por água quente e, uma vez mais, por vapor para garantir a esterilização. Dos fornos de vapor as latas são transportadas até um armazém de secagem, onde mais mulheres verificam se as latas estão bem fechadas, embrulhando-as depois no papel do rótulo e embalando-as em caixas de cartão, prontas a expedir. À excepção das que trabalham no armazém, onde o ambiente é seco e relativamente calmo, as mulheres têm os pés no chão molhado e trabalham sob o barulho contínuo e ensurdecedor das máquinas. A humidade do ar e o barulho incessante, em conjunto com o stress da supervisão constante e da pressão provocada pela necessidade de rapidez no trabalho, tornam terríveis as condições de trabalho na fábrica.

24As costureiras que trabalham nas fábricas de confecções têm condições de trabalho ligeiramente melhores, mas o seu trabalho é também repetitivo e mal remunerado. As fábricas são pequenas, negócios familiares que empregam entre trinta e quarenta trabalhadores, todos mulheres. Fazem jeans, camiseiros, casacos, fatos e outras roupas femininas, a maioria destinada à exportação. As fábricas situam-se em pequenas comunidades rurais, e as operárias vivem nas zonas circundantes. Algumas fábricas fornecem transporte em camiões cobertos, mas noutras as mulheres têm que arranjar transporte por si próprias, e deslocam-se de bicicleta, a pé ou de comboio.

  • 7 Para uma descrição das condições de trabalho e das vidas das operárias imigrantes numa fábrica de c (...)

25A maioria das mulheres que trabalha nas fábricas de confecções são mão-de-obra não qualificada, desempenham tarefas repetitivas e são facilmente substituíveis. Como acontece com as operárias das fábricas de conservas de peixe, a maioria ganha o salário mínimo. Apenas algumas ganha um pouco mais (até 20.000$00 por mês). Trata-se das costureiras que a direcção considera mais rápidas e mais hábeis, e são elas que têm a responsabilidade dos pormenores meticulosos nos acabamentos dos artigos.7

26Cada fase de produção de um artigo de confecção é levada a cabo por uma mulher diferente. As mulheres tomam os seus lugares a uma máquina e sentam-se a trabalhar com essa máquina das 8 da manhã às 6 da tarde, todos os dias, com uma hora de intervalo para o almoço. Cada operária realiza apenas uma tarefa; as operárias dependem das que trabalham na fase anterior à sua, e todas se devem esforçar por trabalhar ao mesmo ritmo. Dois supervisores, um da qualidade e outro da velocidade, verificam o trabalho das mulheres. Há quotas diárias a atingir, e se uma operária não consegue manter um nível de produção suficientemente elevado, é despedida e substituída: quase todos os dias alguém é mandado para casa.

27É enorme o número de jovens raparigas de Vila Chã e de outras freguesias rurais à espera de trabalho em fábricas, e algumas fábricas de confecções estabeleceram aquilo a que eles chamam um sistema de formação de aprendizes para explorar esta força de trabalho e reduzir os custos de produção. Neste sistema, as raparigas recebem metade do salário mínimo (7.500$00 por mês) durante um certo número de meses (seis meses, um ano, até dezoito meses). No final deste chamado período de formação, quando as raparigas esperam ser contratadas a troco do salário mínimo, são despedidas e são contratadas novas «aprendizes», uma vez mais a troco de metade do salário mínimo.

28As mulheres que trabalham na fábrica da Texas Instruments são consideradas as mais afortunadas. A companhia é uma multinacional, paga os salários mais elevados no local (30.000$00 – o dobro do salário de uma operária das fábricas de conservas de peixe), e oferece vários benefícios às operárias. As mulheres que trabalham na «Texas» usufruem de um centro de lazer para elas e para as famílias; vão a festas pagas pela companhia para festejar feriados nacionais; e têm transporte diário gratuito em autocarros com ar condicionado de e para Vila Chã. As mulheres trabalham num dos três turnos de oito horas que mantêm a fábrica em funcionamento vinte e quatro horas por dia. O trabalho é repetitivo, como nas outras fábricas, mas as mulheres têm mais hipóteses de progressão, e os salários são escalonados de acordo com a antiguidade e o tipo de serviço. As condições na «Texas» são também de relativa limpeza, por isso as mulheres podem trabalhar com roupas elegantes, em contraste com as operárias das fábricas de conservas, que usam as roupas mais velhas que têm e cheiram sempre a peixe. As empregadas da Texas Instruments têm também um nível de escolaridade mais elevado do que as mulheres que trabalham nas outras fábricas. Quando a Texas Instruments abriu, em 1974, contratou mulheres independentemente do seu nível de escolaridade, provavelmente porque poucas mulheres rurais no noroeste português tinham frequentado o ensino secundário. Gradualmente, a companhia foi aumentando as exigências em relação ao nível de escolaridade, e em 1985 apenas eram consideradas as candidatas com o ensino secundário completo. Este requisito fez aumentar o estatuto e a procura deste trabalho aos olhos das pessoas locais. Em Vila Chã, as mulheres que trabalham na Texas Instruments têm um estatuto social mais elevado porque ganham os salários mais elevados entre todas as operárias fabris, têm um nível de educação também mais elevado e gozam de benefícios que as outras operárias não recebem.

A vida de uma operária fabril: Adélia

29As operárias não são só mulheres jovens e solteiras, são também mulheres casadas, com famílias a cargo. Em 1985, mais de dois terços (67,1%; N=82) das mulheres jovens casadas do Lugar da Praia e do Lugar do Facho eram assalariadas. Tinham começado a trabalhar quando eram ainda solteiras e viviam em casa dos pais, e tinham continuado a trabalhar depois do casamento, porque os maridos eram, na sua maioria, operários de construção civil, e estavam frequentemente desempregados. Poucas eram as casas onde as mulheres podiam ficar em casa, sem receber qualquer salário, depois do casamento. A casa necessitava do salário que uma operária podia ganhar, ainda que tal salário fosse baixo. A maioria das jovens esposas e mães continuaram, por isso, a trabalhar depois do casamento, embora possam abandonar o trabalho temporariamente para ter ou cuidar dos filhos, retomando-o depois. A história de Adélia ilustra a vida de uma mulher criada numa casa marítima, educada para ser trabalhadeira, que, aos quinze anos de idade, foi trabalhar para uma fábrica de conservas de peixe e que, agora esposa e mãe, enfrenta os dilemas da mulher operária.

30Todas as manhãs, às sete horas, Adélia está numa esquina em Rio da Gândara, com outras mulheres, à espera do camião que vem buscá-las à freguesia para as transportar até à fábrica, em Matosinhos. O camião trá-las de regresso às sete horas da noite. Mas o dia de Adélia começa muito antes das sete da manhã e raramente termina antes da meia-noite. Levanta-se às seis horas, para lavar a roupa no tanque do quintal e pendurá-la para secar antes de ir para o trabalho. E à noite lava a louça, passa a ferro e limpa a casa. Ao fim-de-semana vai às compras e cozinha, lava roupa e procura passar algum tempo com os filhos.

31«O meu pai era pescador e a minha mãe era pescadeira. Nasci em Vila Chã em 1949. Tenho um irmão mais velho. Deixei a escola a meio da quarta classe, quando tinha dez anos, e comecei a trabalhar, a ajudar a minha mãe a apanhar algas e a vender peixe. Quando fiz quinze anos, a minha mãe arranjou-me emprego numa conserva em Matosinhos. Continuei a viver com os meus pais, e dava o dinheiro que ganhava à minha mãe. Isso foi em 1964, quando a companhia começou a arranjar transporte para as operárias. A companhia manda um camião que passa todas as manhãs pelas aldeias e apanha as mulheres, e traz-nos de volta à noite. Há vinte e um anos que trabalho na mesma fábrica de conservas.

32«Quando tinha vinte e cinco anos [em 1974] casei com o Manuel, mas ficámos a viver com os meus pais porque não tínhamos para onde ir. O Manuel era pobre, e eu também. Ele não tinha pai. A mãe era jornaleira, mas morreu quando ele tinha só catorze anos. Ele é pintor da construção, mas nunca conseguiu ganhar muito dinheiro. Às vezes não tem trabalho. E no Inverno não se pode pintar casas por causa da humidade. Mas aqui não se pode estar um dia sem trabalhar; a vida é tão cara! Ele fala em emigrar. Esses [as famílias dos emigrantes] são os únicos que podem ter uma vida boa aqui. Mas ele nunca teve a sorte de arranjar trabalho fora de Portugal. E além disso, ia ter muitas saudades dos filhos.

33«O nosso filho nasceu em 1977 e a nossa filha nasceu em 1980. Foi nessa altura que saímos de casa dos meus pais. Estava tudo a tornar-se muito difícil. Depois de casar, o dinheiro que eu ganhava era meu. Pagávamos a conta da electricidade na casa dos meus pais, mas cozinhávamos e comíamos por nossa conta. O dinheiro que eu ganhava era meu, mas a minha mãe estava sempre a criticar a maneira como eu o gastava. Achava que a comida que eu comprava era muito cara. Ela toda a vida fez sopa de couve e peixe com batatas e queria que eu fizesse a mesma coisa. Ela dizia que eu era gastadeira, porque eu comprava carne e porque dava fruta e leite às crianças todos os dias. Quando comprei um serviço de jantar disse-me tantas coisas que eu não pude aguentar e decidimos mudar-nos. O único sítio para onde podíamos ir era a casa da irmã do meu marido. Ela era viúva e nós podíamos mudar-nos para o anexo atrás da casa dela e arranjá-lo. Temos dois quartos, onde comemos e dormimos.

34«O meu sonho é poder ter uma casa minha, um dia. Estamos a tentar poupar, mas é muito difícil. O Manuel muitas vezes não tem trabalho, por isso dependemos do meu ordenado. Ganho só 15 contos por mês, mas quase nunca trago isso para casa. Tenho sempre que faltar uns dias todos os meses, ou porque estou doente, ou por causa das crianças, ou porque estou cansada, e não recebo quando estou doente e não vou trabalhar. Às vezes tenho que ficar para dar conta da lida da casa. Por isso, trago só 10 ou 12 contos por mês.

35«O trabalho na fábrica é o pior trabalho que há. É muito suja e é fria. Algumas operárias das confecções ganham mais do que nós, mas nós é que devíamos ganhar mais porque o nosso trabalho é frio, difícil e sujo. Houve um mês em que faltei dez dias por causa das minhas costas. Tenho problemas nas costas e reumatismo nas pernas. É porque tenho que ficar todo o dia de pé na fábrica. Tenho que ficar todo o dia de pé no chão molhado, e às vezes trabalhamos com peixe congelado que vem da União Soviética, e eles despejam o peixe mesmo ao pé de nós para descongelar. Por isso está sempre tudo húmido. Eles não deviam fazer isso, porque estamos cheias de reumatismo e de doenças. Há mais de vinte anos que faço este trabalho. O médico diz que eu preciso de descansar, que não devia ficar em pé o dia todo, mas o que é que eu hei-de fazer? Não posso parar de trabalhar. Precisamos do dinheiro.

36«Preocupo-me com os meus filhos. O meu filho é preguiçoso na escola porque não tem ninguém que o encoraje. É muito difícil para as crianças. O meu marido faz o que pode. Quando não tem trabalho, toma conta das crianças. E tem sempre o jantar feito quando eu chego a casa. É melhor cozinheiro do que eu!

37«Mas a nossa vida é muito difícil. Não sei como nos vamos arranjar. A vida é muito cara hoje. E vai ser ainda pior. Um dia, quero ter uma casa minha. Mas agora temos que viver nestes dois quartos. A nossa vida é muito difícil.»

38Na narrativa de Adélia vemos muitos dos conflitos que enfrentam as mulheres casadas de Vila Chã que trabalham em fábricas: a disparidade entre as suas aspirações e a sua situação económica; os novos conflitos entre as filhas operárias e as suas mães pescadeiras, no que toca à estrutura e à gestão familiar e à imagem que cada uma delas tem da identidade feminina; a luta quotidiana para gerir o trabalho na fábrica e o trabalho doméstico; e uma crescente desigualdade entre a divisão de trabalho entre os sexos dentro da família.

39A família de Adélia é definida pelo tipo de industrialização que assola o noroeste de Portugal. Organizada em torno do trabalho assalariado e do consumo permitido pelos salários recebidos, a família depende do salário de Adélia porque existe trabalho permanente para as mulheres, enquanto os homens, como o marido de Adélia, conseguem apenas empregos sazonais, como a construção civil, e estão frequentemente desempregados. Como outras mulheres que trabalham em fábricas, Adélia recebe um salário muito baixo, e a família tem dificuldade em fazer face às suas necessidades de consumo. Também como outros casais jovens, Adélia e o marido gostariam de, um dia, ter a sua própria casa, mas é-lhes impossível poupar o capital necessário. As preocupações com dinheiro e a frustração provocada pela impossibilidade de alcançarem as suas aspirações constituem novas fontes de stress e de nervos para as jovens mulheres casadas.

40A estrutura da casa de Adélia é diferente da da sua mãe, e as duas mulheres têm opiniões diferentes sobre o governo da casa. A mãe de Adélia governou a sua casa com base na produção de subsistência, mas a casa de Adélia depende apenas do trabalho assalariado. Adélia não tem tempo para levar a cabo as actividades de subsistência e de produção de artigos para venda que a sua mãe desenvolvia. Compra os alimentos que a sua família consome, e aumentou os seus desejos de consumo. A sua mãe critica a forma como Adélia gasta o dinheiro que ganha. Segundo a mãe de Adélia, gastar dinheiro é um desperdício. Ao gastar dinheiro, a mulher viola o ideal da trabalhadeira, o ideal da mulher-governadora da casa que é poupar os recursos da casa.

41Quando casaram, como acontece com a maioria dos jovens recém-casados, Adélia e o marido ficaram a viver com os pais dela, mas as diferenças entre mãe e filha tornaram impossível para Adélia continuar a viver ali. As diferenças de opinião entre as mulheres baseavam-se nas suas perspectivas diferentes em relação à família. A mãe de Adélia considera que a subsistência da família deve basear-se numa série de recursos a ser geridos por ela e a ser partilhados entre os membros da família. Como filha de uma casa marítima, Adélia compreende o ponto de vista da mãe, mas como operária Adélia considera seu aquilo que ganha com o seu trabalho, e esses ganhos devem ser geridos por ela para si própria, para o marido e para os filhos. Ela e o marido deram continuidade à tradição de residência uxorilocal depois do casamento, mas viveram como uma família à parte sob o tecto dos pais dela. Contribuíam para as despesas da casa dos pais, pagando a conta da electricidade, mas, à excepção disso, construíam a sua própria vida com base no seu núcleo familiar. Conflitos entre gerações diferentes de mulheres no que toca à estrutura familiar e ao governo da casa intensificam as aspirações do jovem casal a ter uma casa própria.

  • 8 Utilizo a expressão «trabalho reprodutivo» para designar não só o trabalho de reprodução biológica (...)

42A separação entre trabalho produtivo e trabalho reprodutivo feita pelo capitalismo cria dois postos de trabalho e um duplo dia de trabalho para as mulheres que, como Adélia, trabalham nas fábricas.8 Quando a produção económica era gerida pela família, como acontecia na economia marítima em Vila Chã, as mulheres – como a mãe de Adélia – estavam mais aptas a combinar o seu trabalho doméstico, o seu trabalho reprodutivo e o seu trabalho produtivo. Em resultado disso, as mulheres de gerações anteriores exerciam um maior controlo sobre a distribuição do seu tempo e do seu trabalho do que as operárias fabris como Adélia, para quem o trabalho produtivo (nas fábricas) está separado do trabalho reprodutivo (em casa). Adélia tem que fazer o trabalho doméstico – limpar a casa, lavar a roupa, ir às compras, cuidar dos filhos – antes e depois do seu horário de trabalho, ou seja, antes das 7 horas da manhã e depois das 7 da noite.

43Adélia cita numerosos exemplos de conflito entre o seu trabalho produtivo e o seu trabalho reprodutivo. Inevitavelmente, todos os meses há dias em que não vai trabalhar para a fábrica, porque tem que cuidar de um filho doente ou fazer o trabalho doméstico. Estas responsabilidades afectam directamente o seu trabalho assalariado, porque não recebe os dias em que falta ao trabalho na fábrica. É apanhada num beco sem saída; quer fazer o seu trabalho de dona-de-casa, que inclui manter a casa organizada e tomar conta dos filhos, mas sabe que a família perde dinheiro de que tanto necessita se ela ficar em casa. Entretanto, as condições de trabalho na fábrica de conservas, em conjunto com as preocupações com os filhos e com as finanças, afectam a saúde de Adélia, que acha difícil desempenhar em condições qualquer das suas tarefas. Tem uma vida dura, e não está optimista em relação ao futuro.

44O conflito crescente entre o trabalho produtivo e o trabalho reprodutivo das mulheres requer novas formas de negociação entre marido e mulher, e as mulheres estão a desenvolver novos ideais de relações conjugais. A industrialização do noroeste português veio criar novas desigualdades na divisão de trabalho entre os sexos, atribuindo uma quantidade desproporcionada de trabalho (quer produtivo quer reprodutivo) às mulheres. A disparidade na partilha do trabalho realizado pelas mulheres e pelos homens é cada vez maior à medida que a indústria da construção civil se mostra pouco segura e o número de homens desempregados é cada vez mais elevado. Muitas mulheres esforçam-se no sentido de levarem os maridos a assumir uma parte maior do trabalho doméstico. Adélia é uma das mais afortunadas, porque o marido assumiu a responsabilidade de preparar as refeições, ir às compras e cuidar das crianças.

As mulheres em casa

45Mais de dois terços (67,1%) das oitenta e duas mulheres com filhos pequenos no Lugar da Praia e no Lugar do Facho trabalham fora de casa desde 1985; apenas 32,9% das mulheres (vinte e sete) com filhos pequenos trabalham em casa como donas-de-casa a tempo inteiro. Antes de 1960, as mulheres das famílias de pescadores do Lugar da Praia e do Lugar do Facho combinavam, efectivamente, o seu trabalho na produção económica com o trabalho reprodutivo. A família era o ponto de encontro entre a produção e a reprodução. Em 1985, os dois tipos de trabalho eram levados a cabo em dois locais diferentes: na fábrica e em casa. Para mulheres como Adélia, que trabalham em fábricas, esta separação cria um duplo dia de trabalho. Para as mulheres que trabalham a tempo inteiro na realização do trabalho doméstico, em casa, a separação do trabalho economicamente produtivo traz-lhes uma maior dependência em relação aos maridos. Ao mesmo tempo, ficar em casa cria também as condições que incentivam algumas mulheres a elaborar o seu papel de donas-de-casa. A elaboração do trabalho doméstico e a dependência são encorajadas ainda mais pelas imagens das mulheres na televisão e na publicidade.

46Das vinte e sete mulheres com filhos pequenos que trabalham em casa como donas-de-casa, oito são esposas de homens com empregos permanentes, como polícias, empregados bancários ou mecânicos; seis são esposas de trabalhadores emigrantes, que mandam para casa os seus salários; três estão doentes e tiveram que deixar os seus empregos na fábrica; e as restantes estão temporariamente em casa para cuidar dos filhos. O papel de dona-de-casa tende a ser um estatuto temporário para a maioria das jovens casadas e um estatuto permanente apenas para algumas – aquelas cujos maridos ganha os salários mais elevados e têm empregos seguros, a nova classe média das comunidades rurais. Em 1985, a dona-de-casa ideal é quase tão inacessível à maioria das mulheres de Vila Chã como era no passado, quando apenas as mulheres dos lavradores abastados trabalhavam em casa. Na sua grande maioria, as mulheres serão trabalhadoras assalariadas ao longo da maior parte das suas vidas.

Fátima: A história de uma dona de casa

47A história de Fátima é a história de uma mulher que adquiriu, pelo menos temporariamente, o estatuto de dona de casa. Fátima passa os seus dias a cuidar da sua filha, ainda pequena, a fazer compras na mercearia local, a preparar refeições quentes para o marido, ao meio-dia e à noite, a limpar a casa, a lavar e a passar a ferro. A maior aspiração da sua vida é ter uma casa moderna, toda mobilada.

48Como todas as mulheres de Vila Chã, independentemente do seu trabalho, Fátima insiste em mostrar a sua casa às «visitas», um velho edifício de um só piso, pertencente à sua mãe. «Mostrar a casa» reforça a identificação da mulher com a casa e a sua identidade de dona de casa. O interesse de Fátima pela sua casa e pelo mobiliário que nela existe é típico.

49Imediatamente à esquerda de quem entra em casa, vindo do exterior, fica a sala, que ela pintou de azul pastel. Num armário, ao canto, vê-se uma colecção de figuras de porcelana, que a sua filha de dois anos deixou cair e que estão, por isso, partidas em alguns sítios. Há um divã coberto encostado a uma das paredes, sob a janela, e uma mesinha com tampo de vidro em frente. Na parede oposta, há um enorme armário de madeira, com mais ornamentos de porcelana e com a grande colecção de romances de «paperback» pertencentes a Fátima. Do outro lado do hall, em frente à sala, fica o quarto. As paredes estão pintadas de cor creme, a cor preferida de Fátima, que manifestou a esperança de, um dia, ter as divisões todas pintadas daquela cor. O espaço do pequeno quarto está preenchido por uma mobília de quarto em mogno, que inclui uma cama, uma cómoda, mesinhas de cabeceira e um guarda-fato. Uma colcha em crochet com pontos complicados, feita por Fátima, cobre a cama. No fundo do hall fica o quarto de arrumações, que ela planeia transformar em casa de jantar, um dia, quando puderem comprar a mobília. E, do outro lado do hall, fica a cozinha. No centro, há uma mesa redonda coberta com uma toalha. Uma enorme televisão a cores encontra-se numa prateleira diagonal, ao canto, virada para o lava-louça e o fogão, para que Fátima possa ver televisão enquanto cozinha ou lava a louça. Como a maioria das mulheres jovens de Vila Chã, Fátima vê as telenovelas brasileiras, todas as noites depois do jantar. Um pequeno quarto à saída da cozinha serve de quarto para a filha, e contém um berço, uma mesa para vestir o bebé e pilhas de roupa de criança. A porta da cozinha dá para um pequeno quintal; é aqui que fica o tanque onde Fátima lava a roupa. Muda a roupa da filha várias vezes durante o dia, e o marido deixa as T-shirts e as roupas de trabalho para ela lavar. A corda da roupa está cheia de peças penduradas, a pingar, há roupa interior de molho em vários alguidares, e as roupas mais sujas estão também de molho em detergente no tanque. Depois do jantar, Fátima irá esfregar e enxaguar esta roupa e pendurá-la na corda antes de se deitar.

50Fátima é uma mulher viva e simpática. Tem cabelo encaracolado, escuro e curto, e usa uma leve maquilhagem e um pouco de baton. Veste jeans apertados e camisolas coloridas. Está contente por ter visitas e por ter oportunidade de falar da sua vida.

51«O meu pai é pescador e a minha mãe é pescadeira. Nasci em Vila Chã em 1962. Sou a mais nova de seis. Quando eu nasci, o meu pai foi para a Alemanha pescar para uma companhia de lá e ganhar mais dinheiro do que aquele que conseguia ganhar com a pesca aqui. Quando eu tinha cinco anos, a minha mãe foi ter com ele à Alemanha e começou a trabalhar para a mesma companhia, na fábrica de conservas de peixe. Durante seis anos, vivi com a minha irmã e com o marido dela. Só via os meus pais quando eles vinham de férias a Portugal. Não me reconheciam se vissem fotografias minhas daquela altura – toda suja, descalça e não sorria. Costumava sonhar acordada e tentar lembrar-me da cara dos meus pais, mas era difícil. A minha mãe mandava dinheiro da Alemanha, mas a minha irmã juntava esse dinheiro às poupanças que fazia – estava a poupar dinheiro para fazer uma casa nova. O marido dela batia-lhe e batia-me a mim também. Naquele tempo, a única felicidade da minha vida era quando eu estava na escola. Era boa aluna e gostava muito de ler. Os outros faziam troça de mim. Chamavam-me «a professora», porque eu estava sempre a tentar falar português correctamente. Mas tive que deixar a escola depois do sexto ano porque não havia dinheiro para pagar o autocarro, os livros e as refeições na escola de Vila do Conde. Depois, os meus pais vieram da Alemanha e o meu pai voltou a pescar em Vila Chã. Odiava a minha mãe quando ela voltou para casa, porque eu tinha sido muito infeliz até aí.

52«Em 1977, quando eu tinha quinze anos, fui trabalhar para uma fábrica de confecções. Todas as manhãs ia a pé com as outras raparigas até à estação do comboio (três quilómetros), apanhava o comboio e lá ia até ao local onde ficava a fábrica, duas paragens depois.

53«Detestava o trabalho. A pressão era muita. Os gerentes nunca estavam satisfeitos com o nosso trabalho. Diziam que éramos preguiçosas, e muitas vezes obrigavam-nos a ficar várias horas depois da hora de saída, sem nos pagarem por isso, se pensavam que naquele dia não tínhamos produzido aquilo que devíamos. Era sempre com a produção que estavam preocupados. Muitas das mulheres que lá trabalhavam ficaram doentes dos nervos, por causa do barulho e do cansaço e das pressões para atingirem as quotas de produção e também por causa das críticas constantes. Aqui mesmo, no Facho, duas mulheres tiveram depressões nervosas por causa do stress do seu trabalho de costureiras na fábrica. Andam as duas no psiquiatra. Os gerentes achavam sempre que o nosso trabalho não era suficientemente bom, e despediam mulheres quase todos os dias. Sabiam que podiam substituí-las imediatamente. Havia sempre raparigas à espera de emprego. Eu fui despedida ao fim de um ano porque não trabalhava suficientemente depressa. Depois, arranjei emprego noutra fábrica de confecções, mais perto de Vila Chã, e trabalhei lá até ficar grávida. O trabalho não era melhor lá mas, como não fui despedida, fiquei.

54«Casei em 1982. Tinha vinte anos. O meu marido é cinco anos mais velho do que eu. Tem uma pequena empresa de construção que emprega mais quatro homens. Casei com ele porque os meus pais quiseram. Eles gostavam muito dele. Gostavam dele porque ele ganha bem. Casei com ele porque eles gostavam dele, mas não é um grande amor. Se pudesse voltar atrás ainda era solteira. Não sou feliz com o meu marido. Ele é mal educado e preguiçoso. Gostava que ele fosse mais educado e falasse português como deve ser.

55«Gostava que o meu marido emigrasse. Gostava de deixar Vila Chã. Gostava de voltar a trabalhar, mas não quero voltar para a fábrica. Gostava de ser secretária, mas preciso de mais estudos. Mas ele quer ficar aqui. Não tem ambições. Eu gostava de emigrar para podermos construir uma casa para nós. A casa onde vivemos não é nossa. É da minha mãe, e é velha e pobrezinha. As casas novas são melhores do que as velhas porque são mais fáceis de limpar. Um dia, quero ter uma casa nova, minha.

56«A minha filha nasceu no final do primeiro ano de casamento. Tem dois anos e passo o dia inteiro atrás dela. Mexe em tudo! Mas as crianças precisam de atenção. Precisam de quem as ouça. A mim, ninguém me ouviu. A minha mãe não tinha tempo. Ela não sabia que as crianças precisam de tempo. As mães deviam passar tempo com os filhos. Por isso, brinco com a minha filha e ouço-a, e faço o trabalho que há a fazer. Vou às compras e tenho as refeições do meu marido prontas quando ele chega a casa. Ele é muito esquisito. Não gosta de peixe, por isso tenho que comprar carne. E tento manter a casa limpa e arrumada, e lavo roupa todos os dias. Às vezes sinto-me sozinha, mas quando tenho tempo, leio. Adoro ler romances.»

57A experiência de Fátima como dona de casa é idêntica à de outras mulheres jovens de Vila Chã que trabalham em casa. Como elas, Fátima tem a seu cargo um ciclo de trabalho doméstico diário e repetitivo. Fátima orgulha-se de ser dona de casa devido ao estatuto que atribui a esse papel, e elabora o trabalho que associa ao ser dona de casa: lava roupa todos os dias porque muda a roupa à filha com frequência e lava as roupas de trabalho do marido várias vezes por semana; limpa a casa todos os dias; vai às compras à mercearia todos os dias; prepara diversas refeições para o marido porque ele ganha um bom salário e, por isso, quer viver bem; e brinca com a filha porque acredita que os filhos precisam das mães, que as mulheres deviam passar tempo com os filhos.

58Fátima preocupa-se com a casa como estrutura; as suas dimensões, a sua aparência, mobiliário e modernidade. Sonha ter uma casa nova, um dia, uma casa que ela possa mobilar bem e manter limpa (coisa que ela acha difícil na casa velha onde vive agora).

59Como outras jovens mulheres de Vila Chã, Fátima é uma consumidora ávida de romances e das telenovelas brasileiras que todas as noites podem ser vistas na televisão. Através delas, tem desenvolvido um conceito de amor romântico com o qual compara, de forma crítica, a sua própria relação com o marido. As telenovelas e a publicidade na televisão têm tido um papel importante na mudança das ideias locais sobre as relações entre os sexos, porque reforçam o ideal romântico de amor conjugal e o papel de dona de casa para as mulheres depois do casamento.

60As condições de trabalho que Fátima enfrenta na sua casa são significativamente diferentes daquelas que tiveram as mulheres da geração da sua mãe. Para Fátima, a casa em si e o mobiliário que contém são símbolos importantes do seu estatuto social. A casa é um centro de consumo e um lugar para mostrar artigos manufacturados. Contudo, para gerações anteriores de mulheres, a casa era um lugar onde os membros da família comiam e dormiam e armazenavam comida e outros bens produzidos pelos esforços familiares. Juntamente com outros membros da família, as mulheres passavam a maior parte do tempo na praia, ou a vender peixe, ou nas suas hortas. As exigências do seu trabalho produtivo determinavam o tempo que podiam dedicar ao trabalho reprodutivo. Mas o trabalho das jovens mulheres como Fátima centra-se exclusivamente no trabalho doméstico e nos filhos. O dia de Fátima é organizado em torno da preparação das refeições do marido e das necessidades da sua filha. E, ao contrário de Fátima, que trabalha sozinha em casa, as mulheres de gerações anteriores nunca estavam sozinhas no seu trabalho. Trabalhavam com os maridos e com outros homens e mulheres na praia, e os filhos acompanhavam-nas durante o seu trabalho. Finalmente, o trabalho das mulheres como gestoras dos recursos familiares modificou-se. As mulheres da geração mais velha tinham poder de decisão relativamente à gestão de todos os recursos familiares: o marido de Alvina nunca sabia qual o estado das finanças da família ou quanto ganhava Alvina com os seus negócios. No entanto, as mulheres mais jovens, como Fátima, recebem dinheiro dos maridos para fazer face às despesas familiares, e os desejos e as preferências dos maridos têm primazia em relação a quaisquer ideias que a mulher possa ter sobre economia ou investimento do rendimento familiar: Fátima, por exemplo, compra carne, que é mais cara do que o peixe, porque é essa a preferência do seu marido.

Conclusão: Pescadeiras e operárias fabris

61Hoje em dia, as mulheres das casas marítimas trabalham na pesca, mas já não vão ao mar. Ao invés de dizerem que pescam «como homens» (como dizem Maria e Alvina), as mulheres dizem que «ajudam [os maridos] na praia». Os homens pescam e as mulheres descarregam os barcos e vendem o peixe; e as mulheres apanham e vendem algas. Como antigamente, as mulheres gerem os recursos económicos da casa, mas estes incluem agora os rendimentos provenientes dos arrendamentos de Verão e dos salários ganhos pelos filhos adolescentes, ajuntar aos ganhos da pesca. O papel das mulheres como gestoras da produção familiar tem-se diluído à medida que o seu papel de gestoras do consumo familiar se tem vindo a tornar mais importante. O aumento das fontes de rendimento incentivam o aumento do consumo familiar de bens manufacturados e de novos alimentos; e o aumento do consumo familiar aumenta a dependência em relação aos salários. A casa contemporânea é menos uma unidade independente de produção e reprodução (como na pesca antes de 1960) do que uma unidade de reprodução e consumo numa economia assente nos salários onde a produção tem lugar fora da casa. O efeito da transferência da maior parte do trabalho produtivo para fora da casa é a redução do controlo que as mulheres podem exercer no seu papel de gestoras familiares.

62As mulheres que trabalham em fábricas têm menos controlo sobre o seu trabalho e as suas casas do que as mulheres dos pescadores das casas marítimas do presente. Como Adélia, elas não podem controlar as suas condições de trabalho nas fábricas; não podem aumentar os seus ganhos intensificando o seu trabalho e a sua produção; e não podem, efectivamente, reduzir as necessidades de dinheiro sentidas pelas casas porque não têm tempo para usar a sua força de trabalho para a produção de bens de subsistência e de produtos lucrativos para a casa – as suas casas estão inteiramente dependentes dos salários e do consumo. A juntar a tudo isto, estas mulheres têm um dia de trabalho duplo: levam a cabo o trabalho assalariado nas fábricas e o trabalho doméstico, não remunerado, em casa, e os dois tipos de trabalho, produtivo e reprodutivo, entram em conflito. As mulheres têm, frequentemente, necessidade de faltar ao trabalho nas fábricas para conseguir realizar o trabalho doméstico, e isto reforça as tendências que as entidades empregadoras têm em tratar as mulheres como uma força de trabalho barata e facilmente substituível. Outras forças novas na sociedade, como a publicidade e os programas de televisão, reforçam também a ideia de que as mulheres são, antes de mais, trabalhadoras domésticas em casa e ignoram a realidade de que a maioria das jovens esposas e mães trabalham também fora de casa em tarefas assalariadas. As próprias mulheres tendem a considerar que, em circunstâncias ideais, não deveriam ter um trabalho assalariado, deveriam ser donas de casa: a maioria sonha poder, um dia, vir a ter uma casa nova, e uma parte não confessada desse sonho é poderem vir a trabalhar exclusivamente como donas de casa, mobilando e cuidando da casa. O ideal da dona de casa, alimentado pelas mulheres, impede-as de se organizar e reivindicar melhores salários e melhores condições de trabalho. As operárias fabris tendem a considerar temporária a sua situação de trabalhadoras assalariadas: num mundo ideal, seriam donas de casa, a trabalhar em casa. E, num esforço para se transformarem em donas de casa, identificam-se mais com a sua casa e com o trabalho doméstico do que com o trabalho na fábrica. Isto faz aumentar as pressões sobre elas, porque passam o seu tempo de «lazer» (ou seja, as horas em que não estão a trabalhar a troco de um salário) a tentar ir ao encontro de novos padrões de trabalho doméstico e educação dos filhos, padrões que partem do princípio de que as mulheres são donas de casa a tempo inteiro.

63As mulheres que são realmente donas de casa a tempo inteiro têm ainda menos controlo sobre o seu trabalho e as suas casas do que as mulheres que trabalham nas fábricas. São afastadas da produção económica e ficam economicamente dependentes dos maridos. São também efectivamente afastadas da gestão da casa porque são os maridos que ganham o salário, que lhes dão dinheiro para as despesas e que fazem exigências sobre o dinheiro que deve ser gasto. A dona de casa vive outras contradições. Por um lado, tem orgulho no seu estatuto social e na sua função como símbolo do bem-estar económico familiar. Por outro lado, não tem qualquer autonomia económica ou poder de decisão na família ou no casamento. As donas de casa, como Fátima, procuram aumentar a importância do trabalho doméstico elaborando as tarefas associadas ao papel de dona de casa, incluindo a educação dos filhos, por forma a que estas tarefas exijam mais tempo e, ao mesmo tempo, um trabalho mais intenso do que nas casas marítimas das suas mães (cf. Bouquet, 1984; Cowan, 1983; Luxton, 1980). Vão também ao encontro da publicidade e da imagem televisivas que constroem um ideal romântico das relações conjugais, que consegue equilibrá-las emocionalmente, pelo menos de forma temporária, no seu papel dependente de donas de casa. No entanto, para algumas mulheres, estas imagens não conseguem mascarar por muito tempo os conflitos inerentes ao seu papel de donas de casa, e podem optar por pôr fim aos seus casamentos. Pouco mais de um ano depois do registo da sua história, Fátima tinha-se separado do marido e estava a viver com a sua filha, de três anos, em casa de sua mãe. Continuava a viver com a mãe e tinha aberto o processo de divórcio dois anos depois, quando a visitei no Verão de 1988.

64As condições em que as jovens esposas e mães levam a cabo o seu trabalho produtivo e reprodutivo mudaram dramaticamente desde o tempo em que as suas mães e as suas avós eram capazes de combinar ambas as formas de trabalho no contexto da economia doméstica. Numa economia capitalista, é crescente o conflito para as mulheres que procuram combinar trabalho produtivo e trabalho reprodutivo, e algumas mulheres são afastadas do trabalho produtivo e dependem dos rendimentos dos maridos. O afastamento do trabalho produtivo do controlo familiar faz-se acompanhar da representação social das mulheres como donas de casa, uma nova fonte de conflitos para a maioria das mulheres jovens de Vila Chã, cujas famílias lhes exigem que sejam trabalhadoras assalariadas durante toda a vida.

65«Ser mulher é ser trabalhadeira» – dizem as mulheres de Vila Chã. Contrariamente às imagens das mulheres que prevaleceram na etnografia do Sul da Europa, só recentemente as mulheres marítimas de Vila Chã começaram a ser definidas e a definir-se a si próprias em termos do seu trabalho reprodutivo como esposas e mães. Historicamente, é o seu trabalho na produção económica que constitui a fonte primeira da sua identidade. Um dos aspectos em que a industrialização em Portugal teve maior impacto foi esta mudança na representação social das mulheres rurais e no cerne da sua identidade feminina. Apesar de as mulheres, como operárias fabris, continuarem a estar envolvidas no trabalho economicamente produtivo – como as suas mães e avós enquanto trabalhadeiras –, optam por não encontrar a sua identidade no trabalho que fazem nas fábricas. Em vez disso, dissecaram a contradição que deu origem à consciência fragmentada de gerações anteriores de mulheres marítimas, mulheres que eram socialmente estigmatizadas devido ao seu papel visível na produção económica. Ao invés de verem o trabalho produtivo como fonte de poder na casa e da sua identidade como mulheres, as mulheres jovens estão a optar por considerar o seu trabalho na produção económica um indicador do seu baixo estatuto social. Assim, mulheres como Adélia gostariam de pensar que, uma vez alcançado o seu sonho de uma casa nova completamente mobilada, poderiam deixar o trabalho na fábrica e ser donas de casa. Todavia, também como Adélia, a maioria sabe que esta aspiração é, provavelmente, inalcançável e que serão operárias fabris até ao fim das suas vidas.

66Uma interpretação possível descreveria a transformação do trabalho das mulheres e as mudanças na representação social das mulheres em Vila Chã como um caso clássico na questão das mulheres e do desenvolvimento (Etienne e Leacock, 1980; Fernández-Kelly, 1983; Leacock e Safa, 1986; Mies, 1986; Nash, 1979). As mulheres marítimas tornaram-se menos autónomas no seu trabalho na pesca. As suas filhas tornaram-se mão-de-obra não qualificada e mal paga. Trabalhadoras nas fábricas, as filhas não têm poder de decisão nem controlo sobre as suas horas ou sobre as suas condições de trabalho e perderam a autonomia que gerações anteriores de mulheres haviam encontrado através do seu trabalho. Ao criar casas baseadas no consumo proporcionado pelos salários e não na produção para a subsistência familiar, as jovens mulheres casadas não podem gerir as suas casas com a autoridade das suas mães e avós, e não conseguem equilibrar o orçamento através da intensificação do seu próprio trabalho; estão inteiramente dependentes daquilo que o seu salário pode comprar, dependentes de até onde conseguirem «esticar» o seu salário. E, como vimos, são extremamente mal remuneradas pelo seu trabalho, o que torna difícil, e frequentemente impossível, fazer face às suas necessidades de consumo. A distância entre as suas aspirações e a possibilidade de realizarem essas aspirações para si próprias e para as suas famílias é maior do que nunca, o que tem como resultado o facto de as jovens casadas viverem com um sentimento constante de fracasso – um sentimento desconhecido das gerações anteriores de mulheres, que definiam o sucesso em termos do ideal cultural local da trabalhadeira e no contexto da economia da casa marítima de Vila Chã.

67Talvez o mais difícil de tudo seja a crescente divisão entre as mulheres. A inveja intensifica-se nas condições económicas actuais: as mulheres competem entre si por trabalhos em fábricas onde são tratadas como facilmente substituíveis; e competem entre si para terem as casas mais modernas e melhor apetrechadas da freguesia, num esforço interminável na nova sociedade de consumo onde nada nunca é suficiente. As jovens casadas que trabalham arduamente na fábrica e em casa têm também pouco tempo para dar apoio a outras mulheres nas mesmas circunstâncias. Nas fábricas, onde são controladas pela vigilância dos capatazes e pela pressão das quotas de produção, as mulheres têm poucas oportunidades de partilhar experiências – ao contrário das mulheres marítimas de gerações anteriores, que iam e vinham, livremente, no seu trabalho na praia, na rua, ou nas suas hortas, sempre na companhia de outras mulheres. E, como Adélia descreve quando fala da tensão das suas relações com a mãe, existe um novo conflito entre as gerações de mulheres, conflito esse que está a causar a dissolução dos fortes laços de ajuda mútua que existiam entre as mulheres que tinham entre si relações de consanguinidade e que foram tão importantes para a construção das casas marítimas em torno das mulheres. As diferentes gerações têm diferentes ideais para as mulheres. As mulheres mais velhas, como Alvina, prezam a sua independência económica e a sua autoridade na casa, e descrevem as jovens donas de casa como mais escravas porque estão dependentes dos rendimentos dos maridos. Reconhecem que as mulheres mais novas conseguiram, em termos relativos, um nível de vida mais elevado, mas, na sua perspectiva, o preço que essas jovens mulheres pagaram (a perda da sua autonomia) é demasiado elevado. As mulheres mais novas, contudo, afirmam que as mulheres mais velhas, as trabalhadeiras, eram escravas porque se definiam em termos da sua produção económica e porque viviam em condições materiais de pobreza. Ideais e aspirações diferentes em condições socioeconómicas diferentes introduziram novos conflitos entre as gerações.

68Uma segunda interpretação da experiência das mulheres de Vila Chã e do desenvolvimento económico consideraria as mulheres, do ponto de vista histórico, como sujeitos constituídos, e procuraria compreender o significado destas mudanças do ponto de vista das mulheres envolvidas. Esta abordagem permitir-nos-ia ver algumas das complexidades e das contradições inerentes à questão das mulheres e do desenvolvimento, atrás reunidas. As narrativas das mulheres apresentadas nos capítulos anteriores auxiliam-nos nesta tarefa. Através delas, vemos não só que as jovens mulheres dos nossos dias não são meras vítimas passivas na construção das circunstâncias em que vivem, mas também que as mulheres mais velhas construíram activamente uma identidade para si próprias que as ajudou na reconciliação entre as contradições e os conflitos que tinham interiorizado. Conseguimos identificar as lutas das mulheres que trabalham nas fábricas, como Adélia, para construir um novo modelo de relações conjugais e uma nova divisão de trabalho entre os sexos dentro da casa. Conseguimos ver como, no seu fraco nível de compromisso em relação aos seus empregos (em parte demonstrado pelos elevados níveis de absentismo), é possível que elas usem os salários que ganham na fábrica como uma forma de pagamento pelo seu trabalho doméstico – isto é, consideram que ganham salários na fábrica para poderem definir-se como donas de casa.

69A chave para a integração destas duas abordagens interpretativas – a análise objectiva das mulheres e do desenvolvimento económico, e as histórias subjectivas e pessoais de mulheres que vivem a mudança socioeconómica – reside num novo entendimento do significado e dos processos da representação social do masculino e do feminino. Esta representação é não só um processo de construção de ideais relativamente aos papéis a desempenhar por cada um dos sexos, mas também um processo de manipulação desses ideais – um processo de negociação. As condições socioeconómicas, incluindo circunstâncias de rápidas mudanças sociais e económicas, definem apenas os limites dentro dos quais tem lugar a representação da identidade de cada sexo; não pré-determinam os papéis e as relações entre os sexos. Por um lado, os ideais não são construídos independentemente das condições materiais e, uma vez construídos, não são imutáveis. Pelo contrário, através de um processo de negociação que tem a sua origem nas experiências subjectivas e históricas de indivíduos e de grupos de indivíduos, esses ideais são identificados e manipulados na construção de identidades que validam as experiências desses indivíduos e desses grupos. A identidade masculina/feminina é, portanto, uma representação histórica e social, flexível e sujeita a mudanças. É activamente construída e negociada a diferentes – e frequentemente antagónicos – níveis da sociedade – o indivíduo, a família, a comunidade e o Estado, por exemplo –, o que resulta em contradições e em vários estratos de significado social e cultural.

70Assim, onde o Estado e as elites locais do Portugal rural definiram a subordinação das mulheres e o baixo nível social dos povos marítimos, as mulheres (e os homens) marítimos definiram um sistema alternativo de relações entre os sexos que legitimava a divisão de trabalho necessária nas suas casas e, ao mesmo tempo, permitia às mulheres encontrar dignidade para as suas vidas de trabalho árduo. Nas actuais condições, exploradas como mão-de-obra barata e facilmente substituível, as mulheres continuam a lutar pela negociação dos papéis e das relações entre as difíceis condições de trabalho com que se debatem e salvaguardar a auto-estima. Alcançam esta última, em parte, através da afirmação de um nível de vida mais elevado e da dissolução de algumas das contradições com que viviam as suas mães e as suas avós. Inevitavelmente, criam-se novas contradições e novos conflitos – o duplo dia de trabalho das mulheres pode ser o mais difícil de resolver – mas é necessário que tanto o analista como o agente social mantenham a esperança de que estas novas contradições e estes novos conflitos possam ser enfrentados e resolvidos, continuando a assegurar a dignidade das mulheres rurais.

Notes

1 A minha análise das mudanças no noroeste de Portugal segundo a perspectiva da literatura sobre «mulheres e desenvolvimento» é, que eu tenha conhecimento, nova no contexto europeu. De facto, a questão das mulheres e do trabalho nas fábricas na Europa contemporânea foi, surpreendentemente, alvo de muito pouca atenção por parte dos antropólogos. Giovannini (1985) e Holmes (1989) são notáveis excepções. São importantes os estudos históricos de Scott e Tilly (1975) sobre a proletarização das mulheres no século XIX em França, e o trabalho de Ingerson (1982-1983; 1985) sobre as operárias das fábricas de têxteis do Vale do Ave, no noroeste de Portugal, durante o Estado Novo.

2 A partir de 1960 verificou-se um decréscimo no número absoluto de homens que se dedicam à pesca em Vila Chã. Em 1966 havia 115 pescadores; em 1973, havia 105; e em 1985 havia apenas 42 pescadores activos.

3 Nos assentos de casamentos da freguesia relativos aos anos 30, cinco mulheres são identificadas como «operárias» ou «fabricantes». Eram filhas das famílias mais pobres. Este número será, possivelmente, demasiado baixo, porquanto nos registos da freguesia os padres tendiam a identificar as mulheres como «domésticas», mesmo que elas trabalhassem fora de casa. Não é claro o motivo que terá levado o padre a optar por identificar estas cinco mulheres como operárias.

4 Ver quadro 1.3, capítulo 1.

5 Salazar afirmava que o modelo de família defendido pelo Estado Novo se baseava na família rural. Como vimos em capítulos anteriores, não há provas de que os pescadores de Vila Chã partilhassem da visão estatal da mulher como esposa e mãe, ou de que as suas famílias estivessem organizadas em torno do conceito de autoridade masculina e em torno do salário do homem. Num estudo de treze fábricas têxteis do Vale do Ave, Ingerson (1985) mostra que as mulheres rurais constituem mais de metade das operárias têxteis desde finais do século XIX, e que os donos das fábricas, satisfeitos por contratarem mulheres em tempo de falta de mão-de-obra, usavam a ideologia do Estado para justificar o despedimento das mulheres em tempo de dificuldades na indústria. Em 1939, por exemplo, seiscentas mulheres casadas foram despedidas por uma fábrica, e os donos, parafraseando Salazar, publicaram uma declaração que invocava o seguinte motivo: «Na verdade, o lugar de uma mulher casada, com ou sem filhos, é o lar. É lá que ela melhor pode ajudar o marido e, em especial, olhar pelos filhos, tão prejudicados quando a mãe não está em casa. Estamos convencidos de que, na maioria dos casos, a diminuição dos rendimentos devido ao facto de a mulher deixar a fábrica será, em breve, compensada por uma família mais organizada» (cit. in Ingerson, 1985:8).

6 Num estudo sobre as operárias da Malásia, Ong afirma que a sexualidade das mulheres que trabalham se torna o foco de transferência da ansiedade local em relação aos efeitos sociais do desenvolvimento capitalista. Escreve: «O realce da sexualidade das operárias da Malásia por parte da sociedade pode ser visto como a imagem cultural contraditória de uma sociedade intensamente ambivalente acerca das consequências do desenvolvimento industrial» (1987:4). Uma preocupação semelhante no que toca à sexualidade das operárias de Vila Chã pode ser entendida como a projecção, nas mulheres, da ansiedade local, como a ambivalência em relação às mudanças sociais que estão a ter lugar, e como uma expressão de resistência a essas mudanças. Esta resistência pode ter as suas raízes naquilo a que Scott (1976) chama «economia moral» sob cerco, mais do que noutras formas de aliança (como o interesse de classe).

7 Para uma descrição das condições de trabalho e das vidas das operárias imigrantes numa fábrica de confecções em Toronto, ver Gannagé (1986).

8 Utilizo a expressão «trabalho reprodutivo» para designar não só o trabalho de reprodução biológica (gravidez, nascimento e amamentação), mas também o trabalho de reprodução social, incluindo a reprodução quotidiana e geracional de formas sociais (como a família e o lar) através do trabalho doméstico e da socialização dos filhos.

© Etnográfica Press, 1994

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search